Campus: o sonho começa a sair do papel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campus: o sonho começa a sair do papel"

Transcrição

1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO ANO 27 - SETEMBRO OUTUBRO Nº 226/227/228 Campus: o sonho começa a sair do papel Reitor fala ao FaEInforma sobre a construção do Campus, sonho de toda a comunidade acadêmica destaca invoções do projeto e a participação de todos os diretores em sua elaboração. Por questões de espaço, a entrevista foi editada. A entrevista completa estará disponibilizada nos sites e 33º ENEPe (Pags 6 e 7 ) Estudantes de Pedagogia da FaE/CBH/UEMG participaram do 33º Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia. O ENEPe é um evento anual de estudantes de Pedagogia e Pós graduação em Educação e tem como objetivo realizar atividades políticas e acadêmicas que favoreçam o fortalecimento do movimento estudantil de pedagogia, como também das executivas de estudantes de pedagogia, buscando avançar qualitativamente no debate das questões atuais da Pedagogia e da Educação. O encontro deste ano aconteceu em Belém (PA), entre os dias 17 e 24 de agosto, com o tema (central): Educação na Amazônia: política, cultura, saberes e diversidade. Como destaque, no 33º ENEPe, os estudantes de pedagogia reafirmaram a ruptura com a UNE (União Nacional dos Estudantes), posicionaram-se contra a Regulamentação da profissão do pedagogo (PLC Nº 196 de 2009) e ainda elegeram Recife (PE) como sede do 34º ENEPe e Rio de Janeiro e Ceará como sede para os dois próximos FONEPe(s) (Fórum Nacional de Entidades Estudantis de Pedagogia). O grito das Ruas (Editorial) Professoras aposentadas ganham Café Cultural (Pág. 3) Professores da FaE que se doutoraram (Pág 8)

2 setembro/outubro de 2013 Editorial 2 Editorial: O grito das ruas Os movimentos inaugurados no mês de junho de 2013 certamente ficarão na memória. Homens e mulheres em diversas cidades do país, especialmente em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte saíram às ruas em um histórico grito de reivindicações que contemplavam temas da educação à saúde, da moradia à mobilidade urbana e do abuso dos gastos na copa aos pedidos de renúncia de deputados e senadores. O movimento encontrou ressonância sólida nas redes sociais e paulatinamente cidades de médio e pequeno porte foram surpreendidas com muitas pessoas nas ruas. As mobilizações estão longe de se equipararem aos movimentos da década de 1980, notadamente ao das Diretas Já. Até porque, dificilmente um analista mais atento poderia encontrar aqui e ali uma liderança capaz de aglutinar e levar às ruas milhares de pessoas. Mais que isso, lideranças e instituições, inclusive com capacidade de responder e se responsabilizar pela violência desmedida da polícia, desapareceram. De todo modo, os acontecimentos, que não tiveram fim no mês mencionado, nos permitem apontar para as seguintes questões: inegavelmente existe uma crise de legitimidade. As instituições, dentre elas as que navegam no campo político, definitivamente estão desacreditadas. O pedido de afastamento, a retirada do cenário de determinadas lideranças e as vaias direcionadas à presidenta da república podem ser o bastante para pontuar a crise. O fato é que as autoridades e lideranças políticas recolheram-se à insignificância ao diminuírem as tarifas do transporte público. São Paulo iniciou o processo que chegou logo depois em Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. As ações foram acompanhadas de outras que não deixaram de revelar que alguma coisa anda fora da ordem, fora da ordem mundial. A segunda questão diz respeito à força das redes sociais. Diferentemente de outrora os atores se mobilizaram através das várias possibilidades e conexões. Do computador ao celular, imagens e ações sociais foram enviadas em tempo real. As informações percorreram com rapidez os meios de comunicação e disputaram espaços com a grande mídia historicamente ligada aos interesses corporativos e patrimoniais que, há anos, estão no poder. Sem a força do contraditório - questão difícil em tempos de ostensiva corrupção, partidos, sindicatos e organizações governamentais perderam espaço. Lideranças efêmeras e flexíveis apareceram e desapareceram ao sabor das mobilizações e dos movimentos. Em algumas cidades, eles caminharam para assembléias horizontais, em outras, as relações continuam tensas até os dias de hoje, e em muitas, as autoridades vêm perdendo o rumo e passaram a utilizar a polícia, no intuito de controlar e reprimir os manifestantes. Por último, é impossível não mencionar o vazio político que foi configurado e, aparentemente vem aumentando, ante o aparecimento de mais e mais casos de corrupção e desmandos políticos. Dois cenários parecem claros. O primeiro é a possibilidade de grande renovação de autoridades políticas. Os analistas chegam mesmo a apostar em uma jovem política, acreditando que a vanguarda jovem da rua tenha produzido um público já cativo e que deseja mudanças. O segundo cenário, em uma visão apocalíptica, aposta que pouco ou nada vai modificar. O descrédito das autoridades e das instituições políticas no Brasil é secular e o legislativo, atrelado e vendido ao hiper poder do executivo, se vende ao cenário da coalizão abandonando a ideia de oposição e de situação. Perdidos entre esquerda e direita, apavorados com os rumos da democracia de centro, os eleitores podem tomar na cara e retornar ao campo de incertezas que se abriu em junho. Como se sabe, em tempos de incertezas, tudo pode acontecer, inclusive a emergência e maturação de um governo ditatorial e perigoso. De todo modo, os movimentos de junho de 2013 não podem ser esquecidos, afinal disseram alguma coisa e a gritaria aberta em todo o Brasil serviu, pelo menos momentaneamente, para acordar os que há anos vegetam no poder e que impedem que o país seja diferente, democrático, justo e bom. Fotos Lavínia Rosa EXPEDIENTE FaE Informa é uma publicação da Faculdade de Educação do Campus de Belo Horizonte da UEMG Edição: Equipe do CenC - Conselho Editorial: Alecir Francisco de Carvalho, Antônio Rodrigues Franco, Lavínia Rosa Rodrigues (Coordenadora), Iracema Capos Cusati, Lúcio Alves de Barros, Maria da Consolação Rocha, Ofélia de Souza Vieira, Regina Rosa dos Santos Leal, Vanda Lucia Praxedes; Secretária do CenC: Iara Ferreira. Centro de Comunicação: - Jornalista Responsável: Wanderley Pinto de Lima (Assessor de Comunicação da UEMG). Projeto Gráfico: Sofia Santos. Diagramação: Carla Xavier Radicchi (ASCOM). Ilustração: blogspot.com.br/2012_10_01_archive.html - Redação: Lavínia Rosa Rodrigues. Revisão: Antônio Rodrigues Franco. Fotos: Acervo do CenC e ASCOM. Universidade do Estado de Minas Gerais Reitor: Dijon Moraes Junior; Vice-reitora: Santuza Abras. FaE Diretora: Profª. Fátima Silva Risério - Vice-Diretora: Kátia Gardênia Henrique da Rocha Campelo. Os conceitos emitidos em colunas e artigos são de responsabilidade de seus autores. Editoração e Impressão: O Lutador - Tiragem: 1000 exemplares - Distribuição gratuita: circulação dirigida. Apoio: Fundação Renato Azêredo. Endereço: Rua Paraiba 29, Funcionarios, BH, MG - CEP:

3 3 Notícias setembro/outubro de 2013 Homenagens às Professoras Aposentadas Apresentação de Viola de Arco por Thiago Souza. Fotos Iara Ferreira O Centro de Comunicação organizou dois Cafés Culturais em homenagem às professoras Maria do Carmo (Carminha) Brandão de Faria e Maria de Freitas Chagas que se aposentaram em Educadoras do nosso tempo Carminha é pedagoga, Mestre em Educação e construiu uma carreira profissional inicialmente na UFMG, integrando a equipe multidisciplinar de projetos destinados a viabilizar a continuação da construção do Campus Pampulha/UFMG. No Curso de Pedagogia do IEMG (atual FaE/UEMG) começou em 1987, com a disciplina Estatística Aplicada à Educação no Departamento de Psicologia da Educação e Metodologia da Pesquisa. Ficou um período fora, quando trabalhou no Centro Universitário Newton Paiva. Retornou à FaE/ UEMG em 1994 como professora de Pesquisa em Educação, levando os estudantes a fazerem a problematização, o projeto, a pesquisa bibliográfica e a pesquisa de campo. Também esteve à frente da Coordenação da Extensão e da Escola Integrada. Sobre a homenagem recebida, Carminha expressa: Ela quebra um pouco da nossa sensação de não fazer mais parte da casa e nos dá a oportunidade de nos despedir de todos aqueles que nos são muito queridos Maria de Freitas foi aluna do Curso de Administração Escolar do Instituto de Educação de Minas Gerais, que formava o Orientador de Ensino Primário e o Diretor Escolar. Em 1970, ingressou no Curso de Pedagogia do IEMG, em sua primeira turma. Em 1982, iniciou a carreira de professora no Curso de Pedagogia do IEMG, como designada, atuando concomitantemente com o cargo de Supervisor Pedagógico na Escola Estadual Flavio dos Santos. Em 1989, tornou-se professora efetiva no Curso de Pedagogia do IEMG no primeiro cargo, e, em 1992 assumiu o segundo cargo na Instituição, após aprovação e respectiva nomeação em concurso público. Trilhando os caminhos na Instituição, atuou na docência, nas atividades de pesquisa, na Chefia do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino, na Coordenação de Pós-Graduação Lato Sensu e na Coordenação do Centro de Pesquisa, procurando sempre, em todos esses espaços, desenvolver o trabalho numa perspectiva coletiva e solidária. No outono de minha vida, revivendo os passos da minha caminhada, sinto que, em muitos momentos e de alguma forma, ajudei a construir uma parte da História da Educação do nosso mundo e, especialmente das Histórias do Curso de Pedagogia do IEMG, da Faculdade de Educação e da Universidade do Estado de Minas Gerais. Às professoras o agradecimento da Faculdade de Educação! Café Cultural em homenagem à professora Maria do Carmo. Professora Maria de Freitas

4 setembro/outubro de 2013 Artigo 4 25 anos da constitução Federal Princípio da igualdade entre homens e mulheres Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País, a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: I homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição. Lavínia Rosa Rodrigues Professora da FaE/UEMG A promulgação da Constituição Federal (CF), em 1988, representou um marco histórico da transição democrática e da institucionalização dos direitos humanos no país. Podese dizer que o processo constituinte foi um movimento popular e político de resistência ao poder autoritário, que fomentou debates e mobilizações nos diversos setores e organizações da sociedade civil e partidos políticos. Os trabalhadores e as trabalhadoras puderam pautar as reivindicações através de seus sindicatos e entidades que integravam os diversos Fóruns Pró-Constituinte, organizados de norte a sul do Brasil. Os avanços inscritos na CF são resultantes de conquistas a partir de muito enfrentamento político e ideológico e foram comemorados à época, ainda que a maior parte dos direitos consagrados dependesse de normas regulamentadoras complementares. Alguns, ainda hoje, sem regulamentação. A Constituição foi construída tendo como um dos eixos os princípios de direitos humanos e, nesse percurso, a luta organizada das mulheres ganhou forte protagonismo pela aprovação de suas reivindicações, sendo a mais importante o princípio incorporado ao texto constitucional, que confere às mulheres a condição de igualdade em relação aos homens. Dentre outros direitos conquistados, a licença-gestante de cento e vinte dias, sem prejuízo do emprego e do salário (artigo 7, incisos XVIII); a proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante normas regulamentadoras (artigo 7, inciso XX); prazo menor para a aposentadoria por tempo de serviço e de contribuição da mulher (artigo 40, inciso III; artigo 201, parágrafo 7º). Como dirigente do Sindicato dos Professores de Minas Gerais, durante o processo constituinte, tive oportunidade de somar à luta das mulheres, integrando o que, à época chamamos de lobby do batom, pois passamos a circular pelos corredores do Congresso com o objetivo de pressionar os/as parlamentares a incluírem na Constituição as propostas gestadas no movimento feminista. Nossa concepção emancipatória buscava apoio de todos à luta feminista das trabalhadoras, a partir da compreensão de que a subalternidade entre os gêneros é um instrumento usado pela sociedade capitalista para desqualificar e ampliar a exploração de um dos gêneros, mas que conspira não só contra a condição feminina, mas contra toda a classe trabalhadora. Em novembro de 1987 aconteceu em Brasília, no Congresso Nacional, o 1 Encontro Nacional A Mulher e as Leis Trabalhistas, quando 470 mulheres, representando as diversas categorias profissionais, discutiram temas que fortaleceram a luta por uma Constituição mais igualitária, tais como jornada de trabalho, direitos reprodutivos, garantia de emprego, a situação das trabalhadoras domésticas e rurais, entre outros, que indicaram um conjunto de proposições que influenciaram a elaboração dos dispositivos constitucionais. Duas recentes leis aprovadas reforçam muito da luta travada na Constituinte: a que determina igualdade de pagamento a homens e mulheres por igual função e a lei específica sobre violência doméstica (Lei Maria da Penha), que parte de uma definição ampla de violência, incluindo as dimensões psicológica e patrimonial. Não seria pouco dizer que os impactos decorrentes da aprovação do princípio da igualdade entre homens e mulheres provocam muitas mudanças de posturas e de reflexões sobre o cotidiano das relações que se dão nas entidades sindicais, na família, no trabalho, enfim nos tempos e espaços de construção coletiva. Trabalhadores e Trabalhadoras: uní-vos!

5 5 Notícias setembro/outubro de 2013 RÁDIO PARAÍBA 29: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA POR MEIO DO PROJETO RÁDIO ESCOLA A Rádio Paraíba 29 é uma iniciativa que nasceu de um projeto de pesquisa em 2009 e que, atualmente além de ser um novo meio de comunicação na unidade, vem também desenvolvendo ações de caráter extensionistas em escolas e instituições educacionais, contando com o auxilio do Programa Institucional de Apoio à Extensão PaEx/. A comunidade acadêmica foi convidada a participar da estruturação da Rádio Paraíba 29, em que se definiu um perfil para a rádio a partir de uma programação informativa de carater cultural e educativa. A equipe de professores e alunos, que compõe a Rádio Paraíba 29 vem ampliando as ações que desenvolve a partir do uso da linguagem radiofônica dentro e fora da unidade. Considerando que o rádio educativo tem se constituído como mídia de modelo comunicacional horizontal, democrático e participativo, que possibilita a que alunos e professores passem de consumidores para a categoria de produtores de conteúdo. Em 2012 nasceu o projeto Rádio Escola com o objetivo estabelecer uma parceria entre o (NECT) Rádio Paraíba 29 e escolas públicas, visando implantar WEB Rádios comunitárias, que possam colaborar com as práticas educativas em instituições de ensino. Em 2013, o projeto ganhou novas parcerias. A proposta está sendo executada pelo grupo de pesquisadores do Núcleo, com o apoio de bolsistas e conta com a participação da Escola Municipal Vasco Pinto da Fonseca, localizada no bairro Eldorado, no município de Contagem e a Escola Estadual Coração Eucarístico, no bairro Vera Cruz, em Belo Horizonte. A equipe do NECT colabora para promover a implantação de rádios escolares, oferecendo subsídios para a formação continuada de educadores em serviço e orientando para a implantação de infraestrutura necessária ao seu funcionamento. Com o objetivo de ouvir as demandas das escolas parceiras, o projeto realiza reuniões visando a atender as necessidades e intenções das escolas, apresentando as possibilidades de execução do projeto. São realizadas visitas técnicas nos espaços das instituições para planejamento, da montagem de infra-estrutura e para promoção de intervenções diversas por meio de mini cursos, oficinas e palestras. Em 4 de setembro passado, a fim de ampliar ainda mais as ações do projeto, professores que compõem a Equipe da Rádio Paraíba 29 foram recebidos na sede da Organização Não Governamental Núcleo Assistencial Veleiro da Esperança - NAVE, no município de Sabará - MG. Reuniramse com a Presidente da ONG, Lucileide Malaguth para discutir as possibilidades de implantação de uma web rádio para a Organização, visando a ampliar a rede de trabalhos sociais que a mesma realiza. A WEB Rádio Paraíba 29 atuará colaborando na formação de uma equipe naquela ONG, e realizará um trabalho de inclusão de crianças atendidas em diversas ações educativas da entidade.

6 setembro/outubro de 2013 Entrevista 6 Campus da UEMG: do sonho à realidade Para falar sobre a construção do Campus BH, sonho de toda a comunidade acadêmica, o Reitor, professor Dijon Moraes Junior, recebeu o. Por questões de espaço, a entrevista foi editada e estará disponibilizada, por completo, nos sites da instituição: www. uemg.br e http.fae.uemg.br. O terreno na região do bairro Cidade Nova, reservado ao campus BH foi doado em 2000 para a UEMG, com o compromisso de se construir as instalações num prazo máximo de 5 anos, sob pena de perder a doação. Quais os elementos novos podem dar esperança que teremos as instalações do Campus BH? O histórico da construção do Campus da UEMG em Belo Horizonte, na região da Cidade Nova, nos remete a um longo e tortuoso percurso. Da cessão do terreno para a Universidade, pelo então governador Eduardo Azeredo em 1999, quando o reitor ainda era o professor Aluísio Pimenta, já se passaram longos anos, vários governadores e três reitores. Naquela ocasião, o prazo previsto para a construção do campus seria de cinco anos; assim, as obras deveriam estar prontas desde Um mérito das gestões que se seguiram ao período da doação do terreno foi o de negociar o prazo da construção para manter o direito do terreno com a UEMG. O anteprojeto da obra foi elaborado em 2004 e não é mais o ideal para a Universidade nas dimensões atuais. Ele também não contava com projeto executivo que permitisse iniciar as obras nem tampouco a de infraestrutura que permitisse a realização do edital. Como a atual gestão procurou solucionar a falta de um projeto executivo para a realização das obras do Campus? Diante disso, realizamos uma ação junto à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), que se prontificou a levantar os recursos necessários para a realização do projeto executivo do Campus com recursos da FAPEMIG, no valor de R$ 2,7 milhões. A empresa vencedora do edital para a realização do projeto executivo foi a mineira Engesolo Engenharia, que entregou, no final de 2011, todo o projeto executivo constante de detalhamento técnico construtivo (com 2,7 mil pranchas de detalhamento dos edifícios) e a maquete tridimensional, em exposição na entrada da Reitoria. Quais as inovaçoes contidas neste novo projeto? Lembramos que entre a transformação do anteprojeto existente para o projeto executivo final foram realizadas significativas transformações, considerando o aumento de cursos, oficinas, laboratórios e espaços para a pós-graduação, que não foram previstos inicialmente. Para tanto, todos os diretores que estavam na gestão em 2010 se reuniram sistematicamente com a direção do campus, à época com o professor Rogerio Bianchi, e com a orientação dos arquitetos Alonso Lamy e Geraldo Vasconcelos, da UEMG, que auxiliaram a equipe de engenheiros e arquitetos da Engesolo na adequação e ampliação dos espaços de acordo com os anseios da comunidade acadêmica de todas as unidades a ser transferidas para o novo campus. O processo de chamamento para a construção do Campus BH jà foi lançado? No início do ano 2012, sempre em alinhamento com a Sectes, lançamos o edital para a construção da Escola de Música, a primeira obra a ser edificada no campus por decisão do Conselho Universitário da UEMG. Na sequência, fomos surpreendidos com a notícia de que o edital continha vícios que poderiam impedir o início das obras ou mesmo embargá-las, fato que nos fez cancelá-lo. Em seguida, já com o auxilio do Departamento de Obras Publicas do Governo do Estado (Deop) reiniciamos, a partir dos prazos e carências exigidos em Lei, o novo processo de licitação. A diretoria do Deop e a Unidade Gestora de Obras - UGOB da SECTES, em busca de minimizar o atraso no cronograma anteriormente estipulado, nos propuseram que a obra de infraestrutura fosse realizada em sua totalidade, em vez de parcialmente, e que os blocos dos prédios viessem construídos por fases e etapas distintas. Que outros desafios tiveram que ser enfrentados? Para tanto, outro desafio vinha posto: que a venda do terreno de 29 mil m2 fosse efetuada e que o valor obtido fosse integralmente destinado à construção do campus. Tudo isso em busca de corresponder aos aumentos iniciais dos investimentos e aportes necessários, estimados em mais de R$ 70 milhões, considerando inicialmente somente as obras da ESMU e da FaE. Autorizado pelo CONUN em 2013, o edital de venda

7 7 Entrevista setembro/outubro de 2013 do terreno resultou em deserto por duas vezes (respeitando os prazos previstos em lei, que era de interstício de no mínimo três meses entre o lançamento de cada edital). Nesse ínterim, outra frente foi aberta na reitoria em busca de cuidar dos aspectos documentais construtivos relativos à Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, como a legalização do projeto executivo e a cessão de 15% do terreno previsto em Lei Municipal ao executivo municipal; aprovação de impacto ambiental e de impacto sobre a vizinhança. Em que estágio de operacionalização encontra-se o edital de chamamento para a construção do Campus BH? Em agosto de 2013, em reuniões entre representantes do Governo de Minas, UEMG e SECTES, chega-se à conclusão de lançamento do edital por fases, desta vez, autorizado e anunciado pelo Governo de Minas para o início de realização da infraestrutura e edificação da Escola de Música com recursos da Fapemig e do Governo de Minas (Fase 1) e edificação da Faculdade de Educação, esta última ainda condicionada à venda do terreno (Fase 2). Em recente reunião de Governo (SECTES, UEMG, SEPLAG e Deop), realizada em setembro de 2013, vem à tona a necessidade de desmembramento das planilhas técnicas de custos e de projeto entre os prédios da ESMU e da FaE, que se encontram em um mesmo bloco construtivo, com compartilhamento das redes de água, esgoto e elétrica (dentre outros), sendo esse o motivo da não realização do edital já no mês de setembro. Resolvidas tecnicamente essas questões de desmembramentos, fica confirmado, portanto, o lançamento no mês de outubro do edital da infraestrutura do campus e de construção da Fase 1 relativa à Escola de Musica, com recursos da Fapemig e do Governo, e da Fase 2 relativa à Faculdade de Educação, na sequência, condicionada à venda do terreno, cujo novo edital de venda (com valor redimensionado pela Minas Gerais Investimentos MGI e reavaliação feita pelo BDMG em setembro de 2013), que será também anunciado em outubro de Se tudo correr bem e vencendo as burocracias e imprevisões técnicas, as obras do campus da Uemg se iniciam em janeiro de Como o campus foi projetado? Está adequado às novas exigências e mudanças na área tecnológica? O projeto básico foi realizado em 2004 pela empresa NBC - Nastás, Bertolucci e Círico Arquitetos do Paraná. Não me seduz pelos aspectos plásticos e estéticos e já não representa a arquitetura contemporânea, mas isso é uma opinião de designer, que trago na minha formação profissional. Mas, como gestor, eu não poderia desconsiderar o anteprojeto existente e que custou aos cofres públicos à época cerca de R$ 500 mil e começar o projeto do zero. A meu ver seria um desrespeito com o dinheiro e a coisa pública. Tomei a decisão pela revisão do anteprojeto existente, tendo o cuidado de adaptá-lo às condições em termos de crescimento e necessidades atuais da universidade, bem como prover o projeto final de tecnologias construtivas mais modernas e condizentes com o impacto ambiental, economia energética, sustentabilidade e acessibilidade. Para tanto, todos os diretores das nossas unidades, sob orientação da reitoria, debateram em comissões internas nas suas unidades e tiveram constantes reuniões com o nosso diretor de campus à época e com nossos arquitetos, que muniram de informações a Engesolo para a adaptação e atualização do anteprojeto e ainda para a realização do projeto executivo. Inclusive, devo agradecer oportunamente a todos os diretores e equipe da reitoria, envolvidos pela dedicação e o trabalho estóico na adaptação do projeto do campus, com muitas ideias e soluções inovativas. Recordo, por exemplo, que no anteprojeto inicial não tinha espaço para os mestrados hoje existentes e, também não constavam espaços para os centros de estudos e de pesquisa agora existentes. O novo campus contará com um teatro de arena, espaço de convivência, piso que absorve e recicla a água pluvial para reutilização em jardins e paisagismo, bem como placas de coletor solar, mecanismos que não haviam sido previstos no anteprojeto inicial. O atual projeto de construção do Campus BH foi socializado com a comunidade acadêmica? Todos os projetos do Campus Uemg foram apresentados no Conselho Universitário, em que estavam presentes todos os diretores atuais das unidades de BH. Muitos dos diretores solicitaram aos nossos arquitetos uma apresentação nas suas unidades, o que ocorreu na ESMU, Guignard e na Escola de Design. A equipe da reitoria estará sempre à disposição e terá o maior prazer em realizar uma apresentação do projeto e da maquete virtual quando solicitado. (*) A entrevista completa encontra-se disponibilizada nos sites e http.fae.uemg.br

8 setembro/outubro de 2013 Notícias 8 Professores da FaE que se doutoraram Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e o Livro Didático de Matemática é a tese defendida por Gláucia Marcondes Vieira, em junho/2013, sob a orientação da Dra. Maria Laura Magalhães Gomes, do Programa de Pós Graduação em Educação da FaE/UFMG. Na busca por compreender as práticas pedagógicas de docentes dos anos iniciais do Ensino Fundamental em relação aos livros didáticos de Matemática, objetivouse, nesta investigação, escutar atentamente, e entrevistar 10 professores que atuam em escolas das redes pública e particular de Belo Horizonte. A análise desse material levou à constituição de duas unidades em relação aos usos dos livros didáticos: os livros didáticos de Matemática para as práticas pedagógicas e os livros didáticos de Matemática para a formação do docente que ensina Matemática. Um Estudo sobre as Contribuições de um Curso de Formação Continuada a partir das narrativas de professoras que ensinam Matemática, tese defendida por Andrea Silva Gino em julho/2013, sob a orientação da Dra. Maria Laura Magalhães Gomes do Programa de Pos Graduação em Educação da FaE/UFMG. Buscou-se compreender as contribuições do curso de Especialização em Educação Matemática do Programa de Pós Graduação Lato Sensu em Docência na Educação Básica LASEB, a partir das narrativas de professoras que ensinam Matemática no 2º ciclo de formação da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte. As narrativas indicam que o LASEB marcou positivamente a história de formação dessas professoras, entretanto, verificou-se, também, que os resultados do curso foram considerados frágeis para a sustentação do papel de professoras que ensinam Matemática nos anos iniciais do EF. Saberes na web: trocas discursivas sobre Dengue nas redes sociais online, tese defendida, em julho/2013, por Luciana Zenha, sob a orientação da Dra. Silvania Sousa do Nascimento, do Programa de Pós Graduação em Educação da FaE/ UFMG; na linha de pesquisa Educação Escolar: Instituições, Sujeitos e Currículos. O papel da informação é determinante para a formação e possível mudança de valores e condutas, contudo, nas redes sociais colaborativas, por isso, faz-se necessário conhecer as dimensões comunicativas/ informacionais e os saberes que envolvem a aplicação das muitas ações que apresentam conhecimentos científicos para educar e desencadear mudanças de conduta da população. Este estudo objetiva analisar tais ações e permitir descrever e identificar as trocas discursivas predominantes no fluxo de informação sobre a DENGUE nas redes e mídias sociais na web. www (World Wide Web). Link para acesso à tese: Fatores de Permanência e Evasão no Programa de Educação Profissional de Minas Gerais (PEP/MG): 2007 a 2010, tese defendida, em julho/2013, por Wander Augusto Silva, sob a orientação da Dra. Rosemary Dore Heijmans, do Programa de Pós Graduação em Educação da FaE/UFMG; na linha de pesquisa Políticas Públicas em Educação. O objetivo da pesquisa é o de identificar os motivos que levam os alunos do PEP/MG a permanecer ou a abandonarem o seu curso de formação profissional. As pesquisas realizadas nesta tese indicam a existência de altos índices de abandono escolar, da ordem de 30%. Adotouse o trajeto metodológico da triangulação de pesquisa, envolvendo duas pesquisas empíricas sobre o PEP/MG, realizadas pelo autor, e dados estatísticos secundários sobre a evasão no PEP/MG. Teoricamente recorrese aos conceitos da Escola Ativa, da Teoria do Capital Humano, do Estado Mínimo, do neoliberalismo e da Escola Unitária. A construção de práticas pedagógicas inclusivas em uma escola pública de Belo Horizonte, tese defendida, em setembro/2013, por Sonia Maria Rodrigues, sob a orientação do Dr. Júlio Emílio Diniz Pereira, do Programa de Pós Graduação em Educação da FaE/UFMG. Esta tese discute os limites e as possibilidades da construção de práticas pedagógicas inclusivas em uma escola pública da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, com alunos(as) com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento. Os dados da pesquisa revelaram que a política de Educação Inclusiva do município, em consonância com a política do governo federal, vem conseguindo avanços no sentido de receber a todos (as) nas escolas e viabilizar o Atendimento Educacional Especializado para dinamizar o acesso ao conhecimento, embora os profissionais participantes da pesquisa ainda não reconheçam o apoio efetivo da rede nas práticas cotidianas. Modos de pensamento de adultos em processo de escolarização na EJA, tese defendida por Ana Catharina Mesquita de Noronha, em setembro/2013, sob a orientação do Dr. Leôncio José Gomes Soares, do Programa de Pós Graduação em Educação da FaE/UFMG. Este trabalho visou compreender os modos de pensamento de adultos em processo de escolarização na Educação de Jovens e Adultos (EJA). A pesquisa foi realizada em uma sala de aula do ensino fundamental da EJA da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte (RME/BH). Buscou-se analisar como e sob quais condições os educandos pensam acerca dos conhecimentos que vivenciaram na prática pedagógica. Os casos estudados revelaram que o pensamento expresso por meio de palavras não foi construído de modo isolado da constituição do sujeito histórico-cultural.

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA ENSINO MÉDIO. Construindo valores na escola e na sociedade. Edital nº 584, de 16 de setembro de 2005

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA ENSINO MÉDIO. Construindo valores na escola e na sociedade. Edital nº 584, de 16 de setembro de 2005 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA ENSINO MÉDIO Construindo valores na escola e na sociedade Edital nº 584, de 16 de setembro de 2005 O Ministério da Educação - MEC, por meio deste edital de seleção pública de

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS PROJETO ACESSIBILIDADE TIC: ACESSIBILIDADE AO CURRÍCULO POR MEIO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Projeto aprovado

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

De 16/03 a 24/04 Mais de 50 reuniões Mais de 100 horas de diálogo Duas viagens à Macapá Leitura de 22 relatórios Acompanhamento de processos,

De 16/03 a 24/04 Mais de 50 reuniões Mais de 100 horas de diálogo Duas viagens à Macapá Leitura de 22 relatórios Acompanhamento de processos, EDUARDO MARGARIT De 16/03 a 24/04 Mais de 50 reuniões Mais de 100 horas de diálogo Duas viagens à Macapá Leitura de 22 relatórios Acompanhamento de processos, licitações e obras Mais de 800 alunos Mais

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Evento acontece na cidade de Caxambu e começa nesta sexta (18)

Evento acontece na cidade de Caxambu e começa nesta sexta (18) https://www.educacao.mg.gov.br/imprensa/noticias/178 3-educacao-amplia-interlocucao-com-representantes- do-movimento-sindical Notícia veicula no site Portal da Educação em 17/02/11 Secretária Ana Lúcia

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Estado de Minas Gerais Mas o que é mesmo que esse caderno

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 De ordem da Senhora Diretora do Centro de Pesquisas René Rachou (CPqRR), da Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO Comunicação Christina Ferraz Musse estratégica Comunicação Social para grupos de economia popular solidária de Juiz de Fora e região (Núcleo de Comunicação Social da INTECOOP/ UFJF) Website da Liga Acadêmica

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

REGULAMENTO DA VIII SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA CEFET-MG. Tema: Economia Verde, Sustentabilidade e Erradicação da Pobreza

REGULAMENTO DA VIII SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA CEFET-MG. Tema: Economia Verde, Sustentabilidade e Erradicação da Pobreza SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DA VIII SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA CEFET-MG Tema: Economia Verde, Sustentabilidade

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Oi FUTURO ABRE INSCRIÇÕES PARA EDITAL DO PROGRAMA Oi NOVOS BRASIS 2012

Oi FUTURO ABRE INSCRIÇÕES PARA EDITAL DO PROGRAMA Oi NOVOS BRASIS 2012 Oi FUTURO ABRE INSCRIÇÕES PARA EDITAL DO PROGRAMA Oi NOVOS BRASIS 2012 Programa vai selecionar projetos socioambientais para receberem apoio técnico e financeiro Instituto de responsabilidade social da

Leia mais

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Veículo: Portal Agência Alagoas Data: 15/05/2015 Coluna/Editoria: EDUCAÇÃO Página: On-line Agência Alagoas Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Documento está disponível no

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

Pós-graduação em Gestão das Minorias

Pós-graduação em Gestão das Minorias 1 Ascensão Acadêmica Pós-Graduação alavanca sucesso na carreira profissional Pesquisa coordenada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2010, indica que as pessoas que não

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

EDITAL 1. APRESENTAÇÃO

EDITAL 1. APRESENTAÇÃO VII SEREX Seminário Regional de Extensão Universitária da Região Centro-Oeste Extensão: fortalecimento, integração e desenvolvimento para Região Centro-Oeste Memorial Darcy Ribeiro, UnB - Campus Universitário

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Como você vê o futuro da EAD na universidade pública brasileira?

Como você vê o futuro da EAD na universidade pública brasileira? Como você vê o futuro da EAD na universidade pública brasileira? A mídia costuma ser implacável em relação à EAD: tomando por base uma realidade inegável na qual os antigos cursos de fim de semana, na

Leia mais

PLANO DE GESTÃO (2014-2018)

PLANO DE GESTÃO (2014-2018) PLANO DE GESTÃO (2014-2018) Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna Martins Vice-Reitor: Prof. Dr. Leonardo Beroldt Porto Alegre, junho de 2014. PLANO DE GESTÃO (2014-2018) AVANÇAR PARA CONSOLIDAR! A Uergs

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA EDITAL 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DTORADO 2015 O Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO MACHADO, Marcela, R.L. MOREIRA, Priscila R. Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO: Este

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. 2013 a 2020

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. 2013 a 2020 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 2013 a 2020 Comissão: Élice Fernando de Melo Erivelton Geraldo Nepomuceno Lane Maria Rabelo Baccarini Leonidas Chaves Resende Márcio Falcão

Leia mais

Consultor/a Local Direitos do Trabalho da Mulher

Consultor/a Local Direitos do Trabalho da Mulher PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Normatiza a oferta de cursos a distância, em nível de graduação, sequenciais, tecnólogos, pós-graduação e extensão universitária ofertados pela Universidade

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais