UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA LÍGIA SOUZA PETRINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA LÍGIA SOUZA PETRINI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA LÍGIA SOUZA PETRINI Da situação geográfica à situação jurídica Estudo de caso na quadra 46 da Comunidade de Paraisópolis / SP TRABALHO DE GRADUAÇÃO INDIVIDUAL SÃO PAULO 2013

2 LÍGIA SOUZA PETRINI Da situação geográfica à situação jurídica Estudo de caso na quadra 46 da Comunidade de Paraisópolis / SP TRABALHO DE GRADUAÇÃO INDIVIDUAL (TGI) APRESENTADO AO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA SOB A ORIENTAÇÃODO PROFESSOR DOUTOR RICARDO MENDES ANTAS JR. SÃO PAULO 2013

3 DEDICATÓRIA Ao Núcleo de Direito à Cidade onde, como e quando o trabalho coletivo, a organização, a disciplina, o saberes popular e acadêmico entraram em sintonia na busca incansável por uma cidade mais justa e por uma sociedade em que a exploração do homem pelo homem não seja naturalizada.

4 AGRADECIMENTOS Iniciando meu 7º ano na Universidade, aos meus pais, Elisabete e Sérgio, por acreditarem que o ensino superior público, a Geografia e a Educação, para os menos favorecidos, é uma realidade que gera frutos, traz alegria e é capaz de mudar o mundo, aqui estou eu. Lucas, meu irmão, por ter me dado alegria, com piadas e diversão, sobre a minha demora na graduação, aqui o fruto dessa demora. Leila, companheira, camarada, lutadora, amiga, minha irmã. A você, o trabalho que tanto nos move por caminhos tortuosos, rumo a uma cidade justa, rumo à moradia digna, rumo à socialização dos bens. Essa é a materialização de que as mudanças estão apenas esperando nossa movimentação para acontecerem. Meus amigos, que em tantas noites de Diversão me fizeram desligar um pouco da ansiedade da graduação: Gilga Bruno, Tia Feia Danilo, Roska - Rodrigo, JV - João Vitor e todos da ETESP, minha alegria em compartilhar toda a juventude e passar para a vida profissional com vocês, nesses 10 anos de amizade, não tem palavras. À Prasseta. Aos camaradas, Saudações! Certamente a luta por outra sociedade não seria a mesma se não os tivesse encontrado. As reuniões, as eleições, as urnas, as assembleias, as plenárias não seriam as mesmas se não tivesse com vocês toda a vivência militante desses 7 anos. Lucas Rosa, Flávio Petracioli, Júlio Fonseca, Ana Marília, só a Geografia poderia nos proporcionar tanta clareza sobre as tarefas colocadas no dia a dia. Apoena Cosenza, Bruno M. Theodosio, Juliano - Xu, que a história, a economia e a biologia nunca sejam as mesmas. E a todos que com o passar dos anos aumentaram as fileiras do Movimento Estudantil consequente e pautado na realidade, em luta por outro projeto de Universidade, estarei sempre à disposição! Xu, obrigada em particular por aguentar minhas lágrimas, por ouvir minhas bobagens, por fazer loucuras comigo, pelo ombro amigo que estes 6 anos só me fizeram bem. A luta LGBT precisa de você e de mais gente como você! Flávia Ferrari, mãe, mulher, trabalhadora, minha comadre! Que a vida do Bernardo seja cheia de alegrias, que ele seja o motivo de felicidades. Obrigada pela oportunidade em participar da vida de uma criança! Aos amigos que nessa trajetória de academia e militância fizeram da graduação um momento único: Caetano Patta - Caê, Gabriel Lourenço - Gabs, Thales Marreti, Renan Pena, Luiz Barros, Janaína de Moraes, Bruno Dantas. Por último e com o fôlego de sempre, ao Núcleo e ao Departamento Jurídico XI de Agosto DJ, o advogado orientador sempre presente, Rodrigo Ribeiro de Sousa e ao Professor Doutor Celso Fernandes Campilongo. Esse trabalho não existiria sem vocês. Os militantes disciplinados, divertidos, comprometidos e amorosos que eu pude ter a oportunidade de conviver e acreditar que uma nova sociedade tem que existir e é possível. A luta por uma cidade para todos, a luta por moradia e

5 condições de vida digna na cidade de São Paulo, a possibilidade de um novo modelo educacional, as discussões sobre as táticas e estratégias do movimento popular, da extensão universitária, da militância no movimento estudantil, o Direito, a Geografia, não são os mesmos com vocês! Gabi Machado, que a luta feminista não seja em vão, que o trabalho de formiguinha seja um passo para a conquista de nossos direitos. Ana Marília, que a clonagem esteja acessível em breve, para você realmente poder ser mais que uma nessa batalha diária. Stacy, (Ana) Navarrete, Rafael (Tatemoto)! Que esse mundão de dificuldades, injustiças e contratempos só sirva pra mostrar quanto trabalho temos pela frente, obrigada pelos desafios que vocês me colocaram e por me fazer ver que o Direito vai para além dos muros da Faculdade de Direito SanFran. Em especial, meu carinho, admiração e felicidade em poder encontrar o melhor companheiro, amigo e camarada, na Universidade: Zé, que este trabalho signifique tanto para mim quanto para você, o fruto de anos de discussões, brigas e alegrias que compartilhamos. Sou muito grata na concretização de uma verdadeira amizade, pela cumplicidade e pela militância que lhe é peculiar. Que esses anos de amizade se multipliquem, revivam a cada conversa, a cada momento. Obrigada pelos puxões de orelha, pelas palavras duras, pelas mensagens desafiadoras e pela vontade de sempre em me ver feliz. A você, a admiração por ser quem é. E por ser quem eu sou hoje. Aos moradores sempre carinhosos, alegres, preocupados conosco, com os nossos domingos e nossas famílias, Glorinha, Josi e Seu Francisco. Com certeza o saber de vocês vale muito mais que muitos livros; a vida de vocês, muito mais que uma simples história e nossos domingos muito mais que meras reuniões. Obrigada por seguirem confiando no Núcleo. À Pró Reitoria de Cultura e Extensão Universitária quando, enquanto Representante Discente e bolsista de extensão, militei pela necessidade na mudança de estrutura das políticas de cultura e extensão, no fomento às iniciativas extensionistas verdadeiramente ditas, populares, que a Universidade de São Paulo cumpra um dia seu papel, ser Universal. Obrigada por apoiar e financiar as atividades do Núcleo de Direito à Cidade, para além de ajudas financeiras, levamos a Faculdade de Direito, a Faculdade de Filosofia e a Geografia para o Brasil e América Latina afora. Ao professor sempre paciente Ricardo Mendes. É com grande alegria, que depois de dois anos, posso apresentar esse trabalho com a maturidade que lhe é necessária. Obrigada pela orientação.

6 Prepare o seu coração Pras coisas Que eu vou contar Eu venho lá do sertão Eu venho lá do sertão Eu venho lá do sertão E posso não lhe agradar... Aprendi a dizer não Ver a morte sem chorar E a morte, o destino, tudo A morte e o destino, tudo Estava fora do lugar Eu vivo prá consertar... Na boiada já fui boi Mas um dia me montei Não por um motivo meu Ou de quem comigo houvesse Que qualquer querer tivesse Porém por necessidade Do dono de uma boiada Cujo vaqueiro morreu... Boiadeiro muito tempo Laço firme e braço forte Muito gado, muita gente Pela vida segurei Seguia como num sonho E boiadeiro era um rei... Mas o mundo foi rodando Nas patas do meu cavalo E nos sonhos Que fui sonhando As visões se clareando As visões se clareando Até que um dia acordei... Então não pude seguir Valente em lugar tenente E dono de gado e gente Porque gado a gente marca Tange, ferra, engorda e mata Mas com gente é diferente... Se você não concordar Não posso me desculpar Não canto prá enganar Vou pegar minha viola Vou deixar você de lado Vou cantar noutro lugar Na boiada já fui boi Boiadeiro já fui rei Não por mim nem por ninguém Que junto comigo houvesse Que quisesse ou que pudesse Por qualquer coisa de seu Por qualquer coisa de seu Querer ir mais longe Do que eu... Mas o mundo foi rodando Nas patas do meu cavalo E já que um dia montei Agora sou cavaleiro Laço firme e braço forte Num reino que não tem rei Geraldo Vandré, Disparada, 1966

7 Resumo O presente trabalho tem como finalidade estudar, através dos métodos geográficos de observação e conceitos para a análise da realidade como situação geográfica para o estudo de caso sobre a situação de moradia e a regularização da habitação de moradores da favela de Paraisópolis em São Paulo. Os instrumentos jurídicos utilizados para a perspectiva geográfica a fim de encontrar na sua convergência para explicações sobre a o espaço geográfico, são fundamentais para compreender como processos judiciais podem garantir o direito à moradia digna e o acesso à habitação para as camadas marginalizadas que ocupam as periferias das metrópoles. Aliando, portanto os métodos geográficos e a perspectiva da sociologia do direito, este trabalho apresenta-se como um esforço em ultrapassar as categorias geográficas e jurídicas, para estabelecer assim formas renovadas de interpretação da realidade. Palavras-chave: favela, Paraisópolis, situação geográfica, sociologia do direito, movimentos sociais, planejamento urbano. A reprodução total ou parcial desta monografia é autorizada desde que citada a fonte e 7 comunicada à autora.

8 SUMÁRIO Introdução 9 Capítulo 1 A urbanização desigual da Vila Andrade: Paraisópolis e Morumbi 13 O Morumbi e as Cidades-Jardim 15 Paraisópolis 23 A consolidação das periferias e o atendimento às demandas populares 26 Capítulo 2 Situação geográfica: os elementos espaciais para a abordagem jurídica na quadra Capítulo 3 As teorias do Direito e o respaldo acadêmico na atuação com os moradores 35 O Pluralismo Jurídico 35 A organização dos moradores na favela: mecanismos regulatórios 40 Capítulo 4 A Faculdade de Direito, a regularização fundiária e o Estatuto da Cidade 44 A extensão universitária e o papel da Universidade e dos estudantes na consolidação do direito à moradia 46 Transdiciplinaridade: para além das disciplinas na atuação e no estudo de caso 49 Capítulo 5 Políticas públicas, urbanização, regulação e normatização do território 54 Da situação geográfica à situação jurídica 60 Da situação jurídica à situação geográfica 61 Considerações Finais O Plano de Urbanização, a Regularização Fundiária e a especulação imobiliária na quadra Bibliografia 70 8

9 Da situação geográfica à situação jurídica Estudo de caso na quadra 46 da Comunidade de Paraisópolis / SP Introdução O histórico de ocupação de terras sem fins sociais nos grandes centros urbanos provoca frequentemente, inúmeras questões sobre a maneira como ocorre o ordenamento urbano, o planejamento territorial e ainda, como se dão os programas e o acesso à moradia popular, digna e adequada. Paraisópolis não é uma exceção a este processo. Encravada entre dois dos bairros mais elitizados da cidade de São Paulo, se constituiu, desde sua ocupação nos anos 60, na maior favela de São Paulo, e em seguida aparece a favela de Heliópolis. O processo de ocupação de um terreno abandonado pelos seus proprietários na década de 60, e que deu origem à que chamamos hoje de Paraisópolis, é produto da ocupação do bairro do Morumbi, enquanto este também era promovido através de construtoras no surgimento de grandes casas e edifícios de alto padrão, e se tornava um dos bairros com alta concentração de serviços administrativos, de empresas e corporações brasileiras e estrangeiras, aliando o crescimento da indústria de construção civil e posteriormente, a prestação e serviços domésticos, de segurança e limpeza. Paraisópolis cresceu e cresce sob a ótica perversa da segregação espacial em uma das maiores metrópoles do mundo. A ocupação dos lotes do terreno onde hoje se localiza Paraisópolis se configurou conforme as necessidades da população que ali chegava. No início, casas de madeira, os famosos barracos, foram tomando o lugar de grandes loteamentos endividados onde se localizava a Fazenda Morumbi, loteada em seguida pela União Mútua Companhia Construtora e Crédito S.A. e abandonadas por famílias japonesas, caracterizadas como posseiras dessas terras, que por elas foram transformadas em chácaras. Mesmo sem infraestrutura elétrica, rede de esgoto, luz, serviço básicos como saúde, educação e transporte, as pessoas dali a pouco tempo consolidaram a Comunidade Paraisópolis no bairro Vila Andrade. Os barracos do início dos anos 60 deram lugar às casas de alvenaria já em meados dos anos 70, os serviços básicos chegaram à população na década de 80 e a necessidade de consolidar seu direito à moradia se tornou imperativa. 9

10 A administração da cidade de São Paulo, na figura das instituições de planejamento municipal, tentava ao mesmo tempo em que a ocupação se consolidava, concluir um planejamento e ordenamento territorial que regulasse o uso do solo em cada um dos seus bairros. A dificuldade em planejar e ordenar se tornava tão grande quanto à complexidade em lidar com as ocupações, tanto em terrenos públicos quanto privados, que aconteciam por todas as áreas periféricas na cidade. Os empecilhos eram de variadas ordens: a inexistência de um projeto abrangente de planejamento nas grandes capitais do país, que fosse capaz de referenciar o ordenamento territorial em uma cidade como São Paulo; a formulação sobre o tema nas grandes esferas de formação político-acadêmica ainda embrionários; e a dificuldade de transposição de modelos europeus de planejamento urbano para a realidade brasileira. Sobre este ponto, Santos (2003 [1979] p.187,188) explicita a importação de formas para a mudança de estruturas sociais em países em desenvolvimento que creditam a necessidade de técnicas advindas destes países para o planejamento das cidades. Sob a custa do insucesso do planejamento urbano nas cidades europeias, observados em meados do século XX, as técnicas por eles utilizadas não teriam no Brasil, ou na América Latina, os resultados procurados, ou seja, para o desenvolvimento da cidade nos países em desenvolvimento e em termos capitalistas, na década de 1950, era necessário rever as formas para que o urbano cumprisse a função que lhe era assim destinada: desenhar novas relações espaciais. O planejamento passa a ser um instrumento de modificação ou de inovação do espaço onde, por sua vez, se manifestam as transações do capital: A nova forma chega junto com um conteúdo importado. A incorporação de uma nova forma à formação socioeconômica significa a incorporação de seu conteúdo à mesma formação socioeconômica. (Santos, 2003 [1979] p. 201). A resposta para os problemas da ocupação e uso do solo na cidade de São Paulo e, particularmente, a regularização dos terrenos já ocupados pela população 10

11 carente, só vieram muito tempo depois que as ocupações aconteceram e que, por sua vez, estavam já consolidadas. Em 2002, com a aprovação do Plano Diretor Estratégico da cidade, que recorre ao Estatuto da Cidade (Lei 10257/2001) finalizada e votada em 2001, a gestão municipal é responsável por, entre outros assuntos, a regular e ordenar as moradias por instrumentos de participação coletiva, além de instrumentos jurídicos que avançam na perspectiva da conquista do título de propriedade nas áreas ocupadas por moradias precárias. O Estatuto da Cidade, por sua vez, propõe instrumentos urbanísticos que avançam na conquista do título de propriedade de casas em áreas particulares ocupadas, com destaque ao instrumento de Usucapião Coletivo, que prevê o título de posse para um conjunto de moradores, que comprovem sua moradia no mesmo local por pelo menos cinco anos e, ainda, que não possua nenhuma outra propriedade em seu nome em território nacional. Tal instrumento é usado para a regularização fundiária de uma quadra da Comunidade de Paraisópolis. Para a efetivação de tal processo, que vem acontecendo desde 2002, foi firmado um convênio com a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, na figura do Centro Acadêmico XI de Agosto e a gestão municipal da época, que além de dar apoio técnico, arcaria com os custos dos estudantes que se envolveriam no processo. O usucapião coletivo é um instrumento que efetiva o direito à moradia, dividindo igualmente a partir da chamada fração ideal o terreno entre todos os moradores que constituem o processo. Hoje, o processo envolve esferas que vão além do Direito. Baseado nas leituras de Paulo Freire (1967; 1970; 1971; 1996), o grupo se estrutura de maneira multidisciplinar e agrega outras áreas do conhecimento como arquitetura, turismo, ciências sociais, políticas públicas e geografia. Para que entendamos o processo para além de um número no fórum, também nos formamos com leituras de urbanistas, geógrafos e cientistas sociais. Isso porque a concepção de Direito ultrapassa o simples registro de uma propriedade, e revela inúmeras características dos moradores e da área em questão. O fato de existir um grupo universitário com um processo de usucapião coletivo nesta quadra em Paraisópolis provoca, entre os moradores envolvidos, as 11

12 mais diversas reações, levando em consideração as maneiras como o grupo se coloca junto a eles. Elementos como o aprendizado a partir de Paulo Freire em educação popular, a participação dos moradores nos processos decisórios e políticos da quadra onde moram e da comunidade como um todo, o domínio de elementos jurídicos importantes para a segurança no andamento do processo e ainda, a possibilidade de integração e interação dos moradores com o grupo e o processo de usucapião são as principais características do trabalho realizado na comunidade. O processo de usucapião coletivo é o ponto que chama atenção ao escrever este trabalho. Após 24 meses participando ativamente do grupo de extensão universitária que orienta o processo e atua na comunidade de Paraisópolis, podemos perceber como algumas características espaciais se aproximam e se sobrepõem com o processo em si, de maneira a modificar a configuração e a organização da área em questão somente com a presença de um processo jurídico. Um processo jurídico coletivo como este, esboça para a comunidade envolvida e para o poder público, uma espécie de segurança que é garantida pela existência de um mecanismo jurídico, normativo do Estado, que incorpora aos moradores o direito à moradia digna. O objetivo desta monografia é tratar de diversos aspectos socioespaciais que configuram uma dada situação geográfica (Silveira, 1999) frente ao mecanismo jurídico colocado em prática. Para tanto, é necessário destacar a maneira como situações, não como um conjunto de fatos ou fatos analisados isoladamente, mas enquanto um processo de análise da realidade, partindo de premissas do passado, sendo entendidos no presente, na configuração do espaço e sua construção, bem como na consolidação de uma perspectiva do Direito para além da mera funcionalidade ou somente enquanto uma técnica jurídica, a importância da interdisciplinaridade do grupo de extensão universitária envolvido, o comprometimento dos moradores da quadra nas ações pela consolidação de sua moradia e de seu direito à habitação, as mudanças ocorridas ao longo dos anos na configuração da quadra, destacando a segurança jurídica frente às características espaciais, e ainda, a valorização de suas moradias pela presença de um processo que se baseia em uma das leis mais progressistas em termos de ordenamento territorial no Brasil e a segurança perante o poder publico, de não efetivação de despejos sem o devido conhecimento do caso que se estabelece na quadra. 12

13 Capítulo 1 A urbanização desigual da Vila Andrade: Paraisópolis e Morumbi O bairro do Morumbi é produto de um loteamento realizado nos anos 20, que deu origem a 2200 lotes, onde se localizava a antiga Fazenda Morumbi. Esta, por sua vez, tinha uma das maiores plantações de chá da Índia, a partir da chegada do inglês John Rudge em 1825, e era pioneira dessa cultura em São Paulo, lugar onde se encontram hoje as favelas que compõem o Complexo Paraisópolis, entre elas a favela de Paraisópolis, localizada no distrito de Vila Andrade, vizinha do Distrito Morumbi. O processo de loteamento não foi completamente regularizado, e tampouco foi finalizado, tornando o Morumbi uma região abandonada, alvo de ocupações informais ao longo das décadas que se seguiram. Dado o tamanho dos loteamentos e a distância considerável do centro da cidade, grandes personalidades passaram a ocupar alguns dos grandes terrenos, sendo a primeira casa construída após o loteamento de autoria da arquiteta Lina Bo Bardi, a Casa de Vidro (fig.1), na década de Cabe salientar que estes terrenos ocupados por personalidades e famílias tradicionais da elite paulistana, como Oscar Americano, Maria Mesquita da Motta e Silva, Ribeiro Macedo e Duarte, Chibata Miyakoshi, Oagy Kalile, José Gustavo Bush e Armando Trompowsky, as chamadas famílias quatrocentonas (levando este nome em 1954, em razão da comemoração de quatrocentos anos da cidade de São Paulo), estavam em posse da então construtora responsável, a União Mútua Companhia Construtora e Crédito Popular S.A. e seus proprietários estavam caracterizados enquanto compromissados 1. 1 De acordo com relatos da época, a concessão de uso dos lotes era feita em forma de compromissados. É provável que estes proprietários pagassem por pequenas parcelas à União Mútua Cia Construtora e Crédito Popular S.A. para fins de uso e construção nos lotes. 13

14 Casa de Vidro da Arquiteta Lina Bo Bardi nos mostra em segundo plano a área ainda não ocupada no bairro do Morumbi. Figura 1 (Fonte: em jan-2013) A Vila Andrade, localizada na Subprefeitura de Campo Limpo, é hoje um dos bairros que possui elevados IDH (0,853) 2 e concentração de renda na cidade de São Paulo, mesmo levando em consideração as favelas que compõem o Complexo de Paraisópolis, revelando disparidades econômicas latentes e espacialmente estruturadas. Os bairros nobres que circundam o Complexo estão entre os bairros da cidade que possuem domicílios com renda média mensal entre salários mínimos, enquanto Paraisópolis aparece com renda média mensal per capita de R$558,28 3 em um universo de 20 mil domicílios 4. Por conta da quantidade de terrenos vazios e a transferência da sede do governo do Estado e da construção do estádio Cícero Pompeu de Toledo o Morumbi para a região, a ocupação de tais terrenos se deram de maneira desenfreada, dando origem a um conjunto de complexos de moradias precárias, que se tornaram hoje como conhecemos as favelas de Real Parque, Jardim Panorama, Jardim Colombo, Porto Seguro e Paraisópolis, fazendo limite com esta última. 2 Atlas do Trabalho de Desenvolvimento da Cidade de São Paulo, HABISP, CENSO,

15 O Morumbi e as Cidades-Jardim O projeto de Cidade-Jardim foi concebido por Ebenezer Howard em seu livro publicado em 1898 e republicado em , e tinha como objetivo estruturar uma relação socioespacial das cidades no Reino Unido que, na época, estavam crescendo em decorrência da industrialização que atingia toda Europa, e aumentando vertiginosamente sua população, principalmente de ex-camponeses, que passaram a ser empregados nas fábricas que incrementavam sua produção. Neste momento, devido ao aumento na produção industrial, as cidades começavam a crescer a partir dos seus centros urbanos, se organizando de maneira espontânea, as grandes cidades se transformaram em metrópoles em que as finalidades de seus espaços não eram definidos, fazendo com que o projeto de Howard encontrasse respaldo dentro da possibilidade do planejamento urbano. Percebendo que o crescimento populacional nas cidades trazia consigo uma série de problemas que comprometiam a qualidade de vida de seus moradores, Howard sugeriu em sua obra que o ordenamento territorial e espacial fosse feito de maneira a aglomerar todos os aspectos citadinos quanto campestres em um só ambiente, contribuindo para a manutenção da qualidade de vida de todos. Neste sentido, planejou então, a partir das especificidades do terreno, uma espécie de cidade que contivesse elementos do campo e da cidade, e que ainda, mantivesse cada ambiente, suas características fundamentais. Isso condizia com a fórmula que guiou seus desenhos: as cidades com muitas oportunidades de emprego e socialização careciam de espaços livres, devido o seu aumento populacional, já o campo, com sua farta produção de alimentos e ainda seu contato estreito com a natureza, carecia de oportunidades de emprego e infraestrutura. Assim, o que se convencionou em caracterizar como ímãs as duas áreas com as suas características, campo e cidade, seriam contrabalanceadas entre si e complementares. Dessa forma, Howard acreditava que os aspectos positivos das duas vivências estariam contemplados no projeto, o que ele chamou de Town- Country (Campo-Cidade). No Brasil, e particularmente na cidade de São Paulo, a Cia City, empresa que nasceu a partir de investidores brasileiros, ingleses e franceses em Londres, trouxe 5 HOWARD, E. Tomorrow: A peaceful path to real reform, 1898 / Garden cities of To-Morrow. Londres, Faber and Faber, 1946 [1902]. 15

16 da Europa o conhecido conceito de cidade-jardim. A Cia City comprou em São Paulo 15 milhões de metros quadrados, se estabeleceu na cidade em 1912, e com projetos baseados na concepção de Howard, respeitando os declives e as áreas verdes, dizendo também associar a falta de áreas verdes e o calor que era insuportável na cidade com projetos que consorciavam aspectos da cidade e do campo para uma melhor qualidade de vida. Os arredores de Paraisópolis, na Vila Andrade e o bairro do Morumbi são rodeados por bairros como Butantã, Caxingui e Jardim Guedala, moldados a partir da concepção da Cia City e a ideia de cidades-jardim. Segundo a própria Cia City, sua missão se define enquanto construtora de bairros com qualidade de vida que proporciona, dotados de segurança, respeitando a sociedade, os conceitos de cidadania, o meio ambiente e remunerando seus acionistas. 6 Não irei me concentrar aqui sobre a questão conceitual da arquitetura das cidades-jardim, porém, não é difícil de perceber, através de fotos aéreas, que os arruamentos no entorno da Favela de Paraisópolis não escapam aos conceitos promovidos pela Cia City na região e sua concepção de urbanização, salientando ainda, que a urbanização do bairro não fora feito pela Cia. Ao mesmo tempo em que a incorporadora reivindica os conceitos de Howard, termos como urbanização e a sua entrada no mercado das incorporadoras imobiliárias, demonstra que as ideias originais do urbanista-culturalista inglês, a partir do estudo da superpopulação da cidade e a vinda dessa população dos campos, na procura de equacionar sua ocupação a partir de novos desenhos para a configuração da produção e da vida nas cidades, foram modificadas a fim de criar ambientes e, acima de tudo, espaços de segregação social a partir da produção espacial direcionada a uma determinada, e diminuta, parcela da população. Haja visto o que Hall 7, na interpretação de Renato Saboya, diz sobre as ideias de Howard: Segundo ele, os autores costumam descrevê-la como um espaço urbano isolado em uma grande área rural. Hall argumenta que Howard propôs, ao contrário, que um sistema de cidades fosse construído dentro de distâncias não muito grandes. Assim, tão logo a população da primeira cidade-jardim atingisse seu máximo, outra cidade seria construída em local próximo, cuidando, entretanto para que uma área rural fosse mantida entre as duas. Estas seriam 6 em Sir Peter Geoffrey Hall, urbanista e geógrafo britânico (1932- ). 16

17 conectadas por estradas de ferro, que se encarregariam de possibilitar o intercâmbio de mercadorias. (Saboya, R. Ebenezer Howard e a Cidade-Jardim). 8 Dessa maneira, o bairro Morumbi concentra uma classe alta paulistana, com projetos de arborização baseadas no estilo cidade-jardim, não conforme a proposta original de Ebenezer Howard e sim enquanto a proposta de valorização das terras, partilhadas em loteamentos vendidos e financiados particularmente pelos futuros proprietários em nome da Cia City, se transformando no que conhecemos hoje como cidade verde (Bovo, 2011) 9 e que nessa apropriação, as áreas verdes fazem parte do cotidiano dos moradores, não os afastando da dinâmica de uma cidade em plena atividade econômica crescente como São Paulo, e também agregando elementos da vida campestre como a tranquilidade transmitida por aspectos como a natureza. Podemos notar a diferença a partir da análise que Saboya faz sobre a obra de Howard: Howard concebeu um mecanismo engenhoso para viabilizar a criação e a manutenção de uma Cidade-Jardim. Inicialmente, um terreno localizado em área rural deveria ser comprado por um grupo de pessoas, para abrigar a futura cidade. Esse terreno seria comprado por um preço baixo, compatível com o preço de terras rurais, a partir de um financiamento. O aumento do número de habitantes nessas terras seria capaz de diluir os juros do financiamento e de constituir um fundo para ir quitando aos poucos o principal. Assim, a partir de pagamentos relativamente pequenos, os habitantes da Cidade-Jardim poderiam quitar a dívida assumida e ainda obter recursos para as ações coletivas necessárias (construção de edificações públicas, manutenção dos espaços abertos, etc.). Na área rural, a competição natural entre os produtores, as culturas e os modos de produção deveriam indicar quais produtos seriam cultivados. Aqueles que conseguissem gerar mais renda se estabeleceriam nos arredores da Cidade-Jardim. A renda, entretanto, não seria apropriada por um único indivíduo, já que a terra teria sido adquirida coletivamente. Os benefícios obtidos em termos financeiros pelo aumento do valor da terra e, como consequência, pelo incremento da renda fundiária, seriam convertidos em menores impostos e mais investimentos coletivos (Saboya, R.; Ebenezer Howard e a Cidade-Jardim). 10 A ideia inicial de Howard portanto, não se objetivava estabelecer um padrão de planejamento de bairros de alto padrão, mas sim em resolver problemas novos que 8 em Maringá: uma (re) leitura da imagem da cidade verde. Bovo, M. C.; Amorim, M. C. C. T., acesso em

18 começavam a aparecer em cidades que estavam crescendo, como a insalubridade, pobreza e poluição, aliando elementos da vida urbana que estava se iniciando, e rural, experiência esta que é chamada por ele de ecologia humana. Ao fazer seus desenhos urbanísticos que tiveram a primeira experiência concreta no Reino Unido, a Cidade Jardim Letchworth em Hertfordshire (fig. 2), em 1903, Howard inovou a percepção de cidade, respeitando sua topografia e criando ambientes com características da cidade e do campo em um só lugar. Figura 2 (Tratamento da foto: Petrini, L. S.) O polígono nos mostra uma imagem de 2009 a partir do Google Earth. Esta área é onde se localiza a cidade jardim em Hertfordshire, no Reino Unido Seus projetos tiveram eco em alguns países como Estados Unidos, França e Brasil, sendo aqui capitaneado pelas empresas de construção de casas de alto padrão e na implementação de um planejamento territorial da cidade, mostrando a possibilidade de ordenamento da cidade baseado em conceitos verdes e não mais, como na sua proposta inicial, de conciliar aspectos da vida rural e urbana em uma determinada região da cidade. Em seu livro Morte e vida nas grandes cidades 11 (p ), Jane Jacobs critica o planejamento da cidade enquanto mecanismos funcionais para cada área de ocupação. Sob o argumento que as cidades tem uma vida própria e suas áreas se configuram de maneira autônoma para o desenvolvimento dela mesma, vai de encontro aos ideais de urbanistas como Howard, que estabelecem para cada área 11 Muerte y vida de las grandes ciudades, Barcelona, 1973 [1967], Edicions 62 s a. 18

19 da cidade uma função, tirando a sua mobilidade e consequentemente a sua vida. A relação das atividades desenvolvidas pelos habitantes da cidade com a sua construção possui sua importância à medida que esta contempla a forma de vida de seus moradores e expressa no espaço suas atividades. O planejamento das cidades não pode, dessa forma, sob seu ponto de vista, estar atrelada à variáveis como moradias e empregos, pois assim, a cidade perderia seu dinamismo. Com essa perspectiva é que os distritos de Vila Andrade e Morumbi são caracterizados como bairros de alto padrão e como um conceito de bairro verde, e não de convivência próxima, com estilo cooperativo, proposto por Howard. Segundo ele, a ideia com os projetos cidade-jardim era de resolver problemas provenientes da urbanização e das cidades que estavam crescendo e se consolidando, unindo as oportunidades e beleza destas cidades com os prazeres do campo. Por outras características como estruturação espacial das zonas funcionais em residencial, comercial, industrial, médico-hospitalar e administrativa, previamente estabelecidas entre si, os distritos de Vila Andrade e Morumbi, o primeiro onde está localizada Paraisópolis e o segundo enquanto vizinho próximo, não podemos dizer que ambos são expressões do conceito cidade jardim de Howard, e sim de um projeto capitaneado no plano das ideias e da técnica pelas construtoras e empreiteiras, se tornando então uma ideia de cidade verde. Tal mudança de concepção na consolidação do que podemos chamar de bairros nobres, pode ser enfatizada pela presença da Cia City em São Paulo, que idealizou os bairros onde hoje se concentra a classe alta paulistana, como Alto de Pinheiros, Alto da Lapa, Butantã, Caxingui e Jardim Guedala, além dos projetos de paisagismo como o Anhangabaú. As terras onde se localiza hoje a Vila Andrade eram de propriedade da Fazenda do Morumbi nos anos 20. Com o passar dos anos, a família Pignatari se tornou proprietária de uma chácara, loteamento da própria Fazenda. Indiferente das famílias que compraram terras da antiga Fazenda Morumbi, os Pignatari tinham um alto poder aquisito. O proprietário da chácara, o banqueiro Agostinho Martins de Andrade, da Casa Bancária Andrade e Filhos, que deu origem ao nome do bairro, tinha naquele espaço um local de veraneio para sua família, como uma área de lazer, entre os anos 30 e 40, sua família, residia no bairro Paraíso, próximo à atual Avenida Paulista. Falecido em 1945, seus filhos venderam a chácara, com mais de 19

20 600mil pés de eucalipto e cujo jardim se tornou o que conhecemos hoje como o Parque Burle Marx, nos anos 50. Essa terra foi comprada por uma empreendedora, sócia da empresa que conhecemos hoje como Camargo Correa, na figura Sebastião Camargo, então dono da construtora. A aceleração no crescimento do bairro se deu a partir dos anos 70, a partir de um tímido loteamento da área nos anos ,13. Dessa maneira, a Vila Andrade, que se localiza na Zona Sul da cidade, é muitas vezes e comumente chamada de Novo Morumbi, explicitando interesses do mercado imobiliário em fazer referência ao bairro nobre que se localiza na Zona Oeste da cidade, o Morumbi. Paraisópolis é caracterizado como um bairro distinto da Vila Andrade ou mesmo do Morumbi, por conta de seus moradores de baixa renda e pouca instrução formal, e se insere numa lógica de planejamento urbano da cidade que não contemplou elementos originais de projetos oriundos da concepção de Howard, mas incorporou em alguns espaços, concepções europeias de paisagismo e da arquitetura moderna, como dito anteriormente, na presença do Parque Burle Marx e nas construções de Niemeyer dentro do Parque. O planejamento da cidade ainda carecia de um modelo que contemplasse suas particularidades, e neste momento, se explicitava os primeiros desenhos e influências político-espaciais que teriam relevância neste projeto. Nos anos 50 o Morumbi e região já eram alvo de loteamentos comerciais. O projeto de retificação do Rio Pinheiros avançava na popularização da outra margem do Rio, e a família Matarazzo, entre outras, vendia seus terrenos para imobiliárias, entre outras justificativas, para a quitação de dívidas e de impostos com o Estado. No momento das vendas, a Imobiliária Aricanduva se torna proprietária de uma vasta área no Morumbi, e logo começa o seu loteamento. O São Paulo Futebol Clube (SPFC), à mesma época, fez duas solicitações sem sucesso, para a construção do seu estádio na cidade, a primeira seria na área pantanosa, vizinha do Parque Ibirapuera, projeto vetado pela Prefeitura, a segunda, seria nas áreas da Light, fruto da retificação do Rio Pinheiros, sem sucesso também, devido o interesse da Light em dar ao local um caráter empresarial. Com a venda de lotes pela Aricanduva, o SPFC viu a grande oportunidade em instalar o estádio. A partir de empréstimos com a Caixa Econômica Estadual, após os empréstimos também cedidos a clubes como o Corinthians e o Palmeiras para o mesmo fim, o Clube inicia 12 Bairros Paulistanos de A a Z, Levino Ponciano, SENAC, em

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964

51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 Conselheiro Inaldo da Paixão Santos Araújo Presidente do Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA) Campo Grande, 12 de junho de 2015 Ontem Hoje Amanhã

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

Pré-vestibulares comunitários e o movimento territorial: Os casos dos pré-vestibulares da Maré e do Caju *

Pré-vestibulares comunitários e o movimento territorial: Os casos dos pré-vestibulares da Maré e do Caju * Pré-vestibulares comunitários e o movimento territorial: Os casos dos pré-vestibulares da Maré e do Caju * Kayobi de Azevedo Vargas Discente do Curso de Especialização em Ensino de Geografia Universidade

Leia mais

j.e.segatto@gmail.com, ana.13.sanchez@gmail.com

j.e.segatto@gmail.com, ana.13.sanchez@gmail.com TITULO: Educação Popular e Regularização Fundiária em Paraisópolis. EJE: Ponencia Extension, docencia e investigación. AUTORES: Lígia Souza Petrini, Paula Santana Santos, José Eduardo Carvalho Segatto

Leia mais

Em ritmo chinês A arquiteta Mariana Gerotto, de 26 anos, mudou-se para a Vila Andrade, na Zona Sul, em 2000, mas só recentemente descobriu ser esse o nome do bairro. Apesar de ele estar gravado nas placas

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes)

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) MÓDULO A 2015 FASE II Nesta Rota de Aprendizagem destacamos a importância

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

MARCA. ponto PARA A SUA. Os desafios ambientais abrem oportunidades para olhares mais atentos.

MARCA. ponto PARA A SUA. Os desafios ambientais abrem oportunidades para olhares mais atentos. Os desafios ambientais abrem oportunidades para olhares mais atentos. Ao adotar uma praça, sua empresa cria novas formas de atuar na responsabilidade social, amplia perspectivas de mercado e desenvolve

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Sul www.policeneto.com.br

Sul www.policeneto.com.br zona Sul Sacomã Um dos distritos mais populosos de São Paulo, o Sacomã conta com uma grande rede de transporte, mas ainda sofre com a desorganização fundiária Saiba mais sobre os Bairros Vivos de SP em:

Leia mais

Observatório das Metrópoles

Observatório das Metrópoles Direito à Cidade e a Segregação Residencial: desafios do Estatuto da Cidade Prof. Luiz César de Queiroz Ribeiro Observatório das Metrópoles A aprovação do Estatuto da Cidade marca nova etapa na política

Leia mais

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Noé Vega Cotta de Mello Joseane da Silva Almeida Projeto de Extensão Habitação de Interesse Social Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013 Colégio Santa Clara Prof. Marcos Densidade e crescimento demográfico brasileiro (FUVEST 2011) E este mapa, por que que ele difere dos demais? a) Correlacione as informações

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 José Maria Filho ¹, Bruno Rodrigo 1, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo Helena Rizzatti Fonseca helena.fonseca@ige.unicamp.br IG/UNICAMP Palavras-chave: urbanização, periferização,

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Outubro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS QUE

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Estudo de morfologia e infraestrutura de recortes espaciais com instrumentos analíticos do urbanismo ecológico

Estudo de morfologia e infraestrutura de recortes espaciais com instrumentos analíticos do urbanismo ecológico Estudo de morfologia e infraestrutura de recortes espaciais com instrumentos analíticos do urbanismo ecológico Stefanie Ap. Rubia Santos Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC stefanierubia@puccamp.edu.br

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS RIOS, R.B. 1 RESUMO: Nos dias atuais o ordenamento territorial, torna-se de suma importância frente aos

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 { Rotary Club São Paulo Morumbi Comp. Antonio Limongi Presidente Comp. Claudio Moysés Governador D.4610 Ano rotário 2013-2014 Comp. Helen de Montille Ferreira RCSP

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

Recursos e Fontes de Financiamento

Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento A disponibilidade de recursos financeiros para a implementação do Plano Local de HIS é fundamental para a concretização dos objetivos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BENEVIDES; Faço saber que a Câmara

Leia mais

2.3 A segregação social e a segregação espacial

2.3 A segregação social e a segregação espacial CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE 2.3 A segregação social e a segregação espacial Villaça (1998:142) comenta que há segregações das mais variadas

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira

Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira Jardim América, Brazilian version of the garden suburb neighbourhood TITO FLÁVIO RODRIGUES DE AGUIAR Arquiteto. Doutorando em História, UFMG Resenha

Leia mais

Manual do Associado 2013/2014

Manual do Associado 2013/2014 Manual do Associado 2013/2014 Praça Conde de Barcelos 1 2 A SAAP E SUA ORIGEM Somos uma associação da sociedade civil sem fins lucrativos, fundada e legalmente constituída em dezembro de 1977, com o objetivo

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8487, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga as Leis nºs 7.273, de 12 de janeiro de 1994, e 7.600,

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) *C0051538A* C0051538A *C0056280A* C0056280A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) Dá ao Plenário 16 do Anexo II da Câmara dos Deputados a denominação "Zezéu

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL JACINTA ANDRADE NA CIDADE DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ, BRASIL

CONJUNTO HABITACIONAL JACINTA ANDRADE NA CIDADE DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ, BRASIL 4. VIVIENDA E INCLUSIÓN Gilda Collet Bruna, Maria Augusta Justi Pisani, Constance Jacob Melo, Erika Ciconelli de Figueiredo y Erica Lemos Gil I São Paulo, Brasil CONJUNTO HABITACIONAL JACINTA ANDRADE NA

Leia mais

RESULTADOS E/ OU DISCUSSÕES:

RESULTADOS E/ OU DISCUSSÕES: 1761 A INFLUÊNCIA DA INDUSTRUALIZAÇÃO COMO CONDICIONANTE PARA AS MUDANÇAS NO ESPAÇO URBANO EM FEIRA DE SANTANA- BAHIA Juliana da Silva Correia 1 ; Juarez Duarte Bomfim 2 1. Bolsista PROBIC/UEFS, Graduanda

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais?

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais? Depoimento de Oswaldo Setti de Almeida Filho Ação Moradia Carla- Bom dia, Oswaldo. Oswaldo Bom dia, meu nome... Carla- Eu gostaria que você me falasse primeiro o seu nome completo, a sua data de nascimento

Leia mais

Objetivos. Metodologia.

Objetivos. Metodologia. APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PELA INICIATIVA PRIVADA: UM ESTUDO DE CASO EM FERRAZ DE VASCONCELOS. Aline Silva Barros Universidade de São Paulo, FFLCH, Departamento de Geografia. Projeto de Trabalho de

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO Evandro Neves evandronevez@live.com Universidade do Estado do Pará Filipe Dias Evandro Neves li.pedias@hotmail.com Universidade

Leia mais

Segregação Socio-espacial no Bairro Vila de Fátima- Serrinha - BA

Segregação Socio-espacial no Bairro Vila de Fátima- Serrinha - BA Segregação Socio-espacial no Bairro Vila de Fátima- Serrinha - BA Cristiane da Silva Machado¹ crys.machado@hotmail.com Nilmar dos Santos Silva¹ Saulo da Silva Oliveira¹ RESUMO: O presente artigo faz uma

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos.

Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos. TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA CIDADE DE SÃO CARLOS: CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS FECHADOS E NOVAS FORMAS DE SOCIABILIDADE Ferreira, Francisco Barnabé 1 franbar@linkway.com.br 1 Aluno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE Jeferson Dantas Navolar Edson Luiz Cardoso Pereira Maringá, 11 de junho de 2015 POLÍTICA URBANA NO BRASIL Anos de 30 Legislação sobre loteamentos

Leia mais