PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CEATEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CEATEC"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CEATEC ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DEGRADAÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL URBANA EM SUB-BACIAS URBANAS E PERIURBANAS INTEGRANTES DE MANANCIAIS REGIONAIS Relatório de Análise da recuperação urbana e ambiental de assentamentos regularizáveis na área de mananciais do abc paulista. CAMPINAS Março de 2005

2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CEATEC ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DEGRADAÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL URBANA EM SUB-BACIAS URBANAS E PERIURBANAS INTEGRANTES DE MANANCIAIS REGIONAIS Relatório de Análise da recuperação urbana e ambiental de assentamentos regularizáveis na área de mananciais do abc paulista Laura Machado de Mello Bueno Doutora Resumo A pesquisa Análise das condições de degradação e recuperação ambiental em sub-bacias urbanas e periurbanas integrantes de mananciais regionais foi realizada de setembro de 2003 a janeiro de 2005 com apoio da PUC-Campinas e é integrado ao Grupo de Pesquisa do CEATEC Água no meio Urbano e à linha de Pesquisa do Mestrado em urbanismo do CEATEC Gestão Urbana. A degradação e a recuperação ambiental em sub-bacias urbanas e periurbanas de mananciais em regiões metropolitanas são analisadas. São analisados casos de assentamentos populares irregularmente implantados na área de proteção dos mananciais da Grande São Paulo (bacia hidrográfica do reservatório Billings). As prefeituras e associações de moradores realizaram ações de educação, desenvolvimento econômico comunitário, gestão e obras de recuperação e compensação ambiental e de adequação urbana, com acompanhamento do Ministério Público e Secretaria Estadual de Meio ambiente. Através de obras de saneamento ambiental e complementação da urbanização, controle urbano procura-se minimizar os impactos negativos ocorridos. Foram aplicadas soluções inovadoras de adaptação de tecnologias para drenagem e tratamento de esgotos. A análise é baseada em indicadores sócioambientais, urbanísticos, biológicos, físico-químicos e elaboração de avaliações e mapas temáticos. Ao final são apresentadas conclusões e recomendações quanto ao aprimoramento das ações. Abstract Palavras-chave: Mananciais, recuperação ambiental, adequação urbana, assentamentos precários, habitação, saneamento ambiental, avaliação, gestão urbana 2

3 SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Objeto e objetivos da pesquisa 3. Introdução 4. Resultados 5. Conclusões 6. Recomendações 7. Referências Bibliográficas ANEXOS 3

4 1. APRESENTAÇÃO Esse Relatório de Análise da recuperação urbana e ambiental de assentamentos regularizáveis na área de mananciais do abc paulista é resultado da pesquisa Análise das condições de degradação e recuperação ambiental em sub-bacias urbanas e periurbanas integrantes de mananciais regionais foi realizada de setembro de 2003 a janeiro de 2005 com apoio da PUC-Campinas e é integrado ao Grupo de Pesquisa do CEATEC Água no meio Urbano e à linha de Pesquisa do Mestrado em urbanismo do CEATEC Gestão Urbana São analisados casos de assentamentos populares irregularmente implantados na área de proteção dos mananciais da Grande São Paulo (bacia hidrográfica do reservatório Billings), onde foram aplicadas soluções inovadoras de adaptação de tecnologias para desenho urbano, drenagem e controle de poluição difusa. A análise é baseada em indicadores sócioambientais, urbanísticos, biológicos, físico-químicos e elaboração de avaliações e mapas temáticos. Ao final são apresentadas conclusões e recomendações quanto ao aprimoramento das ações. O Laboratório de Geoprocessamento do CEATEC deu todo o apoio técnico para a pesquisa, (inclusive orientação e treinamento à aluna Laura Batista da Silva) elaborar o georreferenciamento das informações de campo, com a orientação técnica de Rafael.Pinto. O Laboratório de saneamento Ambiental deu apoio técnico para a fundamentação do uso de análises de água, através do prof. Lélio Massai e da enga. Juliana Palhares. Concluiu-se não pertinente elaborar as análises, devido a operação ainda inicial das ETEs. Mas a partir desta reflexões foi gerado um relatório específico. (ANEXO) Trabalharam diretamente na pesquisa os estudantes Joana Gabos e Joana Ribeiro, de fevereiro a junho de 2004, Laura Batista Silva, de agosto de 2004 a janeiro de 2005, alunas da FAU, e Pedro Cauê Mello Rosa Monteiro, da FCB, de novembro de 2004 a janeiro de As duas primeiras auxiliaram na revisão bibliográfica. Laura executou comigo todos os trabalhos de campo e de tabulação. Pedro elaborou a interpretação das fotografias áreas das duas sub bacias mapas. Todos foram remunerados pela pesquisadora. A concepção metodológica da pesquisa e os aprimoramentos efetuados foram apresentados ao Grupo de Trabalho da Fundação João Pinheiro, de Belo horizonte, responsável pelo 4

5 desenvolvimento de indicadores de qualidade de vida urbana para o Ministério das Cidades. Seus resultados relativos a São Bernardo do Campo estão sendo apresentados e incorporados ao Projeto de saneamento ambiental em andamento na área, pela Prefeitura, dentro do Programa PAT PROSANEAR, do governo federal. O ISA - Instituto Sócioambiental nos convidou para apresentar ao seu corpo técnico os resultados da pesquisa, consubstanciado neste Relatório de Análise da recuperação urbana e ambiental de assentamentos regularizáveis na área de mananciais do abc paulista. 5

6 2. OBJETO E OBJETIVOS DA PESQUISA Os casos estudados situam-se na bacia hidrográfica do reservatório Billings, na região metropolitana de são Paulo. As obras foram promovidas pelas prefeituras municipais de São Bernardo do Campo e Santo André. Propusemo-nos a verificar se houve resultados positivos em relação à adequação urbana melhorou a qualidade de vida urbana dos moradores? A vida humana está mais sustentável? O local está mais saudável e seguro para a vida humana? e em relação à recuperação ambiental Melhoraram as condições para produção de água do manancial? Os contaminantes que chegam à represa diminuíram? A tendência de ampliação das ocupações irregulares e predatórias diminuiu? Procurou-se averiguar os resultados alcançados pelas ações de adequação urbana e ambiental nos dois assentamentos precários e irregulares em área de proteção de mananciais. 6

7 3. INTRODUÇÃO 3.1. Aspectos históricos e regionais Os dois casos estudados encontram-se na bacia hidrográfica do reservatório Billings, na região sul da Grande São Paulo. A Região metropolitana de São Paulo, institucionalizada em 1975, reúne características contrastantes. Área com maior concentração de riqueza e atividade econômica do Brasil, apresenta também os mais graves problemas de concentração da pobreza e degradação ambiental, especialmente a relacionada à água. A região do Grande ABC é uma das principais áreas industriais de São Paulo, com municípios importantes e grande concentração de população de baixa renda e onde, nas últimas décadas, houve grande crescimento de assentamentos irregulares que não tem serviços de saneamento básico. O reservatório Billings foi formado com o represamento do rio Grande, afluente do rio Pinheiros (principal afluente do Alto Tietê) e rio das Pedras, que verte para a Serra do Mar. A represa foi construída para regularização de vazão para a hidrelétrica de Edgard de Sousa, ou Parnaíba, no rio Tietê, assim como havia sido construída em 1912, a represa Guarapiranga. Em 1925 a Cia de Eletricidade Light aprovou o Projeto Serra, construindo a Usina hidrelétrica Henry Borden, para produção de energia para a indústria paulista, no alto da Serra do Mar, através da mudança de curso do rio Pinheiros, que passou a receber água do rio Tietê e acionar as turbinas através do vertedouro no reservatório Billings (rio das Pedras). Assim, o reservatório Billings tornou-se o receptor das águas dos rios que passam pelas áreas urbanizadas da capital e cidades próximas. Segundo BUENO, 1994: 74 Nessa época a urbanização estava ainda distante da bacia hidrográfica deste reservatório. Entretanto, a aprovação do Projeto Serra, que permitiria à Light canalizar o rio Pinheiros e sanear as terras de sua várzea, iria proporcionar uma grande expansão da ocupação urbana em direção a sul. Como foram construídos para produção de energia elétrica, e não para abastecimento de água, à época não foram desapropriadas as terras das suas bacias, providência que era tomada nos mananciais da capital. Segundo BUENO, 1994,:74 essa mudança da estratégia de obtenção de água bruta desapropriação e uso exclusivo de águas para abastecimento vai sendo quebrada em função da expansão urbana, que por um lado 7

8 compromete os mananciais e, por outro lado, aumenta a demanda de água, aliada ao desenvolvimento de técnicas de desinfecção e tratamento da água, como a introdução da obrigatoriedade da cloração (de 1926). A expansão urbana e crescimento econômico de São Paulo a partir dos anos 30 se deveram primordialmente à oferta de energia proporcionada pelo Projeto Serra. Ao mesmo tempo, este projeto fez com que a visão sobre os recursos hídricos de São Paulo privilegiasse a produção energética, em detrimento do saneamento básico e preservação da vida aquática. São Paulo, que em 1900 tinha habitantes (OSEKI, 1991), apresenta em habitantes (FIBGE). Os municípios do ABC também crescem, integrando e constituindo a metrópole. Nos anos 40 a barragem de Pirapora, no rio Tietê, foi alteada, aumentando a produção de energia elétrica em Henry Borden e também a ocorrência de enchentes no rio Tietê. Os rios Pinheiros e Tietê foram canalizados, suas várzeas e meandros aterrados e urbanizados. A separação dos esgotos das águas pluviais foi menosprezada, sendo esses dois rios os receptores de esgotos. O reservatório então foi sendo contaminado por efluentes domésticos e industriais. Em 1956 a governo estadual construiu uma barragem separando o braço do rio Grande do corpo principal da represa, garantindo assim a qualidade da água para abastecimento e retirando água para abastecer parte do ABC. A partir dos anos 70, com a ampliação das alternativas de energia elétrica com Itaipu, a Usina Henry Borden torna-se menos importante. Ao mesmo tempo, a deterioração das águas do reservatório, começa a incomodar a população, já que agora as terras em torno da represa forma urbanizadas. Em 1970 a Grande São Paulo (constituída como região metropolitana em 1975 por lei federal, com 37 municípios) apresenta habitantes, e em A crescente falta de água na metrópole faz com que o recém constituído Sistema Metropolitano de Planejamento proponha e consiga a aprovação na Assembléia Legislativa, da Legislação de Proteção dos Mananciais leis 898/1975 e 1172/1976 e decreto estadual 9714/1977. Na área protegida inclui-se a bacia do reservatório Billings. 8

9 Mas o processo de urbanização já havia comprometido boa parte do território das bacias protegidas com usos inadequados à proteção dos mananciais. Em 1950 havia sido criado o Distrito Industrial de Jurubatuba, nome do canal que liga o reservatório Billings ao rio Pinheiros. A via Anchieta consolidou o parque industrial do ABC e a ligação com o Porto de Santos. Na mesma época é criada a cidade Dutra, grande loteamento popular na região sul de São Paulo e nos anos 70 o conjunto habitacional Bororé, às margens do reservatório. A lei de proteção dos mananciais causou a desvalorização das terras protegidas, que se tornaram desinteressantes para o mercado imobiliário formal, seja residencial, seja para atividades econômicas. A ausência de fiscalização adequada, aliada às grandes taxas de crescimento demográfico, especialmente da população mais pobre, proporcionou condições para o grande crescimento da habitação irregular e precária na região A questão habitacional nos mananciais Billings e a ação dos municípios A região associa dois grandes problemas e passivos social e ambiental - pois a preservação da água é direito difuso, enquanto o direito ao acesso à moradia e serviços é um direito social. Desde os anos 70 foram implantados loteamentos com pouca infra-estrutura, muitas vezes conseguida das prefeituras através dos movimentos das associações de moradores. Ao mesmo tempo, muitas favelas foram crescendo, conforme a Figura x, especialmente nos terrenos públicos destes loteamentos. A democratização do país, que possibilitou a eleição direta dos prefeitos da região e a aproximação das populações locais às prefeituras deu-se em um contexto macro-econômico difícil, quando ocorre- (anos 80 principalmente) a recessão econômica com forte impacto na indústria automobilística e sua cadeia produtiva, com as demissões em massa e fechamento de indústrias, com transferência 9

10 Figura 3.1 Núcleos de favela existentes na região do Grande ABC 1 10

11 11

12 1: Compreende os municípios: Santo André, São Bernardo do Campo, Ribeirão Pires, Diadema e Mauá. Fonte: Denaldi, 2003 Na tabela 3.1 abaixo vê-se que em todos os municípios a população favelada aumentou no período de 1991 a Destaque-se também que a participação da população favelada aumentou, em relação ao total da população de todos os municípios. 12

13 TABELA 3.1 Evolução da população residente em favelas na região do Grande ABC³ Regiões 1991¹ 1996² Pop. total Pop.Favela %Pop.Fav. Pop. total Pop.Favela %Pop.Fav. Diadema ,3% ,0% Mauá ,2% ,7% S. André ,8% ,4% S. Bernardo ,2% ,8% R. Pires ,4% ,1% Grande ABC ,6% ,0% 1: Censo Demográfico : Contagem da População 1996 IBGE 3: Compreende os municípios: Santo André, São Bernardo do Campo, Ribeirão Pires, Diadema e Mauá. 4: Incluem-se as favelas urbanizadas e sem urbanização. Fonte: Tabela 10 Denaldi, 2003 dados básicos IBGE Tabela 3.2 População residente em favelas na região do Grande ABC 1 em 2000 Regiões Favelas No. Núcleos População % Pop. Total Diadema ,98% Mauá ,11% S. André ,45% S. Bernardo ,21% R. Pires ,25% Grande ABC ,14% 1: Compreende os municípios: Santo André, São Bernardo do Campo, Ribeirão Pires, Diadema e Mauá. Fonte: Tabela 13 Denaldi, 2003 dados básicos Prefeituras da região do Grande ABC Além do crescimento de favelas, a região também foi palco de um crescente número de loteamentos clandestinos ou irregulares. Em relação especificamente à área de proteção dos mananciais, os dois municípios de nosso interesse especial São Bernardo do Campo e Santo André, tem realidades bastante diferentes. São Bernardo do Campo é o maior município em termos de área e população, bem como com grande território, historicamente vinculado à ocupação humana na bacia hidrográfica 13

14 do reservatório. É o berço do novo movimento sindicalista brasileiro e, ao mesmo tempo, com uma política local historicamente fortemente envolvida com a viabilização das grandes empresas e de caráter populista. Santo André tem seu território seccionado pelo braço rio Grande do reservatório para se ir ao seu trecho sul é necessário passar por São Bernardo ou por Ribeirão Pires e Mauá. A área foi sempre considerada fora de Santo André, havendo litígios com os vizinhos sobre as divisas. Devido à existência da tomada d água, e às dificuldades de acesso, a ocupação de seu território em mananciais é bem menor. Tabela 3.3 Área e população dos municípios dentro da Área de Proteção dos Mananciais municípios São Bernardo do Campo Santo André População total População em mananciais % 27,7 4,79 Área total (km2) 407,10 174,38 Área em Mananciais 212,94 96 % 52,3 55 Fonte: municípios O período de redemocratização brasileira foi também o período de ascensão do movimento ambientalista como importante ator político. No contexto regional, destaca-se a questão dos mananciais, particularmente da recuperação do Reservatório Billings. A poluição de suas águas foi fator de grande desvalorização, não só das terras para novos investimentos industriais e empreendimentos imobiliários, mas também de todo um sistema de usos do solo ligado à segunda residência e lazer clubes, regatas, restaurantes. O reconhecimento do reservatório como manancial por lei estadual, desde 1975, apesar do recebimento contínuo das águas poluídas da região metropolitana, fez crescer essa mobilização. Em 1982 a floração de algas cianofíceas, altamente tóxicas, amplia a campanha contra o bombeamento de águas dos rios Pinheiros e Tietê para o reservatório. Após inúmeras campanhas populares levadas pelo movimento ambientalista, é incluído um artigo na Constituição Estadual (1988) programando o fim do bombeamento para

15 O importância da questão ambiental fez também mudar o comportamento dos poderes públicos estaduais. A fiscalização da lei de proteção dos mananciais foi transferida da Emplasa para a Secretaria de estado do Meio Ambiente, com a criação do DUSM Diretoria de uso do solo metropolitano. A polícia florestal foi transformada em Polícia Florestal e dos mananciais e começou a operar uma nova forma de fiscalização no âmbito estadual. Houve inclusive tentativas de integração do controle do desmatamento e poluição (estadual) e parcelamento urbano e edificação (municipal), infelizmente ainda dificultadas pela partidarização dos governos estadual e municipais. Os graves problemas de falta de água no sistema adutor metropolitano operado pela SABESP, com constantes rodízios de água, inclusive em bairros nobres da capital reforçaram a efetivação de medidas para despoluir os mananciais e controlar a expansão urbana predatória nestas áreas. Ao mesmo tempo ampliaram-se os estudos (do setor públicos e das universidades, constatando a inadequação do modelo de uso e controle do solo da lei estadual, que não deixou alternativas de uso economicamente viáveis e não criou medidas de compensação aos municípios pela falta de fontes de receita. Segundo o modelo de desenvolvimento usual da região, os municípios - fora de mananciais obtiverem receitas crescentes com a ampliação da coleta do IPTU e com a industrialização e crescimento do setor de serviços, que resulta em crescente transferência de ICMS. A omissão municipal à fiscalização do parcelamento e edificação ilegais, por outro lado, mobilizou os ambientalistas, que mobilizou o Ministério Público. Ao mesmo tempo, os movimentos de moradia ampliavam suas reivindicações para a regularização dos assentamentos existentes e, sobretudo, acesso aos serviços públicos. Assim, os municípios passaram a procurar formas de atender essas demandas e, ao mesmo tempo, revisar a postura omissa em relação aos mananciais. Ao mesmo tempo, o governo estadual reviu a postura de tratar como inexistente as ocupações clandestinas e irregulares, destacando-se a gestão de Fábio Feldmann na SMA. Esse secretário, antigo militante ambientalista de renome nacional, assinou um decreto proibindo as empresas estaduais SABESP e ELETROPAULO de fazer ligações e serviços básicos sem anuência prévia dos municípios, que são responsáveis legalmente pelo uso e ocupação do solo. As prefeituras, 15

16 por sua vez, não podiam liberar as ligações para parcelamentos e edificações feitos em desacordo com a lei dos mananciais. Quebrou-se assim o círculo vicioso da ocupação clandestina ou irregular dos mananciais. A criou-se assim uma crise social e política desde famílias carentes a empreendedores inescrupulosos pressionavam os prefeitos, que pressionavam o governo estadual. Estava criado um ambiente político para que ocupantes, proprietários, políticos municipais, ambientalistas e políticos estaduais sentassem à mesma mesa para discutir o que fazer com os mananciais metropolitanos. Em 1995 uma comissão para revisar a lei estadual foi criada pelo governo do Estado, coordenada pela sma e com participação da CETESB, DAEE, SABESP, ELETROPAULO, EMPLASA, CDHU, Secretaria de Economia e Planejamento e Procuradoria Geral do Estado. A comissão organizou diversos debates com os municípios, população e ambientalistas. O resultado desse trabalho foi a aprovação da Lei Estadual 9866 em Essa lei adota a bacia hidrográfica como unidade de planejamento e gestão, define que todas unidades de gerenciamento de recursos hídricos do Estado (criadas pela lei estadual 7663/1991) deverão elaborar e fazer aprovar na Assembléia Legislativa leis de proteção e recuperação dos mananciais. Nas áreas de proteção e recuperação dos mananciais (APRM) devem ser delimitadas as áreas de intervenção, definindo-se três tipos: Áreas de restrição à ocupação, com recursos ambientais em boa conservação e que sejam definidas de preservação permanente, além das já definidas por outras leis estaduais ou federais, Áreas de ocupação dirigida, que podem ter atividades humanas controladas, desde que mantidas as condições produção de água em qualidade e quantidade necessárias e Áreas de recuperação ambiental, que, estando dentro das áreas de mananciais, tem uso e ocupação que comprometem a qualidade ou quantidade de água e precisam receber ações para correção das condições ambientais. Essa lei apresenta também a característica de fortalecer os instrumentos de planejamento e gestão, através de um dispositivo de que sejam feitos planos de desenvolvimento e proteção 16

17 ambiental (PDPA) antes de se estabelecer as APRM. Essas, por sua vez, devem ser elaboradas a partir de leis específicas para cada sub-bacia dos mananciais. A lei 9866 também previa a possibilidade de, na Região Metropolitana de São Paulo, ser elaborado um Plano Emergencial de Recuperação dos mananciais, para execução de obras nas situações em que as condições ambientais e sanitárias apresentem riscos de vida e à saúde pública ou comprometam a utilização dos mananciais para fins de abastecimento.(artigo 47). Analisando-se a situação estadual verifica-se que esse processo somente se iniciou na Grande São Paulo, onde foram criados os sub-comitês e iniciou-se a elaboração da legislação para as sub-bacias Billings e Guarapiranga. No restante do Estado nenhum comitê de recursos hídricos implementou a lei Desde 2004 o projeto de lei da Guarapiranga está para ser votado na Assembléia, que alegava que precisariam ser criados os Conselhos regionais de desenvolvimento previstos na lei, que deveriam analisar as propostas, além do dos sub-comitês e do CONSEMA. O projeto de lei para a Billings está em elaboração. Nesse meio tempo, foi aprovada uma outra lei estadual - chamada de Lei Trípoli - que possibilita a regularização de assentamentos existentes desde que sejam adquiridos e congelados terrenos com cobertura vegetal significativa, em área suficiente para chegar aos parâmetros da lei de 1975, que continua em vigor. A crítica a essa lei, aprovada facilmente na Assembléia, enquanto outros projetos, como a cobrança pelo uso da água está em compasso de espera, é que esse dispositivo somente viabiliza a regularização de empreendimentos em que o proprietário tem condição econômica, e não penaliza a irregularidade praticada por presunção de impunidade. Por outro lado, a lei não encaminha soluções para os problemas de habitação social existentes. No final dos anos 80 o governo estadual desenvolveu dois grandes programas de obras e de gestão para os reservatórios Billings e Guarapiranga (esse mais estratégico para a Sabesp, pois responsável por cerca de 30% do abastecimento da GSP à época). De fato a SABESP já havia começado a executar obras de recuperação através do Programa de Saneamento Ambiental do Reservatório Guarapiranga, aprovado em 1992 pelo CONSEMA e pelo Banco Mundial, que financiou 50 % dos recursos. Esse programa foi 17

18 implementado parcialmente, pois com as mudanças nos governos municipais e estaduais, acabou-se por privilegiar as metas de obras, sem vinculação com o monitoramento da qualidade da água, previsto inicialmente, e não foram desenvolvidos os instrumentos de gestão (participação, fiscalização e controle). Estudos recentes sobre o resultado de ações do Programa Guarapiranga em contexto semelhante ao de nossa pesquisa, (evento organizado pelo Labhab da FAU USP em 2002) apresentam as três principais dificuldades para controle e sustentabilidade das obras executadas: 1. aumento populacional como fiscalizar atividades, parcelamento, uso e ocupação do solo e como ampliar a cidadania, através de serviços e assistência técnica em reforma licenciáveis; 2. Controle das ligações clandestinas de esgoto, água, drenagem e lançamento de lixo; 3. desmatamento Em 1998 foi aprovado pelo Decreto Estadual o Plano Emergencial de Recuperação dos Mananciais, que indicou os locais, nas diversas sub-bacias onde poderiam ser feitas obras de saneamento ambiental para diminuir a degradação das águas. Essas obras, entretanto, não garantem a regularização urbanística ou edilícia das ocupações existentes. Os dois estudos de caso desta pesquisa foram incluídos na programação de obras do Plano Emergencial. Em paralelo, desenvolveu-se o Plano de Proteção da Billings, com uma previsão de implantação de 18 anos pelo governo estadual, o que fez mobilizar os municípios para inversões próprias, sem esperar apoio do Tesouro Estadual. A gestão regional dos recursos hídricos é feita pela UGRHI Alto Tietê, que se organizou sob a forma de sub-comitês. Em 2003 o governo estadual criou a Agência do Alto Tietê, único Comitê Estadual onde isso ocorreu.um dos mais atuantes sub-comitês do Alto Tietê é justamente o do reservatório Billings. 18

19 19

20 Figura 3.2 Localização da região do Jardim Pinheirinho (Bacia do Alvarenga) e do Parque Andreense (rio Grande a montante da captação) ( Fonte Programa de Recuperação Ambiental Billings) Apesar da conurbação e integração econômica existentes, a gestão metropolitana em São Paulo é bastante frágil e quase inexistente, havendo atualmente apenas uma empresa estadual EMPLASA, que desenvolve estudos estatísticos e presta serviços específicos. No Grande ABC, entretanto, os municípios tiveram a iniciativa de criar o Consócio Intermunicipal do Grande ABC, desde 1990, buscando compartilhar o encaminhamento de soluções para os problemas comuns, como gestão de resíduos sólidos e recuperação econômica após o impacto da reestruturação produtiva, principalmente a ocorrida no setor automobilístico. Em 1998 foi criada a Agência de Desenvolvimento do Grande ABC. 20

21 4. RESULTADOS A seguir são apresentados os resultados da pesquisa. Organizamos as informações e análises obtidas quanto à situação de cada município em relação ao problema socioambiental em área de mananciais, suas estratégias para enfrentamento do problema, em uma perspectiva histórica, até chegar à caracterização da política atual, programas e projetos para seu enfrentamento. Após, são apresentados os dados do estudo de caso, desde os levantamentos realizados através de entrevistas e análises de documentos, até os resultados da pesquisa de campo Os municípios e suas estratégias São Bernardo Campo O município de São Bernardo do Campo tem suas origens no século 18. Inicialmente uma vila dentro de Santo André, constituiu-se município em 1889, na República, perdeu a autonomia durante a ditadura de Vargas, restabelecendo-a em Desenvolveu-se principalmente neste período, com a implantação da indústria automobilística. O reservatório Billings tem 75,82 km, ou 18,06% da área do município. O município tem 407,01 km 2, sendo 52% dentro da área de proteção dos mananciais. Sua população em 2000 era de habitantes e contava com 195 mil pessoas morando em 2000 nas áreas de mananciais. A região do município protegida legalmente como mananciais foi ocupada no século 19 recebendo tropas de No final daquele século implantou-se um núcleo colonial de migrantes italianos. Nos anos 60 recebeu investimentos de atividades de apoio às montadores de veículos, com grandes pátios para caminhões-cegonha e depósitos. A partir dos anos 70 foi palco de intensa ocupação por chácaras. A promulgação da lei de mananciais coincidiu com fases de crescente poluição do corpo principal da Billings, devido à necessidade de verter água para prevenir enchentes, com esgotos e lixo. Houve assim uma desvalorização, que facilitou o processo de implantação de loteamentos clandestinos e, assim como favelas em terrenos públicos. Os loteamentos eram promovidos 21

22 com a participação dos proprietários da gleba, que vendiam para imobiliárias e, nos anos 80 para ocupantes, através de associações. Muitas dessas associações foram organizadas com o apoio dos sindicatos da região e de parlamentares locais. A Prefeitura tinha uma posição dúbia em relação às irregularidades. Não implementava a fiscalização prévia ou no começo dos assentamentos e posteriormente, a partir de solicitações de moradores e vereadores, passava a fazer obras viárias, colocava água, e ia fazendo pequenas melhorias, incentivando indiretamente o prosseguimento das ocupações irregulares. A impunidade e falta de agilidade da fiscalização e da justiça fizeram com que fossem construídos mais de 60 empreendimentos como esse em São Bernardo do Campo, até Como exemplos das graves conseqüências sócio-ambientais destacamos o Parque dos Químicos, loteamento executado em terrenos de declividade altíssima, com algumas ruas de execução impossível e diversas casas em risco e insalubres, devido a falta de insolação e à infiltração por nascentes existentes dentro das quadras. O Bairro Nova Patente, com características semelhantes, tem o agravante de ter sido parcialmente implantado em terreno anteriormente utilizado como bota fora de indústrias da região, constatando-se através de laudo do IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas que os moradores estão com riscos graves à saúde. Figura 4.1 Residências no Parque dos Químicos e Bairro Nova Patente 22

23 A ação do Ministério Público Estadual no município, fez iniciar-se um a nova fase. Quando nomeada, a Promotora do Meio Ambiente de S.Bernardo, Rosângela Staurenghi, em 1995, visitou os chefes do Executivo municipal, conscientizando-os de que eram legalmente responsáveis pelos danos ambientais causados pela ocupação irregular do solo, já que tinham a responsabilidade de fiscalização e poder de polícia para tal. Em abril de 1996 começou a ser vendido na forma de frações ideais de área, o Jardim Falcão, localizado no Bairro dos Alvarengas. Foi feita a abertura de ruas sem a prévia aprovação do Município, caracterizando um loteamento clandestino situado em área de proteção de manancial. O Ministério Público promoveu o inquérito civil e a ação civil pública 1 e, em fevereiro de 1997, foi pedida a paralisação imediata da ocupação irregular da área através da demolição das casas e a remoção das famílias, como também a proibição da venda de lotes, de novos desmatamentos e de remoção da cobertura vegetal que descaracterize a vocação da área: de proteção de mananciais. Os compradores resistiram ao embargo e demolição. Por isso foi chamada a Polícia Militar para garantir a ordem pública. Na época, houve quando espaço na mídia para o caso, com o posicionamento de diversos políticos locais contra ou a favor da ação da Justiça, explicitando-se a conivência de políticos e líderes locais com os proprietários. Os proprietários e loteadores da gleba foram obrigados a promover a restituição da gleba ao estágio anterior, com completa recomposição do complexo ecológico atingido; recomposição do terreno e recobrimento do solo com vegetação, desassoreamento dos corpos d água, nascentes; cursos d água prejudicados; recomposição da vegetação nas áreas de preservação permanente. Aos compradores que foram lesados foi solicitada na justiça a restituição integral do valor pago, bem como as demais despesas efetuadas. Hoje a gleba tem um estudo para a implantação do Parque Escola Museu de Meio Ambiente. 1 Segundo a promotora, os donos das áreas e loteadores ofenderam três ordens de interesse distintas: ambiental porque infringe as leis de proteção a mananciais; urbanística porque infringe a Lei 6766/79 que dispõe sobre padrões urbanísticos mínimos e à própria organização urbanística do Município que não teve a oportunidade de analisar da adequação do loteamento no seu Plano Diretor; e dos consumidores regulada pelo Código de Defesa do Consumidor artigos 81, 82, incisos I e

ANÁLISE DA RECUPERAÇÃO URBANA E AMBIENTAL DE ASSENTAMENTOS DE INTERESSE SOCIAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DO ABC PAULISTA

ANÁLISE DA RECUPERAÇÃO URBANA E AMBIENTAL DE ASSENTAMENTOS DE INTERESSE SOCIAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DO ABC PAULISTA ANÁLISE DA RECUPERAÇÃO URBANA E AMBIENTAL DE ASSENTAMENTOS DE INTERESSE SOCIAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DO ABC PAULISTA Autora:Profa. Dra. Laura Machado de Mello Bueno Palavras-chave: Adequação urbana, assentamentos

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais.

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais. DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) Regulamenta o artigo 37-A da Lei nº 1.172, de 17 de novembro de 1976, acrescido pela Lei nº 11.216, de 22 de julho de 2002, que delimita as áreas de proteção

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final 32 PROJETO DE EXECUÇÃO DAS OBRAS 32.1 Cronograma de execução e estimativa do custo das obras (1) Cronograma de execução O cronograma de execução da obra, tal como apresentado na Figura 32.1.1, terá início

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

SANED CUMPRINDO COM SUA RESPONSABILIDADE NA DESPOLUIÇÃO DA REPRESA BILLINGS EM DIADEMA

SANED CUMPRINDO COM SUA RESPONSABILIDADE NA DESPOLUIÇÃO DA REPRESA BILLINGS EM DIADEMA SANED CUMPRINDO COM SUA RESPONSABILIDADE NA DESPOLUIÇÃO DA REPRESA BILLINGS EM DIADEMA ENG JORGE KIYOSHI MASSUYAMA Cargo atual: Diretor de Operações da SANED, cargo atual Formação: Engenheiro Civil, formado

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental São Bernardo do Campo, 15 de maio de 2009. Introdução Tendo em

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE NO PROGRAMA HABITACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EDUARDO TRANI Chefe de Gabinete da Secretaria de Habitação SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

4.3.1 O Bairro Ecológico Jardim Canaã

4.3.1 O Bairro Ecológico Jardim Canaã Capítulo 4 AÇÕES DE RECUPERAÇÃO EM APRM: PROJETOS DE URBANIZAÇÃO EM SÃO BERNARDO DO CAMPO 4.3.1 O Bairro Ecológico Jardim Canaã O loteamento Jardim Canaã 17 está localizado na Estrada Galvão Bueno, no

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE ISSN 1984-9354 RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE CRISTIANA ALVES DE LIMA LOURO (PETROBRAS

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO LEI Nº 6.878/2008

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO LEI Nº 6.878/2008 LEI Nº 6.878/2008 Dispõe sobre: Define a Área de Proteção e Recuperação dos Mananciais das Bacias Hidrográficas dos Córregos do Cedro e Cedrinho, e dá outras providências correlatas. Autores: Vereadores

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Lei nº 12.233, de 16 de janeiro de 2006

Lei nº 12.233, de 16 de janeiro de 2006 Lei nº 12.233, de 16 de janeiro de 2006 O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Define a Área de Proteção e Recuperação dos Mananciais da Bacia Hidrográfica do Guarapiranga, e dá outras providências correlatas.

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU Reflexão O acesso à água segura é uma necessidade humana fundamental e, portanto, um direito básico. A água contaminada coloca em risco a saúde física e mental das pessoas. É uma afronta à dignidade humana.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

VILA REAL, ESTUDO DA URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTO PRECÁRIO E IRREGULAR EM VÁRZEA PAULISTA

VILA REAL, ESTUDO DA URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTO PRECÁRIO E IRREGULAR EM VÁRZEA PAULISTA VILA REAL, ESTUDO DA URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTO PRECÁRIO E IRREGULAR EM VÁRZEA PAULISTA Viviane Martinelli de Almeida Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC martinelli.viviane@puc-campinas.com Laura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental

Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental Título do Trabalho: Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental Tema: Resíduos Sólidos Apresentador Edinilson Ferreira dos Santos Graduando em Gestão de Cidades,

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Wagner Membribes Bossi, arquiteto urbanista. Instituição Título Início Fim

Wagner Membribes Bossi, arquiteto urbanista. Instituição Título Início Fim CURRICULUM VITAE Nome: Nacionalidade: Wagner Membribes Bossi, arquiteto urbanista Brasileiro Instrução superior Instituição Título Início Fim Arquiteto 1971 1976 FUPAM Parcelamento do solo 1986 1986 Planejamento

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL 4 GESTÃO AMBIENTAL 4.1 INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL As informações da publicação do IBGE Perfil dos Municípios Brasileiros, de 2008, contribuíram para a construção dos indicadores Estrutura da Gestão

Leia mais

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA AUTOR E APRESENTADOR: Cristina Garvil Diretora da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba SAE Arquiteta, Mestranda em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão da Inovação

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final 13 RESUMO DAS CONTRAMEDIDAS DO PLANO DIRETOR 13.1 Pano de fundo do Plano Diretor 13.1.1 As mudanças na Represa Billings A Represa Billings foi idealizada para a geração de energia elétrica na Usina Henry

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Paulista. Uma abordagem integrada.

Paulista. Uma abordagem integrada. CONTROLE DE ENCHENTES. 10 anos do Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê. Mesa de Discussão 3: Águas e Planejamento Urbano nas Grandes Metrópoles Águas e saneamento na Macrometrópole

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Sistemas de Esgotos Sanitários

Licenciamento Ambiental de Sistemas de Esgotos Sanitários Prefeitura Municipal de Santo André Licenciamento Ambiental de Sistemas de Esgotos Sanitários Seminário Nacional sobre Licenciamento Ambiental de Sistemas de Tratamento de Esgoto Sanitário Serviço Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Autores: Departamento de Gestão Ambiental SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Santo André, Estado de São Paulo, Brasil

Santo André, Estado de São Paulo, Brasil 1 Santo André, Estado de São Paulo, Brasil Saneamento Integrado e Inovação Santo André está localizada na Região Metropolitana de São Paulo. Desde 1999, a cidade adotou o saneamento ambiental e realiza

Leia mais

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO Plano ESTADUAL DE HABITAÇÃO PEH - SP 8 º Encontro Regional Região Metropolitana de São Paulo Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1- O planejamento

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO Declara Área de Proteção Ambiental - APA, regiões que específica, dando providências correlatas. O Governador do Estado de São Paulo. Faço saber

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL Município de Dois Irmãos Município de Dois Irmãos RS- RS Agosto, 2012 Agosto, 2012 Oficina Jogos Cooperativos: Bairro São João 02/06/2012 02/06/201 REFLEXÃO ABRANGÊNCIA RESÍDUOS

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

www.engenheirocabral.com.br

www.engenheirocabral.com.br Engenheiro CABRAL www.engenheirocabral.com.br Coordenador de Planejamento e Desenvolvimento Urbano da Subprefeitura M BOI MIRIM MANANCIAIS da ZONA SUL de SÃO PAULO REPRESA do GUARAPIRANGA : reservar ÁGUA

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SANTO ANDRÉ-SP Pedro

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 1305 Revitalização de Bacias Hidrográficas em Situação de Vulnerabilidade e Degradação Ambiental Numero de Ações 18 Ações Orçamentárias 101P Recuperação e Preservação da Bacia do Rio São Francisco

Leia mais

O SUCESSO DE UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO SANTO ANDRÉ GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O SUCESSO DE UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO SANTO ANDRÉ GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Prefeitura de Santo André O SUCESSO DE UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO SANTO ANDRÉ GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cheila Aparecida Gomes Bailão Arquiteta e Urbanista; Especialista em Planejamento Urbano

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 Programa de Regularização Fundiária Sustentável de São Bernardo do Campo: Cidadania e Inclusão Social Urbana ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo AlphaVille Urbanismo Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo História A história de um conceito de bem viver 1974 2008 História A história de um

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais