UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DACEC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO ALINE DIEDRICH DA SILVA COMUNICAÇÃO DIGITAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Ijuí (RS) 2012

2 ALINE DIEDRICH DA SILVA COMUNICAÇÃO DIGITAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Monografia apresentada ao curso de Comunicação Social Habilitação em Relações Públicas, Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação (DACEC), da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), requisito parcial para obtenção do Grau de Bacharel em Comunicação Social. Orientador: professor MSc. André Gagliardi Ijuí (RS) 2012

3 A comissão examinadora, abaixo assinada, aprova a monografia COMUNICAÇÃO DIGITAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES elaborada por: ALINE DIEDRICH DA SILVA como requisito parcial para obtenção do Grau de Bacharel em Comunicação Social. COMISSÃO EXAMINADORA Professor MSc. André Gagliardi, Orientador Unijuí Professora MSc. Débora Aita Gasparetto, Examinadora Titular Unijuí Professor MSc. Marcio Granez, Examinador Suplente Unijuí

4 AGRADECIMENTOS Agradeço, principalmente, aos meus pais Inês e José por terem acreditado em mim e dedico a eles o mérito de todos estes anos de curso. Também ao meu irmão Daniel e avó Geni que estiveram juntos neste percurso. Aos amigos que durantes este tempo fizeram mais alegres o trajeto entre São Luiz Gonzaga e Ijuí: Brenda, Giovanna, Junior e Thiarlon, e tantos outros que passaram pela turma do ônibus. Aos professores pelo aprendizado que é resultado de todos os trabalhos e debates por eles propostos, e que contribuíram para a construção dos conhecimentos. Em especial ao orientador desta pesquisa, André Gagliardi pela parceria no estudo deste tema desafiante.

5 Tecnologias não são mera ajuda exterior, mas transformações interiores da consciência, ainda mais quando afetam a palavra. (Walter Ong)

6 RESUMO O desenvolvimento da rede mundial de computadores e a ascensão da internet com a criação do World Wide Web, provocaram transformações importantes no comportamento e nas relações entre os indivíduos. Surgem os conceitos de ciberespaço e web 2.0, e o potencial do ser humano entra em evidência. Assim, a web também passa a se constituir como um veículo de comunicação de massa. No entanto, apesar dos aparelhos serem vistos com entusiasmo, o desafio da Era da Informação, é a exclusão digital. Atualmente, dados comprovam que apenas um terço da população mundial possui acesso à internet, e diferentes questões acarretam este fato, desde os recursos financeiros até aspectos sociais e culturais. Palavras-chave: Exclusão. Meios digitais. Internet. Comunicação. Conhecimento.

7 ABSTRACT The development of the global network of computers and the rise of the Internet with the creation of the World Wide Web, led to important changes in behavior and relationships between individuals. Arise the concepts of cyberspace and Web 2.0, and the potential of the human being comes into evidence. Thus, the web is also to be constituted as a vehicle of mass communication. However, despite the equipment being viewed with enthusiasm the challenge of the Information Age, is the digital divide. Currently, data show that only a third of the world population has Internet access, and different issues cause this effect, since the financial resources to social and cultural aspects. Key words: Exclusion. Digital Media. Internet. Communication. Knowledge.

8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Índice de internautas no continente africano... 44

9 LISTA DE MAPAS Mapa 1: Mapa da Exclusão Social no Mundo... Mapa 2: Mapa da Desigualdade do Mundo

10 LISTA DE SIGLAS CETIC - Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação IAB - Interactive Advertising Bureau IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH - Índice de Desenvolvimento Humano IES - Índice da Exclusão Social LACNIC - Latin American and Caribbean Internet Addresses Registry ONGs - Organizações Não Governamentais ONU - Organização das Nações Unidas TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação UIT - União Internacional de Telecomunicações UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura WIN - Worldwide Independent Network of Market Research WWW - World Wide Web

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Comparação entre número de habitantes e usuários de internet nos países com maiores índices de internautas Tabela 2: Razões da exclusão digital no Brasil... 52

12 SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS... CAPÍTULO 1 - A COMUNICAÇÃO DE MASSA E A ASCENSÃO DA INTERNET A EVOLUÇÃO DA COMUNICAÇÃO DE MASSA WORLD WIDE WEB E O MOSAIC: A ACESSIBILIDADE INTERNET E CIBERESPAÇO WEB 2.0: O POTENCIAL DO INTERNAUTA COMO FOCO CAPÍTULO 2 - EXCLUSÃO DIGITAL CONTEXTUALIZAÇÃO DA EXCLUSÃO DIGITAL EXCLUSÃO SOCIAL E EXCLUSÃO DIGITAL ASPECTOS DA EXCLUSÃO DIGITAL Recursos financeiros Educação: Alfabetização e idioma Cultura e cibercultura DADOS SOBRE EXCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL CAPÍTULO 3: INCLUSÃO DIGITAL E COMUNICAÇÃO A INCLUSÃO COMO FOCO FORMAS DE INCLUSÃO: QUANTITATIVAS EDUCAÇÃO DIGITAL: QUALITATIVA INCLUSÃO E COMUNICAÇÃO GOLD VOICE: DA EXCLUSÃO SOCIAL AO VÍDEO VIRAL DA INTERNET... CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERÊNCIAS

13 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Desde o princípio o ser humano buscou maneiras distintas de expressar vontades e marcar sua passagem pela história. Apesar de não ser possível afirmar, acredita-se que gestos e sons constituíram a comunicação entre os homens primitivos. Os desenhos em cavernas ajudam a explicar a história e a evolução da sociedade, assim, as simbologias sempre fizeram parte do ato de comunicar e resgatar o contexto da evolução. A escrita e com ela os livros e as cartas se instituíram em interessantes formas de transmissão de mensagens e conhecimentos, mesmo não acessíveis para considerável parte da sociedade. Mais tarde, com o advento da tipografia, o jornal se tornou importante veículo de comunicação de massa. A revolução industrial, por sua vez, provocou mudanças de impacto social e econômico na sociedade, com as máquinas que passaram a colaborar na mão de obra. Da mesma forma, a tecnologia também começou a ser utilizada como mediadora da comunicação, e assim, os meios eletrônicos superaram as barreiras geográficas para levar informações até lugares distintos. Se por séculos o ser humano efetivou a transmissão de mensagens sem a necessidade de máquinas, o rádio e a televisão tornaram-se, no século XX, importantes veículos de comunicação. Já na segunda metade do mesmo século teve início o desenvolvimento dos computadores e a constituição de uma rede mundial. No início dos anos de 1990, a divulgação do chamado World Wide Web colaborou para a evolução da internet, o que provocou

14 14 transformações importantes na sociedade e em suas relações, na visão e participação política, no acesso ao conhecimento e no comportamento dos indivíduos que, sedentos por novidades, dedicam horas diárias aos meios digitais. A Web ganha cada vez mais usuários e a rede mundial de computadores conquista as comunicações como um veículo mediador que supera espaço e tempo ao permitir que os indivíduos emitam as formas simbólicas sem necessitar de um local físico em comum ou depender de outros meios de interesses do setor privado, como as emissoras de rádio e televisão e os jornais impressos. A internet se consolida como ciberespaço, e com o surgimento de novos aparelhos que permitem o acesso, eleva-se o conceito de Web 2.0. Se o foco, antes, era no desenvolvimento das máquinas, a partir da Web 2.0 o potencial humano se destaca. Os indivíduos passam a produzir, compartilhar e aperfeiçoar os conteúdos disponibilizados na internet. As informações e a divulgação das formas culturais ficam também sob o domínio das massas, e não apenas monopolizadas por empresas privadas. No entanto, a ascensão da internet e o desenvolvimento frequente de aparelhos com acesso à internet, acirraram ainda mais a exclusão social. Surge a exclusão digital, ou seja, indivíduos não possuem de recursos suficientes para adquirir e manter um aparelho que permite o ingresso aos meios digitais. Dados divulgados pela Organização das Nações Unidas e também pela empresa sueca de consultoria Pingdom mostram que, em 2011, o planeta contava com cerca de dois bilhões de internautas perante uma população de sete bilhões. É o contraste dentro do contexto da internet, onde o poder sobre a produção e distribuição de conteúdos está nas mãos das massas e, por outro lado, o meio ainda privilegia uma minoria ao se considerar que a maior parcela da sociedade não possui acesso. Porém, este mesmo veículo pode causar profundas transformações na sociedade por ser democrático ao possibilitar liberdade aos indivíduos e grupos para se manifestarem, bem como demonstrarem suas necessidades, se mobilizarem em prol de uma causa ou usar para a divulgação e conversação sobre assuntos de interesse das comunidades.

15 15 Desta forma, conhecer os excluídos digitais e suas condições sociais permitirá compreender se existem portas abertas na internet para a realidade social. Impedir ou dificultar que o indivíduo ingresse e se manifeste através da rede mundial de computadores, é excluí-lo cada vez mais da participação social, política e do crescimento pessoal por meio da aquisição de conhecimentos. Para tanto, este trabalho está divido em três capítulos que apresentam referências teóricas e dados atualizados referentes a pesquisas realizadas por importantes institutos e organizações. No primeiro é abordada a ascensão da comunicação de massa e o que a internet representou dentro deste contexto, bem como a elaboração do World Wide Web e seu significado para a solidificação da rede mundial de computadores como ciberespaço e a definição da Web 2.0, e o seu sentido nas transformações comunicacionais, culturais e sociais. O segundo capítulo apresenta a análise da exclusão digital. Há contextualização do tema e é demonstrada a sua relação com o conceito de exclusão social. Também são colocados em debate aspectos importantes que podem ocasionar esta supressão em relação o uso de computadores e da Web, como os recursos financeiros mal distribuídos, a educação enquanto base para o desenvolvimento humano, e a cultura dos povos. O capítulo é finalizado com tópico que apresenta dados sobre a exclusão digital no Brasil. O último capítulo propõe a contextualização da inclusão digital. Apresenta formas de incluir indivíduos e grupos de maneira quantitativa e qualitativa, ou seja, que aumentem o número de usuários de internet e que os internautas saibam utilizála de maneira satisfatória na busca pela evolução pessoal e social. Apresenta também tópico sobre a relação e a importância da inclusão para a comunicação e traz o exemplo de como a internet pode ajudar a revolucionar aspectos da sociedade através do exemplo do chamado Gold Voice. Assim, esta pesquisa desmistifica o senso comum de que a sociedade da inclusão digital já é realidade e faz repensar o uso dos aparelhos que proporcionam o acesso à internet.

16 16 CAPÍTULO 1 - A COMUNICAÇÃO DE MASSA E A ASCENSÃO DA INTERNET 1.1. A EVOLUÇÃO DA COMUNICAÇÃO DE MASSA Como necessidade básica do ser humano, o ato de comunicar ocorre de diferentes maneiras, desde a linguagem escrita e oral, símbolos, movimentos do corpo e/ou utilização da língua de sinais que permite a inclusão de determinados indivíduos na sociedade. Com o desenvolvimento da comunicação, foram criados também meios que facilitam a transmissão de mensagens, possibilitam a conversação e as interações sociais. Neste contexto, é possível criar uma linha do tempo que nos permite conhecer a evolução da comunicação paralelamente aos meios que tornam mais acessíveis os contatos entre pessoas ou grupos. A carta, a elaboração da tipografia por Gutenberg, os jornais, o telégrafo, e com o passar dos séculos, criações mais ousadas tecnologicamente como o rádio (meio que foi fundamental na segunda guerra mundial) e a televisão, transformaram as relações. Para o desenvolvimento e enriquecimento da comunicação, e para o uso das máquinas como ferramentas de interação entre as pessoas, são utilizadas diferentes formas simbólicas, desde a escrita através do alfabeto, até as imagens representativas que são decodificadas gerando a compreensão do receptor. Segundo Thompson, o modo como uma forma simbólica particular é compreendida por indivíduos pode depender dos recursos e capacidades que eles são aptos a empregar no processo de interpretá-la (THOMPSON, 2000, p. 193). Ocorreu, então, a ascensão dos veículos de comunicação e as formas simbólicas passaram a ser distribuídas em massa, ou seja, surgiu a necessidade de informar e disseminar produtos culturais ao maior número de pessoas. Gerou-se uma cultura da informação e com ela, a nível técnico, a ideia de emissor (codificador) que se utiliza de um meio para enviar a mensagem ao receptor (decodificador).

17 17 No século anterior, foi uma tarefa da imprensa assegurar que os cidadãos fossem bem informados e capazes de participar ativamente da vida pública, a fim de submeter políticos e governantes a uma avaliação constante. A imprensa tradicional reunia condições de expressar sentimentos públicos e fornecer uma plataforma de idéias à opinião pública (MATOS, 2004, p. 55). Assim, os meios se tornaram fortes influenciadores nos aspectos sociais e culturais, se constituíram em importantes fontes de informação e formação de opinião. Porém, com o crescimento dos veículos de comunicação de massa e com a necessidade de concessões governamentais, a produção e transmissão de conteúdos em maior escala, por muito tempo ficou monopolizada nas grandes e tradicionais empresas deste segmento, como emissora de televisão que abrange quase todo território de determinado país. Para a maioria das pessoas hoje, o conhecimento que nós temos dos fatos que acontecem além do nosso meio social imediato é, em grande parte, derivado de nossa recepção das formas simbólicas mediadas pela mídia. O conhecimento que temos dos líderes políticos e de suas políticas, por exemplo, é derivado quase que totalmente dos jornais, da rádio e da televisão, e as maneiras como participamos do sistema institucionalizado do poder político são profundamente afetadas pelo conhecimento que daí deriva (THOMPSON, 2000, p. 285). Mas para que a comunicação se estabeleça de maneira eficiente, é importante que o receptor possa responder - o chamado feedback 1 -, o que gera de fato o intercâmbio entre as duas pessoas, grupos ou entre uma organização e seu público. No entanto, através dos meios de comunicação de massa, a reação do decodificador em relação à informação recebida demora em chegar ao emissor ou, em certos casos, ele não obtém a resposta. Segundo Thompson: 1 Retorno / resposta em relação às ações.

18 18 O indivíduo não é apenas um consumidor que tem direito a alguma escolha na seleção dos objetos de consumo; ele é, também, um participante numa comunidade (ou comunidades) política em que a formação da opinião e o ato de decisão dependem, hoje, até certo ponto, da disponibilidade de informação e da expressão de diferentes idéias através da mídia e da comunicação de massa (THOMPSON, 2000, p. 338). Ao referir-se diretamente a tradicional mídia de massa ou mass media 2 - o teórico ainda não considerava a internet, a qual resultou na descentralização do poder sobre a informação. Sendo que formadores de opinião sempre fizeram parte de uma classe seleta submetida aos grandes veículos de mídia que, por sua vez, possuem interesses particulares motivados por questões financeiras como demais empresas privadas. Entre as décadas de 1970 e 1990, houve progresso no desenvolvimento de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). Com a evolução constante no desenvolvimento de aparelhos mediadores da comunicação, a sociedade ingressou na chamada Era da Informação. Nesta época, os computadores passaram a se popularizar e a internet entrou em ascensão. Tornar acessível a internet para a maioria dos indivíduos é proporcionar acesso ao conhecimento. É também permitir que qualquer pessoa produza e publique conteúdo, divulgue seus trabalhos ou empresas conquistem um público que, de outra maneira, poderia estar distante de seu perímetro de atuação. A rede mundial de computadores gerou uma quebra de paradigmas entre emissor e receptor, porque proporciona a interação entre ambos em curto espaço de tempo. Assim, a internet não só revolucionou as formas como ocorrem os relacionamentos como se tornou aliada à democratização da comunicação. Isto é: permite que indivíduos e grupos recebam e emitam mensagens na troca de informações que acarretam em aprendizado e assegura a participação cultural, política e social. Conforme Sibilia: Talvez o novo fenômeno encarne uma mistura inédita e complexa destas duas vertentes aparentemente contraditórias. Por um lado, a 2 Mídia de massa / meios de comunicação.

19 19 festejada explosão de criatividade vincula-se a uma extraordinária democratização dos canais midiáticos (2008, p ). Assim, o público ganhou voz e tornou-se produtor de conteúdo, sobretudo a partir do século XXI. O século passado assistiu ao surgimento de um fenômeno desconcertante: os meios de comunicação de massa baseados em tecnologias eletrônicas. É muito rica, embora não tão longa, a história dos sistemas fundados no princípio de broadcasting, tais como o rádio e a televisão, tipos de mídia cuja estrutura comporta uma fonte emissora para muitos receptores. Já nos primórdios do século XXI, testemunhamos a consolidação deste outro fenômeno igualmente desconcertante: em menos de uma década, os computadores interconectados através das redes digitais de abrangência global se convertem em inesperados meios de comunicação (SIBILIA, 2008, p. 11). A rede mundial de computadores e com ela elevação do pontocom não apenas forneceu entretenimento como um videogame, mas resultou em uma união de formas simbólicas já utilizadas pela tradicional mass media, como a escrita e as imagens. O impacto da internet também reascende o debate em torno da própria comunicação humana e da participação dos indivíduos de maneira global, a partir da troca de experiências, opiniões e mobilizações. Neste sentido, Sibilia traz questões pertinentes: São os s versões atualizadas das antigas cartas, aquelas que se escreviam à mão com primor caligráfico e atravessavam extensas geografias encapsuladas em envelopes lacrados? E os blogs, podemos dizer que são upgrades dos velhos diários íntimos? [...] Do mesmo modo, os fotologs seriam parentes próximos dos antigos álbuns de retratos familiares. E os vídeos caseiros, que hoje circulam freneticamente pela rede, talvez sejam um novo tipo de cartões-postais animados. Quanto aos diálogos digitados nos diversos messengers com atenção flutuante e ritmo espasmódico, em que medida eles renovam, ressuscitam ou rematam as velhas artes da conversação? (SIBILIA, 2008, p ). Inserida no contexto de uma sociedade globalizada e imediatista, a internet acelera a troca de informações e cria uma cultura digital. Por outro lado, origina uma barreira que separa o mundo físico e o virtual, devido à dificuldade de acesso de

20 20 diferentes grupos, tema que será aprofundado nos capítulos seguintes deste trabalho WORLD WIDE WEB E O MOSAIC: A ACESSIBILIDADE A internet representou um avanço rápido para a tecnologia e a comunicação. Teve impacto na rotina dos indivíduos, no mercado de trabalho e na imagem de pessoas ou organizações, tornando-se um dos mais poderosos veículos de troca e difusão de mensagens em massa. No entanto, mesmo após o desenvolvimento do computador e a instalação da rede mundial, foi necessário repensar a acessibilidade e sua real utilidade. A Web no início da década de 1990 abrangia menos de 1% do tráfego da internet. Com apenas alguns sites existentes, não havia muita coisa a ver (PENENBERG, 2010, p. 33). Neste sentido, não apenas o acesso às máquinas restringia o uso da internet, mas também a dificuldade em navegar pelas páginas até para os mais experientes usuários de computadores. É possível, então, considerar que no princípio a internet foi um meio elitista, restrito à comunidade acadêmica e quem melhor conhecia a computação. Fato, este, que ocorreu mesmo após o britânico Tim Berners-Lee divulgar os protocolos que, de acordo com Penenberg (2010, p. 33): tornaram a World Wide Web possível, permitindo aos usuários incorporar links de hipertexto a documentos e conectá-los a outros em qualquer parte do mundo. O que atualmente parece inimaginável foi realidade até o início dos anos de Para navegar era necessário conhecer códigos e as imagens que hoje agregam valores, enquanto formas simbólicas em blogs e redes de relacionamento virtuais, não estavam disponíveis. Para o próprio Berners-Lee, as imagens tornariam o conteúdo impuro: pior, poderiam atrair as massas, que tendiam a publicar suas próprias revistas ou diários on-line decorados com fotos de seus gatos. Isso, ele

21 21 temia, rebaixaria a Web ao pior denominador comum possível (PENENBERG, 2010, p. 33). Ainda assim o World Wide Web 3 (popularmente chamado de www) foi fundamental para a popularização e desenvolvimento de novos sites. Neste contexto, os navegadores, também conhecidos como web browsers 4, surgiram para a melhor acessibilidade. No entanto, os primeiros softwares 5 na área, apresentavam recursos limitados e eram de difícil instalação. Para tornar mais prático e acessível o uso da internet, o estudante de Ciências da Computação Marc Andreessen criou recurso essencial que também se pode considerar base para a comunicação digital e, com ela, a democratização da internet como veículo de informação de massa. Ele queria democratizar a internet para que qualquer pessoa com um computador e um modem pudesse navegar on-line. [...] A Web estaria aberta a todos, e, se seguisse os ditames da história, cresceria para muito além da comunidade acadêmica enclausurada (PENENBERG, 2010, p. 35). Assim, mesmo com o desenvolvimento de computadores e o advento da conexão, a mídia tradicional permanecia sendo a principal fonte de informação. Havia uma poderosa invenção que não estava acessível às massas. Era necessário que o uso das máquinas e da internet não exigissem maiores conhecimentos em códigos da área da computação. Até 1866, quando o primeiro cabo transatlântico foi estendido, o modo mais rápido de enviar notícias internacionalmente era levar pombos-correios nos navios e soltá-los perto da costa. No início do século XX, operadores da bolsa de valores chamados ped shovers (mensageiros) corriam do escritório de um corretor para outro, anunciando os preços mais recentes, que eram transmitidos por telégrafo e publicados nos jornais do dia seguinte, 3 Em português significa rede de alcance mundial. 4 Programa de computador chamado de navegador no vocabulário brasileiro e que permite aos usuários da internet interagir de maneira fácil com documentos virtuais. Atualmente existem diversos navegadores que são constantemente atualizados, como o Internet Explorer, Mozilla Firefox e o Google Chrome. 5 Software refere-se ao conjunto de programas e à parte não física do computador. Ao contrário de Hardware que designa os componentes eletrônicos da máquina.

22 22 enquanto redes de tubos pneumáticos movidos a ar comprimido transmitiam pequenos pacotes urgentes como cartas, relatórios de compras de ações ou dinheiro, ao longo de distâncias curtas. Surgiram, então, o telefone, o rádio e a televisão. Mesmo assim, somente com o surgimento da internet é que a comunicação visual e auditiva instantânea foi possível sem levar em consideração a questão geográfica. Qualquer um estaria interconectado, e isso teria impacto profundo sobre... tudo. A ideia chocou a mente de Andreessen (PENENBERG, 2010, p. 35). Para tanto, Andreessen apresentou a ideia do desenvolvimento de um navegador mais acessível para quem não possuía conhecimentos aprofundados de computação e programação. O projeto, inicialmente chamado X Mosaic, foi trabalhado por ele e pelo programador Eric Bina, e lançado on-line no dia 23 de janeiro de O Mosaic não foi apenas o web browser pioneiro que facilitou a navegação por páginas virtuais, como também o primeiro sucesso viral da internet. Segundo Penenberg: Seis meses depois do lançamento, a versão Unix do Mosaic, pela contagem de Andreessen, tinha 100 mil usuários. [...] Durante a semana de Ação de Graças de 1994, no primeiro dia em que o Mosaic estava disponível para PCs, o servidor do NCSA ficou sobrecarregado e travou. Em dezembro, quando Andreessen se graduou, mais de 1 milhão de pessoas navegavam pela Web com o Mosaic nas versões Unix, Windows e Mac (PENENBERG, 2010, p. 37). Neste contexto, é importante conhecer três nomes dentro da história da rede mundial de computadores. Paul Baran, Tim Berners-Lee e Marc Andreessen possibilitaram o mundo virtual que proporcionou salto de séculos na comunicação e na própria história da humanidade. O primeiro foi responsável por conceber a internet, Berners-Lee criou o WWW e Andreessen desenvolveu uma maneira de navegarmos pelos bilhões de sites que hoje existem de maneira fácil e prática. Nas palavras de Penenberg (2010, p. 39): Em essência, Baran forneceu o terreno, Berners-Lee construiu a estrada e Andreessen produziu os veículos.

23 23 Não só a invenção do computador e da internet foram suficientes para a popularização da mesma, a própria evolução dos softwares tornou possível o crescimento dela como um meio de comunicação. O World Wide Web e os navegadores representaram importante avanço na história do mundo virtual e fundamentais para a solidificação da Internet como ciberespaço INTERNET E CIBERESPAÇO Para que ocorra a comunicação, não é necessária a presença de todas as pessoas para quais são destinadas as formas simbólicas no mesmo espaço físico. Porque ela parte do princípio de enviar uma mensagem e ser compreendida, independente das mediações. Conforme Thompson (2000, p. 298): tanto escrever uma carta como conversar por telefone possibilita aos indivíduos estabelecerem, sustentarem e de desenvolverem formas de interação social que independem de um local físico comum. Com o surgimento de meios eletrônicos para a comunicação, até mesmo a relação de tempo ganhou nova realidade. Ou seja, as mensagens passaram a ser emitidas cada vez mais rapidamente e a chegar até lugares distantes. Thompson (2000, p. 320) ressalta: um indivíduo não precisa estar presente a um acontecimento a fim de testemunhá-lo; a publicidade (visibilidade) de um acontecimento não depende mais da partilha de um local comum. Por sua dimensão e possibilidades, a internet é considerada um ciberespaço. Ou seja, espaço virtual desenvolvido a partir de tecnologias que permitem a transmissão de informações e a conversação sem necessitar da presença de outro ser humano no mesmo espaço físico. Com o progresso dos softwares e elevação do pontocom, a internet tornou-se um espaço público dentro das condições financeiras, sociais e culturais de seus usuários. Ambiente, este, que engloba todo o planeta e gerou a emissão e troca de informações com velocidade jamais vista na história da humanidade e das

24 24 tecnologias. Formou-se a sociedade conectada que permite o encontro de pessoas de iguais interesses e a disseminação de formas simbólicas em poucos segundos por diversos canais e ferramentas disponibilizadas, desde sites de notícias até redes de relacionamento. Dentro do ciberespaço, ocorre interação entre os indivíduos conectados. Há formação e disseminação cultural. Agregação de formas simbólicas, valores e estimula a leitura digital bem como a produção textual. Se bem utilizada pelos usuários, a internet neste contexto e na concepção da Web 2.0 assunto que será ressaltado posteriormente - torna-se também potência política, porque permite a manifestação dos cidadãos dentro das sociedades democráticas. O crescimento do ciberespaço leva a questionar se a internet apenas complementa e intensifica as relações e a comunicação, ou se deu origem a um espaço paralelo ao mundo físico, mas não menos real. Para Warschauer (2006, p. 30): Apesar de a TIC não ter criado um mundo paralelo no qual uma pessoa deveria adentrar a qualquer preço, contribuiu para uma mudança profunda do mundo real em que vivemos. Os meios digitais provocam mudança significativa na realidade. A velocidade em que são transmitidos os conteúdos, notícias e manifestações artístico-culturais proporciona transformações profundas nos gostos de cada pessoa ou grupo. Costumes locais (exemplo: tradicionalismo gaúcho) tentam ser preservados enquanto modismos globais passam a fazer parte da rotina dos usuários da internet. Por outro lado, o internauta também produz e emite informações, recebe e oferece o feedback. Assim, ao mesmo tempo em que o ciberespaço oferece a possibilidade de democratizar a comunicação ao permitir que seus usuários recebam e emitam informações, ele exige que os internautas dividam a atenção entre diferentes atividades como a leitura de notícias, troca de s, messenger 6 e conferir os modismos publicados por blogs ou vlogs 7. 6 Em inglês significa mensageiro. 7 Vídeo blog.

25 25 Desta maneira, o indivíduo conectado aos meios digitais não apenas segmenta o que é de seu interesse, mas também precisa zapear (termo que define a mudança repetida de canal de televisão ou frequência de rádio). Matos (2004, p. 59) destaca: A quantidade de informação é crescente, enquanto a quantidade de tempo disponível para a recepção é mais ou menos constante. O zapping 8 é o símbolo mais claro do comportamento comunicacional na atualidade. Compreende-se, então, que o surgimento do computador, advento da internet e do conceito de ciberespaço, apesar de parecer mudança silenciosa, tem impacto incalculável para as interações sociais. É posto nas mãos de pessoas comuns o conhecimento que, se usado de forma satisfatória, pode provocar transformações impactantes no mundo. É também efetivar a democracia através do poder da comunicação. A internet, conforme Warschauer (2006, p. 48): está acelerando e democratizando os meios de produção do conhecimento. Neste sentido, são relevantes dentro do ciberespaço a identificação do indivíduo e o surgimento de uma cultura virtual. Ou seja, o ser humano conectado não possui apenas as características físicas como também uma identidade on-line. É fundamental compreender que o personagem da internet trata-se de uma pessoa real com necessidades, qualidades e defeitos. Cria-se uma identidade virtual a partir do que o internauta transmite no ciberespaço, como ele se expõe e quais suas relações. Porém, para o desenvolvimento desta identificação não basta apenas possuir acesso à internet, mas adaptar-se aos meios digitais, conhecer as ferramentas disponíveis e as terminologias utilizadas. É necessário também acompanhar as constantes transformações e inovações formadas no ambiente on-line. Novos aplicativos e tecnologias com acesso à internet são disponibilizadas constantemente. Se os computadores pessoais e a conexão banda larga deram base para esta revolução na comunicação, smartphones 9 e tablets 10 sustentaram 8 Mudar constantemente de canal. 9 Telefone celular com funcionalidades avançadas que permite o acesso à internet com possibilidade de visitar sites, acessar s, redes sociais e mensageiros.

26 26 ainda mais as novas formas de relacionamentos. Desta maneira, com o crescimento do ciberespaço e das possibilidades oferecidas por ele através da internet, surge o conceito de Web WEB 2.0: O POTENCIAL DO INTERNAUTA COMO FOCO Nos tradicionais meios de comunicação de massa, há o pressuposto de uma via de mão única. Como citado anteriormente, o emissor não recebe de forma ágil o feedback de seus receptores. E o público possui poucas oportunidades de ver seu conteúdo publicado. Ela é interação porque envolve pessoas se comunicando com outras que respondem a elas de certas maneiras e que podem com elas criar laços de amizade, afeto ou lealdade. Mas ela é quase interação, pois o fluxo da comunicação é predominantemente de mão única, e os modos de resposta através dos quais os receptores podem se comunicar com o comunicador principal são estritamente limitados (THOMPSON, 2000, p. 299). Por outro lado, na internet tanto o conteúdo disponibilizado como o retorno de seus decodificadores pode ser imediato, depende apenas da velocidade da conexão e do tempo que o receptor demora em analisar a mensagem do emissor. No ciberespaço qualquer pessoa conectada pode emitir informações para todos os usuários da rede e obter resposta. Com isto, principalmente entre os jovens, surgiu a tendência em trocar materiais físicos como os jornais e os livros, pelo conteúdo virtual, e a relação tempo-espaço ganhou nova realidade. Proporcionada a acessibilidade, cresceu o material disponível em rede e a maneira de usar a internet. Aumentaram o número de sites, salas de bate-papo, surgiram ferramentas de busca e os blogs. A comunicação, por sua vez, passou a enfrentar os impactos do novo meio. 10 Dispositivo em forma de prancheta eletrônica com tela sensível ao toque e diversas funcionalidades como visualização de fotos, leitura de livros, jornais e revistas e com acesso à internet.

27 27 A possibilidade de enviar mensagens instantâneas, publicar seu próprio material e absorver o maior número de informações e simbologias com mínimo esforço, no que se caracteriza a amplitude da comunicação, é a razão da popularização dos computadores e expansão da internet em cerca de duas décadas, sobretudo após a virada do milênio. A rede mundial de computadores ainda oferece a possibilidade de segmentar, ou seja, o indivíduo busca apenas pelas informações de interesse. Até mesmo a escrita sofreu os impactos da tecnologia para tornar mais ágil o contato entre emissor e receptor. As abreviaturas de palavras fazem parte do processo de conversação on-line e as sensações / expressões são demonstradas através de emoticons 11. Conforme Sibilia: Mais propulsados pela perpétua pressa do que pela perfeição, estes textos costumam ser breves. Abusam das abreviaturas, siglas, acrônimos e emoticons (SIBILIA, 2008, p. 38). A internet aliou-se a democratização da comunicação, proporcionando informação, interativa e a divulgação de cada indivíduo conectado. O íntimo passa a ser público, o anônimo se transforma em celebridade, a realidade que usa de diferentes figuras de linguagem e formas simbólicas - e quase se torna ficção - é a nova literatura. O relato dos próprios desejos e experiências ganhou espaço com o surgimento dos blogs, pouco tempo depois, a exibição da vida particular entrou em alusão através de redes de relacionamentos e com os vídeos que exploram até mesmo a intimidade do indivíduo. Detalhar a vida profissional e pessoal é comum para os usuários da rede mundial de computadores, desde as pequenas ações cotidianas até os mais importantes compromissos. Na obra O Show do Eu, a autora Paula Sibilia relata sobre a exposição de cada um de nós na internet, o que cria um espetáculo da vida privada dentro do ciberespaço. O Eu entra em evidência através de textos e imagens publicados em 11 A palavra emoticon deriva dos termos em inglês emotion (emoção) + icon (ícone). Também pode ser chamado de smiley e se caracteriza através de imagens ou símbolos que ilustram a expressão facial como alegria ou tristeza.

28 28 sites de relacionamento, fóruns, vlogs e blogs. Neste contexto, a megalomania deixa de ser vista como algo errado e se torna parte inerente do internauta. Penenberg ressalta: Cada vez mais lá está seu ego público a pessoa que você apresenta ao mundo físico seu ego pessoal (quem você é quando está só) e seu ego digital, que vai muito além dos outros dois. Se você passa seu tempo on-line muitas outras pessoas irão conhecê-lo ou achar que elas o conhecem por meio do seu ego digital, que pode ser igualmente (ou mais) real para elas do que seu ego real (PENENBERG, 2010, p. 63). Assim, o internauta passa a ser o produto dentro da internet no momento em que torna pública sua vida privada por meio de textos, fotos e troca de informações. Você é uma marca que deve ser gerenciada. Peço desculpas a Marshall McLuhan, mas o meio não é a mensagem, e, sim, você (PENENBERG, 2010, p. 63). E nesta busca pela divulgação por parte de uma pessoa, grupos ou organizações, consciente ou não, com o auxílio dos profissionais da Comunicação Social ou de maneira leiga, caracteriza-se também a amplitude do marketing digital. Assim, é necessário o monitoramento constante das ações dentro das redes sociais virtuais e nas outras ferramentas disponíveis no ciberespaço. Uma das grandes vantagens do marketing digital é que seus resultados podem ser medidos. O monitoramento é a ação estratégica que integra os resultados de todas as outras ações estratégicas, tática e operacionais, permitindo verificar os resultados e agir para a correção de rumos ou melhoria das ações. Ele ocorre de várias formas, incluindo monitoramento do acesso aos sites e blogs, das mensagens de e SMS, dos vídeos e widgets nas ações virais e da visualização e dos cliques em banners (TORRES, 2009, p. 79). Os blogs são exemplos interessantes da realidade virtual. Através das páginas criadas de maneira rápida, gratuita e que não exigem conhecimentos aprofundados de computação, internautas escrevem sobre assuntos de importância pública e demonstram seus gostos particulares por meio de textos e imagens.

29 29 Conforme Sibilia (2008, p. 13): todos os dias são engendrados cerca de cem mil novos rebentes, portanto o mundo vê nascer três novos blogs a cada dois segundos. No entanto, é necessária dedicação para obter destaque com número relevante de acessos e leitores. Apesar dos milhões de blogs disponíveis (em 2010 havia 152 milhões de blogs conforme a empresa sueca de consultoria Pingdom 12 ) nem todas as páginas fornecem conteúdo que colabore para a transformação social, e nem todos os blogueiros reconhecem o fato da internet ser um veículo de massa e interativo que pode efetivar a democratização da comunicação. Segundo Penenberg (2010, p. 160): De fato, a blogosfera pode ser completamente hobbesiana, com postagens sórdidas, bestiais e (muitas vezes, felizmente), breves. Em seu melhor, porém, é um mercado de ideias, com o influente domínio dos melhores, uma pura meritocracia. Esta realidade nos sugere o conceito da Web 2.0, já que a Web 1.0 refere-se às páginas e ferramentas da internet sem interatividade. O termo Web 2.0 foi criado em outubro de 2004 por Tim O Reilly da O Reilly Media, para ser utilizado em uma série de palestras sobre o novo modelo de negócios na internet após a bolha da NASDAQ, ou seja, era uma marca comercial usada para fins de marketing. Mas o termo se popularizou rapidamente e começou a ser utilizado em diversos textos para descrever o que estava acontecendo na Internet com o crescimento as mídias e redes sociais e os sites colaborativos (TORRES, 2009, p. 349). A Web 2.0 trata da segunda geração do World Wide Web (WWW), construída pelo próprio usuário. Nesta geração vivenciada nos dias atuais, o internauta é colaborador para que o conteúdo seja disponibilizado e organizado dentro do ciberespaço. Ele não só utiliza a internet como um meio de comunicação como também ajuda a aperfeiçoar o que já está publicado. Segundo Torres (2009, p. 350): quando falamos de Web 2.0 estamos nos referindo a um fenômeno comportamental na Internet, e não de uma tecnologia. 12 Empresa sueca de monitoramento de sites.

30 30 A participação e o potencial humano também são definições desta proposta de internet. Mais do que a publicação de conteúdo, a nova realidade virtual conecta pessoas que criam uma troca mútua de informações, o que acarreta em conhecimento. É a comunicação interativa que depende apenas da conexão à rede mundial de computadores e do clique do mouse. No entanto, a sociedade da Era da Informação e da troca de experiências, da superexposição e valorização do indivíduo, caminha a passos lentos e não consegue se adaptar a cada nova máquina ou aplicativo na mesma velocidade em que são desenvolvidos. Em suma, a evolução tecnológica possui um ritmo frenético, enquanto o indivíduo e o grupo não progridem na mesma velocidade. Para tanto, são necessários considerações sobre poder aquisitivo, aspectos geográficos e culturais que caracterizam a chamada exclusão digital, o que amplia a exclusão informacional.

31 31 CAPÍTULO 2 - EXCLUSÃO DIGITAL 2.1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA EXCLUSÃO DIGITAL Diante a sociedade da informação imediata e do foco no potencial criativo de cada indivíduo com a ascensão dos meios digitais e com a comunicação cada vez mais mediada pelas novas tecnologias, a exclusão é o desafio. Até a divulgação do World Wide Web (WWW) e do desenvolvimento dos navegadores que facilitaram o acesso às páginas da internet e o carregamento de imagens, este era um meio elitista restrito a pequena parcela da sociedade como os acadêmicos. Tão importante quanto as mudanças na mídia atual é o impacto das tecnologias da informação e comunicação. Há uma crescente produção de informações de uma maior acessibilidade às novas fontes de informação. No entanto, a maior parte das inovações na tecnologia comunicacional, ao menos no início, serviu primeiro a uma minoria privilegiada do que à grande massa da população (MATOS, 2004, p. 58). Em outras palavras: se estão disponíveis informações de todo planeta na internet, ela não é acessível para o maior número de pessoas que podem fazer uso relevante dos conteúdos e das ferramentas. E o principal foco da internet é comunicação e o fornecimento de conteúdo, independente da qualidade, tema ou ideologia. Matos (2004, p. 59) completa: o número de receptores desse novo tipo de informação ainda é nebuloso. Há informações discrepantes sobre o cálculo do total mundial de pessoas plugadas. Ainda na década de 1990, os computadores e a internet começaram a se popularizar. Até os dias atuais houve evolução das máquinas, softwares e na velocidade da conexão. Cada vez mais páginas foram desenvolvidas, surgiram os blogs, redes sociais, aplicativos e outros equipamentos que permitem o acesso como os tablets e smartphones.

32 32 Segundo Penenberg: Aproximadamente 30 milhões de smartphones, que permitem aos usuários enviar s, texto, navegar pela Web e realizar outras funções relacionadas com internet em trânsito, foram vendidos em Até 2010, aproximadamente 260 milhões estarão em circulação e irão superar as vendas de PCs. (PENENBERG, 2010, p. 67) A previsão de vendas de smartphones no mundo para 2014 é de 1 bilhão de unidades, conforme estudo realizado pelo banco de investimentos Credit Suisse 13. Já a pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência, em parceria com a Worldwide Independent Network of Market Research 14 (WIN) destacou que tablets e laptops estão entre preferências para No mundo, segundo o estudo, há intenção de 32% dos consumidores em adquirir um laptop e 24% em comprar um tablet. Os números remetem à ideia de conectividade onipresente, ou seja, a possibilidade de acesso com equipamentos portáteis em qualquer lugar. De acordo com Penenberg (2010, p. 67), há três importantes inovações tecnológicas que orientam esse surto na mobilidade: telas, microprocessadores e conectividade onipresente. No entanto, apesar dos números elevados de expectativas de vendas de aparelhos, menos da metade da população mundial possui acesso à Internet. Da estimativa de sete bilhões de habitantes do planeta, por volta de dois bilhões são internautas conforme informações divulgadas em janeiro de 2011 pelo chefe da União Internacional de Telecomunicações (UIT) da Organização das Nações Unidas (ONU), Hamadoun Touré. Ou seja, cerca de uma a cada três pessoas possui acesso. Segundo o relatório anual da empresa de monitoramento de sites Pingdom, divulgado em janeiro de 2012, no ano anterior a internet atingiu 2,1 bilhões de usuários. Matéria publicada pelo UOL Tecnologia mostra que a Ásia concentra o 13 Bando de investimentos que atua no Brasil com gestão de recursos de terceiros. 14 Associação líder em pesquisa de mercado e sondagens, composta por 67 maiores empresas de mercado independente de investigação e pesquisas em seus países correspondentes.

33 33 maior número de internautas (922,2 milhões), na Europa eram 476,2 milhões de pessoas conectadas, seguida pela América do Norte com 271,1 milhões. O estudo aponta 215,9 milhões de usuários na América Latina e Caribe. Os índices mais baixos foram registrados na África (118,6 milhões), Oriente Médio (68,6 milhões) e Oceania/Austrália (21,3 milhões). São marcantes as diferenças entre países pobres, em fase de desenvolvimento ou ricos, tanto na aquisição de aparelhos com acesso à internet como na velocidade da conexão. Dados divulgados em 2012 pela Associação Latinoamericana e do Caribe para registros de endereços Internet (Lacnic 15 ), mostraram que a penetração da internet na América Latina é de 40% e com baixa presença de conexões consideradas banda larga. Já o relatório Estado da Internet da empresa de monitoramente de tráfego digital, Akamai, mostrou que no Brasil a velocidade de internet é em média 1,8 Mbps e que a adoção de banda larga ultra-rápida foi menor em 2011 comparado ao ano anterior, juntamente com países como Argentina, Arábia Saudita, Romênia e Taiwan. O mesmo estudo destaca que a Coréia do Sul, um dos países mais desenvolvidos do planeta, possui a maior velocidade média com 17,5 Mbps. Já a Líbia, tem o pior índice do mundo, ou seja, 282 Kbps. O relatório da Akamai também destaca que está diminuindo a velocidade média de conexão com a internet em todo mundo. Do terceiro para o quarto trimestre de 2011, houve queda de 14% na velocidade de transferência de dados. Também é ressaltado que entre os países analisados, das dez nações com média de conexões elevadas, oito sofreram quedas nas taxas. Em Hong Kong, por exemplo, foi de 14%. No entanto, o relatório não apresenta os motivos destas diminuições. É importante ressaltar que a Líbia é um país de desenvolvimento humano alto e que ocupa a 64ª posição no ranking 16 dos 187 países e territórios classificados conforme o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), com dados relativos ao ano 15 Sigla em inglês de: Latin American and Caribbean Internet Addresses Registry. 16 Do inglês, posição.

34 34 de Enquanto o Brasil está na 84ª posição. Já Hong Kong está entre os países com desenvolvimento humano muito alto, com o 13º lugar no ranking e a Coréia do Sul ocupa a 15ª posição. Segundo Sibilia: Hoje, por exemplo, apenas um bilhão dos habitantes de todo o planeta possuem uma linha de telefone fixo; desse total, menos de um quinto têm acesso à internet por essa via. Outras modalidades de conexão ampliam esses números, mas de todo modo continuam ficando fora da rede pelo menos cinco bilhões de terráqueos. O que não chega a causar espanto se considerarmos que 40% da população mundial, quase três bilhões de pessoas, tampouco dispõem de uma tecnologia bem mais antiga e reconhecidamente mais básica: o vaso sanitário (SIBILIA, 2008, p. 23). A comparação entre vendas de produtos tecnológicos que permitem o acesso à Web 2.0 e sugerem a conectividade onipresente dentro da Era da Informação, com o número de internautas e a velocidade das conexões, mostra que a sociedade ainda necessita evoluir em diversos aspectos para que conteúdos e conhecimento sejam transmitidos de maneira eficaz para a maioria dos indivíduos. Porém, a produção e evolução acelerada dos aparelhos não acompanham a adaptação de cada pessoa de acordo com os recursos que ela possui. Ao se considerar a evolução tecnológica é necessário conhecer o potencial e a capacitação humana, relacionamentos sociais, questões financeiras e aspectos geográficos, tópicos onde são incluídas também as estruturas das comunidades. E adaptar-se ao mundo virtual requer tempo, sobretudo ao analisar as dificuldades particulares da cultura onde o indivíduo se insere. Nota-se assim, o choque cultural e sócio-econômico que envolvem as tecnologias da informação e comunicação. A falta da máquina e do acesso à internet é base de um debate ainda maior. Excluir digitalmente é afastar da informação imediata, do acesso ao conhecimento através dos milhões de sites de conteúdos interessantes, da manifestação e mobilização de opiniões e de todas as formas de comunicação virtual que acrescentam, desde a divulgação de conteúdos produzidos pelo indivíduo e a facilidade / agilidade para a conversação.

35 35 À medida que mais formas de comunicação, estabelecimentos de redes sociais, organizações comunitárias, debates políticos e tomadas de decisões políticas são atraídos para a mídia on-line, mais as pessoas sem acesso à tecnologia serão excluídas das oportunidades de exercer a plena cidadania (WARSCHAUER: 2006, p. 51). Isto se deve, também, pela forte concorrência entre as empresas de tecnologias que, ao perceberem o mercado saturado ou atingir seus níveis estimados de vendas, oferecem novos recursos aos consumidores. A questão dos preços também é fator que acirra o debate, já que a maioria dos produtos tecnológicos, apesar das condições de pagamento oferecidas pelo comércio, é acessível para as classes média e alta em primeiro momento. Depois que os mercados se saturam nos países desenvolvidos, as empresas e as indústrias muitas vezes procuram expandir-se para o mundo em desenvolvimento, mas, de maneira inevitável, visam a relativamente pequena classe média e alta desses países. É muito mais seguro e, a curto prazo, mais lucrativo para a Hewlett-Packard vender seus computadores pessoais já existentes para empresas em Xangai ou Pequim do que tentar desenvolver um tipo de computador inteiramente novo para a população da China e do mundo (WARSCHAUER, 2006, p. 98). No contexto da exclusão digital, são vários os aspectos que causam essa supressão em relação o acesso à Internet como escolaridade, gênero, faixa etária, deficiências físicas, geografia e cultura. Expandir o acesso aos meios digitais não exige apenas a distribuição em massa dos aparelhos, mas a análise profunda de cada um dos tópicos. De acordo com Warschauer (2006, p. 60), a difusão de qualquer tecnologia é um terreno conflituoso, e que a política de acesso a ela reflete questões mais amplas de poder político, social e econômico. É necessário compreender que a exclusão não se refere apenas à dificuldade na aquisição dos computadores ou aparelhos portáteis com conexão à internet, mas exige a adaptação das pessoas de grupos com diferentes hábitos ou crenças,

36 36 idades e níveis de educação. O relatório da Pingdom, por exemplo, mostrou que quatro em cada dez internautas têm menos de 25 anos de idade. Conforme Warschauer: O que é mais importante a respeito da TIC não é tanto a disponibilidade do equipamento de informática ou da rede de internet, mas sim a capacidade pessoal do usuário de fazer uso desse equipamento e dessa rede envolvendo-se em práticas sociais significativas (WARSCHAUER, 2006, p ). Assim é possível compreender que a exclusão digital não se detém à falta do computador e que a produção em maior escala, com custos reduzidos ou por meio de políticas públicas, não bastariam para a inclusão efetiva dos indivíduos. Antes, é necessário analisar os principais aspectos que ocasionam a exclusão EXCLUSÃO SOCIAL E EXCLUSÃO DIGITAL Ao analisar a exclusão digital é necessário compreender que ela não é sinônimo de exclusão social, mas mais uma característica. Com o crescimento da internet e destacada a sua relevância no que tange as relações sociais, acesso ao conhecimento, participação de cunho político e outros temas dentro da concepção de Web 2.0, excluir digitalmente é privar o indivíduo desta gama de informações. O volume 4 do Atlas da Exclusão Social permite compreender a relação entre estas formas de exclusão: Nos últimos anos a exclusão social passa a se manifestar sob novas formas, especialmente nos países industrializados do centro e da periferia. Além da pobreza absoluta, da fome e do analfabetismo, novas formas de exclusão ganham destaque, associadas à crescente desigualdade, precarização do mercado de trabalho (desemprego e informalidade), expansão da violência urbana e novas epidemias. Paralelamente, emerge uma novíssima forma de exclusão, aquela relacionada à falta de acesso ao novo padrão tecnológico: a exclusão digital (POCHMANN, 2004, p. 45).

37 37 A exclusão social, cujo campo é amplo e complexo, trata desde as classes desfavorecidas, o que ocasiona a desigualdade, até as diferenças étnicas, de gênero, opção sexual e deficiências físicas, o que gera debates dentro do mercado de trabalho e da qualidade de vida. A pobreza é um dos principais fatores que dificultam a inclusão do indivíduo na sociedade e com isto, o acesso ao conhecimento também é restrito, sobretudo com a comunicação mediada pelas tecnologias. Assim, não há como negar a relação entre a exclusão social e a digital devido ao fato da internet ser veículo de comunicação, em uma sociedade onde até mesmo o acesso ao conhecimento requer recursos físicos e financeiros. O mundo moderno está longe de ser um lugar onde a pobreza e a exclusão social estejam sendo vencidas. Na verdade, as antigas regiões pobres situadas entre os trópicos são as mesmas que hoje apresentam os piores indicadores de exclusão social. Aliás, entre os 40 países com os piores destes valores, 82,0% deles estão na África, 7,5% na América, 7,5% na Oceania e 2,5% na Ásia (POCHMANN, 2004, p. 56). O mapa seguinte, disponibilizado no Atlas da Exclusão Social, ilustra esta realidade conforme o Índice da Exclusão Social (IES). O IES procura incorporar em si um maior número e uma maior variedade de dimensões da vida humana [...] Para tanto, os diferentes indicadores analisados são agrupados em três diferentes dimensões da vida humana: uma primeira denominada Vida Digna, outra chamada de Conhecimento e uma terceira denominada Vulnerabilidade (POCHMANN, 2004, p ). Quando maior o índice, melhor é a condição social do país. Nota-se que o Brasil está incluído nos índices entre 0.60 a 0.80, números inferiores aos países norte-americanos Estados Unidos e Canadá, parte da Europa e a Austrália na Oceania, os quais possuem índices entre 0.88 a 0.99.

38 38 Mapa 1 Mapa da exclusão social no mundo (POCHMANN, 2004, p. 57) Já o mapa seguinte, mostra a Desigualdade no Mundo. Mapa 2 Mapa da desigualdade no mundo (POCHMANN, 2004, p. 63) Conforme a imagem acima, quanto maior o índice, melhor a condição social. Assim, nota-se que países como Canadá, Argentina e Japão possuem condições favoráveis, enquanto o Brasil encontra-se com índices inferiores. Mas é importante ressaltar que, assim como a exclusão digital é apenas uma característica da

39 39 exclusão social, também não se trata de um reflexo da desigualdade, e sim um agravante. Desta maneira, mesmo com os índices de desigualdade em países como a China e os Estados Unidos, ambos ocupam o primeiro e o segundo lugar no ranking de países com maior número de internautas do mundo, respectivamente. A China com 420 milhões e o país norte-americano com 234,4 milhões. O Japão que apresenta baixa desigualdade social e é importante pólo de desenvolvimento tecnológico apresenta 99,1 milhões de internautas, seguido pela Índia que se destaca na produção de Tecnologias da Informação e Comunicação 17 e conta com 81 milhões de internautas. Já o Brasil, na mesma lista, está na quinta posição, com 72 milhões de usuários de internet. Os números foram divulgados em 2010 pela Pingdom. Dentro desta análise é necessário considerar também o número de habitantes de cada local citado. A China, por exemplo, é o País mais populoso com 1,34 bilhões de habitantes, seguido pela Índia com 1,21 bilhões. A população dos Estados Unidos é de 313 milhões e meio. Já o Brasil, mesmo com o crescimento econômico do País, o número de internautas é relativamente baixo comparado à população brasileira que, conforme o Censo Demográfico é de de habitantes. É possível comparar os números de habitantes e de internautas nos países destacados, como é demonstrado na tabela: Internautas Habitantes China 420 milhões 1,34 bilhões Estados Unidos 234,4 milhões 313,5 milhões 17 Segundo o Relatório da Economia da Informação , divulgado pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio (Unctad) em 2008, a China e a Índia estavam na liderança em relação à produção de equipamentos e serviços de tecnologia da informação e de comunicação, no mundo. 18 O Censo Demográfico é realizado pelo IBGE Instituto de Geografia e Estatística e reúne informações sobre toda população nacional.

40 40 Japão 99,1 milhões 128 milhões Índia 81 milhões 1,21 bilhões Brasil 72 milhões Tabela 1 - Comparação entre número de habitantes e usuários de internet Convém ressaltar que os números de habitantes e internautas são aproximados, e não exatos. É possível perceber que, apesar da China liderar o ranking de usuários de internet, o nível de inclusão é melhor nos Estados Unidos e no Japão comparados as suas respectivas populações. Assim, exclusão digital agrava a exclusão social não apenas pela dificuldade na aquisição da máquina, mas devido à disparidade em relação ao nível de informações e às maneiras de comunicação proporcionadas pela internet. Com as formas simbólicas cada vez mais disseminadas através dos meios digitais, aumenta a barreira entre indivíduos ou grupos que possuem ou não acesso a elas. A mudança de foco da exclusão digital para a inclusão social baseia-se em três premissas principais: 1) a nova economia da informação e a nova sociedade de rede emergiram; 2) a TIC desempenha um papel decisivo em todos os aspectos dessa nova economia e nova sociedade; e 3) o acesso à TIC, definido de modo amplo, pode ajudar a determinar a diferença entre marginalização e inclusão nessa nova era socioeconômica (WARSCHAUER, 2006, p. 31). Desafia-se assim um planeta de exclusão social a incluir digitalmente parte considerável de sua população. E surge a contradição, porque um excluído social pode possuir acesso à internet e usá-la de maneira satisfatória na busca pela participação e pelo conhecimento. A Web ajuda a efetivar o direito a liberdade de expressão e permitir ao indivíduo exercer suas funções políticas dentro do sistema democrático. Há muitas maneiras pelas quais os mais desfavorecidos podem ter participação e inclusão mais plena, mesmo se carecem da partilha igual dos

41 41 recursos. Ao mesmo tempo, mesmo os mais favorecidos talvez enfrentem problemas de exclusão social, por causa da perseguição política ou da discriminação com base em idade, gênero, preferência sexual ou deficiência física ou mental. (WARSCHAUER, 2006, p. 25) Os meios digitais podem incluir pessoas que encontram dificuldades no convívio social, por exemplo, por meio de deficiências como destacado por Warschauer. Neste caso, a internet pode ser utilizada como espaço de debate em torno dos próprios problemas encontrados, na busca por conscientização, transformação e ainda facilitar a efetivação da cidadania. Devido à dimensão da internet é possível legitimar o direito à liberdade de expressão até para os mais oprimidos grupos da sociedade. Por exemplo, a publicação de imagens pode transformar a opinião pública. E a partir de movimentos sociais são buscadas as mudanças. A TIC é particularmente importante para a inclusão social das pessoas marginalizadas por outras razões. Por exemplo, as pessoas portadoras de deficiências físicas podem fazer um uso especialmente satisfatório da TIC para ajudar a superar problemas causados pela falta de mobilidade, pelas limitações físicas ou pela discriminação social (WARSCHAUER, 2006, p. 52). Desta maneira, compreende-se que impedir o indivíduo de ter acesso à internet é impossibilitá-lo de conhecer o mais democrático dos meios de comunicação de massa. Em suma, a efetiva inclusão social de cada pessoa ou grupo precisa considerar, também, a inclusão digital e com ela o acesso ao conhecimento. No entanto, existem diversas barreiras para serem supridas desde necessidades básicas até questões culturais. Os principais aspectos que tornam baixos os números de usuários de internet serão aprofundados no tópico seguinte deste capítulo. Estas questões, apesar de terem influências diretas entre si, podem ser analisadas separadamente.

42 ASPECTOS DA EXCLUSÃO DIGITAL Compreendido que exclusão digital é dificuldade da inserção aos aparelhos tecnológicos com acesso à internet, e sua relação com o conceito de exclusão social, convém analisar os principais aspectos que dificultam a aquisição das máquinas e a inclusão das pessoas aos meios digitais. Estas questões permeiam por diferentes e amplas categorias. A falta de recursos derivada da desigualdade entre as classes e até mesmo entre as distintas localizações do planeta é um dos fatores que torna difícil o acesso aos meios tecnológicos e com isto, inibe o contato do indivíduo com a informação e o conhecimento. Suprida as necessidades básicas para então fornecer condições de utilizar as máquinas como os computadores, é preciso levar em consideração a educação, enquanto fator importante para o desenvolvimento e a qualidade de vida, e também as relações sociais e culturais entre países ou até mesmo os diferentes grupos que habitam uma mesma região. Três dos principais aspectos que dificultam o acesso às tecnologias de internet foram aprofundados: Recursos financeiros Os preços dos computadores e outros aparelhos são reduzidos constantemente. No entanto, surgem novas máquinas deste segmento com configurações avançadas que proporcionam melhor acessibilidade aos seus usuários. Atualmente, no Brasil, um computador com cerca de 4GB de memória Ram 19 está disponível no mercado por cerca R$ 1.200,00 ou R$ 1.500,00 dependendo da loja e da marca. Os mesmo preços aplicam-se também para notebooks 20. Estes valores são maiores que os recursos que mantêm famílias 19 Memória temporária do computador. 20 Computador portátil.

43 43 durante o mês, e convém ressaltar que para o pagamento parcelado, são acrescentados juros. O sistema operacional Microsoft e seu pacote de aplicativos Microsoft Office 21, dominantes hoje, custam mais que a renda anual da maioria das pessoas no mundo em desenvolvimento (WARSCHAUER, 2006, p. 97). No mesmo contexto, os aspectos financeiros não são apenas necessários para a aquisição dos computadores e ao pagamento de um servidor de internet. Neste sentido, eles são fundamentais também para a manutenção das máquinas que constantemente tem seus softwares e hardwares danificados e necessitam de concertos. Muitas pessoas ainda precisam participar de cursos que não são gratuitos para adquirir conhecimento sobre informática ou até mesmo pagar para utilização de determinados programas como editores avançados de imagem e áudio. Os recursos financeiros dentro do contexto da desigualdade social que geram as diferentes classes, constituídas como A, B, C e D com suas subdivisões, é um dos principais aspectos que ocasionam a exclusão digital. A distribuição geográfica desses privilegiados que possuem senhas de acesso ao ciberespaço é ainda mais eloquente do que a mera quantidade já insinua: 43% na América do Norte, 29% na Europa e 21% em boa parte da Ásia, incluindo os fortes números do Japão. Nessas regiões do planeta, portanto, concentram-se nada menos que 93% dos usuários da rede global de computadores e, portanto, daqueles que usufruem das maravilhas da web 2.0 (SIBILIA, 2008, p ). Desta forma, a sociedade possui recursos mal distribuídos, enquanto uma minoria tem acesso às maiores riquezas. E com a acessibilidade aos recursos financeiros, a aquisição das máquinas e com ela a absorção dos conteúdos também é facilitada. Em comum, a percepção de que, se não forem tomadas medidas corretivas, a concentração de acesso aos equipamentos informáticos tenderá a ampliar a distância entre os ricos e os pobres, provocando uma cisão irrecuperável na já combalida justiça social (CAZELOTO, 2008, p. 17). 21 Entre as funcionalidades do Microsoft Office, há processadores de texto, planilha e cálculo.

44 44 O Atlas da Exclusão Social reafirma a citação de Cazeloto ao mostrar que cerca de 50,0% da população mundial estava em situação de pobreza na época em que foi realizada a pesquisa: Esse é o número aproximado de pessoas que vivem com menos de dois dólares por dia, consideradas aqui miseráveis e pobres (POCHMANN, 2004, p. 58). O Atlas ainda destaca que Zâmbia, Nigéria e Mali lideram o ranking dos piores valores no Índice de Pobreza. Nesses países, especificamente, 90 em cada 100 pessoas vivem com até dois dólares dia (POCHMANN, 2004, p. 58). Estes três países estão localizados no continente africano. Por outro lado, a Nigéria ocupa o 10º lugar no ranking dos países com maior número de usuários de internet conforme os dados revelados em 2010 pela Pingdom. O referido País é também o que mais possui internautas na África, conforme o gráfico: Gráfico 1: Índice de internautas no continente africano. Fonte: Internet World Stats Dados mais recentes também mostram que os países do continente africano, destacam-se em acessos à internet por meio de equipamentos móveis, como smartphones. Considera-se, neste sentido, que os dispositivos possuem preços

45 45 inferiores aos computadores (No Brasil, um aparelho sem aplicativos avançados, pode custar até R$ 400,00) e não permitem a utilização de recursos avançados para a produção de determinados conteúdos, por exemplo, a edição de vídeos que são importantes dentro da concepção da Web 2.0. Também, de acordo com a Pingdom, o contato virtual através destes aparelhos representa apenas 10% do total de acessos no mundo. Existem, desta forma, contradições para serem analisadas dentro do sentido dos recursos financeiros como fontes essenciais para o acesso à internet. Considera-se neste ponto a complexidade do tema exclusão digital. A exemplo da Nigéria, países com índices elevados de pobreza podem possuir números relevantes de usuários de internet, e ao mesmo tempo a exclusão desafiar até as mais desenvolvidas regiões do planeta. Os países desenvolvidos enfrentam dois desafios específicos e interrelacionados quanto ao acesso físico à Internet: a necessidade de melhorar a quantidade de acesso (aumentando o nível geral de penetração da internet no país) e a necessidade de prover acesso mais eqüitativo entre seus cidadãos (WARSCHAUER, 2006, p.83). Os Estados Unidos, por exemplo, país que possui muitos usuários de internet e habitado por desenvolvedores importantes de programas, aplicativos e mídias sociais, também enfrenta os desafios da exclusão digital. Em primeiro lugar, o acesso à informática e à internet continua altamente estratificado por raça, renda e educação. A renda e a educação parecem ser os elementos dominantes de estratificação; por exemplo, os graduados em curso superior com alta renda apresentam um índice de acesso à internet quinze vezes maior do que as pessoas com baixa renda que abandonaram o ensino médio (WARSCHAUER, 2006, p.85). Assim, a falta de recursos financeiros atinge o individuo em vários aspectos dentro da sociedade capitalista, inibindo o uso da internet e o acesso a este veículo de comunicação, e diminui também as oportunidades de crescimento profissional e pessoal por meio da educação. Por sua vez, a educação também precisa ser

46 46 analisada como um fator que acirra as questões que envolvem a aquisição e a utilização da rede mundial de computadores Educação: Alfabetização e idioma A alfabetização é fundamental e tão indispensável quanto à conexão para a inserção das pessoas na internet. O analfabetismo dificulta não apenas o acesso às informações e aos meios digitais que requerem a leitura e a escrita, como em primeiro plano, a inclusão social do indivíduo, a plena participação enquanto cidadão e o acesso às oportunidades. A educação é a base para o desenvolvimento da sociedade e para proporcionar igualdade. No sentido da inclusão digital, sugere também a utilização satisfatória dos meios para a produção e assimilação de conteúdos. A UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura divulgou em 2011 dados coletados em 2009 que mostram a existência de 793 milhões de pessoas acima de 15 anos no mundo que não sabem ler nem escrever (64% são mulheres). Destes, mais da metade estão presentes no sul e no oeste da Ásia. Conforme a pesquisa estima-se que menos de 2% dos analfabetos correspondem a países da Europa, América do Norte e Ásia Central. A capacidade de ler e escrever, manter a coesão e saber interpretar as simbologias e os textos disponíveis na internet é fundamental para a inclusão. Sem estas possibilidades, o indivíduo fica impedido de utilizar a máquina e compreender os seus comandos, visto que a maioria dos programas, recursos e conteúdos são disponibilizados e explicados através da escrita. Para Warschauer (2006, p. 21): a exclusão digital caracteriza-se não apenas pelo acesso físico a computadores e à conectividade, mas também a recursos adicionais, que permitem que as pessoas utilizem a tecnologia de modo satisfatório. Assim, é possível compreender que é necessário fornecer mais do que os

47 47 aparelhos, é preciso pensar também na educação como base para o desenvolvimento humano e para a utilização interessante dos meios digitais. A comunicação mediada por computadores supera essa diferença entre a linguagem oral e a escrita. Pela primeira vez na história da humanidade, as pessoas podem interagir rapidamente e a distância utilizando-se da escrita. Isso lhes possibilita trocar idéias prontamente, enquanto mantêm um registro das suas próprias comunicações e uma reflexão sobre elas. (WARSCHAUER, 2006, p. 47) Desta forma, como a alfabetização, o nível de escolaridade também é fator relevante, porque colabora na formação de uma visão crítica e o conhecimento científico que permite a utilização interessante da internet como meio de comunicação. Warschauer (2006, p.93) traz como exemplo a China, onde o nível de ensino é aspecto favorável para que o indivíduo tenha acesso. Conforme o teórico, cerca de 98% dos usuários chineses de internet têm ao menos dois anos de curso superior, uma condição atingida apenas por uma pequena minoria da população chinesa. No entanto, apesar do ensino superior ser importante para ajudar na condição de vida e formação humanística do indivíduo, ele não depende apenas deste fator. Assim, ao contrário da China, a falta de um curso ou graduação após o segundo grau, não impede o crescimento profissional e com ele os recursos financeiros necessários para a aquisição das tecnologias em outros países. Conforme Pochmann: Há, no mundo, aproximadamente dois bilhões, seiscentos e quarenta milhões de pessoas consideradas economicamente ativas. Destas, apenas 10,4%, ou seja, aproximadamente 275,5 milhões possuem escolarização equivalente ao 3º grau (2004, p. 66). Outro fator relevante no contexto da educação é o idioma. A falta de conhecimento de determinados termos em outras línguas pode tornar-se desafio para a utilização do computador da internet, sobretudo em países que não possuem muitas páginas de conteúdos. Isto também se deve ao fato de não estarem

48 48 traduzidos para diferentes idiomas muitos softwares (como editores de imagem) e sites de conteúdos interessantes. Warschauer ressalta em sua obra o exemplo do Egito, cuja telefonia móvel possuía mais usuários do que a internet, porque a conversação não exige o conhecimento do inglês (um dos idiomas mais utilizados em programação para computadores). Ainda que a telefonia celular tenha um custo igual ou superior a uma conta de internet, e a telefonia celular tenha sido introduzida cinco anos depois da Internet no Egito (1998), há nesse momento, cerca de 2 milhões de usuários de telefones celulares no país, ou quase cinco vezes a quantidade de usuários de internet. Esse resultado é conseqüência de diversas causas, incluindo, por exemplo, a facilidade de uso do telefone celular em comparação ao da internet, e o fato de que as comunicações telefônicas podem ser praticadas em árabe e não em inglês (WARSCHAUER, 2006, p.91). Segundo Warschauer (2006, p. 134), o predomínio do inglês não apenas na internet, mas também em diversas outras mídias internacionais e foros de comunicação, levou ao surgimento de novos conceitos, como o inglês global. Desta forma, compreende-se a incorporação de novas palavras e dialetos em diferentes idiomas. Termos como twittar 22, blogar 23 ou emoticons fazem parte da rotina dos internautas e que não são compreendidos por quem não faz parte deste contexto Cultura e cibercultura As questões financeiras e com elas as classes sociais, e a educação, são aspectos de difícil solução que necessitam atenção e iniciativas governamentais e privadas. No entanto, no contexto da exclusão digital, a cultura é um dos tópicos mais delicados para ser abordado. Ao contrário dos temas anteriores, ela não 22 Acessar e postar comentários no microblog Twitter. 23 Postar conteúdos em blogs.

49 49 necessita de recursos materiais, mas engloba um campo mais complexo e amplo relacionado diretamente aos hábitos e tradições dos grupos. A informática, conforme Cazeloto (2008, p. 81), modificou as formas de relacionamento social, os padrões culturais e a formação das subjetividades. No entanto o conceito de sociedade de rede, da era da informação, e a internet como ferramenta importante na participação política e social, no acesso ao conhecimento e na eficiente comunicação humana, não podem ser impostas sobre as vontades dos indivíduos. Tendo como exemplo uma aldeia indígena, é preciso compreender se o uso da informática vai ao encontro dos interesses locais, e como interfere na tradição, mitos e costumes do lugar. Da mesma maneira, alguns países orientais, por exemplo, preservam hábitos milenares e são pouco receptivos as novas manifestações culturais que surgem diariamente no ocidente. No entanto, não deixaram de sofrer com impactos da globalização e assim, até mesmo a inserção da internet e o modo como ela é utilizada, é diferente em cada localização. Há sociedades, e mesmo grupos específicos em seu interior, nas quais as transformações alegadas seriam mais sensíveis do que em outras. Há regiões em que os processos de transformação encontram-se em estágio mais avançado, ao passo que outras mal permitem divisar alguma mudança, tamanho o peso de estruturas tradicionais e de relações econômicas que experimentaram poucas variações nos últimos séculos (CAZELOTO, 2008, p. 19). Por outro lado, apesar de respeitar os costumes de cada grupo, a internet pode colaborar em determinadas culturas através de informações interessantes para as tarefas diárias do lugar. Enquanto jovens podem interessar-se pelos inúmeros sites e blogs que divulgam tendências de moda ou música, um produtor rural, por exemplo, tem a possibilidade de desejar dados específicos sobre o segmento em que atua como preços de produtos agrícolas da região onde se encontra.

50 50 Nos países em desenvolvimento, os grupos urbanos e rurais de baixa renda muitas vezes carecem de recursos para expressar e partilhar sua própria cultura comunitária. Como é menos dispendioso produzir na internet do que por material impresso, televisão ou rádio, as publicações on-line podem proporcionar uma mídia excelente para o compartilhamento de conteúdo comunitário localmente desenvolvido e podem com freqüência contribuir para a preservação da língua e da cultura das minorias (WARSCHAUER, 2006, p. 124). Assim, dentro do aspecto cultural, é necessário também analisar que o uso da internet pode privilegiar seus usuários em comparação com os grupos que, por questões culturais, não desejam ou não possuem recursos necessários para incluirse aos meios digitais. Conforme Warschauer (2006, p ), a internet como ferramenta política tende a privilegiar aqueles que têm mais acesso a ela. Ao mesmo tempo, a ascensão das máquinas e do acesso a internet transformou as diferentes culturas, possibilitando a inserção de hábitos de determinados povos em outras regiões. Outro exemplo são manifestações da cultura norte-americana introduzidas no Brasil, enquanto este, por sua vez, tenta conservar tradições locais. Neste sentido, destaca-se a cultura de massa, ou seja, as manifestações populares distribuídas geralmente pelos meios de comunicação (mass media) para parte considerável da população. É possível compreender, então, que ao elevar a cultura para o centro do debate sobre exclusão digital, é necessário também considerar que a internet origina novas formas culturais, intituladas de cibercultura: A cibercultura é, portanto, o contexto no qual se dá a experiência de mundo das sociedades contemporâneas tecnologicamente avançadas. Mesmo as áreas com fraca densidade tecnológica acabam sendo indiretamente atingidas pela emergência desse fenômeno, uma vez que ele subordina e desloca as formas anteriores (CAZELOTO, 2008, p. 82). Assim, não apenas a cultura é um aspecto que aumenta os índices de exclusão, mas também a criação e promoção de uma cibercultura que, enquanto fator da internet, também privilegia os seus usuários. Isto porque é uma cultura do

51 51 ciberespaço, caracterizado pela velocidade das mensagens, as simbologias desenvolvidas dentro dos meios digitais, acesso às informações e produção e divulgação de conteúdos. A cibercultura é o ambiente da elite mundial e, exatamente por isso, se faz sentir mesmo onde não está diretamente presente (CAZELOTO, 2008, p. 108). Em suma, se por motivos culturais existem grupos excluídos digitalmente, os mesmos indivíduos deixam de ser inseridos nesta nova cultura elaborada dentro da internet. Neste ponto, compreende-se que excluir deste veículo de comunicação é impedir o indivíduo do contato com o amplo conteúdo fornecido por ele e outras vantagens. Cazeloto (2008, p. 111) complementa: Se o acesso aos recursos da cibercultura pode ser considerado forma de privilégios na hierarquia social, controlar o acesso a esses recursos será um modo de ocupar posições de maior privilégio e poder mais evidente DADOS SOBRE EXCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL O número de internautas brasileiros cresce constantemente. A afirmação é comprovada pelo fato do Brasil ocupar a quinta posição no ranking de usuários de internet. No entanto, a exclusão digital ainda é elevada no país e existem diversos estudos que atestam isto. Os dados divulgados pela pesquisa TIC Domicílios e Usuários Total Brasil, através do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC) ilustram esta realidade: 62% dos lares brasileiros não possuem acesso à internet. No primeiro semestre de 2012, a presidente brasileira Dilma Rousseff, durante seu discurso na abertura do CeBIT 24, destacou perspectivas futuras e ressaltou o papel das TICs. De acordo com ela, As tecnologias digitais ampliaram de maneira vertiginosa a capacidade do ser humano de produzir, armazenar e distribuir informação. [...] São, sobretudo, instrumentos de inclusão social e de 24 Encontro sobre as tecnologias da informação e da comunicação, realizado em 2012 em Hanover na Alemanha.

52 52 exercício renovado da cidadania. [...] A exclusão das tecnologias de informação acentua a exclusão social e acirra ainda mais as desigualdades já existentes. [...] O Brasil fez um opção clara nos últimos anos por universalizar o acesso a essas tecnologias e estimular seu desenvolvimento no país. O comentário reafirma as pesquisas que demonstram a dificuldade na penetração dos meios digitais no país devido às questões financeiras que provocam diferenças sociais. A tabela abaixo é referente ao Mapa da Inclusão Digital, elaborado a partir de uma parceria entre o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas e a Fundação Telefônica. O estudo foi disponibilizado em maio de 2012 e mostra as razões da exclusão: Tabela 2: Razões da exclusão digital no Brasil. Fonte: Mapa da Inclusão Digital O estudo também mostra que o Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Paraná apresentam os melhores índices de lares com acesso à internet entre os Estados Brasileiros, com 58%, 48%, 44%, 41% e 38,7% respectivamente. Já estados das regiões norte e nordeste estão entre os menos conectados, incluindo Alagoas, Maranhão, Piauí e Pará. Outro aspecto relevante é a maneira como o brasileiro acessa a internet. Conforme a pesquisa Como 80 milhões de brasileiros acessam a internet no Brasil desenvolvida através de uma parceria entre o Interactive Advertising Bureau (IAB

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) INTRODUÇÃO UNIDADE 1 Módulo 1: Curso de Internet para Profissionais de Saúde Internet e a Ciência O papel da internet na formação dos profissionais

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira BRASIL 2 BRASIL (Dados IBGE, 2010 e Governo Federal, 2011) População: mais de 190 milhões de habitantes Brancos:

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

Peças para diferentes sites

Peças para diferentes sites Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital. Confira Aunica The Tagnology

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO

DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO Formación y superación de la exclusión Silene Fernandes Bicudo Núcleo de Novas Tecnologias UNIVAP silene@univap.br Ana Maria Soares Comitê para Democratização

Leia mais

Introdução do Jornalismo Móvel

Introdução do Jornalismo Móvel Introdução do Jornalismo Móvel Semana 1: Visão geral das plataformas móveis, tendências e futuro Instrutor Técnico Móvel: Will Sullivan Instrutora Brasileira: Lorena Tárcia http://visual.ly/reaching-50-million-users

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Estudo de Regionalização e Tecnologias nos Websites e Jornais auditados pelo IVC

Estudo de Regionalização e Tecnologias nos Websites e Jornais auditados pelo IVC Estudo de Regionalização e Tecnologias nos Websites e Jornais auditados pelo IVC Considerações iniciais O IVC audita publicações impressas e websites de seus filiados. O IVC não audita o mercado editorial

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Web. Professor André Martins

Web. Professor André Martins Web Professor André Martins Internet é agora A internet é a promessa de sermos todos um. Aldeia Global*, não com a Tv, mas com a internet. Teoria do caos (Edward Lorenz)- o bater de asas de uma simples

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

Edição 3 - Dezembro 2009

Edição 3 - Dezembro 2009 Edição 3 - Dezembro 2009 Indicadores Categorias + vistas na internet (usuários únicos) 33,7 Telecomunicações e Serviços de Internet -10,5% +13% Buscadores, Portais e Comunidades 33,5 Ocasiões Especiais

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (O Mercado Mobile no Brasil) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

Um pouco de nossa história Conheça um pouco de nosso crescimento.

Um pouco de nossa história Conheça um pouco de nosso crescimento. MIDIA KIT Um pouco de nossa história Conheça um pouco de nosso crescimento. O site nasceu da expansão do blog Recomendação de Notebook, que já havia atingido a marca de 1,9 milhão de pageviews em pouco

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

Internet. História da Internet

Internet. História da Internet Internet A rede mundial de computadores é um grande fenômeno e está ampliando os horizontes de profissionais e empresas. O acesso é feito a qualquer hora e de qualquer lugar: do escritório, em casa, na

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel.

Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel. Aplicações Atuais e Futuras para Internet Móvel Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel. Michel Castaldelli Michel Castaldelli é diretor do Ericsson Mobility

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO VISÃO GERAL DO MERCADO Principais dados: América Latina e Caribe M Assinaturas móveis (milhões) Assinaturas de smartphones (milhões)

Leia mais

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias A mídia radiofônica utilizada como ferramenta para a Educação Física Escolar Joseane Alba josialba2014@gmail.com Gabriela Zucki

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Android. Escolhe o dispositivo Android certo!

Android. Escolhe o dispositivo Android certo! Android O Android é a plataforma mais popular do mundo das telecomunicações. Podemos usar todos os aplicativos do Google, existem mais de 600.000 aplicativos e jogos disponíveis no Google Play para nos

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

Questão em foco: Mobilidade no PLM. Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia

Questão em foco: Mobilidade no PLM. Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia Questão em foco: Mobilidade no PLM Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia Tech-Clarity, Inc. 2011 Índice Introdução da questão... 3 O valor da mobilidade para a engenharia...

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários.

Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários. Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários. Filipe Jahn A revolução das novas tecnologias nos dias de hoje

Leia mais

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO As empresas sabem que o planejamento digital, gestão de conteúdo, anúncios, campanhas

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 3 Internet, Browser e E-mail Professora: Cintia Caetano SURGIMENTO DA INTERNET A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria, no final da década de

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes O Evento A PHOTOIMAGE BRASIL, maior feira de imagem da América Latina, reuniu mais de 35 mil participantes ligados ao segmento e provou nesta sua 22ª edição que soube se adaptar às rápidas mudanças do

Leia mais

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga Instituto de Inovação com TIC O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga [ Flávia Fernandes Julho/2010] Banda Larga Internet A Internet supera a produtividade combinada do telefone, transporte e eletricidade

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais