(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)"

Transcrição

1 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras)

2 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO... 3 OBJETIVO... 3 POLITICA DA QUALIDADE DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES... 4 QUALIFICAÇAO DE FORNECEDOR... 4 AUDITORIAS NO FORNECEDOR... 4 FORNECEDORES CERTIFICADOS... 4 AUDITORIA DE PROCESSO DE FORNECEDORES... 5 FONTES APROVADAS PELO CLIENTE... 5 REQUISITOS DE LABORATÓRIO... 5 FASE DE MANUTENÇÃO E CONTROLE DO FORNECEDOR... 6 ÍNDICE DE QUALIFICAÇÃO DE DO FORNECEDOR (IQF)... 6 CRITÉRIOS ESPECÍFCOS DO IQF POR TIPO DE FORNECIMENTO... 6 FÓRMULA DE IQF DO FORNECEDOR... 7 DESEMPENHO DO FORNECEDOR... 7 COMUNICAÇÃO DO DESEMPENHO DO IQF AO FORNECEDOR... 7 DESQUALIFICAÇÃO DO FORNECEDOR REQUISITOS DE RECEBIMENTO... 7 QUALIDADE DO PRODUTO RECEBIDO... 7 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PRODUTO RECEBIDO... 8 PROCESSO DE APROVAÇÃO DE PEÇAS DA PRODUÇÃO REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 8 FORNECIMENTO CORRENTE... 8 CONCESSÕES HISTÓRICO DE REVISÕES... 9

3 3/9 1. O MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO A finalidade deste Manual é aprimorar as relações entre a Indústria Marília de Auto Peças e seus Fornecedores. Para que este objetivo possa ser alcançado, a Alta Direção da Indústria Marília de Auto Peças entende como premissa básica a necessidade de acordos. Estes acordos devem estar baseados nos princípios de cada empresa, pois, caso contrário, em situações de dificuldades logo deixará de ser cumprido. Desta forma, este Manual, representa, e documenta todo o sistema operacional de qualidade entre a Indústria Marília de Auto Peças e seus Fornecedores que visa, além de segurança no projeto, no desenvolvimento, na produção, na instalação e na assistência de nossos produtos, contribuir principalmente para o êxito em obter a satisfação de nossos clientes. A Indústria Marília de Auto Peças tem plena consciência da importância da aplicação dos quesitos constantes neste Manual, por isto, espera e necessita o total comprometimento dos seus Fornecedores no sentido de obter produtos que atendam os níveis de desempenho, segurança, qualidade, confiabilidade e custos exigidos. OBJETIVO Avaliar o potencial do Sistema de Gestão da Qualidade aplicado pelo Fornecedor, qualificá-lo em função dos requisitos exigidos pela Indústria Marília de Auto Peças e desenvolve-lo com o objetivo de atender os requisitos da ISO/TS Este sistema deve assegurar a detecção de não conformidades durante o desenvolvimento e processo de fabricação, ter foco em ações corretivas rápidas e eficazes, na melhoria contínua e na garantia de entrega de produtos de acordo com os requisitos especificados. POLÍTICA DA QUALIDADE Satisfazer os Clientes Através do Atendimento de Seus Requisitos e da Melhoria Contínua de Nossos Processos Internos, Oferecendo-lhes Produtos e Serviços com Qualidade

4 4/9 2. DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES 2.1 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDOR A Indústria Marília de Auto Peças seleciona seus Fornecedores em função da necessidade e a decisão da escolha é feita pelas áreas de Suprimentos, Engenharia e Qualidade. O Fornecedor para ser inserido na Lista de Fornecedores Homologados deve ser certificado, no mínimo ISO- 90:2000, passar por avaliação conduzida por auditores da Indústria Marília de Auto Peças com data marcada previamente em comum acordo, e submeter amostras de seu produto para análise Auditorias no Fornecedor Os critérios de avaliação utilizados para as Auditorias do Sistema de Gestão da Qualidade dos Fornecedores estão definidos de acordo com a tabela abaixo: PONTUAÇÃO DA AUDITORIA Fornecedor Classe A Fornecedor Classe AB Fornecedor Classe B Fornecedor Classe C CLASSIFICAÇÃO Aprovado com prioridade de Compras Aprovado Aprovado com restrição, requer Plano de Ação Reprovado A auditoria realizada no Fornecedor será invalidada sempre que seu IQF (ver item 2.2.1) se manter abaixo da meta (cinco pontos) por três meses consecutivos. Neste caso, uma nova auditoria deve ser realizada a fim de avaliar se o fornecedor mantém condições de fornecer a Indústria Marília Fornecedores Certificados A Indústria Marília de Auto Peças necessita que todos os seus Fornecedores de Matéria Prima e Serviços, sejam no mínimo certificados na norma ISO-90:2000. Fornecedores sem esta certificação serão utilizados apenas se forem indicados por nossos clientes. Os certificados do Sistema de Gestão da Qualidade do Fornecedor são mantidos e monitorados quanto a seu respectivo período de validade. Durante o período de transição entre as Auditorias de Certificação e/ou manutenção do Sistema de Gestão da Qualidade, caso o certificado vença, o Fornecedor deve enviar cópia da

5 5/9 agenda de auditoria do Órgão Certificador e posteriormente carta de recomendação. Cópias atualizadas dos certificados devem ser enviadas assim que o Fornecedor recebê-las Auditoria de Processo de Fornecedores Sempre que o IQF mensal do Fornecedor for < 5 pontos, uma Auditoria específica em determinados processos ou produtos será agendada junto ao Fornecedor. O objetivo desta auditoria é alavancar o processo de melhoria contínua no Fornecedor e reduzir e/ou eliminar problemas quanto as especificações. Este processo de avaliação classifica o Fornecedor em três critérios: PONTUAÇÃO DA AUDITORIA DE PROCESSO Maior que 90 Entre 70 e 89 Abaixo 69 CLASSIFICAÇÃO Aprovado Aprovado sob concessão, requer Plano de Ação Fornecimento suspenso até a implementação de ações Fontes Aprovadas Pelo Cliente Quando requerido o uso da Lista de Fornecedores Homologados do Cliente, quaisquer inclusões de uma nova fonte, somente pode ser realizada após inclusão do Fornecedor pelo Cliente nesta Lista de Fornecedores Homologados ou mediante liberação pelo Cliente Requisitos De Laboratório Para os Fornecedores de calibração, metrologia e ensaios serão considerados aptos os laboratórios credenciados ao ISO/IEC 17025, ou equivalente nacional (INMETRO, RBC, RBLE), ou que seja evidenciada uma auditoria de 2º parte que atendam aos requisitos da ISO/IEC ou equivalente nacional Desenvolvimento de amostras Para homologação do fornecedor, além da certificação ISO90:2000 (no mínimo) e aprovação em auditoria conduzida pela Indústria Marília de Auto Peças, o fornecedor deverá

6 6/9 submeter amostra de seu produto acompanhada de PAPP nível 2 (no mínimo), para análise técnica de nossos departamentos de Engenharia e Controle da Qualidade. Para peças com peso até 100g, o tamanho da amostra deve ser de no mínimo 300 peças; peças com peso superior a 100g, o tamanho da amostra deve ser de no mínimo 10 peças ou conforme solicitação de nossa engenharia. 2.2 FASE DE MANUTENÇÃO E CONTROLE DO FORNECEDOR Índice De Qualidade De Fornecimento (IQF) Os Fornecedores de Matéria-Prima, Componentes, Ferramentas e Serviços serão monitorados através do Índice de Qualidade de Fornecimento (IQF), baseado nos seguintes critérios: Qualidade do Produto ou Serviço adquirido; Desempenho de Entrega; Fornecimento de Documentos, tais como certificados de qualidade do Produto Critério Específicos Do IQF Cada Fornecimento recebe nota de 0 a 10 pontos conforme tabela a seguir: Pontuação a ser dada Atrasos Não Conformidades 10 pontos 0 dias Sem não conformidades 09 pontos 1 ou 2 dias Sem não conformidades 08 pontos 3 ou 4 dias Envio de material sem solicitação de compra 07 pontos 5 ou 6 dias Embalagens ou transportes inadequados 06 pontos 7 ou 8 dias Quantidade fornecida a menos ou a mais 05 pontos 9 ou 10 dias Falha ou falta de identificação 04 pontos 11 ou 12 dias Certificado emitido errado 03 pontos 13 ou 14 dias Falta de certificado 02 pontos 15 ou 16 dias Defeitos visuais ponto 17 ou 18 dias Defeitos dimensionais 0 ponto Acima 19 dias Defeitos visuais e dimensionais

7 7/ Fórmula Do IQF O IQF é calculado através da seguinte fórmula: IQF = Soma dos Pontos de Cada Fornecimento Quantidade de Fornecimentos 2.3 DESEMPENHO DO FORNECEDOR Comunicação do Desempenho do Fornecedor O Índice de Qualidade de Fornecimento é Informado trimestralmente para todos os Fornecedores que se apresentarem na lista de Fornecedores Homologados, a menos que não tenha fornecimento dentro do período Desqualificação do Fornecedor A desqualificação do Fornecedor é realizada com base no IQF mensal. O Fornecedor que permanecer por mais de 3 (três) meses consecutivos com IQF abaixo de 5 pontos, será desqualificado. Nota: Para que o Fornecedor possa voltar a fornecer após ter sido desqualificado, o mesmo deve apresentar um plano de ação a fim de eliminar a probabilidade de reincidências e ser submetido a nova Auditoria, conforme item deste Manual. 3. REQUISITO DE RECEBIMENTO Qualidade do Produto Recebido Quando não conformidades de responsabilidade do Fornecedor forem detectados no ato do recebimento, na linha de produção ou em campo (Cliente) a Indústria Marília de Auto Peças emitirá uma notificação formal (RNC Relatório de Não Conformidade) que será encaminhada ao Fornecedor.

8 8/9 O Fornecedor deve ter o comprometimento junto a analise da causa, ações de contenção / disposição, ações corretivas e preventivas cabíveis a fim de solucionar o problema e evitar a reincidência. O prazo para resposta das ações de contenção / disposição é de 24 horas. O Fornecedor é responsável em notificar a Indústria Marília de Auto Peças quando produtos não conforme são detectados após o envio de lotes da mesma ordem de produção. Avaliação da Qualidade do Produto Recebido Todos os materiais recebidos são inspecionados por amostragem de acordo com o Plano de Inspeção definido por nossa Engenharia. O critério de aceitação utilizado pela Indústria Marília de Auto Peças para avaliação dos produtos no ato do recebimento é conforme a norma NBR 5426 com NQA de zero defeito. Processo de de Peças da Produção Para os Fornecedores de Matéria-Prima e Serviços, o nível de submissão exigido para o Processo de de Peças de Produção (PPAP) é o nível dois (2) de acordo com o Manual de PPAP 4ª edição (AIAG). Quando da necessidade de submissão em nível cinco (5), o Fornecedor será previamente informado. 4. REQUISITOS PARA FORNECIMENTO 4.1 Fornecimento Corrente Quando especificado em pedido de compra, o Fornecedor deve enviar juntamente a cada lote remetido a Indústria Marília de Auto Peças, Certificados de Qualidade, Certificados de Composição Química e/ou Relatórios Dimensionais. O Fornecedor deve manter um sistema de rastreabilidade seguro de modo que todos os materiais e peças enviadas para Indústria Marília de Auto Peças, sejam rastreáveis. O Fornecedor deve reter pelo prazo mínimo de um ano calendário todos os registros de ensaios e testes realizados nos materiais e produtos entregues a Indústria Marília de Auto Peças. 4.2 Concessões Para fornecimento divergente das especificações concessões serão concedidas.

9 9/9 O Fornecedor deve requerer autorização formal da Indústria Marília de Auto Peças antes de qualquer envio de produtos, materiais e/ou serviços que não atendam as especificações ou desenhos ou que foram fabricados em processos diferentes dos anteriormente aprovados. Indústria Marília de Auto Peças pode emitir autorização temporária ou definitiva para envio de produtos, materiais e/ou serviços divergentes dos anteriormente aprovados. Para os casos de autorizações definitivas. O Fornecedor deve requerer da Indústria Marília de Auto Peças toda a documentação controlada devidamente alterada. Para os casos de autorização temporária, o Fornecedor deve exigir a aprovação formal do responsável pelo processo / produto. 5. HISTÓRICO DE REVISÕES HISTÓRICO DE REVISÕES Data Descrição da Modificação Função Responsável 18/06/08 Inserido item relativo à necessidade do fornecedor submeter PAPP nível 2 e amostra para análise técnica Gestor da Qualidade

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Elaboração: Analista da Qualidade Diretor Presidente Consenso: Aprovação: (Avaliação e Desenvolvimento) Diretor Executivo Diretor de Operações Diretor de Negócios Diretor Presidente

Leia mais

Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda. Manual de Fornecedores

Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda. Manual de Fornecedores Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda Manual de Fornecedores A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR 1. MENSAGEM AO FORNECEDOR 3 2. OBJETIVO 4 3. HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES 5 4. DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 6 4.1. Dados de Entrada 6 4.2. Análise Crítica 6 4.3. Aprovação de Peças da

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Revisão integral do procedimento e adequação dos registros e padrões 03 Adequação da ISO

Leia mais

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6 Número: EEM 80998 Rev.: 0 Fl. 1/6 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 06/10/2015 Emissão inicial em substituição a especificação EEM 80998 Rev07 Gerson Andreoti Coordenador CQ Mário Alonso

Leia mais

DIRETORIA SUPERINTENDENTE EIP GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 ESPECIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO 02-18/03/96 PRODUTO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA SUPERINTENDENTE EIP GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 ESPECIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO 02-18/03/96 PRODUTO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Compras Suc GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 02 GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01/01 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 0

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL GRUPO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS - ANFAVEA. AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO

PROCEDIMENTO GERAL GRUPO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS - ANFAVEA. AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO -. 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática de Avaliação e Qualificação de laboratórios a fim de habilitálos a integrar o grupo de Laboratórios considerados aptos a oferecer serviços de Calibração

Leia mais

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Folha: 1/6 TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS APROVAÇÃO 21/07/15 00 Emissão Inicial - Item 5.1.2 e 5.2.1 - Exclusão da referência a tratamento e 16/06/16

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO TECNOLOGIA FOLHA /3 ÍNDICE DE REVISÃO REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 00 4/03/94 EMISSÃO ORIGINAL. 0 0/07/94 ALT. NOS ITENS 2.6 E 2.7 E ANEXO 2; INC. DO FORN. HOMOL..3.; 02 08/08/05 ALT DO DOCUMENTO PARANOVAFORMATAÇÃO;

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '!

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '! Página 1 de 11 SUMÁRIO! " #$ % & $! & '! $ " () % %% % ($)& $ Página 2 de 11 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Liberação do documento 07/07/2001 Todas Todas

Leia mais

CGCRE/INMETRO. Metrologia e Qualidade em Laboratório

CGCRE/INMETRO. Metrologia e Qualidade em Laboratório CGCRE/INMETRO Metrologia e Qualidade em Laboratório Alexandre Dias de Carvalho Chefe da Equipe de Avaliação de Laboratórios adcarvalho@inmetro.gov.br Metrologia Ciência da medição É uma das funções básicas

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14 Número: EEM-80779 Rev.: 2 Fl. 1/14 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 06/06/2013 1 15/07/2013 Emissão Inicial, em substituição ao documento EEM80779 revisão 14. Alteração das CPC s 80767

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NORMA DA DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS APROVAÇÃO Júlio Cesar Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção Grupo Energisa Gioreli

Leia mais

Item Descrição Página

Item Descrição Página 1 ÍNDICE Item Descrição Página 1 Índice 2 2 Introdução 2 3 Objetivo 3 4 Responsabilidades 3 5 Avaliação e Homologação 3 e 4 6 Auditoria de Processo 4 7 Classificação do fornecedor das Auditoria de Processo

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS ESO TECNOLOGIA 01 ESPECIFICAÇÃO DE SUPRIMENTO 06-31/05/00 DE OPERAÇÃO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS ESO TECNOLOGIA 01 ESPECIFICAÇÃO DE SUPRIMENTO 06-31/05/00 DE OPERAÇÃO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO TECNOLOGIA 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos As Geraldo Fernandes - Ot Maria Célia Abreu - Ot TECNOLOGIA 1/06 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 00 12/07/89

Leia mais

DIRETORIA OPERACIONAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/5 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA REV DATA 21-19/12/06 REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO

DIRETORIA OPERACIONAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/5 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA REV DATA 21-19/12/06 REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO TECNOLOGIA FOLHA 1/5 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 12 26/04/00 ALT. ITEM 3 (PROPRIEDADES - DIÂMETRO DAS CPC S 81409, 81412, 81415, 81439, 81443, 81444, 81448, 81416 E EXCL. UNIFORM.

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC

HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC PROCEDIMENTO GERÊNCIA DE LOGÍSTICA DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Data de Aprovação: 11.10.2006 Doc. de Aprovação:Res. nº 4720/2006 HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC SUMÁRIO 1- OBJETIVO...02 2-

Leia mais

PROCEDIMENTO USO DO CERTIFICADO E DA LOGOMARCA CONCEITOS DE CERTIFICAÇÃO E MARCA DE ACREDITAÇÃO.

PROCEDIMENTO USO DO CERTIFICADO E DA LOGOMARCA CONCEITOS DE CERTIFICAÇÃO E MARCA DE ACREDITAÇÃO. Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Data da Revisão Nº da Revisão 20/08/2007 00 Emissão Inicial Aprovada Histórico das Alterações 22/07/2013 15 NBR ISO 14065:2012 Gases de Efeito Estufa Requisitos para

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0071 FUSÍVEIS TIPO NH DE BAIXA TENSÃO

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Geral: Objetivos Capacitar o aluno a usar a metrologia e ensaios no desenvolvimento e fabricação de produtos. Específicos: Contextualizar

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

Manual do Fornecedor

Manual do Fornecedor 1. GENERALIDADES De acordo com o item 7.4 da norma NBR ISO 9001, a organização deve assegurar que as compras que afetam a qualidade do produto estão conforme requisitos especificados de aquisição selecionando

Leia mais

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3 Página: 1 de 9 SUMÁRIO 1. ESCOPO... 3 2. MANUTENÇÃO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES... 3 5. PROCEDIMENTO... 3 5.1. GERAL... 3 5.2. APELAÇÃO... 4 5.3. ABERTURA E ANÁLISE CRÍTICA INICIAL DA RECLAMAÇÃO...

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Portaria nº 50, de 28 de março de 2002 O PRESIDENTE DO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES Elaborado Aprovado Nome Edson Soares Jacyr Coradini Cargo Coordenador da Qualidade Gerente da Qualidade Data da Elaboração Rev. Data da Revisão 08/07/08 09 14/07/15 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. POLÍTICA INTEGRADA

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão INSTRUÇÃO DE TRABALHO MADAL PALFINGER CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

Sistema Integrado de Gestão INSTRUÇÃO DE TRABALHO MADAL PALFINGER CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Pág: 1/20 1 OBJETIVO Esta instrução tem como objetivo avaliar fornecedores de materiais de processo, e estabelecer os requisitos mínimos para o fornecimento de produtos, serviços e determinar, através

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 06 Recebimento de materiais Conceito de qualidade Padrões de qualidade Inspeção de qualidade Recebimento quantitativo Procedimentos operacionais

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/05 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA REV DATA 14-10/10/06

DIRETORIA GERAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/05 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA REV DATA 14-10/10/06 TECNOLOGIA FOLHA 1/05 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 07 10/07/00 ALT. NO ITEM 2 (EXCL. DA PROP. COR PADRÃO FICAP S.A. E ALT. NA PROP. COR E APARÊNCIA NA CPC 88017 QUE PASSA PARA COR NATURAL).

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA

REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA Página 1 de 5 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 04/11/2010 Revisão do procedimento 02 10/11/2010 Revisão do procedimento 03 08/11/2011 Alteração

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 Curso realizado de 23 a 26 de agosto /2010 OBJETIVO PARTE 1: Capacitar os participantes para: Ter habilidade para avaliar os requisitos da

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA NORMA Nº NIE-DQUAL-142 APROVADA EM NOV/2009 Nº 1/5 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4.

Leia mais

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões.

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. CONTINUAÇÃO ASPECTOS DESCRITOS NA: Resolução CFF nº 406, de 15.12.03: Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. Atividades do Farmacêutico

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.004 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... Página 1 de 15 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 5 7. CONDIÇÕES GERAIS... 6 8. PROCESSO

Leia mais

ECCOS REQUISITOS ESPECÍFICOS REVISÃO: 04

ECCOS REQUISITOS ESPECÍFICOS REVISÃO: 04 1. Objetivo Estabelecer os requisitos específicos da ECCOS Indústria Metalúrgica Ltda. a todos os seus fornecedores, bem como adequar as atuais exigências do mercado automotivo. Estes requisitos são aplicáveis

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

PROCESSO PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS

PROCESSO PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1 Solicitação de Certificação Para aquelas empresas que tenham interesse em certificar seus produtos, as informações referentes à certificação estão disponíveis na página da internet do ITEP/OS (www.itep.br/certificacaodeproduto)

Leia mais

Avaliação da Conformidade aplicada às. Partículas (PFF)

Avaliação da Conformidade aplicada às. Partículas (PFF) Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Avaliação da Conformidade aplicada às Peças Semifaciais Filtrante para Partículas (PFF) Carlos E. de L. Monteiro Inmetro / Dconf / Dipac Fundacentro,

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Alteração dos números dos Registros e inclusão do Item 4 Diretoria de Negócio Vendas Service SGI Qualidade Suprimentos

Leia mais

NORMA HOMOLOGAÇÃO DE LABORATÓRIO

NORMA HOMOLOGAÇÃO DE LABORATÓRIO NORMA HOMOLOGAÇÃO DE LABORATÓRIO 1.Objetivo Estabelecer procedimento para solicitação, por parte dos laboratórios, de homologação de serviços pela Rede Metrológica MG RMMG. 2.Revisões Esta norma foi totalmente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-13/01/2010 13/01/2010 APROVADO POR Sebastião J. Santolin SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PILHAS SUMÁRIO & '! () # # # (%)& %

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PILHAS SUMÁRIO & '! () # # # (%)& % Página 1 de 13 SUMÁRIO! " # $% & %! & '! %! () # # # (%)& % () Página 2 de 13 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Primeira Emissão 07/01/2006 Todas Mudança

Leia mais

Garantia da qualidade no aprovisionamento

Garantia da qualidade no aprovisionamento arantia da qualidade no aprovisionamento Transparências de apoio às disciplinas de estão da Qualidade e Fiabilidade e ontrolo de Qualidade rupo de ontrolo e estão Qualidade no aprovisionamento Que questões

Leia mais

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Página: 1/1 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA Com a publicação da Portaria INMETRO nº 79 - REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA FLEXÍVEL DE POLIURETANO,

Leia mais

INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS DN ¾

INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS DN ¾ INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS ETM 009 VERSÃO 1 Jundiaí - 2014 2 de 10 1. OBJETIVO...3 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 3. INSPEÇÃO, TESTES E ENSAIOS...3 4. GARANTIA DOS MEDIDORES...8 5. PENALIDADES...9

Leia mais

Manual de Avaliação de Fornecedor MANUAL DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDOR

Manual de Avaliação de Fornecedor MANUAL DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDOR Manual de Avaliação de Fornecedor Objetivo A EDK reconhece seu fornecedor como parte primordial em seu processo, buscando assim parcerias duradouras. Para tanto, estabeleceu diretrizes para assegurar transparência

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4.

Leia mais

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Portaria nº 371, de 29 de dezembro de 2009 Objetivo: Avaliação de aparelhos eletrodomésticos e similares, com foco em requisitos de segurança, visando

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA DE ACORDO COM A NBR ISO/IEC 17025:2005

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA DE ACORDO COM A NBR ISO/IEC 17025:2005 IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA DE ACORDO COM A NBR ISO/IEC 17025:2005 José Leonardo Noronha (UNIFEI) jln@unifei.edu.br João Gabriel de Magalhães (UNIFEI) jgabrielmagalhaes@yahoo.com.br

Leia mais

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 - BR - Procedimento de Reclamação - Cliente Página 2 de 8 PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Guaratinguetá, SP Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 -

Leia mais

Fornos de Micro-ondas

Fornos de Micro-ondas Página: 1/14 Elaborado por: João Damião Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Data Aprovação: 07/01/2013 1 - OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Materiais de Referência Certificados REFRATÔMETROS E POLARÍMETROS

Materiais de Referência Certificados REFRATÔMETROS E POLARÍMETROS Materiais de Referência Certificados REFRATÔMETROS E POLARÍMETROS A verificação periódica da instrumentação laboratorial é de máxima importância nas instalações de produção modernas, não só por razões

Leia mais

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável.

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável. A Ação Corretiva Ação para eliminar a causa de uma não-conformidade identificada ou outra situação indesejável. Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/07 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA

DIRETORIA GERAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/07 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA TECNOLOGIA FOLHA 1/07 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 02 02/02/88 INCL. DO FORNECEDOR APROVADO N O 3. 03 23/03/89 ALT. GERAL DA ESPECIFICAÇÃO. 04 22/06/89 ALT. NA NUMERAÇÃO DA EMP; ALT.

Leia mais

Lista Mestra. Conteúdo do Kit Passo a Passo ISO 9001:2015. Quality Innovation. Quality Innovation. Total de Páginas: Total de documentos: 192

Lista Mestra. Conteúdo do Kit Passo a Passo ISO 9001:2015. Quality Innovation. Quality Innovation. Total de Páginas: Total de documentos: 192 Lista Mestra Conteúdo do Kit Passo a Passo ISO 9001:2015 Total de Páginas: 1.225 Total de documentos: 192 Quality Innovation Copyright 2016 by Quality Innovation Todos os direitos reservados Quality Innovation

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto 0 IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Páginas: 1 a 9 Código: 06 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016 Próxima Revisão: Anual Versão n : 02 Elaborado

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ET Modo IPQ 107-1 Produção Biológico ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA

Leia mais

Sumário. Manual. CÓDIGO: M UNID.RESP: Vendas PÁGINA: Página 1 de 6 REVISÃO: 01 POLITÍCA DE DESISTÊNCIA, TROCA, DEVOLUÇÃO E CANCELAMENTO

Sumário. Manual. CÓDIGO: M UNID.RESP: Vendas PÁGINA: Página 1 de 6 REVISÃO: 01 POLITÍCA DE DESISTÊNCIA, TROCA, DEVOLUÇÃO E CANCELAMENTO PÁGINA: Página 1 de 6 Sumário Política de Desistência, Troca, Devolução e Cancelamento... 2 1. Desistência da compra:... 2 1.1. Prazo para desistência da compra:... 2 1.2. Devolução do produto:... 2 1.3.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item Descrição Unid. BATERIA 12v 100 A/H RT 100 LE, para caminhão VOLKSWAGEM MODELO 13180, ano fabricação 2008.

TERMO DE REFERÊNCIA. Item Descrição Unid. BATERIA 12v 100 A/H RT 100 LE, para caminhão VOLKSWAGEM MODELO 13180, ano fabricação 2008. FUNDO NACION DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA. OBJETO. Aquisição de BATERIA 2v, 00 a/h RT 00 LE, para uso em veículo oficial pesado, de acordo com os critérios estabelecidos neste Termo

Leia mais

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto Pedro Henrique Gobbo Prof. Dra. Sheyla Mara Baptista Serra Prof. Dr. Marcelo de Araújo Ferreira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução sobre

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN ISOLADORES TIPO ROLDANA EM PORCELANA 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN ISOLADORES TIPO ROLDANA EM PORCELANA 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.093 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS

A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS OBJETIVO O objetivo deste trabalho será dar bases sólidas para estudos de viabilidade técnica para

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

Regras Específicas para a Certificação de Equipamentos Eletromédicos

Regras Específicas para a Certificação de Equipamentos Eletromédicos Regras Específicas para a Certificação de Equipamentos Eletromédicos 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece as condições para a certificação compulsória ou voluntária de equipamentos eletromédicos. 2 CAMPO DE

Leia mais

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria OBJETIVO: Fixar condições no recebimento de tijolos maciços cerâmicos destinados a obras de alvenaria, com ou sem revestimento; DEFINIÇÕES: 1. Tijolo

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS EEM.89236 TECNOLOGIA 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos As Sandra Tostes - Ot Maria Célia Abreu - Ot TECNOLOGIA 1/7 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

Reguladores de baixa pressão para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) com capacidade de vazão de até 04 Kg/h

Reguladores de baixa pressão para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) com capacidade de vazão de até 04 Kg/h Página: 1/11 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química EDITAL 2016/03: PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES DE MESTRADO E DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA ABRIL A JUNHO 2016 A Comissão Coordenadora do da Escola Politécnica

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE TAMPÕES E GRELHAS DE FERRO FUNDIDO SUMÁRIO () " (%)& %

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE TAMPÕES E GRELHAS DE FERRO FUNDIDO SUMÁRIO ()  (%)& % Página 1 de 14 SUMÁRIO! " # $% & % & ' %! () " (%)& % () Página 2 de 14 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Primeira Emissão 02/02/06 Eduardo R. Walter Laudisio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 139, de 17 de outubro de 2001. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/5 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para tratamento dos registros de não conformidades reais e potenciais ocorridas no sistema de gestão da Qualidade do INTS, contemplando o estudo das causas,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM DESENVOLVER E HOMOLOGAR LIMITADOR HÍBRIDO DE BAIXA TENSÃO.

QUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM DESENVOLVER E HOMOLOGAR LIMITADOR HÍBRIDO DE BAIXA TENSÃO. PROJETO BÁSICO Nº 28/13 UO SEITEC SSituação Recebido pelo SECOM Objeto Data da Criação: 18/12/2013 Data da Autorização pela UO: 01/09/2015 QUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM DESENVOLVER E HOMOLOGAR

Leia mais

PQ /04/ OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA.

PQ /04/ OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA. PQ.08 04 02/04/2013 1-6 1. OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA. 2. DEFINIÇÕES Comitê de Certificação Grupo de pessoas representantes

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Importância, Requisitos e Impacto no Sistema de Qualidade

QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Importância, Requisitos e Impacto no Sistema de Qualidade ABRASP QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Importância, Requisitos e Impacto no Sistema de Qualidade Ana Maria P.B. Pellim Salvador, 16/11/09 AMPellim AS PESSOAS CONFIAM EM NÓS PORQUE SABEM QUE NOSSOS PRODUTOS

Leia mais

PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL

PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL Laboratório de Hidrometria Certificação ISO 9001 e PEA PCE82 TERMO DE REFERÊNCIA PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL (dn) ¾, 1, 1 ½ e 2 Setembro / 2012 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PADRÃO KIT CAVALETE

Leia mais

Quando usada em um sistema de gestão da qualidade, esta abordagem enfatiza a importância de:

Quando usada em um sistema de gestão da qualidade, esta abordagem enfatiza a importância de: ISO/TS 16949:2002 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos particulares para aplicação da ISO 9001:2000 para organizações de produção automotiva e peças de assistência relevantes 0 Introdução 0.1 Generalidades

Leia mais

PETROBRAS N-2033 Inspeção de Fabricação Qualificação de Pessoal

PETROBRAS N-2033 Inspeção de Fabricação Qualificação de Pessoal 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos a Inspetor de Fabricação na Modalidade Caldeiraria e Tubulação CT - Nível 1, na realização dos exames de qualificação no SEQUI. 2.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais