IVA. Localização das Operações. Territórios. Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IVA. Localização das Operações. Territórios. Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N."

Transcrição

1 IVA Localização das Operações IPCA Abril 2013 Localização das Operações Art.º 1.º n.º 1 Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N. Torna-se então necessário conhecer as regras de territorialidade, que nos permitem determinar se determinada operação é localizada em T.N. Territórios Art.º 1.º n.º 2 a) Art.º 1.º n.º 2 b) Art.º 1.º n.º 2 c) Território Nacional Território Português como está definido na constituição Comunidade território da comunidade Conjuntos dos estados membros País Terceiro todos países não pertencentes à EU incluindo alguns territórios de EM lha de Helgoland e território de Busingen (Alemanha), Ceuta e Melilha (Espanha) Livigno, Campione d'itália e águas nacionais do lago de Lugano (Itália) Art.º 1.º n.º 2 d) Território Terceiro territórios que salvo disposição em contrário, são tratados como países terceiros lhas Canárias (Espanha), departamentos ultramarinos de França, Monte Atos (Grécia), ilhas Anglo-Normandas (Reino Unido e Irlanda do Norte), ilhas Aland (Finlândia)

2 Territórios Art.º 1.º n.º 4 Consideram-se ainda como fazendo parte da comunidade Principado do Mónaco, Ilha de Man e zonas de soberania do Reino Unido de Akrotiri e Dhekelia consideram-se como efectuadas a partir de, ou com destino, respectivamente, à República Francesa, ao Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte Territórios que não fazem parte do tratado da UE República de Andorra, Ilhas Faroé, Gronelândia, República de São Marino, Gibraltar. Serão tratados como países terceiros Art.º 1.º n.º 2 do DL 347/85) Localização das Operações com as regiões Autónomas As operações tributáveis considerar-se-ão localizadas no Continente ou nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, de acordo com os critérios estabelecidos pelo art.º 6.º do CIVA, com as devidas adaptações Aplicam-se as mesmas regras estabelecidas previstas no art.º 6. do CIVA. A localização das transmissões de ou prestações de serviços efectuadas entre o Continente e as regiões autónomas é relevante, unicamente, para efeitos de determinação da taxa do IVA As Taxas em vigor nos AÇORES são: 4% (Bens e serviços constantes na Lista I); 9 % (Bens e Serviços constantes na Lista II) 16% para as restantes. art.º 18.º, n.º 3, al. a) As Taxas em vigor na MADEIRA são: 5% (Bens e serviços constantes na Lista I); 12 % (Bens e Serviços constantes na Lista II) 22% para as restantes. art.º 18.º, n.º 3, al. b) Regra Geral de localização Art.º 6, n.º 1 Nas transmissões de Bens Se os estiverem situados no território nacional, no momento em que se inicia o transporte ou a expedição para o adquirente; Caso não haja expedição ou transporte, no momento em que são colocados à disposição do adquirente.

3 Regras de localização das prestações de serviços Localização das P.S. Regras Gerais Art. 6.º n.º 6 Excepções Gerais Art. 6.º n.º 7, 8 e 12 Excepções Excepções Específicas particulares - B2C Art. 6.º n.º 9, 10 e 11 Regras Gerais Regras de localização das prestações de serviços n.º 6 a) Serviços prestados a um sujeito passivo Local da sede, estabelecimento estável ou domicílio do adquirente B2B n.º 6 b) Serviços prestados a não sujeitos passivos Local da sede do prestador ou estabelecimento estável a partir do qual os serviços são prestados B2C Exemplos 1.ª REGRA GERAL (alínea a) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA) 1. Um advogado português SP de imposto, presta um serviço de advocacia a uma SP Italiano Operação localizada em Itália, por força do art.º 6.º n.º 6 a) (a contrário) 2. Um economista Francês, presta um serviço de consultadoria a uma empresa portuguesa Operação localizada em Portugal, por força do art.º 6.º n.º 6 a)

4 Exemplos 2.ª REGRA GERAL (alínea b) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA) 1. Um advogado português SP de imposto, presta um serviço de advocacia a emigrante português (particular) residente em França Operação localizada em Portugal, por força do art.º 6.º n.º 6 b) 2. Um espanhol presta um serviço de edição de vídeo a um particular, residente em Portugal Operação localizada em Espanha, por força do art.º 6.º n.º 6 b) (a contrário) Incidência Subjectiva Sujeitos Passivos do Imposto (Devedor do Imposto) Art.º 2.º n.º 1 e) Adquirentes dos serviços, quando o prestador não tenha sede ou estabelecimento estável a partir do qual os serviços são prestados Mecanismo de inversão do sujeito passivo ou reverse charge Consideram-se S. P. do Imposto Para efeitos das regras de inversão Art.º 2.º n.º 5 As pessoas singulares ou colectiva referidas na al. a), relativamente a todos os serviços que lhe são prestados Quaisquer outras pessoas colectivas que devam estar registadas para efeitos do art.º 5.º do RITI Regras Específicas Regras de localização das prestações de serviços n.º 7 e 8 Serviços prestados a sujeitos passivos e a não sujeitos passivos n.º 9 e 10 Serviços prestados a não sujeitos passivos n.º 11 Serviços prestados a residentes fora da UE n.º 12 Serviços cuja utilização ou exploração efectivas ocorrem em território nacional

5 n.º 7 e 8 (independentes da natureza do adquirente) - Imóveis - n.º 7 a) n.º 8 a) Tributável no local onde se situa o imóvel Inclui: Concessão dos direitos de utilização de imóveis Serviços de alojamento no âmbito da actividade hoteleira e similares, como parques de campismo Serviços cuja utilização ou exploração efectivas ocorrem em território nacional Prestações de serviços relacionadas com imóveis Exemplo 1 Um arquitecto português, com gabinete em Braga, elabora um projecto para a construção de um imóvel em Vigo (Espanha). A prestação de serviços é considerada como sendo efectuada em Espanha, uma vez que se refere a um imóvel aí situado, pelo que não é tributada em Portugal (alínea a) do n.º 7 do art. 6.º do CIVA). Prestações de serviços relacionadas com imóveis Exemplo 2 Uma empresa de construção civil de Barcelona desloca trabalhadores seus para Portugal, para aqui participarem na construção de um Centro Comercial. A prestação de serviços é considerada localizada em Portugal, uma vez que se refere a um imóvel aqui situado, pelo que terá de ser tributada no território nacional (alínea a) do n.º 8 do art. 6.º do CIVA).

6 Prestações de serviços relacionadas com imóveis Caso a empresa espanhola não nomeie representante em Portugal, a liquidação do IVA é da competência do adquirente do serviço (alínea g) do n.º 1 do art. 2.º do CIVA), pelo que a empresa portuguesa a quem o serviço é facturado, mesmo que apenas pratique operações isentas nos termos do art. 9.º do CIVA, terá de proceder à liquidação do IVA a favor do Estado. O direito à dedução do IVA assim liquidado depende do enquadramento do adquirente dos serviços face ao CIVA. Prestações de serviços relacionadas com imóveis Exemplo 3 Uma empresa, com sede em Braga, procedeu a trabalhos de adaptação de uma loja num Centro Comercial de Braga, facturando os trabalhos a uma empresa francesa. A prestação de serviços é considerada localizada no território nacional (alínea a) do n.º 8 do art. 6.º do CIVA), pelo que terá de ser facturada à empresa francesa com IVA português. n.º 7 e 8 (independentes da natureza do adquirente) - Transporte de passageiros - n.º 7 b) n.º 8 b) Tributável pela distância percorrida no território Aplica-se a isenção do Art.º 14º, nº 1, al. r), quando o transporte de pessoas provêm ou têm como destino o estrangeiro ou regiões autónomas ou entre elas.

7 n.º 7 e 8 (independentes da natureza do adquirente) - Serviços de alimentação e bebidas - n.º 7 c) n.º 8 c) Não mencionados na al. d) Local da execução material n.º 7 d) n.º 8 d) Prestados a bordo de uma embarcação, aeronaves ou comboio durante um transporte intracomunitário de passageiros Lugar de partida do transporte n.º 7 e 8 (independentes da natureza do adquirente) - Acesso a Serviços de carácter cultural, artístico, científico, desportivo, recreativo, de ensino e similares - n.º 7 e) n.º 8 e) Tributável no local da execução material Inclui - Acesso a feiras e exposições n.º 7 e 8 (independentes da natureza do adquirente) - Locação de curta duração de meios transporte - n.º 7 f) n.º 8 f) Tributável no local da colocação à disposição Local da colocação à disposição: local da entrega física do meio de transporte Art.º 1.º n.º 2 j) Locação de curta duração Até 30 dias, para veículos automóveis ou aeronaves Até 90 dias, para embarcações

8 Locação de curta duração de um meio de transporte Exemplo Uma empresa de rent-a-car de Lisboa aluga, durante dez dias, a uma empresa francesa um automóvel para as deslocações em Portugal de um seu gerente. Esta prestação de serviços é considerada localizada no território nacional (alínea f) do n.º 8 do art. 6.º do CIVA), pelo que terá de ser facturada com IVA português. n.º 9 e 10 (para serviços prestados a não sujeitos passivos) - Transporte de (excepto transporte intracomunitário) - n.º 9 a) n.º 10 a) Tributável pela distância percorrida n.º 9 e 10 (para serviços prestados a não sujeitos passivos) - Transporte intracomunitário de - n.º 9 b) n.º 10 b) Tributável no ponto de partida do transporte Art.º 1.º n.º 2 e) Conceito de transporte intracomunitário de art.º 1 n.º 2 al. e)

9 Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 1 Transporte com início em Portugal e chegada noutro Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo português que fornece o seu n.º de IVA. A operação localiza-se em Portugal. No entanto, como o transporte está relacionado com a saída de do território nacional para outro Estado membro, beneficia da isenção prevista na alínea q) do n.º 1 do art. 14.º do CIVA. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 2 Transporte com início noutro Estado membro e chegada em Portugal, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo português que fornece o seu n.º de IVA. A operação localiza-se em Portugal. O transporte está sujeito a IVA no território nacional, sendo o transportador o responsável pela liquidação. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 3 Transporte com início em Portugal e chegada noutro Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo identificado noutro Estado membro. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente do serviço (reverse charge) no respectivo Estado membro.

10 Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 4 Transporte com início noutro Estado membro e chegada em Portugal, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo identificado noutro Estado membro. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente do serviço (reverse charge) no respectivo Estado membro. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 5 Transporte com início em Portugal e chegada noutro Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo português. Adquirente do serviço de transporte é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação localiza-se no território nacional (alínea b) do n.º 10 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o transportador. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 6 Transporte com início noutro Estado membro e chegada a Portugal, sendo transportador um sujeito passivo português. Adquirente do serviço de transporte é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação localiza-se no Estado membro onde se inicia o transporte (alínea b) do n.º 9 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o transportador, que deverá nomear representante no Estado membro onde se inicia o transporte.

11 Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 7 Transporte com início num Estado membro diferente de Portugal e chegada noutro Estado membro diferente do primeiro, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo estabelecido no território nacional. A operação localiza-se no território nacional. O responsável pela liquidação do IVA é o transportador. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 8 Transporte com início num Estado membro diferente de Portugal e chegada noutro Estado membro diferente do primeiro, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo estabelecido noutro Estado membro. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente do serviço no respectivo Estado membro (reverse charge). Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 9 Transporte com início num Estado membro diferente de Portugal e chegada noutro Estado membro diferente do primeiro, sendo transportador um sujeito passivo português. Adquirente do serviço de transporte é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação localiza-se no Estado membro onde se inicia o transporte (alínea b) do n.º 9 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o transportador, que deverá nomear representante no Estado membro onde se inicia o transporte.

12 Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 10 Transporte com início num determinado ponto de um Estado membro diferente de Portugal e chegada noutro ponto do mesmo Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo português. passivo estabelecido no território nacional. A operação localiza-se no território nacional. O responsável pela liquidação do IVA é o transportador. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 11 Transporte com início em Portugal e chegada noutro Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. passivo português que fornece o seu n.º de IVA. A operação localiza-se em Portugal. O transporte estaria sujeito a IVA no território nacional, sendo o adquirente o responsável pela liquidação (reverse charge). No entanto, como o transporte está relacionado com a saída de do território nacional para outro Estado membro, beneficia da isenção prevista na alínea q) do n.º 1 do art. 14.º do CIVA. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 12 Transporte com início noutro Estado membro e chegada em Portugal, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. passivo português que fornece o seu n.º de IVA. A operação localiza-se em Portugal. O transporte está sujeito a IVA no território nacional, sendo o adquirente o responsável pela liquidação (reverse charge).

13 Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 13 Transporte com início em Portugal e chegada noutro Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. passivo identificado noutro Estado membro. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o transportador, caso este e o adquirente estejam estabelecidos no mesmo Estado membro. Será o adquirente do serviço (reverse charge) no respectivo Estado membro, caso esteja estabelecido num Estado membro diferente do do transportador. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 14 Transporte com início noutro Estado membro e chegada em Portugal, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. passivo identificado noutro Estado membro. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o transportador, caso este e o adquirente estejam estabelecidos no mesmo Estado membro. Será o adquirente do serviço (reverse charge) no respectivo Estado membro, caso esteja estabelecido num Estado membro diferente do do transportador. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 15 Transporte com início em Portugal e chegada noutro Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. Adquirente do serviço de transporte é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação localiza-se no território nacional (alínea b) do n.º 10 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o transportador, que deverá nomear representante fiscal no território nacional (n.º 1 do art. 30.º do CIVA).

14 Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 16 Transporte com início noutro Estado membro e chegada a Portugal, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. Adquirente do serviço de transporte é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação localiza-se no Estado membro onde se inicia o transporte (alínea b) do n.º 9 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o transportador. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 17 Transporte com início num Estado membro diferente de Portugal e chegada noutro Estado membro diferente do primeiro, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. passivo estabelecido no território nacional. A operação localiza-se no território nacional. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente do serviço. Prestações de serviços de transporte intracomunitário de Exemplo 18 Transporte com início num determinado ponto de um Estado membro diferente de Portugal e chegada noutro ponto do mesmo Estado membro, sendo transportador um sujeito passivo de outro Estado membro. passivo estabelecido no território nacional. A operação localiza-se no território nacional. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente do serviço.

15 n.º 9 e 10 (para serviços prestados a não sujeitos passivos) - Prestação de serviços acessórias de transporte - n.º 9 c) n.º 10 c) Tributável no local da execução material Trabalhos relacionados com a carga e descarga nos transportes Prestações de serviços acessórias do transporte Exemplo 1 Transporte de um bem da Alemanha para Portugal. Prestações acessórias executadas quer na Alemanha, quer em França. Adquirente das prestações acessórias é um sujeito passivo nacional que forneceu ao prestador o seu n.º de identificação IVA. Localização da operação em Portugal, apesar de as prestações acessórias terem sido materialmente executadas noutros Estados membros (alínea a) do n.º 6 do artigo 6.º do CIVA). De conformidade com a alínea e) do n.º 1 do art. 2.º do CIVA, o imposto terá de ser liquidado pelo adquirente das prestações de serviços em causa, embora, tenha igualmente direito à sua dedução (alínea c) do n.º 1 do art. 19.º do CIVA). Prestações de serviços acessórias do transporte Exemplo 2 Transporte de um bem de Portugal para a Bélgica. Prestações acessórias executadas em Portugal. Adquirente destes últimos serviços é um sujeito passivo francês que forneceu o seu n.º de identificação IVA. Localização das operações em França, apesar de as prestações acessórias terem sido executadas em Portugal. A empresa portuguesa prestadora dos serviços acessórios emitirá a sua factura à empresa francesa sem IVA.

16 n.º 9 e 10 (para serviços prestados a não sujeitos passivos) - Trabalhos sobre móveis corpóreos - n.º 9 d) n.º 10 d) Tributável no local da execução material n.º 9 e 10 (para serviços prestados a não sujeitos passivos) - Serviços de intermediários agindo em nome e por conta de outrém - n.º 9 e) n.º 10 e) Tributável no local onde se localiza a operação principal Distinguir dos serviços de intermediação, quando age em nome próprio Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 1 Venda de um imóvel localizado fora do território nacional, efectuada com a intermediação de um sujeito passivo português. Adquirente dos serviços de intermediação é um sujeito passivo de outro Estado membro que fornece o seu n.º de IVA. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente (alínea a) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA, a contrariu sensu). O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente.

17 Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 2 Venda de um imóvel localizado fora do território nacional, efectuada com a intermediação de um sujeito passivo português. Adquirente dos serviços de intermediação é um não sujeito passivo. A operação de intermediação localiza-se no país onde está situado o imóvel (alínea e) do n.º 9 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o intermediário, que deverá nomear representante no país onde se localiza o imóvel. Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 3 Venda de um imóvel localizado no território nacional, efectuada com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido noutro Estado membro. Adquirente dos serviços de intermediação é um sujeito passivo português que fornece o seu n.º de IVA. A operação de intermediação localiza-se no território nacional (alínea a) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o sujeito passivo português (adquirente dos serviços). Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 4 Venda de um imóvel localizado no território nacional, efectuada com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido noutro Estado membro. Adquirente dos serviços de intermediação é um sujeito passivo de outro Estado membro que fornece o seu n.º de IVA. A operação de intermediação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente dos serviços.

18 Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 5 Venda de um imóvel localizado no território nacional, efectuada com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido noutro Estado membro. Adquirente dos serviços de intermediação é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação de intermediação localiza-se no território nacional (alínea e) do n.º 10 do artigo 6.º do CIVA). O responsável pela liquidação do IVA é o intermediário, que terá de nomear representante no território nacional. Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 6 Transmissão intracomunitária a partir do território nacional, efectuada com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido noutro Estado membro. Adquirente dos serviços de intermediação é um sujeito passivo de outro Estado membro que fornece o seu n.º de IVA. A operação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o prestador dos serviços ou o adquirente, neste último caso se estiver estabelecido num Estado membro diferente do do intermediário. Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 7 Espectáculo realizado no território nacional, efectuado com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido num país terceiro. Adquirente dos serviços de intermediação é um sujeito passivo português que fornece o seu n.º de IVA. A operação de intermediação localiza-se no território nacional (alínea a) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente dos serviços.

19 Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 8 Espectáculo realizado no território nacional, efectuado com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido num país terceiro. Adquirente dos serviços de intermediação é um sujeito passivo de outro Estado membro que fornece o seu n.º de IVA. A operação de intermediação localiza-se no Estado membro do adquirente. O responsável pela liquidação do IVA é o adquirente dos serviços. Prestações de serviços efectuadas por intermediários agindo em nome e por conta de outrem Exemplo 9 Espectáculo realizado no território nacional, efectuado com a intermediação de um sujeito passivo estabelecido num país terceiro. Adquirente dos serviços de intermediação é uma pessoa que não é sujeito passivo. A operação de intermediação localiza-se no território nacional (alínea e) do n.º 10 do art. 6.º do CIVA. O responsável pela liquidação do IVA é o intermediário, que terá de nomear representante no território nacional. n.º 11 (serviços prestados a residentes fora da UE) - Serviços de carácter imaterial - n.º 11) Não são tributáveis no território nacional Cessão ou concessão de direitos de autor, brevets, licenças, marcas de fabrico e de comércio e outros direitos análogos; Publicidade Prestações de serviços de consultores, engenheiros, etc. Operações bancárias, financeiras e de seguro ou resseguro, com excepção da locação de cofres-fortes; Locação de móveis corpóreos, com excepção de meios de transporte; Prestações de serviços de telecomunicações; Prestações de serviços de radiodifusão e de televisão; Prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no anexo D; Etc.

20 n.º 12 (utilização ou exploração efectivas em território nacional) - Locação de móveis corpóreos (excepto meios transporte) - n.º 12 a) São tributáveis no território nacional Efectuadas a pessoa estabelecida ou domiciliada fora do território nacional, quando a utilização ou exploração efectivas desses ocorram no território nacional n.º 12 (utilização ou exploração efectivas em território nacional) - Locação de curta duração de meio de transporte) - n.º 12 b) São tributáveis no território nacional Efectuadas a um não sujeito passivo, quando a respectiva colocação à disposição tenha ocorrido fora da UE e a utilização ou exploração efectivas do meio de transporte ocorram no território nacional n.º 12 (utilização ou exploração efectivas em território nacional) - Locação de um meio de transporte, que não seja de curta duração - n.º 12 c) São tributáveis no território nacional Efectuadas a um não sujeito passivo, quando o locador não tenha no território da Comunidade sede, estabelecimento estável ou, na sua falta domicílio, a partir do qual os serviços são prestados, e a utilização ou exploração efectivas do meio de transporte ocorram em território nacional

21 n.º 12 (utilização ou exploração efectivas em território nacional) - Serviços de telecomunicações, radiodifusão e televisão e serviços electrónicos - n.º 12 d) São tributáveis no território nacional Efectuadas a um não sujeito passivo residente, quando o prestador não tenha no território da Comunidade sede, estabelecimento estável ou, na sua falta domicílio, a partir do qual os serviços são prestados Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 1 Uma empresa com sede em Évora adquire a uma empresa com sede na França um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA. Esta prestação de serviços é considerada efectuada no território nacional, uma vez que o adquirente é sujeito passivo do IVA em Portugal (alínea a) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA), pelo que terá de ser cá tributada. A liquidação do IVA cabe ao próprio adquirente (n.º 1, alínea g) e n.º 5 do art. 2.º do CIVA), que, no entanto, terá também direito à respectiva dedução (alínea c) do n.º 1 do art. 19.º do CIVA). Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 2 A mesma empresa de Évora adquire a uma empresa com sede nos Estados Unidos da América um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA. Esta prestação de serviços é considerada efectuada no território nacional, uma vez que o adquirente é sujeito passivo do IVA em Portugal (alínea a) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA), pelo que terá de ser cá tributada. A liquidação do IVA cabe ao próprio adquirente (n.º 1, alínea g) e n.º 5 do art. 2.º do CIVA), que, no entanto, terá também direito à respectiva dedução (alínea c) do n.º 1 do art. 19.º do CIVA).

22 Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 3 Uma empresa com sede no Porto transmitiu, via Internet, um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA a uma empresa com sede noutro Estado membro. Esta prestação de serviços não é considerada localizada no território nacional (n.º 6 do art. 6.º do CIVA, a contrariu), pelo que não é cá tributada. Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 4 A mesma empresa do Porto transmitiu, via Internet, um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA a uma empresa com sede num país terceiro. Esta prestação de serviços não é considerada localizada no território nacional (n.º 6 do art. 6.º do CIVA, a contrariu), pelo que não é cá tributada. Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 5 A mesma empresa do Porto transmitiu, via Internet, um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA a um não sujeito passivo residente noutro Estado membro. Esta prestação de serviços é considerada localizada no território nacional (alínea b) do n.º 6 do art. 6.º do CIVA), pelo que a empresa portuguesa terá de proceder à liquidação do IVA correspondente ao valor do serviço prestado.

23 Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 6 A mesma empresa do Porto transmitiu, via Internet, um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA a um não sujeito passivo residente num país terceiro. Esta prestação de serviços não é considerada localizada no território nacional (alínea l) do n.º 11 do art. 6.º do CIVA), pelo que a empresa portuguesa não terá de liquidar qualquer IVA na factura. Prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão e de televisão, e as prestações de serviços por via electrónica, nomeadamente as descritas no Anexo D ao Código do IVA Exemplo 7 Uma empresa com sede nos Estados Unidos da América transmitiu, via Internet, um dos serviços constantes do Anexo D ao CIVA a um não sujeito passivo residente em Portugal. Esta prestação de serviços é considerada localizada no território nacional (alínea d) do n.º 12 do art. 6.º do CIVA. Ver dispositivo seguinte No tocante às prestações de serviços efectuadas por fornecedores de países terceiros a particulares comunitários, o IVA é devido no lugar onde o não sujeito passivo esteja estabelecido, tenha o seu domicílio ou a sua residência habitual. Nestes casos, o sujeito passivo não estabelecido na Comunidade entregará o IVA no EM onde se encontrar identificado, competindo a este EM, nos termos do art. 32.º do Regulamento (CE) n.º 1798/2003 do Conselho de 7 de Outubro de 2003, assegurar que esse IVA seja transferido para a conta bancária em euros que tiver sido indicada pelo EM de consumo ao qual é devido o pagamento.

Exmos. Senhores IVA ARTIGO 6.º DO CÓDIGO. REGRAS DE LOCALIZAÇÃO DAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2010.

Exmos. Senhores IVA ARTIGO 6.º DO CÓDIGO. REGRAS DE LOCALIZAÇÃO DAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2010. Classificação: 000.01.09 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício n.º: 30115 2009-12-29 Processo: F055 2009289/7728 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004407 Sua Ref.ª: Técnico: Cód. Assunto:

Leia mais

CÓDIGO DO IVA. (Republicado pelo DL nº 102/2008, de 20.6)

CÓDIGO DO IVA. (Republicado pelo DL nº 102/2008, de 20.6) CÓDIGO DO IVA (Republicado pelo DL nº 102/2008, de 20.6) ÍNDICE Capítulo I Incidência Artigo 1.º Incidência objectiva Artigo 2.º Incidência subjectiva Artigo 3.º Conceito de transmissão de bens Artigo

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 394-B/84, DE 26 DE DEZEMBRO ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - DECLARAÇÃO N.º 71/85 DE 26 DE MARÇO - DECLARAÇÃO N.º 99/85

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS: NOVAS REGRAS

LOCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS: NOVAS REGRAS 38 LOCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS: NOVAS REGRAS Rui Glória MEMBRO ESTAGIÁRIO Introdução De entre todos os aspectos conexos com o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) um dos mais interessantes e complexos

Leia mais

No seu programa de 2000, no

No seu programa de 2000, no O Pacote IVA novas regras de localização das prestações de serviços P o r C l o t i l d e C e l o r i c o P a l m a Foram estabelecidas a nível comunitário novas regras de localização das prestações de

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 2 cada sujeito passivo entrega ao Estado a diferença entre o IVA que liquida nas vendas e prestações de serviços efectuadas

Leia mais

Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado

Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado www.pwc.pt/inforfisco Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado Aprovado pelo Decreto-Lei n.º 394-B/84, de 26 de dezembro Última alteração pela Lei n.º 63-A/2015, de 30 de junho Índice DECRETO-LEI N.º

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (CIVA) REGIME DO IVA NAS TRANSACÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS (RITI)

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (CIVA) REGIME DO IVA NAS TRANSACÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS (RITI) CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (CIVA) E REGIME DO IVA NAS TRANSACÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS (RITI) 1 ÍNDICE CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (CIVA) CAPÍTULO I Págs. Incidência (art.

Leia mais

CÓDIGO DO IVA. Actualizado em 01-01-08. António Nunes dos Reis

CÓDIGO DO IVA. Actualizado em 01-01-08. António Nunes dos Reis CÓDIGO DO IVA Actualizado em 01-01-08 António Nunes dos Reis CAPÍTULO I INCIDÊNCIA Artigo 1.º 1 - Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado: a) As transmissões de bens e as prestações de serviços

Leia mais

Código do IVA e Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias - versão

Código do IVA e Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias - versão Ministério das Finanças e da Administração Pública DIRECÇÃO-GERAL DAS ALFÂNDEGAS E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO Direcção de Serviços de Cooperação Aduaneira e Documentação Divisão de Documentação

Leia mais

Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado

Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado www.odireitodigital.com Decreto-Lei n.º 394-B/84, de 26 de Dezembro No uso da autorização legislativa conferida pelo artigo 22.º da Lei n.º 42/83, de 31 de

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Novo Regulamento de execução que estabelece medidas de aplicação da Directiva IVA

Novo Regulamento de execução que estabelece medidas de aplicação da Directiva IVA Novo Regulamento de execução que estabelece medidas de aplicação da Directiva IVA O Regulamento de Execução n.º 282/2011 do Conselho, de 15 de Março de 2011 ( Regulamento ), vem estabelecer medidas de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: T120 2007523

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: T120 2007523 FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 18º Assunto: Locação de espaço em exposições/feiras despacho do Subdirector-Geral dos Impostos em substituição do Director-Geral, em 11-01-2008 Conteúdo:

Leia mais

Alterações efectuadas ao Código do IVA e IVA Intracomunitário, no que respeita a facturação e a localização das prestações de serviços.

Alterações efectuadas ao Código do IVA e IVA Intracomunitário, no que respeita a facturação e a localização das prestações de serviços. Alterações efectuadas ao Código do IVA e IVA Intracomunitário, no que respeita a facturação e a localização das prestações de serviços. Alteração das regras em matéria de emissão de faturas Através do

Leia mais

Formação presencial (T.A.T.A. - Mudança de nível)

Formação presencial (T.A.T.A. - Mudança de nível) Formação presencial (T.A.T.A. - Mudança de nível) IVA/RITI Localização das operações Outubro/2006 Rui Bastos rmbastos@dgci.min-financas.pt LOCALIZAÇÃO DAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Art.º 6.º CIVA Localização

Leia mais

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida F i s c a l i d a d e TOC 86 - Maio 2007 Para determinar a taxa aplicável nas operações relacionadas com as Regiões Autónomas são chamados os critérios constantes do artigo 6. do Código do IVA, por força

Leia mais

Localização das prestações de Serviços em IVA

Localização das prestações de Serviços em IVA Localização das prestações de Serviços em IVA Por Teresa Cristina Pereira Eugénio Instituto Politécnico de Leiria ESTG O presente artigo tem como finalidade contribuir para uma melhor compreensão do tema:

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea j) do nº 1 do artigo 2º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea j) do nº 1 do artigo 2º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea j) do nº 1 do artigo 2º. Inversão do sujeito passivo Serviços de construção civil - Fornecimento e instalação na obra de mobiliário e equipamentos

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado 19 de Dezembro de 2011 O IVA na receita fiscal +12,6% IVA Page 2/26 Artigos alterados 9.º - Isenções nas operações internas 16.º - Valor tributável nas operações internas

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 14º;29º Exportações - Comprovativo da isenção nas operações bens em segunda mão Processo: nº 3092, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director

Leia mais

Maria de Lourdes Amâncio 4 de Outubro de 2007

Maria de Lourdes Amâncio 4 de Outubro de 2007 A TRIBUTAÇÃO INDIRECTA DE XIV JORNADA DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE APOTEC Maria de Lourdes Amâncio 4 de Outubro de 2007 Modelo Imposto Monofásico Imposto Transacções até 31/12/1985 Modelo Imposto s/

Leia mais

NOVO REGIME DO IVA NAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

NOVO REGIME DO IVA NAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL NOVO REGIME DO IVA NAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo F. Alves 1/38 Normativos aplicáveis 1. Directiva nº 2006/69/CE, do Conselho, de 24 de Julho 2. Decreto-Lei nº 21/2007, de 29 de Fevereiro

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2006L0112 PT 01.01.2011 011.002 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA 2006/112/CE DO CONSELHO de 28 de Novembro de 2006 relativa ao sistema

Leia mais

equivalente à factura, entendendo-se Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de Agosto: Regras de Facturação:

equivalente à factura, entendendo-se Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de Agosto: Regras de Facturação: Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de Agosto: Foi publicado, no passado dia 24 de Agosto, o Decreto-Lei n.º 197/2012, o qual veio proceder a diversas alterações ao Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante IVA 2013 Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias Janeiro - 2013 1 J. Gante Legislação Dir. 2008/08/CE Dir. 2010/45/UE DL 197/2012 DL 198/2012 ( 24 de Agosto ) Ofício 30.136/2012 Ofício

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 1 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1 Texto da Lei EDITOR: EDIÇÕES

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al. c) do nº 1 do art. 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al. c) do nº 1 do art. 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA al. c) do nº 1 do art. 18º Enquadramento - Serviços prestados a uma companhia de teatro Processo: nº 1773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto Definição do conceito fiscal de prédio devoluto A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 26.10.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 284/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1042/2013 DO CONSELHO de 7 de outubro de 2013 que altera o Regulamento de Execução

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 19º; 20º; 21; 22; e 23º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 19º; 20º; 21; 22; e 23º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 19º; 20º; 21; 22; e 23º. Direito à dedução - Criação, desenvolvimento e gestão do Parque de Ciência e Tecnologia Processo: nº 3666, despacho do SDG dos

Leia mais

Em termos conceptuais, a operação de

Em termos conceptuais, a operação de 40 Fiscalidade Este artigo versa sobre o enquadramento em sede de IVA da prestação de transporte de bens e surge com o objectivo de compilar e esquematizar as diversas normas relativas ao tema. Espera-se,

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º; n.º 2 do artigo 7.º do Regulamento de Execução (UE) n.º 282/2011 do Conselho.

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º; n.º 2 do artigo 7.º do Regulamento de Execução (UE) n.º 282/2011 do Conselho. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 6º; n.º 2 do artigo 7.º do Regulamento de Execução (UE) n.º 282/2011 do Conselho Localização de operações - Transmissão, por via eletrónica, de licenças

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 Assunto: Locação de imóveis L201 2006049 - despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-07-07 Conteúdo: 1. A requerente pretende

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 6º. Localização de Serviços - Locação financeira e aluguer de longa duração - Meios de transporte. Processo: nº 1156, despacho do SDG dos Impostos, substituto

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

consideradas como efectuadas nas Regiões Autónomas.

consideradas como efectuadas nas Regiões Autónomas. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício n.º: 30118 2010-06-30 Processo: T120 2010329/4008 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004407 Sua Ref.ª: Técnico: Cód. Assunto:

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Normas fiscais aplicáveis Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos a emitir; Elementos obrigatórios dos documentos; Quais as formas de emissão

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

O Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

O Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) O Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Trabalho realizado por: Daniela Morais nº6 11º3B Diana Ribeiro nº8 11º3B Joana Gonçalves nº13 11º3B Luciana Dias nº16 11º3B Índice Páginas Introdução.. 3 Conceito

Leia mais

VATWorld - Consultores Fiscais, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 130. 5º 1050-020 Lisboa. Portugal T. (+351) 213 104 040 F. (+351) 213 104 045 portugal@vatcompany.com vatcompany.com ESPECIALISTAS EM

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR DL Nº 197/2012, de 24 de agosto 1 DL Nº 197/2012 - Transposição da Diretiva Comunitária Transposição

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

EXMOS SENHORES. Significa isto que, nos casos aí previstos, há a inversão do sujeito passivo, cabendo ao

EXMOS SENHORES. Significa isto que, nos casos aí previstos, há a inversão do sujeito passivo, cabendo ao Ofício n.º: 30 100 2007-03-28 Processo: L121 2007 086 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 212 000 000 Sua Ref.ª: EXMOS SENHORES SUBDIRECTORES-GERAIS DIRECTORES DE SERVIÇOS DIRECTORES DE FINANÇAS

Leia mais

Reinvestimento. Consignação de rendimentos CONSULTÓRIO

Reinvestimento. Consignação de rendimentos CONSULTÓRIO Reinvestimento A empresa «A», SA, sociedade hoteleira, vendeu em 2007 o edifício (hotel) de que era proprietária. Desta venda resultaram mais-valias fiscais. Para uma perspectiva de continuidade do negócio,

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto DL Nº 197/2012 - Transposição de Diretivas Comunitárias DL Nº 197/2012 - Transposição

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA; RITI. Artigo: 14º do RITI. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA; RITI. Artigo: 14º do RITI. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA; RITI 14º do RITI TICB s Transmissão de bens para outros EM s, os quais são entregues em território nacional Processo: nº 2475, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO B - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO B - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO B - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO I.B.1.367 L 0227 Primeira Directiva 67/227/CEE do Conselho, de 11 de Abril de 1967, relativa à harmonização das legislações dos Estadosmembros respeitantes aos impostos

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DL 197/2012, de 24 de agosto MSP 2013 Estrutura da Apresentação DLs nº 197 e 198/2012: objetivos Novas regras de faturação: âmbito de aplicação territorial Espécies de faturas

Leia mais

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Cria o programa orçamental designado por Iniciativa para o Investimento e o Emprego e, no seu âmbito, cria o regime fiscal de apoio ao investimento realizado

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

Em determinadas situações é possível a renúncia

Em determinadas situações é possível a renúncia Isenção de IVA A empresa X tem por objecto social a «construção civil, compra e venda de imóveis e revenda dos adquiridos para esse fim, comércio, importações e exportações de materiais eléctricos e de

Leia mais

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA Nuno Albuquerque Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA VERBO jurídico TAX NEWS Junho 2013 O Novo Regime de IVA de caixa O DL n.º 71/2013, de 30 de Maio, aprovou, com efeitos a partir de 1.10.13,

Leia mais

Quem são os prestadores de serviços digitais e que serviços são tributados?

Quem são os prestadores de serviços digitais e que serviços são tributados? Como se delimitam as fronteiras no e- commerce? Se tem uma loja online, plataforma digital ou marketplace, e é prestador de serviços digitais abrangidos pelo MOSS, saiba o que muda no seu processo de facturação.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º.

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º. FICHA DOUTRINÁRIA Assunto: Isenções Taxas Direito à dedução - Complexo Desportivo de Município Piscinas municipais, aulas de hidroginástica e de ginástica diversas; prática

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 1º 29º Assunto: Empresa não residente Armazém em Portugal T909 2006018 despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-02-06 Conteúdo: 1.

Leia mais

CIRCULAR 057 FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS

CIRCULAR 057 FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS CIRCULAR 057 Gestão Global de Empresas FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS Arrifana, 04 de Dezembro de 2012 Nos termos do Dec.Lei nº 197/2012 de 24 Agosto as seguintes alterações entram em vigor em 1 Janeiro

Leia mais

ARTIGO 1.º PESSOAS ABRANGIDAS. O presente Acordo aplica-se às pessoas residentes de um ou de ambos os Estados Contratantes.

ARTIGO 1.º PESSOAS ABRANGIDAS. O presente Acordo aplica-se às pessoas residentes de um ou de ambos os Estados Contratantes. ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O ESTADO DO QATAR PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO A República Portuguesa e o Estado do Qatar, desejando

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MANUAL DO IVA - Vertente Aduaneira - Abril de 2010 (Revisto e continuado em Fevereiro de 2011) 1 ÍNDICE Pág. Nota prévia... 6 Abreviaturas / siglas utilizadas.. 8 CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO GERAL.. 9 1.

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. nº 29 do artº 9º; Verba 2.17 da Lista I, anexa ao CIVA, alínea a) do nº 1 do artº 18º do mesmo Código.

FICHA DOUTRINÁRIA. nº 29 do artº 9º; Verba 2.17 da Lista I, anexa ao CIVA, alínea a) do nº 1 do artº 18º do mesmo Código. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA nº 29 do artº 9º; Verba 2.17 da Lista I, anexa ao CIVA, alínea a) do nº 1 do artº 18º do mesmo Código. Locação de Imóveis - Alojamento local temporário

Leia mais

Na situação exposta há duas vertentes que

Na situação exposta há duas vertentes que C o n s u l t ó r i o T é c n i c o TOC 108 - Março 2009 Sucursal de empresa espanhola e Código do IRC A sucursal de uma empresa espanhola em Portugal tem um armazém que apenas serve de «local de expediente»

Leia mais

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão Exma. Senhora Dra. Ana Vieira CCP Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Por e-mail Ref.: CCP/027/2012 Assunto: Regras de facturação Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de Agosto. Exma. Senhora Dra.,

Leia mais

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas.

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas. Classificação: 020.01.10 Seg.: P úbli ca Proc.:2012 004922 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício N.º: 30136 2012-11-19 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª: Técnico: Exmos.

Leia mais

Tendo em vista a clarificação das alterações mais significativas, procede-se à sua divulgação.

Tendo em vista a clarificação das alterações mais significativas, procede-se à sua divulgação. Classificação: 020.10.01 Segurança: Processo: 2014 000460 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA-IVA Ofício Circulado N.º: 30158/2014 2014-01-29 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª:

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

NOVIDADES E LEMBRANÇAS. Lembrança das novidades de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de Junho de 2006. 1

NOVIDADES E LEMBRANÇAS. Lembrança das novidades de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de Junho de 2006. 1 NOVIDADES E LEMBRANÇAS Lembrança das novidades de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de Junho de 2006. 1 Prezado Associado, 1 - Explorações agrícolas e silvícolas - Lei n.º 21/2006, de 23 de Junho.

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

APURAMENTO DO IVA IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO MÓDULO 3 ÂMBITO DO DIREITO À DEDUÇÃO APURAMENTO DO IVA. (artigos 19.º a 26.

APURAMENTO DO IVA IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO MÓDULO 3 ÂMBITO DO DIREITO À DEDUÇÃO APURAMENTO DO IVA. (artigos 19.º a 26. IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO APURAMENTO DO IVA MÓDULO 3 José Soares Roriz Março de 2011 APURAMENTO DO IVA Imposto apurado = Imposto a favor do Estado Imposto a favor do sujeito passivo (+) ou ( )

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 60 P E R Í O D O DE 20 A 26 DE J A N E I R O D E 20 12 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Portaria n.º 17-A/2012, de 19 de Janeiro Aprova o modelo de declaração de regularização tributária

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 NEWSLETTER FISCAL I LEGISLAÇÃO

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

EXMOS SENHORES SUBDIRECTORES-GERAIS DIRECTORES DE SERVIÇOS DIRECTORES DE FINANÇAS CHEFES DE FINANÇAS

EXMOS SENHORES SUBDIRECTORES-GERAIS DIRECTORES DE SERVIÇOS DIRECTORES DE FINANÇAS CHEFES DE FINANÇAS Ofício n.º: 30 101 2007-05-24 Processo: L121 2007 086 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 212 000 000 Sua Ref.ª: EXMOS SENHORES SUBDIRECTORES-GERAIS DIRECTORES DE SERVIÇOS DIRECTORES DE FINANÇAS

Leia mais