Lanterna Azul Programa de Monitoramento do Uso Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lanterna Azul Programa de Monitoramento do Uso Final"

Transcrição

1 Lanterna Azul Programa de Monitoramento do Uso Final Cameron Lorenzen Analista de Políticas, Assuntos e Análise Regionais Secretaria de Políticas de Controles Comerciais de Defesa Secretaria de Assuntos Político-Militares

2 Missão Ajudar a garantir a segurança e integridade do comércio de defesa dos EUA Evitar aquisição ou uso não autorizados de tecnologia e artigos militares dos EUA Combater o comércio cinzento de armas Promover a não proliferação Fomentar a segurança e a estabilidade regionais Regulamentar a transferência de tecnologia Fortalecer a cooperação/confiança entre o Departamento, os governos anfitriões e a indústria 2

3 Autoridades Legais responsáveis pelos Controles Comerciais de Defesa Referência AECA (Lei sobre Controle de Exportação de Armas), Seções 3(g), 38(g)(7) e 40A Assunto Cria a DDTC e estabelece a autoridade legal responsável pelos controles comerciais de defesa; exige o monitoramento do uso final de artigos e serviços de defesa ITAR (Regulamentos sobre Tráfico Internacional de Armas) FAA (Lei sobre Assistência Externa), Seção 505 FAA, Seção 515(a) FAA, Seção 623 EAR (Regulamentos sobre Administração de Exportação) Implementam os regulamentos da AECA, especificam a Lista de Munições dos EUA (USML) Permite a observação do uso de artigos, serviços e treinamento Gestão no estrangeiro de programas de assistência e vendas Exige supervisão do uso final de itens subvencionados em conformidade com a FAA Regulamentam a exportação e reexportação da maioria dos itens comerciais, especificam a Lista de Controle Comercial (CCL) de itens de duplo uso 3

4 Programas do Governo dos EUA referentes ao Monitoramento do Uso Final Lanterna Azul Vendas Comerciais Diretas (DCS na sigla em inglês) de artigos, tecnologia, serviços e intermediações que constam da Lista de Munições dos EUA (USML na sigla em inglês) Sentinela de Ouro Vendas Militares ao Exterior (FMS na sigla em inglês) de artigos e serviços de defesa através de contatos governo-a-governo. Verificação de Uso Final Itens de duplo uso incluídos na Lista de Controle Comercial (CCL) 4

5 Fundamentos do Lanterna Azul Verifica os usuários finais, consignatários e usos finais de exportações norte-americanas de artigos, tecnologia e serviços de defesa Verificações antes e após os envios (55/45) Verificações levadas a cabo no mundo inteiro por funcionários das embaixadas dos EUA em cooperação com governos anfitriões desde a100 países por ano Exigido pela legislação dos EUA: Grande interesse por parte do Congresso, da mídia e de organizações não governamentais (ONGs) As indústrias, tanto norte-americanas quanto estrangeiras, estão cientes do programa 5

6 Objetivo 1: Reforçar a Confiança nas Relações Comerciais Monitorar a transferência de hardware, tecnologia e serviços sensíveis Verificar a idoneidade dos participantes, especialmente dos intermediários Fomentar a cooperação/confiança entre o governo dos EUA, os governos anfitriões e a indústria Aumentar o grau de compreensão sobre os controles de exportação dos EUA (p.ex., necessidade de aprovação do Governos dos EUA para uma retransferência) NÃO se trata de medidas de fiscalização nem de investigação legais 6

7 Objetivo 2: Regulamentar a Transferência de Hardware e Tecnologia Apoiar e facilitar a transferência de um maior volume de hardwares e tecnologias de nível mais avançado OU Maior vigilância e/ou restrição de futuras exportações 7

8 Objetivo 3: Impedir o Comércio Cinzento de Armas Uso de meios legítimos para fins ilícitos Ferramentas e Técnicas o Documentação de uso final falsa o Empresas de fachada o Corretores/Operadores o Intermediários/usuários finais ocultos Impedir o comércio cinzento de armas aumenta a segurança e a estabilidade internacionais 8

9 Vantagens Aumenta a confiança e a cooperação Acelera futuros pedidos Facilita a transferência de tecnologia mais avançada Ajuda a conferir as credenciais de um vendedor, evita desvios Protege os usuários finais de intermediários desonestos Fomenta a comunicação entre o governo dos EUA, os governos anfitriões e a indústria Cria expectativas nos exportadores e importadores de devida cautela ou diligência (due diligence), instrui a indústria sobre as legislações e os regulamentos vigentes 9

10 Origem Orientadas/selecionadas, não aleatórias: 564 verificações Lanterna Azul de um total de ~ pedidos de autorização de exportação no transcurso do Ano Fiscal de 2014 (Menos de 1%) Referências Pessoal responsável pelo licenciamento e conformidade da DDTC Escritórios funcionais e regionais do Departamento de Estado Outras agências do Governo dos EUA (p.ex. Departamento de Defesa) Lista de Vigilância 10

11 Sinais de Alerta Básicos Indicadores do Usuários Finais/ Uso Final Usuário final desconhecido Documentação de apoio suspeita ou incompleta Antecedentes profissionais ou descrição do uso final escassos ou desabonadores Reticência ou ambiguidade por parte do solicitante ou agente comprador norte-americano Pagamento em dinheiro ou a taxas acima do mercado Usuários finais desconhecem o produto ou sua utilização Usuário final recusa a prestação de serviços normalmente associada à compra (instalação, garantia, peças de reposição, consertos) Indicadores da Mercadoria Excessiva ou incompatível com necessidades ou inventário Em demanda em países sob embargo Especialmente sensíveis (p. ex., dispositivos de visão noturna, veículos aéreos não tripulados, relacionadas a mísseis, alto calibre) Indicadores Geográficos/de Envio Intermediário desconhecido Rota incomum, transbordo em vários países ou por intermédio de inúmeras companhias Países, cidades ou portos suspeitos; zonas de livre comércio (FTZ na sigla em inglês) Locais de entrega (p.ex., Caixa Postal) e instruções sobre embarque/embalagem vagas ou suspeitas Designação de transitários como consignatários ou usuários finais estrangeiros Consignatários estrangeiros intermediários (companhias comerciais, despachantes ou transitários, empresas de exportação) sem qualquer ligação aparente com o usuário final 11

12 Lista de Vigilância Todos os pedidos são verificados com base em uma Lista de Vigilância ~ entidades Classificação vai de suspeito a excluído Compilada a partir de diferentes fontes Se o nome constar da lista poderá acarretar uma verificação Lanterna Azul 12

13 Ciclo de Vida de uma Lanterna Azul Washington Gera o caso Pesquisa as empresas e tecnologias Redige, recebe autorização e envia telegrama com pedido de ação ao Posto Posto Realiza verificação, inclusive pesquisa e visita ao local, caso necessário Redige, recebe autorização e envia telegrama de resposta a Washington Washington Caso o parecer seja favorável, recomenda a concessão da licença; registra os resultados para referências futuras Caso o parecer seja desfavorável, recomenda que o pedido seja ou devolvido sem ação (RWA na sigla em inglês), ou indeferido, ou revogado; se necessário, adiciona a entidade à Lista de Vigilância, submete a informação à Divisão de Fiscalização do Cumprimento para possível ação civil e/ou penal 13

14 Prazos de Resposta Diretrizes Globais Verificações Pré-Licença em um prazo de 30 dias* Verificações Pós-Envio em um prazo de 45 dias* *contados a partir da transmissão do telegrama pela autoridade que inicia o processo Respostas tardias atrasam as medidas finais relativas a um pedido de licença e podem afetar adversamente licenciamentos futuros. Tempo médio de Resposta do Brasil (Pré/Pós): 59/107 14

15 Como Evitar Atrasos no Processamento da Licença Forneça uma Declaração de Uso Final bem minuciosa a seu vendedor : Usuário Final Uso Final (inclusive plataforma, i.e. tipo de aeronave) Consignatários Intermediários Seu cliente Transitário Prestadores de serviços de manutenção e consertos Qualquer empresa que tomar posse do item Forneça Documentação de Apoio do Usuário Final: Certificado de Uso e Não-Transferência (DSP-83) Contrato Ordem de Compra Declaração de Uso Final em papel timbrado oficial Forneça Informação Contratual Válida: Nome e número de telefone de uma pessoa familiarizada com a compra Dados para contato do consignatário intermediário e usuário final 15

16 Distribuição Regional das Verificações do Lanterna Azul Solicitações de Autorização por Região Ano Fiscal 2014 Lanternas Azuis Iniciadas por Região - Ano Fiscal 2014 África 2% África 3% Sudeste Asiático 4% Oriente Próximo 10% Américas 15% Múltiplos 5% Leste Asiático + Pacífico 27% Sudeste Asiático 8% Américas 25% Leste Asiático + Pacífico 25% Europa 37% Oriente Próximo 12% Europa 27% 16

17 Laternas Azuis desfavoráveis ( ) Ano Fiscal Número de Casos Encerrados % Proporção de desfavoráveis % % % *A proporção global de desfavoráveis nos últimos quatro anos foi de 21% 17

18 Razões para Resultados Desfavoráveis Globalmente no Ano Fiscal de

19 Lanternas Azuis no Brasil ( ) Categoria da USML Licenças Verificadas Armas de Fogo (I) 22 Aeronaves(VII) 11 Material Eletrônico Militar (XI) 7 Dispositivos de Visão Noturna e de Controle de Fogo (XII) Veículos Terrestres (VII) 2 Veículos Lançadores, Mísseis e Foguetes (IV) licenças verificadas em total 16% das verificações no Brasil foram encerradas desfavoravelmente o A média global é 21% Verificações Pré-Licença: 7 Verificações Pós-Licença: 41 Verificações pendentes: 16 19

20 Documentação de Uso Final Falsificada Pedido de Licença de Exportação Item: Filtros para Microondas Usuário final: Instituição de Pesquisa e Desenvolvimento Consignatário estrangeiro: Empresa sul-americana Razões para Verificar Aparência suspeita da declaração do usuário final que não combinava com a documentação previamente submetida pelo mesmo usuário final Papel timbrado com erro de ortografia, sem data, com espaços em branco, sem carimbo da empresa nem assinatura Constatações O diretor de compras do usuário final não fez a encomenda Consignatário estrangeiro recebeu o pedido de encomenda de um exfuncionário do usuário final que tinha sido acusado de corrupção e posteriormente suspenso 20

21 Desvio Pedido de Licença de Exportação Item: Usuário final: Consignatário estrangeiro: Razões para Verificar Dispositivos de Visão Noturna Departamento de Polícia Municipal, no Sul da Ásia Empresa Privada do Sul da Ásia Importante Equipamento Militar e consignatário estrangeiro desconhecido Constatações CE confirmou a entrega dos DVNs ao usuário final e forneceu os números de série. O usuário final negou ter encomendado/recebido DVN algum. Os números de série fornecidos pelo CE não combinavam com os fornecidos pelo exportador norte-americano. 21

22 Itens Desviados para Países Proscritos Pedido de Licença de Exportação: Item: Usuário final: Consignatário estrangeiro: Conjunto de lâmpadas filtradas para sistemas de imagens de visão noturna Entidades governamentais e privadas de cinco países Empresa da região Ásia-Pacífico Razões para Verificar Pedidos previamente indeferidos de licenças de exportação de itens de SIVN para a China Constatações 10 dentre 13 verificações de licenças de exportação de SIVN da empresa da região Ásia-Pacífico indicaram possíveis re-transferências não autorizadas/atividades ilícitas Delação Dirigida da empresa revelou diversos desvios de itens para a China e para outros usuários finais não autorizados em terceiros países A empresa comprometeu-se a levar a cabo medidas corretivas, capacitação, revisão de procedimentos; pedido de licença sujeito a requisitos e vigilância adicionais 22

23 Usuário Final e Consignatário Falsos Pedido de Licença de Exportação Item: Usuário final: Consignatário estrangeiro: Razões para Verificar Componentes de satélite Professor de uma Universidade do Sudeste Asiático Empresa desconhecida do Sudeste Asiático Nenhuma documentação de apoio da parte do usuário final Declaração de uso final vaga Constatações Nenhum registro comprovando a presença do professor no Corpo Docente da universidade Universidade especializada em medicina e sem nenhum programa relacionado com satélites 23

24 Consignatário não Consta da Licença Pedido de Licença de Exportação Item: Peças de aeronave C-130 Usuário Final: Militares do Oriente Médio Consignatário estrangeiro: Empresa da região Ásia-Pacífico Razões para Verificar Rota incomum para itens procurados por países sob embargo Constatações A empresa da região Ásia-Pacífico transferiu os itens para um consignatário do sudeste asiático que não consta da licença sem receber a devida autorização, quer do governo dos EUA, quer das autoridades de seu próprio país Militares do Oriente Médio aguardavam receber as peças de uma companhia da região Ásia-Pacífico, mas uma re-transferência não autorizada para uma companhia do sudeste asiático cria uma oportunidade de desvio 24

25 Preocupações com a Segurança Regional Pedido de Licença de Exportação Item: Armas de Fogo Usuário final: Revendedor Privado em um país do sul da Ásia Razões para Verificar Usuário final desconhecido. Necessidade de determinar sua idoneidade Constatações A empresa era revendedora autorizada e cooperou com a verificação. Não foi possível determinar, em última instância, para quem foram vendidas as armas; segurança física deficiente; e aparente fabricação de réplicas não licenciadas 25

26 Desvio de Dados Técnicos Pedido de Licença de Exportação Mercadoria: Usuário final: Razões para Verificar Dados técnicos relacionados a produtos óticos Empresa da região Ásia-Pacífico Preocupação com desvios regionais, e o país da região Ásia-Pacífico não dispõe da capacidade de fabricação necessária Constatações As instalações fabris do usuário final estavam localizadas em um país proscrito. 26

27 Informações Adicionais e Material de Referência Site da DDTC (Ver Reports and Official Statements End-use Reports ) Site sobre Segurança Regional e Transferência de Armas (Para solicitação de re-transferências ou reexportações de Vendas Militares ao Exterior) 27

28 Informação para Contato Assuntos e Análise Regionais Título Região Judd Stitziel // Chefe de Divisão Jae Shin // Analista Sênior de Políticas Rachael-Therese Joubert-Lin // Analista de Políticas Ásia Central e do Sul; África Subsaariana Cameron Lorenzen // Analista de Políticas Hemisfério Ocidental Tammy Rutledge // Analista de Políticas Leste Asiático e Pacífico Peter Sabatini // Analista de Políticas Oriente Próximo Jessica Steffens // Analista de Políticas Oriente Próximo Meredith Sundlof // Analista de Políticas Europa 28

29 PERGUNTAS? 29

30 TRANSPARÊNCIAS DE APOIO E REFERÊNCIAS 30

31 Exigências de Conformidade dos ITAR Tanto Indústria quanto Governo Estrangeiros Entenda a definição de pessoa estrangeira (ITAR ) Verifique se funcionários de terceiros países, trabalhando para uma pessoa estrangeira, possuem autorização para participar de atividades controladas pelos ITAR Entenda os controles de exportação e a jurisdição referentes aos artigos de defesa de origem norte-americana Entenda as restrições de re-transferência/reexportação referentes a artigos de defesa de origem norte-americana e a artigos fabricados mediante a utilização de dados técnicos de origem norte-americana Ajude a identificar todos os participantes de uma operação de exportação. A AECA requer que os solicitantes norte-americanos identifiquem todos os participantes de uma operação comercial de defesa 31

DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO DOS EUA SECRETARIA DE INDÚSTRIA E SEGURANÇA CONTROLE DE EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO RECURSOS E MELHORES PRÁTICAS

DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO DOS EUA SECRETARIA DE INDÚSTRIA E SEGURANÇA CONTROLE DE EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO RECURSOS E MELHORES PRÁTICAS DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO DOS EUA SECRETARIA DE INDÚSTRIA E SEGURANÇA CONTROLE DE EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO RECURSOS E MELHORES PRÁTICAS PARA OS PARTICIPANTES DO SEMINÁRIO SÃO PAULO 4 DE MARÇO DE 2015 RIO

Leia mais

Visão Geral dos Controles de Exportação e Reexportação de Duplo Uso dos EUA

Visão Geral dos Controles de Exportação e Reexportação de Duplo Uso dos EUA Visão Geral dos Controles de Exportação e Reexportação de Duplo Uso dos EUA Visão Geral dos EAR Classsificação dos Itens na CCL Requisitos para Obtenção de Licença com base no ECCN e no Destino Determinação

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Introdução INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Este informativo tem a finalidade de auxiliar os solicitantes estrangeiros a entender

Leia mais

LEGISLAÇÃO MODELO RELACIONADA COM 12 janeiro 2006 PROJETO DE PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO MODELO SOBRE MARCAÇÃO E RASTREAMENTO DE ARMAS DE FOGO E MUNIÇÕES

LEGISLAÇÃO MODELO RELACIONADA COM 12 janeiro 2006 PROJETO DE PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO MODELO SOBRE MARCAÇÃO E RASTREAMENTO DE ARMAS DE FOGO E MUNIÇÕES PRIMEIRA REUNIÃO DO GRUPO DE PERITOS OEA/Ser.L/XXII.6.1 CIFTA-CICAD PARA A ELABORAÇÃO DE GE/CIFTA-CICAD/doc.3/06 LEGISLAÇÃO MODELO RELACIONADA COM 12 janeiro 2006 AS ÁREAS A QUE SE REFERE A CIFTA Original:

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes ), ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE SALVAGUARDAS TECNOLÓGICAS RELACIONADAS À PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA NOS LANÇAMENTOS

Leia mais

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Conselho para Promoção de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência

Leia mais

Princípios básicos nas relações com terceiros:

Princípios básicos nas relações com terceiros: Princípios básicos nas relações com terceiros: Checkup de reputação/responsabilidade quando utilizando terceiros em todo o mundo Marjorie W. Doyle, JD, CCEP-F com a contribuição de Diana Lutz 6500 Barrie

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

Fiscal Legislação Aduaneira Controle Aduaneiro de Veículos Fábio lobo. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Fiscal Legislação Aduaneira Controle Aduaneiro de Veículos Fábio lobo. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Legislação Aduaneira Controle Aduaneiro de Veículos Fábio lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Aula 2 Controle Aduaneiro de Veículos Controle Aduaneiro

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r)

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR, FAZER DOWNLOAD OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE, VOCÊ ESTÁ CONCORDANDO

Leia mais

Ética Saúde Acordo Setorial Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos e. Guia de Implementação

Ética Saúde Acordo Setorial Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos e. Guia de Implementação Ética Saúde Acordo Setorial Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos Guia de Implementação A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (ABRAIDI) está

Leia mais

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG.

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável Pedro Bara Neto 1 GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. CASO SIPAM Enseja a proposta temática a discussão

Leia mais

Anexo 1. I. Declaração de 2012. A/CONF.192/2012/RC/CRP.3/Rev.3

Anexo 1. I. Declaração de 2012. A/CONF.192/2012/RC/CRP.3/Rev.3 Anexo 1 Documento do resultado final Programa de Ação para Prevenir, Combater e Erradicar o Comércio ilícito de Armas de Pequeno Calibre e Armas Ligeiras em Todos os seus Aspectos I. Declaração de 2012

Leia mais

Código de Ética Lavoro Asset

Código de Ética Lavoro Asset Código de Ética Lavoro Asset I. INTRODUÇÃO Este Código de Ética ( Código ) destina-se a todos os sócios, diretores, funcionários e estagiários ( agentes ) da LAVORO ASSET MANAGEMENT ( Gestora ). O objetivo

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

*MENSAGEM N.º 357, DE 2014 (Do Poder Executivo)

*MENSAGEM N.º 357, DE 2014 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS *MENSAGEM N.º 357, DE 2014 (Do Poder Executivo) Aviso nº 466/14 C. Civil Tratado sobre Comércio de Armas, assinado pelo Brasil, no âmbito da Organização das Nações Unidas, em Nova

Leia mais

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA MERCOSUL/CMC/DEC N 2/99 PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

FIRE FIGTHER CONSULTING

FIRE FIGTHER CONSULTING Artigo Técnico Referente quais profissionais e empresas podem exercer atividade de acordo com a norma da ABNT 14608 revisada em 2006 com validade em 29.11.2007. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14608 Bombeiro

Leia mais

Descrição de Serviço Serviço de controle e recuperação de notebook e Serviço de exclusão remota de dados

Descrição de Serviço Serviço de controle e recuperação de notebook e Serviço de exclusão remota de dados Descrição de Serviço Serviço de controle e recuperação de notebook e Serviço de exclusão remota de dados Visão geral do Serviço A Dell tem a satisfação de oferecer o Serviço de controle e recuperação de

Leia mais

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação: Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010 DOU de 14.12.2010 Altera a Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, que disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias destinadas

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI

COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI COMÉRCIO EXTERIOR MODALIDADES DE IMPORTAÇÃO E A INTERPOSIÇÃO FRAUDULENTA DE TERCEIROS NA IMORTAÇÃO MODALIDADES DE IMPORTAÇÃO: DIFERENÇAS: CONTA PRÓPRIA: COMPRA E VENDA

Leia mais

Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de Bens Sensíveis no Brasil

Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de Bens Sensíveis no Brasil 8º Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa Os Bens Sensíveis e sua Importância Estratégica para a Defesa Nacional Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave

Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave Esta é uma solução apresentada em forma de esboço somente, e não abrange todas as formas e detalhes. Ela define

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Procedimentos de Suporte

Procedimentos de Suporte Descrição de Serviço Serviço de Recuperação de Dados do Disco Rígido Visão Geral do Serviço A Dell tem o prazer de oferecer o Serviço de Recuperação de Dados do Disco Rígido ("Serviço" ou "Serviços") de

Leia mais

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO.

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO. SUSE Linux Enterprise Software Development Kit 11 SP3 Contrato de Licença de Software do SUSE LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO COMPRAR, INSTALAR E/OU USAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES), VOCÊ

Leia mais

SISTEMA REGULATÓRIO PARA A AEB. 1 - Introdução

SISTEMA REGULATÓRIO PARA A AEB. 1 - Introdução SISTEMA REGULATÓRIO PARA A AEB 1 - Introdução O objetivo deste documento é apresentar e justificar o sistema regulatório para o desenvolvimento da missão institucional da AEB. 2 Missão, Objetivos e Metas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

Após o recebimento de todos os documentos originais processaremos o pedido e o notificaremos dentro de (2) dois dias úteis.

Após o recebimento de todos os documentos originais processaremos o pedido e o notificaremos dentro de (2) dois dias úteis. Prezado cliente em potencial, Agradecemos por escolher a tecnologia. como seu fornecedor de soluções e serviços de alta Temos a satisfação de abrir uma conta para a sua empresa e esperamos lhe fornecer

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 3121

CARTA-CIRCULAR N 3121 CARTA-CIRCULAR N 3121 Altera o Regulamento sobre Contrato de Câmbio e Classificação de Operações do Mercado de Câmbio de Taxas Livres. Levamos ao conhecimento dos interessados que, com base no art. 4 da

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 O Comércio Exterior & Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 Contexto A RFB é o órgão responsável pela administração e controle aduaneiro no País. Missão Institucional: Arrecadaçãod ã dos tib tributost sobre

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0074-2015. CARGO: Professor - Inglês IRANDUBA. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0074-2015. CARGO: Professor - Inglês IRANDUBA. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0074-2015 CARGO: Professor - Inglês IRANDUBA SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (SESI) abre

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

2.1 Esta promoção terá Início em 01/08/2011 e término em 30/08/2011.

2.1 Esta promoção terá Início em 01/08/2011 e término em 30/08/2011. PROMOÇÃO PARA ESCOLHA DO NOME DA BEBIDA ENERGÉTICA DOS REFRIGERANTES QUINARI Indústria e Comércio de Bebidas Quinari LTDA. Estrada Colonial Bairro: Democracia n. 4035 69925-000 Senador Guiomard AC CNPJ/MF

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0044-2015. CARGO: Instrutor I - Humanas MANAUS. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0044-2015. CARGO: Instrutor I - Humanas MANAUS. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0044-2015 CARGO: Instrutor I - Humanas MANAUS SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (SESI) abre

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

Declaração de Conformidade

Declaração de Conformidade APÊNDICE A DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE PARA OPERADOR AÉREO REGIDO PELO RBAC 121 QUE TRANSPORTA APENAS PASSAGEIRO Declaração de Conformidade Esta organização requerente apresenta o Manual de Artigos Perigosos

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1 Instruções: O REPRESENTANTE DEVIDAMENTE AUTORIZADO DO TERCEIRO DEVE RESPONDER ÀS QUESTÕES DA VERIFICAÇÃO MINUCIOSA E PREENCHER O TERMO DE CERTIFICAÇÃO E ENVIAR TODAS AS INFORMAÇÕES PARA O FUNCIONÁRIO REGAL

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL DO SOFTWARE PC-DMIS

CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL DO SOFTWARE PC-DMIS CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL DO SOFTWARE PC-DMIS LEIA OS TERMOS E CONDIÇÕES A SEGUIR ANTES DE INSTALAR E/OU USAR ESSE PRODUTO DE SOFTWARE WILCOX ASSOCIATES, INC. A LICENÇA DE SOFTWARE É UM CONTRATO

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 447, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 447, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 447, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a extinção e criação de cargos, com respectivas atribuições e remunera, do Quadro de Servidores dos Serviços Auxiliares de Apoio Administrativo

Leia mais

ID AuthentiScan premium

ID AuthentiScan premium ID AuthentiScan premium Keesing ID AuthentiScan PREMIUM Keesing A solução automatizada de autenticação de documentos de identificação AuthentiScan Automated authentication of ID documents Ideal para otimizar

Leia mais

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de rastreio e

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230 Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos Estabelece os conceitos e as diretrizes do Itaú Unibanco

Leia mais

Manual Anticorrupção GDC Alimentos S.A.

Manual Anticorrupção GDC Alimentos S.A. Manual Anticorrupção GDC ALIMENTOS S.A. SUMÁRIO MENSAGEM DO PRESIDENTE... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 2. APLICAÇÃO... 6 3. DEFINIÇÕES... 6 4. O QUE ESTABELECE A LEI 12.846/13?... 8 4.1 Atos lesivos segundo a

Leia mais

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços!

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 1 of 14 Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 2 of 14 Quem somos Criada em 2002 - Equipe de especialistas oriundos de unidades especiais das áreas de inteligência e segurança do Estado de Israel.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS 1. Code of Ethics WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS Honestidade, integridade e transparência são valores fundamentais da William E. Connor & Associates Limited (a

Leia mais

1.4 Instância de incidente refere-se ao Seu direito de receber Suporte por incidente para um único Incidente.

1.4 Instância de incidente refere-se ao Seu direito de receber Suporte por incidente para um único Incidente. Suporte por incidente da Autodesk Termos e condições AO ENTRAR EM CONTATO COM O SUPORTE POR INCIDENTE DA AUTODESK, VOCÊ CONCORDA QUE OS TERMOS E CONDIÇÕES A SEGUIR ("TERMOS E CONDIÇÕES") REGEM O FORNECIMENTO

Leia mais

momento em que a DHL aceitar transportá-la, a menos que de outro modo acordado por escrito entre você

momento em que a DHL aceitar transportá-la, a menos que de outro modo acordado por escrito entre você TERMOS E CONDIÇÕES DE TRANSPORTE ( Termos e Condições ) NOTA IMPORTANTE Ao solicitar os serviços courier da DHL, você, como Remetente, concorda, em seu próprio nome e em nome das pessoas que você representa,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS Representação no Brasil Setor Fiduciário Ciclo de projetos Cada projeto financiado pelo BID passa por uma série de etapas principalmente as de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

EBRAE. UNISciesp UNIVERSIDADE CORPORATIVA SCIESP. Escola Brasileira de Ensino a Distância

EBRAE. UNISciesp UNIVERSIDADE CORPORATIVA SCIESP. Escola Brasileira de Ensino a Distância UNISciesp UNIVERSIDADE CORPORATIVA SCIESP EBRAE Escola Brasileira de Ensino a Distância Vantagens da Exclusividade para o Corretor de Imóveis Devemos observar que a atividade do corretor de imóveis é formal

Leia mais

Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas/NHI Levantamento de Sistema Operacional de Organização Estrangeira (FOSS)

Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas/NHI Levantamento de Sistema Operacional de Organização Estrangeira (FOSS) Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas/NHI Levantamento de Sistema Operacional de Organização Estrangeira (FOSS) 1. Organização Beneficiada: Endereço: Telefone: Fax: Web site: 2. Tipo de

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97

Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Resolução CONSUN nº 042/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento do Laboratório de Rádio, integrante do conjunto de Laboratórios de Rádio e

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0083-2015. CARGO: Professor Português e Inglês MANAUS. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0083-2015. CARGO: Professor Português e Inglês MANAUS. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0083-2015 CARGO: Professor Português e Inglês MANAUS SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (SESI)

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL LADO BOM Conecta milhões de pessoas pelo mundo Uso diversificado Conforto e agilidade Internet LADO RUIM Risco aos usuários Ataque de hackers Falsificação de documentos Incerteza quanto

Leia mais

Política de privacidade V2

Política de privacidade V2 Política de privacidade V2 Para os fins desta Política de Privacidade, as palavras grifadas em maiúsculo terão os seguintes significados: V2 é uma loja virtual disponibilizada na Internet para comercialização

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0048-2015. CARGO: Instrutor - Informática IRANDUBA. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0048-2015. CARGO: Instrutor - Informática IRANDUBA. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0048-2015 CARGO: Instrutor - Informática IRANDUBA SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (SESI)

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

NÃO DEIXE A FRAUDE ON-LINE ATRAPALHAR SEUS NEGÓCIOS SIMPLIFIQUE

NÃO DEIXE A FRAUDE ON-LINE ATRAPALHAR SEUS NEGÓCIOS SIMPLIFIQUE NÃO DEIXE A FRAUDE ON-LINE ATRAPALHAR SEUS NEGÓCIOS SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE PAGAMENTO WWW.CYBERSOURCE.COM BRASIL@CYBERSOURCE.COM COMO SER MAIS EFICIENTE, RÁPIDO E SEGURO PARA QUE OS CLIENTES PREFIRAM COMPRAR

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES

REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES Baseado no que determina a Portaria 64 da CAPES I) Informações gerais: Para entendimento e melhor uso dos recursos provenientes do Programa de Apoio a

Leia mais

Manual Garantia e Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC

Manual Garantia e Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC Manual Garantia e Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila M G Gechele Doc. Vrs. 02 Revisores: Aprovado em: Novembro de 2014 Nota de copyright Copyright 2014 Teorema

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA TÉCNICO DE INFORMÁTICA SORRI-BAURU Julho de 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA TÉCNICO DE INFORMÁTICA SORRI-BAURU Julho de 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA TÉCNICO DE INFORMÁTICA SORRI-BAURU Julho de 2012 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva convoca os interessados a participar do processo seletivo para a contratação

Leia mais

Atenção: Este documento é apenas para instruir sobre como proceder, não deve ser assinado, reconhecido firma ou devolvido a Bradesco Financiamentos.

Atenção: Este documento é apenas para instruir sobre como proceder, não deve ser assinado, reconhecido firma ou devolvido a Bradesco Financiamentos. Atenção: Este documento é apenas para instruir sobre como proceder, não deve ser assinado, reconhecido firma ou devolvido a Bradesco Financiamentos. Caro Cliente, Após a quitação de seu contrato de Arrendamento

Leia mais

MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV)

MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV) MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV) I. Informações Iniciais I.I Este manual abrange os projetos financiados

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0004-2015. CARGO: Professor - Inglês MANAUS. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0004-2015. CARGO: Professor - Inglês MANAUS. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0004-2015 CARGO: Professor - Inglês MANAUS SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (SESI) abre

Leia mais

Painel: A Lavagem de Dinheiro e o Crime Tributário. Roberto Leonel de Oliveira Lima Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil

Painel: A Lavagem de Dinheiro e o Crime Tributário. Roberto Leonel de Oliveira Lima Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Painel: A Lavagem de Dinheiro e o Crime Tributário Roberto Leonel de Oliveira Lima Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil 08/08/2014 Sumário Aspectos legais, normas e procedimentos da RFB relacionados

Leia mais

RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1)

RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1) RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1) 1 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais