DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO DOS EUA SECRETARIA DE INDÚSTRIA E SEGURANÇA CONTROLE DE EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO RECURSOS E MELHORES PRÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO DOS EUA SECRETARIA DE INDÚSTRIA E SEGURANÇA CONTROLE DE EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO RECURSOS E MELHORES PRÁTICAS"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE COMÉRCIO DOS EUA SECRETARIA DE INDÚSTRIA E SEGURANÇA CONTROLE DE EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO RECURSOS E MELHORES PRÁTICAS PARA OS PARTICIPANTES DO SEMINÁRIO SÃO PAULO 4 DE MARÇO DE 2015 RIO DE JANEIRO 5 DE MARÇO DE 2015

2 ÍNDICE CONFORMIDADE MELHORES PRÁTICAS ELEMENTOS DO PROGRAMA DE CONFORMIDADE REVENDA/ REEXPORTAÇÃO MELHORES PRÁTICAS..4 ORIENTAÇÕES PARA CONHECER SEU CLIENTE E SINAIS DE ALERTA (BANDEIRAS VERMELHAS).. 5 CONTROLES DE REEXPORTAÇÃO

3 MELHORES PRÁTICAS DE CONFORMIDADE 1. Forneça a seu parceiro comercial norte-americano informações completas sobre o uso final e sobre todos os possíveis usuários finais da mercadoria, software ou tecnologia encomendadas. 2. Preencha quaisquer certificações sobre o uso final que lhe sejam solicitadas. 3. Peça ao exportador norte-americano o número de classificação de controle de exportação (ECCN na sigla e inglês), além de explicações sobre as condições necessárias à obtenção de uma licença ou sobre o cumprimento de outros controles de reexportação. 4. Guarde cópia de toda a documentação referente à operação e de todas as comunicações mantidas com o exportador norte-americano durante a mesma. 5. Determine se será necessária uma licença antes de uma eventual revenda ou reexportação. Caso tenha alguma dúvida, contate o exportador norte-americano, ou fale com a BIS via correio eletrônico no site da Secretaria (http://www.bis.doc.gov), ou pelo telefone: +1 (202) Lembre-se que verificações de uso final bem-sucedidas facilitarão seu futuro acesso a mercadorias e tecnologias de origem norte-americana. 2

4 ELEMENTOS DO PROGRAMA DE CONFORMIDADE 1. Compromisso da Diretoria: Os quadros superiores da empresa deveriam estabelecer normas escritas de conformidade de exportação para a companhia, investir recursos suficientes na elaboração do programa de conformidade de exportação e assegurar que um ou mais executivos do escalão superior sejam designados como responsáveis por sua implementação de modo a garantir a observância dos controles, das leis e dos regulamentos pertinentes à exportação. 2. Avaliação de Risco Permanente do Programa de Exportação. 3. Programa Formalmente Escrito sobre Gestão e Conformidade da Exportação: Efetiva implementação e observância às políticas e procedimentos operacionais descritos. 4. Conscientização e Formação Contínua sobre Conformidade. 5. Segurança e Análise da Conformidade Antes e Após a Operação de Exportação: Análise dos funcionários, contratantes, clientes, produtos e operações, bem como implementação de salvaguardas de conformidade durante todo o ciclo de vida da exportação, incluindo desenvolvimento do produto, jurisdição, classificação, vendas, decisões sobre licenciamento, cadeia de suprimento, canais de manutenção e atividades pós-envio. 6. Observância aos Requisitos Regulatórios de Guarda de Registros. 7. Monitoramento Interno e Externo da Conformidade e Auditorias Periódicas. 8. Manutenção de um Programa para o Tratamento de Problemas de Conformidade, inclusive Comunicação de Violações em Operações de Exportação. 9. Adoção de Medidas Corretivas Apropriadas em Reposta a Violações em Operações de Exportação. 3

5 MELHORES PRÁTICAS DE REVENDA/REEXPORTAÇÃO 1. Apure se é necessária uma licença antes de uma operação de revenda ou reexportação. Caso tenha alguma dúvida, consulte as orientações sobre reexportação à página 8, contate o exportador norte-americano, ou faça sua pergunta à BIS via correio eletrônico através do site da Secretaria (http://www.bis.doc.gov) ou pelo telefone: +1 (202) Conheça seu cliente! Siga as diretrizes à página 5. Faça uma pesquisa sobre seu cliente utilizando recursos online, mídia social, notícias publicadas, registros comerciais, etc. Consulte a Lista de Triagem Consolidada do Governo dos EUA no seguinte endereço eletrônico: 3. Solicite uma certificação de uso final e guarde cópia de todos os documentos e comunicações referentes à operação. 4. Forneça a seu cliente o número de classificação de controle de exportação (ECCN) e informe-o sobre quaisquer restrições sobre uso final, usuário final e reexportação que você tenha recebido eventualmente do exportador norte-americano ou do Governo dos EUA. 5. Exerça cautela se perceber quaisquer sinais de alerta (bandeiras vermelhas), conforme descrito à página 5. 4

6 CONHEÇA SEU CLIENTE Preste atenção a qualquer circunstância ou situação anormal que possa indicar que a operação de exportação terá um uso final, um usuário final ou um destino final impróprios. Tais circunstâncias são denominadas sinais de alerta ou Bandeiras Vermelhas (Red Flags). Dentre os muitos exemplos de sinais de alerta incluem-se a encomenda de itens que não se coadunam com as necessidades do comprador, a recusa de um cliente em aceitar instalação ou teste de um produto quando o serviço está incluído no preço de venda ou é normalmente solicitado, o pedido de configuração de equipamento incompatível com o destino declarado (p.ex.,120 volts para um país onde a voltagem padrão é 220 volts). A BIS elaborou várias listas dessas "Bandeiras Vermelhas" que, embora não incluam todas as possibilidades, buscam ilustrar os tipos de situação que deveriam provocar suspeitas razoáveis de que a operação violará os termos dos EAR. Você deveria examinar, igualmente, as Listas de Verificação do Governo dos EUA de modo a identificar entidades ou pessoas proibidas ou restritas de participar de operações de exportação norte-americanas; e a Lista de Pessoas Não Verificadas da BIS, ou seja, uma lista de indivíduos cuja idoneidade a Secretaria não logrou determinar durante as verificações de uso final. Indicadores de Sinais de Alerta (Bandeiras Vermelhas) Possíveis indicadores de que seu cliente estaria planejando um desvio ilegal: 1. O cliente, ou seu endereço, é semelhante a uma das entidades listadas na Lista de Pessoas Recusadas [da BIS] do Departamento de Comércio. 2. O cliente ou agente comprador mostra-se relutante em oferecer informações sobre o uso final do item. 3. A capacidade do produto não se coaduna com o ramo de negócios do comprador; por exemplo, encomenda de computadores sofisticados para uma pequena padaria. 4. O item encomendado é incompatível com o nível técnico do país de destino; por exemplo, remessa de equipamentos para a fabricação de semicondutores para um país que não possui indústria eletrônica. 5

7 5. O cliente está disposto a pagar um item muito caro com dinheiro vivo, quando normalmente os termos de venda indicariam um financiamento. 6. O cliente possui poucos antecedentes comerciais, ou nenhum histórico empresarial. 7. O cliente não está familiarizado com as características de desempenho do produto, mas mesmo assim deseja comprá-lo. 8. O cliente recusa serviços de instalação, capacitação ou manutenção de rotina. 9. As datas de entrega são vagas, ou os destinos planejados estão situados em regiões periféricas. 10. Uma empresa expedidora é listada como destino final do produto. 11. A rota de envio é incomum tanto para o produto quanto para o destino. 12. A embalagem é incompatível com o método declarado de embarque ou com o destino final. 13. Quando perguntado, o comprador mostra-se evasivo e especialmente impreciso quanto à utilidade do produto comprado, sem deixar claro se será para uso doméstico, para exportação ou para reexportação. Caso existam sinais de alerta (Bandeiras Vermelhas): Se não houver bandeiras vermelhas na informação enviada à sua empresa, dê continuidade à operação com base nos dados recebidos. Ou seja, na ausência de sinais de alerta (ou de um requisito específico dos EAR), não há obrigação expressa por parte do exportador de investigar, verificar ou esquadrinhar as credenciais dos clientes. Contudo, se surgirem Bandeiras Vermelhas na informação enviada à sua empresa, você tem o dever de exercer devida cautela ou diligência (due diligence), investigar as circunstâncias suspeitas e assegurar a adequação do uso final, usuário final ou país de destino final da operação de exportação proposta. A obrigatoriedade da verificação dos sinais de alerta não se restringe a operações que envolvam as seções denominadas saber/ter conhecimento, razão de saber e estar informado dos EAR. Tais regulamentos exigem que os participantes de operações de exportação obtenham provas documentais referentes à transação, e estipulam que é proibido ocultar ou deturpar fatos materiais durante o processo do licenciamento 6

8 bem como em todos os documentos de controle de exportação. Você pode confiar nas credencias de seu cliente e mencioná-las nos documentos a serem submetidos, a menos que as bandeiras vermelhas provoquem a realização de verificações adicionais. Não se deixe cegar Não interrompa o fluxo normal de informações que chega à sua empresa durante a realização de um negócio. Por exemplo, não instrua seus vendedores a dizerem a seus clientes em potencial que não mencionem o verdadeiro uso final, usuário final ou país de destino final do produto que sua empresa busca vender. Não coloque antolhos ou lentes de desvio para evitar tomar conhecimento de certos dados relevantes. Políticas e medidas afirmativas para esquivar as más notícias não livrarão uma empresa de sua responsabilidade, e serão consideradas, na maioria das vezes, como um fator agravante durante os procedimentos de fiscalização e controle. Seus colaboradores precisam saber como lidar com as bandeiras vermelhas. O fato de um funcionário de uma empresa possuir conhecimento sobre uma violação poderá ser imputado à empresa, tornando-a responsável direta pela citada violação. Isto faz com que seja de suma importância para uma empresa estabelecer políticas claras e procedimentos eficazes de conformidade de modo a garantir que tais conhecimentos sobre as operações possam ser avaliados por seus principais executivos. Ao não proceder dessa forma, uma empresa estaria na realidade deixando-se cegar. Reavalie todas as informações após a investigação O propósito dessa investigação e reavaliação é determinar se os sinais de alerta podem ser explicados ou justificados de modo a provar a idoneidade do participante e a legitimidade da operação. Se tal for possível, você poderá dar prosseguimento à transação. Caso a Bandeira Vermelha não for passível de explicação ou justificativa, e assim mesmo você levar avante a exportação, estará correndo o risco de ter tido conhecimento prévio, o que tornaria sua ação uma violação aos EAR. 7

9 CONTROLES DE REEXPORTAÇÃO O Departamento de Comércio dos EUA regulamenta as exportações e reexportações de itens de duplo uso (i.e., mercadorias, softwares e tecnologias com aplicações tanto comerciais quanto militares e de proliferação), assim como de certos tipos de munição por meio de seus Regulamentos de Administração de Exportação (EAR na sigla em inglês). Se você estiver fora dos Estados Unidos e desejar exportar, reexportar ou transferir (dentro do país) um item de origem norte-americana, ou de conteúdo norte-americano, ou produto direto de uma tecnologia norte-americana, ele talvez requeira uma licença da Secretaria de Indústria e Segurança (BIS na sigla em inglês) do Departamento de Comércio. Esta visão geral da questão tem como objetivo aumentar sua compreensão sobre nossos regulamentos e a maneira como utilizá-los. Entretanto, nada do que aqui for apresentado poderá substituir uma consulta direta aos EAR. Os citados regulamentos dão resposta às perguntas mais frequentes, fornecem instruções passo a passo bem pormenorizadas de como determinar se uma operação está sujeita aos regulamentos e prestam informações sobre a forma de solicitar uma licença. Ao acessar os EAR, leia primeiramente a Parte 732 para ver quais as medidas necessárias à determinação de suas obrigações. Caso queira examinar uma parte específica dos EAR mencionada neste documento, procure o Código dos Regulamentos Federais em versão eletrônica no endereço online: OU vá até os EAR no site da BIS, no seguinte endereço eletrônico: O que é uma Reexportação? Uma reexportação é um envio ou transmissão de um item sujeito aos EAR, que vai de um país estrangeiro (i.e., um país que não os EUA) para outro país estrangeiro. Uma reexportação também ocorre quando há liberação de tecnologias ou de softwares (código fonte) sujeitos aos EAR em um país estrangeiro para uma pessoa de outro país estrangeiro. Como determinar se o seu item está sujeito aos EAR. Seu item estará sujeito aos Regulamentos de Administração de Exportação (EAR) se ele preencher alguma das seguintes condições: Foi produzido nos EUA ou é de origem norte-americana (Ver Parte A) Trata-se de produto de fabricação estrangeira que contém um valor superior ao percentual especificado de conteúdo norte-americano (Ver Parte B) Trata-se de produto de fabricação estrangeira baseado em uma determinada tecnologia ou software de origem norte-americana, e tem como objetivo ser enviado a destinos específicos (Ver Parte C) Foi produzido por uma fábrica ou por um importante componente de uma fábrica localizada fora dos EUA, ou por uma fábrica ou importante componente de uma fábrica que seja produto direto de uma determinada tecnologia ou software de origem norteamericana, e esse produto tem como objetivo ser enviado para destinos específicos (Ver Parte D). 8

10 A. Como determinar se um item de origem norte-americana requer uma licença da BIS. Você talvez tenha de obter uma licença de reexportação de um item produzido nos EUA ou de origem norte-americanas. Muitos itens sujeitos aos EAR não precisam de uma licença para serem reexportados de um país estrangeiro para outro. Mas certos itens são controlados e quer exigirão uma licença, quer deverão ser elegíveis para uma Exceção de Licença. As exigências de licença aplicam-se sobretudo aos itens controlados pelos regimes multilaterais de controle de exportação. Além disso, alguns destinos e pessoas (indivíduos ou grupos) estão sujeitos a controles de exportação abrangentes, inclusive controles sobre produtos de consumo amplamente comercializados. De modo a determinar se o seu produto de origem norte-americana requer uma licença, você precisará dos três dados listados a seguir: 1. O Número de Classificação de Controle de Exportação (ECCN). Alguns itens, mormente aqueles controlados por regimes multilaterais de controle de exportação, constam da Lista de Controle Comercial (CCL) (parte 774 dos EAR) e estão incluídos em uma rubrica específica do ECCN. Se o seu item não constar da CCL, poderá estar classificado como EAR99. Trata-se de uma categoria geral de mercadorias e tecnologias que abrange uma grande variedade de itens industriais e de consumo amplamente comercializados. O ECCN da CCL também lhe dirá qual(ais) a(s) razão(ões) do controle. Um outro motivo para não constar da CCL é a possibilidade de que o item em questão esteja sob a jurisdição de uma outra agência governamental norte-americana, tal como a Diretoria de Controles Comerciais de Defesa, que administra os Regulamentos sobre Tráfico Internacional de Armas. 2. O destino final do item. Você precisará combinar a(s) razão(ões) do controle listada(s) na rubrica do ECCN constante da CCL (parte 774 dos EAR) com o país de destino final na Tabela de Países (parte 738 dos EAR). A(s) razão(ões) do controle, quando utilizada juntamente com a Tabela de Países irá ajudá-lo a determinar se será necessária a obtenção de uma licença para o destino final. Se ficar claro que será preciso uma licença para a sua operação de reexportação, você deverá revisar os EAR de modo a apurar se há alguma Exceção de Licença disponível (parte 740 dos EAR). Para informações gerais sobre as Exceções de Licença, ver a parte E abaixo. 3. O uso final e o usuário final do item. Mesmo que chegue à conclusão de que não é necessário obter uma licença com base no destino final (ou que sim é preciso, mas uma Exceção de Licença poderia ser aplicada), você talvez tenha que apresentar um pedido de licença devido ao uso final ou usuário final especificados. Existem certas restrições especiais aplicáveis a pessoas (ou entidades) identificadas nos EAR, bem como a pessoas que você crê, ou tem razões para crer, que estejam envolvidas em atividades de proliferação de armas. Na maioria dos casos, pessoas identificadas na parte 744 dos EAR requerem uma licença para a reexportação ou transferência (dentro do país) de todos os itens sujeitos aos EAR (i.e., todos os itens listados na CCL e todos os itens classificados como EAR99). 9

11 B. Como determinar se seu produto de fabricação estrangeira requer uma licença da BIS porque possui algum conteúdo de origem norte-americana. Conforme mencionado acima, alguns itens de fabricação estrangeira também estão sujeitos aos EAR porque contêm um valor superior ao percentual especificado de conteúdo norteamericano. Primeiramente, é necessário determinar se seu item produzido no exterior está sujeito aos EAR. Em caso afirmativo, você terá de seguir o processo descrito na Parte A acima, de modo a definir se o seu produto estrangeiro requer a obtenção de uma licença. Os passos indicados a seguir servem como orientação geral para estabelecer se uma mercadoria fabricada no exterior, que incorpore peças de origem norte-americana, está sujeita aos EAR ou se qualifica para a exceção de minimis aos EAR. Esta orientação geral não leva em consideração itens específicos que não sejam elegíveis para o tratamento de minimis. Você deverá consultar a seção e o Suplemento 2 até a Parte 734 para obter informações sobre esses itens e sobre os cálculos de conteúdo controlado de origem norte-americana. Orientações gerais referentes à incorporação de peças ou componentes de origem norteamericana em produtos de fabricação estrangeira. Se você tem uma empresa no exterior que incorpora peças ou componentes de origem norte-americana em uma mercadoria estrangeira, será preciso: 1. Classificar as peças ou componentes de origem norte-americana que sejam exportados para você segundo o sistema de classificação apresentado nos EAR. O exportador norte-americano poderá ajudá-lo a encontrar o ECCN pertinente. 2. Determinar se as peças ou componentes de origem norte-americana são conteúdo controlado ( conteúdo controlado norte-americano é um conteúdo que irá requerer uma licença dos EUA caso venha a ser reexportado como peça ou componente separado para o país de destino final). 3. Determinar se o conteúdo controlado dos EUA é maior que o patamar de minimis correspondente. Os Grupos de Países D:5 e E:1 aparecem listados ao final deste documento. a. Para os itens.a -.x das séries e : 0% para o Grupo de Países D:5; 25% para todas os demais destinos. b. Para os itens.y das séries 600 e : 0% para a China ou para o Grupo de Países E:1; ilimitado para todos os demais destinos. c. Para todos os demais itens listados na Lista de Controle Comercial (CCL): 10% para o Grupo de Países E:1; 25% para todos os demais destinos ou ilimitado para todos os demais destinos apenas para itens AT (antiterrorismo). d. Itens não constantes da CCL (EAR99): 10% para Coréia do Norte, Cuba e Síria (exceto alimentos e remédios); ilimitado para todos os demais destinos. 4. Caso o percentual do valor do conteúdo controlado norte-americano seja inferior ao patamar de minimis descrito acima, seu produto não estará sujeito aos EAR, e não precisará de uma licença de reexportação. Mas se o percentual do valor do conteúdo controlado for superior ao patamar de minimis correspondente descrito acima, seu produto estará sujeito aos EAR e você deverá determinar se o seu item requer uma licença, seja devido a seu destino final, seja por causa do uso/usuário final. Para tanto, siga os passos descritos na Parte A

12 Orientações adicionais referentes a softwares estrangeiros que incorporem softwares de origem norte-americana, e tecnologias estrangeiras misturadas com ou projetadas a partir de tecnologias de origem norte-americana. Se você incorporar um software de origem norte-americana ao seu software estrangeiro, ou se sua tecnologia estrangeira estiver misturada com - ou foi projetada a partir de - uma tecnologia de origem norte-americana, será preciso seguir um processo semelhante ao descrito acima. Esse processo, assim como um requisito afim que exige a elaboração de um único relatório sobre tecnologia, são apresentados na seção e no Suplemento 2 até a parte 734 dos EAR. Observação: Geralmente, a exceção de minimis poderá ser utilizada apenas para itens semelhantes - hardware com hardware ou software com software. Será permitido utilizar a exceção de minimis para combinar software com hardware somente quando estes estiverem sob controle EAR99 ou AT. C. Como determinar se o seu produto estrangeiro requer uma licença da BIS por ser produto direto de uma tecnologia ou software de origem norte-americana Produtos diretos fabricados no exterior poderão estar sujeitos aos EAR caso sejam produtos diretos de certos tipos de tecnologia ou software de origem norte-americana e caso sejam enviados a destinos específicos. Ver Apêndice A: Orientações sobre Produto Direto, para informações mais pormenorizadas. Ver as seções 734.3(a)(4) e 736.2(b)(3) dos EAR. D. Como determinar se seu produto estrangeiro requer uma licença da BIS devido ao fato de ser produto direto de uma fábrica ou de um importante componente de uma fábrica desenvolvida a partir de uma tecnologia norte-americana. O produto dessa fábrica estrangeira ou de um importante componente de uma fábrica estrangeira estará sujeito aos EAR se o produto estrangeiro for feito pela fábrica ou pelo importante componente de uma fábrica localizada fora dos Estados Unidos, e se a fábrica ou o importante componente de uma fábrica for produto direto de uma certa tecnologia ou software de origem norte-americana, e se for enviado para um destino específico. Ver Apêndice A: Orientações sobre Produto Direto para informações mais pormenorizadas. Ver seção 734.3(a)(5) e 736.2(b)(3). E. O seu produto é elegível para uma Exceção de Licença? Em certos casos, se sua operação de reexportação ou transferência (dentro do país) requerer uma licença, talvez seja possível utilizar uma das Exceções de Licença estabelecidas na parte 740 dos EAR. Uma Exceção de Licença permite a reexportação ou transferência (dentro do país) de um item sem um pedido de licença, sempre e quando a operação atender a todos os termos e condições da Exceção de Licença. As Exceções de Licença para reexportações/transferências mais comumente utilizadas são GBS, CIV, RPL, STA, TSR, GOV, TMP e APR. 11

13 Existem quaisquer outras restrições especiais que eu deveria conhecer? Você não poderá reexportar itens sujeito aos EAR para pessoa ou entidade cujos privilégios de exportação tenham sido negados pela BIS, e deverá obter uma licença para reexportar ou transferir (dentro do país) tais itens para pessoas relacionadas na Lista de Entidades da BIS. Informações sobre pessoas de interesse podem ser encontradas no site da BIS: Por favor, atente para o fato de que cidadãos norte-americanos poderão estar sujeitos a restrições adicionais nos termos dos EAR. Ver a seção dos EAR. Cidadãos norteamericanos poderão também estar sujeitos a restrições de acordo com outros regulamentos do Governo dos EUA, tais como aqueles emitidos pela Secretaria de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC na sigla em inglês) do Departamento do Tesouro, ou outro departamento ou agência do Governo dos EUA. Por que você deve cumprir os requisitos necessários à obtenção de uma licença de reexportação? O Departamento de Comércio dispõe de medidas de proteção e fiscalização para assegurar que os destinatários dos itens sujeitos aos EAR cumpram os requisitos necessários à obtenção de uma licença de reexportação listados em seus regulamentos. Caso o Departamento de Comércio determinar que você não cumpriu os citados requisitos e restrições, poderá instaurar um processo de execução administrativa que resultará na possível imposição de sanções civis e/ou no indeferimento de sua elegibilidade para receber exportações dos EUA (parte 764 dos EAR). Onde submeter seu pedido de licença de reexportação? Caso sua operação de reexportação ou transferência (dentro do país) exigir uma licença e não for elegível para uma Exceção de Licença, você poderá solicitá-la eletronicamente através do Processo Simplificado de Solicitação em Rede - Redesenhado (SNAP-R na sigla em inglês). Você poderá obter informações básicas sobre o programa SNAP-R no site da BIS, no endereço eletrônico: https://snapr.bis.doc.gov/snapr/. Caso jamais tenha submetido uma solicitação eletrônica antes, você deverá completar, primeiramente, o pacote de pedido de Senha ( PIN ). Informações adicionais e como contatar a BIS Caso precise de ajuda no que se refere às licenças de reexportação ou transferência (dentro do país) ou à classificação de produtos, ou deseje obter outros dados sobre os controles de exportação dos EUA, por favor consulte o site da BIS. Por outro lado, você poderá também entrar em contato direto com o Escritório de Serviços de Exportação da Secretaria de Indústria e Segurança, no seguinte endereço: U.S. Department of Commerce 1401 Constitution Avenue, NW Room 2099B Washington, DC Telefone: + 1(202) Fax: +1(202) ou por correio eletrônico através do site da BIS: Todos os pedidos de informação ou de assistência deverão ser feitos em inglês. 12

14 Grupo de Países D:5, a partir de 1 de janeiro de Afeganistão, Bielorrússia, Birmânia, China (RPC), Chipre, Congo (República Democrática do), Coréia do Norte, Costa do Marfim, Cuba, Eritréia, Fiji, Haiti, Irã, Iraque, Líbano, Libéria, Líbia, República Centro-Africana, Síria, Somália, Sri Lanka, Sudão, Venezuela, Vietnam e Zimbábue. Grupo de Países E:1, a partir de 1 de janeiro de Coréia do Norte, Cuba, Irã, Síria, Sudão Termo de Isenção de Responsabilidade A Secretaria de Indústria e Segurança (BIS) oferece estas Orientações sobre Exportações apenas com propósito informativo. Elas não constituem uma interpretação ou tradução oficial das leis e regulamentos de controle de exportação dos EUA. Estas informações não isentam o leitor de quaisquer deveres ou obrigações referentes ao conhecimento de ou à conformidade com todas as leis ou regulamentos de controle de exportação pertinentes, conforme estabelecido no Código de Regulamentos Federais dos EUA e modificado por notificações no Registro Federal. 13

15 APÊNDICE A 14

16 Proibição Geral No. 3: Regra de Produto Direto 736.2(b)(3) dos EAR (conforme modificado em 1/7/14) (A) Itens estrangeiros produtos diretos de tecnologia ou software de origem norte-americana que não pertençam à série 600 nem tampouco ao 9x515 estão sujeitos aos EAR e requerem uma licença de reexportação, ou uma licença ou exceção de licença de exportação a partir do exterior, se tudo o que segue for aplicável: (1) O item estrangeiro produto direto de tecnologia ou software de origem norteamericana requer uma garantia por escrito como documento de apoio a um pedido de licença, conforme definido na parte 748 Sup. 2 (o)(3)(i), ou como pré-condição para a utilização de uma Exceção de Licença TSR na parte 740, i.e., tecnologia/software controlados devido à NS (Segurança Nacional); (2) O item de fabricação estrangeira está sujeito aos controles de segurança nacional, conforme determinado no ECCN da CCL (Sup. No. 1 até a parte 774 dos EAR); e (3) O item produzido no estrangeiro tem como destino um país listado no Grupo de Países D:1 ou E:1 (Sup. No. 1 até a parte 740 dos EAR). (B) Itens estrangeiros produtos diretos de tecnologia ou software de origem norte-americana que pertençam à série 600 estão sujeitos aos EAR e requerem uma licença de reexportação, ou uma licença ou exceção de licença de exportação a partir do exterior, se tudo o que segue for aplicável: (1) O produto de fabricação estrangeira é feito com tecnologia ou software de origem norte-americana da série 600 ; (2) O produto de fabricação estrangeira está especificado em uma rubrica do ECCN da série 600 na CCL (Sup. No. 1 até a parte 774 dos EAR); e (3) O produto de fabricação estrangeira tem como destino um país listado no Grupo de Países D:1, D:3, D:4, D:5 ou E:1 (Sup. No. 1 até a parte 740 dos EAR). (C) Itens estrangeiros 9x515, produtos diretos de tecnologia ou software de origem norte-americana estão sujeitos aos EAR e requerem uma licença de reexportação, ou uma licença ou exceção de licença de exportação a partir do exterior, se tudo o que segue for aplicável: (1) O produto de fabricação estrangeira é feito com tecnologia ou software 9x515 de origem norte-americana; (2) O produto de fabricação estrangeira está especificado em uma rubrica do ECCN do 9x515 na CCL (Sup. No. 1 até a parte 774 dos EAR); e (3) O produto de fabricação estrangeira tem como destino um país listado no Grupo de Países D:1, D:5 ou E:1 (Sup. No. 1 até a parte 740 dos EAR). (D) Produtos diretos de uma fábrica estrangeira ou de um importante componente de uma fábrica estrangeira, feitos a partir de tecnologia ou software de origem norte-americana que não pertença à série 600 nem tampouco ao - 9x515 requerem uma licença de reexportação, ou uma licença ou exceção de licença de exportação a partir do exterior, se tudo o que segue for aplicável: 15

17 (1) A fábrica ou componente é produto direto de tecnologia ou software de origem norte-americana que requer uma garantia por escrito como documento de apoio a um pedido de licença ou como pré-condição para a utilização de uma Exceção de Licença TSR; (2) Os produtos diretos de fabricação estrangeira provenientes da fábrica ou do componente estão sujeitos aos controles de segurança nacional, tal como estabelecido na rubrica do ECCN aplicável; e (3) O item de fabricação estrangeira tem como destino um país listado no Grupo de Países D:1 ou E:1 (Sup. No. 1 até a parte 740 dos EAR). (E) Produtos diretos de uma fábrica estrangeira ou de um importante componente de uma fábrica estrangeira feitos a partir de tecnologia ou software de origem norte-americana da série 600 requerem uma licença de reexportação, ou uma licença ou exceção de licença de exportação a partir do exterior, se tudo o que segue for aplicável: (1) A fábrica ou componente é produto direto de tecnologia ou software de origem norte-americana da série 600 ; (2) O produto estrangeiro está especificado em uma rubrica do ECCN da série 600 na CCL (Sup. No. 1 até a parte 774 dos EAR); e (3) O produto de fabricação estrangeira tem como destino um país listado no Grupo de Países D:1, D:3, D:4, D:5 ou E:1 (Sup. No. 1 até a parte 740 dos EAR). (F) Produtos diretos de uma fábrica estrangeira ou de um importante componente de uma fábrica estrangeira feitos a partir de tecnologia ou software de origem norte-americana 9x515 requerem uma licença de reexportação, ou uma licença ou exceção de licença de exportação a partir do exterior, se tudo o que segue for aplicável l: (1) A fábrica ou o componente é produto direto de tecnologia ou software de origem norte-americana 9x515; (2) O produto de fabricação estrangeira está especificado em uma rubrica do ECCN 9x515 na CCL (Sup. No. 1 até a parte 774 dos EAR); e (3) O produto de fabricação estrangeira tem como destino um país listado no Grupo de Países D:1, D:5 ou E:1(Sup. No. 1 até a parte 740 dos EAR). Observação: Itens estrangeiros produtos diretos de tecnologia ou software de origem norte-americana pertencentes à série 600 ou ao 9x515 sujeitos ao GP3 não requerem uma licença de reexportação ou exportação a partir do exterior para um novo destino, a menos que esse novo destino tenha sido proibido ou se tornado sujeito a uma licença nos termos das partes 742, 744, 746 ou 764 dos EAR. 16

Visão Geral dos Controles de Exportação e Reexportação de Duplo Uso dos EUA

Visão Geral dos Controles de Exportação e Reexportação de Duplo Uso dos EUA Visão Geral dos Controles de Exportação e Reexportação de Duplo Uso dos EUA Visão Geral dos EAR Classsificação dos Itens na CCL Requisitos para Obtenção de Licença com base no ECCN e no Destino Determinação

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

NATIONAL INSTRUMENTS TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA

NATIONAL INSTRUMENTS TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA NATIONAL INSTRUMENTS TERMOS E CONDIÇÕES DE VENDA Os termos e condições previstos no presente ( Contrato ) aplicam-se à sua ( Cliente ) compra de hardware da NI ( Hardware ), licenças de uso de software

Leia mais

Lanterna Azul Programa de Monitoramento do Uso Final

Lanterna Azul Programa de Monitoramento do Uso Final Lanterna Azul Programa de Monitoramento do Uso Final Cameron Lorenzen Analista de Políticas, Assuntos e Análise Regionais Secretaria de Políticas de Controles Comerciais de Defesa Secretaria de Assuntos

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL DO SOFTWARE PC-DMIS

CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL DO SOFTWARE PC-DMIS CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL DO SOFTWARE PC-DMIS LEIA OS TERMOS E CONDIÇÕES A SEGUIR ANTES DE INSTALAR E/OU USAR ESSE PRODUTO DE SOFTWARE WILCOX ASSOCIATES, INC. A LICENÇA DE SOFTWARE É UM CONTRATO

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE USAR ESSE PRODUTO DE SOFTWARE: Este Termo de Aceite é um Contrato de Licença do Usuário Final ("EULA" - End-User License Agreement) é um contrato

Leia mais

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r)

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR, FAZER DOWNLOAD OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE, VOCÊ ESTÁ CONCORDANDO

Leia mais

GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA PRODUTOS NOKIA COM WINDOWS PHONE

GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA PRODUTOS NOKIA COM WINDOWS PHONE GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA PRODUTOS NOKIA COM WINDOWS PHONE Nota: Esta Garantia Limitada do Fabricante ( Garantia ) aplica-se somente a produtos Nokia autênticos fornecidos com o Windows

Leia mais

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO.

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO. SUSE Linux Enterprise Software Development Kit 11 SP3 Contrato de Licença de Software do SUSE LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO COMPRAR, INSTALAR E/OU USAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES), VOCÊ

Leia mais

CIRCULAR. Atualização das Sanções Comerciais Internacionais e Remessas / Exportações para Países Sancionados ou Países com Partes com Restrições

CIRCULAR. Atualização das Sanções Comerciais Internacionais e Remessas / Exportações para Países Sancionados ou Países com Partes com Restrições Folha 1 de 6 Rio de Janeiro, 17 de abril de 2015. Para Assunto Todos os colaboradores da Jacobs Guimar Atualização das Sanções Comerciais Internacionais e Remessas / Exportações para Países Sancionados

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc.

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc. Estes princípios de conduta aplicam-se a todos os funcionários, diretores, empresas e subsidiárias da ITW ao redor do mundo. Espera-se que

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO A Host Empresa é dedicada a fornecer um serviço de qualidade máxima. Os termos e condições que seguem são necessários para assegurar que nós possamos continuar fornecendo o melhor

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA A República Federativa do Brasil e Os Estados Unidos da América (doravantedenominados, individualmente,

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

Visto de escala em aeroporto

Visto de escala em aeroporto Atualizado em: novembro de 2013 Visto de escala em aeroporto I. Informações gerais Para a grande maioria dos viajantes estrangeiros, vale o chamado "privilégio de trânsito": quando o passageiro não sairá

Leia mais

Após o recebimento de todos os documentos originais processaremos o pedido e o notificaremos dentro de (2) dois dias úteis.

Após o recebimento de todos os documentos originais processaremos o pedido e o notificaremos dentro de (2) dois dias úteis. Prezado cliente em potencial, Agradecemos por escolher a tecnologia. como seu fornecedor de soluções e serviços de alta Temos a satisfação de abrir uma conta para a sua empresa e esperamos lhe fornecer

Leia mais

The Great Atlantic and Pacific Tea Company

The Great Atlantic and Pacific Tea Company Notificação de práticas de privacidade de farmácias norte-americanas ESTA NOTIFICAÇÃO DESCREVE COMO AS INFORMAÇÕES MÉDICAS A SEU RESPEITO PODEM SER USADAS E DIVULGADAS E COMO VOCÊ PODE TER ACESSO A ESSAS

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA 1. APRESENTAÇÃO 1.1 OBJETIVO O objetivo deste Código de Conduta Ética é definir padrões visando : a) Prevenção de conflitos de interesses, envolvendo acesso às informações privilegiadas,

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

Norton Internet Security Guia do Usuário

Norton Internet Security Guia do Usuário Guia do Usuário Norton Internet Security Guia do Usuário O software descrito neste guia é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado somente conforme os termos do contrato. Documentação versão

Leia mais

Desejando progredir mais no caminho que identificaram para permitir que alcancem uma solução mutuamente acordada para o contencioso, Seção I

Desejando progredir mais no caminho que identificaram para permitir que alcancem uma solução mutuamente acordada para o contencioso, Seção I MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE UM FUNDO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E FORTALECIMENTO DA CAPACITAÇÃO RELATIVO AO CONTENCIOSO

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A FAIRFIELD: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante denominado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA.

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA. Política e Termos de Suporte da CA 1. Visão Geral O Suporte para softwares da CA consiste em assistência operacional e suporte técnico oferecidos pela CA, a seu critério razoável, durante o prazo estabelecido

Leia mais

Termos de Uso - Contrato

Termos de Uso - Contrato Termos de Uso - Contrato 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA COMPRA DE CURSO ONLINE NO SITE WWW.ALEMÃOONLINE.COM.BR 1.1. A contratada (nome fantasia) FCD., inscrita no CNPJ 22.030.123/00001-08, localizada

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais

Serviço HP Foundation Care Exchange

Serviço HP Foundation Care Exchange Informações técnicas Serviço HP Foundation Care Exchange HP Services Visão geral do serviço O serviço HP Foundation Care Exchange é composto de serviços remotos de hardware e software que lhe permitem

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO

CONTRATO DE LICENÇA DE USO CONTRATO DE LICENÇA DE USO Leia o contrato de licença antes de utilizar este programa. Ao aceitar o contrato, você concorda em tornar-se o Licenciado e expressa sua total aceitação de todos os termos e

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS PARA CONSULTA, COOPERAÇÃO E TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E AS AUTORIDADES ESTATUTÁRIAS

Leia mais

QN 34 Conjunto 01 Lote 25 Riacho Fundo II DF Telefone: 61-4042-3532/ 61-3434-6183 www.eurotigroup.com.br contato@eurotigroup.com.

QN 34 Conjunto 01 Lote 25 Riacho Fundo II DF Telefone: 61-4042-3532/ 61-3434-6183 www.eurotigroup.com.br contato@eurotigroup.com. Política de Utilização A EuroTI Group é dedicada a fornecer um serviço de qualidade máxima. Os termos e condições que seguem são necessários para assegurar que nós possamos continuar fornecendo o melhor

Leia mais

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas.

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. 2.4 Promessas Verbais. 3 Diante do Plano de Marketing 4 - Conselhos

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES.

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE LICENÇA DE USO E GARANTIA A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. 1.0. INDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO)

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO) Código de Conduta Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global John Snyder Presidente e Diretor Executivo (CEO) Mike Janssen Diretor de Operações (COO) Stephan

Leia mais

Departamento de Serviços à Família e Menores. Programa de Assistência de Nutrição Complementar-SNAP (Food Stamps) NA GEORGIA

Departamento de Serviços à Família e Menores. Programa de Assistência de Nutrição Complementar-SNAP (Food Stamps) NA GEORGIA Departamento de Serviços à Família e Menores Programa de Assistência de Nutrição Complementar-SNAP (Food Stamps) NA GEORGIA O PROGRAMA DE FOOD STAMPS NA GEORGIA Form 47 (Rev. 04/14) Portuguese 1 O QUE

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

A CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE CONTRATOS PARA A VENDA INTERNACIONAL DE BENS (1980) [CISG]: A LEI APLICÁVEL PARA ACORDOS DE VENDAS INTERNACIONAIS

A CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE CONTRATOS PARA A VENDA INTERNACIONAL DE BENS (1980) [CISG]: A LEI APLICÁVEL PARA ACORDOS DE VENDAS INTERNACIONAIS A CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE CONTRATOS PARA A VENDA INTERNACIONAL DE BENS (1980) [CISG]: A LEI APLICÁVEL PARA ACORDOS DE VENDAS INTERNACIONAIS Escritórios de Advocacia Zara 111 John Street Suite

Leia mais

Termos de Licença de Software da Microsoft para:

Termos de Licença de Software da Microsoft para: Termos de Licença de Software da Microsoft para: Windows Embedded For Point of Service 1.0 Estes termos de licença são um acordo entre você e a [OEM]. Por favor, leia-os. Eles aplicam-se ao software incluído

Leia mais

Proteção do Suprimento de Alimentos dos EUA. O Que Você Precisa Saber Sobre REGISTRO DE INSTALAÇÕES DE ALIMENTOS

Proteção do Suprimento de Alimentos dos EUA. O Que Você Precisa Saber Sobre REGISTRO DE INSTALAÇÕES DE ALIMENTOS Proteção do Suprimento de Alimentos dos EUA O Que Você Precisa Saber Sobre REGISTRO DE INSTALAÇÕES DE ALIMENTOS Informações de Segurança de Alimentos da FDA para Fabricantes ou Processadores no país ou

Leia mais

Tenha em suas mãos a garantia da melhor impressão: evite fraudes utilizando suprimentos originais.

Tenha em suas mãos a garantia da melhor impressão: evite fraudes utilizando suprimentos originais. Tenha em suas mãos a garantia da melhor impressão: evite fraudes utilizando suprimentos originais. 0800 772 02 02 Linha Direta HP Contra Falsificação e Fraude Detecte substituições ou fraudes Se você comprou

Leia mais

Se tiver dúvidas ou preocupações sobre a prática de privacidade da Pan-American Life, entre em contato conosco em:

Se tiver dúvidas ou preocupações sobre a prática de privacidade da Pan-American Life, entre em contato conosco em: Políticas de privacidade on-line A Pan-American Life sempre esteve comprometida em manter a confidencialidade, integridade e segurança das informações pessoais confiadas a nós pelos clientes atuais e futuros.

Leia mais

CONTRATO DE ACESSO DE USUÁRIO DE E-COMMERCE (COMÉRCIO ELETRÔNICO)

CONTRATO DE ACESSO DE USUÁRIO DE E-COMMERCE (COMÉRCIO ELETRÔNICO) CONTRATO DE ACESSO DE USUÁRIO DE E-COMMERCE (COMÉRCIO ELETRÔNICO) Ao acessar o Website e/ou o Banco de Dados da Empresa Tyco Electronics, a sua organização e você, individualmente (doravante Você ou o

Leia mais

Reforma do Controle de Exportação(ECR) dos EUA e Considerações sobre Reexportação

Reforma do Controle de Exportação(ECR) dos EUA e Considerações sobre Reexportação Reforma do Controle de Exportação(ECR) dos EUA e Considerações sobre Reexportação Kevin Wolf Secretário Adjunto de Comércio para a Administração de Exportação Observação: Esta apresentação constitui tão

Leia mais

Conduta nos negócios

Conduta nos negócios Conduta nos negócios Como funcionários, voluntários e representantes da USP, devemos conhecer e cumprir o Código e todas as leis ou POPs relacionados às nossas responsabilidades na USP, conforme aplicável.

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1. A plataforma on-line 2study, disponibilizada a você, doravante usuário, por meio do endereço: http://2study.com.br/, é desenvolvida e provida pela LCA Consulting LTDA, pessoa

Leia mais

Termos e Condições de Utilização do Mercadinho Português Online

Termos e Condições de Utilização do Mercadinho Português Online Termos e Condições de Utilização do Mercadinho Português Online LEIA ATENTAMENTE OS TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO MERCADINHO PORTUGUÊS ONLINE ANTES DE UTILIZAR O SITE E SERVIÇOS POR ELE OFERECIDOS.

Leia mais

Contrato de Licença de Software

Contrato de Licença de Software Contrato de Licença de Software IMPORTANTE, LEIA COM ATENÇÃO: Este Contrato (como definido adiante) é um acordo legal entre Você (conforme definido adiante) e a SA International Inc. para Software da marca

Leia mais

O QUE? Dados pessoais e outras informações que coletamos sobre você.

O QUE? Dados pessoais e outras informações que coletamos sobre você. WECOMPANY Coworking POLÍTICA DE PRIVACIDADE Proteger a sua privacidade é importante para nós. Esta política de privacidade ("Política") descreve as nossas práticas relativas à coleta, uso e divulgação

Leia mais

Resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo de Assistência Emergencial (AE) Conforme Revisão de janeiro de 2015 - Abrigo

Resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo de Assistência Emergencial (AE) Conforme Revisão de janeiro de 2015 - Abrigo Observação: Este é um resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo (Regras). Para conhecer os detalhes, consulte as Regras Uniformes do Programa de Abrigo na íntegra. A versão na íntegra das Regras

Leia mais

Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida.

Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida. Guia do Usuário Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida. Protegemos mais usuários contra ameaças on-line do que qualquer outra empresa no mundo. Cuidar de nosso meio ambiente,

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Nossa política requer que todos os parceiros comerciais revejam este Código de Conduta e aceitem obedecê-lo.

Nossa política requer que todos os parceiros comerciais revejam este Código de Conduta e aceitem obedecê-lo. 7459 South Lima Street Englewood, Colorado 80112 Agosto de 2013 P 303 824 4000 F 303 824 3759 arrow.com CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA PARA PARCEIRO COMERCIAL Prezado fornecedor, O sucesso da Arrow tem sido

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE TERMOS DE SERVIÇO Versão 1.0 de 08 de abril de 2.013. Bem vindo ao ASSISTENTE SNGPC! Antes de começar a utilizar nossos produtos e serviços, é preciso ler e concordar com estes TERMOS DE SERVIÇO e com

Leia mais

Princípios básicos nas relações com terceiros:

Princípios básicos nas relações com terceiros: Princípios básicos nas relações com terceiros: Checkup de reputação/responsabilidade quando utilizando terceiros em todo o mundo Marjorie W. Doyle, JD, CCEP-F com a contribuição de Diana Lutz 6500 Barrie

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Introdução INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Este informativo tem a finalidade de auxiliar os solicitantes estrangeiros a entender

Leia mais

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1 Instruções: O REPRESENTANTE DEVIDAMENTE AUTORIZADO DO TERCEIRO DEVE RESPONDER ÀS QUESTÕES DA VERIFICAÇÃO MINUCIOSA E PREENCHER O TERMO DE CERTIFICAÇÃO E ENVIAR TODAS AS INFORMAÇÕES PARA O FUNCIONÁRIO REGAL

Leia mais

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO I. DECLARAÇÃO DA POLÍTICA A política da RGIS ( Companhia ) é conduzir as operações mundiais de forma ética e conforme as leis aplicáveis, não só nos EUA como em outros países.

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

Spam Manager. Guia do Administrador da Quarentena

Spam Manager. Guia do Administrador da Quarentena Spam Manager Guia do Administrador da Quarentena Guia do Administrador da Quarentena do Spam Manager Versão da documentação: 1.0 Avisos legais Avisos legais Copyright Symantec Corporation 2013. Todos os

Leia mais

DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL: Importância de ter uma marca registrada para o seu negócio

DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL: Importância de ter uma marca registrada para o seu negócio DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL: Importância de ter uma marca registrada para o seu negócio Apresentado por Mohamed Mhadbi Abu-Ghazaleh Intellectual Property (AGIP) www.agip.com "We Work Hard to Stay

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Termos do Serviço. 1. Aceitação dos Termos do Serviço. Bem-vindo a TapToLogin.

Termos do Serviço. 1. Aceitação dos Termos do Serviço. Bem-vindo a TapToLogin. Termos do Serviço 1. Aceitação dos Termos do Serviço Bem-vindo a TapToLogin. A RD2Buzz Brasil Consultoria e Internet Ltda (RD2Buzz). fornece a você ("Usuário ) o aplicativo TapToLogin, sujeito aos Termos

Leia mais

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS Acabo de registrar a minha empresa no site Rainforest Alliance Certified TM Marketplace. E agora? Parabéns! Ao registrar a sua empresa

Leia mais

INGRAM MICRO INC - MIAMI EXPORT DIVISION FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PARA REVENDEDOR

INGRAM MICRO INC - MIAMI EXPORT DIVISION FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PARA REVENDEDOR INGRAM MICRO INC - MIAMI EXPORT DIVISION FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PARA REVENDEDOR OS DOCUMENTOS DEVEM SER TOTALMENTE PREENCHIDOS ANTES DA ABERTURA DE UMA CONTA E DA COTAÇÃO DE PREÇOS. Se você não pretende

Leia mais

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft 1 Versão em português Bem-vindo Bem-vindo Bem-vindo ao Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft. Este curso foi desenvolvido para ajudar

Leia mais

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Mude-se para os EUA Hoje! PORT EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Todas as pessoas conhecem clientes, amigos ou parentes que possuem o desejo de se mudar para os Estados Unidos, especialmente para a Flórida.

Leia mais

Termos Gerais e Condições de Uso. Versão Data: Janeiro de 2015. 1. O Serviço do Website

Termos Gerais e Condições de Uso. Versão Data: Janeiro de 2015. 1. O Serviço do Website Termos Gerais e Condições de Uso Versão Data: Janeiro de 2015 1. O Serviço do Website Bem-vindo à www.praticalone.com ( Website ), o portal de internet operado pela Pratical One Tecnologia da Informação

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011)

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011) Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Direitos Civis Versão Impressa (versão de 15/03/2011) O objetivo deste formulário é ajudá-lo

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA IMPORTANTE-LEIA ESTA GARANTIA DO FABRICANTE COM ATENÇÃO PARA ENTENDER SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES! O termo "Dispositivo de Hardware" significa

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes ), ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE SALVAGUARDAS TECNOLÓGICAS RELACIONADAS À PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA NOS LANÇAMENTOS

Leia mais

Selecione CERTIFICAR SUA CONTA para começar.

Selecione CERTIFICAR SUA CONTA para começar. A Foreign Status Certification (Certificado de status de estrangeiro) é obrigatória. Clique em Certify your account for foreign status (Certificar status de estrangeiro em sua conta) e responda a todas

Leia mais

Serviço Data Recovery

Serviço Data Recovery Informações técnicas Serviço Data Recovery Serviço HP Care Pack A HP sabe que os dados são de suma importância para os seus negócios. Quando você compra algum notebook comercial, desktop ou workstation

Leia mais

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014 Termos de Serviço Política de Privacidade Última atualização dezembro 2014 Este é um acordo de licença com o usuário final, definida a partir de agora, "Contrato". Escogitiamo SRLs é uma empresa italiana,

Leia mais

dos por defeitos ou vícios, resultantes

dos por defeitos ou vícios, resultantes Garantia Termo de Garantia Limitada do Fabricante OBSERVAÇÃO: Esta Garantia Limitada não afeta seus direitos legais de acordo com as leis nacionais aplicáveis relacionadas à venda de bens de consumo. Sempre

Leia mais

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Manual do usuário Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Apresentação 03 O que é um Certificado Digital? 04 Instalando

Leia mais

IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO:

IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO: IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO: Este contrato de licença do utilizador final (EULA) é um contrato entre o Adquirente (pessoa singular ou coletiva) e o GRUPOPIE ( GRUPOPIE ) de software GRUPOPIE identificado(s)

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 141-001 Aprovação: Portaria nº 1554, de 22 de junho de 2015. Assunto: Procedimentos para comunicação da relação de alunos de cursos homologados em escolas de aviação civil.

Leia mais

Uma introdução aos minerais de conflito. Para fornecedores da Apogee Enterprises, Inc. e suas unidades de negócios

Uma introdução aos minerais de conflito. Para fornecedores da Apogee Enterprises, Inc. e suas unidades de negócios Uma introdução aos minerais de conflito Para fornecedores da Apogee Enterprises, Inc. e suas unidades de negócios Resumo executivo Parte da Lei Dodd-Frank de 2010 Aplica-se a todos os inscritos na SEC

Leia mais

Termos e condições Promoção Frequency 25@25 Open Office 365

Termos e condições Promoção Frequency 25@25 Open Office 365 NOTA IMPORTANTE: Os termos e condições listados abaixo devem ser incluídos no formulário on-line por meio do qual o revendedor enviar uma solicitação de resgate. O revendedor concorda com os termos e condições

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5 Guia do Cúram Deductions Nota Antes de usar essas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Avisos na página 21 Revisado: Março

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA Ao Departamento de Defesa Comercial - DECOM Secretaria de Comércio Exterior SECEX Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC e-mail: consulta1602@mdic.gov.br Prezado Secretário Felipe

Leia mais

Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida.

Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida. Guia do Usuário Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida. Protegemos mais usuários contra ameaças on-line do que qualquer outra empresa no mundo. Cuidar de nosso meio ambiente,

Leia mais

2015 Código de Conduta e Ética Comercial

2015 Código de Conduta e Ética Comercial 2015 Código de Conduta e Ética Comercial 2015 Código de Conduta e Ética Comercial A Apogee possui uma excelente reputação com nossos clientes e acionistas de conduzir seus negócios com o mais alto grau

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Página1 Certificado Digital e-cpf Manual do Usuário Página2 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?... 03 Instalando o Certificado... 04 Conteúdo do Certificado... 07 Utilização, guarda

Leia mais

1. Concessão de Licença; Disposições Relacionadas.

1. Concessão de Licença; Disposições Relacionadas. IMPORTANTE: LEIA ESTE CONTRATO CUIDADOSAMENTE. ESTE É UM CONTRATO LEGAL ENTRE AVG TECHNOLOGIES CY, Ltd. ( AVG TECHNOLOGIES ) E O UTILIZADOR (ACTUANDO COMO UM INDIVÍDUO OU, SE APLICÁVEL, EM NOME DO INDIVÍDUO

Leia mais

Política de privacidade V2

Política de privacidade V2 Política de privacidade V2 Para os fins desta Política de Privacidade, as palavras grifadas em maiúsculo terão os seguintes significados: V2 é uma loja virtual disponibilizada na Internet para comercialização

Leia mais

Termos e Condições. As Definições a seguir serão aplicáveis aos termos e condições da sua Licença:

Termos e Condições. As Definições a seguir serão aplicáveis aos termos e condições da sua Licença: Autodesk Licença Termos e Condições A compra de Licença estará sujeita aos termos e condições definidos a seguir (o Contrato ) e todas as Licenças compradas por Você agora ou a qualquer momento posterior

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Proposta de adesão de serviços combinados de locação de posição de trabalho em espaço coletivo, serviços de escritório e apoio administrativo.

Proposta de adesão de serviços combinados de locação de posição de trabalho em espaço coletivo, serviços de escritório e apoio administrativo. SKYOFFICE Proposta de adesão de serviços combinados de locação de posição de trabalho em espaço coletivo, serviços de escritório e apoio administrativo. VISÃO GERAL Bem-vindo ao skyoffice. Somos um serviço

Leia mais