Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Importância e objetivos do melhoramento de plantas"

Transcrição

1 Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia

2 Introdução Início da agricultura 10 mil anos Processo inicial de domesticação de plantas Seleção contra deiscência e dormência

3 Uso das plantas Alimentação (direta e indireta) Vestuário Combustível Fármacos e cosmético Abrigo e proteção

4 Aumento populacional x produção agrícola Teoria de Malthus(1798) População Alimentos

5 Aumento populacional 1 a 2 bilhões de pessoas entre 1850 a anos 2 a 3 bilhões de pessoas entre 1925 a anos 3 a 4 bilhões de pessoas entre 1962 a anos 4 a 5 bilhões de pessoas entre 1975 a anos 5 a 6 bilhões de pessoas entre 1985 a anos 6 a 7 bilhões de pessoas entre 1993 a anos

6 Aumento da população Pressão na produção Aumento da produção Expansão da área cultivada Ganho de produtividade Ganho produtividade Modificações ambientais Melhoramento genético

7 Melhoramento Genético Vulnerabilidade genética Emprego de n reduzido de espécies e genótipos Monocultivo

8 Produção agrícola mundial

9 Evolução da produtividade

10 Evolução produtividade -florestais

11 Produção agrícola brasileira

12 Agronegócio brasileiro Área cultivada superior a 50 milhões de ha grãos, fibras, frutos, hortaliças, madeira celulose e carvão etc Emprega milhões de pessoas Investimentos de alguns bilhões de dólares em P&D sementes e melhoramento

13 Evolução da produção de produtos florestais Ano Tora (m 3 ) Lenha (m 3 ) FAOSTAT (2014)

14 Fontes de alimentos 300 mil espécies descritas 3 mil usadas como alimentos Atualmente: 300 espécies 15 espécies = 90% de toda a alimentação Redução da diversidade genética Erosão genética

15 Principais espécies usadas como alimento 1. Amendoim 2. Arroz 3. Banana 4. Batata 5. Batata doce 6. Beterraba 7. Cana de açúcar 8. Cevada 9. Coco 10. Feijão 11.Mandioca 12. Milho 13. Soja 14.Sorgo 15. Trigo

16 Erosão genética Irreversível Perda de genes (variabilidade) ou genótipos Passo anterior a extinção (áreas degradadas) Locais onde pode ocorrer Condições naturais: queimadas outras perturbações (humanas) Bancos de germoplasma: má preservação Programas de melhoramento: seleção intensa

17 Objetivos do melhoramento Desenvolver cultivares com maior produtividade, estabilidade de produção, resistência à pragas e doenças, secas, ventos, geadas, facilidade de realizar tratos culturais. Melhorar a qualidade nutricional (óleo, proteína, etc.) e industrial (ex: redução lignina), visando atender produtores e consumidores.

18 Melhoramento lançamento de novas cultivares Incremento da produtividade Redução do uso de insumos; Adaptação a condições marginais Resultado do trabalho de inúmeras áreas de pesquisa

19 Melhoramento de plantas e suas etapas Escolha de genitores Dimensionamento dos cruzamentos Condução das populações segregantes Ensaios de avaliação e seleção Análise em diversos ambientes (interação genótipo x ambiente) Recomendação de cultivares

20 Avanços em agropecuária no país Criação do IAC e primeira escola de agricultura e veterinária (final do séc. XIX) ESALQ (1901) UFLA (1908) UFV (1927) SNPA (1940) EMBRAPA (1974)

21 Alguns cursos de pós-graduação em Genética e Melhoramento de plantas ESALQ UFV UNESP/FCAVJ UFLA UFSC UEM UENF UFG UFRPE UFPI

22 Lei de proteção de cultivares Lei de 25 de abril de 1997 Decreto de 5 de novembro de 1997 Avanços significativos no melhoramento de plantas Investimentos privados em pesquisas Concentração das pesquisas em culturas envolvidas no agronegócio

23 Cultivares protegidas

24 Avanços em produtividade Anos Incremento anual (m³/ano/ha) * 46 *Previsto Fonte: Lima e Andrade (2009)

25 Alguns desafios do melhoramento genético florestal Aumento da produtividade Tolerância a estresses abióticos Tolerância a pragas e doenças Características anatômicas da madeira Ganhos em qualidade energética Ganhos em qualidade de fibras Fornecimento de sementes e clones

26

27

28

29

30

31

Importância e objetivos do melhoramento de plantas. (Notas da aula em )

Importância e objetivos do melhoramento de plantas. (Notas da aula em  ) Importância e objetivos do melhoramento de plantas (Notas da aula em www.uenf.br ) A origem da agricultura Dependência - alimentação (plantas e derivados) Vestuário Combustível Medicamentos Kates (1994),

Leia mais

Melhoramento de mandioca

Melhoramento de mandioca Melhoramento de mandioca Teresa Losada Valle teresalv@iac.sp.gov.br Temas Características do melhoramento de mandioca Obtenção de variedades para fins específicos Por que fazer melhoramento de mandioca?

Leia mais

Melhoramento de espécies florestais

Melhoramento de espécies florestais Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies florestais Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net

Leia mais

Melhoramento de espécies autógamas

Melhoramento de espécies autógamas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies autógamas Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução Efeitos

Leia mais

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Piracicaba, 2013 1 -Introdução Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexuadamente ou sexuadamente

Leia mais

PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo

PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Motivações Dimensionar o Produto Interno Bruto do Agronegócio do Estado de São Paulo, desde a renda gerada na produção

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

A Origem da Agricultura. (A Agronomia e seu estado-da-arte)

A Origem da Agricultura. (A Agronomia e seu estado-da-arte) A Origem da Agricultura (A Agronomia e seu estado-da-arte) O Planeta Terra Quais os aspectos diferenciadores? As plantas A população Sem o ser humano? Sem as plantas? Oxigênio Comida Roupas Corantes Ceras

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE Palestrante: Allan Henrique da Silva Introdução Primeiro cereal criado pelo homem; Reduzir a deficiência de alimento; Uso: Forragem verde e feno Silagem Grãos secos para

Leia mais

Palavras-chave: Oryza sativa, melhoramento de arroz, número ótimo de ambientes.

Palavras-chave: Oryza sativa, melhoramento de arroz, número ótimo de ambientes. NÚMERO ÓTIMO DE ANOS AGRÍCOLAS PARA AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE ARROZ IRRIGADO NO ESTADO DE MINAS GERAIS Antônio Carlos da Silva Júnior 1 ; Plínio César Soares 2 ; Iara Gonçalves dos Santos 3 ; Francyse

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS Mariana Barreto Eng. Agr. MSc. Assessora da Diretoria Sinop-MT, 24 de novembro de 2015 QUEM SOMOS Fundada em 1972,

Leia mais

PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo

PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Base: agosto/15 Relatório 2016 PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Motivações Dimensionar o Produto Interno Bruto do Agronegócio do Estado de São Paulo,

Leia mais

Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia. Miqueli Sturbelle Schiavon

Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia. Miqueli Sturbelle Schiavon Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia Miqueli Sturbelle Schiavon A energia e a Humanidade Recursos e Consumo e de Energia na Terra Reservas mundiais de gás natural Reservas mundiais

Leia mais

Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada

Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada Prof. Dr. Isaias Olívio Geraldi Piracicaba, 2011 Cronograma de Aula 1. Objetivos do Melhoramento 2. Vantagens do Uso da Propagação Assexuada 3.

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Membro do CONAMA, CONAFLOR, CERFLOR, FCMM, CGFLOP AÇÕES Política e legislação florestal brasileira

Leia mais

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas em Propriedades Agrícolas PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS E NÃO MADEIREIROS Prof. Geraldo Bortoletto Jr. FLORESTAS NO BRASIL (milhões ha) Florestas Naturais = 477,7 Florestas de proteção = 240,0 Florestas

Leia mais

BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO

BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO Biotecnologia Utilização de organismos no desenvolvimento de novos produtos e processos para a alimentação, saúde e preservação do ambiente. Algumas técnicas biotecnológicas

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA DO CERRADO. Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI

BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA DO CERRADO. Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA DO CERRADO Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI IPNI ü O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos, dedicada

Leia mais

Melhoramento de. vegetativa

Melhoramento de. vegetativa Aula 05 Melhoramento de espécies de propagação vegetativa Introdução Em espécies em que existe uma variabilidade intra e interespecífica como: produção de biomassa, taxa de crescimento, resistência a geadas

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO 6 INTRODUÇÃO A seleção é uma das principais ferramentas do melhorista independente do tipo de método de melhoramento utilizado. A seleção é utilizada tanto

Leia mais

Diversificação para a sustentabilidade da produção

Diversificação para a sustentabilidade da produção Diversificação para a sustentabilidade da produção Introdução O aumento populacional mundial e a inserção de novos contingentes no mercado consumidor têm gerado crescente demanda mundial por matérias-primas,

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL,

GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL, GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL, 2008-2012 Maximiliano Miura (1), Alfredo Tsunechiro (2), Célia Regina Roncato Penteado Tavares Ferreira (1) Introdução

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

"Economia Verde nos Contextos Nacional e Global" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura -

Economia Verde nos Contextos Nacional e Global - Desafios e Oportunidades para a Agricultura - "Economia Verde nos Contextos Nacional e Global" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL.

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL. PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL. São Paulo, 17/04/07 Silvio Borsari Filho 1 AGRADECIMENTOS é a

Leia mais

Diversificação de atividades na propriedade rural. 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais

Diversificação de atividades na propriedade rural. 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais Diversificação de atividades na propriedade rural 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais Roteiro da apresentação Apresentação da Campo Globalização e a demanda pelos serviços do agroecossistema

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas MELHORAMENTO DE PLANTAS 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas Espécies autógamas A autofecundação sucessiva leva a homozigose genótipo homozigótico - linhagem - ou mistura de linhas

Leia mais

LGN 313 Melhoramento Genético

LGN 313 Melhoramento Genético LGN 313 Melhoramento Genético Professores: Antonio Augusto Franco Garcia José Baldin Pinheiro Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Genética - ESALQ/USP Segundo semestre - 2010

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

Base Genética dos Caracteres Qualitativos e Quantitativos, Componentes da Variação Fenotípica, Coeficiente de Herdabilidade e Progresso com Seleção

Base Genética dos Caracteres Qualitativos e Quantitativos, Componentes da Variação Fenotípica, Coeficiente de Herdabilidade e Progresso com Seleção Aula 0 Base Genética dos Caracteres Qualitativos e Quantitativos, Componentes da Variação Fenotípica, Coeficiente de Herdabilidade e Progresso com INTRODUÇÃO Caracteres qualitativos são controlados por

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHONOESTADO DE ESTADO CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS TABELA 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ESTADO DE MINAS

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

Dispêndios com Inseticidas, Fungicidas e Herbicidas na Cultura do Milho no Brasil,

Dispêndios com Inseticidas, Fungicidas e Herbicidas na Cultura do Milho no Brasil, Dispêndios com Inseticidas, Fungicidas e Herbicidas na Cultura do Milho no Brasil, 2000-20009 Alfredo Tsunechiro, Célia R. R. P. T. Ferreira e Maximiliano Miura Instituto de Economia Agrícola (IEA) Caixa

Leia mais

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO QUEM SÃO OS TRABALHADORES BRASILEIROS E ONDE DESENVOLVEM SUAS ATIVIDADES ECONÔMICAS P. 37 PEA do Brasil: 100 milhões

Leia mais

Métodos de condução de populações segregantes para teor de fibra em feijoeiro-comum

Métodos de condução de populações segregantes para teor de fibra em feijoeiro-comum Métodos de condução de populações segregantes para teor de fibra em feijoeiro-comum Vilmar de Araújo PONTES JÚNIOR 1 ; Patrícia Guimarães Santos MELO 2 ; Leonardo Cunha MELO 3 ; Helton Santos PEREIRA 3

Leia mais

Planejamento e instalação de pomares

Planejamento e instalação de pomares Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Planejamento e instalação de pomares Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Perguntas iniciais O que plantar? Qual o mercado?

Leia mais

Estado da Arte da Pesquisa de Biodiesel no Brasil

Estado da Arte da Pesquisa de Biodiesel no Brasil Audiência Pública POLÍTICAS DO PROGRAMA DO BIODIESEL Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Câmara dos Deputados Estado da Arte da Pesquisa de Biodiesel no Brasil José Manuel Cabral de

Leia mais

Proteção de Plantas :Gestão da propriedade intelectual nos programas de melhoramento. Luiz Carlos Federizzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Proteção de Plantas :Gestão da propriedade intelectual nos programas de melhoramento. Luiz Carlos Federizzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul Proteção de Plantas :Gestão da propriedade intelectual nos programas de melhoramento Luiz Carlos Federizzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul MELHORAMENTO DE PLANTAS ARTE Experiência, intuição,

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

Experiências de Moçambique com as abordagens baseadas no alimento: Fortificação e Biofortificação

Experiências de Moçambique com as abordagens baseadas no alimento: Fortificação e Biofortificação Experiências de Moçambique com as abordagens baseadas no alimento: Fortificação e Biofortificação Por: Dercio Matale Helen Keller International A Fome Oculta=Deficiências de Micronutrientes No mundo, aproximadamente

Leia mais

Resgate de Tradições. Hortaliças não convencionais. Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste

Resgate de Tradições. Hortaliças não convencionais. Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste Resgate de Tradições Hortaliças não convencionais Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste Conhecendo um pouco sobre as hortaliças não convencionais No decorrer dos milênios, os seres

Leia mais

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS GEOGRAFIA 5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS 1. Observe os mapas: Mapa 1 Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro, 2012. Adaptação. Parte integrante do livro didático

Leia mais

BIODIVERSIDADE ALIMENTAR

BIODIVERSIDADE ALIMENTAR BIODIVERSIDADE ALIMENTAR O uso das Plantas Alimentícias Não Convencionais CAJAN Comercialização justa e Cultura alimentar NÚCLEO DE AGROECOLOGIA Monotonia alimentar & Monoculturas, como chegamos nesta

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Identificação de alelos que conferem o fenótipo de milho-doce no banco ativo de germoplasma de milho 1

Identificação de alelos que conferem o fenótipo de milho-doce no banco ativo de germoplasma de milho 1 Identificação de alelos que conferem o fenótipo de milho-doce no banco ativo de germoplasma de milho 1 Aline Martineli Batista 2 e Flavia França Teixeira 3 1 Trabalho financiado pela FAPEMIG 2 Estudante

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta* Introdução

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta* Introdução Integração Lavoura-Pecuária-Floresta* Introdução O aumento populacional mundial e a inserção de novos contingentes no mercado consumidor tem gerado crescente demanda mundial por matérias-primas, alimentos,

Leia mais

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin.

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin. GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD Professor Rodolfo Visentin. QUE É GEOGRAFIA AGRÁRIA A estrutura agrária reúne as condições sociais e fundiárias de um espaço, envolvendo aspectos referentes á legalidade das terras,

Leia mais

Biofábricas: o potencial de uso de microrganismos em agricultura

Biofábricas: o potencial de uso de microrganismos em agricultura Biofábricas: o potencial de uso de microrganismos em agricultura Eng. Agr. Solon C. de Araujo Consultor da ANPII Apresentado no V Simpósio Brasileiro de Microbiologia Aplicada. UFRGS, setembro 2011 Biofábricas

Leia mais

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo Hortaliças: Importância e Cultivo Werito Fernandes de Melo Importância do agronegócio para o Brasil. Algodão produção de 1,2 milhões/t em 2004 (5º); cresceu 22% em 2003; exportações em de 400 mil t (3º);

Leia mais

Algumas prioridades e demandas da pesquisa relacionadas ao

Algumas prioridades e demandas da pesquisa relacionadas ao Capítulo 2 Demandas para as Pesquisas Relacionadas ao Melhoramento Genético Fábio Gelape Faleiro; José Ricardo Peixoto; Alexandre Pio Viana; Claudio Horst Bruckner; Francisco Ferraz Laranjeira; Flávio

Leia mais

Meio Rural X Meio Agrário:

Meio Rural X Meio Agrário: Introdução Rural X Urbano: Urbano: presença de construções (casas, prédios, comércio, escolas, hospitais, etc.); Rural: presença maior da natureza e atividades agrárias; Meio Rural X Meio Agrário: Rural:

Leia mais

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 www.ler.esalq.usp.br/molina.htm Walter Molina: wfmolina@usp.br

Leia mais

AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO. Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva

AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO. Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva PIB AGRONEGÓCIO RJ em 28 R$ 12,2 BILHÕES 6. 4.5 5.616 4.589 3. 1.5 1.688-261 Insumos

Leia mais

Brasil: características naturais - litosfera. Páginas 12 à 27

Brasil: características naturais - litosfera. Páginas 12 à 27 Brasil: características naturais - litosfera Páginas 12 à 27 Refúgio Ecológico Caiman Miranda - MS Parque Nacional do Monte Roraima - RR Serra dos Órgãos Teresópolis - RJ Parque Nacional dos Aparados da

Leia mais

Melhoramento de autógamas por hibridação. João Carlos Bespalhok Filho

Melhoramento de autógamas por hibridação. João Carlos Bespalhok Filho Melhoramento de autógamas por hibridação João Carlos Bespalhok Filho O que necessitamos para fazer melhoramento? Variabilidade genética Populações com diferentes genótipos Como criar variabilidade genética?

Leia mais

Tema Integrador Segurança Alimentar

Tema Integrador Segurança Alimentar Tema Integrador Segurança Alimentar Instituições participantes Coordenação: UFV Apoio: Embrapa e rede clima Publicações: 17 artigos científicos PRINCIPAIS PERGUNTAS DE PESQUISA Como os componentes de produção

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

Curso Técnico em Agricultura AGRICULTURAS I

Curso Técnico em Agricultura AGRICULTURAS I Curso Técnico em Agricultura AGRICULTURAS I Milena Mendes Barra da Estiva Julho / 2015 AGRICULTURA I - Ementa Origem, histórico e evolução; Aspectos morfológicos e fisiológicos; Distribuição Geográfica;

Leia mais

1. CENSO VARIETAL NO ESTADO DO PARANÁ 2. O PMGCA/UPFR 1. Subestações 2. Locais de seleção 3. Evolução clones

1. CENSO VARIETAL NO ESTADO DO PARANÁ 2. O PMGCA/UPFR 1. Subestações 2. Locais de seleção 3. Evolução clones Out/2011 SUMÁRIO 1. CENSO VARIETAL NO ESTADO DO PARANÁ 2. O PMGCA/UPFR 1. Subestações 2. Locais de seleção 3. Evolução clones 3. CLONES PROMISSORES 1. RB96, RB97, RB98, RB99 4. CLONES PROMISSORES - UFPR

Leia mais

Disponibilidade de Matérias Primas e Oportunidades de Diversificação da Matriz Energética do Biodiesel

Disponibilidade de Matérias Primas e Oportunidades de Diversificação da Matriz Energética do Biodiesel Disponibilidade de Matérias Primas e Oportunidades de Diversificação da Matriz Energética do Biodiesel Bruno Galvêas Laviola Pesquisador, Embrapa Agroenergia bruno.laviola@embrapa.br In: Câmara Setorial

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Introdução de Espécies e Melhoramento Florestal

Introdução de Espécies e Melhoramento Florestal Introdução de Espécies e Melhoramento Florestal III Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada - IPEF Piracicaba SP / 16 e 17 de setembro de 2008 Alex Passos dos Santos Pesquisa Florestal

Leia mais

Disciplina: Ciências 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS

Disciplina: Ciências 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS Disciplina: Ciências Ficha nº 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS Nesta ficha você conhecerá: O que são os carboidratos; Onde encontrar os carboidratos; A diferença entre carboidratos de alto e baixo

Leia mais

Abordagem de mercado dos títulos de crédito do agronegócio

Abordagem de mercado dos títulos de crédito do agronegócio Abordagem de mercado dos títulos de crédito do agronegócio Ivan Wedekin Seminário FEBRABAN sobre Agronegócios 2016 18.10.2016 Crédito e desenvolvimento do agronegócio Brasil: indicadores do crédito na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO AGR 066 CARGA HORÁRIA (CRÉDITOS) TOTAL TEÓRICA PRÁTICA 60

Leia mais

Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Núcleo de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas MPVP Universidade Federal de Santa Maria

Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Núcleo de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas MPVP Universidade Federal de Santa Maria Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Núcleo de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas MPVP Universidade Federal de Santa Maria 6º CBMP 1 a 4 de agosto de 2011, Búzios, RJ Importância das hortaliças

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário DESTAQUES SEAF 2009-2010 Aprovado pelo CMN em 2007 CONTRATAÇÃO. Orçamento Simplificado: Especificar valor de Insumos Tipos de Insumos Sementes, Defensivos, Fertilizantes,

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL ATRIBUTOS PRODUTIVOS

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO A agropecuária na América Anglo- Saxônica I- Os norte-americanos são os principais representantes da agropecuária comercial no mundo,com cultivos e criações intensamente

Leia mais

Valor da Produção Agropecuária do Estado de São Paulo em 2013: estimativa preliminar

Valor da Produção Agropecuária do Estado de São Paulo em 2013: estimativa preliminar Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Valor da Produção Agropecuária do Estado de São Paulo em 2013: estimativa preliminar O objetivo deste artigo é apresentar a estimativa preliminar do

Leia mais

Ocupação do Espaço Agropecuário no Cerrado Brasileiro

Ocupação do Espaço Agropecuário no Cerrado Brasileiro Ocupação do Espaço Agropecuário no Cerrado Brasileiro Roberta Dalla Porta Gründling, MSc. NESPRO; EMBRAPA Júlio Otávio Jardim Barcellos, DSc. NESPRO; UFRGS Introdução Rebanho Bovino Brasileiro Uso Agrícola

Leia mais

PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Estimativa com base em informações até outubro/16. Base: agosto/15

PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Estimativa com base em informações até outubro/16. Base: agosto/15 PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Estimativa com base em informações até outubro/16 Base: agosto/15 PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo Motivações Dimensionar o Produto Interno Bruto do Agronegócio

Leia mais

A ATIVIDADE AGRÍCOLA

A ATIVIDADE AGRÍCOLA A ATIVIDADE AGRÍCOLA AGRICULTURA Atividade que consiste no plantio de sementes e na colheita de vegetais. PECUÁRIA Atividade que consiste na criação de rebanhos. AGROPECUÁRIA Junção das atividades rurais:

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS 69 SIMPAS Tangará da Serra-MT, 22 de novembro de 2016 Prof. ROGÉRIO DE A.COIMBRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATOGROSSO CÂMPUS DE A SEMENTE O QUE É? PL AN EJ AM EN

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 290 O novo híbrido para altas

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 310 Alto potencial produtivo

Leia mais

Perspectivas para a Tecnologia na Agricultura e Desenvolvimento de Novas Variedades de Cana de Açúcar

Perspectivas para a Tecnologia na Agricultura e Desenvolvimento de Novas Variedades de Cana de Açúcar Perspectivas para a Tecnologia na Agricultura e Desenvolvimento de Novas Variedades de Cana de Açúcar Federico Tripodi Diretor de Negócios de Cana de Açúcar Set/2014 Monsanto no Mundo Quem Somos Europa,

Leia mais

Biofortificação com micronutrientes: Milton F. Moraes

Biofortificação com micronutrientes: Milton F. Moraes DEPARTAMENTO DE GENÉTICA - ESALQ/USP LABORATÓRIO DE GENÉTICA BIOQUÍMICA DE PLANTAS Biofortificação com micronutrientes: Síntese da 1 a Conferência Mundial sobre Biofortificação Milton F. Moraes Seminário

Leia mais

Aspectos gerais e estudos de bases genéticas da cultura do arroz

Aspectos gerais e estudos de bases genéticas da cultura do arroz UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós Graduação em Agronomia Melhoramento genético de plantas Disciplina: Seminários II Aspectos gerais e estudos de bases genéticas da cultura do arroz

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796

Leia mais

Resgate, conservação, uso e manejo sustentável de populações de coqueiro gigante (Cocos nucifera L.) no Bioma Mata Atlântica

Resgate, conservação, uso e manejo sustentável de populações de coqueiro gigante (Cocos nucifera L.) no Bioma Mata Atlântica Resgate, conservação, uso e manejo sustentável de populações de coqueiro gigante (Cocos nucifera L.) no Bioma Mata Atlântica Semíramis R. Ramalho Ramos Embrapa Tabuleiros Costeiros Brasília, dezembro 2010

Leia mais

LGN 313 Melhoramento Genético

LGN 313 Melhoramento Genético LGN 313 Melhoramento Genético Professores: Antonio Augusto Franco Garcia José Baldin Pinheiro Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Genética - ESALQ/USP Segundo semestre - 2010

Leia mais

Valor da Produção Agropecuária e Florestal do Estado de São Paulo em 2011

Valor da Produção Agropecuária e Florestal do Estado de São Paulo em 2011 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Valor da Produção Agropecuária e Florestal do Estado de São Paulo em 2011 Apresenta-se o cálculo final do valor da produção agropecuária e florestal

Leia mais

Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura. Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS

Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura. Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS AGENDA Bayer Fatores de Sucesso para Biotecnologia Fatores de Risco Conclusões

Leia mais

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017 DISCURSO DE S.E. NELSON COSME, EMBAIXADOR DE ANGOLA NO BRASIL NA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA CPLP, SOBRE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E ERRADICAÇÃO DA POBREZA POR MEIO DA AGRICULTURA UBERABA, 13 A 15 DE

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR É

BIOLOGIA MOLECULAR É BIOLOGIA MOLECULAR É RECURSO IMPORTANTE PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE Por: Natália Monnerat de Souza, Médica Veterinária, Mestre em Clínica Médica Por muitos anos, a seleção genética de animais e plantas

Leia mais

Propriedade Intelectual no Campo

Propriedade Intelectual no Campo Propriedade Intelectual no Campo Departamento de Propriedade Intelectual e Tecnologia da Agropecuária /DEPTA/ SDC/MAPA Roberto Lorena B. Santos Grãos Produção Se o Brasil mantivesse a mesma tecnologia

Leia mais

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal SETEMBRO 2016 O QUE É A EMATER-DF? Empresa Pública, criada em

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS O PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DA BATATA DA EMBRAPA Aluno: Roberto Fritsche

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO REGIONAL SOBRE TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE MILHO E SOJA 61 CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO LOPES, L.G. 1 CLEMENTE FILHO, A. 1 UNÊDA-TREVISOLI, S.H. 2 RECO, P.C. 3 BARBARO,

Leia mais