Cadeia Produtiva da Silvicultura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadeia Produtiva da Silvicultura"

Transcrição

1 Cadeia Produtiva da Silvicultura

2 Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira, de carvão, a produção de resinas, a proteção ambiental, etc. Inclui também as práticas de reflorestamento.

3 Silvicultura Brasil tem 516 milhões de hectares de florestas, o equivalente a 60,7% do território nacional. A produção florestal brasileira somou R$ 20,8 bilhões (2014). A participação de quatro produtos madeireiros - carvão vegetal, lenha, madeira em tora para papel e celulose e madeira em tora para outros fins - somam R$ 16,1 bilhões.

4

5

6 Quais as Funções Biológicas das Árvores? sequestro de carbono atmosférico; regulação da temperatura e umidade; ciclagem de nutrientes; fixação de nitrogênio e fósforo; exploram diferentes camadas de solo; sombra e conforto térmico aos animais; recuperação de áreas degradadas.

7 Serviços Ecossistêmicos das Florestas Ornamento/Paisagismo Corredores Ecológicos Ecoturismo Trilhas ecológicas Manutenção da Biodiversidade Abrigo da fauna

8 Origem dos produtos florestais Florestas plantadas Florestas naturais Manejo Florestal Sustentável

9 Cadeia produtiva de base florestal: Produtos madeireiros: lenha, carvão, toras, madeira sólida processada, compensados, celulose, móveis destino: consumo doméstico, indústrias Não madeireiros: resinas e óleos, produtos químicos borrachas, gomas, ceras, aromáticos destino: indústrias química, farmacêutica indústria automobilística, alimentícia

10 Organização industrial no setor florestal: celulose, papel, lâminas, chapas e aglomerado: poucas empresas de grande porte integração vertical maior organização e domínio do mercado

11 Organização industrial no setor florestal: madeira serrada, compensados e móveis: grande número de pequenas e médias menor capacidade empresarial diversidade no uso de materiais redução na escala de demanda e fragmentação.

12 Principais Destinos da Produção Florestal

13 Principais Estatísticas Nacionais Ano base 2011/2012 Área total do país Área florestal total Proporção da área florestal em relação à área total do país 851 milhões de ha 463 milhões de ha 54,4 % Área de florestas naturais 456 milhões de há (98,5%) Área de florestas plantadas 7,2 milhões de há (1,5%) Empregos formais no setor florestal Área de florestas certificadas 673 mil 8,6 milhões de ha

14 Florestas naturais Área estimada (há) de florestas naturais nos biomas brasileiros (2012) Amazônia Caatinga Cerrado Pantanal Mata Atlântica Pampa Total Fonte: Brasil. MMA (2007b), adaptado / SFB.GEIF.

15 Bioma Pampa (2012) Área do bioma (ha) Cobertura florestal estimada (ha) Área protegida em Unidades de Conservação (Federal e Estadual) (ha) (15,9%) Fonte: IBGE (2004b); Brasil. MMA (2007b), adaptado / SFB.GEIF; MMA (2012).

16

17

18 Florestas plantadas Composição da área (há) de florestas plantadas no Brasil (2012) Eucalipto ,00 Pinus ,75 Seringueira ,36 Acácia ,12 Paricá ,22 Teca ,97 Araucária ,16 Populus ,06 Outras ,12 Total

19 Distribuição das florestas plantadas com Pinus e Eucalipto no Brasil (2012) Estado Área com Eucalipto (ha) Área com Pinus (ha) Área Total (ha) MG ,38 SP ,80 PR ,27 SC ,69 BA ,25 MS ,96 RS ,74 Outros ,91 Total ,00 %

20 Evolução área plantada eucalipto Brasil Período mil ha , , , , , , , ,0

21

22 Evolução área cultivada pinus Período mil ha , , , , , , , ,7

23 Produção setor florestal Produção florestal Produção de madeira serrada (2010) 4,9 milhões de m 3 Produção de painéis (2010) 6,4 milhões de m 3 Produção de celulose Produção de papel Extração de madeira em tora para combustível Extração de madeira em tora para indústria 14,6 milhões de t 10,1 milhões de t 133,1 milhões de m 3 139,9 milhões de m 3

24 Área florestal Dom Pedrito Censo 2006 Floresta nativa Floresta plantada N o establ. Área N o establ. Área

25 Produção florestal Dom Pedrito Produtos da silvicultura Produção Valor (mil R$) Produção Valor (mil R$) Lenha m m Madeira em tora 850 m m 3 440

26 Projeções de produção, consumo e exportação para celulose

27 Projeções de produção, consumo e exportação para papel

28 Comércio exterior Exportações do setor florestal Importações do setor florestal Principais países importadores de produtos florestais do Brasil(2011) 9 bilhões de US$ 2,4 bilhões de US$ - Estados Unidos 1,8 bilhões de US$ - China 1,3 bilhões de US$ - Holanda 1,0 bilhão de US$

29 Características dos projetos de silvicultura: Projetos de longo prazo; Sujeitos a riscos e incertezas econômicas; Dependentes do meio ambiente; Dependente das taxas de juros e de câmbio; Dependência de mão-de-obra qualificada.

30 Expansão da demanda global por papel: Para os próximos 10 anos: aumento do consumo de papel e maior dinamismo econômico dos emergentes. A demanda global por todos os tipos de papel aumentará, em média, 1,5% ao ano até A produção mundial terá de chegar em 2025 a 74 milhões de toneladas: incremento de 25 milhões de toneladas.

31

32 Como a pesquisa contribui para o setor? Clones de eucalipto para produção de biomassa; Eucalipto com crescimento mais rápido; Produção de etanol com uso de material lenhoso (celulose, hemicelulose, pectina, lignina) Espécies para cultivo em áreas degradadas. Principais Grupos de pesquisa com florestais: -UFSM, UFV-MG, EMBRAPA FLORESTAS.

33 Potencialidades para o desenvolvimento: Grande quantidade de terras disponíveis; Clima tropical ou subtropical; Mão de obra barata; Boa adaptação de grande número de espécies; Retorno econômico ao produtor; Boa alternativa para as pequenas e médias áreas.

34 Década 70 Formação da base florestal em larga escala Conhecimento, tecnologia Incentivos públicos Foco da gestão: plantio, mapas, fazendas Estrutura da gestão: operacional (própria)

35 Década 80 Início da colheita Super oferta de madeira Projetos industriais mundiais Foco da gestão: corte e reforma das áreas Custos e produtividade; P&D Estrutura da gestão: operacional (própria)

36 Década 90 Abertura do mercado Uso múltiplo da madeira Mecanização de colheita/uso de tecnologia Conceito de Manejo Florestal Sustentável Foco da gestão: abastecimento do mercado Custos, produtividade e qualidade dos produtos Gestão operacional (Própria + Terceiros) Entrada das grandes multinacionais

37 Atualmente Uso da biotecnologia; Preocupação com a biodiversidade e recursos hídricos; Escassez de madeira x expansão x novos consumidores; Agregação de valores à atividade; Competitividade com sustentabilidade (Inovação); Concentração das grandes empresas (verticalização).

38 Considerações finais e perspectivas Brasil: um dos principais players do setor florestal; Crescimento na demanda por papel e celulose; Substituição das nativas pelas exóticas; Reduzir o impacto sobre as espécies nativas;

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais

DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO

DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO 8ª Festa do Eucalipto Salesópolis - SP 06 / 11/ 04 SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional

Leia mais

Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil

Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil XV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Fernando Henrique da Fonseca Presidente da ABRAF Empresas

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

LCF Economia de Recursos. Hilton Thadeu Z. do Couto

LCF Economia de Recursos. Hilton Thadeu Z. do Couto LCF 685 - Economia de Recursos Florestais Hilton Thadeu Z. do Couto 1 Recursos Florestais Florestas: NATIVAS e IMPLANTADAS produzem bens Diretos e Indiretos Para manejar essas florestas (produção contínua

Leia mais

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas Workshop Técnico de Celulose Campo Grande MS Março 2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS,

Leia mais

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas em Propriedades Agrícolas PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS E NÃO MADEIREIROS Prof. Geraldo Bortoletto Jr. FLORESTAS NO BRASIL (milhões ha) Florestas Naturais = 477,7 Florestas de proteção = 240,0 Florestas

Leia mais

O SETOR BRASILEIRO DE ÁRVORES PLANTADAS

O SETOR BRASILEIRO DE ÁRVORES PLANTADAS 2018 O SETOR BRASILEIRO DE ÁRVORES PLANTADAS Referência mundial por sua atuação pautada pela sustentabilidade, competitividade e inovação, a indústria brasileira de árvores plantadas está entre os principais

Leia mais

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Rubens Garlipp* XLIII Congresso da SOBER Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural Ribeirão Preto

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA www.sbs.org.br Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Associados e Colaboradores -Empresas e Associações de classe -Universidades

Leia mais

Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal

Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal 14º Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal 22/Agosto/06 GRUPO SUZANO 2 Grupo Suzano

Leia mais

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Doádi Antônio Brena, Engº Florestal, MSc., Dr. FIMMA BRASIL 2019 WORKSHOP

Leia mais

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Doádi Antônio Brena, Engº Florestal, MSc., Dr. FIMMA BRASIL 2019 WORKSHOP

Leia mais

Fausto Takizawa. Como chegamos até aqui e aonde queremos chegar?

Fausto Takizawa. Como chegamos até aqui e aonde queremos chegar? Fausto Takizawa Como chegamos até aqui e aonde queremos chegar? Área Plantada (ha) Em 10 anos: 3 X em área. Área Plantada (ha) & Produção (m 3 ) Em 10 anos: 3 X em área; 6 X em produção. Área Plantada

Leia mais

Soc o i c o i - o B - io i d o i d v i e v r e si s da d de do Brasil

Soc o i c o i - o B - io i d o i d v i e v r e si s da d de do Brasil Socio-Biodiversidade do Brasil Megabiodiversidade Brasileira BRASIL: Principais Estatísticas Ano Base 2008 População total 184 milhões Área total 851 milhões ha Área florestal por habitante 2,85 ha Proporção

Leia mais

POLÍTICAS PARA AS FLORESTAS PLANTADAS. João Antônio Fagundes Salomão

POLÍTICAS PARA AS FLORESTAS PLANTADAS. João Antônio Fagundes Salomão POLÍTICAS PARA AS FLORESTAS PLANTADAS João Antônio Fagundes Salomão Indicadores da indústria de base florestal Contribuição ao PIB R$ 69,1 bilhões (1,2% do PIB nacional e 6% do PIB industrial) Arrecadação

Leia mais

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS 4 TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS O projeto Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro de redução de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE), o Governo do Reino

Leia mais

Foto: Kátia Carvalheiro/BID INFORMATIVO TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS

Foto: Kátia Carvalheiro/BID INFORMATIVO TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS INFORMATIVO 4 TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS 2016 PROJETO PLANTIO DE FLORESTAS COMERCIAIS O PROJETO RURAL SUSTENTÁVEL Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro

Leia mais

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS ATUAÇÃO GLOBAL POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS Ivan Tomaselli stcp@stcp.com.br VII CONGESSO INTERNATIONAL DE COMPENSADOS E MADEIRA TROPICAL BELÉM- OUTUBRO 2007 ASPECTOS ABORDADOS

Leia mais

III Congresso Brasileiro de Eucalipto

III Congresso Brasileiro de Eucalipto III Congresso Brasileiro de Eucalipto Uso de Eucalipto em Consórcio com Nativas para Restauração Florestal em Áreas de Reserva Legal Vitória, 3 de Setembro de 2015 NOSSAS CRENÇAS MISSÃO VISÃO Desenvolver

Leia mais

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. SILV 02 Seleção de Espécies/Procedências e Clones

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. SILV 02 Seleção de Espécies/Procedências e Clones LCF1581-2016 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas SILV 02 Seleção de Espécies/Procedências e Clones Tópicos - Produtividade Florestal - Importância da Seleção de espécies e material genético -

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E POTENCIALIDADES DAS FLORESTAS PLANTADAS NO RIO GRANDE DO SUL

DISTRIBUIÇÃO E POTENCIALIDADES DAS FLORESTAS PLANTADAS NO RIO GRANDE DO SUL DISTRIBUIÇÃO E POTENCIALIDADES DAS FLORESTAS PLANTADAS NO RIO GRANDE DO SUL Leonel Freitas Menezes Comitê da Indústria de Base Florestal e Moveleira - FIERGS 11º Encontro da Cadeia Produtiva de Base Florestal

Leia mais

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. SILV 02 Seleção de Espécies/Procedências e Clones

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. SILV 02 Seleção de Espécies/Procedências e Clones LCF1581-2017 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas SILV 02 Seleção de Espécies/Procedências e Clones Tópicos - Produtividade Florestal - Importância da Seleção de espécies e material genético -

Leia mais

Florestas Plantadas no Brasil. José Roberto S. Scolforo Prof. Titular em Biometria, Inventário e Manejo Florestal

Florestas Plantadas no Brasil. José Roberto S. Scolforo Prof. Titular em Biometria, Inventário e Manejo Florestal Florestas Plantadas no Brasil José Roberto S. Scolforo Prof. Titular em Biometria, Inventário e Manejo Florestal Florestas e abastecimento global de madeira Área de florestas existentes (2005) -Naturais

Leia mais

Cadeia Produtiva de Madeira na Amazônia Brasileira

Cadeia Produtiva de Madeira na Amazônia Brasileira Cadeia Produtiva de Madeira na Amazônia Brasileira Marie Gabrielle Piketty CIRAD-USP Baseado sobre trabalhos liderados pelo IMAZON, Belém, Para Entre outros: Lentini M., Verissimo A., Sobral L, 2003. Fatos

Leia mais

O SETOR FLORESTAL PRIVADO BRASILEIRO E OS DESAFIOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO

O SETOR FLORESTAL PRIVADO BRASILEIRO E OS DESAFIOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO O SETOR FLORESTAL PRIVADO BRASILEIRO E OS DESAFIOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO * Rubens C. Garlipp I Simpósio Ibero-Americano de Gestão e Economia Florestal Porto Seguro - BA 4 de julho de 2001 * Eng o

Leia mais

222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados. 2,2 milhões de hectares de área plantada para fins industriais

222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados. 2,2 milhões de hectares de área plantada para fins industriais II Encontro Brasileiro de Silvicultura (EBS) Setor de Celulose e Papel João Comério 11 de abril, 2011 Dados do Setor 222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados 2,2 milhões

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS A VISÃO DA INDÚSTRIA PLANTAÇÕES FLORESTAIS

CADEIAS PRODUTIVAS A VISÃO DA INDÚSTRIA PLANTAÇÕES FLORESTAIS CADEIAS PRODUTIVAS A VISÃO DA INDÚSTRIA PLANTAÇÕES FLORESTAIS * Rubens C. Garlipp Curitiba /PR Março 2001 * Engº. Florestal Sociedade Brasileira de Silvicultura SETOR FLORESTAL BRASILEIRO 1. Dados SócioEconômicos

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA

VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA São Paulo-SP 30 de junho de 2010 Rubens Garlipp - Sociedade Brasileira de Silvicultura FUNÇÕES DAS FLORESTAS PLANTADAS PRODUÇÃO ECONÔMICA Foto: Grupo Nueva

Leia mais

SILVICULTURA DE PINUS

SILVICULTURA DE PINUS M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L SILVICULTURA DE PINUS Preparado para o SEMANA DA AGRONOMIA São José do Rio Preto - 23 de outubro de 2008 AS FLORESTAS NO MUNDO E O

Leia mais

O Setor de Celulose e Papel

O Setor de Celulose e Papel O Setor de Celulose e Papel Polpa e Papel 2016.2 Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Setor de Ciências Agrárias UFPR klockuer@ufpr.br ou klockuer@gmail.com Prof. Dr. Umberto Klock CADEIA

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Membro do CONAMA, CONAFLOR, CERFLOR, FCMM, CGFLOP AÇÕES Política e legislação florestal brasileira

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CDM: OPORTUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

FLORESTAS PLANTADAS E CDM: OPORTUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FLORESTAS PLANTADAS E CDM: OPORTUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Rubens C. Garlipp * 4ª Semana do Meio Ambiente FIESP/CIESP 07 de junho de 2002 - São Paulo - SP * Engº Florestal - Superintendente

Leia mais

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas 12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL Política Agrícola para Florestas Plantadas Florestas Plantadas Legislação Lei 12.187/2009 Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC

Leia mais

Logística no Setor Brasileiro de Árvores Plantadas

Logística no Setor Brasileiro de Árvores Plantadas Logística no Setor Brasileiro de Árvores Plantadas 13º Seminário Internacional em Logística Agroindustrial: Logística Florestal Beatriz Palatinus Milliet Piracicaba, 21 de março de 2016 1 Ibá - Indústria

Leia mais

Fórum Nacional Sobre Fomento Florestal

Fórum Nacional Sobre Fomento Florestal O FOMENTO FLORESTAL NA VISÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Rubens Garlipp* Fórum Nacional Sobre Fomento Florestal Belo Horizonte 21 a 23 de junho 2006 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade

Leia mais

Melhoramento de espécies florestais

Melhoramento de espécies florestais Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies florestais Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 MERCADO FLORESTAL Tendências para os Próximos Anos para as Florestas Plantadas Jefferson Dorigon Garcia jgarcia@stcp.com.br 23 Novembro 2016 Carambeí, PR 3 1. FLORESTAS PLANTADAS Brasil Paraná Campos

Leia mais

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura Silvicultura 105 106 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 CRESCIMENTO DO SETOR DE FLORESTAS PLANTADAS E REDUÇÃO DA INSEGURANÇA JURÍDICA SÃO PRINCIPAIS APOSTAS A redução dos investimentos em

Leia mais

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal José Totti Diretor Florestal 111 anos de tradição Maior produtora e exportadora e recicladora de papéis do País Líder na produção de papéis

Leia mais

O QUE É ILPF ILP IPF. A ILPF pode ser utilizada em diferentes configurações, combinando-se dois ou três componentes em um sistema produtivo:

O QUE É ILPF ILP IPF. A ILPF pode ser utilizada em diferentes configurações, combinando-se dois ou três componentes em um sistema produtivo: ILPF EM NÚM3R05 O QUE É ILPF A integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) é uma estratégia de produção agropecuária que integra diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais, dentro

Leia mais

as árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis

as árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis as árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis Setor florestal Sustentabilidade é o nosso negócio! O plantio de árvores para fins industriais representa um importante segmento produtivo

Leia mais

Tecnologias para uma Agricultura de Baixa Emissão de Carbono

Tecnologias para uma Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Tecnologias para uma Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Miguel Marques Gontijo Neto Eng.Agr., M.Sc., D.S., Pesquisador Embrapa Milho e Sorgo Luiz Adriano Maia Cordeiro Eng.Agr., M.Sc., D.S., Pesquisador,

Leia mais

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA, FLORESTA - ilpf

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA, FLORESTA - ilpf 2 TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA, FLORESTA - ilpf O projeto Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro de redução de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE), o

Leia mais

Biodiversidade e biocombustíveis. Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente

Biodiversidade e biocombustíveis. Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente Biodiversidade e biocombustíveis Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente DESAFIOS Continuidade da perda da biodiversidade (conversão do

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Hernon José Ferreira - Presidente Mercado Florestal A indústria de base florestal no Brasil vive um momento de franca expansão, devido principalmente

Leia mais

Indústria Brasileira de Árvores (IbÁ)

Indústria Brasileira de Árvores (IbÁ) Indústria Brasileira de Árvores (IbÁ) A Iniciativa Brasil Florestas Sustentáveis Apresentação para o Encontro Nacional do Diálogo Florestal O contexto: mudança do clima e o valor do carbono O contexto:

Leia mais

OS DESAFIOS DA SILVICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL

OS DESAFIOS DA SILVICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL OS DESAFIOS DA SILVICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE EMPRESAS FLORESTAIS Leonel F. Menezes - Presidente BARRA DO RIBEIRO, 7 de ABRIL DE 2011 AGEFLOR QUEM SOMOS: uma sociedade civil de

Leia mais

Agropecuária no Mato Grosso do Sul. Unidade Técnica e Econômica

Agropecuária no Mato Grosso do Sul. Unidade Técnica e Econômica Agropecuária no Mato Grosso do Sul Unidade Técnica e Econômica Agosto 2009 (histórico das últimas 29 safras) 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 Produção Total de Grãos 7,46 milhões de toneladas 80/09 = + 236

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS À EFETIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO EM FRENTES PIONEIRAS

A CONTRIBUIÇÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS À EFETIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO EM FRENTES PIONEIRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DA REGIÃO TOCANTINA DO MARANHÃO CENTRO DE CIENCIAS AGRARIAS CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL III SEMANA DE ESTUDO FLORESTAIS A CONTRIBUIÇÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS À EFETIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ANÁLISE DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL EM UNIDADES DE MANEJO FLORESTAL DE PLANTAÇÕES CERTIFICADAS PELO PADRÃO FSC NO BRASIL

ANÁLISE DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL EM UNIDADES DE MANEJO FLORESTAL DE PLANTAÇÕES CERTIFICADAS PELO PADRÃO FSC NO BRASIL ANÁLISE DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL EM UNIDADES DE MANEJO FLORESTAL DE PLANTAÇÕES CERTIFICADAS PELO PADRÃO FSC NO BRASIL Laiza Santos Dagnaisser 1, Diune Bueno de Albuquerque 1, Vanessa Maria Basso

Leia mais

XVI Seminário de Atualização Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte florestal

XVI Seminário de Atualização Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte florestal XVI Seminário de Atualização Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte florestal Mario Eugenio Lobato Winter Campinas - 11/04/2011 1 Temas a Serem Abordados Dependência de combustíveis fósseis Siderurgia

Leia mais

63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Maceió - AL. 23 de agosto 2006

63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Maceió - AL. 23 de agosto 2006 OS ASPECTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS DOS PLANTIOS FLORESTAIS Rubens Garlipp* 63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia Maceió - AL 23 de agosto 2006 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade

Leia mais

COBERTURA FLORESTAL DO PARANÁ FLORESTAS NATIVAS E PLANTADAS

COBERTURA FLORESTAL DO PARANÁ FLORESTAS NATIVAS E PLANTADAS PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS DOIS VIZINHOS LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO COBERTURA FLORESTAL DO PARANÁ FLORESTAS

Leia mais

Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal

Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal Carlos Fabiano Rozindo Cardoso Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal José Humberto Chaves Coordenador Geral de

Leia mais

ECONOMIA VERDE NA AMAZÔNIA: DESAFIOS NA VALORIZAÇÃO DA FLORESTA EM PÉ CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO BANCO MUNDIAL

ECONOMIA VERDE NA AMAZÔNIA: DESAFIOS NA VALORIZAÇÃO DA FLORESTA EM PÉ CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO BANCO MUNDIAL ECONOMIA VERDE NA AMAZÔNIA: DESAFIOS NA VALORIZAÇÃO DA FLORESTA EM PÉ CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO BANCO MUNDIAL Adriana Moreira, Banco Mundial Carlos Klink IFC NIVEL FEDERAL Programa de Áreas Protegidas da Amazônia

Leia mais

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul 1 Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul Luiz Calvo Ramires Junior 1 1. Caracterização da Atividade Florestal Brasileira DADOS SOCIOECONÔMICOS PIB Florestal = US$ 21 bilhões

Leia mais

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Ministério da Agricultura/EMBRAPA Casa Civil MMA/MDA/MME/ Celso Vainer Manzatto Embrapa Meio Ambiente www.cnpma.embrapa.br

Leia mais

Aula Bioma e Vegetação. Prof. Diogo

Aula Bioma e Vegetação. Prof. Diogo Aula Bioma e Vegetação Prof. Diogo Mapa Mundo Vegetação Classificação dos Vegetais Existem várias formas de classificação: 1º Porte: - Herbácea (correspondem áreas campestres). - Arbóreas (áreas de florestas).

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS Cursos de Graduação - ESALQ Enga.. Agronômica: 1093 (1901) Enga.. Florestal: 229 (1971) Ciências

Leia mais

Reserva Legal e Sustentabilidade

Reserva Legal e Sustentabilidade Reserva Legal e Sustentabilidade Palestrante: José Medina Uberlândia, novembro de 2009 O que é sustentabilidade? Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Nações Unidas (1987) Suprir as necessidades

Leia mais

Síglia Regina Souza / Embrapa. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) Sustentabilidade do agronegócio com preservação ambiental

Síglia Regina Souza / Embrapa. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) Sustentabilidade do agronegócio com preservação ambiental Síglia Regina Souza / Embrapa Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) Sustentabilidade do agronegócio com preservação ambiental 1 Síglia Regina Souza / Embrapa O que é Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Leia mais

Pesquisador da Embrapa Florestas

Pesquisador da Embrapa Florestas -A CADEIA PRODUTIVA DAS FLORESTAS Edson Tadeu Id Iede- Pesquisador da Embrapa Florestas - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- EMBRAPA Criada em 26/04/1973 Tecnologias para a agricultura brasileira:

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 5º CONGRESSO MS FLORESTAL Setor Florestal em Mato Grosso do Sul Ontem, Hoje e Amanhã Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 5 de Setembro de 217 Campo Grande, MS 3 CONTEÚDO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INFORMATIVO 2 Foto: M. Vilar/BID Foto : K.Carvalheiro/BID TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA E FLORESTA ilpf 2016 PROJETO IMPORTÂNCIA DA INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA FLORESTA ilpf

Leia mais

Realização: Execução:

Realização: Execução: Realização: Execução: 1 INTRODUÇÃO PROMOTORES: SEBRAE/MS, REFLORE/MS, FAMASUL, FIEMS, BANCO DO BRASIL, GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL AVALIAÇÃO: O SETOR FLORESTAL É DE VITAL IMPORTÂNCIA PARA O

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

Políticas ticas Públicas para o Setor Florestal Linhas de Crédito. dito. 27 de outubro de 2006 ESALQ - PIRACICABA

Políticas ticas Públicas para o Setor Florestal Linhas de Crédito. dito. 27 de outubro de 2006 ESALQ - PIRACICABA PROGRAMA NACIONAL DE FLORESTAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Políticas ticas Públicas para o Setor Florestal Linhas de Crédito dito 27 de outubro de 2006 ESALQ - PIRACICABA SITUAÇÃO ATUAL DOS BIOMAS

Leia mais

FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR O SUCESSO DE UM EMPREENDIMENTO FLORESTAL

FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR O SUCESSO DE UM EMPREENDIMENTO FLORESTAL 4 Workshop Internacional de Mogno Africano FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR O SUCESSO DE UM EMPREENDIMENTO FLORESTAL Dr. Jorge R. Malinovski São Paulo, 29 de Abril de 2016 SUMÁRIO 4 Workshop Internacional

Leia mais

Associação de Recuperação Florestal do Pontal do Paranapanema (PONTAL FLORA)

Associação de Recuperação Florestal do Pontal do Paranapanema (PONTAL FLORA) Instrumentos Institucionais para o Desenvolvimento dos Proprietários de Pequenas Terras com Vocação Florestal Estudo de Caso de Integração Horizontal: Associação de Recuperação Florestal do Pontal do Paranapanema

Leia mais

5% Plantada 35% Plantada 65% Nativa. 95% Nativa

5% Plantada 35% Plantada 65% Nativa. 95% Nativa Introdução à Eucaliptocultura 11ª. Reunião de Atualização em Eucaliptocultura 9 a 11 de Novembro de 2.010 Introdução à Eucaliptocultura - Potencial Plantadas; Econômico das Florestas - Importância Brasil;

Leia mais

Funções das Florestas Plantadas para Atendimento das Futuras Demandas da Sociedade

Funções das Florestas Plantadas para Atendimento das Futuras Demandas da Sociedade Funções das Florestas Plantadas para Atendimento das Futuras Demandas da Sociedade 5º CONGRESSO INTERNACIONAL de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL da INDÚSTRIA de BASE FLORESTAL e de GERAÇÃO DE ENERGIA São Paulo-SP

Leia mais

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste O IPAM Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) Organização científica, sem fins lucrativos; Fundada em 1995;

Leia mais

O SETOR FLORESTAL E O CÓDIGO FLORESTAL

O SETOR FLORESTAL E O CÓDIGO FLORESTAL O SETOR FLORESTAL E O CÓDIGO FLORESTAL REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA TEMPORÁRIA DE REVISÃO DO CÓDIGO FLORESTAL - CONAMA CONTRIBUIÇÃO DA SBS Brasília - Agosto / 99 Sociedade Brasileira de Silvicultura 1 O PROCESSO

Leia mais

Grãos no Brasil Desafios e Oportunidades Futuros Luiz Lourenço. Maringá (PR) Agosto 2012

Grãos no Brasil Desafios e Oportunidades Futuros Luiz Lourenço. Maringá (PR) Agosto 2012 Grãos no Brasil Desafios e Oportunidades Futuros Luiz Lourenço Maringá (PR) Agosto 2012 Evolução da Cadeia Produtiva do Agronegócio 1. Brasil e Grãos (1976/77 a 2012/13) Nesses anos: Recordes sucessivos

Leia mais

Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário

Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário Grãos, Proteína Animal, Floresta Plantada e Palma Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário São Paulo 3/08/2015 Rodrigo C. A. Lima Leila Harfuch Luciane Chiodi Wilson Zambianco

Leia mais

Marlene Soranso Engenheira Agrônoma

Marlene Soranso Engenheira Agrônoma AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM CULTURA

Leia mais

A falta de investimentos como ameaça à integridade do Cerrado

A falta de investimentos como ameaça à integridade do Cerrado A falta de investimentos como ameaça à integridade do Cerrado Gustavo A.B. Fonseca Fundo Global do Meio Ambiente - GEF Ricardo B. Machado Alexandre Prado Conservação Internacional Estrutura Importância

Leia mais

Economia Climática. Perspectiva macroeconômica Brasil

Economia Climática. Perspectiva macroeconômica Brasil O Setor Florestal Brasileiro Tendências e Perspectivas para a próxima Década Abril 2011 Economia Climática Perspectiva macroeconômica Brasil Estima-sequesemmudançadoclimaoPIB brasileiro em 2050 será de

Leia mais

Aula Bioma e Vegetação. Prof. Diogo Máximo

Aula Bioma e Vegetação. Prof. Diogo Máximo Aula Bioma e Vegetação Prof. Diogo Máximo Biosfera É a interação entre: - Clima (sucessão de tempos). - Solo (elemento de sustentação e nutrição). - Relevo (interfere diretamente no clima) Mapa Mundo Biomas

Leia mais

OS RISCOS DE UM APAGÃO FLORESTAL

OS RISCOS DE UM APAGÃO FLORESTAL OS RISCOS DE UM APAGÃO FLORESTAL Oferta e Demanda de Madeira no Brasil e na Região Sul Freitas, PhD Sociedade Brasileira de Silvicultura SOCIEDADE BRASILERIA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do

Leia mais

SERVICOS ECOSSITEMICOS E SUA IMPORTANCIA. Angélica María Mosquera Muñoz Bióloga Estudante mestrado de PGT UFABC

SERVICOS ECOSSITEMICOS E SUA IMPORTANCIA. Angélica María Mosquera Muñoz Bióloga Estudante mestrado de PGT UFABC SERVICOS ECOSSITEMICOS E SUA IMPORTANCIA Angélica María Mosquera Muñoz Bióloga Estudante mestrado de PGT UFABC DEFINIÇÃO Os serviços ecossistêmicos representa os benefícios que os indivíduos obtêm dos

Leia mais

Oportunidades de Negócios com Pinus elliottii

Oportunidades de Negócios com Pinus elliottii Oportunidades de Negócios com Pinus elliottii Paulo Cesar Nunes Azevedo Engenheiro Agrônomo Lei 5.106 - Lei de Incentivos Fiscais ao Reflorestamento Início da resinagem e comercialização de madeira na

Leia mais

Cenários Setoriais. Florestas.

Cenários Setoriais. Florestas. Cenários Setoriais Florestas www.celso-foelkel.com.br FLORESTAS PLANTADAS Uma riqueza nacional e uma estratégia para o desenvolvimento do País EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Em bilhões de dólares/ano 90 80 70

Leia mais

Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono

Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA DIVISÃO DE POLÍTICA, PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO COORDENAÇÃO DO PLANO ABC NO RIO GRANDE DO SUL Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono -Plano

Leia mais

Número 2 Ano 2 Janeiro a Março de M e r c a d o F l o r e s t a l Certificado

Número 2 Ano 2 Janeiro a Março de M e r c a d o F l o r e s t a l Certificado Número 2 Ano 2 Janeiro a Março de 2009 M e r c a d o F l o r e s t a l Certificado 1. In t r o d u ç ã o É com satisfação que divulgamos esta segunda edição do boletim Mercado Florestal Certificado. Concebido

Leia mais

Diretrizes para uma Economia Verde no Brasil Parte II Agronegócio e Agricultura Familiar

Diretrizes para uma Economia Verde no Brasil Parte II Agronegócio e Agricultura Familiar Diretrizes para uma Economia Verde no Brasil Parte II Agronegócio e Agricultura Familiar Susian Martins Rio de Janeiro, Novembro de 2014 FBDS-RJ ECONOMIA VERDE NO BRASIL - AGRONEGÓCIO E AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

Pinus: uma. floresta sustentável

Pinus: uma. floresta sustentável Pinus: uma floresta sustentável o conceito da produção sustentável 11 Os diferentes produtos de origem florestal, sejam para fins energéticos, construções, mobiliário, papel, chapas ou processamento mecânico,

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

O AGRONEGÓCIO EM MATO GROSSO

O AGRONEGÓCIO EM MATO GROSSO O AGRONEGÓCIO EM MATO GROSSO Sistema Famato Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso. Criada em 1965, é a representante máxima da estrutura que compõe o Sistema Sindical Rural do Estado

Leia mais

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ 14 Encontro de Energia - FIESP GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO: UMA ANÁLISE PELO LADO DA DEMANDA Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ São Paulo 5 de Agosto de 2013 PLANO DA APRESENTAÇÃO O que

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina AGR480 Silvicultura Geral

Programa Analítico de Disciplina AGR480 Silvicultura Geral 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 5 Períodos - oferecimento: I

Leia mais