12/08/ MANGANÊS. Na natureza pode ocorrer em até sete valências. Nutrição Mineral de Plantas Manganês, Molibdênio, Zinco e Níquel.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "12/08/ MANGANÊS. Na natureza pode ocorrer em até sete valências. Nutrição Mineral de Plantas Manganês, Molibdênio, Zinco e Níquel."

Transcrição

1 1 MANGANÊS Nutrição Mineral de Plantas Manganês, Molibdênio, Zinco e Níquel Josinaldo Lopes Araujo Na natureza pode ocorrer em até sete valências. No solo: Mn 2+, Mn 3+ (Mn 2 O 3. nh 2 O) e Mn 4+ (MnO 2. nh 2 O). Causas de deficiência:. supercalagem (plantio direto superficial). seca (oxidação: Mn 2+ + O 2 => Mn 3+ ) Absorção: Mn 2+ Transporte: Mn 2+ xilema Redistribuição: pouco móvel Inibição competitiva com Fe Nível adequado: 10 a 20 ppm na MS Nível tóxico: 100 a ppm na MS 1

2 b) Funções do Mn cofator de enzimas fosforilativas (= Mg) => Fosfoquinases (transferase do Pi do ATP) => Fosfotransferases fotólise da água no FSII - Mn => < ATP (< fotofosforilação) => < fixação de CO 2 => acúmulo de NO 3- (< e - via ferredoxina) =>Prejuízo na redução do sulfato Cu -Mn=> diminuição da síntese de ATP na fotossíntese Efeito da remoção e ressuprimento de Mn sobre o teor de Mn, clorofila e evolução de O 2 em plantas jovens de Trifolium subterraneum. Fonte: Marschner (1995). 2

3 Síntese de RNA. polimerase do RNA (ativada pelo Mn: + eficiente que Mg) Mn-SOD (SOD contendo Mn) => Proteção contra formas reativas de O 2 Ciclo de Krebs (CAT) Malato + NADP + Piruvato + NADPH + H + + CO 2 Enzima málica (Mn, Mg) Isocitrato + NADP + Oxalosuccinato+ NADPH Desidrogenase do isocitrato (Mn, Mg) c) Sintomas deficiência e toxidez de Mn - deficiência: pouco móvel => folhas novas => clorose internerval = reticulado grosso - toxidez: solos ácidos => 1º sintoma = deficiência de Fe induzida => folhas + novas = pontuações marrons => evolução = folhas encarquilhadas 3

4 2 MOLIBDÊNIO Elemento de transição (Mo-IV e MO-V) Nutriente menos exigido (exceto Ni) Cuidados => brássicas (couve, nabo, rabanete, etc.) =>leguminosas Calagem aumenta disponibildade Absorção: MoO 4 2- Transporte: MoO 2-4 => complexado com a.a e compostos poli-oh Redistribuição: moderadamente móvel Funções do Mo Componente de enzima: => Nitrogenase (Nase) (Mo e Fe): FBN N 2 Nase => 2NH 3 4

5 Efeito da adubação com nitrogênio e Mo no processo de fixação biológica e produção de amendoim. Tratamentos Peso seco de nódulos (mg /palnta) Nitrogenase (µmol C 2 H 4 g nódulo fresco) N foliar (mg/g matéria seca) Produção de vagens (kg/ha) Controle N (60 kg/ha) Mo(100 g/ha na semente) Fonte: Modificada de Marschner (1995). Redutase do Nitrato (RNO 3 ) NO H e - ==> NO 2- + H 2 O 2H + NAD(P)H+H + NAD(P) + FAD + FADH 2 2citocromo-b Fe +2 2citocromo-b Fe +3 Mo +6 Mo +4 2é +3 NO 2- + H 2 O +5 NO - 3 Figura 5 Grupos Prostéticos da redutase do NO 3- e a sequência de reações de oxirredução FONTE: Mengel & Kirby, 1987 em Faquin,

6 => Outras funções do Mo - Xantina oxidase/desidrogenase - Redutase do sulfito - Síntese do ácido ascórbico (vitamina C), açúcares (c) Sintomas de deficiência de Mo Folhas velhas: => leguminosas deficiência de N => clorose malhada, manchas amarelo- esverdeadas entre nervuras e necrose. Folhas novas: => encurvamento bordos para cima (tomate), para baixo (cafeeiro) Sintomas de deficiência de molibdênio em tomateiro 3 ZINCO Solo Solos tropicais: baixa disponibilidade Adsorção na argila (goethita) e na M.O Solução do solo: 10-8 a 10-6 mol/l Forma complexos orgânicos solúveis A calagem pode diminuir a disponibilidade Planta Deficiência no campo é comum Nível adequado: 20 a 120 mg/kg na MS Deficiência: < 20 mg/kg 6

7 a) Absorção, transporte e redistribuição Absorção: Zn 2+ - Ativo ou passivo? - Inibido por cátions - Deficiência induzida pelo P: precipitação, diluição e inibição não competitiva Transporte: xilema como Zn 2+ Redistribuição - Pouco móvel - Sintoma de carência em folhas novas b) Funções principal função: Componente e ativador enzimático. algumas enzimas: desidrogenases, sintetases, carboxilases, isomerases, Síntese proteica: - Componente da RNA-polimerase. 7

8 - Constituinte dos ribossomos: atua na integridade Regula a atividade das RNAases CuZn- SOD catalase Efeito do Zn sobre o crescimento, atividade da Rnase e N-protéico em Glicine wighll. 8

9 c) Metabolismo de auxinas Deficiência de Zn=> menos AIA Indol + serina sintetase do => triptofano => AIA triptofano (+ Zn) e) Outras enzimas contendo Zn ->Desidrogenase alcoólica CO 2 NADH NAD + Piruvato --- acetaldeído --- Etanol -> Anidrase Carbônica (Citoplasma e cloroplasto) CO 2 + H 2 O HCO 3- + H + -> fosfatase alcalina, fosfolipase, carboxipepidase 9

10 d) Sintomas de deficiência Menor divisão e elongação celular Encurtamento dos internódios Folhas novas pequenas Folhas novas cloróticas e lanceoladas Plantas anãs (milho, arroz, cana-de-açúcar) Níquel Em geral < 100 ppm no solo Toxidez pode ocorrer em solos originados de rochas ultrabásicas (ricas em Ni). Absorvido como Ni 2+: compete com outros cátions. Redistribuição: Móvel no floema Função Componente da urease Controle dos níveis tóxicos de ureia nos tecidos 10

11 Níquel Deficiência: Lesões necróticas nos folíolos Clorose nas folhas novas e necrose em meristemas Toxidez: Deficiência induzida de Fe e Zn Gramíneas: clorose ao longo das nervuras Dicotiledôneas: clorose internerval (como no Mn) 11

Nutrição Mineral de Plantas 61/T

Nutrição Mineral de Plantas 61/T Nutrição Mineral de Plantas 61/T FERRO CAMPO: deficiência rara ABSORÇÃO: Fe 2+, quelatizado TRANSPORTE: quelato REDISTRIBUIÇÃO: pouco móvel FUNÇÕES Grupo prostético de enzimas Citocromos (cloroplastos,

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL. Enga Agra Clélia Maria Mardegan

PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL. Enga Agra Clélia Maria Mardegan PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL Enga Agra Clélia Maria Mardegan COMO FAZER PARA AUMENTAR NOSSA PRODUTIVIDADE? Nitrogênio Funções - faz parte da composição das proteínas (estrutural);

Leia mais

Definição de elemento essencial

Definição de elemento essencial UNIDADE IV NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS ELEMENTOS ESSENCIAIS 4. ELEMENTOS ESSENCIAIS 4.1. DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO 4.2. TÉCNICAS UTILIZADAS NO ESTUDO DA NUTRIÇÃO MINERAL 4.3. RELAÇÃO SINTOMA x FUNÇÃO 4.4.

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO

DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas NITROGÊNIO 21/T DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas NITROGÊNIO 22/T DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas 23/T FÓSFORO P no solo + limitante

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

CICLO DO NITROGÊNIO RELAÇÃO DE DEPENDÊNICIA ENTRE OS COMPOSTOS NITROGENADOS DA BIOSFERA - NITRATO NO 2 NO 3 - NITRITO NH 3 - AMÔNIA

CICLO DO NITROGÊNIO RELAÇÃO DE DEPENDÊNICIA ENTRE OS COMPOSTOS NITROGENADOS DA BIOSFERA - NITRATO NO 2 NO 3 - NITRITO NH 3 - AMÔNIA CICLO DO NITROGÊNIO RELAÇÃO DE DEPENDÊNICIA ENTRE OS COMPOSTOS NITROGENADOS DA BIOSFERA N 2 NITROGÊNIO MOLECULAR INORGÂNICOS NO 3 NITRATO NO 2 NITRITO NH 3 AMÔNIA ORGÂNICOS AMINOÁCIDOS, AMINAS, ALCALÓIDES,

Leia mais

Nutrição Mineral de Plantas

Nutrição Mineral de Plantas 02/09/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE DE PERNAMBUCO PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DEPARTAMENTODE DE BOTÂNICA BOTÂNICA DISCIPLINADE

Leia mais

Assimilação de Nutrientes Minerais

Assimilação de Nutrientes Minerais Assimilação de Nutrientes Minerais plantas são organismos fotoautoróficos: todos os compostos orgânicos necessários são formados em seu próprio corpo (macro e micro moléculas) a energia necessária para

Leia mais

Série tecnológica cafeicultura. Deficiências nutricionais Macronutrientes

Série tecnológica cafeicultura. Deficiências nutricionais Macronutrientes Série tecnológica cafeicultura Deficiências nutricionais Macronutrientes SÉRIE TECNOLÓGICA CAFEICULTURA DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS MACRONUTRIENTES NITROGÊNIO É um nutriente altamente exigido e o mais acumulado

Leia mais

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert;

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 1º ano Disciplina: Biologia 2. TEMA

Leia mais

Nutrição Mineral. Macronutrientes e micronutrientes na maturação da cana-de-açúcar. Prof. Dr. Carlos Alexandre Costa Crusciol

Nutrição Mineral. Macronutrientes e micronutrientes na maturação da cana-de-açúcar. Prof. Dr. Carlos Alexandre Costa Crusciol Nutrição Mineral Macronutrientes e micronutrientes na maturação da cana-de-açúcar Prof. Dr. Carlos Alexandre Costa Crusciol Co-autores: Dr. Gerardo Espinoza Dra. Gabriela Ferraz de Siqueira INTRODUÇÃO

Leia mais

Micronutrientes para o cafeeiro: tópicos para discussão

Micronutrientes para o cafeeiro: tópicos para discussão Micronutrientes para o cafeeiro: tópicos para discussão ESALQ - USP Produção Vegetal julho - 2010 Prof. Dr. José Laércio Favarin Pesquisador Milton Ferreira Moraes Mestrando Tiago Tezotto Calagem Interação

Leia mais

Requisitos de Clima e Solo da espécie

Requisitos de Clima e Solo da espécie Requisitos de Clima e Solo da espécie Clima O amendoim forrageiro apresenta ampla faixa de adaptação, desenvolvendo-se bem desde o nível do mar até aproximadamente 1.800 m de altitude, em áreas com precipitação

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia Coorientador: Flávio Ferlini Salles RELEVÂNCIA O solo é importante

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS EM FERTILIZANTES. Uréia revestida com boro e cobre

NOVAS TECNOLOGIAS EM FERTILIZANTES. Uréia revestida com boro e cobre Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo NOVAS TECNOLOGIAS EM FERTILIZANTES Prof. Milton F. Moraes UFPR - Campus Palotina Programa de Pós-Graduação Ciência do Solo Curitiba-PR,

Leia mais

Documentos231. Deficiências e Toxicidades de Nutrientes em Plantas de soja. Descrição dos sintomas e ilustração com fotos

Documentos231. Deficiências e Toxicidades de Nutrientes em Plantas de soja. Descrição dos sintomas e ilustração com fotos Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1516-781X Junho, 2004 Documentos231 Deficiências e Toxicidades de

Leia mais

27/09/2013. Fisiologia de plantas forrageiras

27/09/2013. Fisiologia de plantas forrageiras UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Aula 3 1 1 Os fracassos quanto à persistência de plantas forrageiras são,

Leia mais

MÓDULO 2 - METABOLISMO. Bianca Zingales IQ-USP

MÓDULO 2 - METABOLISMO. Bianca Zingales IQ-USP MÓDULO 2 - METABOLISMO Bianca Zingales IQ-USP INTRODUÇÃO AO METABOLISMO CARACTERÍSTICAS DO SER VIVO 1- AUTO-REPLICAÇÃO Capacidade de perpetuação da espécie 2- TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA O ser vivo extrai

Leia mais

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 SUMÁRIO SOLO NUTRIENTES PLANTA SOLO SOLO MATÉRIA ORGÂNICA ph do SOLO MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

Nutrição e fertilização de orquídeas Estudo de caso Cattleya walkeriana

Nutrição e fertilização de orquídeas Estudo de caso Cattleya walkeriana Núcleo de Pesquisa e Conservação de Orquídeas - Universidade Federal de Viçosa (NPCO UFV) Nutrição e fertilização de orquídeas Estudo de caso Cattleya walkeriana André Ferreira Santos Viçosa-MG Março 2010

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RIZOSFERA NA ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES

IMPORTÂNCIA DA RIZOSFERA NA ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES IMPORTÂNCIA DA RIZOSFERA NA ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES A rizosfera é a zona de límite l ou de interface entre o solo e a planta. Se extende de 1 a 4 mm desde a superfície da raíz z e tem propiedades químicas

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA TRATAMENTO EM CANA-PLANTA objetivos oferecer produtos que estimulem a emissão de raízes iniciais do tolete; aumentar a velocidade de brotação

Leia mais

CATÁLOGO DE SOJA Nº 1 JULHO 2014

CATÁLOGO DE SOJA Nº 1 JULHO 2014 CATÁLOGO DE SOJA Nº 1 JULHO 2014 1 CATÁLOGO DE SOJA Nº 1 JULHO 2014 2 ÍNDICE 1. Introdução 04 2. Grupo Bio Soja 05 2.1. Histórico 05 2.2. Política de qualidade 07 2.3. Unidades industriais 08 3. Nutrição

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL FOTOSSÍNTESE MINERAL OTOSSÍNTESE, RESPIRAÇÃO HÍDRICAS E NUTRIÇÃO

FISIOLOGIA VEGETAL FOTOSSÍNTESE MINERAL OTOSSÍNTESE, RESPIRAÇÃO HÍDRICAS E NUTRIÇÃO Fisiologia Vegetal: Fotossíntese, respiração, relações hídricas e nutrição mineral 1 FISIOLOGIA VEGETAL FOTOSSÍNTESE OTOSSÍNTESE, RESPIRAÇÃO ESPIRAÇÃO, RELAÇÕES HÍDRICAS E NUTRIÇÃO MINERAL Fisiologia Vegetal:

Leia mais

Perspectivas de uso de métodos m diagnósticos alternativos: testes bioquímicos

Perspectivas de uso de métodos m diagnósticos alternativos: testes bioquímicos Perspectivas de uso de métodos m diagnósticos alternativos: testes bioquímicos APRESENTAÇÃO Prof. Dr. JAIRO O. CAZETTA Departamento de Tecnologia Unesp Campus de Jaboticabal Capítulo 6 Perspectivas de

Leia mais

MAGNÉSIO E AS ALTAS PRODUTIVIDADES DO CAFEEIRO

MAGNÉSIO E AS ALTAS PRODUTIVIDADES DO CAFEEIRO MAGNÉSIO E AS ALTAS PRODUTIVIDADES DO CAFEEIRO André Guarçoni M. D.Sc. em Solos e Nutrição de Plantas Pesquisador do Incaper 1) Magnésio no Solo Em geral, o magnésio (Mg) é o 8º mineral em abundância na

Leia mais

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo 1 ASPECTOS GERAIS - MOS todos os compostos orgânicos do solo - Influência os atributos do solo - Teor no solo amplamente variável (0,5

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: V Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina: Nutrição Mineral de Plantas Carga Horária: 60 horas/aula

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: V Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina: Nutrição Mineral de Plantas Carga Horária: 60 horas/aula PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Agronomia Professores: Atsuo Suzuki Suzuki@epagri.sc.gov.br Período/ Fase: V Semestre: 1º Ano: 2011

Leia mais

Universidade Federal do Paraná-UFPR. Departamento de Solos Disciplina: Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Professor: Volnei Pauletti

Universidade Federal do Paraná-UFPR. Departamento de Solos Disciplina: Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Professor: Volnei Pauletti Universidade Federal do Paraná-UFPR. Departamento de Solos Disciplina: Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE Professor: Volnei Pauletti Bárbara Sloboda INTRODUÇÃO O enxofre é encontrado no solo em combinações

Leia mais

FT - Fotossíntese 10º BG. Fotossíntese e a relação com a respiração: Localização da fotossíntese: Estrutura do Cloroplasto.

FT - Fotossíntese 10º BG. Fotossíntese e a relação com a respiração: Localização da fotossíntese: Estrutura do Cloroplasto. Fotossíntese e a relação com a respiração: Localização da fotossíntese: Estrutura do Cloroplasto Os principais acontecimentos da fotossíntese são: A absorção da energia da luz pela clorofila; Oxidação

Leia mais

Gliconeogênese. Gliconeogênese. Órgãos e gliconeogênese. Fontes de Glicose. Gliconeogênese. Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia

Gliconeogênese. Gliconeogênese. Órgãos e gliconeogênese. Fontes de Glicose. Gliconeogênese. Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia Gliconeogênese Alexandre Havt Gliconeogênese Fontes de Energia para as Células Definição Via anabólica que ocorre no fígado e, excepcionalmente

Leia mais

CITOLOGIA IV (UECE/ENEM) Profa Eduarda de Souza

CITOLOGIA IV (UECE/ENEM) Profa Eduarda de Souza CITOLOGIA IV (UECE/ENEM) Profa Eduarda de Souza Alimentos e Energia Ligações químicas Metabolismo Metabolismo capacidade de transformar substâncias de acordo com o interesse Anabolismo: produção de novas

Leia mais

Inicialmente: realizada de forma subjetiva e empírica como referência o desenvolvimento da vegetação.

Inicialmente: realizada de forma subjetiva e empírica como referência o desenvolvimento da vegetação. Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: produção, eficiência e gestão Módulo I FERTILIDADE DO SOLO PARA PRODUÇÃO DE FORRAGEIRAS Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena

Leia mais

A energética celular:

A energética celular: A energética celular: o papel das mitocôndrias e cloroplastos Capitulo 13 (p 427 a 444) e Capitulo 14 Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição A energética celular Como já vimos anteriormente

Leia mais

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H.

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H. METABOLISMO CELULAR É o conjunto de reações químicas que ocorrem na célula para que ela possa desempenhar suas atividades. + Pi + Energia As moléculas de não podem ser estocadas, desse modo, as células

Leia mais

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Metabolismo Celular: Respiração e Fotossíntese Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto MAR/2011 Aspectos Gerais da Fotossíntese Fotossíntese ntese: do grego, photos, luz, e syntithenai,

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos. Prof. Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Ciclos Biogeoquímicos. Prof. Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Ciclos Biogeoquímicos Prof. Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS INTRODUÇÃO CICLO DA ÁGUA; CICLO DO CARBONO; CICLO DO OXIGÊNIO; CICLO DO NITROGÊNIO; CICLO DA ÁGUA CICLO DA ÁGUA Origens do vapor-d água: Evaporação:

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Plastos. Dra. Maria Izabel Gallão

Plastos. Dra. Maria Izabel Gallão Plastos - plastídeos organelas de células vegetais que possuem o próprio genoma. - existem vários tipos dentre eles os cloroplastos, diferem entre si em estrutura e função. - os outros plastídeos são rodeados

Leia mais

Cálcio Nutrição Mineral de Plantas CÁLCIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Cálcio Nutrição Mineral de Plantas CÁLCIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola CÁLCIO Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br COMPOSIÇÃO QUÍMICA MÉDIA DA CROSTA TERRESTRE NA PROFUNDIDADE DE 0 16 KM (MENGEL & KIRKBY, 1987) Ciclo do Cálcio

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1

AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE FITOFISIOLOGIA AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1 Marcelo Francisco Pompelli Nutrição Mineral Breve

Leia mais

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal Fotossíntese: reações luminosas Fotossíntese: significa literalmente síntese utilizando a luz FISIOLOGIA VEGETAL Fotossíntese Parte I Pombal PB Transformação de energia luminosa em energia química nos

Leia mais

BIOQUÍMICA GERAL. Prof. Dr. Franciscleudo B. Costa UATA/CCTA/UFCG. Aula 10 Metabolismo Geral FUNÇÕES ESPECÍFICAS. Definição

BIOQUÍMICA GERAL. Prof. Dr. Franciscleudo B. Costa UATA/CCTA/UFCG. Aula 10 Metabolismo Geral FUNÇÕES ESPECÍFICAS. Definição Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Tecnologia de Alimentos BIOQUÍMICA GERAL Campus de Pombal Pombal - PB Definição Funções específicas

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS Origem das proteínas e de suas estruturas Níveis de Estrutura Protéica Estrutura das proteínas Conformação

Leia mais

Química e Bio Química Aplicada METABOLISMO ENZIMOLOGIA. Metabolismo Energético Respiração Celular e Fermentação

Química e Bio Química Aplicada METABOLISMO ENZIMOLOGIA. Metabolismo Energético Respiração Celular e Fermentação Química e Bio Química Aplicada METABOLISMO ENZIMOLOGIA Adriano Silva maestroabs@hotmail.com adrianoabs.silva@gmail.com 88105041 34843610 Metabolismo Energético Respiração Celular e Fermentação Metabolismo

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo.

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Processo pelo qual os organismos vivos adquirem e usam energia livre para realizar suas funções. É tradicionalmente dividido em: CATABOLISMO ou degradação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONSISTE EM COMPARAR A AMOSTRA COM O PADRÃO FOLHAS - PADRÃO = PLANTA SEM LIMITAÇÕES NUTRICIONAIS

1. INTRODUÇÃO CONSISTE EM COMPARAR A AMOSTRA COM O PADRÃO FOLHAS - PADRÃO = PLANTA SEM LIMITAÇÕES NUTRICIONAIS DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 1. INTRODUÇÃO CONSISTE EM COMPARAR A AMOSTRA COM O PADRÃO - AMOSTRA = 1 PLANTA; RAMOS; FOLHAS - PADRÃO = PLANTA SEM LIMITAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

Revisão do Metabolismo da Glicose

Revisão do Metabolismo da Glicose Gliconeogênese Revisão do Metabolismo da Glicose Esquema Geral da Glicólise lise 1 açúcar de 6 C 2 açúcares de 3 C A partir deste ponto as reações são duplicadas 2 moléculas de Piruvato (3C) Saldo 2 moléculas

Leia mais

Fertilidade do solo e nutrição das plantas

Fertilidade do solo e nutrição das plantas Ciclo de Colóquios comemorativos do Ano Internacional do Solo Fertilidade do solo e nutrição das plantas F. Calouro Fertilidade do solo e nutrição das plantas Oeiras, 22 de setembro de 2015 Fertilidade

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

RESPIRAÇÃO. Katia Christina Zuffellato-Ribas RESPIRAÇÃO Katia Christina Zuffellato-Ribas RESPIRAÇÃO RESPIRAÇÃO C 6 H 12 O 6 + 6 O 2 6 CO 2 + 6 H 2 O + energia FOTOSSÍNTESE H + RESPIRAÇÃO C 6 H 12 O 6 + 6 O 2 6 CO 2 + 6 H 2 O RESPIRAÇÃO (OXIDAÇÃO

Leia mais

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Oxidação Completa da Glicose C 6 H 12 O 6 + 6O 2 + 36-38ADP + 36-38 P i 6CO 2 + 6H 2 O + 36-38ATP Via glicolítica gastou: 1 glicose,

Leia mais

CICLO DO NITROGÊNIO E FIXAÇÃO BIOLÓGICA

CICLO DO NITROGÊNIO E FIXAÇÃO BIOLÓGICA CICLO DO NITROGÊNIO E FIXAÇÃO BIOLÓGICA N 2 atmosférico (80%) pouco reativo Lavoisier Nitrogênio = Azoto (gás sem vida) 4 o elemento mais abundante dos organismos vivos Fazem parte de diferentes moléculas

Leia mais

Oxidação parcial o que acontece com o piruvato?

Oxidação parcial o que acontece com o piruvato? A glicólise ocorre no citosol das células transforma a glicose em duas moléculas de piruvato e é constituída por uma sequência de 10 reações (10 enzimas) divididas em duas fases. Fase preparatória (cinco

Leia mais

São catalisadores biológicos de alta especificidade. Catalisar uma reação química é alterar a sua

São catalisadores biológicos de alta especificidade. Catalisar uma reação química é alterar a sua Profa Alessandra Barone Enzimas São catalisadores biológicos de alta especificidade. Catalisar uma reação química é alterar a sua velocidade, ou seja, a quantidade de massa de reagentes (S) transformada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Uruguaiana, maio de 2016. 1 Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo

Leia mais

Ciclagem de nutrientes (com aspectos microbiológicos)

Ciclagem de nutrientes (com aspectos microbiológicos) 3. Fluxo de nutrientes Ciclagem de nutrientes (com aspectos microbiológicos) José Miguel Reichert (Celso Aita & Sandro José Giacomini) em ecossistemas florestais Liberação de nutrientes pelas rochas (intemperismo)

Leia mais

Aula 10 Fotossíntese

Aula 10 Fotossíntese Aula 10 Fotossíntese A fotossíntese é um importante processo nutritivo, que ocorre desde os seres vivos mais simples, como as algas unicelulares e cianobactérias, até os organismos complexos. O processo

Leia mais

O POTÁSSIO NO SOLO CLASSIFICAÇÃO DO POTÁSSIO TOTAL DO SOLO: 1. Tisdale & Nelson (1975): Critério de disponibilidade no nutriente no solo:

O POTÁSSIO NO SOLO CLASSIFICAÇÃO DO POTÁSSIO TOTAL DO SOLO: 1. Tisdale & Nelson (1975): Critério de disponibilidade no nutriente no solo: INTRODUÇÃO POTÁSSIO: Segundo elemento mais exigido pelas culturas; Aumento da quantidade utilizada, originada pela agricultura intensiva e tecnificada; Solos brasileiros não possuem teores adequados de

Leia mais

Ficha Técnica de Produto: Radimax Referência: FT-P-081

Ficha Técnica de Produto: Radimax Referência: FT-P-081 Ficha Técnica de Produto: Radimax Referência: FT-P-081 1. FABRICANTE E PAÍS DE ORIGEM. Sustainable Agro Solutions SA Ctra N-240 km 110 25100 Almacelles (Lleida) ESPANHA Made in Spain 2. RIQUEZAS GARANTIDAS.

Leia mais

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos e repolho Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. Arthur B. Cecílio Filho Depto. Solos e Adubos Depto de Produção Vegetal rmprado@fcav.unesp.br rutra@fcav.unesp.br

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico e denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Ciclo do Ácido Cítrico O ciclo do ácido cítrico, também denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Tricarboxílico (TCA) realiza a oxidação

Leia mais

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica Prof. Clóvis Parazzi O que se deseja de um processo fermentativo? Elevado Rendimento Uniformidade na produção de metabólitos pela levedura

Leia mais

Biologia Prof. Edgard Manfrim

Biologia Prof. Edgard Manfrim Metabolismo Celular conjunto de reações químicas que ocorrem no organismo. Energia Reagentes Produtos Metabolismo Celular A energia necessária para a realização de reações químicas do organismo vem da

Leia mais

Introdução e apresentação geral do metabolismo da glicose

Introdução e apresentação geral do metabolismo da glicose Introdução e apresentação geral do metabolismo da glicose Índice 1- O transporte transmembranar e a fosforilação da glicose...1 2- A glicólise e a oxidação da glicose a CO 2...1 3- A oxidação da glicose-6-fosfato

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL - Macro e micronutrientes.

NUTRIÇÃO MINERAL - Macro e micronutrientes. NUTRIÇÃO MINERAL - Macro e micronutrientes. INTRODUÇÃO A planta absorve os elementos de que necessita do meio onde vive. Muitas vezes absorve elementos de que não precisa, alguns dos quais podem ser tóxicos.

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade: Fotossíntese Fase química ou de fixação/redução de carbono da fotossíntese: Todos os organismo que fotossintetizam precisam

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 EFEITO DO PENERGETIC P e K NA CULTURA DO ALGODÃO Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Engo. Agro. Dr. CREA 1406202312/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Protoplastos: bactérias que, mesmo perdendo a parede celular, mantêm suas funções; Esferoplastos: bactérias que, na perda, mantém um pouco da sua PC e, em momento oportuno, reconstituem-na.

Leia mais

Sistema glicolítico ou metabolismo anaeróbio lático

Sistema glicolítico ou metabolismo anaeróbio lático Sistema glicolítico ou metabolismo anaeróbio lático Quando a molécula de glicose entra na célula para ser utilizada como energia, sofre uma série de reações químicas que coletivamente recebe o nome de

Leia mais

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Roteiro 1- Ativos Biológicos na Soja: Azospirillum 2- Sais e

Leia mais

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação Metabolismo Energético das Células Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação 1. Introdução Reações endotérmicas - Característica: Precisam receber energia - Ex.:Fotossíntese e quimiossíntese

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

Metabolismo e oxidação de carboidratos: Glicólise

Metabolismo e oxidação de carboidratos: Glicólise Metabolismo e oxidação de carboidratos: Glicólise Nutrientes: Carboidratos Lipídeos Proteínas Catabolismo CO 2 H 2 O ADP NAD + NADP + FAD ATP NADH NADPH FADH 2 Componentes celulares Proteínas Polissacarídeos

Leia mais

CADEIA DE TRANSPORTE DE ELÉTRONS E FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA COMO AS CÉLULAS SINTETIZAM ATP

CADEIA DE TRANSPORTE DE ELÉTRONS E FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA COMO AS CÉLULAS SINTETIZAM ATP CADEIA DE TRANSPORTE DE ELÉTRONS E FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA OU COMO AS CÉLULAS SINTETIZAM ATP SINTETIZAM ATP ÀS CUSTAS DA OXIDAÇÃO DAS COENZIMAS NADH E FADH 2 PELO OXIGÊNIO AS COENZIMAS REDUZIDAS SÃO PRODUZIDAS

Leia mais

FATORES LIMINTANTES PARA O CESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DE ÁRVORES EM REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS DO NORDESTE BRASILEIRO

FATORES LIMINTANTES PARA O CESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DE ÁRVORES EM REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS DO NORDESTE BRASILEIRO FATORES LIMINTANTES PARA O CESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DE ÁRVORES EM REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS DO NORDESTE BRASILEIRO INTRODUÇÃO Antonio Natal Gonçalves * O principal objetivo dos dados abordados neste

Leia mais

Campos Safra 14/15. Programa Nutricional Produquimica Regional Goiás/DF

Campos Safra 14/15. Programa Nutricional Produquimica Regional Goiás/DF Campos Safra 14/15 Programa Nutricional Produquimica /DF Produquimica Germinação em canteiro Padrão Produtor Top 5 Novembro/ Top 5: Sementes Produtiva Tratamento de Sementes Sementes Produtiva Formosa/GO

Leia mais

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Utilização agrícola do cerrado Análise de 518 amostras da superfície de solos virgens do cerrado do Brasil

Leia mais

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO Leonardo Campos Faria (1), Paulo César de Lima (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Waldênia de Melo Moura (2), Edimaldo Garcia Júnior

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA. ONDINO C. BATAGLIA

ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA. ONDINO C. BATAGLIA ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA ONDINO C. BATAGLIA ondino@conplant.com.br CULTIVO DA SERINGUEIRA TOMAR A DECISÃO DE PLANTAR Talvez seja a fase mais difícil pois uma vez tomada a convivência com a planta será muito

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a soma de todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado dinâmico das células, onde milhares de reações ocorrem ao mesmo tempo, determinando

Leia mais

Ciclos biogeoquímicos

Ciclos biogeoquímicos Ciclos biogeoquímicos Conceitos Os elementos químicos essenciais à vida são aproximadamente 40. São incorporados nos seres na forma de compostos orgânicos. - ciclos sedimentares: quando o elemento circula

Leia mais

ANÁLISE FOLIAR DE METAIS-TRAÇO (Cu, Fe, Mn) EM ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA

ANÁLISE FOLIAR DE METAIS-TRAÇO (Cu, Fe, Mn) EM ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA ANÁLISE FOLIAR DE METAIS-TRAÇO (Cu, Fe, Mn) EM ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA R. E. A. V. Rodrigues 1 V. L. B. Souza 2 Paula Frassinetti 3 Radiologia ciências biológicas e da saúde Facipe ISSN IMPRESSO

Leia mais