REDAÇÃO DE PATENTES. Parte IV Patentes em Química. 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDAÇÃO DE PATENTES. Parte IV Patentes em Química. 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP"

Transcrição

1 REDAÇÃO DE PATENTES Parte IV Patentes em Química Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA Sérgio Bernardo Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP

2 Patentes em Química invenção principal novidade suficiência descritiva aplicação industrial atividade inventiva invenções acessórias Art. 24 O relatório descritivo deverá descrever clara e suficientemente o objeto, de modo a possibilitar sua realização por técnico no assunto e indicar, quando for o caso, a melhor forma de execução. 2

3 Tecnologia Farmacêutica Invenção Principal Invenções Acessórias Composição farmacêutica Composto químico NOVO Medicamento Processo 3

4 Categorias Básicas de Reivindicações Reivindicações relacionadas a Objetos (produtos,compostos, aparelhos, dispositivos, etc.) Reivindicações de Atividade (processos, usos, aplicações, métodos, etc.) Art. 25 As reivindicações deverão ser fundamentadas no relatório descritivo, caracterizando as particularidades do pedido e definindo, de modo claro e preciso, a matéria objeto da proteção. 4

5 Reivindicações de Produtos Reivindicação 1 - Composto caracterizado por ter a fórmula estrutural X. Reivindicação 2 - Composição farmacêutica caracterizada por compreender o composto conforme definido na reivindicação 1. Reivindicação 3 - Medicamento caracterizado por compreender o composto conforme definido na reivindicação 1. 5

6 Composto Químico 6

7 Composto Definição de um composto: fórmula estrutural; nomenclatura oficial da IUPAC; propriedades físicas; propriedades físico-químicas. 7

8 Exemplos Substância ativa AAS Analgésico, anti-térmico, vasodilatador Composto caracterizado por ter a fórmula estrutural Composto caracterizado por ser o ácido acetil salicílico. Nomenclatura oficial - IUPAC 8

9 Exemplos Fórmula Markush Composto caracterizado por ter a fórmula estrutural Centro ativo não variável vel onde: R 1 e R 1 são, independentemente, alquila C 1-6 ; R 6 é amino ou acilamino; R 6 é CH 2 OC(O)R 8, CHO ou ciano; R 8 é alquila C 1-6 ; e X e Y significa O ou S, bem como seus sais farmaceuticamente aceitáveis. 9

10 Exemplos Substância ativa produto de uma reação química Composto caracterizado por ter o peso molecular de 180 e o espectro na região do infravermelho conforme a Fig.1. Desenhos Fig.1 10

11 Exemplos Substância ativa budesonida ação antiinflamatória local (rinite, asma) Composto para tratar asma caracterizado por ter a fórmula estrutural 11

12 Exemplos Substância ativa budesonida ação antiinflamatória local (rinite, asma) Reivindicação 2 - Composto, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por ser para tratar asma. Reivindicação 1 - Composto caracterizado por ter a fórmula estrutural características técnicas previamente definidas na reivindicação 1 redação aceita 12

13 Exemplos Substância ativa budesonida ação antiinflamatória local (rinite, asma) Composto caracterizado por ter a fórmula estrutural características técnicas de composto para tratar asma. redação aceita 13

14 Exemplos Composto de fórmula Substância ativa budesonida ação antiinflamatória local (rinite, asma) caracterizado por ser para tratar asma. não é aceita não define características técnicas de composto, mas sim de ambiguidade aplicação terapêutica 14

15 Exemplos não é aceita Composto de fórmula caracterizado por ser um inibidor da recaptação de serotonina. Reivindicações deste tipo não são precisas, causando uma indefinição quanto a matéria protegida. mecanismo de ação da droga 15

16 Exemplos não é aceita Composto de fórmula Este tipo de reivindicação só é aceita quando não há outra forma de se definir o produto. caracterizado por ser preparado a partir da reação do ácido salicílico com anidrido acético, na presença de ácido sulfúrico. ambiguidade não define características técnicas de composto, mas sim do processo de preparação 16

17 Exceções ao Patenteamento Art. 10(IX) da LPI Exemplos: DNA Extratos de animais/plantas Entretanto, são passíveis de proteção por patente: o processo de extração de substâncias de animais/plantas; a composição que contenha o extrato, desde que não represente uma mera diluição. 17

18 Art. 10(IX) da LPI Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade: (...) (IX) o todo ou parte de seres vivos naturais e materiais biológicos encontrados na natureza, ou ainda que dela isolados, inclusive o genoma ou germoplasma de qualquer ser vivo natural e os processos biológicos naturais. 18

19 Exceções ao Patenteamento Art. 10(IX) da LPI Compostos químicos obtidos sinteticamente que possuam correspondentes de ocorrência natural não são passíveis de proteção por patente. 19

20 Composição Farmacêutica 20

21 Reivindicações de Composições 1 a Situação: A invenção está na utilização de um corante em qualquer composição farmacêutica "Composição farmacêutica caracterizada por compreender um corante associado a um ou mais ingredientes farmaceuticamente ativos" 21

22 Reivindicações de Composições 2 a Situação: A invenção está na utilização do corante em qualquer composição farmacêutica, mas o estado de técnica revela que tal adição já é conhecida para determinados corantes (ou classe de). "Composição farmacêutica caracterizada por compreender o corante X ou Y associados a um ou mais ingredientes farmaceuticamente ativos " 22

23 Reivindicações de Composições 3 a Situação: A invenção está na utilização do corante em qualquer composição farmacêutica, mas apenas em uma determinada faixa de concentração do corante. "Composição farmacêutica caracterizada por compreender de x % a y % de um corante associado a um ou mais ingredientes farmaceuticamente ativos" 23

24 Reivindicações de Composições 4 a Situação: A invenção está na utilização do corante, mas direcionada para uma determinada composição farmacêutica com elementos ativos e não ativos bem definidos, inclusive em suas faixas de concentração. A reivindicação deverá conter todos estes elementos definidos (quali e quantitativamente). 24

25 Exemplos definida por sua forma de aplicação ou ação Composição farmacêutica caracterizada por ser para tratar asma. não é aceita aplicação terapêutica Reivindicações deste tipo não são precisas, causando uma indefinição quanto a matéria protegida. Além disto, a proteção recairá também sobre um método terapêutico, o que contraria o Art. 10 (VIII) da LPI. 25

26 Exemplos Componentes separados Composições medicamentosas que apresentam componentes (princípios ativos) fisicamente separados são perfeitamente privilegiáveis, desde que a invenção não recaia sobre a forma de administração (física ou no tempo) dos seus elementos. 26

27 Processo, Uso, Método 27

28 Reivindicações de Processo Definem: a. o material de partida, o produto obtido e o meio de se transformar o primeiro no segundo; b. as diversas etapas necessárias a se atingir o objetivo proposto; ou c. no caso de uso o material a ser usado e o objetivo do uso. 28

29 Exemplos Reivindicações de Processo Processo para preparar o composto de fórmula preparação do AAS caracterizado por compreender a reação do ácido salicílico com anidrido acético, na presença de ácido sulfúrico. 29

30 Reivindicações de Uso Uso do produto X caracterizado por ser no tratamento da doença Y. Processo de tratar a doença Y caracterizado pela administração do produto X (ou composição contendo o produto X). não são aceitas Uso do produto X caracterizado por ser na preparação de um medicamento para tratar a doença Y. Uso do produto X caracterizado por ser na preparação de um medicamento para tratar a doença Y, tratamento este que consiste em tal e tal. Fórmula suíça 30

31 Exemplos Reivindicações de Uso Uso de mirtazapina caracterizado por ser para preparar um medicamento para tratar depressão. Uso do composto de fórmula mirtazapina caracterizado por ser para preparar um medicamento para tratar depressão. 31

32 Reivindicações de Segundo Uso o produto não é novo 1. um novo uso, como medicamento, de um produto já conhecido com utilização fora do campo médico (primeiro uso médico); 2. um novo uso médico de um produto já conhecido como medicamento (segundo uso médico). 32

33 Exemplos Primeiro Uso Médico não é aceita, pois o composto não é novo Composto de fórmula passível de proteção por fórmula suíça Uso do composto de fórmula caracterizado pelo fato de ser usado como medicamento ou caracterizado pelo fato de ser para o tratamento de depressão caracterizado por ser na preparação de um medicamento para tratar depressão 33

34 Exemplos Uso versus Processo Uso do composto de fórmula Processo para preparar um medicamento para tratar depressão caracterizado por usar o composto caracterizado por ser para preparar um medicamento para tratar depressão 34

35 Exemplos Segundo Uso Médico mirtazapina anti-depressivo Mecanismo de ação inibição da recaptação da serotonina O mecanismo de ação do medicamento envolvido no tratamento da segunda doença deve ser completamente distinto do envolvido no tratamento da primeira doença. 35

36 MATÉRIAS EXCLUÍDAS DE PROTEÇÃO 36

37 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos terapêuticos: são aqueles que implicam na cura e/ou prevenção de uma doença ou mau funcionamento do corpo humano ou animal, ou alívio de sintomas de dor, sofrimento e desconforto, objetivando restabelecer ou manter suas condições normais de saúde. 37

38 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos operatórios ou cirúrgicos: todo método que requeira uma etapa cirúrgica, ou seja, uma etapa invasiva do corpo humano ou animal (por exemplo: cirurgia terapêutica, cirurgia estética, implantação de embriões fertilizados artificialmente, etc). 38

39 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos de diagnóstico - São aqueles que indicam o estado de saúde de um paciente como resultado da técnica utilizada. Quando realizados fora do corpo humano ou animal são passíveis de proteção por patente. Exemplo: Métodos de detecção in vitro como de uma condição patológica através de uma amostra biológica (sangue, urina, fezes, etc...). 39

40 Particularidades da Concessão de Patentes na Área Farmacêutica Lei /01 Art. 229-C A concessão de patentes para produtos e processos farmacêuticos dependerá da prévia anuência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. 40

41 Obrigado! Alexandre Lourenço (21) Sérgio Bernardo (21)

Curso Avançado em Redação de Patentes

Curso Avançado em Redação de Patentes Curso Avançado em Redação de Patentes Parte III Patentes na Área de Biotecnologia e Farmacêutica Rodrigo B. Ferraro, Ph.D Examinador de Patentes Divisão de Biotecnologia - DIRPA 02 a 06 de março / Cuiabá

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I Revisão de Conceitos. Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I Revisão de Conceitos. Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA REDAÇÃO DE PATENTES Parte I Revisão de Conceitos Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA Sérgio Bernardo Pesquisador em Propriedade Industrial

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte II Ato Normativo 127/97. Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte II Ato Normativo 127/97. Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA REDAÇÃO DE PATENTES Parte II Ato Normativo 127/97 Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA Sérgio Bernardo Pesquisador em Propriedade Industrial

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA INOVAÇÃO NA ÁREA FARMACÊUTICA ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA Empresa Universidade Governo @Neide Bueno Consultora em gestão de Propriedade Intelectual neidebueno09@gmail.com

Leia mais

Horário de atendimento aos alunos:

Horário de atendimento aos alunos: EN 2513 Propriedade Intelectual 1 Professor responsável: Anne Cristine Chinellato Horário de atendimento aos alunos: Sextas 10h-12h Sala: 310 Bloco Delta SBC Duração em semanas: 12 Distribuição da carga:

Leia mais

PATENTE: COMO PROTEGER

PATENTE: COMO PROTEGER PATENTE: COMO PROTEGER UMA INVENÇÃO Camila Raposo 08 de março de 2017 Agenda Introdução; Propriedade Industrial; de Invenção e Modelo de Utilidade; Como proteger uma invenção; como fonte de informação.

Leia mais

A Importância da Propriedade Intelectual nas atividades de pesquisa e inovação. Agência de Inovação INOVA UNICAMP

A Importância da Propriedade Intelectual nas atividades de pesquisa e inovação. Agência de Inovação INOVA UNICAMP A Importância da Propriedade Intelectual nas atividades de pesquisa e inovação Agência de Inovação INOVA UNICAMP Campinas, 2009 Reflexão inicial??? Considere a seguinte situação: Um pesquisador da Unicamp

Leia mais

A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica

A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica Alexandre Lourenço e Roberta Rodrigues Examinadores de Patentes DIQUIM II e DIBIOTEC - DIRPA Araraquara- SP 17 a 18 de agosto de 2009 Pedidos depositados

Leia mais

PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE

PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE dúvidas e respostas O que é uma patente? Patente é um título (carta patente), concedido pelo Estado, que confere ao autor do invento a exclusividade de uso e exploração de sua invenção durante certo período

Leia mais

Inovação e Propriedade Intelectual no mercado de biotecnologia

Inovação e Propriedade Intelectual no mercado de biotecnologia Inovação e Propriedade Intelectual no mercado de biotecnologia Ana Claudia Dias de Oliveira Gerente de PI e Biodiversidade (ABIFINA) Consultora de Inovação e Propriedade Intelectual O profissional de biotecnologia

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES Parte I

REDAÇÃO DE PATENTES Parte I REDAÇÃO DE PATENTES Parte I Karla Kovary Examinadora de Patentes Divisão de Biotecnologia INPI - DIRPA Cristina Rocha A. Hamelmann Examinadora de Patentes Divisão de Química Orgânica INPI - DIRPA Oficina

Leia mais

Exercícios em biotecnologia

Exercícios em biotecnologia I N PI DA PROPRIEDADE Exercícios em biotecnologia Karla Kovary Examinadora de Patentes Divisão de Biotecnologia INPI - DIRPA Oficina de Redação de Patentes 25 a 28/08/2008 Questões para determinar se uma

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE O presente trabalho constitui-se numa síntese da Legislação em vigor, destinando-se ao auxílio dos usuários no preparo de um pedido de patente.

Leia mais

Uso estratégico de patentes em projetos de P&D e Negócios Foco em informações tecnológicas

Uso estratégico de patentes em projetos de P&D e Negócios Foco em informações tecnológicas Uso estratégico de patentes em projetos de P&D e Negócios Foco em informações tecnológicas Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica CBMRI Rio de Janeiro, RJ 22 de Novembro de 2016 www.facebook.com/clevercaps

Leia mais

Inovação, Propriedade Intelectual & Informações Tecnológicas O que todo mundo deveria saber

Inovação, Propriedade Intelectual & Informações Tecnológicas O que todo mundo deveria saber Inovação, Propriedade Intelectual & Informações Tecnológicas O que todo mundo deveria saber Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica Evento: Biodiversidade e Empreendedorismo FAPESP - São Paulo, SP

Leia mais

A QUIMICA E OS MEDICAMENTOS

A QUIMICA E OS MEDICAMENTOS A QUIMICA E OS MEDICAMENTOS Bolsista: Julia Eisenhardt de Mello O corpo humano poderia ser chamado de corpo químico. Na realidade qualquer material do universo poderia ser chamado de material químico.

Leia mais

REDACÇÃO DE REIVINDICAÇÕES

REDACÇÃO DE REIVINDICAÇÕES Dia da PI Universidade de Aveiro REDACÇÃO DE REIVINDICAÇÕES Susana Armário rio Tiago Leitão Examinadores de Patentes 02.Mar.2009 1 Reivindicações Definem o âmbito de protecção de uma patente. Código da

Leia mais

Curso de Capacitação em Propriedade Intelectual para Gestores de Tecnologia ANATOMIA DO PEDIDO DE PATENTE DE QUÍMICA E DE FÁRMACOS

Curso de Capacitação em Propriedade Intelectual para Gestores de Tecnologia ANATOMIA DO PEDIDO DE PATENTE DE QUÍMICA E DE FÁRMACOS Curso de Capacitação em Propriedade Intelectual para Gestores de Tecnologia ANATOMIA DO PEDIDO DE PATENTE DE QUÍMICA E DE FÁRMACOS Karla Kovary karlak@inpi.gov.br Divisão de Biotecnologia Campo Grande/MS

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS. Equações Químicas. (l) (s) + 6 Cl 2. (g) 4 PCl 3 P 4

REAÇÕES QUÍMICAS. Equações Químicas. (l) (s) + 6 Cl 2. (g) 4 PCl 3 P 4 ESTEQUIOMETRIA REAÇÕES QUÍMICAS Conversão de substâncias simples ou compostos em diferentes substâncias simples ou compostos Fumaça branca de NH 4 Cl resultante da reação química entre NH 3 e HCl Equações

Leia mais

Diretrizes de Exame de Pedidos de Patente na Área de Biotecnologia

Diretrizes de Exame de Pedidos de Patente na Área de Biotecnologia Diretrizes de Exame de Pedidos de Patente na Área de Biotecnologia Claudia Magioli Coordenadora Geral de Patentes II Área de Biotecnologia, Agricultura, Agroquímica, Alimentos e Cosméticos Governo Federal

Leia mais

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos

Leia mais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais FARMACOTÉCNICA INTRODUÇÃO À FARMACOTÉCNICA Tópicos abordados: Definições em Farmacotécnica. Classificação dos Medicamentos. Legislação vigente. POSIÇÃO DA FARMACOTÉCNICA ENTRE AS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Leia mais

Critérios de Patenteabilidade para Produtos Biológicos

Critérios de Patenteabilidade para Produtos Biológicos Critérios de Patenteabilidade para Produtos Biológicos Claudia Magioli Coordenadora Geral de Patentes II Área de Biotecnologia XXXIII Congresso Internacional da Propriedade Intelectual - ABPI 18 a 20 de

Leia mais

QUÍMICA. Qual será o efeito na velocidade desta reação no caso de triplicarmos a concentração molar de ácido clorídrico?

QUÍMICA. Qual será o efeito na velocidade desta reação no caso de triplicarmos a concentração molar de ácido clorídrico? NÚMER DE INSRIÇÃ! - QUÍMIA QUESTÃ 11 Ao expressarmos uma equação de velocidade para a reação, Al(H) 3 + 3 Hl All 3 + 3H 2 Qual será o efeito na velocidade desta reação no caso de triplicarmos a concentração

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

Patentes para Novas Tecnologias

Patentes para Novas Tecnologias Março de 2007 Patentes para Novas Tecnologias Ana Cristina Müller Política de PI e Transferência de Tecnologia: 3 etapas básicas TRANSFERIR A TECNOLOGIA FOMENTAR A INOVAÇÃO PROTEGER A PROPRIEDADE PI GERA

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 21, DE 10 DE ABRIL DE 2013 Altera a RDC nº 45, de 23 de junho de 2008, que dispõe sobre o procedimento administrativo relativo à prévia anuência da Anvisa para a concessão de patentes para

Leia mais

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. INTERCAMBIALIDADE 1. O que são medicamentos referência, similar e genérico? É todo medicamento originador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. Todo medicamento referência

Leia mais

CICLO DE WORKSHOPS PROPRIEDADE INTELECTUAL. Realização: Apoio:

CICLO DE WORKSHOPS PROPRIEDADE INTELECTUAL. Realização: Apoio: CICLO DE WORKSHOPS Realização: Apoio: WORKSHOP # 1 (23 DE SETEMBRO) Público-alvo: Este módulo destina-se a utilizadores sem quaisquer conhecimentos de Propriedade Intelectual ou com conhecimentos básicos.

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA

Equipe de Química QUÍMICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 12R Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA Mistura de soluções que não reagem entre si: Misturas de soluções de mesmo soluto quando misturamos soluções de mesmo

Leia mais

Procedimento. Título do Documento: Código: Versão: Preenchimento do Formulário de Petição Relacionada com Pedido SUMÁRIO

Procedimento. Título do Documento: Código: Versão: Preenchimento do Formulário de Petição Relacionada com Pedido SUMÁRIO DIRPA 1/7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES E SIGLAS... 2 5. PROCEDIMENTO E INSTRUÇÃO... 2 Campo 1 Interessado... 3 Campo 2 Natureza...

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Maria Fernanda Paresqui Corrêa1 Juliana Manasfi Figueiredo2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial

REDAÇÃO DE PATENTES. Maria Fernanda Paresqui Corrêa1 Juliana Manasfi Figueiredo2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial REDAÇÃO DE PATENTES Parte II Instrução Normativa PR nº 17/2013, publicada na RPI 2202 de 19/03/2013 (antigo Ato Normativo 127/97) Maria Fernanda Paresqui Corrêa1 Juliana Manasfi Figueiredo2 Pesquisadoras

Leia mais

Curso Técnico em Zootecnia

Curso Técnico em Zootecnia Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS

Leia mais

Solicitação de registro dos novos medicamentos

Solicitação de registro dos novos medicamentos Terceiro Congresso das Hepatites Virais Solicitação de registro dos novos medicamentos Ricardo Borges Gerente Geral de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária -ANVISA João Pessoa, 18 de novembro

Leia mais

Ferramentas de Prospecção Tecnológica Busca de Anterioridade. Foco em Patentes. pode ser melhorada. ( Deming)

Ferramentas de Prospecção Tecnológica Busca de Anterioridade. Foco em Patentes. pode ser melhorada. ( Deming) Ferramentas de Prospecção Tecnológica Busca de Anterioridade Foco em Patentes ANTONINI Toda atividade é um LIEDE processo e pode ser melhorada. ( Deming) Os maiores problemas que enfrentamos não podem

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL: Uma porta para o futuro IFB. Março 2016

PROPRIEDADE INDUSTRIAL: Uma porta para o futuro IFB. Março 2016 PROPRIEDADE INDUSTRIAL: Uma porta para o futuro IFB Março 2016 É o órgão responsável pelo Sistema Brasileiro de Propriedade Industrial: Concessão e garantia de direitos; Aperfeiçoamento; Disseminação;

Leia mais

Capítulo 30. Produtos farmacêuticos. b) os gessos especialmente calcinados ou finamente triturados para dentistas (posição 25.20);

Capítulo 30. Produtos farmacêuticos. b) os gessos especialmente calcinados ou finamente triturados para dentistas (posição 25.20); Capítulo 30 Produtos farmacêuticos Notas. 1. O presente Capítulo não compreende: a) os alimentos dietéticos, alimentos enriquecidos, alimentos para diabéticos, complementos alimentares, bebidas tônicas

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

O que é e como se faz uma patente

O que é e como se faz uma patente O que é e como se faz uma patente João Jorge 22 de Março de 2017 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual = Propriedade Industrial + Direitos de Autor Função da Propriedade Industrial Atribuição

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de 2014 Prova de Conhecimentos Gerais em Química Nome do candidato: Instruções: Escreva seu nome de forma legível no espaço acima.

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

IDEIAS INICIAIS REDAÇÃO DE PATENTES DE INVENÇÃO

IDEIAS INICIAIS REDAÇÃO DE PATENTES DE INVENÇÃO IDEIAS INICIAIS REDAÇÃO DE PATENTES DE INVENÇÃO 1ª Edição 2 IDEIAS INICIAIS REDAÇÃO DE PATENTES DE INVENÇÃO Alexandre Donizete Lopes de Moraes Aline Schraier de Quadros Carolina Heimann Curitiba 2013 PRPPG

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 169, DE 15 DE JULHO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 169, DE 15 DE JULHO DE 2016 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL RESOLUÇÃO Nº 169, DE 15 DE JULHO DE 2016 Assunto: Institui as Diretrizes de Exame de Pedidos de Patente

Leia mais

Patentes e Propriedade Intelectual

Patentes e Propriedade Intelectual Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 2617 Inovação em Engenharia Fernando Josepetti Fonseca Patentes e Propriedade Intelectual Baseado na

Leia mais

CADERNO DE ESTUDOS DIVERTIMENTOS EXTRAS N.7 CADEIAS ORGÂNICAS

CADERNO DE ESTUDOS DIVERTIMENTOS EXTRAS N.7 CADEIAS ORGÂNICAS CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS FUNDAMENTAL NII NOME: TURMA: DATA: "A vida sem ciência é uma espécie de morte." Sócrates CADERNO DE ESTUDOS DIVERTIMENTOS EXTRAS N.7 CADEIAS ORGÂNICAS 1. (Fuvest 2012) Na

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Patentes em Biotecnologia

Patentes em Biotecnologia Patentes em Biotecnologia Juliana Manasfi Figueiredo 1 Maria Fernanda Paresqui Corrêa 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIMOL - Divisão de Biologia Molecular e Correlatos 2 DIALP - Divisão de

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) SERVIÇOS RELATIVOS A PATENTES Diretoria de Patentes DIRPA

TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) SERVIÇOS RELATIVOS A PATENTES Diretoria de Patentes DIRPA 204 TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) (I) Pedido e Concessão 200 202 203 Pedido nacional de invenção; Pedido nacional de modelo de utilidade; Pedido nacional de

Leia mais

Componente Curricular: Química Orgânica Farmacêutica II PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Química Orgânica Farmacêutica II PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Química Orgânica Farmacêutica II Código: FAR 204 Pré-requisito: Química Orgânica Farmacêutica

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES CURSO BÁSICO. Eduardo Winter, D.Sc. Pesquisador em PI. Eduardo Winter, D.Sc.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES CURSO BÁSICO. Eduardo Winter, D.Sc. Pesquisador em PI. Eduardo Winter, D.Sc. I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES CURSO BÁSICO Eduardo Winter, D.Sc. Eduardo Winter, D.Sc. Pesquisador em PI 1 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONSULTA PÚBLICA N 04/2012

FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONSULTA PÚBLICA N 04/2012 FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONSULTA PÚBLICA N 04/2012 NOME: ABPI - Associação Brasileira da Propriedade Intelectual ( ) agente ( ) usuário (X) representante órgão de classe ou associação ARTIGO

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino A segurança do paciente na Farmacovigilância Zenith Rosa Silvino NOTIVISA - VIGIPÓS O NOTIVISA é o sistema de informação que visa fortalecer a vigilância pós-uso/ póscomercialização, hoje conhecida como

Leia mais

KITNOS. Comprimido. 500 mg

KITNOS. Comprimido. 500 mg KITNOS Comprimido 500 mg KITNOS etofamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome comercial: Kitnos Nome genérico: etofamida APRESENTAÇÃO Kitnos comprimidos de 500 mg em embalagem contendo 6 comprimidos.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO DECISÃO 2014-A PROCESSO Nº 47537-21.2014.4.01.3400 AUTORA: NOVARTIS AG RÉU: INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI DECISÃO A Autora pretende obter, em sede de antecipação dos efeitos da tutela,

Leia mais

DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE. Bloco I Título, Relatório Descritivo, Quadro Reivindicatório, Desenhos e Resumo

DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE. Bloco I Título, Relatório Descritivo, Quadro Reivindicatório, Desenhos e Resumo MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE Bloco I Título, Relatório Descritivo, Quadro Reivindicatório,

Leia mais

DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE. Bloco I Título, Relatório Descritivo, Quadro Reivindicatório, Desenhos e Resumo

DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE. Bloco I Título, Relatório Descritivo, Quadro Reivindicatório, Desenhos e Resumo MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE Bloco I Título, Relatório Descritivo, Quadro Reivindicatório,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 ANVISA Site Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2921766/r DC_98_2016.pdf/32ea4e54-c0ab-459d-903d- 8f8a88192412 Apresentação: Andressa Daron Giordani Conceito

Leia mais

Revisão da RDC 54/2013 Rastreabilidade de Medicamentos

Revisão da RDC 54/2013 Rastreabilidade de Medicamentos Diretoria de Gestão Institucional DIGES Revisão da RDC 54/2013 Rastreabilidade de Medicamentos Brasília, 07/12/2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA Objetivos do SNCM: Ferramenta útil contra a falsificação e o roubo

Leia mais

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos,

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos, Diretrizes Gerais de Abordagem das Somatizações, Síndromes ansiosas e depressivas Alexandre de Araújo Pereira Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Somatizações Transtornos Depressivos

Leia mais

USO DE ANALGÉSICOS EM ODONTOPEDIATRIA

USO DE ANALGÉSICOS EM ODONTOPEDIATRIA USO DE ANALGÉSICOS EM ODONTOPEDIATRIA Grupo 1 : Adriana Xavier Aline Campos Brunna Machado Caroline Martin Claudia Sakitani Grasiela Martins Jéssica Florentino Juliane de Paula Lucas Yamada USO DE ANALGÉSICOS

Leia mais

SUMED/ANVISA. Processo de Reestruturação. Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos

SUMED/ANVISA. Processo de Reestruturação. Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos SUMED/ANVISA Processo de Reestruturação Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos Objetivos da reestruturação Uniformizar e aprimorar os procedimentos administrativos e técnicos; Promover

Leia mais

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO 1. (Uerj 2016) Para diferenciar os hidrocarbonetos etano e eteno em uma mistura gasosa, utiliza-se uma reação com bromo molecular: o etano não reage com esse composto, enquanto o eteno reage de acordo

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 SOLICITANTE Juíza de Direito: Dr(a). Juizado Especial 0512 Pirapora NÚMERO DO PROCESSO nº0512.13 003595-3 DATA 17/05/2013 1- O medicamento solicitados Venlafaxina (Venlift),é

Leia mais

(11) PI (22) Data de Depósito: 06/10/2003 (45) Data da Concessão: (RPI 2288)

(11) PI (22) Data de Depósito: 06/10/2003 (45) Data da Concessão: (RPI 2288) (11) PI 0305004-1 81 (22) Data de Depósito: 06/10/2003 (45) Data da Concessão: 1111112014 (RPI 2288) 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111 * B R P I O 3 O 5 O O 4

Leia mais

MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE

MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e respostas frequentes sobre descrição da equivalência sal/base na bula na rotulagem de medicamentos

Leia mais

Perguntas para o roteiro de aula. 1) Descreva as principais características estruturais gerais das moléculas de DNA e

Perguntas para o roteiro de aula. 1) Descreva as principais características estruturais gerais das moléculas de DNA e Perguntas para o roteiro de aula Professora: Drª Marilda S. Gonçalves Propriedades físico-químicas dos ácidos nucléicos 1) Descreva as principais características estruturais gerais das moléculas de DNA

Leia mais

Sucupira extrato seco

Sucupira extrato seco Sucupira extrato seco Antiinflamatório combate a dor Se tratando de fitoterápico: Nome científico: Bowdichia spp Família: Fabaceae Parte utilizada: semente Princípios ativos: sucupirina, sucupirona, sucupirol,

Leia mais

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM

Leia mais

Assinale a alternativa que apresenta as funções orgânicas representadas na fórmula.

Assinale a alternativa que apresenta as funções orgânicas representadas na fórmula. 1- Nas cadeias carbônicas existem algumas características que podem ser observadas nos compostos orgânicos, tais como: cadeias insaturadas, saturadas, homogêneas, heterogêneas, alifáticas, alicíclicas,

Leia mais

Plano de aula - História, Filosofia e Sociologia do Ensino da Ciência

Plano de aula - História, Filosofia e Sociologia do Ensino da Ciência Plano de aula - História, Filosofia e Sociologia do Ensino da Ciência 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Química Sintética 2.1 Conteúdo Básico: Funções Química 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

Bacteriologia 2º/ /08/2017

Bacteriologia 2º/ /08/2017 CULTIVO DE MICRORGANISMOS IN VITRO Para cultivar microrganismos em sistemas artificiais, deve-se obedecer a requisitos básicos, como a utilização de um meio com aporte nutritivo adequado para aquele microrganismo,

Leia mais

5. Um químico com a intenção de determinar a equação de velocidade para a reação x + y z, realizou três experimentos, chegando aos seguintes valores:

5. Um químico com a intenção de determinar a equação de velocidade para a reação x + y z, realizou três experimentos, chegando aos seguintes valores: 1. Em uma lavoura de café, avistou-se um trabalhador com uma peneira realizando movimentos verticais e horizontais com ela. Assinale a alternativa que indica, respectivamente, os métodos de separação avistados.

Leia mais

Responda apenas duas (02) questões referentes a área de Química Analítica

Responda apenas duas (02) questões referentes a área de Química Analítica Responda apenas duas (02) questões referentes a área de Química Analítica QUESTÃ 1 Escreva as equações químicas para estabelecimento do equilíbrio químico e calcule o ph das seguintes soluções: a- Solução

Leia mais

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA CLASSIFICAÇÃO DOS FÁRMACOS Introdução o que são FÁRMACOS? Substância química conhecida e de estrutura

Leia mais

APL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado

APL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado APL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado Grupo de Trabalho: Classificação Professor Existe uma crença de que os produtos naturais são necessariamente bons ou menos nocivos que os

Leia mais

Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil

Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil Claudia Magioli Coordenadora Geral de Patentes II Área de Biotecnologia Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação 7 de novembro de 2013 Centro

Leia mais

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros MARCOS VINÍCIUS DE S. LEANDRO Jr. Médico Veterinário Fiscal Federal Agropecuário Ministério da Agricultura,

Leia mais

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX)

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX) VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Farma: Cartucho contendo frasco com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA FIBRA PRIMEIRO PERÍODO - EIXO TEMÁTICO: O HOMEM COMO SER BIOLÓGICO E SOCIAL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA FIBRA PRIMEIRO PERÍODO - EIXO TEMÁTICO: O HOMEM COMO SER BIOLÓGICO E SOCIAL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA FIBRA PRIMEIRO PERÍODO - EIXO TEMÁTICO: O HOMEM COMO SER BIOLÓGICO E SOCIAL ANATOMIA HUMANA FISIOLOGIA HUMANA BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR PROFISSIO

Leia mais

Sorine Adulto. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml

Sorine Adulto. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml Sorine Adulto Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sorine cloridrato de nafazolina

Leia mais

RESÍDUOS AVERMECTINAS EM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

RESÍDUOS AVERMECTINAS EM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL RESÍDUOS AVERMECTINAS EM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Aline A. Rezende Rodrigues Segurança de Alimentos RESÍDUOS DE MEDICAMENTOS EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL Programa de monitoramento e vigilância - MAPA

Leia mais

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo.

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo. Comparativos curriculares SM Química Ensino médio Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo Apresentação Professor, Devido à inexistência

Leia mais

Funções Orgânicas Nitrogenadas

Funções Orgânicas Nitrogenadas Funções Orgânicas Nitrogenadas 1. (Cesesp-PE) Considerando as seguintes aminas: I. Metilamina II. Dimetilamina III. Fenilamina Escolha a alternativa que indica a ordem decrescente de basicidade: a) II

Leia mais

Práticas Regulatórias da ANVISA na área de Cosméticos, Produtos para Saúde e Saneantes

Práticas Regulatórias da ANVISA na área de Cosméticos, Produtos para Saúde e Saneantes 1 Práticas Regulatórias da ANVISA na área de Cosméticos, Produtos para Saúde e Saneantes Jean Clay O. Silva - ANVISA 1 2 Práticas Regulatórias: Cosméticos, Produtos para Saúde e Saneantes Missão da ANVISA

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica A absorção, a distribuição, o metabolismo e a excreção de um fármaco envolvem

Leia mais

AAS. Ácido acetilsalicílico - Forma farmacêutica e de apresentação

AAS. Ácido acetilsalicílico - Forma farmacêutica e de apresentação AAS Ácido acetilsalicílico - Forma farmacêutica e de apresentação AAS comprimidos Adulto: embalagem contendo 200 ou 500 comprimidos. AAS comprimidos Infantil: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos.

Leia mais

CURSO ABSOLUTO VESTIBULARES - ISOLADO DE QUÍMICA EQUILÍBRIO IÔNICO Prof.: Mazzei

CURSO ABSOLUTO VESTIBULARES - ISOLADO DE QUÍMICA EQUILÍBRIO IÔNICO Prof.: Mazzei 01. O ácido cianídrico tem ampla aplicação industrial, sendo matéria-prima para a fabricação de vários bens de consumo. Entretanto, ao trabalhar-se com essa substância deve-se tomar o devido cuidado. Esse

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

LISTA DAS FUNÇÕES ORGÂNICAS

LISTA DAS FUNÇÕES ORGÂNICAS Orgânica Na pré-história, o ser humano se limitava a usar materiais que encontrava na natureza, sem provocar neles grandes modificações. A descoberta do fogo trouxe ao ser humano a primeira maneira efetiva

Leia mais

1. A fórmula de um alcano é CnH 2n 2,

1. A fórmula de um alcano é CnH 2n 2, 1. A fórmula de um alcano é CnH 2n 2, onde n é um inteiro positivo. Neste caso, a massa molecular do alcano, em função de n, é, aproximadamente: a) 12n b) 14n c) 12n 2 d) 14n 2 e) 14n 4 4. 2. Leia o texto

Leia mais

Massa Atômica (M.A.) é a massa de um átomo, expressa em u.

Massa Atômica (M.A.) é a massa de um átomo, expressa em u. Química Profª Simone AULA 9 QUANTIDADE DE MATÉRIA (MOL) A química é essa ciência que deseja compreender os mistérios da matéria, e nesse estudo serão abordados aspectos quantitativos e qualitativos. Nessa

Leia mais

Prof. Luiz F. Silva Jr - IQ-USP

Prof. Luiz F. Silva Jr - IQ-USP ü Leitura Recomendada: Organic Chemistry, J. Clayden, N. Greeves, S. Warren, P. Wothers, Oxford, Oxford, 2001, cap. 8. ü Compreender aspectos de acidez e basicidade é essencial em Química Orgânica: i)

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA Qualificação: Técnico

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais