RETROSPECTIVA DESCRITIVO-ANALÍTICA DA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RETROSPECTIVA DESCRITIVO-ANALÍTICA DA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA."

Transcrição

1 RETROSPECTIVA DESCRITIVO-ANALÍTICA DA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA. Sandra Maria Furiam Dias Universidade Estadual de Feira de Santana Luciano Mendes Souza Vaz * Universidade Estadual de Feira de Santana Biólogo pela UEFS/BA. Mestre em Ciências Florestais pela ESALQ/USP/SP. Professor Visitante do Departamento de Tecnologia/ UEFS. Membro da Equipe de Educação Ambiental/UEFS e coordenador da divisão de compostagem EEA/UEFS. Endereço (*) : Km 03 BR 116- Campus Universitário. Caixa Postal: CEP Feira de Santana- Ba Telefone: (0xx75) (0XX75) RESUMO Os problemas ocasionados pela disposição incorreta de resíduos orgânicos compreendem um amplo espectro, que abrange desde casos relacionados à contaminação do solo e água, produção de odores, disseminação de doenças até a desvalorização da área onde o resíduo é depositado, interferindo no modo de vida de uma comunidade e a sua concepção de ambiente. Instalada desde 1992 a coleta seletiva é realizada em todo o campus da Universidade Estadual de Feira de Santana. Para a efetuação da coleta existe toda uma estrutura que vai desde acondicionadores coloridos a área de armazenamento e tratamento de recicláveis. Dos resíduos orgânicos produzidos na universidade, os das cantinas são reciclados na sua totalidade. Os resíduos orgânicos utilizados possuem densidade em torno de 0,64 g cm 3 e cada pilha ocupa o equivalente a 4,7 m 3. A área utilizada para a compostagem é de 100 m 2, sendo esta coberta e com o piso de concreto desempola e uma canaleta para captação de chorume. Os parâmetros de ph, sólidos voláteis e germinação apresentam resultados satisfatórios e condizentes com outros experimentos de compostagem que expressem a decomposição da matéria orgânica nas pilhas. O projeto tem contribuído na construção de uma nova forma de concepção dos resíduos orgânicos, ou seja, o que antes era considerado um problema com vários desdobramentos negativos, torna-se um material com variados tipos de utilização e que serve desde a geração do resíduo orgânico até a obtenção do composto como um meio de sensibilização e re-avaliação de costumes. Devido às pesquisas desenvolvidas pelo projeto este agrega as mais variadas áreas servindo de suporte para as aulas de graduação e pós graduação do campus. As atividades de pesquisa e extensão são periódicas devido à demanda de estudantes que se interessam pelo assunto, acarretando em aquisição de equipamentos para os laboratórios que auxiliam nas análises desenvolvidas, bem como com bolsas de pesquisa e extensão oferecidas pelas instituições de fomento a pesquisa e a Universidade Estadual de Feira de Santana. Existe o interesse também pelos alunos e professores do ensino médio e fundamental que tem o projeto como forma de complementar a estruturação didática de suas disciplinas ligadas às ciências biológicas. Ocorre um interesse do setor de jardinagem do campus no reaproveitamento do composto, sendo uma tentativa do programa em incorporar este hábito na rotina da universidade. Palavras Chave: Compostagem, Resíduos Orgânicos, Gerenciamento, Universidade, Educação Ambiental. 1

2 INTRODUÇÃO Os problemas ocasionados pela disposição incorreta de resíduos orgânicos compreendem um amplo espectro, que abrange desde casos relacionados à contaminação do solo e água, produção de odores, disseminação de doenças até a desvalorização da área onde o resíduo é depositado, interferindo no modo de vida de uma comunidade e a sua concepção de ambiente (Manahan, 1994; Ayuso et al., 1996; Bowler, 1999; Tedesco et al., 1999). Dos métodos utilizados atualmente para o tratamento dos resíduos orgânicos, a compostagem tem-se mostrado uma técnica confiável e com resultados satisfatórios. O tratamento é definido como um processo controlado de decomposição microbiana de uma massa heterogênea de matéria orgânica no estado sólido tendo como resultado final o composto orgânico (Kiehl, 1985, Pereira Neto, 1989; Kiehl, 1998). Devido as atividades de ensino, pesquisa, extensão e administrativas o campus produz uma gama muito diversificada de resíduos, passando por várias características que os retratam desde Classe I a Classe III (ABNT, 1984). Em 1992 foi implantada uma experiência na área de gerenciamento de resíduos sólidos lançando mão da coleta seletiva e reaproveitamento de resíduos com potencial reciclável direcionados por estratégias de educação ambiental. O projeto intitulado Coleta seletiva e reaproveitamento do lixo gerado no campus da UEFS instituiu dentro das suas diversas linhas de pesquisa o projeto Compostagem de resíduos orgânicos produzidos no campus. O projeto foi consolidando linhas na área de monitoramento de pilhas de compostagem através de parâmetros físicoquímicos e biológicos, rendendo bolsas de pesquisas e trabalhos publicados nos mais diversos fóruns científicos. Existe também uma linha voltada a extensão onde a busca de troca com prefeituras, comunidades e órgãos não governamentais direciona as tecnologias aplicadas a estas necessidades. Indisssociada dos processos de pesquisa e extensão a educação ambiental é um instrumento utilizado durante todas as execuções do projeto. O projeto tem como objetivos: i) o desenvolvimento de métodos de compostagem primando pela qualidade e técnicas de baixo custo adaptadas as características do semi-árido nordestino; ii) chamar atenção para o problema de disposição e aproveitamento de resíduos orgânicos; iii) ser um instrumento de Educação Ambiental. O presente trabalho tem como objetivo demonstrar como ocorre o tratamento dos resíduos orgânicos produzidos em um campus universitário, bem como os desdobramentos ocorridos com a efetuação do processo de compostagem. METODOLOGIA A Universidade Estadual de Feira de Santana constitui-se de sete módulos onde são desenvolvidas atividades acadêmicas e Centros Administrativos I, II e III. Conta ainda com outras instalações como um Centro de Informática, Parque Esportivo, Biblioteca, Creche, Centro de Educação Básica, Residência Universitária, Estação Climatológica, Sede de Educação Ambiental e Clínicas Odontológicas. São mantidos 20 Cursos de Graduação e 56 de Pós-graduação. São produzidas 6.182,8 t ano -1 de resíduos sólidos sendo 38,34 % de recicláveis e 61,66 % de aterro. Convencionou-se denominar aterro todos os resíduos que não se enquadram nos parâmetros de recicláveis (papel, metal, vidro, plástico e orgânico). O lixo hospitalar é acondicionado em local específico e coletado pela prefeitura da cidade. Dos resíduos orgânicos produzidos na universidade, os das cantinas são reciclados na sua totalidade. Como a universidade não possui restaurante universitário com funcionamento regular as cantinas acabam por servir, preferencialmente, como o ponto de refeição no campus. Esses resíduos são coletados diariamente por um trator com carroceria (capacidade de 3m 3 ) e levado para o pátio de compostagem para processamento. Os resíduos utilizados tem sua origem basicamente de restos de preparo de alimentos e refeições. Após a compostagem o composto, produto final, é peneirado e armazenado em tambores. O refugo, material não decomposto, é reutilizado nas pilhas seguintes. Os materiais inertes (canudos, tampas, embalagens) são enviados para o lixo aterro. Os resíduos provenientes das podas do campus não são ainda reaproveitados devido a capacidade da usina de tratamento não comportá-los e são dispostos em áreas isoladas do campus. Os resíduos provenientes do restaurante universitário são utilizados como alimento para animais pertencentes a funcionários da própria universidade. O ciclo do lixo orgânico da UEFS é representado na Figura 1. 2

3 Figura 1- Fluxograma representando as principais vias de geração, coleta e tratamento do resíduo orgânico produzido na Universidade Estadual de Feira de Santana. Os resíduos orgânicos utilizados possuem densidade em torno de 0,64 g cm 3 e cada pilha ocupa o equivalente a 4,7 m 3. A área utilizada para a compostagem é de 100 m 2, sendo esta coberta e com o piso de concreto desempolado e uma canaleta para captação de chorume (Figura 2). A construção de cada pilha demanda cerca de quatro semanas, sendo a sua configuração cônica com altura em torno de 1,20 m e diâmetro de 2,0 m. A B C D Figura 2- Monitoramento das pilhas de compostagem (A); Composto orgânico produzido com os resíduos do campus (B); Amostras de composto utilizadas para sensibilização da comunidade universitária e aos visitantes do projeto (C); Vista lateral da área de compostagem (D). 3

4 As pilhas são monitoradas na área quanto à temperatura, umidade e odor. Realizam-se avaliações sistemáticas de ph em água e sólidos voláteis durante todo o período de compostagem. Com o decréscimo da temperatura no final dos 90 dias passa-se ao teste de germinação para indicação da maturação do composto. RESULTADOS E CONSIDERAÇÕES FINAIS As fases comuns ao processo de degradação aeróbica (fase termofílica e mesofílica) são observadas no período de cerca 90 dias. Os parâmetros ph, sólidos voláteis (Figura 2) e carbono total (Figura 3) e temperatura (Figura 4) germinação apresentam resultados satisfatórios e condizentes com outros experimentos de compostagem que expressem a decomposição da matéria orgânica nas pilhas. As características físico-químicas são expressas na tabela 1. Iniciando uma nova fase o projeto passa a incorporar novos tipos de análises buscando centrar o ponto da maturação do composto. Os fungos identificados foram coletados durante a fase oxidativa e a fase de maturação. Encontraram-se o Aspergillus flavus e Aspergillus niger. As espécies de Aspergillus são classificadas pelo conjunto de características macro e microscópicas. Tabela 1 Características químicas do composto produzido através do método de compostagem de reviramento manual com resíduos orgânicos produzidos em universidade. ph C P 2 O 5 K 2 O Ca Mg Cd Cu Zn Pb % água g kg -1 ug g -1 8,2 13,8 0,07 7,3 6,6 4,1 <5 < SÓLIDOS VOLÁTEIS (%) DIAS DE COMPOSTAGEM Figura 2- Comportamento dos Sólidos Voláteis em pilha de compostagem aeróbica revirada manualmente. 4

5 35 31,7 C TOTAL (%) ,9 16,7 15,6 12,8 12,2 13,9 10,0 8, DIAS DE COMPOSTAGEM Figura 3- Comportamento dos Sólidos Voláteis em pilha de compostagem aeróbica revirada manualmente TEMPERATURA TEMPERATURA (ºC) TEMPO (DIAS) Figura 4- Comportamento da temperatura média em pilha de compostagem aeróbica revirada manualmente durante 90 dias. O aumento da comunidade universitária, pessoas entre os anos de 1994 a 200, possuiu relação direta com a geração de resíduos sólidos orgânicos nas cantinas. Somado ao aumento da comunidade universitária a falta de espaço coberto para a construção das pilhas de compostagem resultou em um acréscimo de 2,2 t nas pilhas, pois a área construída tem a capacidade máxima de 24 m 3 de resíduos orgânicos, obtendo-se um aumento da pilha um reflexo positivo na otimização do espaço de tratamento. O projeto tem contribuído na construção de uma nova forma de concepção para o tratamento dos resíduos orgânicos, ou seja, o que antes era considerado um problema com vários desdobramentos negativos, torna-se um material com potencial de uso e que serve desde a geração do resíduo orgânico até a obtenção do composto como um meio de sensibilização e re-avaliação de costumes. Devido às pesquisas desenvolvidas pelo projeto este agrega as mais variadas áreas servindo de suporte para as aulas de graduação e pós graduação do campus. As atividades de pesquisa e extensão são periódicas devido à demanda de estudantes que se interessam pelo assunto, acarretando em aquisição de equipamentos para os laboratórios que 5

6 auxiliam nas análises desenvolvidas, bem como com bolsas de pesquisa e extensão oferecidas pelas instituições de fomento a pesquisa e a Universidade Estadual de Feira de Santana. Existe o interesse também pelos alunos e professores do ensino médio e fundamental que tem o projeto como forma de complementar a estruturação didática de suas disciplinas ligadas às ciências biológicas. Ocorre um interesse do setor de jardinagem do campus no reaproveitamento do composto, sendo uma tentativa do programa em incorporar este hábito na rotina da universidade. Os códigos éticos e sociais influenciam de forma direta nas atitudes, coletivas e individuais, da comunidade universitária, daí a necessidade de investimento na reformulação do sistema convencional de coleta e seus tratamentos alternativos. O esclarecimento destas vias de gerenciamento é de fundamental importância para a universidade constituindo os primeiros passos para a ruptura dos paradigmas ligados aos resíduos orgânicos. 6-REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1987) Fórum nacional de normatização: NBR Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro. 63 p. Ayuso M.; Pascual, J.A. ; Garcia, C.; Hernández, T. (1996) Evaluation of urban Wastes for agricultural Use. Soil Science and Plant Nutrition, v.42, n.1, p Bowler. I. R. (1999) Recycling urban waste on farmland: on actor-network interpretation. Applied Geography, v. 19, p Dias, S. M.; Vaz, L. M. S. (1997) Compostagem aeróbica: Tratamento do lixo gerado no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 19. Foz do Iguaçu - PR, Anais (CD ROM). Dias, S. M. F.; Vaz, L. M. S. (1996) Métodos de monitoramento no processo aeróbico de compostagem. Sitientibus, Feira da Santana, nº 15, p Kiehl, E. J. (1998) Manual de Compostagem Maturação e qualidade do composto. Piracicaba: E. J. Kiehl. 171 p. Kiehl, E.J. (1985) Fertilizantes orgânicos. São Paulo: Agronômica Ceres. 492p. Manahan, S. E. (1994) Environmental Chemistry. Boca Raton: Lewis. 811 p. Kiehl J.C. (1989) Fertilidade do Solo. São Paulo: Nobel. 400 p. Pereira Neto, J.T. (1989) Conceitos Modernos de Compostagem. Engenharia Sanitária e Ambiental. Abril./ Maio. Tedesco, M. J.; Volkweiss, S. J.; Bohnem, H. (1985).Análises de solo, plantas e outros materiais. Porto alegre: UFRGS. 188 p. (Boletim Técnico Nº 5). 7- AGRADECIMENTOS Agradecemos a todos os participantes (estagiários, funcionários e professores) do programa Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo Gerado no Campus da UEFS, ao Departamento de Tecnologia, o Laboratório de Saneamento e a Universidade Estadual de Feira de Santana por terem acreditado na equipe e que sem os quais seria impossível o andamento dos trabalhos desenvolvidos. 6

COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA

COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA Caroline Graciana Morello 1, Danielli Casarin Vilela Cansian 2,

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS Débora Pietrobon Facchi 1 ; Marcia Ines Brandão 1 ; Maryana Bauer 1 ; Orlando de Paris Junior 1 Morgana Suszek Gonçalves 2

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos para Sociedade Sustentáveis na Universidade Estadual de Feira de Santana - BA: Desafios e Potencialidades

Gestão de Resíduos Sólidos para Sociedade Sustentáveis na Universidade Estadual de Feira de Santana - BA: Desafios e Potencialidades Fórum Internacional. A Sustentabilidade no Século XXI V Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos em Universidades Gestão de Resíduos Sólidos para Sociedade Sustentáveis na Universidade Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CINCO TIPOS DE MINICOMPOSTEIRAS PARA DOMICÍLIOS DO BAIRRO PINHEIRINHO DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC

AVALIAÇÃO DE CINCO TIPOS DE MINICOMPOSTEIRAS PARA DOMICÍLIOS DO BAIRRO PINHEIRINHO DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC ARTIGO AVALIAÇÃO DE CINCO TIPOS DE MINICOMPOSTEIRAS PARA DOMICÍLIOS DO BAIRRO PINHEIRINHO DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC SALVARO, Elisangela; BALDIN, Schirlei; COSTA, Marcel Madeira; LORENZI, Eduardo Smania;

Leia mais

DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES

DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES AÇÕES DE CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO APROVEITAMENTO E TRANSFORMAÇÃO DOS RESÍDUOS EM ESCOLA ESTADUAL. Área Temática: Meio Ambiente Alexandre Couto Rodrigues 1 Jacson Rodrigues França 2 Rafael Borth da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ Autores : Nathan Willian DOS SANTOS, Thayna HACK, Daniel Ferreira de Castro FURTADO Identificação autores: Aluno

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) Comarca de xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx / 2013 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem.

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Habilidades Verificar a importância do correto descarte através do reaproveitamento, reciclagem e reutilização de bens de consumo. 1 Reaproveitamento do Lixo

Leia mais

III-005 - O REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS ATRAVÉS DE UM CONSÓRCIO ENTRE 7 MUNICÍPIOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

III-005 - O REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS ATRAVÉS DE UM CONSÓRCIO ENTRE 7 MUNICÍPIOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL III-005 - O REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS ATRAVÉS DE UM CONSÓRCIO ENTRE 7 MUNICÍPIOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Mara Adriane Scheren (1) Bióloga pela Universidade Estadual

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO Rafael Ranconi Bezerra ¹ Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Luciano Mendes Souza Vaz * Bergson Neiva Costa ** Ozineide da Silva Gusmão *** Leonardo Simões Azevedo****

Luciano Mendes Souza Vaz * Bergson Neiva Costa ** Ozineide da Silva Gusmão *** Leonardo Simões Azevedo**** 145 DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PRODUZIDOS EM UMA FEIRA LIVRE: O CASO DA FEIRA DO TOMBA DIAGNOSIS OF SOLID WASTE PRODUCED IN AN OPEN MARKET: THE CASE OF FEIRA DO TOMBA Luciano Mendes Souza Vaz * Bergson

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG Ilka Soares Cintra (1) Eng a Civil pela Escola de Engenharia da UFMG-1979; Prof a Assistente do Dept o de Cartografia

Leia mais

COMPOSTAGEM SEBASTIÃO TOMAS CARVALHO MARCOS ANTÔNIO DE SL GUERRA

COMPOSTAGEM SEBASTIÃO TOMAS CARVALHO MARCOS ANTÔNIO DE SL GUERRA Resíduos SólidosS COMPOSTAGEM SEBASTIÃO TOMAS CARVALHO MARCOS ANTÔNIO DE SL GUERRA SUMÁRIO Política Nacional de Resíduos Sólidos/Objetivos Lixo no Brasil Coleta Seletiva Compostagem Fundamentos e Métodos

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos DECRETO Nº 5.940, 25/10/2006 Institui coleta seletiva veronica.schmidt@ufrgs.br LIXO utilizado para designar tudo aquilo que não tem mais utilidade RESÍDUO Sobra (refugo) do beneficiamento

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 Morgana Suszek Gonçalves 2, Larissa Kummer 3, Maurício Ihlenfeldt Sejas 4, Thalita Grando Rauen

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH Júlio Eymard Werneck Costa Graduando em Engenharia Civil pela UFMG. Bolsista de iniciação científica. Tainá Ulhoa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

A relação C/N dos resíduos sólidos orgânicos do bairro universitário da cidade de Criciúma - SC

A relação C/N dos resíduos sólidos orgânicos do bairro universitário da cidade de Criciúma - SC A relação C/N dos resíduos sólidos orgânicos do bairro universitário da cidade de Criciúma - SC Daiane Fabris Trombin (UNESC) bio_dai@hotmail.com Ednilson Viana (UNESC) edv@unesc.net Gislaine Zilli Réus

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001.

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. Vania Elisabete Schneider (1)(*) : Departamento de Ciências Exatas e da Natureza (DCEN/CARVI).

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS Renata Soares Pinto (*), Washington Luiz Nunes Apolinário, Carlos Fernando Lemos, Denise

Leia mais

Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV

Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV Área Temática de Meio Ambiente Resumo

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Os principais fatores que influenciam a produção do lixo estão listados.

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Os principais fatores que influenciam a produção do lixo estão listados. III-063 - ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DO LIXO DOMICILIAR URBANO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Mauro Wanderley Lima (1) Engenheiro pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ - 1981). Especialização

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-030 ESTUDO DA VIABILIDADE DE TRATAMENTO, POR FERMENTAÇÃO LÁCTICA, DE RESÍDUOS FOLHOSOS

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

PROJETO CAVALO DE LATA CICLO PALESTRAS ABRALATAS 2013 BELO HORIZONTE MG

PROJETO CAVALO DE LATA CICLO PALESTRAS ABRALATAS 2013 BELO HORIZONTE MG PROJETO CAVALO DE LATA CICLO PALESTRAS ABRALATAS 2013 BELO HORIZONTE MG O QUE É O CAVALO DE LATA? O Cavalo de Lata é um sonho antigo, que depois de muitas pesquisas e conversas informais, se torna cada

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

III-071 AVALIAÇÃO DA COMPOSTAGEM MESOFÍLICA E TERMOFÍLICA

III-071 AVALIAÇÃO DA COMPOSTAGEM MESOFÍLICA E TERMOFÍLICA III-071 AVALIAÇÃO DA COMPOSTAGEM MESOFÍLICA E TERMOFÍLICA Francimara Costa de Souza (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento pela Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME Maria Zanin (1) Professora do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Vinícius Augusto Morais, 9º módulo de Engenharia Florestal/UFLA, vemorais@bol.com.br; Kelly Lopes Silva,

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA Vicente

Leia mais

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos 1. INTRODUÇÃO O lixo é um problema crônico que vem afetando comunidades no mundo inteiro. No Brasil, a geração de lixo per capita varia de acordo com o porte populacional do município. Segundo dados da

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental.

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. PANZENHAGEN, Liane Margarete 1, VALE, Giovane Maia 2 ; MOREIRA, Ilson 3. Palavras-chave: composteira, meio ambiente, comunidade escolar. Introdução

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

Gerenciamento de resíduos sólidos na Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão

Gerenciamento de resíduos sólidos na Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão Gerenciamento de resíduos sólidos na Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão RESUMO Este trabalho teve por objetivo realizar um diagnóstico da situação atual dos resíduos gerados

Leia mais

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela

Leia mais

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA AUTOR E APRESENTADOR: Cristina Garvil Diretora da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba SAE Arquiteta, Mestranda em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão da Inovação

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES Kelma M a Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991.

Leia mais

TÍTULO: COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS DA CANTINA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

TÍTULO: COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS DA CANTINA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ TÍTULO: COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS DA CANTINA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS: APRIMORAMENTO E APLICAÇÃO DE TÉNICAS PARA SUSTENTABILIDADE NA UNIVERSIDADE

TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS: APRIMORAMENTO E APLICAÇÃO DE TÉNICAS PARA SUSTENTABILIDADE NA UNIVERSIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS: APRIMORAMENTO E APLICAÇÃO DE TÉNICAS PARA SUSTENTABILIDADE NA UNIVERSIDADE Professor Responsável: Prof.

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA PUCRS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA PUCRS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA PUCRS Outubro de 2007 PUCRS Campus Central 240 mil m 2 de área construída Mais de 30 prédios População: 30 mil pessoas A Comissão de Gerenciamento de Resíduos da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM COMPOSTAGEM: METODOLOGIA E CORRELAÇÕES

AVALIAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM COMPOSTAGEM: METODOLOGIA E CORRELAÇÕES AVALIAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM COMPOSTAGEM: METODOLOGIA E CORRELAÇÕES André Luís de Oliva Campos, Carlos Eduardo Blundi Departamento de Hidráulica e Saneamento - Escola de Engenharia de São Carlos -

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL

I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL Davi Edson Sales De Souza (1) Engenheiro Sanitarista pela

Leia mais

III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR

III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR Carlos de Barros Jr (1) Engenheiro Químico, Professor do Departamento de Engenharia Química da Universidade Estadual

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO FISPQ

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO FISPQ 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - Identificação do Produto: Página: 1 / 5 Nome do produto ou Nome Comercial: HAGEN SUPERFLEXÍVEL Uso da Substância/Preparação: Produto para construção e indústria.

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

III- 013 - EMPREGO DE COLETORES SELETIVOS PARA COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS DE ÁGUA E CAFÉ

III- 013 - EMPREGO DE COLETORES SELETIVOS PARA COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS DE ÁGUA E CAFÉ III- 013 - EMPREGO DE COLETORES SELETIVOS PARA COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS DE ÁGUA E CAFÉ Mário dos Reis Pereira Neto (1) Engenheiro Civil, responsável pelo setor de infraestrutura: conservação, manutenção

Leia mais

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Análises Clínicas Responsável: Mônica Evelise Silveira Equipe:

Leia mais

III-092 - O USO DA INFORMÁTICA E A IMPORTÂNCIA DA MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS POR COMPOSTAGEM PARA VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL

III-092 - O USO DA INFORMÁTICA E A IMPORTÂNCIA DA MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS POR COMPOSTAGEM PARA VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL III-092 - O USO DA INFORMÁTICA E A IMPORTÂNCIA DA MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS POR COMPOSTAGEM PARA VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL Terezinha Rodrigues Chaves (1) Engenheira Química - Universidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP

IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Mestre em Engenharia Química (UNICAMP, 1996). Engenheiro de Segurança do Trabalho (UNESP, 1994).

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Uso agrícola de composto orgânico: controle ambiental e informatização Fábio Cesar da Silva próxima 1 USO AGRÍCOLA DE COMPOSTO ORGÂNICO: controle ambiental e informatização

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

1º Encontro Regional sobre. "Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

1º Encontro Regional sobre. Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS 1º Encontro Regional sobre "Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS José Luiz Choiti Tomita¹, Naomi Akiba 1 jlctomita@kmambiente.com.br, nakiba@kmambiente.com.br

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS TÓXICOS EM CHORUME COLETADO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS TÓXICOS EM CHORUME COLETADO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS TÓXICOS EM CHORUME COLETADO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR Endrigo Antônio de Carvalho, Gustavo Coelho, Gilmar Divino Gomes, Leonardo Strey,

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Consideram-se resíduos sólidos como sendo rejeitos resultantes das diversas atividades humanas. Podem ser de diversas origens: industrial, doméstica, hospitalar,

Leia mais

Toda a água utilizada no processo de fabricação é captada da chuva, e o circuito é fechado, sem permitir qualquer contaminação ao meio ambiente.

Toda a água utilizada no processo de fabricação é captada da chuva, e o circuito é fechado, sem permitir qualquer contaminação ao meio ambiente. WE SUPPORT A In Brasil utiliza rejeitos* industriais como matéria prima de seus produtos. Antes do desenvolvimento dessa tecnologia, todo esse rejeito era depositado em aterros sanitários. Nossos perfis

Leia mais

RESÍDUOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS ASSOCIADOS A COMPOSTAGEM E A LIBERAÇAO DE POTÁSSIO NO SOLO E O DESENVOLVIMENTO DO PINHÃO MANSO

RESÍDUOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS ASSOCIADOS A COMPOSTAGEM E A LIBERAÇAO DE POTÁSSIO NO SOLO E O DESENVOLVIMENTO DO PINHÃO MANSO RESÍDUOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS ASSOCIADOS A COMPOSTAGEM E A LIBERAÇAO DE POTÁSSIO NO SOLO E O DESENVOLVIMENTO DO PINHÃO MANSO Maria Maiara Cazotti (1) ; Roberto Carlos da Conceição Ribeiro (2) ; Luciana

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais