CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ"

Transcrição

1 CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Nathália Bernardes Ribeiro 1 Izabela da Silveira Cardoso 2 Guilherme Aleoni 3 Miguel Cooper 4 Resumo: A geração de resíduo é um dos principais problemas humanos, sobretudo nos centros urbanos, que tem grade dificuldades de disposição de seus resíduos, muitas vezes por falta de políticas de educação e incentivo à adoção de novas práticas pela população ou dificuldade de um bom sistema de gestão e monitoramento da produção destes resíduos. Deste modo, o trabalho versa sobre a aplicação de uma rotina de diagnóstico de cada setor/departamento do Campus Luiz de Queiroz, além do monitoramento do sistema de coleta seletiva, aplicações de intervenções educativas à locais com não conformidade e retorno à população dos resultados. O objetivo, além de mostrar uma gestão em menor escala, é também mostrar a importância deste processo para melhor caracterização do espaço e da compreensão ambiental da presente comunidade. Palavras-chaves: resíduos, educação, diagnóstico e monitoramento 1. INTRODUÇÃO A universidade consome diariamente uma grande quantidade de materiais, entretanto, muitas vezes não há um olhar sobre o ciclo de vida e o impacto dos resíduos gerados. Dentro desse contexto, o projeto incentiva a prática dos 3 Rs (Reduzir, Reutilizar e Reciclar) no campus Luiz de Queiroz, visando auxiliar na gestão integrada de resíduos sólidos e assim desenvolver metodologias que possam ser utilizadas por outras instituições interessadas. Por meio do diagnóstico e monitoramento dos resíduos nos departamentos do campus, é obtido um conjunto de informações que são utilizadas como indicadores para mensurar a evolução do processo realizado. 1 Graduanda em Engenharia Florestal ESALQ/USP, Bolsista USP Recicla, 2 Graduanda em Gestão Ambiental ESALQ/USP, Bolsista USP Recicla, 3 Graduando em Gestão Ambiental ESALQ/USP, Bolsista USP Recicla, 4 Coordenador do Programa USP Recicla em Piracicaba (ESALQ/USP),

2 Este projeto é parte integrante do Programa USP Recicla cuja missão é contribuir para a construção de sociedades sustentáveis através de ações voltadas à minimização de resíduos, conservação do meio ambiente, melhoria da qualidade de vida e formação de pessoas comprometidas. 2. METODOLOGIA O método utilizado pelo projeto é a realização de diagnósticos quantitativos e qualitativos dos resíduos provenientes da coleta seletiva do campus por meio de pesagens e verificações semestrais dos materiais. Nas análises são retiradas amostras semanais onde são observadas a quantidade de resíduos gerados em cada setor/unidade do campus Luiz de Queiroz, assim como a porcentagem de recicláveis misturados com lixo não reciclável ou ainda enviado para aterro e que teria potencial para reciclagem. Através desta análise é gerado os dados qualitativos de resíduos, onde atualmente, é considerado 5% o nível máximo é permitido de mistura entre os resíduos destinados ao lixo comum e os recicláveis no campus de Piracicaba. Índice este estabelecido a partir de dados históricos do campus. Os indicadores obtidos são retornados aos 40 responsáveis pelos setores/unidades, que formam uma comissão de difusão de boas práticas ambientais, assim como em intervenções em locais com maiores problemas na geração dos resíduos. O projeto visa também acompanhar e garantir o bom desenvolvimento da coleta seletiva no campus, através dos monitoramentos. Estes consistem em visitas periódicas realizadas nos departamentos/setores por estagiários, em conjunto com representantes do Programa USP Recicla, verificando pontos problemáticos através da análise da infraestrutura e da aplicação de questionários a comunidade local. Além disso, os monitoramentos desenvolvem intervenções educativas que estimulam a adoção de boas práticas socioambientais. Num terceiro momento há a análise dos dados gerados pelo monitoramento e pelo diagnóstico e realizadas atividades nos setores/departamentos que não estão em conformidade com as metas lançadas para prestar esclarecimentos quanto aos hábitos de consumo, disposição de resíduos e o sistema de coleta seletiva do campus Luiz de Queiroz. É utilizado, entre outros materiais, um kit lixo formado por um conjunto de objetos recolhidos no diagnóstico que ajudam na interação e fixação dos processos utilizados na gestão de resíduos da unidade.

3 Finalmente, são elaborados semestralmente relatórios para cada departamento/setor descrevendo a situação dos resíduos e apresentando sugestões de ações para melhorias, que são encaminhados aos administradores e à comunidade local. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO As coletas de lixo comum no campus acontecem três vezes por semana, totalizando cerca de 144 coletas em um ano. Através de dados obtidos entre 2009 e 2011 pela pesagem dos caminhões utilizados nas coletas, sabe-se que 1400 Kg de lixo, em média, são recolhidos por coleta e, desta forma, temos um total de 120 a 190 toneladas de lixo comum no prazo de um ano. Tendo base que os recicláveis recolhidos duas vezes no prazo de uma semana acumulam cerca de 81 toneladas anuais de resíduos, pode-se explorar mais os dados presente na série , presente na tabela abaixo, onde se esclarece os pontos levantados no diagnóstico de resíduos sólido do campus. Tabela 1: Comparação de Resíduos gerados no Campus Luiz de Queiroz entre os anos de (em toneladas) Total de resíduos gerados no campus anualmente Total de não recicláveis gerados no campus anualmente Enviados para Reciclagem Potencial para reciclagem ainda % referente o material que vai para o lixo 15% 12% 22% Rejeito encontrado nos recicláveis 3% 3% 5% Total com potencial reciclável % efetivamente reciclada atualmente 28% 28% 42% Dessa forma, obteve-se em 2011, a partir da soma dos resíduos recicláveis, toneladas, e do lixo comum, toneladas ( enviados para reciclagem + potencial para reciclagem ainda), temos o total de resíduos gerados por ano no campus: toneladas. Esta geração pode ser distribuída entre as unidades que compõe o campus Luiz de Queiroz da forma proposta no gráfico 1.

4 Origem dos materiais coletados (%) Gráfico1: Origem dos materiais Coletados 27% 15% 2% 56% CENA Ciagri ESALQ CCLQ Estudos realizados pelo CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem - indicam que, para os municípios, a porcentagem ideal de material reciclável é de 30% do total de resíduos gerados. Entretanto existem diferenças entre os resíduos gerados por uma universidade e por um município, uma vez que este produz mais lixo orgânico e menos material reciclável. Através dessa comparação, podemos concluir que a porcentagem ideal de material reciclável para a universidade é superior aos 30% estabelecidos pelo CEMPRE, portanto o campus Luiz de Queiroz conseguiu atingir o índice ideal em Verificou-se que, com a realização de diagnósticos e monitoramentos, houve uma elevação da quantidade de rejeitos presentes nos recicláveis, porém isto se deve, provavelmente à intensificação e maior cobertura da coleta seletiva no campus no ano de 2011, o que demandará por melhor sistematização do processo continuado de educação ambiental crescente e a prática de intervenções educativas. Como resultado obtém-se a destinação mais apropriada dos resíduos: separação correta dos recicláveis, o envio das lâmpadas para descontaminação e coleta diferenciada para pilhas e baterias. Também ocorre a redução de descartáveis e a utilização da caneca durável, que atinge 93% do Campus. Entretanto, é possível observar nos diagnósticos a existência de uma quantidade de materiais potencialmente recicláveis ainda sendo encaminhadas para a coleta comum. Cerca de 22% do lixo comum, ou seja, de 32 ton. de resíduos, deveriam ser incorporados à coleta seletiva. Adicionando esse valor à quantidade encaminhada à cooperativa, temos

5 em torno 125 ton. de resíduos potencialmente de recicláveis no campus de um total de 230 ton. de resíduos no ano de Embora ainda haja muita resistência para a mudança de hábitos e adoção de práticas ambientalmente corretas, tais como para o uso frente e verso de papéis, muitos avanços têm ocorrido em termos de procedimentos e novas posturas socioambientais. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Verifica-se um processo crescente de sensibilização da comunidade do campus quanto à temática ambiental tendo como eixo central a aplicação do conceito dos 3R s (Reduzir, Reutilizar e Reciclar) e têm contribuído para a economia de recursos financeiros e naturais e para a educação ambiental da comunidade. O processo de diagnóstico e monitoramento necessita, neste contexto, de fazer parte do processo educativo como uma das formas de avaliar o desempenho de intervenções e implantação de práticas socioambientais ligada ao local de aplicação, pois é uma ferramenta importante de quantificação que ajuda no entendimento da população do uso de recursos. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS JARDIM, N. S. et al. Lixo Municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo, IPT/CEMPRE, p. SUDAN, D. C. et al. Dá pá virada: Revirando o tema lixo: Vivências em Educação Ambiental e Resíduos Sólidos. Agência USP de Inovação. USP Recicla. São Paulo, 2007.

O marco mundial da nova ordem ambiental é minimizar o lixo. Desde 1992, os 170 países presentes na conferência da ONU sobre Meio Ambiente e

O marco mundial da nova ordem ambiental é minimizar o lixo. Desde 1992, os 170 países presentes na conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Parceria: O marco mundial da nova ordem ambiental é minimizar o lixo. Desde 1992, os 170 países presentes na conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a RIO/92, assinaram a Agenda 21, que

Leia mais

1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental.

1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental. 1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental. 2. Caracterização da situação anterior: O município de Glória de Dourados possui 9.927 habitantes (IBGE-2011),

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E INTEGRAÇÃO CAMPUS EMPRESA IF-SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS MURIAÉ

COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E INTEGRAÇÃO CAMPUS EMPRESA IF-SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS MURIAÉ Em Busca dos 3Rs (REDUZIR, REUTILIZAR E RECICLAR) 1. EQUIPE Coordenadora: Andrea Procópio Lourenço Técnica em Assuntos Educacionais Mariana Silva de Paiva Engenheira Agrônoma Professora Ana Tereza César

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA.

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Recicle Art

Mostra de Projetos 2011. Recicle Art Mostra de Projetos 2011 Recicle Art Mostra Local de: Ivaiporã. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Sesi Apucarana. Cidade: Apucarana. Contato:

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica LIXO MÍNIMO: EDUCANDO PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS Heliene Ferreira da Silveira Batista 1,3 Andréia Arruda de Oliveira Mosca 2,3 1 Bolsista PIVIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora 3 Curso de Geografia,

Leia mais

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES Kelma M a Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991.

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA (TCC EA)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA (TCC EA) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA (TCC EA) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Agronômica deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) RECICLADOR Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente de Paula

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental)

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) V1.2012 CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) VIVÊNCIAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATUANDO JUNTO À COMUNIDADE PIRACICABANA E AO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Rodolfo Ferreira da Costa

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA 1. OBJETIVO Em atendimento à Resolução do Banco Central do Brasil nº 4.327 de 25 de abril de 2014, que dispõe sobre as diretrizes que devem ser observadas no estabelecimento e na implementação da Política

Leia mais

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística.

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. Layout: Silvio Bacheta A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. São Paulo, SP - Março 2012 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Divisão

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR ARNOR, Asneth Êmilly de Oliveira; DA SILVA, Ana Maria Gomes; DA SILVA, Ana Paula; DA SILVA, Tatiana Graduanda em Pedagogia -UFPB-

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia?

Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia? Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia? PRINCIPAIS MARCOS SOCIEDADE PONTO VERDE PRINCIPAIS MARCOS SOCIEDADE PONTO VERDE ÍNICIO 1996

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE ARACAJU-SERGIPE COM UMA PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE ARACAJU-SERGIPE COM UMA PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE ARACAJU-SERGIPE COM UMA PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE Marta Aline Santos () Técnica em Química com habilitação em Análises

Leia mais

Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental 552 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E ENVOLVIMENTO DOS ALUNOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO 1. PROJETO SELECIONA PROFISSIONAIS PARA DIVERSOS PERFIS

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015.

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Senhor Presidente, Encaminho nesta Casa Legislativa, para apreciação e votação dos nobres Edis, o projeto de lei legislativa nº 009/2015, que INSTITUI O PROGRAMA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR angélica da silva de oliveira 1 ;Adriana dos Santos Maulais 1 ; Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO).

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). Renata Gonçalves Moura Ribeiro Engenheira Civil pela Universidade Católica de Goiás

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

AGROECOLOGIA E EXTENSÃO DENTRO DO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

AGROECOLOGIA E EXTENSÃO DENTRO DO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Eixo Temático: Ciências Sociais AGROECOLOGIA E EXTENSÃO DENTRO DO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Tomás Mauricio Almeida Carvalho 1 Orientador: Carlos Armênio Kauthonian 2 Resumo: Na

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NO DF ESTUDO DE CASO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NO DF ESTUDO DE CASO AVALIAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NO DF ESTUDO DE CASO Elza dos Anjos de Jesus 1 ; Lindalva Lopes de Oliveira 2 ; Jackeline do Socorro Benassuly Barbosa 3 ; Marcely

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA A presente proposta articula um conjunto de sugestões, cenários e arranjos institucionais e sociais,

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

Política de. Responsabilidade. Socioambiental. Sita SCCVM S/A

Política de. Responsabilidade. Socioambiental. Sita SCCVM S/A Política de Responsabilidade Socioambiental Sita SCCVM S/A PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Em atendimento a Resolução do BACEN Nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos nossa Política

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DE RIO GRANDE/RS DIAGNÓSTICO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

GESTÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DE RIO GRANDE/RS DIAGNÓSTICO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 GESTÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DE RIO GRANDE/RS DIAGNÓSTICO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Claís Maria da Silva Bachini(*), Welithon Oliveira da

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: Perfumaria e Cosméticos Ltda. Nome Fantasia: O Boticário Data de fundação 1981

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS UFU RELATÓRIO FINAL DE AÇÕES EXTENSIONISTAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS UFU RELATÓRIO FINAL DE AÇÕES EXTENSIONISTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE ETENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS UFU RELATÓRIO FINAL DE AÇÕES ETENSIONISTAS 1. IDENTIFICAÇÃO CAMPUS: FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL-

Leia mais

MONITORAMENTO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NA UFPB

MONITORAMENTO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NA UFPB MONITORAMENTO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NA UFPB PAIVA ANDRADE, Leandro DE ARAUJO MORAIS, Joácio Júnior RESUMO A coleta seletiva e a reciclagem de lixo têm um papel muito importante para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG Em defesa da Agroecologia CONSELHO DIRETOR CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA REGIÃO DE IRECÊ-BA.

DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA REGIÃO DE IRECÊ-BA. I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA REGIÃO DE IRECÊ-BA. Arilma Oliveira do Carmo Tavares, Senai

Leia mais

RESULTADOS E CONCLUSÕES

RESULTADOS E CONCLUSÕES Torres, G. R. ; BORGES, S. S. ; BECKER, H. ; CAVALCANTE, D. A. ; OLIVEIRA, E. S.. Programa de Gerenciamento de Resíduos da Universidade Federal do Ceará: a sustentabilidade socioambiental implementada

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX MEIO AMBIENTE. Descarte de Pilhas e Baterias-IBAMA-Procedimentos-Instituição

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX MEIO AMBIENTE. Descarte de Pilhas e Baterias-IBAMA-Procedimentos-Instituição VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX MEIO AMBIENTE Orientador Empresarial Descarte de Pilhas e Baterias-IBAMA-Procedimentos-Instituição INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº

Leia mais

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO Eu queria uma escola que lhes ensinasse a pensar, a raciocinar, a procurar soluções (...) Eu também queria uma escola que ensinasse a conviver, cooperar, a respeitar, a esperar, saber viver em comunidade,

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Guardiões da natureza e Reciclagem na escola

Mostra de Projetos 2011. Guardiões da natureza e Reciclagem na escola Mostra de Projetos 2011 Guardiões da natureza e Reciclagem na escola Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado.

A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado. A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado. Tratamento de resíduos no mundo Média diária de resíduo 1,00

Leia mais

PRIMEIRA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLATAÇÃO DA COLETA SELETIVA REGIÃO DA BACIA LEITEIRA

PRIMEIRA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLATAÇÃO DA COLETA SELETIVA REGIÃO DA BACIA LEITEIRA ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS PRIMEIRA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLATAÇÃO DA COLETA SELETIVA REGIÃO DA BACIA LEITEIRA SUMÁRIO

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO.

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ZAGO, Márcio Fernando Cardoso 1 ; COUTO, Daiane Borges Sousa do 2 ; SILVEIRA, Nusa

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA

DIAGNÓSTICO SOBRE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA DIAGNÓSTICO SOBRE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA Isabel Cristina Farias QUIRINO 1, Vera Lúcia Meira de Morais SILVA 2, Lígia Maria Ribeiro LIMA

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS AUTOR(ES):

Leia mais

PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES

PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES Wagner Reis e Silva (1)* Biomédico Organização Santamarense de Educação e Cultura (OSEC-SP), Especialista em Saneamento

Leia mais

INSTITUTO BUTANTAN BOAS PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO MANEJO DOS RESÍDUOS DO INSTITUTO BUTANTAN

INSTITUTO BUTANTAN BOAS PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO MANEJO DOS RESÍDUOS DO INSTITUTO BUTANTAN PRÊMIO AMIGO DO MEIO AMBIENTE 2013 INSTITUTO BUTANTAN BOAS PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO MANEJO DOS RESÍDUOS DO INSTITUTO BUTANTAN Neuzeti Maria dos Santos Tel: (11) 26279364 E-mail: neuzeti.santos@butantan.gov.br

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI ESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/5 I. OBJETIVO Definir os princípios de atuação da Instituição, perante a sociedade e o visando a preservação do meio ambiente, em atendimento a esolução do Conselho Monetário

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS FEIRA DO EMPREENDEDOR 2015

PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS FEIRA DO EMPREENDEDOR 2015 PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS PLANO DE SUSTENTABILIDADE E LEGADOS FEIRA DO EMPREENDEDOR APRESENTAÇÃO FEIRA DO EMPREENDEDOR Este documento representa o planejamento das ações de sustentabilidade a

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS.

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS. O Programa de Educação Ambiental nas Escolas terá como marcos norteadores: - A educação ambiental contida na Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA),

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 SILVA, Fabíola Barbosa B; 1 CARNIATTO, Irene; 1 PILOTTO, Anyele Liann;

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DO SERVIDOR DO IPAMV: COMPROMISSO COM A VIDA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DO SERVIDOR DO IPAMV: COMPROMISSO COM A VIDA 5.1 Nome da Iniciativa ou Projeto PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DO SERVIDOR DO IPAMV: COMPROMISSO COM A VIDA 5.2 Caracterização da Situação Anterior A partir de 2005, houve início uma

Leia mais

O que é o Programa Reciclando Atitudes?

O que é o Programa Reciclando Atitudes? O que é o Programa Reciclando Atitudes? É um programa que visa despertar a reflexão da sociedade para a gestão adequada dos resíduos sólidos, através de ações socioambientais de sensibilização, formação,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Antonioni Batista Venturim Engenheiro Ambiental

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DESCARTE ADEQUADO DE PILHAS E BATERIAS

A IMPORTÂNCIA DO DESCARTE ADEQUADO DE PILHAS E BATERIAS Eixo Temático: Educação Ambiental, Educação culturas populares e Educação no campo. A IMPORTÂNCIA DO DESCARTE ADEQUADO DE PILHAS E BATERIAS Jaqueline Araújo de OLIVEIRA¹; Anne Mírian da Silva GOMES¹; Maria

Leia mais

TEMA - 1 Princípios da PNRS

TEMA - 1 Princípios da PNRS TEMA - 1 Princípios da PNRS Prof. Dr. Fernando Joaquim Ferreira Maia Professor Adjunto do Departamento de Ciências Sociais (DECISO/UFRPE) Coordenador do Núcleo Multidisciplinar de Pesquisa em Direito e

Leia mais

VIVÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REUTILIZAÇÃO DO PAPEL COMO RECURSO EDUCACIONAL

VIVÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REUTILIZAÇÃO DO PAPEL COMO RECURSO EDUCACIONAL VIVÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REUTILIZAÇÃO DO PAPEL COMO RECURSO EDUCACIONAL Jose Lucas dos Santos Oliveira e-mail: joselucasoliveira55@gmail.com Leonardo Lucas dos Santos Dantas e-mail:leonardolucascbio@gmail.com

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - NEA O NEA na Universidade São Judas constitui-se de um grupo de docentes, com atribuições acadêmicas de implementação e acompanhamento

Leia mais

NATAL SUSTENTÁVEL: UMA PROPOSTA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA PELO PROEJA EDIFICAÇÕES.

NATAL SUSTENTÁVEL: UMA PROPOSTA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA PELO PROEJA EDIFICAÇÕES. 1 NATAL SUSTENTÁVEL: UMA PROPOSTA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA PELO PROEJA EDIFICAÇÕES. FREITAS, Samylla Tassia Ferreira de¹; SILVA, Thariny Alves²; SOUSA, Leticia Ferreira de³; OLIVEIRA, Sandra

Leia mais

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela

Leia mais

III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO

III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO Lívia Evangelista Veloso (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Goiás (EEC/UFG). Aluna do Curso

Leia mais

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC SETEMBRO DE 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL

III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL Régia Lúcia Lopes (1) Engenheira Civil pela UFRN em 1986.

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

O PROCESSO DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS ELETRÔNICOS NO BRASIL (2005 2012) RESUMO

O PROCESSO DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS ELETRÔNICOS NO BRASIL (2005 2012) RESUMO O PROCESSO DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS ELETRÔNICOS NO BRASIL (2005 2012) RESUMO Gerusa Coutinho Ramos profgcramos@yahoo.com.br - Mestre em Economia, professora universitária de Economia, Terceiro

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA

SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA Yam de Sousa Santos¹; Aclébia Alves Quaresma¹; Ronier Pereira da Silva¹; Maria do Socorro Pereira 2. 1 Bolsistas ID da CAPES, Pibid/UFCG da Universidade Federal de Campina Grande/Centro

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA CONCRETEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA CONCRETEIRA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA CONCRETEIRA Robson Rodrigo da Silva 1 ; Ronan Yuzo Takeda Violin 2 ; Júlio Ricardo de Faria Fiess 3 RESUMO: O imenso consumo de água e resíduos

Leia mais

COLÔNIA DE FÉRIAS JOGOS E BRINCADEIRA SOCIOINTERATIVAS. Área Temática: Área 4 Educação. Joicemara Severo Silveira (Coordenadora da Ação de Extensão)

COLÔNIA DE FÉRIAS JOGOS E BRINCADEIRA SOCIOINTERATIVAS. Área Temática: Área 4 Educação. Joicemara Severo Silveira (Coordenadora da Ação de Extensão) COLÔNIA DE FÉRIAS JOGOS E BRINCADEIRA SOCIOINTERATIVAS Área Temática: Área 4 Educação Joicemara Severo Silveira (Coordenadora da Ação de Extensão) Joicemara Severo Silveira 1 Aline Keryn Pin 2 Ana Cristina

Leia mais

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO Josanídia Santana Lima (1) Bióloga, Profa. Adjunto do Instituto de Biologia da

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA.

AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA. AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA. Ana Carolina Guglielmello de Andrade ( ¹ ), Aparecida Amaro da Silveira ( ¹ ), Fernanda Miranda Lima ( ¹ ), Tania Maria

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO Tatiane Castaño Valadares*, Fernando Vieira de Sousa FUNEDI/UEMG taticastanobiologia@gmail.com

Leia mais

Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade

Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade O Instituto ABERJE de Pesquisas (DATABERJE) realizou uma pesquisa de opinião sobre sustentabilidade com mulheres da área de comunicação,

Leia mais

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS Resultados do Subprograma PR 04.30: Redução do Consumo de Papel 2010 São Bernardo

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil Heliana de Moraes Alves Graduanda em Geografia Bacharelado da Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM.

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. Aprovado no CONSEMA Reunião N 0 180 em 20/08/2015 1. INTRODUÇÃO. A partir da Lei Federal 12.305/2010, foram definidos cronogramas

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em Módulo: Responsabilidade Socioambiental Educador: Flavio Furtado. O que é compostagem? é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º - O sistema

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

Razão social: EXITUM Consultoria e Serviços Ltda Tempo de existência: 5 anos em dez/2008; Número de integrantes: 12 pessoas, sendo: 2 sócios, 9

Razão social: EXITUM Consultoria e Serviços Ltda Tempo de existência: 5 anos em dez/2008; Número de integrantes: 12 pessoas, sendo: 2 sócios, 9 RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL (RSE) AEXITUM Razão social: EXITUM Consultoria e Serviços Ltda Tempo de existência: 5 anos em dez/2008; Número de integrantes: 12 pessoas, sendo: 2 sócios, 9 empregados

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais