UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ANA MARIA PORTO DA COSTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ANA MARIA PORTO DA COSTA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ANA MARIA PORTO DA COSTA AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO DE VIDA E SAÚDE DE MULHERES IDOSAS ADSCRITAS AO PROGRAMA MÉDICO DE FAMÍLIA DE NITERÓI - ILHA DA CONCEIÇÃO: UMA DISCUSSÃO A LUZ DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Rio de Janeiro 2008

2 ANA MARIA PORTO DA COSTA AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO DE VIDA E SAÚDE DE MULHERES IDOSAS ADSCRITAS AO PROGRAMA MÉDICO DE FAMÍLIA DE NITERÓI - ILHA DA CONCEIÇÃO: UMA DISCUSSÃO A LUZ DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Dissertação submetida ao corpo docente da Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários á obtenção do grau de Mestre em Saúde da Família. Orientador: Luiz Guilherme Pessoa da Silva Rio de Janeiro 2008

3 ANA MARIA PORTO DA COSTA AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO DE VIDA E SAÚDE DE MULHERES IDOSAS ADSCRITAS AO PROGRAMA MÉDICO DE FAMÍLIA DE NITERÓI - ILHA DA CONCEIÇÃO: UMA DISCUSSÃO A LUZ DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Dissertação apresentada à Universidade Estácio de Sá como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Saúde da Família Aprovada em BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Luiz Guilherme Pessoa da Silva Universidade Estácio de Sá Profª. Drª. Monica de Assis Instituto Nacional do Câncer/UnATI-UERJ Profª Drª Valéria Ferreira Romano Universidade Estácio de Sá

4 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Luiz Guilherme, que se mostrou um ser humano admirável e inesquecível, que com respeito, firmeza, companheirismo e bom humor transformaram esta árdua tarefa em uma experiência gratificante e enriquecedora. À Aline, secretária do mestrado, pela gentiliza em me socorrer quando foi preciso e mesmo à distância. Aos meus colegas de mestrado, Claudia Rabelo, Márcia Augusta, Roberto Funchs e Pedro Rocha pelo companheirismo, trocas e apoio. À Marilza Miranda, coordenadora do Grupo Básico de Trabalho II do Programa Médico de Família, pelo importante apoio em parte desta jornada. À Denise Herbas, pelo apoio e ajuda na garimpagem das informações sobre o PMF - Ilha da Conceição que constam deste trabalho. À Rosidaile, pela grande disponibilidade e apoio. Aos funcionários da Policlínica Comunitária da Ilha da Conceição, em especial à Elza e Sheila, e as Auxiliares de Enfermagem do PMF, Neise, Daise, Ana Lucia e Vânia pelo apoio durante o período de entrevistas. Às entrevistadoras da pesquisa, Maria Cândida, Maria e Jaqueline, que com dedicação, entusiasmo e sensibilidade realizaram a coleta de informações, principais ingredientes deste trabalho. Às professoras Valéria Romano e Mônica Assis pelas contribuições feitas na qualificação e que ajudaram a compor esta tese. Aos amigos Marcia e Haroldo Skaba, presentes em todos os momentos e sempre disponíveis. Aos amigos Cristina, Carlos e Lucia pelo apoio ao cuidar de Gabriel em vários fins de semana.

5 Ao Paulo, grande companheiro em todas as aventuras da vida em comum. Aos meus filhos, Bruno, Caio e Gabriel, meus três melhores e maiores projetos. Aos meus pais pelo apoio em todos os momentos da minha vida. Às idosas da minha vida e, especialmente, àquelas do Programa Médico de Família de Niterói, por compartilharem suas experiências fazendo da minha vida e do meu trabalho cotidiano um enorme aprendizado.

6 Fica decretado que agora vale a verdade. Agora vale a vida, e de mãos dadas, trabalharemos todos pela vida verdadeira.... Os Estatutos do Homem Thiago de Mello

7 DEDICATÓRIA À minha família, pelo apoio e compreensão em todos os momentos. À minha irmã Lucia Regina, com muito amor.

8 LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS ANG - Associação Nacional de Gerontologia BPC - Benefício de Prestação Continuada CNDI - Conselho Nacional dos Direitos dos Idosos DATAPREV - Serviço de Processamento de Dados da Previdência e Assistência Social ECG Eletrocardiograma ESF - Estratégia de Saúde da Família HAS Hipertensão Arterial Sistêmica IBGE Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH - Índice de Desenvolvimento Humano IQV - Índice de Qualidade de Vida LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social MDS - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MEEN Mini Exame do Estado Mental MPAS - Ministério da Previdência e Assistência Social NEPE Núcleo de Educação Permanente OMS Organização Mundial de Saúde ONU Organização das Nações Unidas PMF Programa Médico de Família PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio PNI - Política Nacional do Idoso PNSI - Política Nacional de Saúde do Idoso PNSPI - Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa PSF Programa de Saúde da Família

9 RMV - Renda Mensal Vitalícia SAU - Serviço de Atendimento ao Usuário SBG - Sociedade Brasileira de Geriatria SBGG - Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia SESC - Serviço Social do Comércio SUS - Sistema Único de Saúde THD - Técnico de Higiene Dental UBS Unidade Básica de Saúde UFF - Universidade Federal Fluminense

10 RESUMO Introdução: Este estudo faz uma revisão das políticas públicas voltadas à população idosa e analisa, sob este enfoque, as condições de vida e saúde de mulheres idosas adscritas ao Programa Médico de Família, na Ilha da Conceição, Niterói, RJ. Material e Métodos: Através de um inquérito domiciliar realizado entre os meses de agosto de 2007 a janeiro de 2008, foram entrevistadas 283 mulheres com 60 anos ou mais, selecionadas através de amostra aleatória simples. Para a avaliação das condições sócio-demográficas, recursos econômicos, recursos sociais, condição de saúde física, utilização dos serviços de saúde, saúde mental, atividades realizadas e necessidades/problemas da população estudada utilizouse o questionário Brazil Old Age Schedule (BOAS), adaptado às necessidades deste estudo. Foram incluídas questões referentes ao conhecimento acerca das políticas públicas direcionadas ao indivíduo idoso. Resultados: A idade da população variou de 60 a 85 anos, sendo que 50% das entrevistadas se encontravam na faixa etária entre anos, 43,8% eram viúvas e 65% tinham primário incompleto. Os arranjos familiares foram variados, predominando a composição de casal sem filho, 17,7%. Sessenta e dois por cento da amostra analisada ganha entre um e dois salários mínimos, 78% recebem pensão do marido, 38,9% recebem aposentadoria e 44,2% nunca trabalharam. A renda mensal de 21,2% das idosas estudadas é a única fonte de renda familiar e 41,3% ajudam na despesa da casa. A maioria, 97,9%, das entrevistadas refere pelo menos uma morbidade e 47,2% das idosas analisadas referem piora da condição de saúde nos últimos cinco anos. Os problemas de saúde mais prevalentes foram hipertensão arterial, reumatismo e incontinência urinária. O edentulismo (ausência de dentes) atinge 57,6% do grupo estudado. Grande parte, 79,8%, procura atendimento de saúde no Programa Médico de Família (PMF). Entre as dificuldades encontradas quanto a utilização dos serviços de saúde foram citados dificuldades de acesso ao serviço quando dele necessita, 40,3%, a demora na realização de exames clínicos, 50,9%, a demora na marcação de consultas com especialistas, 39,9%, a falta/irregularidade do medicamento no PMF, 38,9%, e o preço do medicamento na farmácia, 37,1%. A saúde está entre os maiores problemas e carências citadas pelo grupo analisado. A maioria das idosas entrevistadas (83,7%) sente-se satisfeitas em relação à vida e 56,6% têm expectativas para o futuro. Toda a amostra desempenha atividades no tempo livre, mas a maioria destas é desenvolvida no domicílio e no bairro. Atividades culturais e atividades físicas são pouco realizadas pelo grupo estudado. Questões referentes à saúde física e mental estão entre as principais carências e preocupações das idosas entrevistadas. O conhecimento sobre políticas públicas voltadas aos indivíduos idosos é uma realidade para 30% e, destas, 19,4% citaram o Estatuto do Idoso. Quanto aos direitos garantidos pelo Estatuto do Idoso, os mais conhecidos são passe livre e atendimento preferencial ao idoso. Conclusão: As condições de vida e saúde da população estudada ainda estão longe de ser a ideal e demonstram a maior vulnerabilidade das mulheres idosas seja nas condições sócio-demográficas, econômicas, de saúde e pelo desconhecimento das políticas públicas e direitos nelas contidos. Apesar do avanço que as políticas públicas brasileiras representam para a cidadania e a conquista do envelhecimento ativo percebe-se o distanciamento entre a prática e a teoria. O estudo de populações idosas pode nortear revisões das políticas vigentes, que deveriam considerar, como indicado nas Assembléias Internacionais sobre Envelhecimento, as questões de gênero como forma de contribuição para a conquista da equidade. Palavras-chave: envelhecimento, políticas públicas, inquérito populacional, gênero.

11 ABSTRACT Introduction: This study reviews the public politics turned to the elder people and analyses, under this situation, the life and health qualities of the elder women on the programa Médico de Família, in Ilha do Governador, Niterói, RJ. Methods: In a domiciliary survey made between August 2007 and January 2008, 283 sixth (or more) years old women were interviewed through simple random samples. For the evaluation of the demographic-social conditions, economic resources, social resources, physical health conditions, use of the health services, mental health, activities e needs/problems of the studied population it was used the Brazil Old Age Schedule questionnaire, adapted top this studies needs. It were included questions about the elder individual public politics knowledge. Results: The population average ages has varied from 60 to 80 years old, known that 50% of the interviewed women had between 60 and 69 years old, 43,8% were widowers and 65% had not finished the primary school. The familiar groups were many, mainly the compositions of couple without kids, 17,7%. There was 62% of the analyzed samples earned between 1 and 2 minimum wages, 78% receiving husbands pension, 38,9% receiving retirement wages and 44,2% never worked. The mensal budget of 21,2% of the studied elder women is the only familiar earns and 41,3% helps in the house expenses. The majority, 97,9% of the interviewed has at least one disease and 47,2% has complaints about the health conditions decline in the last 5 years. The most frequent health issues were hypertension, rheumatism and urinary incontinence. The edentulous (teeth absence) were 57,6% of the studied group. A big part, 79,8% searches for health attendance in Programa Médico de Família (PMF). Under the difficulties found with the health services utilization were pointed the poor access when it s needed, 40,3%, the long time in the clinic examination, 50,9%, the long time to the specialists consultancy scheduling, 39,9% the absence of medication in the PMF, 38,9%, the medicines prices at the drugstores, 37,1%. Health is between the biggest issues and needs by what it was said in the analyzed group. The majority of the interviewed elder women (83,7%) feel satisfied with their lives and 56,6% have expectations about the future. All the people interviewed in the group do activities in their free time, but the majority of these activities done inside home or in the neighborhood area. Cultural and physical activities are less practiced by the studied group. Mental and physical health questions are between the main need and worries of the interviewed elders. The elder people public politics is a reality for 30% e, 19,4% of these commented about the Estatuto do Idoso. Conclusion: The studied population s life and health conditions are very far from the desired ones and the major vulnerability of the elder women, the demographic-social, economic, the health and the ignorance about the public policies in it contained. In spite of what the Brazilian s public politics advances represents to the citizenship and the conquer of the active ageing process, there is a perceptive distance between theoretically and practical situations. The elder populations study can guide current political reviews, that should consider, as indicated in the Ageing International Assemblies, the questions of gender as a form of conquering the fairness. Key words: Ageing, Public policies, Population Survey, Gender.

12 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Comparação da população residente total em 1980, 1991 e 2000, Brasil...25 Figura 2: Proporção de idosos por região, no período de , Brasil...28 Figura 3: Crescimento da população com 80 e mais anos entre 1980 e Brasil...30 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Projeção de crescimento da proporção da população de 60 anos ou mais de idade, segundo o sexo, Brasil, LISTA DE TABELAS Tabela 1: Aumento projetado da população de mais de 60 anos, em números absolutos e percentuais, entre os anos de 1950 e Comparação entre vários países...21 Tabela 2: Distribuição dos arranjos familiares da população brasileira, em famílias com idosos, segundo PNAD Tabela 3: Distribuição das características sócio-demográficas da população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 4: Distribuição dos recursos econômicos da população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 5: Distribuição da condição de saúde física da população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 6: Tabela 6: Distribuição da condição de saúde física da população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em

13 Tabela 7: Distribuição da utilização dos serviços de saúde pela população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 8: Distribuição dos problemas relacionados a aquisição de medicamentos pela população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 9: Distribuição dos resultados relacionados a saúde mental (satisfação com a vida e expectativas para o futuro) referido pela população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 10: Distribuição das atividades realizadas pela população estudada no seu tempo livre, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 11: Distribuição das principais necessidades e problemas que afetam a população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em Tabela 12: Distribuição do conhecimento acerca do Estatuto do Idoso e os direitos nele garantidos pela população estudada, PMF, Ilha da Conceição, Niterói, RJ, em

14 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS REFERÊNCIAL TEÓRICO 2.1. ENVELHECIMENTO, UM FENÔMENO MUNDIAL BRASIL: COMO ESTAMOS ENVELHECENDO? FEMINILIZAÇÃO DO ENVELHECIMENTO POLÍTICAS PÚBLICAS NA ATENÇÃO AO IDOSO ATENÇÃO BÁSICA EM NITERÓI - O PROGRAMA MÈDICO DE FAMÍLIA (PMF) JUSTIFICATIVA OBJETIVOS 4.1. OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA 5.1. DESENHO DO ESTUDO CAMPO DE ESTUDO POPULAÇÃO FONTE, POPULAÇÃO ALVO E CRITÉRIOS DE INCLUSÃO TAMANHO E ESTRATÉGIA DE SELEÇÃO DA AMOSTRA DO ESTUDO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO COLETA DE DADOS ANÁLISE ESTATÍSTICA CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES DE NATUREZA ÉTICA RESULTADOS DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS...125

15 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O processo de envelhecimento populacional, como um fenômeno mundial, vem produzindo impacto variado às diferentes sociedades pelo mundo, gerando diferentes expectativas e preocupações a cerca das possíveis repercussões desse processo para a sociedade. Para países como o Brasil, o envelhecimento populacional, apesar de recente, está ocorrendo rapidamente e é acompanhado por grandes desigualdades sócio-econômicas, culturais e de saúde, evidenciando o desafio a ser superado pela sociedade. Refletindo a diversidade do país, observa-se a heterogeneidade do grupo de idosos, onde as diferenças são marcantes e influenciam as condições de acesso a diferentes serviços. Resultado das relações desiguais de gênero, as condições de vida de muitas mulheres se refletem nas situações atuais de saúde, composição familiar, de renda, educação, de trabalho e oportunidades que as diferencia dos homens idosos. Com maior expectativa de vida, as mulheres que atualmente atingem 60 anos ou mais esperam viver por mais 22 anos. Porém, este maior número de anos vividos deve ser acompanhado por respeito, dignidade e significado (VERAS, 1994; CAMARANO, 2003). É inegável que muito se avançou com relação às questões voltadas a população idosa através das políticas públicas, reconhecendo o cidadão idoso como um novo ator social e o envelhecimento, um direito fundamental. Porém, apesar das políticas internacionais apontarem para a questão da feminização do envelhecimento, esta não foi considerada pelas instituições brasileiras. Nesse contexto, surgiu o interesse de avaliar uma população de idosas inseridas em meu universo de atuação, o Programa Médico de Família de Niterói, no bairro Ilha de Conceição, onde atuo desde Localizado ao norte do município de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro, o bairro apresenta uma população de 7795 indivíduos, com 13,8% de idosos.

16 O bairro tem uma forte ligação com a indústria naval e pesqueira, além de uma grande capacidade organizativa, que lhes permitiu alcançar relevantes conquistas sociais. Tem boa infra-estrutura, saneamento básico cobrindo grande parte dos domicílios e assistência à saúde realizada através de duas modalidades de atendimento; Programa Médico de Família (PMF), na atenção primária, e Policlínica Comunitária, na atenção secundária, ambos integrados em uma mesma estrutura. A Ilha da Conceição é o único bairro, em Niterói, totalmente coberto pelo PMF. Dada a alta prevalência de idosos, o presente estudo busca contribuir para a discussão ao traçar um retrato das condições de vida e saúde de mulheres idosas moradoras da Ilha da Conceição. Na busca por políticas públicas mais adequadas, pautadas no princípio da equidade, conhecer o perfil das mulheres idosas torna-se relevante para implementação de uma política de inclusão, onde a valorização, a inserção, a participação e o cuidado sejam traduções da garantia de um envelhecimento digno.

17 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 ENVELHECIMENTO, UM FENÔMENO MUNDIAL A longevidade é uma das grandes conquistas do século XX, resultado da diminuição da fertilidade e mortalidade da população. No último século, a expectativa de vida aumentou em aproximadamente 30 anos, anunciando um dos maiores desafios sociais da história humana. (KALACHE et al., 1987; OMRAM, 2001; IBGE, 2002; VERAS, 2003; CAMARANO, 2003; SANTOS-PRECIADO et al., 2003). Em 1950, o número de idosos no mundo atingia cerca de 204 milhões de indivíduos. Em 1998, esse contingente alcançava 579 milhões de pessoas; um crescimento de quase 8 milhões de pessoas idosas por ano. Projeções para 2050 indicam que a população idosa irá atingir a marca de quase 2 milhões de pessoas. O número de centenários (100 anos ou mais) aumentará 15 vezes, passando de aproximadamente pessoas em 1999, para 2,2 milhões em 2050 (RAMOS, 2003). Nos países ocidentais desenvolvidos o fenômeno do envelhecimento populacional se iniciou ainda no século XIX como conseqüência da evolução social, tecnológica e econômica, se intensificando principalmente após a II Guerra Mundial. Atingindo as populações urbanas e rurais, a melhoria das condições de vida, trabalho e moradia traduziram-se pela urbanização de cidades, melhores condições sanitárias, ambientais e nutricionais no trabalho e residências, melhores oportunidades educacionais e de inserção ao mercado de trabalho e acompanharam a redução da mortalidade (MOREIRA, 1998, GORDILHO et al., 2000, CAMARANO, 2002; PEREIRA et al, 2003)

18 Porém, apesar de ser comum a associação entre envelhecimento populacional e países desenvolvidos, como os da Europa Ocidental e América do Norte, mais da metade das pessoas com mais de 65 anos viviam em países do Terceiro Mundo em Entre o grupo de idosos, contudo, poucos ultrapassavam os 85 anos de idade. (UNITED NATIONS, 1985; HOOVER & SIEGEL, 1986; KALACHE et al., 1987). O crescimento da população idosa nos países em desenvolvimento apresenta características próprias. Uma particularidade é a rapidez com que a população envelhece, inclusive entre o grupo dos mais idosos (maiores de 80 anos). Países tradicionalmente jovens, como Nigéria, Brasil e Paquistão, irão ocupar o lugar de países que atualmente têm grande número de idosos, como os países europeus. Observa-se, ao longo das últimas décadas, um aumento vertiginoso da população idosa e, de acordo com os critérios atuais, oito países em desenvolvimento estarão entre os onze países com as maiores populações de idosos em 2025 (Tabela 1). (KALACHE & GRAY, 1985; OMS, 2001). Tabela 1- Aumento projetado da população de mais de 60 anos, em números absolutos e percentuais, entre os anos de 1950 e Comparação entre vários países. MILHÕES AUMENTO % REGIÕES/ANO CHINA 42,5 73,3 34,5 284,1 668 % ÍNDIA 31,9 29,7 65,6 146,2 429 % URSS 16,2 33,9 54,3 71,3 440 % EUA 18,5 31,6 40,1 67,3 363 % JAPÃO 6,4 13,0 26,4 33,1 517 % BRASIL 2,1 6,2 14,3 31, % INDONÉSIA 3,8 6,8 14,9 31,2 821% BANGLADESH 2,6 3,3 6,5 16,8 646 % NIGÉRIA 1,3 2,6 6,3 16, % Fonte: ONU, Dies, The world aging situation, 1985 apud Veras (1994).

19 Outro aspecto desse processo é que a redução da mortalidade não foi acompanhada pela melhora nas condições de vida para grande parcela da população. Na verdade, a questão do envelhecimento populacional nos países em desenvolvimento está atrelada a uma ampla lista de questões sócio-econômicas não resolvidas, tais como a pobreza e a exclusão de crescentes contingentes da população, resultando em uma sociedade com elevados níveis de desigualdade. A mortalidade foi reduzida graças a medidas específicas de saúde pública, porém, caracteriza-se por ser um processo de envelhecimento artificial. Apesar das más condições de vida de grande parcela da população, muitos indivíduos sobrevivem simplesmente porque foram imunizados para algumas doenças ou receberam tratamento específico para outras. Esse fenômeno leva os países mais pobres, como o Brasil, a um duplo encargo na área de saúde: convivem, de um lado, as doenças crônico-degenerativas e de outro, mazelas próprias do subdesenvolvimento como a desnutrição infantil e doenças infectoparasitárias (KALACHE & GRAY, 1985). A condição sócio-econômica e de acesso aos serviços de saúde influenciam na expectativa de vida da população, variando entre países e entre regiões de um mesmo país. No caso brasileiro, a diferença na expectativa de vida entre ricos e pobres chegava a 15 anos em 1997, refletindo a profunda divisão social e econômica existente e que foi acentuada nas últimas décadas (RAMOS et al, 1987; ARANÍBAR, 2001). A expectativa de vida também apresenta diferenças relacionadas ao gênero. A expectativa de vida da mulher é maior que a dos homens, sobretudo nos países desenvolvidos; uma diferença de 7,5 anos em Para os países menos desenvolvidos, essa diferença é bem menor; cerca de 2,2 anos para o conjunto desses países, podendo chegar a ser invertida. Esse é o caso do Paquistão, por exemplo, onde a expectativa de vida da mulher em 1980 era de 50 anos comparada com 52 anos para o homem, reflexo das desigualdades entre gêneros associado os fatores como acesso a cuidados médicos, alta mortalidade materna e diferenças

20 quanto à disponibilidade de alimentos de acordo com o sexo das crianças (RAMOS et al, 1987). Ocorrendo em nível sem precedentes, o processo de envelhecimento vem causando transformações demográficas, epidemiológicas, culturais, sociais, econômicas e políticas, tornando-se um desafio para o século XXI. Para os países em desenvolvimento, que ainda não foram capazes de prover as condições necessárias às demandas trazidas pelo novo perfil demográfico, o desafio é ainda maior e aponta para a urgência da mobilização de toda a sociedade na definição de políticas públicas voltadas para a promoção de um envelhecimento cidadão (OMRAM, 2001; IBGE, 2002; LIMA & VERAS, 2003 CAMARANO, 2003). 2.2 BRASIL: COMO ESTAMOS ENVELHECENDO? Até 1970 o Brasil experimentou um processo de crescimento populacional acelerado. Por meio da realização de campanhas sucessivas de educação médica, orientação para controle da natalidade, melhoria das condições sanitárias, melhoria da atenção maternoinfantil com redução da mortalidade e melhorias gerais da assistência médica, entre outros fatores, observou-se queda nas taxas de fecundidade, natalidade e, principalmente, da mortalidade (KALACHE & GRAY, 1985; BRASIL, 2006). O último censo populacional realizado demonstrou uma taxa de crescimento populacional de 1,6% ao ano, no período de 1991 a A taxa de fecundidade total apresentou redução de 15,4%, passando de 2,6 filhos por mulher, em 1991, para 2,2 filhos, em 2000, e a taxa de natalidade sofreu redução de 10,2% no mesmo período. A esperança de vida ao nascer que era de 60,7 anos, em 1990, passou para 68,5 anos em 2000, correspondendo a um aumento de quase oito anos de vida (IBGE, 2002).

21 A comparação da pirâmide etária em diferentes períodos permite avaliar o envelhecimento populacional como um processo dinâmico. Entre 1980 e 2000 percebe-se uma diminuição na entrada da população mais jovem, de 0 a 4 anos, com incremento das idades mais avançadas (Figura 1). Embora a fecundidade ainda seja o principal componente da dinâmica demográfica brasileira, é a longevidade que vem progressivamente definindo a evolução da população idosa (IBGE, 2002; BRASIL, 2006). No processo de envelhecimento brasileiro, os idosos ainda constituem uma parcela pequena da população total (8,55%), se comparado com a participação relativa deste grupo na distribuição etária de vários países desenvolvidos aonde os idosos chegam a atingir 15-20% da população. Contudo, é importante ressaltar que nestes países este crescimento aconteceu ao longo de anos, enquanto que no Brasil o processo ocorreu em menos de 50 anos (VERAS, 1994). Figura 1: Comparação da população residente total em 1980, 1991 e 2000, Brasil. Fontes: Censo demográfico Dados gerais, migração, instrução, fecundidade, mortalidade. Brasil. Rio de Janeiro: IBGE,v. 1, t. 4, n.1, 1983; Censo demográfico Características gerais da população e instrução. Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, n..1, 1996; Censo demográfico Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, p.89, CD-ROM encartado.

22 Segundo as projeções da OMS, entre 1950 e 2025, a população de idosos no Brasil crescerá 16 vezes contra cinco vezes a população total. O número de idosos passou de três milhões em 1960, para 7 milhões em 1975 e aproximadamente 17 milhões em 2003, chegando a representar quase 10% da população. Estima-se que alcançará 34 milhões em 2020, colocando o País como a sexta maior população de idosos do mundo (IBGE, 2002; RAMOS, 2003; VERAS, 2003; CAMARANO, 2004; BRASIL, 2005). Para a população brasileira, idoso é o indivíduo com idade igual ou superior a 60 anos sendo este limite utilizado pelas políticas públicas vigentes direcionadas à população idosa. Este segmento é frequentemente dividido em 3 subgrupos: de 60 a 69 anos, 70 a 79 anos e os maiores de 80, ou, os mais idosos. Atualmente, a maior proporção de idosos concentra-se na faixa de 60 a 69 anos, constituindo um grupo de idosos mais jovem. Apesar de ser um pequeno contingente, o grupo dos mais idosos tem sido o segmento que mais cresce. Em 1940 compreendiacerca de 10% da população idosa, passando em 2000 a responder por 13%. Percebe-se que, além do crescimento da população idosa, esta também está envelhecendo (ANDERSON, 1998; CAMARANO, 2004; PARAHYBA, 2005). Contudo, o critério idade não pode ser o único parâmetro utilizado para caracterização do segmento idoso. A avaliação dos indicadores sociais demonstra diferença bastante expressiva por gênero, idade, educação, saúde, rendimento, região de residência, composição familiar e atividade econômica, cuja análise permite traçar o perfil desse grupo e perceber, de forma mais nítida, as conseqüências, mudanças, desafios e perspectivas que o envelhecimento populacional traz consigo. A partir dessa avaliação, políticas públicas podem ser formuladas para o melhor enfrentamento dessa nova realidade (PARAHYBA, 1998; CAMARANO, 1999; PEREIRA et al., 2002; CAMARANO, 2004; PARAHYBA, 2005). Os idosos se distribuem geograficamente de forma irregular, apresentando uma grande diferença entre as regiões do País. As regiões mais desenvolvidas, Sudeste e Sul, apresentam

23 maiores índices de gerontes, 10,5% e 10,4% respectivamente, refletindo padrões de envelhecimento típicos do mundo desenvolvido. Com menor índice de idosos, Centro- Oeste,7,4%, e Norte urbano, 6%, apresentam ainda padrões típicos do Terceiro Mundo. O Nordeste, com 9,2% de população idosa, reflete a conseqüência do êxodo rural ocorrido em tempos passados (ANDERSON, 1998; OMS, 2001; CAMARANO, 2004; PARAHYBA, 2005). Em 2000, o índice de envelhecimento - número de pessoas idosas para cada 100 indivíduos jovens no Brasil, foi de 19,77, variando de 9,77, na Região Norte, a 22,88, na Sudeste. A Região Sul apresentou um índice de 22,60; a Nordeste, de 17,73; e a Centro-Oeste, de 14,29 (IBGE, 2002). Também se observa diferença entre os estados de uma mesma região. Os estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Ceará e Paraíba, por exemplo, têm uma população idosa que já representacerca de 10 a 11% do total da sua população. Uma particularidade pode ser observada nos estados do Ceará e Paraíba, onde a pirâmide etária da população é artificialmente envelhecida. O responsável pelo fenômeno é a migração da população de jovens e adultos jovens para os centros mais desenvolvidos e populosos do país, em busca de melhores oportunidades e qualidade de vida. A proporção de indivíduos na faixa etária de 0 a 14 anos nestes Estados é ainda elevada (CAMARANO, 1999; CAMARANO, 2004; PARAHYBA, 2005).

24 Figura 2- Proporção de idosos por região, no período de Brasil. Fonte: IBGE. Censo demográfico, Brasil Diferenças também são encontradas entre as populações urbanas e rurais. A maior parte da população idosa brasileira é urbana, representando 81% da população idosa em 2000, com predomínio das mulheres. Os homens predominam nas áreas rurais refletindo o resultado dos processos migratórios que contam com a maior participação das mulheres (ANDERSON, 1998; PEREIRA et al., 2002; CAMARANO et al, 2004) Refletindo o panorama mundial, o processo de envelhecimento brasileiro também é uma questão de gênero. As mulheres vêm atingindo maior expectativa de vida ao nascer desde 1950 e, atualmente, a maioria dos idosos brasileiros é do gênero feminino (Gráfico 1). Em 1991 constituíam 5,7 milhões, passando para 8 milhões em 2000 e estimando-se um total de 8,5 milhões de mulheres idosas em Com relação ao gênero masculino, em 1991 era um total de 4,9 milhões de homens idosos, passando para 6,5 milhões em 2000 e 6,9

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL Maria Ângela Cabanilha de Souza Maltempi Assistente social e gerontóloga Professora e coordenadora da Toledo Aberta a Melhor Idade Segundo as projeções estatísticas da Organização

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

2. Envelhecimento Populacional e as Políticas Públicas para a População Idosa

2. Envelhecimento Populacional e as Políticas Públicas para a População Idosa 2. Envelhecimento Populacional e as Políticas Públicas para a População Idosa Antes de iniciarmos a discussão sobre envelhecimento populacional, vamos apresentar o conceito de envelhecimento que está sendo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* Rafael Loures Ogg¹ Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg² Palavras-chave: Violação; Criança;

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social

A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social Maria Jacinta Carneiro Jovino da Silva 1 RESUMO Aborda a desigualdade social entre as

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

Envelhecimento e Saúde Pública. Envelhecimento Ativo

Envelhecimento e Saúde Pública. Envelhecimento Ativo Envelhecimento e Saúde Pública Envelhecimento Ativo Marília Louvison Médica, Doutora em Saúde Pública Vice Presidente da Associação Paulista de Saúde Pública Médica Coordenadora do Núcleo Técnico de Envelhecimento

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Qualificar para cuidar: idosos residentes em favelas

Qualificar para cuidar: idosos residentes em favelas 12 Instituto Brasileiro de Inovações em Saúde Social-IBISS Qualificar para cuidar: idosos residentes em favelas Há mais de 20 anos a organização não governamental Instituto Brasileiro de Inovações em Saúde

Leia mais

Paulo Freitas - paulofreitasb@gmail.com

Paulo Freitas - paulofreitasb@gmail.com Paulo Freitas - paulofreitasb@gmail.com CONCEITOS GERAIS IDOSO MAIS IDOSO MUITO IDOSO Idosos com velhice avançada 60 anos +- 70 anos 80 anos SEGMENTO POPULACIONAL QUE MAIS CRESCE, SENDO HOJE MAIS DE 12%

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil José Aparecido Carlos Ribeiro Técnico da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA São Paulo, outubro/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Indicadores da Saúde no Ceará 2008

Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Fortaleza - 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAG) Desirée Mota Secretária INSTITUTO DE PESQUISA

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, agosto/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais ou menos

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS

DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN N O TA T É C N I C A 17 DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS Economia do

Leia mais

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC Não podemos acrescentar dias em nossas vidas, mas podemos acrescentar vida em nossos dias Cora Coralina 1 - Introdução Este trabalho

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade 2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há cerca de cinquenta anos estimava-se a população em cerca

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais