Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência, Senhor Primeiro Ministro, Excelência. Ilustres Deputados,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência, Senhor Primeiro Ministro, Excelência. Ilustres Deputados,"

Transcrição

1 Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência, Senhor Primeiro Ministro, Excelência Ilustres Deputados, Senhores Membros do Conselho de Ministros, Senhores Vice-Ministros, Distintos Convidados, Minhas Senhoras e Meus Senhores, Quero manifestar o meu profundo agradecimento pela honra e privilégio de poder dirigir-me a vós, e através de vós, Digníssimos Representantes do Povo, à população Moçambicana. Uma saudação especial endereço à Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, pela sua liderança pragmática e dinâmica na condução dos destinos do país. Permitam me que saude também aos trabalhadores em todas as frentes que, com o seu labor, asseguram o seu sustento e contribuem para o bem estar e crescimento do nosso belo Moçambique. 1

2 Agradeço as Bancadas Parlamentares pelas perguntas relativas a Administração do Trabalho, particularmente no que respeita a política salarial, emprego e controlo da legalidade, pois constituem elementos enriquecedores à nossa governação. A Bancada Parlamentar da Renamo endereça-nos uma pergunta relativa `a Política Salarial, nos seguintes termos: Qual é a base de fixação dos salários mínimos e máximos praticados em cada sector de actividade visto que o mínimo situa-se muito aquém do esforço do trabalhador e do real custo de vida no país? Antes de responder a questão em causa, gostaria de realçar a importância da matéria salarial que faz parte das questões centrais da nossa governação pois, ela relaciona- se com aspectos da vida e do bem-estar dos trabalhadores e suas famílias e da nossa populção em geral, para as quais o Governo é sensível. Permitam me, então, partilhar, de forma breve, com Vossas a trajectória do processo da fixação dos salários no nosso Mocambique independente. No período 1975 a 1987, a fixação dos salários mínimos e de todas as categorias profissionais para todas as empresas, tanto do sector público como do privado, era da responsabilidade exclusiva do Governo, pois nesse periodo tinhamos uma economia centralizada. Com a introdução do Programa de Reabilitação Económica, em 1987, foi aprovada uma nova política salarial que introduziu mecanismos flexíveis de organização do trabalho e salários, cuja implementação permitia às empresas propor os níveis salariais, de acordo com os 2

3 critérios estabelecidos na nova politica salarial, cabendo ao governo a sua aprovação. O processo de descentralização, iniciado na década 90, também foi acompanhado por uma abordagem de descentralização salarial em que o governo, assumindo a sua função reguladora e fiscalizadora passou apenas a fixar os salários mínimos, através de negociação salarial baseado no modelo tripartido, integrando o Governo, os Empregadores e os Sindicatos, na Comissão Consultiva de Trabalho, criada em 1994, cujo enfoque era o de trazer os parceiros sociais na promoção do diálogo e na concertação social. A determinação dos restantes salários para os demais trabalhadores das restantes categorias profissionais passou a ser da responsabilidade dos empregadores e trabalhadores, por via da negociacao, ao nível das empresas e dos diferentes sectores de actividade, mecanismo a partir do qual permitiu atender as situações específicas de cada empresa., A negociação do salário no país desenvolve-se em duas vertentes: Primeiro, na vertente do salário mínimo nacional, por sectores de actividade, que decorre na concertação social, abaixo do qual não deverá ser fixado nenhum outro; segundo, na vertente dos demais salários para as restantes categorias profissionais, resultantes da negociação colectiva que se desenvolve a nível das empresas e sectores de actividade. Assim, a negociação do salário mínimo, como dissemos anteriormente, é feita através do mecanismo tripartido, na concertação social. No entanto, referir que, como forma de atender às especificidades de cada 3

4 sector, as negociações para a fixação de salários mínimos por sectores de actividade é desenvolvida ao nível das equipas negociais sectoriais entre representantes de empregadores e de trabalhadores, sem interferência do Governo, onde se estabelecem consensos em relação aos salários mínimos para os oito sectores de actividade. É importante sublinhar que o pressuposto do estabelecimento do mínimo foi adoptado para criar uma baliza por forma a incentivar as empresas inseridas nos diferentes sectores de actividade a praticarem salários acima dessa faixa com base na negociação colectiva e formalizada nos acordos colectivos de trabalho. Estes pressupostos constituíram a razão fundamental para a fixação do salário mínimo, tendo sempre presente a necessidade da protecção salarial dos trabalhadores de baixos rendimento. Por isso, o Governo, na sua qualidade de regulador, tem encorajado e incentivado as empresas e os sindicatos a continuarem a negociar salários acima dos mínimos fixados, bem como a adoptar a negociação colectiva para se estabelecer salários de outras categorias profissionais e demais condições de trabalho e de emprego, que concorram para a melhoria da produção, produtividade e do bem-estar dos trabalhadores e suas famílias, pois, quando os trabalhadores de uma empresa estão satisfeitos, esta empresa tem grandes possibilidades de ter sucesso. Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência Distintos Deputados,. 4

5 É assim que, pela via da negociação tripartida e de acordos colectivos, são fixados os salários mínimos para o sector produtivo, sempre dentro dos pressupostos do crescimento económico, inflação, produtividade e competitividade, incluindo a robustez financeira das empresas nos diferentes sectores de actividade.. Reconhecemos que o salário mínimo que hoje é praticado em geral ainda não é o ideal, mas sim o possível, sendo o mesmo, reflexo do contexto económico em que vivemos e do nosso actual nível de crescimento e desenvolvimento, pois, apesar dos índices de crescimento económico que temos vindo a registar e dos rendimentos dos recursos naturais em processo de exploração, o nosso país continua a estar entre os países mais pobres do mundo e a depender da ajuda internacional. É convicção e perspectiva do Governo que a implementação das medidas previstas no Programa Quinquenal do Governo, reflectidas anualmente, no Plano Económico e Social, conduzirão à melhoria do ambiente de negócios, condição indispensável para o crescimento cada vez mais acelerado da produção global, o que permitirá reverter a situação de pobreza, melhorando paulatinamente o nível de vida dos moçambicanos. Gostaria de sublinhar que este mecanismo de fixação dos salários mínimos baseia-se num modelo democrático, natureza da governação política do nosso país, onde se procura encontrar posicoes de equilibrio e consensos entre empregadores e trabalhadores, o qual visa estabelecer parâmetros mínimos sobre os quais nenhuma entidade empregadora deve pagar abaixo destes. Por isso, o Governo, no seu papel de regulador e de fiscalizador, atento a que na economia não haja salários abaixo dos mínimos sectorialmente fixados, tem estado a inspeccionar as empresas para controlar a legalidade laboral e gostaria de exortar através de vós, Digníssimos Representantes do Povo, aos cidadãos em para geral que 5

6 denunciem situações anómalas que porventura estejam a ocorrer nas empresas. Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência Ilustres Mandatários do Povo, Minhas Senhoras e Meus Senhores. A Bancada Parlamentar da RENAMO também questiona sobre a precariedade dos contratos de trabalho. Permitam-me recordar que, nos termos do artigo 41 da Lei N 23/2007, de 1 de Agosto, Lei do Trabalho, aprovada por consenso por esta magna casa o empregador pode, em função da natureza do trabalho, celebrar com o trabalhador um contrato por tempo indeterminado, prazo certo ou incerto. O contrato de trabalho a prazo certo, nos termos do número 1 do artigo 40 da Lei de Trabalho, é celebrado por um período não superior a dois anos, podendo ser renovado apenas por duas vezes, mediante acordo das partes, sem prejuízo do regime das pequenas e médias empresas, que podem, livremente, nos primeiros dez anos, celebrar contratos a prazo certo. O legislador ao fixar o limite das renovações, nos contratos a prazo certo, pretendeu evitar o recurso abusivo a este tipo de contratos por parte das empresas, prevendo, em caso de violação do número de renovações aceites, a reversão automática para contrato por tempo indeterminado, de acordo com o disposto no número 2 do artigo 42, deste dispositivo legal. Por outro lado, ao permitir as pequenas e médias empresas, a celebração de contratos a prazo certo, nos primeiros dez anos do 6

7 início da actividade, tem-se por objectivo, garantir a flexibilidade das empresas na provisão de recursos humanos, aptos para as suas actividades na fase incipiente da sua constituição, estimular a produtividade e garantir mais postos de trabalho. Nos casos em que o empregador tenha por objecto tarefas de execução com duração não superior a noventa dias e para realização de tarefas temporárias, bem definidas, é também permitida a celebração de contratos a prazo certo. A título de exemplo, a execução de trabalhos não permanentes, como é o caso de actividades de sacha ou colheita na agricultura. Quanto ao contrato de trabalho a prazo incerto, segundo o artigo 44, da mesma lei, só é admitido nos casos em que não seja possível prever, com certeza, o período em que cessa a causa que o justifica. Por exemplo, na construção de uma central eléctrica em que há diversas fases do projecto, onde nem todas iniciam e terminam ao mesmo tempo, como pode ser o caso da soldadura e montagem de tanques e tubagem, que terminando a sua execução inicia uma outra fase do projecto e com outras especialidades. Qualquer das situações contratuais a que me referi anteriormente, está protegida pela Lei do Trabalho, com maior enfoque para os contratos a prazo certo. Por isso, queremos aqui sublinhar que não é permitido ao empregador que celebre com o trabalhador um contrato de trabalho a prazo certo por um período superior a seis anos. Na verdade, estas formas de contratação podem ser confundidas como sendo precárias quando elas não obedecem os ditames da lei, quer por interpretação incorreta quer por incumprimento ou ainda quando usada abusivamente, razão pela qual a Inspecção do Trabalho tem vindo a intensificar as suas acções inspectivas ao nível dos diferentes locais de trabalho. Para ilustrar, no primeiro semestre do presente ano, já foram realizadas acções inspectivas com o objectivo de garantir a legalidade laboral. Como Governo, queremos reiterar que nas acções inspectivas também são verificadas e escrutinadas as situações contratuais dos 7

8 trabalhadores, em particular as do contrato com prazo certo, por se reconhecer que são os mais susceptíveis ao uso abusivo. Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência Digníssimos mandatários do povo, Com a vossa indulgência, passo a responder a pergunta da Bancada Parlamentar do MDM, relativa as medidas concretas estão sendo tomadas para a criação de postos de trabalho para os jovens. O Programa Quinquenal do Governo coloca a promoção de emprego, o aumento da produção, produtividade e a competitividade no cerne da governação pois, o acesso ao trabalho constitui um direito universal sendo também uma das faces da distribuição da riqueza. É assim que, inserido na busca da melhoria da empregabilidade, o Governo tem estado a implementar medidas que incentivam: O aumento da produção e produtividade em todos os sectores, destacando-se a agricultura, como por exemplo o programa da mecanização agrícola, bem como a transformação da agricultura de subsistência para a agricultura comercial para potenciar o crescimento deste sector, por ser a base da nossa economia e responsável por absorver maior mão-de-obra; O fomento da pesca artesanal, como actividade de grande relevância no sector informal da nossa economia, que também gera oportunidades de trabalho e renda, o que permite e garante a subsistência de um elevado número de famílias; O desenvolvimento da indústria extractiva, como sector âncora, que se assume veículo estruturante e dinamizador de outros sectores de actividade económica, gerando um número significativo de postos de trabalho indirectos. 8

9 A construção civil, especialmente as obras públicas e o abastecimento de agua, a expandirem-se por se tratar de sectores que permitem dinamizar a economia e garantir a absorção intensiva da mão-de-obra em particular, de jovens; O turismo e a indústria hoteleira dadas as potencialidades que o país nos oferece como um dos sectores que cria a sua volta uma cadeia de valores, geradores de postos de trabalho directos e indirectos; A melhoria do ambiente de negócios, através da estabilidade macroeconómica e da simplificação de procedimentos administrativos, que favorecem o surgimento e o fortalecimento das micro, pequenas e médias empresas. No âmbito das medidas activas de promoção de emprego, o Governo presta especial atenção ao aumento das oportunidades de formação profissional, distribuição de kits para o auto-emprego, aquisição e colocação de unidades móveis de formação profissional para as zonas rurais e promoção de estágios pré-profissionais como forma de melhorar a empregabilidade dos jovens que procuram o seu primeiro emprego. A par destas medidas, o Governo, no âmbito da conjugação de esforços com outros intervenientes no mercado de trabalho e, como regulador, abriu espaço para que o sector privado possa exercer a actividade de recrutamento, selecção e colocação de candidatos a emprego, por via de Agências Privadas de Emprego, que têm contribuído significativamente para dar resposta a demanda do sector empresarial. Uma outra vertente de vital importância que contribui para uma maior estabilidade e manutenção dos postos de trabalho está na definição dos perfis profissionais que, para além de conferirem uma perspectiva de evolução na carreira profissional e dos salários, vai facilitar o recrutamento, a definição, desenvolvimento de competências e a certificação profissional, por isso, o Governo aprovou recentemente o Qualificador Comum de Técnicos, Operários e Empregados. 9

10 Ainda no quadro das medidas adoptadas por este Governo no sentido de estimular o auto-emprego, como umas das principais linhas de orientação na promoção do emprego, foi aprovada a taxa contributiva da Segurança Social para os trabalhadores por conta própria, como sinal inequívoco de incentivo, valorização e de apoio ao auto-emprego e empreendedorismo. Distintos Mandatários do Povo, Paralelamente, o Governo tem vindo a estimular o desenvolvimento das micro e pequenas empresas, através do tratamento que lhes tem concedido no quadro da contratação de empreitadas de obras públicas, fornecimento de bens e prestação de serviços ao Estado. Para além destas intervenções e tendo em conta a natureza transversal do emprego, que é gerado pelo investimento público e privado, constitui factor de primordial importância a continuação de criação de condições que promovam e tornem o país cada vez mais atractivo ao investimento, o que pressupõe um ambiente de estabilidade politica, social e de paz laboral. Associado aos investimentos do sector privado, o Governo vai alocar recursos para diversas iniciativas que contribuirão para a promoção do emprego em cerca de: 1.5 Mil milhões de Meticais para Fundo do Desenvolvimento Distrital (FDD); 140 Milhões de Meticais para o Programa Estratégico de Redução da Pobreza Urbana (PERPU); 12 milhões de Meticais para o Fundo de Apoio a Iniciativas Juvenis (FAIJ), bem como de outros fundos dedicados a sectores específicos como a Agricultura; 10

11 843 milhões de Meticais para o Fundo de Desenvolvimento Agrário; 113 milhões de Meticais para o Fundo de Fomento Pesqueiro; 73 milhões de Meticais para a Promoção de Pequenas e Médias Empresas. Senhora Presidente da Assembleia da República, Excelência Digníssimos Deputados, É com a implementação deste conjunto de medidas e de outras, que conjugadas com as acções de formação profissional para 120 mil beneficiários, que se prevê, no âmbito do Plano Económico e Social para 2015, aprovado por esta Magna Casa do Povo, criar aproximadamente 300 mil postos de trabalho e até ao final do mandato, de cerca de empregos, destinados fundamentalmente aos jovens Moçambicanos. Com estes esclarecimentos, Digníssimos Representantes do nosso Povo, espero ter respondido as preocupações levantadas, pelo que agradeço a preciosa atenção que me dispensaram. Ndatenda Ochukuro Kanimambo Muito Obrigada! 11

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL l REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A MINISTRA DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NA 105ª CONFERÊNCIA DA OIT, EM GENEBRA, SUÍÇA

Leia mais

Progresso PARP Perspectivas

Progresso PARP Perspectivas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DIRECÇÃO NACIONAL DE ESTUDOS E ANÁLISE DE POLÍTICAS Progresso PARP 2011-2014 Perspectivas 2013-2017 Apresentação ao Seminário Conjunto:

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REUNIÃO FINAL DO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DO QUADRO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA 2012 Intervenção de Sua Excelência, Aiuba Cuereneia

Leia mais

Qualificador Profissional Comum de Técnicos, Operários e Empregados

Qualificador Profissional Comum de Técnicos, Operários e Empregados Qualificador Profissional Comum de Técnicos, Operários e Empregados Junho de 2015 1 1. Introdução As qualificações profissionais reconhecidas aos trabalhadores são registadas em carteira profissional (artigo

Leia mais

Seminário Nacional sobre a Avaliação do Programa do FIDA em Moçambique nos últimos 10 anos

Seminário Nacional sobre a Avaliação do Programa do FIDA em Moçambique nos últimos 10 anos REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Seminário Nacional sobre a Avaliação do Programa do FIDA em Moçambique nos últimos 10 anos Discurso de Abertura de Sua Excelência o

Leia mais

Reflexões sobre emprego e redução de pobreza no PARP : Desafios para uma abordagem alternativa

Reflexões sobre emprego e redução de pobreza no PARP : Desafios para uma abordagem alternativa Reflexões sobre emprego e redução de pobreza no PARP 2011 2014: Desafios para uma abordagem alternativa Yasfir Ibraimo Seminário de divulgação do livro Desafios para Moçambique 2012 Universidade Católica

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL 1. Uma Situação Preocupante O nosso País tem tido um crescimento económico inferior à média da União Europeia desde 2002. Seis anos continuados de crise económica fizeram

Leia mais

Yasfir Daudo Ibraimo

Yasfir Daudo Ibraimo Emprego e Condições de Emprego nas Zonas Rurais, Suas Implicações Para a Pobreza: O Caso da Açucareira De Xinavane Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz SEMINÁRIO IESE e OIT ACÇÃO SOCIAL PRODUTIVA

Leia mais

Emprego e Condições de Emprego nas Zonas. Rurais, Suas Implicações Para a Pobreza: O. Caso da Açucareira De Xinavane

Emprego e Condições de Emprego nas Zonas. Rurais, Suas Implicações Para a Pobreza: O. Caso da Açucareira De Xinavane Emprego e Condições de Emprego nas Zonas Rurais, Suas Implicações Para a Pobreza: O Caso da Açucareira De Xinavane SEMINÁRIO IESE e OIT ACÇÃO SOCIAL PRODUTIVA EM MOÇAMBIQUE: QUE POSSIBILIDADES E OPÇÕES

Leia mais

Unidade-Disciplina-Trabalho MINISTÉRIO DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Gabinete do Ministro. 104ª Conferencia Internacional do Trabalho

Unidade-Disciplina-Trabalho MINISTÉRIO DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Gabinete do Ministro. 104ª Conferencia Internacional do Trabalho 104ª Conferencia Internacional do Trabalho Discurso do Ministro do Emprego e dos Assuntos Sociais de São Tomé e Príncipe (08 de Junho 2015) Senhora Presidente da centésima quarta Conferencia Internacional

Leia mais

RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO

RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO As eleições legislativas, ao darem maioria absoluta ao Partido Socialista, criaram condições de estabilidade e governabilidade. O Governo

Leia mais

ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL A formação profissional constitui um instrumento fundamental para combater o défice

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Seminário sobre o Instrumento de Apoio às Políticas, dia 11 de Março 2013.

Seminário sobre o Instrumento de Apoio às Políticas, dia 11 de Março 2013. Seminário sobre o Instrumento de Apoio às Políticas, dia 11 de Março 2013. Crescimento inclusivo Comentário de Niels Richter por parte de G19. O PARP aposta no crescimento económico inclusivo para a redução

Leia mais

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos,

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Excelentíssima Primeira-Dama da República de Angola, Drª Ana Paula dos Santos, Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente

Leia mais

DÉLÉGATION PERMANENTE DU PORTUGAL AUPRÈS DE L'UNESCO. Portugal. Debate de Política Geral da 39ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO

DÉLÉGATION PERMANENTE DU PORTUGAL AUPRÈS DE L'UNESCO. Portugal. Debate de Política Geral da 39ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO Portugal Debate de Política Geral da 39ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO Intervenção do Senhor Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues (1 de novembro de 2017- de tarde) Senhora Presidente da

Leia mais

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PEDSA O PACTO A SER IMPLEMENTADO PELO PEDSA: PRIORIDADES Impacto esperado com a implementação do PEDSA através

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Exmo. Sr. Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Exmo. Sr. Director Geral da Agência para a Energia, Caros membros da Comunidade

Leia mais

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 LISBOA Em 15 de Fevereiro de 1992, culminando um processo gradual de concertação o Conselho Coordenador do Conselho

Leia mais

Desempregado ou Inactivo? Empreende!

Desempregado ou Inactivo? Empreende! Desempregado ou Inactivo? Empreende! Apoios à criação do próprio emprego ou empresa António Realinho Vice-Presidente da ADRACES ENQUADRAMENTO A ADRACES é a Entidade Gestora do Grupo de Acção Local - GAL

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REUNIÃO FINAL DA REVISÃO CONJUNTA ENTRE O GOVERNO E OS PARCEIROS DE APOIO PROGRAMÁTICO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REUNIÃO FINAL DA REVISÃO CONJUNTA ENTRE O GOVERNO E OS PARCEIROS DE APOIO PROGRAMÁTICO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REUNIÃO FINAL DA REVISÃO CONJUNTA ENTRE O GOVERNO E OS PARCEIROS DE APOIO PROGRAMÁTICO Intervenção de Sua Excelência o Ministro das Finanças Maputo, 29 de Abril de 2009; 12h20 SENHORES

Leia mais

OS FUNDOS DE PENSÕES EM ANGOLA

OS FUNDOS DE PENSÕES EM ANGOLA OS FUNDOS DE PENSÕES EM ANGOLA Acesso, Gestão e Transparência Jesus Manuel Teixeira Técnico do Instituto de Supervisão de Seguros 1 ENQUADRAMENTO GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL Lei 7/04, de 15 de Outubro- Lei

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 36/XII Exposição de Motivos O Estado Português, através da assinatura do Memorando de Políticas Económicas e Financeiras, assumiu perante a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL V ENCONTRO ANUAL DE QUADROS DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS DISCURSO DE ENCERRAMENTO As minhas primeiras palavras são para saudar os participantes neste encontro de quadros da Comissão do Mercado de

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO 2014-2020 A UGT deve, antes de mais, assinalar que o questionário apresentado se torna de difícil resposta num contexto

Leia mais

As PME s em Moçambique

As PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Seminário Económico Moçambique Portugal As em Moçambique Por Claire Zimba Existimos para Auditório da Culturgest, 10:40Hrs 11:00Hrs, 17 de Julho de 2015, Lisboa - Portugal

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Workshop Colaboração entre Moçambique e Portugal nos Sectores Agrícola, Alimentar e Florestal, Maputo, 2 de Junho 2015

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DIRCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DRA VITÓRIA DIAS DIOGO,

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DIRCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DRA VITÓRIA DIAS DIOGO, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DIRCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DRA VITÓRIA DIAS DIOGO, MINISTRA DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL, NA SESSÃO DE ABERTURA DA

Leia mais

Fortalecimento das Organizações da Sociedade Civil. ama Cabo Delgado - Mocambique

Fortalecimento das Organizações da Sociedade Civil. ama Cabo Delgado - Mocambique Fortalecimento das Organizações da Sociedade Civil ama Cabo Delgado - Mocambique Estrutura da apresentação Identidade da ama Antecedentes do processo da participação em Moçambique Depois da independência

Leia mais

GUIOMAR LOPES SÓCIA FBL ADVOGADOS ANGOLA

GUIOMAR LOPES SÓCIA FBL ADVOGADOS ANGOLA GUIOMAR LOPES SÓCIA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola ENQUADRAMENTO LEGAL, REGULAMENTAR, BUROCRÁTICO E FISCAL MÓDULO I ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS

Leia mais

SEMINÁRIO PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS: PRESERVAR O PASSADO, PROTEGER O FUTURO A PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS 27 ABRIL 2011

SEMINÁRIO PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS: PRESERVAR O PASSADO, PROTEGER O FUTURO A PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS 27 ABRIL 2011 SEMINÁRIO PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS: PRESERVAR O PASSADO, PROTEGER O FUTURO A PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS 27 ABRIL 2011 Começo por agradecer Centro Nacional de Protecção Contra os Riscos

Leia mais

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO 03.02.2009 NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO MEDIDAS EXCEPCIONAIS DE APOIO AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO PARA O ANO DE 2009 Como forma de reacção à actual conjuntura económica e financeira

Leia mais

NOTAS PARA A INTERVENCÃO NO ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA DO MOZEFO NO DIA 4 DE DEZEMBRO 2015, MAPUTO, MOCAMBIQUE

NOTAS PARA A INTERVENCÃO NO ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA DO MOZEFO NO DIA 4 DE DEZEMBRO 2015, MAPUTO, MOCAMBIQUE NOTAS PARA A INTERVENCÃO NO ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA DO MOZEFO Finn Tarp NO DIA 4 DE DEZEMBRO 2015, MAPUTO, MOCAMBIQUE 1. Introdução Vossas excelências, caros colegas e amigos de Moçambique. É uma grande

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

Projecto de Lei n.º 157/X. Define regras de arrendamento rural aplicáveis a prédios rústicos do Estado

Projecto de Lei n.º 157/X. Define regras de arrendamento rural aplicáveis a prédios rústicos do Estado Projecto de Lei n.º 157/X Define regras de arrendamento rural aplicáveis a prédios rústicos do Estado Ao apresentar o presente Projecto de Lei o Grupo Parlamentar do PCP tem como objectivo resolver uma

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DO OBSERVATÓRIO DO EMPREGO POLÍTICAS ACTIVAS DE EMPREGO EM CABO VERDE

RECOMENDAÇÕES DO OBSERVATÓRIO DO EMPREGO POLÍTICAS ACTIVAS DE EMPREGO EM CABO VERDE RECOMENDAÇÕES DO OBSERVATÓRIO DO EMPREGO POLÍTICAS ACTIVAS DE EMPREGO EM CABO VERDE Este documento visa apresentar ao Ministério da Juventude, Emprego e Desenvolvimento dos Recursos Humanos (MJEDRH), as

Leia mais

Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola;

Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola; REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola;

Leia mais

Projecto de Lei n.º 550/XIII/2.ª. Exposição de motivos

Projecto de Lei n.º 550/XIII/2.ª. Exposição de motivos Projecto de Lei n.º 550/XIII/2.ª Altera o Código do Trabalho e o Código de Processo do Trabalho, introduzindo alterações no regime da presunção de contrato de trabalho e do contrato a termo certo resolutivo

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Discurso de Sua Exa. Ministro da Comunicação Social, na Cerimónia de Abertura do 1º Encontro Nacional de Quadros da Comunicação Social Excelências Sr. Vice Ministro da

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017

UBERABA, 13 A 15 DE FEVEREIRO DE 2017 DISCURSO DE S.E. NELSON COSME, EMBAIXADOR DE ANGOLA NO BRASIL NA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA CPLP, SOBRE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E ERRADICAÇÃO DA POBREZA POR MEIO DA AGRICULTURA UBERABA, 13 A 15 DE

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Página 1 de 10 Considerando que o acesso à terra é fundamental para o processo de reconstrução, construção e desenvolvimento económico e social do País e

Leia mais

Entrevista ao Presidente do Tribunal Administrativo de Moçambique- Juiz- Conselheiro Machatine Paulo Marrengane Munguambe

Entrevista ao Presidente do Tribunal Administrativo de Moçambique- Juiz- Conselheiro Machatine Paulo Marrengane Munguambe Entrevista ao Presidente do Tribunal Administrativo de Moçambique- Juiz- Conselheiro Machatine Paulo Marrengane Munguambe Panorâmica e apreciação sobre o ambiente institucional do Tribunal Administrativo,

Leia mais

Workshop sobre Governo Electrónico da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) Proposta de Discurso de Abertura

Workshop sobre Governo Electrónico da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) Proposta de Discurso de Abertura REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério da Ciência e Tecnologia Workshop sobre Governo Electrónico da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) Maputo, de 28 a 30 de Novembro de 2011 Proposta

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O TRABALHO DIGNO, A JUSTIÇA SOCIAL E O FUTURO DO TRABALHO OIT: MISSÃO Desenvolve o seu trabalho no âmbito da redução da

Leia mais

tal como constam da Declaração de Filadélfia de 1944, constituem ideias com os quais nos identificamos profundamente.

tal como constam da Declaração de Filadélfia de 1944, constituem ideias com os quais nos identificamos profundamente. 1 Quero começar por destacar a elevada importância que o Governo Regional da Madeira atribui ao protocolo hoje celebrado com a Organização Internacional do Trabalho, através do seu escritório em Lisboa.

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA 22 DE MARÇO DE 2013 2013, Ano Internacional da Cooperação pela da Água 2 DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA O dia 22 de Março

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Síntese Final do I Fórum Nacional de Consulta sobre a Transformação Curricular do Ensino Secundário

Leia mais

O Pacto Mundial para o Emprego:

O Pacto Mundial para o Emprego: O Pacto Mundial para o Emprego: Uma resposta à crise Escritório da OIT no Brasil Seminário sobre a Elaboração do PNTD e a Participação dos Trabalhadores São Paulo, 29 de setembro de 2009 Objetivo estratégico

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009 FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO Lisboa, 20 de Junho de 2009 INTRODUÇÃO O FUNAB é uma pessoa colectiva, de direito público, com personalidade jurídica e dotado

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos Intervenção do Governador do Banco de Cabo Verde, Dr. Carlos Burgo, no VII Encontro dos Governadores dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, Cidade da Praia, 2 de Maio de 2014. A Convergência

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança Conclusões Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Demais autoridades

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Senhores Presidentes dos Parlamentos Nacionais. Senhoras e senhores profissionais da Comunicação Social

ASSEMBLEIA NACIONAL. Senhores Presidentes dos Parlamentos Nacionais. Senhoras e senhores profissionais da Comunicação Social ASSEMBLEIA NACIONAL DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL, ENGº JORGE PEDRO MAURÍCIO DOS SANTOS, NA 9ª CONFERÊNCIA DOS PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS AFRICANOS Senhor Presidente do PAP, Dr. Roger

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

PETIÇÃO: ALTERNATIVAS PARA FINANCIAMENTO AO SECTOR DA EDUCAÇÃO EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

PETIÇÃO: ALTERNATIVAS PARA FINANCIAMENTO AO SECTOR DA EDUCAÇÃO EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE PETIÇÃO: ALTERNATIVAS PARA FINANCIAMENTO AO SECTOR DA EDUCAÇÃO EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE A luz da Constituição da Republica, Artigo 88, a educação constitui

Leia mais

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição Junho de 2013 Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique 1 Breve Historial Mais de 70%vivem da agricultura Pequenos

Leia mais

Formação sobre exploração de Hidrocarbonetos: Participação Pública & Transparência. Resumo do Encontro

Formação sobre exploração de Hidrocarbonetos: Participação Pública & Transparência. Resumo do Encontro Formação sobre exploração de Hidrocarbonetos: Participação Pública & Transparência Resumo do Encontro Participantes: ONGs, OCBs, instituições locais do Estado e sector privado Local: Cidade de Pemba Data:

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA CTA SOBRE A SITUAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA

COMUNICAÇÃO DA CTA SOBRE A SITUAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA CTA-CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE COMUNICAÇÃO DA CTA SOBRE A SITUAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA O Governo da República de Moçambique partilhou a situação económica do País, com ênfase para

Leia mais

Colocação dos especialistas de medicina geral e familiar

Colocação dos especialistas de medicina geral e familiar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 88/XI/1ª Colocação dos especialistas de medicina geral e familiar A realidade actual marcada pela escassez de recursos e pela competitividade exige uma maior flexibilidade e prontidão

Leia mais

Lançamento da Página de Internet: Preservar a história e o conhecimento sobre épocas especificas da nossa caminhada colectiva

Lançamento da Página de Internet: Preservar a história e o conhecimento sobre épocas especificas da nossa caminhada colectiva Lançamento da Página de Internet: Preservar a história e o conhecimento sobre épocas especificas da nossa caminhada colectiva Comunicação de Sua Excelência Armando Emílio Guebuza, Antigo Presidente da

Leia mais

Desafios de Industrialização em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Director do IESE Professor Associado da FE da UEM

Desafios de Industrialização em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Director do IESE Professor Associado da FE da UEM Desafios de Industrialização em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Director do IESE Professor Associado da FE da UEM Semana da Industrialização em África Seminário sobre Desafios de Industrialização

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

Luanda, 14 de Junho de 2016 EXCELÊNCIAS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO, SENHOR SECRETÁRIO-GERAL, SENHORES MINISTROS, DISTINTOS DELEGADOS,

Luanda, 14 de Junho de 2016 EXCELÊNCIAS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO, SENHOR SECRETÁRIO-GERAL, SENHORES MINISTROS, DISTINTOS DELEGADOS, DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, POR OCASIÃO DA 6ª CIMEIRA ORDINÁRIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

DEBATE SOBRE O SETOR PRIVADO E O AMBIENTE DE NEGÓCIOS Discurso de abertura

DEBATE SOBRE O SETOR PRIVADO E O AMBIENTE DE NEGÓCIOS Discurso de abertura DEBATE SOBRE O SETOR PRIVADO E O AMBIENTE DE NEGÓCIOS Discurso de abertura Senhor Presidente, Senhor Primeiro-Ministro, Senhoras e Senhores Ministros, Colegas Deputadas e Deputados, O Governo de Cabo Verde

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA I.ª REUNIÃO DE MINISTROS DO COMÉRCIO DA COMUNIDADE DOS PAÍ- SES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

DECLARAÇÃO DE LUANDA I.ª REUNIÃO DE MINISTROS DO COMÉRCIO DA COMUNIDADE DOS PAÍ- SES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) DECLARAÇÃO DE LUANDA I.ª REUNIÃO DE MINISTROS DO COMÉRCIO DA COMUNIDADE DOS PAÍ- SES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Nós, Maria Idalina Valente, Ministra do Comércio de Angola; Armando Inroga, Ministro da

Leia mais

VI - Política de Conflitos de Interesses

VI - Política de Conflitos de Interesses VI - Política de Conflitos de Interesses Nos termos e para os efeitos do disposto no Artigo 309.º-A e seguintes do Código dos Valores Mobiliários, descreve-se, em seguida, a politica de conflitos de interesses

Leia mais

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas É uma honra e uma satisfação, participar no Trigésimo

Leia mais

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Organização Internacional do Trabalho (OIT) Representação Eventual 18ª Reunião Regional Americana da OIT Representante Lidiane Duarte Nogueira Advogada

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Considerando que: 1. A Junta de Freguesia de Marvila (adiante JFM, ou Autarquia) assume como um

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo A actividade piscatória é um sector importante da economia dos Açores, em que a faina

Leia mais

PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO NO CONTEXTO DO CAADP

PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO NO CONTEXTO DO CAADP República de Moçambique Ministério da Agricultura PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO NO CONTEXTO DO CAADP O PACTO DO CAADP Apresentação aos Parceiros 01 de Dezembro de 2011 1 CONTEÚDO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência Aiuba Cuereneia Ministro da Planificação e Desenvolvimento

Intervenção de Sua Excelência Aiuba Cuereneia Ministro da Planificação e Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REUNIÃO FINAL DO PROCESSO DA REVISÃO ANUAL 2014 Intervenção de Sua Excelência Aiuba Cuereneia Ministro da Planificação e Desenvolvimento Maputo, 16 de Maio de 2014 SENHORES MEMBROS

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. 5 de novembro de Ana Luísa Nunes

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. 5 de novembro de Ana Luísa Nunes 5 de novembro de 2015 Ana Luísa Nunes A LEGISLAÇÃO EM MATÉRIA DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA O NOSSO ORDENAMENTO JURÍDICO TEM SUBACENTE: A ADUDICAÇÃO DAS MELHORES PROPOSTAS QUE O MERCADO PODE OFERECER? OU DE PROPOSTAS

Leia mais

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO I MAIO 2011 - NOTAS PARA A INTERVENÇÃO Caras e caros Companheiros e Amigos Aqui, somos muitos, muitos mil para dizer ao País que os trabalhadores estão mobilizados na defesa de um PAÍS PROGRESSO ECONÓMICO

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

pedreiros, carpinteiros, Arquitectos, Pilotos, Motoristas, do amanhã.

pedreiros, carpinteiros, Arquitectos, Pilotos, Motoristas, do amanhã. Caro Presidente do Parlamento Infantil, Senhora Ministra do Género, Criança e Acção Social Excelência, Distintos Parlamentares de Palmo e Meio, Excelências, Suas Excelências Senhores Ministros e Vice-Ministros,

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS E MODELO DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA DAS ESE. (a propósito do Decreto-Lei n.º 29/2011, de 28 de Fevereiro)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS E MODELO DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA DAS ESE. (a propósito do Decreto-Lei n.º 29/2011, de 28 de Fevereiro) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS E MODELO DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA DAS ESE (a propósito do Decreto-Lei n.º 29/2011, de 28 de Fevereiro) Rui Medeiros Novembro 2011 I. Eficiência energética nos

Leia mais

Av. Filipe Samuel Magaia, Edificio do INSS, Lichinga, Moçambique Tel: Fax: Cel: Av.

Av. Filipe Samuel Magaia, Edificio do INSS, Lichinga, Moçambique Tel: Fax: Cel: Av. Quem somos? GOVERNO SUECO GOVERNO MOÇAMBICANO PROGRAMA AVANTE NIASSA (COORDENAÇÃO) SECTOR PÚBLICO INFRA- ESTRUTURAS SECTOR PRIVADO PROGRAMA MALONDA PROGRAMA MALONDA -AMODER- Nakosso - Nakosso - SOCIEDADE

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República. Buscando parcerias para a promoção do crescimento

República de Moçambique Presidência da República. Buscando parcerias para a promoção do crescimento República de Moçambique Presidência da República Buscando parcerias para a promoção do crescimento Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente de Moçambique por ocasião por Ocasião do Fórum

Leia mais

Mobilização das Receitas Domésticas através da Tributação em Moçambique

Mobilização das Receitas Domésticas através da Tributação em Moçambique . REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE Mobilização das Receitas Domésticas através da Tributação em Moçambique Seminário: Fiscalidade e Desenvolvimento: A relevância da Experiência

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA UM ACORDO DE CONCERTAÇÃO DE MÉDIO PRAZO

COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA UM ACORDO DE CONCERTAÇÃO DE MÉDIO PRAZO COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA UM ACORDO DE CONCERTAÇÃO DE MÉDIO PRAZO Partindo de uma análise partilhada da realidade económica e social do país da qual faz sentido destacar, sem prejuízo de outros elementos,

Leia mais

Posse da Comissão de Acompanhamento do Plano Nacional de Saúde Lisboa, Palácio Foz

Posse da Comissão de Acompanhamento do Plano Nacional de Saúde Lisboa, Palácio Foz Posse da Comissão de Acompanhamento do Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Lisboa, Palácio Foz 19-01-2005 Senhor Director-Geral e Alto Comissário da Saúde Senhores Membros da Comissão de Acompanhamento PROF.

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais