ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA PAS AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ABC TIMOR LESTE CONSTRUINDO O FUTURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA PAS AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ABC TIMOR LESTE CONSTRUINDO O FUTURO"

Transcrição

1 ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA PAS AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ABC TIMOR LESTE CONSTRUINDO O FUTURO EDUCAÇÃO DE PESSOAS ADULTAS CONTRIBUIÇÕES AO CURRICULO DE EJA FORMAÇÃO DO/A EDUCADOR/A LOROSA E SALA TEMÁTICA: INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS AUTORES: ANTONIA PÍNCANO, JOÃO ALBERTO PASCHOA, LOURDES BENTO, MARIA DE FÁTIMA CHASSOT, PEDRO SILVA FUNÇÃO: PROFESSORES INSTITUIÇÕES: 9UNIVERSIDADE DO RIO DE JANEIRO UNIRIO 9UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS -UNIMONTES 9UNIVERSIDADE MACKENZIE MACKENZIE 9UNIVERSIADADE SANTA CECÍLIA UNISANTA 9FACULDADES INTERLAGOS RECURSO A SER UTILIZADO: RETROPROJETOR DATA SHOW

2 INTRODUÇÃO ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA PAS AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ABC TIMOR LESTE CONSTRUINDO O FUTURO EDUCAÇÃO DE PESSOAS ADULTAS CONTRIBUIÇÕES AO CURRICULO DE EJA FORMAÇÃO DO/A EDUCADOR/A LOROSA E O trabalho alicerça reflexões coligidas por meio do Programa de Alfabetização Comunitária e da Agência Brasileira de Cooperação - ABC desenvolvido, no Timor Leste, em parceria, na segunda fase, com cinco Universidades: Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO), do Rio, RJ, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) Montes Claros, MG, Universidade Mackenzie (MACKENZIE) São Paulo, SP, Universidade Santa Cecília (UNISANTA), de Santos, SP, Faculdade Interlagos, São Paulo, SP. Destacamos como unidade de análise o tema formação do educador, por nós examinado sob o filtro da experiência que realizamos desde o ano de 2000 até o primeiro bimestre do ano de Os dados contidos neste trabalho correspondem às seguintes etapas: a) Primeira etapa outubro/novembro de 2000 Curso de formação inicial de professores de EJA, envolvendo 22 participantes que atuaram em salas localizadas em 10 comunidades de Dili, na capital de Timor Leste; Segunda etapa - agosto de Curso de formação inicial de professores educadores de pessoas adultas, envolvendo 157 participantes, oriundos dos treze Distritos de Timor Leste, a saber: Aileu, Ainaro, Baucau, Bobonaro, Cova Lima, Dili, Ermera, Lautem, Liquiça, Manatuto, Manufahi, Oe-Cussi, Viqueque; Terceira etapa - viagens(missões) de formação continuada e acompanhamento do trabalho dos professores educadores, monitores pedagógicos, coordenadores, equipe de educação não-formal dos distritos de Dili e Liquiça; Quarta etapa fevereiro de 2003 evidenciando-se reunir considerações que para constituir uma base de informação à proposta curricular de EJA, assim como pistas para o desenvolvimento profissional. Os/as professores/as envolvidos/as neste estudo são os escritores de textos/materiais utilizados com alunos/alunas em processo de alfabetização. REVISÃO DE LITERATURA As bases conceituais deste estudo provêm de diferentes campos do conhecimento. As principais dentre elas identificam-se com o referencial teórico da história cultural e social (Chartier, Certeau, 1996, 2000), da leitura como prática social (Foucambert, 1995, 1997), da análise da prática docente (Nóvoa, 1995, 2000), do pensamento de Georges Balandier. Assim, tal investigação se propõe, como regra principal de observação, que os fatos devem ser observados e descritos sem permitir que preconceitos teóricos alterem sua natureza e sua importância. Isto implica em estudar os fatos em si mesmos e em relação ao conjunto. Conforme sugere Balandier... As aparências mascaram o que seria preciso ver de perto. Nestas circunstâncias, só existe uma regra: tomar distância, colocar-se fora da confusão, que é o estado de fato e de discurso. O contorno antropológico oferece os meios, leva a considerar, na enorme diversidade de formas que o realizam, o que constitui a política, indissociável de toda existência social, da mais simples à mais complexa... (1997, p.14) 2

3 OBJETIVOS Nosso objetivo é tentar compreender as práticas dos professores, por intermédio de narrativas orais, relatos escritos, materiais didáticos produzidos por eles, visando possibilitar que o próprio sujeito compreenda sua própria formação o modo como ele aprende e se qualifica, pois como nos diz P. Ricoeur (in Nóvoa, 1995) um indivíduo reconhece-se na história que conta a sí próprio sobre si próprio. Algumas questões são aqui alinhavadas com a intenção de investigar: Quem são estes professores na condição de leitores e escritores? Que imagens eles tem de suas práticas pedagógicas? Por que, apesar das experiências traumáticas (invasões, guerras) estes professores preservam o entusiasmo e empenham-se em seu compromisso pedagógico? Que modelos de textos são esperados e poderão ser produzidos por eles? Pretende-se, concomitantemente, focalizar o aluno e examinar as práticas de letramento orais e escritas em que está inserido, tanto no que se refere às atividades realizadas em sala de aula como fora dela. MÉTODO E MATERIAIS A opção pela investigação de caráter exploratório e análise qualitativa orientou a escolha dos procedimentos metodológicos. Foi realizada uma densa consulta bibliográfica sobre Timor nos seguintes assuntos: História (aspectos antropológicos socioculturais, lingüísticos, literários, econômicos) Memória, História Oral, Questões Étnicas, Ensino Fundamental e Formação Docente. Procedeu-se a realização de entrevistas individuais e grupais com professores e aplicação de questionários para obter informações acerca de aspectos socioculturais, lingüísticos e econômicos dos pesquisados. Uma outra fonte de dados emergiu dos diálogos e conversas com os docentes e dos materiais e textos produzidos por eles. Foram feitas anotações sobre os modos de falar, de expressar opiniões, emoções e o envolvimento dos entrevistados em relação ao trabalho de professor educador de adultos. Após a coleta de dados realizamos estudos das narrativas e análise do discurso (Orlandi, 1996, Maingueneau 1997, 2000). RESULTADOS E CONCLUSÕES A análise dos dados coletados, ora em andamento, tendo em vista as profundas mudanças que ocorreram na sociedade timorense, já permite apontar que as motivações para a realização deste estudo estão intimamente ligadas à trajetória de vida destes professores e a nova configuração que adquiriu a educação do povo leste timorense durante o período da ocupação indonésia. Permite também assinalar que uma das lutas do povo timorense é a de romper a forte opressão, enfrentada ao longo de vinte e cinco anos de luta em busca da liberdade. É a percepção de mudanças na forma e no conteúdo dos discursos, a emergência de questionamentos inéditos, a busca de reorganizações de atitudes, que nos possibilita reconhecer e retratar transformações ocorridas nas suas rotinas profissionais. A batalha travada pela nação maubere, determinada a voltar a se comunicar em língua portuguesa, tem se mostrado árdua, mas com prodigiosos resultados. Confiamos que esta apresentação possa revelar o grau de reinvenção do passado para a preparação do futuro que as/os professoras/es alcançam nesta nação forte e imponente. É o que estamos procurando avaliar/demonstrar nesta etapa da pesquisa Abp

4 ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA ALFASOL AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO ABC TIMOR LESTE CONSTRUINDO O FUTURO EDUCAÇÃO DE PESSOAS ADULTAS CONTRIBUIÇÕES AO CURRICULO DE EJA - FORMAÇÃO DO/A EDUCADOR/A LOROSA E INTRODUÇÃO Embora esta investigação tenha sido interrompida em fevereiro de 2003 foi possível reunir resultados que permitem dimensionar a complexidade dos processos envolvidos na formação dos professores timorenses do Distrito de Liquiça e da capital Dili. Neste sentido destacaremos como unidade de análise o tema formação do educador que será por nós examinado sob o filtro da experiência que vimos realizando desde o ano de 2000, por meio do Programa de Alfabetização Comunitária - ALFASOL e da Agência Brasileira de Cooperação ABC A análise dos dados coletados, ora em andamento, tendo em vista as profundas mudanças que ocorreram na sociedade timorense, já permite apontar que as motivações para a realização deste estudo estão intimamente ligadas à trajetória de vida destes professores e a nova configuração que adquiriu a educação do povo maubere durante o período da ocupação indonésia. Permite também assinalar que uma das lutas do povo timorense é a de romper a forte opressão, enfrentada ao longo de vinte e cinco anos de luta em busca da liberdade. É a percepção de mudanças na forma e no conteúdo dos discursos, a emergência de questionamentos inéditos, a busca de reorganizações de atitudes, que nos possibilita reconhecer e retratar transformações ocorridas nas suas rotinas profissionais. Neste mundo momentaneamente subjugado pelas forças da globalização, orientado por padrões políticos, econômicos e sociais determinados por economistas insensíveis às demandas humanas, parece hercúlea a missão de ultrapassar as barreiras bloqueadoras das propostas educacionais não-elitistas. As poucas experiências que conseguem gerar transformações e são consideradas alternativas ao modelo educacional e escolar "triunfante", via de regra, não conseguem expandirse e/ou influenciar as políticas públicas. Talvez porque a idéia de um mundo globalizado tenha se tornado um fascínio para alguns, que ingenuamente acreditam na igualdade cultural entre todos os povos. Os menos ingênuos, entretanto, desde o princípio dos tempos, aproveitam-se das exclusões que tais políticas provocam, esquecidos, talvez, que justamente nossa maior riqueza está na multiplicidade de soluções que podemos encontrar para resolver os problemas que a vida nos impõe. Em vez de pensar as culturas nacionais como unificadas, deveríamos pensá-la como constituindo um dispositivo que representa a diferença como unidade ou identidade (Hall S. 1998:62) 4

5 Felizmente, cada vez mais erguem-se vozes para criticar a idéia de que é possível, a um pensamento único, conduzir todas as culturas humanas. Como elas, desejamos direcionar as atenções para as pessoas alijadas das maravilhas do mundo tecnológico, impedidas do acesso à educação formal, mas que são tornadas visíveis através das estatísticas e que deveriam ser melhor apoiadas pelas políticas públicas de desenvolvimento. Por outro lado, não é demais enfatizar que precisamos ter cautela com métodos que envolvem resultados numéricos relativos aos fatos sociais, pois, de modo freqüente, não são consideradas as diversidades de práticas e de propostas educativas que se realizam para além do sistema escolar formalmente instituído. Esperamos que as reflexões aqui delineadas possam converter-se em espelho fiel da coragem e dedicação destes profissionais idealistas e da perseverança de seus alunos esperançosos. Este elenco de idéias pode abrir um espectro dentro do qual deve ser pensada a educação de adultos em Timor Leste. Escolhemos alguns parâmetros, inspirados nos dados coletados, através da leitura e releitura de relatórios mensais e materiais didáticos produzidos pelos educadores e nos encontros de formação continuada. Tais dados foram examinados à luz da análise do discurso (Orlandi,2000, Maingueneau 1997, 2000) que possibilitaram um olhar diferenciado das primeiras impressões do senso comum esclarecido. (Bourdieu,1996) É o que estamos procurando avaliar/demonstrar nesta etapa da pesquisa. A batalha travada pela nação maubere 1, determinada a voltar a se comunicar em língua portuguesa, tem se mostrado árdua, mas com prodigiosos resultados. Confiamos que esta apresentação possa revelar o grau de reinvenção do passado para a preparação do futuro que as/os professoras/es alcançam nesta nação forte e imponente Uma andorinha só " a escola que realmente existe, essa pequena escola que um educador anônimo, de algum lugar remoto, leva com dignidade. Pequena e remota, mas que, para muitos estudantes, é o centro do mundo. A escola onde a esperança sobrevive para muitas pessoas subjugadas pela pobreza e pela ignorância, ambas filhas da injustiça e da opressão; a escola e seus protagonistas formam um mural esculpido no mármore da coragem e do compromisso." Fabricio Caivano (Cad. Pesquisa, Barcelona, 2001) Para compreendermos em que contexto se inserem os professores educadores de pessoas adultas e os alunos envolvidos no Programa Alfabetização Comunitária, consideramos relevante destacar alguns elementos sobre Dili capital de Timor Leste onde se realizou o Curso de Formação Básica dos Educadores. 1 A palavra maubere sinônimo de identidade coletiva, orgulho, reivindicação (Timor Timorense, 1995:21) do leste timorense soa desagradavelmente aos militares indonésios pois é usada como símbolo de independência. São muitas as personalidades ( Xanana Gusmão, Ramos Horta) que adotam a palavra maubere. 5

6 A cidade de Dili possui cerca de 145 mil habitantes, em sua maioria centralizados em área urbana, morando em habitações populares reconstruídas em precárias condições. Trata-se de uma cidade de aspecto mediterrâneo, situada ao redor do porto natural; possui muitos prédios novos, uma vez que sofreu intensa destruição, não somente durante a segunda guerra mundial, mas com o massacre ocorrido em 07 de dezembro de 1975, data da invasão indonésia. O fornecimento de luz elétrica é precário e irregular o suprimento de água. Não há serviço público de coleta de lixo. Não há sinais luminosos nem postes de iluminação pública. O aspecto geral da cidade revela que foi vítima de uma tragédia recente. Uma importante característica de Dili tem sido acolher cidadãos timorenses migrantes, oriundos dos treze distritos do território. Um dos motivos para a saída da população dos seus distritos de origem, para a capital, se deve à busca de melhores condições de subsistência (educação, saúde, trabalho). I EM BUSCA DE CAMINHOS Nosso objetivo é tentar compreender as práticas dos professores, por intermédio de narrativas orais, relatos escritos, materiais didáticos produzidos por eles, visando possibilitar que o próprio sujeito compreenda sua própria formação o modo como ele aprende e se qualifica, pois como sugere P. Ricoeur (in Nóvoa, 1995) um indivíduo reconhece-se na história que conta a sí próprio sobre si próprio. O tipo de relação que mantivemos com os atores (educadores) foi caracterizado pela cooperação, pela investigação que busca a compreensão e a interação entre o pesquisador e os membros das situações investigadas, pela partilha, cuidando de criar condições de fortalecimento das identidades, dos aspectos sociopolíticos, o que não quer dizer que a realidade psicológica e existencial seja desprezada (Thiollent, M. 1986). Algumas questões são aqui alinhavadas com a intenção de investigar: Quem são estes professores na condição de leitores e escritores? Que imagens eles tem de suas práticas pedagógicas? Por que, apesar das experiências traumáticas (invasões, guerras) estes professores preservam o entusiasmo e empenham-se em seu compromisso pedagógico? Que modelos de textos são esperados e poderão ser produzidos por eles? Pretende-se, concomitantemente, focalizar o aluno e examinar as práticas de letramento orais e escritas em que está inserido, tanto no que se refere às atividades realizadas em sala de aula como fora dela. Cabe destacar que o corpo de professores do Programa Alfabetização Comunitária em Timor Leste se compõe de: ªProfessores intitulados como professores do posto escolar; ª professores intitulados professores catequistas; ª alfabetizadores com a 4ª classe ( escolaridade básica correspondente a 8ª série do sistema educacional brasileiro). Os professores do posto escolar são aqueles que estudaram no colégio das freiras canossianas até a 4ª classe e, a seguir, fizeram um curso de 04 anos para formarem-se como professores dos postos escolares. Tal formação autorizava este profissional a lecionar o ABC e a CARTILHA até a 4ª classe. 6

7 Os professores que ensinavam no posto escolar tinham o seu dia dividido em duas partes: De 8:00h as 12:00h - atividades em aula; De 13:00H as 15:00h - atividades práticas (trabalho em viveiros, hortas, etc.) Os professores catequistas além da função de educador tinham uma importância especial que era a de auxiliar na cristianização. Tais professores eram escolhidos pelo Vigário Geral. O professor (a) catequista também realizava as funções de catequese, ou seja, ensinava ao povo a doutrina católica, orientava a oração do terço e tomava conta da igreja. Os alfabetizadores com a 4ª classe interromperam os estudos no curso de formação de professores devido ao golpe de 1975, quando tiveram que fugir para as montanhas leste timorenses. Importa realçar que os professores envolvidos no Programa Alfabetização Comunitária da capital Dili e do Distrito de Liquiça, além de mostrarem considerável aspiração pela profissão de educador revelam um compromisso de foro íntimo - vontade política - de resgatar a língua portuguesa que também é um dos instrumentos da resistência timorense. Ou seja, em Timor, parece que a leitura e escrita são estudadas, de forma concomitante, com fins sociais e políticos, situando-se em segundo plano a busca de domínio de habilidades individuais.... A luta continua... todos com os livros na mão... (JLC, Coleção Incompleta Timor Loro SA E). Além dos dados obtidos pela observação direta às salas de aula, através de encontros bimestrais naquele país, analisamos também as observações registradas nos diários de campo dos professores, assim como outra importante fonte de exploração os materiais.didáticos produzidos pelos educadores a saber: Guia do Professor Alfabetização Solidária Timor Leste Outubro de 2000 Coleção Incompleta Timor Loro Sa e Nosso objetivo nessa fase foi analisar como os materiais/textos, em língua portuguesa, são elaborados e trabalhados pelos professores, em sala de aula, com alunos adultos, de mais de 25 anos, falantes de língua portuguesa. Ao dizermos isto estamos enfatizando a análise do saber enraizado nos discursos dos narradores e as mediações necessárias para a constituição de um projeto pedagógico representativo do mundo sociocultural leste timorense, assim como a possibilidade de legitimação de uma proposta curricular construída com os próprios indivíduos, com suas escolhas e condutas, como propõe Chartier (1996) :...localizar pontos de intercessão /articulação no meio do mundo do texto e do mundo do sujeito. Quando se trata de procurar pontos semelhantes entre os professores optamos: Pelos que falam lêem e escrevem em língua portuguesa; Pelos que viveram estruturas institucionais (12 anos de escolarização em língua portuguesa); Pelos que ensinam escolarização inicial - as primeiras letras ABC / CARTILHA com adultos; Pelos os que estão comprometidos com o Governo da Independência 7

8 Entendemos que a descoberta do saber enraizado nos discursos dos narradores propicia as mediações necessárias para a constituição de um projeto pedagógico construído pelos próprios indivíduos, com suas escolhas e condutas e a criação de condições efetivas para a participação dos educandos. Tais mediações, pontos de intercessão/ articulação entre o mundo do texto e o mundo do sujeito (Chartier R. 1990), são cruciais para a construção da proposta curricular de adultos O fruto desta análise uma subjetividade rica e complexa nos fez escolher caminhos que ajudassem a compreender o desenvolvimento do/a professor/a e de sua proposta curricular. Para esboçar esta última precisávamos conhecer as prioridades das/os professoras/es. Saber das prioridades é saber, do habitus... essa espécie de senso prático do que se deve fazer em dada situação... a arte de antecipar o futuro (Bourdieu, 1996:42), das identificações. O episódio escolhido para esta investigação foi sobre as canções selecionadas para o trabalho em sala: Quando estamos a cantar a canção Lavam-se os Olhos, em voz alta, estamos a contar parte da história de Timor e parte de nós. (C, 2001) A consistência do discurso dos/as professores/as sobre suas identificações tanto no que se refere aos aspectos pessoais quanto aos aspectos profissionais são fundamentais para compor as matrizes curriculares. O campo fértil em Timor se dá porque os/as professores/as se conhecem e conhecem as histórias de vida de seus grupos. Nesse sentido tal conhecimento possibilita compreender o modo como cada cidadão/ã preserva suas identidades, suas referências culturais, seus conhecimentos e como transforma suas identidades nos vários momentos do cotidiano. Os relatos dos educadores timorenses são avigorados de reflexões reveladoras de que o currículo precisa proporcionar referenciais de conhecimento que possibilite aos aprendizes inserirem-se em outros níveis de aprofundamento, aplicarem e gerirem os conhecimentos em seus processos de formação, na vida sociopolítica, profissional, pessoal. Assim o saber-fazer cognitivo dos educadores, de certa forma, depende do contexto, da compreensão plena do ser social, de sua disposição para estar envolvido com interesses socialmente constituídos, com uma cumplicidade existencial entre o modo de agir e o modo de pensar. O desafio do trabalho seria a apropriação do seu próprio saber conjugado com os aspectos teóricos que envolvem o processo educativo, pois como sugere Nóvoa A.1995:17 a maneira como cada um de nós ensina está diretamente dependente daquilo que somos como pessoa quando exercemos o ensino. Eu não quero ensinar para exames, quero ensinar para melhorar minha pátria. (C.S.) Na atualidade o ensino tem sido destinado à instrução e as propostas de formação em serviço estão fundamentadas por modelos de aprendizagem em cujo fio condutor estão inseridos os conceitos de eficiência e eficácia, que por sua vez associam-se a produção em massa. Mas como se demonstra pelo comentário de C.S. estes professores estão comprometidos a incentivar o pensamento crítico, responsabilidade cívica. O ensino democrático desde a sua estutura, relações pedagógicas e produtos e processos educacionais. Defendem assim um 8

9 currículo que desafie a resolução de problemas, a experimentação de idéias, a criatividade voltada para a investigação. Com os materiais intitulados Guia do Professor Alfabetização Solidária Timor Leste Outubro de 2000 e Coleção Incompleta Timor Loro Sa e já se pode perceber que os educadores sabem que quanto mais restritivos e padronizados são os materiais e as propostas metodológicas, mais difícil antever ou antecipar recursos facilitadores da aprendizagem criativa e transformadora. Parece razoável enfatizar que os materiais e procedimentos com propostas estrandardizadas envolvem os professores e indecisões e inseguranças que os torna dependentes e desconfiados: Prefiro usar este material que já conheço do que o outro projecto que tenha que começar novas leituras (M.S.) Por outro lado estas afirmações podem indicar que os professores lutam para manter a familiaridade que com algum tema, o que o possibilita a racionar rapidamente, e a fazer conclusões. Desta forma mantém sua autoconfiança e despendem todo tipo de energia para preservá-la. Examinando os textos produzidos pelos professores, nesta fase do programa observamos que os mesmos ilustram as tensões, os constrangimentos e os sentimentos de pessoas que ensinam a outras pessoas, ajudando-os a descobrir ou aprender de forma preditiva (Bruner, 1998), relacionando e combinando conteúdos: TEXTO TERRA DO POVO TIMOR Timor Leste continuará sempre a ter como vizinho um dos países mais populosos do mundo, com um exército forte e uma população que se espalha por treze ilhas. É preciso fortalecer a paz para conviver amistosamente como nossos vizinhos para que não tenhamos que fugir de novo para montanha. A maior parte dos textos inseridos nos materiais analisados propõe temas que revelam a força, a resistência, a obstinação e o entusiasmo para difundir as idéias revolucionárias. Todavia seus dilemas incidem no processo de ensino. Tentam variar suas técnicas e métodos de ensino e quando não conseguem resolver os problemas identificados enfrentam sentimentos de apreensão e retornam a exploração procedimentos de mecanização que sobrecarregam a memória e reduzem a motivação dos alunos para os assuntos planejados: Talvez possamos seguir com o Manual do Professor... Penso que pode melhorar a aflição de todos... É mais fácil seguir instruções... (C..R.) Nesta abordagem do ensino, a ênfase se coloca na resposta predefinida pelo educador ou pelo sistema que é mais controlável por ele do que a aprendizagem de pensar criticamente. Esses processos de fundamentação empirista são denominados por muitos estudiosos como 9

10 métodos de tortura, pois, quando não geram no aluno desmotivação e desistência para continuar a aprender, podem facilmente tornar a leitura desse aluno/a mecânica e sem sentido. Entretanto os professores envolvidos no estudo afirmam que recebem muitas cobranças para transmitir conhecimentos e, se assim não for feito, os alunos se desinteressam e se desmotivam. Alguns alunos dizem que se as atividades não forem parecidas com aquelas dos livros não servem. (J.R.) Uma educação nessa perspectiva, mesmo que disponibilize aos alunos computadores, laboratórios, bibliotecas condições consideradas essenciais continuará a ser uma educação de segunda categoria, pois impossibilita aos aprendizes o direito de serem tratados como seres inteligentes. Tornando difícil o sentido e o prazer de aprender e causando muito mais danos do que benefícios, esse modelo educacional largamente ultrapassado pelos países progressistas persiste, no entanto, talvez porque não seja fácil nos desvencilharmos de uma prática que caracteriza a metodologia de educação expressa em manuais. Refletindo sobre tais obstáculos os educadores que decidiram optar pela elaboração de seus próprios materiais escolheram observar as atividades que organizaram para tentar transformá-las ou aperfeiçoá-las. Isto implicava na capacidade de recuar e olhar os problemas que surgiram, analisando, por vários pontos de vista, para compreendê-los e solucioná-los. Como sugere Nóvoa (1995:16):...Porque é que fazemos o que fazemos na sala de aula obriga a evocar essa mistura de vontades e gostos, de experiências...consolidando gestos, rotinas, comportamentos com os quais nos identificamos como professores. Cada um tem o seu modo próprio de organizar as aulas, de se movimentar na sala, de se dirigir aos alunos, de utilizar os meios pedagógicos, um modo que constitui uma segunda pele profissional. No decurso da análise dos materiais produzidos pelos professores foi possível observar que a constante reflexão sobre o desenvolvimento de suas atividades profissionais são essenciais para a autotransformação. É aquilo que Kuhn (1987) descreve como uma mudança de paradigma. O ato de refletir sem açodamentos, sobre como pensam e atuam, possibilita transformar-se conseguindo tolerar as suas próprias ansiedades e as frustrações dos seus alunos. A vida desses professores também não é fácil, pois a sociedade timorense vivenciou experiências de perseguição que imprimiu marcas psicológicas talvez inesquecíveis II UM PERCURSO PARA A DOCENCIA Neste trabalho o conceito de qualificação diz respeito aos processos de ensino/aprendizagem desenvolvidos em espaços que supõem dinâmicas possibilitadoras da ampliação da identidade pessoal idéias que temos de nós próprios, de nossa existência, de nossa individualidade e nossas identidades culturais aqueles aspectos de nossas identidades 10

11 que surgem de nosso pertencimento a culturas étnicas,... lingüísticas, religiosas e, acima de tudo nacionais (hall,1998:8) Com as idéias anteriormente desenvolvidas pode-se afirmar que a função do/a educador/a conjuga-se com a responsabilidade de conciliar a valorização das culturas, fortalecer a aceitação das diferenças, desprender-se de velhos saberes, obsoletos procedimentos e entremear-se com o cotidiano. É preciso outras referencias para pensar um curriculo de professores de educação de adultos que corresponda as necessidades desde pequeno grande Pais. Como propõe Nóvoa (1995:30): Os tempos são para refazer identidades... e contribuir para que os professores voltem a sentir-se bem na sua pele. No fundo o que está em causa é a possibilidade de um desenvolvimento profissional (individual e coletivo) que crie condições para que cada um defina os ritmos e os percursos da sua carreira e para que o conjunto de professores projete o futuro desta profissão que parece reconquistar... novas energias e fontes de prestígio. Nesta perspectiva, os materiais pedagógicos produzidos pelos educadores timorenses indicam a opção por metodologias comprometidas: com a solução de problemas das comunidades; com processos de transformação; com a escolha de conteúdos considerados importantes para os alunos/coletividade; com o resgate de suas culturas, histórias e origens comuns; com o desenvolvimento das qualidades de cada cidadão/ã desvinculadas da dimensão imediatista e profissionalizante dos modelos produtivos relacionados aos interesses do lucro e da acumulação Cumpre ressaltar que é fundamental, para os timorenses, a reconstrução dos ritos e mitos que eram regulados e oficiados pelas figuras indicadoras da cultura referenciais psicológicos sagrados destruídos conforme demonstra Marcos A. 1995:16 - Suplemento ao Jornal Lisboa Acadêmica: A Nação Maubere se encontra não só perante um genocídio físico mas também cultural, na medida em que os ocupantes forçaram ao abandono dos locais tradicionais de habitação e culto, tentando assim romper a cadeia humana constituída por uma comunidade de vivos, ligada aos seus antepassados, e também, na medida em que, tem tentado proibir o uso do tétum e do português, operando assim um corte profundo entre um passado... sem cadeias e um presente que os nega na sua identidade nacional. As transformações tanto na dimensão teórica quanto na dimensão prática são diversas e complexas e estão sendo provocadas pelos mesmos que fizeram a defesa do país e, como responsáveis pelas mudanças querem encontrar saídas para realizarem bem o seu trabalho 11

12 reduzindo as possibilidades de ocorrências de obstáculos na formação inicial, na formação continuada, no material de apoio e na rede de possibilidades que envolvem este trabalho. Nosso compromisso há de juntar o/a educador/a companheira/o com a/o educar/a avaliado/a. (E.R.) A percepção da importância da reinvenção do passado para a formação do futuro educador granjeia e fundamenta a proposta pedagógica dos leste timorenses. Sua inquietações apontam uma relação de qualidades relacionadas às pessoas criativas, tais como: A curiosidade, a inventividade, a flexibilidade, a autonomia, a imaginação. Entretanto o que enfrentam, ainda hoje, como herança da ocupação indonésia, é a fragmentação de saberes e o ensino por memorização que alguns identificam como forma torturadora de aprender Diga-se a propósito que muito já se escreveu sobre o papel da recompensa e do castigo, mas pouco se falou do papel do interesse, da curiosidade, da descoberta. (Bruner, 199:63) Um fator que contribui com vigor para que as idéias se frutifiquem é o tempo para meditar, para estabelecer conexões com outras experiências, para analisar os erros, as combinações e os variados fatores que se inserem nas reflexões. Há professores que ainda não produziram seus materiais... A educação não está a combinar com a pressa... Precisamos de tempo para pensar... (C.R.) Convém ainda enfatizar que os materiais elaborados pelos educadores tem como recursos articuladores elementos que desafiem os/as alunos/as, contribuam para melhorar a auto-estima e o prazer de aprender. A este respeito observe-se a mensagem que prefacia um dos materiais: MENSAGEM Timor Leste, depois de setembro de 1999, ficaste com mais vontade de saber novas coisas sobre: A sua história A sua língua A sua cultura A sua geografia Sobre a língua não se sabe ao certo quantas pessoas sabem escrever e falar hoje o português, como sua língua oficial. No território, por isso, cada alfabetizador deve: Construir a sua capacidade Possuir a sua idéia Manter a sua posição para tomar a sua responsabilidade participando a construir um novo Timor. Os timorenses bem preparados, bem tratados e bem educados Timor Leste ficará mais forte no mundo (J.L.C.) 12

13 III CONSIDERAÇÕES FINAIS Conforme mencionamos no início do trabalho, embora esta investigação tenha sido interrompida, foi possível reunir resultados que permitem dimensionar o desenho de uma proposta pedagógica elaborada como parte das atividades cotidianas dos professores timorenses. Tal proposta estará em harmonia com este pequeno grande país se implementar: Oportunidades para que os/as alunos/as que se desenvolveram tardiamente ou que não tiveram disponibilidade, não sejam vítimas da insensibilidade; Oportunidades para melhorar o ensino das humanidades e das ciências sociais Oportunidades para os alunos que não são precoces e para possuem necessidades especiais (nº elevado devido às conseqüências das guerras) À guisa de conclusão, destacamos que as ações educativas implementadas com o Programa Alfabetização Comunitária tem promovido resultados substantivos. Ressaltamos a seguir alguns efeitos constatados: Influencia os educadores em novos conhecimentos voltam a estudar e a pesquisar autonomamente; No caso de professores que são pais /mães estes ampliam suas consciências sobre os benefícios potenciais da educação em seus filhos e possibilitam alargar o compromisso com esta modalidade educativa. Os efeitos destes cursos influenciam o rendimento das crianças em seus estudos; Revigora nos educadores o desejo de contestarem a educação que sobrecarrega a memória, que alguns identificam como forma torturadora de aprender e que conduzem a desmotivação e ao desinteresse pelo de estudar; No caso de educadores de origem étnica diferenciada, a formação continuada de EJA fortalece as possibilidades para consolidar / resgatar suas culturas, histórias e origens comuns; Melhoram em sua auto-estima pois percebem que a aprendizagem depende não apenas do quanto somos capazes mas também do quanto capazes sentimos que somos, e, que as ações de uma pessoa estão normalmente associadas as idéias que tem de si próprias. Quando se percebem como inferiores, a forma como irá atuar em relação aos outros refletirá a imagem que tem de si; Passam a considerar, de modo especial, as características de cada aluno, as suas capacidades e limitações, porque descobrem a influência e as ligações que estes aspectos tem na aprendizagem e no rendimento escolar. Internalizam a idéia de que é crucial que cada aluno vá desenvolvendo e tornando efetivas as suas próprias possibilidades, vá 13

14 diminuindo ou neutralizando as suas limitações e vá descobrindo os tipos de atividades e relações mais de acordo com as suas características pessoais. Este grupo de professores vem debruçando-se com pertinácia, constância e firmeza no estudo de materiais existentes nas comunidades onde vivem, visando identificar e reinventar, a cada momento, as atividades do cotidiano, como elementos de leitura e escrita. Como propõe Certeau(1994;28)... um espaço de trabalho entre textos e leituras, no intuito de compreender as práticas complexas, múltiplas, diferenciadas, que constroem o mundo como representação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SOBRE TIMOR LESTE ALVESC.M. Voltar a Timor. Lisboa: Gradiva, APARÍCIO J. À janela Timor. Lisboa: Edit. Caminho da Poesia, SÁ, A. B. Textos em Teto da Literatura Oral Timorense. Junta de Investigações do Ultramar Centro de Estudos Políticos e Sociais, Nº 45, Vol. 1, Lisboa, BRETES G. M. Timor entre invasores. Lisboa: Livros Horizonte Ltda,1989. CINATTI R. Cancioneiro para Timor. Lisboa: Presença, 1996 CASTRO O.A. Ilha Verde e Vermelha de Timor. Lisboa: Edições Cotovia, COSTA L. Dicionário de Tétum - Português. Lisboa: Edições Colibri, CAREY P. & COX S. Timor Leste gerações de resistência. Lisboa: Caminho,1995. CHOMSKY N. Caminhos do Poder. Porto Alegre: Artmed, 1998 CRUZ A.O. Timor Mártir Timor. Lisboa: Instituto Piaget, Timor Pátria Timor. Lisboa: Instituto Piaget, Timor Povo Timor. Lisboa: Instituto Piaget,1997. Poemátria. Lisboa: Instituto Piaget, 1992 DUARTE J.B. Timor Ritos e Mitos Ataúros. Lisboa:Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, GUSMÃO X. Timor Leste Um Povo, Uma Pátria. Lisboa: Colibri, HORTA J.R. Timor Leste: amanhã em Dili. Lisboa: Dom Quixote, 1994 HORTA J.R. & BELO X. Timor Leste: Nobel da Paz. Lisboa: Colibri, LETRIA J.J. Timor contado às crianças... e aos outros. Lisboa: Terramar, MAGALHÃES B.A. Timor Leste na encruzilhada da transição indonésia. Lisboa: Gradiva, MAGALHÃES M.A. & ALÇADA I. Timor na crista da onda. Lisboa: Berthrand, MARCOS A. Timor Timorense Com Suas Línguas, Literatura, Lusofonia... Lisboa: Colibri, 1995 MURTA F. Santa Cruz de Timor. Lisboa: Qualigrafe, NEVES L. Memória de Timor Leste. Lisboa: Pedra Formosa,1996 PIRES L.M. Descolonização de Timor Missão Impossível? Lisboa: Dom Quixote,1991. NEVES L. Memória de Timor Leste. Lisboa: Pedra Formosa, SANTA D.J. Australianos e Japoneses em Timor na 2ª Guerra. Lisboa: Notícias Editorial, SANT ANNA S. L. Timor Leste este país quer ser livre. SP: Martin Claret VÁRIO AUTORES. Timor Um País Para O Século XXI. Portugal, Edições Atenas Ltda,

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AQUINO, Júlio Groppa (Org.) Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. SP: Summus, BAQUERO, R. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, BOTTÉRO, Jean et alii. Cultura, pensamento e escrita. SP: Ática,1995 BOURDIEU, Pierre & HAACKE, Hans. Livre troca: diálogos entre a ciência e a arte. RJ: Bertrand Brasil, BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. RJ: Bertrand Brasil, 1999 BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. SP: Brasiliense, BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. SP: Perspectiva, BOURDIEU, Pierre. Miséria do mundo. RJ: Vozes, BOURDIEU, Pierre. Poder simbólico. Bertrand Brasil, BOURDIEU, Pierre. Razões práticas:sobre a teoria da ação. SP: Papirus CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & Lingüística. SP: Scipione, 1989 CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetizando sem bá-bé-bi-bó-bu. SP: Scipione, CASTORIADIS, Cornellius. O mundo fragmentado. RJ: Paz e Terra, 1992 CHARTIER, Roger. Do palco à página: publicarteatro e ler romances na época moderna (século XVI-XVIII). RJ: Casa da Palavra, CHIAPPINI, Ligia & BRESCIANI, M. Stella (Orgs.) Literatura e cultura no Brasil: identidades e fronteiras. SP: Cortez, CONTRERAS, José. Autonomia de professores. SP: Cortez, CORTESÃO, L. Ser professor: um ofício em risco de extinção. SP: Cortez, COSTA, Marisa Vorraber Org.) O currículo nos limiares do contemporâneo. RJ: DP&A, DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. RJ: Difel, FOUCAMBERT. J. Leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, Criança, o professor e a leitura. Porto Alegre: Artes Médicas,1997. FREIRE, Ana Maria Araujo. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas(Paraguaçu), Filipinas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Gracias até os Severinos. SP: Cortez: Brasília, DF: INEP, FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. SP: Edit. Olho d Água, Pedagogia do oprimido. RJ: Paz e Terra, Pedagogia da autonomia. RJ:Paz e Terra, Pedagogia da esperança. RJ: Paz e Terra, FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.) Educação e crise no trabalho: perspectivas de final de século. RJ: Vozes, GADOTTI, Moacir. Concepção dialética da educação. SP: Cortez, 1997 GALEMBECK, Tarso et alii (Orgs.) Dino Preti e seus temas: oralidade, literatura, mídia e ensino. SP: Cortez, GANDIN, Luis Armando & HYPOLITO, Álvaro Moreira (Orgs.) Educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Autêntica, GARCIA, Regina Leite (Org.) Aprendendo com os movimentos sociais. RJ: DP&A, GÓES, Cecília & SMOLKA, Ana Luisa. A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. SP: Papirus, GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política. SP: Cortez, IMBERNÓN, Francisco. A educação no século XXI: os desafios do futuro imediato.porto Alegre: Artes Médicas, JEAN, Georges. A escrita mémoria dos homens.rj: Objetiva, KLEIMAN, Ângela B. & SIGNORINI, Inês. O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. RS: Artes Médicas, KOCH, Ingedore G.Villaça. Desvendando os segredos do texto.sp: Cortez, KOVARICK, Lucio. Capitalismo e marginalidade na América Latina. RJ: Paz e Terra, LAJOLO, M & ZILBERMAN, R. O preço da leitura: leis e números por detrás das letras. SP: Ática,

16 LEITE, Sérgio Antonio da Silva (Org.) Alfabetização e Letramento: Contribuições para as práticas pedagógicas.sp: Komedi: Arte Escrita, LESSA, Carlos. Auto-estima e desenvolvimento social.rj: Garamond, LEWIN, H. Reflexões sobre a educação de adultos como uma prática social do Estado. SP; Encontro Anual da ANPOCS, MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. SP: Pontes: Edit. da Universidade Estadual de Campinas, MASSINI-CAGLIARI, G. O texto na alfabetização: coesão e coerência. SP: Mercado de letras, MASSINI-Cagliari, Gladis & CAGLIARI, Luiz Carlos. Diante das letras: a escrita na alfabetização. SP: Mercados das Letras ALB, São Paulo: Fapesp, 1999 MENEZES, Luiz Carlos de (Org.) Professores: formação e profissão.sp: Autores Associados; SP: NUPES, MOLL, Jacqueline. Alfabetização possível: reinventando o ensinar e o aprender. Porto Algre: Mediação, MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa & SILVA, T.Tadeu da Silva (Orgs.) SP: Cortez, MORIN E. Saberes globais e saberes locais: o olhar transdisciplinar. RJ: Garamond, NÓVOA, António (Org.). Profissão professor. Portugal: Porto Editora, NUNES, Terezinha.Dificuldades na aprendizagem da leitura: teoria e prática. SP: Cortez,1992. OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Fora da escola também se aprende.rj: DP&A, OLIVEIRA, L.A.Gonçalves. O jogo das diferenças: o multiculturakismo e seus contextos. Belo Horizonte: Autêntica, ORLANDI, Eni P. Língua e conhecimento lingüístico: para uma história das idéias no Brasil. SP: Cortez, PENA-VEIGA, A. & ALMEIDA, E.P. de (Orgs.). O pensar complexo: Edgar Morin e a crise da modernidade. RJ: Garamond, RIVERO J. Educacion y Pobreza: Politicas, Estrategias y Desafios. Boletin del Projecto Principal de Educacion de America Latina y el Caribe.. UNESCO, Nº 48, Abril, SANTOMÉ, Jurjo Torres. Curriculum Oculto. Portugal: Porto Editora, SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001 SOARES, Laura Tavares.Os custos sociais do ajuste neoliberal na América Latina. SP: Cortez, TARDELLI, Marlete Carboni. O ensino da língua materna: interações em sala de aula.sp: Cortez, (Coleção Aprender e ensinar com textos:9) TORRES, Rosa Maria. Educação para todos: a tarefa por fazer.porto Alegre: Artmed, 2001 TORRES, Rosa Maria. Itinerários pela educação latino-americana. Porto alegre: Artmed, TORRES, Rosa María. Que (e como) é necessário aprender? SP: Papirus, WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. SP: Ática,

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 31 ANEXO VI EMENTÁRIO EMENTAS: DISCIPLINAS POR PERÍODO RECOMENDADO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRIMEIRO PERÍODO HDI0123 HFC0065 HFC0067 HFE0068 HFE0051 HFE0054 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores.

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores. INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: DIFICULDADES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DA REDE PÚBLICA BRASILEIRA, PARA A IMPLANTAÇÃO DESSAS PRÁTICAS. GIMENEZ DA SILVA AUGUSTO, THAÍS

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08 PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Matemática MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Teorias Educacionais e Curriculares CÓDIGO: NPED 03 FASE DO CURSO: 2ª SEMESTRE LETIVO: 2º 2013 CARGA HORARIA SEMESTRAL/

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização

PLANO DE ENSINO. CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização CARGA HORÁRIA: 90h PROFESSOR: Lourival José Martins Filho 1 EMENTA

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Teorias e Práticas Alfabetizadoras II - JP0027 PROFESSORA: Ms. Patrícia Moura Pinho I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas / MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Dinâmica Curricular do Curso

Leia mais