ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini"

Transcrição

1 ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini Lucena, R.C. (1) ; Vieira, L.A.F. (1) (1) Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa PB, Brasil. RESUMO Compreender as relações definidas entre planta-animal é de extrema importância para entender interações ecológicas ocorridas dentro de um ecossistema. O objetivo deste trabalho foi estudar as interações ocorridas pelas formigas em um perímetro de 10m estabelecido ao redor de um exemplar de Syzygium cumini. Após a contagem, cálculo de sua frequência relativa e classificação de todos os formigueiros, procurou-se estabelecer se ocorreu competição entre as espécies localizadas quando recursos foram disponibilizados. Durante cinco observações, com o auxílio de uma isca proteica, foram registradas a presença de uma espécie agressiva e territorialista, Crematogaster scutellaris (fr=20) que, apesar de possuir 3 formigueiros com a maior distância relatada em relação à base da S. cumini (8,73m), subjugou todas as outras 3 espécies encontradas: Atta sp. (fr=66,67), Camponotus lateralis (fr=6,67) e Wasmannia auropunctata (fr=6,67). A espécie Atta sp. não apresentou nenhum indício de herbivoria em relação a S. cumini ou de competição pois esta espécie, apesar de possuir o maior número de formigueiros no local, deslocando-se para árvores vizinhas em busca de recursos. A espécie W. auropunctata raramente interagiu com a S. cumini devido à presença da C. scuterallis e C. lateralis, que possuem preferências de habitats semelhantes e, ocorrendo exclusão natural da W. auropunctata. Palavras-chave: Competição, Myrtaceae, Formicidae.

2 INTRODUÇÃO Formigas possuem uma alta diversidade natural, sendo encontradas ao longo de quase todos os ecossistemas terrestres. Seu impacto ecológico é reconhecível por desempenhar funções importantes como detritívoras, predadoras, granívoras e herbívoras (KAMINSKI, 2009). Uma de suas ações naturais, em ecossistemas tropicais onde compõem 15% da biomassa animal total (BEATTIE; HUGHES, 2002), é a interação com plantas, onde atuam como herbívoros, assumindo uma intima associação (TOBIM, 1991). Plantas disponibilizam recursos naturais essenciais para a sobrevivência das formigas, seja na forma de néctar, estrato vegetativo ou food bodies (plantas que possuem órgãos especializados para abrigar colônias de formigas) (BEATTIES, 1985). Em contrapartida, pode ocorrer interações mutualísticas entre formigas e plantas, agindo como alelopáticas, impedindo o crescimento de outras espécies de plantas que impediriam a incidência completa necessária por luz (Suarez et al, 1998), fornecem nutrientes acumulados (BENSON, 1985) e diminuem o impacto da herbívoria por outros invertebrados (VASCONCELOS, 1991). O estudo das relações de competição é de suma importância para entender a interação ocorrida entre planta-formiga. Competição, como a maioria dos ecologistas considera, compreende a demanda ativa por 2

3 dois ou mais indivíduos da mesma espécie (competição intraespecífica) ou membros de duas ou mais espécies de mesmo nível trófico (competição interespecífica) por um recurso comum ou necessidades para sobrevivência, que são potencialmente limitantes (RICKLEFS, 2009). Esse tipo de interação é muito comum devido à riqueza na diversidade de espécies de formigas. Syzygium cumini (L.) Skeels é uma espécie invasora, membro pertencente da família Myrtaceae, compreendendo mais de espécies agrupados em 129 gêneros e em cinco tribos. A planta foi introduzida em muitas regiões tropicais como no Brasil, sendo encontrada em diversos estados das regiões sudeste, nordeste e norte. Popularmente conhecida como jambolão, é descrita como uma árvore que mede cerca de 10 m de altura e de 3 a 4,5 m de diâmetro de projeção da copa, com folhagem abundante, ramos de coloração acinzentada-claro. As flores estão dispostas em inflorescências, de coloração branca a creme, axilares, racemosas. No Brasil, as flores da jambolão são encontradas nos intervalos dos meses de setembro a novembro e o fruto, encontrado nos meses de dezembro a fevereiro. O objetivo prioritário deste trabalho foi determinar se a interação entre planta-formiga ocorria de maneira aleatória e estabelecer quais as interações ocorridas entre as diversas espécies diante da presença de recursos. 3

4 MATERIAL E MÉTODOS O trabalho foi realizado um exemplar de Syzygium cumini, localizado em uma área urbana no município de João Pessoa, Paraíba. Cinco observações, entre os meses de novembro e dezembro de 2011, foram estabelecidas em horários diversos para determinação do período de ocorrência de maior atividade. Foi estabelecido um transecto de 10m ao redor do exemplar de S. cumini com o objetivo de determinar a quantidade de formigueiros dispersos. Os formigueiros foram marcados utilizando uma bandeira formando um ângulo de 90º no local do ninho e a segunda bandeira foi fixada ao final do percurso estabelecido pelas operárias. Ambas as bandeiras foram presas utilizando barbantes coloridos para diferencias às espécies encontradas e se ocorreu cruzamento entre trilhas. A distância entre os formigueiros e a planta foi medida com o auxílio de uma trena comum. Segundo Human e Gordon (1999), para o estudo de competição interespecífica entre espécies da família Formicidae, indica-se testes baseando-se em alimentos atrativos. Na base da planta, foi colocada uma isca composta por uma base proteica, disposta sobre papel vegetal (CAMPOS, 2002), buscando-se analisar o comportamento adotado entre as diferentes espécies durante períodos de 10 minutos e intervalos de 10 minutos. Nesses intervalos, a isca era analisada e reposta. As formigas eram coletadas, dispostas em potes de vidro contendo álcool 4

5 70º e levadas ao laboratório de entomologia com o objetivo de classificação taxonômica. A frequência relativa do número de formigueiros foi calculada com base no total observado. RESULTADO E DISCUSSÃO Durante as observações, foram determinadas, criteriosamente, as distâncias relativas aos diversos formigueiros em relação a S. cumini. Foi constatada a presença de 15 formigueiros ao redor da S. cumini. A sua distribuição foi variável, com a presença abundante da espécie 3, Atta sp. (fr=66,67), totalizando 10 formigueiros. Sua distribuição foi irregular ao redor da árvore, com distância média de 2,8m. As Atta sp., conhecidas como saúvas ou formigas cortadeiras (DELLA LUCIA, 1993), não predaram a árvore base, deslocando-se para árvores vizinhas em busca de recursos, ainda que seus formigueiros se encontrassem a uma distância maior quando comparadas ao exemplar de S. cumini. Utilizaram como recursos, inflorescências e estratos vegetativos de duas plantas vizinhas, a Terminalia e uma Fabaceae, ambas localizada a 4,75m e 7,30m, respectivamente, em relação a S. cumini. Esse deslocamento pode ter sido devido à baixa capacidade de toxicidade das suas folhagens, apresentando uma taxa de mortalidade diária de 16,67 ± 7,6, segundo estudos realizados por Dequech et al. (2008) ou pelo comportamento agressivo e territorialista da espécie 2, 5

6 Crematogaster scutellaris (fr=20), relatado por Soulié (1960), tendo em vista que, foi observada a presença de cupins no tronco da S. cumini, uma presa em potencial na ausência de isca para a C. scutellaris. O único formigueiro das espécies 1, Camponotus lateralis (fr=6,67) foi localizados na base da S. cumini, com distância de 0,25m. Os indivíduos da C. lateralis eram encontrados com frequência no estrato vegetativo da planta ou em seus galhos e troncos. A Crematogaster scutellaris, apresentou 3 formigueiros encontrado a uma distância média de 8,73m, porém eram sempre vistas ao longo da copa da S. cumini, estando de acordo com Ruiz et al. (2013), que afirma que essa espécie prefere viver em árvores. Como explanado por Schatz (2003), essa espécie é muito atraída pelo odor forte, característico da isca proteica, por isso, seu comportamento de intimidação constante pode ser facilmente explicado, rodeando o ninho das formigas da C. lateralis (Figura 1). A C. scutellaris apresentou técnicas de competição bem características, que incluíam botes e mordidas, onde, em alguns casos, as formigas de espécie diferentes eram levadas para locais distantes da isca (MARLIER, 2004). Ao longo do tronco do indivíduo S. Cumini, foi observada uma grande quantidade de soldados mortos da formiga da C. lateralis e os poucos indivíduos vivos desta espécie se movimentavam vagarosamente pela árvore. 6

7 As representantes da espécie Atta sp., por apresentar hábitos diferentes das demais e procurar outras plantas para obter recursos alimentares, não frequentou o local onde a isca foi disposta. Foi observada apenas a presença de duas operárias no local, que, ao presenciarem exemplares da C. scutellaris ou por não serem atraídas pelas partículas odoríferas da isca, alteraram sua rota e voltaram a procurar estratos vegetativos em outras localidades. A espécie 4, Wasmannia auropunctata (fr=6,67), possui apenas um único formigueiro ao longo do perímetro estabelecido, localizado na base da S. cumini, com distância de 0,55m. Apesar dos relatos dessa espécie possuir uma grande capacidade de adaptação e multiplicação no habitat ao qual está inserido e domina-lo, influindo a composição da fauna local (CLARK et al., 1982; FABRES; BROWN, 1978), a W. auropunctata apresentou-se em quantidade baixa e raramente foi encontrada ao longo do tronco e estratos vegetativos da S. cumini. A exclusão pela espécie dominante. C. scutellaris, ocorre em casos de coexistência no mesmo biótipo, dessa maneira, a W. auropunctata não domina as partes áreas das plantas se o meio for rico em outras espécies que possuem a mesma preferência de local, como a C. lateralis e a C. scutellaris (DELABIE, 1988). 7

8 Figura 1. Número de indivíduos das espécies Camponotus lateralis e Crematogaster scutellaris presentes nas iscas durante as cinco observações realizadas. CONCLUSÃO As iscas contendo proteína atraíram representantes das espécies: Camponotus lateralis e Crematogaster scutellaris, que estabeleceram um alto nível de competição. A espécie C. scutellaris sobressaiu em relação à espécie C. laterallis, devido ao seu comportamento agressivo. A C. laterallis, por ser pouco agressiva esteve mais sujeita a ataques e foi subjugada pela C. scutellaris. Constatou-se que as formigas Atta sp. não modificaram seu comportamento devido às suas diferenças em sua necessidade alimentar, a presença da C. scutellaris ou pela toxicidade da S. cumini, mesmo que sendo classificada como baixa, preferindo percorrer longas distâncias até árvores vizinhas. A espécie Wasmannia auropunctata 8

9 não apresentou nenhum estabelecimento de comportamento, seja em relação a S. cumini ou em relação às outras espécies de formigas. REFERÊNCIAS BEATTIE, A.J.; The evolucionary ecology of ant-plant mutualisms. Cambridge University Press, Cambridge, 204p., BEATTIE, A.J.; HUGHES, L. Ant-plant interactions. In: HERRERA, C.M.; PELLMYR,O. Plant animal Interactions. Blackwell Publishing, Oxford, 313p., Benson, W.W. Amazon ant-plants. In: Prance, G.T.; Lovejoy, T.E. Amazonia. Pergamon Press, Oxford, 442p., CAMPOS, M. C. G.; A. E. de C. Campos-Farinha ; O. C. Bueno. As Formigas Urbanas no Brasil: Retrospecto. O Biológico, v. 64, p , CLARK, D.B.; GUAYASAMIN, C.; PAZMIÑO, O.; DONONOSO, C. PAEZ DE VILLANCIS, Y. The tramp ant Wasmannia auropunctata: autoecology and effects on ant diversity and distribution on Santa Cruz Island, Galapagos. Biotropica, v.14, n.3, p , DELABIE, J.H.C. Ocorrência de Wasmannia auropunctata (Roger, 1863) (Hymenoptera, Formicidae, Myrmicinae) em cacauais na Bahia, Brasil. Revista Theobroma, v.18, n.1, p.29-37,1988. DELLA LUCIA, T. M. C. (Ed.) As formigas cortadeiras. Ed. Folha da Mata, Viçosa. 262p DEQUECH, S.T.B.; SAUSEN, D.C.; LIMA, C.G.; EGEWARTH, R. Efeito de extratos de plantas com atividade inseticida no controle de Microtheca ochroloma Stal (Col.: Chrysomelidae), em laboratório. Biotemas, v.21, n.1, p.41-46,

10 FABRES, G.; BROWN JR, W.L. The recent introduction of the pest ant Wasmannia auropunctata into New Caledonia. Journal of tge Australian Entomological Society, v. 17, p , HUMAN, K. G.; GORDON, D. M. Explotation and interference competition between the invasive Argentine ant, Linepithema humile, and native ant species. Oecologia, v.105. p KAMINSKI, L.A.; SENDOYA, S.F.; FREITAS, A.V.L.; OLIVEIRA, P.S. Ecologia comportamental na interface formiga-planta-herbívoros: interações entre formigas e lepidópteros. Oecol. Bras., v.13, n.1, p , MARLIER, J.F.; QUINET, Y.; BISEAU, J.C. Defensive behaviour and biological activities of the abdominal secretion in the ant Crematogaster scutellaris (Hymenoptera: Myrmicinae). Behavioural Processes, v.67, p , 2004) RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. 5. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RUIZ, E.; MARTINEZ, M.H.; MARTINEZ, M.D.; HERNÁNDEZ, J.M. Morphological study of the Stridulatory Organ in two species of Crematogaster genus: Crematogaster scutellaris (Olivier 1792) and Crematogaster auberti (Emery 1869) (Hymenoptera: Formicidae). Ann. soc. entomol. Fr. (n.s), v. 42, n.1, p , SOULIÉ, J.La sociabilité des Crematogaster (Hymenoptera, Formicoidea). Insectes Sociaux, v.7, p , SUAREZ, A.V.; MORAES, A. Defense of Acacia collinsii by in obligate and nonobligate ant species: the significance of encroaching vegetation. Biotropica, v.30, p , THOMAZINI, M. J.; THOMAZINI, A. P. Diversidade de abelhas (Hymenoptera: Apoidea) em inflorescências de Piper hisoidinervum (C.D.C.). Neotropical Entomology, v.31, n.1, p.27-34, TOBIN, J.E. A Neotropical rainforest canopy, ant community: some ecologial considerations. In: HUXLEY, C.R.; CUTLER, D.F. Ant-Plant Interactions. Oxford University Press, Oxford, 601p.,

11 VASCONCELOS, H.L. Mutualism between Maieta guianensis Aubl., a myrmecophytic melastome, and one of its ant inhabitants: ant protection agains insect herbivores. Oecologia, v.87, p ,

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque Otimização do tempo de recrutamento máximo de operárias de Allomerus octoarticulatus (Hymenoptera: Formicidae) frente à herbivoria induzida em Hirtella mirmecophila (Chrysobalanaceae) Emília Zoppas de

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil.

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil. LEVANTAMENTO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: AMAZONAS, BRASIL. Ana Paula Coelho MARQUES 1, 2, Rosaly ALE-ROCHA 1, José Albertino RAFAEL 1 RESUMO - Apresenta-se os resultados do levantamento de formigas que infestam

Leia mais

Estímulos químicos induzem recrutamento de formigas na mirmecófita Maieta guianensis (Melastomataceae) Introdução Material & métodos

Estímulos químicos induzem recrutamento de formigas na mirmecófita Maieta guianensis (Melastomataceae) Introdução Material & métodos Estímulos químicos induzem recrutamento de formigas na mirmecófita Maieta guianensis (Melastomataceae) Simone B. Vosgueritchian, Adaíses Simone M. da Silva, Daniel M.G. Tokman & Thiago Santos Introdução

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

Amizade MUTUALISMO ENTRE PLANTAS

Amizade MUTUALISMO ENTRE PLANTAS A competição nem sempre é a regra na natureza. Espécies diferentes podem se associar para aumentar suas chances de sobrevivência, uma ajudando a outra, em uma relação denominada mutualismo. Estudos sobre

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 233 Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica Sabrina Soares Simon 1 & Sara Soares Simon 2 1 Mestrado em

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE HIBISCUS PERNAMBUCENSIS (MALVACEAE) E INTRODUÇÃO MATERIAIS & MÉTODOS. Janaina Rosa Cortinóz

ASSOCIAÇÃO ENTRE HIBISCUS PERNAMBUCENSIS (MALVACEAE) E INTRODUÇÃO MATERIAIS & MÉTODOS. Janaina Rosa Cortinóz ASSOCIAÇÃO ENTRE HIBISCUS PERNAMBUCENSIS (MALVACEAE) E FORMIGAS: O AMBIENTE AFETA A PROTEÇÃO PROPORCIONADA POR FORMIGAS CONTRA HERBIVORIA? Janaina Rosa Cortinóz INTRODUÇÃO Em associações mutualísticas

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Wilson Reis Filho 1 Mariane Aparecida Nickele 2 Entre os 15 gêneros existentes

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

Marina Xavier da Silva

Marina Xavier da Silva Composição de espécies e padrão de forrageamento de formigas em Talipariti pernambucense (Malvaceae) em uma área de restinga Marina Xavier da Silva RESUMO: Plantas com nectários extraflorais são utilizadas

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas e Saúde Ambiental Relações Ecológicas Duas Aula- Relações Ecológicas Profª Msc. Dulce Amélia Santos PODEMOS CLASSIFICAR AS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE)

PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE) PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE) 1. INTRODUÇÃO Entender quais mecanismos determinam os padrões

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL RESUMO Fábio Zanella Farneda 1 Junir Antonio Lutinski 2 Flávio Roberto Mello Garcia 2,3

Leia mais

O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável.

O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável. O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável. Definição da especificidade de nicho: Duas espécies quando ocupam o mesmo biótopo devem

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS Leonardo Balestro Lopes Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida leonardo.bl@puc-campinas.edu.br

Leia mais

TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE)

TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) Layara Alexandre Bessa 1,3, Hellen Cássia Moreira Silva 1,3, Lívia do Carmo Silva 1,3,

Leia mais

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae)

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae) Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Avaliação de Mutualismo entre Acacia mangium Willd (Mimosaceae) e Formigas (Hymenoptera: Formicidae). Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

APRIMORAMENTO DE METODOLOGIAS EXPERIMENTAIS PARA CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS

APRIMORAMENTO DE METODOLOGIAS EXPERIMENTAIS PARA CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS APRIMORAMENTO DE METODOLOGIAS EXPERIMENTAIS PARA CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS INTRODUÇÃO Forti,L.C. 1 Pretto, D.R. 1 Garcia, I.P. 1 Em função da necessidade premente de padronização das metodologias

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M.

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M. FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM REABILITAÇÃO NA ILHA DA MADEIRA, RJ. 1 Acadêmico de engenharia florestal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 2 Departamento de Ciências

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Revista Controle Biológico (BE-300) On-Line. Vol.2. Janeiro de 2010 http://www.ib.unicamp.br/profs/eco_aplicada/

Revista Controle Biológico (BE-300) On-Line. Vol.2. Janeiro de 2010 http://www.ib.unicamp.br/profs/eco_aplicada/ AVALIAÇÃO DO FORMICIDA Citromax À BASE DE FIPRONIL NO COMBATE ÀS SAÚVAS (Atta sexdens) MARIANA PERES ALMEIDA SANTOS1 Trabalho da Disciplina BE-300 Controle Biológico / 2010 1Graduanda em Ciências Biológicas

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira

Leia mais

Colônias de Formigas. Fabricio Breve fabricio@rc.unesp.br. 27/05/2015 Fabricio Breve

Colônias de Formigas. Fabricio Breve fabricio@rc.unesp.br. 27/05/2015 Fabricio Breve Colônias de Formigas Fabricio Breve fabricio@rc.unesp.br 27/05/2015 Fabricio Breve 1 Colônias de Formigas Colônias de formigas (e de outros insetos sociais) são sistemas distribuídos Seus indivíduos são

Leia mais

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

FLOR X POLINIZADOR: UM GOSTINHO DE QUERO MAIS

FLOR X POLINIZADOR: UM GOSTINHO DE QUERO MAIS FLOR X POLINIZADOR: UM GOSTINHO DE QUERO MAIS Leandro dos Santos Silva, Mariângela Fernandes Abreu, Nícholas Camargo, Sergio Gomes da Silva & Tassiana Reis Rodrigues dos Santos Orientador: Hélder Consolaro

Leia mais

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO IPEF n.47, p.62-65, mai.1994 FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO Mário Augusto Gonçalves Jardim (1) Paulo Yoshio Kageyama

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF INTERAÇÕES Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF BIBLIOGRAFIA RICKLEFS, R.E. 5ª edição. A Economia da Natureza. Editora Guanabara Koogan. CONCEITO BÁSICO São relações que

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

ORDEM HYMENOPTERA. (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE

ORDEM HYMENOPTERA. (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE ORDEM HYMENOPTERA (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Reino: Filo: Classe: Superordem: Ordem: Animalia Arthropoda Insecta desenvolvimento e Importancia

Leia mais

Tempo de detecção e defesa das formigas Azteca sp. (Formicidae: Dolichoderinae) contra invasores em diferentes partes da mirmecófita Tococa bulifera

Tempo de detecção e defesa das formigas Azteca sp. (Formicidae: Dolichoderinae) contra invasores em diferentes partes da mirmecófita Tococa bulifera Tempo de detecção e defesa das formigas Azteca sp. (Formicidae: Dolichoderinae) contra invasores em diferentes partes da mirmecófita Tococa bulifera (Melastomataceae) Michelle Bicalho Antunes Introdução

Leia mais

PALESTRA PERSPECTIVA DA CONTRIBUIÇÃO DE FORÍDEOS PARASITÓIDES NO MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

PALESTRA PERSPECTIVA DA CONTRIBUIÇÃO DE FORÍDEOS PARASITÓIDES NO MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS PALESTRA XVIII Simpósio de Mirmecologia 177 PERSPECTIVA DA CONTRIBUIÇÃO DE FORÍDEOS PARASITÓIDES NO MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS M.A.L. Bragança Universidade Federal do Tocantins, Rua 7, Qd. 15 s/n o,

Leia mais

Doce lar- Repelente de formigas à base de limão tendo por excipiente polímeros derivados da celulose.

Doce lar- Repelente de formigas à base de limão tendo por excipiente polímeros derivados da celulose. Doce lar- Repelente de formigas à base de limão tendo por excipiente polímeros derivados da celulose. Daniela Narcisa Ferreira Bonsolhos 1 1. SESI- Cat Oscar Magalhães Ferreira dbonsolhos@fiemg.com.br

Leia mais

DIVERSIDADE DE ABELHAS NATIVAS COLETADAS COM O AUXÍLIO DE NINHOS ARMADILHA NO PARQUE ESTADUAL CACHOEIRA DA FUMAÇA, ALEGRE, ES.

DIVERSIDADE DE ABELHAS NATIVAS COLETADAS COM O AUXÍLIO DE NINHOS ARMADILHA NO PARQUE ESTADUAL CACHOEIRA DA FUMAÇA, ALEGRE, ES. DIVERSIDADE DE ABELHAS NATIVAS COLETADAS COM O AUXÍLIO DE NINHOS ARMADILHA NO PARQUE ESTADUAL CACHOEIRA DA FUMAÇA, ALEGRE, ES. Arícia Leone E. M. de Assis¹, Luceli de Souza¹ 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução 1 TRABALHANDO AS BORBOLETAS E AS ABELHAS COMO INSETOS POLINIZADORES NAS AULAS PRÁTICAS DE DUCAÇÃO AMBIENTAL E ZOOLOGIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES,

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município

Leia mais

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL SaBios: Rev. Saúde e Biol., v.8, n.1, p.17-113, jan./abr., 213 ISSN:198-2 OCORRÊNCIA DE FORMIGAS EM UMA ÁREA URBANA PERI- HOSPITALAR DE UBERABA/BRASIL Afonso Pelli 1, Maxelle Martins Teixeirai 1, Maria

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS, UTILIZANDO-SE EFLUENTE LÍQUIDO DE CASAS DE FARINHA

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS, UTILIZANDO-SE EFLUENTE LÍQUIDO DE CASAS DE FARINHA CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS, UTILIZANDO-SE EFLUENTE LÍQUIDO DE CASAS DE FARINHA Narcísio Cabral de Araújo Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental, pela Universidade Estadual da Paraíba, Campus

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

Interações Mutualísticas Entre Formigas e Plantas

Interações Mutualísticas Entre Formigas e Plantas ISSN 1983-0572 Publicação do Projeto Entomologistas do Brasil www.ebras.bio.br Interações Mutualísticas Entre Formigas e Plantas Wesley Dáttilo¹, Elisabete da Costa Marques², Jéssica Caroline de Faria

Leia mais

COMO FAZER UM RESUMO? Gabriela Atique Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal

COMO FAZER UM RESUMO? Gabriela Atique Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal COMO FAZER UM RESUMO? Gabriela Atique Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal O QUE DEVE CONTER EM UM RESUMO? Informações mais importantes do trabalho Conciso Claro Objetivo ESTRUTURA DE UM RESUMO

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno

Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno A Biodiversidade desta região é única e uma das mais ricas do mundo. Estima-se

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO RELAÇÕES ECOLÓGICAS Interações (relações ou associações) = SIMBIOSE INTRAESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. INTERESPECÍFICAS

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

IN 36-modificada pela IN 42

IN 36-modificada pela IN 42 IN 36-modificada pela IN 42 Exigências para apresentação do laudo de eficiência agronômica Edson Dias da Silva Diretor Técnico Juliana Berti Secretária Executiva ABRAISCA Histórico Até 2009, falta de padronização

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Relações ecológicas Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Classificação Intraespecífica: entre indivíduos da mesma espécie. Interespecífica: entre indivíduos de espécies

Leia mais

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera:

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Formicidae) numa parcela de floresta plantada de Eucalyptus grandis, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Jardel Boscardin

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1

Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 277 Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 1 Departamento de Entomologia, Museu

Leia mais

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 733 ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 Ethel Fernandes de Oliveira Peternelli 2, Terezinha Maria Castro Della Lucia 2 e Sebastião Venâncio Martins

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta

A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta Felipe Cito Nettesheim INTRODUÇÃO O DIVERSIDADE Riqueza Abundância DIVERSIDADE Riqueza Abundância Número de espécies

Leia mais

Amazônia. ANÁLISE Amazonia (Key environments). Edited by Ghillean T. Prance and Thomas E. Levejoy. Oxford, Pergamon Press, 1985, 442p.

Amazônia. ANÁLISE Amazonia (Key environments). Edited by Ghillean T. Prance and Thomas E. Levejoy. Oxford, Pergamon Press, 1985, 442p. ANÁLISE Amazonia (Key environments). Edited by Ghillean T. Prance and Thomas E. Levejoy. Oxford, Pergamon Press, 1985, 442p. *Escola Nacional de Saúde Pública Amazônia Mário R Aragão* Como não poderia

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO Nina Maria Ornelas Cavalcanti Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida nina.moc@puccamp.edu.br

Leia mais

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas Relações ecológicas Nenhum ser vivo está sozinho neste planeta, todos os seres vivos se relacionam seja com seres da própria espécie ou com seres de outras espécies. Essas relações são muito importantes

Leia mais

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Diversidade Biológica: Definição e Valor Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida O QUE É DIVERSIDADE BIOLÓGICA? A biodiversidade ou diversidade biológica

Leia mais

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas 312 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas FITOSSOCIOLOGIA DO SUB-BOSQUE DE RESTINGA COMO

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Biologia da conservação das abelhas sem ferrão na região de Bambuí MG

Biologia da conservação das abelhas sem ferrão na região de Bambuí MG Biologia da conservação das abelhas sem ferrão na região de Bambuí MG ¹Éverton B. SILVA; ²Jéssyka M. PARREIRA; ²Leandro A. MORAES; ³Eriks T. VARGAS; ³Gabriel C. JACQUES. ¹Estudante de Biologia, Bolsista

Leia mais

Paisagens da Avenida A. C. M. Em São Felipe-BA com a plantação das árvores.

Paisagens da Avenida A. C. M. Em São Felipe-BA com a plantação das árvores. .Infelizmente no entanto, devido a sua popularidade, o ficus vêm sendo implantado em locais impróprios, como em calçadas, ruas e próximo a muros e construções, Com o desenvolvimento da árvore, as raízes

Leia mais

Ecologia das comunidades

Ecologia das comunidades Ecologia das comunidades Relações ecológicas Intraespecífica ou interespecífica Harmônica ou desarmônica Intraespecíficas harmônicas Disponível em: .

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Biodiversidade e Manejo dos Recursos Tropicais : Raridade e Reprodução de Espécies

Biodiversidade e Manejo dos Recursos Tropicais : Raridade e Reprodução de Espécies Biodiversidade e Manejo dos Recursos Tropicais : Raridade e Reprodução de Espécies Paulo Kageyama. ESALQ/USP Ciências Biológicas Manejo de Recursos Naturais Piracicaba, 11 março 2011 Conteúdo da Aula Diversidade

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

10732 - Iscas agroecológicas no manejo de formigas Acromyrmex spp. Agroecological baits in the management of Acromyrmex spp. ants

10732 - Iscas agroecológicas no manejo de formigas Acromyrmex spp. Agroecological baits in the management of Acromyrmex spp. ants 10732 - Iscas agroecológicas no manejo de formigas Acromyrmex spp. Agroecological baits in the management of Acromyrmex spp. ants GIESEL, Alexandre 1 ; BOFF, Mari I. Carissimi 1 ; BOFF, Pedro 2 1 Universidade

Leia mais

DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS

DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS ENTOMOFAUNÍSTICA DIVERSITY IN THREE FITOFISIONOMIAS OF AN ENVIRONMENTAL RESERVE IN COXIM-MS Patrícia Souza de Almeida

Leia mais

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente.

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Profª Kamylla Ecologia: definição OIKOS Casa LOGOS Estudo Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Componentes do Ecossistema Substâncias Abióticas; Componentes Bióticos:

Leia mais

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Texto Base: Aula 25 Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Autor: Ana Lúcia Brandimarte Ecologia: significado e escopo As aulas finais de Biologia Geral serão dedicadas ao estudo da Ecologia,

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

HISTÓRICO DA ECOLOGIA

HISTÓRICO DA ECOLOGIA HISTÓRICO DA ECOLOGIA Durante muito tempo desconhecida do grande público e relegada a segundo plano por muitos cientistas, a ecologia passou a ter destaque já no século XX como um dos mais populares aspectos

Leia mais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Universidade de Brasília Disciplina: Ecologia de Campo Professor: Guarino R. Colli Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Projeto Individual Aluna: Ana Carolina

Leia mais