Redução de OS Jitter em Aplicações de Computação de Alto Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redução de OS Jitter em Aplicações de Computação de Alto Desempenho"

Transcrição

1 Redução de OS Jitter em Aplicações de Computação de Alto Desempenho Autor: Elder V. P. Sobrinho Orientador: Rivalino Matias Jr. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia Uberlândia, MG Brasil Nível: Mestrado Ano de ingresso no programa: 2010 Época esperada de conclusão: Março/2012 Etapa concluída: Levantamento bibliográfico (parcial) Resumo. Aplicações de HPC são tipicamente projetadas para executar em um paradigma de processamento paralelo, onde as instruções são executadas de forma concorrente entre os diversos nós de processamento e distribuídas em diversas fases computacionais. Recentemente o OS Jitter tem sido considerado um dos principais fatores que podem provocar atrasos no tempo de processamento em ambientes de cluster HPC. Estudos mostram que os efeitos do OS Jitter agravam à medida que os clusters aumentam o número de nós. Portanto, considera-se importante o estudo e o desenvolvimento de formas de reduzir os efeitos do OS Jitter, especialmente para ambientes de HPC. Esse trabalho propõe mudanças arquiteturais no núcleo do sistema operacional como alternativa para reduzir o OS Jitter em aplicações de HPC. Palavras-Chave: OS Jitter, Cluster, HPC, Sistema Operacional

2 1. Introdução e Motivação A evolução científica e tecnológica nas diversas áreas da sociedade tem exigido, cada vez mais, poder computacional para a execução de modelos complexos usados em pesquisas científicas e atividades industriais, os quais na sua maioria requerem elevado tempo de computação [Buyya 1999]. Esse cenário tem impulsionado uma crescente demanda por recursos computacionais de alto desempenho (HPC - High Performance Computing). Mesmo com o grande aumento no poder computacional dos computadores convencionais, que segundo Gordon Moore [Moore 2000] dobra a cada dezoito meses, muitas tarefas ainda continuam exigindo tempo considerável de computação. Nesse caso, o conceito de processamento paralelo é fundamental, pois visa dividir uma tarefa em um subconjunto de tarefas menores para que possam ser processadas ao mesmo tempo por diferentes processadores, estando eles fortemente ou fracamente acoplados [Garg and De 2006]. Os aglomerados de processadores, também chamados de clusters [Garg and De 2006], têm sido usados cada vez mais para o processamento paralelo de alto-desempenho, como alternativa ou complemento dos supercomputadores. Em uma arquitetura típica de um cluster HPC, cada estação de trabalho (nó) executa seu sistema operacional para gerenciar e supervisionar os recursos de hardware e software do nó. Em um grande cluster é comum a existência de centenas ou milhares de nós. O sistema operacional de cada nó possui, além das aplicações de HPC, várias tarefas internas que devem ser executadas com certa regularidade, tais como rotinas para sincronização do buffer-cache com o disco, tratamento de interrupções, dentre outras, Juntamente com essas tarefas internas executam as aplicações do usuário. Observa-se que durante o período de execução da aplicação do usuário essa sofre, por diversas vezes, a interferência das tarefas internas do sistema operacional - mencionadas anteriormente. Essas interferências têm sido investigadas e atualmente são denominadas na literatura de OS Jitter [De et al. 2007], [Mann and Mittaly 2009] e [IBM 2010] ou OS Noise [De et al. 2007], [Gioiosa et al. 2004], [Agarwal et al. 2005], [Tsafrir et al. 2005] e [Garg and De 2006]. Aplicações de HPC são tipicamente projetadas para executar em um paradigma de processamento paralelo, em que as instruções são executadas de forma concorrente entre os diversos nós de processamento e distribuídas em diversas fases computacionais [Garg and De 2006]. Após o processamento de cada fase computacional, os nós alocados são sincronizados e, dessa forma, as fases computacionais subseqüentes são executadas apenas quando a fase computacional atual é completamente processada por todos os nós [Gioiosa at al. 2004], [Agarwal et al. 2005] e [Tsafrir et al. 2005]. Nesse caso, o tempo de processamento de cada fase é um fator crítico, pois qualquer atraso que ocorra em um nó será propagado ao longo de todos os nós alocados para uma aplicação, acarretando assim um tempo maior para processar cada fase e, por conseqüência, mais tempo será necessário para completar a tarefa. Recentemente o OS Jitter tem sido considerado um dos principais fatores que podem provocar atrasos no tempo de processamento em ambientes de cluster HPC, além de fatores já conhecidos como latência da rede de interconexão, latência dos dispositivos de I/O, configuração dos nós não homogêneo, entre outros. Estudos [Jones

3 et al. 2003], [Gioiosa et al. 2004], [Agarwal et al. 2005], [Tsafrir et al. 2005] e [Garg and De 2006] mostram que os efeitos do OS Jitter agravam à medida que os clusters aumentam o número de nós. Portanto, considera-se importante o estudo e o desenvolvimento de formas de reduzir os efeitos do OS Jitter, especialmente para ambientes de HPC. Esse trabalho propõe mudanças arquiteturais no núcleo do sistema operacional como alternativa para reduzir o OS Jitter em aplicações de HPC. 2. Trabalhos Relacionados [Mogul and Borg 1991] desenvolveram experimentos para medir o custo da troca de contexto na performance do cache de processador. Foi testada uma variedade de programas executando de forma concorrente em um sistema operacional Unix. Dependendo dos parâmetros do sistema de cache, foi encontrada uma média de custo de até dezenas ou centenas de microssegundos para uma troca de contexto. O alto custo da troca de contexto é um dos fatores que faz a performance do sistema operacional não se manter no mesmo ritmo que as melhorias de hardware. Além do custo de salvar e restaurar registradores, outro fator até então considerado era a interferência no cache. Para entender o tamanho dessa influência, [Fromm and Treuhaft 1996] quantificaram os efeitos dessa interferência como consequência da troca de contexto em um ambiente multi-programado. Utilizando um simulador para coleta de dados, determinou-se que a interferência da troca de contexto não chega a 1% da taxa total de cache miss, ou seja, é muito pequena. Mesmo se todos os cache misses da troca de contexto fossem eliminados e cada cache miss custasse muitas centenas de ciclos, os programas só poderiam rodar aproximadamente 30% mais rápido. Assim, a completa eliminação de todas as interferências no cache da troca de contexto tem um impacto mínimo no tempo total de execução. [ Jones et al. 2003] investigam o impacto negativo do sistema operacional na escalabilidade e performance de aplicações paralelas em grandes clusters. Foram identificados dois tipos de interferências, as de longa e curta duração. Essas são respectivamente causadas por processos executando em segundo plano (ex. daemons) e rotinas internas ao sistema operacional (ex. timers). Os resultados sugerem que as interferências de daemons podem ser minimizadas ao executar aplicações em nós contendo um ou mais processadores livres que seriam dedicados para tratar os eventos do sistema operacional. Por exemplo, manter um processador livre para aplicações próprias do sistema como em um nó contendo 16 processadores executando 15 processos, um em cada processador. [Gioiosa et al. 2004] assim como [Jones at al. 2003], estudam o impacto do sistema operacional em aplicações paralelas. Através da implementação de um benchmark foi possível identificar as fontes de ruído do sistema e quantificar o impacto total sobre a aplicação. A principal contribuição do estudo é fornecer e demonstrar uma metodologia eficaz para identificar e quantificar o ruído em grandes clusters. Os resultados indicam que as principais fontes de ruído são devido à interrupção de timer. [Agarwal et al.2005] apresentam uma modelagem teórica do impacto do OS Jitter na performance de uma determinada classe de aplicações paralelas usando diferentes distribuições de probabilidade. Segundo os autores, essa foi a primeira

4 tentativa de explicar o impacto do jitter com modelo matemático. Os resultados mostram que na presença de jitter com uma distribuição exponencial o sistema tem uma boa escalabilidade, entretanto, quando esse segue uma distribuição de Bernoulli ou Pareto a performance diminui drasticamente. [Tsafrir et al. 2005] apresentam uma abordagem para quantificar o efeito do OS jitter utilizando modelagem probabilística. Eles implementaram um micro-benchmark e equiparam o kernel do Linux para gravar as interrupções do sistema operacional. Foi determinado que a principal fonte de OS jitter são os timer ticks e que a redução deles é uma possível solução para o problema. Para eliminar esse jitter foi sugerida a substituição do timer tick por um mecanismo alternativo denominado smart ticks que promove a temporização precisa agregando eventos próximos. Entretanto, não resolve o problema por completo, pois apenas reduz a incidência. [Garg and De 2006] buscam validar seu modelo, baseado em experiências anteriores, com dados coletados de clusters de grande escala. Para a execução do experimento foi necessária a criação de um benchmark paralelo para medir a distribuição do Jitter no cluster. A partir dos dados coletados, foram feitas previsões de desempenho baseando-se no modelo analítico desenvolvido anteriormente por [Agarwal et al. 2005]. Por esse modelo, foi descoberto que as medições de distribuições do Jitter ajudam na identificação de comportamentos anômalos em nós dos clusters. [Li et al. 2007] mostram uma quantificação do custo indireto da troca de contexto através de experimentos usando uma carga de trabalho artificial. Especificamente foi medido o impacto do tamanho de dados e da forma de acesso na troca de contexto. Também foi abordado o potencial impacto dos tratadores de interrupção do sistema operacional na precisão das medições. Os resultados indicam que, em geral, o custo indireto da troca de contexto está entre alguns microssegundos e mais de mil microssegundos, conforme a carga de trabalho. [De et al. 2007] apresentam o projeto e implementação de uma ferramenta para ajudar a identificar as fontes de OS Jitter em sistemas operacionais Linux. Essa pode ser usada para medir quantitativamente a contribuição do OS Jitter por vários daemons e interrupções do sistema. Os experimentos mostram que a principal fonte de OS Jitter é proveniente da interrupção de timer (63%). Os experimentos também ajudam a identificar daemons que podem ser facilmente eliminados como é o caso do hidd (bluetooth hardware interface device daemon) que contribui em 9% do OS Jitter. 4. Contribuição do Trabalho Os trabalhos apresentados na seção anterior discutem os diversos tipos de interferências (OS Jitter) do sistema operacional na execução de aplicações no espaço do usuário, em especial aplicações de HPC. Dentre essas interferências, destacam-se a execução de processos administrativos (daemons) e rotinas periódicas do núcleo (kernel) tais como a interrupção de clock (timer). Esse trabalho pretende contribuir para a redução do OS Jitter atacando principalmente esses dois problemas no sistema operacional Linux. A escolha do Linux deve-se principalmente pela disponibilidade do seu código fonte e por atualmente ser o sistema operacional mais usado em clusters de HPC, sendo usado em 82% dos computadores/clusters listados na internet [Top ].

5 A proposta para reduzir a influência dos processos administrativos nas aplicações HPC é a utilização de uma abordagem de escalonamento assimétrico, visando um melhor uso do tempo de processador e, conseqüentemente, do seu cache. Essa hipótese será testada frente a diferentes tipos de aplicações de HPC, em especial, aplicações do tipo CPU-bound e I-O bound. Já com relação à interferência causada pelo timer, uma proposta de processadores tickless. Atualmente, o núcleo do Linux suporta uma abordagem similar para a redução do consumo de energia. Esse trabalho aproveitará a implementação atual de tickless do núcleo do Linux para viabilizar a execução de processos CPU-bound sem interrupções de timer. 5. Metodologia de Pesquisa Esse trabalho seguirá um enfoque teórico-experimental. O estudo teórico envolverá o entendimento dos aspectos fundamentais dos dois principais componentes envolvidos no estudo, a saber: escalonamento SMP e interrupção de clock. A relação desses componentes com os demais subsistemas do núcleo é de especial importância. Nessa etapa, uma revisão detalhada da literatura, bem como a revisão do código atual do núcleo do Linux serão as principais fontes de informações usadas. Com base nesse estudo, as propostas de implementação serão realizadas e avaliadas. Na etapa experimental, serão realizados experimentos controlados para avaliar as propostas em questão. Experimentos serão elaborados para avaliar os efeitos do escalonamento assimétrico no tempo de execução de aplicações de HPC. Inicialmente, pretende-se utilizar como estudos de caso aplicações de CFD (Computational Fluid Dynamics) do Laboratório de Mecânica dos Fluidos (MFLab) do Departamento de Engenharia Mecânica da UFU. A técnica de DOE (Design of Experiments) [Montgomery 2005] será utilizada para o planejamento dos experimentos e análise estatística dos seus resultados. 6. Cronograma do trabalho 1. Levantamento Bibliográfico 2. Elaboração e Defesa do Plano de Trabalho 3. Escrita da dissertação. 4. Análise Exploratória do Código do Escalonador SMP do Linux 5. Análise Exploratória da Infra-estrutura atual de Tickless 6. Elaboração e Execução dos Experimentos 7. Análise dos Dados 8. Eventuais testes adicionais /correções/etc 9. Preparar apresentação da defesa de dissertação 10. Defesa

6 Tabela 1: Cronograma de execução das atividades propostas 7. Referências Ousterhout, J. K. and K, J. (1990). Why aren t operating systems getting faster as fast as hardware? Mogul, J. C. and Borg, A. (1991). The effect of context switches on cache performance. SIGPLAN Not., 26: Anderson, E. and Pasquale, J. (1995). The performance of the container shipping I/O system. Fromm, R. and Treuhaft, N. (1996). Revisiting the cache interference costs of context switching. Pai, V. S., Druschel, P., and Zwaenepoel,W. (1999). IO-lite: A unified I/O buffering and caching system. In ACM Transactions on Computer Systems, pages Buyya, R. (1999). In High Performance Cluster Computing: Architectures and Systems, Volume 1. Prentice Hall PTR. Moore, G. E. (2000). Readings in computer architecture. chapter Cramming more components onto integrated circuits, pages Morgan Kaufmann Publishers Inc., San Francisco, CA, USA. Burnside, M. and Keromytis, A. D. (2003). High-speed I/O: The operating system as a signalling mechanism. Jones, T. R., Brenner, L. B., and Fier, J. M. (2003). Impacts of operating systems on the scalibility of parallel applications. Gioiosa, R., Petrini, F., Davis, K., and Lebaillif-Delamare, F. (2004). Analysis of system overhead on parallel computers. In Signal Processing and Information Technology, Proceedings of the Fourth IEEE International Symposium on, pages Agarwal, S., Garg, R., and Vishnoi, N. K. (2005). The impact of noise on the scaling of collectives: a theoretical approach. In HiPC, pages Tsafrir, D., Etsion, Y., Feitelson, D. G., and Kirkpatrick, S. (2005). System noise, OS clock ticks, and fine-grained parallel applications. Montgomery, D. C. (2005). Design and Analysis of Experiments. John Wiley, 3 edition. Garg, R. and De, P. (2006). The impact of noise on the scaling of collectives: an empirical evaluation. In High Performance Computing (HiPC).

7 Li, C., Ding, C., and Shen, K. (2007). Quantifying the cost of context switch. In Proceedings of the 2007 workshop on Experimental computer science, ExpCS 07, New York, NY, USA. ACM. De, P., Kothari, R., and Mann, V. (2007). Identifying sources of operating system jitter through fine-grained kernel instrumentation. In Proceedings of the 2007 IEEE International Conference on Cluster Computing, CLUSTER 07, pages , Washington, DC, USA. IEEE Computer Society. Mann, P. D. V. and Mittaly, U. (2009). Handling os jitter on multicore multithreaded systems. In Proceedings of the 2009 IEEE International Symposium on Parallel & Distributed Processing, pages 1 12, Washington, DC, USA. IEEE Computer Society. Top 500 (2010). Top 500 supercomputer sites. Acessado em 20 de Novembro de IBM (2010). Identifying Jitter Sources. _projects.nsf/pages/osjitter.identifying.html. Acessado em 21 de Novembro de 2010.

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores de Alto Desempenho 5 de agosto de 2010 Resumo 1 Apresentação e Justificativa A tarefa de avaliar e comparar experimentalmente projetos em torno de

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Apresentado por: Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto CI853 - Tópicos em Redes de Computadores III Prof. Aldri Luiz dos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Sistemas Operacionais valnaide@dca.ufrn.br kliger@dca.ufrn.br affonso@dca.ufrn.br

Sistemas Operacionais valnaide@dca.ufrn.br kliger@dca.ufrn.br affonso@dca.ufrn.br Sistemas Operacionais valnaide@dca.ufrn.br kliger@dca.ufrn.br affonso@dca.ufrn.br INTRODUÇÃO O que é um sistema operacional? História dos sistemas operacionais Conceitos dos Sistemas Operacionais Estrutura

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Estudo Experimental do Linux como Plataforma para Aplicações de Tempo Real Brando

Estudo Experimental do Linux como Plataforma para Aplicações de Tempo Real Brando Estudo Experimental do Linux como Plataforma para Aplicações de Tempo Real Brando Cássia Yuri Tatibana Carlos Alexandre Piccioni Rômulo Silva de Oliveira cytatiba@das.ufsc.br piccioni@das.ufsc.br romulo@das.ufsc.br

Leia mais

SGBD x Disponibilidade

SGBD x Disponibilidade SGBD x Disponibilidade Objetivo Escopo Motivação Conceitos básicos Disponibilidade Redundância de software Redundância de hardware 1 Objetivo: Objetivo Discutir tecnologias e práticas operacionais utilizadas

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC

Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC 18 de maio de 2011 Roteiro Motivação Introdução à SLDL SystemC O Escalonador SystemC Simulação Paralela baseada em Eventos Discretos Suporte

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem

Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem EXTRAÇÃO DE DADOS NO CONTEXTO DE UMA REDE SOCIAL DE CONSUMO Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem Jonathan Patrick Rosso, Claudio Schepke jonathan.p.rosso@gmail.com, claudioschepke@unipampa.edu.br

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS B CÓDIGO:

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing João Paulo Ferreira da Silva e Patrick Henrique da Silva Brito Laboratório de Pesquisa e Extensão em Computação

Leia mais

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas:

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: - análise estrutural; - previsão de tempo; - exploração de petróleo; - pesquisa em fusão de energia; - diagnóstico médico; - simulações

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Sistemas de Tempo Real

Sistemas de Tempo Real Sistemas de Tempo Real Docente Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt http://ppedreiras.av.it.pt/ Adaptado dos slides desenvolvidos pelo Prof. Doutor Luís Almeida para a disciplina Sistemas de Tempo-Real DETI/UA ;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

da Disciplina Sumário BC1518 - Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Z. do Nascimento Motivação Apresentação

da Disciplina Sumário BC1518 - Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Z. do Nascimento Motivação Apresentação BC1518 - Sistemas Operacionais Apresentação da Disciplina Plano de trabalho 2 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento Email: marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Sumário Motivação Apresentação Programa

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO: Fundamentos da Computação CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: Sistemas Embarcados CÓDIGO: 4613R CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula VALIDADE: a partir de 2008/2

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE FONTES DE OS JITTER NO KERNEL LINUX

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE FONTES DE OS JITTER NO KERNEL LINUX UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE FONTES DE OS JITTER NO KERNEL LINUX ELDER VICENTE DE PAULO

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

On Scalability of Software-Defined Networking

On Scalability of Software-Defined Networking On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva bruno.silva@ic.uff.br Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTELIGENTES ORIENTADOR:

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Estudo e aperfeiçoamento da técnica de Steering Behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental Modelagem Flexível para Processos de Negócio Resultados de um Estudo Experimental Fabiane Albino Aluna Mestrado Prof. Ricardo Massa Orientador Cenário Atual Modelagem de Processos de Negócio de maneira

Leia mais

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC CLOUDS

CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC CLOUDS Universidade da Beira Interior Mestrado em Engenharia Informática Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Apresentação de Artigo CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

NOVO MODELO PARA AUTORIZAÇÃO EM FEDERAÇÕES DE IDENTIDADE PARA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

NOVO MODELO PARA AUTORIZAÇÃO EM FEDERAÇÕES DE IDENTIDADE PARA COMPUTAÇÃO EM NUVEM NOVO MODELO PARA AUTORIZAÇÃO EM FEDERAÇÕES DE IDENTIDADE PARA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Paulo Fernando da Silva Orientador Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Leia mais

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines Timothy Wood, Prashant Shenoy, K.K. Ramakrishnan, Jacobus Van der Merwe VEE '11 Proceedings of the 7th ACM SIGPLAN/SIGOPS

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Matheus D'Eça Torquato de Melo (mdetm@cin.ufpe.br) Paulo Maciel (prmm@cin.ufpe.br) 12 Roteiro

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Daniel Cândido de Oliveira 1, Yzaac Gonçalves da Silva 1, Madianita Bogo 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais