ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITETURA DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Desempenho Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho

2 Fundamentos de Organização de Computadores Desempenho

3 Avaliação de Desempenho

4 Introdução Tempo de relógio real necessário para execução de um programa: acessos a disco atividades de I/O overhead do sistema operacional, da rede,... no entanto, seguidamente um sistema executa diversos programas simultaneamente throughput é uma medida do número de tarefas executada por unidade de tempo O que otimizar? tempo de resposta de um programa isolado? throughput do sistema?

5 Introdução Distinção entre tempo de: relógio real gasto em um programa, e CPU efetivamente gasto com tarefas específicas do programa não inclui tempo de execução de outros programas, tempo de espera por I/O,... O tempo de CPU está dividido em tempo de: usuário: tempo gasto executando instruções do programa do usuário sistema: tempo gasto com tarefas do S.O. necessárias para a execução do programa do usuário

6 Introdução O desempenho é conseqüência de otimizações feitas em 3 dimensões do hardware: arquitetura: processadores e instruções otimizadas organização: paralelismo e memória cache tecnologia: velocidade de chaveamento das portas lógicas e tempo de acesso à memória O desempenho também depende no entanto do compilador geração de código otimizada bom aproveitamento dos recursos da organização

7 Métricas Básica ciclos de clock = intervalos básicos de tempo nos quais são executadas as operações elementares de uma instrução transferências de valores entre registradores operações aritméticas na ULA período do clock T = tempo de duração de um ciclo de clock. Por exemplo: 1 ns frequência de operação f = número de ciclos de clock por unidade de tempo f = 1 / T se T = 1 ns então f = 1 / = 10 9 = 1 GHz

8 Métricas Básicas tempo de CPU = nº de ciclos de clock X período do clock de um programa do programa por exemplo: programa gasta ciclos período do clock é 1 ns ( ) tempo de CPU do programa = x = = 10 ms alternativamente: tempo de CPU de um programa = nº de ciclos de clock do programa freqüência do clock

9 Métricas Básicas Múltiplo Equivalente decimal Nome Símbolo ,001 milissegundo ms , microssegundo µs , nanossegundo ns , picossegundo ps , fentossegundo fs , atossegundo as , zeptossegundo zs , yoctossegundo ys

10 Métricas Básicas Formas de aumento do desempenho: diminuir o período do clock (tecnologia, organização) diminuir nº de ciclos necessários para execução do programa (organização, arquitetura)

11 Métricas Básicas nº de ciclos de = nº médio de ciclos de X nº instruções instrução clock do programa clock por instrução do programa O nº médio de ciclos de clock por instrução (CPI) é uma média sobre todas as instruções executadas no programa. Exercício: duas máquinas implementam o mesmo conjunto de instruções um mesmo programa é rodado em ambas as máquinas máquina A tem período de clock de 1 ns e CPI = 2.0 para este programa máquina B tem período de clock de 2 ns e CPI = 1.2 para o mesmo programa qual máquina é mais rápida?

12 Resolvendo o exemplo Exercício: duas máquinas implementam o mesmo conjunto de instruções um mesmo programa é rodado em ambas as máquinas máquina A tem período de clock de 1 ns e CPI = 2.0 para este programa máquina B tem período de clock de 2 ns e CPI = 1.2 para o mesmo programa Sabemos que: nº de ciclos de = nº médio de ciclos de X nº instruções instrução clock do programa clock por instrução do programa tempo de CPU = nº de ciclos de clock de um programa do programa X período do clock Portanto: tempo de CPU = nº médio de ciclos de X nº instruções instrução X período do clock de um programa clock por instrução do programa

13 Resolvendo o exemplo Exercício: um mesmo programa é rodado em ambas as máquinas (mesmo número de instruções - I) máquina A tem período de clock de 1 ns e CPI = 2.0 para este programa máquina B tem período de clock de 2 ns e CPI = 1.2 para o mesmo programa tempo de CPU = nº médio de ciclos de X nº instruções instrução X período do clock de um programa clock por instrução do programa Máquina A: tempo de CPU = 2.0 X I (nro. instruções) de um programa tempo de CPU = 2.0xI ns de um programa X 1 ns Máquina B: tempo de CPU = 1.2 X I (nro. instruções) X 2 ns de um programa tempo de CPU = 2.4xI ns de um programa Portanto: a máquina A é mais rápida!

14 Métricas Básicas tempo de CPU = nº de instruções X CPI X período do clock tempo de CPU = nº de instruções X CPI freqüência do clock Como obter estes valores? tempo de CPU é medido executando-se o programa período (ou frequência) do clock é divulgado pelo fabricante nº de instruções e CPI são mais difíceis de obter nº de instruções depende da arquitetura e do compilador CPI depende da organização e do programa conhecendo-se nº de instruções ou CPI, pode-se determinar o outro a partir da fórmula

15 Performance

16 INTRODUÇÃO Para entendermos performance, ou qual máquina tem a melhor, primeiro precisamos definir o que o mesmo significa. Resumidamente, a performance de uma máquina é responsável pela eficácia de todo o sistema, composto pelo hardware e pelo software. Vamos então descrever em detalhes os principais fatores que influenciam positivamente e negativamente a performance de uma máquina, já que é um dos fatores mais importantes, tanto para quem irá comprar quanto pra que irá projetar o mesmo.

17 DEFININDO PERFORMANCE No computador a performance pode ser definida de várias maneiras diferentes. Se você rodar o mesmo programa em duas estações de trabalho diferentes, é lícito afirmar que a mais rápida será a que terminar primeiro. Se você estiver analisando as instalações de um centro de processamento com dois computadores que funcionam em regime de tempo compartilhado rodando tarefas por diversos usuários, podemos afirmar que a máquina mais rápida é a que consegue executar o maior número de programas por dia.

18 DEFININDO PERFORMANCE Se você se colocar no papel de usuário de um computador, seu principal interesse será reduzir o tempo de resposta definido como tempo decorrido entre o início e o fim do seu programa -, tempo esse conhecido como tempo de execução. Porém, se você estiver desempenhando o papel de gerente do centro de computação, seu principal interesse será a quantidade total de trabalho executado em um determinado intervalo de tempo, incluindo aí as maneiras de maximizá-lo, que é o throughput. Resumindo, performance de um computador esta ligado à atuação e desempenho.

19 DEFININDO PERFORMANCE Alguns dos fatores que influenciam a performance do computador, são por exemplo, velocidade do CPU, RAM disponível, velocidade e capacidade do disco rígido.

20 MEDIDAS DE PERFORMANCE Em computação, nos interessa o tempo de resposta, expressões que definem o tempo total para se completar uma determinada tarefa computacional, incluindo os acessos a disco e à memória, as atividades de I/O, o overhead introduzido pela ação do sistema operacional, e tudo o mais. O tempo em um computador é compartilhado e o processador pode trabalhar em mais de um programa simultaneamente.

21 MEDIDAS DE PERFORMANCE O tempo de processador é o tempo gasto por ele na execução das instruções dedicadas a um programa e não inclui o tempo gasto com I/O, nem o tempo gasto para executar outros programas diferentes, no caso dos sistemas que compartilham o tempo do processador. O conceito de tempo de processador reconhece a distinção entre o tempo gasto por ele para executar instruções de determinado programa, e o tempo total gasto na execução desse programa que inclui o tempo de I/O, o tempo de acesso a disco e a memória, e o tempo dedicado ao SO e a outros programas.

22 Escolha de Programa para Avaliar a Performance Uma alternativa para avaliar a performance da máquina é a utilização de benchmarks, que são programas desenvolvidos especialmente para trabalhar na medida da performance. Na verdade, formam um wordload(carga de trabalho) cujo objetivo é estimar a performance do wordload real, utilizado por grupos de usuários.

23 Escolha de Programa para Avaliar a Performance O uso de benchmarks cuja performance dependa de segmentos de código muito pequenos estimula a realizações de otimização tanto na arquitetura quanto no compilador, fazendo com que o sistema tenha uma ótima performance quando executa o pequeno trecho do benchmarck. O conjunto de benchmarks para processador mais conhecido atualmente é o o SPEC (System Performance Evaluation Cooperative).

24 SPEC 89 Gráfico de melhoramento do compilador e desempenho SPEC performance ratio g cc e sp res so s p ice do du c na sa 7 li eq ntott m a trix3 00 fp pp p to m ca tv B en ch m ark C o m piler E n h an ce d co m piler

25

26 MELHORAR A PERFORMANCE Tarefa Gerenciar os programas de inicialização Descrição Alguns programas são iniciados automaticamente quando você inicia o Windows. Muitos desses programas abrindo ao mesmo tempo podem tornar o computador lento. Para desabilitar esses programas da inicialização e melhorar o desempenho, use o Windows Defender. Ajustar efeitos visuais Você pode otimizar o desempenho alterando o modo de exibição dos menus e janelas. Ajustar opções de indexação As opções de indexação podem ajudá-lo a localizar o que você está procurando de forma rápida e fácil no computador. Ajustar as configurações de energia Limpeza de Disco Altere as configurações relacionadas à energia, de forma que o computador retorne às configurações de economia de energia com mais eficiência, e ajuste o uso da bateria para computadores portáteis. Esta ferramenta exclui arquivos desnecessários ou temporários no disco rígido, para que você possa aumentar a quantidade de espaço de armazenamento que possui.

27 Desempenho exemplo Computador A executa um programa em 10 segundos e tem um clock de 4 GHz Computador B execute esse programa em 6 segundos e B exija 1,2 vez mais ciclos de clock do que o computador A Qual a velocidade de clock de B? 27

28 Desempenho exemplo ciclos de velocidade clock A de clock tempo de e xecução ciclos de clock 10 s = 9 4 x10 9 ciclos de clock A = 40 x10 A = A ciclos A tempo de e xecução 6 s x velocidade velocidade B 1,2 xciclos de clock = velocidade de clock de clock de clock B B = 1, 2 x40 x10 = 8GHz 9 A B 28

29 Exemplo de CPI Considerar que temos duas implementações da mesma arquitetura do conjunto de instruções (ISA). Para certo programa: Máquina A tem um tempo de ciclo de clock de 250 ps e um CPI de 2.0 Machine B tem um tempo de ciclo de clock de 500 ps e um CPI de 1.2 Qual máquina é mais rápida para esse programa, e por quanto?

30 ciclos de clock Ix2, 0 A = ciclos de clock B = Ix1, 2 Tempo A = ciclos de clock A x tempo do ciclo de clock A = Ix2,0x250 ps = 500xIps Tempo B = ciclos de clock B x tempo do ciclo de clock B = Ix1,2 x500 ps = 600xIps n = tempo de execução tempo de execução A 600xIps 500xIps B = = 1,2 30

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Desempenho (Parte I): Compreensão e Avaliação

Desempenho (Parte I): Compreensão e Avaliação Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina FACAPE Desempenho (Parte I): Compreensão e Avaliação Prof. Sergio Petrolina/PE 1 Tópicos 1 -Desempenho 2 -Avaliando e Compreendendo o Desempenho 3

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Arquitetura de Computadores Métricas de Desempenho Ivan Saraiva Silva Sumário Como arquiteturas são geralmente avaliadas Como arquiteturas obedecem a restrições de projeto Métricas de desempenho Combinando

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Marcelo Lobosco DCC/UFJF Avaliando e Compreendendo o Desempenho Aula 09 Agenda Avaliando e Compreendendo o Desempenho Introdução Definindo Desempenho Medindo o Desempenho Desempenho

Leia mais

Desempenho DESEMPENHO DE COMPUTADORES

Desempenho DESEMPENHO DE COMPUTADORES Desempenho Ch2-1 DESEMPENHO DE COMPUTADORES Desempenho -> Como medir o desempenho? AVIÃO PASSAGEIRO S AUTOMIA (milhas) VELOCIDAD E (mph) THROUGHPUT (passag.xveloc) Boeing 777 375 4630 610 228.750 Boeing

Leia mais

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida.

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. 8 0 Introdução Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. Isso acontece por pelo menos três motivos técnicos: 0 80386

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Avaliação de desempenho Introdução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Adaptado do material de aula de Hennessy e Patterson Desempenho Meça,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Bibliografia Base Capítulo I Sistemas Operacionais Modernos Andrew S. Tanenbaum Gabriel Pitágoras Silva e Brenner gabrielbrenner@gmail.com Um computador sem seu software nada mais

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I Campus Rio Pomba

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I Campus Rio Pomba Questão 01 Assumindo um registrador de 10 bits e utilizando-se de representação binária, com valores negativos representados em código de 2, os valores em representação decimal 235, -189 possuem, respectivamente,

Leia mais

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES Curso Técnico de Informática Eduardo Amaral Introdução Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. Programa: Seqüência de instruções

Leia mais

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins Organização de Computadores 1 1 - INTRODUÇÃO Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura Define os elementos que impactuam diretamente na execução lógica do programa. Corresponde aos atributos visíveis veis

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Simulado Informática Concurso Correios - IDEAL INFO

Simulado Informática Concurso Correios - IDEAL INFO Simulado Informática Concurso Correios - IDEAL INFO Esta prova de informática é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha seguindo o molde adotado pela UnB/CESPE. O tempo para a realização deste

Leia mais

Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com Site: www.veniciopaulo.com

Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com Site: www.veniciopaulo.com Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com Site: www.veniciopaulo.com Formação: Graduando em Analises e Desenvolvimento de Sistemas (8º Período) Pregoeiro / Bolsa de Valores

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

Uma das grandes novidades do Photoshop CS5 é o processamento em 64-bits, que permite que operações tradicionais realizadas no aplicativo sejam pelo

Uma das grandes novidades do Photoshop CS5 é o processamento em 64-bits, que permite que operações tradicionais realizadas no aplicativo sejam pelo Uma das grandes novidades do Photoshop CS5 é o processamento em 64-bits, que permite que operações tradicionais realizadas no aplicativo sejam pelo menos 10% mais rápidas. Além disso, outros recursos do

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Motivos para você ter um servidor

Motivos para você ter um servidor Motivos para você ter um servidor Com a centralização de dados em um servidor, você poderá gerenciar melhor informações comerciais críticas. Você pode proteger seus dados tornando o backup mais fácil.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MANUTENÇÃO

IDENTIFICAÇÃO MANUTENÇÃO IDENTIFICAÇÃO MANUTENÇÃO ESTRUTURA DOS MICROS PADRÃO PC AULA 01 Sobre aula 1 Números binários e hexadecimais Dispositivos digitais e analógicos Circuitos integrados Estrutura dos micros padrão PC Micros

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Clock do Sistema Cristal de Quartzo envia onda de sinais constantes que são convertidas em sinais digitais 1GHz = 1 bilhão de pulsos Taxa de pulsos = taxa de clock Incremento de

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Usina Termelétrica Pampa Sul

Usina Termelétrica Pampa Sul 0 14/01/2015 Emissão Inicial AMA REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. EMPRESA: Usina Termelétrica Pampa Sul EMPREENDIMENTO: UTE Pampa Sul NO CONTRATO: NA TIPO: Atendimento a Condicionante

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Marcelo Lobosco DCC/UFJF Avaliando e Compreendendo o Desempenho Aula 10 Agenda Análise de Desempenho (cont.) Avaliando o Desempenho Benchmark SPEC Falácias e Armadilhas Desempenho

Leia mais

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 2 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Romildo Martins (romildo@romildo.net)

Leia mais

Introdução. Software (Parte I)

Introdução. Software (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação Software (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis

Leia mais

Componentes do Computador e noções de Arquitetura de Computadores

Componentes do Computador e noções de Arquitetura de Computadores Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação Componentes do e noções de Arquitetura de es Professor Responsável: Luiz Affonso Henderson Guedes

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES 2.1 Organização de um Computador Típico : Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing Unit): Executa programas armazenados na memória, interpretando

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari. amanda@fcav.unesp.br

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari. amanda@fcav.unesp.br Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br Documentário http://www.youtube.com/watch?v=sx1z_mgwds8 Introdução Computadores de primeira geração (1946 1959): A primeira geração

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA CAPÍTULO VINTE TRÊS ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA Neste capítulo, você aprenderá os fundamentos do gerenciamento de energia e como usá-los para adquirir uma vida média da bateria mais longa.

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA. Arquitetura de computadores

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA. Arquitetura de computadores UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA Arquitetura de computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Bibliografia: MONTEIRO, M. A. Introdução à organização de computadores. 4 ed. RJ. LTC 2001. TANEMBAUM, A. S. Organização

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Informática Básica Conceitos Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Conceitos INFOR MÁTICA Informática INFOR MAÇÃO AUTO MÁTICA Processo de tratamento da informação

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila M G Gechele Doc. Vrs. 01 Revisores: Aprovado em: setembro de 2013. Nota de copyright Copyright 2013 Teorema Informática, Guarapuava. Todos os direitos reservados. Manual

Leia mais

LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Graphics

LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Graphics LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Sabe-se que para o desenvolvimento de software as empresas adotam computadores com um grande poder de processamento. Facilitando assim todo

Leia mais

Desempenho de Computadores

Desempenho de Computadores Desempenho de Computadores João Canas Ferreira Arquitectura de Computadores FEUP/LEIC Contém figuras de Computer Organization and Design, D. Patterson & J. Hennessey, 3ª. ed., MKP Tópicos Os vários aspectos

Leia mais

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3)

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

Prezado aluno, 1 - ) Clique no link que segue: http://speedtest.net/ 2 - ) Clique em iniciar teste: 3-) Verifique a velocidade:

Prezado aluno, 1 - ) Clique no link que segue: http://speedtest.net/ 2 - ) Clique em iniciar teste: 3-) Verifique a velocidade: Prezado aluno, Primeiramente sugerimos que utilize o Google Chrome, um navegador mais rápido e seguro. https://www.google.com/intl/pt-br/chrome/browser/?hl=pt-br&brand=chmi Caso não resolva os problemas,

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Processos I Prof. MSc. Hugo Souza Até agora vimos a organização como um todo dos SDS, com o mapeamento estrutural e suas devidas características descritas em elementos, regras, conceitos,

Leia mais

Introdução a Organização de Computadores Aula 4

Introdução a Organização de Computadores Aula 4 1 Subsistemas de Memória 4.1 Introdução A memória é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar as informações que são (ou serão) manipuladas por esse sistema, para que as informações

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

Arquitetura de Computadores II

Arquitetura de Computadores II Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação - DCC/IM Arquitetura de Computadores II Multithreading Prof. Gabriel P. Silva Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA INFORMÁTICA BÁSICA PROF. MARCOS VINICIUS GRADUADO EM ANÁLISES DE SISTEMAS. PÓS-GRADUADO EM ADMINISTRAÇÃO E SEGURANÇA DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ. ANALISTA DE SISTEMAS E DBA SQL SERVER

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Prof. Ms. Márcio Andrey Teixeira A Caracterização dos Sistemas Funções do S.O Administração de Processos Administração da Memória Principal Administração do Armazenamento Secundário Administração

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Exercícios de Fixação e Trabalho em Grupo - 2 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 1. O valor de depreciação de um item é seu: a) Valor residual. b) Custo inicial menos despesas

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Operacionais Histórico e Estruturas Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Histórico de SOs Tipos de SOs Estruturas de SOs 2 Histórico de SOs Baseado em Francis Machado e Luiz

Leia mais

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM).

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). PROCESSADOR Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). INTRODUÇÃO O processador é o C.I. mais importante do computador. Ele é considerado o cérebro do computador, também conhecido como uma UCP -

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Gerência do Processador No gerenciamento dos processos serão definidas as propriedades dos processos em execução, e a maneira

Leia mais

Informática Básica. Arquitetura de Computadores. Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/

Informática Básica. Arquitetura de Computadores. Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ Arquitetura de Computadores Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ Hardware Três subsistemas básicos Unidade Central de processamento Memória principal Dispositivos de Entrada e Saída Também chamados

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Universidade Federal do Pampa Campus-Bagé Arquitetura e Organização de Computadores Aula 2 Avaliando Desempenho Prof. Julio Saraçol juliosaracol@gmail.com Slide1 AULA 4: AVALIANDO DESEMPENHO 2 Slide2 Método

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

Técnico em Informática - Instalação e Manutenção de Computadores PROCESSADORES

Técnico em Informática - Instalação e Manutenção de Computadores PROCESSADORES Técnico em Informática - Instalação e Manutenção de Computadores PROCESSADORES Processador... 2 Clock... 5 Multiplicador de clock / FSB... 6 Memória Cache... 6 Processador O processador é o cérebro do

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Execução de Programas Os computadores não entendem nada além de comandos, dados e endereços escritos em linguagem binária, também chamada de linguagem de baixo nível. Ela utiliza

Leia mais

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 1 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Estudo de caso Empresa do ramo de seguros Presidência RH Financeiro Vendas e Marketing TI CRM Riscos Introdução

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Luiz Vivacqua (lavcm@terra.com.br) http://geocities.yahoo.com.br/lavcm 1 Ementa 1. Introdução (1) 2. Modelo Conceitual Diagrama de classes 3. Modelo Lógico Relacional Características Chaves Restrições

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática. Microarquiteturas de Alto Desempenho. Multithreading. Gabriel P. Silva.

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática. Microarquiteturas de Alto Desempenho. Multithreading. Gabriel P. Silva. Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática Microarquiteturas de Alto Desempenho Multithreading Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos suportam o conceito de threads,

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos 1. Sistema Computacional: HARDWARE + SOFTWARE. Sistemas Operacionais Conceitos Básicos Hardware: Principais elementos de hardware de um Sistema Computacional: Processador Memória principal Dispositivos

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read))

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read)) Memória Em um sistema de computação temos a UCP se comunicando com a memória e os dispositivos de E/S. Podemos fazer um paralelo do acesso à memória com um carteiro entregando cartas ou um acesso à biblioteca.

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01

Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01 Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública Sistemas de Informação Gerenciais 2º Período 2013.2 QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01 FCC - 2013 - Banco do Brasil - Escriturário

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Computador. 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente

Computador. 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente Computador Algumas definições 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente 1985: calculador electrónico usado na investigação espacial e actualmente já noutros

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 Índice 1. Introdução...3 1.1. O que é um Computador?... 3 1.2. Máquinas Multiníveis... 3 2 1. INTRODUÇÃO 1.1 O QUE É UM COMPUTADOR? Para estudarmos como um computador

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Processos e Threads Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula 2 Gerenciamento de Processos Threads Aplicações com múltiplas Threads Concorrência e Compartilhamento

Leia mais

Sumário. 1 Introdução à administração do Windows Vista...27. 2 Gerenciando sistemas Windows Vista...51

Sumário. 1 Introdução à administração do Windows Vista...27. 2 Gerenciando sistemas Windows Vista...51 Sumário 1 Introdução à administração do Windows Vista...27 Começando a usar o Windows Vista... 28 Instalando e executando o Windows Vista... 30 Instalando o Windows Vista...30 Utilizando o Centro de Boas-vindas

Leia mais

Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br. Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes

Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br. Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes Dispositivos de processamento Os dispositivos de processamento são responsáveis por interpretar

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 3.16

Guia de Atualização Release FoccoERP 3.16 Guia de Atualização Release FoccoERP 3.16 04/05/2016 Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 FIQUE LIGADO... 3 PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO... 4 PRÉ-REQUISITOS PARA ATUALIZAÇÃO DO MENU WEB... 10 Página 2 de 12 Introdução

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais