DA ÁUSTRIA AO BRASIL: OS EXÍLIOS DE STEFAN ZWEIG E OTTO MARIA CARPEUAX.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA ÁUSTRIA AO BRASIL: OS EXÍLIOS DE STEFAN ZWEIG E OTTO MARIA CARPEUAX."

Transcrição

1 DA ÁUSTRIA AO BRASIL: OS EXÍLIOS DE STEFAN ZWEIG E OTTO MARIA CARPEUAX. Aluno: Blanche Marie Evin da Costa Orientador: Mauricio Parada Introdução: O século XX ficou marcado na história pelas grandes Guerras Mundiais. A Primeira Guerra de 1914 a 1918, a Segunda de 1939 a 1945 e a Guerra Fria de 1945 a A Europa encontrou-se devastada durante e depois das duas grandes Guerras Mundiais, tanto fisicamente, fruto de bombardeios e confrontos diretos, quanto moralmente, pelos acontecimentos monstruosos que se desenvolveram paralelamente às guerras e que destruíram a crença no progresso da humanidade. A Primeira Guerra, fruto de disputas imperialistas, trouxe a novidade da participação das massas no campo de batalha, além de trazer uma série de consequências graves a partir dos tratados de paz, como o surgimento das minorias étnicas e dos apátridas. A Segunda Guerra foi marcada pela expansão imperialista da Alemanha e, sobretudo, pela perseguição antissemita e de outros povos, considerados inferiores em comparação ao modelo ideal ariano germânico. Além de apresentar ao mundo a presença do horror em sua forma mais fiel, a partir dos campos de concentração e de extermínio, a Segunda Guerra Mundial continuou um processo que havia se desenvolvido durante a Primeira: a propagação de minorias étnicas e a larga produção de apátridas, resultando em imigrações forçadas e exílios. As imigrações, as diásporas e os exílios têm deixado marcas profundas na cultura do século XX. Por outro lado, essas experiências de deslocamento têm sido fontes

2 extraordinárias de produção intelectual, como defende o historiador italiano Enzo Traverso durante o capítulo Exílio e Violencia em sua obra A História como Campo de Batalla. 1 A contribuição dos exilados na história do pensamento crítico tem sido constante, já que a comparação entre diferentes culturas e, sobretudo, o olhar produzido pela distancia dos pontos centrais da guerra, trouxeram novas críticas intelectuais. As produções intelectuais realizadas em exílio também tecem laços entre as línguas e as literaturas, concedendo-lhes traços cosmopolitas. Assim, a posição do estrangeiro, do apátrida e dos desenraizados resultou em um observatório privilegiado sobre os acontecimentos desastrosos do século XX. A distância faz a realidade aparecer sobre outro aspecto, modifica as perspectivas e acentua ou neutraliza as empatias a partir olhar crítico. O exilado, obrigado a sair do mundo que pertencia, se torna contemplador longínquo do mundo de trás, trazendo notas frutíferas à história do pensamento crítico. Para Enzo Traverso as transformações de observação também afetam a escrita da história. No exílio, as fronteiras entre o erudito e o militante se tornam porosas e instáveis, fazendo com que as historiografias europeias se construam como um combate consciente contra o fascismo. Assim, os exílios se formam em oposição aos movimentos totalitários e o olhar diferenciado dos deslocados começa a julgar a recaída da civilização na barbárie. Enzo Traverso também chama atenção para a distância entre os acontecimentos monstruosos do século XX e a sua real preocupação. Segundo ele a percepção da gravidade dos acontecimentos durou muito para acontecer - poucos foram aqueles que transformaram relatos em críticas. Os exilados foram os primeiros a transformar os relatos horripilantes do século XX em objeto de pensamento. Por isso a sua contribuição ao pensamento crítico é tão fundamental para a escrita da história. A presença de intelectuais no exílio leva a marca de um desenraizamento, como demonstra a passagem a seguir: La existencia del intelectual em el exilio lleva la marca de um desgarramiento, de um trauma profundo que, muy rapidamente, lo priva de su contexto social y cultural, su lengua, sus lecturas, su profesión y sus fuentes de subsistência (a menudo incluso de La possibilidad de publicar), de um paisaje familiar en el que fijar um orden de pensamiento. 2 A perda de todas as questões relatadas acima, como o trabalho, as ligações familiares, a língua, as leituras e o contexto social e cultural, acabam transformando o exilado em um 1 TRAVERSO, E.,VII Exilio y Violencia. IN:TRAVERSO,E. Historia como Campo de Batalla, Mexico: Fondo de Cultura, P Idem, p.256

3 deslocado cultural. Esse choque de culturas, no entanto, é fundamental para a construção de uma analise crítica do mundo. O exilado acaba favorecido, apesar de inúmeros traumas que possa ter passado, para a construção de uma nova narrativa. A distância, que lhe foi obrigada, torna-se fundamental para a construção de uma analise dos acontecimentos históricos tal como eles se apresentam, já que a distancia favorece a neutralidade e a analise sóbria. Este trabalho pretende englobar esses intelectuais que tiveram, a partir do exílio, uma nova maneira de ver o mundo, mais especificamente os apátridas e seus diferentes processos de assimilação. Como trabalhar com todos os casos do século XX seria improvável, escolhi dois casos mundialmente conhecidos para analisar os diferentes casos de assimilação: Stefan Zweig e Otto Maria Carpeaux. Ambos apresentam uma trajetória bem parecida: nasceram em Viena, na Áustria, e a partir das perseguições nazistas vieram a se exilar no Brasil. O mundo cultural inicial dos dois é o mesmo, o que nos permite analisar mais profundamente o ambiente cultural e político de Viena, a fim de entendermos as raízes intelectuais, políticas, religiosas e morais de ambos, assim como podemos nos reter especificamente ao processo de imigração brasileiro na Era Vargas (já que ambos imigram durante o governo de Getúlio Vargas) e ao ambiente cultural e político da sociedade brasileira na época. Porém, o que mais nos chama a atenção é que apesar de suas trajetórias serem bastante parecidas, seus processos de assimilação no novo país foram extremamente diferentes: Stefan Zweig não conseguiu conviver longe de seus livros e de suas publicações. O seu livro Brasil, o país do futuro, não foi bem aceito na sociedade carioca, o que o levou a se mudar, junto com sua mulher, para Petrópolis. Já Otto Maria Carpeaux ingressou rapidamente no ambiente intelectual brasileiro. Em menos de dois anos aprendeu o português e já estava trabalhando em um dos maiores jornais da época, o Gazeta da Manha, como crítico literário. Os diferentes processos de assimilação e de exílio, frutos dos acontecimentos desastrosos do século XX, constituem o ponto central desse trabalho. Veremos como Stefan Zweig e Otto Maria Carpeaux (Karpfen) traçaram caminhos diferentes e como, consequentemente, os seus processos de aceitação à nova realidade foram distintos.

4 Objetivos: -Contextualizar o mundo vienense em que Otto Maria Carpeaux e Stefan Zweig estavam inseridos. -Traçar uma narrativa mostrando as diferenças entre os percursos dos exilados -Comparar, a partir de suas trajetórias e de suas assimilações, as diferentes situações entre os exilados. Metodologia O processo inicial de pesquisa começou em Em primeiro foi feito um levantamento de inúmeros nomes que pudessem ser encaixados na condição de exilados no Brasil e durante o século XX, na maioria intelectuais. Foram ao todo cento e quarenta e seis nomes. Essa lista conta com o nome completo, o ano de nascimento e ano de morte, as publicações e o resultado da pesquisa feita em relação ao exilado. A pesquisa foi feita em diversas instituições do Rio de Janeiro como o Arquivo Nacional, o Instituto Moreira Salles e a Biblioteca Nacional. A lista foi feita pela antiga bolsista desse programa, Bianca Sayuri Miki, a qual substitui depois da sua formação. Hoje ela se encontra no mestrado da mesma instituição. Após ter uma melhor noção sobre a quantidade de exilados no Brasil, escolhi para o aprofundamento da pesquisa dois nomes: Otto Maria Carpeaux e Stefan Zweig. Ambos vieram da Áustria e foram, mais tarde, exilados no Brasil. Assim a trajetória de ambos se torna parecida. Para a construção deste trabalho me detive ao processo de naturalização de Otto Maria Carpeaux/ Otto Karpfen, retirado do Arquivo Nacional, além de contar com artigos no Jornal A Gazeta da Manhã e com a obra de Mauro Ventura, De Karpfen a Carpeaux. Já para a construção da trajetória de Stefan Zweig, me baseei na sua autobiografia, O Mundo de Ontem, no seu livro Brasil, o país do futuro e em algumas cartas do autor, presentes na exposição Brasil, o país do futuro, em sua casa em Petrópolis.

5 Este trabalho tem como objetivo principal, a partir dos documentos, reconstruir a trajetória de ambos os exilados, além de apresentar os diferentes processos de assimilação na nova pátria: O Brasil. Assim sendo, o referencial teórico dessa pesquisa se aproxima dos estudos em história intelectual e de certa forma também da pesquisa em histórica cultural. Conclusões: O surgimento de apátridas a partir da deflagração da Primeira Guerra Mundial acabou gerando, consequentemente, inúmeros processos de exílio pelo mundo. A organização da geografia mundial em Estados nacionais acabou acumulando pessoas encontradas à margem do sistema legal, ficando excluídas dos direitos, até então, inalienáveis. A grande contradição do sistema nacional- a exclusão de pessoas que não podem se enquadrar na organização mundial- só cresceu a partir da Primeira Guerra, o que concretiza a falta de interesse dos governantes em achar uma resolução para o caso. Os processos de exílio de Otto Maria Carpeaux e de Stefan Zweig são uma parte minúscula do contexto geral em que os apátridas, refugiados e imigrantes se encontram. A Segunda Guerra Mundial, que teve a perseguição racista e religiosa como uma das suas marcas mais profundas, contribuiu imensamente para a larga produção de apátridas no mundo, já que o governo nazista alemão perseguiu grande parte de sua população alegando que muitos não se encontravam dentro das características germânicas desejáveis. O povo judeu foi a grande vítima da política racista do nazismo, fazendo com que milhares de judeus europeus imigrassem forçadamente para outros países do mundo, inclusive o Brasil. Otto Karpfen e Stefan Zweig, por pertencerem à burguesia judaica austríaca se encontraram, de uma hora para outra, forçados a emigrar. A trajetória de exílio de ambos começou no instante em que deixaram o seu país de origem, a Áustria, por motivos de força maior. A partir daí podemos encaixa-los entre os milhões de exilados e refugiados que já habitaram o mundo contemporâneo. Este trabalho teve como objetivo trazer os diferentes processos de exílio de Otto Carpeaux e Stefan Zweig, e consequentemente os diferentes processos de assimilação de ambos, a fim de mostrar uma pequena parcela dos apátridas e de todas as dificuldades que eles encontram. Além disso, este trabalho propõe a percepção dos exilados como intelectuais

6 que contribuíram para o pensamento crítico universal, como defende Enzo Traverso em seu capítulo Exilio y Violencia. 3 Segundo Enzo Traverso os exilados foram os primeiros analistas das violências da Era dos Extremos. Ou seja, os exilados puderam, antes de todos, perceber o grau de violência e de maldade que a Era dos extremos (o século XX e suas guerras monstruosas) proporcionou ao mundo. A partir do exílio, e da comparação cultural que ele proporciona, os exilados puderam perceber o que estava ocorrendo no mundo, podendo pioneiramente elaborar críticas e posições políticas contra o fascismo. Otto Maria Carpeaux ficou conhecido mais tarde pela sua forte posição política contra os governos autoritários, especialmente depois do golpe de Ou seja, a sua posição antifascista ficou evidente a partir dos artigos publicados no jornal A Gazeta da Manhã, que foram influenciados, sem dúvidas, pela sua experiência pessoal de exilado e de fugido do governo nazista. Já Stefan Zweig, em seu livro Brasil, país do futuro, reconheceu as monstruosidades que a Europa estava seguindo, reforçando também a sua posição contra os governos autoritários. Zweig, além de reconhecer o drama da era dos extremos, reconheceu no Brasil uma nova forma de civilização, baseada na harmonia entre as etnias. O exílio forçado e o choque cultural que sofreram Stefan Zweig e Otto Maria Carpeaux reforçam o argumento do historiador italiano: a posição de estrangeiros, de apátridas e de desenraizados resulta em um observatório privilegiado dos cataclismos que afetam o mundo. 4 Os diferentes processos de assimilação, por outro lado, foram resultado de diferentes posições ao longo da vida. Tanto as posições políticas quanto as religiosas e culturais. Além das diferentes posições, podemos destacar que as grandes críticas que Stefan Zweig sofreu depois da publicação de seu livro Brasil, país do futuro, contribuíram imensamente para a depressão que estava tomando conta do autor desde a sua saída da Áustria. Por outro lado as críticas positivas e a abertura dos intelectuais cariocas encontrada por Otto Maria Carpeaux foram fundamentais para a sua assimilação positiva no Brasil. 3 TRAVERSO, E. op. cit Idem. P.237

7 Referências: [1]ARENDT, Hannah.,Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo:Companhia das Letras, [2]. Origens do Totalitarismo: Anti-semitismo Imperialismo Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras,1989. [3]KOIFMAN, F. Imigrante Ideal: O Ministério da Justiça e a entrada de estrangeiros no Brasil ( ). Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, [4]LINS, Álvaro. Otto Maria Carpeaux. Jornal Correio da Manha, Rio de Janeiro, 19. Abril n [5]PARADA, Mauricio. O Dever do Exilado. Revista de História da Biblioteca Nacional, n.91, p ,abril [6]PROCESSO DE NATURALIZAÇÃO de Otto Karpfen. AN SECAM Processo: 10345/1942. [7]SCHORSKE, Carl E. Viena fin-de-sciècle: política e cultura. São Paulo: Companhia das Letras, [8]TRAVERSO, Enzo. Exílio y Violencia Uma hermenéutica de La distância. In: TRAVERSO, Enzo.Historia como Campo de Batalla.México:Fondo de Cultura, [9]VENTURA, Mauro S. De Karpfen a Carpeaux. Rio de Janeiro: Topbooks editora e distribuidora de livros ltda, [10]ZWEIG, Stefan. O Mundo de ontem. Lisboa: Assírio & Alvim, [11]. Brasil, o país do futuro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, [12]. Diário dia 14,15 e 16 de agosto de 1936 In. Catálogo da exposição Brasil, um país do futuro, inaugurada na Casa Stefan Zweig, Petrópolis, Rj, 2012.

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português O Holocausto O Holocausto foi o extermínio de, aproximadamente, seis milhões de judeus pelos nazis

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

Outro retrato do Brasil: cultura e história na obra crítica de Otto Maria Carpeaux

Outro retrato do Brasil: cultura e história na obra crítica de Otto Maria Carpeaux Outro retrato do Brasil: cultura e história na obra crítica de Otto Maria Carpeaux Aluna: Nayara Fernandes Coelho Orientador: Prof. Dr. Maurício Barreto Alvarez Parada Este trabalho é o resultado de minha

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial 1. (Ufes) A Guerra Civil Espanhola (1936-1939), em que perderam a vida mais de 1 milhão de pessoas, terminou com a derrota dos Republicanos e com

Leia mais

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970)

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970) HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

Outro retrato do Brasil: cultura e história na obra crítica de Otto Maria Carpeaux Maurício Barreto Alvarez Parada

Outro retrato do Brasil: cultura e história na obra crítica de Otto Maria Carpeaux Maurício Barreto Alvarez Parada Outro retrato do Brasil: cultura e história na obra crítica de Otto Maria Carpeaux Maurício Barreto Alvarez Parada Nascido Otto Karpfen, de pai judeu e mãe católica, Carpeaux cresceu e se educou na cosmopolita

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida Sumário 3. Para uma -pologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.3. A unificação da Alemanha e as origens do nacionalismo alemão 3.4 A unificação italiana e o Rissorgimento 3.5 Crise dos impérios

Leia mais

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória PRECONCEITO RACIAL O QUE É PRECONCEITO? Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. O preconceito

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

PROJETO: A PROPAGANDA NAZISTA E A POPULAÇÃO ALEMÃ

PROJETO: A PROPAGANDA NAZISTA E A POPULAÇÃO ALEMÃ Universidade Federal do Ceará Centro de Humanidades Departamento de História Disciplina: Oficina de Ensino de História Geral II Prof. Mário Martins Viana Júnior Alunos: Aline Garcia Chaves Noronha Jonh

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A CONCEPÇÃO DO JORNAL DIÁRIO DE NOTÍCIAS APÓS A ASCENSÃO DE HITLER 1

A CONCEPÇÃO DO JORNAL DIÁRIO DE NOTÍCIAS APÓS A ASCENSÃO DE HITLER 1 120 A CONCEPÇÃO DO JORNAL DIÁRIO DE NOTÍCIAS APÓS A ASCENSÃO DE HITLER 1 Carlos Augusto Trojaner de Sá 2 Ricardo Moreira Vidal Santos 3 Resumo O presente artigo tem como objetivo principal analisar as

Leia mais

O conceito de amor em Agostinho

O conceito de amor em Agostinho Hannah Arendt 17 a coerção do caráter absoluto da verdade, seja da ciência, seja da filosofia, e ao mesmo tempo uma atitude que sabe como preservar e admirar as coisas do mundo e cuidar delas. Não teria

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DSCPLNA Curso: Licenciatura Plena em História Disciplina: História Contemporânea Carga Horária: 60h/a Teórica: Prática: Semestre: 2013.2 Professora: Tatiana Silva de Lima

Leia mais

FUNDAMENTAL II: RECUPERAÇÃO 1º SEMESTRE 2015 9º ANO

FUNDAMENTAL II: RECUPERAÇÃO 1º SEMESTRE 2015 9º ANO FUNDAMENTAL II: RECUPERAÇÃO 1º SEMESTRE 2015 9º ANO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Turma : 901/902 Prof. :NETINHA GRUPO 1 1. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Leia com atenção Páginas: 21,22 Tarefas propostas Páginas:

Leia mais

Formação do Estado de Israel

Formação do Estado de Israel Arão e Sara recebem de Deus Canaã para viverem e a promessa que sua família se transformaria em uma nação numerosa. Livro do Bereshit (Gênesis) - Torá1 17/04/2013 1 BANDEIRA DE ISRAEL 17/04/2013 2 Primeira

Leia mais

Fundador da Comunidade Judaica do Porto

Fundador da Comunidade Judaica do Porto Fundador da Comunidade Judaica do Porto Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor

Leia mais

o, liberdade e liberalismo

o, liberdade e liberalismo o, liberdade e liberalismo Presidente da Rep6blica Federativa do Brasil José Sarney Ministro da Educaçlo Marco Maciel Desejo agradecer ao Senhor Berger as generosas palavras aqui proferidas a meu respeito,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 9º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Marcus

GEOGRAFIA. Prof. Marcus GEOGRAFIA Prof. Marcus Migração e xenofobia Migração Trata-se de um fluxo de pessoas. Existe por diversos motivos, como: Fluxos globais, regiões superpovoadas, desemprego, desorganização, desigualdade,

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com Prof. Demóstenes Farias, MSc Demóstenes Moreira de Farias, MSc Graduação em Administração, UECE Especialização em Gestão de Negócios, USP/BNB Especialização em Geografia, FFM/PB Programa de Desenvolvimento

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima nona edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

MEMÓRIAS DO HOLOCAUSTO: ESTÓRIAS DA HISTÓRIA Yazid Jorge Guimarães Costa *

MEMÓRIAS DO HOLOCAUSTO: ESTÓRIAS DA HISTÓRIA Yazid Jorge Guimarães Costa * MEMÓRIAS DO HOLOCAUSTO: ESTÓRIAS DA HISTÓRIA Yazid Jorge Guimarães Costa * INTRODUÇÃO O tema central deste ensaio é analisar como são construídas diferentes memórias sobre um mesmo acontecimento, ou como

Leia mais

JUDEUS EM PORTUGAL DURANTE A II GUERRA MUNDIAL

JUDEUS EM PORTUGAL DURANTE A II GUERRA MUNDIAL A/453225 Irene Flunser Pimentel JUDEUS EM PORTUGAL DURANTE A II GUERRA MUNDIAL EM FUGA DE HITLER E DO HOLOCAUSTO Com a colaboração de Christa Heinrich a e/fera do/ livro/ ÍNDICE Introdução 17 Capítulo

Leia mais

A CRISE DE 1929. Linha de montagem Ford T

A CRISE DE 1929. Linha de montagem Ford T O MUNDO ENTRE GUERRAS: A CRISE DO LIBERALISMO RECAPTULANDO -Com o fim da Primeira Guerra Mundial a Alemanha derrotada no conflito, sofreu sérias punições no Tratado de Versalhes que acabou retalhando o

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Israel e o mundo Árabe

Israel e o mundo Árabe Israel e o mundo Árabe Leonardo Herms Maia¹ Regina Cohen Barros² Para uma compreensão espacial e econômica deste assunto, irei abordar temas principais que nos mostram como Israel se tornou uma grande

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

O exílio e a criação literária e artística

O exílio e a criação literária e artística Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Curso Breve 4ª edição O exílio e a criação literária e artística De 1 de Janeiro a de Março de 2010 1. Contexto Desde a sua primeira edição

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

História Fascículo 06 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 06 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 06 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História Geral A relação entre as guerras mundiais...1 Exercícios...2 Gabarito...4 História Geral A relação entre

Leia mais

Construindo a nova relação entre judeus e cristãos

Construindo a nova relação entre judeus e cristãos Os Doze Pontos de Berlim e A História da Transformação de um Relacionamento I Construindo a nova relação entre judeus e cristãos No verão de 1947, 65 judeus e cristãos de 19 países reuniram-se em Seelisberg,

Leia mais

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970).

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970). A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970). THAÍS TEIXEIRA DIAS DA CONCEIÇÃO* Este artigo pretende discutir sobre a resistência

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2 ACERVO, PATRIMÔNIO E MEMÓRIA: A DOCUMENTAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO DE VITÓRIA DA CONQUISTA EXISTENTE NO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO (LHIST/UESB) SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO NA EDUCAÇÃO MORAL

A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO NA EDUCAÇÃO MORAL A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO NA EDUCAÇÃO MORAL Aluna: Marina Passos Ribeiro da Silva Orientador: Marcelo Andrade Introdução O projeto de pesquisa em andamento é uma continuidade das investigações anteriores

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA 9º Ano História Planficação a Médio e Longo Prazo Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

HABILIDADE/SUB-HABILIDADE: Analisar o papel da justiça como instituição na organização das sociedades.

HABILIDADE/SUB-HABILIDADE: Analisar o papel da justiça como instituição na organização das sociedades. VESTIBULAR 2011 História EXPECTATIVAS DE RESPOSTAS Questão 5 COMPETÊNCIA: Compreender a produção e o papel histórico das instituições sociais, políticas e econômicas, associando-as aos diferentes grupos,

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

A modernidade e a crise dos direitos humanos: idealismo fútil e leviana hipocrisia

A modernidade e a crise dos direitos humanos: idealismo fútil e leviana hipocrisia A modernidade e a crise dos direitos humanos: idealismo fútil e leviana hipocrisia Davi Mendes Caixeta * Resumo Os direitos humanos, considerados como irrenunciáveis e inalienáveis desde sua afirmação

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: 11/08/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA De uma forma geral, a prova foi boa com questões claras e bem articuladas. Louvável a intenção de cobrar reflexões sobre a históriografia, bem como a de revisitar o passado a partir

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 9º ano Apostila 1: Segunda Revolução Industrial (características); Neocolonislimo; Brasil no século XX:

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Observe as tabelas e responda à questão. CARVÃO ano Grã-Bretanha alemanha estados unidos 1871 117 29 42 1880 147 47 65 1890

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

Uma introdução ao Totalitarismo

Uma introdução ao Totalitarismo Uma introdução ao Totalitarismo Esse trabalho se propõe a fazer uma breve introdução da obra: Origens do Totalitarismo de Hannah Arendt. O livro é dividido em três partes: Antissemitismo, Imperialismo

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. África

Professor Thiago Espindula - Geografia. África África A seguir, representação cartográfica que demonstra a localização da África, em relação ao mundo. (Fonte: www.altona.com.br) Europeus partilham a África A Conferência de Berlim, entre 1884 e 1885,

Leia mais

O III REICH COMO VITRINE DAS TEORIAS GEOPOLÍTICAS CLÁSSICAS: Os fundamentos de Ratzel e Haushofer.

O III REICH COMO VITRINE DAS TEORIAS GEOPOLÍTICAS CLÁSSICAS: Os fundamentos de Ratzel e Haushofer. O III REICH COMO VITRINE DAS TEORIAS GEOPOLÍTICAS CLÁSSICAS: Os fundamentos de Ratzel e Haushofer. Fabio Ferreira Ramos 1529 vivalafabio@hotmail.com GERES/Geografia - Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG).

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de História COMENTÁRIO GERAL: Foi uma prova com conteúdos de História do Brasil e História Geral bem distribuídos e que incluiu também questões de História da América

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I 15201-04 Introdução ao Estudo da História Introdução ao estudo da constituição da História como campo de conhecimento, ao longo dos séculos XIX e XX,

Leia mais

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial 2ª GUERRA MUNDIAL Novos estudos feitos por um historiador norte americano, revelam que os Estados Unidos teriam cogitado que as forças militares brasileiras, então em combate na Italia, ocupassem a Austria

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

Génese e implantação do fascismo. e do nazismo

Génese e implantação do fascismo. e do nazismo Génese e implantação do fascismo FASCISMO: - Regime político que vigorou em Itália de 1922 a 1945 e que influenciou fortemente outros países. - Símbolo: o fascio romano. e do nazismo NAZISMO: - Regime

Leia mais

O Rádio : Veículo de Integração na Curitiba da Década de 40

O Rádio : Veículo de Integração na Curitiba da Década de 40 O Rádio : Veículo de Integração na Curitiba da Década de 40 Ana Maria de Souza Melech Resumo O presente artigo busca discutir a atuação do rádio e do radiojornalismo como elementos de integração em Curitiba

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

As narrativas de fronteira e a construção de identidades

As narrativas de fronteira e a construção de identidades As narrativas de fronteira e a construção de identidades Diogo da Silva Roiz * Recebida em agosto e qprovada em outubro de HARTOG, François. Memória de Ulisses: narrativas sobre a fronteira na Grécia Antiga.

Leia mais

Liderança e ministérios de mulheres em Atos dos Apóstolos *

Liderança e ministérios de mulheres em Atos dos Apóstolos * 1 Liderança e ministérios de mulheres em Atos dos Apóstolos * Ivoni Richter Reimer Atos dos Apóstolos faz parte da obra de Lucas e foi escrito por volta do ano 90 (século I). Este livro testemunha sobre

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 9.º Turma: ABCDEF Data: / / 1 11 009 Física Prof. s Fernandes e

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.)

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.) 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 1 O DIA GABARITO 1 33 HISTÓRIA QUESTÕES DE 51 A 60 51. Analise o mapa e o texto a seguir: (Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em:

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

DOSSIÊ: EXÍLIOS: ETNOGRAFIAS DE CAMPOS DE REFUGIADOS PALESTINOS NO LÍBANO

DOSSIÊ: EXÍLIOS: ETNOGRAFIAS DE CAMPOS DE REFUGIADOS PALESTINOS NO LÍBANO DOSSIÊ: EXÍLIOS: ETNOGRAFIAS DE CAMPOS DE REFUGIADOS PALESTINOS NO LÍBANO 13 PAULO GABRIEL HILU DA ROCHA PINTO E GISELE FONSECA CHAGAS APRESENTAÇÃO A questão dos refugiados palestinos constitui um dos

Leia mais