Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde"

Transcrição

1 Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde Organizadores: Abílio José Ribeiro de Castro Maria Emi Shimazaki

2 A Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, em seus 60 anos de existência, vem cumprindo sua missão institucional com relevante contribuição para a formação de recursos humanos para o Sistema de Saúde. Com a possibilidade da implementação desse projeto PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE apostamos que diversos setores sociais poderão se apropriar desse instrumento organizado de forma clara e acessível, retrato de nossas ações sempre construídas com o olhar da pratica em saúde. Esperamos que os protocolos aqui sugeridos se agreguem ao nosso cotidiano, de forma reflexiva e crítica, contribuindo para o fortalecimento dos princípios e diretrizes do sistema único de saúde. Águeda Amorim Corrêa Loureiro de Souza Divisão de Ensino e Desenvolvimento ESP/MG ISBN ESP-MG ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DE MINAS GERAIS

3 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DE MINAS GERAIS Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde

4

5 Abílio José Ribeiro de Castro Maria Emi Shimazaki [Organizadores] Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde Belo Horizonte, 2006

6 Copyright 2006 by Abílio José Ribeiro de Castro, Maria Emi Shimazaki Projeto gráfico, editoração eletrônica e produção gráfica Editora Gutenberg Revisão Vera Lúcia De Simoni Castro 2006 Todos os direitos reservados à Escola de Saúde. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida, seja por meios mecânicos, eletrônico, seja via cópia xerográfica sem a autorização prévia da Escola de Saúde de Minas Gerais. Escola de Saúde Pública de Minas Gerais Avenida Augusto de Lima, Barro Preto Belo Horizonte MG Tel. (31) Castro, Abílio José Ribeiro de C355p Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde / organizado por Abílio José Ribeiro de Castro e Maria Emi Shimazaki. Belo Horizonte : Escola de Saúde Pública, p. ISBN Saúde pública-brasil. I. Título. CDU 614(81)

7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... INTRODUÇÃO... ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE O problema central: a dificuldade de acesso dos usuários aos serviços de saúde... Conceituando o acolhimento... Pactuando os princípios do acolhimento... Formulando o acolhimento... Organizando o atendimento... O trabalho da equipe de saúde... A avaliação do estado de saúde... O gerenciamento da queixa OS PROBLEMAS DE SAÚDE MAIS COMUNS NO AMBULATÓRIO Alcoolismo Cefaléia Depressão Diarréia Dispepsia Disúria Doenças de pele Doenças infecciosas

8 Doenças sexualmente transmissíveis Hanseníase Hepatite Leptospirose Parasitoses intestinais Tuberculose Lombalgia Obstipação intestinal Prostatismo Sangramento digestivo Tabagismo Transtornos ansiosos Referências PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE 6

9 APRESENTAÇÃO Quando a Escola de Saúde Pública de Minas Gerais foi procurada pelo Dr. Antônio Jorge, do Consórcio Intermunicipal de Saúde Pé da Serra, e fiquei responsável pela coordenação do Projeto de desenvolvimento dos Protocolos da Atenção Básica, deparei-me com um grande impasse e, por que não dizer, com certo preconceito com os tais protocolos. Como médico e psiquiatra, com marcadas influências na formação de saberes oriundos do campo das ciências humanas, é compreensível e natural, uma grande resistência aos procedimentos padronizados, e o receio de sua interferência na liberdade para o exercício da clínica, tanto no diagnóstico, quanto nas escolhas terapêuticas. Por outro lado, como profissional atuante no campo da tecnologia de informação e da gestão em saúde, é bastante clara e fundamental a necessidade de padronização de procedimentos e conseqüentemente dos dados a serem passados para os sistemas. Caso isto não ocorra, teremos invariavelmente uma vasta coleção de dados, que nunca se transformam em informação. Como acredito serem estes, pensamentos comuns a respeito de protocolos, pretendo a título de introdução, apresentar um argumento, que foi se tornando claro no decorrer do trabalho, e que acabou por me convencer definitivamente da necessidade dos protocolos, enquanto estabelecedor de um fator de segurança, quer seja na prática clínica diária, ou na gestão. Imaginemos um cenário comum nos serviços de saúde, quer sejam de serviços eletivos ou urgência: Uma sala de espera cheia, atendimentos acontecendo nos consultórios, e com certeza, na espera cheia, uma ou mais pessoas, entendendo que o seu caso é o mais urgente ou prioritário sobre os demais. Uma situação potencialmente explosiva, por vários elementos, vejamos: O tumulto no entorno do atendimento, gerando tensão e ambiente de trabalho estressante; 7

10 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE O atendimento pela ordem de marcação ou chegada, pode não corresponder ao caso que realmente necessita de uma resposta mais imediata, o médico e ou a gestão podem ser responsabilizados nos casos de alguma fatalidade; A pressão de demanda, forçando o atendimento rápido, propiciando maior chance de ocorrência de erros no atendimento ou no seu entorno. A pressão explica o erro, mas pode não justificá-lo, por exemplo frente à justiça na apuração de responsabilidades. Em outros tempos os atos de saúde e a própria figura do médico eram intocáveis, mas hoje, e cada vez mais, o fato é que os primeiros a serem questionados como responsáveis por qualquer fatalidade nas práticas de saúde serão o medico e o gestor de saúde, nesta ordem geralmente. Vejamos pois, como um protocolo pode auxiliar no cenário descrito. Um requisito que um sistema baseado em protocolos deve atender, em especial nos serviços de saúde, é que os mesmos cubram um conjunto significativo de práticas do serviço, ou seja o acolhimento e os procedimentos de maior incidência e prevalência na prática diária. Conseqüentemente o conjunto de protocolos serve como um organizador da demanda, triando os casos que chegam, distribuindo-os em uma escala de prioridades, definindo seus encaminhamentos, funcionando como um organizador (pacificador) da espera. Uma outra exigência que um protocolo, antes de ir a prática passe por um processo de validação, ou seja, que suas práticas sejam reconhecidas como corretas pelas sociedades profissionais e a comunidade acadêmica. Conseqüentemente as práticas realizadas no serviço, enquanto baseadas em protocolos, têm como pressuposto ser uma adequada opção clínica e estará respaldada pelas instituições que a legitimam. No caso de um insucesso terapêutico, uma possibilidade sempre possível, temos as mesmas tanto na justificativa das decisões como no compartilhamento das responsabilidades. Esperamos que este livro possa ser de alguma ajuda na implantação e utilização de protocolos clínicos, quer seja para o gestor como para o profissional na ponta do atendimento. Abílio José Ribeiro de Castro Médico Psiquiatra, especialista em Psiquiatria Social 8

11 INTRODUÇÃO Este texto é conseqüência de um trabalho desenvolvido pela Escola de Saúde Pública para o Consórcio Intermunicipal de Saúde Pé da Serra, da Zona da Mata em Minas Gerais. O objetivo inicial do consórcio era a padronização de um conjunto de rotinas para os quadros clínicos de maior ocorrência nos serviços de atenção básica à saúde. Mais uma característica da demanda do consórcio era a de que essas rotinas se apresentassem como fluxos de decisão para que pudessem integrar um sistema informatizado a ser desenvolvido. Nessa mesma ocasião, a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais vinha trabalhando no desenvolvimento de linhas-guias, estruturadas por ciclo de vida saúde da criança, do adolescente, do adulto e do idoso abordando aspectos relacionados à promoção da saúde, à prevenção de doenças/agravos, ao manejo clínico das principais doenças, além da coordenação da atenção e do sistema de informação gerencial. O protocolo clínico é um instrumento de gestão da clínica que, sob a forma de uma documentação sistematizada ou de algoritmos, normaliza o padrão de atendimento à saúde em um ponto de atenção. Provê ainda o respaldo institucional, fornecendo aos profissionais de saúde maior segurança, além do suporte para a educação permanente da equipe de saúde e de comunicação com os usuários dos serviços de saúde. O Protocolo Clínico para Unidades Básicas de Saúde é uma resposta à demanda dos profissionais e gestores de saúde dos municípios do consórcio que relacionaram os principais problemas enfrentados pelas equipes de saúde. Os problemas listados diziam respeito a patologias e também a questões relacionadas à organização do processo de trabalho das equipes de saúde, em especial ao enfrentamento da fila nas Unidades Básicas de Saúde. Por esse motivo, o Protocolo está estruturado em duas partes, a primeira acolhimento: solidariedade e eqüidade diz respeito ao acolhimento ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 9

12 dos usuários pelas equipes de saúde e a organização do processo de trabalho, tendo como princípios à viabilização do acesso com eqüidade e solidariedade. A segunda parte As patologias mais comuns no ambulatório aborda as patologias mais freqüentes ou de relevância no ambulatório das Unidades Básicas de Saúde, destacando de forma sumária os pontos relacionados: à epidemiologia, ao quadro clínico, ao exame físico, ao diagnóstico, ao tratamento das doenças e ao encaminhamento, quando necessário, a outros pontos de atenção. Espero que este documento possa contribuir com o trabalho das equipes de saúde, impactando positivamente na melhoria de qualidade e resolubilidade clínica dos serviços prestados. Maria Emi Shimazaki Médica, Pediatra, especialista em Saúde Pública e Gestão e Marketing de Serviços de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE 10

13 ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE O problema central: a dificuldade de acesso dos usuários aos serviços de saúde As filas nos pronto-socorros, pronto-atendimentos e nas unidades de saúde, lamentavelmente, são cenas comuns em nosso cotidiano. E as histórias se repetem: pessoas exaltadas reclamando pelos longos períodos de espera, e os diretores dos pronto-socorros e pronto-atendimentos dizendo que a maioria dos casos que lá se encontram deveriam ser atendidos nas unidades básicas de saúde, já que não se caracterizam como emergência. No entanto, ao ouvir os gerentes e os profissionais das unidades básicas de saúde, têm-se como justificativa: a escassez e a inadequação dos recursos humanos, materiais, administrativos e financeiros para atender à demanda. Ao analisar mais atentamente o atendimento nas unidades básicas de saúde, também se observam: os cartazes nas portas das unidades, informando o número limitado de consultas médicas; a distribuição de senhas, por ordem de chegada, sem ofertar outras alternativas, sem avaliar a gravidade e o risco; as agendas restritivas e as respostas lacônicas: Não tem consulta, não tem agenda, o doutor não pode atender, enfim, a cultura do não. As conseqüências para os usuários são perversas: imensas filas, salas e corredores abarrotados, longos períodos de espera, por vezes sem resposta. As filas nos pronto-socorros resultam da incapacidade das unidades de saúde em garantir o acesso e em se viabilizar como a porta de entrada dos usuários ao sistema de serviços de saúde. Apesar da expansão de unidades básicas de saúde e das equipes de saúde da família nos municípios, não se consegue assegurar o acesso com eficácia e atender às necessidades dos cidadãos. Entretanto, constatar o problema não é suficiente para imprimir as mudanças necessárias. É preciso empenhar-se na construção de estratégias que promovam as mudanças no cotidiano dos serviços. 11

14 Faz-se necessário, portanto, a adoção de novas práticas, com o desenvolvimento de habilidades, capacidades e competências gerenciais, técnicas e de relacionamento, exigindo ampla mobilização dos profissionais de saúde, dos gestores e da sociedade civil para viabilizar o acesso, com eqüidade e solidariedade, através do acolhimento dos cidadãos. Conceituando o acolhimento O acolhimento tem como propósito identificar a população residente e o território de abrangência da unidade básica de saúde, reconhecer os problemas de saúde, organizar a porta de entrada e viabilizar o primeiro contato através da equipe de saúde, humanizando o atendimento e alcançando a satisfação do usuário. Tem como objetivo receber, escutar e oferecer atenção oportuna, eficaz, segura e ética aos cidadãos. A prática do acolhimento fundamenta-se no trabalho integrado, no comprometimento de toda a equipe de saúde, e não apenas de um grupo de profissionais, numa parte do processo de trabalho. O acolhimento não deve ser entendido como um procedimento isolado realizado pela enfermagem ou por parte da equipe, como um mecanismo de triagem, ou como um trabalho na sala de espera da unidade básica de saúde. O acolhimento modifica a lógica do atendimento, por ordem de chegada, na fila de espera da unidade de saúde, por um processo de identificação da clientela em situação de emergência ou de maior risco, priorizando-a para atendimento imediato, procurando, assim, diminuir a possibilidade de agravamento. Viabiliza também o atendimento das demais pessoas de forma organizada e racional, através da atenção agendada e programada. PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Pactuando os princípios do acolhimento Acolher não é tarefa fácil, uma vez que implica a mudança da cultura organizacional, resultando na quebra das barreiras ao acesso, na agilização do atendimento e na responsabilização por parte das equipes, pela atenção primária da população adscrita às unidades básicas de saúde. Mas, para que a equipe de saúde possa reorganizar a sua prática assistencial e estabelecer novo processo de trabalho, faz-se necessário o desenvolvimento de novas tecnologias em saúde. Entre elas, encontram-se as tecnologias da gestão da clínica as linhas-guias, os protocolos clínicos, a gestão de patologias, a gestão de casos, o prontuário da família e o sistema de informação gerencial com o intuito de instrumentalizar os profissionais, 12

15 estabelecendo um conjunto de atividades, desempenhos e fluxos, para a reorganização dos processos de trabalho nas unidades de saúde. Propõe-se também uma mobilização e o estabelecimento de um pacto em prol do acolhimento entre as equipes de saúde, o gestor e o Conselho Local de Saúde, além de outras representações da sociedade civil, com vistas à consolidação de um serviço que prime pelos princípios de solidariedade, eqüidade e ética social. Formulando o acolhimento Se o acolhimento pudesse ser expresso em uma fórmula, seria: A = (A + A )H c cs t em que: A c = Acolhimento A cs = Acessibilidade A t = Atendimento H = Humanização A acessibilidade é o elemento estrutural do acolhimento e diz respeito à disponibilidade, à comodidade, ao custo e à aceitabilidade do serviço pelo usuário/comunidade. Exemplificando: o serviço está disponível no horário em que o usuário precisa de atendimento? Existe barreira ou física que dificulte/impossibilite o acesso ao serviço? O custo do transporte coletivo é um impeditivo para acessar o serviço? O serviço é aceito pela comunidade? O atendimento é o elemento processual do acolhimento e implica responsabilidade; reconhecimento do problema pelos profissionais; identificação e proteção ao cidadão/família em risco; comunicação entre profissional/ equipe e usuário; continuidade pessoal; qualidade da atenção clínica e registros adequados do atendimento (prontuário). Portanto, ao discutir a humanização nos serviços de saúde, há que se analisar os aspectos relacionados à acessibilidade aos serviços e ao atendimento realizado pelos profissionais e pelas equipes de saúde. A humanização deve resultar na quebra ou na minimização das barreiras geográficas, físicas e organizacionais, transformando os ambientes em locais mais acolhedores, racionalizando e otimizando os processos de trabalho, melhorando a comunicação, com vistas à efetivação do vínculo entre o profissional, a equipe, o usuário e a comunidade. ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 13

16 Organizando o atendimento ORGANIZANDO AS FORMAS DE ACESSO E O FLUXO DO USUÁRIO O acolhimento inicia-se com o reconhecimento das pessoas/famílias adscritas à unidade básica de saúde (UBS), num processo de territorialização, identificando os problemas de saúde. Valendo-se das diretrizes estabelecidas nas Linhas-Guias, propõe-se o dimensionamento dos serviços e a organização dos processos de trabalho na UBS. Com o objetivo de organizar as formas de acesso do usuário na UBS, propõe-se didaticamente a classificação em: Atenção à demanda espontânea; Atenção programada. Em qualquer horário, todas as situações de emergência deverão ser atendidas de imediato pela equipe de saúde. As situações que não se caracterizam como emergência deverão ter a queixa avaliada pelo profissional que poderá atendê-lo de imediato, ou agendar uma consulta, ou encaminhá-lo para outro ponto de atenção, dependendo da sua necessidade e também da disponibilidade do serviço. Na atenção programada, procurar-se-á respeitar o critério de adscrição da clientela em relação à equipe do PSF, ou seja, o usuário deverá, preferencialmente, ser atendido pelo médico ou pelo enfermeiro de sua área de moradia. PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Atenção à demanda espontânea: Tem como objetivo identificar e atender o evento agudo, que exija intervenção imediata. Ao iniciar o atendimento na unidade básica de saúde, um membro da equipe deve fazer uma rápida explanação sobre a organização do serviço, apresentando os diversos serviços oferecidos pela unidade. No segundo momento, passa-se a identificar os usuários, sendo solicitado a cada um que explicite qual o motivo de sua procura ao serviço. A identificação deve priorizar inicialmente as gestantes, as crianças e os idosos. Os usuários que têm retornos de consultas/atendimentos agendados, vacinas, curativos, exames, entre outros, devem ser encaminhados para os setores correspondentes. Os usuários que vêem para consulta, por DEMANDA ESPONTÂ- NEA, devem ser abordados por um profissional para a identificação rápida das queixas e a detecção de SINAIS DE ALERTA. 14

17 Os SINAIS DE ALERTA sinalizam os casos que apresentem maior gravidade, dentro do pressuposto de que a ausência do atendimento possa acarretar o agravamento do quadro clínico, impondo dessa forma a necessidade imediata da consulta. Portanto, a presença de um ou mais SINAIS DE ALERTA aponta para a necessidade de consulta imediata. Na ausência de SINAIS DE ALERTA, o profissional deve analisar a necessidade do usuário e oferecer um atendimento ou consulta agendada, compatibilizando a disponibilidade do usuário e do serviço. A partir do atendimento, o usuário poderá receber um tratamento sintomático, ou ter a continuidade do tratamento ambulatorial, ou ficar em regime de observação, ou ser internado para tratamento hospitalar ou ainda ser transferido para tratamento em outro serviço de maior complexidade. O atendimento à demanda espontânea deverá ocupar as primeiras horas de atendimento do profissional, devendo ser estabelecido o número máximo de consultas para cada profissional. O atendimento à criança: Avaliar a criança conforme a faixa etária: até 1 mês e 29 dias, 2 meses 11 meses e 29 dias, 1 ano 1 ano, 11meses e 29 dias, 2 anos 5 anos. É importante lembrar que, na criança doente, quanto menor a faixa etária, maior poderá ser o risco de vida. Diante da queixa apresentada pela mãe e da avaliação do profissional de saúde, pode-se identificar os SINAIS DE ALERTA nas crianças de até 5 anos: Sinais de alerta nas crianças de até 5 anos de idade: Sinais gerais de perigo: não ingesta de alimentos ou líquidos; vômitos incoercíveis; convulsões; letargia e inconsciência. Queixas respiratórias: taquipnéia; tiragem subcostal; estridor em repouso; batimentos das asas do nariz. Diarréia: letargia ou inconsciência; olhos fundos; sinal da prega (retorna muito lentamente); sangue nas fezes ou diarréia há 14 dias ou mais; Febre: febre ou hipotermia (<35,5 o C) em crianças menores de 2 meses de idade; rigidez de nuca; petéquias; abaulamento de fontanela. ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 15

18 Ouvido: tumefação dolorosa ao toque da orelha; secreção purulenta no ouvido independentemente do tempo. Nutrição: emagrecimento acentuado; edema de pés; palidez palmar grave; não conseguir se alimenta. Outras: pústulas grandes ou extensas e dor à manipulação. Em crianças menores de 2 meses de idade: umbigo eritematoso e/ou secreção purulenta; pústulas na pele; problemas de alimentação ou peso baixo. O ATENDIMENTO À CRIANÇA POR DEMANDA ESPONTÂNEA: Aos menores de 2 meses mesmo sem queixa e sem problemas identificados pelo profissional será sempre garantido o atendimento. As crianças de até 5 anos de idade que apresentarem um ou mais SINAIS DE ALERTA deverão ter sua consulta imediata assegurada. Para as crianças que não apresentarem SINAIS DE ALERTA: se houver disponibilidade de consultas de enfermagem ou médicas, podese atendê-las no mesmo turno, ou então agendar as consultas na puericultura pelo médico ou pela enfermeira da família. Se a consulta for agendada, é necessário que o profissional oriente a família que, em presença de SINAIS DE ALERTA e/ou piora do quadro, deve procurar o serviço imediatamente. As crianças acima de 5 anos deverão ser avaliadas com base nas queixas apresentadas e no estado clínico geral. Na presença de SI- NAIS DE ALERTA, as crianças devem ser atendidas de imediato e, na ausência desses, devem ter o atendimento agendado com o médico ou o enfermeiro da família. PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE O atendimento à gestante: A gestante que apresentar qualquer intercorrência (ex. sangramento, contrações uterinas, pico hipertensivo, ausência de movimentos fetais, hiperêmese, ITU, pneumonia, etc) e/ou SINAIS DE ALERTA deverá ter atendimento imediato. Toda a gestante deverá ter sua consulta agendada e acompanhada no pré-natal da unidade básica de saúde, conforme as diretrizes estabelecidas na linha-guia Viva a Vida: Pré-Natal, Parto e Puerpério. O atendimento ao adolescente, ao adulto e ao idoso: Da mesma forma que as crianças, o atendimento por demanda espontânea para os adolescentes, os adultos e os idosos deverá ser 16

19 pautado pela avaliação da queixa apresentada e o estado clínico geral. Uma vez, apresentando um ou mais SINAIS DE ALERTA, devem ser atendidos de imediato, e, se apresentarem baixo risco, devem ter o atendimento agendado com o médico ou o enfermeiro da família. FLUXOGRAMA 1 ATENÇÃO À DEMANDA ESPONTÂNEA ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 17

20 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE A Atenção Programada: Com o acolhimento, procura-se organizar o serviço através da demanda programada, pautando-se não mais pelos eventos agudos, mas pela abordagem dos problemas crônicos e/ou condições crônicas. A Atenção Programada abrange todos os ciclos de vida dos indivíduos/famílias desde o nascimento à velhice estruturados pelas das Linhas-Guias e operacionalizados por redes integradas de atenção, com o objetivo de promover a saúde, identificar precocemente e controlar as patologias de relevância, prestar assistência de forma integrada e resolutiva. Para a Atenção Programada, serão destinados atendimentos e consultas agendadas, em cada turno de atendimento, estabelecendo-se o limite máximo de consultas por turno. Os quantitativos de consultas e atendimentos programados deverão ser calculados valendo-se dos parâmetros estabelecidos na Planilha de Programação das Linhas-Guias da SESA de Minas Gerais. O horário destinado para as consultas agendadas será aquele imediatamente após as consultas de demanda espontânea. Os usuários devem ser avisados do seu horário em cartão de aprazamento, evitando o acúmulo de todas as pessoas nos mesmos horários e os longos períodos de espera. As diretrizes para a Atenção Programada estão contidas nas LI- NHAS-GUIAS DA SESA DE MINAS GERAIS. A organização do atendimento dar-se-á de acordo com os ciclos de vida: SAÚDE DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE, DA GESTAN- TE, DO ADULTO E DO IDOSO. Dar-se-á também por patologias de maior relevância: HIPERTEN- SÃO, DIABETES, TUBERCULOSE, HANSENÍASE, CÂNCER, TRANSTORNOS MENTAIS, DST/Aids. Além da SAÚDE BUCAL E MENTAL. 18

21 FLUXOGRAMA 2 ATENÇÃO PROGRAMADA ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 19

22 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE A atenção fora do ambiente da unidade básica de saúde: Encaminhando a outro serviço: Durante o atendimento, pode-se constatar a necessidade de encaminhamento para outro ponto de atenção. Ex. interconsulta, referenciamento, internamento. Nos casos de emergência, o encaminhamento dar-se-á de forma a salvaguardar a vida do usuário, com ética, segurança e a maior agilidade possível. Vale lembrar que 90% dos casos que procuram uma unidade básica de saúde podem ser resolvidos pela atenção primária. Portanto, devese ter todo o cuidado de não transformar a unidade básica de saúde num balcão de encaminhamento para consultas especializadas. Na INTERCONSULTA, o profissional da unidade básica de saúde é responsável pelo cuidado e pode solicitar uma consulta com o profissional especialista, por exemplo, para confirmar o diagnóstico, solicitar uma segunda opinião, solicitar exames especializados, entre outros casos. Na INTERCONSULTA, após a consulta com o especialista, o usuário retorna para a unidade básica de saúde, com um plano de cuidado, para a continuidade do cuidado com o profissional da Atenção Primária à Saúde. No REFERENCIAMENTO, o profissional especialista é responsável pelo cuidado do usuário por um período de tempo, e o profissional da unidade básica tem papel auxiliar. Após o controle da patologia/condição, o especialista deve retornar o usuário para a unidade básica de saúde, com um plano de cuidado, para a continuidade com o profissional da Atenção Primária à Saúde, assinalando o aprazamento, caso haja a necessidade de retorno para o atendimento especializado. 20

23 FLUXOGRAMA 3 ENCAMINHAMENTO PARA SERVIÇO ESPECIALIZADO ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 21

24 AS VISITAS, OS ATENDIMENTOS DOMICILIARES E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O Programa Saúde da Família pressupõe uma assistência centrada na saúde, e não apenas voltada para a doença e, portanto, visa intervir diretamente nas condições de vida das famílias/comunidade. Desta forma, as visitas e os atendimentos domiciliares são instrumentos importantes na mudança dessa prática, na medida em que possibilita uma ação pró-ativa na identificação dos problemas e, portanto, na promoção da saúde e na prevenção de doenças. O acolhimento deve iniciar com o processo de identificação e cadastramento das famílias no domicílio, pela equipe de saúde, em especial pelo Agente Comunitário de Saúde (ACS). A identificação e a captação do usuário/família portadora de patologia/condição, pelos profissionais de saúde, deve ser pró-ativa e pode se dar com base na aplicação dos instrumentos como Genograma, FIRO, PRACTICE, Lista de Problemas do Prontuário da Família, entre outros. As atividades de educação em saúde devem ser estruturadas e direcionadas à clientela-alvo, para que, gradativamente se tenha uma comunidade mais consciente da responsabilidade para com a saúde e de seus direitos. As atividades de educação em saúde têm como objetivo a mudança positiva e a incorporação de hábitos saudáveis de vida pelos indivíduos/famílias/comunidade. O trabalho da equipe de saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Este capítulo é constituído por quadros que identificam as atividades e o desempenho dos profissionais de saúde nas Unidades Básica de Saúde (UBS). Entende-se por atividade, o conjunto de operações que constitui uma parcela da atribuição, responsabilidade e dever compatível com a função e desempenho profissional. Objetivou-se nortear as atividades realizadas pela equipe de saúde, bem como fornecer instrumento para o acompanhamento e a avaliação do desempenho das atividades descritas. As atividades realizadas na UBS englobam: pré-recepção, recepção, consulta, programas, procedimentos, pós-consulta, visitas domiciliares, atuação nos conselhos locais, na comissão de saúde, nos grupos comunitários e nos demais segmentos da sociedade, organização do processo de trabalho, treinamento em serviço e supervisão dos agentes comunitários. 22

25 ATIVIDADES E DESEMPENHOS DOS PROFISSIONAIS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE QUADRO 1 ATIVIDADE E DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 23

26 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE 24

27 ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 25

28 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE 26

29 ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 27

30 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE 28

31 ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 29

32 PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE 30

33 ACOLHIMENTO: SOLIDARIEDADE E EQÜIDADE 31

34 A avaliação do estado de saúde Neste capítulo, procurou-se estabelecer um roteiro para avaliação do estado e das condições de saúde do cidadão, no ambulatório, além de apresentar um glossário, que continha os principais sinais e sintomas, respeitando a Classificação Internacional das Práticas de Enfermagem do Conselho Internacional de Enfermeiros. O roteiro tem como finalidade fornecer subsídio para a realização do Atendimento de Enfermagem, apontando para os principais sinais e sintomas, dando elementos para a identificação da gravidade da patologia ou agravo, direcionando para a resolubilidade do atendimento. ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO INICIAL DOS CIDADÃOS NAS UNIDADES DE SAÚDE Preparo do ambiente: Lavar as mãos antes e após cada procedimento; Utilizar equipamento de proteção individual de acordo com a área ou o procedimento a ser realizado; Preparar o material necessário para a realização do atendimento/ procedimento; Manter as técnicas de assepsia para prevenir infecção cruzada; Verificar se a área física, o material e os equipamentos encontram-se em condições para realização do procedimento/atendimento; Ao término do procedimento/atendimento, cuidar da limpeza e ordem do material, dos equipamentos, deixando o ambiente devidamente organizado. PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Humanização no trato com o cidadão: Apresentar-se ao cidadão, se pertinente; Cumprimentá-lo; Chamá-lo pelo nome; Manter a privacidade, durante a atividade; Orientar o cidadão quanto aos procedimentos a ser realizados; No atendimento pediátrico, verificar os dados com a mãe ou o acompanhante: orientar quanto ao objetivo, às técnicas e ao procedimento bem como favorecer a participação nas ações desenvolvidas com a criança; 32

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução ALEITAMENTO MATERNO I Introdução O incentivo ao aleitamento materno continua sendo um grande desafio em saúde pública, considerando-se o alto índice de desmame precoce e o grande número de óbitos infantis

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA - SAÚDE DA CRIANÇA

ÁREA TEMÁTICA - SAÚDE DA CRIANÇA ÁREA TEMÁTICA - SAÚDE DA CRIANÇA Elaboração: Ana Cecília Silveira Lins Sucupira Ana Maria Bara Bresolin Eunice E. Kishinami Oliveira Pedro Patrícia Pereira de Salve Sandra Maria Callioli Zuccolotto Colaboração:

Leia mais

Atendimento de retorno

Atendimento de retorno Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

1. Assistência à Saúde da Criança e do Adolescente

1. Assistência à Saúde da Criança e do Adolescente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS www.ufvjm.edu.br PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO DEPARTAMENTO: Enfermagem

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS

A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE TUTORIA UBS LABORATÓRIO A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS Manaus Novembro, 2013 PAUTA DE TRABALHO PAUTA Programação para

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM Prezado candidato(a), você recebeu o seguinte material: - um caderno de questões contendo 20 (vinte) questões objetivas,

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

Brasília - DF - Versão Julho/2012 -

Brasília - DF - Versão Julho/2012 - Brasília - DF - Versão Julho/2012-2 ALTERAÇÕES NO MANUAL INSTRUTIVO 1. Mudança no Título dos Indicadores 1.4 INDICADOR: Proporção de gestantes com pré natal no mês 1.6 INDICADOR: Razão entre exames citopatológicos

Leia mais

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO ENFERMAGEM DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Juliana Lima

Leia mais

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo:

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo: ASPECTO DO FORMULÁRIO: ACESSIBILIDADE NA UNIDADE DE SAÚDE 1) SOBRE ACESSIBILIDADE NAS DEPENDÊNCIAS DA UNIDADE: a) A unidade tem acessibilidade em todos os ambientes? (i) Onde não há? b) Todas as entradas

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

D I Á R I O O F I C I A L

D I Á R I O O F I C I A L D I Á R I O O F I C I A L DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ESTADO DO ESPÍRITO SANTO w w w. c a c h o e i r o. e s. g o v. b r ANO XXXX - Cachoeiro de Itapemirim - Quarta- Feira 18 de Janeiro de

Leia mais

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE Linhas de cuidado E a integralidade na atenção à saúde da mulher KARINA CALIFE Linha de Cuidado da Gestante e da Puérpera no SUS SP KARINA CALIFE DIRETRIZES POLÍTICAS - ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER Respeito

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Preparando a casa para receber o bebê

Preparando a casa para receber o bebê Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Vamos ensinar aos pais os direitos das crianças? Está chegando a hora do bebê nascer. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 2,34 mg/ml cloreto de potássio 1,49 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 1,96 mg/ml glicose 19,83 mg/ml 6 cloreto

Leia mais

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Monitoramento das Doenças Diarréicas

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

Atenção Pós-natal para Mães e Recém-nascidos (Destaques do Guia da OMS)

Atenção Pós-natal para Mães e Recém-nascidos (Destaques do Guia da OMS) Outubro/2015 N 39 Atenção Pós-natal para Mães e Recém-nascidos (Destaques do Guia da OMS) O período pós-natal constitui um período crítico da vida de mães e recém-nascidos. A maioria das mortes maternas

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:: Sem

Leia mais

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações 147 Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações Visita domiciliar de APS Monitorização do crescimento Imunizações Terapia de reidratação oral Planejamento familiar Módulo 6: Qualidade do

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Tabela 1: Documento para comprovação das ações das equipes de AB Módulo Módulo Documento Documento que conste o CNES da UBS, o código de área

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Apêndice C: Avaliação da qualidade dos serviços Diretrizes de discussão

Apêndice C: Avaliação da qualidade dos serviços Diretrizes de discussão 123 Apêndice C: Avaliação da qualidade dos serviços Diretrizes de discussão GERAL Visitas domiciliares de APS Educação para saúde ATENÇÃO MATERNA Pré-natal Parto seguro Pós-natal Planejamento familiar

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola

Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola Este material foi elaborado como forma de devolução de dados em pesquisa intitulada Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola realizada,

Leia mais

REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA

REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA Enfª Flavia Prestes Radioterapia Hospital Moinhos de Vento II SIMPÓSIO DE RADIOTERAPIA E FÍSICA MÉDICA Radioterapia no HMV Fundada em setembro de 2005. Nº de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ)

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância

AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância MINISTÉRIO DA SAÚDE AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância Curso de Capacitação Identificar o Tratamento Módulo 3 2.ª edição revista Série F. Comunicação e Educação em Saúde Brasília

Leia mais

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010)

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Diemel JM, Van den Hurk APJM, Muris JWM, Pijpers MAM, Verheij AAA, Kurver MJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde!

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! O Serviço Social da Construção Alimentação Saudável Quanto mais colorida for a sua alimentação, maior a presença de nutrientes no seu corpo e melhor será a sua saúde. 50%

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Preparando a casa para receber o bebê

Preparando a casa para receber o bebê Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Vamos ensinar aos pais os direitos das crianças? Está chegando a hora do bebê nascer. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml HIDRAFIX 90 Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 0,98 mg/ml glicose 20 mg/ml 16 HIDRAFIX 90 cloreto de

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

AV3. Ficha de Investigação de Óbito. Formulário 3. Autópsia Verbal. Causa mal definida. Pessoa com 10 anos ou mais

AV3. Ficha de Investigação de Óbito. Formulário 3. Autópsia Verbal. Causa mal definida. Pessoa com 10 anos ou mais MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Formulário 3 Autópsia Verbal AV3 Pessoa com 10 anos ou mais Ficha de Investigação de Óbito Causa mal definida

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE Protocolo de atendimento inicial ao trauma José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE TRIAGEM Significa seleção, estratificação de risco Protocolo de Classificação de Risco para priorização dos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012 6º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda Espontânea na Atenção Básica em Saúde: A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

A família acolhe a mãe e o bebê em casa

A família acolhe a mãe e o bebê em casa Mãe e bebê em casa A família acolhe a mãe e o bebê em casa Hoje vou ter uma nova idéia A família deve receber mãe e bebê num ambiente de amor e respeito. Cuidado e protegido, o bebê se sente seguro e com

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência:

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: PROVA OBJETIVA Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015 Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: Fique atento para as instruções abaixo: - As questões a

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Governo do Estado da Bahia Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira Solla Superintendência de Atenção

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais