ERGONOMIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS: Saber prático e objetivação do conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERGONOMIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS: Saber prático e objetivação do conhecimento"

Transcrição

1 ERGONOMIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS: Saber prático e objetivação do conhecimento Francisco de Paula Antunes Lima Departamento de Engenharia de Produção - UFMG - CP CEP: Belo Horizonte/MG Ergonomics is faced with theoretical and practical problems created by introduction of new technologies in production processes. In order to master them, it s necessary to explain the essential nature of automation in general and, specifically, the recently developed information technology. The analysis of work process transformations is the key to understanding the old and new forms of automation. We can also understand the place and roles of human work in automated production systems and the new constraints over the workers. Palavras-chaves: automation, information technology, activity 1. Questões relativas à novas tecnologias Os progressos recentes da automação na indústria de processos contínuos (IPC) e em outros setores (em especial, a robotização e a informatização de serviços) suscita várias e importantes questões a respeito da natureza da tecnologia e do trabalho humano. A IPC, desde cedo baseada num fluxo ininterrupto de materiais, aparece como paradigma para o qual tendem os processos industriais que começam a superar as etapas do trabalho manual e da mecanização. Graças à robótica, as indústrias baseadas em processos discretos (mecânica, eletro-eletrônica) adquirem certas características até então consideradas exclusivas das indústrias de propriedade: diminuição do trabalho direto ou imediato, sistemas técnicos com certa capacidade de autoregulação, sistemas informatizados de programação, gestão e controle interligados e em fluxo contínuo. Esses fenômenos e transformações recentes do processo de produção, em seus aspectos técnicos e organizacionais, despertam o interesse de várias disciplinas: economia política, sociologia do trabalho, psicologia do trabalho e a ergonomia. Em que pese reconhecer as especificidades dessas diferentes disciplinas quanto às perspectivas adotadas, delimitação dos problemas, métodos e conceitos, algumas indagações comuns perpassam os debates sobre as novas tecnologias. Neste texto, pretendemos tratar precisamente dessas questões de fundo, comuns a essas diversas disciplinas, cuja apropriado esclarecimento é condição necessária para abordar problemas práticos ou de ordem empírica. As seguintes questões se nos apresentam como fundamentais para entender os termos do debate contemporâneo sobre as novas tecnologias e seus efeitos sobre o trabalho: (1) a natureza específica da automação de base microeletrônica (ou flexível) (cf, em particular, Lojkine, 1996; Bouchut et al., 1982; Moraes Neto, 1995); (2) os limites da automação, em especial das tecnologias baseadas na inteligência artificial (cf. Dreyfus, 1984 ; Winograd e Flores, 1989; Collins, 1989 e 1992; Merchiers & Pharo, 1992, entre outros); (3) as novas formas de gestão, eficiência ou racionalidade compatíveis com a nova base tecnológica (Vatin, 1987; Zarifian, 1990 e 1995; Lojkine, 1996; Freyssenet, 1996a e b); (4) o lugar e a natureza do trabalho humano nos sistemas automatizados, em especial o debate sobre a (des)qualificação (além dos autores já mencionados, esta questão foi recentemente considerada por Clot, Rocheix e Schwartz, 1992; Clot, 1994; Kern & Schumann, 1984).

2 Estas questões fundamentais são, evidentemente, tratadas, por cada um desses autores, e em suas respectivas disciplinas, através de uma trama conceitual e de dados empíricos tão diversos que impossibilita, aqui, qualquer análise mais detalhada. Neste texto, portanto, limitamo-nos a esclarecer de uma perspectiva teórica os aspectos gerais dessas questões, orientando-nos inicialmente por aquela que parece ter a primazia - a natureza específica da automação flexível - e, a partir daí, derivando as implicações para as outras questões quanto aos limites da automação, lugar do trabalho humano, qualificação e novas formas de racionalização e princípios de gestão. Embora, por razões de espaço, tenhamos que assumir uma perspectiva generalizante, cumpre esclarecer que os argumentos apresentados resultam de intervenções e estudos realizados a partir da perspectiva da ergonomia, cujos resultados e critérios de validação conceitual e empírica deverão futuramente ser confrontados a cada uma das perspectivas acima mencionadas. 2. A Ergonomia diante das novas tecnologias A tese central pela qual nos orientamos neste trabalho pode ser assim formulada: a fase atual de automatização do processo de produção (automação flexível, baseada em tecnologias de informação) se insere no processo geral de objetivação do processo de trabalho, dando continuidade à mecanização e à automação de base eletro-mecânica. Entretanto, nesta linha de desenvolvimento geral da maquinaria e da automação, caracteriza-se por ser uma identidade da identidade da não-identidade, isto é, a automação flexível possui diferenças específicas que permitem caracterizá-la como uma etapa qualitativamente diferente da automação eletro-mecânica. Esta particularidade advém do fato de que a automação flexível incorpora uma nova dimensão - o do processamento de informações - de natureza abstrata, sobre a qual fundamentam-se as suas virtudes de flexibilidade. Não eqüivale, contudo, à simples substituição ou eliminação do trabalho humano, mas apenas daquelas funções os atos que de certa forma se assemelham ao funcionamento das máquinas ( atos maquinais, cf Collins, 1989). O trabalho humano guarda, assim, em caráter de exclusividade, outras funções que, longe de constituírem-se apenas em um último reduto inacessível aos sistemas técnicos informatizados/automatizados, algo como um resíduo ainda não automatizável, passam a desempenhar um papel essencial na racionalização desses processos intensivos em tecnologia. A atividade humana, de natureza subjetiva, adquire mais relevância, na medida mesma em que os atos maquinais do corpo e do espírito são objetivados em um sistema técnico. Em termos mais práticos, na medida em que o controle do processo baseado no tratamento de informações passa a ser incorporado ao dispositivo técnico, ganham relevância as atividades propriamente humanas: a interpretação do sentido e significado de eventos singulares e imprevistos que interrompem o fluxo do processo; a gestão de interrelações complexas; a definição de estratégias globais e sua atualização com a tomada de decisão em tempo real, atribuindo valores e critérios de eficácia do sistema; a melhoria contínua a partir da aprendizagem com erros e falhas cada vez mais raros e complexos, dificilmente redutíveis a modelos matemáticos ou estatísticos. Numa abordagem ergonômica clássica, as questões de natureza teórica, quando lembradas, são habitualmente consideradas e trabalhadas conforme se fazem necessárias a partir das análises empíricas. Em conformidade com esta abordagem empiricista, as questões anteriormente mencionadas são colocadas em termos de divisão de tarefas entre o homem e a máquina, como se tudo se resolvesse em regras de bom senso e admoestações aos engenheiros, sem necessidade de uma reflexão aprofundada sobre os limites entre um e outro e sobre a natureza essencial dos dois conjuntos de tarefas. (Para simplificar,

3 denominaremos os dois grupos de tarefas maquinais e de atividades humanas ). Neste caso, tais questões se colocam quando engenheiros, informáticos e ergonomistas se defrontam com as dificuldades encontradas na objetivação do saber prático dos trabalhadores (ou de especialistas), isto é, a transferência de saberes e conhecimentos para robôs e sistemas especialistas. Se se adota uma perspectiva pragmática, seria mera questão de tempo até que o aperfeiçoamento da técnica permita objetivar e transferir todas as atividades humanas para as máquinas. Não se põe jamais a questão de saber até onde é possível objetivar a atividade humana e quais, portanto, são os limites da automação. Sem uma reflexão sobre a especificidade da atividade humana em relação às atividades desempenhadas pelas máquinas, não se pode desenhar esses limites num duplo sentido: delinear os contornos que os separam e projetar as interfaces que facilitem a sua comunicação. Desatado esse nó górdio, será possível, reencontrando as análises e preocupações empíricas, definir orientações práticas para conceber o sistema homemmáquina. A propósito das novas tecnologias, esses limites se manifestam sobretudo em relação às possibilidades de objetivação do saber, questão já clássica entre os informáticos, partidários da inteligência artificial, e seus críticos (Dreyfus, 1984; Searle, 1984; Winograd & Flores, 1989; Collins, 1992). No campo da ergonomia, as próprias intervenções práticas que tomam como objeto a concepção e melhoria de sistemas informatizados de controle de processos contínuos defrontam-se com dificuldades que reclamam uma maior fundamentação teórica. Questões imediatas como a melhor forma de configurar uma tela de controle, a filtragem das informações apresentadas e dos alarmes, o grau de transparência das regras internas ao sistema, os conhecimentos (e finalmente o nível de qualificação) dos operadores, ainda não encontraram respostas apropriadas (para uma avaliação crítica, ver Keyser, 1988), e é provável que permaneçam assim até que outras tantas perguntas fundamentais não tenham sido respondidas. Estas por sua vez, se colocam como questões pertinentes e relacionadas aos problemas imediatos porque emergem de obstáculos práticos, cujas tentativas de superação, mais ou menos bem sucedidas, produzem uma ampla quantidade de informações que permitem fazer avançar a reflexão teórica. É neste redemoinho de problemas teóricos e dificuldades práticas que se situa a presente reflexão sobre a natureza essencial da automação flexível, valendo-se da contribuição dos estudos empíricos e conceitos desenvolvidos no campo da ergonomia e disciplinas afins. Enquanto os problemas predominantemente colocados à ergonomia estavam circunscritos ao projeto do posto de trabalho, incluindo aí as funções psicofisiológicas do trabalhador, a ergonomia dos fatores humanos ainda podia reivindicar uma certa eficácia na melhoria das condições de trabalho, notadamente nos aspectos relacionados às dimensões, posturas e esforços físicos, apresentação de informações (visibilidade, legibilidade) e manuseabilidade de comandos e controles. Nesta perspectiva tradicional, a relação homem-máquina é entendida de forma estática, ainda que sejam inclusos na concepção do posto de trabalho aspectos relacionados aos movimentos corporais (direcionamento de forças, zonas de alcance, etc.); variáveis temporais, como freqüência de movimentos, são traduzidas em parâmetros espaciais. Quando se trata, porém, de apreender as relações dinâmicas entre o indivíduo que trabalha e a situação de trabalho, ambos os termos mutáveis no tempo e no espaço, esta abordagem tradicional revela-se bastante limitada. Nesses casos, típicos das situações de trabalho criadas pelas modernas tecnologias de automação, a análise da atividade, tal como vem sendo desenvolvida pela ergonomia francofônica, encontra espaço e mostra-se rica em possibilidades.

4 3. Evolução do processo de trabalho Os estudos sobre a transformação do processo de trabalho, em especial aqueles oriundos da economia política, identificam uma direção evolutiva do processo de trabalho, segundo a qual se ordenam os diferentes níveis de automatização. Braverman (citando R. Bright) identifica 17 níveis de mecanização, do processo de trabalho manual aos sistemas automáticos, capazes de prever e ajustar-se para realizar a ação adequada às condições do meio ambiente. Um estudo mais recente (Bouchut et al., 1982, no qual nos baseamos para a descrição seguinte) permite, na verdade, identificar três grandes etapas de evolução do processo de trabalho (artesanal, mecanização e automatização), no interior das quais procedem-se a diferenciações de menor vulto, mas importantes para entender as formas de transição e a natureza específica de cada grande etapa. Comumente se distinguem, no processo de trabalho, uma função diretora e outra executora, interdependentes. A função diretora representa os aspectos cognitivos (conscientes) da atividade de trabalho, envolvendo a concepção, a execução das tarefas planejadas (na forma mais elementar do processo de trabalho, com auxílio de um instrumento) e a verificação do que está sendo realizado e do resultado. A execução, que pressupõe a função executora, distingue-se em função motora, que fornece a energia necessária para efetivar as transformações desejadas, e a função de trabalho propriamente dita, diretamente ligadas às transformações operadas sobre o objeto de trabalho. Mais do que fornecer uma descrição detalhada do que é o processo de trabalho, esta representação esquemática serve antes de mais nada para entender a sua evolução, que pode ser resumida como um processo crescente de objetivação das funções realizadas pelo homem (trabalho vivo), isto é, como uma transferência progressiva para o sistema técnico (trabalho morto) de certas funções inicialmente assumidas pelo homem. A objetivação não significa (e isto é fundamental para entender a natureza das formas e em que consiste a evolução do processo de trabalho) uma simples transferência de funções ou uma nova divisão de tarefas entre o homem e a máquina, escolhidas a partir de um elenco predeterminado. A objetivação de uma função é, ao mesmo tempo, a explicitação de novas funções que permaneciam adormecidas e pouco desenvolvidas nas formas primitivas do processo de trabalho. No processo de trabalho mecanizado, a operação da ferramenta (ou instrumento) é transferida para a máquina (então denominada propriamente de máquina operatriz ). Nesta etapa, pode-se reconhecer 5 fases, da manufatura à ultra-mecanização, que já prenuncia a etapa do processo de trabalho automatizado. No início, apenas as funções motrizes secundárias são mecanizadas (notadamente as fontes energéticas); a fase da mecanização real já implica um certo grau de objetivação da atividade de trabalho propriamente dita: o sistema técnico está constituído de uma unidade motora e de máquinas operatrizes. O essencial aqui é a objetivação de parte da função executora. Como dito anteriormente, a objetivação tem como contraponto a emergência de outras funções adormecidas. Neste caso, cabe ao trabalhador a função de condução do sistema técnico que mediatiza sua ação sobre o objeto. A nova função de condução implica o comando e o controle sobre a máquina, ainda exercidos pelo trabalho vivo, que deve desenvolver as qualificações correspondentes. Por isso a execução do trabalho com auxílio de uma máquina diferencia-se qualitativamente do trabalho realizado com auxílio de um instrumento. Embora tudo que caracteriza o processo de trabalho mecanizado já esteja de certa forma presente no trabalho habilidoso do artesão que manipula seus instrumentos (é preciso também saber conduzir o

5 instrumento que transforma a matéria-prima), estas funções ainda permanecem implícitas, encarnadas no próprio corpo do trabalhador. Por outro lado, a externalização dessas funções, quando a máquina operatriz passa a intermediar a ação sobre o objeto, não transforma a condução em algo inteiramente consciente e explícito, pois ainda permanecem, sob outras formas, as habilidades implícitas, inclusive perceptivas (percepção de indícios informais de ruído, cor, vibração, etc.). Progressivamente, estas novas funções executoras que se tornaram explícitas vão também sendo incorporadas à máquina, cuja forma mais acabada é, por exemplo, o torno automático, no qual o princípio do mecanismo já está plenamente objetivado. A extensão desse princípio (máquinas transfer, indústria têxtil, processos contínuos automáticos com base mecânica) não acrescenta mudança qualitativa, apenas prepara a passagem para a etapa posterior do processo de trabalho automatizado. A etapa do processo de trabalho automatizado identifica-se, em sua fase inicial de transição pelos processos ultra-mecanizados que se servem de sensores e telecaptores. A automatização real consiste na objetivação do princípio de regulação cibernética em circuito fechado, quando se torna possível atribuir ao sistema técnico certas funções de inspeção do trabalho que está sendo realizado (detecção e sinalização de desvios) e proceder a certas correções. Em sua fase mais desenvolvida, já foram objetivadas toda uma parte significativa da função diretora (as subfunções de comando, controle, preparação e inspeção), emergindo uma nova função diretora, que, além das atividades de concepção e de programação do sistema técnico, congrega as subfunções de supervisão e de otimação. O essencial aqui, nesta última transformação da função diretora, é a explicitação da atividade de otimação, que também assinala o limite último da automação em qualquer de suas formas. A otimação é o contraponto positivo da atividade de supervisão, negando assim que, mesmo em sistemas altamente automatizados, o homem seja um receptor ou elo passivo no ciclo de controle. Diferente da otimização (que pode ser atribuída ao sistema técnico, sobretudo com os modernos sistemas baseados na inteligência artificial), a otimação consiste em atribuir valores e princípios de avaliação ou de eficácia ao funcionamento do sistema técnico: decidir se o sistema está funcionando corretamente e, sobretudo, se poderia estar funcionando melhor. A otimização se dá nos limites de algoritmos já conhecidos (é essencialmente um trabalho morto, apesar de lidar com informações abstratas, incorpóreas); a otimação define regras e estipula valores e objetivos; qualifica o existente e permite introduzir mudanças para além do que já se conhece no momento (em termos abstratos, é o que corresponde ao aspecto criativo do trabalho humano). 4. A atividade em sistemas automatizados O sentido fundamental desta evolução, no que diz respeito ao lugar e à função do trabalho vivo, pode ser melhor compreendido se colocado em contraste com antigas e novas formas de organização do trabalho. A Organização Científica do Trabalho (OCT) concebida por Taylor caracteriza-se por ser uma tentativa intrinsecamente contraditória ao tentar objetivar o trabalho humano sem deslocar a atividade de trabalho através da introdução de máquinas. Este é o sentido fundamental dos estudos de tempos e movimentos: definir normas científicas, objetivas e ótimas, para a utilização do corpo do trabalhador (sobre a natureza do taylorismo, além do importante livro de Moraes Neto, 1988, ver Lima, 1997). Por outras razões, também no assim chamado modelo japonês, o qual, dentre outras coisas, apóia-se na organização da produção em fluxo contínuo (concretizado em determinados conceitos e técnicas: justo a tempo, autonomação, redução de estoques, troca rápida de ferramentas), a subjetividade do trabalhador passa a ser objeto de normatização. Essas características da

6 organização da produção enxuta torna-a extremamente susceptível a toda uma série de incidentes, os quais, devem ser prontamente respondidos pelos trabalhadores para evitar a ruptura do fluxo, que não podem mais contar com os providenciais estoques tampões, expurgados pela política do zero-estoque. Abusando um pouco do contexto histórico, poderíamos denominar esta nova forma de racionalização de taylorismo mental. Os velhos princípios se repõem aqui sob novas formas, no interior mesmo da necessária desregulação do ato de trabalhar sob os novos modelos técnico-organizacionais. Como sempre, a consciência tecnocrática apenas consegue lidar com as contradições deslocadas, sob formas e conceitos paradoxais: prega-se a padronização participativa ou mobiliza-se a inteligência dos trabalhadores, restringindo-a à solução de problemas cotidianos, enquanto se fala da necessidade de conhecer e responsabilizar-se por todo o processo (Lima, 1994). Para lidar com essas contradições deslocadas para a interioridade dos trabalhadores, é necessário reduzi-los à pura singularidade, destruindo qualquer traço autêntico da personalidade, a começar pelos laços que os unem à classe social (sindicatos, contrato coletivo, etc.), os quais, ao mesmo tempo, são substituídos por vínculos diretos com outras singularidades ( o cliente-rei, todos são iguais dentro da empresa, malgrado a divisão social do trabalho, sindicato por empresa, salário flexível, etc.). Nos processos de produção automatizados, observam-se fenômenos similares, que refletem o mesmo deslocamento do trabalho vivo e da norma que procura dominá-lo. Vimos que a evolução do processo de trabalho caracteriza-se, em suas fases atuais, pela redução do trabalho imediato, que é acompanhada pela explicitação ou externalização da função normativa. Aos homens que permanecem controlando o processo automatizado cabe determinar como o sistema deve funcionar. Um sistema automatizado/informatizado é capaz, em grande medida de se autocontrolar, uma vez que lhe foram atribuídos parâmetros de controle e limites de tolerância. Quando dotado de um sistema inteligente de controle é até mesmo capaz de decidir, dadas certas condições, que operações executar, a fim de otimizar o resultado pretendido. Contrariamente às pretensões dos informáticos e engenheiros cognitivos, não se pode assimilar a seleção de um curso de ação num espaço-problema exaustivamente descrito através de regras e estados possíveis, com o processo decisório humano, que navega sempre num ambiente de incertezas. O que de fato um sistema especialista, dito inteligente, é capaz de fazer corresponde, quando comparado ao comportamento humano, aos atos maquinais ( machine-like actions, conforme a expressão de Collins, 1992) que fazem parte de nossas ações, mas não as esgotam. Os sistemas artificiais inteligentes apenas reproduzem (ou objetivam) rotinas e procedimentos que se inserem maquinalmente em um curso da ação humana. Antes de poderem ser objetivados, já possuem as propriedades de máquinas ou dos automatismos. O homem, por assim dizer, se faz máquina, antes de alocar às máquinas o que sabe ou pode fazer. Põem-se, aqui, os limites do tratamento automático de informações. Assim como, em ações humanas, parte significativa de nosso comportamento realiza-se através de atos rotineiros, automáticos, independentes da consciência, estes atos podem ser repetidos, uma vez conhecidas as regras que os governam, por um sistema operando na forma de um controle cibernético fechado. Fica, todavia, excluído desse comportamento maquinal, a questão do sentido dos atos, dependente que é da relação consciente que os homens estabelecem com o contexto social em que vivem e com as situações hic et nunc.

7 Também na esfera do mundo físico, o problema do contexto se recoloca. O sistema automático de regras e estados possíveis funciona até o momento em que algo de imprevisto ocorre. Um sistema construído a partir dos princípios da inteligência artificial ainda não consegue lidar com eventos imprevisíveis ou rupturas (Winograd & Flores, 1989), situações que, na maior parte das vezes, não exigem mais do que o nosso senso comum. Quando se pretende formalizar ou objetivar o senso comum verifica-se que se trata de uma regressão ao infinito, pois toda a nossa cultura, amálgama da história social e individual, faz parte da matriz que educa tantos os nossos cinco sentidos quanto o senso comum. A menos que se crie uma máquina capaz de compartilhar com os homens a sua filogênese e a sua ontogênese, não há como reproduzir o comportamento humano em sua integralidade. São precisamente os aspectos não maquinais do comportamento que permanecem como atributos exclusivos da atividade viva: a gestão de situações complexas (Winograd e Flores, 1989: 250); a atribuição consciente de valores (ou otimação cf. Bouchut et al., 1982); a elaboração de estratégias globais e colocação de finalidades; o senso de oportunidade que permite criticar o plano estabelecido, aproveitando-se de circunstâncias e imprevistos para melhorar o funcionamento posterior e/ou minimizar eventuais perdas; aprendizagem contínua a partir da reflexão sobre os erros cometidos, aprofundando e sistematizando cada vez mais o diagnóstico das causas. Diante da complexidade intensiva e extensiva dos novos sistemas produtivos, uma outra característica coloca um limite intransponível aos sistemas artificiais inteligentes: a intercompreensão (Searle, 1987; Collins, 1992). Nenhum trabalhador, por mais experiente ou bem formado que ele seja (inclusive os engenheiros e técnicos), diante da divisão técnica do trabalho entre distintas especialidades e da complexidade crescente dos sistemas técnicos, consegue dominar teórica e praticamente todas as habilidades e conhecimentos necessários para controlar um processo, diagnosticar e corrigir falhas, sem falar em sua concepção e programação. Mais e mais, os sistemas técnicos são mantidos através de uma atividade coletiva, fundada em um saber distribuído e em um trabalho cooperativo. Daí a tendência a se falar, atualmente, na necessidade de organizar e gerir sistemas complexos com base em uma racionalidade comunicativa (cf, em especial, os trabalhos de Zarifian, 1990, 1993 e 1995). O diagnóstico de uma pane em um sistema complexo, por exemplo, quando envolve circunstâncias que fogem ao conhecimento formalizado, pressupõe a articulação de vários conhecimentos (produção, manutenção, qualidade, compras), mesmo que as suas condições de possibilidade (trabalho cooperativo, implicação pessoal, diálogo, intercompreensão) ainda não sejam encontradas nas empresas, submetidas às formas capitalistas de controle. 5.Conclusão: atividade humana, temporalidade e formalização Certamente um dos aspectos da atividade humana que não pode ser atribuído aos automatismos é a capacidade do trabalhador estabelecer uma relação consciente com o processo em curso, antecipando-se à ocorrência de fatos diversos: (1) determinadas conseqüências e efeitos de ações e decisões tomadas aqui e agora, (2) fatos que poderão decorrer do funcionamento atual das instalações, que se manifestam na forma de tendências de evolução de certos parâmetros; (3) ocorrência de eventos futuros prováveis, isto é decorrentes da confluência de certas tendências do processo. O trabalho caracteriza-se precisamente por instituir uma dinâmica temporal entre passado, presente e futuro, que constitui uma das diferenças específicas do comportamento humano: a atividade humana define-se tanto pela finalidade que a anima e a orienta, como pela capacidade de reconhecer de forma consciente a causalidade dos fenômenos que procura

8 controlar e submeter à sua vontade, procedendo, quando necessário, a correções de rumos e redefinição de objetivos. Esta dialética de finalidade e causalidade constitui o marco intransponível dos sistemas automáticos, que, quanto muito, conseguem reproduzir apenas a estrutura rígida da relação meios-fins, sem manter a capacidade adaptativa (facultada pela consciência), própria ao comportamento humano. O que, em definitivo, diferencia a atividade humana da regulação automática (por mais complexa e sofisticada que esta seja) não é a estrutura meios-fins (de certa forma reproduzida pela mais simples malha de controle, como um termostato), mas a dinâmica sem fim que dá a riqueza a esta estrutura do comportamento humano, caracterizado pela flexibilidade, adaptabilidade, desenvolvimento e aperfeiçoamento das formas de regulação. Se se quer descrever de forma exaustiva um ação, não bastaria definir suas variáveis espaciais e enunciar todos os fatos que a instruem assim como as regras que ela segue. Quanto ao nosso saber, vimos que não é possível traduzi-lo inteiramente em regras explícitas, sob pena de regressão ao infinito. Se nos interessamos à ação, uma outra variável comportamental se torna crucial: o tempo. Toda ação comporta uma certa organização dinâmica, que tampouco pode ser reduzida a um conjunto definido e definitivo de regras. Uma seqüência dada de operações ainda não é uma organização dinâmica da atividade que permita preservar a sua vitalidade interior. O sentido do momento, enquanto pressuposto que funda uma descoberta ou diagnóstico, não está dado pela seqüência de atos passados ou futuros, precisamente porque significa a possível introdução de uma outra direção a ser dada ao processo em curso. Por isso, permanece um ato apenas possível de ser efetivado pelos homens, tal como ocorre com a sensibilidade (socializada) ao contexto de uma conversação (Collins, 1992:273). Também em relação ao mundo material, quando se faz, ex post, a descrição das variáveis através das quais se pretende representar o comportamento de um sistema técnico, todos os eventos aparecem como necessários e previsíveis, isto é, como se correspondessem a um conjunto predefinido de leis e relações físicas. Esta é uma visão profundamente arraigada no espírito do engenheiros, que lidam sempre com representações e modelos formais e matemáticos dos processos físicos que tentam controlar. Entretanto, esses processos também possuem uma dinâmica própria, cujas relações entre componentes e características temporais são eventualmente discrepantes dos modelos previstos. Em todo processo de transformação, é evidente, o tempo é também uma variável intrínseca e determinante de sua evolução. Talvez seja, entretanto, uma das variáveis menos controladas. Não apenas os engenheiros, como todos os tecnólogos, compartilham esta visão do tempo como medida controlável a priori, concepção que é a mesma do racionalismo moderno, tal como transparece na epistemologia tradicional e também em algumas descrições do que seria a atividade científica. Em verdade, confunde-se o relato de como se fez uma descoberta (uma vez que ela já foi realizada e não no curso de sua realização efetiva), como se a descrição do passado em termos de regras pudesse servir para prever o futuro: nós podemos descrever o passado do mundo, mas não é a mesma coisa que descobrir como é o mundo (Collins, 1992:174). Todo o nosso senso comum parece, também, estar contaminado por essa idéia do tempo recortado à maneira das horas do relógio. Ora, é precisamente onde se requer uma ruptura com o tempo passado, quando ocorrem eventos imprevistos e incidentes, que entra em jogo a inventividade humana e sua capacidade de reagir de forma criativa. Não há como, nesses momentos de descoberta, enquadrar a dinâmica temporal da atividade num tempo

9 seqüencial e mensurável, redutível a coordenadas comportamentais determinadas, e isto não por uma questão de princípio, relacionada a uma suposta rebeldia da intuição humana a qualquer forma de controle, mas sim pela própria natureza do tempo em seu sentido histórico: em que se põe uma ruptura com o que até então se colocava como passado e como presente. BIBLIOGRAFIA BRAVERMAN, H. (1981) Trabalho e capital monopolista. Rio de Janeiro, Zahar, CLOT, Y. (1994)..Le travail sans l homme?. Paris, La Découverte. CLOT, Y.; ROCHEIX, J-Y. & SCHWARTZ, Y. (1990) Les caprices du flux. Vigneux, Matrice. COLLINS, H. M. (1989) Expert systems and the science of knowledge. In: Bijker; Hugues & Pinch. The social construction of technological systems. Cambridge, MIT Press, COLLINS, H. M. (1992). Experts Artificiels. Paris, Seuil. DREYFUS, H. (1979). What Computers Can t do. The Limits of Artificial Intelligence. New York, Harper & Row. FREYSSENET, M (1992b). "Formas sociais de automatização e esperiências japonesas". In: Hirata, H. (org). Sobre o modelo japonês. São Paulo, EDUSP, FREYSSENET, M. (1992A) Processus et formes sociales d automatisation: le paradigme sociologique. Sociologie du Travail. 4/92: , KERN, H. & SCHUMANN, M. (1984). La fin de la division du travail? Paris, Editions de la Maison des Sciences de L'Homme, KEYSER, V. (1988). De la contingence à la compléxité: l évolution des idées dans l étude des processus continus. Le Travail Humain. 51(1): LIMA, F.P.A. (1994). Medida e desmedida: padronização do trabalho ou livre organização do trabalho vivo. Produção, n o especial, 1994, pp LIMA, F.P.A. (1997) Ergonomia e prevenção da LER: limites e possibilidades. In: Lima; Araújo & Lima (1997). LER: dimensões ergonômicas e psicossociais. Belo Horizonte, Health, LOJKINE, J. (1996). A revolução informacional. São Paulo, cortez. MERCHIERS, J & PHARO, P. (1992) Eléments pour um modèle sociologique de la compétence d expert. Sociologie du Travail. 1/92: MORAES NETO, B. (1995) Microeletrônica e produção industrial: uma crítica à noção de <<Revolução generalizada>>. Textos para discussão 24, UNESP, Araraquara, set/1995. MORAES NETO, B. (1989). Marx, Taylor e Ford: as forças produtivas em discussão. São Paulo, Brasiliense, 1989 SEARLE, J. (1984). Mente, Cerébro e Ciência. Lisboa, Edições 70, 1987 VATIN, F. (1987). La fluidité industrielle, Paris, Méridiens Klincksieck, WINOGRAD & FLORES (1986). L intelligence artificielle en question. Paris, PUF, ZARIFIAN, P. (1993). Quels modèles d'organisation pour l'industrie européenne?. Paris, L'Harmattan. ZARIFIAN, P. (1990). La Nouvelle Productivité. Paris, l Harmattan, ZARIFIAN, P. (1995). Le Travail et l événement. Paris, L Harmattan.

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

PESQUISA EM EDUCAÇÃO

PESQUISA EM EDUCAÇÃO PESQUISA EM EDUCAÇÃO O que é Pesquisa? O que é Pesquisa? 1. Ato ou efeito de pesquisar. 2. Indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação. 3. Investigação e estudo sistemáticos,

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Lia Buarque de Macedo Guimarães PPGEP/UFRGS. Ergonomia Cognitiva. Complexidade do erro. Erro Humano...

Lia Buarque de Macedo Guimarães PPGEP/UFRGS. Ergonomia Cognitiva. Complexidade do erro. Erro Humano... Complexidade do erro Erro Humano... Algumas definições Acidente é toda ocorrência não desejada que modifica ou põe fim ao andamento normal de qualquer tipo de atividade. acontecimento indesejável ou infausto

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Educação Para o Pensar, Educação Matemática e PCN: uma aproximação possível?

Educação Para o Pensar, Educação Matemática e PCN: uma aproximação possível? Educação Para o Pensar, Educação Matemática e PCN: uma aproximação possível? André Luiz Sena Mariano* RESUMO: Os PCN e o Programa Educação para o Pensar podem colaborar singularmente para a prática do

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

A relevância do contrato didático na explicação de dificuldades de aprendizagem na disciplina de estatística em cursos de Psicologia

A relevância do contrato didático na explicação de dificuldades de aprendizagem na disciplina de estatística em cursos de Psicologia A relevância do contrato didático na explicação de dificuldades de aprendizagem na disciplina de estatística em cursos de Psicologia Giselda Machado Magalhães Moreno Jorge Tarcísio da Rocha Falcão Universidade

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA Celso Candido O processo de transformação do modo de produção industrial para o imaterial passa pelo reconhecimento do computador como a principal máquina-ferramenta

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA COMO AÇÃO METODOLÓGICA PARA A QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES

A FORMAÇÃO CONTINUADA COMO AÇÃO METODOLÓGICA PARA A QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES A FORMAÇÃO CONTINUADA COMO AÇÃO METODOLÓGICA PARA A QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES Patrícia Mendes Calixto IFSul Campus Bagé RESUMO: O texto apresenta uma reflexão sobre um processo de formação continuada

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde Maria Christina Fekete 1 Apresentação O termo cuidado em saúde tem interpretação pouco precisa, tal como ocorre com o conceito de qualidade. Assim sendo, tratar

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Palavras-chaves: Fordismo, Ohnoísmo, Qualificação do trabalho vivo.

Palavras-chaves: Fordismo, Ohnoísmo, Qualificação do trabalho vivo. QUALIFICAÇÃO DO TRABALHO NO OHNOÍSMO Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO A Literatura sobre o Fordismo e Ohnoísmo é ampla e vários autores caracterizam

Leia mais

A IMPORTANCIA DA RELAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E OS ALUNOS DE DIREITO: a melhoria da qualidade do ensino prático.

A IMPORTANCIA DA RELAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E OS ALUNOS DE DIREITO: a melhoria da qualidade do ensino prático. A IMPORTANCIA DA RELAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E OS ALUNOS DE DIREITO: a melhoria da qualidade do ensino prático. EVEDOVE, Glória Regina Dall 1 RESUMO O presente artigo trata de uma análise acerca

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Uma abordagem holística para a automação da segurança

Uma abordagem holística para a automação da segurança Uma abordagem holística para a automação da segurança Como a tecnologia, padrões globais e sistemas abertos ajudam a aumentar a produtividade e a eficácia global do equipamento Por: Dan Hornbeck Todos

Leia mais

Introdução ao Planejamento

Introdução ao Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Introdução ao Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Conceitos de Planejamento

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Historia da Automação

Historia da Automação Historia da Automação Podemos dizer, que um sistema de automação industrial, é um conjunto de equipamentos e tecnologias capazes de fazerem com que uma máquina ou processo industrial trabalhem automaticamente,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática.

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática. A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS E O PROFESSOR Juliane dos Santos Medeiros 1 (UFAL) Jumedeiros_santos@yahoo.com.br Eliane Silva Araújo Correia 2 (UFAL) elianecorreia@hotmail.com RESUMO Este artigo

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais