ERGONOMIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS: Saber prático e objetivação do conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERGONOMIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS: Saber prático e objetivação do conhecimento"

Transcrição

1 ERGONOMIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS: Saber prático e objetivação do conhecimento Francisco de Paula Antunes Lima Departamento de Engenharia de Produção - UFMG - CP CEP: Belo Horizonte/MG Ergonomics is faced with theoretical and practical problems created by introduction of new technologies in production processes. In order to master them, it s necessary to explain the essential nature of automation in general and, specifically, the recently developed information technology. The analysis of work process transformations is the key to understanding the old and new forms of automation. We can also understand the place and roles of human work in automated production systems and the new constraints over the workers. Palavras-chaves: automation, information technology, activity 1. Questões relativas à novas tecnologias Os progressos recentes da automação na indústria de processos contínuos (IPC) e em outros setores (em especial, a robotização e a informatização de serviços) suscita várias e importantes questões a respeito da natureza da tecnologia e do trabalho humano. A IPC, desde cedo baseada num fluxo ininterrupto de materiais, aparece como paradigma para o qual tendem os processos industriais que começam a superar as etapas do trabalho manual e da mecanização. Graças à robótica, as indústrias baseadas em processos discretos (mecânica, eletro-eletrônica) adquirem certas características até então consideradas exclusivas das indústrias de propriedade: diminuição do trabalho direto ou imediato, sistemas técnicos com certa capacidade de autoregulação, sistemas informatizados de programação, gestão e controle interligados e em fluxo contínuo. Esses fenômenos e transformações recentes do processo de produção, em seus aspectos técnicos e organizacionais, despertam o interesse de várias disciplinas: economia política, sociologia do trabalho, psicologia do trabalho e a ergonomia. Em que pese reconhecer as especificidades dessas diferentes disciplinas quanto às perspectivas adotadas, delimitação dos problemas, métodos e conceitos, algumas indagações comuns perpassam os debates sobre as novas tecnologias. Neste texto, pretendemos tratar precisamente dessas questões de fundo, comuns a essas diversas disciplinas, cuja apropriado esclarecimento é condição necessária para abordar problemas práticos ou de ordem empírica. As seguintes questões se nos apresentam como fundamentais para entender os termos do debate contemporâneo sobre as novas tecnologias e seus efeitos sobre o trabalho: (1) a natureza específica da automação de base microeletrônica (ou flexível) (cf, em particular, Lojkine, 1996; Bouchut et al., 1982; Moraes Neto, 1995); (2) os limites da automação, em especial das tecnologias baseadas na inteligência artificial (cf. Dreyfus, 1984 ; Winograd e Flores, 1989; Collins, 1989 e 1992; Merchiers & Pharo, 1992, entre outros); (3) as novas formas de gestão, eficiência ou racionalidade compatíveis com a nova base tecnológica (Vatin, 1987; Zarifian, 1990 e 1995; Lojkine, 1996; Freyssenet, 1996a e b); (4) o lugar e a natureza do trabalho humano nos sistemas automatizados, em especial o debate sobre a (des)qualificação (além dos autores já mencionados, esta questão foi recentemente considerada por Clot, Rocheix e Schwartz, 1992; Clot, 1994; Kern & Schumann, 1984).

2 Estas questões fundamentais são, evidentemente, tratadas, por cada um desses autores, e em suas respectivas disciplinas, através de uma trama conceitual e de dados empíricos tão diversos que impossibilita, aqui, qualquer análise mais detalhada. Neste texto, portanto, limitamo-nos a esclarecer de uma perspectiva teórica os aspectos gerais dessas questões, orientando-nos inicialmente por aquela que parece ter a primazia - a natureza específica da automação flexível - e, a partir daí, derivando as implicações para as outras questões quanto aos limites da automação, lugar do trabalho humano, qualificação e novas formas de racionalização e princípios de gestão. Embora, por razões de espaço, tenhamos que assumir uma perspectiva generalizante, cumpre esclarecer que os argumentos apresentados resultam de intervenções e estudos realizados a partir da perspectiva da ergonomia, cujos resultados e critérios de validação conceitual e empírica deverão futuramente ser confrontados a cada uma das perspectivas acima mencionadas. 2. A Ergonomia diante das novas tecnologias A tese central pela qual nos orientamos neste trabalho pode ser assim formulada: a fase atual de automatização do processo de produção (automação flexível, baseada em tecnologias de informação) se insere no processo geral de objetivação do processo de trabalho, dando continuidade à mecanização e à automação de base eletro-mecânica. Entretanto, nesta linha de desenvolvimento geral da maquinaria e da automação, caracteriza-se por ser uma identidade da identidade da não-identidade, isto é, a automação flexível possui diferenças específicas que permitem caracterizá-la como uma etapa qualitativamente diferente da automação eletro-mecânica. Esta particularidade advém do fato de que a automação flexível incorpora uma nova dimensão - o do processamento de informações - de natureza abstrata, sobre a qual fundamentam-se as suas virtudes de flexibilidade. Não eqüivale, contudo, à simples substituição ou eliminação do trabalho humano, mas apenas daquelas funções os atos que de certa forma se assemelham ao funcionamento das máquinas ( atos maquinais, cf Collins, 1989). O trabalho humano guarda, assim, em caráter de exclusividade, outras funções que, longe de constituírem-se apenas em um último reduto inacessível aos sistemas técnicos informatizados/automatizados, algo como um resíduo ainda não automatizável, passam a desempenhar um papel essencial na racionalização desses processos intensivos em tecnologia. A atividade humana, de natureza subjetiva, adquire mais relevância, na medida mesma em que os atos maquinais do corpo e do espírito são objetivados em um sistema técnico. Em termos mais práticos, na medida em que o controle do processo baseado no tratamento de informações passa a ser incorporado ao dispositivo técnico, ganham relevância as atividades propriamente humanas: a interpretação do sentido e significado de eventos singulares e imprevistos que interrompem o fluxo do processo; a gestão de interrelações complexas; a definição de estratégias globais e sua atualização com a tomada de decisão em tempo real, atribuindo valores e critérios de eficácia do sistema; a melhoria contínua a partir da aprendizagem com erros e falhas cada vez mais raros e complexos, dificilmente redutíveis a modelos matemáticos ou estatísticos. Numa abordagem ergonômica clássica, as questões de natureza teórica, quando lembradas, são habitualmente consideradas e trabalhadas conforme se fazem necessárias a partir das análises empíricas. Em conformidade com esta abordagem empiricista, as questões anteriormente mencionadas são colocadas em termos de divisão de tarefas entre o homem e a máquina, como se tudo se resolvesse em regras de bom senso e admoestações aos engenheiros, sem necessidade de uma reflexão aprofundada sobre os limites entre um e outro e sobre a natureza essencial dos dois conjuntos de tarefas. (Para simplificar,

3 denominaremos os dois grupos de tarefas maquinais e de atividades humanas ). Neste caso, tais questões se colocam quando engenheiros, informáticos e ergonomistas se defrontam com as dificuldades encontradas na objetivação do saber prático dos trabalhadores (ou de especialistas), isto é, a transferência de saberes e conhecimentos para robôs e sistemas especialistas. Se se adota uma perspectiva pragmática, seria mera questão de tempo até que o aperfeiçoamento da técnica permita objetivar e transferir todas as atividades humanas para as máquinas. Não se põe jamais a questão de saber até onde é possível objetivar a atividade humana e quais, portanto, são os limites da automação. Sem uma reflexão sobre a especificidade da atividade humana em relação às atividades desempenhadas pelas máquinas, não se pode desenhar esses limites num duplo sentido: delinear os contornos que os separam e projetar as interfaces que facilitem a sua comunicação. Desatado esse nó górdio, será possível, reencontrando as análises e preocupações empíricas, definir orientações práticas para conceber o sistema homemmáquina. A propósito das novas tecnologias, esses limites se manifestam sobretudo em relação às possibilidades de objetivação do saber, questão já clássica entre os informáticos, partidários da inteligência artificial, e seus críticos (Dreyfus, 1984; Searle, 1984; Winograd & Flores, 1989; Collins, 1992). No campo da ergonomia, as próprias intervenções práticas que tomam como objeto a concepção e melhoria de sistemas informatizados de controle de processos contínuos defrontam-se com dificuldades que reclamam uma maior fundamentação teórica. Questões imediatas como a melhor forma de configurar uma tela de controle, a filtragem das informações apresentadas e dos alarmes, o grau de transparência das regras internas ao sistema, os conhecimentos (e finalmente o nível de qualificação) dos operadores, ainda não encontraram respostas apropriadas (para uma avaliação crítica, ver Keyser, 1988), e é provável que permaneçam assim até que outras tantas perguntas fundamentais não tenham sido respondidas. Estas por sua vez, se colocam como questões pertinentes e relacionadas aos problemas imediatos porque emergem de obstáculos práticos, cujas tentativas de superação, mais ou menos bem sucedidas, produzem uma ampla quantidade de informações que permitem fazer avançar a reflexão teórica. É neste redemoinho de problemas teóricos e dificuldades práticas que se situa a presente reflexão sobre a natureza essencial da automação flexível, valendo-se da contribuição dos estudos empíricos e conceitos desenvolvidos no campo da ergonomia e disciplinas afins. Enquanto os problemas predominantemente colocados à ergonomia estavam circunscritos ao projeto do posto de trabalho, incluindo aí as funções psicofisiológicas do trabalhador, a ergonomia dos fatores humanos ainda podia reivindicar uma certa eficácia na melhoria das condições de trabalho, notadamente nos aspectos relacionados às dimensões, posturas e esforços físicos, apresentação de informações (visibilidade, legibilidade) e manuseabilidade de comandos e controles. Nesta perspectiva tradicional, a relação homem-máquina é entendida de forma estática, ainda que sejam inclusos na concepção do posto de trabalho aspectos relacionados aos movimentos corporais (direcionamento de forças, zonas de alcance, etc.); variáveis temporais, como freqüência de movimentos, são traduzidas em parâmetros espaciais. Quando se trata, porém, de apreender as relações dinâmicas entre o indivíduo que trabalha e a situação de trabalho, ambos os termos mutáveis no tempo e no espaço, esta abordagem tradicional revela-se bastante limitada. Nesses casos, típicos das situações de trabalho criadas pelas modernas tecnologias de automação, a análise da atividade, tal como vem sendo desenvolvida pela ergonomia francofônica, encontra espaço e mostra-se rica em possibilidades.

4 3. Evolução do processo de trabalho Os estudos sobre a transformação do processo de trabalho, em especial aqueles oriundos da economia política, identificam uma direção evolutiva do processo de trabalho, segundo a qual se ordenam os diferentes níveis de automatização. Braverman (citando R. Bright) identifica 17 níveis de mecanização, do processo de trabalho manual aos sistemas automáticos, capazes de prever e ajustar-se para realizar a ação adequada às condições do meio ambiente. Um estudo mais recente (Bouchut et al., 1982, no qual nos baseamos para a descrição seguinte) permite, na verdade, identificar três grandes etapas de evolução do processo de trabalho (artesanal, mecanização e automatização), no interior das quais procedem-se a diferenciações de menor vulto, mas importantes para entender as formas de transição e a natureza específica de cada grande etapa. Comumente se distinguem, no processo de trabalho, uma função diretora e outra executora, interdependentes. A função diretora representa os aspectos cognitivos (conscientes) da atividade de trabalho, envolvendo a concepção, a execução das tarefas planejadas (na forma mais elementar do processo de trabalho, com auxílio de um instrumento) e a verificação do que está sendo realizado e do resultado. A execução, que pressupõe a função executora, distingue-se em função motora, que fornece a energia necessária para efetivar as transformações desejadas, e a função de trabalho propriamente dita, diretamente ligadas às transformações operadas sobre o objeto de trabalho. Mais do que fornecer uma descrição detalhada do que é o processo de trabalho, esta representação esquemática serve antes de mais nada para entender a sua evolução, que pode ser resumida como um processo crescente de objetivação das funções realizadas pelo homem (trabalho vivo), isto é, como uma transferência progressiva para o sistema técnico (trabalho morto) de certas funções inicialmente assumidas pelo homem. A objetivação não significa (e isto é fundamental para entender a natureza das formas e em que consiste a evolução do processo de trabalho) uma simples transferência de funções ou uma nova divisão de tarefas entre o homem e a máquina, escolhidas a partir de um elenco predeterminado. A objetivação de uma função é, ao mesmo tempo, a explicitação de novas funções que permaneciam adormecidas e pouco desenvolvidas nas formas primitivas do processo de trabalho. No processo de trabalho mecanizado, a operação da ferramenta (ou instrumento) é transferida para a máquina (então denominada propriamente de máquina operatriz ). Nesta etapa, pode-se reconhecer 5 fases, da manufatura à ultra-mecanização, que já prenuncia a etapa do processo de trabalho automatizado. No início, apenas as funções motrizes secundárias são mecanizadas (notadamente as fontes energéticas); a fase da mecanização real já implica um certo grau de objetivação da atividade de trabalho propriamente dita: o sistema técnico está constituído de uma unidade motora e de máquinas operatrizes. O essencial aqui é a objetivação de parte da função executora. Como dito anteriormente, a objetivação tem como contraponto a emergência de outras funções adormecidas. Neste caso, cabe ao trabalhador a função de condução do sistema técnico que mediatiza sua ação sobre o objeto. A nova função de condução implica o comando e o controle sobre a máquina, ainda exercidos pelo trabalho vivo, que deve desenvolver as qualificações correspondentes. Por isso a execução do trabalho com auxílio de uma máquina diferencia-se qualitativamente do trabalho realizado com auxílio de um instrumento. Embora tudo que caracteriza o processo de trabalho mecanizado já esteja de certa forma presente no trabalho habilidoso do artesão que manipula seus instrumentos (é preciso também saber conduzir o

5 instrumento que transforma a matéria-prima), estas funções ainda permanecem implícitas, encarnadas no próprio corpo do trabalhador. Por outro lado, a externalização dessas funções, quando a máquina operatriz passa a intermediar a ação sobre o objeto, não transforma a condução em algo inteiramente consciente e explícito, pois ainda permanecem, sob outras formas, as habilidades implícitas, inclusive perceptivas (percepção de indícios informais de ruído, cor, vibração, etc.). Progressivamente, estas novas funções executoras que se tornaram explícitas vão também sendo incorporadas à máquina, cuja forma mais acabada é, por exemplo, o torno automático, no qual o princípio do mecanismo já está plenamente objetivado. A extensão desse princípio (máquinas transfer, indústria têxtil, processos contínuos automáticos com base mecânica) não acrescenta mudança qualitativa, apenas prepara a passagem para a etapa posterior do processo de trabalho automatizado. A etapa do processo de trabalho automatizado identifica-se, em sua fase inicial de transição pelos processos ultra-mecanizados que se servem de sensores e telecaptores. A automatização real consiste na objetivação do princípio de regulação cibernética em circuito fechado, quando se torna possível atribuir ao sistema técnico certas funções de inspeção do trabalho que está sendo realizado (detecção e sinalização de desvios) e proceder a certas correções. Em sua fase mais desenvolvida, já foram objetivadas toda uma parte significativa da função diretora (as subfunções de comando, controle, preparação e inspeção), emergindo uma nova função diretora, que, além das atividades de concepção e de programação do sistema técnico, congrega as subfunções de supervisão e de otimação. O essencial aqui, nesta última transformação da função diretora, é a explicitação da atividade de otimação, que também assinala o limite último da automação em qualquer de suas formas. A otimação é o contraponto positivo da atividade de supervisão, negando assim que, mesmo em sistemas altamente automatizados, o homem seja um receptor ou elo passivo no ciclo de controle. Diferente da otimização (que pode ser atribuída ao sistema técnico, sobretudo com os modernos sistemas baseados na inteligência artificial), a otimação consiste em atribuir valores e princípios de avaliação ou de eficácia ao funcionamento do sistema técnico: decidir se o sistema está funcionando corretamente e, sobretudo, se poderia estar funcionando melhor. A otimização se dá nos limites de algoritmos já conhecidos (é essencialmente um trabalho morto, apesar de lidar com informações abstratas, incorpóreas); a otimação define regras e estipula valores e objetivos; qualifica o existente e permite introduzir mudanças para além do que já se conhece no momento (em termos abstratos, é o que corresponde ao aspecto criativo do trabalho humano). 4. A atividade em sistemas automatizados O sentido fundamental desta evolução, no que diz respeito ao lugar e à função do trabalho vivo, pode ser melhor compreendido se colocado em contraste com antigas e novas formas de organização do trabalho. A Organização Científica do Trabalho (OCT) concebida por Taylor caracteriza-se por ser uma tentativa intrinsecamente contraditória ao tentar objetivar o trabalho humano sem deslocar a atividade de trabalho através da introdução de máquinas. Este é o sentido fundamental dos estudos de tempos e movimentos: definir normas científicas, objetivas e ótimas, para a utilização do corpo do trabalhador (sobre a natureza do taylorismo, além do importante livro de Moraes Neto, 1988, ver Lima, 1997). Por outras razões, também no assim chamado modelo japonês, o qual, dentre outras coisas, apóia-se na organização da produção em fluxo contínuo (concretizado em determinados conceitos e técnicas: justo a tempo, autonomação, redução de estoques, troca rápida de ferramentas), a subjetividade do trabalhador passa a ser objeto de normatização. Essas características da

6 organização da produção enxuta torna-a extremamente susceptível a toda uma série de incidentes, os quais, devem ser prontamente respondidos pelos trabalhadores para evitar a ruptura do fluxo, que não podem mais contar com os providenciais estoques tampões, expurgados pela política do zero-estoque. Abusando um pouco do contexto histórico, poderíamos denominar esta nova forma de racionalização de taylorismo mental. Os velhos princípios se repõem aqui sob novas formas, no interior mesmo da necessária desregulação do ato de trabalhar sob os novos modelos técnico-organizacionais. Como sempre, a consciência tecnocrática apenas consegue lidar com as contradições deslocadas, sob formas e conceitos paradoxais: prega-se a padronização participativa ou mobiliza-se a inteligência dos trabalhadores, restringindo-a à solução de problemas cotidianos, enquanto se fala da necessidade de conhecer e responsabilizar-se por todo o processo (Lima, 1994). Para lidar com essas contradições deslocadas para a interioridade dos trabalhadores, é necessário reduzi-los à pura singularidade, destruindo qualquer traço autêntico da personalidade, a começar pelos laços que os unem à classe social (sindicatos, contrato coletivo, etc.), os quais, ao mesmo tempo, são substituídos por vínculos diretos com outras singularidades ( o cliente-rei, todos são iguais dentro da empresa, malgrado a divisão social do trabalho, sindicato por empresa, salário flexível, etc.). Nos processos de produção automatizados, observam-se fenômenos similares, que refletem o mesmo deslocamento do trabalho vivo e da norma que procura dominá-lo. Vimos que a evolução do processo de trabalho caracteriza-se, em suas fases atuais, pela redução do trabalho imediato, que é acompanhada pela explicitação ou externalização da função normativa. Aos homens que permanecem controlando o processo automatizado cabe determinar como o sistema deve funcionar. Um sistema automatizado/informatizado é capaz, em grande medida de se autocontrolar, uma vez que lhe foram atribuídos parâmetros de controle e limites de tolerância. Quando dotado de um sistema inteligente de controle é até mesmo capaz de decidir, dadas certas condições, que operações executar, a fim de otimizar o resultado pretendido. Contrariamente às pretensões dos informáticos e engenheiros cognitivos, não se pode assimilar a seleção de um curso de ação num espaço-problema exaustivamente descrito através de regras e estados possíveis, com o processo decisório humano, que navega sempre num ambiente de incertezas. O que de fato um sistema especialista, dito inteligente, é capaz de fazer corresponde, quando comparado ao comportamento humano, aos atos maquinais ( machine-like actions, conforme a expressão de Collins, 1992) que fazem parte de nossas ações, mas não as esgotam. Os sistemas artificiais inteligentes apenas reproduzem (ou objetivam) rotinas e procedimentos que se inserem maquinalmente em um curso da ação humana. Antes de poderem ser objetivados, já possuem as propriedades de máquinas ou dos automatismos. O homem, por assim dizer, se faz máquina, antes de alocar às máquinas o que sabe ou pode fazer. Põem-se, aqui, os limites do tratamento automático de informações. Assim como, em ações humanas, parte significativa de nosso comportamento realiza-se através de atos rotineiros, automáticos, independentes da consciência, estes atos podem ser repetidos, uma vez conhecidas as regras que os governam, por um sistema operando na forma de um controle cibernético fechado. Fica, todavia, excluído desse comportamento maquinal, a questão do sentido dos atos, dependente que é da relação consciente que os homens estabelecem com o contexto social em que vivem e com as situações hic et nunc.

7 Também na esfera do mundo físico, o problema do contexto se recoloca. O sistema automático de regras e estados possíveis funciona até o momento em que algo de imprevisto ocorre. Um sistema construído a partir dos princípios da inteligência artificial ainda não consegue lidar com eventos imprevisíveis ou rupturas (Winograd & Flores, 1989), situações que, na maior parte das vezes, não exigem mais do que o nosso senso comum. Quando se pretende formalizar ou objetivar o senso comum verifica-se que se trata de uma regressão ao infinito, pois toda a nossa cultura, amálgama da história social e individual, faz parte da matriz que educa tantos os nossos cinco sentidos quanto o senso comum. A menos que se crie uma máquina capaz de compartilhar com os homens a sua filogênese e a sua ontogênese, não há como reproduzir o comportamento humano em sua integralidade. São precisamente os aspectos não maquinais do comportamento que permanecem como atributos exclusivos da atividade viva: a gestão de situações complexas (Winograd e Flores, 1989: 250); a atribuição consciente de valores (ou otimação cf. Bouchut et al., 1982); a elaboração de estratégias globais e colocação de finalidades; o senso de oportunidade que permite criticar o plano estabelecido, aproveitando-se de circunstâncias e imprevistos para melhorar o funcionamento posterior e/ou minimizar eventuais perdas; aprendizagem contínua a partir da reflexão sobre os erros cometidos, aprofundando e sistematizando cada vez mais o diagnóstico das causas. Diante da complexidade intensiva e extensiva dos novos sistemas produtivos, uma outra característica coloca um limite intransponível aos sistemas artificiais inteligentes: a intercompreensão (Searle, 1987; Collins, 1992). Nenhum trabalhador, por mais experiente ou bem formado que ele seja (inclusive os engenheiros e técnicos), diante da divisão técnica do trabalho entre distintas especialidades e da complexidade crescente dos sistemas técnicos, consegue dominar teórica e praticamente todas as habilidades e conhecimentos necessários para controlar um processo, diagnosticar e corrigir falhas, sem falar em sua concepção e programação. Mais e mais, os sistemas técnicos são mantidos através de uma atividade coletiva, fundada em um saber distribuído e em um trabalho cooperativo. Daí a tendência a se falar, atualmente, na necessidade de organizar e gerir sistemas complexos com base em uma racionalidade comunicativa (cf, em especial, os trabalhos de Zarifian, 1990, 1993 e 1995). O diagnóstico de uma pane em um sistema complexo, por exemplo, quando envolve circunstâncias que fogem ao conhecimento formalizado, pressupõe a articulação de vários conhecimentos (produção, manutenção, qualidade, compras), mesmo que as suas condições de possibilidade (trabalho cooperativo, implicação pessoal, diálogo, intercompreensão) ainda não sejam encontradas nas empresas, submetidas às formas capitalistas de controle. 5.Conclusão: atividade humana, temporalidade e formalização Certamente um dos aspectos da atividade humana que não pode ser atribuído aos automatismos é a capacidade do trabalhador estabelecer uma relação consciente com o processo em curso, antecipando-se à ocorrência de fatos diversos: (1) determinadas conseqüências e efeitos de ações e decisões tomadas aqui e agora, (2) fatos que poderão decorrer do funcionamento atual das instalações, que se manifestam na forma de tendências de evolução de certos parâmetros; (3) ocorrência de eventos futuros prováveis, isto é decorrentes da confluência de certas tendências do processo. O trabalho caracteriza-se precisamente por instituir uma dinâmica temporal entre passado, presente e futuro, que constitui uma das diferenças específicas do comportamento humano: a atividade humana define-se tanto pela finalidade que a anima e a orienta, como pela capacidade de reconhecer de forma consciente a causalidade dos fenômenos que procura

8 controlar e submeter à sua vontade, procedendo, quando necessário, a correções de rumos e redefinição de objetivos. Esta dialética de finalidade e causalidade constitui o marco intransponível dos sistemas automáticos, que, quanto muito, conseguem reproduzir apenas a estrutura rígida da relação meios-fins, sem manter a capacidade adaptativa (facultada pela consciência), própria ao comportamento humano. O que, em definitivo, diferencia a atividade humana da regulação automática (por mais complexa e sofisticada que esta seja) não é a estrutura meios-fins (de certa forma reproduzida pela mais simples malha de controle, como um termostato), mas a dinâmica sem fim que dá a riqueza a esta estrutura do comportamento humano, caracterizado pela flexibilidade, adaptabilidade, desenvolvimento e aperfeiçoamento das formas de regulação. Se se quer descrever de forma exaustiva um ação, não bastaria definir suas variáveis espaciais e enunciar todos os fatos que a instruem assim como as regras que ela segue. Quanto ao nosso saber, vimos que não é possível traduzi-lo inteiramente em regras explícitas, sob pena de regressão ao infinito. Se nos interessamos à ação, uma outra variável comportamental se torna crucial: o tempo. Toda ação comporta uma certa organização dinâmica, que tampouco pode ser reduzida a um conjunto definido e definitivo de regras. Uma seqüência dada de operações ainda não é uma organização dinâmica da atividade que permita preservar a sua vitalidade interior. O sentido do momento, enquanto pressuposto que funda uma descoberta ou diagnóstico, não está dado pela seqüência de atos passados ou futuros, precisamente porque significa a possível introdução de uma outra direção a ser dada ao processo em curso. Por isso, permanece um ato apenas possível de ser efetivado pelos homens, tal como ocorre com a sensibilidade (socializada) ao contexto de uma conversação (Collins, 1992:273). Também em relação ao mundo material, quando se faz, ex post, a descrição das variáveis através das quais se pretende representar o comportamento de um sistema técnico, todos os eventos aparecem como necessários e previsíveis, isto é, como se correspondessem a um conjunto predefinido de leis e relações físicas. Esta é uma visão profundamente arraigada no espírito do engenheiros, que lidam sempre com representações e modelos formais e matemáticos dos processos físicos que tentam controlar. Entretanto, esses processos também possuem uma dinâmica própria, cujas relações entre componentes e características temporais são eventualmente discrepantes dos modelos previstos. Em todo processo de transformação, é evidente, o tempo é também uma variável intrínseca e determinante de sua evolução. Talvez seja, entretanto, uma das variáveis menos controladas. Não apenas os engenheiros, como todos os tecnólogos, compartilham esta visão do tempo como medida controlável a priori, concepção que é a mesma do racionalismo moderno, tal como transparece na epistemologia tradicional e também em algumas descrições do que seria a atividade científica. Em verdade, confunde-se o relato de como se fez uma descoberta (uma vez que ela já foi realizada e não no curso de sua realização efetiva), como se a descrição do passado em termos de regras pudesse servir para prever o futuro: nós podemos descrever o passado do mundo, mas não é a mesma coisa que descobrir como é o mundo (Collins, 1992:174). Todo o nosso senso comum parece, também, estar contaminado por essa idéia do tempo recortado à maneira das horas do relógio. Ora, é precisamente onde se requer uma ruptura com o tempo passado, quando ocorrem eventos imprevistos e incidentes, que entra em jogo a inventividade humana e sua capacidade de reagir de forma criativa. Não há como, nesses momentos de descoberta, enquadrar a dinâmica temporal da atividade num tempo

9 seqüencial e mensurável, redutível a coordenadas comportamentais determinadas, e isto não por uma questão de princípio, relacionada a uma suposta rebeldia da intuição humana a qualquer forma de controle, mas sim pela própria natureza do tempo em seu sentido histórico: em que se põe uma ruptura com o que até então se colocava como passado e como presente. BIBLIOGRAFIA BRAVERMAN, H. (1981) Trabalho e capital monopolista. Rio de Janeiro, Zahar, CLOT, Y. (1994)..Le travail sans l homme?. Paris, La Découverte. CLOT, Y.; ROCHEIX, J-Y. & SCHWARTZ, Y. (1990) Les caprices du flux. Vigneux, Matrice. COLLINS, H. M. (1989) Expert systems and the science of knowledge. In: Bijker; Hugues & Pinch. The social construction of technological systems. Cambridge, MIT Press, COLLINS, H. M. (1992). Experts Artificiels. Paris, Seuil. DREYFUS, H. (1979). What Computers Can t do. The Limits of Artificial Intelligence. New York, Harper & Row. FREYSSENET, M (1992b). "Formas sociais de automatização e esperiências japonesas". In: Hirata, H. (org). Sobre o modelo japonês. São Paulo, EDUSP, FREYSSENET, M. (1992A) Processus et formes sociales d automatisation: le paradigme sociologique. Sociologie du Travail. 4/92: , KERN, H. & SCHUMANN, M. (1984). La fin de la division du travail? Paris, Editions de la Maison des Sciences de L'Homme, KEYSER, V. (1988). De la contingence à la compléxité: l évolution des idées dans l étude des processus continus. Le Travail Humain. 51(1): LIMA, F.P.A. (1994). Medida e desmedida: padronização do trabalho ou livre organização do trabalho vivo. Produção, n o especial, 1994, pp LIMA, F.P.A. (1997) Ergonomia e prevenção da LER: limites e possibilidades. In: Lima; Araújo & Lima (1997). LER: dimensões ergonômicas e psicossociais. Belo Horizonte, Health, LOJKINE, J. (1996). A revolução informacional. São Paulo, cortez. MERCHIERS, J & PHARO, P. (1992) Eléments pour um modèle sociologique de la compétence d expert. Sociologie du Travail. 1/92: MORAES NETO, B. (1995) Microeletrônica e produção industrial: uma crítica à noção de <<Revolução generalizada>>. Textos para discussão 24, UNESP, Araraquara, set/1995. MORAES NETO, B. (1989). Marx, Taylor e Ford: as forças produtivas em discussão. São Paulo, Brasiliense, 1989 SEARLE, J. (1984). Mente, Cerébro e Ciência. Lisboa, Edições 70, 1987 VATIN, F. (1987). La fluidité industrielle, Paris, Méridiens Klincksieck, WINOGRAD & FLORES (1986). L intelligence artificielle en question. Paris, PUF, ZARIFIAN, P. (1993). Quels modèles d'organisation pour l'industrie européenne?. Paris, L'Harmattan. ZARIFIAN, P. (1990). La Nouvelle Productivité. Paris, l Harmattan, ZARIFIAN, P. (1995). Le Travail et l événement. Paris, L Harmattan.

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

3 Abordagem Sistêmica

3 Abordagem Sistêmica 3 Abordagem Sistêmica 3.1 A visão sistêmica Como uma das correntes do pensamento administrativo, a abordagem sistêmica foi introduzida em meados da década de 60. Os teóricos de sistemas definiram-na como,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

PESQUISA EM EDUCAÇÃO

PESQUISA EM EDUCAÇÃO PESQUISA EM EDUCAÇÃO O que é Pesquisa? O que é Pesquisa? 1. Ato ou efeito de pesquisar. 2. Indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação. 3. Investigação e estudo sistemáticos,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 TEORIA GERAL DE SISTEMAS Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 Critica a visão de que o mundo se divide em áreas como física, biologia, química, psicologia, sociologia pregando

Leia mais

A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS

A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS 1 A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS Daniel de Souza Costa Daisy Moreira Cunha RESUMO: O trabalho aqui apresentado teve como objetivo discutir

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS DA CHAMINÉ AO CHIP GRANDES FATORES DE MUDANÇA A (R) EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO AS TECNOLOGIAS DE BASE CIENTÍFICA AS NOVAS TECNOLOGIAS ORGANIZACIONAIS

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Controle de gestão. Controle de Gestão. Objetivos 21/03/2011. Ariel Levy UFF 2011.1 60 hs

Controle de gestão. Controle de Gestão. Objetivos 21/03/2011. Ariel Levy UFF 2011.1 60 hs Controle de gestão Ariel Levy UFF 2011.1 60 hs Controle de Gestão EMENTA Elaboração do orçamento para controle administrativo: orçamento empresarial e orçamento público. Planejamento e controle de vendas

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

o(a) engenheiro(a) Projeto é a essência da engenharia 07/02/2011 - v8 dá vazão

o(a) engenheiro(a) Projeto é a essência da engenharia 07/02/2011 - v8 dá vazão empíricos ou vulgar ou senso comum filosófico exige raciocínio reflexões racional e objetivo produto precede a construção conjunto de atividades o(a) engenheiro(a) aplica conhecimentos científicos ligado

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais