Assim se faz... Banking & Finance na Alemanha. 1ª Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assim se faz... Banking & Finance na Alemanha. 1ª Edição"

Transcrição

1 Assim se faz... Banking & Finance na Alemanha 1ª Edição

2 ÍnDICE I. Ponto de partida: vantagens financeiras devido aos componentes do financiamento alemão 2 II. Financiamento por créditos bancários e contratos de arrendamento mercantil 2 1. O sistema bancário alemão 2 2. Crédito bancário clássico 3 3. Créditos de investimento 5 4. Financiamento de aquisição - financiamento da compra de uma empresa 8 5. Financiamento de projetos (Project Finance) 9 6. Financiamento de bens Swaps cambial e de taxa de juros e swaps capitais 12 III. Financiamento através do mercado de capitais - obrigações emitidas por empresas 13 IV. Freshfields Bruckhaus Deringer LLP 15

3 2 I. Ponto de partida: vantagens financeiras devido aos componentes do financiamento alemão Para empresas brasileiras que planejam investir na Alemanha ou que querem adquirir bens de capital de grande valor, um financiamento feito pelo mercado financeiro alemão pode oferecer vantagens relevantes. O nível dos juros na Alemanha está bem mais baixo do que no Brasil há muitos anos. Além disso, na legislação alemã não há uma compensação automática da inflação, e tampouco essa compensação é uma prática comum do mercado alemão. Caso os contratos de financiamento não possam ser completamente cumpridos com os rendimentos dos negócios na Europa, os riscos cambiais devem ser cobertos por meio de operações de garantia (principalmente swaps). Caso o investidor brasileiro inaugure uma subsidiária na Alemanha, podem ser considerados, em princípio, tanto os instrumentos de capital próprio quando os de crédito. Na prática, porém, os instrumentos de crédito costumam ser dominantes nessas constelações. Nesse caso, é preciso se diferenciar entre créditos bancários e leasings, de um lado, e financiamentos baseados no mercado de capitais, de outro. O espectro dos instrumentos e condições de financiamento possíveis dependem muito da liquidez do devedor e da possibilidade de se disponibilizar proteções ao crédito. II. Financiamento por créditos bancários e contratos de arrendamento mercantil 1. O sistema bancário alemão O sistema bancário alemão é composto de três pilares: os bancos privados, os bancos cooperativos e os bancos públicos (Sparkas-

4 3 sen bancos municipais e bancos estaduais). Com uma participação no mercado de mais de 40%, o peso dos bancos públicos no sistema bancário alemão, em uma comparação internacional, é muito alto. No que concerne ao financiamento de empresas, no entanto, sua participação assim como a dos bancos cooperativos é muito mais baixa. Quando os bancos públicos são atuantes no setor de financiamento de empresas, eles financiam principalmente pequenas e médias empresas. A legislação alemã de fiscalização do setor bancário não prevê uma separação entre bancos de investimento, comerciais ou de varejo. Sendo assim, as grandes instituições financeiras alemãs participam normalmente de todas as três áreas de negócios. Junto com o crédito bancário, o arrendamento mercantil (leasing) tem uma enorme importância no financiamento empresarial na Alemanha. Em 2010, o volume de investimentos financiados por meio de operações de arrendamento mercantil chegou a 43,6 bilhões de Euros. Os financiamentos por arrendamento mercantil são bastante relevantes, principalmente para a aquisição de bens de capital por empresas de médio porte. Operações de leasing são oferecidas, por um lado, por bancos ou por subsidiárias especiais de bancos; mas por outro, uma porcentagem significante do mercado vai para sociedades de arrendamento mercantil independentes e sociedades de arrendamento mercantil associadas aos fabricantes de bens de capital. 2. Crédito bancário clássico O crédito bancário é a forma clássica de financiamento de empresas e ainda tem um papel dominante no mercado alemão. Essa conclusão aplica-se a uma ampla paleta de atividades de financiamento (por exemplo, investimentos, capital circulante, incorporação e saneamento de empresas, assim como a aquisição de empresas). Há uma série de motivos para a dominância do crédito bancário. Em comparação com produtos do mercado de

5 4 capitais, o crédito bancário apresenta uma maior flexibilidade, ou seja, ele pode ser adequado individualmente às necessidades do financiamento em questão quanto ao seu vencimento, ao volume, às condições de pagamento de juros e da restituição, assim como às modalidades de amortização. Já que o processamento técnico do crédito, por outro lado, é em grande parte padronizado, os custos da transação frequentemente estão abaixo dos custos decorrentes da estruturação de obrigações emitidas por empresas e de outros produtos do mercado de capitais. Isso também está associado ao fato de haver normalmente uma maior exigência de transparência para os financiamentos do mercado de capitais. Essa diferença, no entanto, só é relevante para empresas que ainda não estão representadas de outra forma no mercado de capitais (por exemplo, por meio de uma cotação de suas ações na bolsa). Por fim, nas crises empresariais, as negociações de reestruturação necessárias com os credores podem ser mais facilmente realizadas se nenhuma dívida da empresa foi emitida no mercado de capitais público sob a forma de obrigações, mas sim, primordialmente, absorvida em créditos bancários. Contrato de abertura de crédito crédito operacional Previamente à concessão de crédito a uma empresa, é de praxe o fechamento de um contrato de abertura de crédito (em parte também chamado promessa de crédito). Esse contrato tem o caráter de um contrato-base relativo à futura relação comercial. Ele constitui em uma obrigação para o banco de conceder crédito à empresa creditada sob condições determinadas (juros, limite etc.), mas apenas sob demanda. Ademais, a natureza jurídica do contrato de abertura de crédito pode variar se ele se referir a um empréstimo em dinheiro, ou seja, se tiver de suprir diretamente a necessidade de liquidez de uma empresa, ou se tratar-se de um crédito em forma de garantia (por exemplo, fianças, garantias). No primeiro caso, a legislação sobre empréstimos do código civil alemão, BGB, (artigos 488 e ss.) pode

6 5 ser aplicada; no segundo, aplica-se a legislação sobre a gestão de negócios (artigo 675 BGB) ou os princípios gerais do contrato de garantias. Para o banco, o contrato de abertura de crédito fundamenta a obrigação de manter disponível o valor do crédito acordado e pagá-lo sob demanda. A empresa tomadora do crédito, por sua vez, obriga- se a pagar uma taxa pela disponibilização do dinheiro. O direito de demandar o crédito é um direito formativo, portanto não implica na obrigação de demandar o crédito concretamente. No momento em que a empresa decidir demandar o crédito, nasce um contrato individual de crédito. Apesar de as condições desse contrato de crédito já estarem definidas no contrato de abertura de crédito (segundo sua natureza jurídica de contratobase), trata-se de um contrato juridicamente independente. Caso tenha sido acordado no contrato de abertura de crédito que o creditado pode voltar a demandar o crédito depois da sua amortização, fala-se em um crédito rotativo, o qual ocorre tipicamente nos casos de créditos operacionais. O processamento dos pagamentos ocorre regularmente através de uma conta corrente mantida pela empresa no banco credor (crédito em conta corrente). Além disso, é também característico do crédito operacional o fato de seu uso não estar limitado a um fim específico. O contrato de crédito termina com o vencimento do prazo acordado pelas partes, com a rescisão por uma das partes ou por um contrato de rescisão consensual. Caso surja um motivo relevante para a rescisão a favor do banco e ele faça uso do mesmo, então ele pode também exigir o pagamento da taxa pela disponibilização do dinheiro. 3. Créditos de investimento Diferentemente do crédito operacional, o crédito de investimento está associado a um fim específico. Ele é tipicamente utilizado

7 6 para o financiamento da compra de bens para os ativos fixos ou dos investimentos necessários para se ampliar as operações comerciais ou renovar objetos dos ativos fixos. Os créditos de investimento têm duração normalmente de médio a longo prazo. Diferentemente do contrato de abertura de crédito para crédito operacional, o contrato de crédito de investimento implica para o creditado na obrigação de realmente utilizar o crédito. Após o vencimento do prazo contratualmente determinado para disponibilidade do crédito, este deixa de estar disponível. O período de duração de créditos de investimento é normalmente de 3 a 5 anos. Períodos de duração mais longos podem ser considerados sob circunstâncias especiais quando, por exemplo, tratar-se de um bem econômico de longo prazo de vida útil que pode ser dado como garantia do empréstimo por meio do penhor em favor do credor (por exemplo, imóveis, navios e aviões). Quanto ao volume de crédito, os créditos de investimento são muito flexíveis. O limite é dado a partir da solvência do creditado, analisada caso a caso (considerando-se as garantias pessoal e real disponíveis), assim como a partir da situação atual do mercado de créditos sindicalizados. Pois, diferentemente dos créditos operacionais, por exemplo, grandes créditos de investimento não são disponibilizados por um único banco, mas tipicamente por vários bancos consorciados por meio de um crédito sindicalizado. Muitas vezes, os contratos de créditos de investimento incluem a opção de moeda estrangeira, ou seja, a empresa tomadora do crédito pode demandar o valor do crédito na moeda principal do contrato de crédito (por exemplo, em Euro) ou em outra moeda disponível e negociável (por exemplo, US$). No que diz respeito ao pagamento de juros e à restituição, as condições do crédito seguem os acordos pertinentes, os quais por sua vez se orientam pelos planos de investimento em questão. A taxa de juros pode ser fixa ou variável, sendo que, no caso de créditos empresariais comerciais, as taxas de juros variáveis são

8 7 mais frequentes. No caso de juros variáveis, convenciona-se o uso da EURIBOR (taxa de referência para créditos em Euro) ou da LI- BOR (taxa de referência para créditos em outras moedas) como referências para o cálculo dos juros. Ambas as taxas referem-se ao mercado interbancário. A taxa de juros a ser paga pelo cliente bancário é calculada então a partir da taxa de referência (EURIBOR ou LIBOR) acrescida da margem acordada. Quanto à restituição, ela pode ocorrer em diversos formatos: amortização em parcelas durante o período do contrato, no vencimento final ou de forma mista. Os juros, por outro lado, normalmente devem ser pagos durante a vigência do contrato nos intervalos de tempo acordados. Dependendo da solvência da empresa tomadora do crédito e do montante do crédito, o banco ou o consórcio de bancos pode exigir que a empresa forneça garantias. Os instrumentos de garantia considerados segundo a legislação e prática de mercado alemãs correspondem amplamente ao instrumentário utilizado no Brasil para concessão de créditos. Além das clássicas garantias pessoal e real, os contratos de crédito incluem normalmente cláusulas com obrigação de fornecer informações (information covenants) e de fazer e de não fazer (covenants positivos e negativos, inclusive covenants financeiros). Dessa forma, os bancos pretendem identificar o mais cedo possível eventuais problemas financeiros do projeto e evitar que medidas político-econômicas que possam ter um impacto duradouro sobre a solvência e a liquidez da empresa sejam tomadas pelos investidores sem a sua autorização. A estrutura dos contratos de crédito empresarial sindicalizado, também na Alemanha, baseia-se principalmente no caso de créditos consorciados amplamente no contrato padrão desenvolvido pela Loan Market Association (LMA) em Londres, com base na legislação inglesa. Isso se aplica, em princípio, mesmo quando o contrato de crédito está submetido à legislação alemã. A adequação do contrato padrão da LMA à legislação alemã, porém, quase sempre possibilita uma documentação menos volumosa do que se ele estiver de acordo com a legislação inglesa.

9 8 4. Financiamento de aquisição - financiamento da compra de uma empresa Para financiamentos de aquisições são adotados complexos contratos de crédito cuja estrutura está fundamentada principalmente no fluxo de caixa (prognosticado) da empresa-alvo, ou seja, da empresa cuja aquisição o investidor pretende financiar. Os possíveis investidores são principalmente empresas de private equity assim como investidores estratégicos, que não visam, pelo menos não a médio prazo, à integração completa da sociedade adquirida à sua empresa já existente. Se 60% ou mais do preço de venda da sociedade visada for financiado por crédito, fala-se em um leveraged buyout (LBO). Financiamentos de aquisições implicam em uma alta exigência quanto à sintonia precisamente ajustada entre o contrato de compra da empresa e o de financiamento. Nesse caso, a aquisição em questão deve ser analisada à luz de parâmetros legais societários, creditícios e financeiros. Financiamentos de aquisições são customizações baseadas na seguinte estrutura fundamental: o investidor funda uma nova sociedade de capital cujo único fim consiste em adquirir as sociedades-alvo e manter suas quotas sociais (sociedade de propósito específico). Para tanto, a sociedade de capital deve ser provida pelo investidor com capital próprio e por um consórcio bancário com o crédito para um propósito específico. O objetivo dessa estrutura é principalmente limitar a responsabilidade e o risco do investidor o mais possível ao investimento aplicado por ele. Por isso, o investidor normalmente não dá aos bancos nenhuma (ou apenas algumas muito limitadas) segurança ou garantia. A principal garantia para os bancos é a sociedade adquirida. Suas quotas sociais e todos os seus objetos patrimoniais são transferidos para o consórcio bancário ou penhorados como garantia. Com esse extenso pacote de garantias, assegura-se principalmente a integridade da sociedade como unidade operacional. Normalmente, as receitas das vendas, respectivamente os valores de liquidação,

10 9 não poderiam cobrir o volume do crédito e dos juros. Por isso, a decisão sobre a concessão do crédito e a formatação das condições de financiamento baseiam-se principalmente na análise do fluxo de caixa (futuro). Logo que o procedimento de aquisição é finalizado, normalmente são necessárias medidas de reestruturação, a fim de se otimizar a situação das empresas envolvidas no que diz respeito às condições de financiamento, tributação e gestão empresarial (corporate governance). 5. Financiamento de projetos (Project Finance) Assim como o financiamento de aquisições, o financiamento de projetos também toma como base o fluxo de caixa da sociedade de propósito específico financiada. No entanto, nesse caso a situação é ainda mais complexa e arriscada, pois não se trata do financiamento de uma empresa já existente (sobre a qual existem dados concretos de sua atividade no passado), mas sim do financiamento de um projeto empresarial com investimento de longo prazo que, em um primeiro momento, ainda não é real. Consequentemente, o fluxo de caixa, nesse caso, baseia-se em uma análise do projeto ou dos contratos (de longo prazo) por meio dos quais a futura empresa (projeto) deve ser constituída. Consequentemente, a obrigação de fornecimento de informações e as obrigações de fazer e de não fazer mencionadas acima têm uma importância fora do comum nos contratos de financiamento de projetos. Estruturas de financiamento de projetos são adequadas apenas para financiamentos de longo prazo (10-30 anos) de um projeto de investimento (empresa futura) que possa ser gerenciado de forma economicamente independente da operação comercial já existente do iniciador do projeto (investidor). A chamada condição stand-alone é pré-requisito para que a limitação da responsabilidade do investidor ao capital próprio investido (capitalização da

11 10 sociedade de propósito específico) seja aceita pelos bancos credores. O objetivo ideal dos investidores é reduzir o mais possível seu risco de responsabilidade pela restituição do crédito, por meio da sociedade de propósito específico. Para os bancos, o risco durante a fase de finalização do projeto é especialmente alto (principalmente quando há riscos técnicos); por isso, eles frequentemente exigem do investidor uma garantia limitada a essa fase. A clássica alternativa ao financiamento de projeto é o crédito de investimento, para o qual não apenas a futura empresa-projeto (sociedade de propósito específico) responsabiliza-se pela restituição do crédito, mas também a empresa já existente. Qual alternativa será a escolhida depende de muitos fatores. Se, por um lado, a empresa já existente (o investidor) apresenta um alto grau de endividamento, ou está envolvida em vários projetos de expansão e, por outro lado, a lucratividade do projeto a ser complementarmente financiado é avaliada como muito alta, então as condições de financiamento podem ser mais vantajosas no âmbito de um financiamento de projeto do que em um clássico crédito de investimento (complementar). De qualquer forma, as despesas para a estruturação de um financiamento de projeto são altas. Por isso, os financiamentos de projetos são apenas considerados a partir de um volume de investimento de no mínimo EUR 100 milhões. Em um financiamento de projeto, diversos instrumentos de financiamento costumam ser combinados. No centro está o crédito a termo, o qual é pago tipicamente de acordo com as fases do projeto (milestones). A estrutura da restituição baseia-se no desenvolvimento prognosticado do projeto principalmente no desenvolvimento prognosticado do fluxo de caixa e, portanto, quase sempre prevê no início uma fase isenta de amortizações. A prática contratual e a prática mercadológica de financiamentos de projetos na Alemanha estão amplamente de acordo com os padrões internacionais. Há especificidades no que diz respeito aos pacotes de garantias (todos os bens patrimoniais da empre-

12 11 sa-projeto são penhorados em favor do consórcio bancário ou alienados a título de garantia) e às regras gerais do direito societário. A estruturação do financiamento sempre demanda uma customização que exige muito dos bancos envolvidos e dos consultores jurídicos. 6. Financiamento de bens arrendamento mercantil Para o financiamento de bens de capital, muitas vezes, o financiamento por meio de arrendamento mercantil (leasing) é considerado, além do clássico crédito de investimento associado a um fim específico, garantido por meio do penhor ou por uma alienação temporária a título de garantia. Isso se aplica principalmente quando há um mercado secundário com uma relativa liquidez para os bens de capital da categoria em questão (por exemplo, aviões comerciais ou mesmo veículos sobre trilhos). O arrendamento mercantil é atraente, por um lado, porque o arrendatário poupa sua liquidez, pois ele não precisa levantar logo o volume total dos custos da compra do bem de capital de seus próprios recursos. Por outro lado, ele tampouco precisa como ocorre em um financiamento de crédito emprestar capital no valor dos custos de compra do bem; ou seja, o patrimônio líquido do arrendatário não é reduzido devido à transação de leasing. Além disso, o arrendamento mercantil pode ter mais vantagens tributárias do que um financiamento de crédito. Para tanto é necessário se atentar às especificações da administração tributária alemã para o tratamento tributário de transações de arrendamento mercantil. Essas especificações regulamentam que parte (arrendador ou arrendatário) está qualificada como proprietária econômica do objeto do investimento para fins tributários. Isso determina o direito de incluir as amortizações do crédito como despesas de depreciação. A legislação alemã qualifica os contratos de arrendamento mercantil dentro do direito civil como contratos de concessão de uso

13 12 e utiliza uma regulamentação análoga à do código civil sobre contratos de locação. Isso tem também como consequência o fato de que, na medida em que as condições gerais de comercialização são incluídas no contrato de arrendamento mercantil como costuma ser o caso, a liberdade para a formatação do contrato é limitada. Pois a jurisprudência controla o conteúdo das cláusulas frequentemente utilizadas em contratos de arrendamento mercantis tomando como base comparativa as determinações legais para o aluguel. Cláusulas que sejam divergentes dos princípios gerais do direito de locação são qualificadas como inválidas. Desde 2009, a negociação do arrendamento mercantil é explicitamente abordada na lei referente ao sistema bancário; ou seja, a operação de arrendamento mercantil é agora considerada um serviço financeiro regulamentado e que somente pode ser oferecido por entidades previamente autorizadas. 7. Swaps cambial e de taxa de juros e swaps cambiais Existem diversos riscos cambiais em financiamentos que ultrapassam fronteiras. Por meio de swaps cambiais e de taxas de juros, esses riscos podem ser assegurados (também) a longo prazo. Nesse tipo de swap, as partes contratuais comprometem-se a trocar, além das dívidas de juros que devem ser anualmente ajustadas, o montante de capital no início do período de financiamento pela taxa de câmbio do momento. No final do período do financiamento, as taxas de câmbio recebidas são então destrocadas pela mesma taxa de câmbio. No que diz respeito às dívidas de juros, são possíveis diversas formas de pagamento (fixo, variável ou uma combinação de ambos). Os swaps cambiais e de taxas de juros devem ser diferenciados dos swaps cambiais. Enquanto os swaps cambiais e de taxas de juros baseiam-se em uma combinação da transação de câmbio à vista e a transação de câmbio a prazo, no swap cambial clássi-

14 13 co não são realizados pagamentos de juros. A operação de troca nesse caso consiste simplesmente na combinação de valores cambiais segundo a taxa de câmbio à vista com valores cambiais segundo a taxa de câmbio do mercado futuro. Aqui a taxa do mercado futuro refere-se ao momento posterior da destroca. Enquanto houver uma diferença no nível dos juros em ambos os espaços cambiais, as diferenças entre os juros podem ser levadas em consideração na taxa de câmbio convencionada mediante um acréscimo ou uma dedução na taxa de câmbio. Por outro lado, no swap cambial e de taxa de juros, a diferença de juros entre as duas moedas é compensada pelo fato de que os juros devem ser pagos nas datas acordadas. A forma de cálculo dos fluxos de pagamento de juros é acordada previamente assim como o período de duração, o início do período, as duas moedas, valores nominais nessas moedas, pagador/ recebedor de taxa fixa, taxa de swap, taxa de juros de referência, prazo fixado para cobrança de juros e frequência dos pagamentos. A destroca de ambas as moedas no swap cambial e de taxa de juros ocorre segundo a taxa à vista convencionada para o câmbio no fechamento da transação de swap. III. Financiamento através do mercado de capitais obrigações emitidas por empresas Como alternativa à aquisição de crédito, podemos considerar o financiamento através do mercado de capitais por meio de obrigações emitidas por empresas. Essa possibilidade existe não apenas para grandes empresas que já atuam no mercado de capitais devido à participação na bolsa, ou seja, que já precisam mesmo cumprir a grande transparência exigida das empresas participantes, mas também para empresas de médio porte. Recentemente formou-se na Alemanha, além do segmento de mercado de obrigações clássicas de empresas e do segmento de obrigações

15 14 high yeld inovadoras, ambas emitidas por sociedades anônimas cotadas na bolsa, também um segmento especial de obrigações de médio porte. O volume de emissões dessas obrigações de médio porte está entre 25 e 150 milhões de Euros, com uma divisão normalmente de EUR 1.000,00. Com isso, esse segmento é atraente principalmente para investidores privados. Diversas bolsas alemãs oferecem plataformas de negociação especiais para esses empréstimos, nas quais as obrigações emitidas por investidores privados podem ser até mesmo compradas diretamente na subscrição. Dependendo da situação da empresa que busca capital e das condições do mercado de créditos empresariais, a emissão de uma obrigação pode ser mais barata que um crédito bancário. As exigências de transparência associadas ao registro de títulos no segmento de médio porte (mercado de balcão organizado) são menores que as do mercados de capitais regulados. No entanto, são pré-requisitos um prospecto aprovado pela autoridade de supervisão bancária alemã, Bafin, um rating para a emissão e a publicação de balanços anuais e semestrais auditados. Todas as informações contidas nesta publicação foram cuidadosamente pesquisadas. Entretanto, o Freshfields Bruckhaus Deringer LLP não pode se responsabilizar pela completude e veracidade das mesmas.

16 15 IV. Freshfields Bruckhaus Deringer LLP O Freshfields Bruckhaus Deringer LLP é um escritório de advocacia internacional mundialmente integrado. Prestamos consultoria a indústrias líderes nacionais e multinacionais, a instituições financeiras e a estatais em projetos e transações complexas e exigentes. Nossa meta é aplicar nossa expertise jurídica com perfeição para nossos clientes por meio de advogados altamente qualificados e de eficientes equipes de consultores com amplos conhecimentos jurídicos e econômicos, inovadores em suas especialidades e que entendem o pensamento empresarial em todo o mundo. Nossos mais de advogados auxiliam internacionalmente nossos clientes a partir de 27 escritórios localizados em diversos países, prestando um serviço dedicado em todas as regiões econômicas importantes. Na Alemanha, já atuamos há mais de 150 anos e hoje temos mais de 500 advogados em seis escritórios, dentre os quais profissionais que dominam o português ou têm o português do Brasil como língua materna. Os rankings de advogados que atuam nas maiores transações empresariais da economia alemã incluem o Freshfields há vários anos nas primeiras posições. Nenhuma outra banca de advogados tem uma avaliação de tanto destaque em tantas áreas jurídicas e setores industriais do mercado alemão quanto o Freshfields Bruckhaus Deringer LLP. É o que chamamos de Premium Full Service. Seus contatos no Freshfields Bruckhaus Deringer LLP são: Gunnar Schuster: sócio desde 1999, trabalha em nosso escritório em Frankfurt. Ele é membro de nosso grupo de direito societário e financeiro e é especialista em questões bancárias, seguros e fundos de investimento, assim como mercados de capitais e fusões e aquisições. Ele também é co-head de nosso grupo setorial de instituições financeiras e, nessa função, mantém estreito

17 16 contato com o BaFin, o regulador alemão de serviços financeiros. Ele é o country partner para o Brasil na Alemanha. Christoph Gleske: sócio desde 2002, trabalha em nosso escritório em Frankfurt. Ele é membro de nosso grupo de direito societário e financeiro e é especialista em mercados de capitais (debt e equity), produtos financeiros estruturados e regulação bancária e de valores mobiliários. Ele tem extensa experiência em emissões e ofertas de distribuição de ações nos mercados alemão e internacional, ofertas de debêntures convertíveis e outros valores mobiliários e estruturação de produtos de capital híbrido para fins contábeis e/ou de rating.

18 Junho de 2011 A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo agradece a Freshfields Bruckhaus Deringer LLP pela parceria e patrocínio desta publicação. Publicado pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo.

19 Freshfields Bruckhaus Deringer LLP Bockenheimer Anlage Frankfurt am Main T F

20 O acesso a informações atualizadas é um fator decisivo na abordagem de um mercado tão exigente como a Alemanha. A série Assim se faz... vem justamente fornecer às empresas brasileiras um conjunto de informações iniciais, de forma clara, precisa e prática, sobre as diversas questões levantadas por empresários que buscam entrar nos mercados alemão e europeu. Os temas são tratados por especialistas locais e editados pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo. A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha em São Paulo atua há mais de 90 anos a serviço da colaboração entre as macroeconomias da Alemanha e do Brasil. A Câmara está estruturada para atender a um crescente número de empresas e instituições interessadas em expandir seus negócios, encontrar oportunidades para entrar em novos mercados ou dar início a projetos inovadores. Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Rua Verbo Divino 1488 BR São Paulo-SP Tel.: (55 11) Fax: (55 11)

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional Reta Final Escriturário Banco do Brasil Disciplina: Conhecimentos Bancários Prof.: Rodrigo Barbati Data: 09/09/2007 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI Garantias do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Obrigações

Conceitos básicos de negociação em Obrigações Conceitos básicos de negociação em Obrigações N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Obrigação: título representativo de uma fração da dívida/passivo

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD

Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD BANCO INTERNACIONAL DE RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO B I R D Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD D EPARTAMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS (FPS) TELEFONE: (202) 458-1122 FAX:

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Estrutura Legal. dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Estrutura Legal. dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil Estrutura Legal dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil Publicação: Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição: Março 2015 Coordenação: Ângela Ximenes Superintendente

Leia mais

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m.

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. b r Fundado em 1997, FreitasLeite possui grande experiência

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF Conceito 1 Conceito Integração dos mercados imobiliário e de capitais, de modo a permitir a captação de recursos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL Valdery Albuquerque 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário De 17 a 19 de março de 2010 Índice 1. Conceitos e Características

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004 Laudo de Avaliação da Ferronorte Data Base: Novembro de 2004 Contexto Os administradores da Brasil Ferrovias nos solicitam a avaliação do preço das ações da Ferronorte a serem emitidas no aumento de capital

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

Vaz, Barreto, Shingaki & Oioli Advogados

Vaz, Barreto, Shingaki & Oioli Advogados Vaz, Barreto, Shingaki & Oioli Advogados presta assessoria jurídica em todas as áreas do Direito ligadas à atividade empresarial, sobretudo em questões envolvendo Direito Bancário e dos Mercados de Capitais,

Leia mais

FAPI (Fundo de Aposentadoria Programada Individual) FASB (Financial Accounting Standards Board) Fato relevante Fator Fator Atuarial

FAPI (Fundo de Aposentadoria Programada Individual) FASB (Financial Accounting Standards Board) Fato relevante Fator Fator Atuarial 1. FAPI (Fundo de Aposentadoria Programada Individual): Modalidade de fundo de aposentadoria que tem como objetivo a acumulação de recursos a partir, exclusivamente, dos aportes feitos pelo titular do

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Karina Jaques, professora de Conhecimentos Bancários do site QConcursos.com 1. (CESGRANRIO/2012/CEF/Técnico Bancário) Para estabelecer um relacionamento bancário, as pessoas devem comprovar o seu domicílio.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A.

ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral de Obrigacionistas de 21 de fevereiro de 2013 Emissão de 3.150 Obrigações Escriturais, ao portador, com valor nominal

Leia mais

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada;

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada; RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS, Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. sociedade anônima de capital aberto, submete à apreciação

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 24.9.2015 L 248/45 REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU que altera o Regulamento (UE) n. o de 10 de setembro de 2015 1333/2014 relativo às estatísticas de mercados monetários (BCE/2015/30)

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Expertise do Luxemburgo com dimensão internacional

Expertise do Luxemburgo com dimensão internacional Expertise do Luxemburgo com dimensão internacional O seu desafio Em razão da velocidade e da globalização que caracterizam atualmente as operações comerciais, muitas vezes empresários, hedge funds, investidores

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G

SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G I Fórum Brasileiro de Economia e Finanças no Agronegócio SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G JOSÉ AMÉRICO RUBIANO 13 e 14 de agosto de 2014 SPE SOCIEDADE DE PROPÓSITO ESPECÍFICO Definição Sociedades de Propósito

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

Holding. Aspectos Tributários

Holding. Aspectos Tributários Holding Aspectos Tributários Holding Holding Pura O Objeto da Holding Pura é basicamente a participação no capital de outras sociedades. Dessa forma, a fonte de receitas desta serão os dividendos das empresas

Leia mais

Investimentos Imobiliários. Fundos de Investimento Imobiliário FII. Definição. Vantagens

Investimentos Imobiliários. Fundos de Investimento Imobiliário FII. Definição. Vantagens Investimentos Imobiliários A estabilidade e as perspectivas para a economia do país e para a construção civil, aliadas ao controle da inflação e às taxas de juros historicamente baixas, intensificam o

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais