EPIDEMIA URBANA DE Tityus serrulatus NO MUNICIPIO DE TRINDADE-GO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EPIDEMIA URBANA DE Tityus serrulatus NO MUNICIPIO DE TRINDADE-GO RESUMO"

Transcrição

1 EPIDEMIA URBANA DE Tityus serrulatus NO MUNICIPIO DE TRINDADE-GO Hélio Pinheiro de Andrade 1 Antônio Pasqualetto 2 RESUMO Ao estudar espécies sinantrópicas de importância médico-sanitária no município de Trindade-GO, encontrou-se epidemia da espécie de escorpião Tityus serrulatus. Destacaram-se dois setores com maior ocorrência e possíveis focos disseminadores: o cemitério e a ETA-Saneago. Sugerem-se urgentes medidas preventivas e de controle. Palavras-chave: Tityus serrulatus, epidemia ABSTRACT When studying species important sinantrópicas doctor-sanitary in the city Trinity-GO, observated scorpion species epidemic Tityus serrulatus. Highlighted two sectors with larger occurrence and possible focuses circulators: the cemetery and ETA-saneago. Suggest urgent preventive measures and of control. Key-Words: Tityus serrulatus, epidemic 1 Biólogo, Especialista em Educação Ambiental pela Universidade Católica de Goiás. 2 Engenheiro Agrônomo, Doutor, Professor da Universidade Católica de Goiás. 1

2 1 INTRODUÇÃO O município de Trindade, localizado a 18 Km da capital do Estado de Goiás Goiânia, recebeu sua maioridade no ano de 1920, através da lei 662 do dia 16 de julho, passando de distrito para Município. Entre setores, vilas, bairros, chácaras, jardins e conjuntos, somam se 44 ao total. É uma cidade que possui grande extensão, em relação ao seu tamanho. Trindade possui a tradição religiosa, conhecida como a Festa do Divino Pai Eterno ou Festa de Trindade, que começou no ano de 1840, no qual Trindade era conhecida como Arraial Barro Preto, festa essa, que atrai atualmente para cidade, no mês de junho, um número elevadíssimo de romeiros, uma das hipóteses de transporte do animal conhecido como exótico regionalmente. Entre os romeiros encontra-se um grupo especial, conhecido como Carreiros, onde os quais chegam de diferentes e distantes locais, Santa Bárbara de Goiás, Morrinhos, Anicuns, Damolândia, Itaberai, Palmeiras de Goiás, Goiás Velho, Avelinópolis, Inhumas e outras cidades. Que contribuíram para o transporte de animais dentre os quais os escorpiões. Há muito tempo, Trindade apresenta surto de infestação por escorpiões. Em 2001, registrou-se no município um acidente causado pelo animal, onde a vítima era uma criança, levada a óbito. Em abril de 2002, notou-se que em menos de cinco meses, outras duas crianças tiveram óbito, vitimadas pela picada do animal. A morte por envenenamento escorpiônico ocorre como resultante de falência cardio-respiratória algumas horas após o acidente (este período é variável podendo ocorrer entre 1 a 6 horas em média - mortes tardias também podem ocorrer). A situação é tão grave que tem obrigado o poder público a definir estratégias de controle da epidemia para proteger seus habitantes, inclusive as crianças. Mostrando a situação da cidade, tanto no tamanho físico como o número de habitantes, percebe-se as dimensões do problema, além de registrar a provável chegada do escorpião na região os riscos a multidão durante a festa religiosa, a qual também gera desequilíbrio ambiental, piorando a higiene urbana, propiciando acúmulos de lixos e presença de alimento favoráveis a sua disseminação. Tais fatos nos levam a preocupar, pois de acordo com estudos realizados no município de Aparecida no Estado de São Paulo, por Elieth Floret Spirandeli Cruz, Clóvis R. Winther Yassuda, Jorge Jim e Benedito Barraviera Programa de controle de surto de escorpião Tityus serrulatus, Lutz e Mello 1922, no município de Aparecida, (SP), (Scorpiones, Buthidae) em 1991, os órgãos de Saúde Pública do Vale do Paraíba registraram no município cerca de 15 casos de acidentes. Como a população do município era cerca de habitantes, este número equivale a um índice de incidência de 43 casos por habitantes. Este índice foi o maior registrado para a microrregião administrativa do Vale do Paraíba, perdendo apenas para o de Belo Horizonte (MG), o maior do país. No Censo de 1996, Trindade possuía habitantes, em 2000 aumentou para (Tabela 1). 2

3 Tabela 1: Número de habitantes no município de Trindade: Número de habitantes Homens Mulheres Total Zona urbana Zona rural Número total de habitantes Fonte: IBGE, Em junho de 2000, realizou-se uma pesquisa no município de Santa Bárbara de Goiás, onde a população passava pelo mesmo problema que Trindade passa hoje, tal pesquisa mostrou que os hábitos da população influenciaram muito na presença do animal na cidade, alem de notar, que os escorpiões se dispersaram passivamente, ou seja transportados em toras de madeira, dentro de caixas e caixotes, caminhões ou outro meio de transporte. Forma pela qual o animal chegou naquela região e da mesma forma chegou no município de Trindade. A pesquisa trouxe benefícios para ambas partes, o município da diminuição do foco do animal e a equipe pela nova experiência em epidemiologia de escorpiões. Segundo William Henrique Stutz, Médico Veterinário Sanitarista, são raros os profissionais aracnólogos ou não no Brasil envolvidos com nossa linha de trabalho. O que se nota, é uma preocupação em simplesmente exterminar escorpiões através do uso de qualquer veneno que surja no mercado e que, mesmo sem terem sido testados dentro de uma metodologia realmente científica, traga a enganosa sensação de estar "contribuindo para a Saúde Coletiva" (STUTZ, 2000). Justifica-se a atuação no monitoramento a espécie, apresentando alternativas viáveis que possibilitem a tomada de decisões pela população e poder público. Neste sentido, o realizou-se o pesquisa de espécies sinantrópicas de importância médico-sanitária no município de Trindade-GO, destacando-se: a)localização e identificação do escorpião na cidade; b)estudo estatístico da freqüência do animal na região; c) avaliação das condições propícias à infestação na região; d) avaliação das condições sócio-econômicas e educacionais da população sujeita ao escorpionismo e e) Identificação e divulgação de medidas de controle epidemiológico do escorpião no município. 2.1 DESCRIÇÃO 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Os escorpionídeos, conhecidos popularmente como escorpiões, pertencem à classe dos aracnídeos. Segundo William Henrique Stutz, não são insetos, basta observar que este animal tem 4 (quatro) pares de patas ao invés de 3 (três), como pensam erradamente algumas pessoas. Juntamente com as aranhas, os carrapatos e os ácaros, que são seus companheiros de classe, os escorpiões pertencem ao filo dos artrópodes, que inclui, além dos aracnídeos, a classe dos insetos, dos crustáceos e outras (STUTZ, 1990). 3

4 Os escorpiões, internamente possuem sistema nervoso, circulatório, respiratório, reprodutivo e digestivo. Como todos os artrópodes os escorpiões tem o corpo revestido por fino e resistente exoesqueleto de quintina que carrega e protege as estruturas internas. É a base de sustentação também de vários receptores sensitivos, espiráculos (ou opérculos respiratórios) e outras estruturas de comunicação com o meio exterior de grande importância biológica. A obra Biology of Scorpions - Gary A.Polis, uma das primeiras dedicada ou estudo dos escorpiões, ainda é utilizada. Para nível de entendimento de suas estruturas orgânicas externas, esse trabalho utilizará esquemas contidos no livro acima referido. (Figura 1) Figura 1. Desenho original de Biology of Scorpions - Gary A.Polis Prosoma O corpo é dividido em duas partes principais o prosoma (cefalotórax) e o opistosoma (abdome). Dorsalmente, o prosoma é coberto por uma carapaça. As quelíceras são parcialmente cobertas pela carapaça e projetadas para frente. As quelíceras são órgãos pré-bucais e são usadas para rasgar e triturar alimento, todos os aracnídeos as possuem. 4

5 Um par de olhos medianos e outros laterais, menores (ao todo cinco pares) estão localizados na carapaça. Os olhos medianos são órgãos muito primitivos, com capacidade de percepção de profundidade e espacial produzindo assim imagens visuais distorcidas. São muito sensíveis a luz. Seu propósito parece ser permitir orientação e para diferenciar luz e escuridão. Os olhos laterais são até três vezes menores do que os olhos medianos e parecem reagir a estímulos mais rapidamente no escuro. Aparentemente são os responsáveis pelo ciclo luz-escuridão e parecem serem reguladores do relógio biológico dos escorpiões. Uma área foto sensível no metasoma foi descoberta recentemente em diferentes escorpiões. Sua função não foi ainda esclarecida (POLIS, 1990) Opistosoma O opistosoma é composto pelo mesosoma (pré abdome) e metasoma, erroneamente chamado de cauda, (pós abdome). Sete tergítos se combinam para formar a parte dorsal do mesosoma. Os tecido flexíveis que unem as partes rígidas do exoesqueleto são denominadas membranas (pleura) intersegmental. O Metasoma é formado por cinco segmentos arredondados que terminam com um bulbo chamado telson. O telson não é considerado parte do metasoma. O aguilhão ou a parte inoculadora de veneno é chamada de acúleo (ferrão) e em sua porção arrendada estão as glândulas produtoras de veneno. (figura 2) Figura 2. Desenho do Telson do escorpião. Neste desenho pode-se observar o ferrão do escorpião assim como onde se alojam as glândulas que produzem veneno, e a abertura anal do Animal. Os escorpiões usam o ferrão para diversos fins. O mais óbvio é para dominar suas presas, que antes são agarradas firmemente pelas pinças dos palpos. Os escorpiões fazem uso do ferrão quando não conseguem matar a presa por esmagamento com as pinças. 5

6 Devido ao veneno que inoculam, pequenos escorpiões com pinças fracas conseguem dominar presas até do seu próprio tamanho. Um segundo uso do ferrão é na defesa. Através de um ferrão bem posicionado, os escorpiões podem manter afastados potenciais predadores. Apesar disso, eles são presas fácil para muitos animais, para os quais seu ferrão parece ser inócuo. Um terceiro uso do ferrão é durante o acasalamento. Observam-se freqüentemente machos aguilhoando as fêmeas ou golpeando-as com o telson. Parece provável que alguns escorpiões possuam ferormônios que possam aumentar a receptividade da fêmea ou permitam reconhecimento de espécies durante o ritual de acasalamento (MELLO, 1922). Na ferroada o musculoso metasoma é suspenso e o telson posicionado, para a introdução rápida e certeira do aguilhão no exoesqueleto ou pele do seu alvo. O escorpião deve perceber que foi certeiro, pois se o aguilhão não penetrar adequadamente o animal fará novas tentativas repetidamente até obter sucesso na inoculação do veneno. O metasoma é um órgão musculoso e além de ser usado para ferroar também é usado para cavar, higienização, equilíbrio e sustentação do animal (POLIS, 1945). As cerdas próximas ao ferrão são importantes sensores durante o ataque. Presas relutantes, que se debatem, serão ferroadas seguidamente enquanto estiverem seguras pelas pinças. A quantidade de veneno injetada é controlada pelo escorpião; doses maiores para grandes animais e menos para as presas menores. Algumas vezes o veneno não é injetado apesar da ferroada, este fenômeno é conhecido como "ferroada seca". O ferrão pode se manter introduzido na presa por alguns segundos ou simplesmente ser espetado e retirado imediatamente, retornado a sua posição de ataque. Independentemente da forma como é utilizado o veneno faz do escorpião um predador extraordinário e eficiente, capaz de capturar presas maiores e mais perigosas do que o próprio. Uma pequena protuberância esta presente em algumas espécies e são usadas por taxonomistas como uma característica quando da classificação de espécies. O metasoma não é uma cauda no sentido da palavra, mas uma continuação do abdome. Contém partes do intestino, nervos, artérias, veias e músculos além de sustentar o telson. A abertura anal esta localizada no tecido mole do quinto segmento, onde este se conecta com o telson Apêndices Quatro pares de patas articuladas (todas inseridas no cefalotórax) permitem locomoção e também são usadas para escavar o solo. A porção que de cada pata que se 6

7 conecta com o corpo é denominada coxa, e segue nesta ordem o trocanter, fêmur, patela, tíbia, basitarso, tarso e apotele. Garras laterais e medianas estão ligadas à apotele. Segundo o livro Biology of scorpions, os pedipalpos são análogos ao braço e mãos humanas. Cada pedipalpo possui seis segmentos. Começando a partir do corpo temos: O trocanter, o fêmur, a patela, a tíbia, e o tarso. Os dois últimos segmentos apresentam o formato de pinças (mãos) a tíbia modificada representa a palma e um dedo fixo, e o tarso é o dedo móvel da pinça (POLIS, 1945). Apesar das estruturas anatômicas dos pedipalpos possuírem a mesma nomenclatura daquelas das pernas, os pedipalpos não são pernas. Estes são usados para capturar, conter e esmagar presas, para proteção como uma poderosa arma e escudo e para escavar. Também possuem órgãos sensitivos excepcionais. A superfície interna das pinças possui uma série de granulações dentadas e pontiagudas, que possibilita segurar firmemente e esmagar suas presas. Algumas estruturas dos pedipalpos são presentes apenas nos machos, fornecendo base segura quanto ao dimorfismo sexual (a abertura ou vão encontrado no Tityus bahiensis utilizado para segurar a fêmea quando acasalamento é um bom exemplo) (BÜCHERL, 1979). Escorpiões com pinças maiores e robustas são capazes de esmagar o exoesqueleto de qualquer invertebrado por mais rígido que este seja A porção ventral As formas das estruturas da porção ventral entre as pernas (coxoesterno) dos escorpiões são as mais utilizadas para diferenciar famílias. Os dois opéculos genitais (fundidos cobrindo a abertura genital) podem ser observados no centro do dorso imediatamente atrás e posteriormente ao externo. Oito pequenas aberturas (espiráculos) localizadas na parte ventral do mesosoma, transportam ar para os pulmões (orgânulos respiratórios). Uma vez que podem ser "fechados" em momentos de stress, estes espiráculos são extremamente eficientes e minimizam a entrada de partículas de pó no organismo Órgãos sensitivos Apesar dos escorpiões possuírem pouca visão eles são dotados de um arsenal de potentes receptores sensitivos. Captando movimentos de ar, vibrações, e tato são capazes de perceber a presença de predadores, presa, água, temperatura e luz, assim como uma gama de outros estímulos. 7

8 Pectíneas As pectíneas são um par de apêndices com aparência de pentes localizados na porção ventral imediatamente após o último par de patas. Apenas os escorpiões as possuem. Estes órgãos sensitivos estão permanentemente em contato com o solo e são capazes de captar vibrações mínimas no mesmo e são ainda utilizados pelos machos para perceber a presença de ferormônios durante o período reprodutivo Cerdas As cerdas são estruturas com aparência de pelos distribuídas por quase todo o corpo dos escorpiões, nas patas, e nos pedipalpos, dando a algumas espécies a aparência "peluda". Algumas destas cerdas não são visíveis a olho nu. Pelo menos três tipos diferentes de cerdas já foram descritas. As Cerdas captam sensações radiculares, térmicas, químicas e variações de umidade. As mais importantes são as longas e finas tricobótrias encontradas apenas nos pedipalpos. Estas são incrivelmente sensíveis e a movimentos de ar e a vibrações e pode perceber o menor movimento de suas presas, de outros escorpiões e situações de perigo. A quantidade, localização e disposição das tricobótrias são importantes na identificação de espécies. As cerdas do tarso captam vibrações do substrato e muitas ainda percebem variações e presença de água e umidade além de mudanças químicas no ambiente. Tufos de cerdas localizados no tarso e basitarso aumentam a área de contato com o solo facilitando a locomoção de terrenos arenosos e macios. Apesar de muito importantes para se determinar o habitat de espécies de escorpiões, estes tufos de cerdas não são facilmente observados sem a utilização de instrumentos ópticos (lupa entomológica) Outros receptores Outros sensores microscópios chamados de filetes sensitivos são encontrados nos pés e no metasoma. Quando algum tipo de pressão é feito sobre o exoesqueleto estes "filetes" se abrem rapidamente. Dependendo da duração e da intensidade desta pressão os escorpiões fazem ajustes nos movimentos e na postura de seu corpo. Outros "filetes" sensitivos localizados no basitarso em todas as oito patas parecem perceber vibrações no terreno, como aqueles produzidos por movimentos de insetos. Os escorpiões se utilizam das sensações recebidas por patas opostas para se aproximar de suas presas e determinar a localização e distância da mesma (STUTZ, 1990). 8

9 4.1.6 Produção de sons Aproximadamente 150 espécies de escorpiões são capazes de produzir sons ou esfregando partes do corpo uma contra a outra ou vibrando estruturas anatômicas. Alguns Opistotamus esfregam suas quelíceras e o cefalotorax e produzem um som sibilante. Algumas espécies friccionam o telson no metasoma, pectíneas ao externo, e os pedipalpos ao primeiro par de patas. Em laboratório temos a rara oportunidade de observar um Tityus brazilae que a qualquer toque em seu terráreo, o mesmo vibra suas pectíneas produzindo um som que em muito lembrava o de uma cascavel. Outros escorpiões literalmente batem o telson no solo. Estes sons produzidos parecem ter a função de intimidar agressores (STUTZ, 1990). 4.2 REPRODUÇÃO Os escorpiões se destacam entre os aracnídeos por terem uma duração de vida que vai além de uma estação. Chegam à maturidade em 1-3 anos, e atingem normalmente um período de vida de 2-6 anos. O maior tempo de vida registrado para um escorpião chega até 8 anos. Aparentemente as espécies menores têm um período de vida mais curto, entre 3 ou 4 anos. Existem relatos de grandes escorpiões cujo período de vida poderia ser de 20 anos ou mais. Os escorpiões não põem ovos. São vivíparos e seus filhotes nascem por meio de parto, após uma gestação longa. Em Tityus bahiensis e Tityus serrulatus a gestação dura de 2 meses e meio a 3 meses. Algumas espécies, inclusive Tityus Bahiensis, podem gerar mais de uma ninhada a partir do mesmo acasalamento, decorrendo vários meses entre dois partos consecutivos. Entre estes escorpiões, cada ninhada pode ter mais de 20 filhotes, mas outras espécies podem produzir até 90 ou mais filhotes (MATTHIESEN, 1962). Tityus serrulatus se reproduz de maneira peculiar através de um complexo processo denominado partenogênese, isto é, os óvulos desenvolvem-se no organismo materno sem a fertilização pelo macho, o qual inexiste na natureza. As fêmeas sozinhas gestam e parem durante todo o ano, ninhadas de até 24 filhotes. (Figuras 3 e 4) 9

10 Figura 3. Tityus serrulatus com filhotes 2 dias após nascimento Figura 4. Tityus serrulatus com filhotes 13 dias após nascimento Fotos: Thogo Lemos dos Santos Enquanto se verifica o crescimento e até atingir a maturidade sexual, os escorpiões sofrem ecdises, ou seja, trocam periodicamente de cutícula. Ao chegar a ocasião da ecdise, a cutícula antiga parte-se horizontalmente acima das quelíceras. Pela fenda aberta, sai o corpo do escorpião, revestido pela nova e ainda tenra cutícula. A cutícula velha costuma sair inteira, conservando a forma do escorpião. Segundo observação de Matthiesen, espécimens de Tityus serrulatus em cativeiro atingiram a maturidade sexual após um ano de idade, tendo passado por 5 ecdises (MATTHIESEN, 1962). 10

11 Figura 5. Tityus serrulatus efetuando muda. Foto: Thogo Lemos dos Santos 4.3 EVOLUÇÃO Como linhagem, os escorpiões provêm de eras remotas. Seus mais antigos fósseis ocorrem em rochas formadas no Período Siluriano, cerca de 420 milhões de anos atrás. Ou seja, cerca de 200 milhões de anos antes que os dinossauros aparecessem. A linhagem à qual os escorpiões modernos pertencem surgiu no Período Carbonífero mais recente, há cerca de 300 milhões de anos. De lá para cá, os escorpiões pouco mudaram. sobrevivendo a todos os grandes cataclismos que destruíram milhares de espécies vivas. Portanto o escorpião foi um observador privilegiado tanto do fim dos dinossauros assim como do surgimento do homem na face da terra. Apesar da existência de poucos exemplares, evidências fósseis indicam que os primeiros escorpiões eram de vida aquática possuindo guelras e patas, e se pareciam em muito com os escorpiões atuais. Além do mais os escorpiões são considerados os aracnídeos mais antigos encontrados até o momento (KJELLESVIG, 1986). 4.4 HABITAT E ADAPTAÇÃO Sua notória capacidade evolutiva e de adaptação permitiu que sobrevivessem na superfície da terra por aproximadamente 300 a 350 milhões de anos após saíram do ambiente aquático. Alguns dos primeiros escorpiões a viverem a maior parte do tempo em terra firme eram muitos pequenos, mas pelo menos uma espécie - Praearcturus Gigas - assumia maiores proporções chegando a medir 1 metro de comprimento sendo pois um notório predador (SCHULTZ, 1990). Os escorpiões modernos se adaptaram aos mais variados tipos de habitat, dos desertos às florestas tropicais e do nível do mar a grandes altitudes em montanhas. Uma espécie foi encontrada vivendo a metros de altitude nos Andes. 11

12 São encontrados nos mais variados habitats tais como florestas tropicais, cerrados, campos, e em áreas intermediarias às descritas. A grande maioria destes aracnídeos tem preferência por climas tropicais e subtropicais. Todavia algumas espécies de adaptaram a regiões pouco comuns, algumas surpreendentes (STUTZ, 1990). Em várias regiões do planeta algumas espécies de pequenos escorpiões (menos de 1 mm), vivem em zonas intermediárias. Conhecidos como escorpiões do litoral, se alimentam de minúsculos invertebrados marinhos trazidos pelas marés. Algumas espécies vivem em altitudes acima de metros no Himalaia asiático, uma em particular - Orobothriurus altola - vive a metros de altitude na cordilheira dos Andes aqui na América do sul. gelo. Estes muito pequenos, passam meses sob pedras e em abrigos cobertos por neve e Experimentos já demonstraram que muitos escorpiões podem resistir a temperaturas abaixo do ponto de congelamento. A influência de microclimas específicos, assim como composição de solo, tipos de rochas, sazonalidade de temperaturas extremas e disponibilidade alimento são fatores limitantes na distribuição destes animais (SPIRANDELI, 1994). Atualmente as pesquisas nos mostram o sucesso nos criadouros para estudos do Tityus serrulatus. (figura 6) Figura 6. Criadouro coletivo de Tityus serrulatus. Os escorpiões das areias (psammophiles) possuem numerosas cerdas, que aumentam a área de superfície de contato com o solo, as patas são adaptadas para melhor locomoção na areia fofa. Os escorpiões de regiões rochosas (lithophiles) são mais achatados e alongados com cerdas mais espessas e pontudas mas patas o que facilita se 12

13 mover livremente sobre o terreno e em seus abrigos. Seus metasomas são longos e finos e mais elevados em relação à maioria das espécies (SPIRANDELI, 1994). Um corpo desenvolvido, robusto com patas curtas e pedipalpos grandes e poderosos, caracteriza os escorpiões que constroem abrigos (fossorial). Alguns escorpiões (troglobites) vivem em cavernas profundas. Como não há nenhuma necessidade enxergar na escuridão, a maioria deles são cegos e em alguns a ausência total de olhos é observada. Geralmente seus corpos, patas, e pedipalpos são extremamente delgados, incolores - todas estas adaptações foram desenvolvidas para viver em fendas, sob a rocha, e nas profundezas das cavernas. Escorpiões adaptados às proximidades das entradas das cavernas são conhecidos como troglophiles, não perderam os olhos e não adquiriram outras características dos troglobites. Os escorpiões arbóreos são pequenos, leves, ágeis em escaladas. Alguns sobem em árvores, vivendo dentro dos buracos e das rachaduras dos troncos, outros preferem as parte basal de bromélias. Uma vez que as pesquisas para explorar as copas das árvores das florestas tropicais estão em estágio inicial, acredita-se que muitas espécies novas de escorpiões ainda serão descobertas e descritas (STUTZ, 1990). Cada uma destas variações físicas, são acompanhadas de inconvenientes, algumas espécies são tão especificas de certo ecossistema que encontram sérias dificultadas em se adaptar a outros com características diferentes, mesmo que estas variações sejam mínimas. Esta é uma consideração importante quando avaliamos a necessidade de se manter estes animais em cativeiro, seja para fins médicos-sanitários seja para estudo de comportamento. Algumas espécies simplesmente não são passíveis de se manter em laboratório (BÜCHERL, 1953). Além da sustentação, o exoesqueleto rígido do escorpião age como um revestimento rígido, protetor cuja coloração geralmente condiz com o seu habitat. Isto fornece ao escorpião a capacidade de se camuflar. A forma achatada dos escorpiões os permite esgueirar por entre locais muito pequenos e apertados. Sua capacidade de inocular veneno e seus fortes pedipalpos combinados com sua velocidade de reação a estímulos fazem do escorpião um predador formidável e perigoso. Os escorpiões do deserto são os artrópodes mais especializados em conservação de água. O revestimento de seu exoesqueleto os torna impermeáveis evitando perda de líquido corpóreo. A necessidade de água da maioria dos escorpiões do deserto é adquirida através de suas presas ou seja, através de seu alimento. Seus dejetos são extremamente secos devido ao elevado teor de nitrogênio e uma porção mínima de água. Respirar através de espiráculos minimiza substancialmente a perda de água através da respiração. Algumas espécies possuem membranas que cobrem as entradas dos 13

14 espiráculos podendo fecha-las voluntariamente diminuindo ainda mais quaisquer perda de líquido (POLIS, 1990). Ao se refugiarem dentro de tocas, sob as pedras ou se enterrando no solo os escorpiões do deserto evitam os períodos mais quentes do dia este procedimento também minimiza a perda de umidade. Todos os escorpiões captam calor de fontes externas e são incapazes de gerar seu próprio calor. Em ambientes muito quentes eles possuem hábitos noturnos. Alguma espécie de regiões temperada e de florestas tropical, tem atividade durante parte do dia, uma vez que a vegetação densa impede que o calor excessivo do sol atinja o solo. A espécie de escorpião encontrada em Trindade é o Tityus serrulatus, Lutz e Mello, Esta espécie embora primitivamente habitante de cerrado e campos abertos, tornouse bem adaptada à vida domiciliar urbana, possivelmente em decorrência da rápida e desenfreada colonização pelo homem das regiões sul e sudeste, originalmente ocupadas pelo artrópode. Além disso, esses animais adaptaram-se facilmente às condições oferecidas pelas moradias humanas, tais como grande número de abrigos (lixo, entulho, pilhas de tijolos e telhas, etc.), e alimentação farta (baratas). Na década de 40 não havia registros da presença do animal em demais regiões alem das citadas acima, hoje encontramos registros de focos do Tityus serrulatus em todo território brasileiro. Sucesso tal, devido ser um grande predador e possuir uma grande capacidade de se adaptar em diferentes regiões. 4.5 PECULIARIDADES Uma das peculiaridades do escorpião e a capacidade de ser fluorescente no escuro à luz dos raios ultravioleta e refletir o azul. (Figura 7) Figura 7. Fluorescência do escorpião Fonte: Globo Ciência/Abril Fotos de Gamma/Sigla 14

15 4.6 SISTEMÁTICA Infelizmente são pouquíssimos os pesquisadores trabalhando com escorpiões no mundo, no Brasil não seria possível enumerar uma dezena mesmo sabendo que no passado contávamos com os maiores expoentes da arcnologia mundial tais como Lutz, Wolfgang Burchel, Campos Mello, além do "pai" da terapia anti-escorpiônica Vital Brasil. O resultado deste desinteresse é a lentidão do processo evolutivo da sistemática atual (STUTZ, 1990). Muitas delas são divididas em sub-famílias, que por sua vez se dividem em gênero, espécies, e em alguns casos subespécies. Existe muita discordância entre os pesquisadores sobre a validade ou não das subespécies; alguns afirmam que a classificação atual de muitas subespécies esta pouco definida e muito subjetiva. Uma vez que as características físicas utilizadas para tal definição são muito pequenas e só podem ser observadas através de dissecação microscópica. A separação de gênero em espécie deve ser motivo de investigações cuidadosas que requerem muita paciência e determinação. É sabido que a coloração e o tamanho de indivíduos de uma mesma espécie podem variar de acordo com os seus respectivos micro habitats e estas peculiaridades deve ser cuidadosamente avaliadas quando da classificação das espécies. Uma diferença única e isolada não é suficiente para elevar um certo tipo de escorpião à condição de espécie. Se houver aumento de interesse por parte de pesquisadores e principalmente fontes de financiamento para pesquisa, seguramente novas espécies de escorpiões serão descritas. A biologia molecular através do uso de PCR, ou análise de DNA tornou-se uma ferramenta de suma importância nesta tarefa. 4.7 ALIMENTAÇÃO Apesar de pequenos em tamanho, escorpiões exercem papel fundamental na cadeia alimentar. Não é incomum encontrarmos três ou quatro espécies diferentes convivendo no mesmo habitat, ou em grupos numerosos. Eles são animais carnívoros, predando grande quantidade de invertebrados e ocasionalmente pequenos vertebrados contribuindo sobre maneira para o equilíbrio ecológico (STUTZ, 1990). O Tityus serrulatus como os de mais escorpiões se alimentam principalmente de insetos, portanto um ambiente livre destes dificulta a sua presença. Os escorpiões fazem parte de uma parte significativa da cadeia alimentar. Além do canibalismo interespecies, seus predadores incluem centipedes, aranhas, formigas, lagartos, serpentes, rãs e sapos, pássaros e alguns mamíferos de grande porte. 15

16 Os escorpiões possuem uma das taxas metabólicas mais baixas do reino animal. Podem permanecer longos períodos sem se alimentar, pois ao final de uma única refeição (na qual ingeriu grande quantidade de alimento), conservam ao máximo, energia evitando ao extremo se locomoverem, poupando assim energia para sua anutenção (SPIRANDELI, 1994). Ingerindo o alimento lentamente, trituram fragmentos de alimento, umedecendo-os na boca (o que propicia já a digestão), sugando-os depois e eliminando os restos, como pequenas bolas de detritos. "Um escorpião da espécie Tityus bahiensis, mantido em cativeiro, demorou 20 horas para comer uma barata comum (MATTHIESEN, 1962). 4.8 TOXICOLOGIA Todas as espécies de escorpião são venenosas. Para os insetos, que são alimento potencial de escorpiões, todos os escorpiões são mortalmente venenosos. Entretanto, entre as cerca de 1500 espécies conhecidas, apenas um pequeno número é perigoso para os seres humanos. A maioria produz uma reação semelhante à da ferroada da abelha, que é muito dolorosa, embora geralmente não ofereça perigo de morte (STUTZ, 1990). Estudos mais recentes procuram descobrir se os escorpiões seriam sensíveis às suas próprias toxinas Veneno e envenenamento O veneno é uma mistura química complexa (peptídeos de baixo peso molecular) que destroem as células quando as penetram. Mais 100 destes peptídeos já foram isolados em veneno de escorpiões. A função básica do veneno é de capturar e imobilizar presas: sua função defensiva é secundária. O veneno dos escorpiões tem sido largamente estudado, particularmente em como é sua ação no corpo humano. A toxicidade dos venenos varia de gênero para gênero e de espécie para espécie, e muitas vezes dentro de uma mesma espécie a ação do veneno pode variar. Também, por razões ainda desconhecidas, parece ter variações de acordo com regiões. Talvez em função da variação dos componentes químicos de cada tipo de veneno, aliados a variações genéticas, condições ambientais, tipo de alimentação disponível, ou simplesmente variações fisiológicas entre espécies podem ser a causa destas diferenças (BÜCHERL, 1979). Os escorpiões do gênero Tityus são os causadores de acidentes de interesse médico. As principais espécies são o Tytius bahiensis (escorpião marrom) e Tytius serrulatus (escorpião amarelo). Este último é atualmente o causador do maior número de mortes, principalmente quando acomete crianças abaixo de 7 anos de idade. O quadro 1 resume a classificação e o tratamento do escorpionismo. 16

17 Tabela 2. Classificação e tratamento do acidente com escorpiões. Classificação do escorpionismo Manifestações clínicas Geral Tratamento Específico Leve Somente presentes as manifestações locais, dor em 100% dos casos. Ocasionalmente vômitos, taquicardia e agitação de pequena intensidade. Combate à dor: analgésicos e/ou anestésicos locais (Lidocaína à 2%). Observação em ambiente hospitalar durante pelo menos 6 a 12 horas, especialmente crianças abaixo de 7 anos. Moderado Manifestações locais e alguma sintomalogia sistêmica como agitação, sonolência, sudorese, náuseas, alguns vômitos, hipertensão arterial, taquicardia e taquipnéia Combate à dor com Lidocaína a 2%. Observação clínica em ambiente hospitalar durante pelo menos 24 horas. Em crianças abaixo de 7 anos está indicado o soro antiescorpiônico 2 a 4 ampolas pela via intravenosa. Grave Manifestações sistêmicas: vômitos, náuseas, sudorese, agitação, taquicardia, hipertensão arterial, alterações do ECG, tremores, espasmos, edema agudo de pulmão, choque, coma e morte. Fonte: Instituto Butantan, Combate à dor com Lidocaína a 2%. Internação hospitalar. Cuidados intensivos, monitorização das funções vitais. Cuidados em Unidade de Terapia Intensiva. Utilizar soro antiescorpiônico na dose de 5 a 10 ampolas pela via intravenosa tanto para adultos quanto crianças Sintomatologia Dor (especialidade do veneno dos escorpiões) A maior parte dos sintomas que surgem na pessoa picada por um escorpião, é decorrente da liberação de mediadores químicos na corrente circulatória da vítima,como: Acetilcolina Causa aumento das secreções lacrimal, nasal, salivar, brônquica, sudorípara e gástrica, tremores, espasmos musculares, mioses e diminuição de rítmo cardíaco Adrenalina e noradrenalina Aumento da pressão arterial, arritmias cardíacas, vasoconstrição periférica e eventualmente insuficiência cardíaca, edema agudo do pulmão e choque. 17

18 A toxidade do veneno do escorpião está relacionada com a espécie envolvida no acidente, sendo os casos mais graves no Brasil, ocasionados pelo escorpião amarelo Tityus serrulatus. Há casos onde o escorpião pode picar pessoas e não incolar veneno, gerando os acidentes assintomáticos (INSTITUTO BUTANTAN, 1997) O veneno Segundo relatos clínicos, parece existirem diversos fatores que modulam a toxicidade do veneno do escorpião para humanos. Os principais fatores são: 1) a toxidez do veneno do tipo de escorpião envolvido; 2) a quantidade de veneno injetada pelo escorpião; 3) o tamanho do corpo da vítima; 4) a condição médica geral da vítima. Devido a seu pequeno tamanho, as crianças sofrem maior risco de envenenamento grave do que os adultos. A maior parte das mortes resultantes de picadas de escorpião ocorre em crianças pequenas. Tal fato revela os casos ocorridos no município em questão. Algumas pessoas são alérgicas ao veneno dos escorpiões, da mesma forma que outras podem ser ao veneno das abelhas. Nestes casos, conseqüências muito graves, inclusive a morte, podem ocorrer rapidamente, mas não têm relação à toxicidade do veneno. Mortes ocorridas por envenenamento causado por espécies de escorpião sem importância médica resultam de choque anafilático induzido por alergia. O veneno do escorpião compreende uma variedade de substâncias, nem todas completamente investigadas. O veneno de um único escorpião pode incluir diversas neurotoxinas, histimina, seratonina, enzimas, inibidores de enzimas, e outros compostos não identificados. O veneno pode conter, ainda, sais diversos, muco, peptídeos, nucleotídeos e aminoácidos. Foram as neurotoxinas que receberam a maior atenção dos pesquisadores. As numerosas toxinas do veneno do escorpião são geralmente consideradas como sendo específicas. Cada uma visa atingir a célula nervosa de uma determinada espécie animal. Algumas neurotoxinas podem ter sua maior atividade contra insetos, outras pode ser mais letal para moluscos, e outras, ainda, podem ser dirigidas contra células nervosas de mamíferos. Além disso, toxinas diferentes podem visar locais diferentes na célula nervosa. Segundo a divisão de venenos e antivenenos do instituto Vital Brazil, o veneno de escorpiões, tipo o Tityus serrulatus, age sobre o sistema nervoso periférico. Causa dor muito intensa, com pontadas intermitentes, provoca abaixamento de temperatura do corpo e acelera a pulsação. Comumente a vítima fica prostada. O sinal da picada às vezes não se percebe, porém a dor forte e imediata que ela provoca faz com que a vítima possa ver o animal causador. É importante saber se a picada foi produzida por escorpião ou aranha, uma vez que os sintomas das picadas de escorpião são semelhantes aos das picadas de aranhas com veneno neurotóxico. O escorpião Tityus serrulatus é mais importante sob o ponto de vista médico que o Tityus bahiensis, por provocar mais ocorrências graves. O veneno do Tityus serrulatus 18

19 pode não ser mais tóxico, mas este escorpião injeta, em cada picada, praticamente o dobro de peçonha injetada pelo Tityus bahiensis. O tratamento na maioria dos casos consiste na infiltração local de 2 a 4 ml de anestésico do tipo lidocaína a 2% sem vasoconstritor. Repetir este procedimento mais duas vezes se necessário, com intervalo de uma hora. Caso a dor persista, está indicada a soroterapia específica com soro antiescorpiônico ou antiaracnídico, na doses de 2 a 4 ampolas para os casos moderados e 5 a 10 ampolas para os casos graves. A soroterapia está sempre indicada em crianças menores de sete anos e em adultos com dor persistente (INSTITUTO VITAL BRAZIL, 1995). Nos períodos de 1988 a 1998 no Estado de São Paulo, houve um grande aumento dos casos de acidentes com picadas de escorpiões, onde vários desses casos tiveram como resultados óbitos. (Tabela 3) Tabela 3. Incidência por habitantes de acidentes por escorpiões nos períodos de 1988 a 1998 no Estado de São Paulo. Ano Nº de casos Coeficiente de incidência óbitos Letalidade % ,50 5 0, ,62 1 0, ,62 1 0, ,43 3 0, ,43 5 0, ,94 2 0, ,75 2 0, ,82 3 0, ,95 3 0, ,71 5 0, ,63 1 0,05 TOTAL ,20 Fonte: São Paulo, ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS Quando usa-se neste trabalho o termo epidemia, estamos nos referindo a um animal que é endêmico na região sudeste, ou seja, a presença do Tityus serrulatus na região Centro-Oeste, em grande escala, classifica-o como um animal invasor. 19

20 São acidentes menos notificados que os ofídicos. Sua gravidade está relacionada à proporção entre quantidade de veneno injetado e massa corporal do indivíduo picado. Entre os agentes causais estão as espécies do gênero Tityus responsáveis por acidentes. (Tabela 4) O Tityus serrulatus, espécie partenogenética, em expansão nas regiões Centro- Oeste, Sudeste e Sul. Responsável pelos acidentes de maior gravidade registrados no país, incluindo óbitos. Segundo o Ministério de Saúde, são notificados anualmente, cerca de acidentes, com uma letalidade variando em torno de 0,51%. Os acidentes por escorpiões são mais freqüentes no período de setembro a dezembro. Ocorre uma discreta predominância no sexo masculino e a faixa etária de 25 a 49 anos é a mais acometida. A maioria das picadas atinge os membros, havendo predominância do membro superior (mãos e dedos) (CENEPI, 1990). Tabela 4. Agentes causadores de acidentes e distribuição geográfica. Nome científico Nomes populares Distribuição geográfica T. bahiensis escorpião marrom MG, SP, PR, SC, RS, GO, MS T. cambridgei escorpião preto AP, PA T. costatus Escorpião MG, ES, RJ, SP, PR, SC, RS T. fasciolatus Escorpião GO, DF T. metuendus Escorpião AC, AM, PA, RO T. serrulatus escorpião amarelo BA, MG, ES, RJ, SP, DF, GO, PR T. silvestris Escorpião AC, AM, AP, PA T. stigmurus Escorpião BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI Fonte: CENEPI - Ministério da Saúde 4.10 CRENDICES Ao contrário do que as pessoas acreditam o escorpião não suicida quando preso entre o fogo, ele desidrata e na agonia da morte dá a imprensão que se ferroa ( Matthiesen, 1971). 20

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES. William Henrique Stutz

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES. William Henrique Stutz PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES William Henrique Stutz Os escorpiões são aracnídeos, muitas pessoas os chamam de insetos, mas basta observar que este animal tem 4 (quatro) pares

Leia mais

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIONISMO Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIÕES DE IMPORTÂNCIA MÉDICA: Os escorpiões são animais invertebrados. Apresentam

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES DIVAL/GEVAC/NUNOR Brasília, agosto de 2015 ESCORPIÕES 1 - O que é um escorpião? O escorpião, assim como as aranhas, carrapatos, entre outros, são animais que fazem

Leia mais

Assustadores e Venenosos

Assustadores e Venenosos Assustadores e Venenosos Assustado e chocado com as plantas tóxicas? Agora o temor e o choque serão ainda maiores. Nos próximos slides, os três animais peçonhentos mais famosos e perigosos que existem

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 7 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

Série Didática Número 5

Série Didática Número 5 Animais Peçonhentos: Serpentes_ Serpentes são animais vertebrados que pertencem ao grupo dos répteis. Seu corpo é coberto de escamas, o que Ihes confere um aspecto às vezes brilhante, às vezes opaco, ou

Leia mais

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome.

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome. OS ARTRÓPODES Prof. André Maia Apresentam pernas articuladas com juntas móveis. São triblásticos, celomados e dotados de simetria bilateral. Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo

Leia mais

ESCORPIÕES: BIOLOGIA E ACIDENTES

ESCORPIÕES: BIOLOGIA E ACIDENTES ESCORPIÕES: BIOLOGIA E ACIDENTES MARTINS, Mariana Rodriguez RAFAINE, Daniele Acadêmicas da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça FAMED/FAEF NEVES, Maria Francisca SACCO, Soraya Regina Docentes da

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno.

Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno. Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno. Nota Técnica 1 OBJETO Uso racional de soros antivenenos e atualizações dos protocolos de manejo dos acidentes por animais peçonhentos.

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Curiosidades A Vida das Abelhas.

Curiosidades A Vida das Abelhas. Curiosidades A Vida das Abelhas. Se as abelhas desaparecessem da face da terra, a espécie humana teria somente mais 4 anos de vida. Sem abelhas não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza Moluscos Animais de corpo mole Os moluscos são os animais de corpo mole, habitam ambientes terrestres e aquáticos. Representantes: ostra, lula, polvo, sépia, lesma e caracol.

Leia mais

BIOLOGIA IACI BELO. Como duas espécies distintas podem evoluir para formas idênticas?

BIOLOGIA IACI BELO. Como duas espécies distintas podem evoluir para formas idênticas? BIOLOGIA IACI BELO www.iaci.com.br ASSUNTO: EVOLUÇÃO CONVERGENTE Série: 3EM Como duas espécies distintas podem evoluir para formas idênticas? por Joshua Clark - traduzido por HowStuffWorks Brasil Há cerca

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente 1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS Eu um ser no ambiente Higiene Corporal Os cinco sentidos Corpo humano Perceber a importância do cuidado com o corpo, da vacinação e da prevenção de acidentes.

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Curso Wellington:Biologia - Reino Animal - Artrópodes - Aracnídeos - Prof Hilton Franco

Curso Wellington:Biologia - Reino Animal - Artrópodes - Aracnídeos - Prof Hilton Franco 1. Durante uma aula de campo no litoral do Paraná, um aluno fez vários comentários ao encontrar e observar uma série de organismos. Com base em seus conhecimentos sobre os seres vivos, identifique as afirmativas

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS Protocolo: Nº 81 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 06/09/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO: Animais peçonhentos são animais que

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas.

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Artrópodes Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Todos os artrópodes possuem um exoesqueleto (esqueleto externo), uma carapaça formada

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Até quando uma população pode crescer?

Até quando uma população pode crescer? A U A UL LA Até quando uma população pode crescer? Seu José é dono de um sítio. Cultiva milho em suas terras, além de frutas e legumes que servem para a subsistência da família. Certa vez, a colheita do

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ. Palavras-chave: Animais peçonhentos; Acidentes. Mangaratiba. Rio de Janeiro.

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ. Palavras-chave: Animais peçonhentos; Acidentes. Mangaratiba. Rio de Janeiro. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 07 15 ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ CARDOSO, Carlos Ferreira de Lima 1 SOARES, Marcelo de Araújo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre Ciências/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºcie303r Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 3º trimestre O que estudamos no terceiro trimestre? No terceiro trimestre finalizamos nosso estudo

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Picadas de escorpião

Picadas de escorpião Semana de 19 a 23 de maio de 2014. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 3 ano Leia o texto para fazer as lições de Português da semana. 3º ano A, B e C Sexta-feira

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar - Ciências Naturais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar - Ciências Naturais Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar - Ciências Naturais A proposta Em sua organização teórico-metodológica, a proposta enfatiza a construção do pensamento científico acerca

Leia mais

ECOLOGIA DO TITYUS SERRULATUS E AÇÃO DE SUA PEÇONHA NO CORPO HUMANO. Leonardo Carneiro de Morais Sá

ECOLOGIA DO TITYUS SERRULATUS E AÇÃO DE SUA PEÇONHA NO CORPO HUMANO. Leonardo Carneiro de Morais Sá Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde ECOLOGIA DO TITYUS SERRULATUS E AÇÃO DE SUA PEÇONHA NO CORPO HUMANO Leonardo Carneiro de Morais Sá Brasília 2002 Centro Universitário de

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Marque com um (X) a(s) alternativa(s)

Leia mais

Unidade 2 Água: substância vital

Unidade 2 Água: substância vital Sugestões de atividades Unidade 2 Água: substância vital 6 CIÊNCIAS Estados físicos da água 1. Como ocorre o processo de formação das nuvens? 2. A água pode ser encontrada nos diferentes estados físicos

Leia mais

Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8.

Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8. Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8. O que é e como surgiu o zika vírus 9. Sintomas 10. Diferença

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre?

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Vivendo na Terra Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Transição para o ambiente terrestre Peixes com características

Leia mais

ANIMAIS PEÇONHENTOS E SUA RELAÇÃO COM O HOMEM

ANIMAIS PEÇONHENTOS E SUA RELAÇÃO COM O HOMEM ANIMAIS PEÇONHENTOS E SUA RELAÇÃO COM O HOMEM Milena Maria de Luna Francisco; Gizelle Matias de Souza Silva, Auta Paulina da Silva Oliveira, Joara Alves da Silva,Márcia Adelino da Silva Dias. Instituição:

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na segunda unidade, lemos uma notícia que falava sobre a invasão das onças-pardas como consequência do desmatamento sem controle e, em seguida, uma reportagem

Leia mais

Comer o milho ou a galinha que comeu o milho?

Comer o milho ou a galinha que comeu o milho? Comer o milho ou a galinha que comeu o milho? A UU L AL A Na Aula 29 usamos como exemplo o galinheiro de um fazendeiro. Para alimentar as galinhas, o fazendeiro planta ou compra milho. As galinhas, aproveitando

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC 1 de 5 Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC Maria Teresa Orlandi Apesar do risco iminente de uma epidemia de dengue chegar à região, as prefeituras têm demorado para detectar e extirpar

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Disciplina: Ciências Série: 6ª - 3º BIMESTRE Professor: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Anfíbios e Répteis Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Anfíbio é um termo que significa vida dupla, ou

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Exercício de Biologia - 3ª série

Exercício de Biologia - 3ª série Exercício de Biologia - 3ª série 1- A poluição atmosférica de Cubatão continua provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na década de

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Ecologia Geral. Padrões geográficos em comunidades

Ecologia Geral. Padrões geográficos em comunidades Ecologia Geral Padrões geográficos em comunidades Padrões geográficos em comunidades O que seriam padrões geográficos? As grandes regiões zoogeográficas Origem a partir dos trabalhos de Alfred Russel Wallace

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

ARTRÓPODES PROF. MARCELO MIRANDA

ARTRÓPODES PROF. MARCELO MIRANDA ARTRÓPODES Filo Arthropoda (Artrópodes) Do grego, arthros = articulado e podos = pés; É o filo mais abundante em quantidade de espécies descritas (~1 milhão); Vivem em praticamente todos os tipos de ambientes;

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS A proposta A proposta de ensino das Ciências Naturais se fundamenta na construção do pensamento científico acerca dos fenômenos

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Uso correcto dos antibióticos

Uso correcto dos antibióticos CAPÍTULO 7 Uso correcto dos antibióticos Quando usados correctamente, os antibióticos são medicamentos extremamente úteis e importantes. Eles combatem diversas infecções e doenças causadas por bactérias.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL 2013 BIOLOGIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL 2013 BIOLOGIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL 2013 BIOLOGIA Série: 2ª EM Disciplina: Biologia Professor (a): Bernardo Grieco Aluno (a): Caro (a) aluno (a), O roteiro de recuperação abrange todo conteúdo trabalhado ao longo

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais