Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno."

Transcrição

1 Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno. Nota Técnica 1 OBJETO Uso racional de soros antivenenos e atualizações dos protocolos de manejo dos acidentes por animais peçonhentos. 2 OBJETIVOS Alertar sobre a importância do uso racional dos soros antivenenos; Apresentar os novos protocolos clínicos de manejo dos acidentes elapídico, loxoscélico e phoneutrismo; Reforçar os protocolos clínicos de manejo do escorpionismo e acidente botrópico. 3 JUSTIFICATIVAS No momento, a produção nacional de imunobiológicos está passando por uma fase de adequação às boas práticas de fabricação exigidas pela ANVISA o que levou a redução da produção e dos estoques disponíveis de soros e vacinas. Sendo assim, a distribuição está mais criteriosa, tendo como base os critérios clínicos-epidemiológicos e os estoques disponíveis. Orientamos os hospitais e profissionais responsáveis pela soroterapia que, antes de prescreverem e administrarem os soros, contatem o Centro de Atendimento Toxicológico do Espírito Santo Toxcen ( ). É importante lembrar que nem todos os casos de acidentes por animais peçonhentos necessitam de soroterapia, por isto a importância do contato com o Toxcen para receberem orientações corretas quanto à necessidade ou não do tratamento específico. Em anexo seguem os novos protocolos clínicos de manejo dos acidentes elapídico (cobra coral), loxoscélico (arranha-marrom) e phoneutrismo (aranha armadeira) e reforçamos, ainda, o manejo dos acidentes por escorpião e por serpente do gênero bothrops (cobra jararaca). Nixon Souza Sesse Chefe de Núcleo Prevenção e Atenção às Intoxicações-Toxcen Gerência Estratégica de Vigilância em Saúde GEVS/SESA/ES

2 ANEXO 1 PROTOCOLOS CLÍNICOS DOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. 1.1 Acidente escorpiônico Os acidentes escorpiônicos são importantes em virtude da grande frequência com que ocorrem e de sua potencial gravidade, principalmente em crianças. Quadro 1 - Classificação clínica de gravidade dos acidentes causados por escorpiões e tratamentos propostos 2. Classificação LEVE (97%) MODERADO (1,3%) GRAVE (1,7%) Quadro clínico Dor, eritema, sudorese local Alterações locais + sistêmicas: Agitação, sonolência, sudorese, náuseas, vômitos, hipertensão arterial, taquicardia, taquipnéia. Vômitos profusos, sialorréia, sudorese profusa, agitação, tremores, espasmos musculares, bradicardia, bradipnéia, alterações de ECG, EAP, ICC, choque Soroterapia SAEEs ou SAAr* (nº ampolas) - Combate à dor ** - Tempo de observação Adulto - 6 horas Criança 6 a 12h - Combate à dor - Observação por 24h - Soro: 2 3 amp. IV - Cuidados intensivos - Soro: 4 a 6 amp. IV * SAEEs = soro antiescorpiônico/ SAAr = soro antiaracnídico ** Pode-se utilizar anestésico local sem vasoconstritor, tipo lidocaína ou bupivacaína 0,5%, injetados no local da picada ou sob forma de bloqueio; adulto: 3 4ml e crianças: 1 2ml, podendo ser repetido até 3 vezes, com intervalo de 30 a 60 minutos 1.

3 1.2 Acidente botrópico O acidente botrópico é causado pela serpente do gênero bothrops, conhecidas popularmente como jararaca, jararacuçu, preguiçosa, dentre outros nomes. Quadro 2 Classificação clínica de gravidade dos acidentes causados por serpentes do gênero bothrops e tratamentos propostos 1. Classificação Leve Moderado Grave Quadro Clínico - Edema local de até 2 segmentos** e/ou - TC normal ou alterado - Hemorragia sistêmica ausente ou discreta Edema de 3 a 4 segmentos - TC normal ou alterado - Hemorragia sistêmica ausente ou discreta - Edema de 5 segmentos - TC normal ou alterado - Hemorragia grave e/ou, hipotensão/choque e/ou insuficiência renal. Soroterapia (nºde ampolas) (SAB/SABL/SAB C)* Via de administração Intravenosa * SAB (Soro antibotrópico), SABL (Soro antibotrópico laquético), SABC (Soro antibotrópico crotálico). ** Divisão do membro picado: 1. pé/mão; 2. ½ distal perna/antebraço; 3. ½ proximal da perna/antebraço; 4. ½ distal coxa/braço; 5. ½ proximal da coxa/braço. Fonte:Cardoso et. al. Animais peçonhentos do Brasil. Sarvier, São Paulo, p.83. Figura 1 Divisão dos segmentos no membro inferior. Fonte: Toxcen/SESA/ES 4

4 1.3 Acidente elapídico São acidentes raros causados pela serpente do gênero micrurus, conhecidas como coral, coral verdadeira ou boicorá. Apresentam anéis vermelhos, pretos e brancos em qualquer tipo de combinação que envolvam toda a circunferência do corpo. Quadro 3 - Classificação clínica de gravidade dos acidentes causados por serpentes do gênero micrurus e tratamentos propostos 3. Figura 2 Fluxograma de atendimento em acidentes por serpente do gênero micrurus 3.

5 1.4 Araneísmo Loxoscelismo Aranhas conhecidas popularmente como aranha marrom, tem cerca de 1cm de corpo e até 3cm de envergadura das pernas e não são agressivas, picando apenas quando comprimidas contra o corpo. Quadro 4 - Classificação clínica de gravidade dos acidentes causados por aranhas do gênero Loxosceles e tratamentos propostos 3. Figura 3 Fluxograma de atendimento em acidentes por aranha do gênero Loxosceles 3.

6 1.5 Araneísmo Foneutrismo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Acidente causado por aranhas conhecidas popularmente por aranhas armadeiras. Embora provoquem acidentes com frequência, estes raramente levam a um quadro grave. Quadro 5 - Classificação clínica de gravidade dos acidentes causados por aranhas do gênero Phoneutria e tratamentos propostos 3. Figura 4 Fluxograma de atendimento em acidentes por aranha do gênero Phoneutria 3.

7 Em caso de acidentes com animais peçonhentos, entre em contato com o Centro de Atendimento Toxicológico do Espírito Santo TOXCEN, serviço 24h de apoio a profissionais de saúde e à população em geral, pelo telefone REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - Cardoso et. al. Animais peçonhentos do Brasil. Sarvier, São Paulo, p Brasil, Fundação Nacional de Saúde. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2ª Ed. Brasília, 2001, 120p. - Brasil, MS. Acidentes por animais peçonhentos utilização racional dos antivenenos. secretaria-svs/10400-animais-peconhentos-utilizacao-racional-de-anivenenos. Acessado em 02de jun. de 2014.

Acidentes por animais peçonhentos na infância

Acidentes por animais peçonhentos na infância 0021-7557/99/75-Supl.2/S251 Jornal de Pediatria Copyright 1999 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 75, Supl.2, 1999 S251 ARTIGO DE REVISÃO Acidentes por animais peçonhentos

Leia mais

Anexo 03: PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS*

Anexo 03: PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS* MINISTÉRIO DA SAÚDE Anexo 03: PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS* Protocolo coordenado pelo Ministério da Saúde e ANVISA em parceria com FIOCRUZ e FHEMIG PROTOCOLO

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária.

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio : Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária Katsumi Osiro Urgências e emergências Lesões corto-contusas e mordeduras por animais são situações que levam a

Leia mais

LINHA DE CUIDADOS EM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

LINHA DE CUIDADOS EM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS LINHA DE CUIDADOS EM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS 1. INTRODUÇÃO O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma das maiores causas de morte e incapacidade adquirida

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.077/14

RESOLUÇÃO CFM nº 2.077/14 RESOLUÇÃO CFM nº 2.077/14 Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência, bem como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O CONSELHO

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

agência nacional de vigilância sanitária - anvisa MEDICAMENTOS

agência nacional de vigilância sanitária - anvisa MEDICAMENTOS agência nacional de vigilância sanitária - anvisa O que devemos saber sobre MEDICAMENTOS 2010 agência nacional de vigilância sanitária - anvisa O que devemos saber sobre MEDICAMENTOS Copyright 2010. Agência

Leia mais

Análise de riscos nos locais de trabalho:conhecer para transformar

Análise de riscos nos locais de trabalho:conhecer para transformar Análise de riscos nos locais de trabalho:conhecer para transformar Marcelo Firpo de Souza Porto Engenheiro de Produção e Doutor pela COPPE/UFRJ. Pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador

Leia mais

vacina raiva USO ADULTO PEDIÁTRICO

vacina raiva USO ADULTO PEDIÁTRICO 1 vacina raiva Forma farmacêutica e apresentações: Pó liofilizado injetável. - Cartucho contendo 1 frasco de uma dose + 1 seringa com 0,5 ml de diluente; - Cartucho contendo 5 frascos de uma dose + 5 ampolas

Leia mais

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES Serviço de Vigilância em Saúde (SVS) A partir da criação do SVS, em junho de 2003, todas as ações

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C Brasília - 2004 1 Ministério da Saúde Saraiva Felipe Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Ministério da Saúde. Dengue. manual de enfermagem. adulto e criança

Ministério da Saúde. Dengue. manual de enfermagem. adulto e criança Ministério da Saúde Dengue manual de enfermagem adulto e criança Brasília / DF 2008 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Diretoria Técnica de Gestão Dengue manual de enfermagem adulto

Leia mais

Manual de Primeiros Socorros no Trânsito

Manual de Primeiros Socorros no Trânsito Manual de Primeiros Socorros no Trânsito DETRAN/GO 2 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CPI) Biblioteca Goiandira Ayres de Couto Departamento Estadual de Trânsito de Goiás. Manual de primeiros

Leia mais

ATUAÇÃO Para que a atuação de uma UPA seja efetiva, a sua relação com os demais serviços de saúde do SUS, na opinião. Reportagem de Marla Cardoso

ATUAÇÃO Para que a atuação de uma UPA seja efetiva, a sua relação com os demais serviços de saúde do SUS, na opinião. Reportagem de Marla Cardoso SALVADOR SCOFANO/GOVERNO DO ESTADO RJ ATENÇÃO ÀS 20 Atuação das UPAs modifica o cenário de atendimento no país, mas necessita que a integração com outras unidades assistenciais seja melhorada iante da

Leia mais

Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO. 3ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA / DF 2008

Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO. 3ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA / DF 2008 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO 3ª edição BRASÍLIA / DF 2008 Série B. Textos Básicos de Saúde 2002

Leia mais

Guia para Notifi cação de Reações Adversas em Oncologia

Guia para Notifi cação de Reações Adversas em Oncologia Guia para Notifi cação de Reações Adversas em Oncologia 20111 2ª Edição 2 Sociedade Brasileira de Farmacêuticos em Oncologia SOBRAFO Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Guia para Notifi cação

Leia mais

Manual de Controle de Escorpiões

Manual de Controle de Escorpiões Ministério da Saúde Manual de Controle de Escorpiões Brasília DF Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Manual de Controle de Escorpiões Série B.

Leia mais

BRATS. Antidepressivos no Transtorno Depressivo Maior em Adultos. Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Resumo.

BRATS. Antidepressivos no Transtorno Depressivo Maior em Adultos. Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Resumo. Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde 18 ISSN 1983-7003 Antidepressivos no Transtorno Depressivo Maior em Adultos Resumo A Organização Mundial da Saúde projeta que a depressão será a

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites Virais: o Brasil está atento. 2ª edição BRASÍLIA / DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites Virais: o Brasil está atento. 2ª edição BRASÍLIA / DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Hepatites Virais: o Brasil está atento 2ª edição BRASÍLIA / DF Hepatites Virais: o Brasil está atento MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância

Leia mais

Anexo 02: PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO*

Anexo 02: PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO* MINISTERIO DA SAUDE Anexo 02: PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO* Ministério da Saúde/ Anvisa/ Fiocruz 09/07/2013 PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO 1. Finalidade Promover a prevenção

Leia mais

Odontólogo contratado do Grupo Hospitalar Conceição. Especialista em Saúde Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Co-orientador.

Odontólogo contratado do Grupo Hospitalar Conceição. Especialista em Saúde Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Co-orientador. O cuidado do paciente odontológico portador de diabetes mellitus tipo 1 e 2 na Atenção Primária à Saúde The care of dental patients with diabetes melittus type 1 and 2 in the Primary Health Care Betina

Leia mais

OUVIDORIA ATIVA: A INOVAÇÃO DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO NA OUVIDORIA-GERAL DO SUS

OUVIDORIA ATIVA: A INOVAÇÃO DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO NA OUVIDORIA-GERAL DO SUS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 OUVIDORIA ATIVA: A INOVAÇÃO DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO NA OUVIDORIA-GERAL DO SUS Luís Carlos Bolzan Luciana Camila dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Francine Freitas Fernandes

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Francine Freitas Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Francine Freitas Fernandes IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NO MUNICÍPIO DE CAXAMBU-MG COM SETOR DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA Alfenas MG 2006 Francine Freitas

Leia mais

MEDICAMENTO. um direito essencial

MEDICAMENTO. um direito essencial MEDICAMENTO um direito essencial Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Atenção à Saúde,

Leia mais