ATUAÇÃO Para que a atuação de uma UPA seja efetiva, a sua relação com os demais serviços de saúde do SUS, na opinião. Reportagem de Marla Cardoso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUAÇÃO Para que a atuação de uma UPA seja efetiva, a sua relação com os demais serviços de saúde do SUS, na opinião. Reportagem de Marla Cardoso"

Transcrição

1 SALVADOR SCOFANO/GOVERNO DO ESTADO RJ ATENÇÃO ÀS 20 Atuação das UPAs modifica o cenário de atendimento no país, mas necessita que a integração com outras unidades assistenciais seja melhorada iante da necessidade de expandir a rede de assistência às urgências e regionalizar esses atendi- Dmentos no país, o MS (Ministério da Saúde) insti- tuiu as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), definidas como estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares, compondo uma rede organizada de atenção às urgências. A Política Nacional de Atenção às Urgências foi uma prioridade do governo Lula e a atribuição das UPAs surgiu como suporte da atenção básica para o atendimento às urgências menos graves, por isso sua implantação é dependente da integração com a rede de atenção básica, explica a médica e pesquisadora na área de Urgências, Gisele O dwyer. Desde a instituição das Unidades e com a publicação de portarias que estabeleceram pré-requisitos para a implantação destes centros, o atendimento às urgências no Brasil começou a ganhar um novo contorno. As UPAs completam o sistema de saúde com atendimento de Urgência e Emergência, servindo de retaguarda para as Unidades Básicas de Saúde e aliviando a pressão de demanda sobre os hospitais. Além disso, e talvez a mais importante vantagem das Unidades, é sua função enquanto Observatório do Sistema, aumentando a capacidade de captação de usuários para o cuidado integral com a saúde, afirma o secretário de Saúde de São Bernardo do Campo/SP, Arthur Chioro. A opinião do secretário é compartilhada com a visão de dirigentes de Unidades que têm implantado e acompanhado o desenvolvimento das UPAs em diferentes regiões do Brasil. Ao longo da reportagem é possível conhecer como essas Unidades estão se desenvolvendo no país, como sua implantação é definida, quais as suas prioridades e dificuldades de atuação e a importância das UPAs para a assistência à saúde pública brasileira. 20 Emergência

2 URGÊNCIAS HISTÓRICO As UPAs são integrantes do componente pré-hospitalar fixo e devem ser implantadas em locais estratégicos para a configuração das redes de atenção à urgência, com acolhimento e classificação de risco em todas as unidades, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Sua estratégia de atendimento está diretamente relacionada ao trabalho do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), que organiza o fluxo de atendimento e encaminha o paciente ao serviço de saúde adequado à situação. Para estabelecer as diretrizes para a implantação do componente pré-hospitalar fixo, indicando as competências e responsabilidades das UPAs, bem como detalhes sobre a estrutura física mínima para uma Unidade, o Ministério da Saúde publicou, no dia 13 de maio de 2009, a portaria nº Em julho de 2011, a portaria nº 1.601, revogada pela de nº 2648, estabeleceu novos critérios para a implantação do componente Unidades de Pronto Atendimento e o conjunto de serviços de urgência 24h da Rede de Atenção às Urgências. A proposta de integrar as UPAs à rede de atenção básica de saúde foi importante na visão da pesquisadora Gisele O dwyer para diferenciá-las dos antigos centros de pronto atendimento. Eles produziam atendimento de baixa qualidade e pequena resolutividade com repetidos retornos e enorme produção de consultas de urgência, destaca. Por outro lado, a pesquisadora defende que a atuação das Unidades ainda funciona como escoamento para a atenção básica, que tem dificuldade com a demanda espontânea, e para as emergências hospitalares, que têm dificuldade com a pequena urgência. Se pensarmos no exemplo do Rio de Janeiro, as UPAs foram implantadas como estratégia compensatória da insuficiência da atenção básica e da superlotação das emergências hospitalares no município, em especial entre os anos de 2007 e O Rio é um caso emblemático, já que tem a maior rede de UPAs do Brasil, enfatiza. ATUAÇÃO Para que a atuação de uma UPA seja efetiva, a sua relação com os demais serviços de saúde do SUS, na opinião Reportagem de Marla Cardoso Emergência 21

3 VANOR CORREIA/GOVERNO DO ESTADO RJ de Gisele, deve construir fluxos de atendimento, preferencialmente pactuados e que produza informação para a gestão. As UPAs são informatizadas, mas, em geral, não produzem informação para o planejamento. Elas devem se somar à atenção primária a fim de favorecer a regionalização, sugere. Já para o diretor técnico do Sistema de Urgência e Emergência de Curitiba/ PR, Eduardo Mischiatti, para que a atuação das Unidades seja efetiva, deve haver uma política de consolidação do binômio UPA/unidades básicas, para que se possa implementar mecanismos de integração com todos os demais pontos de atenção, incluindo os hospitais, por meio de um complexo regulador efetivo. Na visão do secretário de Saúde de São Bernardo do Campo/SP, Arthur Chioro, as Unidades também devem conseguir funcionar como Observatório do Sistema de Saúde, referenciando os pacientes para a Unidade Básica de Saúde de referência de seu território, para que a atenção básica consiga fazer a UPAs são estruturas de complexidade intermediária entre Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares gestão do cuidado de cada usuário. Além disso, esses fluxos devem ter um espaço real de discussão, com participação de todos os serviços em reuniões territoriais respaldadas pelo nível central, que garantam que todos os pontos dessa rede entendam a missão de cada unidade, suas necessidades, dificuldades e potencialidades, opina Chioro. DIRETRIZES A portaria que redefiniu as diretrizes para implementação das Unidades estabelece que a UPA deve ser implantada em locais e unidades estratégicas para a configuração da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a lógica de acolhimento e a classificação de risco, funcionando 24h do dia e em todos os dias da semana, além de possuir equipe multiprofissional interdisciplinar compatível com o seu porte. O ideal seria que estas Unidades estivessem inseridas em uma rede de serviços de saúde, hierarquizada com fluxos multidirecionais que permitam a construção de projetos terapêuticos adequados para os usuários, apoiados na gestão do cuidado no nível da atenção básica, opina Chioro. Já Mischiatti acredita que o Ministério da Saúde vem condicionando algumas contrapartidas que favorecem a racionalização de utilização das UPAs. A recomendação de inserção da atenção básica como ponto de entrada na Rede da Urgência e Emergência, bem como a resolubilidade de cada ponto, hierarquizado e regulado pelo Complexo Regulador, fará com que o dimensionamento de uma UPA não sofra a sobrecarga por ser esta a única alternativa ao cidadão, indica. COMPETÊNCIAS Em relação às competências da UPA na Rede de Atenção às Urgências, a portaria indica que à Unidade cabe acolher os usuários e seus familiares sempre que buscarem atendimento, articular-se com a atenção básica à saúde, SAMU 192, unidades hospitalares, unidades de apoio diagnóstico e terapêutico e com outros serviços de atenção à saúde. As Unidades devem prestar atendimento resolutivo e qualificado aos pacientes acometidos por quadros agudos de natureza clínica, e prestar primeiro atendimento aos casos de natureza cirúrgica e de trauma, estabilizando os pacientes e realizando a investigação diagnóstica inicial, de modo a definir, em todos os casos, a necessidade ou não de encaminhamento a serviços hospitalares de maior complexidade. Ainda é indicado fornecer retaguarda às urgências a- tendidas pela Rede de Atenção Básica à Saúde e funcionar como local de estabilização de pacientes atendidos pelo SA- MU 192. Também cabe às UPAs realizar consulta médica em regime de pronto atendimento aos casos de menor gravidade; realizar atendimentos e procedimentos DEFINIÇÃO DOS PORTES APLICÁVEIS ÀS UPAs 24h UPA População da Área Área Física Número de Número Mínimo Número Mínimo 24h de Abrangência Mínima Atendimentos de Médicos de Leitos de da UPA Médicos em 24 horas por Plantão Observação Porte I a m² até 150 pacientes 2 médicos 7 leitos habitantes Porte II a m² até 300 pacientes 4 médicos 11 leitos habitantes Porte III a m² até 450 pacientes 6 médicos 15 leitos habitantes Fonte: portaria nº 2.648, de 7 de novembro de 2011 VANOR CORREIAG/OVERNO DO ESTADO RJ 22 Emergência

4 LUÍS OLIVEIRA/MS 24 Emergência SECOM/PMSBC Chioro: observatório do sistema Desafios das UPAs Profissionais de saúde refletem sobre a atuação das Unidades de Pronto Atendimento no país médicos e de Enfermagem adequados aos casos demandados à Unidade; prestar apoio diagnóstico e terapêutico ininterrupto; manter pacientes em observação, por período de até 24h, para elucidação diagnóstica e/ou estabilização clínica; e encaminhar para internação em serviços hospitalares, por meio das centrais reguladoras, os pacientes que não tiverem suas queixas resolvidas nas 24h de observação. Ainda é de competência das Unidades contrarreferenciar para os demais serviços de atenção integrantes da Rede de Atenção às Urgências, proporcionando continuidade ao tratamento com impacto positivo no quadro de saúde individual e coletivo; além de solicitar retaguarda técnica ao SAMU 192, sempre que a gravidade/complexidade dos casos ultrapassarem a capacidade instalada da Unidade. O documento ainda define que as Unidades são classificadas em Portes I, II e III (ver Definição dos Portes Aplicáveis às UPAs 24h). Até 2014 a perspectiva é atingir a marca de mil Unidades Mesmo com a implantação e consolidação das UPAs em diferentes regiões do país - hoje são 650 Unidades em andamento, considerando as que estão em construção, sendo que 156 realizam atendimento - e com a perspectiva de atingir a marca de mil Unidades até a Copa de 2014, quem está à frente desses centros aponta alguns aspectos que ainda precisam melhorar para o pleno funcionamento das Unidades. Entre eles, está a falta de recursos para o seu custeio. A UPA tem sua construção financiada pelo Ministério da Saúde, mas para a manutenção, os repasses não cobrem nem a metade das despesas. Estados e municípios acabam se comprometendo com os altos custos demandados, principalmente, com a contratação de pessoas, em especial os médicos, pontua o secretário de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte, Domício Arruda da Câmara Sobrinho. Para Eduardo Mischiatti, diretor técnico do Sistema de Urgência e Emergência de Curitiba/PR, o financiamento do Minis- tério também fica aquém do necessário para o custeio de uma Unidade. FRAGILIDADES Para a pesquisadora Gisele O dwyer, uma fragilidade importante das urgências é a gestão de pessoal. Destaco o pequeno investimento no profissional médico. Este profissional precisa ser capacitado (uma necessidade identificada pela Política Nacional de Urgência). Para ser um bom profissional, o médico deve se sentir vinculado ao serviço, diferente do que acontece com muitos profissionais que atribuem ao seu trabalho um caráter temporário e secundário. Esse é um problema também da atenção básica e do hospital, critica. Outra grande fragilidade, na visão da pesquisadora, é estrutural. O SUS, de a- cordo com Gisele, ainda é muito deficiente em leitos hospitalares e de UTI. Principalmente no atendimento ambulatorial nas especialidades médicas e nas unidades de investigação diagnóstica, como a de imagem. Os serviços de urgência (SAMU, UPA, urgência hospitalar) refletem essa precariedade estrutural, finaliza. Algumas Unidades ainda sofrem dificuldades na composição de profissionais para os quadros das UPAs. Para o secretário de Saúde de São Bernardo/SP, a falta de profissionais médicos para as unidades de urgência e emergência é um problema crônico no Brasil. Devido a diversos fatores relacionados ao processo de formação do médico, nuances do mercado de trabalho e até número e distribuição deste profissional, algumas especialidades não possuem médicos em número suficiente para cobrir todos os postos de trabalho. Esse problema, especialmente para a área de Pediatria, é extremamente preocupante, ressalta Arthur Chioro. No município paulista, para não conviver com a falta destes profissionais, a Secretaria de Saúde desenvolveu um estudo de demanda em suas unidades, dimensionando os atendimentos pediátricos. A partir deste estudo, nas quatro unidades que ocorriam o menor número de atendimentos, o pediatra foi retirado da escala regular de plantões, sendo deslocado para a composição completa da grade das outras unidades. Com tal medida, equacionamos a problemática da escala das unidades de maior fluxo de atendimento, explica o secretário.

5 Para não perder a capacidade de atendimento nestas outras unidades e manter o nível de atendimento, o órgão estabeleceu os chamados Cinturões de Proteção à Criança. Nestas unidades, o médico clínico está sendo treinado como médico socorrista de UPA, com a tarefa de identificar e atuar nas principais questões de baixa e média complexidade em Pediatria. Este profissional está amparado por uma Unidade de Pronto Atendimento que conta com o pediatra 24 horas como referência, bem como o matriciamento à distância, por telefone, de profissionais experientes e um fluxo diferenciado para remoção dos casos mais complexos para o Pronto-Socorro Central, principal referência de urgência e emergência no município, completa. A estratégia, de acordo com Chioro, não pretende que este profissional substitua o Pediatra. Apenas permite que um médico treinado possa dar resposta aos casos de baixa complexidade, identificar as questões de maior gravidade e servir de porta de entrada mais qualificada do que uma negativa de atendimento. Diversos médicos já entenderam a proposta e aderiram à estratégia. É interessante ressaltar que, atualmente, o quadro destes profissionais está composto, na sua maioria, por clínicos, mas também por outros especialistas, inclusive pediatras, reforça. OFERTA Outra questão aponta para o caso de UPAs no país que atendem muitos cidadãos que se encontram em vazios assistenciais, ou seja, em municípios vizinhos sem serviço na área de saúde, fazendo com que muitos pacientes procurem a- tendimento em uma única Unidade. Curitiba é uma das cidades que possui uma região metropolitana que se apresenta com uma desigualdade de oferta de assistência bastante significativa, de cidades com hospitais de alta complexidade a outros com vazios assistenciais ainda na atenção básica, como chama a atenção Eduardo Mischiatti. Como a distribuição das Unidades foi planejada em pontos geográficos estratégicos de Curitiba, inclusive por serem bases descentralizadas do SAMU, temos uma demanda heterogênea com algumas Unidades sofrendo uma grande pressão dos municípios da região, completa. Para o coordenador das UPAs da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Flávio Monteiro, historicamente, as redes de atenção à saúde da população no Brasil são deficitárias e não conseguem abarcar adequadamente todo o volume de atendimentos que deveriam. Isso acontece tanto no nível primário de atenção quanto na atenção especializada e é, especialmente, delicado em pequenos municípios. As UPAs vêm para reduzir esse vazio assistencial em um dos aspectos, o do atendimento a casos de urgência clínica, mas para que o cidadão seja assistido integralmente é necessário esforço no sentido de fortalecer o nível básico de assistência, assim como a atenção especializada, recomenda. Conforme Monteiro, a rede deve se formar com a participação de unidades de atenção básica (saúde da família, postos de saúde etc.), unidades de pronto atendimento (tais como as UPAs) e unidades hospitalares de urgência e de casos que não sejam urgentes, mas que necessitem de internação hospitalar (tais como cirurgias de rotina). Em suma, as UPAs devem fazer parte da rede de atenção à saúde e devem trabalhar integradas a todos os níveis de assistência. As Unidades no Rio de Janeiro trabalham dentro dessa filosofia, explica. Emergência 25

6 Dia a dia nas UPAs Como funcionam algumas Unidades de Pronto Atendimento instaladas no país O Estado pioneiro na implantação das Unidades de Pronto Atendimento no Brasil foi o Rio de Janeiro, com a inauguração da Unidade da Maré, no dia 30 de maio de A Unidade atende, hoje, cerca de 300 pacientes por dia. De lá pra cá, o Estado carioca já inaugurou 48 Unidades, que contabilizam mais de 11 milhões de pacientes atendidos. Para o secretário de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, um dos méritos do projeto é que foi possível instalar as Unidades dentro de comunidades. Essa é uma alternativa eficiente para diminuir a demanda dos hospitais da região. Hoje, estes pacientes que recorriam às grandes emergências têm a garantia de serem atendidos nas UPAs próximas de suas casas, comemora. Aproveitando o pioneirismo, o Estado carioca sempre procurou exceder o preconizado pela portaria do Ministério da Saúde em relação à estrutura das Unidades. Um desses exemplos diz respeito ao número de profissionais envolvidos em cada plantão das UPAs. Nossas Unidades também estão equipadas com todo o equipamento necessário para dar suporte à vida do paciente, caso necessário, como uma unidade de terapia intensiva, reforça o coordenador das UPAs da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Flávio Monteiro. MODELO Muito antes da publicação da portaria do MS que estabelece as diretrizes para o funcionamento das UPAs, em Curitiba, em 1992, foi inaugurada a Primeira Unidade de Saúde 24h. Na capital paranaense elas são denominadas Centro Municipal de Urgências Médicas e já somam oito unidades. De acordo com o diretor técnico do Sistema de Urgência e Emergência de Curitiba, E- duardo Mischiatti, a cidade já tem projeto arquitetônico e local para dois novos Centros autorizados pelo Ministério como UPA 24h porte III, com cronograma de implementação até Uma delas será a UPA de referência para os jogos da Copa 2014, por sua proximidade com o estádio, explica o dirigente. Pelos critérios do MS portaria nº 2.648/2011 as Unidades de Curitiba se enquadram no porte III, superando o mínimo exigido em área física (média dos Centros de m²), número de atendimentos médicos/dia (média de 550 atendimentos médicos/dia), número de médicos (10 médicos por plantão) e leitos de observação (média de 18 leitos clínicos e seis pediátricos para observação e internamento). Contamos com uma infraestrutura de hospital de pequeno porte, com internação clínica de pacientes que necessitem inclusive de manejo em ventilação assistida, acrescenta Mischiatti. ESTRUTURA As UPAs criadas no Rio Grande do Norte também são anteriores ao programa do Ministério da Saúde. Há cerca de 26 Emergência

7 12 anos duas Unidades foram criadas pelo governo municipal na cidade de Mossoró. A Prefeitura de Natal também inaugurou há dois anos a única Unidade da capital do Estado em funcionamento. Outras 12 Unidades estão previstas para serem construídas. Nosso principal problema nas urgências e emergências na região metropolitana é o pequeno número de portas de entrada, praticamente com uma única unidade, o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, que concentra quase todos os atendimentos clínicos e os traumas. As UPAs ajudam a melhor distribuição dos atendimentos, reservando aos hospitais os atendimentos somente dos casos de maior complexidade, afirma o secretário de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte, Domício Arruda da Câmara Sobrinho. ASSISTÊNCIA No final de dezembro de 2009, em São Bernardo do Campo/SP, foi inaugurada a primeira Unidade da cidade paulista. Em dois anos, outras cinco Unidades foram construídas e a previsão é inaugurar, ainda nesse ano, outras três novas Unidades. A cidade comporta Unidades Tipo I e II, atendendo em Clínica Médica e Pediatria, incorporando o atendimento com classificação de risco em sua estrutura, com capacidade de resposta para atendimento de urgências e emergências de baixa e média complexidade/gravidade. Nossa estrutura possui de dois a quatro consultórios, laboratórios de análises clínicas, radiologia simples, eletrocardiografia, bem como leitos de observação com equipe de Enfermagem exclusiva e monitorização. Os casos mais graves são atendidos em uma sala que possui dois leitos com infraestrutura similar a uma unidade de terapia intensiva, com ventilador mecânico, desfibrilador e EGC exclusivo, revela o secretário de Saúde, Arthur Chioro. O principal diferencial das UPAs de São Bernardo está no fato das Unidades funcionarem como Observatórios do Sistema de Saúde. Os pacientes hipertensos e diabéticos descompensados, as crianças menores de um ano e as gestantes que buscam atendimento nas UPAs, após a resolução de sua queixa atual e alta da unidade, são referenciados à a- tenção básica para realizarem o acompanhamento horizontal de suas necessidades em saúde. Em Pernambuco, as UPAs têm como diferencial a inclusão do Traumato-ortopedista no elenco de profissionais médicos na maioria das 14 unidades do estado, descentralizando o atendimento da especialidade de média complexidade, deixando as grandes emergências para os casos mais graves. Em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências, as outras cidades do estado também começaram a se mobilizar para a implantação de UPAs 24h municipais. O projeto está ocorrendo a partir da construção dos Planos de Ação Regionais, coordenado pela Secretaria Estadual de Saúde, sendo prevista a implantação de, aproximadamente, 27 Unidades, afirma Danielle Ducca, diretora-geral de Modernização e Monitoramento da Assistência à Saúde da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. MELHORIAS Para melhorar a qualidade do atendimento prestado, algumas Unidades têm buscado certificações ou implantado sistemas como o Protocolo de Manchester, reconhecido como o grande diferencial das UPAs em Curitiba. Implantada desde o ano passado, a metodologia de tra- Emergência 27

8 balho visa estabelecer um tempo de espera pela atenção médica e não de estabelecer diagnóstico. O método consiste em identificar a queixa inicial e seguir o fluxograma de decisão e, por fim, estabelecer o tempo de espera que varia conforme a gravidade. Com isso, garantimos uma espera segura ao atendimento médico, reforça Mischiatti. Cinco Unidades do Rio de Janeiro também vem passando pelo processo de acreditação da Joint Comission International (JCI), grande referência quando o assunto é qualidade em instituições de saúde. O objetivo da Secretaria de Saúde do RJ é levar o projeto para todas as demais Unidades. TECNOLOGIA Algumas Unidades ainda têm investido em soluções tecnológicas desenvolvidas, especialmente, para o seu gerenciamento. A ECO Sistemas, empresa que atua na implantação de UPAs no país, está presente em 46 unidades do Estado do Rio de Janeiro, em quatro Unidades na Argentina, além de ter atuado na primeira UPA de Salvador, na Bahia. Entre as soluções tecnológicas desenvolvidas pela empresa está uma ferramenta que integra por meio de um sistema todos os processos da unidade envolvendo os aspectos clínico, operacional, administrativo e gerencial. A empresa também criou uma ferramenta web para atender as necessidades de administração de materiais. Permite ao gestor avaliar, a qualquer momento, a necessidade de reposição, o saldo e valores financeiros, além de acompanhar a validade dos estoques, eliminando desperdícios. Ainda é possível gerenciar várias unidades com total independência, controlando, assim, diversos depósitos individualmente. Conseguimos eliminar quase que por completo o fluxo de papéis impressos, o que também é um fator ecológico, explica o analista de negócios da ECO Sistemas, Fernando Ferreira. Entre as principais vantagens que as ferramentas têm trazido para o atendimento das Unidades está no fato de ajudarem na missão de organizar os atendimentos nas UPAs e também seu fluxo de materiais. No sistema de acolhimento e seleção, por exemplo, o número de pacientes encaminhados para hospitais diminui muito em todos os lugares onde nossos sistemas foram empregados. O projeto de implantação das UPAs demonstra um esforço do Ministério da Saúde para melhorar o cenário de atendimento às urgências no país. Como foi possível observar ao longo da reportagem, alguns modelos vêm se desenvolvendo positivamente, e mesmo enfrentando desafios, têm conseguido contribuir para a melhoria da Saúde Pública no Brasil. O que ainda precisa ser aprimorada é a integração do sistema com as outras unidades assistenciais que compõe a rede de urgência, fazendo com que o papel das UPAs seja cumprido integralmente. Palavra oficial ANTONIO LEDES m entrevista exclusiva à Emergência, o coordenador-geral de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde, Paulo de Tarso, fala dos investimentos do órgão para a implantação e manutenção das UPAs do país e do projeto para a abertura de novas Unidades até De Eacordo com o dirigente, para que o trabalho das UPAs seja mais efetivo é preciso que os municípios invistam na atenção básica à saúde. QUANTAS UPAs JÁ FORAM IMPLANTADAS E QUAL A META DO MS PARA NOVAS UNIDADES? Hoje, existem 650 UPAs em andamento, contando as que estão em construção. Dessas, 156 estão em funcionamento. Nossa meta é chegar a mil Unidades até COMO O MS AVALIA A ATUAÇÃO DAS UPAs QUE ESTÃO OPERANDO HOJE NO PAÍS? A UPA é um dos componentes da Rede de Atenção às Urgências e Emergências, que começa na promoção e prevenção à saúde, com ações que previnam ocorrências de urgência, a exemplo da violência no trânsito. Um outro componente é as salas de estabilização. Os municípios com até 50 mil habitantes oferecem nas unidades de saúde as salas de estabilização, que criamos com todos os equipamentos e protocolos necessários para a manutenção da vida. Já nas cidades acima de 50 mil habitantes, contamos com as UPAs, o SAMU e a rede hospitalar. A UPA é apenas um desses componentes, que deve ser encarada como um apoio para as Unidades Básicas de Saúde e não para desafogar as portas hospitalares. A ideia é que realizem o atendimento às urgências quando as unidades de saúde estiverem fechadas. QUAIS OS INVESTIMENTOS DO GOVERNO FEITOS NESSE PROJETO? O Governo Federal já investiu R$ 1,3 bilhão nas UPAs, contemplando a construção das Unidades, equipamentos e seu custeio. As UPAs de Porte I recebem para a implantação recurso de R$ 1,4 milhão, as de Porte II, R$ 2 milhões e as de Porte III, R$ 2,6 milhões. Além disso, as Unidades recebem um custeio mensal para a manutenção, variando também de acordo com o porte da Unidade. A de porte I recebe R$ 100 mil por mês, a de porte II, R$ 175 mil e a de porte III, R$ 250 mil. Todas as UPAs habilitadas recebem este recurso e a portaria também determina que as UPAs qualificadas, aquelas que atenderem critérios de qualidade da atenção, ainda são contempladas com um valor/custeio mês diferenciado. As unidades de saúde já existentes, mas que ainda não se enquadram no perfil de UPAs, podem ser reformadas ou ampliadas e, para isso, também são contempladas com recurso financeiro. A FALTA DE ESTRUTURAÇÃO DA ATENÇÃO Paulo: atenção básica é alicerce da Rede de Saúde BÁSICA DE SAÚDE FOI APONTADA COMO UM FATOR QUE PREJUDICA AS UNIDADES. COMO O MS AVALIA ESSA QUESTÃO? Toda a estrutura da Rede de Saúde, não só das Emergências, mas de toda a Rede, tem como alicerce a atenção básica à saúde. Se os municípios não contarem com uma boa cobertura na atenção básica, todos os demais equipamentos da Rede não darão conta do atendimento. Por isso, é preciso investir em prevenção, atenção e cuidado à saúde. O nosso discurso e empenho é para que todas as Secretarias Municipais de Saúde possam dar 100% de cobertura na atenção básica. 28 Emergência

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NORMA TÉCNICA PARA FLUXO DE PACIENTES CIRÚRGICOS ENTRE HOSPITAIS GERAIS ESTADUAIS DE REFERÊNCIA DA REGIÃO METROPOLITANA E MOSSORÓ E AS UNIDADES

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Daiane da Silva Oliveira INTRODUÇÃO Publicação da Lei 12.732; Com a Publicação da Lei 12.732, que fixa o prazo máximo

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIONALIZAÇÃO NAS DIFERENTES REDES DE ATENÇÃO: COAP E REGIONALIZAÇÃO FERNANDO RITTER SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul CARTA DE PORTO ALEGRE A crise nas Emergências agrava-se a cada ano e hoje constitui um dos grandes problemas de saúde no Estado. Os enfermos que acorrem às Emergências aumentam progressivamente; em contrapartida,

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Perfil O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014. Infrahosp

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014. Infrahosp Infrahosp Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Temática... 3 Ementa... 3 Ideia... 4 Infrahosp... 4 Nome do Pré-Projeto:... 4 Órgão executor:... 4 Início / Término da implementação:... 4 Público-alvo:...

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica 5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica Guia para gestores MINISTÉRIO DA SAÚDE Introdução As diretrizes aqui apresentadas apontam para uma reorganização do modelo

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Manutenção de Ambientes de Saúde

Manutenção de Ambientes de Saúde Manutenção de Ambientes de Saúde Investir para gastar menos no ambiente de saúde Remendar, improvisar, dar um jeitinho, deixar para o último minuto. Nada disso funciona em ambientes de saúde. Essas soluções

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Introduzir ações de regulação em um sistema de saúde requer um diagnóstico apurado de uma série de processos

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro 1 - Qual será o cronograma do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais para as próximas videoconferências sobre

Leia mais

Apresentação: Justificativa:

Apresentação: Justificativa: PESQUISA DO PERFIL PROFISSIONAL E SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA REDE PÚBLICA, LOTADOS EM UNIDADES / SETORES / SERVIÇOS DE MÉDIA E GRANDE COMPLEXIDADE DE ASSISTÊNCIA DE SAÚDE Apresentação: A

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PROCESSO-CONSULTA - Protocolo CREMEC nº 9287/10 INTERESSADO Dr. Franklin Veríssimo Oliveira CREMEC 10920 ASSUNTO Responsabilidade de médico plantonista e do chefe de

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS FASCÍCULO DO BENEFICIÁRIO VERSÃO 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. CONSULTA/ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA EM PRONTO ATENDIMENTO

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012 Pela 1ª vez o setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 20% no número de

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado No Ceará, as queixas de quem procura o sistema de saúde são atendidas, encaminhadas e respondidas, ajudando a melhorar os serviços SAÚDE Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado (ESTADO DO CEARÁ)

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS TÍTULO DA PRÁTICA: REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS CÓDIGO DA PRÁTICA: T66 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Complexo Regulador caracteriza-se

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA ASSISTÊNCIA

Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA ASSISTÊNCIA Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA DENGUE: PLANO DE CONTINGÊNCIA - AREA DA DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PLANO DE CONTIGÊNCIA Apoio Ministério

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares.

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. Marianna Salgado Cavalcante de Vasconcelos mary_mscv16@hotmail.com Jadiel Djone Alves da Silva jadieldjone@hotmail.com

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Resolução da Corregedoria Geral de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Escola

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais