UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Francine Freitas Fernandes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Francine Freitas Fernandes"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Francine Freitas Fernandes IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NO MUNICÍPIO DE CAXAMBU-MG COM SETOR DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA Alfenas MG 2006

2 Francine Freitas Fernandes IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NO MUNICÍPIO DE CAXAMBU-MG COM SETOR DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA Monografia apresentada ao Curso de Especialização Lato Sensu em Atenção Farmacêutica da Universidade Federal de Alfenas como parte dos requisitos para conclusão de curso. Orientador: Luciene Alves Moreira Marques. Alfenas MG 2006

3 Ao Antônio Marcos, meu grande amor e companheiro, que sempre me incentivou a buscar o que acredito. Aos que padecem das enfermidades da mente, que um dia possam ser compreendidos e tratados com a dignidade que merecem.

4 AGRADECIMENTOS Aos funcionários e pacientes do CAPS de Alfenas que tão carinhosamente me receberam, durante um período, a fim de que eu pudesse conhecer e compreender o trabalho realizado. À Secretaria Municipal de Saúde de Caxambu, nas pessoas do Secretário de Saúde, Paulo César Carvalho Fernandes, que autorizou o levantamento dos dados necessários, e Maria Bernadete Bortoni de Souza que tão prontamente disponibilizou as informações que possibilitaram a realização deste trabalho. Às farmacêuticas do município, Nicolle e Ana Cristina, que cederam as informações acerca dos medicamentos da UAF e Farmácia Básica. Ao Departamento Pessoal, Secretaria de Obras, Serviço de Controle, Avaliação e Auditorias da Prefeitura Municipal de Caxambu que também contribuíram com informações relevantes. A todos os funcionários da Prefeitura Municipal de Caxambu que contribuíram de maneira direta ou indireta para que este trabalho fosse possível.

5 É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática. Paulo Freire.

6 SUMÁRIO RESUMO 1. INTRODUÇÃO A ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CAPS O Centro de Atenção Psicossocial A Atenção Farmacêutica Atenção Farmacêutica em Patologias Psiquiátricas Aspectos Gerais Patologias psiquiátricas Esquizofrenia Depressão Transtorno Bipolar Alzheimer e outras doenças MATERIAL E MÉTODO O município de Caxambu O CAPS a ser implantado RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...47

7 RESUMO Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) são os dispositivos estratégicos do movimento de Reforma Psiquiátrica que consiste no progressivo deslocamento do centro do cuidado para fora do hospital. Propõe-se a implantação de um CAPS I no município de Caxambu - MG, pois este não possui nenhum programa de acompanhamento aos pacientes com transtornos psiquiátricos apesar de dispensar uma grande quantidade de medicamentos destinados a estes beneficiários. O CAPS proposto apresenta como diferencial um Setor de Atenção Farmacêutica. A prática da Atenção Farmacêutica constitui a solução para evitar a utilização inadequada dos medicamentos por parte dos pacientes e garantir a efetividade e segurança da farmacoterapia. A prática da Atenção Farmacêutica direcionada aos pacientes com enfermidades psiquiátricas como esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar, Alzheimer e outras doenças, pode trazer inúmeros benefícios tanto para os enfermos quanto para os seus familiares e/ou cuidadores. Os custos quanto aos recursos humanos, ao espaço físico e aos equipamentos necessários para a implantação do CAPS foram avaliados e apresentados. Observa-se que os custos necessários podem ser viabilizados e que são irrelevantes ao se considerar as mudanças que tal empreendimento pode provocar tanto nos pacientes quanto na saúde pública municipal. A importância do farmacêutico fica comprovada dentro do CAPS, uma vez que este profissional contribui com a adesão ao tratamento, orienta os familiares e é o responsável pelo acompanhamento da farmacoterapia do paciente psiquiátrico.

8 1. INTRODUÇÃO A doença mental, objeto construído há duzentos anos, implicava o pressuposto de erro da Razão. Assim, o alienado não tinha a possibilidade de gozar da Razão plena e, portanto, da liberdade de escolha. Neste contexto surge o asilo alienista ao qual era devotada a tarefa de isolar os alienados do meio ao qual se atribuía a causalidade da alienação para, por meio do tratamento moral, restituir-lhes a Razão, portanto, a Liberdade. Entretanto, o asilo, lugar da liberação dos alienados, transformou-se no maior e mais violento espaço da exclusão, de sonegação e mortificação das subjetividades (AMARANTE, 1995). Essa conduta que prescrevia o asilamento sofreu alterações ao longo do tempo. É a partir da Segunda Guerra Mundial que a desospitalização surge como elemento de assistência psiquiátrica e desencadeou, em vários países, um processo de construção de uma nova política de saúde mental (MACHADO et al, 2005). Nas décadas de 50 e 60 o Brasil vivia sob regime dos governos militares e este período foi marcado por uma política de privatização dos hospitais psiquiátricos e um movimento de internação indiscriminada, que foi caracterizado como indústria da loucura (MACHADO et al, 2005). Somente em 1978, no contexto da redemocratização, surge no Rio de Janeiro, o Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental. Este movimento constrói um pensamento crítico no campo da saúde mental que permite visualizar uma possibilidade de inversão desse modelo a partir do conceito de desinstitucionalização. Este conceito significa tratar o sujeito em sua existência e em relação com suas condições concretas de vida. Isso significa não lhe

9 administrar apenas fármacos ou psicoterapias, mas construir possibilidades (AMARANTE, 1995). Em dezembro de 1987, no encontro dos trabalhadores em saúde mental, em Bauru, surge uma nova e fundamental estratégia. O movimento amplia-se no sentido de ultrapassar sua natureza exclusivamente técnico-científica, tornando-se um movimento social pelas transformações no campo da saúde mental (AMARANTE, 1995). Assim, as novas políticas de saúde mental impulsionaram, embora de forma localizada, os tradicionais serviços de assistência psiquiátrica a acompanhar os modelos técnicos e teóricos propostos mundialmente. A partir de então, a preocupação em impedir novas cronificações e o trabalho de reabilitação social passaram a orientar o atendimento nesses serviços (MACHADO et al, 2005). É neste contexto, de busca pela melhoria da assistência aos portadores de transtornos mentais no Brasil, que surgem os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). O primeiro CAPS do Brasil foi inaugurado em março de 1986, na cidade de São Paulo (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). O CAPS é um serviço de saúde aberto e comunitário do Sistema Único de Saúde (SUS). É um lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem de transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros, cuja severidade e/ou persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo, comunitário, personalizado e promotor de vida (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). Os CAPS e outros tipos de serviços substitutivos que têm surgido no país são atualmente regulamentados pela Portaria nº 336/GM, de 19 de fevereiro de 2002 e integram a rede do Sistema Único de Saúde (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004).

10 Este novo cenário, ainda em construção, apresenta os transtornos mentais como agravos prevalentes na população brasileira em grande parte do território (SILVEIRA et al, 2003). A extensão de cuidados de saúde mental às populações é uma tendência verificada nas políticas de saúde de diversos países e refletem os esforços que têm sido implementados para a promoção de tratamentos humanizados, compromissados com direitos humanos e com as necessidades das comunidades em seus diferentes contextos (SILVEIRA et al, 2003). O município ao qual se propõe a implantação de um Centro de Atenção Psicossocial, Caxambu Minas Gerais, possui uma população estimada em 01/07/2005 de habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao índice de desenvolvimento humano (IDH), segundo a Prefeitura Municipal, está situado na 50ª posição entre os 852 municípios de Minas Gerais. Caxambu possui quatro estabelecimentos de saúde públicos sendo uma Policlínica, uma unidade de Vigilância Sanitária, uma unidade de Saúde da Família e um Ambulatório de Unidade Hospitalar Geral que disponibiliza 58 leitos ao SUS. O município conta também com a Unidade de Assistência Farmacêutica (UAF) e desenvolve todos os programas propostos pelo Ministério da Saúde dentro da Atenção Básica, segundo afirmação da secretaria de saúde. Entretanto, não possui nenhuma ação destinada à saúde mental, além da medicação dispensada aos portadores de transtornos mentais e das viagens de encaminhamento destes aos Hospitais psiquiátricos da região. O CAPS que se propõe implantar neste município apresentará como diferencial um setor de Atenção Farmacêutica. Assim, a presença do farmacêutico passará a ser obrigatória

11 dentro deste modelo, uma vez que, a equipe de profissionais preconizada pelo Ministério da Saúde para desenvolver esse tipo de assistência não o contém. Segundo o Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica, esta consiste em um modelo de prática farmacêutica, desenvolvida no contexto da Assistência Farmacêutica. Compreende atitudes, valores éticos, comportamentos, habilidades, compromissos e coresponsabilidades na prevenção de doenças, promoção e recuperação da saúde, de forma integrada à equipe de saúde. É a integração direta do farmacêutico com o usuário, visando uma farmacoterapia racional e a obtenção de resultados definidos e mensuráveis, voltados para a melhoria da qualidade de vida. Esta interação também deve envolver as concepções dos seus sujeitos, respeitadas as suas especificidades bio-psico-sociais, sob a ótica da integralidade das ações de saúde (IVAMA et al., 2002). Embora existam diferenças fundamentais nos sistemas de prestação e atenção sanitária entre os países, o conceito de Atenção Farmacêutica é considerado aplicável a todos eles mesmo levando em consideração diferenças como a situação socioeconômica (OMS, 1999). O futuro da Farmácia Psiquiátrica é incentivador e promissor, se levarmos em consideração que a Organização Mundial da Saúde, em 1996, declarou que o problema dos transtornos psiquiátricos tem sido subestimado e que cinco das 10 causas que mais causam incapacidades no mundo são: depressão, abuso de álcool, transtorno bipolar, esquizofrenia e transtorno obsessivo compulsivo (FRIDMAN, 2001). O farmacêutico não pode e não deve ficar à margem da farmácia psiquiátrica, deve estar preparado para enfrentá-la com a quantidade de conhecimentos necessários para melhorar a qualidade de vida destes pacientes (FRIDMAN, 2001).

12 Levando em consideração os distintos perfis das patologias psiquiátricas, o conselho farmacêutico é dirigido não apenas ao paciente, mas principalmente aos familiares deste (FRIDMAN & FILINGER, 2002). 2. A ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CAPS 2.1. O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Os CAPS são instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos mentais, estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia, oferecer-lhes atendimento médico e psicológico. Sua característica principal é buscar integrá-los a um ambiente social e cultural concreto (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). O objetivo do CAPS é oferecer atendimento à população de sua área de abrangência, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercícios dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. É um serviço de atendimento de saúde mental criado para ser substitutivo às internações em hospitais psiquiátricos (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). Os CAPS visam prestar atendimento em regime de atenção diária; gerenciar os projetos terapêuticos oferecendo cuidado clínico eficiente e personalizado; promover a inserção social dos usuários através de ações intersetoriais que envolvam educação, trabalho,

13 esporte, cultura e lazer, montando estratégias conjuntas de enfrentamento dos problemas (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). As pessoas atendidas pelo CAPS são aquelas com transtornos mentais severos e/ou persistentes, ou seja, pessoas com grave comprometimento psíquico, incluindo os transtornos relacionados às substâncias psicoativas (álcool e outras drogas) e também crianças e adolescentes com transtornos mentais (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). Os usuários dos CAPS podem ter tido uma longa história de internações psiquiátricas, podem nunca ter sido internados ou podem já ter sido atendidos em outros serviços de saúde. O importante é que essas pessoas saibam que podem ser atendidas e saibam o que são e o que fazem os CAPS (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). Quando uma pessoa é atendida em um CAPS, ela tem acesso a vários recursos terapêuticos, como: Atendimento individual, atendimento em grupo, atendimento para a família, atividades comunitárias, assembléias ou reuniões de organização do serviço (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). Estar em tratamento no CAPS não significa que o usuário tem que ficar a maior parte do tempo dentro dele. As atividades podem ser desenvolvidas fora do serviço, como parte de uma estratégia terapêutica de reabilitação psicossocial, que poderia iniciar-se ou ser articulada pelo CAPS, mas que se realizará na comunidade, no trabalho e na vida social. Assim, o CAPS pode articular cuidado clínico e programa de reabilitação psicossocial (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004) A Atenção Farmacêutica

14 A Atenção Farmacêutica é um conceito de prática profissional em que o paciente é o principal beneficiário das ações do farmacêutico. Esta prática compreende as atitudes, os comportamentos, os compromissos, as inquietudes, os valores éticos, as funções, os conhecimentos, as responsabilidades e as destrezas do farmacêutico na provisão da farmacoterapia com o objetivo de obter resultados terapêuticos definidos na saúde e na qualidade de vida do paciente (OMS, 1993). Para que a Atenção Farmacêutica seja praticada é necessário estabelecer uma relação entre o farmacêutico e o paciente, que permita um trabalho em comum com o objetivo de prevenir, identificar e resolver os problemas que possam surgir durante o tratamento farmacológico desses pacientes (FAUS, 1999). A Atenção Farmacêutica não é praticada independente de outros serviços assistenciais, mas em colaboração com os médicos, o pessoal da enfermagem e outros dispensadores de atenção sanitária (OMS, 1993). O método de trabalho em equipe é vital para que se obtenha um rendimento ótimo de recursos limitados, tanto humanos como financeiros, para atender as necessidades assistenciais de qualquer país (OMS, 1993). O objetivo da Atenção Farmacêutica com relação ao paciente é a resolução ou melhora de seu problema de saúde, para o qual em muitas ocasiões o trabalho do farmacêutico deverá integrar-se com o do médico que trata este paciente, a fim de complementar e ajudar no propósito de superar o problema de saúde (FAUS, 1999).

15 Existem várias ações que configuram a prática da Atenção Farmacêutica aos pacientes, ao serem aplicadas em sua totalidade ou em parte, essas ações vão contribuir, provavelmente, ao uso seguro e mais econômico dos medicamentos produzindo resultados positivos e uma melhora na atenção a saúde (OMS, 1993). Os elementos constitutivos da prática da Atenção Farmacêutica, segundo Ivama et al. (2002), são: 1. Educação em saúde (incluindo promoção do uso racional de medicamentos); 2. Orientação farmacêutica; 3. Dispensação; 4. Atendimento Farmacêutico; 5. Acompanhamento/seguimento farmacoterapêutico; 6. Registro sistemático das atividades, mensuração e avaliação dos resultados. Termos e conceitos relacionados à prática da Atenção Farmacêutica foram propostos no Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica, assim como esclarecimentos quanto ao seu entendimento e aplicação (IVAMA et al., 2002). Segundo IVAMA et al. (2002), problema relacionado com medicamento (PRM) é um problema de saúde, relacionado ou suspeito de estar relacionado à farmacoterapia, que interfere ou pode interferir nos resultados terapêuticos e na qualidade de vida do usuário. O PRM é real, quando manifestado, ou potencial na possibilidade de sua ocorrência. A identificação de PRMs segue os princípios de necessidade, efetividade e segurança, próprios da farmacoterapia (IVAMA et al., 2002). O Acompanhamento/seguimento farmacoterapêutico configura um processo no qual o farmacêutico se responsabiliza pelas necessidades do usuário relacionadas ao medicamento, por meio da detecção, prevenção e resolução de PRMs, de forma sistemática, contínua e documentada, com o objetivo de alcançar resultados definidos, buscando a melhoria da qualidade de vida do usuário (IVAMA et al.,2002).

16 A promoção da saúde também é componente da Atenção Farmacêutica e ao fazer o acompanhamento é imprescindível que se faça também à promoção. Entende-se por resultado definido a cura, o controle ou o retardamento de uma enfermidade, compreendendo os aspectos referentes à efetividade e à segurança (IVAMA et al., 2002). O Atendimento Farmacêutico é o ato em que o farmacêutico, fundamentado em sua práxis, interage e responde às demandas dos usuários de sistema de saúde, buscando a resolução de problemas de saúde, que envolvam ou não o uso de medicamentos. Este processo pode compreender escuta ativa, identificação de necessidades, análise da situação, tomada de decisões, definição de condutas, documentação e avaliação, entre outros. O Atendimento Farmacêutico é mais amplo e pode ou não gerar uma intervenção farmacêutica (IVAMA et al., 2002). A Intervenção Farmacêutica é um ato planejado, documentado e realizado junto ao usuário e profissionais de saúde, que visa resolver ou prevenir problemas que interferem ou podem interferir na farmacoterapia, sendo parte integrante do processo de acompanhamento/seguimento farmacoterapêutico (IVAMA et al., 2002). A Atenção Farmacêutica é uma das entradas do sistema de Farmacovigilância, ao identificar e avaliar problemas/riscos relacionados à segurança, efetividade e desvios da qualidade de medicamentos, por meio do acompanhamento/seguimento farmacoterapêutico ou outros componentes da Atenção Farmacêutica. Isto inclui a documentação e a avaliação dos resultados, gerando notificações e novos dados para o Sistema, por meio de estudos complementares (IVAMA et al., 2002). O ato de dispensação dos medicamentos pelo farmacêutico é de fundamental importância para a saúde e para a vida do paciente, pois caso não ocorra uma Atenção

17 Farmacêutica adequada, todas as dúvidas a respeito da medicação serão transferidas ao tratamento (FRIDMAN & FILINGER, 2002). As responsabilidades do farmacêutico, somente no que diz respeito à terapia com medicamentos, pode-se dizer que são: garantir a aquisição segura dos medicamentos, assim como seu adequado armazenamento; prover informações ao paciente; revisar as receitas a fim de identificar reações adversas a medicamentos (RAM), reações alérgicas, contra-indicações, interações prejudiciais; contribuir com a elaboração e revisão dos planos terapêuticos em colaboração com os médicos e outros profissionais da saúde; considerar, a pedido do paciente, os problemas relacionados com os medicamentos e as inquietudes que este tenha a respeito; assessorar ao paciente a respeito da seleção e uso de medicamentos de venda livre; informar as RAMs detectadas as autoridades sanitárias; prover e compartilhar informações e assessoramento relacionados com medicamentos; manter um alto nível de conhecimento sobre as terapias medicamentosas (FRIDMAN, 2001). Reconhece-se que existem diferenças fundamentais nos sistemas de prestação de atenção sanitária entre os diversos países. Entretanto, considera-se que o conceito de Atenção Farmacêutica é aplicável a todos os países apesar das diferenças de desenvolvimento socioeconômico (OMS, 1993). Uma farmacoterapia apropriada permite obter uma atenção à saúde segura e econômica, por outro lado, o uso inadequado de fármacos tem importantes conseqüências tanto para os pacientes como para a sociedade em geral. É necessário assegurar uma utilização racional e econômica dos medicamentos em todos os países, independente do seu nível de desenvolvimento. Os farmacêuticos têm um papel fundamental a desempenhar no que se refere a atender as necessidades dos indivíduos e da sociedade a este respeito (OMS, 1993).

18 A maioria das falhas na farmacoterapia pode ser atribuída a uma má utilização dos medicamentos por parte dos pacientes. A solução para este importante problema é a implantação de programas de Atenção Farmacêutica, com o objetivo de assegurar uma farmacoterapia apropriada, segura e efetiva para todos os pacientes (FAUS, 1999) Atenção Farmacêutica em Patologias Psiquiátricas Aspectos gerais A implantação de um programa de Atenção Farmacêutica em pacientes psiquiátricos implica em gerar uma boa relação interdisciplinar entre o médico prescritor e o farmacêutico dispensador (FRIDMAN & FILINGER, 2002). A interdisciplinaridade, neste caso, é a colaboração entre os profissionais da equipe de saúde, respeitando cada um os limites de sua profissão (FRIDMAN & FILINGER, 2002). O farmacêutico é um profissional com amplos conhecimentos farmacológicos e farmacotécnicos, capacitado para manejar o atual arsenal terapêutico e informar sobre a potência de novas drogas e, por sua vez, relacionar-se com o médico de igual para igual (FRIDMAN & FILINGER, 2002). Assim, há a necessidade de uma estreita colaboração entre os profissionais da área de saúde, uma vez que nenhum possui a universalidade de todos os conhecimentos, e cada profissional é especialista em uma área de sua profissão (FRIDMAN & FILINGER, 2002).

19 As enfermidades psiquiátricas estão em primeiro lugar entre os transtornos aos quais resulta uma abordagem particularmente complexa na ausência de uma participação integrada (CARRANZA, 2001 apud FRIDMAN & FILINGER, 2002). Na Psiquiatria, a interdisciplinaridade é uma necessidade inquestionável, devido à existência de tantos fatores inespecíficos que podem conspirar contra o tratamento. Assim, esta prática melhorará indiscutivelmente a saúde e a qualidade de vida do paciente (FRIDMAN & FILINGER, 2002). Segundo Fridman & Filinger (2002), a interação médico-farmacêutico frente aos pacientes psiquiátricos deve basear-se em alguns pontos como: 1- Comunicação profissional-paciente-familiares: As palavras esquizofrênico ou paranóico, não são bem aceitas culturalmente pela sociedade, por isso os médicos especialistas as utilizam com cuidado, e a falta de coordenação com o profissional farmacêutico pode interferir no cumprimento da terapia. 2- Medicação: Cuidar das interações juntamente com os efeitos colaterais, neste ponto é dever de ambos profissionais desmistificar o poder do comprimido salvador que tantos problemas ocasionam. 3- Troca ou ajuste na medicação: Este tema é crítico nestes pacientes. Ao existir qualquer problema, por exemplo, medicamentos que saíram do mercado ou mudança na cor de comprimidos ou cápsulas, o médico deve ser comunicado para que fale com o paciente a fim de evitar dúvidas e desconfianças que podem surgir. 4- Reuniões científicas: É aconselhável realizar encontros entre os profissionais da saúde, a fim de buscar temas de estudo, discutir a atenção de cada paciente do ponto de vista

20 de cada uma das profissões, obtendo conclusões concretas, fixando parâmetros de abordagem terapêutica e educando sobre as incumbências e limites de cada profissão. Hoje em dia é inconcebível o trabalho isolado nas ciências da saúde. A Atenção Farmacêutica deve ser integrada a equipe básica da saúde se pretende ser assistencial. Trabalhar em equipe resultará em benefício não apenas ao paciente, mas também a todas as profissões individuais (FRIDMAN & FILINGER, 2002). A Atenção Farmacêutica aos pacientes com problemas neuropsiquiátricos deve enfocar os seguintes aspectos concretos, segundo Fridman (2001): 1. RAMs freqüentes: Como os efeitos extrapiramidais produzidos por muitos fármacos, dano neurológico produzido por benzodiazepínicos, taquicardias com o uso de psicoestimulantes, efeitos anticolinérgicos (boca seca, constipação, retenção líquida, visão borrada, etc.), aumento de peso por uso de antipsicóticos, etc. 2. Enfermidades concomitantes: Cardiopatias, hipo e hipertireoidismo, gripe, problemas gastrointestinais, certas interações como: potenciação do efeito tóxico de Digoxina com Diazepam, diminuição da absorção de Benzodiazepínicos (BZD) com antiácidos orais (distanciar as administrações), potenciação do efeito hipoglicemiante dos Hipoglicemiantes orais e Insulina por IMAOs (Inibidores da Monoaminoxidase), risco de arritmias do Lítio com Verapamil, diminuição da ação de Levodopa com Clonidina, etc. 3. Cumprimento dos Tratamentos: Advertir sobre efeitos colaterais, sobre a cronicidade do mesmo, levar ao conhecimento de familiares e/ou pessoas encarregadas, etc. 4. Interações Medicamentosas: Uso concomitante de IMAOs e Tricíclicos (causa delírio, coma e convulsões); uso de preparados homeopáticos para emagrecer; aceleração

21 do metabolismo hepático por Barbitúricos; diminuição do metabolismo hepático de Barbitúricos por IMAOs com o aumento de sua toxicidade; uso de Fluoxetina ou Fluvoxamina (inibidores altamente seletivos de serotonina) com Triptofano; Lítio ou IMAOs podem produzir síndrome serotoninérgica caracterizada por hipertermia, tremor e convulsões; Fenitoína (cuidado com quase toda a medicação); o Diazepam diminui o efeito de certas drogas antiparkinsonianas (L-Dopa); sinergismo de Benzodiazepínicos com outros depressores do SNC, etc. 5. Cuidados específicos: Uso de álcool, tabaco e infusões psicoestimulantes (café, chá, mate, diminuem a eficácia de drogas como Lítio e Haloperidol). Dietas: Do queijo com IMAOs; para diminuir ou eliminar alguns sintomas desagradáveis como a constipação ou secura bucal; aumento da excreção renal de Lítio com sais de sódio; aumento da biodisponibilidade do Lítio com a alimentação; diminuição da absorção de Levodopa com alimentos protéicos, etc. 6. Grupos de Risco: Gravidez, Lactentes, Idosos, Crianças, etc. 7. Uso de medicamentos de Venda Livre. 8. Monitoramento e Seguimento: Existem várias formas de realizá-lo, perguntas aos médicos que os tratam, aos familiares do enfermo, utilizar os testes diagnósticos padronizados para as distintas patologias ou utilizar valores de laboratórios que embora sejam muito onerosos são válidos. 9. Fatores Farmacotécnicos: Necessidades de trocar a via de administração, a forma farmacêutica, impossibilidade de preparação de certa forma farmacêutica, etc. 10. Educação.

22 Devido ao fato do farmacêutico não estar habilitado a prescrever medicamentos, a conduta adequada frente a um caso de problemas psiquiátricos e/ou neurológicos é recorrer ao médico com a maior rapidez possível (FRIDMAN, 2001). Assim, os objetivos que devem ser alcançados com a Atenção Farmacêutica a este tipo de paciente estão orientados na melhora da qualidade de vida do mesmo. Para isso é fundamental: detectar e informar os PRMs; melhorar a colaboração com o médico; observar e analisar as possíveis complicações das diferentes patologias neuropsiquiátricas; enfatizar ao paciente tudo aquilo que irá melhorar a eficácia do tratamento (FRIDMAN, 2001). Um objetivo fundamental da Atenção Farmacêutica é promover o Cumprimento Terapêutico ou conseguir que o paciente se ajuste ao plano de tratamento estabelecido. A importância deste conceito é óbvia, pois de nada servirá o diagnóstico correto junto a um plano terapêutico bem desenhado, se o paciente não cumpri-lo. Além do que, o farmacêutico é geralmente o último profissional sanitário que está em contato com o paciente ou seus familiares antes de se iniciar o tratamento (NIETO & MANRIQUE, 2005). É importante que o paciente e/ou seus familiares entendam a natureza da enfermidade e que saibam o que devem esperar dos medicamentos; muitos enfermos que tomam antidepressivos manifestam a atitude de suspender o tratamento porque não têm conhecimento dos efeitos adversos que podem aparecer ou não são informados de que podem transcorrer algumas semanas antes que apareça alguma melhora (NIETO & MANRIQUE, 2005). As causas de mau cumprimento do tratamento são variadas; em princípio, fatores como viver sozinho, situação socioeconômica baixa, regime posológico complexo, atitude negativa do enfermo diante de sua patologia e seu tratamento são as principais condições de cumprimento errado do tratamento (FRIDMAN, 2001).

23 Outros fatores influenciam o cumprimento do tratamento como a relação entre o enfermo e o pessoal de saúde, e o grau de educação sanitária que eles recebem (FRIDMAN, 2001). Segundo Fridman (2001), para melhorar o cumprimento do tratamento algumas atitudes devem ser tomadas: - É recomendável que o paciente conheça e compreenda a importância do cumprimento do tratamento e as vantagens que representam para ele e para a sociedade. - É importante que o paciente conheça o prognóstico de sua enfermidade e os efeitos benéficos e colaterais que podem apresentar a administração do medicamento. - A boa relação profissional entre paciente, farmacêutico e outros profissionais da equipe de saúde, é uma excelente ferramenta de trabalho para favorecer o cumprimento dos tratamentos. - Devem ser feitos esquemas terapêuticos adequados aos hábitos de vida do paciente, sobretudo em pacientes polimedicados. A utilização de novos fármacos que permitem menos doses ou outras formas de administração faz com que os pacientes cumpram melhor o tratamento; assim, as formas parenterais dos fármacos aos esquizofrênicos e aos que apresentam transtornos bipolares tem permitido obter um melhor cumprimento terapêutico (NIETO & MANRIQUE, 2005). É importante avisar ao paciente sobre a melhoria sintomática e a necessidade de continuar o tratamento mesmo que os sintomas tenham cessado. Muitos pacientes afirmam desconhecer o fato de que teriam que voltar ao tratamento posteriormente (NIETO & MANRIQUE, 2005).

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento Alexandre Pereira Esquizofrenia x T. Bipolar Delírios, Alucinações, Alterações da consciência do eu,alterações do afeto e da percepção corporal Evolução

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

Psiquiatria para o clínico Dr. André I. Petroucic Filho 07 maio 2014 Introdução Psiquiatria do dia a dia do clínico Pontos importantes sobre as principais doenças psiquiátricas Depressão, Ansiedade, Doença

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 Sumário Prefácio... 9 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 As faces do transtorno bipolar... 20 Depressão... 22 Sintomas da depressão...

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

CONCEITO EPISÓDIO MANÍACO 03/02/2014. Episódios depressivos e maníacos. Evolução recorrente. Plena recuperação nas intercrises

CONCEITO EPISÓDIO MANÍACO 03/02/2014. Episódios depressivos e maníacos. Evolução recorrente. Plena recuperação nas intercrises Prof. José Reinaldo do Amaral CONCEITO Episódios depressivos e maníacos Evolução recorrente Plena recuperação nas intercrises 1. Auto-estima inflada ou grandiosidade 2. Insônia 3. Mais falador que o habitual

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Brasília, Técnica maio N de 38 2012. /2012 Princípio Nomes Comerciais1 Ativo: metilfenidato. Sumário e de Referência: Ritalina, Ritalina LA e Concerta 1. 2. que é o metilfenidato? 3. ANVISA? Para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB 1 Roosevelt Albuquerque Gomes, Faculdade Santa Maria, roosevelt.ag@gmail.com 2

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais.

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Alternativas terapêuticas farmacológicas. Dr. João Luiz da Fonseca Martins Médico Psiquiatra Uniica . Principais

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Meprate Tablets 400mg

Meprate Tablets 400mg Estadomembro UE/EEE Titular da autorização de introdução no mercado Nome de fantasia Dosagem Forma farmacêutica Via de administração Reino Unido Chelonia Healthcare Limited, Boumpoulinas 11, 3rd Floor,

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente,

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA QUESTÃO 21 São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, EXCETO: a) O indivíduo apresenta delírios que não sejam bizarros por pelo

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml.

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. Hixizine cloridrato de hidroxizina Uso adulto e pediátrico Uso oral APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. COMPOSIÇÃO

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas,

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, 8 Remédios para Emagrecer Evandro Murer Especialista em Teorias e Métodos de Pesquisa em Educação Física, Esportes e Lazer na UNICAMP Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, que

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

TRANSTORNOS PSICÓTICOS

TRANSTORNOS PSICÓTICOS Prof. José Reinaldo do Amaral TRANSTORNOS PSICÓTICOS Modelo etiológico Sinônimo de doença mental Psicose endógena Esquizofrenia Psicose maníaco-depressiva Psicose orgânica Psicose sintomática Psicose demencial

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012)

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Lieke Hassink-Franke, Berend Terluin, Florien van Heest, Jan Hekman, Harm van Marwijk, Mariëlle van Avendonk traduzido do original em holandês por

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Perturbadores do SNC ObjeDvos Conhecer as formas de apresentação e de uso Compreender o mecanismo de

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Bisoltussin Tosse Seca, 2 mg/ml, solução oral Bromidrato de dextrometorfano Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Demografia de patologias do SNC (USA)

Demografia de patologias do SNC (USA) Demografia de patologias do SNC (USA) - Insônia (60 milhões) - Enxaqueca (40 milhões) - Depressão (20 milhões) - Distúrbios de ansiedade (19 milhões) - Alzheimer (4 milhões) - (3 milhões) e Epilepsias

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Após discussões que duraram mais de cinco anos, foi aprovado no âmbito da Comissão Internacional de Saúde

Leia mais

O uso de benzodiazepínicos em idosos

O uso de benzodiazepínicos em idosos O uso de benzodiazepínicos em idosos Rafael C Freire Doutor em psiquiatria Laboratório do Pânico e Respiração IPUB UFRJ INCT Translacional em Medicina Declaração de conflito de interesse Emprego Financiamento

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo NTRR 41/2013 Solicitante: Juiza Dra.Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Número do processo: 051213001877-7 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 11/04/2013 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Viabom 50 mg comprimidos Dimenidrinato APROVADO EM Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Atualmente, o consumo de substâncias ilícitas e álcool é indiscriminado entre mulheres e homens adultos

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

Elza C. Oliveira Sebastião (EFar( EFar/UFOP)

Elza C. Oliveira Sebastião (EFar( EFar/UFOP) Avaliação do impacto de um programa de intervenção farmacêutica como educação continuada no comportamento de médicos m da atenção primária ria em Ribeirão Preto (SP, Brasil) Elza C. Oliveira Sebastião

Leia mais