RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA"

Transcrição

1 RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA Arquitetos Responsáveis: Márcia Braga e Delfim Carvalho RELATÓRIO TÉCNICO 1

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO PINTURAS DECORATIVAS E ARTÍSTICAS DA VARANDA Pinturas decorativas Estado de Conservação antes do início dos trabalhos Tratamento executado Registros Fotográficos Pinturas artísticas Estado de conservação antes do início dos trabalhos Tratamento executado Registros fotográficos PAINEL PAINEL PAINEL PAINEL PINTURAS DECORATIVAS DAS SALAS DO MUSEU Estado de conservação Tratamento executado Registros fotográficos por ambiente Sala Pró Aliados Sala da Federação Sala Buenos Aires PINTURA DECORATIVA DO CORREDOR Estado de conservação Tratamento executado Registros fotográficos

3 INTRODUÇÃO Estão descritos o estado de conservação, os trabalhos técnicos da intervenção de restauro realizados em cada ambiente e os respectivos registros fotográficos. Os serviços de restauro em questão iniciaram-se em 18 de junho de O presente relatório técnico está dividido em três partes distintas de acordo com as três frentes de trabalho paralelas que estão sendo executadas. São elas: 1- Pinturas decorativas e pinturas artísticas da Varanda. ( em andamento ) 2- Pinturas decorativas das salas internas do Museu. ( concluídas ) 3- Pintura decorativa em imitação de mármore do Corredor. ( em andamento ) EQUIPE TÉCNICA Alice Medina... Restauradora Coordenadora de Equipe Luciene Hiromi... Restauradora Paula Rocha... Restauradora Maíra de Oliveira... Auxiliar de Restauro Pauline Julião... Auxiliar de Restauro 3

4 1- PINTURAS DECORATIVAS E ARTÍSTICAS DA VARANDA Vista externa da varanda Pinturas decorativas Estado de Conservação antes do início dos trabalhos Camada pictórica em descolamento. Áreas degradadas por pulverulência do reboco. Fissuras, rachaduras e trincas. Áreas ocas com degradação do substrato. Presença de intervenções de argamassa e cimento incompatíveis com o original. Observação: No painel próximo à parede no fundo da varanda existem prospecções estratigráficas onde se vê as camadas de pintura mais antigas e as originais. Estas serão preservadas e protegidas com Paraloid B72. 4

5 Tratamento executado Proteção do piso com plástico e feltro. Montagem de uma torre de andaime móvel. Realização de testes de percussão para localização de som cavo e detecção de áreas degradadas no substrato. Realização de testes de consolidação com adesivo PVA. Remoção da camada de pintura em áreas degradadas com descolamento. Remoção de argamassas pulverulentas. Remoção de intervenções de argamassa e cimento incompatíveis com o original. Abertura de trincas e fissuras. Consolidação superficial por aspersão de adesivo PVA. Consolidação estrutural do substrato com injeção de adesivo PVA através de seringas. Identificação das cores com o catálogo de tintas do fabricante Coral para PVA. Cópia dos desenhos das faixas decorativas em stencil para posterior reprodução. Proteção das prospecções estratigráficas com Paraloid B72. Embrechamento: aplicação de argamassa com cal e areia em áreas muito profundas como preparação da aplicação do emboço. Preenchimento de rachaduras e fissuras com cal e areia. Aplicação de novo emboço com argamassa de cal e areia nas áreas de perda. Aplicação de emassamento com massa acrílica. Nivelamento. 5

6 Registros Fotográficos Proteção do piso para início dos trabalhos com plástico e feltro. 6

7 Parte superior das pinturas decorativas antes do início da restauração: Área sobre o Painel artístico P1. Área sobre o Painel artístico P2. Área sobre o Painel artístico P3. Área sobre o Painel artístico P4. 7

8 Detalhe da faixa entre a pintura decorativa e a pinturas artísticas com descolamento. Detalhe do estado da camada policromada em descolamento. Toda pintura nesse estado foi removida. 8

9 Pintura decorativa atual com degradação do substrato e da camada policromada. Prospecção estratigráfica. Pintura artística. Painel próximo à parede do fundo da varanda mostrando a pintura decorativa com a barra decorada e a pintura artística embaixo dela. Neste foto se vê uma das prospecções existentes no local com pintura decorativa original. Cópia do desenho da barra decorativa em stencil, para posterior reprodução. 9

10 Remoção de área com intervenção de argamassa e cimento incompatíveis na área sobre o Painel artístico P2. Área sobre o Painel artístico P2. Abaixo estão as fotos da remoção de intervenção de argamassa e cimento incompatível com o original assinalada em tracejado amarelo na foto acima. 10

11 Sequência de fotos com a remoção da intervenção incompatível. Remoção de outra intervenção de argamassa e cimento incompatível com o original sobre o Painel artístico P2. 11

12 Aplicação de adesivo PVA por aspersão para consolidação do substrato degradado. Proteção das pinturas artísticas para aplicação de embosso e massa acrílica nas pinturas decorativas. Remoção de intervenção de argamassa e cimento incompatível com o original sobre o Painel artístico P3. Aplicação de adesivo PVA por aspersão. 12

13 Remoção de intervenção de argamassa e cimento incompatível com o original sobre o Painel artístico P4. Rachadura:... Área pronta para receber novo emboço:... Massa acrílica:... Área sobre o Painel artístico P1 com áreas já abertas para aplicação de nova camada de emboço, área próxima à pintura artística já coberta com massa acrílica. 13

14 Áreas próximas ao piso: Detalhe de estufamento demonstrando a degradação da argamassa do emboço. 14

15 Remoção de argamassas completamente pulverulentas. Remoção de partes em descolamento. Foto demonstrando pequenos pontos de pintura original em tom rosado avermelhado. 15

16 Área com remoção total de argamassas degradadas em descolamento. Perfuração para abertura de furo para aplicação de adesivo por injeção. Áreas pontilhadas da foto com demarcação de áreas ocas para injeção de adesivo. 16

17 Áreas demarcadas para injeção de adesivo. Aplicação de adesivo PVA por injeção. Reboco solto com pequenos pontos pretos de ação biológica. 17

18 Área preparada para receber novo emboço, e massa acrílica, com as pinturas artísticas devidamente protegidas. Nivelamento de lacunas com massa acrílica. 18

19 Aplicação de argamassa de cal e areia nas lacunas. 19

20 Aplicação de argamassa de cal e areia nas lacunas. 20

21 1.2- Pinturas artísticas Os quatro painéis com pinturas artísticas foram classificados como P1, P2, P3 e P4, conforme o esquema gráfico abaixo: Edificação P1 P2 P3 P4 Varanda Painel P1 Painel P2 Painel P3 Painel P4 21

22 Estado de conservação antes do início dos trabalhos Processo de descolamento com craqueluras e perdas da camada pictórica. Sujidades depositadas sobre a superfície pictórica. Pátina biológica. Manchas de escorrido típicas de infiltração. Presença de retoques com diferenciação tonal inadequada ou inacabados. Emassamentos com desníveis e superfície lisa, com diferenciação de refração da luz, comprometendo o aspecto das pinturas Tratamento executado Testes de consolidação com adesivo Beva 371 com êxito. Consolidação com Beva 371 aplicado com pincel em toda a extensão das pinturas e ativação do adesivo com calor aplicado com espátula térmica. O tratamento garantiu a completa aderência da pintura à superfície mural. Teste de remoção da pátina biológica com pomada antibiótica e Aguarrás mineral para remover a pomada e finalizar a limpeza. Limpeza da camada pictórica com aplicação da pomada antibiótica e Aguarrás mineral. Aplicação de textura com massa acrílica nos emassamentos antigos que tinham superfície completamente lisa. Este procedimento eliminou áreas com retoques antigos realizados em restaurações anteriores. A manutenção de áreas lisas comprometeria a qualidade estética do resultado final da nossa intervenção e por isso optamos por adicionarmos esse procedimento ao restauro. Estas áreas eram predominantemente as de fundo preto ou verde e o procedimento foi aprovado pela fiscalização da equipe técnica do Museu que acompanhou a obra. Remoção de retoques anteriores com diferenciação tonal e cromática. Pigmentação dos emassamentos em massa acrílica com aplicação de têmpera gouache da marca Talens. Esse procedimento foi realizado para colorir o emassamento no mesmo tom avermelhado do emassamento original e facilitar a reintegração estética final. Teste de aplicação de verniz para saturação: Paraloid B72, Regalrez e Arkon P90. O verniz com melhor resultado de saturação e refração foi o Paraloid B72. Aplicação de verniz de saturação Paraloid B72 a 10% em Xileno, através do uso de trinchas. Reintegração pictórica com Paraloid B72 e pigmentos de excelente qualidade da marca Sennelier e Casa do Restaurador. 22

23 Registros fotográficos Painel P1 Área limite com a pintura decorativa onde existem prospecções estratigráficas com pinturas originais aparentes. Aplicação de Beva 371 para consolidação. 23

24 Estado do painel antes da restauração. Ativação do Beva 371 com aplicação de calor com espátula térmica. 24

25 Indicação de desnível com descolamento, apontado pela restauradora. Aplicação de Beva 371 com seringa. 25

26 Painel limpo e emassado, com marcação do teste de vernizes. Teste de aplicação dos vernizes. 26

27 Painel P2 Estado da pintura antes da intervenção. Detalhe de manchas de escorridos. 27

28 Detalhe do braço direito da figura com nivelamento e retoque alterado. Emassamento e nivelamento da área de perda. 28

29 Painel limpo, com remoção de repinturas e aplicação de textura nos emassamentos. Texturização de áreas lisas sobre emassamentos antigos. 29

30 Pigmentação avermelhada no emassamento e verniz de saturação. Painel P3 Estado de conservação antes do restauro, com manchas de escorrido bem visíveis. 30

31 Detalhe com pintura decorativa em descolamento acima da pintura artística. Detalhe dos escorridos. 31

32 Injeção de adesivo Beva

33 Área quadriculada com teste para remoção de pátina biológica a área mais escura e brilhosa está limpa. Remoção da pátina biológica com aplicação de pomada antibiótica. Limpeza com Aguarrás Mineral e Estopas embebidas com Aguarrás mineral, sujas de pátina biológica. 33

34 Remoção da pátina biológica visível na metade direita das fotos. 34

35 Pátina biológica removida. Presença de pátina biológica removida. Remoção da pátina biológica visível na metade direita da foto. Retoque de intervenção anterior. 35

36 Painel emassado e nivelado. Retoques antigos com diferenciação tonal. Retoque tracejado, área em verde. 36

37 Remoção de repinturas. Área original, já sem repinturas. Detalhe remoção de repintura na área verde. Swab com repintura no processo de remoção. 37

38 Painel limpo e livre de repintura, saturado com Aguarrás. Texturização do emassamento e pigmentação do emassamento em tom avermelhado. 38

39 Painel pronto para a reintegração estética, já com verniz para saturação. Processo de reintegração estética. ] 39

40 Painel P4 Estado de conservação antes do início do restauro. Detalhe dos desgastes, manhas de escorridos e retoques com diferenciação tonal. 40

41 Aplicação de Beca 371 com ativação térmica por aplicação de calor com espátula térmica. 41

42 Aplicação de pomada antibiótica. Emassamento. Teste de aplicação de vernizes. 42

43 Verniz com melhor resultado: Paraloid B72. Reglarez. Arkon P90 Painel emassado. 43

44 Texturização do fundo liso. Pigmentação da massa acrílica. 44

45 Emassamento pigmentado já com verniz aplicado no painel. 45

46 Processo de reintegração estética. 46

47 Reintegração estética. 47

48 Detalhes do processo de reintegração estética em fase final. 48

49 Reintegração estética. 49

50 2- PINTURAS DECORATIVAS DAS SALAS DO MUSEU 2.1- Estado de conservação Descolamento de camada de policromia. Desagregação e descolamento de argamassas. Perdas de volumetria. Perdas de camada policromada. Fissuras, rachaduras e trincas. Áreas em desnível proveniente de intervenções anteriores. Áreas com repinturas apresentando variação tonal de proveniente de intervenções anteriores Tratamento executado Abertura de trincas, rachaduras e fissuras. Remoção de pinturas e argamassas em descolamento ou pulverulentas. Consolidação com PVA e argamassa de cale areia. Recomposição volumétrica com argamassa de cal e areia. Recomposição de parte de ornamentação perdida em forma de ave na Sala da Federação feita com forma de silicone e réplica em gesso. Emassamento e nivelamento com massa corrida. Proteção com selador das áreas emassadas. Verificação de cores com a utilização do cataloga do fabricante Coral PVA e T testes de cores das tintas adquiridas. Reintegração pictórica realizada com tintas PVA, pigmentadas com têmpera gouache da marca Talens e pigmentos universais. Reprodução de desenhos decorativos feitos à mão em áreas pequenas ou com auxílio de papel carbono branco em áreas grandes. Reintegração estética (repintura) das áreas lisas e das áreas com desenho nas cores feitas pela equipe de restauração. 50

51 2.3 Registros fotográficos por ambiente Sala Pró Aliados Área envolvida por tracejado amarelo em péssimo estado de conservação com desagregação e pulverulência da argamassa, em processo de descolamento. 51

52 Área com desagregação e pulverulência da argamassa, em processo de descolamento. Canto da sala em bom estado de conservação. 52

53 Restaurador trabalhando em novo emassamento em áreas de perda. 53

54 Áreas degradadas com emassamento e nivelamento prontas para receber a pintura. Aplicação de selador. 54

55 Aplicação de selador para conclusão da etapa estrutural. Pintura nas áreas de desgaste e perdas para reintegração estética. A cor está mais escura nestas áreas, pois a tinta PVA escurece quando molhada. 55

56 Áreas verdes em processo de reintegração estética, destacadas com tracejado branco. Reprodução do desenho em papel vegetal para aplicação do mesmo em áreas de perda. Desenho refeito em grande área de perda. 56

57 Sala da Federação Preparação da Sala. 57

58 Preparação da sala com proteção do piso e do mobiliário. Funcionários do Museu trabalhando na arrumação da sala. 58

59 Perda de volumetria em forma de pássaro. Pássaro que serviu de modelo para reconfecção da volumetria perdida. 59

60 Aplicação de silicone no pássaro de modelo para confecção de forma. Volumetria reconfeccionada sendo pintada para reintegração estética da perda. 60

61 61 Áreas tracejadas em amarelo apresentando rachaduras e trincas.

62 62

63 Trinca A área tracejada em vermelha foi refeita. 63

64 Reintegração e desenho em área já preparada com nova pintura Retoque no douramento em área já refeita. 64

65 Área pronta após o restauro. 65

66 Sala Buenos Aires Pontos com degradação apresentando desagregação da argamassa e descolamento. 66

67 3- PINTURA DECORATIVA DO CORREDOR 3.1- Estado de conservação Policromia em avançado processo de descolamento com craqueluras e perdas. Desagregação de argamassas com perdas de substrato. Presença de trincas, aberturas e fissuras. Áreas ocas Tratamento executado Abertura de toda a área em descolamento com remoção de policromia. Abertura de trincas, rachaduras e fissuras. Teste de som cavo para localização de áreas ocas. Consolidação superficial por aspersão de adesivo polivinílico PVA. Preenchimento de trincas mais profundas com argamassa de cal e areia. Emassamento com massa PVA. Nivelamento. Teste de verificação de cores no catálogo do fabricante Coral para aquisição de tinta acrílica. Teste de aplicação das cores adquiridas para verificação tonal do resultado da tinta seca Registros fotográficos Corredor antes da intervenção com preparação do piso. 67

68 Proteção do piso com plástico e feltro. Áreas dom desagregação, descolamento e perda da argamassa e policromia. 68

69 Áreas dom desagregação, descolamento e perda da argamassa e policromia. 69

70 Prospecção estratigráfica que já existia na parede demonstrando policromia original. Partes degradadas removidas e rachaduras e fissuras abertas. 70

71 Partes degradadas removidas e rachaduras e fissuras abertas. 71

72 Rachaduras e fissuras abertas. 72

73 Remoção de policromia degradada. 73

74 Teste de limpeza. 74

75 Consolidação por aspersão de adesivo PVA. Emassamento de perdas. 75

76 Emassamento de áreas de perda. 76

77 Processo de emassamento e preenchimento de fissuras e rachaduras. Rio de Janeiro, 10 de agosto de

FASE 3 (1998-2003) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998)

FASE 3 (1998-2003) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998) 3.2 O restauro de murais artísticos realizado pelo programa Identificação, Consolidação e Restauração de Pinturas Murais (Canteiro Escola) do CPC

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Imagem em Madeira Policromada da década de 30

Imagem em Madeira Policromada da década de 30 Imagem em Madeira Policromada da década de 30 Patologias: Sujidades superficiais Repinturas sucessivas nas mãos, pés e façe. Pequena movimentação nas mãos. Perda acentuada de policromia na parte superior

Leia mais

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO)

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) Fichas de Prospecções No. 01 Ambiente: fachada do anexo Andar: térreo Data: Fevereiro de 2007 Elemento:

Leia mais

Relatório Restauração da Imagem de Nossa Senhora dos Prazeres Padroeira de Maceió Pertencente à Catedral Metropolitana de Maceió

Relatório Restauração da Imagem de Nossa Senhora dos Prazeres Padroeira de Maceió Pertencente à Catedral Metropolitana de Maceió Relatório Restauração da Imagem de Nossa Senhora dos Prazeres Padroeira de Maceió Pertencente à Catedral Metropolitana de Maceió 1 Introdução e considerações Ao primeiro contato físico com a obra realizamos

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins 2 Diagnóstico do Chafariz dos Contos Régis Eduardo Martins Diagnóstico do Chafariz dos Contos Caderno 2 Sumário: Pag. Introdução 2 de estado de conservação do Chafariz 3 Fichas de diagnóstico: Perdas 6

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades MEMORIAL DESCRITIVO Memorial descritivo de serviço de pintura geral do prédio da Câmara Municipal de Fortaleza de Minas MG. Compõem este memorial as especificações técnicas acerca dos serviços a serem

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas;

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas; Como metodologia do projeto de restauro, a fim de identificar as camadas pictóricas das fachadas do edifício, foram executadas diversas prospecções estratigráficas, distribuídas entre os seguintes elementos:

Leia mais

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura Escultura em madeira policromada Processo nº 23/23/2013 IDENTIFICAÇÃO Entrada no Laboratório 21/10/2013 Maio 2015 Responsável pela intervenção - Carla Rego Título da Obra Proveniência Proprietário Dimensões

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Produto/variações Devido ao processo de fabricação e aplicação de gel envelhecedor, os revestimentos cimentícios, podem apresentar pequenas variações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

CONSERVANDO TELHADOS

CONSERVANDO TELHADOS A ESCOLHA DA COR Você sabia que o processo industrial empregado na elaboração de tintas ou revestimentos, etc... Somente se encerra com a cura total do produto após sua aplicação! Na maioria dos casos,

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí.

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí. TINTA ACRÍLICA PREMIUM MACTRA é uma tinta acrílica fosca com excelente desempenho. Sua FÓRMULA EVOLUTION oferece ótima cobertura, secagem rápida, fácil aplicação e baixo odor, proporcionando uma pintura

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

CIMENTADO QUEIMADO COM PO DE MARMORE

CIMENTADO QUEIMADO COM PO DE MARMORE CIMENTADO QUEIMADO COM PO DE MARMORE INGREDIENTES: 1)Cimento estrutural ( Branco ou Comum) 2)Pó de mármore 3)Junta de dilatação 4)Oxido de ferro 5)Adesivo para cimento (Bianco) 1)O cimento utilizado para

Leia mais

PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas

PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO Esperamos que este Manual Prático de Aplicação possa oferecer a você que é usuário das tintas da KING S PAINT, informações importantes para realizar uma pintura de melhor qualidade

Leia mais

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água.

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água. Boletim Técnico Produto Casacor Acrílico Fosco Branco Descrição Casa limpa, mais saúde e família protegida. Tudo isso em uma tinta: CASA COR Acrílico Super Premium da Tintas Renner. A sua fórmula especial

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA PROCEDIMENTOS PARA PINTURA Prof. Marco Pádua Geralmente não é dada a devida importância a qualidade dos serviços de pintura. Sendo a última etapa da construção, as vezes, motivados pela economia procuram-se

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO O presente Memorial Técnico de Reforma e Ampliação tem por finalidade descrever os materiais, procedimentos/métodos a serem empregados nas retiradas e na reforma, indicar

Leia mais

REFORMA DA CATEDRAL METROPOLITANA ORTODOXA ANTIOQUINA DE SÃO PAULO

REFORMA DA CATEDRAL METROPOLITANA ORTODOXA ANTIOQUINA DE SÃO PAULO II Congresso Internacional na "Recuperação, Manutenção e Restauração de Edifícios" 10,11 e 12 de Maio de 2006 - Rio de Janeiro - Brasil REFORMA DA CATEDRAL METROPOLITANA ORTODOXA ANTIOQUINA DE SÃO PAULO

Leia mais

Manual de Garantia, Conservação e Manutenção

Manual de Garantia, Conservação e Manutenção Manual de Garantia, Conservação e Manutenção manual de conservac aõ.indd 1 29/10/12 18:48 manual de conservac aõ.indd 2 29/10/12 18:48 Parabéns por comprar um produto Parquet União. Ao comprar um produto

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

VtintaI = / / (Litros) VtintaF = / / (Litros)

VtintaI = / / (Litros) VtintaF = / / (Litros) ANEXO A TINTAS PLANILHA N o 2.18. Observador: Alternativas para redução dos desperdícios de materiais nos canteiros de obra MEDIÇÃO DE ESTOQUE (VtintaI E VtintaF): TINTA LÁ TEX ACRÍLICA OU LÁ TEX PVA A.

Leia mais

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

G U I A T É C N I C O

G U I A T É C N I C O Os produtos da Brogliato passam por um processo de controle de qualidade em seu processo produtivo, assim qualquer dano e irregularidade são corrigidos imediatamente na empresa para que os revestimentos

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura IX - Cozinhas e WC s As cozinhas e casas de banho são áreas cujas paredes estão constantemente sujeitas a desgaste e onde a higiene tem que predominar. Em constante contacto com

Leia mais

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura Conjunto de 5 pinturas Processo nº 27/27/2013 IDENTIFICAÇÃO Entrada no Laboratório Título da Obra Proveniência Proprietário Dimensões Técnicas e materiais de execução Autor / Produção Datação / Época 08/11/2013

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura III - Telhados, Rufos, III.1 TELHADOS Principais Patologias Com o passar do tempo e muitas vezes também pela falta de manutenção anual, acumulam-se nos telhados de telha de barro,

Leia mais

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V Prefeitura da Estância de Atibaia 201 Comércio - Precário Definição: Edificações inacabadas, deficiências aparentes, construídas com tijolos ou blocos. Coberta de telha ou laje pré moldada sem acabamento,

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

PINTURA DE KITS Caros modelistas!

PINTURA DE KITS Caros modelistas! PINTURA DE KITS Caros modelistas! Buscamos sempre em nossos trabalhos a representação da realidade em miniatura, e independente de estarmos utilizando materiais de laser cut, plástico, resina ou metal,

Leia mais

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF GESSO FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF Paredes de gesso Paredes de blocos de gesso: Construção semelhante a de alvenaria convencional, utilizando-se gesso e massa de gesso em vez de tijolos

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

Manual Técnico. Produto. Transporte. Recebimento. Pág. 3. Armazenamento. Assentamento. Rejuntamento. Pág. 4. Limpeza Pós-obra. Pág. 5.

Manual Técnico. Produto. Transporte. Recebimento. Pág. 3. Armazenamento. Assentamento. Rejuntamento. Pág. 4. Limpeza Pós-obra. Pág. 5. Manual Técnico Produto Transporte Recebimento Pág. 3 Armazenamento Assentamento Rejuntamento Limpeza Pós-obra Proteção Manutenção Dúvidas Frequentes Pág. 4 Pág. 5 Pág. 8 Pág. 9 PRODUTO O processo de fabricação

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS QUANTIDADE UNIDADE PREÇO UNITÁRIO PREÇO TOTAL 1 Taxas e emolumentos 01 vb Placa da obra 01 vb Documentações técnicas da obra 01 vb Instalações

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo.

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo. WEGPOXI ANA 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta epoxi poliamina bicomponente, de alto teor de sólidos, com pigmentação especial, de secagem rápida. Revestimento aplicável em uma única demão em alta espessura

Leia mais

GUIA PRÁTICO. www.yalen.com.br DE PINTURA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

GUIA PRÁTICO. www.yalen.com.br DE PINTURA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS www.yalen.com.br GUIA PRÁTICO PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS UMA SELEÇÃO DE INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS, PARA QUALQUER PROFISSIONAL DA PINTURA. Caro Amigo (a), Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra O presente trabalho refere-se à reabilitação de um aglomerado de habitações em adiantado estado de degradação numa herdade do Alentejo

Leia mais

ABRALIMP Encontro de Associados. Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne

ABRALIMP Encontro de Associados. Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne ABRALIMP Encontro de Associados Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne Projetistas de piso Executores de piso Fabricantes de revestimentos de alto desempenho (RAD) Fabricantes de insumos para pisos e revestimentos

Leia mais

-24-03-2009. Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo. Reabilitação arquitectónica II_docente_José Aguiar

-24-03-2009. Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo. Reabilitação arquitectónica II_docente_José Aguiar Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo -1 Persianas e Ar Condicionado Pedras Pinturas Portas e Janelas Azulejos Embasamento (restaurante) Porta de acesso ao edifício -2 -Pintura _ Limpeza

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município

RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município EE JARDIM XXXXX XXXXXXXXXXX - XXXXXXX MUNICÍPIO CÓDIGO 00.00.000 OBJETO DO CONVÊNIO: Xxxxxxx DATA: 00.00.2008 Profissional

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato

Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato As pastilhas Rivesti são muito fáceis de instalar. Contudo, requerem alguns cuidados indispensáveis para que você obtenha o acabamento

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 15 - PINTURA A pintura é um serviço de obra tão importante como qualquer outro, e é um grave erro não lhe dar uma atenção condizente, ela deve ser projetada e executada segundo técnica adequada, não

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Quem é craque nas vendas só tem a ganhar. Quem é craque na pintura não fica pra trás.

Quem é craque nas vendas só tem a ganhar. Quem é craque na pintura não fica pra trás. O Craques da Pintura é um programa da Condor que promove o treinamento de vendedores e pintores, visando deixá-los ainda melhores naquilo que fazem. Como nesse time só pinta craque, a Condor não podia

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Laudos técnicos de estado de conservação

Laudos técnicos de estado de conservação PREFEITURA MUNICIPAL DE DELFIM MOREIRA/MG Laudos técnicos de estado de conservação Antiga Estação Ferroviária Nossa Senhora da Soledade QUADRO III JANEIRO DE 2012 EXERCÍCIO 2013 SUMÁRIO 1. CÓPIA DA ÚLTIMA

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

MICROCIM EP. Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO. Sistema MICROCIM EP: Performance: CARACTERÍSTICAS / VANTAGENS

MICROCIM EP. Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO. Sistema MICROCIM EP: Performance: CARACTERÍSTICAS / VANTAGENS Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO O é um sistema de revestimento decorativo de alta performance, de base cimentícia, com apelo estético rústico, agradável ao toque e ao olhar,

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I 1 - DO OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa especializada para os serviços de Manutenção Predial Interna da sede do Cremeb, localizada na Rua Guadalajara, 175, Morro do Gato, Barra,

Leia mais

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS Manual AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS l-avaliçao das superfiçies Verificar se as areas estao secas, isentas de umidade oleo ou graxas,buracos etc... ll-preparaçao de superficies

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA

CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA REFORMA DO PRÉDIO DA CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Introdução O presente memorial descritivo tem por finalidade definir os trabalhos de Reforma Câmara

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS Prefeitura do Município de São Miguel Arcanjo 1 Secretaria Municipal de Obras e Serviços Praça Antonio Ferreira Leme, 53 Centro CEP 18230-000 SÃO MIGUEL ARCANJO-SP - Fone. 15 3279.8000 e-mail: obras@saomiguelarcanjo.sp.gov.br

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO - LINHA GRAFF

BOLETIM TÉCNICO - LINHA GRAFF A Linha de produtos da Textura & Cia foi desenvolvida para economizar, eliminando etapas do tipo massa fina, massa corrida / acrílica e pintura. Além de tornar prático e econômico o acabamento; os produtos

Leia mais

ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DISCRIMINADA

ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DISCRIMINADA ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DISCRIMINADA (MODELO DE PROPOSTA) SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM O MEMORIAL DESCRITIVO Local: PROCURADORIA DA REPÚBLICA

Leia mais

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS ETAPA I LIMPEZA DA ÁREA PROCEDER A LIMPEZA DA ÁREA A SER IMPERMEABILIZADA. -RETIRAR MATERIAIS SOLTOS. -FAZER PEQUENOS REPAROS DE FALHAS NO REBOCO SE HOUVER. -FAZER AJUSTES NAS SAÍDAS DOS EQUIPAMENTOS.

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

Intervenções Posteriores: Detectaram-se várias repolicromias totais e parciais ocorridas em datas não determinadas.

Intervenções Posteriores: Detectaram-se várias repolicromias totais e parciais ocorridas em datas não determinadas. MENINO JESUS Identificação Categoria: Escultura Sub-categoria: Escultura de vulto perfeito Denominação/Título: Menino Jesus Autoria/Produção: Autor desconhecido/ Portugal Datação: Séc. XVIII? (justificação

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES Técnicos Superiores de Conservação e Restauro: Isabel dos Santos Filipe Pereira (2013/2014)

Leia mais

LINHA de Argamassas. Uma mistura de qualidade com alta produtividade.

LINHA de Argamassas. Uma mistura de qualidade com alta produtividade. Concreto LINHA de Argamassas Uma mistura de qualidade com alta produtividade. Estabilizada 01Argamassa Projetada A evolução chegou ao canteiro de obras. Elimine etapas, corte custos e aumente o controle

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

1 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS

1 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS QUADRO III LAUDO Laudo de estado de conservação EERCÍCIO 2012 MUNICÍPIO DE UNIÃO DE MINAS / MG 1 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS 2 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS SUMÁRIO 01. Ficha de Análise... 05 02. Imagem de

Leia mais