GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória"

Transcrição

1 GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1

2 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a sua qualidade, segurança e a durabilidade. 2

3 Realidade 3

4 Realidade 4

5 Realidade 5

6 Realidade 6

7 Realidade 7

8 Realidade 8

9 Realidade 9

10 Realidade 10

11 Realidade 11

12 Revestimento de Fachada O Projeto de Revestimento deve ser iniciado no período de compatibilização dos demais projetos do empreendimento, de modo que as decisões da arquitetura, estrutura e instalações, não prejudiquem o desempenho dos revestimentos das fachadas. O Projetista de Revestimento necessita conhecer os processos construtivos da empresa para adequar a técnica à realidade da mesma. 12

13 Revestimento de fachada Características da obra: 4Tipo de estrutura adotada e suas deformações 4Tipo de substrato 4Concreto Bloco de Concreto Bloco Cerâmico Bloco de Concreto Celular 13

14 Revestimento de fachada Escolha do sistema/materiais do revestimento 4Substrato/argamassa 4Substrato/chapisco/argamassa 4Substrato/chapisco/argamassa/textura 4Substrato/chapisco/argamassa/argamassa colante/peça cerâmica/argamassa de rejuntamento 14

15 Revestimento de fachada Materiais 4Cimento 4Cal 4Areia 4Aditivos 4Argamassa Industrializada 4Argamassa Colante 4Argamassa de rejuntamento 4Peça cerâmica 4Selante 15

16 Cronologia executiva 1. Projeto de revestimento de fachada. 2. Especificação 3. Escolha do sistema de revestimento (Painéis). 4. Recebimento dos materiais a serem utilizados. 5. Preparação dos materiais 6. Aplicação dos materiais 7. Aceitação 16

17 Escolha das Argamassas de Revestimento Execução de painéis: Executados em situações reais de solicitação. Em áreas expostas às intempéries. Painéis com dimensões mínimas de 2,0 m 2. Número de painéis em função das variáveis do sistema 17

18 Proposta de escolha da argamassa 18

19 Escolha da argamassa Caracterização em laboratório Segundo a NBR os ensaios a serem realizados são: PROPRIEDADES MÉTODO DE ENSAIO RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO AOS 28 DIAS (MPa) NBR CAPACIDADE DE RETENÇÃO DE ÁGUA (%) NBR TEOR DE AR INCORPORADO (%) NBR

20 Escolha da argamassa Ensaios em laboratório Retenção de água e densidade de massa Resistência à compressão 20

21 Escolha da argamassa Preparação da base do painel Deve-se buscar reproduzir o que será utilizado em obra Compreende as seguintes etapas: 21

22 Escolha da argamassa Preparo da argamassa EQUIPAMENTOS ADEQUADOS QUANTIDADE DE DE ÁGUA TEMPO DE MISTURA 22

23 Escolha da argamassa Caracterização da argamassa Estado fresco VERIFICAÇÃO DA TRABALHABILIDADE 23

24 Escolha da argamassa Aplicação no painel 24

25 Escolha da argamassa Caracterização da argamassa Estado endurecido - Após 28 dias VERIFICAÇÃO VISUAL ARRANCAMENTO E ADERÊNCIA 25

26 Escolha da argamassa Avaliação do painel NO ESTADO ENDURECIDO APÓS 28 DIAS VERIFICAÇÃO DA EXISTÊNCIA DE FISSURAS VERIFICAÇÃO DO ESTADO SUPERFICIAL PELO MÉTODO EXPEDITO DO PREGO RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM SEIS CORPOS-DE-PROVA QUADRADOS 10 CM, NBR

27 Escolha das Argamassas de Revestimento Aplicação de chapisco e argamassa sobre substrato de concreto: 27

28 Escolha das Argamassas de Revestimento Aplicação de chapisco sobre substrato de bloco de concreto ou cerâmico: 28

29 Escolha das Argamassas de Revestimento 29

30 Escolha das Argamassas de Chapisco e Emboço - Avaliação: A avaliação deve ser feita após 28 dias da execução do revestimento. - Empírica: Análise visual, verificando o aparecimento de fissuras, pulverulência, coesão e som cavo. 30

31 Escolha das Argamassas de Revestimento Choque térmico: Aplicar temperatura em torno de 75 0 C sobre o revestimento. Empregar caixa de madeira contendo 04 lâmpadas incandescentes de 100 W (55 x 55 x 25cm). Manter 24 horas. 31

32 Escolha das Argamassas de Revestimento Choque térmico: Ensaio de choque térmico 32

33 Escolha das Argamassas de Revestimento Choque térmico: Logo após verificar se há existência de som cavo e fissuras no revestimento. O revestimento deverá ser resfriado com água e nova avaliação. 33

34 Escolha das Argamassas de Revestimento Choque térmico: Ensaio de som cavo e verificação de fissuras 34

35 Escolha das Argamassas de Revestimento Ensaio de resistência de aderência no corpo e na superfície após choque térmico: Critério de escolha do sistema: 4Resistência de aderência 0,3 MPa para as duas condições. 4Comparativo com as outras características. 35

36 Escolha da argamassa Análise PARÂMETROS DO FORNECEDOR DA ARGAMASSA PARÂMETROS DO PROJETO PARÂMETROS DA OBRA CARACTERIZAÇÃO DA ARGAMASSA EM LABORATÓRIO CARACTERIZAÇÃO DA ARGAMASSA E REVESTIMENTO NÃO COMPATÍVEIS SIM ACEITA O SISTEMA DE REVESTIMENTO (CHAPISCO + ARGAMASSA) 36

37 Escolha da Argamassa colante - Escolher o tipo mais adequado para o sistema definido no projeto. - Teste na obra com painéis, partindo do reboco - Aplicar a argamassa colante e a peça cerâmica especificada (testar conjunto) 37

38 Argamassa colante - Ensaio de aderência (3 tipos de cura) em laboratório, utilizando substrato padrão e peças cerâmicas (fornecidas por laboratório) conforme NBR Ensaio de deslizamento (NBR 14085). - Tempo em aberto (NBR 14083). 38

39 Argamassa colante 39

40 Escolha da Argamassa Colante Especificação de Argamassa Colante: NBR Propriedades Métodos Unidade Argamassa Adesiva Industrializada de ensaio I II III III-E Tempo em NBR Min aberto Resistência de aderência aos 28 dias Cura normal MPa 0,5 0,5 1,0 1,0 NBR Cura Submersa em MPa 0,5 0,5 1,0 1,0 água Cura em MPa 0,5 1,0 1,0 estufa Deslizamento NBR mm 0,5 0,5 0,5 0,5 40

41 Escolha do Revestimento Cerâmico Parâmetros para Escolha do Revestimento Cerâmico Uso específico: USO Fachadas Hospitais Garagens Escadas EXIGÊNCIAS ESPECÍFICAS EPU < 0,6 mm/m Isento de Gretamento Coeficiente de Atrito > 0,4 EPU < 0,6 mm/m Carga de Ruptura > 900 N Resistência ao Impacto EPU < 0,6 mm/m Coeficiente de Atrito > 0,4 EPU < 0,6 mm/m ABSORÇÃO DE ÁGUA ABRASÃO MANCHAS ATAQUE QUÍMICO 0% a 6% > PEI 1 Classe 5 Classe A 0% a 10% PEI 5 Classe 5 Classe A 0% a 10% PEI 5 Classe 4/5 Classe A/B 0% a 6% PEI 5 Classe 4/5 Classe A/B 41

42 Escolha do Revestimento Cerâmico Uso específico: USO EXIGÊNCIAS ESPECÍFICAS ABSORÇÃO DE ÁGUA ABRASÃO MANCHAS ATAQUE QUÍMICO Piso Escritórios Piso Lojas Piscinas Coeficiente de Atrito > 0,4 EPU < 0,6 mm/m Coeficiente de Atrito > 0,4 EPU < 0,6 mm/m EPU < 0,4mm/m Resistência ao Choque Térmico 0% a 10% PEI 5 Classe 4/5 Classe A/B 0% a 10% PEI 5 Classe 5 Classe A/B 0% a 3% PEI 1 Classe 4/5 Classe A/B Banheiros EPU < 0,6 mm/m 0% a 20% > PEI 1 Classe 4/5 Classe A/B Piso Dormitórios EPU < 0,6 mm/m 0% a 10% PEI 2 Classe 3/4/5 Classe A/B 42

43 Escolha do Selante para a Fachada SELANTE PROPRIEDADES UNID ACRÍLICO POLIURETÂNICO SILICONE Tempo de cura (junta 6x6 mm) Dias Resistência à tração DaN/cm Módulo de deformação DaN/cm 2 2,8-5,5 2-5,5 Alongamento na ruptura (corpo de 12x12 mm) % Resistência de aderência DaN/cm Recuperação elástica após 100% de alongamento %

44 Selantes para fachada Resistência à tração: mín. 1,0 MPa Método de ensaio NBR (corresponde ASTM - D 412)2. Alongamento na ruptura: mín. 200% - Método de ensaio NBR-7462 (corresponde ASTM - D 412). Recuperação elástica: (ISO 73894) Juntas com movimentação até 12,5% > 40% até 25% > 70% 44

45 Selantes para fachada Dureza Shore A -<40 - Método de ensaio NBR 7456 ( corresponde ASTM C 661)6. Manchamento e perda de cor - Método de ensaio ASTM- D Manchamento de substratos porosos - Método de ensaio ASTM - C Resistência ao intemperismo artificial (equip.cuv ) - Método de ensaio - ASTM G 539. Adesão e Coesão - Método de ensaio ASTM C

46 Escolha do Selante para a Fachada Colar sobre o selante uma fita de brim de 03 cm de Após 07 dias arrancar a fita de brim e avaliar o ENSAIO COMPARATIVO PARA ESCOLHA DO SELANTE.Passar o selante sobre o tardoz da cerâmica. largura. grau do esforço realizado para o descolamento. 46

47 Escolha do Selante para a Fachada Ensaio comparativo para escolha do selante 47

48 Escolha do Selante para a Fachada Ensaio comparativo para escolha do selante 48

49 Escolha do Selante para a Fachada Ensaio comparativo para escolha do selante 49

50 Argamassa de rejuntamento à base de cimento PROPRIEDADE Idade de ensaio TIPO I TIPO II Retenção de água (mm) 10 min Variação dimensional (mm/m) 7 dias 2,00 2,00 Resistência à compressão (MPa) 14 dias 8,0 10,0 Resistência à tração na flexão (MPa) Absorção de água por capilaridade aos 300 min (g/cm 2 ) Permeabilidade aos 240 min (cm 3 ) 7 dias 28 dias 28 dias 2,0 0,60 2,0 3,0 0,30 1,0 50

51 Argamassa de rejuntamento à base de cimento Tipo I Restrito aos locais de transito de pedestres não intenso Restrito a placas cerâmicas com absorção de água acima de 3% Ambientes externos, piso ou paredes, desde que não excedam 20 m 2 e 18 m 2 51

52 Argamassa de rejuntamento à base de cimento Tipo II Todas as condições do tipo I Locais de transito intenso de pedestres Restrito a placas cerâmicas com absorção de água inferior a 3% Ambientes externos, piso ou paredes, de qualquer dimensão Ambientes internos ou externos com presença de água estancada (piscinas, espelhos d água) 52

53 Rejunte O que deve ser feito antes de iniciar? Após 03 dias do assentamento das placas Fazer o teste do descolamento (som cavo) com o cabo do martelo no revestimento assentado Retirar as sobras de argamassa de assentamento, sujeira, poeira, etc., nas juntas entre as placas, para não prejudicar a aderência 53

54 Rejunte O Rejunte ideal deverá ser: Impermeável Para evitar infiltrações de água da chuva, lavações, etc. Flexível Para acompanhar as retrações e expansões da alvenaria Lavável Para não encardir e facilitar a limpeza e manutenção Antifungo Para não escurecer, e evitar a formação de fungos Com cor estável Para não clarear com o tempo Macio Para permitir a troca de revestimentos danificados 54

55 Rejunte Testes realizados na obra para verificar a qualidade do rejunte: Limpabilidade Sujar o rejunte com grafite e em seguida limpar com detergente Elasticidade A unha deve entrar com facilidade, sem sujar (antes do endurecimento) Impermeabilidade Rejuntar quatro peças previamente assentadas sobre um compensado. Jogar tinta de caneta sobre a superfície. A Tinta não deve alcançar o compensado 55

56 Rejuntamento Tempo de limpeza do rejunte após aplicado: - mínimo de 15 minutos (secagem) e máximo de 2,5 horas (início do endurecimento) após a preparação. 56

57 Sistema de Revestimento Escolhi e agora? 57

58 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Após a avaliação final dos painéis piloto e definição dos materiais e técnicas a serem empregados no revestimento da fachada, devem ser elaborados os controles de recebimento e aceitação dos materiais 58

59 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Argamassa preparada em obra Cimento Cal Areia Aditivo 59

60 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Cimento: Conferir - Aprovado X Adquirido Tamanho do lote para inspeção: máximo de 30 t ou uma entrega. Tamanho da amostra : 10 sacos. 60

61 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Cal: Conferir - Especificado X Adquirido Tamanho do lote para inspeção: máximo de 15 t ou uma entrega. Tamanho da amostra : 30 sacos. 61

62 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Agregado miúdo: Conferir - Aprovado X Adquirido Tamanho do lote: uma entrega Aceitação: Verificar visualmente granulometria, cheiro, cor, existência de matéria orgânica, torrões de argila ou qualquer outra contaminação. 62

63 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais - Agregado miúdo: Valores limites (aceitação): 4Dimensão máxima Argamassa de chapisco φ 1,2 a 4,8 mm Argamassa de emboço φ 2,4 mm 4Granulometria Comparada visualmente com amostra definida, nos painéis piloto. 63

64 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Agregado miúdo: Valores limites: 4Teor de argila < 3 % 4Teor de material pulverulento < 10 % 4Impurezas orgânicas 300 ppm 4Sais solúveis < 1, 5 % 64

65 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Água para argamassa ou concreto simples: NM 137/97 Quando do estudo, realizar ensaio de : 4Sulfatos solúveis < 2000 ppm 4Cloretos solúveis < 2000 ppm 4pH entre 5,5 e 9,0 4Sólidos totais 5000 ppm 65

66 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Argamassa industrializada: Conferir - Aprovado X Adquirido Tamanho do lote para inspeção: uma entrega Tamanho da amostra : 02 sacos (01 contra prova) 66

67 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Argamassa industrializada: O lote deverá atender as exigências da NBR /95, com relação aos ensaios; 4Resistência à compressão 4Retenção de água 4Teor de ar incorporado 67

68 Argamassa fresca Na argamassa de revestimento industrializada ou preparada na obra coletar argamassa fresca para análise dos parâmetros considerados no teste do painel. Como sugestão realizar três amostragens durante a execução 68

69 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Argamassa Colante: Conferir - Aprovado X Adquirido Tamanho do lote para inspeção: máximo de 15 t ou uma entrega Tamanho da amostra : 02 sacos 69

70 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Argamassa Colante: O lote será aceito quando atender as exigências da NBR 14081/98 Argamassa Colante. 70

71 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Argamassa de rejuntamento: Conferir - Aprovado X Adquirido Tamanho do lote: máximo de 3 t. ou uma entrega. Tamanho da amostra : 20 quilos. O lote será aceito quando atender as exigências da Norma 14992/

72 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Parâmetros de recebimento de Cerâmica Conferir - Especificado X Adquirido Verificar, em local bem iluminado, os defeitos possíveis quanto aos aspectos superficiais, dentre eles: base descoberta por falta de vidrado, depressões, saliências, bolhas, rachaduras, manchas, vidrado escorrido, etc. 72

73 Controle de Recebimento e Aceitação dos Materiais Parâmetros de recebimento de Cerâmica O lote será aceito quando atender as exigências da NBR 13818/97, para uso específico. 73

74 Aceitação Aderência: O revestimento deve ser aceito se de 06 ensaios realizados pelo menos quatro valores forem iguais ou maiores a 0,30 Mpa, tanto para revestimento de argamassa quanto para o revestimento cerâmico. Mínimo de 0,20 MPa para revestimento interno (pintura ou base p/ reboco) e tetos. 06 Corpos-de-prova para cada 100 m² de revestimento 74

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Argamassa colante para assentamento de porcelanato em fachadas externas ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS

Argamassa colante para assentamento de porcelanato em fachadas externas ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS OBJETIVO: Desenvolver argamassa à base cimentícia para fixação de placas cerâmicas (porcelanato) e granitos em fachadas externas.

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Capítulo 26. Argamassas

Capítulo 26. Argamassas Capítulo 26 Argamassas Helena Carasek Universidade Federal de Goiás Definição Argamassas são materiais de construção, com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos a partir da mistura homogênea

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

Sumário. Considerações iniciais Projeto para produção. Detalhes construtivos. Análise preliminar Elaboração Redefinição EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Considerações iniciais Projeto para produção. Detalhes construtivos. Análise preliminar Elaboração Redefinição EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 11 Projeto de revestimento cerâmico Prof. Dr. Alberto Casado

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

MANUAL DO C L I E N T E

MANUAL DO C L I E N T E MANUAL DO C L I E N T E 1 Recebendo o revestimento na obra 1.1 Comparar a nota fiscal com o pedido SUMÁRIO 2 3 4 5 Manuseio e armazenamento 2.1 2.2 Ter cuidado no manuseio Empilhamento dos revestimentos

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ARGAMASSAS Conceito A argamassa é uma mistura de aglomerantes, agregados e água, dotada de capacidade de endurecimento e aderência, cuja dosagem varia de acordo com a utilização. Tempo de Pega É o tempo

Leia mais

MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal Santa atarina Catarina

MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal Santa atarina Catarina MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO 1. Materiais para alvenaria bloco argamassa graute 2. Material alvenaria fatores que afetam a resistência

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS A fabricação de produtos cerâmicos compreende as fases de: exploração das jazidas tratamento da matéria prima moldagem secagem queima Exploração

Leia mais

CERÂMICA (continuação) MCC1001 AULA 5

CERÂMICA (continuação) MCC1001 AULA 5 CERÂMICA (continuação) MCC1001 AULA 5 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CERÂMICA

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 540 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 540 / 13 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE JATOBÁ

MANUAL DO CLIENTE JATOBÁ MANUAL DO CLIENTE JATOBÁ Apresentação Este Manual tem como objetivo fornecer aos especificadores, assentadores e usuários informações, instruções e dicas a respeito da aquisição, assentamento, uso e manutenção

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Diretrizes para Avaliação Técnica de Produtos DIRETRIZ SINAT

Diretrizes para Avaliação Técnica de Produtos DIRETRIZ SINAT MINISTÉRIO DAS CIDADES - Secretaria Nacional da Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) Sistema Nacional de Avaliações Técnicas (SINAT) Diretrizes para Avaliação

Leia mais

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Revest. em Ministério argamassa da e Educação gesso 14:54 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Prof. José de Almendra

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS

ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS 1 ÍNDICE AGAMASSAS COLANTES...5 basic... aditivada...9 grês...11 extra...13 extra branca...15 acqua protect...1 performance...19 performance branca...21 fluida branca...23 rápida

Leia mais

Super formatos. - Excelente Performance - Máximo Tamanho - 300x100cm - Mínima Espessura - 3,5mm - Leve e F lexível - Sustentável.

Super formatos. - Excelente Performance - Máximo Tamanho - 300x100cm - Mínima Espessura - 3,5mm - Leve e F lexível - Sustentável. Vol.II 2 3 - Excelente Performance - Máximo Tamanho - 300x100cm - Mínima Espessura - 3,5mm - Leve e F lexível - Sustentável Super formatos Rovere Oliato Buxy Perle Limestone 4 5 Buxy Amande V3 Buxy Caramel

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1)

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) (1) Responsável Técnico da Citimat Impermeabilizantes Ltda. Citimat Impermeabilizantes

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS A fabricação de produtos cerâmicos compreende as fases de: exploração das jazidas tratamento da matéria prima moldagem secagem queima Exploração

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

Revestimento com. Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146. Universidade Santa Cecília Santos / SP

Revestimento com. Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146. Universidade Santa Cecília Santos / SP Revestimento com Pastilhas Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146 2014 Santos / SP 1 Pastilhas Características Básicas Dimensões reduzidas (2,5 a 5,0cm);

Leia mais

Hardthane 40 Plus BOLETIM TÉCNICO. Selante de poliuretano monocomponente de alta performance. Solvent-Release-Type Sealants.

Hardthane 40 Plus BOLETIM TÉCNICO. Selante de poliuretano monocomponente de alta performance. Solvent-Release-Type Sealants. Selante de poliuretano monocomponente de alta performance. Descrição HARDTHANE 40 PLUS é um selante poliuretânico monocomponente, tixotrópico e de elasticidade permanente. Cura através da umidade atmosférica,

Leia mais

REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA EM PORTO ALEGRE

REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA EM PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Cristine Groff REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

SELANTES PARA USO EM CONSTRUÇÕES

SELANTES PARA USO EM CONSTRUÇÕES SELANTES PARA USO EM CONSTRUÇÕES 1. Introdução Os materiais de construção estão sujeitos a expansão e contração, devido às características constituintes da sua composição, pela variação térmica, variação

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO. Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.)

Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO. Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.) Universidade Católica de Pernambuco Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.) Recife, 2004 O presente trabalho apresenta uma descrição das camadas que compõem

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Manifestações patológicas na construção Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Pathology on facades with ceramic coatings Galletto, Adriana (1); Andrello, José Mario (2) Mestre em Engenharia

Leia mais

Argamassa colante para assentamento de peças cerâmicas em áreas internas. SUPERFÍCIES INDICADAS PARA APLICAÇÃO Áreas internas. Emboço ou contrapiso sarrafeado ou desempenado, com pelo menos 14 dias de

Leia mais

Apresentação da Empresa...

Apresentação da Empresa... Apresentação da Empresa... Contando com alta tecnologia e experiência, a Retaprene desenvolve Pisos e Revestimentos à base de Poliuretano de alta resistência, para ser aplicado em superfícies que necessitem

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio do AÇOS AC01-1 Tração de rotura de arames EN ISO 6892-1 30,00 AÇOS AC02-1 Tração de varões (todos os parâmetros) EN ISO 6892-1 53,00 AGREGADOS AG01-1 Agregados - Amostragem para pavimentação (1) LNEC E

Leia mais

Cerâmica técnica extrudada. Linha KerArt

Cerâmica técnica extrudada. Linha KerArt Cerâmica técnica extrudada Linha KerArt Pisos extrudados NBK HunterDouglas : Tecnologia para máxima resistência e desempenho. A linha KerArt NBK HunterDouglas destaca-se no mercado de pisos cerâmicos extrudados

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

TRANSFORMANDO AMBIENTES EM LUGARES MELHORES PARA SE VIVER

TRANSFORMANDO AMBIENTES EM LUGARES MELHORES PARA SE VIVER TRANSFORMANDO AMBIENTES EM LUGARES MELHORES PARA SE VIVER VANTAGENS competitivas economia rejunte 3 mm Dimensões exatas e precisas nas peças possibilitam apenas 3 mm de rejunte, que resulta numa economia

Leia mais

Manual de Instalação Project - PVC

Manual de Instalação Project - PVC Manual de Instalação Project - PVC Este manual tem como objetivo o auxiliar na maneira correta de armazenamento, instalação e manutenção para que possa garantir a qualidade máxima da aplicação e prolongar

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO introdução SISTEMA DE REVESTIMENTO DE ARGAMASSA tipos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra.

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra. Página 1 de 10 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade de Polícia Militar de Guarujá do Sul (SC) PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Guarujá do Sul (SC) LOCAL: Rua Presidente Vargas, n 739, Guarujá

Leia mais

CAU/BR 62700-3 CAU/BR

CAU/BR 62700-3 CAU/BR CAU/BR 62700-3 CAU/BR 116819-3 PROJETO BÁSICO Detalhamentos Reforma/Ampliação Quadra de Jogos Comando da 3ª Brigada de Cavalaria Mecanizada Av. General João Telles, 1001 - Centro Bagé/RS Resp. Téc.: Arq.

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais