ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO"

Transcrição

1 ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

2 CONHECER O EPEx E A SITUAÇÃO ATUAL DOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO - PEE (QUE GERAM CAPACIDADES) E DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP).

3 MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS 19 Fev 14

4 - BRASIL ALMEJANDO SER ATOR GLOBAL - INSTABILIDADE ECONÔMICA MUNDIAL - IMPREVISIBILIDADE DOS CONFLITOS ATUAIS - CONFLITOS ONLINE

5 AGENTES ESTATAIS e ONG OPINIÃO PÚBLICA GUERRA CIBERNÉTICA

6 SEMPRE SOMOS CHAMADOS PARA ATUAR MAIOR APROXIMAÇÃO ENTRE O EXÉRCITO E A SOCIEDADE

7 CONCEPÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO Consolida e alinha em um só documento todas as ferramentas de pensamento e planejamento estratégico. Apresenta o embasamento teórico - modelo conceitual - para a condução do Processo de Transformação.

8 MISSÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO Contribuir para a garantia da soberania nacional, dos poderes constitucionais, da lei e da ordem, salvaguardando os interesses nacionais, e cooperando com o desenvolvimento nacional e o bem-estar social. - Para isto, preparar a Força Terrestre, mantendo-a em permanente estado de prontidão. A TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO NÃO MUDA A SUA MISSÃO CONSTITUCIONAL

9

10 DEC Nº Dez marco para a Defesa Nacional

11 SISTEMÁTICA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO (SIPLEx-2013) Missão Análise Estratégica Política Mil Ter MARCO LEGAL CF / LC LBDN / PND / PMD END / EMiD Concepção de Transformação do Exército Diretriz Geral do Comandante do Exército FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 FASE 5 FASE 6 Estratégia Mil Ter Planos Orçamentação e Contratação Valores Visão de Futuro Diagnóstico Estratégico Cenários EB-2031 Indicações Objetivos Estratégicos Exército Mapa Estratégico Concepção Estratégica do Exército Estratégias Ações Estratégicas Indicadores e Metas GESTÃO DE RISCO Proposta Orçamentária Contrato de Objetivos E X E C U Ç Ã O FASE 7 Medição do Desempenho Organizacional (Resultados)

12 MISSÃO: VISÃO: ATÉ 2022, O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO CHEGARÁ A UMA NOVA DOUTRINA, COM a. CONTRIBUIR PARA A GARANTIA DA SOBERANIA NACIONAL, DOS PODERES CONSTITUCIONAIS, DA LEI E DA O EMPREGO DE PRODUTOS DE DEFESA TECNOLOGICAMENTE AVANÇADOS E PROFISSIONAIS ALTAMENTE ORDEM, SALVAGUARDANDO OS INTERESSES NACIONAIS E COOPERANDO COM O DESENVOLVIMENTO CAPACITADOS E MOTIVADOS,PARA QUE O EXÉRCITO ENFRENTE, COM OS MEIOS ADEQUADOS, OS NACIONAL E O BEM-ESTAR SOCIAL. DESAFIOS DO SÉCULO XXI, RESPALDANDO AS DECISÕES SOBERANAS DO BRASIL NO CENÁRIO b. PARA ISTO, PREPARAR A FORÇA TERRESTRE, MANTENDO-A EM PERMANENTE ESTADO DE PRONTIDÃO. INTERNACIONAL. Braço Forte CONTRIBUIR COM A DISSUASÃO EXTRARREGIONAL Mão Amiga SOCIEDADE (RESULTADO) AMPLIAR A PROJEÇÃO DO EXÉRCITO NO CENÁRIO INTERNACIONAL ATUAR NO ESPAÇO CIBERNÉTICO COM LIBERDADE DE AÇÃO CONTRIBUIR COM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A PAZ SOCIAL PROCESSOS CRÍTICOS APRIMORAR A GOVERNANÇA DE TI IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA LOGÍSTICO MILITAR TERRESTRE IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA OPERACIONAL MILITAR TERRESTRE IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA DE DOUTRINA MILITAR TERRESTRE AUMENTAR A EFETIVIDADE NA GESTÃO DO BEM PÚBLICO IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA DE CT&I FORTALECER OS VALORES, OS DEVERES E A ÉTICA MILITAR IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FORTALECER A DIMENSÃO HUMANA AMPLIAR A INTEGRAÇÃO DO EXÉRCITO COM A SOCIEDADE MAXIMIZAR A OBTENÇÃO DE RECURSOS DO ORÇAMENTO E DE OUTRAS FONTES

13 Impacto Estratégico ENQUADRAMENTO DO PORTFÓLIO 100,00% 90,00% 80,00% 70,00% Melhor quadrante Projeto A Projeto B 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% Projeto C Projeto D Projeto E 20,00% 10,00% Pior quadrante Projeto F Projeto G 0,00% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 70,00 80,00 90,00 100,00 Exequibilidade

14 Diretriz Geral Cmt Ex INTRODUÇÃO... O cenário descrito, portanto, exige disposição e ação das instituições brasileiras, aí incluído o desenvolvimento das capacidades necessárias ao Exército para respaldar a atuação do Brasil nas áreas de interesse estratégico do País. Ao Exército, nesse contexto de mudanças, cabe transformar-se. Esse processo é de longo prazo, amplo e profundo; não é modismo e é urgente.... não podemos estar tão distantes da realidade, quando as ameaças se revelarem. Para isso, temos que ousar nas ideias, gerando energia criativa em soluções inovadoras e factíveis. Nessa trajetória, a maioria das respostas poderá ser encontrada na elaboração, execução e controle de um criterioso e coerente Planejamento Estratégico...

15 FATORES QUE CARACTERIZAM UMA CAPACIDADE D - DOUTRINA O - ORGANIZAÇÃO (E PROCESSOS) A - ADESTRAMENTO M - MATERIAL E - EDUCAÇÃO P - PESSOAL I - INFRAESTRUTURA

16 Diretriz Geral Cmt Ex GESTÃO... Os processos e projetos do EB devem ter firme compromisso com resultados, mediante a formulação de metas, prazos e indicadores bem definidos, para o indispensável acompanhamento. Estar atento à racionalização, não hesitando em propor a extinção de atividades e/ou estruturas que já cumpriram sua finalidade e não mais justificam a sua existência.

17

18 PROJETOS ESTRATÉGICOS ESTRUTURANTES GOVERNANÇA TI E M E e O D S NOVO SIDOMT SENTINELA DA PÁTRIA e AMAZÔNIA PROTEGIDA NOVO SIST OP MIL TER NOVA LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE e PCTEG NOVO SISTEMA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FORÇA DA NOSSA FORÇA NOVO SISTEMA DE ENGENHARIA D O A M E P I GESTAO E INOVAÇÃO

19 SISFRON PROTEGER ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI DAAe RECOP PROJETOS ESTRATÉGICOS GOVERNANÇA TI E M E e O D S NOVO SIDOMT SENTINELA DA PÁTRIA e AMAZÔNIA PROTEGIDA NOVO SIST OP MIL TER NOVA LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE e PCTEG NOVO SISTEMA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FORÇA DA NOSSA FORÇA NOVO SISTEMA DE ENGENHARIA D O A M E P I GESTAO E INOVAÇÃO

20 PAC

21 Sete PEE!

22 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

23 SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS SISFRON O Exército e a tecnologia na defesa da nossa Faixa de Fronteira

24 INDICADORES - SISFRON EVENTOS CRIMINOSOS GRAU DE PRIORIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO Estados ALTA MÉDIA Presentes AP RS MS SC AM RR PR AC RO MT PA Tráfico de drogas 11 Roubo de cargas, veículos 10 Tráfico de Armas e Munições 9 Crimes ambientais 9 Refugio de criminosos 9 Contrabando e descaminho 9 Exploração sexual infanto-juvenil 7 Tráfico de pessoas 4 Rota de veículos roubados 4 Abigeato (roubo de gado) 4 Pistolagem 3 Evasão de divisas 2 Turismo sexual 1 Eventos Criminosos Presentes

25 PIB Brasil (US$Milhões) Mortes por Drogas Ilícitas (p/ hab) INDICADORES - SISFRON PIB vs Mortes por Drogas PIB Brasil (US$Milhões) Mortes por drogas ilícitas (p/ hab.)

26 MD - EXÉRCITO Min Justiça SENASP/PF/PRF/FUNAI MRE Min Fazenda - SRF Min Saúde/Educação GSI/PR SAE SIPAM MMA- IBAMA Polícias Militares Organizações Estaduais e Municipais...

27 Será apoiado em um complexo sistema de sensoriamento, integração, comando e controle, apoio à decisão e atuação estratégica de diversos órgãos da República.

28 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

29 Dotar o Brasil de meios terrestres para a defesa antiaérea e contribuir com o Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA) Capacidade essencial à proteção das estruturas estratégicas do País.

30 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

31 PROTEGER Sistema Integrado de Proteção de Estruturas Estratégicas Terrestres Integrando meios, esforços e agregando tecnologia... - Proteger 90% das Estruturas Estratégicas - Impactam 92% do PIB - BRICS...para proteger nossas infraestruturas críticas.

32 ESTRUTURAS ESTRATÉGICAS TERRESTRES CENTRO DO PODER POLÍTICO AEROPORTOS PORTOS LINHAS DE TRANSMISSÃO TERMOELÉTRICAS HIDRELÉTRICAS USINAS NUCLEARES TELECOMUNICAÇÕES REFINARIAS

33 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

34 Este projeto tem por finalidade transformar a Infantaria Motorizada em Mecanizada e modernizar a Cavalaria Mecanizada, substituindo as viaturas URUTU e CASCAVEL, dotando o Exército Brasileiro de viaturas da NFBR

35

36

37 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

38 Projeto que fornece ao Exército um Produto Estratégico de Defesa com elevada capacidade de dissuasão. MAIOR ALCANCE E PRECISÃO. Solução 100% brasileira, total independência tecnológica e domínio intelectual.

39 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

40 Interagências: FFAA, PF, SERPRO, Empresas. Desempenho: 175 alertas de segurança; desses, 75% eram ataques maliciosos. Ações: notificações às agências envolvidas e aprimoramento no sistema de proteção em tempo real. Páginas e redes permaneceram disponíveis e intactas durante todo o evento. Mesmos hackers que derrubaram página do G20 no México não obtiveram êxito na Rio + 20.

41 VI SÃO SO BRE A ESTRUTU RA ÇÃO ( FO RÇAS ARM ADAS) DO SETO R CI BERNÉTI CO 1. Segurança Ci bernét i ca G SI Ní vel pol í t i co 2. Def esa Ci bernét i ca MD Ní vel est rat égi co 3. G uerra Ci bernét i ca MB FAB Comando de Def esa Ciber nét ica Ní vel oper aci onal RH EB I nt l g FAB EB FAB MB EB EB C&T MB FAB Op MB EB Dout FAB MB

42 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

43 Reaparelhamento do EB para dotar as unidades de PRODE imprescindíveis ao emprego operacional. Recuperar helicópteros, blindados, viaturas e equipamento. Adquirir armamentos e munições.

44 FOMENTO AO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO

45 ALGUMAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP)

46 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Construção e manutenção do novo Colégio Militar de Manaus (CMM).

47 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Construção e manutenção do Polo de Ciência e Tecnologia do Exército em Guaratiba (PCTEG).

48 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Hospitais Militares: iniciando por Manaus e Brasília.

49 Combater ilícitos transfronteiriços e aumentar a segurança nos centros urbanos. Inibir a ocorrência de crises e colaborar com a garantia do patrimônio. Fortalecer a Base Industrial de Defesa ( BID ) Incrementar a independência tecnológica. Reestruturar a Indústria Nacional de Defesa Incrementar a exportação de bens e serviços com alto valor agregado Proporcionar maior respaldo à Política Exterior Organizar Força de Contingência pronta e à altura dos desafios do Brasil. Cooperar com ações governamentais de proteção das estruturas estratégicas terrestres, também denominadas infraestruturas críticas. Diversificar a pauta de exportações. Capacitar a indústria e mão-de-obra brasileiras Proteger os serviços essenciais à população e ao desenvolvimento nacional. Ampliar a integração nacional Dominar tecnologias sensíveis Incrementar a interoperabilidade dos órgãos governamentais. Possibilitar a proteção do core da geração de riquezas do País. Fortalecer o modelo sustentável - uso DUAL da tecnologia Impulsionar o envolvimento dos institutos tecnológicos e entidades acadêmicas

50 CONCLUSÃO

51 ENDEREÇO ELETRÔNICO

52 A balsa de Medusa, de Géricault

53 OBRIGADO PELA ATENÇÃO

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO CONHECER O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO E A SITUAÇÃO ATUAL DOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO E DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP). - BRASIL ALMEJANDO SER ATOR GLOBAL

Leia mais

Medição do Desempenho Organizacional. SPE-3/7ª SCh EME

Medição do Desempenho Organizacional. SPE-3/7ª SCh EME Medição do Desempenho Organizacional SPE-3/7ª SCh EME OBJETIVO Conhecer os Fundamentos da Medição do Desempenho Organizacional e a sua relação com o GEPEEx e o PES. ROTEIRO Introdução Mapa Estratégico

Leia mais

EPCOM ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO (EPEx)

EPCOM ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO (EPEx) ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO EPCOM ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO (EPEx) 14 OUT 13 QUEBRA DE PARADIGMAS... Quem tem: gerente é... parceiro é... cliente é... patrocinador é... projeto... OBJETIVO CONHECER:

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul XI Congresso Acadêmico sobre Defesa Nacional AMAN, 12 de agosto de 2014 Antonio

Leia mais

SISTEMA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO

SISTEMA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO SISTEMA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO MISSÃO DO EXÉRCITO - SIPLEx 1 2008 SUMÁRIO DA MISSÃO DO EXÉRCITO - SIPLEx 1 1. GENERALIDADES 12 2.

Leia mais

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO EPCOM OUT 12

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO EPCOM OUT 12 ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO EPCOM 2012 15 OUT 12 OBJETIVO IDENTIFICAR OS PRINCIPAIS ASPECTOS E DESAFIOS DO VETOR DOUTRINA NO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO. ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO O Tamanho do Desafio

Leia mais

Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA

Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA POR QUE UMA FORÇA AÉREA? 70% da Terra é coberta por água 100% coberta pelo ar e espaço! OBJETIVO Conhecer a Concepção Estratégica Força

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

DEFESA ANTIAÉREA. Encerramento do Projeto. Conteúdo Nacional C 2. Empregos Gerados. Empresas Envolvidas. Proteção das estruturas estratégicas

DEFESA ANTIAÉREA. Encerramento do Projeto. Conteúdo Nacional C 2. Empregos Gerados. Empresas Envolvidas. Proteção das estruturas estratégicas DEFESA ANTIAÉREA Encerramento do Projeto DEFESA ANTIAÉREA Conteúdo Nacional C 2 Empregos Gerados Empresas Envolvidas Proteção das estruturas estratégicas Mão de obra altamente especializada Domínio da

Leia mais

1. INTRODUÇÃO a. Histórico b. Missão da 1ª Bda AAAe c. Composição dos meios da 1ª Bda AAAe

1. INTRODUÇÃO a. Histórico b. Missão da 1ª Bda AAAe c. Composição dos meios da 1ª Bda AAAe 1. INTRODUÇÃO a. Histórico b. Missão da 1ª Bda AAAe c. Composição dos meios da 1ª Bda AAAe 2. DESENVOLVIMENTO a. Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro b. Estrutura da artilharia antiaérea c. A ameaça

Leia mais

Possibilidades futuras dentro das transformações do Sistema de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro: uma visão da tríplice hélice

Possibilidades futuras dentro das transformações do Sistema de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro: uma visão da tríplice hélice Possibilidades futuras dentro das transformações do Sistema de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro: uma visão da tríplice hélice Gen Bda Helio de Assis Pegado Diretor de Fabricação SUMÁRIO A Diretoria

Leia mais

ASSESSSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO PARTICIPAÇÃO DO EXÉRCITO NA ESTRUTURAÇÃO DA BID/BRASIL

ASSESSSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO PARTICIPAÇÃO DO EXÉRCITO NA ESTRUTURAÇÃO DA BID/BRASIL ASSESSSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO PARTICIPAÇÃO DO EXÉRCITO NA ESTRUTURAÇÃO DA BID/BRASIL Março 2016 1 2 ASSESSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO 3 ASSESSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO

Leia mais

Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército

Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército 1. INTRODUÇÃO - 7ª Subchefia do Estado-Maior do Exército 2. DESENVOLVIMENTO - Concepções Política e Estratégica do Exército 3. CONCLUSÃO Política

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 9º Diálogos da MEI ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL JAILSON BITTENCOURT DE ANDRADE SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança A Indústria Nacional de Defesa e Segurança Armando Lemos Diretor Técnico 5 de novembro de 2013 Roteiro 1. Cenário 2. ABIMDE 3. A

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Panorama e Oportunidades da Indústria de Defesa no Brasil Seminário: As oportunidades da indústria de defesa e a segurança para o Brasil e a região do ABC São Bernardo do Campo, 20 de outubro de 2011 Luciano

Leia mais

Os Projetos Estratégicos do Exército Brasileiro e suas contribuições para a implementação da Política Nacional de Defesa.

Os Projetos Estratégicos do Exército Brasileiro e suas contribuições para a implementação da Política Nacional de Defesa. ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO Maj Inf MOISES FELIPE GERVAZONI VIANA Os Projetos Estratégicos do Exército Brasileiro e suas contribuições para a implementação

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO A GESTÃO DE PORTFÓLIO E PROJETOS NO EXÉRCITO BRASILEIRO

ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO A GESTÃO DE PORTFÓLIO E PROJETOS NO EXÉRCITO BRASILEIRO ESCRITÓRI DE PRJETS D EXÉRCIT A GESTÃ DE PRTFÓLI E PRJETS N EXÉRCIT BRASILEIR 06.11.2015 Port 224-EME, 23 Dez 05 Port 193- EME, 22 Dez 10 Port 134-EME, 10 Set 12 Dtz Implantação Seç Implantação SISFRN

Leia mais

IX Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMT. A Segurança das Áreas de Fronteira Brasileira em Face dos Ilícitos Transnacionais

IX Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMT. A Segurança das Áreas de Fronteira Brasileira em Face dos Ilícitos Transnacionais SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA IX Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMT A Segurança das Áreas de Fronteira Brasileira em Face dos Ilícitos Transnacionais Cuiabá - MT, 02 a 06 de junho de

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

Financiamento e Políticas Públicas para a Inovação. 2º CIMES Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Financiamento e Políticas Públicas para a Inovação. 2º CIMES Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Financiamento e Políticas Públicas para a Inovação 2º CIMES Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Abril 2013 A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial ABDI está ligada ao

Leia mais

O Exército Brasileiro na Defesa da Soberania na Amazônia

O Exército Brasileiro na Defesa da Soberania na Amazônia MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DA AMAZÔNIA GABINETE DO COMANDO O Exército Brasileiro na Defesa da Soberania na Amazônia INTRODUÇÃO A Amazônia é um dos poucos subsistemas mundiais

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

GOVERNANÇA E GESTÃO DE TIC. Câmara dos Deputados

GOVERNANÇA E GESTÃO DE TIC. Câmara dos Deputados GOVERNANÇA E GESTÃO DE TIC Câmara dos Deputados GOVERNANÇA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê de Gestão Estratégica Escritório Corporativo de Gestão Estratégica Comitês Setoriais de Gestão Escritórios Setoriais

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

CRIMES TRANSFRONTEIRIÇOS. ANTONIO CARLOS VIDEIRA Superintendente de Segurança Pública/SEJUSP MS Brasília - DF, 27 de outubro de 2015

CRIMES TRANSFRONTEIRIÇOS. ANTONIO CARLOS VIDEIRA Superintendente de Segurança Pública/SEJUSP MS Brasília - DF, 27 de outubro de 2015 CRIMES TRANSFRONTEIRIÇOS ANTONIO CARLOS VIDEIRA Superintendente de Segurança Pública/SEJUSP MS Brasília - DF, 27 de outubro de 2015 Características das Fronteiras 7.363 km de Linha seca 9.523 km de rios

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GARANTIA DA LEI E DA ORDEM

A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GARANTIA DA LEI E DA ORDEM IX CURSO DE EXTENSÃO EM DEFESA NACIONAL A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GARANTIA DA LEI E DA ORDEM OBJETIVO APRESENTAR A DOUTRINA, A SISTEMÁTICA DE EMPREGO E A PARTICIPAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA SEGURANÇA

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 52 - Ministério da Defesa

Indicador(es) Órgão(s) 52 - Ministério da Defesa Programa 0620 Adestramento e Operações Militares do Exército Justificativa O Exército Brasileiro tem a necessidade de instruir, adestrar os seus efetivos, formar e adestrar a reserva mobilizável, capacitar

Leia mais

INDICADORES E METAS ESTRATÉGICOS

INDICADORES E METAS ESTRATÉGICOS 1 Reduzir homicídios Redução do número de homicídios Identificar a redução do número de homicídios no país 5% ao ano por 3 anos ou 15 % no final de 2018 2 Reduzir a violência no trânsito das rodovias federais

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade.

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. 3º Ciclo de Palestras sobre Defesa Nacional Pré-Sal - o Papel da Marinha ih do Brasil na Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. Apresentação para a Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

Não é possível exibir esta imagem no momento.

Não é possível exibir esta imagem no momento. A Nova Governança para o Sistema de Fiscalização de Produtos Controlados Conhecer o Planejamento Estratégico para a implantação de uma nova Governança para o Sistema FPC. Conhecer as bases da proposta

Leia mais

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA BRASILEIRA: 4 PRINCIPAIS DESAFIOS OS 4 GRANDES DESAFIOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL 1º DESAFIO:

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

DIRETORIA DE INTELIGÊNCIA

DIRETORIA DE INTELIGÊNCIA DIRETORIA DE INTELIGÊNCIA Desde 1948, provendo informações na PMMG II Encontro de Inteligência e Estratégia 2014 Polícia orientada pela Inteligência de Segurança Pública Belo Horizonte, 05 de novembro

Leia mais

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO ERA INDUSTRIAL TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO Talvez a guerra não vos interesse, mas a -se se por vós. ERA DO CONHECIMENTO - ADAPTAÇÃO e MODERNIZAÇÃO seriam lentas e insuficientes. - Demandava-se um processo

Leia mais

III Encontro Nacional de Médicos Veterinários das Forças Armadas e Polícias Militares. Santos, SP, 4 a 6 de dezembro de 2012

III Encontro Nacional de Médicos Veterinários das Forças Armadas e Polícias Militares. Santos, SP, 4 a 6 de dezembro de 2012 III Encontro Nacional de Médicos Veterinários das Forças Armadas e Polícias Militares Santos, SP, 4 a 6 de dezembro de 2012 2 Possibilidades: Suporte veterinário ao emprego de equinos (policiamento hipomóvel)

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA FORÇA AÉREA BRASILEIRA CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA FORÇA AÉREA BRASILEIRA FRASES FAMOSAS What has not been imagined will not be foreseen in time If you don t know where you are going, you might get lost along the way in getting there

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Maio 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de

Leia mais

Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos SEMINÁRIO Rotas tecnológicas para a gestão e tratamento de resíduos sólidos e a reciclagem diante da PNRS Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO 03.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GESTÃO DE PORTFÓLIO ESTRUTURA DO EPEX ESTRUTURA DA SACI PEE CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Port

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067 FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA COMANDANTE SANTIAGO davi.santiago@defesa.gov.br Tel: (61) 3312-4068 / 4067 SUMÁRIO PROPÓSITO O INTERESSE DA DEFESA NACIONAL PORTARIA MCT/MD Nº 750 PARCEIROS

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA Governo do Estado do Ano Base: 06 007 - SEGURANÇA PÚBLICA, PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Diretriz 06 - PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR DO POTIGUAR ATRAVÉS DA GARANTIA AO ACESSO AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Indicadores Nome

Leia mais

OBJETIVO: Órgão: Ministério da Justiça

OBJETIVO: Órgão: Ministério da Justiça OBJETIVO: 0825 Aprimorar o combate à criminalidade, com ênfase em medidas de prevenção, assistência, repressão e fortalecimento das ações integradas para superação do tráfico de pessoas, drogas, armas,

Leia mais

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Área Técnica de Pneumologia Sanitária A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Brasília, junho de 2004 Evolução da

Leia mais

Política Industrial para o Setor Farmacêutico

Política Industrial para o Setor Farmacêutico Política Industrial para o Setor Farmacêutico Seminário do Comitê de Saúde sobre Políticas Públicas e Desenvolvimento industrial do setor de Saúde São Paulo, 13 de novembro de 2012. UM BREVE HISTÓRICO

Leia mais

DPS CP/ECEME 2016 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO - FAC

DPS CP/ECEME 2016 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO - FAC 1 DPS CP/ECEME 2016 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO - FAC Aluno nº AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA As avaliações do CP/ECEME são executadas segundo os critérios de Método, Conhecimento e Expressão Escrita, da mesma forma

Leia mais

GOVERNANÇA PÚBLICA: O DESAFIO DO BRASIL. O papel do TCU DIÁLOGO PÚBLICO CEARÁ 17 DE MARÇO DE 2014

GOVERNANÇA PÚBLICA: O DESAFIO DO BRASIL. O papel do TCU DIÁLOGO PÚBLICO CEARÁ 17 DE MARÇO DE 2014 GOVERNANÇA PÚBLICA: O DESAFIO DO BRASIL O papel do TCU DIÁLOGO PÚBLICO CEARÁ 17 DE MARÇO DE 2014 Ministro João Augusto Ribeiro Nardes Presidente do TCU SUMÁRIO O Estado e os desafios do Brasil Governança

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

egurança Pública Segurança Pública

egurança Pública Segurança Pública V S egurança Pública Segurança Pública mensagem presidencial Segurança pública Desde 2003, as ações do Governo Federal para a garantia da segurança pública têm como objetivo agir sobre as causas da criminalidade

Leia mais

Evolução dos Corpos de Bombeiros Apresentação do Serviço Aéreo Organograma As viaturas que operamos Estatísticas Características do Serviço Aéreo

Evolução dos Corpos de Bombeiros Apresentação do Serviço Aéreo Organograma As viaturas que operamos Estatísticas Características do Serviço Aéreo Evolução dos Corpos de Bombeiros Apresentação do Serviço Aéreo Organograma As viaturas que operamos Estatísticas Características do Serviço Aéreo Aviação de Segurança Pública no Cenário Nacional Publicação

Leia mais

Alinhamento PPA e o Inpe

Alinhamento PPA e o Inpe Alinhamento PPA e o Inpe Modelo de gestão por programas Décio Castilho Ceballos ceballos@dir.inpe.br Apresentação ao grupo gestor PE do INPE 06 de outubro de 2006 Alinhamentos diversos Alinhamento político

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP NOTA TÉCNICA 03/2015 Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP Brasília, 02 de março de 2015 1 INTRODUÇÃO O Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde é um acordo de colaboração firmado

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO ETAPA I MÓDULO I: Organização do processo de elaboração e Mobilização PT/ MOBILIZAÇÃO quecoso Etapas do PMMA ETAPA II proncovo MÓDULO II: Elaboração do Diagnóstico da Situação Atual

Leia mais

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006 Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação Junho de 2006 NUGIN: Núcleo de Gestão da Inovação Missão Promover a geração de ambientes inovadores, fomentando e apoiando as empresas na gestão da

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE FORMULAÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação Federação das Indústrias do Estado do Ceará Sistema FIEC Fortaleza, 18 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação João Carlos Ferraz Vice-Presidente 1 Mundo 2 Crise de longa

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS 4º ANO CONSOLIDANDO A INTEROPERABILIDADE ENTRE AS FORÇAS ARMADAS

MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS 4º ANO CONSOLIDANDO A INTEROPERABILIDADE ENTRE AS FORÇAS ARMADAS MINISTÉRIO DA DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA O MINISTÉRIO DA DEFESA E A LEGISLAÇAO QUE AMPARA AS ATIVIDADES DE AEROLEVANTAMENTO NO TERRITÓRIO NACIONAL OBJETIVO Conhecer o Ministério da Defesa e a legislação

Leia mais

Ações da CM/PR para a Segurança da Informação e Comunicações na APF

Ações da CM/PR para a Segurança da Informação e Comunicações na APF DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Ações da CM/PR para a Segurança da Informação e Comunicações na APF CPI dos Crimes Cibernéticos - Seminário Segurança

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA JUSTIÇA DO TRABALHO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA JUSTIÇA DO TRABALHO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Processo gerencial, contínuo e dinâmico, que envolve toda estrutura organizacional, tendo em vista o planejamento do futuro mediante

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Histórico da Governança Digital 2000 Comitê Executivo de Governo Eletrônico 2005 eping: padrões de interoperabilidade 2010 Estratégia Geral de TI (EGTIC)

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ RELATÓRIO DE ATIVIDADE PALESTRA: DOUTRINAS MILITARES E INDÚSTRIA BÉLICA NO BRASIL. PALESTRANTE: JORGE CARLOS CORRÊA GUERRA CURITIBA OUTUBRO DE 2012 0 EQUIPE TÉCNICA:

Leia mais

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República GSIPR. Ações do GSI/PR para a Segurança da Informação e Comunicações na APF

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República GSIPR. Ações do GSI/PR para a Segurança da Informação e Comunicações na APF Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República GSIPR Ações do GSI/PR para a Segurança da Informação e Comunicações na APF Audiência Pública CPI dos Crimes Cibernéticos 17 de Setembro de

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Américo T Bernardes Departamento de Infraestrutura para Inclusão Digital Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Secretaria de

Leia mais

Programa Saúde na Escola

Programa Saúde na Escola Encontro com Referencias Estaduais de Alimentação e Nutrição Programa Saúde na Escola Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição / Departamento de Atenção Básica/ Secretaria de Atenção à Saúde Ministério

Leia mais

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias Apresentação do Documento de Orientação Estratégica CCB Centro Cultural de Belém 05 de Julho 2005 Mandato Identificar as propostas de investimentos

Leia mais

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras 1. INTRODUÇÃO 2. PLANO ESTRATÉGICO DE FRONTEIRAS 3. O SISFRON a. ESTUDO DE VIABILIDADE b. ASPECTOS TÉCNICOS c. SUBSISTEMAS d. O PROJETO PILOTO 4. CONCLUSÃO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada Campus Centro I Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Segurança Privada tem como missão, formar profissionais

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO

PLANO ESTRATÉGICO PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador, Ator, ou Autor. AGENDA

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS

MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL CONSELHO DE CHEFES DE ESTADO-MAIOR MISSÕES DAS FORÇAS ARMADAS Aprovado em CSDN de 30 de julho de 2014. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MISSÕES a. Segurança e defesa do território

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL

EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO CP/ECEME 2013 EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL EXPRESSÃO POLÍTICA A EXPRESSÃO POLÍTICA 1. SITUAÇÃO GEOPOLÍTICA 2. CONDICIONAMENTOS

Leia mais

Secretaria de Gestão. Setembro de 2016

Secretaria de Gestão. Setembro de 2016 Secretaria de Gestão Setembro de 2016 Secretaria de Gestão ALTERAÇÃO DO DECRETO Nº 6.170/2007 PRICIPAIS ALTERAÇÕES - Correção dos seguintes conceitos: i) convênio, ii) contrato de repasse, iii) concedente,

Leia mais

CATÁLOGO COMERCIAL JUN 2017 BRASÍLIA BRASIL REALIZAÇÃO. uma divisão da Prospectare Brasil

CATÁLOGO COMERCIAL JUN 2017 BRASÍLIA BRASIL  REALIZAÇÃO. uma divisão da Prospectare Brasil CATÁLOGO COMERCIAL 20-22 JUN 2017 BRASÍLIA BRASIL WWW.CSTMEXPO.COM REALIZAÇÃO uma divisão da Prospectare Brasil 20-22 DE JUNHO DE 2017 BRASÍLIA BRASIL Em sua sexta edição, a Conferência de Simulação e

Leia mais

Copa do Mundo FIFA 2014

Copa do Mundo FIFA 2014 Code-P0 Copa do Mundo FIFA 2014 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Claudio Langone Coordenador da CTMAS/ME Code-P1 O QUE O BRASIL QUER COM A COPA DO MUNDO FIFA Mobilizar o país Promover o país

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Fortalecimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Fortalecimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Fortalecimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação Características das Principais

Leia mais

Press Release Fotográfico

Press Release Fotográfico Press Release Fotográfico CONCEPÇÃO Com o intuito de ampliar a interação dos seus alunos com o meio acadêmico e estimular a pesquisa, a EsAO conduziu, nos dias 23 e 24 de fevereiro de 2017, a JORNADA DA

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral - SGM Cooperação Internacional no Setor Mineral Temas prioritários CARLOS NOGUEIRA DA COSTA JUNIOR Secretário Sumário

Leia mais

Dec nº 7.496, de 8 Jun 11

Dec nº 7.496, de 8 Jun 11 Dec nº 7.496, de 8 Jun 11 Redução dos índices de criminalidade; Coordenação do planejamento e execução de operações militares e policiais; Cooperação com os países fronteiriços; Apoio à população; e Intensificação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

Evolução da Biblioteca Virtual em Saúde no Brasil. Maputo, 18 de novembro de 2009

Evolução da Biblioteca Virtual em Saúde no Brasil. Maputo, 18 de novembro de 2009 Evolução da Biblioteca Virtual em Saúde no Brasil Maputo, 18 de novembro de 2009 Informação em Saúde U n iv e rs a lida d e In t e g ra lida de E qu ida de S is te m a Ú n ic o de S a ú de In fo rm a ç

Leia mais

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Paulo Sérgio Passos Ministro de Estado dos Transportes Brasília, 16.07.2014 Brasil e China: Economias Complementares China

Leia mais

Governança Pública: O Desafio do Brasil

Governança Pública: O Desafio do Brasil Governança Pública: O Desafio do Brasil Os rumos do Brasil e a importância da Governança na Economia Moderna Augusto Nardes Ministro do TCU Tribunal de Contas da União Principais Atividades do TCU Parecer

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Ministério da Educação FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE FNDE números e fatos PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS

Leia mais