ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO"

Transcrição

1 ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

2 CONHECER O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO E A SITUAÇÃO ATUAL DOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO E DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP).

3 - BRASIL ALMEJANDO SER ATOR GLOBAL - INSTABILIDADE ECONÔMICA MUNDIAL - IMPREVISIBILIDADE DOS CONFLITOS ATUAIS - CONFLITOS ONLINE

4 AGENTES ESTATAIS e ONG OPINIÃO PÚBLICA GUERRA CIBERNÉTICA

5 SEMPRE SOMOS CHAMADOS PARA ATUAR MAIOR APROXIMAÇÃO ENTRE O EXÉRCITO E A SOCIEDADE

6 DEC Nº Dez marco para a Defesa Nacional

7 CONCEPÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO Consolida e alinha em um só documento todas as ferramentas de pensamento e planejamento estratégico. Apresenta o embasamento teórico - modelo conceitual - para a condução do Processo de Transformação.

8 MISSÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO Contribuir para a garantia da soberania nacional, dos poderes constitucionais, da lei e da ordem, salvaguardando os interesses nacionais, e cooperando com o desenvolvimento nacional e o bem-estar social. - Para isto, preparar a Força Terrestre, mantendo-a em permanente estado de prontidão. A TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO NÃO MUDA A SUA MISSÃO CONSTITUCIONAL

9

10 Diretriz Geral Cmt Ex INTRODUÇÃO... O cenário descrito, portanto, exige disposição e ação das instituições brasileiras, aí incluído o desenvolvimento das capacidades necessárias ao Exército para respaldar a atuação do Brasil nas áreas de interesse estratégico do País. Ao Exército, nesse contexto de mudanças, cabe transformar-se. Esse processo é de longo prazo, amplo e profundo; não é modismo e é urgente.... não podemos estar tão distantes da realidade, quando as ameaças se revelarem. Para isso, temos que ousar nas ideias, gerando energia criativa em soluções inovadoras e factíveis. Nessa trajetória, a maioria das respostas poderá ser encontrada na elaboração, execução e controle de um criterioso e coerente Planejamento Estratégico...

11 SISTEMÁTICA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO (SIPLEx-2013) Missão Análise Estratégica Política Mil Ter MARCO LEGAL CF / LC LBDN / PND / PMD END / EMiD Concepção de Transformação do Exército Diretriz Geral do Comandante do Exército FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 FASE 5 FASE 6 Estratégia Mil Ter Planos Orçamentação e Contratação Valores Visão de Futuro Diagnóstico Estratégico Cenários EB-2031 Indicações Objetivos Estratégicos Exército Mapa Estratégico Concepção Estratégica do Exército Estratégias Ações Estratégicas Indicadores e Metas GESTÃO DE RISCO Proposta Orçamentária Contrato de Objetivos E X E C U Ç Ã O FASE 7 Medição do Desempenho Organizacional (Resultados)

12 MISSÃO: VISÃO: ATÉ 2022, O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO CHEGARÁ A UMA NOVA DOUTRINA, COM a. CONTRIBUIR PARA A GARANTIA DA SOBERANIA NACIONAL, DOS PODERES CONSTITUCIONAIS, DA LEI E DA O EMPREGO DE PRODUTOS DE DEFESA TECNOLOGICAMENTE AVANÇADOS E PROFISSIONAIS ALTAMENTE ORDEM, SALVAGUARDANDO OS INTERESSES NACIONAIS E COOPERANDO COM O DESENVOLVIMENTO CAPACITADOS E MOTIVADOS,PARA QUE O EXÉRCITO ENFRENTE, COM OS MEIOS ADEQUADOS, OS NACIONAL E O BEM-ESTAR SOCIAL. DESAFIOS DO SÉCULO XXI, RESPALDANDO AS DECISÕES SOBERANAS DO BRASIL NO CENÁRIO b. PARA ISTO, PREPARAR A FORÇA TERRESTRE, MANTENDO-A EM PERMANENTE ESTADO DE PRONTIDÃO. INTERNACIONAL. Braço Forte CONTRIBUIR COM A DISSUASÃO EXTRARREGIONAL Mão Amiga SOCIEDADE (RESULTADO) AMPLIAR A PROJEÇÃO DO EXÉRCITO NO CENÁRIO INTERNACIONAL ATUAR NO ESPAÇO CIBERNÉTICO COM LIBERDADE DE AÇÃO CONTRIBUIR COM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A PAZ SOCIAL PROCESSOS CRÍTICOS APRIMORAR A GOVERNANÇA DE TI IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA LOGÍSTICO MILITAR TERRESTRE IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA OPERACIONAL MILITAR TERRESTRE IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA DE DOUTRINA MILITAR TERRESTRE AUMENTAR A EFETIVIDADE NA GESTÃO DO BEM PÚBLICO IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA DE CT&I FORTALECER OS VALORES, OS DEVERES E A ÉTICA MILITAR IMPLANTAR UM NOVO E EFETIVO SISTEMA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FORTALECER A DIMENSÃO HUMANA AMPLIAR A INTEGRAÇÃO DO EXÉRCITO COM A SOCIEDADE MAXIMIZAR A OBTENÇÃO DE RECURSOS DO ORÇAMENTO E DE OUTRAS FONTES

13 CAPACIDADE CONCEITO Aptidão requerida a uma Força ou Organização Militar para que possa cumprir determinada tarefa ou missão. FATORES DETERMINANTES DAS CAPACIDADES Doutrina Organização ou processos Adestramento Material Educação Pessoal Infraestrutura DOAMEPI

14 CAPACIDADES MILITARES TERRESTRES - CMT CMT 01 Pronta Resposta Estratégica CMT 02 Atuação Decisiva CMT 03 Apoio a Órgãos Governamentais CMT 04 Comando e Controle CMT 05 Apoio Logístico CMT 06 Interoperabilidade CMT 07 Proteção CMT 08 Informação CMT 09 Consciência Situacional CMT 10 Dimensão humana

15 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO-ADMINISTRATIVO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO SISTEMÁTICA DE PLANEJAMENTO DO EXÉRCITO PLANO ESTRATÉGICO DO EXÉRCITO SIPLEx 5

16 PLANO ESTRATÉGICO DO EXÉRCITO (PEEx )

17 PLANO DE OBTENÇÃO DE CAPACIDADES MATERIAIS (PCM)

18 PLANO DE OBTENÇÃO DE CAPACIDADES MATERIAIS (PCM)

19 PLANO DE OBTENÇÃO DE CAPACIDADES MATERIAIS (PCM)

20 Diretriz Geral Cmt Ex GESTÃO... Os processos e projetos do EB devem ter firme compromisso com resultados, mediante a formulação de metas, prazos e indicadores bem definidos, para o indispensável acompanhamento. Estar atento à racionalização, não hesitando em propor a extinção de atividades e/ou estruturas que já cumpriram sua finalidade e não mais justificam a sua existência.

21

22 Mar O Frag 002 do Cmt Ex Determino ao EME implantar o Escritório de Projetos do Exército, por transformação da Assessoria Especial de Gestão e Projetos (AEGP) e coordenar, com os ODS, a criação de seus respectivos escritórios de projetos. A E G P E P Ex

23 EPEx - CANAL TÉCNICO DA GESTÃO POR PROJETOS PEEx EPEx EP/ODS EP/C Mil A PEE X PEE M PEE N PEE Y Prj c PEE Z

24 NEGAPEB

25 POR QUE AS NEGAPEB? Alinhamento Metodologia Efetividade Continuidade Controle M A T U R I D A D E

26 PARÂMETROS DE QUALIDADE E COMPROMISSO COM RESULTADOS EFETIVIDADE ECONOMICIDADE OBJETIVOS RECURSOS PROCESSOS ENTREGAS RESULTADOS EFICIÊNCIA Qual o problema? O que se deseja? EFICÁCIA Adaptação do Diagrama de Insumo/Produto (TCU/2013)

27 Impacto Estratégico ENQUADRAMENTO DO PORTFÓLIO 100,00% 90,00% 80,00% Melhor quadrante Projeto A 70,00% Projeto B 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% Projeto C Projeto D Projeto E 20,00% 10,00% Pior quadrante Projeto F Projeto G 0,00% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 70,00 80,00 90,00 100,00 Exequibilidade

28 PROJETOS ESTRATÉGICOS ESTRUTURANTES GOVERNANÇA TI E M E e O D S NOVO SIDOMT SENTINELA DA PÁTRIA e AMAZÔNIA PROTEGIDA NOVO SIST OP MIL TER NOVA LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE e PCTEG NOVO SISTEMA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FORÇA DA NOSSA FORÇA NOVO SISTEMA DE ENGENHARIA D O A M E P I GESTAO E INOVAÇÃO

29 Os onze estruturantes

30 SISFRON PROTEGER ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI DAAe RECOP PROJETOS ESTRATÉGICOS GOVERNANÇA TI NOVO SIDOMT D E M E e O D S SENTINELA DA PÁTRIA e AMAZÔNIA PROTEGIDA NOVO SIST OP MIL TER NOVA LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE e PCTEG NOVO SISTEMA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FORÇA DA NOSSA FORÇA NOVO SISTEMA DE ENGENHARIA O A M E P I GESTAO E INOVAÇÃO

31 MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS 29 Nov 13

32 MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS 19 Fev 14

33 MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS 6 Mar 14

34 PAC

35 Sete PEE!

36

37 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

38 SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS SISFRON O Exército e a tecnologia na defesa da nossa Faixa de Fronteira

39 MD - EXÉRCITO Min Justiça SENASP/PF/PRF/FUNAI MRE Min Fazenda - SRF Min Saúde/Educação GSI/PR SAE SIPAM MMA- IBAMA Polícias Militares Organizações Estaduais e Municipais...

40 Será apoiado em um complexo sistema de sensoriamento, integração, comando e controle, apoio à decisão e atuação estratégica de diversos órgãos da República.

41 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

42 Dotar o Brasil de meios terrestres para a defesa antiaérea e contribuir com o Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA) Capacidade essencial à proteção das estruturas estratégicas do País.

43 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

44 PROTEGER Sistema Integrado de Proteção de Estruturas Estratégicas Terrestres Integrando meios, esforços e agregando tecnologia... - Proteger 90% das Estruturas Estratégicas - Impactam 92% do PIB - BRICS...para proteger nossas infraestruturas críticas.

45 ESTRUTURAS ESTRATÉGICAS TERRESTRES CENTRO DO PODER POLÍTICO AEROPORTOS PORTOS LINHAS DE TRANSMISSÃO TERMOELÉTRICAS HIDRELÉTRICAS USINAS NUCLEARES TELECOMUNICAÇÕES REFINARIAS

46 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

47 Este projeto tem por finalidade transformar a Infantaria Motorizada em Mecanizada e modernizar a Cavalaria Mecanizada, substituindo as viaturas URUTU e CASCAVEL, dotando o Exército Brasileiro de viaturas da NFBR

48

49

50 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

51 Projeto que fornece ao Exército um Produto Estratégico de Defesa com elevada capacidade de dissuasão. MAIOR ALCANCE E PRECISÃO. Solução 100% brasileira, total independência tecnológica e domínio intelectual.

52 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

53 Interagências: FFAA, PF, SERPRO, Empresas. Desempenho: 175 alertas de segurança; desses, 75% eram ataques maliciosos. Ações: notificações às agências envolvidas e aprimoramento no sistema de proteção em tempo real. Páginas e redes permaneceram disponíveis e intactas durante todo o evento. Mesmos hackers que derrubaram página do G20 no México não obtiveram êxito na Rio + 20.

54 VI SÃO SO BRE A ESTRUTU RA ÇÃO ( FO RÇAS ARM ADAS) DO SETO R CI BERNÉTI CO 1. Segurança Ci bernét i ca G SI Ní vel pol í t i co 2. Def esa Ci bernét i ca MD Ní vel est rat égi co 3. G uerra Ci bernét i ca MB FAB Comando de Def esa Ciber nét ica Ní vel oper aci onal RH EB I nt l g FAB EB FAB MB EB EB C&T MB FAB Op MB EB Dout FAB MB

55 RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL (RECOP) DEFESA ANTIAÉREA ASTROS 2020 DEFESA CIBERNÉTICA GUARANI PROTEGER SISFRON

56 Reaparelhamento do EB para dotar as unidades de PRODE imprescindíveis ao emprego operacional. Recuperar helicópteros, blindados, viaturas e equipamento. Adquirir armamentos e munições.

57 FOMENTO AO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO

58 ALGUMAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP)

59 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Construção e manutenção do novo Colégio Militar de Manaus (CMM).

60 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO

61 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Fuzil IA2 da IMBEL Principais características: Família de fuzil em 2 Calibres: 5,56 e 7,62mm; Uso de polímero no guarda-mão, punho e coronha; Os trilhos Picatinny para fixação de acessórios diversos; A coronha do 5,56 retrátil e rebatível; Nova ergonomia do punho com um ângulo bem diferente do usado no FAL e PARAFAL;

62 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Construção e manutenção do Polo de Ciência e Tecnologia do Exército em Guaratiba (PCTEG).

63 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Construção de Próprio Nacional Residencial (PNR) Necessidade: cerca de 25 mil PNR

64 PPP - PROJETOS EM ANDAMENTO Hospitais Militares: iniciando por Manaus e Brasília.

65 Combater ilícitos transfronteiriços e aumentar a segurança nos centros urbanos. Inibir a ocorrência de crises e colaborar com a garantia do patrimônio. Fortalecer a Base Industrial de Defesa ( BID ) Incrementar a independência tecnológica. Reestruturar a Indústria Nacional de Defesa Incrementar a exportação de bens e serviços com alto valor agregado Proporcionar maior respaldo à Política Exterior Organizar Força de Contingência pronta e à altura dos desafios do Brasil. Cooperar com ações governamentais de proteção das estruturas estratégicas terrestres, também denominadas infraestruturas críticas. Diversificar a pauta de exportações. Capacitar a indústria e mão-de-obra brasileiras Proteger os serviços essenciais à população e ao desenvolvimento nacional. Ampliar a integração nacional Dominar tecnologias sensíveis Incrementar a interoperabilidade dos órgãos governamentais. Possibilitar a proteção do core da geração de riquezas do País. Fortalecer o modelo sustentável - uso DUAL da tecnologia Impulsionar o envolvimento dos institutos tecnológicos e entidades acadêmicas

66 ENDEREÇO ELETRÔNICO

67 CONCLUSÃO

68 A balsa de Medusa, de Géricault

69 OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

EPCOM ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO (EPEx)

EPCOM ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO (EPEx) ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO EPCOM ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO (EPEx) 14 OUT 13 QUEBRA DE PARADIGMAS... Quem tem: gerente é... parceiro é... cliente é... patrocinador é... projeto... OBJETIVO CONHECER:

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército

Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército 1. INTRODUÇÃO - 7ª Subchefia do Estado-Maior do Exército 2. DESENVOLVIMENTO - Concepções Política e Estratégica do Exército 3. CONCLUSÃO Política

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO 03.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GESTÃO DE PORTFÓLIO ESTRUTURA DO EPEX ESTRUTURA DA SACI PEE CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Port

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO A GESTÃO DE PORTFÓLIO E PROJETOS NO EXÉRCITO BRASILEIRO

ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO A GESTÃO DE PORTFÓLIO E PROJETOS NO EXÉRCITO BRASILEIRO ESCRITÓRI DE PRJETS D EXÉRCIT A GESTÃ DE PRTFÓLI E PRJETS N EXÉRCIT BRASILEIR 06.11.2015 Port 224-EME, 23 Dez 05 Port 193- EME, 22 Dez 10 Port 134-EME, 10 Set 12 Dtz Implantação Seç Implantação SISFRN

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras 1. INTRODUÇÃO 2. PLANO ESTRATÉGICO DE FRONTEIRAS 3. O SISFRON a. ESTUDO DE VIABILIDADE b. ASPECTOS TÉCNICOS c. SUBSISTEMAS d. O PROJETO PILOTO 4. CONCLUSÃO

Leia mais

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO ERA INDUSTRIAL TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO Talvez a guerra não vos interesse, mas a -se se por vós. ERA DO CONHECIMENTO - ADAPTAÇÃO e MODERNIZAÇÃO seriam lentas e insuficientes. - Demandava-se um processo

Leia mais

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal Novembro 2013 Marcus Tollendal Diretor Presidente SAVIS Tecnologia e Sistemas S.A. Roteiro Quem: Sobre a SAVIS Porque: Seleção para Implantação

Leia mais

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO UNIVERSO: OFICIAIS FORMADOS NA AMAN (origem líderes estratégicos ) PROPOSTA: Programa de Formação de Comandantes e Assessores para o Nível Estratégico

Leia mais

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2 A INDÚSTRIA DE DEFESA E SEGURANÇA NO BRASIL 2013 ROTEIRO ABIMDE e a Base Industrial de Defesa Cenário Nacional Transferência de Tecnologia Protecionismo e Comércio Internacional Defesa e Desenvolvimento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Assuntos de interesse das OM, gerenciados pelo DCT

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Assuntos de interesse das OM, gerenciados pelo DCT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Assuntos de interesse das OM, gerenciados pelo DCT EPCOM 2013 1 Planejar, organizar, dirigir e controlar as atividades científicas e tecnológicas no âmbito do Exército.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

CDCIBER: perspectivas em face da espionagem eletrônica

CDCIBER: perspectivas em face da espionagem eletrônica CENTRO DE DEFESA CIBERNÉTICA CDCIBER: perspectivas em face da espionagem eletrônica VIII Curso de Extensão em Defesa Nacional UNAMA Belém/PA 7 a 11 abril 2014 CENTRO DE DEFESA CIBERNÉTICA Setores de importância

Leia mais

CENTRO DE DEFESA CIBERNÉTICA

CENTRO DE DEFESA CIBERNÉTICA CENTRO DE DEFESA CIBERNÉTICA CENTRO DE DEFESA CIBERNÉTICA A Defesa Cibernética no Brasil: desafios e possibilidades de contribuição à segurança cibernética nacional. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. POLÍTICA CIBERNÉTICA

Leia mais

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14 SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL FIEP - 21 Jul 14 Base Industrial de Defesa Aspectos Relevantes Base Industrial de Defesa 1. Introdução 2. Aspectos Relevantes

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GARANTIA DA LEI E DA ORDEM

A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GARANTIA DA LEI E DA ORDEM UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA (UNAMA) VIII CURSO DE EXTENSÃO EM DEFESA NACIONAL A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GARANTIA DA LEI E DA ORDEM SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 AS OPERAÇÕES DE GLO

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

S I S F R O N SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS C R E D N / C D. 06 Mai 14 SENSORES

S I S F R O N SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS C R E D N / C D. 06 Mai 14 SENSORES S I S F R O N C R E D N / C D 06 Mai 14 SENSORES SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS O SISFRON é um sistema de sensoriamento, apoio à decisão e apoio à atuação integrada, para fortalecer a

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS 4º ANO CONSOLIDANDO A INTEROPERABILIDADE ENTRE AS FORÇAS ARMADAS

MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS 4º ANO CONSOLIDANDO A INTEROPERABILIDADE ENTRE AS FORÇAS ARMADAS MINISTÉRIO DA DEFESA GEOINFORMAÇÃO USO DA GEOINFORMAÇÃO PELO MINISTÉRIO DA DEFESA GEOINFORMAÇÃO CONHECER O MINISTÉRIO DA DEFESA E SUAS PECULIARIDADES ; E CONHECER A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO EMPREGO DAS FORÇAS ARMADAS NA SEGURANÇA INTEGRADA AMPARO LEGAL Art 142/CF 88....destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Defesa Cibernética entra em nova fase O Sistema Militar de Defesa Cibernética protege e explora um setor em constante mudança

Defesa Cibernética entra em nova fase O Sistema Militar de Defesa Cibernética protege e explora um setor em constante mudança Defesa Cibernética entra em nova fase O Sistema Militar de Defesa Cibernética protege e explora um setor em constante mudança Brasília (DF) O Exército Brasileiro ativou dois núcleos de Defesa Cibernética,

Leia mais

Brasília, 10 de maio de 2010. Gen Ex FERNANDO SÉRGIO GALVÃO Chefe do Estado-Maior do Exército

Brasília, 10 de maio de 2010. Gen Ex FERNANDO SÉRGIO GALVÃO Chefe do Estado-Maior do Exército APRESENTAÇÃO 2 Por meio deste documento, o Estado-Maior do Exército (EME) pretende dar partida ao "Processo de Transformação do Exército". As concepções nele contidas são o resultado dos estudos, diagnósticos,

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança São Paulo, 20 de outubro de 2011 Armando Lemos Diretor Técnico Roteiro A ABIMDE e a BID Cenário Nacional Estratégia Nacional de Defesa

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA 02 DE SETEMBRO DE 2011 DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DA DEFESA ANÁLISE COMDEFESA Nº 003/2011 POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA A alteração da Lei de Licitações (8.666/93) de acordo com a

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CONSELHO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO EXÉRCITO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CONSELHO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO EXÉRCITO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CONSELHO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO EXÉRCITO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. FINALIDADE O Plano Estratégico de Tecnologia da Informação

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Estágio de Nivelamento de Gerenciamento de Projetos

Estágio de Nivelamento de Gerenciamento de Projetos Estágio de Nivelamento de Gerenciamento de Projetos 2015 EPEx / EME Acompanhamento Orçamentário e Financeiro OBJETIVO Apresentar uma visão geral da sistemática de acompanhamento orçamentário e financeiro

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores:

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores: Título do Curso: Pós-graduação em Segurança e Defesa Departamento: Ciência Política e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciência Política e Relações Internacionais Dados dos Coordenadores: Gustavo

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

NA ÚLTIMA SEMANA do inverno

NA ÚLTIMA SEMANA do inverno Projeto de Força do Futuro Coronel Ramon Marçal da Silva, Exército Brasileiro NA ÚLTIMA SEMANA do inverno norte-americano, cem líderes do Exército dos Estados Unidos da América (EUA) e do Departamento

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NAS AÇÕES SUBSIDIÁRIAS

A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NAS AÇÕES SUBSIDIÁRIAS MINISTÉRIO DA DEFESA A ATUAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NAS AÇÕES SUBSIDIÁRIAS Almirante-de-Esquadra Ademir Sobrinho Chefe de Operações Conjuntas do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS Sem alteração 1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 006-RES, DE 5 DE JUNHO DE 2002. Aprova a Diretriz Estratégica de Garantia da Lei e da

Leia mais

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component SUMÁRIO 1. OPERAÇÕES DE PAZ 2. MINUSTAH 3. OPERAÇÕES DE GARANTIA DA LEI E DA ORDEM 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS PARTICIPAÇÃO EM MISSÕES DE PAZ UNEF-I Oriente Médio 47 Mis Paz Mais de 32.000 militares brasileiros

Leia mais

VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS. A segurança das áreas de fronteira Brasileira. Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013

VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS. A segurança das áreas de fronteira Brasileira. Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013 SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS A segurança das áreas de fronteira Brasileira Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013 Fronteira, aqui começa

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança São Paulo, 20 de outubro de 2011 Armando Lemos Diretor Técnico Roteiro A ABIMDE e a BID Cenário Nacional Estratégia Nacional de Defesa

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

DIRETRIZ PARA GESTÃO DA EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO

DIRETRIZ PARA GESTÃO DA EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO 1 de 9 11/9/2013 13:53 PORTARIA Nº 118-EME, DE 6 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a Diretriz para Gestão da Educação e Capacitação dos Recursos Humanos do Exército Brasileiro O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

Programa Complexo Industrial da Defesa

Programa Complexo Industrial da Defesa Programa Complexo Industrial da Defesa Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Junho/2010 Gestor: Almirante-de-Esquadra Gilberto Max Roffé Hirschfeld Secretário

Leia mais

UM SONHO DISTANTE NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS

UM SONHO DISTANTE NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS UM SONHO DISTANTE NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS Está ficando cada vez mais distante uma solução para a NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS SOBRE RODAS que deveria modernizar a frota no Exército Brasileiro.

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia.

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. William Edwards Deming Organograma do Ministério da Fazenda

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA INSTRUÇÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS E CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE DEFESA

MINISTÉRIO DA DEFESA INSTRUÇÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS E CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA INSTRUÇÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS E CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE DEFESA Outubro 2014 Folha 1 de 46 ÍNDICE Pág DICIONÁRIO DE TERMOS E SIGLAS 3 1 INTRODUÇÃO 6 2 FINALIDADE 8

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Satoshi Yokota I Seminário Internacional Livro Branco de Defesa Nacional Transformação da Defesa

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Não se pode ser pacífico sem ser Forte. (Barão do Rio Branco).

Não se pode ser pacífico sem ser Forte. (Barão do Rio Branco). O PA P E L DA S F O R Ç A S A R M A DA S D O B R A S I L MISSÃO CONSTITUCIONAL AT I V I D A D E S OPERACIONAIS S E R V I Ç O M I L I TA R O B R I G AT Ó R I O V O L U N TÁ R I O Não se pode ser pacífico

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

PROJETO ESTRATÉGICO GUARANI

PROJETO ESTRATÉGICO GUARANI PAULO CEZAR GOMES CARRILHO PROJETO ESTRATÉGICO GUARANI Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Numero de Ações 12 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca novembro 2012 Agenda Apresentação do escopo do projeto Metodologia Gestão de Processos Análise

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO

INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO Para medir os resultados do Programa 0750 Apoio Administrativo, na Ação 2000 Administração da Unidade e do Programa 0620 Adestramento e Operações Militares

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e Art. 3º Determinar que o Estado-Maior do Exército, os órgãos de direção setorial e o Comando Militar da Amazônia adotem, em suas áreas de competência, as providências decorrentes. Art. 4º Estabelecer que

Leia mais

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO OBJETIVOS - Conhecer as peculiaridades do SISMC², que devem condicionar o desenvolvimento do futuro Sistema Logístico de Defesa;

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM

M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM Os M-60 A3TTS poderiam constituir uma reserva estratégica ou serem enviados para Roraima, reforçando os meios blindados do Exército naquela sensível

Leia mais

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR RESUMO A informação é a mais poderosa ferramenta de gestão das organizações. Diante dessa constatação, o objetivo deste artigo é demonstrar a importância

Leia mais

DEFESA ANTIAÉREA EM OPERAÇÕES DE NÃO-GUERRA: O Emprego da Seção Oerlikon - Contraves em Operações de Defesa Antiaérea em Eventos Internacionais

DEFESA ANTIAÉREA EM OPERAÇÕES DE NÃO-GUERRA: O Emprego da Seção Oerlikon - Contraves em Operações de Defesa Antiaérea em Eventos Internacionais DEFESA ANTIAÉREA EM OPERAÇÕES DE NÃO-GUERRA: O Emprego da Seção Oerlikon - Contraves em Operações de Defesa Antiaérea em Eventos Internacionais Júlio Cezar Diniz Rodrigues 1 RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A Segurança na COPA DO MUNDO FIFA BRASIL 2014

A Segurança na COPA DO MUNDO FIFA BRASIL 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS CODE-1 A Segurança na COPA DO MUNDO FIFA BRASIL 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS CODE-2 OBJETIVO: APRESENTAR

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação em Defesa: notas sobre o caso do Brasil

Ciência, Tecnologia e Inovação em Defesa: notas sobre o caso do Brasil Conferência do Desenvolvimento 2013 Ciência, Tecnologia e Inovação em Defesa: notas sobre o caso do Brasil Flávia Schmidt flavia.schmidt@ipea.gov.br Agenda Objetivo A relação entre Ciência, Tecnologia

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

SEÇÃO DE CUSTOS APRESENTAR AS PECULIARIDADES DO SISTEMA GERENCIAL DE CUSTOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SISCUSTOS).

SEÇÃO DE CUSTOS APRESENTAR AS PECULIARIDADES DO SISTEMA GERENCIAL DE CUSTOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SISCUSTOS). CEBW BRASÍLIA SEÇÃO DE CUSTOS APRESENTAR AS PECULIARIDADES DO SISTEMA GERENCIAL DE CUSTOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SISCUSTOS). DIRETORIA DE CONTABILIDADE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

DOUTRINA DE OPERAÇÕES CONJUNTAS. 1 o VOLUME

DOUTRINA DE OPERAÇÕES CONJUNTAS. 1 o VOLUME MINISTÉRIO DA DEFESA MD30-M-01 DOUTRINA DE OPERAÇÕES CONJUNTAS 1 o VOLUME 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS DOUTRINA DE OPERAÇÕES CONJUNTAS 1 o VOLUME 1 a Edição 2011

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

Auditoria de Programas e Equipamentos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC)

Auditoria de Programas e Equipamentos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Auditoria de Programas e Equipamentos de Tecnologia da Regulamentação do Decreto nº 8.135/2013 Onde Estamos e Onde Queremos Chegar Anderson S. Araújo, M.Sc Analista em TI Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Boas praticas na implantacao do. pmo

Boas praticas na implantacao do. pmo Boas praticas na implantacao do pmo IMPLANTAÇÃO DE UM PMO A implantação de um PMO requer um bom planejamento prévio, visando estruturar o setor como um braço da alta gerência a fim de assegurar a geração

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Discurso de Posse na SEPROD/MD (14/01/2016) Perpetua Almeida. Senhoras e senhores,

Discurso de Posse na SEPROD/MD (14/01/2016) Perpetua Almeida. Senhoras e senhores, Discurso de Posse na SEPROD/MD (14/01/2016) Perpetua Almeida Senhoras e senhores, Este Ministério da Defesa diferencia-se dos demais, entre outros aspectos, por ser um Ministério de Estado e como tal,

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

OFICINA III: Desafios na Integração dos Sistemas Governamentais na Geração da Informação de Custos

OFICINA III: Desafios na Integração dos Sistemas Governamentais na Geração da Informação de Custos OFICINA III: Desafios na Integração dos Sistemas Governamentais na Geração da Informação de Custos Coordenação: Viviane Marques (MP) Relatoria: Fernando Barbalho (MF) www.planejamento.gov.br / www.serpro.gov.br

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais