I RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO"

Transcrição

1 IRELATÓRIODEATIVIDADESDAREDEBRASILEIRADE MONITORAMENTOEAVALIAÇÃO PERÍODO:25/6/09A31/08/09 ELABORAÇÃO:MarciaPaternoJopperteHelenaPinheiro 1

2 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO 2.HISTÓRICO 3.OBJETIVOSDAREDE 4.PÚBLICOALVO 5.ATIVIDADESREALIZADASNOPERÍODO 6.RESULTADOSALCANÇADOS 7.PERFILDOSMEMBROSEANÁLISEDASRESPOSTAS 2

3 1.INTRODUÇÃO EsterelatóriotemporobjetivoapresentarasatividadeseosresultadosdaRede Brasileira de Monitoramento e Avaliação no período entre 25/06/09 a 31/08/09. 2.HISTÓRICO Em novembro de 2008 a Fundação João Pinheiro, o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, lançaram a Rede Brasileira de MonitoramentoeAvaliaçãodurantea4ªReuniãodaRededeMonitoramentoe AvaliaçãodaAméricaLatinaeCaribe,constituindoassimoseubraçobrasileiro. AprimeirareuniãodaRedefoirealizadaem26/11/08,quandoforamdefinidos seus objetivos e solicitados a todos os participantes que enviassem uma breve descrição de suas instituições. Foi definido ainda que seria criada uma página específicaparaaredeequeseriarealizadoumseminárionacionalnoprimeiro semestrede2009. Nos dias 25 e 26 de junho de 2009 foi realizado em Belo Horizonte/MG o I SemináriodaRedeBrasileiradeMonitoramentoeAvaliação.Oeventoteveapoio dobancomundial,dafundaçãodeamparoàpesquisadoestadodeminasgerais (Fapemig)edaFundaçãodeDesenvolvimentodaPesquisa(Fundep)etevecomo objetivo apresentar estudos desenvolvidos no país que pudessem ilustrar as diferentes etapas do processo de monitoramento e avaliação de políticas e programas. O seminário teve extensa programação, tendo sido apresentados os seguintes trabalhos: Avaliação como um instrumento para alcançar maior efetividade da Políticasocial:balançoedesafiosparaapróximadécada RicardoPaesde Barros IPEA AcontribuiçãodoPPApaulistaparaaintroduçãodaatividade/avaliação / no processo das políticas públicas Governo do Estado de São Paulo/ SEADE SoniaNahasdeCarvalho PAD MG GovernodeMinasGerais FundaçãoJoãoPinheiro NíciaRaies ProgramaJovensdoFuturo InstitutoUnibanco WandaEngel Pesquisa sobre populações em situação de rua Ministério do DesenvolvimentoSocialeCombateàFome LauradaVeiga ProgramaJuventude GovernodoEspíritoSanto AnaPaulaVescovi Programa de Redução de Pobreza do Panamá Banco Mundial Pedro Olinto 3

4 Avaliação e Monitoramento para o Desenvolvimento Humano Instituto AyrtonSenna TatianaFilgueiras ProgramaBrasilAlfabetizado MinistériodaEducação LauroStocco Avaliação de Resultados e Impactos do Fundo Constitucional de FinanciamentodoNordeste(FNE) BancodoNordeste JâniaSousa A Experiência da Implantação do Modelo Lógico Como Metodologia de AvaliaçãoRápidadeProgramasnoGovernoFederal CilairRodrigues AnálisedaSustentabilidadedasBibliotecasComunitáriasdoProjetoLeré preciso ProjetoEcofuturo MireladeCarvalho AvaliaçãodoProcessodeImplementaçãodoBPC TCU MelchiorSawaya NetoeFábioHenriqueGranjaeBarros Avaliação de Projetos Educacionais de Minas Gerais CEDEPLAR EduardoRios Neto/CristineCamposdeXavierPinto ProgramaEntreJovens BancoMundial JoãoPedroAzevedo ProgramaEscolaIntegrada CEDEPLAR AnaMariaHermeto ProgramaViva Vida FundaçãoJoãoPinheiro KenyaNoronha Oconteúdodetodasasapresentaçõespodeserencontradonositedarede,subgrupoISeminário(acessoapenasparamembros): No dia 25/06/09, após a programação do seminário, foi realizada uma reunião deacompanhamentoparadiscutirosseguintestemas: 1) Definiçãodasinstituiçõesintegrantesdarede Foidecididoqueredeterámembrosdeduascategorias:Instituiçõesepessoas físicas,incluindoestudantes,acadêmicos,pesquisadoreseconsultores. FoisugeridoqueacomissãoorganizadoradaRedecontactasseosparticipantes da 4ª Reunião da Rede de Monitoramento e Avaliação da América Latina e Caribe,afimdeaferirinteressessobreaadesão. 2) Definiçãodeondeseriaopróximoseminário Esta definição ficou em aberto, sendo que há duas instituições candidatas a sediarepromoveroevento:afundaçãoseadeeobancodonordeste(bnb).no entanto,ambosapresentamalgumasrestrições. 4

5 3) ComissãoOrganizadora Foidefinidaacriaçãodeumacomissãoorganizadora,comasseguintesfuncões: definirumaprogramaçãoparaoseminário definiralogísticanecessáriaparaaorganização definirolocalparaarealização Acomissãoéformadapelasseguintesinstituições: 3.1)FundaçãoJoãoPinheiro A Fundação João Pinheiro(FJP) desenvolve um papel central na construção do sistema de Monitoramento e Avaliação(M&A) do Governo do Estado de Minas Gerais, em parceria com o Programa Estado para Resultados (EpR) e com a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão(SEPLAG). Na construção desse sistema de M&A, a FJP realiza atualmente avaliações de quatro Projetos Estruturadores,buscandoabordardiferentesdimensõesdessaspolíticas,porém commaiorfoconamensuraçãodoimpactodessasações.alémdasavaliações,a FJP,dadasuatradiçãoenquantocentrodeestatística,subsidiaoGovernocoma construção de indicadores sócio econômicos, em que se destaca a inovadora medição da Matriz de Insumo Produto para Minas Gerais, além dos boletins de conjuntura econômica que observam o comportamento do PIB estadual, principalmente.apartirde2009,afjptambémrealizaapesquisaporamostra de Domicílios de Minas Gerais(PAD/MG), que dará subsidio para o modelo de gestão por resultados do governo mineiro, com indicadores específicos para regiões de planejamento do Estado, bem como será insumo para diversas pesquisaseestudosdepolíticaspúblicas. Representante:AfonsoHenriquesBorgesFerreira(Presidente) 3.2)BancodoNordestedoBrasil O BNB opera como órgão executor de políticas públicas, cabendo lhe a operacionalização de políticas a exemplo do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), principal fonte de recursos para o desenvolvimentodaregiãonordestedopaís. O FNE, instituído pelo art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal e regulamentado pela Lei nº 7.827, de , tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento econômico e social da Região Nordeste, mediante a execução de programas de financiamento aos setores produtivos, em consonância com o respectivo plano regional de desenvolvimento. Os recursos do Fundo são provenientes de 1,8% da arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados e são aplicados, pelo BNB, em programasdecréditoparafomentodossetoresprodutivosdaregião. 5

6 O BNB considera de extrema relevância a realização da avaliação do FNE, oportunidadeparaseconhecerosimpactosdecorrentesdofinanciamentosobo ponto de vista econômico e social, em termos de geração de emprego e renda, para a Região Nordeste. Ademais, este momento possibilita prestar contas à sociedadeacercadeumprogramainstituídopelaconstituiçãofederal,alémde avaliaraprópriaatuaçãodobancoemrelaçãoaofundo. Representante:JaniaMariaPinhoSousa 3.3)FundaçãoSEADE A Fundação Seade especializou se na última década em criar ou aprimorar metodologias e ferramentas para formulação, monitoramento e avaliação de políticaseprogramaspúblicos particularmenteosdecortesocial. Relacionadasaseguir,asatividadesdesenvolvidaspelainstituiçãonessecampo forneceminsumosdecisivosparaasdiferentesfasesdoprocesso,trazendoàluz seusimpactosepermitindoeventuaiscorreçõesderumos. Produção,análiseeorganizaçãodeinformaçõesparacaracterizaredimensionar o fenômeno objeto de intervenção. Destaca se, nesta fase, a caracterização do perfil sociodemográfico de populações alvo, seu dimensionamento e concentraçãoespacial. Geração de insumos para formatação da estratégia a ser adotada, isto é, o próprio desenho do programa. Envolve subsídios para determinar o marco lógico, com a definição clara e precisa dos objetivos gerais e específicos do programa, unidades de avaliação, instrumentais e medidas que retratem o empregoeagestãodosrecursosexigidosparaalcançarseusobjetivos. Produção de instrumentais e ferramentas informatizadas de registro e organização de informações, visando monitorar a eficiência da alocação operacional de recursos humanos, físicos e financeiros diante das metas previstas. Produção de indicadores e outros subsídios que possibilitam avaliar a eficácia do programa, por meio da mensuração dos resultados alcançados, e sua efetividade,emtermosdosimpactosgerados.ressaltam seaquiosesforçosda FundaçãoSeadenacoletadeinformaçõesprimáriasenageraçãodeindicadores relevantes, confiáveis e, sobretudo, passíveis de atualização periódica, capazes deretratarmudançasdecorrentesdaintervençãodosetorpúblico. Representante:SoniaNahasdeCarvalho 6

7 3.4)BancoMundial Representantes:JoãoPedroAzevedoeJohnNewman 3.5)AgênciaBrasileiradeAvaliação AAgênciaBrasileiradeAvaliaçãoéumambientedeprocessamentoedivulgação de conhecimento e de informações, dedicado ao tema da avaliação.é uma organizaçãonãogovernamental,semfinslucrativoscommodalidadeassociativa, ecomumaagendamultisetorial. Tem por objetivo geral introduzir a avaliação como instrumento de apoio aos processos decisórios de formulação e reformulação de políticas, programas, projetos e modelos de gestão, promovendo um ciclo de aprendizado que aprimorecontinuamentesuaefetividade. Comoobjetivosespecíficos: Identificar oportunidades de avaliação e mobilizar atores para viabilizá las, articulandoademandaeaoferta; Criarreferênciasmetodológicasemavaliação; Promover a Gestão do Conhecimento em avaliação, por meio da coleta, consolidaçãoedivulgaçãodemetodologiaseexperiênciasnaárea; Criaremanterumaredesocialdedicadaaotemadaavaliação; Promoveraformaçãoprofissionalemavaliação; Reconhecerepremiarmelhorespráticasdeavaliação; Divulgareventos,informaçõesenotíciasrelacionadosaotemadaavaliação;e Angariarparceirosdetodosossetores(pessoasjurídicasefísicas)queapóiem oprojeto,naformadeassociados,financiadoresoucolaboradores. Representante:MárciaPaternoJoppert(DiretoraGeral) 4)Discussãosobrequemseriaopatrocinadoreondeestariaancoradaem termosinstitucionaisarede Estaquestãoficoutambémindefinida,apesardeserdeextremaimportância. 7

8 5)Estratégiadecomunicação Foireiteradaanecessidadeapontadanareuniãodenovembrode2008dequea Rede se valeria de um site, a ser providenciado pela Agência Brasileira de Avaliação,queseriaoprimeiroinstrumentodetrocadeinformaçõesentreseus membros. Deveriaserinicialmentepublicadonositeoconteúdodossemináriosrealizados emnovembroeemjunhodesteano. 3.OBJETIVOSDAREDE A iniciativa da formação da Rede tem como objetivo disseminar a cultura de M&A no Brasil por meio da promoção do intercâmbio de experiências e da divulgação das metodologias e instrumentos disponíveis para a avaliação e monitoramento,formandoumacomunidadeedesenvolvendocapacidades. 4.PÚBLICOALVO Atores públicos e privados com atuação no campo do M&A de organizações, políticas,programaseprojetos,incluindo:gestores,pesquisadores,consultores, professores, estudantes, estudiosos e organizações financiadoras, promotoras e avaliadoras,bemcomooutrasredesafins. 5.ATIVIDADESREALIZADASNOPERÍODO 5.1CriaçãodeumWebsite O website da rede(http://redebrasileirademea.ning.com) foi criado na própria noite do dia 25/06/09. Foi concebido a partir dos conceitos de internet 2.0, e suportadoporumaplataformatecnológicadenominada"ning".estaplataforma decomunidadesdigitaispermitecriarredessociaiseédeusogratuito. Asprincipaisfuncionalidadesdaplataformaselecionadasão: Possibilidadedepublicarnotíciaspormeiodeumblog Possibilidadedecriarfórunsdediscussão Possibilidadedecriarsub grupos PossibilidadedepublicareventosecursosrelacionadosaotemaM&A Filiação com ingresso autorizado pelo administrador, por meio da criação de umperfilindividualouinstitucional Possibilidadedeanexararquivos Interfaceamigável(defáciloperação) 8

9 Visualmenteatrativo 5.2CriaçãodeumCadastro Com o objetivo de conhecer melhor os membros da rede, e de dirigir as suas estratégiasdeacordocomasexpectativaseinteressesdogrupo,foicriadoum cadastro 1 com informações mais detalhadas do que a plataforma ning solicita paraacriaçãodeumperfil. O cadastro se sub divide em dois questionários: um voltado para instituições e outrovoltadoparapessoasfísicas. A fim de facilitar o preenchimento, a compilação e a análise das informações, optou se pela utilização de uma ferramenta eletrônica, denominada QuestionPro 2. Osformuláriospodemseracessadosnosseguinteslinks: pessoasfísicas:http://redebrasmea pessoas.questionpro.com instituiçõesuseolink:http://redebrasmea instituicoes.questionpro.com 5.3Convites Os potenciais membros começaram a ser convidados no dia 19/07/09 quando foi finalizada a programação dos questionários eletrônicos do QuestionPro, dandoinícioaousoefetivodowebsite. Primeiramente, foram convidados os participantes da 2a reunião da Rede, realizada em 25/06/09. Em segundo lugar, os participantes da 1a reunião da Rede, realizada em novembro de Em terceiro lugar, foram convidados todososparticipantesdoisemináriodarede,realizadoem25e26/06/09.em quarto lugar (na medida do possível, pois não foram registrados todos os endereços eletrônicos), foram convidados os participantes da 4ª Reunião da RededeMonitoramentoeAvaliaçãodaAméricaLatinaeCaribe.Porúltimo,foi selecionadoumgrupodepessoascompotencialinteressenotema.ospróprios membros que foram se filiando também convidaram outras pessoas com potencialinteresse,funcionalidadetambémpermitidapelaplataforma"ning". 1AelaboraçãodocadastroteveapoiodaequipedoBancoMundial,nafiguradeJoãoPedro AzevedoeJohnNewmanedascolaboradorasHelenaPinheiro(SERPRO)eMariaAliceBueno Accorsi(MinistériodasCidades). 2http://www.questionpro.com 9

10 O único critério exigido para tornar se membro por meio do acesso ao site é preencherocadastro. 6.RESULTADOSALCANÇADOS 6.1AcessosàPágina Por meio do uso da ferramenta Google Analytics, foi possível inscrever o endereço eletrônico da Rede e monitorar seus acessos. Os resultados estão apresentadosnosgráficosabaixo: Comosepodeobservar,apáginaalcançou50acessospordia.Ográfico2abaixo mostra informações relativas ao uso da página. Chama a atenção o número acumulado de 523 visitas em 3185 acessos a sub páginas. É interessante tambémnotaropercentualdemembrosquevoltamàpágina,ouseja,66,16%. 10

11 6.2PerfildosVisitantes Conformegráficosacima,onúmerodevisitantesfoide177,sendo70,75%por tráficodiretoe29,25%atravésdereferênciasdeoutrossites. 11

12 Com relação à localização geográfica, 95,2% dos visitantes têm sua origem no Brasil. Mas, observa se visitantes originários de outros 5 países. Dessas, 18 são dochileque,coincidentemente,estámontandoumarededeavaliação,levandoa crer que a Rede Brasileira pode ser uma referência para outros países. As pessoas que estão montando a rede chilena chegaram a pedir ajuda da animadora da Rede que forneceu todo suporte possível para que os passos chilenos fossem trilhados conforme os brasileiros. Para tanto, foram realizadas diversasreuniõesviaskype. 6.3InformaçõesPublicadas Foram publicadas no período 22 mensagens pelo BLOG e 5 eventos/cursos nacionaiseinternacionais. 6.4ConvitesEncaminhadosxMembros Foram convidados pela animadora cerca de 350 pessoas. Alguns membros tambémconvidaramoutrosaparticipar. Dos convidados, 209 pessoas e 54 instituições acessaram o cadastro, 152 pessoas e 31 instituições iniciaram seu preenchimento e 89 pessoas e 16 instituições completaram o preenchimento. Registraram se no site, ou seja, criaramumperfilnapáginadarede,até31/08/09,85pessoase16instituições. Noentanto,esterelatórioconsideraqueonúmerodemembroséoequivalente aonúmerodeelementosquepreencheramocadastro,ouseja,89pessoase16 instituições.contamos,portanto,atéomomentocom105membros. 12

13 7.PERFILDOSMEMBROSEANÁLISEDASRESPOSTAS Combasenocadastrorealizado,foramfeitasdiversasanálisesapresentadasnos gráficosabaixo: 7.1ParticipantesInstitucionais a)tipodeinstituição O gráfico acima demonstra uma predominância equilibrada de instituições públicas e privadas sem fins lucrativos(44% cada), sendo que o setor privado comfinslucrativosrepresentaomenorpercentual(12%)dosparticipantes. b)distribuiçãoporestado O gráfico abaixo demonstra a distribuição dos membros institucionais por UnidadedaFederação: 13

14 Observa se que o DF e SP estão predominantemente representados, o que demonstraumforteinteresseentreosrepresentantesdogovernofederaledo Estado de São Paulo. Em seguida, vêem MG e ES, com representação praticamenteequivalente,seguidosde2estadosdaregiãonordeste. Umaanáliseporregião,demonstraumarepresentatividadedaregiãosudestede 49%,docentro oestede36%edaregiãonordestede15%. c)interesseemáreasdomonitoramentoeavaliação Quandosubmetidosàquestãoabaixo: "Em quais das seguintes áreas do Monitoramento e Avaliação sua organização tem especial interesse? (é possível selecionar mais de uma alternativa) Diagnósticos: bases de dados e pesquisas que baseiem formulação de políticas, planos, programas e projetos (como pesquisas de amostras de domicílios) Avaliação ex ante: modelos lógicos e desenhos estratégicos de políticas, planos, programas e projetos Sistemas e indicadores de monitoramento Estrutura para Acompanhamento e Avaliação Avaliação de processos ou avaliação intermediária Avaliações de Resultado Avaliações de Impacto Feed backs a partir de resultados de avaliação Estratégias de comunicação em avaliações Desenhos de contratações externas de avaliações (elaboração de termos de referência e editais e orientação em processos licitatórios) " 14

15 As respostas foram as seguintes: d)expectativassobreoconteúdodarede Aoseremsubmetidosàseguintequestão: " Que tipo de conteúdo gostaria de ver na Rede? Informações e notícias em geral sobre M&A de Políticas, Programas e Projetos Públicos Informações e notícias em geral sobre M&A de Programas e Projetos do Terceiro Setor Registros de Experiências em M&A Publicações e estudos sobre M&A Eventos na área de M&A Cursos e Capacitações na área de M&A no Brasil Cursos e Capacitações na área de M&A no exterior Outros (explicar)" As respostas foram as seguintes: 15

16 16 7.2ParticipantesIndividuais a)formação Os resultados demonstram que 62% dos membros individuais têm pós graduacão, sendo que, dentre eles, o maior grau obtido está apresentado no gráficoabaixo:

17 b)áreadeatuação O gráfico acima demonstra uma predominância da área pública entre os membros individuais. No entanto, a área privada tem considerável representação.émuitosaudáveltambémapresençadeestudantes,indicadorde potencialinteresseemdesenvolvimentodecapacidades. 17

18 c)distribuiçãoporestado O gráfico abaixo demonstra a distribuição percentual dos membros individuais porunidadedafederação: Observa se que o MG e DF estão predominantemente representados (72%), o quedemonstraumforteinteresseentreosrepresentantesdogovernofederale do Estado de Minas Gerais, onde se misturam representantes do governo do Estado,daPMdeBeloHorizonteedasuniversidadesmineiras.Emseguida,vêem RSeSP,comrepresentaçãopraticamenteequivalente(8%),seguidosdeRN,ESe RJ. Há também uma representação internacional com origem no Chile e nos EstadosUnidos. Uma análise regional resulta numa representação predominante da região sudeste(60%)seguidadaregiãocentro oeste(22%). d)interesseemáreasdomonitoramentoeavaliação Quandosubmetidosàquestãoabaixo: "Em quais das seguintes áreas do Monitoramento e Avaliação sua organização tem especial interesse? (é possível selecionar mais de uma alternativa) Diagnósticos: bases de dados e pesquisas que baseiem formulação de políticas, planos, programas e projetos (como pesquisas de amostras de domicílios) Avaliação ex ante: modelos lógicos e desenhos estratégicos de políticas, planos, programas e projetos Sistemas e indicadores de monitoramento Estrutura para Acompanhamento e Avaliação 18

19 Avaliação de processos ou avaliação intermediária Avaliações de Resultado Avaliações de Impacto Feed backs a partir de resultados de avaliação Estratégias de comunicação em avaliações Desenhos de contratações externas de avaliações (elaboração de termos de referência e editais e orientação em processos licitatórios) " As respostas foram as seguintes (em número de ocorrências): d)expectativasdeconteúdodarede Aoseremsubmetidosàseguintequestão: " Que tipo de conteúdo gostaria de ver na Rede? Informações e notícias em geral sobre M&A de Políticas, Programas e Projetos Públicos Informações e notícias em geral sobre M&A de Programas e Projetos do Terceiro Setor Registros de Experiências em M&A Publicações e estudos sobre M&A Eventos na área de M&A Cursos e Capacitações na área de M&A no Brasil Cursos e Capacitações na área de M&A no exterior Outros (explicar)" 19

20 As respostas foram as seguintes: Ográficoacimamostraque,antesdetudo,osmembrosqueremestarinformados sobreoestadodaartedomonitoramentoeavaliaçãonosetorpúblico.mostra também um grande interesse em desenvolver capacidades no tema, pelo alto númeroderespostasnasopções"publicaçõeseestudos","eventos"e"cursose capacitaçõesnobrasil". e)áreasdeinteresseespecíficas Quando perguntados sobre o interesse em um setor específico, as respostas foramasrepresentadasnográficoaseguir: 20

21 Osresultadosdemonstramumacoincidênciaentreosdoissetoresmaiscitados (educação e saúde) e os setores mais desenvolvidos no Brasil em termos de avaliação. Este fator é positivo à medida em que aumenta as possibilidades de ofertapelarededeinformaçõesnessessetoresespecíficos. Além disso, é interessante analisar em conjunto os setores que podem ser considerados como "sociais" (iluminados em azul marinho). A soma de seus percentuais resulta em 63%, caracterizando a demanda da rede como uma demandadaáreasocialeambiental(9%). 21

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

Desafíos de la Gestión Pública para el Desarrollo en América Latina y el Caribe

Desafíos de la Gestión Pública para el Desarrollo en América Latina y el Caribe Desafíos de la Gestión Pública para el Desarrollo en América Latina y el Caribe Fortaleciendo la evaluación y planificación de programas y políticas: Colaboración entre pares y redes Márcia P Joppert Agência

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

MODELO LÓGICO DE UM PROJETO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM DOENÇA FALCIFORME PARA PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

MODELO LÓGICO DE UM PROJETO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM DOENÇA FALCIFORME PARA PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO ESTADO DE MINAS GERAIS MODELO LÓGICO DE UM PROJETO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM DOENÇA FALCIFORME PARA PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO ESTADO DE MINAS GERAIS José Nélio Januário; André Luiz Freitas Dias; Heloísa de

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento.

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento. A Genzyme do Brasil ( Genzyme ) torna pública a abertura do Edital 001/2015 para o Programa de Apoio aos Projetos de Associações de Pacientes ( PAPAP ) e define o processo seletivo para o ano de 2016,

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS:

CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS: III Congresso Consad de Gestão Pública CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS: MAIOR EFICIÊNCIA E ECONOMIA PARA A GESTÃO PÚBLICA E SUAS CONTRATAÇÕES Renata Maria Paes de Vilhena Emilia Guimarães Painel

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 UGP Nº 002/ 2012. 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1 Contratante A Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 006/2011 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: WEB O Projeto BRA/06/032 comunica que estará

Leia mais

WEB SITE e BANCO DE DADOS sobre a Restauração da Mata Atlântica. 1o. Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 17 de Novembro de 2009

WEB SITE e BANCO DE DADOS sobre a Restauração da Mata Atlântica. 1o. Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 17 de Novembro de 2009 WEB SITE e BANCO DE DADOS sobre a Restauração da Mata Atlântica Pedro S. Castro Secretário Executivo TEL: (11) 2232-5728 / 2232-2963 E-mail: secretariaexecutiva@pactomataatlantica.org.br 1o. Encontro Paulista

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP

Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP a) OBJETIVO DA PROPOSTA A Pró-reitoria Acadêmica (PRAC), dando continuidade às ações para consolidação da pesquisa

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Impacto dos investimentos no setor de Etanol PROPOSTA

Estudo de Caso sobre o Impacto dos investimentos no setor de Etanol PROPOSTA Estudo de Caso sobre o Impacto dos investimentos no setor de Etanol PROPOSTA 1. Justificativas 1.1. Gerais Lugar privilegiado que a produção de Etanol vem ocupando nas estratégias de desenvolvimento do

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Edital nº 05 / 2015. ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania

Edital nº 05 / 2015. ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania Edital nº 05 / 2015 ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania O Programa Polos de Cidadania da Faculdade de Direito da UFMG faz saber que até 16 de junho de 2015 receberá inscrições

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DOS MODELOS DE COMPRAS ESTADUAIS Grupo de trabalho Metodologia BID ENAP Modelo colaborativo de construção e desenvolvimento do projeto com grupo multidisciplinar

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine Mapeamento dos Produtores Audiovisuais do Rio Grande do Sul Audiovisual 2013 Porto Alegre 2013

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Linhares/ES

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Linhares/ES EDITAL 01/2015 DE CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS SOCIAIS CMDCA LINHARES/ES. O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA/Linhares ES no uso das atribuições legais que lhe confere

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

Brasília, 18.11.2010

Brasília, 18.11.2010 Brasília, 18.11.2010 1 COREMEC (2006) Comitê de Regulação e Fiscalização dos Mercados Financeiro, de Capitais, de Seguros, de Previdência e Capitalização. Grupo de Trabalho: setor privado (membros auxiliares

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

NOTA TÉCNICA 33 2012

NOTA TÉCNICA 33 2012 NOTA TÉCNICA 33 2012 Proposta de regulamentação da base nacional de dados das ações e serviços do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no SUS Assembleia do CONASS de 17 outubro de 2012 Brasília,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Panorama da Avaliação. de Projetos Sociais de ONGs no Brasil

Panorama da Avaliação. de Projetos Sociais de ONGs no Brasil Panorama da Avaliação de Projetos Sociais de ONGs no Brasil Realização Parceria Iniciativa Este documento foi elaborado para as organizações que colaboraram com a pesquisa realizada pelo Instituto Fonte,

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS

CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Estratégia: Articulação interinstitucional

Estratégia: Articulação interinstitucional CGDIS/DATASUS/SE/MS Antecedentes Sistemas, bases de dados e fontes de informação (saúde e outros setores) Disponibilidade na Internet Limitações: cobertura, qualidade, integração e comparabilidade Uso

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Índice Apresentação...2 Público-alvo...2 Plataformas utilizadas: Ning...3 Twitter...4 Facebook...5

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes

Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes O que é o Instituto C&A? Organização sem fins lucrativos que investe em educação Foi criada pelos acionistas da C&A em 1991 Missão Promover a

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS EGRESSOS

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS EGRESSOS FFACERB - FFACULLDADE CENECISTTA DE RIO BONITTO ENTIDADE MANTENEDORA: CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE Credenciada pela Portaria 57/09 MEC Publicada no D.O.U. em 14/01/2009 Av. Sete de Maio,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009. Regulamento O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR 1 Função no Projeto Realização de diagnóstico de necessidades

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA

Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8 às 20

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

Manual de conduta em mídias sociais: o caso da Embrapa

Manual de conduta em mídias sociais: o caso da Embrapa 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública Manual de conduta em mídias sociais: o caso da Embrapa Daniel Medeiros daniel.medeiros@embrapa.br @dnmedeiros fb.com/dnmedeiros

Leia mais

Política de Associação

Política de Associação Política de Associação Constam a seguir as orientações e os termos que definem a relação entre os associados e a Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 1. Informações Gerais A Rede Brasileira de

Leia mais

Investimento. Privado no Brasil. tendências, desafios e potencialidades. organização: Fábio Deboni

Investimento. Privado no Brasil. tendências, desafios e potencialidades. organização: Fábio Deboni Investimento Social Privado no Brasil tendências, desafios e potencialidades organização: Fábio Deboni 1ª edição Brasília DF 2013 Maria Cecília Prates Rodrigues Aspectos centrais a serem considerados para

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej

InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej amentopraticainformaçãopesquisaplanejamentopraticainformaçãopesquisaplanejamentopraticainformação PesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPrat

Leia mais

Avaliação de Projetos Sociais

Avaliação de Projetos Sociais Avaliação de Projetos Sociais Alice DiGam alicedigam@gmail.com h"p://www.fatosdesconhecidos.com.br/quantas- cores- sera- que- voce- enxerga- faca- o- teste- e- descubra/ 20 20-32 33-39 Da Avaliação Quando

Leia mais

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE A Direção Geral da Faculdade Independente do Nordeste, com vistas à chamada para seleção de alunos para o Programa Ciência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, na pessoa de seu Presidente, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA COORDENAÇÃO ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA Ministério Público - Procuradoria Regional dos Direitos

Leia mais

Também organizamos eventos, seminários, palestras e encontros, de acordo com as possibilidades e necessidades dos nossos associados.

Também organizamos eventos, seminários, palestras e encontros, de acordo com as possibilidades e necessidades dos nossos associados. APRESENTAÇÃO O FDJUR - Fórum de Departamentos Jurídicos tem como objetivo disseminar modelos e ferramentas de gestão para o mercado jurídico empresarial e incentivar os associados ao estudo, desenvolvimento,

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Mercantil do Brasil: retendo clientes pelo atendimento nas redes sociais

Mercantil do Brasil: retendo clientes pelo atendimento nas redes sociais Mercantil do Brasil: retendo clientes pelo atendimento nas redes sociais Os bancos nas redes sociais Os bancos, assim como grande parte das empresas, vêm se tornando cada vez mais presentes nas redes sociais,

Leia mais