O Brasil na Região e no Mundo: Percepções da Comunidade Brasileira de Política Externa. Amaury de Souza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Brasil na Região e no Mundo: Percepções da Comunidade Brasileira de Política Externa. Amaury de Souza"

Transcrição

1 O Brasil na Região e no Mundo: Percepções da Comunidade Brasileira de Política Externa Amaury de Souza Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) 2008

2 ÍNDICE Sumário Executivo Agradecimentos 1. Introdução 2. O Brasil e o Sistema Internacional 3. Prioridades da Agenda Internacional 4. Economia Internacional 5. Integração Regional 6. Segurança e Política Internacional 7. Política Externa e Representação de Interesses 8. Apêndices 2

3 SUMÁRIO Em duas oportunidades, 2001 e 2008, o CEBRI realizou amplas pesquisas sobre as relações internacionais do Brasil. Em ambos os casos, o objetivo foi conhecer as avaliações e preferências da comunidade de política externa quanto aos principais temas da agenda brasileira. O que diferenciou os dois trabalhos foi a maior abrangência temática do primeiro, preocupado em apreender de maneira compreensiva o pensamento internacional brasileiro, ao passo que o segundo tratou especificamente de aspectos estratégicos da inserção brasileira na América do Sul. A metodologia utilizada foi a mesma nos dois projetos: aplicação de um questionário a integrantes destacados da comunidade de política externa e entrevistas mais extensas com alguns deles. A expressão comunidade brasileira de política externa designa o universo constituído por pessoas que participam do processo decisório ou contribuem de forma relevante para a formação da opinião no tocante às relações internacionais do país. Compreende portanto não só integrantes do Executivo e do Legislativo, mas também representantes de grupos de interesse, líderes de organizações não-governamentais, acadêmicos, jornalistas e empresários com atuação na esfera internacional. O Brasil e o Sistema Internacional A política externa brasileira ganhou contornos mais definidos e afirmativos na virada do século 20 para o 21. A quase totalidade dos entrevistados (97%) concorda que o país deve aumentar o seu envolvimento e ter presença mais ativa no que toca a questões internacionais. Consolidou-se também a percepção de que a nossa presença internacional cresceu em importância nos últimos dez anos (85%) e deverá crescer ainda mais nos próximos dez (91%). Os entrevistados prevêem que os outros três BRICs - China (97%), Índia (94%) e Rússia (63%), assim como a África do Sul (57%), aumentarão também a sua projeção na ordem mundial, compartilhando o poder que os Estados Unidos (61%), o Japão (59%) e a Alemanha (54%) detêm atualmente. As tendências acima indicadas foram antevistas pela comunidade de política externa em 2001, mas não de forma tão pronunciada. Nos seis anos decorridos desde a primeira pesquisa, a percepção da importância futura da China manteve-se 3

4 elevadíssima (96% e 97%, respectivamente, mas a da Índia subiu de 73% para 94%, a do Brasil de 88% para 91%, a da Rússia de 49% para 63%, e a África do Sul de 39% para 57%. Por outro lado, os entrevistados avaliaram que as atuais grandes potências dificilmente terão mais poder daqui a 10 anos do que têm hoje ; consideram mais provável que elas preservem a posição atual. A expectativa de que a Alemanha terá mais poder caiu de 64% para 28%, os Estados Unidos, de 49% para 15%, e o Japão, de 29% para 16%. Nos últimos seis anos, a formação de alianças no sentido Sul-Sul tornou-se um dos eixos prioritários da estratégia externa do Brasil 1. Todavia, não existe consenso quanto ao alinhamento Sul-Sul no que diz respeito à inserção do país na economia internacional. Um terço dos entrevistados (31%) prefere priorizar negociações comerciais com os países da América do Sul e economias em desenvolvimento fora da região, como a China, Índia e África do Sul; quase outro terço (26%) prefere aproximar-se dos países desenvolvidos do Norte, como a União Européia, os Estados Unidos e o Japão. Cumpre ressaltar que a maioria (41%) prefere trabalhar nessas duas linhas ao mesmo tempo. Prioridades da Agenda Internacional No topo da hierarquia dos países considerados vitais para os interesses do Brasil, permanecem a Argentina e os Estados Unidos (com ligeira queda de 96% para 95% e de 99% para 94%, respectivamente) e a China (que subiu de 82% para 92%). Caiu, no entanto, a percepção da importância de aliados tradicionais: a Inglaterra (de 59% para 41%), Alemanha (76% para 59%), França (67% para 50%), Espanha (63% para 46%) e Japão (62% para 54%). No sentido contrário, aumentou sensivelmente a percepção de interesses vitais nos países vizinhos, com destaque para Bolívia (de 57% para 81%), Colômbia (62% para 69%) e Venezuela (não mencionada na primeira sondagem, recebeu 78% das menções na segunda). Entre os países de menor relevância para o Brasil destacam-se Cuba, Coréia do Sul, Indonésia, Irã e Israel. 1 Passaram também à condição de eixos prioritários a ampliação do Mercosul, uma atuação intensa na Organização Mundial do Comércio (OMC) com foco na 4

5 Entre possíveis ameaças, três são atualmente consideradas críticas pela maioria dos entrevistados: o aquecimento global (65%), o tráfico internacional de drogas (64%) e o protecionismo comercial dos países ricos (50%). Outras ameaças, consideradas críticas por um grande número mas não pela maioria dos entrevistados, incluem o surgimento de governos ditatoriais na América do Sul (48%), o contrabando de armas pequenas e armamentos leves (46%), a internacionalização da Amazônia (46%), a corrida armamentista na América do Sul (40%) e o aumento de países com armas nucleares (39%). Cumpre igualmente salientar um forte aumento na percepção de que o Brasil é capaz de defender os seus interesses no contexto da globalização econômica. O ineditismo e as proporções dessa mudança podem ser aferidos pela diferença de percepções quanto à ameaça representada pelo protecionismo comercial dos países ricos (que caiu de 75% para 50%), pela desigualdade econômica e tecnológica entre o Norte e o Sul (de 64% para 38%) e pelo poder econômico dos Estados Unidos (de 39% para 15%). Em relação à inserção brasileira na economia internacional, as duas pesquisas permitem traçar um quadro de substancial continuidade. A maioria dos entrevistados continua a atribuir importância às negociações multilaterais de comércio e a ver de maneira positiva uma crescente inserção brasileira na economia internacional. Em 2001, o cerne de nossa agenda internacional tinha a ver com a economia mundial; na de 2008, o aumento de nossa participação nos mercados mundiais continua prioritário, haja vista o apoio de 42% à promoção de nova rodada de liberalização do comércio exterior do Brasil. Para bem apreciar a significação desta última cifra, é mister lembrar que dois dos objetivos classificados como prioritários pelos entrevistados em 2001 foram atingidos. São eles: promover o comércio exterior e reduzir o déficit comercial do país, apontado por 73% dos entrevistados, e apoiar nova rodada de negociações na Organização Mundial do Comércio, por 55%. De uma lista de dezoito objetivos de política externa, nove foram considerados como de extrema importância pela maioria dos entrevistados na pesquisa deste ano. Desses nove, cinco se referem à atuação do Brasil na América conclusão da Rodada Doha e a reforma do Conselho de Segurança da ONU a fim 5

6 do Sul: garantir a democracia na região (74%), integrar a infraestrutura de transportes, energia e telecomunicações (70%), fortalecer a liderança regional do Brasil (65%), atuar em conjunto com países vizinhos na defesa e na proteção da Amazônia (57%) e fortalecer o Mercosul (54%). No balanço geral, os objetivos contextualizados na América Latina foram colocados num patamar de importância mais alto em 2008 que em A única e preocupante exceção é o fortalecimento do Mercosul (que caiu de 64% para 54% das respostas). Três outros objetivos considerados de extrema importância são a defesa do meio ambiente (62%), o combate ao tráfico internacional de drogas (61%) e a ampliação de acordos de cooperação em ciência e tecnologia (57%). A distribuição das respostas mostra que dois outros são altamente controversos: a reivindicação de assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (considerado muito ou extremamente importante por 58%, contra a opinião de 42%) e o controle e redução da imigração ilegal para o país (54% contra 46%). Economia Internacional No início da década, eram ainda muito contrastadas as opiniões sobre a abertura da economia: 67% tinham-na como benéfica, contra 23% que a viam como prejudicial. Na pesquisa de 2008, as proporções respectivas são 88% e 4%, sugerindo que a avaliação positiva da competição internacional tornou-se virtualmente unânime num curto período de seis anos. Em 2001, instados a escolher apenas uma opção no tocante ao comércio exterior, 31% dos entrevistados manifestaram preferência por negociações multilaterais, 59% por diferentes esquemas de regionalismo econômico e 4% por acordos bilaterais. Entre os que optaram por esquemas de regionalismo econômico, 21% preferiam o Mercosul, 17% a América do Sul, 16% a ALCA e 5% o acordo Mercosul-União Européia. Em 2008, 28% mantiveram-se favoráveis ao multilateralismo. Entre os esquemas regionais, ficou em 15% a preferência pela integração sul-americana e em 6% a parcela simpática ao acordo Mercosul-União Européia; ALCA e Mercosul murcharam para 4% e 9%, respectivamente. Na preferência pelo bilateralismo houve um sensível aumento de 4 para 13%. de conquistar um assento permanente. 6

7 Em relação à ALCA, no início da década a maioria (61%) dos entrevistados considerou factível um acordo, com a condição de serem eliminados os subsídios e barreiras não-tarifárias que limitam o acesso brasileiro ao mercado norte-americano. Consoante se esperava, uma parte dos entrevistados acredita hoje que o Brasil perdeu uma grande oportunidade (40%) e outra parte que ele se livrou de uma grande risco (35%). O sucesso das exportações brasileiras de commodities agrícolas colocou a abertura da economia sob nova luz. Atualmente, 41% declaram aceitar a abertura do mercado doméstico para serviços e importações industriais e adotar uma posição mais flexível no que concerne a investimentos e propriedade intelectual, por exemplo, em troca de benefícios no comércio agrícola. Mas 47% preferem continuar a exigir a eliminação de barreiras ao comércio agrícola sem renunciar aos mecanismos de proteção da produção nacional ou à possibilidade de implementar políticas industriais autônomas. Integração Regional A comparação entre os dois levantamentos evidencia o forte desgaste do projeto Mercosul. Em 2001, a quase totalidade (91%) dos entrevistados via benefícios no acordo, posição hoje sustentada por uma maioria menos expressiva (78%). Acreditava-se também que o Mercosul era necessário para aumentar o poder de barganha do Brasil em negociações internacionais (72%). Em 2008, praticamente a metade (49%) afirma que o Brasil tem peso próprio para negociar, sendo de apenas 38% a parcela que valoriza o apoio do Mercosul. Variações dignas de nota podem também ser percebidas no que tange ao formato do Mercosul. A maioria (52% em 2001, 51% hoje) continua a apoiar a transformação do Mercosul em mercado comum, ao estilo da União Européia. No entanto, somente um em cada quatro concordam em mantê-lo como união aduaneira (a proporção caiu de 43% para 25%). Na outra ponta, aumentou cinco vezes (de 4% para 21%) o número dos que preferem reduzí-lo a uma área de livre comércio. Ampliar o Mercosul com base na adesão dos países da América do Sul continua a ser uma opção ainda majoritária (52% em 2001; 54% hoje). Aumentou, por outro lado, o apoio ao aprofundamento (de 28% para 37%) e encolheu de 17% 7

8 para 7% o grupo dos que julgam possível aprofundá-lo e ampliá-lo ao mesmo tempo. Neste aspecto, um ponto particularmente espinhoso é a eventual admissão da Venezuela. Indagados quanto à posição que o Congresso Nacional deve tomar em relação ao Protocolo de Adesão, 37% sugeriram a aprovação, 15% a rejeição e 41% a protelação sine die de tal voto. Quanto ao alcance da integração da América do Sul, há apoio de dois terços (65%) para uma integração profunda, com vistas à promoção do desenvolvimento e à redução de assimetrias econômicas e da cooperação política nos campos político, social, ambiental, tecnológico e cultural, e de um terço (33%) para uma integração seletiva, concentrada no comércio, investimentos e infra-estrutura de transportes e comunicações. Em qualquer caso, uma maioria robusta (73%) condiciona eventuais acordos do Brasil com países sul-americanos à inclusão de disciplinas sobre propriedade intelectual, proteção aos investimentos, liberalização de serviços e compras governamentais. Duas outras questões de alta importância na agenda regional são a integração energética e as assimetrias econômicas entre países. Construir um mercado integrado de energia na região, com marcos regulatórios estáveis e infraestrutura adequada para o transporte é a opção apoiada pela maioria (51%). Contudo, preocupados com a segurança energética, um terço (37%) prefere que o Brasil comercialize recursos de energia internacionalmente, mas sem abandonar a busca da auto-suficiência. No que concerne à superação das assimetrias econômicas existentes - ponto nevrálgico na agenda de integração regional -, as respostas distribuem-se entre aumentar a competitividade dos países menores ou mais pobres (35%), incentivar empresas dos países mais desenvolvidos da região a investirem nos mais pobres (26%), eliminar entraves às exportações dos países mais pobres dentro da região (20%) ou implementar simultaneamente todas essas opções (17%). Segurança e Política Internacional Contribuir para a manutenção da paz e da segurança coletiva são objetivos tradicionais do Brasil. Sem embargo da bem sucedida missão de paz no Haiti, o apoio à participação brasileira em operações dessa natureza caiu de 88% em

9 para 74% em Caiu também (de 76% para 54%) o apoio à demanda de assento permanente no Conselho de Segurança das ONU. Com vistas á reorganização das Forças Armadas, a maioria dos entrevistados considera de extrema importância a integração das estratégias das Forças Singulares sob o comando do Ministério da Defesa (66%), a destinação de maiores recursos ao adestramento e à capacitação intelectual (62%), assim como ao reaparelhamento e à modernização tecnológica (55%). Nessa área, as medidas mais controversas são a substituição do serviço militar obrigatório pelo voluntariado (considerada de muita ou extrema importância por 43% e de pouca ou nenhuma importância por 54%), a capacitação das Forças Armadas para garantir a lei e a ordem (53% contra 46%), a preparação de pessoal para missões de paz (55% contra 45%), a integração militar da América do Sul (62% contra 37%) e o desenvolvimento da indústria bélica nacional (65% contra 35%). Na agenda multilateral, destacam-se entre os novos temas o meio ambiente e a mudança climática. A coordenação internacional das ações de proteção ambiental contava com o apoio de 74% dos entrevistados em 2001, cifra diminuída para 66% na pesquisa deste ano. Uma nítida maioria (81% em 2001; 90% hoje) entende ser de todos os países, não só dos mais industrializados, a responsabilidade de reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa. Como decorrência direta ou indireta dessas preocupações, o apoio a cláusulas de proteção de direitos trabalhistas e meio ambiente em acordos de livre comércio mais que dobrou entre a primeira e a segunda pesquisas (31% em 2001, 66% em 2008). Política Externa e Representação de Interesses Durante o primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a política externa do governo abriu numerosas frentes de atuação, sem condições de dedicar a atenção necessária a todas elas, do que advieram negativas da parte dos formadores de opinião e mesmo de titulares de funções públicas. Embora sejam em geral positivas, as opiniões sobre a política externa do atual governo apresentam-se mais polarizadas que as registradas em 2001 a respeito da política do presidente Fernando Henrique Cardoso. Em 2001, 62% avaliavam a política externa como ótima ou boa, contra 12% que a consideravam ruim ou péssima. No governo Lula, os percentuais são 46% e 21%, respectivamente. 9

10 No tocante à representação de interesses, o quadro que emerge das pesquisas sugere uma queda no nível de atenção dado pelo Itamaraty a opiniões e propostas de interlocutores isto tanto no caso de interlocutores situados em outros setores do próprio governo ou no de interlocutores externos. No caso de outros ministérios do governo federal, a percepção de que o Itamaraty dá a eles muita atenção caiu de 57% em 2001 para 36% hoje. A mesma tendência declinante pode ser observada em relação aos meios de comunicação (46% para 30%), associações empresariais (49% para 39%), opinião pública (28% para 21%) e organizações nãogovernamentais (18% para 14%). A atenção concedida ao Congresso Nacional foi percebida como estável no nível de 30%, e ascendente em relação aos sindicatos de trabalhadores (6% para 11%) e a universidades e centros de estudo (14% para 18%). Tradicionalmente, a política externa tem sido atribuição exclusiva do Poder Executivo, cabendo ao Congresso Nacional apenas ratificar as decisões tomadas. Em 2001, 54% dos entrevistados recomendavam negociação prévia com o Congresso, a fim de limitar a margem de arbítrio do Executivo, contra 46% favoráveis à manutenção da existente divisão de papéis e prerrogativas. A pesquisa de 2008 registra uma inversão: a maioria (54%) defendendo as prerrogativas do Executivo contra um terço (38%) preconizando uma maior participação do Congresso Nacional. 10

11 AGRADECIMENTOS O presente estudo, tal como o que foi realizado pelo CEBRI em 2001, deve sua existência às pessoas que acederam a ser entrevistadas e se dispuseram a compartilhar suas idéias. A todas reiteramos os nossos agradecimentos. Poder Executivo Embaixador Celso Amorim, Ministro das Relações Exteriores Ministro Nelson Jobim, Ministro da Defesa General-de-Exército Enzo Martins Peri, Comandante do Exército Tenente-Brigadeiro do Ar Cleonilson Nicácio Silva, Chefe do Estado Maior de Defesa do Ministério da Defesa Professor Marco Aurélio Garcia, Assessor-Chefe da Presidência da República e Conselheiro do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) Dr. Ivan João Guimarães Ramalho, Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Dr. Paulo Vieira da Cunha, Diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central do Brasil Dr. Welber Barral, Secretário de Comércio Exterior, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Dra. Lytha Battiston Spíndola, Secretária Executiva da Câmara de Comércio Exterior, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Dra. Miriam Barroca, Diretora de Defesa Comercial, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Dr. Antônio Sérgio Martins Veloso, Superintendente da Zona Franca de Manaus Embaixador Sérgio Serra, Embaixador Especial para Mudanças Climáticas Embaixador Luis Augusto Castro Neves, Embaixador do Brasil na República Popular da China Embaixador Luiz Felipe Seixas Corrêa, Embaixador do Brasil na Alemanha Embaixador Gelson Fonseca, Cônsul-Geral do Brasil em Madri 11

12 Embaixador José Alfredo Graça Lima, Cônsul-Geral do Brasil em New York General Rômulo Bini, Secretário de Estudos e de Cooperação do Ministério da Defesa General Maynard Marques Santa Rosa, Secretário de Política, Estratégia e Assuntos Internacionais do Ministério da Defesa General Sérgio W. Etchegoyen, Comandante da Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME) Embaixador Afonso José Sena Cardoso, Diretor do Departamento de Integração do Ministério das Relações Exteriores Embaixador Jorge d Escragnolle Taunay Filho, Subsecretário-Geral da América do Sul do Ministério das Relações Exteriores Ministro Clemente Baena Soares, Diretor do Departamento da América do Sul do Ministério das Relações Exteriores Ministro Evandro Didonet, Diretor do Departamento de Negociações Internacionais do Ministério das Relações Exteriores Ministro Ademar Seabra da Cruz, Chefe do Setor de Cooperação Acadêmica, Científica e Tecnológica da Embaixada do Brasil em Montevidéu Conselheiro José Luis Machado e Costa, Assessor Especial do Ministério da Defesa Dr. Jorge Calvário dos Santos, Professor, Escola Superior de Guerra Dra. Laura Maria Correa de Sá Ferreira, Professor, Escola Superior de Guerra Dr. Claudio Marin Rodrigues, Instrutor, Escola de Guerra Naval Dr. Claudio Rodrigues Corrêa, Instrutor, Escola de Guerra Naval Congresso Nacional Senado Senador Heráclito Fortes (DEM-PI) Presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional do Senado Federal Senador Jarbas Vasconcelos, (PMDB-PE), Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional 12

13 Senador Eduardo Suplicy, (PT-SP), Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Senador Flávio Arns, (PT-PR), Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Senador João Evangelista da Costa Tenório, (PSDB-AL), Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Senador Neuto de Conto (PMDB-SC), Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul Senador Virgínio de Carvalho, (PSC-SE), Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Senador Jefferson Perez, (PDT-AM), Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul Senador João Raimundo Colombo, (DEM-SC), Comissão de Assuntos Econômicos Câmara dos Deputados Deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Ex-Presidente da Câmara dos Deputados, Membro Titular da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara de Deputados e Conselheiro do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) Deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), Membro Titular da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara de Deputados Deputado José Genoino (PT-SP), Ex-Membro Titular da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara de Deputados Deputado Antônio Carlos Pannunzio, (PSDB - SP), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara de Deputados Deputado Carlito Mess, (PT-SC), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Luis Carlos Hauly, (PSDB-PR), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional 13

14 Deputado Raul Jugman, (PPS-PE), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Flávio Bezerra, (PMDB-CE), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado José Francisco Paes Landim, (PMDB-PI), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Eduardo Benedito Lopes, (PSB-RJ), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Décio Nery de Lima, (PT-SC), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Florisvaldo Fier, (Dr. Rosinha, PT - PR), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado George Hilton dos Santos Cecílio, (PP MG), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Deputado Matteo Rota Chiara, (DEM-RS), Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul Deputado Pedro Novais Lima, (PMDB-MA), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional Líderes Empresariais, Sindicais e de Organizações Não-Governamentais Líderes Empresariais Dr. Paulo Antônio Scaf, Presidente, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) Dr. Paulo Roberto de Godoy Pereira, Presidente, Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB) Dr. Edmundo Klotz, Presidente, Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABIA) Dr. Ciro Mortella, Presidente, Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica (FEBRAFARMA) 14

15 Dr. Benedicto Fonseca Moreira, Presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) Dr. José Augusto Coelho, Diretor Executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Francisco Sérgio de Assis, Presidente, Conselho das Associações de Cafeicultores do Cerrado (CACCER) Dr. Marcos Sawaya Jank, Presidente da União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (UNICA) Dr. Synésio Batista da Costa, Presidente, Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (ABRINQ) Dr. Luis Cesário Amaro da Silveira, Presidente, Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER) Dr. Paulo Manuel Potassi, Presidente, Associação Brasileira de Empresas Trading (ABECE) Dr. Alberto Pfeifer, Diretor Executivo, Conselho de Empresários da América Latina (CEAL Embaixador Rubens Antônio Barbosa, Presidente do Conselho Superior de Comércio Exterior da FIESP e da Rubens Barbosa & Associados Dr. Frederico Arana Meira, Coordenador de Negociações Internacionais, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) Dr. Rodrigo Tavares Maciel, Secretário Executivo, Conselho Empresarial Brasil- China (CEBC) Dr. José da Rocha Pinto, Presidente, Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro (SIMPERJ) Almirante Armando Amorim Ferreira Vidigal, Assessor para Assuntos Internacionais, Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima (SYNDARMA) Dr. Reinaldo Antônio Gonçalves, Consultor Econômico, Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (ELETROS) Líderes Sindicais 15

16 Sr. João Felício, Secretário de Relações Internacionais, Central Única dos Trabalhadores (CUT) Sr. Sérgio Luiz Leite, Primeiro Secretário, Força Sindical Sr. Kjeld Aargaard Jacobsen, Presidente, Instituto Observatório Social Líderes de Organizações Não-Governamentais Sr. João Pedro Stedile, Diretor Nacional, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e Via Campesina Dr. Pedro Claudio Cunca Bocayuva, Diretor, Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional (FASE) Dra. Maria Helena Tachinardi, Diretora de Comunicação, Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ICONE) Dr. Haroldo Mattos de Lemos, Presidente, Comissão Nacional Independente sobre os Oceanos e Comitê Brasileiro do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Instituto Brasil PNUMA) Dra. Jacqueline Pitanguy, Diretora, Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação (CEPIA) Dr. Roberto Iglesias, Diretor, Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES) e Consultor da Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (FUNCEX) Dr. Renato Bauman, Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe no Brasil (CEPAL) Dr. Roberto Fendt, Vice-Presidente, Instituto Liberal Luiz Fernando Antônio, Presidente, ICEX - Instituto de Estudos das Operações de Comércio Exterior Dr. Pedro da Mota Veiga, Diretor, Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES) Dr. Edgard Pereira, Economista-Chefe, Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI) 16

17 Dra. Sandra Polônia Rios, Diretora, Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES) Dr. Antônio Gomes da Costa, Presidente, Real Gabinete Português de Leitura Empresários Dr. Raymundo Magliano Filho, Presidente, Bolsa de Valores de São Paulo Dr. Oziris Silva, Presidente do Conselho de Administração, Heltter Business Solution Dr. Carlos Mariani Bittencourt, Presidente, BBM - Petroquímica da Bahia Dom Eudes de Orleans e Bragança, Presidente, Vulcan Material Plástico Dr. Gilberto Prado, Presidente, Renor Refinaria do Nordeste Dr. Antônio Tadeu Coelho Nardocci, Presidente, Novelis do Brasil Dr. Joseph M. Tutundjian, Presidente, Winner Comércio Internacional Dr. Maílson da Nóbrega, Sócio-Diretor, Tendências Consultoria Dr. Raul Anselmo Randon, Presidente, Fras-Le S.A. Ministro Marcílio Marques Moreira, Sócio-Diretor, Conjuntura e Contexto Dr. Otacílio José Coser, Presidente do Conselho de Administração, Coimex Internacional Dr. Guido Orlando Greipel, Presidente, Famossul Indústria e Comércio de Móveis Dr. Roberto Luiz Fernandes Celano, Diretor Presidente, Tradewell do Brasil Dr. Joel Korn, Presidente, WIK Brasil Serviços Hélio Graciosa, Presidente, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) Ingo Plöger, Presidente, IP Desenvolvimento Empresarial e Institucional Dr. José Rubens Spada, Diretor Presidente, Unnafibras Dr. Henrique Rzezinski, Vice-Presidente de Relações Externas, Embraer Dr. Tito Botelho Martins, Diretor Executivo de Assuntos Corporativos e Energia da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) Dr. Lysias Augusto Magalhães Dantas Iltapicuru, Presidente, Lysias Itapicurú 17

18 Dr. Carlos Eduardo Lins da Silva, Diretor, Patri Relações Governamentais & Políticas Públicas Dr. Darc Antonio da Luz Costa, Presidente da DLC Desenvolvimento, Logística e Cenários Dra. Alida Maria Fleury Bellandi, Vice-Presidente, Guarany Dr. Ricardo Sennes, Sócio-Diretor, Prospectiva Dr. Adriano José Pires Rodrigues, Diretor, Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE) Dra. Alejandrina Silvia Dominguez, Relações Internacionais, Petrobras Dr. Renato Amorim, Diretor de Relações Internacionais, Vale Dr. Tomás Málaga, Economista-Chefe, Banco Itaú Dra. Ana Carla Ferraz, Gerente de Exportação, Vertical Br Dra. Camila Ferreira Mation, Assessora de Relacões com Investidores e Planejamento Estratégico, Eternit S.A. Dra. Patrícia de Oliveira e Silva, Assessora, Rexam Beverage Can Americas Dra. Renata Bley, Assessora de Relações Governamentais, Rodhia Brasil Dr. Carlos Eduardo Cruz de Souza Lemos, Gerente de Relações Governamentais, DaimlerChrysler do Brasil Acadêmicos e Jornalistas Acadêmicos Professor Hélio Jaguaribe de Mattos, Decano do Instituto de Estudos Políticos e Sociais (IEPES) Embaixador Sérgio Silva Amaral, Diretor do Instituto de Estudos Internacionais e do Centro de Estudos Americanos da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) Professora Maria Regina Soares de Lima, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) 18

19 Professor Marcelo Abreu, Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) Professor José Augusto Guilhon de Albuquerque, Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (NUPRE-USP) Professora Mônica Hirst, Universidad Torcuato di Tella Professor Oliveiros Ferreira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC- SP) e Programa de Estudos Pós-Graduados da FFLCH da Universidade de São Paulo. Professora Letícia de Abreu Pinheiro, Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (IRI-PUCRJ) Professor Paulo Roberto de Almeida, Centro Universitário de Brasília (UNICEUB) Dr. Paulo Sotero, Diretor, Brazil Institute, Woodrow Wilson International Center for Scholars Professora Maria Hemínia Tavares de Almeida, Universidade de São Paulo (USP) Professor Eliezer Rizzo de Oliveira, Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Professor Edmar Lisboa Bacha, Instituto de Estudos de Política Econômica Casa das Garças (IEPE/CdG) Professor Antônio Jorge Ramalho, Diretor, Centre d'etudes Brésiliennes, Haïti, e Professor, Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília Professora Amália Inês Garaiges de Lemos, Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo (PROLAM/USP) Professor Cesar Guimarães, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) Professor Benício Vieira Schmidt, Centro de Pesquisa e Pós-graduação sobre a América Latina (CEPPAC) da Universidade de Brasília (UNB) Professor Jorge Zaverucha, Núcleo de Estudos de Instituições Coercitivas da Universidade Federal de Pernambuco 19

20 Professor Marcus Faro de Castro, Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UNB) Professor João Bosco Mesquita Machado, Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Professor Octávio Amorim Neto, Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro (FGV- RJ) Professor Henrique Carlos de Oliveira Castro, Centro de Pesquisa e Pós-graduação sobre as Américas (CEPPAC) da Universidade de Brasíila (UNB) Professor Cláudio Couto, Departamento de Ciência Política da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Professor Bernardo Sorj, Centro Edelstein de Pesquisas Sociais Professor Paulo-Edgar Almeida Rezende, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e membro titular do Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais Professor Salvador Razza, Centro de Tecnologia, Relações Internacionais e Segurança (CETRIS) Professor Wanderley Messias da Costa, Universidade de São Paulo Professor Renato Galvão Flôres Jr., Fundação Getúlio Vargas Jornalistas Jornalista Antônio Carlos Pereira, O Estado de São Paulo Jornalista Cristiano Romero, Valor Econômico Jornalista Eliane Cantanhede, Folha de São Paulo Jornalista Merval Pereira, O Globo Jornalista Heródoto Barbeiro, Rádio CBN Jornalista José Roberto Burnier, TV Globo Jornalista Hélio Schwartzman, Folha de São Paulo Jornalista Sérgio Leo, Valor Econômico Jornalista Kennedy Alencar, Folha de São Paulo Jornalista Ariosto Teixeira, Valor Econômico 20

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2010

RELATÓRIO Nº, DE 2010 RELATÓRIO Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 64, de 2010 (Mensagem 69, de 25/2/2010, na origem), do Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Relato Ciclo de Palestras com David Shambaugh

Relato Ciclo de Palestras com David Shambaugh Relato Ciclo de Palestras com David Shambaugh China Goes Global: the partial power Assessing China s relation with Latin America China: the challenges of the new leadership RJ, DF e SP, 13 a 15 de maio

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y humanidades relações exteriores y Gosto pela diplomacia Cresce o interesse de brasileiros pelos rumos da política externa Carlos Haag Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam que o país está

Leia mais

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015)

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) O modelo de desenvolvimento da era Lula o tripé composto por

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2013

RELATÓRIO Nº, DE 2013 RELATÓRIO Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 10, de 2013 (nº 28, de 1º de fevereiro de 2013, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 - Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 Apresentação: O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011)

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Seminário 09 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Objetivo: Em consonância com a Política Externa do Governo Federal de Integração

Leia mais

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Samuel Pinheiro Guimarães postado em: 26/04/2014 Integração regional e acordos de livre comércio 1. A conveniência da participação

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 China pode vetar reforma do Conselho de Segurança O governo brasileiro não considerou um problema diplomático a ameaça chinesa

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, UNIVERSIDADE E MERCADO DE TRABALHO

GLOBALIZAÇÃO, UNIVERSIDADE E MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZAÇÃO, UNIVERSIDADE E MERCADO DE TRABALHO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais, Diversões e Espetáculos Públicos JUNHO/2000 2 2000

Leia mais

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias Resenha Desenvolvimento Rúbia Rodrigues 17 de novembro de 2009 Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para

Leia mais

Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública. Cooperação Sul-Sul em saúde vis-à-vis os processos de integração regional RELATÓRIO

Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública. Cooperação Sul-Sul em saúde vis-à-vis os processos de integração regional RELATÓRIO Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Sul-Sul em saúde vis-à-vis os processos de integração regional RELATÓRIO Marco Aurélio A. Torronteguy 1. Apresentação O presente relatório

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

INSERÇÃO INTERNACIONAL: FORMAÇÃO DE CONCEITOS BRASILEIROS 1

INSERÇÃO INTERNACIONAL: FORMAÇÃO DE CONCEITOS BRASILEIROS 1 RESENHA Bookreview INSERÇÃO INTERNACIONAL: FORMAÇÃO DE CONCEITOS BRASILEIROS 1 Diego Marques Morlim Pereira 2 Em Inserção internacional: formação de conceitos brasileiros, o professor Amado Cervo aborda

Leia mais

As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna

As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna BRICS Monitor As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna Maio de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 93, de 2011 (Mensagem nº 212, de 17/06/2011, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente 224 NOTAS Notas Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente VICENTE FOX QUESADA A política exterior mexicana atravessa atualmente um período de renovação estreitamente vinculado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Proposta N o 87 Dezembro/Fevereiro de 2000/2001

Proposta N o 87 Dezembro/Fevereiro de 2000/2001 A Alca e a Renúncia ao Desenvolvimento Fátima V. Mello 1 1 Assessora da Área de Relações Internacionais da FASE e mestre em Relações Internacionais (IRI-PUC/RJ). Alguns argumentos contidos neste artigo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de política internacional, intercâmbio internacional de experiências em políticas de desenvolvimento rural e atividades de cooperação

Leia mais

Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração de Lula?

Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração de Lula? Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração de Lula? Análise Desenvolvimento Patrícia Eler Seide 19 de Maio de 2010 Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração

Leia mais

1 A programação do evento está reproduzida no final.

1 A programação do evento está reproduzida no final. II Conferência Nacional de Política Externa e Política Internacional O Brasil e o Mundo que vem aí Palácio Itamaraty Rio de Janeiro - 5 e 6 de novembro de 2007 Organização: Fundação Alexandre de Gusmão

Leia mais

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Disciplina de Geografia Área de ciências humanas Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Porto Alegre 2014 Com o final da União Soviética, a queda do Muro de Berlim, sabemos que apenas um

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann Meio Ambiente no Mercosul 1 Introdução e Objetivos O Mercado Comum do Cone Sul foi criado em 1992 com a ratificação

Leia mais

CONFERENCIA E LANÇAMENTO DO CCGI COMO WTO CHAIR

CONFERENCIA E LANÇAMENTO DO CCGI COMO WTO CHAIR CONFERENCIA E LANÇAMENTO DO CCGI COMO WTO CHAIR OS RUMOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL Data: Quinta 11/09/2014 Local: Auditório da FGV Av. 9 de Julho 2029 Das 9h00 as 17h00 O superávit do

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: REALIDADE S. P. E. BRASILEIRA PROFESSOR: CARLOS ALEX BRIC BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001, pelo economista Jim O'Neill, chefe de

Leia mais

BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS

BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS Nota Informativa Executivo Federal BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS Em 15/12/2010, o Ministério da Fazenda (MF) divulgou

Leia mais

Relato Almoço com Embaixador Valdemar Carneiro Leão

Relato Almoço com Embaixador Valdemar Carneiro Leão Relato Almoço com Embaixador Valdemar Carneiro Leão SP, 09 de abril de 2013 Agradecemos o apoio da PwC pela parceria na realização deste evento. O Conselho Empresarial Brasil China (CEBC) realizou, no

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço de confraternização com os Oficiais-Generais das Forças Armadas

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço de confraternização com os Oficiais-Generais das Forças Armadas Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço de confraternização com os Oficiais-Generais das Forças Armadas Quartel General do Exército Brasília-DF, 20 de dezembro de 2012 Boa tarde

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas Aviso n.º 6326/2003 (2.ª série). O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas faz publicar por círculos

Leia mais

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Ensaios em Comércio Internacional 2

Ensaios em Comércio Internacional 2 INTRODUÇÃO Na introdução à primeira coletânea de artigos do ABCI, Ensaios em Comércio Internacional, além das referências de praxe sobre os artigos publicados, falei da importância de dar a devida atenção

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

Aumentar a fonte Diminuir a fonte

Aumentar a fonte Diminuir a fonte 1 de 6 31/01/2014 23:46 Aumentar a fonte Diminuir a fonte SOMOS CINCO - Líderes dos países integrantes dos Brics em reunião na China, em 2011, que marcou a entrada da África do Sul Crédito: Roberto Stuckert

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos PPGEST Título da Disciplina:

Leia mais

Diálogo para o fomento da Democracia Social

Diálogo para o fomento da Democracia Social A FRIEDRICH-EBERT-STIFTUNG NAS REGIÕES AMÉRICA LATINA E CARIBE Diálogo para o fomento da Democracia Social IDÉIA E MISSÃO No séc. XXI, política de desenvolvimento será sinônimo de política da paz. A Divisão

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

A opção brasileira por relações internacionais no âmbito Sul-Sul 1.

A opção brasileira por relações internacionais no âmbito Sul-Sul 1. Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: Hemisfério Sul e Brasil LARI Fact Sheet Abril de 2011 A opção

Leia mais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise Segurança / Desenvolvimento Vinícius Alvarenga 29 de outubro de 2004 1 Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO MILITAR NO SUL DA AMÉRICA LATINA i ADRIANA A. MARQUES PPG-USP Dois processos são fundamentais para

Leia mais

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS Ivan Tiago Machado Oliveira* 1 INTRODUÇÃO Abrangendo grupos de empresas que proveem infraestrutura econômica básica, infraestrutura financeira e social e

Leia mais

Agenda. Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas

Agenda. Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas Agenda Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas O objetivo do Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas é promover excelência no desenvolvimento de capacitação

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2015

RELATÓRIO Nº, DE 2015 RELATÓRIO Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem Presidencial nº 39, de 2015 (Mensagem nº 188, de 28/5/2015, na origem), que submete à apreciação do Senado Federal,

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

Seminário Internacional e Workshop para Jornalistas. Novos Caminhos para a integração Regional: o projeto da UNASUL

Seminário Internacional e Workshop para Jornalistas. Novos Caminhos para a integração Regional: o projeto da UNASUL Seminário Internacional e Workshop para Jornalistas Novos Caminhos para a integração Regional: o projeto da UNASUL Por Daniel Edler Organizada pela Fundação Konrad Adenauer, em parceria com a Universidade

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais