As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna"

Transcrição

1 BRICS Monitor As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna Maio de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

2 BRICS Monitor As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna Maio de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

3 As Mudanças na Política Externa do Governo Dilma e a Multipolaridade Benigna Introdução Uma nova expressão para designar a orientação da política externa brasileira foi anunciada pelo atual Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota. A multipolaridade benigna ou multipolaridade da cooperação e inclusiva se caracteriza por reconhecer a existência de uma estrutura multipolar de poder no mundo. O objetivo político deve ser guiado para tornar esta multipolaridade mais cooperativa, diferente da característica competitiva que predominou nos períodos históricos precedentes às 1ª e 2ª Guerra Mundiais. A multipolaridade não deve ser confundida com o multilateralismo. A primeira se trata de uma estrutura de poder oposta, por definição, à unipolaridade que é a hegemonia de um pólo de poder sobre o sistema internacional, e à bipolaridade - competição entre dois pólos de poder hegemônicos no sistema internacional. Esta estrutura de poder compreende diversos (três ou mais) pólos no sistema internacional e pode ser de caráter competitivo ou cooperativo, como busca caracterizar o novo paradigma de política externa brasileira. A China, por exemplo, pode ser considerado um pólo de poder, assim como a União Europeia e os Estados Unidos. O multilateralismo, por sua vez, refere-se à forma de atuação dos países dentro de uma estrutura de poder no sistema internacional, seja ela unipolar, bipolar ou multipolar. O conceito caracteriza a atuação conjunta dos países no sistema internacional, em oposição ao unilateralismo, que seria a atuação isolada e arbitrária de um determinado país. As organizações internacionais, como a OMS (Organização Muncial da Saúde), a OMC (Organização Mundial do Comércio) e a ONU (Organização das Nações Unidas) são exemplos de fóruns multilaterais, dado que neles os países atuam e tomam decisões em conjunto. Do ponto de vista da política externa de um país, o multilateralismo diz respeito à decisão de atuar no sistema internacional por meio destes fóruns, em vez de atuar isoladamente. A introdução do paradigma da multipolaridade benigna traz consigo outras mudanças para a condução da política externa brasileira que não somente o reconhecimento de uma estrutura de poder multipolar e a busca de uma multipolaridade cooperativa. Segundo o Ministro Patriota, em entrevista à Revista Veja, continuar não é repetir, numa clara alusão às mudanças já iniciadas por ele e a Presidente Dilma no campo da política externa. Patriota foi um colaborador muito próximo do antigo chanceler, Celso Amorim, atuando principalmente na embaixada brasileira em Washington entre 2007 e 2009 e como Secretário-Geral do Itamaraty em seguida. Devido a esta proximidade e participação na formulação da política externa do governo Lula, seria difícil mudar radicalmente as bases de atuação, mas algumas revisões já estão sendo feitas. Para Patriota, o foco na cooperação sul-sul foi uma característica marcante do governo anterior e que não será descartada. No entanto, o desenvolvimento da cooperação sul-sul não deverá ocorrer em detrimento da relação com as grandes potências. Esta é uma das mudanças que ele aponta para a política externa do governo Dilma. A mudança que mais tem chamado a atenção, segundo o colunista da Veja, Ricardo Setti, é o foco da Presidente Dilma nos 3

4 direitos humanos. Em entrevista, a Presidente fez crítica aberta à omissão brasileira de votar sobre a questão iraniana no Conselho de Direitos Humanos da ONU. De fato, no último dia 24 o Brasil votou a favor do envio de um inspetor da ONU para investigar possíveis violações de direitos humanos no Irã, confirmando o discurso de que seria dada prioridade aos assuntos de direitos humanos na nova gestão da política externa brasileira. Os especialistas têm reconhecido os pontos de mudança na política externa brasileira, como a manutenção das relações sul-sul com a reaproximação aos países do norte e o discurso de defesa dos direitos humanos. No entanto, Ricardo Seitenfus chama atenção para o fato de o Brasil ter se abstido na votação do Conselho de Segurança sobre a intervenção na Líbia. Segundo ele, que já chefiou o escritório da OEA no Haiti, o Brasil não acreditou no argumento das grandes potências de ir à Líbia para defender os direitos humanos em uma intervenção humanitária e por isso preferiu não intervir. Isso dá indício de coerência e legitimidade na área dos direitos humanos, em que a política externa prioriza a sua defesa, mas não aceita armações para forjar intervenções humanitárias com outros interesses velados. Para a professora Gabriela Mezzanotti, outra novidade na política externa brasileira é a mudança de postura na sua condução, atribuindo a ela mais impessoalidade, diferente do governo Lula. Para ela, a política da Dilma muda a ideia de pessoalidade que o governo Lula tinha. Acredita mais nas instituições e no direito internacional. Isto significa uma busca por credibilidade e demonstra a aspiração do país a passar por cima de identidades ideológicas e de personalismos. Segundo a diplomacia brasileira, a mudança de posição com relação ao Irã, ao votar a favor do envio do relator especial, é coerente, apesar de nos últimos dez anos ter ocorrido o voto oposto. Esta mudança de posição se justificaria, segundo o professor Hermílio dos Santos Filho, da PUC-RS, devido à avaliação de que a posição anterior não vinha dando certo. Para ele, esta não é uma política externa diferente, mas que percebe como a postura de se alinhar acriticamente a governos autoritários e que desrespeitam os direitos humanos não vinha alcançando os objetivos desejados pela diplomacia brasileira. Na verdade, estava gerando efeito contrário ao trazer para o Brasil a má vontade das maiores potências democráticas. Cristina Pecequillo concorda com a ideia de que o voto a favor do envio do relator é uma mudança positiva na política externa brasileira e totalmente coerente com o que tinha sido proposto por Dilma em discurso. O professor Flávio Rocha de Oliveira, por outro lado, acredita ser precipitado para dizer que houve uma mudança importante na política externa brasileira. Seria preciso aguardar o desenrolar dos fatos. O antigo Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, discorda da coerência desta medida, não com relação ao plano de governo da atual administração, mas sobre as violações de direitos humanos que ocorrem no mundo: se quisermos ser absolutamente coerentes, temos que mandar um relator especial para o Irã, outro para Guantánamo, outro para ver a situação dos imigrantes na Europa. Se você for agir dessa maneira, eu até poderia ser a favor, mas acontece que não é assim. Outro ponto importante destacado por Amorim para discordar do voto brasileiro é a ruptura na possibilidade de diálogo ao entrar numa política condenatória. Com todas estas mudanças: a introdução da multipolaridade benigna, a alteração da política de cooperação sul-sul que continua privilegiando os países em desen- 4

5 volvimento, mas sem ignorar os desenvolvidos, a prioridade à defesa dos direitos humanos e a condução mais impessoal da política externa, e dadas as opiniões que concordam ou discordam da coerência dessas mudanças, fica claro que em apenas três meses de mandato a Presidente Dilma Roussef já mostrou ao mundo que não é uma sombra do ex- -presidente Lula e que buscará formular uma política externa mais alinhada às suas próprias ideias. Além disso, há fortes indícios de que ela passará para a esfera institucional e burocrática a condução da política externa, uma vez estabelecidos os princípios básicos, dentre os quais, a defesa contundente dos direitos humanos é o que mais se destacou até então. Essa condução mais institucionalizada da política externa é um forte contraponto ao modo como o ex-presidente Lula a conduzia. 1 mundo/ patriota-e-dilma-lancam-multipolaridade-benigna.shtml 2 arttext&pid=s a01v29n1.pdf 4 antonio-patriota-a-politica-sul-sul-e-prioridade.html 5 tag/antonio-patriota/ 6 -externa-defesa-dos-direitos-humanos-diferencia-dilma-de-lula-dizem-especialistas/ php?option=com_content&view=article&id= 3880:dilma-muda-politica-externa-brasileira- -e-pela-primeira-vez-em-10-anos-brasil- -vota-contra-interesses-do-ira&catid=125- :geral&itemid= externa-defesa-dos-direitos-humanos-diferencia-dilma-de-lula-dizem-especialistas/ noticia/voto+do+brasil+contra+ir A+PROVOCA+POLEMICA+SOBRE+NO VA+POLITICA+EXTERNA+DO+GOVER NO_10708.shtml Referências 5

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y humanidades relações exteriores y Gosto pela diplomacia Cresce o interesse de brasileiros pelos rumos da política externa Carlos Haag Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam que o país está

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa Conferência Os Estados Unidos e a Ordem Internacional 30 Setembro a 01 Outubro 2004 Auditório da FLAD, Lisboa Os Limites da Esperança: Kerry e a Política Externa dos Estados Unidos João Marques de Almeida

Leia mais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise Segurança / Desenvolvimento Vinícius Alvarenga 29 de outubro de 2004 1 Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise

Leia mais

Veto a embaixador expõe dependência da Defesa com Israel, diz Amorim

Veto a embaixador expõe dependência da Defesa com Israel, diz Amorim Veto a embaixador expõe dependência da Defesa com Israel, diz Amorim Por Patrícia Campos Mello O mal estar causado pela decisão do governo brasileiro de postergar indefinidamente a aprovação do novo embaixador

Leia mais

A política externa do governo Lula: entre a ideologia e o pragmatismo

A política externa do governo Lula: entre a ideologia e o pragmatismo A política externa do governo Lula: entre a ideologia e o pragmatismo Análise Desenvolvimento Daniel Peluso Rodrigues da Silva 15 de Abril de 2010 A política externa do governo Lula: entre a ideologia

Leia mais

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim PATRÍCIA CAMPOS MELLO DE SÃO PAULO 22/02/2015 02h00 Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável",

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 24.11.2006 SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 'A EUROPA DO FUTURO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS' A Europa cada vez é mais requisitada no mundo em todos os domínios: cooperação

Leia mais

BPC Policy Brief. Monitor: O caminho para Nova Déli? A reforma do FMI, a sucessão no Banco Mundial e o banco do BRICS

BPC Policy Brief. Monitor: O caminho para Nova Déli? A reforma do FMI, a sucessão no Banco Mundial e o banco do BRICS Junho, 2012 BPC Policy Brief - V. 2 N. 46 BPC Policy Brief Monitor: O caminho para Nova Déli? A reforma do FMI, a sucessão no Banco Mundial e o banco do BRICS Diego Santos Vieira de Jesus Sobre o BRICS

Leia mais

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra 2 a EDIÇÃO Renan Flumian Coordenador da obra NOS CONCURSOS DA DIPLOMACIA E CHANCELARIA 1 a FASE 1.200 QUESTÕES COMENTADAS Wander Garcia coordenador da coleção SUMÁRIO SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 15 01.

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Relações Internacionais Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou

Leia mais

MENSAGEM N o 355, DE 2004

MENSAGEM N o 355, DE 2004 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 355, DE 2004 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba A INFLUÊNCIA DA CHINA NA ÁFRICA SETENTRIONAL E MERIDIONAL Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011 Henrique Altemani de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade

Leia mais

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente 224 NOTAS Notas Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente VICENTE FOX QUESADA A política exterior mexicana atravessa atualmente um período de renovação estreitamente vinculado

Leia mais

ESTADOS UNIDOS versus ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS: UMA RELAÇÃO DE FORÇA, PODER E INTERESSE

ESTADOS UNIDOS versus ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS: UMA RELAÇÃO DE FORÇA, PODER E INTERESSE ESTADOS UNIDOS versus ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS: UMA RELAÇÃO DE FORÇA, PODER E INTERESSE Micheli Lima de Fontes, 5º período A Organização das Nações Unidas (ONU) foi criada baseada na jusfilosofia

Leia mais

A Cooperação Sul-Sul como Estratégia de Política Externa Brasileira: análise dos governos Lula e Dilma

A Cooperação Sul-Sul como Estratégia de Política Externa Brasileira: análise dos governos Lula e Dilma A Cooperação Sul-Sul como Estratégia de Política Externa Brasileira: análise dos governos Lula e Dilma Autoria: Danielle Regina Ullrich, Bibiana Volkmer Martins, Rosinha Machado Carrion Resumo: Inserido

Leia mais

As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica

As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica Guilherme Gondin Ozias, 5º período No decorrer do dia, lendo o jornal ao acordar, acessando a internet ou assistindo televisão, nos deparamos com noticias

Leia mais

Para muitos, parece o samba de uma nota só.

Para muitos, parece o samba de uma nota só. > Diplomacia A permanência do assento permanente Os 90 anos da atuação do Brasil na Liga das Nações ajudam a refletir sobre a demanda atual do país pela reforma da ONU Para muitos, parece o samba de uma

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 1 Exercícios 13/05/14

Gerenciamento de Riscos em Projetos Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 1 Exercícios 13/05/14 Gerenciamento de Riscos em Projetos Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 1 Exercícios 13/05/14 1 Gerenciamento de Riscos em Projetos - Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Exercício O gerente de projeto

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

Especificidades da Área de Saúde

Especificidades da Área de Saúde Cooperação Internacional para o Desenvolvimento: Especificidades da Área de Saúde Curso de Atualização a Distância Brasília, setembro de 2015. 1 Sumário 1. Programa... 2 1.1. Apresentação e justificativa...

Leia mais

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DEBATE O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DUARTE CALVÃO A guerra do Golfo eclodiu há cerca de um ano. Nessa altura esteve em Lisboa o professor Mohamed Benbouta, economista, cientista político, docente

Leia mais

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO Pela primeira vez desde 1984 uma das grandes figuras da política moderna no Brasil, Luis Ignácio Lula da Silva, não será candidato a

Leia mais

Entrevista com o Ministro Celso Amorim

Entrevista com o Ministro Celso Amorim Entrevista com o Ministro Celso Amorim Acordo nuclear com o Irã atrasou três anos, diz ministro Celso Amorim O ministro da Defesa, Celso Amorim, afirma que o acordo sobre energia nuclear alinhavado em

Leia mais

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 1. Introdução... 3 1.1. Orientações Gerais... 3 2. Principais Objetivos... 4 3. Direcionadores Estratégicos... 4 4. Ações realizadas...

Leia mais

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO A cafeicultura brasileira, vitimada por longo período de preços baixos, empreendeu um esforço imenso para tornar-se mais eficiente e ganhar competitividade.

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

Carta de Convivência da Fundação Dom Cabral

Carta de Convivência da Fundação Dom Cabral Carta de Convivência da Fundação Dom Cabral Mensagem de Abertura Elaborada na sua primeira versão em 2006, a Carta de Convivência da FDC expressa o compromisso da instituição com a transparência e com

Leia mais

A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África

A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África BRICS Monitor A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África Junho de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

Leia mais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA (ABP), associação civil sem fins lucrativos

Leia mais

Não há colonização chinesa na África, diz especialista sobre a relação entre a China e o continente africano

Não há colonização chinesa na África, diz especialista sobre a relação entre a China e o continente africano Não há colonização chinesa na África, diz especialista sobre a relação entre a China e o continente africano por Por Dentro da África - quinta-feira, abril 18, 2013 http://www.pordentrodaafrica.com/negocios/nao-ha-colonizacao-da-china-na-africa-diz-especialista-sobrea-relacao-entre-a-china-e-o-seu-maior-parceiro-comercial

Leia mais

Gestão Estratégica no Setor Público. Roberta Clemente ILP 30/10/2007

Gestão Estratégica no Setor Público. Roberta Clemente ILP 30/10/2007 Gestão Estratégica no Setor Público Roberta Clemente ILP 30/10/2007 Organização da Apresentação Introdução Estratégia Histórico da Intervenção estatal Crise do Estado Especificidades do caso brasileiro

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-sociedade: questões ambientais. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE #

O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE # O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE # José Augusto Guilhon Albuquerque * O título desta apresentação deveria ser: missão impossível. Falar sobre o Brasil no mundo pós-crise em 12 minutos implicaria falar sobre

Leia mais

curso online ATUALIDADES EM POLÍTICA INTERNACIONAL

curso online ATUALIDADES EM POLÍTICA INTERNACIONAL curso online ATUALIDADES EM POLÍTICA INTERNACIONAL Começo em junho. Vagas limitadas. Totalmente online, totalmente interativo. Vídeos, textos, exercícios, atendimento individual. ATUALIDADES EM POLÍTICA

Leia mais

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras Seminário IIA Brasil - Os Desafios da Auditoria Interna frente aos processos de Gestão de Riscos, Controles e Governança Corporativa Belém, 21 de junho de 2013 A Função de Controles Internos em Instituições

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES

QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES 1 QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES PEDRO. SILVA, Nelson 1 ; SANTOS, Melina Rodrigues dos 2. Curso de Psicologia,

Leia mais

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas HELEN CLARK Um mundo melhor, mais justo e seguro A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas Segunda-feira, 11 de abril de 2016 Excelentíssimo Senhor: Estou honrada por ser a candidata

Leia mais

BRICS MONITOR. Ciência, Tecnologia e Inovação nas Cúpulas dos BRICS, de 2009 até hoje

BRICS MONITOR. Ciência, Tecnologia e Inovação nas Cúpulas dos BRICS, de 2009 até hoje BRICS MONITOR Ciência, Tecnologia e Inovação nas Cúpulas dos BRICS, de 2009 até hoje Abril, 2013 Núcleo Sistemas de Inovação e Governança do Desenvolvimento Autores: Luís Fernandes (coord.), Ana Garcia

Leia mais

Sr. Diretor Executivo do Habitat das Nações Unidas, Joan Clos, Sr. Presidente de Cidades e Governos Locais Unidos, Kadir Topbas,

Sr. Diretor Executivo do Habitat das Nações Unidas, Joan Clos, Sr. Presidente de Cidades e Governos Locais Unidos, Kadir Topbas, Discurso do Sr. Sebastião Almeida Prefeito de Guarulhos Brasil Nova Iorque 23 de abril de 2012 Senhor Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, Sr. Diretor Executivo do Habitat das Nações Unidas,

Leia mais

Assessoria de Imprensa. Oficina de Comunicação Apex-Brasil. O papel estratégico da Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa. Oficina de Comunicação Apex-Brasil. O papel estratégico da Assessoria de Imprensa Assessoria de Imprensa Oficina de Comunicação Apex-Brasil O papel estratégico da Assessoria de Imprensa Relacionamento com a Mídia - Demonstrar o papel das entidades como fonte; - Cultivar postura de credibilidade;

Leia mais

Desafio mundial. Paralelamente a questões

Desafio mundial. Paralelamente a questões KPMG Business Magazine 31 Getty Images/Alexander Bryljaev Muitas tendências apontadas pelo estudo já são evidentes, e a lentidão na busca de soluções para mitigá-las trará sérias consequências para a população

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE Resultados da 127ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 23/03/2015 A 127ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 16 a 19 de março de 2015 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos

Leia mais

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento PROPOSTAS PARA O FUTURO DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PORTUGUÊS I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento à realidade portuguesa e internacional, procurando

Leia mais

7 a 10 de Maio de 2014 Centro de Eventos PUCRS Porto Alegre - RS - Brasil

7 a 10 de Maio de 2014 Centro de Eventos PUCRS Porto Alegre - RS - Brasil Projeto Executívo www.fisl.org.br ÍNDICE 1 Identificação do projeto Pg. 3 2 Descrição do projeto Pg. 3 2.1 Apresentação do evento 2.2 Histórico das edições anteriores 3 Pg. 3 Pgs. 4, 5 e 6 Objetivos Pg.

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 84 17/02/06 a 23/02/06

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 84 17/02/06 a 23/02/06 Apresentação: - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 84 17/02/06 a 23/02/06 O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

Decidindo para sobreviver Sobrevivência na Lua

Decidindo para sobreviver Sobrevivência na Lua Decidindo para sobreviver Sobrevivência na Lua Tema a ser abordado: Tomada de decisão em grupo Objetivos: Discutir os processos envolvidos na tomada de decisão em grupo Forma: Jogo I - As circunstâncias

Leia mais

Os BRICS na Votação do Projeto Europeu de Resolução do Conselho de Segurança Sobre a Síria

Os BRICS na Votação do Projeto Europeu de Resolução do Conselho de Segurança Sobre a Síria BRICS Monitor Os BRICS na Votação do Projeto Europeu de Resolução do Conselho de Segurança Sobre a Síria Novembro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro

Leia mais

BRASIL e CHINA na ÁFRICA: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento

BRASIL e CHINA na ÁFRICA: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento BRASIL e CHINA na ÁFRICA: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento Rômulo Paes de Sousa Secretário Executivo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Brasil Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

EnvolverdeJornalismo & Sustentabilidade

EnvolverdeJornalismo & Sustentabilidade Page 1 of 8 EnvolverdeJornalismo & Sustentabilidade Sábado, 15 de Junho de 2013 CAPA EXPEDIENTE IPS TERRAMÉRICA VIDEOS AGENDA ARQUIVO CORPORATIVO FALE CONOSCO capa ambiente economia sociedade saúde educação

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão.

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. GABARITO Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. Questão 1: Sobre os princípios da administração pública, é incorreto afirmar: (a)

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br Associação Brasileira de Engenharia Industrial ABEMI Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa , Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa Porto Príncipe-Haiti, 28 de maio de 2008 Meu caro amigo, presidente René Préval, presidente da República do

Leia mais

Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil

Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil Obrigada pela amável apresentação. E muito obrigada à Fundação Getúlio Vargas

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração de Lula?

Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração de Lula? Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração de Lula? Análise Desenvolvimento Patrícia Eler Seide 19 de Maio de 2010 Secretariado Geral da Organização das Nações Unidas: uma aspiração

Leia mais

REPRESENTAÇÃO BRASILEIRA NO PARLAMENTO DO MERCOSUL

REPRESENTAÇÃO BRASILEIRA NO PARLAMENTO DO MERCOSUL REPRESENTAÇÃO BRASILEIRA NO PARLAMENTO DO MERCOSUL MENSAGEM N o 405, DE 2009 Submete à consideração do Congresso Nacional, acompanhado de Exposição de Motivos do Senhor Ministro de Estado, interino, das

Leia mais

Roberto Castelo Branco Coelho de Souza 1

Roberto Castelo Branco Coelho de Souza 1 TRIPS NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL OMPI Roberto Castelo Branco Coelho de Souza 1 No início dos anos 90 houve uma polêmica muito grande em Genebra sobre a instituição responsável para

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE Semí Cavalcante de Oliveira INTRODUÇÃO Em maio de 2011, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o francês

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

G20: os desafios da coordenação global e da rerregulação financeira

G20: os desafios da coordenação global e da rerregulação financeira 1 G20: os desafios da coordenação global e da rerregulação financeira 1 Introdução André Rego Viana 1 Marcos Antonio Macedo Cintra 2 O G20, também conhecido como G20 Financeiro, é um fórum econômico, criado

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

A política externa brasileira durante o regime militar (1964-1985): um balanço historiográfico.

A política externa brasileira durante o regime militar (1964-1985): um balanço historiográfico. 1 A política externa brasileira durante o regime militar (1964-1985): um balanço historiográfico. ISMARA IZEPE DE SOUZA 1 Nesta comunicação faremos uma análise da historiografia sobre a política externa

Leia mais

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 Philippe Pomier Layrargues Educador ambiental, técnico da Diretoria de Educação Ambiental

Leia mais

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline.

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Instituto José Frota Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra - Formação no Hospital das Clínicas ( HUWC Fortaleza ) Maio

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES

PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES Américo Marques Ferreira A palavra DECIDIR, em sua origem etimológica, significa MATAR ALTERNATIVAS, Portanto, se quisermos tomar uma decisão, precisamos

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 Altera a Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005, que Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem; cria o Conselho Nacional

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

Direitos dos usuários do SUS 1.

Direitos dos usuários do SUS 1. Direitos dos usuários do SUS 1. Atenção à saúde dos idosos, portadores de deficiências físicas e mentais. Brasília, 08 de abril de 2009. O Sistema Único de Saúde traduz a forma de organização eleita pela

Leia mais

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU Franciane Pereira dos Reis Bolsista de Gerenciamento

Leia mais

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 Philippe Pomier Layrargues Educador ambiental, técnico da Diretoria de Educação Ambiental

Leia mais

O GOVERNO SARNEY E OS ANTECEDENTES DO MERCOSUL

O GOVERNO SARNEY E OS ANTECEDENTES DO MERCOSUL O GOVERNO SARNEY E OS ANTECEDENTES DO MERCOSUL Ademir José Knakevicz Grzesczak 1 Carina da Rosa Moreira Vera Margarete Figueira Ferraz Resumo Este artigo analisa a política externa no período do governo

Leia mais

Inserção Internacional no Governo Lula: interpretações divergentes

Inserção Internacional no Governo Lula: interpretações divergentes Inserção Internacional no Governo Lula: interpretações divergentes Dhiego de Moura Mapa (UERJ) RESUMO: O presente artigo procura tecer algumas considerações sobre a política externa do governo Lula a partir

Leia mais

A Magia dos Grandes Vendedores Como Vender Mais, Melhor e Sempre

A Magia dos Grandes Vendedores Como Vender Mais, Melhor e Sempre São produtos inovadores. Agregam valor ao negócio. A Magia dos Grandes Vendedores Como Vender Mais, Melhor e Sempre São valorizados pelos consumidores. Claudio Goldberg Claudio Lenga de Goldberg é Mestre

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADA: Karinne Alcântara EMENTA: Responde consulta feita pela Psicóloga Escolar, Karinne Alcântara, sobre inclusão escolar. RELATORA: Selene Maria Penaforte Silveira SPU Nº 2802398/2015 PARECER Nº

Leia mais