UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Nielson Aparecido Pasqualotto Salvador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Nielson Aparecido Pasqualotto Salvador"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Estimativa da ocupação do campus da USP de Ribeirão Preto, SP, pelo sagui-de-tufospretos, Callithrix penicillata (Mammalia, Primates) Nielson Aparecido Pasqualotto Salvador Monografia apresentada ao Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, como parte das exigências para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas RIBEIRÃO PRETO - SP 2013

2 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Estimativa da ocupação do campus da USP de Ribeirão Preto, SP, pelo sagui-de-tufospretos, Callithrix penicillata (Mammalia, Primates) Nielson Aparecido Pasqualotto Salvador Monografia apresentada ao Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, como parte das exigências para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas Orientador: Dr. Adriano Garcia Chiarello RIBEIRÃO PRETO - SP 2013

3 If we cannot act as responsible stewards in our own backyards, the long-term prospects for biological diversity in the rest of this planet are grim indeed. Dennis D. Murphy Biodiversity, 1988.

4 Agradecimentos Aos meus pais, José e Valderli, e minha irmã, Tatiana, pelo carinho e amor imensuráveis. Por lutarem sem hesitar para que esta importante etapa, pessoal e profissional, de minha vida fosse concluída com sucesso. Não tenho palavras para expressar o quanto sou grato a vocês! À minha família, em geral, por toda a preocupação, respeito e apoio oferecidos ao longo de todos esses anos. Em especial, aos meus tios Valdecir e Angélica, por me acolherem durante os primeiros anos de faculdade e, mais do que isso, por possibilitarem que tivesse uma nova família ao longo desses anos longe de casa. Aos meus tios Valdevilso e Sueli, por todo apoio nos anos de cursinho e pelos agradáveis momentos que juntos passamos. À minha avó, Malvina, pessoa de caráter impar e bondade inestimável. Obrigado por toda preocupação e dedicação à família que sempre encontrou na senhora a segurança para seguir em frente. Ao Dr. Adriano Garcia Chiarello, por ter aceitado me orientar e acreditar em meu potencial. Agradeço por toda paciência com meus exageros, pela grande competência em lidar com as incontáveis dificuldades encontradas ao longo deste trabalho e pelos valiosos ensinamentos que pude adquirir durante esses meses. Muito obrigado professor. Ao grande amigo e mestre, Aurélio Fontes, por todos os ensinamentos em SIG, sem os quais este trabalho não aconteceria. Agradeço também pelas agradáveis reflexões científicas que já fizemos e por todas as boas conversas e a grande amizade que temos. Ao professor Marcelo Pereira de Souza, pessoa maravilhosa que tive o privilégio de conhecer. Agradeço imensamente por todos os ensinamentos e toda a ajuda com as indecifráveis legislações, por todos os deliciosos cafés, sempre seguidos de um agradável momento de descontração e boa conversa. Em geral, agradeço a todos os colegas de trabalho da casa 39, Alexandre, Aline, Natália (Onça), Rafa, Roberta, Joana, Thiago, Lívia, Carol, Natália (espero que tenha me lembrado de todos), com os quais tenho o privilégio de dividir as horas de trabalho e aprendizado. Agradeço por todas as ajudas, caronas, companhias e risadas que fazem nossos dias mais agradáveis.

5 À minha lindinha, Priscila (Tila), por me aturar ao longo desses quase dois anos, por todo o respeito e compreensão nos dias difíceis, pelo relacionamento saudável que temos e pelos incontáveis momentos de grande alegria que juntos vivemos e, certamente, viveremos. Aos amigos de longa data, Matheus, Sérgio, João Paulo, Wanderson (e muitos outros), pessoas maravilhosas com as quais tive a sorte de compartilhar minha infância e adolescência. Nunca me esquecerei do quão importante vocês foram e são em minha vida. À XXT, minha casa e lar em Ribeirão Preto, onde vivi os momentos mais felizes de minha faculdade, ao lado das melhores pessoas que poderia encontrar. Agradeço a todos vocês (Zuado, Úlcera, Cenoia, Toba, Luigi e agregados) meus amigos e irmãos! À tia Ana e o grande (bem grande) amigo Frango, por todo carinho, e preocupação que tiveram comigo desde o dia em que os conheci. Espero um dia poder retribuir um milésimo do que já fizeram por mim. Ao Instituto Agronômico de Campinas (IAC), por ter gentilmente disponibilizado os dados de precipitação e temperatura que foram de fundamental importância para a realização deste trabalho. À professora Elenice Mouro Varanda, ao José Ricardo Barosela e Mônica de Oliveira Leal, pela disponibilização dos dados relativos à implantação do projeto Floresta do campus da USP-RP, os quais foram de grande relevância para compreender os resultados deste trabalho. A todos aqui citados e àqueles que, por ventura, tenha esquecido, sou muito grato.

6 Índice Lista de Figuras... ii Lista de Tabelas... v Resumo... vii 1. Introdução Conservação em áreas urbanas A espécie de estudo Objetivos Metodologia Caracterização da área de estudo Base de dados georreferenciados Desenho amostral Coleta de dados Saguis-de-tufos-pretos Covariáveis de sítio Covariáveis de amostragem Análise de dados Intensidade de uso do habitat Estrutura e construção dos modelos Classificação e seleção dos modelos Resultados Análise das covariáveis de sítio Análise estatística dos dados de temperatura e precipitação Intensidade de uso do habitat Discussão Limitações dos dados Uso do habitat Considerações finais Referências Bibliográficas Figuras e Tabelas i

7 Lista de Figuras Figura 1. Indivíduo da espécie Callithrix penicillata. Notar os tufos pré-auriculares longos e negros. Imagem gentilmente cedida por Gabriel Ferreira de Azevedo Clemente Figura 2. Imagem aérea dos limites do município de Ribeirão Preto (vermelho) e do campus da USP-RP (preto). Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth. Notar a proximidade do campus em relação ao adensamento urbano da cidade de Ribeirão Preto Figura 3. Imagem aérea dos limites do campus da USP-RP (preto). Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth Figura 4. Imagem aérea de 1952 da antiga Escola Prática de Agricultura Getúlio Vargas (EPA), atual Prédio Central da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) rodeado por cafezais. Fonte: (FMRP, 2013) Figura 5. Imagem aérea do campus da USP-RP em Notar que a vegetação natural é praticamente inexistente em função da cafeicultura. Imagem gentilmente cedida por Gabriel Ferreira de Azevedo Clemente. Fonte: Escritório de Desenvolvimento Regional da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, Secretaria da Agricultura e Abastecimento (CATI) Figura 6. Imagem aérea das parcelas (azul) sobrepostas aos limites do campus da USP-RP (preto). Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth Figura 7. Imagem aérea dos limites do campus da USP-RP (preto) e as áreas que não foram consideradas como habitats para C. penicillata ou são de acesso limitado (vermelho). Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth ii

8 Figura 8. Imagem aérea das parcelas (azul) após a exclusão das áreas de acesso restrito e as áreas que não são habitats para C. penicillata. A área de cada parcela é maior ou igual a 2,1 ha. Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth Figura 9. Imagem aérea mostrando as 20 parcelas que foram sorteadas para amostragem. As parcelas em azul foram mais amostradas nas manhãs dos dias de semana, enquanto que as parcelas em vermelho foram mais amostradas nas tardes dos dias de semana. Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth Figura 10. Imagem aérea da parcela R6 evidenciando as ruas de fluxo intenso (RFI) (amarelo). Obtida em 11/03/2013 com data de 06/10/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth Figura 11. Imagem aérea do centro das parcelas e da mata ripária (MR) (verde). Para cada centro de parcela, a distância mais próxima da mata ripária (DLMR) foi calculada. Obtida em 11/03/2013 com data de 22/11/2012. Satélite DigitalGlobe - Google Earth Figura 12. Comparação entre a informação de Kullback-Leibler (i.e. a medida absoluta das distâncias (di) do modelo real (f) para os demais modelos (gi)) e estimativas da informação relativa de Kullback-Leibler (e.g. AICc - i.e. medida relativa das distâncias de alguns modelos para o melhor modelo classificado, neste caso g 2 ). Fonte: ANDERSON & BURNHAM (2002) Figura 13. Médias das temperaturas máximas de cada dia amostral por ocasião e respectivos intervalos de confiança 95% Figura 14. Média das precipitações de cada dia amostral por ocasião e respectivos intervalos de confiança 95% Figura 15. Relação negativa do efeito da precipitação (Ch) na probabilidade de detecção (p; linha vermelha) de C. penicillata, nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP- RP, Estado de São Paulo. O intervalo de confiança (95%) da estimativa é mostrado pelas linhas verdes iii

9 Figura 16. Relação positiva muito forte da quantidade de mata ripária (MR) nas parcelas em relação à probabilidade de ocupação (ψ) para C. penicillata, nas 20 unidades amostrais, no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. O intervalo de confiança (95%) da estimativa é mostrado pelas linhas verdes Figura 17. Relação positiva da quantidade de reflorestamento (Ref) nas parcelas em relação à probabilidade de ocupação (ψ) para C. penicillata, nas 20 unidades amostrais, no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. O intervalo de confiança (95%) da estimativa é mostrado pelas linhas verdes Figura 18. Relação negativa da quantidade de ruas de fluxo intenso (RFI) nas parcelas em relação à probabilidade de ocupação (ψ) para C. penicillata, nas 20 unidades amostrais, no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. O intervalo de confiança (95%) da estimativa é mostrado pelas linhas verdes Figura 19. Relação negativa da quantidade de edificações (Edif) nas parcelas em relação à probabilidade de ocupação (ψ) para C. penicillata, nas 20 unidades amostrais, no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. O intervalo de confiança (95%) da estimativa é mostrado pelas linhas verdes iv

10 Lista de Tabelas Tabela 1. Sequência de amostragem das parcelas para as seis ocasiões amostrais e respectivas datas de coleta de dados de presença e ausência de C. penicillata, nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Notar que há três diferentes tipos de sequências de amostragens para as seis ocasiões e que as ocasiões não são definidas temporalmente. As parcelas em azul foram amostradas pela manhã (6h00min - 10h00min) enquanto as parcelas em vermelho foram amostradas à tarde (15h30min - 18h30min) Tabela 2. Porcentagem média das métricas de cobertura do solo (covariáveis de sítio) e respectivos intervalos de confiança 95% nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Siglas: Edif - edificações; RFI - ruas de fluxo intenso; Ca - campo; MR - mata ripária; Ref - reflorestamento; Fl - florestas Tabela 3. Distância linear média do centro das parcelas amostradas aos diferentes componentes da paisagem (covariáveis de sítio) e respectivos intervalos de confiança 95% nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Siglas: DLA - distância linear da água; DLMR - distância linear da mata ripária; DLRod - distância linear da Rodovia dos Bandeirantes; DLCant - distância linear das cantinas Tabela 4. Primeira etapa da análise de seleção de modelos para C. penicillata nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Destacado em cinza estão os modelos mais parcimoniosos segundo o AICc. Siglas: AICc - critério de informação de Akaike corrigido para pequenas amostras; AICc - diferença entre o modelo considerado e o melhor modelo classificado pelo AICc; W - peso da evidência; K - número de parâmetros estimados na equação de regressão; -2log(L) - estimativa de máxima verossimilhança multiplicada por -2log; ĉ - estimativa do fator de inflação da variância. As siglas das covariáveis de amostragem seguem a explicação apresentada na metodologia Tabela 5. Resultados da técnica Model Averaging do programa MARK para a detecção de C. penicillata, nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Siglas: M1 a M7 - modelos classificados pelo AICc de acordo com a tabela 4 (i.e. M1 = modelo nulo, M2 = ψ(.) p(ch), etc.); W - peso da evidência; p1(cov) a p6(cov) - v

11 probabilidade de detecção por ocasião amostral em função da média (também calculada por ocasião) de cada covariável (cov) do modelo considerado; p (erro-padrão) - estimativa da detecção por ocasião, ponderada pelo peso de cada modelo e respectivos erros-padrão; p - média das seis estimativas da probabilidade de detecção ponderada (p ); IC 95% - intervalos de confiança 95% para cada estimativa da detecção ponderada (p ) Tabela 6. Segunda etapa da análise de seleção de modelos para C. penicillata, nas 20 unidades amostrais localizadas no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Destacado em cinza estão os modelos mais parcimoniosos segundo o AICc. Siglas: AICc - critério de informação de Akaike corrigido para pequenas amostras; AICc - diferença entre o modelo considerado e o melhor modelo classificado pelo AICc; W - peso da evidência; K - número de parâmetros da equação de regressão; -2log(L) - estimativa de máxima verossimilhança multiplicada por -2log; ĉ - estimativa do fator de inflação da variância. As siglas das covariáveis de amostragem seguem a explicação apresentada na metodologia Tabela 7. Resultados da técnica Model Averaging do programa MARK para a ocupação de C. penicillata, nas 20 unidades amostrais no campus da USP-RP, Estado de São Paulo. Siglas: W - peso da evidência; ψ (cov) - estimativa da ocupação em função da média de cada covariável do modelo considerado. (ψ ) (erro-padrão) - estimativa da ocupação ponderada pelo peso de cada modelo e respectivo erro-padrão, IC 95% - intervalo de confiança 95% para a estimativa da ocupação ponderada (ψ ) vi

12 Resumo Atualmente, a conservação de espécies fora de áreas protegidas tem recebido grande atenção dado o rápido crescimento dos centros urbanos e as dificuldades impostas à manutenção da biodiversidade apenas em grandes reservas naturais. Entender como os animais silvestres que habitam ambientes urbanos fazem uso destas áreas tem, portanto, importância conservacionista. Estimativas da ocupação de habitats por espécies têm se mostrado uma eficiente ferramenta para estudos de conservação e interessante alternativa aos tradicionais estudos de abundância populacional, já que demanda um esforço relativamente menor de campo para a obtenção dos dados cuja coleta se dá por métodos não invasivos. Portanto, o objetivo deste estudo foi estimar a intensidade de uso do campus da USP de Ribeirão Preto pelos saguis-de-tufos-pretos (Callithrix penicillata, Mammalia: Callitrichidae) e entender como os principais elementos desta paisagem influenciam esse primata. Vinte parcelas de três hectares foram aleatoriamente definidas e amostradas em seis seções durante aproximadamente três meses (primavera de 2012). O método de obtenção dos dados consistiu na busca ativa (30min) pelos indivíduos dentro das parcelas. Os dados de presença/ausência dos saguis nos sítios foram analisados nos programas PRESENCE e MARK que modelaram a probabilidade de detecção (p) e de ocupação (ψ) do campus pela espécie foco, identificando também a influência de covariáveis de sítio para a ocupação e covariáveis de amostragem para a detecção. Os resultados indicam que os saguis utilizam a maior parte da área de estudo (ψ = 0,59 ± 0,23). Os modelos selecionados como mais plausíveis indicaram um efeito negativo (uso menos intenso pelos indivíduos) da área coberta por edificações e por ruas de fluxo intenso e um efeito positivo (uso mais intenso pelos indivíduos) das áreas de reflorestamento e de mata ripária presentes nas parcelas. Apesar dos saguis-de-tufospretos serem ecologicamente flexíveis, a população estudada apresentou forte dependência vii

13 dos ambientes mais florestados e menos perturbados. Por conseguinte, estas áreas representam um importante refúgio para esses primatas, sendo, portanto, de extrema relevância para a sua conservação. Palavras-chave: ecologia, conservação em área urbana, ocupação da paisagem, sagui-detufos-pretos. viii

14 1. Introdução 1.1. Conservação em áreas urbanas Conservar a biodiversidade tropical em grandes áreas naturais legalmente protegidas (e.g. unidades de conservação), tem sido a estratégia mais frequentemente indicada por especialistas para a manutenção das espécies silvestres a longo prazo (WOODROFFE & GINSBERG, 1998; CHIARELLO, 2000; PERES, 2005). Por outro lado, mesmo sendo inegável a importância das unidades de conservação para manutenção da biodiversidade, a magnitude e abrangência das perturbações de origem antrópica têm dificultado a obtenção de sucesso neste processo. Dentre elas, as principais ameaças internas têm sido a diminuição da cobertura florestal, o aumento da caça, assim como da exploração de madeira e de recursos florestais não madeireiros. Ademais, cabe destacar que as pressões advindas do entorno - declínio da cobertura florestal, o aumento da exploração da madeira e as frequentes queimadas - são claramente ameaças eminentes a essas áreas protegidas e têm ocorrido com muito mais intensidade que as ameaças internas, sendo todos esses distúrbios, portanto, os principais causadores do declínio de processos ecossistêmicos fundamentais à conservação desses ambientes (LAURANCE et al., 2012). As constantes perturbações são, sem dúvida, um reflexo direto do rápido crescimento mundial da população humana em áreas urbanizadas. Em 2008, pela primeira vez na história da humanidade, mais da metade da população mundial ( 3,3 bilhões de pessoas) vivia em aglomerados urbanos e, de acordo com projeções, as cidades do mundo em desenvolvimento irão abrigar aproximadamente 80% de toda a população urbana global em 2030 (UNFPA, 2008). Para este mesmo ano, estima-se que os moradores das cidades estarão muito próximos - cerca de um dia de caminhada ou poucas horas de carro - de grande parte das áreas naturais protegidas em todo o mundo (MCDONALD et al., 2008). Portanto, esse 1

15 processo de aproximação pode intensificar as pressões externas sob tais áreas protegidas e certamente dificultará sua conservação sem o adequado manejo destas ameaças (LAURANCE, 2012). Além das dificuldades que desafiam a conservação da biodiversidade tropical em áreas protegidas, a baixa representatividade territorial destas importantes reservas também é motivo de preocupação, bem como a degradação e fragmentação de habitats naturais. Estima-se que apenas 12,6% de toda a superfície terrestre (i.e. 18,8 milhões de km 2 ) esteja coberta por tais áreas (CHAPE et al., 2003). Na Floresta Atlântica brasileira (sensu lato) - que originalmente ocupava cerca de ha ao longo de quase toda a costa - apenas 1,62% de sua área original está protegida (RIBEIRO et al., 2009). Ademais, um levantamento recente sobre a Mata Atlântica mostra que apenas 11,7 % de toda sua cobertura natural ainda existe (RIBEIRO et al., 2009), sendo esta ínfima porcentagem representada majoritariamente por fragmentos isolados, pequenos (oito décimos tem menos de 0,5 km 2 ) e muito vulneráveis aos efeitos de borda, ameaçando assim, muitas espécies à extinção (LAURANCE, 2009). Assim como a Mata Atlântica, o Cerrado (sensu lato) vem sofrendo uma drástica modificação e perda de habitat (KLINK & MACHADO, 2005). No entanto, neste bioma o processo se deu com maior intensidade a partir da expansão agrícola brasileira, iniciada na década de 1950 (SANTOS et al., 2006), sendo, portanto, muito recente. Atualmente, apenas 50,8% de toda a sua extensão original ainda existe, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA, 2011), ou 20%, de acordo com estudos da Conservação Internacional Brasil (2005), sendo então, classificado como hotspot de biodiversidade, já que também possui uma rica flora endêmica (1,5% de todas as espécies de plantas vasculares do mundo) (MYERS et al., 2000). Independente das divergências quanto ao valor da área original do Cerrado, nenhuma delas aponta que as áreas legalmente protegidas ultrapassam 5,5% de sua 2

16 área original (KLINK & MACHADO, 2005; MYERS et al., 2000; CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL, 2005). Com base neste contexto atual - crescimento desordenado da humanidade, desafios à conservação de áreas naturais e intensa fragmentação e degradação ambiental - pensar em conservação fora de áreas protegidas intactas é, portanto, uma necessidade evidente. Segundo Melo et al. (2013, no prelo), o adequado manejo das paisagens modificadas pelo homem (i.e. áreas não naturais) pode contribuir para a conservação da biodiversidade tropical, assim como a manutenção dos importantes serviços ecossistêmicos prestados à humanidade, tais como proteção do solo, estocagem de carbono, fornecimento de produtos florestais, etc. No entanto, se a paisagem - mosaico heterogêneo e interativo formado por manchas, corredores e matriz (METZGER, 2001), já está drasticamente modificada, como é o caso da maioria das florestas tropicais (e.g. Floresta Atlântica brasileira, florestas da Indonésia, Madagascar, etc.), então restrições de uso das terras, um planejamento visando à conservação, bem como um trabalho participativo entre os diferentes setores da sociedade (academia, poder público, proprietários das terras, população, etc.) são fundamentais para o reestabelecimento de paisagens tropicais saudáveis. Do contrário, o valor de conservação destas paisagens será, em muitos casos, limitado (MELO et al., 2013 no prelo). A conservação da vida silvestre em paisagens urbanas (i.e. paisagens mais severamente alteradas dentre as paisagens modificadas pelo homem ) (KOH & GARDNER, 2010) tem sido muito discutida recentemente (ADAMS, 2005). As principais motivações para conservar a biodiversidade urbana estão claramente pautadas no ganho mútuo proporcionado aos seres humanos e à vida selvagem. A presença de áreas verdes no meio urbano possibilita, por meio do contato diário e de atividades educadoras, que as pessoas mantenham 3

17 experiências positivas com o meio natural, resultando na criação de valor e identidade com a biodiversidade. Com isso, tanto a sociedade poderá ser motivada a participar mais ativamente das causas ambientais, como os tomadores de decisão poderão considerar esta importante variável no processo político, já que a qualidade de vida e o bem-estar pessoal são diretamente influenciados pelos serviços ambientais prestados pela vida silvestre, aos seres humanos (DEARBORN & KARK, 2010). Ademais, as áreas urbanas tem sido um importante refugio para a fauna nativa local, evidenciando seu potencial para minimizar a extinção de espécies (PRINTES et al., 2010; MELO & SCHUNCK, 2011). Ainda que jardins residenciais individualmente representem uma pequena parcela da vegetação urbana, quando manejados em conjunto, podem ser de grande valor para a conservação, funcionando como corredores ou trampolins ecológicos ao conectar fragmentos florestais isolados (GODDARD et al., 2009). Embora as razões sejam muito evidentes, para efetivamente conservar a biodiversidade urbana é extremamente necessário ter objetivos e intenções previamente definidos. Se não existir clareza dos proponentes quanto ao que se pretende em relação a esta diversidade biológica, não haverá sucesso neste processo e, com isso, seu valor fundamental permanecerá controverso (DEARBORN & KARK, 2010). No Brasil, o Programa Macacos Urbanos, desenvolvido na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, ilustra perfeitamente os conceitos expostos acima. Iniciado em 1993, a iniciativa tinha por objetivo identificar a distribuição do bugio-ruivo (Alouatta guariba clamitans) na cidade de Porto Alegre e obter informações científicas que auxiliassem no adequado manejo, visando à conservação da espécie. No entanto, com as sérias perturbações e ameaças encontradas (e.g. caça, desmatamento, crescimento urbano desordenado, etc.), estudos mais profundos e de diversas áreas científicas (e.g. planejamento urbano, genética, botânica, etologia, etc.) passaram a ser desenvolvidos, juntamente com uma atuação política 4

18 forte que conscientizou grande parte da população e poder público quanto à importância desta espécie, uma vez que as informações obtidas neste programa influenciaram diretamente a tomada de decisão na cidade de Porto Alegre (PRINTES et al., 2010; PMU, 2013). Recentemente, a Universidade de São Paulo (USP) declarou a criação de 23 Reservas Ecológicas da USP que compreendem ha de seus campi, das quais duas (98 ha) pertencem ao campus da USP de Ribeirão Preto (USP-RP). Ainda que tais reservas não sejam reconhecidas legalmente como unidades de conservação (BRASIL, 2000), o objetivo principal da implantação dessas áreas é promover a conservação e restauração da vida silvestre nativa (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 2012), evidenciando a preocupação atual com a conservação da biodiversidade. Especificamente em relação ao campus da USP- RP, há registros de uma razoável diversidade de mastofauna, composta por veados (Mazama gouazoubira), tatus (Dasypus novemcinctus), saguis-de-tufos-pretos (Callithrix penicillata), raposa-do-campo (Pseudalopex vetulus), lobinho (Cerdocyon thous) (QUERALT, 2005), bugios-pretos (Alouatta caraya) (ROSSI, 2011), cutias (Dasyprocta azarae) (observação pessoal), etc., o que sugere a importância desta área urbana como refúgio para a fauna silvestre local A espécie de estudo Callithrix penicillata (É. Geoffroy, 1812), popularmente conhecido como sagui-detufos-pretos, é uma espécie de primata da família Callitrichidae (PAGLIA et al., 2012) de pequeno porte, cujos adultos pesam de 250 a 450 gramas e são caracterizados pela presença de tufos pré-auriculares longos e negros (Figura 1) (STEVENSON & RYLANDS, 1988). 5

19 A espécie apresenta ampla distribuição geográfica, ocorrendo nos estados de Goiás, Minas Gerais, Tocantins, oeste da Bahia, nordeste do Mato Grosso do Sul e norte de São Paulo (DE VIVO, 1991; STEVENSON & RYLANDS, 1988). Na região central do Brasil, C. penicillata naturalmente ocorre em diferentes fisionomias do Cerrado (sensu lato), tais como Cerradão (FONSECA & LACHER, 1984; MIRANDA & FARIA, 2001), Cerrado (sensu stricto) (VILELA & DEL-CLARO, 2011) e matas de galeria - enclaves de vegetação mesofítica ao longo dos cursos d água - (LACHER et al., 1980; VILELA, 2007). Nos limites leste e sul de sua distribuição geográfica natural, C. penicillata também ocupa áreas de transição entre a Mata Atlântica e o Cerrado (MELO JUNIOR & ZARA, 2007), assim como a Caatinga do centro-norte de Minas Gerais e da Bahia (DE VIVO, 1991). Alguns calitriquídeos - espécies dos atuais gêneros Callithrix, Mico e Cebuella (PAGLIA et al., 2012) - apresentam uma dentição incomum do tipo short tusked (presa pequena), uma vez que os caninos da mandíbula desses animais são menores e aproximadamente do mesmo tamanho dos incisivos (COIMBRA-FILHO & MITTERMEIER, 1976). Esse aparato dentário possibilita que tais espécies roam os troncos e galhos das árvores, gerando fluxos de exsudatos. Para isso, os incisivos superiores são ancorados na casca das árvores e trepadeiras e, em seguida, incisivos inferiores raspam e perfuram-na, de modo que os exsudatos possam extravasar e, posteriormente, servir de alimento. Este comportamento de produção de fluxos de exsudatos é raro entre os primatas e até mesmo entre os vertebrados (COIMBRA-FILHO & MITTERMEIER, 1976). Ainda que os exsudatos representem cerca de 70% de sua dieta (FONSECA & LACHER, 1984), estudos mais recentes mostram que C. penicillata utiliza diferentes itens alimentares em função de sua disponibilidade no ambiente (VILELA & FARIA, 2002, 2004), suplementando a dieta a partir da exploração dos exsudatos em épocas de baixa disponibilidade de outros recursos (VILELA, 2007; RANGEL et al., 2011). 6

20 Os saguis-de-tufos-pretos formam grupos de 4 a 19 indivíduos (FONSECA & LACHER, 1984; MIRANDA & FARIA, 2001; SÜFFERT, 2008), compostos frequentemente por apenas um casal dominante e reprodutivo, assim como infantes, juvenis e adultos subordinados. Os indivíduos desta espécie, assim como os calitriquídeos dos gêneros Callithrix e Mico (PAGLIA et al., 2012), são animais diurnos, exibindo um ciclo de atividade de aproximadamente 12h (STEVENSON & RYLANDS, 1988), intercalado por um período de descanso durante as horas mais quentes do dia (VILELA & FARIA, 2004). Desta forma, dados ecológicos dos calitriquídeos são facilmente obtidos por meio de observação direta em campo, dispensando o uso de armadilhas (e.g. camera-traps, Tomahawks, etc.) (e.g. PONTES & SOARES, 2005). Ainda que a espécie em estudo não esteja ameaçada de extinção (IUCN, 2013) e possua uma flexibilidade ecológica considerável - i.e. habita florestas de dossel aberto (FONSECA & LACHER, 1984), matas urbanas muito modificadas pelo homem (GOMES & LIMA-GOMES, 2011; BEGOTTI & LANDESMANN, 2008; ALMEIDA et al., 2011) e apresenta uma dieta diversificada (SILVA et al., 2008, STEVENSON & RYLANDS, 1988) - os saguis-de-tufos-pretos, assim como todos os primatas neotropicais, são arborícolas e, portanto, dependem de ambientes florestais para sobreviver (MITTERMEIER et al., 1988). Neste contexto, tendo em vista a presença de C. penicillata no campus da USP-RP, o qual está situado no vetor de crescimento urbano de Ribeirão Preto (Lei 501/1995), faz-se necessário investigar o status atual desta população para entender como esses primatas, que ainda habitam essas áreas urbanas, são influenciados pelas características deste tipo de ambiente, visando o adequado manejo e conservação da espécie. Tradicionalmente, medidas de abundância ou tamanho populacional (i.e. variáveis de estado) têm sido os parâmetros mais estimados em estudos de conservação de fauna silvestre 7

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Ecologia da Paisagem e Restauração

Ecologia da Paisagem e Restauração Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais CBRN Projeto de Recuperação de Matas Ciliares Treinamento: Recuperação de Áreas Degradadas Ecologia da Paisagem e Restauração Leandro Reverberi Tambosi

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Monitoramento do Bioma Cerrado

Monitoramento do Bioma Cerrado Monitoramento do Bioma Cerrado Prof. Dr. Nilson C. Ferreira Monitoramento do Bioma Cerrado Biomas Brasileiros, destaque mapa antrópico do bioma Cerrado. Fonte: Sano et al. 2007(PROBIO-MMA). Monitoramento

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

A importância das Áreas Protegidas Propostas no ZSEE-MT

A importância das Áreas Protegidas Propostas no ZSEE-MT O Instituto Centro de Vida (ICV) é uma OSCIP fundada em 1991, em Cuiabá, que vem trabalhando dentre outras atividades no monitoramento do desmatamento e da gestão florestal como também em estudos sobre

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Sarney Filho) Dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do Bioma Cerrado. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe sobre

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 2012.0730.00006-0

TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 2012.0730.00006-0 TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 212.73.6- Ref. Contratação de consultoria (pessoa física) para realizar a correção topológica dos dados espaciais dos projetos financiados pelo Projeto de Conservação e Utilização

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO 1. Material cartográfico digital: Apresentar material cartográfico na Projeção Cartográfica Universal Transversa de Mercator

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

CAMPUS DA USP DE RIBEIRÃO PRETO:

CAMPUS DA USP DE RIBEIRÃO PRETO: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prefeitura do Campus Administrativo de Ribeirão Preto PLANO AMBIENTAL DO CAMPUS DA USP DE RIBEIRÃO PRETO: princípios, diretrizes e normas FEVEREIRO DE 2007 2 Este documento foi

Leia mais