OBRAS DE INFRAESTRUTURAS E LIMITAÇÕES AO USO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBRAS DE INFRAESTRUTURAS E LIMITAÇÕES AO USO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS"

Transcrição

1 OBRAS DE INFRAESTRUTURAS E LIMITAÇÕES AO USO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Adolfo Luiz Souza de Sá Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco Enilson Medeiros Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO O Regime Diferenciado de Contratações Públicas-RDC, advindo com a Lei /2011, fez presente o regime de contratação integrada, no qual é atribuída ao executor da obra a elaboração do projeto básico, invertendo, destarte, a ordem consagrada na Lei 8.666/93, em que o projeto, a cargo da Administração Pública, é condição prévia para realização da licitação. O objetivo deste artigo foi detalhar os dispositivos legais, os quais exigem justificativas técnico-econômicas para uso da contratação integrada, impondo o critério de julgamento de técnica e preço, o qual se destina exclusivamente a objetos de natureza predominantemente intelectual e de inovação tecnológica ou técnica ou que possam ser executados com diferentes metodologias ou tecnologias de domínio restrito no mercado. Com apoio doutrinário/jurisprudencial, pôde-se concluir que a contratação integrada não se aplica a contratos que tenham como objeto tão-somente a execução de obras/serviços de engenharia. ABSTRACT The Differentiated Regime of Public Contracting, brought into light by the Federal Law nº /2011, introduced in Brazilian legal framework the idea of integrated contracting, in which the responsibility of the project basic design is attributed to the bidder. This idea goes against previous rules established by the Federal Law nº 8.666/93, in which the project basic design, in charge of the Public Administration, was one of the preconditions needed to fulfill in order to open bidding process. The purpose of this article is to particularize the provisions of Brazilian legal system that demands more technical analysis while using the integrated contracting solution. The study progresses into the analysis of the technical and price factors considerate preponderant in this matter, that concerns objects of prevailing intellectual and of technological innovation nature, or those that might be executed with different methodology or based on market domain. Conclusions show that the new regime of integrated contract does not apply to contracts solely related to building engineering products or providing engineering services. 1. INTRODUÇÃO Para exercer com eficiência suas atribuições, o que é exigência constitucional explícita no caput do art.37 da Constituição da República Federativa do Brasil, os que fazem a Administração Pública precisam identificar necessidades, planejar, licitar, contratar, executar e monitorar suas ações. Em relação a obras e serviços de engenharia que se façam necessários para o provimento das infraestruturas, a Lei 8.666/1993, que traz as normas gerais sobre licitações e contratos, apesar das várias alterações sofridas em seus vinte anos, já não atende a algumas necessidades presentes, tendo sido deveras criticada. Com o advento do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), inovações foram trazidas, inclusive a presença expressa da opção pelo regime de contratação integrada (denominado, doravante, de RCI), que atribui ao vencedor do certame licitatório e executor da obra a responsabilidade em elaborar o projeto básico. Objetiva-se, assim, tratar do RCI, estando este artigo dividido em sete seções, inclusive esta introdução. Na seção 2, apresenta-se a Lei do RDC, abordando-se, em seguida (seção 3), os regimes de contratação permitidos. A possibilidade de contratação sem projeto básico antes do RDC é registrada na seção 4, para destacar, nas seções 5 e 6, o conteúdo legal referente ao RCI e ao seu critério de julgamento, respectivamente. Por fim, na seção 7, apresentam-se considerações conclusivas.

2 2. ABRANGÊNCIA E REGULAMENTAÇÃO DA LEI DO RDC A Lei , de , conversão da Medida Provisória 527/2011, instituiu o RDC (em seu Capítulo I, artigos 1 ao 47), tendo sua aplicação em caráter opcional e, de início, restrita e exclusiva às licitações e contratos necessários à realização (conforme art.1 ): dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016; da Copa das Confederações de 2013 e da Copa do Mundo de 2014; de obras de infraestrutura e de contratação de serviços para os aeroportos das capitais distantes até 350 km das cidades sedes dos eventos acima. A utilização do RDC implica o afastamento das normas contidas na Lei 8.666/93, exceto nos casos explicitamente previstos na própria lei que instituiu o RDC. Entretanto, a ampliação de sua aplicação não demorou, atualmente sendo previsto seu emprego nas ações integrantes do Programa de Aceleração do Crescimento-PAC (inciso IV, art.1 ), nas obras e serviços de engenharia no âmbito dos sistemas públicos de ensino ( 3, art.1 ), nas obras e serviços de engenharia no âmbito do Sistema Único de Saúde-SUS (inciso V, art.1 ) e na modernização, construção, ampliação ou reforma de aeródromos públicos (art.63-a, sob recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil), conforme alterações da Lei do RDC trazidas, respectivamente, pelas Leis , , /2012 e /2013 (decorrentes de conversão das MPs 559, 570, 580/2012 e 600/2013, respectivamente). Ademais, sem ter havido alteração da Lei do RDC (o que se estranha), houve mais duas possibilidades de aplicação do novel regime: em contratações das obras e serviços no âmbito do Programa Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária II, segundo registrado no 4 do art.54 da Lei /2013 (conversão da MP 595/2012), lei que dispõe, entre outros, sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias ; em obras e serviços de engenharia relacionados à modernização, construção, ampliação ou reforma de armazéns destinados às atividades de guarda e conservação de produtos agropecuários, quando geridos e fiscalizados pelo Banco do Brasil S.A. ou suas subsidiárias, estes contratados pela Companhia Nacional de Abastecimento, sob autorização constante na Medida Provisória 619, de (prorrogada em por mais sessenta dias). Antes da primeira ampliação da abrangência, foi publicado o Decreto 7.581, de (que possui 114 artigos, em sete títulos, alterado pelo Decreto 8.080, de ), regulamentando a Lei do RDC no âmbito da Administração Pública Federal, pouco se trazendo em detalhamento adicional vis-à-vis a lei de referência. Os demais entes federativos têm competência para editar suas normas regulamentares, sendo as normas postas pelo Decreto 7.581/2011 vinculantes apenas na órbita federal, não se aplicando, pois, no âmbito dos outros entes federativos (Justen Filho, 2013). 3. DEFINIÇÕES E REGIMES DE CONTRATAÇÃO NA LEI DO RDC O art.2 da Lei do RDC aduz seis definições : as referentes a regimes de contratação (empreitada integral, empreitada por preço global, empreitada por preço unitário e tarefa) e as referentes a projeto (básico e executivo), não tendo havido alteração quanto aos conceitos constantes na Lei 8.666/93. Assim, no RDC, quanto ao projeto básico (art.2, inciso IV e parágrafo único, este com seis incisos), continua-se a exigir detalhados e minuciosos estudos, representados em seus projetos gráficos, especificações, cronogramas e orçamento analítico dos custos de execução do empreendimento, sendo obrigatória sua elaboração prévia à licitação no caso da utilização dos regimes de empreitada integral, global, unitário e tarefa,

3 projeto que deverá ser aprovado pela autoridade competente, e estar disponível aos interessados em participar do processo licitatório (conforme registra o 5 do art.8 ). Quanto ao projeto executivo, foi vedada a realização de obras e serviços de engenharia sem este, qualquer que seja o regime adotado ( 7, art.8 ). É explícito, no caput do art.8, que na execução indireta de obras e serviços de engenharia são admitidos cinco regimes (incisos I a V), sendo relacionados os quatro regimes definidos no art.2, acrescentando-se o RCI (inciso V), o qual somente é definido no art.9, conforme se detalha na seção 5 deste artigo. 4. A CONTRATAÇÃO INTEGRADA ANTES DO RDC A Lei 8.666/93, art.119, faz previsão de que as sociedades de economia mista, empresas e fundações públicas e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União e pelas entidades da Administração indireta dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios editarão regulamentos próprios, devidamente publicados, ficando sujeitas às disposições desta Lei (a 8.666/93). Assim, o Decreto 2.745/1998 aprovou o Regulamento do Procedimento Licitatório Simplificado no âmbito da Petrobras; consta no item 1.9: Sempre que economicamente recomendável, a Petrobras poderá utilizar-se da contratação integrada, compreendendo realização de projeto básico e/ou detalhamento, realização de obras e serviços, montagem, execução de testes, pré-operação e todas as demais operações necessárias e suficientes para a entrega final do objeto, com a solidez e segurança especificadas. Justen Filho (2013) faz considerações importantes, aqui resumidas: a constitucionalidade do citado Decreto não é pacífica, tendo, por exemplo, o Tribunal de Contas da União (TCU), em diversas decisões, negado validade ao regulamento, sem que o Supremo Tribunal Federal (STF) tenha ainda se manifestado; a Petrobras atua em setores diversos, com atividades complexas, em circunstâncias anômalas (tais como extrair petróleo em alto mar), sendo razoável atribuir a um terceiro o encargo de projetar e executar determinados empreendimentos sob assunção de riscos; a Petrobras, para suas obras de tecnologia conhecida, não emprega a contratação integrada. Cumpre lembrar que, apesar de não utilizar a terminologia contratação integrada, o arcabouço jurídico brasileiro, nos casos das concessões comuns, patrocinadas e administrativas, permite que o procedimento licitatório seja realizado sem a exigência de projeto básico, na lógica concessional de quem projeta, executa, opera o empreendimento e assume mais riscos. Ainda, tanto o Banco Interamericano de Desenvolvimento como o Banco Mundial, em suas regras para financiamento aprovadas pelo Congresso Nacional, com respaldo no 5, art.42 da Lei 8.666/93, prevêem a contratação em conjunto de projeto e execução da obra (Reisdorfer, 2012; Ribeiro et al., 2012). 5. O REGIME DE CONTRATAÇÃO INTEGRADA (RCI) Da verificação do conteúdo da Lei do RDC, em especial quanto ao art.9, e do seu regulamento no âmbito da Administração Pública Federal (Decreto 7.581/2011, do art.73 ao art.76), com apoio na incipiente doutrina e na recente e escassa jurisprudência advinda do TCU, aduzem-se as considerações abaixo quanto ao regime em tela (as referências a artigos, parágrafos e incisos, quando não citadas a lei, são pertinentes à Lei /2011, que trata do RDC). Resta, antes, pôr a definição contida na lei ( 1, art.9 ): O objeto da contratação

4 integrada compreende a elaboração e o desenvolvimento dos projetos básico e executivo, a execução de obras e serviços de engenharia, a montagem, a realização de testes, a préoperação e todas as demais operações necessárias e suficientes para a entrega final do objeto Quanto à aplicação do RCI Aplicação do RCI tão somente no próprio RDC O RCI, na forma e nas condições em que foi previsto, somente se aplica no âmbito do próprio RDC, não havendo permissão de sua aplicação para licitações e contratos regidos pela Lei 8.666/93. Deve-se lembrar de que: o RDC não é obrigatório, tendo caráter opcional (conforme 2, art.1 ); a Lei do RDC não alterou a Lei 8.666/93, tendo, sim, previsto o RCI, não constante na Lei 8.666/ Aplicação do RCI em caráter opcional O RCI é um dos cinco regimes admitidos, conforme art. 8, para ser empregado na execução indireta de obras e serviços de engenharia, tendo sido explícito, no caput do art.9, que no âmbito do RDC e nas licitações de obras e serviços de engenharia, poderá ser utilizada o RCI Aplicação do RCI em casos de dispensa e de inexigibilidade Conforme art.35 da Lei do RDC, os artigos 24 a 26 da Lei 8.666/93, os quais tratam das hipóteses e dos procedimentos para dispensa e inexigibilidade, aplicam-se às contratações realizadas com base no RDC Aplicação do RCI em caráter preferencial, conjuntamente com outros dois regimes Consta no 1, art.8, que nas licitações e contratações de obras e serviços de engenharia serão adotados, preferencialmente, os regimes de empreitada por preço global, empreitada integral ou contratação integrada. Sob motivação inserida nos autos do procedimento licitatório, comprovando a inviabilidade de aplicação de um desses regimes, é permitida a adoção dos regimes de empreitada por preço unitário ou de contratação por tarefa, conforme disciplina o 2, art Aplicação do RCI sob motivação A utilização do RCI, per si, já contraria a diretriz estampada no inciso VI, art.4º, que estimula o parcelamento do objeto. Em decorrência, o Plenário do TCU, no Acórdão 1510, de , em seu subitem 9.1.2, determinou que se faz necessária a motivação acerca da inviabilidade do parcelamento da licitação. Ainda no julgado referido, em seu subitem , foi determinada que seja justificada, em termos técnico-econômicos, a vantagem da utilização do RCI, em detrimento de outros regimes preferenciais (no caso, empreitada integral e por preço global). Justen Filho (2013) externa que não é cabível uma escolha livre da Administração sobre o regime de execução, devendo cada escolha ser justificada de modo satisfatório, dentre pressupostos para cada caso, em especial quanto a ser necessário comprovar que é a solução economicamente mais vantajosa para Administração (verificar, também, o Acórdão P do TCU, de ).

5 Aplicação do RCI somente para obras e serviços de engenharia e desde que técnica e economicamente justificável Consta, no caput do art. 9, que nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizado o RCI, desde que técnica e economicamente justificada. Uma das principais dificuldades é identificar quais condições técnicas e econômicas justificam o emprego da contratação integrada. Justen Filho (2013) faz percuciente análise da definição da contratação integrada, análise que pôde ser resumida por livre interpretação dos autores deste artigo nos seguintes itens: o objeto contratual terá que ser de natureza complexa, envolvendo obra e/ou serviço de engenharia por meio dos quais se desenvolve uma atividade específica e determinada, não se admitindo a contratação integrada para contratos que somente inclua execução de obra e/ou serviços de engenharia (o citado autor chega a exemplificar: Não será adequada a solução da contratação integrada para edificar um prédio ou uma rodovia ); ao contratado, sob anteprojeto apresentado pela Administração, será atribuída a obrigação de conceber as soluções, elaborando os projetos e assumindo os riscos das escolhas; a remuneração do contratado será vinculada à operação do empreendimento, verificandose se seu desempenho propiciou um resultado em condições adequadas com o que foi predeterminado (o não atingimento dos níveis operacionais exigidos configura inadimplemento) Aplicação do RCI para contratos que privilegiem obrigações de resultado Justen Filho (2013), ao analisar a natureza jurídica do RCI, considerando que ao contratado será exigido que crie a solução adequada e satisfatória para assegurar um resultado predeterminado, assevera que o regime em comento se aplica a obrigações de resultado, também denominadas de obrigações de fim, se opondo a obrigações de meio (conceitos advindos da teoria das obrigações). Cumpre diferenciar: obrigações de resultado, quando a obrigação de executar um objeto envolve exclusivamente (ou principalmente) a determinação de um resultado a ser atingido, fixando-se parâmetros objetivos, qualitativos e quantitativos, para aferir se o resultado foi adequado. Ao contratado é dado autonomia para escolher os meios, assumindo os riscos do insucesso, de modo que produza o objeto-fim em compatibilidade com os indicadores exigidos previamente. A remuneração não está vinculada ao esforço, ao trabalho realizado, aos meios empregados e sim, ao atingimento de resultados (Ribeiro et al., 2012, utilizam a expressão obrigações de desempenho ou outputs); obrigações de meio, quando o contrato determina o modo da obtenção do resultado, assumindo o contratado a obrigação de executar as atividades predeterminadas pelo contratante, não havendo autonomia para escolha. A remuneração está vinculada ao esforço, ao trabalho realizado, aos meios empregados (Ribeiro et al., 2012, utilizam a expressão obrigações de investimentos ou inputs). Contudo, Justen Filho (2013) faz a ressalva que, na realidade da prática dos contratos, há uma conjugação dos aspectos das obrigações de resultados e de meio. Reconhece, ainda, que os contratos de empreitada de obra pública se caracterizam por contemplar preponderantemente obrigações de meio, em contraposição aos contratos de concessões, que privilegiam obrigações de resultado. Quanto aos custos, o citado autor coloca que, em regra, as obrigações de resultado, em decorrência dos riscos associados às escolhas e ao desempenho, tendem a elevar a remuneração que o contratado almeja.

6 Aplicação do RCI para objetos em que o contratante não sabe qual a solução técnica a ser adotada Não sendo do conhecimento da Administração Pública qual é a solução para a execução e a operação de determinado empreendimento, cabe o RCI (Justen Filho, 2013) Aplicação do RCI para objetos em que o contratante, diante de múltiplas soluções, não sabe qual é a melhor solução técnica a ser adotada Diante da complexidade do objeto, não tendo a Administração Pública segurança para definir qual é a solução mais satisfatória, cabe o RCI (Justen Filho, 2013) Quanto ao instrumento convocatório no RCI O projeto básico no RCI será elaborado pelo executor da obra, não sendo exigido como condição prévia à realização da licitação O 5, do art.8, que explicita a obrigatoriedade do projeto básico nas licitações para a contratação de obras e serviços, coloca como exceção da regra de obrigatoriedade as licitações onde for adotado o regime em comento. Para não restar dúvida, no 1, do art.9, é definido que a contratação integrada compreende a elaboração e o desenvolvimento dos projetos básico e executivo..., entre outras obrigações. Pereira Junior e Dotti (2012) lembram que na Lei 8.666/93 a atribuição da elaboração do projeto básico é da Administração Pública, sob pena de não se instaurar o procedimento licitatório (ou de o tornar nulo), vindo o RCI inverter tal seqüência As obras e serviços de engenharia, no RCI, não poderão ser realizados sem projeto executivo O 7, do art.8, veda a realização, sem projeto executivo, de obras e serviços de engenharia para cuja concretização tenha sido utilizado o RDC, qualquer que seja o regime adotado. Conforme 1, do art.9, no RCI, a elaboração e o desenvolvimento do projeto executivo é repassada ao executor da obra, o que é decorrente de ser também responsável pelo projeto básico O instrumento convocatório, no RCI, conterá anteprojeto O inciso I, 2, do art.9, exige que o instrumento convocatório contenha anteprojeto de engenharia, o qual contemple os documentos técnicos destinados a possibilitar a caracterização da obra ou serviço. O conteúdo do anteprojeto é relacionado nas quatro alíneas do inciso I, conforme a seguir reproduzido: demonstração e justificativa do programa de necessidades; visão global dos investimentos; definições quanto ao nível de serviço desejado; condições de solidez, segurança, durabilidade e prazo de entrega; estética do projeto arquitetônico; parâmetros de adequação: ao interesse público; à economia na utilização; à facilidade na execução; aos impactos ambientais; à acessibilidade.

7 O Decreto 7.581/2011, ao regulamentar a Lei do RDC no âmbito da Administração Pública Federal, acrescentou, em relação à lei (ver incisos I a V, 3, art.74), que deverão constar do anteprojeto, quando couber, os seguintes documentos técnicos: concepção da obra ou serviço de engenharia; projetos anteriores ou estudos preliminares que embasaram a concepção adotada; levantamento topográfico e cadastral; pareceres de sondagem; memorial descritivo dos elementos da edificação, dos componentes construtivos e dos materiais de construção, de forma a estabelecer padrões mínimos para a contratação. Justen Filho (2013) coloca que não existe uma disciplina específica quanto ao conteúdo de um anteprojeto de engenharia, o que não significa que não haja elementos mínimos, o que a legislação somente procurou relacionar, não impedindo que sejam exigidos outros elementos. Reisdorfer (2012) assevera que há um dever de motivação específico quanto aos documentos que permitam identificar o objeto. Pereira Junior e Dotti (2012) entendem que o anteprojeto parte dos estudos preliminares e antecede e subsidia a elaboração do projeto básico O anteprojeto, no RCI, conterá informações que possibilitem comparação entre as propostas O Decreto 7.581/2011 acrescentou, em relação à lei, conforme 3, art.74, que o anteprojeto deverá possuir nível de definição suficiente para proporcionar a comparação entre as propostas recebidas das licitantes. Justen Filho (2013) sustenta que a comparabilidade entre as propostas depende da existência de tópicos e indicadores objetivos a serem atendidos pelos proponentes, incluindo verificação de remuneração a ser paga, resultados obtidos e tempo de execução do objeto. Pozzo (2011) externa suas preocupações quanto às informações que deverão fazer parte do anteprojeto, de modo que se defina objetivamente o que se quer contratar, lembrando que o processo licitatório tem como premissa a comparação objetiva entre as propostas O anteprojeto, no RCI, conterá matriz de riscos Sob Acórdão 1510/2013, subitem 9.1.3, o Plenário do TCU, considerando o que consta no art.9º, 2º, inciso I e nos princípios da segurança jurídica, da isonomia, do julgamento objetivo, da eficiência e da obtenção da melhor proposta, determinou que a matriz de riscos é elemento essencial e obrigatório do anteprojeto. A matriz de riscos é o instrumento que define a repartição objetiva de responsabilidades advindas de eventos supervenientes à contratação, na medida em que é informação indispensável para a caracterização do objeto e das respectivas responsabilidades contratuais (como também essencial para a elaboração das propostas por parte das licitantes) Para obra de edificação, o anteprojeto, no RCI, definirá a arquitetura No acima citado Acórdão, em seu subitem 9.1.4, foi determinado que, no caso de obra de edificação, em regra, faz-se necessário que o anteprojeto preveja a arquitetura consistente do empreendimento, tendo em vista ser essa a informação definidora do produto a ser entregue à Administração e constituir-se em elemento fundamental para a avaliação de eventuais metodologias diferenciadas para o seu adimplemento, como também para a elaboração dos demais projetos a serem desenvolvidos à época do projeto básico.

8 A não elaboração do projeto básico em etapa prévia à licitação não elide a necessidade de se ter, no RCI, avaliação prévia do valor da contratação Consta no inciso II, 2, do art. 9, que o valor estimado da contratação deverá ser calculado com base em um dos seguintes procedimentos de avaliação (foi utilizada a conjunção ou ): nos valores praticados pelo mercado; nos valores pagos pela administração pública em serviços e obras similares; na avaliação do custo global da obra, aferida mediante orçamento sintético ou metodologia expedita ou paramétrica O orçamento, no RCI, deverá ser elaborado conforme anteprojeto, com detalhamento proporcional às informações existentes quanto à obra ou serviço de engenharia Nada impede que a Administração Pública disponibilize, aos licitantes, projeto básico (ou mesmo projeto executivo) que precise, por exemplo, de atualização e/ou de complementação. Neste caso, o anteprojeto será o próprio projeto básico em tais condições e é atribuição da Administração, como condição prévia à licitação, providenciar a elaboração do orçamento o mais detalhado possível, de acordo com as informações contidas e disponibilizadas no anteprojeto. Os parágrafos do art.8 são de aplicação a todos os regimes de contratação, inclusive ao RCI (relacionado no inciso V do citado artigo), nos casos em que as informações disponibilizadas no anteprojeto permitirem; cabe destacar quanto ao art.8 : 3 : O custo global de obras e serviços de engenharia deverá ser obtido a partir de custos unitários de insumos ou serviços menores ou iguais à mediana de seus correspondentes ao Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), no caso de construção civil em geral, ou na tabela do Sistema de Custos de Obras Rodoviárias (Sicro), no caso de obras e serviços rodoviários. O Sinapi é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal e o Sicro, do Departamento Nacional de Infraestrura de Transportes; 4 : No caso de inviabilidade da definição dos custos consoante o disposto no 3 deste artigo, a estimativa de custo global poderá ser apurada por meio da utilização de dados contidos em tabela de referência formalmente aprovada por órgãos ou entidades da administração pública federal, em publicações técnicas especializadas, em sistema específico instituído para o setor ou em pesquisa de mercado ; 6 : No caso de contratações realizadas pelos governos municipais, estaduais e do Distrito Federal, desde que não envolvam recursos da União, o custo global de obras e serviços de engenharia a que se refere o 3 deste artigo poderá também ser obtido a partir de outros sistemas de custos já adotados pelos respectivos entes e aceitos pelos respectivos tribunais de contas. O Plenário do TCU, no Acórdão 1510/2013, em seu subitem 9.1.5, determinou que, sempre que o anteprojeto, por seus elementos mínimos, assim o permitir, as estimativas de preço a que se refere o art.9º, 2º, inciso II, devem se basear em orçamento sintético tão detalhado quanto possível, balizado pelo Sinapi e/ou pelo Sicro, devidamente adaptadas às condições peculiares da obra, conforme o caso. Foi determinado, ainda (subitem 9.1.5), que a utilização de estimativas paramétricas e a avaliação aproximada baseada em outras obras similares devem ser realizadas somente nas frações do empreendimento não suficientemente detalhadas pelo anteprojeto, em prestígio ao que assevera a Lei do RDC, em alguns de seus dispositivos combinados, quais sejam:

9 inciso IV, 1º, art.1º, ao explicitar que são objetivos do RDC assegurar tratamento isonômico entre os licitantes e selecionar proposta mais vantajosa para a administração pública; 3º, art.8º, ao determinar que o custo deverá ser obtido tendo como referências principais o Sinapi e o Sicro; 4º, art.8º, ao prever que, na inviabilidade de serem utilizados os sistemas citados, poderão ser verificadas outras referências previstas neste dispositivo legal Na elaboração do orçamento, no RCI, deverá ser utilizada a técnica com maior precisão orçamentária No acima citado Acórdão, em seu subitem 9.1.6, foi determinado que, quando for utilizada metodologia expedita ou paramétrica para abalizar o valor do empreendimento (ou fração dele), dentre duas ou mais técnicas estimativas possíveis, deve-se utilizar a que viabilize a maior precisão orçamentária. Ou seja, sempre que houver possibilidade de uso de mais de uma técnica procedimental para a elaboração do orçamento da obra/serviço de engenharia, com o intuito de determinar o valor estimado da contratação, deverá ser utilizada a técnica com maior precisão orçamentária É obrigatório, no RCI, o emprego do critério de julgamento de técnica e preço O inciso III, 2, do art.9, explicita que será adotado o critério de julgamento de técnica e preço, critério detalhado no art.20, assunto que será tratado na seção 6 deste artigo Propostas com projetos contemplando metodologias diferenciadas de execução, no RCI, serão avaliadas e julgadas por critérios objetivos Consta no 3, do art.9, que caso seja permitida no anteprojeto de engenharia a apresentação de projetos com metodologias diferenciadas de execução, o instrumento convocatório estabelecerá critérios objetivos para avaliação e julgamento das propostas Quanto aos aditivos no RCI Há relevantes restrições quanto à celebração de termos aditivos no RCI Ao findar o art.9, no 4, foi registrado que nas hipóteses em que for adotado o RCI, é vedada a celebração de termos aditivos aos contratos firmados, sendo postas as exceções para os seguintes casos (incisos I e II, a seguir reproduzidos): recomposição do equilíbrio econômico-financeiro decorrente de caso fortuito ou força maior e necessidade de alteração do projeto ou das especificações para melhor adequação técnica aos objetivos da contratação, a pedido da administração pública, desde que não decorrentes de erros ou omissões por parte do contratado, observados os limites previstos no 1 do art.65 da Lei n 8.666, de 21 de junho de Pozzo (2011), apesar de concordar que a redação da lei leva ao entendimento de hipóteses taxativas, defende que se trata de condições exemplificativas, discussão aqui não abordada. O art.65 citado trata da alteração dos contratos, disciplinando o 1 que o contratado fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos ou supressões que se fizerem nas obras, serviços ou compras, até 25% do valor inicial atualizado do contrato, e, no caso particular de reforma de edifício ou de equipamento, até o limite de 50% para os seus acréscimos. Quanto às supressões resultantes de acordo celebrado entre as partes, não há limite para estas (conforme inciso II, 2 do artigo referenciado).

10 6. O REGIME DE CONTRATAÇÃO INTEGRADA (RCI) E O SEU CRITÉRIO DE JULGAMENTO POR TÉCNICA E PREÇO Da verificação do conteúdo da Lei do RDC, em especial quanto ao art.20 e seus dois parágrafos, e do Decreto 7.581/2011 (art.28 e art.29), ainda com apoio na incipiente doutrina e na recente e escassa jurisprudência advinda do TCU, aduzem-se as considerações abaixo quanto ao critério de julgamento inerente ao RCI (as referências a artigos, parágrafos e incisos, quando não citadas a lei, são pertinentes à Lei /2011, que trata do RDC). Antes, vale frisar que a técnica e preço é um dos cinco critérios de julgamento estabelecidos na Lei do RDC (relacionados no art.18), a lembrar que o inciso III, 2, do art.9 (visto no item acima deste artigo), explicita que será adotado o critério de julgamento de técnica e preço quando se empregar o RCI Quanto à aplicação do julgamento por técnica e preço O objeto, no RCI, deve ser de natureza predominantemente intelectual e de inovação tecnológica ou poder ser executado com diferentes metodologias ou tecnologias de domínio restrito no mercado Se o inciso III, 2, do art.9, explicita que será adotado o critério de julgamento de técnica e preço para a licitação em que for adotado o regime de contratação integrada, por outro lado, o 1, do art.20, coloca que o julgamento de técnica e preço destinar-se-á exclusivamente a objetos : I - de natureza predominantemente intelectual e de inovação tecnológica ou técnica ou II - que possam ser executados com diferentes metodologias ou tecnologias de domínio restrito no mercado, pontuando-se as vantagens e qualidades que eventualmente forem oferecidas para cada produto ou solução. Ou seja, o objeto terá que preencher o requisito contido no inciso I ou o requisito contido no inciso II, acima reproduzidos. E este é o entendimento externado pelo Plenário do TCU, no Acórdão 1510/2013, em seu subitem 9.1.1, com o qual os autores deste artigo concordam (posteriormente, nos Acórdãos 2163 e 2164/2013, de , houve decisões no mesmo sentido). Vale registrar que, no acima citado acórdão, é posto (avaliado e julgado improcedente) o entendimento proferido no Parecer N AGU/RA-03/2012 da Advocacia Geral da União, de , decorrente de consulta formulada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (sob Aviso n 190/MP, de ), especificamente sobre a abrangência e aplicabilidade do RCI no âmbito do RDC; consta na conclusão do citado parecer (no que o Plenário do TCU discordou): A possibilidade de adoção do regime de contratação integrada não está subsumida às hipóteses previstas nos incisos I e II do 1º do art.20 e a Administração Pública poderá utilizar preferencialmente o Regime de Contratação Integrada, disciplinado pelo art.9, para a contratação de obras e serviço de engenharia, desde que essa opção seja técnica e economicamente justificável, sendo esta a única condicionante sine qua non para se optar pela contratação integrada. O conteúdo do referido parecer serviu de base para que fossem licitados, sob RCI, objetos que não se enquadram em um dos dois incisos do 1, art. 20 da Lei do RDC, assunto que não se pôde incluir neste artigo.

11 O critério de julgamento por técnica e preço não é exclusivo de aplicação ao RCI A Lei do RDC trouxe, em dois artigos distintos, o RCI (art.9 ) e o critério de julgamento de técnica e preço (art.20), não tendo sido explícito, em qualquer parte, que sua aplicação somente ocorra no RCI. A considerar que há a possibilidade de utilização de outros regimes relacionados no art.8 (integral, preço global, preço unitário e tarefa), em se decidindo motivadamente por algum desses, caso haja relevância na escolha da melhor proposta, nas condições descritas no 1, art.20, não há proibição para a utilização do critério de julgamento de técnica e preço sob adoção de qualquer outro regime Somente quando houver relevância aos fins pretendidos é que se adotará julgamento de técnica e preço Consta no 1, art.20, que o critério em tela será utilizado quando a avaliação e a ponderação da qualidade técnica das propostas que superarem os requisitos mínimos estabelecidos no instrumento convocatório forem relevantes aos fins pretendidos pela administração pública O julgamento de técnica e preço tem aplicação destinada exclusivamente a objetos descritos na lei Nos dois incisos do 1, art.20, são relacionados os objetos aos quais se destinam exclusivamente a aplicação do critério de julgamento de técnica e preço (a lei registrou I ou II): I - de natureza predominantemente intelectual e de inovação tecnológica ou técnica ou II - que possam ser executados com diferentes metodologias ou tecnologias de domínio restrito no mercado Objetos com diferentes metodologias não precisam ser de domínio restrito no mercado A redação do inciso II, 1, art.20 registra a conjunção ou entre objetos com diferentes metodologias e objetos com tecnologias de domínio restrito no mercado, não havendo dúvida que são dois objetos distintos. A dúvida seria se os objetos com diferentes metodologias precisariam ser também de domínio restrito no mercado, no julgamento de técnica e preço. Em decorrência, o Plenário do TCU se pronunciou no Acórdão 1510/2013, em seu subitem , que a expressão de domínio restrito de mercado refere-se, especificamente, ao termo tecnologias, e não, necessariamente, às diferentes metodologias Quanto às propostas e seu julgamento de técnica e preço É obrigatório que se exija dos licitantes, além da proposta de preço, a apresentação de proposta técnica O caput do art. 20 disciplina que no julgamento pela melhor combinação de técnica e preço, deverão ser avaliadas e ponderadas as propostas técnicas e de preço apresentadas pelos licitantes. Justen Filho (2013) entende que a etapa de proposta técnica deve anteceder a de proposta de preço.

12 As propostas técnicas e de preço serão julgadas objetivamente, sendo permitida a utilização de ponderação diferenciada, limitada a 70% para a proposta mais relevante O caput do art.20 determinou que as propostas sejam avaliadas e ponderadas, tendo sido explícito, em seu 2, que é permitida a atribuição de fatores de ponderação distintos para valorar as propostas técnicas e de preço, sendo o percentual de ponderação mais relevante limitado a 70%. Ou seja, pode-se, no máximo, atribuir 70% de peso para a proposta de preço ou para a proposta técnica, com ponderação maior para a proposta que se justificar que seja mais relevante para a contratação No caso de objetos que possam ser executados com diferentes metodologias ou tecnologias de domínio restrito no mercado, deverão ser pontuadas vantagens e qualidades que eventualmente forem oferecidas para cada produto ou solução Esta é a redação do inciso II, 1, art.20. O Plenário do TCU, no Acórdão 1510/2013, em seu subitem 9.1.7, determinou que se busque a valoração da metodologia ou técnica construtiva a ser empregada Os critérios empregados para julgamento das propostas devem ser devidamente justificados e adequados à complexidade do objeto No acima citado julgado, em seu subitem 9.1.7, foi determinado que seja justificado, no bojo do processo licitatório, o balanceamento conferido para as notas técnicas das licitantes, como também a distribuição dos pesos para as parcelas de preço e técnica, em termos da obtenção da melhor proposta Não é admissível julgar proposta técnica somente por pontuação de acervo técnico Ainda no acima citado julgado, subitem 9.1.7, foi determinado que se busque a valoração da metodologia ou técnica construtiva a ser empregada e não, somente, a pontuação individual decorrente da experiência profissional das contratadas ou de seus responsáveis técnicos. Justen Filho (2013) ressalta que a proposta técnica deverá conter a concepção desenvolvida pelo licitante, cabendo ao edital fixar os parâmetros para pontuação das soluções concebidas e os requisitos de aceitabilidade das propostas, somente sendo consideradas aceitáveis as propostas com qualidade compatível com os interesses da Administração. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Há de se concluir que a possibilidade de adoção do RCI para licitações e contratos de obras pertinentes às infraestruturas dos serviços públicos, atribuindo ao executor da obra/serviço a elaboração do projeto básico, tem aplicação restrita, em situações bem específicas e excepcionais, podendo somente ser utilizado desde que técnica e economicamente justificada. É admissível, por exemplo, quando o objeto incluir atividades inerentes à operação da infraestrutura (sob obrigações de resultado), não houver solução técnica determinada ou a complexidade do objeto não possibilitar definir a solução mais adequada. Não se aplica, pois, a licitações/contratos que tenham como objeto a simples execução de obras/serviços de engenharia.

13 O RCI não é, destarte, solução para as dificuldades vividas pela Administração Pública quanto à elaboração de projetos básicos referentes às infraestruturas, em especial quanto às relacionadas ao transporte (portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias, terminais, sistemas etc.), o que tem se constituído em impedimento para que se instaure o procedimento licitatório ou em adiamentos decorrentes da ação de órgãos de controle, problemas que devem ser enfrentados com eficiência. Justen Filho (2013) destaca que não cabe adotar a contratação integrada simplesmente em virtude da constatação da incapacidade administrativa de promover contratação mais adequada e satisfatória. A reflexão é relevante especificamente porque um dos problemas mais sérios enfrentados pela Administração Pública é a elaboração de projetos básicos, entendendo que se deve evitar o equívoco de supor que a contratação integrada é uma solução universal, uma espécie de panacéia para as dificuldades enfrentadas pela Administração Pública brasileira. Em desdobramento, Reisdorfer (2012) alerta que a transferência da elaboração do projeto básico para o executor exigirá uma nova postura na fiscalização da execução do contrato, ao cobrar cumprimento de níveis de serviço. Ribeiro et al. (2012) defendem que a contratação integrada deve ser reservada para os casos em que também se transfira ao contratado a prestação de serviços de manutenção e/ou operação da infraestrutura viabilizada pelo RDC, bem como deve vir acompanhada de exigência de garantias e penalidades fortes que possam ser eventualmente executadas em caso de deficiências na infraestrutura verificadas apenas após a conclusão da obra e seu início de operação. Aproxima-se, pois, da lógica concessional (quem projeta, executa e opera a infraestrutura), posta no ordenamento jurídico pátrio referente às concessões comuns, patrocinadas e administrativas. Ou seja, ao se entender que a iniciativa privada possa agregar sua expertise para a elaboração dos projetos e sob a condição de que a contratação incluirá, além da execução de obras/serviços de engenharia, a gestão da infraestrutura do serviço público, caberá à Administração Pública definir suas necessidades e os níveis mínimos de serviço que serão exigidos na execução contratual, passando-se a cobrar resultados, sob indicadores para aferição objetiva de desempenho do contratado, a trazer benefícios mensuráveis para a sociedade brasileira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Justen Filho, M. (2013) Comentários ao RDC: Lei /11 e Decreto 7.581/11. Dialética, São Paulo, SP. Pereira Junior, J.T. e Dotti, M.R. (2012) Execução Indireta de Obras e Serviços de Engenharia e Seus Respectivos Projetos (Básico e Executivo) no Regime Diferenciado de Contratações Públicas-RDC. BLC-Boletim de Licitações e Contratos, p , out Pozzo, A.N. (2011) Panorama geral dos regimes de execução previstos no Regime Diferenciado de Contratações: a contratação integrada e seus reflexos. In: Cammarosano,M., Pozzo, A.N. e Valim, R. (Coord). Regime Diferenciado de Contratações Públicas-RDC (Lei n /11): aspectos fundamentais. Fórum, Belo Horizonte, MG. Reisdorfer, G.F.D. (2012) A contratação integrada no Regime Diferenciado de Contratações Públicas. In: Justen Filho, M. e Pereira, C.A.G. (Coordenadores). O Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC): comentários à Lei n e ao Decreto n Fórum, Belo Horizonte, MG. Ribeiro, M. P., Prado, L.N. e Pinto Júnior, M.E. (2012) Regime diferenciado de contratação: licitação para Copa do Mundo e Olimpíadas. Atlas, São Paulo, SP.

RDC Experiência Federal

RDC Experiência Federal RDC Experiência Federal Marcelo Bruto Diretor de Logística Secretaria do Programa de Aceleração do Crescimento Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão RDC abrangência Lei 12.462, de 5 de agosto

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO O governo federal estabeleceu, em 2011, uma nova modalidade de licitação conhecida como Regime Diferenciado de Contratações

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CDASTRO E LICITAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Diogo Campos Borges de Medeiros I SEMINÁRIO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO DNIT OBJETIVOS Verificar o conceito, as aplicações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Renovação de Licitação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Renovação de Licitação 15/10/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão... 8 5. Referências... 8 6. Histórico de alterações... 8 2 1.

Leia mais

CMA - SENADO FEDERAL

CMA - SENADO FEDERAL CMA - SENADO FEDERAL PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS ABR/2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização de Obras Secob/1 André Luiz Mendes ÔNUS DA PROVA A quem cabe demonstrar que

Leia mais

O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas

O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas Matheus Rocha Faganello 1 Resumo: Análise do Regime Diferenciado de Contratações como um regime paralelo à atual Lei Geral

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

CAPÍTULO I Da fase interna da licitação SEÇÃO I Do edital padrão

CAPÍTULO I Da fase interna da licitação SEÇÃO I Do edital padrão 1 Fonte: http://www.transportes.gov.br/ Link: legislação Instrução Normativa MT nº 001/2007, de 04/10/2007, publicada no D.O.U em 05/10/2007. Uniformiza os procedimentos e rotinas a serem observados pelo

Leia mais

ABRAGÊNCIA DO RDC ASPECTOS GERAIS

ABRAGÊNCIA DO RDC ASPECTOS GERAIS 1 ABORDAGENS Aspectos Gerais Licitações No Âmbito Do RDC Objeto Sigilo do Orçamento Aquisição de Bens Regimes de Execução e Orçamentação de Obras Contratação Integrada Remuneração Variável Contratação

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr LICITAÇÕES PÚBLICAS Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos Consultas Bibliográficas Daniel Pinto Gontijo 20/NOVEMBRO/2012

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

O RDC E O FUTURO DAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

O RDC E O FUTURO DAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS O RDC E O FUTURO DAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Michelle Marry M. da Silva Advogada da União Assessora da Subchefia para assuntos jurídicos na Casa Civil Presidência da República Lei n 12.462, de 04 de agosto

Leia mais

RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Considerações Iniciais A aquisição de bens ou serviços pelo Estado deve obedecer ao disposto no art. 37, XXI, da Constituição Federal: Art. 37. (...) XXI

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

Resposta à Impugnação

Resposta à Impugnação GECOL/SSEAF, 11 de outubro de 2011. Assunto: Contratação de Fábrica de Software Resposta à Impugnação Diante da Impugnação recebida às 16h39 de 10/10/2011, do Edital do Pregão Eletrônico nº 22/2011, esta

Leia mais

Grupo de Trabalho Copa do Mundo FIFA 2014 da 5ª Coordenação e Revisão do MPF NOTA AO PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO DA MP 521/2010

Grupo de Trabalho Copa do Mundo FIFA 2014 da 5ª Coordenação e Revisão do MPF NOTA AO PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO DA MP 521/2010 Grupo de Trabalho Copa do Mundo FIFA 2014 da 5ª Coordenação e Revisão do MPF NOTA AO PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO DA MP 521/2010 (Regime Diferenciado de Contratações Públicas) O Grupo de Trabalho Copa do

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

Organograma Simplificado Reitoria

Organograma Simplificado Reitoria Organograma Simplificado Reitoria REITORIA CHEFIA GABINETE VICE REITORIA SECRETARIA GERAL PROGRAD PROPG PROPES PROEX PROAP PROPLADI PROAD CCNH CMCC CECS PU NTI ACI ARI AUDIN PROCURA- DORIA ProAd 18/09/13

Leia mais

Projeto Básico Aspectos Jurídicos

Projeto Básico Aspectos Jurídicos Projeto Básico Aspectos Jurídicos 1 PROJETO BÁSICO - Generalidades Elemento mais importante da execução da obra pública. Finalidade: caracterização detalhada da obra ou serviço, possibilitando a avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência:

A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência: A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência: Autor: André Pataro Myrrha de Paula e Silva Analista Jurídico do Ministério Público de Minas Gerais Uma prática que tem se tornado comum por

Leia mais

Duração dos Contratos. Vinculação do Contrato. Manutenção das Condições de Habilitação e Qualificação. Foro

Duração dos Contratos. Vinculação do Contrato. Manutenção das Condições de Habilitação e Qualificação. Foro Vinculação do Contrato O contrato fica vinculado, obrigatoriamente, à proposta do contratado e aos termos da licitação realizada, ou aos termos do ato de dispensa ou inexigibilidade de licitação. Manutenção

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 Referência : Correio eletrônico, de 17/9/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 1693/2014.

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO A partir da iniciativa da CBIC e ANEOR em 2009, representantes dos segmentos envolvidos nos serviços de engenharia e obras

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2153/2015 CAEMA CONCORRÊNCIA Nº 001/2015-PRL ASSUNTO: IMPUGNAÇAO AO EDITAL

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2153/2015 CAEMA CONCORRÊNCIA Nº 001/2015-PRL ASSUNTO: IMPUGNAÇAO AO EDITAL PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2153/2015 CAEMA CONCORRÊNCIA Nº 001/2015-PRL ASSUNTO: IMPUGNAÇAO AO EDITAL Trata-se de resposta ao pedido de impugnação ao Edital, referente a Concorrência 001/2015-PRL, cujo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 2 DE MARÇO DE 2011 (*) Estabelece os procedimentos a serem adotados para aquisição de materiais e bens e contratação

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA. EDITAL RDC n 47/2014-05

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA. EDITAL RDC n 47/2014-05 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA EDITAL RDC n 47/2014-05 5º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 1ª Pergunta: Usualmente, os editais do DNIT

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

JULGAMENTO SOBRE IMPUGNAÇÃO. e Distribuição Eireli ME e Enterprise Comércio e Soluções em TI Ltda EPP, ora

JULGAMENTO SOBRE IMPUGNAÇÃO. e Distribuição Eireli ME e Enterprise Comércio e Soluções em TI Ltda EPP, ora Processo: nº 43404/2015-7 Objeto: Aquisição de Equipamentos de TI. Modalidade: Pregão Eletrônico 09/2015 JULGAMENTO SOBRE IMPUGNAÇÃO Cuida-se de reposta ao Pedido de Impugnação ao Edital interposto pelas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DOE Nº 2.137, DE 31-03-06 LEI Nº 1424, DE 14 DE MARÇO DE 2006.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DOE Nº 2.137, DE 31-03-06 LEI Nº 1424, DE 14 DE MARÇO DE 2006. PUBLICADA NO DOE Nº 2.137, DE 31-03-06 LEI Nº 1424, DE 14 DE MARÇO DE 2006. Faço saber que: Institui o Programa de Parcerias Público- Privadas do Município de Palmas, Estado do Tocantins, e dá outras providências.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.465, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta o 1º do art. 62 da Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013, para dispor sobre os

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 0001/12 Florianópolis, 21 de maio de 2012.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 0001/12 Florianópolis, 21 de maio de 2012. ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 0001/12 Florianópolis, 21 de maio de 2012. Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública Estadual a respeito da contratação de manutenção de bens imóveis. SEF 7366/2012.

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

O SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS DESTINADO AO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

O SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS DESTINADO AO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS O SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS DESTINADO AO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Marçal Justen Filho Doutor em Direito (PUC/SP) Sócio de Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. Considerações gerais

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. - CERON

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. - CERON Processo: PREGÃO ELETRÔNICO N.º 060/2008 Objeto: Contratação de Empresa Especializada para a Prestação de Serviços de Comunicação de Dados/Voz/lmagens, serviços que englobam a conservação da Intranet baseada

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

Semana de Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e de Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas REGIME DIFERENCIADO CONTR

Semana de Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e de Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas REGIME DIFERENCIADO CONTR REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC ABOP Slide 1 LEGISLAÇÃO - RDC Lei nº 12.462, de 5 de agosto de 2011. Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011. ABOP Slide 2 1. NOÇÕES Trata-se de um novo

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de conferir mais efetividade e amplitude às ações do controle externo a cargo do Tribunal,

CONSIDERANDO a necessidade de conferir mais efetividade e amplitude às ações do controle externo a cargo do Tribunal, DELIBERAÇÃO Nº 262 2 de dezembro de 2014 Estabelece normas a serem observadas pelos órgãos e entidades estaduais e municipais da Administração Pública Direta e Indireta de qualquer dos Poderes, sob a jurisdição

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina PREGÃO N. 070/201 /2014 PAE N. 24.230 230/201 2014 A empresa MEPAS apresentou impugnação ao edital do Pregão n. 070/2014, cujo objeto consiste no Registro de Preços para eventual aquisição de materiais

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA 03/2015 QUESTIONAMENTO 12. Pergunta: No que tange ao Anexo II Critérios de elaboração e julgamento da proposta técnica:

CONCORRÊNCIA AA 03/2015 QUESTIONAMENTO 12. Pergunta: No que tange ao Anexo II Critérios de elaboração e julgamento da proposta técnica: CONCORRÊNCIA AA 03/2015 QUESTIONAMENTO 12 Pergunta: No que tange ao Anexo II Critérios de elaboração e julgamento da proposta técnica: Item A.I.c: Poderá a apresentação também se dar em pen drive (com

Leia mais

A Empresa SPRINK SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. interpõe tempestivamente impugnação ao Edital de Pregão supra referenciado pelos motivos a seguir:

A Empresa SPRINK SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. interpõe tempestivamente impugnação ao Edital de Pregão supra referenciado pelos motivos a seguir: PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO Referência: Pregão nº 17/2009 Processo: 1.00.000.000102/2009-16, Fase: Impugnação de Edital A Empresa SPRINK SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA.

Leia mais

Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo?

Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo? Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo? Jessé Torres Pereira Junior Marinês Restelatto Dotti Palavras chave: Licitações públicas. Regime Diferenciado

Leia mais

LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS

LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS CURSO DE GESTÃO PÚBLICA THIAGO MONTEIRO BONATTO Porque a Administração Pública deve estabelecer contratos especiais em suas contratações de serviços e aquisições?

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL Projeto Gestão do Cotidiano 2015 LEI 13.019/14 Transferências voluntárias de Recursos dos entes federados às

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO IMPUGNANTE: RIBAL LOCADORA DE VEÍCULOS LTDA CNPJ.: 07.605.506/0001-73

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO IMPUGNANTE: RIBAL LOCADORA DE VEÍCULOS LTDA CNPJ.: 07.605.506/0001-73 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO

Leia mais

As novas exigências para qualificação técnico operacional para licitações de serviços contínuos trazidas pela IN nº 06/2013 do MPOG na prática

As novas exigências para qualificação técnico operacional para licitações de serviços contínuos trazidas pela IN nº 06/2013 do MPOG na prática As novas exigências para qualificação técnico operacional para licitações de serviços contínuos trazidas pela IN nº 06/2013 do MPOG na prática Prof. Flaviana Vieira Paim A Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS 1 A planilha de quantitativos e preços nas obras e serviços de engenharia constitui fator fundamental não só para o sucesso

Leia mais

Elaboração de planilhas de orçamento de obras

Elaboração de planilhas de orçamento de obras Elaboração de planilhas de orçamento de obras por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS 1 A planilha de quantitativos e preços nas obras e serviços de engenharia constitui fator fundamental não só para o sucesso

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Projeto básico nas licitações públicas. Lei nº 8.666/93: art. 6º, IX e X Airton Rocha Nóbrega* PLANEJANDO COMPRAS, SERVIÇOS E OBRAS Planejar a licitação constitui um dever inafastável

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 30/10/2015 Prezados clientes, A Câmara dos Deputados aprovou na noite de 28.10.2015, o Projeto de Lei de Conversão ( PLV ) nº 21/2015, referente à Medida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos que tratam de fiscalizações de orientação centralizada, realizadas no âmbito do Tema de Maior Significância

Leia mais

Sistema de Registro de Preços. Diretoria Central de Licitações e Contratos Outubro/2013

Sistema de Registro de Preços. Diretoria Central de Licitações e Contratos Outubro/2013 Sistema de Registro de Preços Diretoria Central de Licitações e Contratos Outubro/2013 CONTEÚDO 1. Conceito 2. Embasamento Legal 3. Aplicação 4. Atores e atribuições 5. Etapas do Procedimento para registro

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

EMPREITADA GLOBAL OU UNITÁRIA?

EMPREITADA GLOBAL OU UNITÁRIA? X SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PUBLICAS PERNAMBUCO EMPREITADA GLOBAL OU UNITÁRIA? LICITAÇÕES E CONTRATOS - ASPECTOS POLÊMICOS Walter Augusto de Azevedo Assistente da Subsecretaria de

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR Referências: Processo SECOM nº 00170.001719/2008-71.

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS: Art. 1º As contratações de obras, serviços, compras e alienações da Associação Brasileira de

Leia mais

III.b.2 Atestados de capacidade técnica

III.b.2 Atestados de capacidade técnica Licitante interessada em participar do pregão eletrônico Adpal nº 66/2014, que tem como objeto a contratação de empresa para a prestação de serviços de vigilância patrimonial ostensiva armada, por postos

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI)

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI) ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO PROFESSORA: CLARISSA SAMPAIO SILVA 1) LICITAÇÃO - Previsão constitucional: 1.1. Estabelecimento de normas gerais ( CF, art.22, XXVII)

Leia mais

A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GERENCIAMENTO DE FROTA PELO PODER PÚBLICO SOB A ÓTICA DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GERENCIAMENTO DE FROTA PELO PODER PÚBLICO SOB A ÓTICA DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GERENCIAMENTO DE FROTA PELO PODER PÚBLICO SOB A ÓTICA DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Por: Eduardo Meira Ribas Advogado em Curitiba. Consultor Jurídico da JML Consultoria e

Leia mais

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Ementa: REGULAMENTA O PROGRAMA HABITACIONAL LARES GERAES - SEGURANÇA PÚBLICA NO ÂMBITO DO FUNDO ESTADUAL DE HABITAÇÃO - FEH. Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

FAQ AUDIÊNCIA PÚBLICA - LICITAÇÃO AGF 2013

FAQ AUDIÊNCIA PÚBLICA - LICITAÇÃO AGF 2013 FAQ AUDIÊNCIA PÚBLICA - LICITAÇÃO AGF 2013 Perguntas 1) O que é uma franquia dos Correios? 2) Qual o Objetivo da Audiência Publica sobre contratação de pessoa jurídica de direito privado para operação

Leia mais

SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADOR CLÉSIO ANDRADE Manual para Prefeituras Celebrarem Convênios já Autorizados com a Caixa Econômica Federal SENADOR CLÉSIO ANDRADE Conteúdo INTRODUÇÃO... 3 CICLO DO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO... 4 CONTRAPARTIDA OBRIGATÓRIA...

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA A NECESSÁRIA VISÃO PANORÂMICA SOB OS OLHARES DO PÚBLICO E DO PRIVADO Carga horária: 16 horas A - A PREVISÃO CONSTITUCIONAL E A LICITAÇÃO 1. Da supremacia das

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

Assim está confeccionado o art. 42 da Lei nº 8.666/93, litteris:

Assim está confeccionado o art. 42 da Lei nº 8.666/93, litteris: O CONTRATO ADMINISTRATIVO EM MOEDA ESTRANGEIRA E O SEU REAJUSTE Mauro Roberto Gomes de Mattos Advogado no Rio de Janeiro. Vice Presidente do Instituto Ibero Americano de Direito Público IADP, Membro da

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 38ª Reunião da Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 04 e 05 de dezembro de 2007 Processo n 02000.003674/2005-12

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 133/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 133/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 133/2013 Referência : Correio eletrônico de 10.10.2013. Protocolo AUDIN-MPU nº 1.367/2013.

Leia mais

Dispensa de licitação

Dispensa de licitação Dispensa de licitação Introdução A CR/88 obriga em seu art. 37, XXI que a contratação de obras, serviços, compras e alienações, bem como a concessão e a permissão de serviços públicos pela Administração

Leia mais

1. DA POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DECORRENTES DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

1. DA POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DECORRENTES DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 1. DA POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS DECORRENTES DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Indaga-se sobre a possibilidade de os contratos decorrentes de ata de registro de preços,

Leia mais

MANUAL RESUMIDO DE FISCALIZAÇÃO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS O QUE SÃO?

MANUAL RESUMIDO DE FISCALIZAÇÃO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS O QUE SÃO? MANUAL RESUMIDO DE FISCALIZAÇÃO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS O QUE SÃO? Na prestação dos serviços públicos e para o seu funcionamento é necessário que a Administração Pública adquira bens e/ou contrate serviços

Leia mais

Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública

Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública RELATOR: CONSELHEIRO GILBERTO DINIZ Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA PROCESSO DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA ESTIMATIVA DO CUSTO DO OBJETO E INDICAÇÃO

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

Regimes de contratação no universo da Administração Pública: Empreitada por Preço Global x Empreitada por Preço Unitário

Regimes de contratação no universo da Administração Pública: Empreitada por Preço Global x Empreitada por Preço Unitário 1 Regimes de contratação no universo da Administração Pública: Empreitada por Preço Global x Bruno Marques Novaes Ajala Velloso bmvelloso@gmail.com Gerenciamento de Obras, Tecnologia & Qualidade da Construção

Leia mais

REMUNERAÇÃO VARIÁVEL VINCULADA AO DESEMPENHO DO CONTRATADO E BUSCA DE EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE

REMUNERAÇÃO VARIÁVEL VINCULADA AO DESEMPENHO DO CONTRATADO E BUSCA DE EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL VINCULADA AO DESEMPENHO DO CONTRATADO E BUSCA DE EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE Adolfo Luiz Souza de Sá Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco Enilson Medeiros

Leia mais

RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO E SUAS REGRAS PARA AS LICITAÇÕES PÚBLICAS

RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO E SUAS REGRAS PARA AS LICITAÇÕES PÚBLICAS SEMINÁRIO ESPECIAL RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO E SUAS REGRAS PARA AS LICITAÇÕES PÚBLICAS O PASSO A PASSO DO RDC UMA ABORDAGEM PRÁTICA E JURISPRUDENCIAL Recife, 14 e 15 de dezembro de 2015

Leia mais

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES RDC

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES RDC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PROAD DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES DPL REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES RDC COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES E ENTENDIMENTOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

O Marco Regulatório do Terceiro Setor Aplicação da Lei Federal nº 13.019/2014 no âmbito dos Municípios. Apresentação

O Marco Regulatório do Terceiro Setor Aplicação da Lei Federal nº 13.019/2014 no âmbito dos Municípios. Apresentação Apresentação O terceiro setor é, hoje, grande partícipe na implementação de políticas públicas, notadamente no campo assistencial, no âmbito da Administração Pública. À ação empreendedora de organizações

Leia mais

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem :

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : ESCLARECIMENTOS Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99 Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : 1) Da Habilitação: Entendemos que as empresas participantes

Leia mais

Resposta aos questionamentos 53 a 86 - RDC 2013/10406 (9600).

Resposta aos questionamentos 53 a 86 - RDC 2013/10406 (9600). Resposta aos questionamentos 53 a 86 - RDC 2013/10406 (9600). Questionamento 53 Considerando que o Edital não prevê critérios de elegibilidade de escritório de advocacia, não trazendo, portanto, requisitos

Leia mais

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital.

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital. É possível a uma Fundação de Apoio a uma Universidade, participar da Concorrência nº 002/2013, sabendo-se que a execução técnica das atividades de elaboração do Manual de Contabilidade Regulatório será

Leia mais

LICITAÇÕES DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

LICITAÇÕES DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO LICITAÇÕES DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO HAROLDO PINHEIRO Presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil AUDIÊNCIA PÚBLICA DA COMISSÃO ESPECIAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS SOBRE A LEI

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES ADITIVO (03) AO TERMO DE CONVÊNIO 3756/10 que entre si celebram a FUNDAÇÃO SOCIAL DE CURITIBA e a VIDA PROMOÇÃO SOCIAL (VPS) A ASSOCIAÇÃO VIDA PROMOÇÃO SOCIAL

Leia mais