UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE NATALIA FERNANDES GARCIA DE CARVALHO A POLÍTICA DE COTAS SOB O OLHAR DOS COTISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE NATALIA FERNANDES GARCIA DE CARVALHO A POLÍTICA DE COTAS SOB O OLHAR DOS COTISTAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE NATALIA FERNANDES GARCIA DE CARVALHO A POLÍTICA DE COTAS SOB O OLHAR DOS COTISTAS São Paulo 2010

2 2 NATALIA FERNANDES GARCIA DE CARVALHO A POLÍTICA DE COTAS SOB O OLHAR DOS COTISTAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Presbiteriana Mackenzie como requisito parcial à obtenção do grau de Licenciatura em Ciências Biológicas. ORIENTADORA: Profa. Dra. Rosana Jordão dos Santos São Paulo 2010

3 3 NATALIA FERNANDES GARCIA DE CARVALHO A POLITICA DE COTAS SOB O OLHAR DOS COTISTAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Presbiteriana Mackenzie como requisito parcial à obtenção do grau de Licenciatura em Ciências Biológicas Aprovada em BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Adriano Monteiro Castro Profa. Ms. Célia Regina Batista Serrão

4 4 RESUMO A Política de Cotas tem como proposta a inclusão de negros nas universidades públicas brasileiras, já que estes foram e são discriminados de diversas maneiras pela sociedade em que vivem. Além disso, a população pobre brasileira é composta em sua maioria por negros, não tendo oportunidades iguais econômicas e educacionais. Este trabalho tem como objetivo analisar a atual Política de Cotas raciais efetuada pelo Estado brasileiro. Para tanto, serão utilizadas como objeto de análise as impressões dos próprios cotistas. Suas opiniões foram retiradas de três trabalhos, duas dissertações e uma tese, que focam as experiências dos cotistas no ensino superior. Estas posteriormente foram agrupadas em categorias, que deram subsídio para uma síntese geral. Foi observado que a política de cotas trouxe tanto aspectos positivos (oportunidade de estar no ensino superior, o reconhecimento das dificuldades em seu passado, desmistificação do preconceito, mudança em suas próprias concepções sobre si mesmo, melhoria na qualidade de vida), como negativos (classificação de raças, não garantia de permanência na universidade e presença de discriminações) para os cotistas. Apesar desta política propor a inclusão, ela não resolve os problemas da população negra, além de excluir a população branca pobre. Os resultados nos levam a crer que a melhor solução para a questão da inclusão é o investimento do ensino público básico, para que todos tenham oportunidades iguais e sejam avaliados pelos seus esforços e méritos. Palavras-Chaves: Políticas de Cotas impressões dos cotistas.

5 5 ABSTRAT Quotas Policy proposition is the inclusion of black people in the Brazilian public university, as they were and are discriminated in various ways by their society. Furthermore, the Brazilian poor population is composed mostly of black people, not having the same economic and educational opportunities equal. The objective of this paper is analyzing the current Quotas Policy of the Brazilian State. For this, the quota student s impressions will be use as analysis object. Their opinions were taking of three papers, two dissertations and one thesis, which focus the quota student s experience. After this were group in categories, giving subsidy for a general synthesis. Was observed that the Quotas Policy brought positive (opportunity of being in the superior education, their past were recognize, prejudice demystification, changing conception about themselves and life improve) and negative (race classification, not guarantee of being in the university and remain discrimination) aspects for this students. Despite the quotas policy proposition is the inclusion, it doesn t resolve black people problems, also exclude white poor population. I believe the best solution is the improvement of basic public education so that everybody can have the same opportunity equal and be evaluated by your effort and merits. Key words: Quotas Policy, quota student s impressions.

6 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEORICO Histórico das Ações Afirmativas nos Estados Unidos Histórico das Afirmativas no Brasil A Política de Cotas As opiniões de alguns autores Os trabalhos analisados METODOLOGIA RESULTADOS ANALISE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO...41

7 7 1. Introdução Historicamente, os negros têm sido alvo de muitas discriminações que levaram esse grupo à exclusão social em diversas situações. Em função dessas discriminações, surgiram as chamadas ações afirmativas, com intenção de reparação, não somente em relação aos negros, mas também às mulheres e aos índios. As primeiras idéias de ação afirmativa surgiram nos Estados Unidos da América em 1961, durante a permanente luta dos negros contra o racismo que sofreram e ainda sofrem. No Brasil, a partir de 1992, surgiram as primeiras iniciativas de ação afirmativa ligadas à educação, promovidas por ONGs, por meio da oferta de cursinhos pré-vestibulares para alunos carentes e/ou afrodescendentes. Mas somente em 2001, ano da III Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata realizada em Durban, o debate se generalizou e diversas ações concretas foram iniciadas (CARDOSO, 2008). Atualmente, existe o projeto de lei 3627/2004, que destina 50% das vagas das universidades públicas a alunos que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas. Além disso, segundo esse projeto, estas vagas serão preenchidas por uma proporção mínima de autodeclarados negros e indígenas igual à proporção de pretos, pardos e indígenas na população da unidade da Federação onde está instalada a instituição, segundo o último censo do IBGE (BRASIL, 2004). De acordo com este censo 54,3% da população brasileira é constituída de brancos e a parcela restante (45,7%) é formada por pessoas pertencentes a diferentes grupos étnicos: negros (5,4%), pardos (39,9%) e índios (0,4%). Segundo o MEC, apenas 16,7% dos formados em nível superior no Brasil são negros, pardos ou índios, o que evidencia o pouco acesso dessas pessoas a esse nível de escolaridade. Outra pesquisa do IBGE mostra que negros e pardos representam 63% dos pobres e 68% dos indigentes, demonstrando que grande parte desses grupos étnicos encontra-se excluída da sociedade em que vivem. A Política de Cotas, então, tem a função de incluir negros nas universidades públicas brasileiras, a fim de terem uma oportunidade de mudar

8 8 seu estilo de vida, como reparação da escravidão (MAGGIE e FRY, 2004). Mas o que pensam os cotistas sobre a implantação dessa política? Frente à questão levantada, este trabalho tem como objetivo estudar resultados decorrentes da Política de Cotas, a fim analisá-la em relação ao olhar dos cotistas. O trabalho está organizado da seguinte maneira: O capítulo 1 traz o referencial teórico. Nele, são encontrados breves históricos sobre as ações afirmativas nos Estados Unidos e no Brasil, que mostram alguns dos acontecimentos que levaram à formação destas ações nestes países. É apresentada, também, a Política de Cotas e o contexto histórico que levou a sua criação e sua proposta. Trazemos, ainda, opiniões de alguns autores, que mostram diversos aspectos desta política e os trabalhos por nós analisados. Em seguida, detalhamos a metodologia utilizada, os resultados encontrados, sua análise e tecemos considerações finais.

9 9 2. Referencial Teórico 2.1. Histórico das Ações Afirmativas nos Estados Unidos Para compreender a Política de Cotas faz-se necessário a apresentação do histórico das ações afirmativas nos Estados Unidos, já que foi neste país que surgiram as primeiras iniciativas desse tipo. Tais iniciativas posteriormente influenciaram o caminho das ações afirmativas no Brasil. A idéia de ação afirmativa surgiu nos EUA, durante a permanente luta dos negros contra o racismo. No ano de 1941, se criou o primeiro decreto, que proibia a discriminação racial contra negros na seleção e no recrutamento de pessoal para trabalhar no governo. Mas, somente em 1964, esse decreto passou a incluir o setor privado, com a promulgação da Lei de Direitos Civis, pelo presidente Lyndon Johnson. Para ele não seria possível colocar dois homens competindo numa mesma corrida de velocidade, se um deles tivesse ficado acorrentado durante anos e ainda acreditar que ambos teriam as mesmas chances de vencer a prova (BRANDÃO, 2005). Vale mencionar que o termo ação afirmativa foi criado pelo presidente John F. Kennedy em 1961, quando instalou a Comissão por Oportunidades Iguais de Emprego. Os conceitos envolvidos em tal comissão só foram adotados alguns anos mais tarde em função da liderança de Martin Luther King. Em 1972, o presidente Richard Nixon incorporou a ação afirmativa como política através da Lei da Oportunidade Igual no Emprego, sancionada como emenda à Lei dos Direitos Civis, de Essa legislação determinou que todos os órgãos públicos, todas as empresas que prestavam serviço para o governo federal e todas as instituições que recebiam de alguma forma auxílio do governo federal deveriam estabelecer metas e prazos para admitir pessoas de minorias raciais e mulheres (BRANDÃO, 2005). Silva (2002) apud Brandão (2005) apresenta como os programas de ação afirmativa se desenvolveram em quatro principais vertentes, sendo a primeira constituída pelas ações de conscientização da sociedade americana em 1960; a segunda composta pela concessão de apoio financeiro do governo federal americano aos estados, municípios e distritos educacionais e empresas que adotaram programas de promoção social da população negra; a terceira,

10 10 baseada no estabelecimento de percentuais proporcionais à representatividade das minorias para empregos, escolas e universidades e a última, explicitada pela concessão de financiamento a empresários negros e de outras minorias, a fim de formar uma classe média negra ponderável, econômica e socialmente. No entanto, em 1978, a Suprema Corte dos EUA proibiu a adoção de cotas para minorias no ensino superior, mantendo somente os quesitos de cor e sexo na seleção de alunos que pretendiam ingressar nas universidades americanas. No período de 1980 a 1990, os programas de ação afirmativa permaneceram, mesmo sob a gestão do Partido Republicano, que era contrário a tais programas (BRANDÃO, 2005). Em 1995, o presidente Bill Clinton ordenou a revisão de toda a legislação federal sobre o tema, por acreditar que havia um excesso de programas de ação afirmativa. Dois meses depois, a Suprema Corte norteamericana excluiu os programas do governo federal destinados às minorias raciais. No ano de 1996, houve um debate sobre a legalidade da ação afirmativa que se concentrou em um projeto de lei estadual do estado da Califórnia. Este projeto, denominado Preposição 209, proibia a discriminação ou tratamento preferencial baseados em raça, sexo, cor, etnia ou origem nacional no funcionalismo, educação e contratações públicas. Como se observa, os autores desta preposição desejavam o fim da política de ação afirmativa. O resultado da votação foi sua aprovação em 1997 pela Suprema Corte (BRANDÃO, 2005). Finalmente em 2003 a Suprema Corte decidiu que as políticas de ação afirmativa são constitucionais, inclusive o programa para as minorias raciais, levando a uma contribuição significativa para a diminuição da xenofobia e dos preconceitos raciais nos Estados Unidos da América (BRANDÃO, 2005).

11 Histórico das Ações Afirmativas no Brasil A primeira proposta oficial com caráter afirmativo no Brasil foi em 1968, Nesta proposta dizia-se que a única solução para impedir a discriminação racial no mercado de trabalho seria a aprovação de uma lei que obrigasse as empresas privadas a manter uma percentagem mínima de empregados de cor (BRANDÃO, 2005). Porém, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), outorgada em 1943, já trazia dois artigos que podem ser considerados medidas de ações afirmativas, sendo eles: o art. 354, que determina cota de dois terços de brasileiros para empregados de empresas individuais ou coletivas, e o art que determina a adoção de políticas destinadas a corrigir as distorções responsáveis pela desigualdade de direitos entre homens e mulheres (BRANDÃO, 2005). Além disso, a própria Constituição brasileira de 1988 reconhece e condena qualquer ato de discriminação, punindo-o como um crime inafiançável. Maggie e Fry (2004) utilizam em seu trabalho alguns incisos dos artigos 3, 4 e 5 desta Carta Magna, que apontam as penalidades. O inciso IV do artigo 3, diz que entre os objetivos da Republica Federativa do Brasil, está a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. O inciso VIII do artigo 4, afirma que o país rege-se nas suas relações internacionais pelo repúdio ao terrorismo e ao racismo. E por último, o inciso XLII do artigo 5, define a prática racista como crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei. Brandão (2005) aponta outros artigos, tais como o art.37, inciso VIII, que estipula cotas de até 20% para portadores de deficiência no serviço público civil da União e o art. 7, inciso XX, que prevê a concessão de incentivos específicos para empresas que contratarem mulheres. O autor também diz que o governo do Distrito Federal tornou obrigatória em 1996, a representação das diversas etnias em toda a propaganda institucional do governo, retratando a proporcionalidade de 54% de brancos, 40% de pardos, 5% de negros e 0,11% de índios. Mas somente em 2001, o governo federal começou a adotar um percentual de contratação de negros para os seus ministérios, através da

12 12 portaria n.202, que destinou 20% dos cargos da estrutura institucional do Ministério do Desenvolvimento Agrário e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária para negros, atingindo um percentual de 30% até o final de Em dezembro desse mesmo ano, o Ministério da Justiça baixou uma portaria que estipulava cotas, nos mesmos ministérios, de 20% para negros, 20% para mulheres e 5% para deficientes físicos ou mentais (BRANDÃO, 2005). Em 2002, na data comemorativa da abolição da escravatura no Brasil, o governo federal instituiu o Programa Nacional das Ações Afirmativas, coordenado pela Secretaria de Estado dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça (BRANDÃO, 2005). Cardoso (2008) diz que as ações afirmativas no Brasil têm como foco os seguintes objetivos: promover ações concretas de combate ao racismo na educação brasileira; introduzir transformações de ordem cultural, pedagógica e psicológica, destinadas a subtrair do imaginário coletivo a idéia de supremacia e de subordinação de uma raça à outra; promover a representação de cada grupo da sociedade no mercado de trabalho; criar personalidades emblemáticas, que seriam pessoas negras em posição de prestigio e poder, como exemplos de mobilidade social ascendente para servirem de mecanismos de incentivo à educação e ao aprimoramento de jovens integrantes de grupos minoritários. Ainda para o autor, no que diz respeito especificamente à população negra, as justificativas estão baseadas principalmente em três argumentos: o da justiça histórica, ou seja, reparação de danos causados aos negros pela escravidão; o da diversidade, pelo qual a integração de diferentes culturas beneficiaria a sociedade como um todo; o do combate às desigualdades sociais entre brancos e negros, fruto da discriminação racial persistente no país. Tanto para Cardoso (2008) quanto para Maggie e Fry (2004) o marco das ações afirmativas é a III Conferencia Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata juntamente com o reconhecimento oficial da legitimidade de reparação da escravidão. Assim, as políticas afirmativas são mecanismos político-sociais que objetivam proporcionar igualdade de oportunidades a grupos socialmente marginalizados

13 13 (CARDOSO, 2008). Para Arbache (2006) as ações afirmativas buscam prevenir a discriminação e incluir uma ampla série de mecanismos para criar oportunidades iguais, bem como reduzir o racismo em termos gerais. Arbache (2006) e Cardoso (2008) acreditam que as ações afirmativas no Brasil são geralmente em favor da população negra. Ocorrem por meio de reservas denominadas cotas. Daí, então, surgiu a Política de Cotas, com o objetivo de aumentar o acesso de negros às universidades públicas brasileiras, por meio da reserva percentual de vagas.

14 A Política de Cotas Apresentado o histórico das ações afirmativas, será explicado o surgimento da Política de Cotas e qual é a sua função nas universidades públicas brasileiras. O racismo sempre esteve presente entre as relações humanas, tendo seu ápice na escravidão, na qual os negros foram trazidos da África para serem escravos de latifúndios nas colônias dos países mais poderosos da Europa (MAGGIE e FRY, 2004). Devido ao racismo, diversas foram as lutas dos negros para serem reconhecidos como iguais, sendo a mais importante o movimento negro de 1978, que tinha como principal alvo a discriminação racial, também relacionada à pobreza negra que passou a ser referência às desigualdades de tratamento e de oportunidades (GUIMARÃES, 2003). Surgiu, então, a Política de Cotas que é específica para o público negro, pardo e indígena. Para Menin et al. (2008) esta política se coloca como uma ação afirmativa que tem como princípio motivador o alcance da igualdade real entre negros e brancos. Além disso, ela parte da constatação histórica das inúmeras discriminações que os negros sofreram e busca uma forma de reparação e/ou compensação das perdas causadas a esse grupo. Nesse mesmo contexto, Azevedo (2004) diz que tal política é o único modo de combater o racismo que contempla positivamente o grupo negro, ou seja, é uma discriminação positiva, gerando oportunidades para a raça negra. Piosevan (2009) afirma que a Política de Cotas busca remediar um passado discriminatório, objetivando acelerar o processo de inclusão com o alcance da igualdade substantiva por parte de grupos vulneráveis como as minorias étnicas e raciais. Ainda nessa direção, Guimarães (2003) comenta que esta medida do governo não somente levou em conta o contexto histórico, mas também a atual situação do ensino público, que se encontra estagnado em relação ao ensino privado, impossibilitando a camada social mais pobre, com grande percentual negro, a ingressar no ensino público superior. A Política de Cotas é, portanto, uma política pública social, que de acordo com Hofling (2001) é responsabilidade do Estado. Como toda política social, esta também é voltada, em princípio, para a redistribuição dos

15 15 benefícios sociais visando à diminuição das desigualdades estruturais produzidas pelo desenvolvimento socioeconômico e pelas condições históricas. O atual projeto de Lei 3627/2004, presente neste trabalho em anexo, determina que as instituições públicas federais de ensino técnico, agrotécnico, tecnológico e científico, em quaisquer de seus níveis, médio, pós-médio e superior, reservarão cinqüenta por cento de suas vagas para estudantes que cursaram integralmente o ensino médio público. Destes cinqüenta por cento, uma proporção mínima será preenchida por autodeclarados negros e indígenas igual à proporção de pretos, pardos e indígenas na população da unidade da Federação onde está instalada a instituição, segundo o último censo do IBGE (BRASIL, 2004). Neste ano de 2010, iniciou-se um novo debate sobre a implantação da Política de Cotas, pois muitos críticos acreditam que esta política contraria o princípio da igualdade dos candidatos no vestibular, ferindo a Constituição. Até o momento, a Conferência Nacional de Educação já decidiu que as cotas sociais são de interesse da população. Com isso, o documento do projeto de lei, em fase de finalização, vai apontar que 50% das vagas das universidades brasileiras devem ser guardadas para os estudantes egressos da rede pública. A grande polêmica, no entanto, será determinar se, dentro deste percentual, haverá ou não um recorte racial.

16 As opiniões de alguns autores Embora a proposta da Política de Cotas seja a inclusão de um grupo historicamente prejudicado, muito se discute em relação aos aspectos positivos e negativos que esta medida pode propiciar ao público alvo. Um primeiro aspecto levantado está relacionado a quem é negro no Brasil. Menin et al. (2008, p.257) diz que as relações entre os negros e os brancos são um mito da democracia racial, por meio do qual se nega haver preconceitos e discriminações de raça no Brasil, já que vivemos em um país em que há igualdade étnico-racial. Para esse autor, as desigualdades que vivenciamos decorrem de fatores econômicos. Nesse mesmo contexto Azevedo (2004) diz que existem controvérsias sobre a introdução da cota racial na sociedade brasileira pelo fato do conceito de raça não existir tão solidamente no nosso imaginário e porque as categorias de raças nunca foram implantadas explicitamente por lei. Dessa forma, a população brasileira nunca foi obrigada, por determinações legais, a identificarse racialmente. Além disso, muitos concluem desta constatação que não seria possível combater o racismo na ausência de tais categorias, partindo do pressuposto que o racismo deriva da existência real das raças e da conseqüente dominação de uma raça por outra, seja em termos biológicos ou sociais. Maggie e Fry (2004) acrescentam dizendo que os criadores das leis estão cientes desse problema, deixando a definição para quem se candidata às vagas nas universidade públicas, o que é chamado de autoclassificação. Esta é, para Azevedo (2004), um desacordo entre o reconhecimento de si mesmo e o reconhecimento através do olhar do outro, ou seja, a forma como uma pessoa se classifica pode não concordar com a forma de classificação do outro. O autor aponta uma pesquisa feita pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), na qual a população brasileira se autoclassificou. O resultado foi que a população se autoclassificou de diversas formas, obtendo como total 135 cores distintas. O que se nota neste resultado é que as pessoas não sabem como se classificar e como resposta o IBGE decidiu que o brasileiro pode ter cinco cores: branca, parda, negra, indígena e amarela.

17 17 Outro aspecto levantado por Brandão (2005) é que a implantação de um sistema de acesso ao nível superior público, baseado unicamente no critério de cor da pele, consequentemente põe de lado outros critérios importantes, tais como a condição econômica e o critério do mérito. Seguindo esse mesmo raciocínio Menin et al. (2008) diz que valores como justiça, igualdade e mérito estão sendo questionados pelas políticas de ação afirmativa, levando a maioria dos universitários a se oporem a tais políticas. Além disso, nessa perspectiva de mérito e de igualdade formal, mantém-se o tratamento igual para aqueles que são desiguais, ampliando as desigualdades. Ou seja, tratar indivíduos historicamente discriminados como iguais é não reconhecer as dificuldades e limitações que estes sofreram e sofrem. Se todos são iguais perante a lei, negros e brancos possuem a mesma capacidade, é irrelevante a política de cotas, tornando o esforço pessoal o principal critério no ingresso numa universidade. Mas, se existe diferenças entre negros e brancos devido a um contexto histórico que não distribuiu oportunidades iguais, faz-se necessário tal política. Azevedo (2004) complementa que os brancos saem prejudicados, perdendo o direito a concorrer a uma boa universidade, movidos pelos seus próprios esforços, disciplina e talento, já que a cor da pele teria precedência sobre o mérito individual de cada vestibulando. Ainda neste contexto, Bortolini e Pena (2004, p. 46) levantam sobre a possibilidade de a genética definir quem deve se beneficiar das cotas e das ações afirmativas, mesmo que não existam diferenças morfológicas, biológicas e intelectuais entre a raça branca e a raça negra. Estes autores afirmam que: Raças humanas não existem do ponto de vista genético ou biológico. Apenas 5% da variação genômica ocorre entre as chamadas raças. Ademais, somente 0,01% do genoma humano varia entre os indivíduos. Em outras palavras, toda a discussão racial gravita em torno de 0,0005% do genoma humano! O que se pretende demonstrar através destes estudos é que biologicamente não existem diferenças entre as pessoas. A cor de um indivíduo é estabelecida por alguns genes totalmente desprovidos de influência sobre inteligência, talento artístico ou habilidades sociais. Para os autores, estes estudos podem servir de subsídios para as decisões políticas. Defendem que o

18 18 perfil genético da população brasileira seja levado em conta em decisões políticas. Entretanto, estes autores não ignoram o fato da pigmentação da pele ser elemento predominante da avaliação social de um indivíduo e talvez a principal fonte do preconceito. Ainda sobre o tema preconceito Maggie e Fry (2004) acreditam que a implantação da política de cotas leva a imaginar o Brasil composto não de infinitas misturas, mas de uma raça branca e de uma raça negra. Duarte e Guelfi (2009) dizem que sobre a implantação dos programas de ação afirmativa, dois argumentos têm sido utilizados para atacá-los. O primeiro é baseado no fato do estabelecimento de vagas para negros institucionalizaria o racismo, pois faz uso da raça e, o segundo diz que o sistema contraria uma identidade mestiça que seria nossa identidade nacional, criando com a categoria binária o desentendimento ou conflito racial. Sobre esses argumentos os autores dizem que o que está em jogo não é a raça, como se ela fosse uma essência, mas o que ela representa na sociedade como um padrão de exclusão. Além desses aspectos, a falsa crença de demarcação de identidades pelos programas de inclusão como geradora do racismo, se fundamenta em uma série de equívocos, como por exemplo, a entrada na universidade não é mecanismo de formação de identidade, mas apenas uma das múltiplas influências a que estão sujeitos os indivíduos. Para estes autores não há problema racial, o que existe é racismo ou desigualdades raciais. Os programas de inclusão partem da constatação de problemas sociais verdadeiros, não de ideologias raciais sobre o comportamento das raças. Neste sentido Duarte (2004) diz que o reconhecimento expresso do direito ao ensino obrigatório e público como direito público subjetivo autoriza a possibilidade de, constatada a ocorrência de uma lesão, o mesmo ser exigido contra o Poder Público de imediato e individualmente. Ocorre que, como estamos diante de um direito social, o seu objeto não é uma prestação individualizada, mas sim a realização de políticas públicas, sendo que sua titularidade se estende aos grupos vulneráveis. O autor ainda lembra que o direito à educação não se reduz ao direito do indivíduo de cursar o ensino obrigatório e superior para alcançar melhores oportunidades de emprego e contribuir para o desenvolvimento econômico da nação. Deve ter como escopo o oferecimento de condições para o

19 19 desenvolvimento pleno de inúmeras capacidades individuais, jamais se limitando às exigências do mercado de trabalho, pois o ser humano é fonte inesgotável de crescimento e expansão no plano intelectual, físico, espiritual, moral, criativo e social. E é nestas dimensões que o sistema educacional deve proporcionar oportunidades de desenvolvimento, fomentando valores como o respeito aos direitos humanos e a tolerância, sempre em condições de liberdade e dignidade. Além disso, o autor diz que o importante é perceber que a implantação de um sistema público adequado de educação interessa não apenas aos beneficiários, mas à coletividade. Nessa relação com os direitos humanos, Piosevan (2009) diz que no âmbito do Direito Internacional dos Direitos Humanos, destacam-se duas estratégias, sendo a primeira uma estratégia repressiva - punitiva, que tem por objetivo punir, proibir e eliminar a discriminação e, a segunda uma estratégia promocional, que objetiva promover, fomentar e avançar a igualdade. A autora diz que se o combate à discriminação é medida emergencial para a implementação do direito à igualdade, esta medida por si só, é insuficiente. Logo, se faz necessário conjugar a vertente repressiva punitiva com a vertente promocional através de ações afirmativas. Estas são adotadas para avaliar e remediar as condições resultantes de um passado de discriminação, cumprindo a finalidade pública decisiva ao projeto democrático, que é a de assegurar a diversidade e a pluralidade social. O que a autora pretende dizer é que se a raça e etnia sempre foram critérios utilizados para exclusão de afrodescendentes em nosso país, que hoje sejam utilizados, ao invés disso, para a sua necessária inclusão, encontrando respaldo jurídico, seja na Constituição, seja nos tratados internacionais ratificados pelo Brasil. Ainda neste contexto, Bertúlio (2009) diz que não há impedimento legal para a proposição da Política de Cotas, ou seja, o sistema jurídico nacional permite, em larga escala, que o Estado determine, edite ou incentive a edição de políticas públicas focadas em peculiar razão explícita e objetiva de desigualdade, que enseje uma reorganização nas oportunidades ofertadas aos grupos atingidos, para o fim de equalizar a demanda ou concorrência dos indivíduos, para melhoria da qualidade de vida do grupo e, consequentemente, da sociedade como um todo. O autor diz que se a Constituição reconhece que há discriminação e desigualdades na sociedade, é preciso necessariamente

20 20 haja a garantia para que tais fenômenos não se perpetuem. Se considerarmos a Constituição, a partir dos princípios norteadores da República, concluiremos que não efetivar medidas compensatórias para reduzir as desigualdades é um ato de omissão inconstitucional. Maliska (2009) concorda com tal pensamento ao dizer que o não fazer as políticas compensatórias legitimadas pelo artigo 3º da Constituição, implica inconstitucionalidade por omissão do legislador ordinário. O autor diz que não se trata de discricionariedade do poder público em realizar ou não realizar as medidas compensatórias, mas de um dever imposto pela Constituição ao Estado, quando presente a discriminação real. Além disso, acrescenta que a inscrição como cotista não pode ser obrigatória, pois o Estado não pode impor rótulos ou impor tratamentos diferenciados, já que desrespeitaria o principio da liberdade. Assim, é indispensável a manifestação expressa de sua vontade. A Política de Cotas não pretende que todos os negros sejam identificados pelo programa, mas tão-somente aqueles que, reconhecendo-se negros, consideram-se legítimos destinatários de políticas compensatórias. O autor acredita que nesse momento a política cumpre os requisitos acima referidos, pois se faz urgente a reversão do perfil do aluno de terceiro grau no Brasil. Democratizar o espaço público universitário, que forma a elite do país, é uma condição imperiosa para dar ao negro na sociedade brasileira o que lhe é de direito. Ademais, a Política de Cotas se justifica constitucionalmente se ela estiver alcançando a finalidade esperada, ou seja, reduzindo as desigualdades e proporcionando ao grupo beneficiado melhores condições de vida, tanto sob o ponto de vista das perspectivas para esse grupo no tocante a referências sociais, como na integração consistente dessas pessoas nas classes médias.

revele quem são os cotistas recebidos nas universidades. "Você pode, talvez, estar beneficiando uma classe média negra, o que não se justifica diante

revele quem são os cotistas recebidos nas universidades. Você pode, talvez, estar beneficiando uma classe média negra, o que não se justifica diante Ricardo se submeteu a um exame de vestibular para a Universidade de Tupiniquim, ele conseguiu pontuação suficiente para ser aprovado, porem não foi chamado para realizar sua matricula, pois duas vagas

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS Francisco Carlos Vitória Professor de História do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça - Universidade Federal de Pelotas A partir do ano 2000, setores

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

seguinte discurso: - O Brasil, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, é um país que prima pela falta de

seguinte discurso: - O Brasil, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, é um país que prima pela falta de O SR. LÉO ALCÂNTARA (PSDB-CE) pronuncia o seguinte discurso: - O Brasil, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, é um país que prima pela falta de políticas públicas de longo alcance. E essa

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL.

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Anais do SILIAFRO. Volume, Número 1. EDUFU,2012 131 A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Douglas Henrique de S. Xavier Universidade

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre o plano de inclusão racial da UFPR Cotas raciais, quem estuda, aprova!

Tire suas dúvidas sobre o plano de inclusão racial da UFPR Cotas raciais, quem estuda, aprova! O programa de cotas raciais da UFPR Tire suas dúvidas sobre o plano de inclusão racial da UFPR Cotas raciais, quem estuda, aprova! Durante a preparação para a Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR.

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. Elienai R.Fonseca 1, Consuela de Souza Romão 2, Marcelo Expedito Costa 3, Ana Maria da S. Raimundo 4, Vera Lucia Ignácio Molina 5 1,

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA Pronunciamento da deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) na sessão da Câmara dos Deputados do dia 26 de abril de 2006, em defesa da adoção do sistema de cotas sociais e raciais nas universidades públicas brasileiras.

Leia mais

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Universidade Federal de Santa Maria. Observatório de Ações Afirmativas. 22 a 23 de outubro de 2015

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Universidade Federal de Santa Maria. Observatório de Ações Afirmativas. 22 a 23 de outubro de 2015 I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 22 a 23 de outubro de 2015 Uma análise das ações afirmativas para o acesso ao Ensino

Leia mais

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo O debate sobre cotas para negros e indígenas ocorre desde 2002 depois da III Conferência Mundial

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras Muitas pessoas se assustam ao ouvirem a idéia de criação de cotas para negros nas universidades públicas Brasileiras. Este artigo busca compreender

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS COMO CITAR ESTE TEXTO: NASCIMENTO, Alexandre do. Os Manifestos, o debate público e a proposta de cotas. Revista Lugar Comum: Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, n. 23/24. Ou NASCIMENTO, Alexandre do.

Leia mais

Os novos manifestos sobre as cotas

Os novos manifestos sobre as cotas LUGAR COMUM Nº25-26, pp. 11-16 Os novos manifestos sobre as cotas Alexandre do Nascimento O debate sobre as cotas raciais no Brasil parece longe de uma conclusão. Apesar de ter sido ratificada pelo Brasil

Leia mais

Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação

Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação Carta Aberta dos estudantes do ProUni ao Ministro de Estado da Educação Senhor Ministro, Nós, estudantes bolsistas do ProUni, reunidos na cidade de São Paulo, dedicamos algumas palavras a Vossa Excelência,

Leia mais

Cotas sem cor 1. Hellen Camara NOGUEIRA 2 Wendy Santos TONHATI 3 Silvio da Costa PEREIRA 4 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, MS

Cotas sem cor 1. Hellen Camara NOGUEIRA 2 Wendy Santos TONHATI 3 Silvio da Costa PEREIRA 4 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, MS Cotas sem cor 1 Hellen Camara NOGUEIRA 2 Wendy Santos TONHATI 3 Silvio da Costa PEREIRA 4 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, MS RESUMO Este trabalho foi produzido para a 71º edição do jornal laboratório

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA

Leia mais

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea IGUALDADE RACIAL Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) 1988 Artigo 5 o Caput Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA: UM ESTUDO COM OS CURSISTAS DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA: UM ESTUDO COM OS CURSISTAS DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA: UM ESTUDO COM OS CURSISTAS DE PEDAGOGIA Resumo Júnia Luz de Souza 1 - UnB/FE Otília Maria A. N. A. Dantas 2 - UnB/FE Grupo de Trabalho - Diversidade

Leia mais

Estereótipos, preconceito e discriminação racial

Estereótipos, preconceito e discriminação racial MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 5 Estereótipos, preconceito e discriminação racial Esse texto aborda a questão dos estereótipos e da discriminação racial. Ressalta que cada grupo ocupa

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007 Acrescenta parágrafo 3º ao art. 93 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Benefícios

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

COTAS RACIAIS. Lab. 11

COTAS RACIAIS. Lab. 11 COTAS RACIAIS Lab. 11 Cotas Raciais Sistema de cotas, ou cotas raciais: medida governamental que cria uma reserva de vagas em instituições públicas ou privadas para classes sociais mais desfavorecidas.

Leia mais

C O PROGRAMA DE COTAS RACIAIS DA UFPR

C O PROGRAMA DE COTAS RACIAIS DA UFPR C O PROGRAMA DE COTAS RACIAIS DA UFPR Durante a preparação para a Conferência Mundial Contra o Raciso, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância correlata, realizada em Durban, na África do Sul, em

Leia mais

DESEMPENHO DOS ALUNOS ENEM 2008

DESEMPENHO DOS ALUNOS ENEM 2008 Política de Cotas na Universidades: Uma análise baseada nas Notas do ENEM 2008 INTRODUÇÃO O argumento a favor da cota racial nas universidades se baseia na desigualdade histórica observada nos mais diversos

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS

Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS GREGÓRIO DURLO GRISA 1 Dentre os múltiplos fatores que desencadearam a adoção de ações afirmativas por meio de cotas em universidades no Brasil

Leia mais

PAAIS: a experiência de um programa de ação afirmativa na Unicamp 1 Leandro Tessler e Renato Pedrosa 2

PAAIS: a experiência de um programa de ação afirmativa na Unicamp 1 Leandro Tessler e Renato Pedrosa 2 PAAIS: a experiência de um programa de ação afirmativa na Unicamp 1 Leandro Tessler e Renato Pedrosa 2 A Constituição Federal estabelece, no artigo 207, o instituto da autonomia universitária: As universidades

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA ROSÉLIA PINHEIRO DE MAGALHÃES 1 E SIMONE CAZARIN DE MENEZES 2 A educação tem grande capacidade de influência no

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual II CONCURSO NEGRO E EDUCAÇÃO Projeto - RAÇA E EDUCAÇÃO: OS EXCLUÍDOS DO ENSINO SUPERIOR Autora Delcele Mascarenhas Queiroz Orientador - Prof. Dr. Jocélio T. dos Santos A pesquisa examina as desigualdades

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

COTIDIANO OU COTIDIANOS? PERCEPÇÕES DE DUAS ALUNAS COTISTAS Patrícia Costa Pereira da Silva UNIRIO

COTIDIANO OU COTIDIANOS? PERCEPÇÕES DE DUAS ALUNAS COTISTAS Patrícia Costa Pereira da Silva UNIRIO COTIDIANO OU COTIDIANOS? PERCEPÇÕES DE DUAS ALUNAS COTISTAS Patrícia Costa Pereira da Silva UNIRIO Introdução Este trabalho é uma apresentação de alguns resultados preliminares de uma pesquisa em andamento,

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

AS POLÍTICAS DE COTAS PARA O ACESSO DE NEGROS AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DOS CURSOS PRÉ VESTIBULARES PARA NEGROS NA SUA CONSOLIDAÇÃO

AS POLÍTICAS DE COTAS PARA O ACESSO DE NEGROS AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DOS CURSOS PRÉ VESTIBULARES PARA NEGROS NA SUA CONSOLIDAÇÃO IX SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL Universidade Federal da Paraíba João Pessoa 31/07 a 03/08/2012 Anais Eletrônicos ISBN 978-85-7745-551-5 AS POLÍTICAS

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS?

BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS? BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS? Resumo CUNHA, Cinara Marli da FURB cinarte@hotmail.com SIEBERT, Emanuele Cristina FURB artemanuele@ibest.com.br Área Temática: Diversidade

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS: UM RETRATO DAS DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL. Palavras-chave: Desigualdade. Raça. Cor. Pobreza. Ações afirmativas.

AÇÕES AFIRMATIVAS: UM RETRATO DAS DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL. Palavras-chave: Desigualdade. Raça. Cor. Pobreza. Ações afirmativas. AÇÕES AFIRMATIVAS: UM RETRATO DAS DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL Douglas Henrique de Souza Xavier 1 RESUMO O presente artigo objetiva levantar uma breve discussão a respeito da implantação de ações afirmativas,

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina no uso de suas atribuições e considerando: - a autonomia didático-científica, administrativa

Leia mais

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA Andrea Palmerston Muniz 1 Jones Ferreira Matos 2 Lília Mara Sousa Ribeiro 3 Marciene Batista Soares 4 RESUMO: O presente

Leia mais

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas CAPÍTULO 68. 8 IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas Percepções dos(as) titulares sobre o programa Os(as) titulares do Programa Bolsa Família percebem a situação de pobreza de forma

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 89457 AL (2008.05.00.054927-8) AGRTE : LUCAS FERREIRA DE CARVALHO ASSIST : ELIANE FERREIRA DE M. E SILVA ADV/PROC : LUIS GUSTAVO GONÇALVES VIEIRA FIRMINO AGRDO : UFAL - UNIVERSIDADE

Leia mais

5 PROGRAMA POLÍTICAS DA COR NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: PRINCIPAIS AVANÇOS

5 PROGRAMA POLÍTICAS DA COR NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: PRINCIPAIS AVANÇOS 5 PROGRAMA POLÍTICAS DA COR NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: PRINCIPAIS AVANÇOS Perseguindo os objetivos propostos para a realização da pesquisa que dá corpo a esta dissertação, neste capítulo visamos apresentar

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR O MOVIMENTO DOS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E A POLÍTICAS DE COTAS NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Alexandre do Nascimento Dr. Serviço social (UFRJ) Professor da FAETEC-RJ Políticas de ações

Leia mais

ALICE PORTUGAL, PCDOB,

ALICE PORTUGAL, PCDOB, ALICE PORTUGAL, PCDOB, Bahia. Saudação aos Prefeitos participantes da IX Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Realização de reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Polícia Rodoviária Federal

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12).

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). Geórgia Dantas Macedo Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) georgiacg@gmail.com INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Políticas públicas, desigualdades raciais e de gênero: repensando valores, princípios e práticas

Políticas públicas, desigualdades raciais e de gênero: repensando valores, princípios e práticas Políticas públicas, desigualdades raciais e de gênero: repensando valores, princípios e práticas Eliane Cavalleiro e Ana Marques (UnB) Racismo, sexismo e formação de profissionais da educação ST 57 Política

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL 2º OFÍCIO DE CIDADANIA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL 2º OFÍCIO DE CIDADANIA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL 2º OFÍCIO DE CIDADANIA A Sua Excelência o Senhor Embaixador Gonçalo de Barros Carvalho e Mello Mourão Diretor Geral do Instituto

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL 913 ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL Erika Kaneta Ferri Universidade Estadual de Mato

Leia mais

LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO

LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO MODULAR AVANÇADO Disciplina: Legislação Penal Especial Tema: Racismo e Estatuto do Idoso. Profa.: Patrícia Vanzolini Data: 30 e 31/05/2007 LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO 7716/89 INTRODUÇÃO 1) HISTÓRICO LEGISLATIVO

Leia mais

AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO

AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO João Feres Júnior IESP-UERJ Veronica Toste Daflon IESP-UERJ Passado A distribuição nacional

Leia mais

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO VINICIUS SANTOS FERNANDES 1 Atualmente, a universidade brasileira tem sido

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

POLÍTICAS DE COTAS E O VESTIBULAR DA UNB OU A MARCA QUE CRIA SOCIEDADES DIVIDIDAS

POLÍTICAS DE COTAS E O VESTIBULAR DA UNB OU A MARCA QUE CRIA SOCIEDADES DIVIDIDAS 286 Yvonne Maggie POLÍTICAS DE COTAS E O VESTIBULAR DA UNB OU A MARCA QUE CRIA SOCIEDADES DIVIDIDAS Yvonne Maggie Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil O precioso artigo de Marco Chor Maio e Ricardo

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

UFRPE adotam ações afirmativas com bônus

UFRPE adotam ações afirmativas com bônus USP, Unicamp, UFPE e UFRPE adotam ações afirmativas com bônus Amanda Rossi e Antonio Biondi 16 Julho 2008 Na USP, maior das oito instituições de ensino superior que adotam sistemas de bonificação no vestibular

Leia mais

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE.

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE. PROUNI O Programa O Prouni - Programa Universidade para Todos tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.694, DE 19 DE JANEIRO DE 2011. (publicada no DOE nº 015, de 20 de janeiro de 2011) Institui o Estatuto

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei.

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei. Reserva de Vagas PROJETO DE LEI 3627-2004 Institui Sistema Especial de Reserva de Vagas para estudantes egressos de escolas públicas, em especial negros e indígenas, nas instituições públicas federais

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

POR UMA POLÍTICA DE PERMANÊNCIA: A EXPERIÊNCIA DOS JOVENS ALUNOS BOLSISTAS JUNTO AO PROJETO PROUNIR.

POR UMA POLÍTICA DE PERMANÊNCIA: A EXPERIÊNCIA DOS JOVENS ALUNOS BOLSISTAS JUNTO AO PROJETO PROUNIR. POR UMA POLÍTICA DE PERMANÊNCIA: A EXPERIÊNCIA DOS JOVENS ALUNOS BOLSISTAS JUNTO AO PROJETO PROUNIR. Introdução Aluno: Djalma Pedro da Silva Filho Orientador: Solange Jobim e Sousa A PUC-Rio é reconhecida

Leia mais