UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Fisiologia do Exercício CARLOS ROBERTO PLAZA DIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Fisiologia do Exercício CARLOS ROBERTO PLAZA DIAS"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Fisiologia do Exercício CARLOS ROBERTO PLAZA DIAS PERFIL DO POLICIAL MILITAR DA 3ª COMPANHIA PM DO 9º BPM/I E ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS TESTES DE APTIDÃO FÍSICA LINS SP 2008

2 CARLOS ROBERTO PLAZA DIAS PERFIL DO POLICIAL MILITAR DA 3ª COMPANHIA PM DO 9º BPM/I E ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS TESTES DE APTIDÃO FÍSICA Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Fisiologia do Exercício, sob a orientação dos Prof M. Sc Wonder Passoni Higino e orientação técnica da Profª M. Sc Heloisa Helena Rovery da Silva. LINS SP 2008

3 Não é o crítico o que conta; não aquele que mostra como o forte tropeçou ou aponta onde o autor de proezas poderia ter feito melhor. O mérito pertence ao homem que está no campo de batalha; que se esforça e é valente; cujo rosto está desfigurado de pó, suor e sangue; que erra e tem deficiências repetidas vezes; que conhece os grandes entusiasmos, as grandes devoções e se consome numa causa digna; aquele que na melhor das hipóteses conhece afinal o triunfo da grande conquista; e que, na pior das hipóteses, se fraqueja, no mínimo, fraqueja porque ousa. Por isso, seu lugar nunca será junto às almas frias e tímidas que não conhecem a vitória ou a derrota. Theodore Roosevelt

4 DEDICATÓRIA A meus amados pais, Maria Pilar Plaza e Miguel Plaza, pelo grande amor e esforço para criar, educar e transmitir os ensinamentos de Deus aos seus cinco filhos, com muita dificuldade, porém com muita dedicação e honestidade. A minha querida esposa, Andréa, pela compreensão, companheirismo, amizade e apoio nos momentos de minha ausência. Aos meus irmãos, Deucides, Denise, Paulo e Valéria, que também são responsáveis pela minha formação. A meus sobrinhos Rogério, Patrícia, Valter Jr, Fernanda, Miguel, Gustavo, Felipe, Maria Eduarda e Guilherme, que sempre estão presentes e representam o futuro de minha família. A minha sogra Suieko e ao amigo José, pela amizade e companheirismo de sempre. A meus cunhados Valter, Valdeir, Celso Jr, Robson, Margareth, Katlin e Alessandra, por também passarem a fazer parte de minha família.

5 AGRADECIMENTOS Ao Sr Deus, Criador do Universo, norteador de minha sabedoria, meu corpo, alma e espírito e por todas as bênçãos e oportunidades de crescimento; Aos meus pais e demais familiares, que com suas atitudes grandiosas, sempre fortaleceram a minha decisão de perseverar, a quem dedico esta monografia; A minha amada esposa Andréa, que com paciência, soube compreender e apoiar-me em todos os momentos; Ao Cabo PM Carlos Roberto Pelegrine Marini, por ter fornecido materiais fundamentais e me auxiliado na coleta de dados para elaboração deste trabalho, junto ao Gabinete de Instruções do Batalhão; Aos mestres, de toda minha formação escolar, do ensino fundamental, médio e superior; Ao coordenador do Curso de Educação Física, da Universidade de Marília, Prof. Dr. Manoel Osmar Seabra Junior, pelos ensinamentos, apoio, incentivos e amizade; À coordenadora do Curso de Tecnologia em Alimentos da FATEC Marília SP, Profª Drª Marie Oshiiwa, pela colaboração e ensinamentos na melhor forma de distribuição e representação de dados estatísticos. Aos meus orientadores, professores M. Sc Wonder Passoni Higino e M. Sc Heloisa Helena Rovery da Silva pela paciência, pelas aulas e pelas orientações

6 e correções que foram fundamentais para concretização desta obra; Ao coordenador do curso de Pós-Graduação do Centro Universitário Calólico Salesiano Auxiliun, Prof M. Sc Flávio Piloto Cirillo e em especial para a funcionária Silvia e a todos os demais funcionários, pela acolhida, durante a realização do curso. Aos Professores Doutores Dartagnan Pinto Guedes, Camila Coelho Greco, Luiz Cláudio Reeberg Stanganélli, Márcio Pereira da Silva, Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo, Fabiana Andrade e Claudia Chueire de Oliveira, aos Professores Mestres Runer Augusto Marson, Tiago Rezende Figueira e a Professora Especialista Renata Selvatici Borges Januário, por todos os importantes e primordiais conhecimentos compartilhados; Ao Comando, Oficiais e Praças da 3ª Cia PM do 9 BPM/I e de todas as demais Companhias PM, pelo apoio e companheirismo, ao longo de minha carreira policial militar, cumulativamente ao transcorrer do curso de especialização em fisiologia do exercício e, Aos companheiros do Curso de Pós-Graduação e em especial ao Ricardo, Vivian, Débora, Renato, Rubens e Silvio, pelos inesquecíveis momentos de convívio ao longo desses dezoito meses.

7 RESUMO O presente trabalho teve em primeiro momento, o objetivo de se conhecer, através de pesquisas bibliográficas e em arquivos do Batalhão, como a PM, se instalou na cidade de Marília e seu progresso desde o ano de 1929, até os dias atuais, pendendo para a instalação da 3ª Cia PM que é nosso foco. Em um segundo momento, analisar os resultados dos TAFs que foram aplicados em 25% do efetivo até o ano de 2008 e que usando como critério, os policiais que já haviam sido submetidos aos testes, até o mês de agosto de 2008 e nesse mesmo número de PMs, comparar e analisar os seus resultados, em forma de pesquisa longitudinal, nos anos de 2006 e 2007, sendo que tal coleta de dados realizou-se de forma direta. Na mesma amostra populacional aplicou-se um questionário com questões abertas e fechadas visando conhecer seus gostos, preferências e intenções, relacionadas à prática de atividades físicas, conhecendo-se também alguns problemas de saúde a que os policiais militares da 3ª Cia PM são acometidos e também verificar o uso do álcool e de fumo. O questionário foi respondido de forma estratificada por 27 PMs, pois a 3ª Cia PM possui em seu efetivo no ano de 2008, o número de 107 PMs, divididos em: 1º Pel: 31 PMs = 8 amostras, 2º Pel: 39 PMs = 10 amostras, 3º Pel: 29 PMs = 7 amostras e Adm: 8 PMs = 2 amostras, perfazendo um total de 25% do efetivo total da Companhia. Quanto aos resultados dos TAFs, verificase que no ano de 2006 a média de pontos da Cia foi: 331, com o conceito MUITO BOM em 51,85%; no ano de 2007 a média de pontos foi: 321, com o conceito BOM em 44;44% e, no ano de 2008 a média de pontos foi: 326, com o conceito BOM em 66,66%. Já nos resultados do questionário aplicado, verifica-se que apenas os PMs da Adm (50%), praticam atividades físicas em seus turnos de serviço; já nos seus períodos de folga, 75,62% praticam diversos tipos de atividades físicas, com destaque para as caminhadas em 30% e corridas 25% nos mais diversos locais destacando-se as vias públicas (60%), a freqüência semanal de três vezes se destaca em 57,14%. Além disso, os PM se consideram Pouco Ativos (48,66%), sendo que, 38,2% dos PMs não se sentem prontos para o TAF, onde 96,3% do efetivo gostariam que fosse inserida a prática de atividades físicas durante o serviço. De todos os PMs avaliados, 77,77% não possuem qualquer problema de saúde e dos que possuem destaca-se o colesterol elevado (7,4%). Além disso, a maioria dos PMs não fumam (85,1%) e boa parte não ingerem bebidas alcoólicas (42,14%) Frente aos resultados, faz-se necessário propor ao comando da 3ª Cia PM, a elaboração e aplicação de uma Proposta de Condicionamento Físico para seu efetivo, para ser praticado em seu turno de trabalho. PALAVRAS-CHAVE: Atividade física. Policial militar. Testes de aptidão física.

8 ABSTRACT The present work had at first moment, the objective of if knowing, through bibliographical research and in archives of the Battalion, as the p.m., if it installed in the city of Marília and its progress since the year of 1929, until the current days, hanging for the installation from 3ª Cia PM that is our focus in the present work. At as a moment, to analyze the results of the TAFs that had been applied in 25% of the cash until the year of 2008 and that using as criterion, the policemen that already had been submitted to the tests, until the month of August of 2008 and in this exactly number of PMs, to compare and to analyze its results, in form of longitudinal research, in the years of 2006 and 2007, being that such collection of data was become of direct form. In the same population sample a questionnaire with open and closed questions was applied aiming at to know its taste, preferences and intentions, it practices related it of physical activities, knowing also some problems of health the one that the military policemen of 3ª Cia p.m. are to possess and also to verify the use of the alcohol and the tobacco. The questionnaire was answered of form extract for 27 PMs, therefore 3ª Cia p.m. possess in its cash in the year of 2008, the number of 107 PMs, divided in: 1º Pel: 31 PMs = 8 samples, 2º Pel: 39 PMs = 10 samples, 3º Pel: 29 PMs = 7 samples and Adm: 8 PMs = 2 samples, adding a total of 25% of the total cash of the Company. How much to the results of the TAFs, one concluded that in the year of 2006 the average of points of the Cia was: 331, with the VERY GOOD concept in 51,85%; in the year of 2007 the average of points was: 321, with the GOOD concept in 44; 44% e, in the year of 2008 the average of points were: 326, with the GOOD concept in 66,66%. Already in the results of the applied questionnaire, one concluded that only the PMs of the Adm in 50%, practices physical activities in its turns of service; already in its periods of recess around 75,62%, they practice diverse types of physical activities, with prominence for the walked ones in 30% and races 25% in the most diverse places being distinguished saw public to it in 60%, the weekly frequency of three times if it detaches in 57,14%; the p.m. if considers Little Asset in 48,66%; around 38,2% of the PMs, if they do not feel ready for the TAF, being that 96.3% of the cash, would like that the practical one of physical activities was inserted during the service; 77.77% of the PMs do not possess any problem of health and of that they possess is distinguished colesterol^, in 7,4%, the PMs that do not smoke, add 85.1% and the PMs that do not ingest alcoholic beverage add 42.14% Front to the results, become necessary to consider to the command of 3ª Cia p.m., the elaboration and application of a Proposal of Physical Conditioning for its cash, to be practiced in its turn of work. KEYWORDS: Physical activity. Military policeman. Tests of physical aptitude.

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Ilustra a classificação do teste de 12 minutos para homens em relação à distância percorrida em metros, para policiais do sexo masculino em suas faixas etárias Tabela 2. Ilustra a classificação do teste de 12 minutos para mulheres em relação à distância percorrida em metros, para policiais do sexo feminino em suas faixas etárias Tabela 3. Quadro de pontuação das provas do TAF masculino, por faixa etária Tabela 4. Quadro de pontuação das provas do TAF feminino, por faixa etária Tabela 5. Ilustração de pontos em relação aos movimentos executados, metros percorridos e tempo de.execução, das provas do TAF, para ambos os sexos Tabela 6. Média, desvio-padrão e resultado do teste estatístico para as pontuações obtidas pelos PMs dos 1º, 2º e 3º Pelotões nos TAFs de 2006, 2007 e Tabela 7. Média, desvio-padrão e resultado do teste estatístico para o peso dos PMs dos 1º, 2º e 3º Pelotões nos TAFs de 2006, 2007 e Tabela 8. Média, desvio-padrão e resultado do teste estatístico para o índice de massa corporal (IMC) dos PMs dos 1º, 2º e 3º Pelotões nos TAFs de 2006, 2007 e Tabela 9. Classificação de valores do IMC para adultos, segundo a Organização Mundial de Saúde Tabela 10. Média, desvio-padrão e resultado do teste estatístico para % de gordura dos PMs dos 1º, 2º e 3º Pelotões nos TAFs de 2006, 2007 e Tabela 11. Amostra médias com desvio padrão de idade, peso, altura e tempo de serviço dos PMs da 3ª Cia PM, no ano de 2008, quando responderam aos questionários Tabela 12. Amostra percentual da freqüência e duração da pratica de

10 atividades físicas realizadas pelos PMs da 3ª Cia PM, em seus horários de folga Tabela 13. Amostra percentual da classificação que os próprios PMs fizeram com relação ao seu nível de atividade física, por pelotões e média da 3ª Cia PM Tabela 14. Fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônico-degenerativas... 64

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Brasão do 37 BPM Figura 2. Brasão atual do 9 BPM/I Figura 3. Fachada principal do 9 BPM/I, sediado na cidade de Marília SP Figura 4. Vista parcial da cidade de Marília, localizada na região Oeste do Estado de São Paulo Figura 5. Organograma de distribuição de efetivo entre os pelotões existentes na 3ª Cia PM e seu efetivo administrativo Figura 6. Ilustra o percurso da corrida de 50 metros Figura 7. Ilustra a posição inicial de pegada em pronação com braços estendidos e suspensão do corpo, sem contato com o solo.. 35 Figura 8. Ilustra a flexão de braços com vista lateral e frontal do movimento completo Figura 9. Exercício de apoio de frente sobre o banco para policiais de sexo feminino Figura 10. Ilustra o movimento completo do exercício de apoio de frente sobre o solo Figura 11. Ilustra o movimento completo do abdominal remador, em sua vista lateral Figura 12. Ilustra a prova de resistência em 12 minutos e a área pra sua realização Figura 13. Organograma de distribuição de efetivo entre os pelotões existentes na 3ª Cia PM e o número de amostras estratificadas, que foram colhidas entre o efetivo existente Figura 14. Valores médios, em números reais, da pontuação dos resultados do TAF e percentual médio dos conceitos obtidos nos TAFs de PMs, da 3ª Cia PM, nos anos de 2006, 2007 e até o mês de agosto de Figura 15. Amostra percentual de PMs que responderam o questionário, de acordo com sua graduação Figura 16. Amostra percentual das funções desempenhadas pelos

12 Figura 17. Figura 18. Figura 19. Figura 20. Figura 21. Figura 22. Figura 23. Figura 24. Figura 25. Figura 26. policiais que responderam o questionário, dentro dos ramos operacionais e administrativos pertencentes a 3ª Cia PM Amostra percentual de PMs que praticam atividades físicas durante os turnos de serviço, pertencentes à administração e aos pelotões da 3ª Cia PM (1º, 2º e 3º Pel) Amostra percentual de PMs que praticam atividades físicas durante suas folgas, pertencentes a administração e aos pelotões da 3ª Cia PM (1º, 2º e 3º Pel) Amostra percentual, da preferência com relação as atividades físicas praticadas pelos PMs, em seus horários de folga, pertencentes a todo o efetivo da 3ª Cia PM Amostra percentual, da preferência com relação aos locais para a prática de atividades físicas, pelos PMs, pertencentes a todo efetivo da 3ª Cia PM, durante seu período de folga Amostra percentual dos PMs da 3ª Cia PM, que já praticaram ou não atividades físicas, com orientação de um profissional, visando à preparação para aplicação do TAF Amostra percentual de PMs, por pelotões, administração e média da Cia, pertencentes a 3ª Cia PM, que se sentem, ou não preparados para a realização do TAF Amostra percentual, por pelotões, administração e média da Cia, de PMs que acreditam, que se fossem submetidos a um programa de treinamento físico, melhorariam a sua saúde, o seu condicionamento físico e também os seus resultados no TAF, por PMs da 3ª Cia PM Amostra percentual de PMs, por pelotão, administração e média da 3ª Cia PM, que desejam, ou não a instituição de um programa de treinamento físico Amostra percentual de PMs, por pelotão, administração e média da 3ª Cia PM, que desejam a instituição de um programa de treinamento físico, por períodos Amostra percentual média de PMs que possuem ou não

13 problemas de saúde, pertencentes ao efetivo da 3ª Cia PM.. 60 Figura 27. Amostra percentual média da 3ª Cia PM, de problemas de saúde, apresentados por policiais militares Figura 28. Amostra percentual, por pelotões, administração e média da Cia, de PMs que fumam, não fumam ou que já fumaram Figura 29. Amostra percentual, por pelotões, adm e média da 3ª Cia PM, de PMs que ingerem ou não bebidas alcoólicas Figura 30. Amostra percentual, da média de toda a 3ª Cia PM, em relação a freqüência semanal de ingestão de bebidas alcoólicas Figura 31. Atividades físicas desenvolvidas Figura 32. Recomendação de atividade física... 67

14 LISTA DE SIGLAS Adm: Administração Btl: Batalhão Cap: Capitão Cb: Cabo CFO: Curso de Formação de Oficiais CFSd: Curso de Formação de Soldados Cia: Companhia DEI: Diretoria de Ensino e Instrução EEFPM: Escola de Educação Física da Polícia Militar FPESP: Força Pública do Estado de São Paulo GI: Gabinete de Instrução GRPae: Grupamento de Patrulha Aérea OAE: Organização de Apoio e Ensino OPM: Organização Policial Militar OTF: Oficial de Treinamento Físico Pel: Pelotão PM: Polícia Militar / Policial Militar PMESP: Polícia Militar do Estado de São Paulo PMs: Policiais militares POP: Procedimento Operacional Padrão PPT-3-PM: Programa Padrão de Treinamento nº 3 da Policia Militar PPT-4-PM: Programa Padrão de Treinamento nº 4 da Policia Militar P/5: Seção de Relações Públicas QOS: Quadro de Oficiais de Saúde Sd: Soldado TAF: Teste de Aptidão Física Ten Cel: Tenente Coronel 3ª Cia PM: Terceira Companhia de Polícia Militar 9º BPM/I: Nono Batalhão de Polícia Militar do Interior 37 BPM: Trigésimo Sétimo Batalhão de Polícia Milit ar

15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I RESGATE HISTÓRICO HISTÓRICO DE CRIAÇÃO DO 9º BPM/I A origem do Batalhão Surgimento e criação do 9º BPM/I Criação da 3ª Cia PM do 9ºBPM/I CAÍTULO II O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA APLICADO NA PM TESTE DE APTIDÃO FÍSICA (TAF) Finalidade do TAF Princípios de aplicação do TAF Formas de aplicação do TAF Teste de Aptidão Física 1 (TAF-1) Teste de Aptidão Física 2 (TAF-2) Teste de Aptidão Física 3 (TAF-3) Teste de Aptidão Física 4 (TAF-4) TAF-3 e suas valências físicas aplicadas no teste As provas que consistem o TAF Corrida de 50 metros Flexão e extensão de cotovelos na barra fixa Apoio de frente sobre o banco (PMs do sexo feminino) Apoio de frente sobre o solo PMs do sexo masculino) Resistência abdominal Resistência em 12 minutos A aprovação no TAF Responsabilidades da aplicação do TAF CAPÍTULO III MÉTODOS E TÉCNICAS PROCEDIMENTOS ADOTADOS Delimitação do campo de pesquisa... 45

16 3.2 Métodos Estudo de caso Técnicas CAPÍTULO IV RESULTADOS E DISCUSSÃO ANALISE DOS RESULTADOS Análise de resultados dos TAFs e questionários aplicados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO A: Autorização e questionário para coleta de dados... 75

17 INTRODUÇÃO O presente trabalho monográfico, em um primeiro plano, visa ilustrar como se instalou a Polícia Militar na cidade de Marília, em particular a 3ª Cia PM (Terceira Companhia de Polícia Militar), contando um pouco de sua história de criação. Hoje em dia, acredito que poucos policiais militares que servem na 3ª Cia PM do 9 BPM/I (Nono Batalhão de Polícia Mil itar do Interior), conhecem como surgiu, como se instalou, e como chegamos até os dias de hoje, sendo a cidade de Marília considerada a sede de um dos mais importantes batalhões da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em segundo plano, este autor que é policial militar e sabedor que na PMESP (Policia Militar do Estado de São Paulo), obrigatoriamente, todo PM (policial militar), anualmente é submetido ao TAF (Teste de Aptidão Física), que visa avaliar o seu real estado de condicionamento físico e em muitos casos o condicionamento físico, deixa muito a desejar, pois as condições de trabalhos diários, aliados a problemas familiares, de saúde e de até falta de orientação, fazem com que o mesmo sequer, pratique quaisquer atividades físicas, tornando-se uma pessoa totalmente sedentária, ensejando assim um decréscimo de condicionamento físico; motivo esse, que nessa obra o perfil do policial militar foi traçado, visando conhecer o mesmo em seus resultados de testes físicos, de acordo com os TAFs já avaliados em anos anteriores e no presente ano e também conhecer os seus gostos e preferências pelas atividades físicas e também saber, sobre eventuais problemas de saúde que poderiam ser amenizados e controlados com a prática regular de atividades físicas. Os componentes da aptidão física que devem constar em qualquer programa regular de condicionamento físico, voltado para a promoção de saúde são: força, resistência muscular, flexibilidade e aptidão cardiorespiratória (MONTEIRO, 1999, p. 15). Com o perfil traçado em relação a práticas de atividades físicas, do atual efetivo da 3ª Cia PM do 9 BPM/I, sediado na cidade de Marília e sendo conhecedor de que em novembro de 1999, a Escola de Educação Física da Polícia Militar (EEFPM) elaborou o Programa Mínimo de Condicionamento Físico do Policial Militar, que é uma proposta de alteração do Programa de

18 Treinamento Físico, em vigência desde 1993, a fim de garantir o aprimoramento do treinamento físico planejado voltado à melhoria do condicionamento físico geral da tropa e, em conseqüência, dos resultados do Teste de Aptidão Física (TAF), aliado ao fato de que conhecendo a carência do policial militar, lotado na Cia PM (Companhia de Polícia Militar), se estará propondo, que se coloque em prática o Programa Mínimo de Condicionamento Físico do Policial Militar ou até mesmo o programa contido no PPT-3-PM (Programa Padrão de Treinamento Três da Polícia Militar), o que virá de encontro ao que foi proposto no ano de 1999 pela Escola de Educação Física da Polícia Militar e que o policial militar poderá realizá-lo, garantindo assim seu bem estar físico, profissional e familiar, aliado a manutenção de sua saúde, o que é primordial. Conceitua a Revista Atividade Física & Saúde (1998, p. 66) : A educação física é uma prática sistematizada da atividade física, onde o indivíduo possui o interesse pelo condicionamento físico. Na educação física são seguidos planos de trabalhos e regras objetivas para que sejam atingidas as alterações fisiológicas esperadas. Este trabalho foi estruturado em quatro capítulos. O primeiro capítulo nos, relata o histórico de criação do batalhão, pendendo para instalação da atual 3ª Cia PM, ilustrado com diversas figuras, nos mostrando desde a criação e instalação da policia militar na cidade de Marília até os dias atuais; o segundo capítulo no trás conhecimentos do TAF, que atualmente é aplicado na PMESP; o terceiro capítulo, nos trás o material e método aplicado em pesquisa de campo e o quarto capítulo nos mostra os resultados, para assim conhecermos o perfil do policial militar, de acordo com o que foi obtido no trabalho de pesquisa de campo, ilustrado com gráficos comparativos e tabelas de informações. Justifica-se, pois, a necessidade deste estudo monográfico, em razão de se desejar conhecer como está atualmente o perfil do policial militar pertencente a 3ª Cia PM do 9 BPM/I, bem como suas preferências na prática de atividades físicas, que são realizadas por eles, a fim de que se possam fornecer subsídios para uma melhora em seu condicionamento físico proporcionando assim um bem estar para o mesmo, vindo de encontro ao

19 Programa Padrão de Treinamento (PPT-03-PM) e ao Programa Mínimo de Condicionamento Físico do Policial Militar. Espera-se que não somente o Policial Militar da 3ª Cia PM do 9 Batalhão de Polícia Militar do Interior, nosso principal alvo, mas também a Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), a sociedade e a própria Educação Física tenham a ganhar com esse estudo, pois um policial militar mais bem preparado, só tem a trazer benefícios à sociedade e à Corporação em que serve e mais uma vez a Educação Física ganha com a comprovação em campo de estudos de sua ciência. Tal trabalho objetiva dar conhecimento aos demais policiais militares, da rica história de criação do 9 BPM/I e também verif icar como está o perfil do policial militar pertencente a 3ª Cia PM e conhecer suas preferências na área de atividades físicas e com isso poder oferecer no futuro próximo, um método de condicionamento físico individual simples, mas eficaz, sem utilizar material sofisticado ou instalações específicas, possibilitando ao policial militar desenvolvê-lo individual ou coletivamente, com orientações, segurança e controle do seu desenvolvimento. Até os dias de hoje, os únicos planejamentos de treinamento físico na Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) são os atuais modelos do Programa Padrão de Treinamento Policial Militar (PPT-03-PM), publicado em fevereiro de 1993 e que ainda está em vigor, já que a proposta de alteração ainda não foi publicada e o Programa Mínimo de Condicionamento Físico do Policial Militar, que foi publicado em novembro de 1999, pela Escola de Educação Física da Polícia Militar (EEFPM) que é uma proposta de alteração do Programa de Treinamento Físico, sendo certo que ambos apesar de estarem em vigor, não são praticados na 3ª Cia PM e na grande maioria dos batalhões da Polícia Militar do Estado de São Paulo, com isso uma grande parcela de policiais militares, são pouco ativos ou sedentários, dessa forma colaborando negativamente, para uma incidência maior de problemas de saúde, que poderiam ser evitados com a prática regular de atividades físicas. Segundo o PPT-04-PM (2002, p. 4) [...]considerando que a manutenção de um bom nível de condicionamento físico requer prática contínua, é indispensável incutir a mentalidade de treinamento na tropa, inclusive após o período de formação, instituindo ainda, treinamento em caráter obrigatório e prioritário.

20 Com este trabalho, pelo menos para a 3ª Cia PM do 9 BPM/I inicialmente, procurar-se-á fornecer subsídios aos policiais militares que são muito carentes em seus horários de serviço e de folga, no tocante à realização de atividades físicas, para que se possa manter um condicionamento físico mínimo e necessário para a realização de suas tarefas diárias; e também para serem submetidos ao Teste de Aptidão Física (TAF), que no caso em questão se dá anualmente e geralmente no mês de aniversário do policial militar e por vezes na realização desses testes, os policiais militares não se encontram em condições físicas ideais de realizá-los e se expõe a riscos, que não deveriam existir, se estivessem em uma realidade um pouco diferente em relação as suas atividades físicas, com certeza favoreceria na melhora dos resultados, não só dos testes físicos, mas também na manutenção de sua saúde, proporcionando mais satisfação em sua vida, pois, a prática regular de atividades físicas de forma consciente, dá prazer, melhora a auto estima, proporciona a interação entre pessoas, melhora a saúde e uma série de benefícios, poderiam advir, para se ajudar a combater as conseqüências de um serviço tão desgastante, que é o serviço policial militar.

21 CAPÍTULO I RESGATE HISTÓRICO 1 HISTÓRICO DE CRIAÇÃO DO 9º BPM/I 1.1 A origem do Batalhão A Polícia Militar na cidade de Marília, que é uma das importantes cidades do Estado de São Paulo, possui o Nono Batalhão de Polícia Militar do Interior, o 9 BPM/I, que é destaque no cenário da segurança pública, hoje com 79 anos de existência e a cada dia, procura-se buscar os melhores caminhos profissionais para a instituição, seus homens e para a comunidade, vejamos como tudo começou: A origem do atual batalhão remonta dos idos do ano de 1929, quando foi criado o município de Marília, também era instalado um destacamento policial da então Força Pública do Estado de São Paulo e naquela época esse destacamento, era subordinado a 2ª Companhia do Quarto Batalhão de Caçadores de Bauru. (REGISTRO HISTÓRICO DO 9º BPM/I, 1929, em construção, s. p.). Em 13 de julho de 1958 a então Força Pública foi reestruturada e assim na cidade de Marília foi instalada a 1ª Companhia do 4 Batalhão de Caçadores de Bauru e teve como primeiro comandante o Capitão Domício Silveira e sua sede funcionava na Rua Bandeirantes, n 40, onde hoje está instalado o edifício João Paulo II e a Igreja Nossa Senhora da Glória. A partir de 07 de junho do ano de 1965, o policiamento local, desvincula-se do Quarto Batalhão de Caçadores de Bauru e passa a se denominar 4 Companhia Independente; que era uma un idade autônoma e seu primeiro comandante foi o Capitão Irahy Vieira Catalano, que tinha sob seu comando o número de 420 (quatrocentos e vinte) policiais, que eram distribuídos na região da alta paulista, desde as nascentes dos Rios do Peixe e Aguapeí, até as barrancas do Rio Paraná, englobando 40 (quarenta) municípios. No mês de julho de 1966 graças a um entendimento entre o Capitão Irahy e o Delegado Regional de Policia, através da portaria de n 39; a área de

22 Marília foi dividida em dois territórios ficando um com a Guarda Civil e o outro com a Força Pública, sendo que em Marília foram criadas a Companhia de Comando e Serviços, a 1ª Companhia e a 5ª Companhia, com um efetivo de 338 (trezentos e trinta e oito) homens. E nas cidades de Tupã, Assis e Lins, foram criadas as 2ª, 3ª e 4ª Companhias respectivamente, com efetivo distribuído entre elas no total de 723 (setecentos e vinte e três) homens e dessa forma a cidade de Marília ficou com uma área menor para ser policiada. Em 23 de dezembro de 1966 foi criado em Marília o 2 Grupamento de Policiamento Independente da FPESP (Força Pública do Estado de São Paulo) e dessa forma a 4ª Companhia Independente foi extinta, sendo certo que no ano de 1967 foram iniciadas as obras do novo quartel que abrigaria o grupamento. Em 07 de abril de 1970 foi criada a Policia Militar do Estado de São Paulo, com a junção da Força Pública e a Guarda Civil e em 01 de março de 1971, foi criado em Marília o 37 BPM (Trigésimo Sé timo Batalhão de Polícia Militar), cuja instalação oficial se deu em 02 de abril de 1971, já instalado no prédio recém construído e que havia sido inaugurado em 25 de agosto de Fonte: P/5 do 9 BPM/I. Figura 1. Brasão do 37 BPM. 1.2 Surgimento e criação do 9 BPM/I A Polícia Militar não parou de crescer, até que por força do Decreto n de 15 de dezembro de 1975 teve novo aumento de efetivo e nova reestruturação, tendo o 37 BPM, a partir dessa dat a passou a ser denominado 9 BPM/I. (REGISTRO HISTÓRICO DO 9º BPM/I, 1929, e m construção, s. p.).

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3 DEI - CSMFD - CENTRO DE SAÚDE MENTAL, FÍSICA E DESPORTOS - CEL PM OEZER DE CARVALHO - DIRETRIZ DE CONDICIONAMENTO FÍSICO DA POLÍ- CIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ( D-5 ) PUBLICAÇÃO Artigo 3º -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3322, DE 24 DE SETEMBRO DE 1996.

RESOLUÇÃO Nº 3322, DE 24 DE SETEMBRO DE 1996. RESOLUÇÃO Nº 3322, DE 24 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Teste de Avaliação Física (TAF) a ser aplicado aos candidatos a cursos da Polícia Militar e aos candidatos a Exame de Aptidão Profissional (EAP)

Leia mais

Onde lê: EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO

Onde lê: EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO Coordenadoria de Serviços de Saúde Grupo de Atenção às Urgências e Emergências - GRAU Concurso Público para classe de Enfermeiro (para atuar junto ao serviço Pré Hospitalar Móvel). I.E nº002/2013 Edital

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO 1.1. Posição inicial: a) pegada na barra com as mãos em pronação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no processo seletivo para o cargo de Policial Rodoviário

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA

ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CAPÍTULO I Art. 1º - O presente trabalho visa avaliar os militares em condições normais de saúde, já mobilizados ou que

Leia mais

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA.

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA. ANEXO II TESTE DE APTIDÃO FÍSICA O Teste de Aptidão Física tem o objetivo de selecionar os candidatos cuja aptidão física seja compatível com o exercício da atividade de Bombeiro Militar e será realizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA DEPARTAMENTO DA FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA DEPARTAMENTO DA FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA DEPARTAMENTO DA FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA PORTARIA Nº 005/2015/GAB/DFNSP/SENASP/MJ. Aprova a Diretriz do Teste de Aptidão Física

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI 1 DOS TESTES 1.1 Os Testes de Aptidão Física, de caráter eliminatório, serão aplicados no dia e horários indicados no telegrama de convocação, individualmente

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL DO COMANDO GERAL EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL DO COMANDO GERAL EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA O Coronel QOPM Jaizon Veras Barbosa, Presidente da Comissão do Concurso Público, em face de autorização concedida pelo Chefe do Poder Executivo Estadual

Leia mais

PREFEITURA DE IPIRÁ - ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMUNICADO Prova de Aptidão Física - TAF

PREFEITURA DE IPIRÁ - ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMUNICADO Prova de Aptidão Física - TAF PREFEITURA DE IPIRÁ - ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMUNICADO Prova de Aptidão Física - TAF O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE IPIRÁ, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, mediante

Leia mais

EDITAL Nº 036/2013 CFSD-BM CONVOCAÇÃO PARA O TAAF

EDITAL Nº 036/2013 CFSD-BM CONVOCAÇÃO PARA O TAAF GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO- RESERVA PARA O CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR COMBATENTE EDITAL Nº

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA 1. Participarão desta etapa os candidatos aprovados/classificados

Leia mais

LOCAL: CAMPO DE FUTEBOL DA COHAB

LOCAL: CAMPO DE FUTEBOL DA COHAB EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PARA PROVIMENTO DE 86 (OITENTA E SEIS) VAGAS, PARA CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR, NÍVEL MÉDIO COMPLETO, MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO, NÍVEL FUNDAMENTAL E FUNDAMENTAL INCOMPLETO

Leia mais

P-1 BOLETIM INTERNO N.º 070. Mossoró/RN, em 16 de Abril de 2015. (Quinta-feira)

P-1 BOLETIM INTERNO N.º 070. Mossoró/RN, em 16 de Abril de 2015. (Quinta-feira) RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL 12º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR 01 P-1 BOLETIM INTERNO N.º 070 Mossoró/RN, em 16

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2009-DGP/DPF, DE 23 DE JULHO DE 2009 Regulamenta a aplicação do exame de aptidão física

Leia mais

EDITAL Nº 04/2015/DAE/PJC/MT

EDITAL Nº 04/2015/DAE/PJC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA JUDICIÁRIA CIVIL DIRETORIA DE ATIVIDADES ESPECIAIS EDITAL Nº 04/2015/DAE/PJC/MT Disciplina as inscrições e o processo de seleção

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA (SAEB) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS VAGOS DE PERITO CRIMINALÍSTICO, DE PERITO MÉDICO-LEGAL, DE PERITO ODONTO-LEGAL

Leia mais

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PARANAGUÁ 2011 TESTE DE APTIDÃO FÍSICA PARA SELEÇÃO DE GARI O candidato do sexo masculino que não alcançar a pontuação mínima de 50

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL. EDITAL N 045/2014 (Sub Judice)

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL. EDITAL N 045/2014 (Sub Judice) POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL EDITAL N 045/2014 (Sub Judice) O Presidente do Conselho da Polícia Civil do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais, em conformidade

Leia mais

1.2 Clientela 150 (cento e cinquenta) cabos policiais militares, da ativa, desta Corporação. 1.3 Carga horária

1.2 Clientela 150 (cento e cinquenta) cabos policiais militares, da ativa, desta Corporação. 1.3 Carga horária BOL PM Nº 0030 de 14 DE FEVEREIRO DE 2011 1 SECRETARIA DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL COMANDO GERAL DA POLÍCIA MILITAR CENTRO DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 0003/2011-CEPM O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA RECOMENDAÇÕES SOBRE O TESTE DE AVALIAÇÃO DO CONDICIONAMENTO FÍSICO (TACF) AO(À) FUTURO(A) ESTAGIÁRIO(A) DO EAOT/EIAC - 2013 PREPARE-SE

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

Edital do Curso de Guarda-Vidas Civil Turma 2011/2012

Edital do Curso de Guarda-Vidas Civil Turma 2011/2012 Edital do Curso de Guarda-Vidas Civil Turma 2011/2012 Estarão abertas no Corpo de Bombeiros de Cascavel, Toledo, Marechal Cândido Rondon, Quedas do Iguaçu conforme o presente Edital, as inscrições para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tapiramutá publica:

Prefeitura Municipal de Tapiramutá publica: Prefeitura Municipal de Tapiramutá 1 Segunda-feira Ano VI Nº 1329 Prefeitura Municipal de Tapiramutá publica: Concurso Público Edital: Nº 01/2014. Gestor - Luciano Nery Marques / Secretário - Governo /

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE EDITAL Nº 002 / 16-PC/MS (PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INSTRUÇÃO DE

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

Capitães, Tenentes e Praças NP Nº 093/15-DE EDITAL Nº 010/2015-DE. PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS/2015 PMAL (970 h/a).

Capitães, Tenentes e Praças NP Nº 093/15-DE EDITAL Nº 010/2015-DE. PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS/2015 PMAL (970 h/a). NP Nº 093/15-DE EDITAL Nº 010/2015-DE PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS/2015 PMAL (970 h/a). O Diretor de Ensino da PMAL, no uso de suas atribuições, e tendo a proposta de curso encaminhada

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ENSINO E CULTURA. Anexo a que se refere o item 23 do Bol G PM 4, de 8 de janeiro de 2015

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ENSINO E CULTURA. Anexo a que se refere o item 23 do Bol G PM 4, de 8 de janeiro de 2015 POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ENSINO E CULTURA Anexo a que se refere o item 23 do Bol G PM 4, de 8 de janeiro de 2015 ANEXO A DA PORTARIA DEC-56/12/14 - CCE/15 - CONCURSO INTERNO

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO 1 POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE PEDAGÓGICO CPCP CURSO DE OPERAÇÕES DE CHOQUE PARA OFICIAIS E PRAÇAS (COpChq) Edição 2013 2ª Turma EDITAL N.º DE

Leia mais

PORTARIA Nº 032-EME, DE 31 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 032-EME, DE 31 DE MARÇO DE 2008. PORTARIA Nº 032-EME, DE 31 DE MARÇO DE 2008. Aprova a Diretriz para o Treinamento Físico Militar do Exército e sua Avaliação. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe confere o

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TÍTULOS PARA OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR. Valor Máximo para o conjunto Doutorado 1 0,2 0,2 Mestrado 1 0,2 0,2.

AVALIAÇÃO DE TÍTULOS PARA OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR. Valor Máximo para o conjunto Doutorado 1 0,2 0,2 Mestrado 1 0,2 0,2. ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CENTRO NOVO DO MARANHÃO A v. J u s c e l i n o K u b i t s c h e c k s / n. º C e n t r o - C E P : 6 5. 2 9 9-0 0 0. C N P J ( M F ) : 0 1. 6 1 2. 3 2 3 / 0

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL COMANDO GERAL COMISSÃO DE SELEÇÃO DE MOBILIZAÇÃO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL COMANDO GERAL COMISSÃO DE SELEÇÃO DE MOBILIZAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL COMANDO GERAL COMISSÃO DE SELEÇÃO DE MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº. 001/2013/CSM/FNSP/PMTO Estabelece normas para a seleção de Policiais Militares para comporem o

Leia mais

PORTARIA Nº 001/BM-8/2011

PORTARIA Nº 001/BM-8/2011 ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE LEGISLAÇÃO E DOUTRINA / BM -8 PORTARIA Nº 001/BM-8/2011

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

EDITAL DRH Nº 26/2012 PROCESSO SELETIVO EXTERNO PARA AUXILIAR I / AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS I / CONSERVAÇÃO DE EDIFÍCIOS E LOGRADOUROS

EDITAL DRH Nº 26/2012 PROCESSO SELETIVO EXTERNO PARA AUXILIAR I / AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS I / CONSERVAÇÃO DE EDIFÍCIOS E LOGRADOUROS - Prodin DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS - DRH EDITAL DRH Nº 26/2012 PROCESSO SELETIVO EXTERNO PARA AUXILIAR I / AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS I / CONSERVAÇÃO DE EDIFÍCIOS E LOGRADOUROS A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA DE SOCORRO SP

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA DE SOCORRO SP PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA DE SOCORRO SP CONCURSO PÚBLICO N 01/2013 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA TESTE DE APTIDÃO FÍSICA PARA OS EMPREGOS DA GUARDA MUNICIPAL 2ª CLASSE FEMININO E GUARDA MUNICIPAL 2ª

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO INTRODUÇÃO O presente concurso de selecção de candidaturas para elementos a incluir na Força Especial de Bombeiros, rege-se pelas

Leia mais

Quartel em Mossoró/RN, 25 de julho de 2014 BOLETIM INTERNO Nº 136. Para o conhecimento desta Unidade e devida execução, publico o seguinte:

Quartel em Mossoró/RN, 25 de julho de 2014 BOLETIM INTERNO Nº 136. Para o conhecimento desta Unidade e devida execução, publico o seguinte: ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR COMANDO DE POLICIAMENTO DO INTERIOR COMANDO DE POLICIAMENTO REGIONAL - I 2º BATALHÃO DE POLÍCIA

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE PEDAGÓGICO CPCP CURSO DE CINOTECNIA POLICIAL MILITAR EDITAL N.º DE - 048/2013 O DEPARTAMENTO DE ENSINO DA PMBA (D.E),

Leia mais

EDITAL Nr. 019 CFOBM 2. DAS INSTRUÇÕES GERAIS:

EDITAL Nr. 019 CFOBM 2. DAS INSTRUÇÕES GERAIS: GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS EDITAL Nr. 019

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Equipamento adequado. Tênis. Objetivo do tênis

Equipamento adequado. Tênis. Objetivo do tênis A corrida é uma atividade aeróbica que traz diversos benefícios para o nosso corpo e nossa mente. Quando praticada com regularidade, nos ajuda a perder peso e a aumentar a massa magra, além de aumentar

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo

Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo Secretaria de Segurança Pública Segurança Pública Polícia Militar de S. Paulo Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo Coronel PM Ricardo Gambaroni Comandante

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS

SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS EDITAL Nº 008/DEPTO DE ENSINO/CRH/PMRO-2015 SELEÇÃO DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAQUÃ/RS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAQUÃ/RS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAQUÃ/RS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2015 EDITAL Nº 02/2016 CONVOCAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DO TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CARGO DE AGENTE DE TRÂNSITO E TRANSPORTE A Prefeitura Municipal de

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO

'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO 'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO A implantação da Gratificação de Atividade de Segurança GAS para os servidores ocupantes do cargo de Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005.

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. INSTITUI NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015 A PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA, no uso de suas atribuições, torna pública a seguinte retificação ao Edital supracitado, cujas alterações estão

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Estado de Pernambuco

Estado de Pernambuco Estado de Pernambuco Ano LXXXV - Recife, quinta-feira, 15 de maio de 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 14 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre o ingresso nas Corporações Militares do Estado, e dá outras providências.

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR Regulamento da Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo, e dá outras providencias Setor Gráfico do CSM/M Int.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE OPERACIONAL EDITAL N.º 001/2013 CIOPAER 02 de Julho de 2013

CURSO DE TRIPULANTE OPERACIONAL EDITAL N.º 001/2013 CIOPAER 02 de Julho de 2013 CURSO DE TRIPULANTE OPERACIONAL EDITAL N.º 001/2013 02 de Julho de 2013 O Presidente da Comissão para seleção de policiais militares para comporem o cadastro reserva para o Curso de Tripulante Operacional,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2014 OFICIAIS DE SAÚDE DA POLICIAL MILITAR DE RORAIMA EDITAL N 003/2014

CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2014 OFICIAIS DE SAÚDE DA POLICIAL MILITAR DE RORAIMA EDITAL N 003/2014 CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2014 OFICIAIS DE SAÚDE DA POLICIAL MILITAR DE RORAIMA EDITAL N 003/2014 O GOVERNO DO ESTADO DE RORAIMA, através da Secretária de Estado da Gestão Estratégica e Administração, no

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015, DE 30 DE JUNHO DE 2015.

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015, DE 30 DE JUNHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015, DE 30 DE JUNHO DE 2015. O MUNICÍPIO DE CAUCAIA, por intermédio da Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Tecnologia

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO 1 POLÍCIA MILITAR DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE PEDAGÓGICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SOCORRISMO DE EQUINOS/2012 EDITAL n.º DE-019/09/12 O DEPARTAMENTO DE ENSINO

Leia mais

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA PAS D USZ SA Anexo 3 1. concurso de seleção dos elementos a recrutar para a orça special de ombeiros, rege-se pelas provas de avaliação da condição física, de realização obrigatória, a seguir indicadas:

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

SUGESTÕES DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FISICO PARA OS CANDIDATOS AOS CURSOS DE OPERAÇÕES NA SELVA

SUGESTÕES DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FISICO PARA OS CANDIDATOS AOS CURSOS DE OPERAÇÕES NA SELVA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DA AMAZÔNIA CENTRO DE INSTRUÇÃO DE GUERRA NA SELVA CENTRO CORONEL JORGE TEIXEIRA SUGESTÕES DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FISICO PARA OS CANDIDATOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2009 CGRH/DPRF, DE 11 DE AGOSTO DE 2009 Regulamenta

Leia mais

EDITAL Nr 2-12-7 BBM/CBMSC SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE FORMAÇÕES DE GUARDA-VIDAS CIVIS

EDITAL Nr 2-12-7 BBM/CBMSC SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE FORMAÇÕES DE GUARDA-VIDAS CIVIS SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA 7 BATALHÃO DE BOMBEIROS MILITAR EDITAL Nr 2-12-7 BBM/CBMSC SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE FORMAÇÕES DE GUARDA-VIDAS CIVIS

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando-Geral - n.º 166-05 de setembro de 2006 S E P A R A T A B G O

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando-Geral - n.º 166-05 de setembro de 2006 S E P A R A T A B G O POLÍCIA MILITAR DA BAHIA Subcomando-Geral - n.º 166-05 de setembro de 2006 S E P A R A T A B G O a. MANUAL DE AVALIAÇÃO FÍSICA DA PMBA APRESENTAÇÃO O presente trabalho foi fruto de pesquisa monográfica

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

http://www.universa.org.br Academia de Polícia Civil do Distrito Federal Polícia Civil do Distrito Federal FUNDAÇÃO UNIVERSA

http://www.universa.org.br Academia de Polícia Civil do Distrito Federal Polícia Civil do Distrito Federal FUNDAÇÃO UNIVERSA CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACADEMIA DA POLÍCIA CIVÍL DO DISTRITO FEDERAL NORMATIVO PARA AVALIAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Tornam-se público as regras para Avaliação do Trabalho de Conclusão

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROPOSTA DE CURSO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Título: Curso de Tripulante Operacional CTO / 2013 2. Unidade Promotora: Núcleo de Operações e Transporte Aéreo/ NOTAer, da Secretaria da Casa Militar 3. Nível

Leia mais