CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL Nr. 008/ DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL Altera a redação dos itens 4.2.2, , , , , e a redação do Anexo II, constante no Edital Nr. 001/ Diretoria de Administração Geral, publicado no Diário Oficial do Estado, Edição Nr , de 25 de fevereiro de 2006 e Edição Nr , de 02 de março de 2006, referente ao Concurso Público de Admissão ao Curso de Formação de Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte. O COMANDANTE GERAL DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições legais e conforme o previsto no artigo 37, caput, incisos II e IV, da Constituição Federal; no artigo 26, incisos II, III e IV, da Constituição Estadual; Art. 12 e 13 da Lei Complementar Nº 230, de 22 de março 2002, e com fulcro no item 10.8 do Edital Nr. 001/2006, publicado no Diário Oficial do Estado, Edição Nr , de 25 de fevereiro de 2006 e Edição Nr , de 02 de março de 2006 RESOLVE: 1. Retificar o item 4.2.2, constante no Edital Nr. 001/ Diretoria de Administração Geral, referente ao Concurso Público de Admissão ao Curso de Formação de Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte, publicado no Diário Oficial do Estado, Edição Nr , de 25 de fevereiro de 2006 e Edição Nr , de 02 de março de 2006, passando a ter a seguinte redação: Serão considerados aprovados no exame intelectual os candidatos que obtiverem aproveitamento de, no mínimo, 20% (vinte por cento), ou seja, 03 (três) pontos, do valor total de pontos atribuídos a cada sub-prova, e média aritmética simples mínima de 50% (cinqüenta por cento), ou seja, 60 (sessenta) pontos, de aproveitamento no conjunto das sub-provas constantes do item , do Edital Nr. 001/ Diretoria de Administração Geral. 2. Retificar os Itens , , e , constante no Edital Nr. 001/ Diretoria de Administração Geral, referente ao Concurso Público de Admissão ao Curso de Formação de Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte, publicado no Diário Oficial do Estado, Edição Nr , de 25 de fevereiro de 2006 e Edição Nr , de 02 de março de 2006, passando a ter a seguinte redação: Subida em corda de quatro metros, sem o auxílio dos pés, somente para os candidatos do sexo masculino; Subida em corda de quatro metros, com o auxílio dos pés, somente para os candidatos do sexo feminino; Deslocamento subaquático de 20 metros em apnéia, estilo livre, para todos os candidatos Corrida de metros, para todos os candidatos. 3. Retificar o ANEXO II, constante no Edital Nr. 001/ Diretoria de Administração Geral, referente ao Concurso Público de Admissão ao Curso de Formação de Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte, publicado no Diário Oficial do Estado, Edição Nr , de 25 de fevereiro de 2006 e Edição Nr , de 02 de março de 2006, passando a ter a seguinte redação:

2 ANEXO II EXAME DE AVALIAÇÃO DE CONDICIONAMENTO FISICO 1. NORMAS PARA APLICAÇÃO E EXECUÇÃO DO EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA O Exame de Capacidade Física (ECAFI) constitui-se na realização de um conjunto de testes, com cargas de exercícios físicos que avaliam parâmetros de força, coordenação, equilíbrio dinâmico, flexibilidade, potência muscular, capacidade aeróbica, anaeróbica e velocidade, permitindo classificar o estado físico, no momento da execução dos testes, devendo o candidato cumprir com habilidade o que lhe é exigido, obtendo os índices previstos nas respectivas tabelas para o masculino e para o feminino. - O Exame de Capacidade Física (ECAFI) será realizado em 03 (três) dias: - 1º dia: tração na barra fixa (masculino), isometria na barra fixa (feminino) e subida em escada de 30 metros; - 2º dia: Subida em corda de quatro metros e corrida de metros a todos os candidatos; - 3º dia: natação de 100 metros e Deslocamento sub aquático de 20 metros em apnéia, a todos os candidatos. - O candidato que não obtiver o índice mínimo previsto em qualquer um dos 06 (seis) testes, conforme as tabelas para o masculino e feminino, será considerado inapto. 2. EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA, MASCULINO E FEMININO: TOTAL DE 06 (seis) TESTES. A Prova de Capacidade Física aplicada aos candidatos será composta dos seguintes testes: a) Tração na barra fixa, somente para os candidatos do sexo masculino; a.1) Isometria na barra fixa, somente para os candidatos do sexo feminino; b) Subida em corda de quatro metros, sem o auxílio dos pés, somente para os candidatos do sexo masculino; b.1) Subida em corda de quatro metros, com o auxílio dos pés, somente para os candidatos do sexo feminino; c) Natação de 100 metros em estilo livre, para todos os candidatos. d) Deslocamento sub aquático de 20 metros em apnéia, estilo livre, para todos os candidatos. e) Corrida de metros, para todos os candidatos. f) Subida em escada de 30,0 metros, para todos os candidatos. 3. DESCRIÇÃO DOS TESTES E ÍNDICES: TRAÇÃO NA BARRA FIXA (somente para o masculino) a) Objetivo: Medir indiretamente a força muscular de membros superiores, através do desempenho em se elevar o queixo acima do nível de uma barra horizontal; b) Material: 01 (uma) barra de ferro em torno de 1,5 polegada ou 3,80 cm; c) Procedimento: Partindo da posição inicial (pegada) na barra, empunhadura em pronação, flexionar os braços ultrapassando o queixo em ângulo reto com o pescoço até a parte superior da barra, joelho em extensão, pés fora do solo, e voltar à posição inicial, ficando com os braços completamente estendidos. Não há tempo determinado para a execução dos movimentos, podendo o exercício ser executado de forma lenta ou rápida. Não é permitido impulsionar o corpo com as pernas ou balançar o corpo para executar cada flexão, bem como é proibido o contato das pernas ou do corpo com quaisquer objetos ou auxílios por parte de qualquer circunstante. Para a contagem serão válidas as trações corretamente executadas. A partir do momento em que a barra for segura com as duas mãos não será permitido, em hipótese alguma, a soltura de uma das mãos após a tomada de empunhadura. Encerra-se o exercício assim que o candidato largar a mesma. Portanto, dentro da presente descrição serão computadas as trações executadas em que o queixo ultrapasse a altura da barra em ângulo reto e, não tenha havido impulso com as pernas, corpo ou qualquer outro auxílio. Não será computada a primeira tração, caso o candidato a realize com aproveitamento do impulso realizado durante o salto para a empunhadura de tomada à barra. d) Número de tentativas: será aceito apenas 01 (uma) tentativa; e) Tempo de execução: sem tempo para as execuções; f) Número de repetições: conforme tabela para o masculino.

3 3.2 - ISOMETRIA NA BARRA FIXA (somente para o feminino) a) Objetivo: Medir indiretamente a força muscular de membros superiores, através do desempenho em se manter suspensa com o queixo acima do nível de uma barra horizontal; b) Material: 01 (uma) barra de ferro ou madeira em torno de 1,5 polegada ou 3,80 cm; c) Procedimento: Partindo da posição inicial (pegada) na barra, empunhadura em pronação, flexionar os braços ultrapassando o queixo em ângulo reto com o pescoço até a parte superior da barra e manter-se suspensa, ficando com o queixo acima do nível da barra, joelho em extensão, pés fora do solo, o maior tempo possível. O cronômetro é acionado no momento em que o queixo da avaliada passar acima do nível da barra e é desacionado, quando deixá-lo cair abaixo do nível da barra. Será anotado o tempo que a avaliada conseguiu manter-se acima do nível da barra; e) Tempo de execução: conforme a tabela para o feminino. 3.3 SUBIDA NA CORDA (masculino) sem o uso dos pés a) Objetivo: Medir diretamente a força muscular de membros superiores, através do desempenho em subir verticalmente a distância determinada de 4,0 (quatro) metros para o Concurso. b) Material: Será utilizada uma corda de fibra natural ou sintética com diâmetro de 1,5 polegada ou 3,80 cm, sendo considerado o ponto inicial a uma altura de 1,60 metros em relação ao nível do solo; c) Procedimento: O candidato deverá empunhar a corda a uma altura de aproximadamente 1,60 metros, elevando o corpo por sucessivas e alternadas empunhaduras de forma ascendente na corda, não podendo utilizar pernas ou pés para auxiliar o movimento, deslocando-se até a demarcação previamente marcada, a uma altura de 4,0 metros em relação ao ponto inicial. Para descer, o candidato poderá utilizar todo o corpo para auxiliar o movimento; 3.4 SUBIDA NA CORDA (feminino) com o uso dos pés a) Objetivo: Medir diretamente a força muscular de membros superiores, através do desempenho em subir verticalmente a distância determinada de 4,0 (quatro) metros para o Concurso. b) Material: Será utilizada uma corda de fibra natural ou sintética com diâmetro de 1,5 polegada ou 3,80 cm, sendo considerado o ponto inicial a uma altura de 1,60 metros em relação ao nível do solo; c) Procedimento: A candidata deverá empunhar a corda a uma altura de aproximadamente 1,60 metros, elevando o corpo por sucessivas e alternadas empunhaduras de forma ascendente na corda, podendo utilizar pernas e/ou pés para auxiliar o movimento, deslocando-se até a demarcação previamente marcada, a uma altura de 4,0 metros em relação ao ponto inicial. Para descer, a candidata poderá utilizar todo o corpo para auxiliar o movimento; 3.5 NATAÇÃO DE 100 METROS (masculino e feminino) a) Objetivo: Verificar através de um esforço de média duração, a capacidade de flutuação e deslocamento do indivíduo em meio aquático, dentro dos seus componentes cardiovasculares e respiratórios; b) Material: Será realizada em piscina de no mínimo 25 metros, devidamente demarcada em raias para cada candidato dentro de uma mesma série teste. O candidato deverá apresentar-se com traje apropriado à atividade, sendo opcional o uso de óculos e touca de natação; c) Procedimento: - O avaliado poderá dar início ao teste, estando fora da piscina, podendo ainda, neste caso, ser utilizada a parede da piscina para impulso inicial, sendo acionado o cronômetro simultaneamente, com o término da voz de comando: "atenção - já"; - Ao avaliado, não será permitido durante o teste apoiar-se nas bordas laterais das raias da piscina, tocar o fundo da mesma ou receber auxílio, nem tampouco utilizar qualquer acessório, (exceto touca e/ou óculos de natação), fatos que, se ocorrerem, implicarão a imediata inaptidão; - Para a virada na piscina, após completar os 25 ou 50 metros iniciais do percurso (de acordo como o tipo de piscina a ser utilizada), o candidato deverá tocar, com qualquer parte do corpo, a borda da piscina;

4 - A chegada estará configurada no momento em que, após completar totalmente o percurso de 100 metros, o candidato tocar, com qualquer parte do corpo, a borda de chegada; - O candidato poderá utilizar qualquer estilo para nadar a distância de 100 metros em 140 segundos (masculino) e 160 segundos (feminino), não sendo permitido tocar na borda ou no fundo da piscina. - O avaliado terá direito somente a 01 (uma) tentativa para nadar os 100 (cem) metros dentro do tempo estipulado. d) Número de tentativas: 01 (uma) tentativa. e) Tempo de execução: conforme as tabelas para o masculino e feminino. 3.6 DESLOCAMENTO SUBAQUÁTICO EM APNÉIA (masculino e feminino) a) Objetivo: Verificar a adequação do candidato ao meio aquático, a capacidade pulmonar e deslocamento do indivíduo em meio aquático, dentro dos seus componentes cardiovasculares e respiratórios; b) Material: Será realizada em piscina de 25 metros, devidamente demarcada em raias para cada candidato dentro de uma mesma série teste. O candidato deverá apresentar-se com traje apropriado à atividade, sendo opcional o uso de óculos e touca de natação; c) Procedimento: - O avaliado iniciará o teste estando dentro da piscina, podendo ainda ser utilizada a parede da piscina para impulso inicial; - Ao avaliado, não será permitido durante o teste colocar a cabeça fora da água ou receber auxílio, nem tampouco utilizar qualquer acessório, (exceto touca e/ou óculos de natação), fatos que, se ocorrerem, implicarão a imediata inaptidão; - A chegada estará configurada no momento em que, após completar totalmente o percurso de 20 metros, o candidato tocar, com qualquer parte do corpo, o ponto de chegada no fundo da piscina, para depois subir à superfície da água; - O candidato poderá utilizar o movimento de braços e pernas, bem como a flexibilidade do corpo para percorrer a distância de 20 metros. d) Número de tentativas: 01 (uma) tentativa CORRIDA DE METROS (masculino e feminino) a) Objetivo: Visa verificar através de um esforço de média duração, em ritmo constante a capacidade aeróbica do indivíduo, dentro dos seus componentes cardiovasculares e respiratórios; b) Material: Será realizada em pista ou área previamente demarcada e livre de obstáculos; c) Procedimento: O candidato deverá percorrer a distância de metros em 12 minutos (masculino), e 14 minutos (feminino), sendo permitido andar durante o teste. Ao final do teste será computado o tempo levado para percorrer a distância prevista, bem como, posteriormente os índices obtidos através da verificação nas tabelas masculina/feminina em anexo; d) Número de tentativas: 01 (uma) tentativa; e) Tempo de execução: conforme as tabelas para o masculino e feminino. 4. DAS TABELAS DE CAPACIDADE FÍSICA O Exame de Avaliação de Condicionamento Físico para fins de ingresso no Corpo de Bombeiros Militar,obedecerá às tabelas adiante discriminadas Tabela "1" Masculino/ Exames de Avaliação de Condicionamento Físico

5 TESTES ÍNDICE RESULTADO BARRA FIXA 0 a 02 repetições (CONTADO POR REPETIÇÕES) Mínimo de 03 repetições SUBIDA NA CORDA DE 4,0 METROS Menos de 4,0 metros Mínimo de 4,0 metros NATAÇÃO DE 100 METROS (CRONOMETRADO Acima de 140 seg EM SEGUNDOS) Até 140seg DESLOCAMENTO SUBAQUÁTICO DE 20 Menos de 20,0 metros METROS EM APNÉIA. Mínimo de 20,0 metros CORRIDA DE 2.000m (CRONOMETRADO EM Acima de 12min MINUTOS) Até 12min SUBIDA EM ESCADA DE 30 METROS Menos de 30,0 metros Mínimo de 30,0 metros Tabela "2" Feminino/ Exames de Avaliação de Condicionamento Físico TESTES ÍNDICE RESULTADO ISOMETRIA (CRONOMETRADO EM SEGUNDOS) Menos de 10s Mínimo de 10s SUBIDA NA CORDA DE 5,0 METROS Menos de 4,0 metros Mínimo de 4,0 metros NATAÇÃO DE 100 METROS (CRONOMETRADO Acima de 160 seg EM SEGUNDOS) Até 160seg DESLOCAMENTO SUBAQUÁTICO DE 20 Menos de 20,0 metros METROS EM APNÉIA. Mínimo de 20,0 metros CORRIDA DE 2.000m (CRONOMETRADO EM Acima de 14 minutos MINUTOS) Até 14 minutos SUBIDA EM ESCADA DE 30 METROS Menos de 30,0 metros Mínimo de 30,0 metros 3. Ficam ratificados, em seu inteiro teor todos os demais itens e condições do Edital Nr. 001/2006 Diretoria de Administração Geral, publicado no Diário Oficial do Estado, Edição Nr , de 25 de fevereiro de 2006 e Edição Nr , de 02 de março de 2006, e não modificados pelo presente instrumento. 4. Publique-se: Quartel do Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar, em Natal/RN, 06 de junho de 2006, 118º da República. Cláudio Christian Bezerril da Silva - Cel BM Comandante Geral/Presidente da Comissão Especial do Concurso

EDITAL Nr. 019 CFOBM 2. DAS INSTRUÇÕES GERAIS:

EDITAL Nr. 019 CFOBM 2. DAS INSTRUÇÕES GERAIS: GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS EDITAL Nr. 019

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA.

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA. ANEXO II TESTE DE APTIDÃO FÍSICA O Teste de Aptidão Física tem o objetivo de selecionar os candidatos cuja aptidão física seja compatível com o exercício da atividade de Bombeiro Militar e será realizado

Leia mais

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3 DEI - CSMFD - CENTRO DE SAÚDE MENTAL, FÍSICA E DESPORTOS - CEL PM OEZER DE CARVALHO - DIRETRIZ DE CONDICIONAMENTO FÍSICO DA POLÍ- CIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ( D-5 ) PUBLICAÇÃO Artigo 3º -

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA 1. Participarão desta etapa os candidatos aprovados/classificados

Leia mais

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no processo seletivo para o cargo de Policial Rodoviário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2009-DGP/DPF, DE 23 DE JULHO DE 2009 Regulamenta a aplicação do exame de aptidão física

Leia mais

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI 1 DOS TESTES 1.1 Os Testes de Aptidão Física, de caráter eliminatório, serão aplicados no dia e horários indicados no telegrama de convocação, individualmente

Leia mais

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PARANAGUÁ 2011 TESTE DE APTIDÃO FÍSICA PARA SELEÇÃO DE GARI O candidato do sexo masculino que não alcançar a pontuação mínima de 50

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002-ABIN/GSIPR, DE 6 DE AGOSTO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002-ABIN/GSIPR, DE 6 DE AGOSTO DE 2008. AGÊNCIA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002-ABIN/GSIPR, DE 6 DE AGOSTO DE 2008. Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física nos concursos públicos para ingresso em cargos integrantes

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL DO COMANDO GERAL EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL DO COMANDO GERAL EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA O Coronel QOPM Jaizon Veras Barbosa, Presidente da Comissão do Concurso Público, em face de autorização concedida pelo Chefe do Poder Executivo Estadual

Leia mais

EDITAL Nº 036/2013 CFSD-BM CONVOCAÇÃO PARA O TAAF

EDITAL Nº 036/2013 CFSD-BM CONVOCAÇÃO PARA O TAAF GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO- RESERVA PARA O CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR COMBATENTE EDITAL Nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2009 CGRH/DPRF, DE 11 DE AGOSTO DE 2009 Regulamenta

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVOCAÇÃO PARA PROVA DE APTIDÃO FÍSICA DO EDITAL N.º 001/2014 SAPeJUS, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 DETERMINACAO JUDICIAL

EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVOCAÇÃO PARA PROVA DE APTIDÃO FÍSICA DO EDITAL N.º 001/2014 SAPeJUS, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 DETERMINACAO JUDICIAL GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO (SEGPLAN) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA

Leia mais

LOCAL: CAMPO DE FUTEBOL DA COHAB

LOCAL: CAMPO DE FUTEBOL DA COHAB EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PARA PROVIMENTO DE 86 (OITENTA E SEIS) VAGAS, PARA CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR, NÍVEL MÉDIO COMPLETO, MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO, NÍVEL FUNDAMENTAL E FUNDAMENTAL INCOMPLETO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA DEPARTAMENTO DA FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA DEPARTAMENTO DA FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA DEPARTAMENTO DA FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA PORTARIA Nº 005/2015/GAB/DFNSP/SENASP/MJ. Aprova a Diretriz do Teste de Aptidão Física

Leia mais

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO 1.1. Posição inicial: a) pegada na barra com as mãos em pronação

Leia mais

Regulamento Prova de Maneabilidade da Raça Mangalarga Versão 2014

Regulamento Prova de Maneabilidade da Raça Mangalarga Versão 2014 Associação Brasileira de Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga Avenida Francisco Matarazzo, 455 Pavilhão 04 Dr. Fausto Simões São Paulo / SP CEP 05001 300 Tel. 11 3673 9400 Fax: 11 3862 1864 www.cavalomangalarga.com.br

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE EDITAL Nº 002 / 16-PC/MS (PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INSTRUÇÃO DE

Leia mais

PREFEITURA DE IPIRÁ - ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMUNICADO Prova de Aptidão Física - TAF

PREFEITURA DE IPIRÁ - ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMUNICADO Prova de Aptidão Física - TAF PREFEITURA DE IPIRÁ - ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMUNICADO Prova de Aptidão Física - TAF O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE IPIRÁ, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, mediante

Leia mais

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA PAS D USZ SA Anexo 3 1. concurso de seleção dos elementos a recrutar para a orça special de ombeiros, rege-se pelas provas de avaliação da condição física, de realização obrigatória, a seguir indicadas:

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL. EDITAL N 045/2014 (Sub Judice)

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL. EDITAL N 045/2014 (Sub Judice) POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PARANÁ CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL EDITAL N 045/2014 (Sub Judice) O Presidente do Conselho da Polícia Civil do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais, em conformidade

Leia mais

P-1 BOLETIM INTERNO N.º 070. Mossoró/RN, em 16 de Abril de 2015. (Quinta-feira)

P-1 BOLETIM INTERNO N.º 070. Mossoró/RN, em 16 de Abril de 2015. (Quinta-feira) RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL 12º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR 01 P-1 BOLETIM INTERNO N.º 070 Mossoró/RN, em 16

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA RECOMENDAÇÕES SOBRE O TESTE DE AVALIAÇÃO DO CONDICIONAMENTO FÍSICO (TACF) AO(À) FUTURO(A) ESTAGIÁRIO(A) DO EAOT/EIAC - 2013 PREPARE-SE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015, DE 30 DE JUNHO DE 2015.

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015, DE 30 DE JUNHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015, DE 30 DE JUNHO DE 2015. O MUNICÍPIO DE CAUCAIA, por intermédio da Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Tecnologia

Leia mais

EDITAL Nº 04/2015/DAE/PJC/MT

EDITAL Nº 04/2015/DAE/PJC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA JUDICIÁRIA CIVIL DIRETORIA DE ATIVIDADES ESPECIAIS EDITAL Nº 04/2015/DAE/PJC/MT Disciplina as inscrições e o processo de seleção

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA

ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CAPÍTULO I Art. 1º - O presente trabalho visa avaliar os militares em condições normais de saúde, já mobilizados ou que

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA (SAEB) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS VAGOS DE PERITO CRIMINALÍSTICO, DE PERITO MÉDICO-LEGAL, DE PERITO ODONTO-LEGAL

Leia mais

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO INTRODUÇÃO O presente concurso de selecção de candidaturas para elementos a incluir na Força Especial de Bombeiros, rege-se pelas

Leia mais

Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013. Duelo 20 segundos

Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013. Duelo 20 segundos Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013 Duelo 20 segundos FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Duelo 20 segundos no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito. MODALIDADE Tiro

Leia mais

SUGESTÕES DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FISICO PARA OS CANDIDATOS AOS CURSOS DE OPERAÇÕES NA SELVA

SUGESTÕES DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FISICO PARA OS CANDIDATOS AOS CURSOS DE OPERAÇÕES NA SELVA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DA AMAZÔNIA CENTRO DE INSTRUÇÃO DE GUERRA NA SELVA CENTRO CORONEL JORGE TEIXEIRA SUGESTÕES DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FISICO PARA OS CANDIDATOS

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

Onde lê: EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO

Onde lê: EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO Coordenadoria de Serviços de Saúde Grupo de Atenção às Urgências e Emergências - GRAU Concurso Público para classe de Enfermeiro (para atuar junto ao serviço Pré Hospitalar Móvel). I.E nº002/2013 Edital

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA CLÉG ATER DE AUAL DE TESTES DE AVALAÇÃ EDUCAÇÃ FÍSCA 2015 1 SUÁR 1-EDDAS DE CRESCET CRPRAL...03 assa corporal (Peso)...03 Estatura (Altura)...03 Índice de assa Corporal (C)...04 2-TESTES DE APTDÃ FÍSCA

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015 A PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA, no uso de suas atribuições, torna pública a seguinte retificação ao Edital supracitado, cujas alterações estão

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

2132 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N. o 32 15 de Fevereiro de 2005

2132 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N. o 32 15 de Fevereiro de 2005 2132 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N. o 32 15 de Fevereiro de 2005 Pelo que fica expresso, é muito grato ao Ministro de Estado e da Defesa Nacional dar público reconhecimento pela forma exemplar, dedicada,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA EXECUTIVA DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS

PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA EXECUTIVA DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O N º 0 1 / 2 0 1 0 A B E R T U R A O Município do Cabo de Santo Agostinho, Estado de Pernambuco, TORNA PÚBLICO, mediante as condições estipuladas neste Edital,

Leia mais

Capitães, Tenentes e Praças NP Nº 093/15-DE EDITAL Nº 010/2015-DE. PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS/2015 PMAL (970 h/a).

Capitães, Tenentes e Praças NP Nº 093/15-DE EDITAL Nº 010/2015-DE. PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS/2015 PMAL (970 h/a). NP Nº 093/15-DE EDITAL Nº 010/2015-DE PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS/2015 PMAL (970 h/a). O Diretor de Ensino da PMAL, no uso de suas atribuições, e tendo a proposta de curso encaminhada

Leia mais

Art. 32... Art. 39... IV -...

Art. 32... Art. 39... IV -... DECRETO Nº 8.145, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2013 Art. 1 o O Regulamento da Previdência Social - RPS, aprovado pelo Decreto n o 3.048, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 19.

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO Fase escolar Introdução O Programa de Formação Esportiva Escolar tem como premissas a democratização do acesso ao esporte, o incentivo da

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Edital do Curso de Guarda-Vidas Civil Turma 2011/2012

Edital do Curso de Guarda-Vidas Civil Turma 2011/2012 Edital do Curso de Guarda-Vidas Civil Turma 2011/2012 Estarão abertas no Corpo de Bombeiros de Cascavel, Toledo, Marechal Cândido Rondon, Quedas do Iguaçu conforme o presente Edital, as inscrições para

Leia mais

EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO:

EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO: EQUIPAMENTO SALVA-VIDAS: FABRICANTE: TIPO: MODELO: NÚMERO DE AMOSTRAS: N.º DO DESENHO: TESTES PARA APROVAÇÃO DE DISPOSITIVO DE LANÇAMENTO DE EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO a) Testes para

Leia mais

8º Festival de Estrelas

8º Festival de Estrelas 8º Festival de Estrelas REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 8º Festival de Estrelas, actividade prevista no Programa de Desenvolvimento Desportivo (PDD) Estrelas-do-mar, a realizar nos

Leia mais

PORTARIA UNIDA Nº. 15/2015, de 18 de Julho de 2015.

PORTARIA UNIDA Nº. 15/2015, de 18 de Julho de 2015. PORTARIA UNIDA Nº. 15/2015, de 18 de Julho de 2015. O Diretor Geral da Faculdade Unida de Vitória, no uso das atribuições conferidas pelo Regimento Interno resolve regulamentar os procedimentos gerais

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3322, DE 24 DE SETEMBRO DE 1996.

RESOLUÇÃO Nº 3322, DE 24 DE SETEMBRO DE 1996. RESOLUÇÃO Nº 3322, DE 24 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Teste de Avaliação Física (TAF) a ser aplicado aos candidatos a cursos da Polícia Militar e aos candidatos a Exame de Aptidão Profissional (EAP)

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE OPERACIONAL EDITAL N.º 001/2013 CIOPAER 02 de Julho de 2013

CURSO DE TRIPULANTE OPERACIONAL EDITAL N.º 001/2013 CIOPAER 02 de Julho de 2013 CURSO DE TRIPULANTE OPERACIONAL EDITAL N.º 001/2013 02 de Julho de 2013 O Presidente da Comissão para seleção de policiais militares para comporem o cadastro reserva para o Curso de Tripulante Operacional,

Leia mais

MANUAL ADJETIVO CETEP. TCC Trabalho de Conclusão de Curso

MANUAL ADJETIVO CETEP. TCC Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL ADJETIVO CETEP TCC Trabalho de Conclusão de Curso REGULAMENTO DO TCC - TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS TÉCNICOS E TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO DA ADJETIVO CETEP CENTRO TÉCNICO DE ENSINO

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

Fatec Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl Diretoria

Fatec Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl Diretoria Edital 051/2015 (Vagas remanescentes para mudança de curso para Comércio Exterior, Transporte Terrestre, Eventos, Gestão da Tecnologia da Informação, Gestão Empresarial) O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

Corrida com Barreiras

Corrida com Barreiras 1 Corrida com Barreiras Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Esta corrida de velocidade associa a aptidão de percorrer determinada distância o mais rápido possível à capacidade de transpor obstáculos

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA GINÁSTICA AERÓBICA REGULAMENTOS TÉCNICOS TN 2014 PARTICIPANTES: TORNEIO NACIONAL É aberta a participação no TNGAE a qualquer entidade filiada às Federações Estaduais de Ginástica ou de alguma forma ligadas

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica TROFÉU SÃO PAULO 2014 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA REGULAMENTO GERAL OBJETIVOS: Difundir a modalidade Ginástica Artística, incentivando sua prática em diversas faixas etárias e níveis de habilidade - visando

Leia mais

PORTARIA Nº 001/BM-8/2011

PORTARIA Nº 001/BM-8/2011 ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE LEGISLAÇÃO E DOUTRINA / BM -8 PORTARIA Nº 001/BM-8/2011

Leia mais

AULAS TÉCNICAS DE CRAWL Musculatura Utilizada. Posição do Corpo e de Seus Segmentos. Posição do Corpo Erros Causas Correções

AULAS TÉCNICAS DE CRAWL Musculatura Utilizada. Posição do Corpo e de Seus Segmentos. Posição do Corpo Erros Causas Correções SUMÁRIO AULAS TÉCNICAS DE CRAWL... 3 Respiração Lateral... 6 Entrada de Mão... 8 Recuperação da Braçada de Crawl... 11 Puxada... 13 Deslize... 15 Posição do Pé para Execução da Pernada de Crawl... 17 Aceleração...

Leia mais

CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR 2013/2º SEMESTRE

EDITAL VESTIBULAR 2013/2º SEMESTRE EDITAL VESTIBULAR 2013/2º SEMESTRE A FACULDADE DE DIREITO DO VALE DO RIO DOCE FADIVALE, em Governador Valadares/MG, mantida pela Sociedade Simples Cultura e Educação, no uso de suas atribuições, nos termos

Leia mais

Desafio Tecnológico Carro Mecatrônico

Desafio Tecnológico Carro Mecatrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO Desafio Tecnológico Carro Mecatrônico 1. Descrição e Objetivos Propõe um desafio tecnológico

Leia mais

'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO

'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO 'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO A implantação da Gratificação de Atividade de Segurança GAS para os servidores ocupantes do cargo de Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade

Leia mais

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS 3 a 5 ramos baixos não fixos de 3 a 5 cm de diametro distância entre os ramos: 1.00 metro largura 1.80 a 2.00 metros altura acima do garrote iniciação e juvenis: 30

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 1 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia com atenção!)

Leia mais

3 MODALIDADES DO CICLISMO

3 MODALIDADES DO CICLISMO 3 MODALIDADES DO CICLISMO Não há muitos registros sobre cada modalidade, além de haver uma variedade muito grande de informações sobre uma mesma modalidade. PORTE (1996), porém, nos relata sobre os vários

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão II 1. Um carro está viajando numa estrada retilínea com velocidade de 72 km/h. Vendo adiante um congestionamento

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa as

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TÍTULOS PARA OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR. Valor Máximo para o conjunto Doutorado 1 0,2 0,2 Mestrado 1 0,2 0,2.

AVALIAÇÃO DE TÍTULOS PARA OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR. Valor Máximo para o conjunto Doutorado 1 0,2 0,2 Mestrado 1 0,2 0,2. ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CENTRO NOVO DO MARANHÃO A v. J u s c e l i n o K u b i t s c h e c k s / n. º C e n t r o - C E P : 6 5. 2 9 9-0 0 0. C N P J ( M F ) : 0 1. 6 1 2. 3 2 3 / 0

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO

Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO OBJECTIVO: Efetuar um percurso de ida e volta, num total de cerca de 40 metros, no menor tempo possível. PARTICIPANTES: 6 elementos de cada Equipa. DESENVOLVIMENTO:

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros 1ª Parte do ( 3ª Semana) Treino cardiovascular, que visa a queima de gorduras em excesso em todas as regiões do corpo. Esta semana como estamos em plena época de praia vamos

Leia mais

Provas Comentadas OBF/2011

Provas Comentadas OBF/2011 PROFESSORES: Daniel Paixão, Deric Simão, Edney Melo, Ivan Peixoto, Leonardo Bruno, Rodrigo Lins e Rômulo Mendes COORDENADOR DE ÁREA: Prof. Edney Melo 1. Um foguete de 1000 kg é lançado da superfície da

Leia mais

SECRETARIA GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIORES INSTITUTO RIO BRANCO LXIV CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE DIPLOMATAS

SECRETARIA GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIORES INSTITUTO RIO BRANCO LXIV CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE DIPLOMATAS SECRETARIA GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIORES INSTITUTO RIO BRANCO EDITAL DE 25 DE MARÇO DE 2014 LXIV CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE DIPLOMATAS O DIRETOR-GERAL DO INSTITUTO RIO BRANCO, no uso de suas atribuições,

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

Art.2º- Os números de atletas por prova em suas respectivas categorias ficarão assim distribuídos:

Art.2º- Os números de atletas por prova em suas respectivas categorias ficarão assim distribuídos: REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JEM S 2015 Art.1º- As competições serão regidas pelos regulamentos, normas e especificações técnicas da Confederação Brasileira de Ciclismo em tudo que não contrariar

Leia mais

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013 REGULAMENTO PARA O VOLEIBOL EQUIPES Uma equipe é formada por 10 jogadores. E somente 6 jogadores podem participar do jogo tendo como obrigatoriedade 3 homens e 3 mulheres em quadra para condições de jogo.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006 Estabelece os limites de peso e dimensões para veículos que transitem por vias terrestres e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/10-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 06/10-CEPE RESOLUÇÃO Nº 06/10-CEPE Altera a Seção I da Resolução nº 37/97-CEPE que aprova normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos cursos de graduação da Universidade Federal do Paraná. O

Leia mais

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE JUVENIS têm por propósito básico a integração nacional,

Leia mais

Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP

Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP 01 - APRESENTAÇÃO: Este roteiro tem por objetivo nortear a aplicação do Sistema de

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016 VESTIBULAR COMPLEMENTAR AGENDADO 2016/1. Edital nº 4/2015. Faculdade Novo Hamburgo

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016 VESTIBULAR COMPLEMENTAR AGENDADO 2016/1. Edital nº 4/2015. Faculdade Novo Hamburgo EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016 VESTIBULAR COMPLEMENTAR AGENDADO 2016/1 Edital nº 4/2015 Faculdade Novo Hamburgo De ordem do Diretor Geral da Faculdade Novo Hamburgo e para conhecimento de todos os interessados,

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4 Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano Questão 1 Um raio luminoso emitido por um laser de um ponto F incide em um ponto I de um espelho plano. O ponto F está a uma distância b do

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS

SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS SECRETARIA DE SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS EDITAL Nº 008/DEPTO DE ENSINO/CRH/PMRO-2015 SELEÇÃO DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES

Leia mais