CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE"

Transcrição

1 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE INTRODUÇÃO: o controle de constitucionalidade só é possível nos sistemas jurídicos em que vige uma Constituição escrita e rígida, pois é tão somente nesses sistemas jurídicos que podemos falar em normas infraconstitucionais que, como tais, devem respeitar a Constituição (supremacia formal da constituição). Isto significa dizer que para uma norma ter validade há de ser produzida em concordância com os ditames da Constituição, que representa seu fundamento e validade. A Constituição situa-se no vértice do sistema jurídico do Estado, de modo que as normas de grau inferior somente valerão se forem com ela compatíveis. É necessário, ainda, que o Estado apresente uma democracia fática, com o devido respeito à separação de poderes, pois se todos os poderes estiverem concentrados nas mãos de um déspota (tirano, autoridade arbitrária), não existirá qualquer possibilidade de que um provimento dele venha a ser declarado por ele próprio como inválido ou ilegítimo. Assim, um poder deverá controlar o outro, fazendo valer a vontade do povo expressa na Constituição, e é a própria Constituição que dirá quem e como será feito o controle de seus comandos, através do denominado Controle de Constitucionalidade. PRESUNÇÃO DE CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS: Num Estado de Direito, como é o caso do Brasil, só se está obrigado a fazer ou deixar de fazer algo em face de uma lei que assim o determine (art. 5º, II, da CF Princípio da Legalidade), igualmente, é cediço que todo o poder emana do povo, que o exerce de forma direta ou por seus representantes eleitos (art. 1º, parágrafo único, CF). Logo, concluímos que todas as leis existentes são oriundas da vontade do próprio povo, ou seja, são as leis que o próprio povo entende como justas e necessárias, vez que elaboradas por seus representantes eleitos de forma democrática. Daí surge o princípio da presunção de constitucionalidade das leis, que diz que todas as leis deverão ser consideradas constitucionais, válidas e legítimas até que venham a ser formalmente declaradas inconstitucionais por um órgão competente para desempenhar esse mister, pois enquanto não forem formalmente declaradas inconstitucionais, deverão ser cumpridas, presumindo-se que o legislador agiu em plena sintonia com a Constituição, e com a vontade do povo que lhe outorgou essa nobre competência. CONCEITO DE INCONSTITUCIONALIDADE: diante das considerações anteriormente expendidas, chegamos facilmente à conclusão de que a inconstitucionalidade nada mais é do que o conflito de um comportamento, de uma norma ou de um ato com a Constituição. Inconstitucional é, pois, a ação ou omissão que ofende, no todo ou em parte, a Constituição. Assim, se

2 a lei ordinária, a lei complementar, o estatuto privado, o contrato, o ato administrativo etc. não se conformarem com a Constituição, não deverão produzir efeitos, devendo ser fulminados por conta do princípio da supremacia constitucional. Deve-se ressaltar que apenas os atos e normas estatais poderão ser submetidos ao controle de constitucionalidade. Igualmente, estarão fora da possibilidade de controle de constitucionalidade as normas constitucionais originárias (princípio da unidade da Constituição), atualmente, o texto originário da Constituição de Há de se ressaltar, também, que as normas pré-constitucionais, ou seja, anteriores à Constituição não estão sujeitas a qualquer controle de constitucionalidade, sendo certo que, nesses casos, o que ocorre é a recepção ou não recepção da norma pela Constituição superveniente (se a lei não for recepcionada entende-se que ocorreu sua revogação e não a declaração de inconstitucionalidade). ESPÉCIES DE INCONSTITUCIONALIDADE: 1) INCONSTITUCIONALIDADE POR AÇÃO E POR OMISSÃO: a inconstitucionalidade poderá resultar de uma ação ou de uma omissão do Poder Público, dando origem às denominadas inconstitucionalidades por ação (ou positivas) ou por omissão (ou negativas). Ocorre a inconstitucionalidade por ação quando o desrespeito à Constituição resulta de uma conduta comissiva, positiva, praticada por algum órgão estatal. É o caso, p. e., da elaboração pelo legislador ordinário de uma lei em desacordo com a Constituição. Já a inconstitucionalidade por omissão ocorrerá quando a afronta à Constituição resulta de uma omissão do legislador, em face de um preceito constitucional que determine seja elaborada norma regulamentando suas disposições. Constitui, portanto, uma conduta omissiva frente a uma obrigação de legislar, imposta ao Poder Público pela própria Constituição. Isto ocorre quando a Constituição garante um direito, mas este direito somente poderá ser exercido quando o legislador ordinário elaborar uma lei para regulamentá-lo, e este, por sua vez, queda-se inerte, impedindo o exercício daquele direito constitucionalmente garantido. 2) INCONSTITUCIONALIDADE MATERIAL E FORMAL: de uma forma simples, a inconstitucionalidade material ocorrerá quando o conteúdo da norma ou do ato contrariar a Constituição, ainda que o processo legislativo tenha sido rigorosamente observado, ou seja, é o comando normativo que contraria o preceito constitucional. Já a inconstitucionalidade formal ocorrerá quando um requisito formal, tais como a iniciativa ou o processo legislativo exigido para a aprovação da norma não forem obedecidos. Como exemplo poderemos citar uma lei complementar que, ao invés de ter

3 sido aprovada por maioria absoluta conforme preceitua o art. 69 da CF, foi aprovada por maioria simples, sendo certo que nesse caso, ainda que o conteúdo (a matéria) da lei complementar seja compatível com a Constituição, ela será considerada inconstitucional, pois padece de vício na forma de aprovação. 3) INCONSTITUCIONALIDADE TOTAL E PARCIAL: a regra será sempre a da inconstitucionalidade parcial, ou seja, de apenas parte da norma ou ato, mantendo-se, sempre que possível, a maior parte de seu conteúdo, desde que seja possível mantê-lo de acordo com a Constituição. Deve-se frisar que o Judiciário poderá declarar inconstitucionais apenas frações da norma, tais como capítulos, artigos, parágrafos, incisos, alíneas e até mesmo palavras, não se aplicando, portanto, a regra do veto do chefe do executivo, que deverá vetar, no mínimo, um artigo inteiro. A inconstitucionalidade total, no mais das vezes, ocorre nos casos de inconstitucionalidade formal, onde não se pode aproveitar exatamente nada da norma, haja vista ter contrariado ou desobedecido os requisitos formais pertinentes (iniciativa, processo legislativo etc.). 4) INCONSTITUCIONALIDADE DIRETA E INDIRETA (OU REFLEXA): a inconstitucionalidade será direta quando for objeto da análise uma norma primária, que encontra seu fundamento diretamente na Constituição. Já a inconstitucionalidade indireta ocorrerá quando, ainda que norma primária seja constitucional, a norma secundária, que por sua vez encontra seu fundamento na norma primária, extrapola seus limites e contraria a própria Constituição. Entretanto, conforme entendimento consolidado do STF, nesses casos, não haverá que se falar em inconstitucionalidade e, conseqüentemente, em controle de constitucionalidade, pois o que ocorre, de fato, é mera ilegalidade e bastará o cotejo da norma secundária com a norma primária que ela regulamenta para a solução do problema (art. 49, V, da CF). OBS.: INCONSTITUCIONALIDADE DERIVADA (OU CONSEQUENTE; OU POR RICOXETE): ocorre quando a norma primária é declarada inconstitucional e, conseqüentemente, todas as normas secundárias que a regulamentavam também são declaradas inválidas. Trata-se, nesse caso, de uma questão lógica, de uma conseqüência, pois, se a norma secundária encontrava sua validade na norma primária, a partir do momento em que esta é declarada inconstitucional e deixa de existir, a norma primária perde sua validade, ou seja, o elo da corrente no qual a norma secundária era ligada é quebrado e ela não encontra mais sustentação para continuar existindo e surtindo efeitos.

4 5) INCONSTITUCIONALIDADE ORIGINÁRIA E SUPERVENIENTE: a inconstitucionalidade originária é aquela que macula a norma no momento de sua produção, por contrariar a Constituição então vigente. Já a inconstitucionalidade superveniente, embora no momento da produção da norma ela fosse compatível com a Constituição, posteriormente, seja por conta do surgimento de uma nova Constituição ou por uma emenda constitucional que modifique a Constituição existente, esse ato ou norma passa a ser incompatível com o novo comando constitucional. No Brasil, como já dito, o STF não aceita essa espécie de inconstitucionalidade, entendendo que o que ocorre é mera problemática de direito intertemporal, e com a inovação constitucional a norma será, na verdade, revogada. SISTEMAS DE CONTROLE: cada ordenamento constitucional é livre para outorgar a competência para controlar a constitucionalidade das leis ao órgão que entenda conveniente, de acordo com suas tradições. Assim, dependendo da opção do legislador constituinte, poderemos ter o controle judicial (ou jurisdicional), o controle político ou o controle misto. 1) CONTROLE JUDICIAL (ou JURISDICIONAL): é o exercido pelo poder Judiciário. Este sistema nasceu nos Estados Unidos, sendo este o primeiro Estado a reconhecer a competência dos juízes e tribunais do Poder Judiciário para, nos casos concretos submetidos à sua apreciação, declarar a inconstitucionalidade das leis. Atualmente, no Brasil, é este o sistema de controle utilizado, embora em alguns casos específicos, excepcionalmente e sempre de forma preventiva, os Poderes Executivo e Legislativo também possam exercer o controle de constitucionalidade. 2) CONTROLE POLÍTICO: é aquele exercido por órgãos estranhos ao Poder Judiciário. Via de regra, nos países que adotam o sistema político, o controle de constitucionalidade é exercido por um órgão especialmente constituído para tal finalidade, distinto dos demais poderes do Estado. Como exemplo, podemos citar a França, em que a fiscalização da constitucionalidade das leis é de incumbência do Conselho Constitucional, órgão que se situa fora da estrutura orgânica dos demais Poderes. 3) CONTROLE MISTO: ocorre quando a Constituição outorga o controle de algumas de suas normas a um órgão político e de outras ao Poder Judiciário. Como exemplo podemos citar a Suíça, onde as leis nacionais submetem-se a um controle político enquanto as leis locais são fiscalizadas pelo Poder Judiciário.

5 MOMENTO DO CONTROLE: o controle de constitucionalidade poderá ocorrer antes ou depois da edição da lei, de forma que, a depender do momento de sua realização, poderá ser classificado como preventivo ou repressivo. 1) CONTROLE PREVENTIVO: ocorre, via de regra, quando a fiscalização da constitucionalidade da norma incide ainda sobre seu projeto, antes dela estar pronta e acabada. É o caso, no Brasil, do veto do Chefe do Executivo (veto jurídico), uma vez que incide sobre projeto de lei. Desse conceito conclui-se que no controle preventivo não é declarada a inconstitucionalidade da norma (que, na realidade, ainda não existe), mas sim evitada a produção de uma norma inconstitucional. 2) CONTROLE REPRESSIVO: ocorre quando a fiscalização da constitucionalidade da norma é feita após ela estar pronta e acabada, já inserida no ordenamento jurídico. No Brasil esse controle é realizado pelo Poder Judiciário, já que adotamos aqui o sistema jurisdicional. Assim, o controle de constitucionalidade repressivo tem por fim declarar a inconstitucionalidade de uma norma já existente, visando a sua retirada do ordenamento jurídico. JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL: o controle de constitucionalidade das leis ou atos poderá ocorrer de duas formas, pela via difusa (ou concreta) ou pela via concentrada (ou abstrata). Na primeira delas, o controle difuso poderá ser exercido por qualquer juiz ou tribunal do país, com o fim de afastar a aplicação da lei ou do ato apenas e tão somente naquele caso concreto contido em um determinado processo, interessando e produzindo efeitos, conseqüentemente, tão somente às partes envolvidas neste processo (efeito inter partes). Já o controle concentrado, o qual analisa a lei em tese sem qualquer caso concreto a ser considerado apenas e tão somente poderá ser exercido pelos denominados Tribunais Constitucionais, que, quando o paradigma do controle de constitucionalidade é a Constituição Federal, será exercido com exclusividade pelo STF; já quando o paradigma forem as Constituições Estaduais ou as Leis Orgânicas dos municípios, será exercido com exclusividade pelos respectivos Tribunais de Justiça. (efeito erga omnes). FISCALIZAÇÃO NÃO JURISDICIONAL (NÃO É FEITA PELO JUDICIÁRIO): deve-se destacar que não é apenas o Poder Judiciário que exerce a fiscalização da constitucionalidade das leis em nosso país, sendo certo que os demais poderes da República (Executivo e Legislativo) também dispõem, em situações especiais, do poder de fiscalizar a constitucionalidade das leis.

6 1) PODER LEGISLATIVO: a primeira manifestação do Poder Legislativo apontada como fiscalização da constitucionalidade das leis ocorre nos trabalhos da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), no âmbito das casas do Congresso Nacional. Essa comissão manifesta-se sobre as proposições submetidas à apreciação do Poder Legislativo (projetos de lei, propostas de emenda à Constituição etc.), podendo concluir, por meio de parecer, pela constitucionalidade ou pela inconstitucionalidade da matéria examinada. Outro meio do Poder Legislativo se manifestar no sentido de fiscalização da constitucionalidade das leis ou atos é o previsto no art. 49, inciso V, da CF/88, o que ocorre quando o Poder Executivo exorbita dos limites do poder regulamentar, na edição de normas de secundo grau; ou quando exorbita dos limites da delegação legislativa na elaboração das Leis Delegadas. Por fim, tem-se entendido que quando o Poder Legislativo aprecia as famigeradas Medidas Provisórias, tanto em seu aspecto formal quanto material, também está exercitando o controle de constitucionalidade. Deve-se ressaltar que este tipo de controle é preventivo, pois atua antes da aprovação do respectivo projeto de lei ou de emenda constitucional. 2) PODER EXECUTIVO: a primeira e clássica forma em que o Executivo atua como fiscal da constitucionalidade das leis é no chamado veto jurídico, previsto no art. 66, 1º, da CF/88, que dispõe que caberá ao Presidente (caberá também aos Governadores e Prefeitos) vetar o projeto de lei, total ou parcialmente, quando entendê-lo inconstitucional. A segunda hipótese diz respeito à possibilidade de inexecução, pelo chefe do Poder Executivo, de lei por ele considerada inconstitucional. Deve-se ressaltar que essa prerrogativa da autoridade máxima do Poder Executivo somente poderá ser exercida caso inexista manifestação definitiva e vinculante do Poder Judiciário sobre a constitucionalidade da lei, sob pena de intervenção. (art. 34, VI, CF) Por fim, entende a doutrina que os casos de intervenção também se trata de controle de constitucionalidade das leis, haja vista que este funciona como medida última para o restabelecimento da observância da Constituição por um ente federado. 3) TRIBUNAIS DE CONTAS: segundo a jurisprudência do STF, os tribunais de contas, no desempenho de suas atribuições constitucionais, possuem competência para realizar o controle de constitucionalidade das leis e atos normativos do Poder Público, podendo afastar a aplicação daqueles que entenderem inconstitucionais. Tal entendimento foi inclusive sumulado, conforme se depreende do texto da súmula nº 347 que diz: O Tribunal de

7 Contas, no exercício de suas atribuições, pode apreciar a constitucionalidade das leis e dos atos do Poder Público. CONTROLE DIFUSO (CONCRETO): este tipo de controle teve sua origem nos EUA, sendo por isso chamado de sistema americano de controle de constitucionalidade, o qual se baseia no reconhecimento da inconstitucionalidade de um ato normativo por qualquer componente do Poder Judiciário, juiz ou tribunal, em face de um caso concreto submetido a sua apreciação. Por isso diz-se que aquela declaração de inconstitucionalidade tem efeito meramente inter partes (entre as partes), porquanto o órgão julgador deixa de aplicar aquela lei por entendê-la inconstitucional única e exclusivamente com relação àquele caso concreto específico. Deve-se frisar que nesse tipo de controle de constitucionalidade qualquer juiz ou tribunal terá aptidão para exercê-lo (por isso a denominação de controle DIFUSO). Há de se dizer ainda que a inconstitucionalidade da lei não é o objeto principal do processo, mas sim um acessório, porquanto por meio dessa declaração pretende-se preservar um direito que esteja em jogo, por isso mesmo é que o controle difuso de constitucionalidade ocorre pela via incidental ou incidenter tantum. LEGITIMIDADE ATIVA: entende-se que têm legitimidade para iniciar o controle de constitucionalidade concreto (difuso): a-) as partes do processo; b-) os eventuais terceiros admitidos como intervenientes no processo; c-) o representante do Ministério Público que oficie no feito como fiscal da lei (custos legis); d-) o juiz ou tribunal, de ofício, independentemente de provocação, poderá declarar a inconstitucionalidade da lei, afastando a sua aplicação ao caso concreto. RESERVA DE PLENÁRIO: apesar do fato de qualquer juiz ou tribunal ser competente para declarar uma lei inconstitucional pela via difusa, no caso dos tribunais a Constituição Federal, em seu art. 97, traz regra própria, conhecida como reserva de plenário. Art. 97. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo órgão especial poderão os tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público. Assim, no âmbito de qualquer tribunal, sob pena de nulidade da decisão, dever-se-á, obrigatoriamente, observar a regra da reserva de plenário.

8 CONTROLE CONCENTRADO (ABSTRATO): este controle foi introduzido no Brasil pela EC-16/65, que modificou, portanto, a CF/1946. Surgiu na Europa, mais especificamente na Áustria com sua Constituição de 1920, cuja elaboração se deve basicamente à Hans Kelsen (autor da Teoria Pura do Direito). Sua única função é a defesa do ordenamento constitucional contra as leis ordinárias com ele incompatíveis. Diferentemente do controle difuso que se baseia num caso concreto, o controle concentrado se baseia na lei em tese (por isso é abstrato), com o objetivo de expelir, ou seja, expurgar/banir do sistema a lei ou ato declarado inconstitucional. Este controle é de competência originária do STF, quando visa à aferição de leis em face da Constituição Federal, ou do Tribunal de Justiça de cada Estado, quando o confronte visa as leis locais e a Constituição Estadual. Veremos, a seguir, cada uma das ações utilizadas para se buscar o controle de constitucionalidade de leis e atos perante o STF, lembrando que aqui o paradigma (a Constituição a ser verificada) será sempre a Constituição Federal. 1) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE ADI: tal ação também é chamada de ADI (ou ADIn). É a ação típica do controle abstrato brasileiro, tendo por escopo a defesa da ordem jurídica, mediante a apreciação, na esfera federal, da constitucionalidade, em tese, de lei ou ato normativo, federal ou estadual, em face das regras e princípios constantes explícita ou implicitamente na Constituição Federal. Nesse caso a Constituição diz NÃO FAÇA, e o legislador ou administrador faz, contrariando o comando constitucional. Deve-se destacar que o controle é feito em tese justamente porque não há qualquer caso concreto a ser examinado, mas sim a validade da lei em si, em face da Constituição vigente. LEGITIMAÇÃO ATIVA: é necessário destacar que, ao contrário do que ocorre no controle difuso, onde qualquer pessoa pode questionar a constitucionalidade de uma lei por via incidental, no controle concentrado os legitimados são apenas e tão somente aqueles arrolados no art. 103 da Constituição, que diz: Art Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade: I - o Presidente da República; II - a Mesa do Senado Federal; III - a Mesa da Câmara dos Deputados; IV - a Mesa de Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; V - o Governador de Estado ou do Distrito Federal;

9 VI - o Procurador-Geral da República; VII - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; VIII - partido político com representação no Congresso Nacional; IX - confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional. OBJETO DA AÇÃO: a ADI é um instrumento para a apreciação da validade de lei ou ato normativo federal ou estadual, desde que editados posteriormente à Constituição vigente (caso contrário não há que se falar em inconstitucionalidade, mas sim em recepção/revogação). EFEITOS DA DECISÃO: dentre os efeitos da decisão da ADI, os mais importantes são o efeito vinculante (vincula os demais órgãos do Poder Judiciário e da Administração Pública. Mas não vincula o Legislativo) e eficácia erga omnes (contra todos). 2) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO ADI POR OMISSÃO: a ADI por Omissão é uma novidade introduzida no direito brasileiro pela Constituição de É uma modalidade abstrata de controle de omissão por parte de órgão encarregado pela elaboração normativa, destinando-se a tornar efetiva disposição constitucional que dependa de complementação (a Constituição garante o direito, mas o legislador ordinário não elabora a lei para possibilitar o exercício desse direito). Nesse caso, a Constituição diz ao legislador FAÇA e ele mantémse inerte, e não faz, contrariando o comando constitucional. Deve-se destacar que conforme entendimento do STF, a inconstitucionalidade por omissão não atinge apenas o legislador, mas também órgãos administrativos que devam editar atos normativos em geral, necessários à concretização de disposições constitucionais. Esta ação foi recentemente regulamentada pela Lei de 27/10/2009, a qual alterou a Lei que tratava originalmente apenas da ADI e da ADC. LEGITIMAÇÃO ATIVA: como a ADI por Omissão também é uma ação direta de inconstitucionalidade, os legitimados para sua propositura são exatamente aqueles previstos no art. 103 da CF/88, já transcritos anteriormente. EFEITOS DA DECISÃO: no tocante à omissão legislativa, entende-se que cabe ao Judiciário apenas requerer de forma oficial ao Poder Legislativo que elabore a lei faltante, entretanto, tal requerimento não terá efeito vinculante, não podendo esta decisão obrigar, impondo-se uma pena, o Legislativo a cumprir a determinação. Já no que se refere à omissão do Poder Executivo, o entendimento é o de que a decisão deverá prever um

10 prazo razoável para o atendimento da omissão, sob pena de crime de desobediência, dentre outras sanções. 3) AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE ADC: Esta ação foi introduzida no sistema de controle de constitucionalidade abstrato pela EC-03/93, e visa a declaração formal de que a lei ou ato normativo nela tratado é constitucional. Busca-se, com isso, por fim a controvérsia que esteja existindo entre os juízes e tribunais no dia a dia da aplicação da lei ou ato normativo. Com relação à legitimação e aos efeitos da decisão, aplica-se à ADC exatamente as mesmas regras da ADI. 4) ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL ADPF: está prevista no art. 102, 1º, da CF/88 e está regulamentada na Lei 9.882/99. A ADPF vem completar o sistema de controle de constitucionalidade concentrado, uma vez que a competência para sua apreciação é originária e exclusiva do STF. Ela serve justamente para possibilitar que questões não passíveis de apreciação por via de ADI e ADC, pudessem ser objeto de exame. Assim, toda lei ou ato que acarretar lesão a um preceito fundamental poderá ser objeto desta ação. Deve-se frisar, entretanto, ser a ADPF uma ação subsidiária, podendo ser utilizada tão somente quando não for possível a utilização da ADI ou da ADC. Não há um consenso sobre o que são os preceitos fundamentais, tendo ocorrido que o próprio STF, caso a caso, é que analisa o pedido e decide, na hora, se se trata ou não de um preceito fundamental. Os efeitos da decisão, a exemplo do que ocorre na ADI e na ADC, vinculam os demais órgãos do Poder Público (exceto o Legislativo), e produz eficácia erga omnes (contra todos). Os legitimados a propor a ADPF são os mesmos da ADI e da ADC, estando o rol previsto no art. 103 da CF/88. CONTROLE ABSTRATO NOS ESTADOS: já havíamos visto que no controle difuso os TJs tinham competência para a declaração, de forma incidental num processo específico, da inconstitucionalidade de uma lei. Entretanto, os TJs também possuem competência para realizar o controle abstrato de leis e atos normativos estaduais e municipais, sempre em face da Constituição estadual. Tal possibilidade está prevista no art. 125, 2º, da CF/88.

11 No tocante à legitimação, a Constituição Federal não definiu o rol de legitimados, deixando para o legislador estadual definir quem serão estas pessoas quando regulamentarem a matéria nas respectivas Constituições estaduais. Os efeitos da decisão serão semelhantes aos da ADI e da ADC, lembrando apenas que a eficácia erga omnes (contra todos) será restrita apenas ao território daquele Estado cuja norma pertencia.

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

Vícios de Constitucionalidade

Vícios de Constitucionalidade Vícios de Constitucionalidade Vício Formal Nomodinâmico O Vício Formal ocorre durante o processo legislativo, dando a idéia de dinamismo, movimento. Vício quanto ao processo legislativo Vicio Formal é

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotações de aula II. Simulado III. Lousas I. ANOTAÇÕES DE AULA

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO QUESTÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Questão n. 1 (CESPE/AGU

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Por: Alexandre Solano Bastos Orientador Prof. Anselmo de Souza Rio de Janeiro 2012 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Professora Chrystiane Mariz

Professora Chrystiane Mariz Professora Chrystiane Mariz -> CF, EC -> LC, LO, MP -> Atos da administração (ex: portarias) 1* Tratados internacionais sem ser de direitos humanos -> LC, LO, MP 2* Tratados internacionais de direitos

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º 1. Introdução OAB - 2012 A nossa Constituição de 1988 é classificada como uma constituição escrita (Constituições escritas são aquelas cujas normas estão reunidas em um só documento, solenemente promulgado

Leia mais

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONCEITO DE CONTROLE CONTROLE, EM TEMA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, É A FACULDADE DE VIGILÂNCIA, ORIENTAÇÃO E CORREÇÃO QUE UM PODER, ÓRGÃO OU AUTORIDADE EXERCE SOBRE A CONDUTA FUNCIONAL

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Parte 02 (Controle Concentrado, Abstrato e tipos de decisão) CONTROLE CONCENTRADO A ADI genérica pode ser em Âmbito federal (STF) ou em âmbito estadual Competência (TJs);

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira. Professor: José Henrique Cesário Pereira PARTE IV CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS. AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE (ADECON ou ADC) - Lei n. 9.868, de 10.11.99 CONCEITO A Ação Declaratória

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO 1.1 COMENTÁRIOS INICIAIS DO CAPÍTULO ANÁLISE DA DISCIPLINA NAS PRO- VAS DE JUIZ DO TRABALHO A disciplina Direito Constitucional, como não poderia deixar

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA PROFESSOR: Antonio Isidoro Piacentin Disciplina: Direito Constitucional II Etapa: ()1ª ( ) 2ª ( ) 3ª ( x ) 4ª Turmas: ( ) F ( ) G (x ) P 1. OBJETIVOS: 1.1. Oferecer aos alunos os conceitos

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos.

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos. EFEITOS DAS DECISÕES JUDICIAIS ASSECURATÓRIAS DE PREVALÊNCIA DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS: REPERCUSSÕES EM RELAÇÃO A DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO TOCANTE A COBRANÇA DE TRIBUTAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO Ação Direta de Inconstitucionalidade Autos n. 2008.005668-5 Requerente: Partido Socialista.Brasileiro -PSB Advogada: Flávia Manarte Hanna Relator: Desdor. Rafael de Araújo Romano EMENTA:

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL)

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) Disciplina: Direito Constitucional Ravi Peixoto, Procurador Municipal. 10 (Dez) horas/aulas. 1 2 3 4 5 6 7 57:00m 54:00m 50:00m

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale Aspectos gerais do controle de constitucionalidade Professor : Siddharta Legale LEITURA BÁSICA Bibliografia sugerida BARROSO, Luis Roberto. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. ASSSUMPÇÃO,

Leia mais

AULA 0: APLICABILIDADE DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO

AULA 0: APLICABILIDADE DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO CURSOS ONLINE DIREITO CONSTITUCIONAL - PROF. VICENTE PAULO AULA 0: APLICABILIDADE DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO Bem, na aula de hoje, trataremos de um assunto de suma importância para o estudo do Direito Constitucional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA Elaborado em 01.2009 Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica Preâmbulo Sentidos tradicionais de constituição 1) IRRELEVANCIA JURIDICA Natureza Jurídica do Preâmbulo? 2) PLENA EFICÁCIA CONSTITUIÇÃO SOCIOLÓGICA CONSTITUIÇÃO JURÍDICA CONSTITUIÇÃO POLÍTICA 3) TESE DA

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE VII. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE a) Controle nas constituições rígidas e escritas b) Sistemas de controle de constitucionalidade c) Tipos de controle d)

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO Enunciado PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL - C003061 O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Orientações Iniciais Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Orientações Iniciais Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Orientações Iniciais Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CRONOGRAMA SEGUNDA FASE DE DIREITO CONSTITUCIONAL DATA

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE E SEUS CONCEITOS OPERACIONAIS

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE E SEUS CONCEITOS OPERACIONAIS CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE E SEUS CONCEITOS OPERACIONAIS Rogério Luiz Coelho 1 Resumo A proposta deste estudo é a de fornecer ao leitor uma compreensão das diversas categorias nominativas utilizadas

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

A LEGITIMIDADE ATIVA DO DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE: UMA PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL

A LEGITIMIDADE ATIVA DO DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE: UMA PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL A LEGITIMIDADE ATIVA DO DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE: UMA PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Aluno: Felipe Schvartzman Orientadores: Thiago Ragonha Varela

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES 1. DIREITO: é o conjunto de normas de conduta coativa impostas pelo Estado, se traduz em princípios de conduta social, tendentes a realizar Justiça, assegurando

Leia mais

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp&

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& r. 0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& NOTA TÉCNICA N 15/2013 Assunto: Projeto de Lei n 02, de 2013-CN (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2014). O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL RECOMENDAÇÃO/ORIENTAÇÃO Nº 002/2008 PGJ/CGMP/CACOP/MP-PI Recomendação aos agentes públicos e dirigentes de entidades, órgãos públicos e Poderes, que detenham a atribuição de nomear e exonerar ocupantes

Leia mais

AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE

AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE Centro Universitário de Brasília - UNICEUB Faculdade de Ciências Jurídicas e de Ciências Sociais FAJS AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE Brasília 2012 AMANDA

Leia mais

A OBJETIVAÇÃO DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO Cristiane Druve Tavares Fagundes*

A OBJETIVAÇÃO DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO Cristiane Druve Tavares Fagundes* A OBJETIVAÇÃO DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO Cristiane Druve Tavares Fagundes* *Doutoranda, Mestra e Pós-graduada em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; pós-graduada

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress.

Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress. Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress.com/ Rafael Adachi PRINCÍPIOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Supremacia do Interesse Público

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário Sumário Noções de Teoria do Estado Formas de Controle da Constitucionalidade Organização dos Poderes Defesa do Estado Sistema Constitucional Tributário Roteiro em PDF Download Acrobat Reader Imprimir este

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS APÓS A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 15, DE 1996

CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS APÓS A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 15, DE 1996 ESTUDO ESTUDO CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS APÓS A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 15, DE 1996 JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE LEGISLATIVA DE SANEAMENTO DAS IRREGULARIDADES

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL

FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL - legislatura: tem duração de quatro anos e corresponde ao período que vai do início do mandato dos membros da Câmara dos Deputados até o seu término (art. 44, par.

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre a Sugestão nº 4, de 2009, a qual propõe a apresentação de projeto de lei que modifica a redação do único do art. 38

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Controle da Administração Pública Exercícios

Controle da Administração Pública Exercícios Professor Gustavo Fregapani E-mail: gustavofregapani@gmail.com Página de dicas no Facebook: https://www.facebook.com/gustavofregapani Curta a página e receba novidades, informações e dicas para concursos

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1 MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula JORNADA DE TRABALHO (continuação da última aula) 9. Ausência de controle - domésticos; - trabalho externo incompatível com controle + anotação em CTPS e registro do empregado;

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS FCSF NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS FCSF NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS FCSF NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO JULIANA PASINATO Argüição de Descumprimento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

Controle difuso. Capítulo II. Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso)

Controle difuso. Capítulo II. Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso) Capítulo II Controle difuso de constitucionalidade: Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso) O controle difuso de constitucionalidade possibilita, no exercício

Leia mais

Título: A Importância da Hermenêutica no Sistema de Controle de Constitucionalidade

Título: A Importância da Hermenêutica no Sistema de Controle de Constitucionalidade Título: A Importância da Hermenêutica no Sistema de Controle de Constitucionalidade Área Temática: Sistemas Jurídicos (K) Autora: Maricy Franchini Cavalcanti Advogada pela Faculdade de Direito de Franca

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DO PROGRAMA: PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C003033 7. Controle de Constitucionalidade. 10. Dos direitos e garantias fundamentais O Presidente da República editou

Leia mais