Vícios de Constitucionalidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vícios de Constitucionalidade"

Transcrição

1 Vícios de Constitucionalidade Vício Formal Nomodinâmico O Vício Formal ocorre durante o processo legislativo, dando a idéia de dinamismo, movimento. Vício quanto ao processo legislativo Vicio Formal é um defeito durante o processo legislativo das espécies normativas (art. 59), se não for respeitado um procedimento determinado pela constituição. Vício Formal Subjetivo Vicio Formal Subjetivo está relacionado com pessoa. Considera-se vício formal subjetivo quando a pessoa que deveria atuar dentro do processo legislativo não atua. Ocorre na fase de iniciativa. Ex: A lei orçamentária só pode ser apresentada pelo Presidente da República. Se qualquer outra pessoa apresentar, teremos um Vício Formal Subjetivo. Vício Formal Objetivo Esse vício está relacionado com a forma pela qual a lei foi aprovada. Ocorre nas demais fases do processo legislativo. Ex: um projeto de lei complementar precisa ser aprovado com maioria absoluta, será inconstitucional se tiver sido aprovado com maioria simples. Ex: Um projeto de lei que foi publicado sem, antes, ter sido promulgado também sofrerá de Vício Formal Objetivo. Vício Material - Nomoestático Vício Material é um vício de matéria, de conteúdo, passando a idéia de um vicio de substância, estático. - Vício Quanto ao conteúdo Vício material é quando o texto da lei é contrário ao que a Constituição disciplina. Ex: A Constituição diz que não pode haver discriminação entre homens e mulheres, se uma lei trouxer discriminação entre homens e mulheres, será inconstitucional. Momentos de Controle Controle Preventivo PELO PODER LEGISLATIVO Através das Comissões de Constituição e Justiça CCJ O projeto de lei, antes de ir para o plenário, passa por algumas comissões formadas pelos próprios parlamentares que tem a função de analisar o projeto de lei. A primeira comissão a analisar o projeto é a Comissão de Constituição e Justiça, ela analisa a constitucionalidade do projeto de lei. O projeto segue adiante para outras comissões dependendo do parecer dado. Na Câmara dos Deputados a CCJ se chama Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, de acordo com o art. 32, III do Regimento Interno da Câmara dos Deputados.

2 No Senado a CCJ recebe o nome de Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, de acordo com o art. 101 do Regimento Interno do Senado Federal. Parecer da CCJ A CCJ vai dar um parecer sobre o projeto. Se for de constitucionalidade, o projeto vai para outras comissões. Porém se for de inconstitucionalidade, será verificado se o vício é sanável ou insanável. Se o vício for sanável, a própria CCJ faz uma emenda para corrigir o vício. Se o vício for Insanável e a votação de tal parecer for unânime, o projeto será arquivado. Porém, se não for unânime há a possibilidade de 1/10 dos membros da casa interpor recurso a fim de levar o projeto adiante. PELO PODER EXECUTIVO O Controle Preventivo feito pelo Executivo se dá pela sanção ou veto do Chefe do Executivo, ou seja, o Presidente da República. Sanção é a concordância com o projeto de lei, pode ser expressa ou tácita. O prazo para sancionar é de 15 dias úteis, se não for, presume-se sanção tácita. Veto é a discordância com o projeto de lei. Ao contrário da sanção o veto sempre tem que ser expresso e motivado, podendo ser total ou parcial. Veto Jurídico é a consideração de inconstitucionalidade do projeto. Veto Político é a consideração do projeto como contrário aos interesses públicos. Veto Total é o veto do projeto inteiro. Veto Parcial é o veto de parte do projeto, porém não pode ser vetado só palavras/expressões. PELO PODER JUDICIÁRIO? Tecnicamente falando não, porque a função típica do judiciário é solucionar os conflitos sociais e não a de fazer o controle preventivo de constitucionalidade. Mas segundo a doutrina e a jurisprudência, vêm-se reconhecendo a possibilidade do poder judiciário atuar na fase do controle preventivo. Como funciona? Os parlamentares possuem o direito de só participar de processos legislativos constitucionais, se por acaso surgir um processo legislativo inconstitucional o parlamentar pode, para que não seja quebrado seu direito, acionar o judiciário pedindo um mandado de segurança. Por fim, para que o Judiciário analise o pedido do parlamentar ele verifica se realmente o processo do projeto de lei é constitucional ou não. Controle Repressivo PELO PODER LEGISLATIVO Em regra só o judiciário faz o controle repressivo. Mas existem três situações específicas em que o legislativo deve atuar. Duas estão no Art. 49, V, CF e uma no Art. 62, CF. 1) Sustar a eficácia de ato do Poder Executivo que exorbite do Poder Regulamentar. Poder Regulamentar é o poder do Executivo para regulamentar uma lei. Se este extrapolar seus limites o Legislativo, por meio de Decreto Legislativo, irá sustar a eficácia daquilo que tiver extrapolado os limites da regulamentação. Exemplo: O CTB prevê que os motociclistas têm que andar com os equipamentos de segurança obrigatórios, mas não fala quais são os equipamentos obrigatórios. Através de um Decreto Regulamentar ou de um Regulamento será dito quais os equipamentos de segurança obrigatórios. Porém, o regulamento não pode ampliar o alcance da lei dizendo que os ciclistas também devem usar tais equipamentos. 2) Sustar eficácia de lei delegada que exorbite os limites da delegação. Na Lei Delegada o Congresso, mediante resolução, delega a função de legislar ao Presidente da República, especificando a matéria a ser legislada e o seu exercício. Se o Presidente extrapolar tais limites, o Congresso Nacional, por meio de decreto legislativo, sustará a eficácia daquilo que exorbitou a limitação.

3 Exemplo: O Presidente quer criar cargos de auditor fiscal. O Congresso Nacional vai deliberar a respeito e, mediante resolução, especifica a matéria e o exercício. De posse da resolução o Presidente da República faz a lei, promulga e publica. Mas além dos cargos o presidente aproveitou e fez o orçamento para pagar esses auditores. Ele foi além do permitido, pois só estava autorizado a criar tais cargos e não podia disciplinar a questão orçamentária. Em decorrência disso, mediante decreto legislativo, o Legislativo susta a eficácia daquilo que extrapolou os limites da delegação, valendo somente a parte que cria os cargos. 3) Medida Provisória. Art. 62, 9. As Medida Provisória são adotadas pelo Presidente da República nos casos de urgência e enviadas para o Congresso Nacional. Elas não são lei, mas possuem força de lei com eficácia imediata de 60 dias, prorrogável por mais 60. O Controle de Constitucionalidade Repressivo se dá no controle de constitucionalidade do Processo Legislativo de Conversão da Medida Provisória em lei. No Congresso ela tem dois caminhos possíveis: Primeiro, ser convertida em lei. Segundo, ou perder a eficácia por que se passou o prazo máximo ou perder a eficácia porque o Congresso (comissão mista) a rejeitou. PELO PODER JUDICIÁRIO O Poder Judiciário faz o controle difuso (= via de exceção) e o controle concentrado (= via de ação) de constitucionalidade. CONTROLE DIFUSO (= Via de Exceção) A. Introdução Sobre o Controle Difuso devemos saber três coisas: - O Controle Difuso indica que todos os tribunais têm competência para fazer o controle repressivo de constitucionalidade. - É Incidental porque a declaração de inconstitucionalidade serve de fundamento para o pedido peito ao Judiciário. - A análise da matéria constitucional é questão prejudicial de mérito visto que o juiz não consegue analisar o pedido sem antes analisar a constitucionalidade de determinada coisa. Complemento: São elementos da ação: as partes, a causa de pedir (fatos e fundamentos jurídicos do pedido) e o pedido (condenatório, declaratório ou constitutivo). O controle de constitucionalidade é o pedido em si, mas sim o argumento para que se consiga o que foi pedido. B. Controle Difuso nos Tribunais: Cláusula de Reserva de Plenário - O que é essa Cláusula? Essa clausula vem expressa no artigo 97 da CF e diz que somente o Plenário do Tribunal é que pode decidir a respeito da inconstitucionalidade de lei ou ato normativo. - Caminho do Processo O processo começa sendo julgado pelo juiz de primeira instância. Em grau de recurso é remetido ao tribunal. No tribunal é distribuído para um turma, câmara ou seção. Uma destas, ao analisar o processo, verifica que há uma tese que defende a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo e envia para o plenário do tribunal decidir a respeito dessa tese. O plenário vai julgar somente a constitucionalidade da lei e não o processo em si. A lei só pode ser declarada inconstitucional se a maioria absoluta do plenário decidir pela inconstitucionalidade. - Órgão Especial - Art. 93, XI, CC. Órgãos Especiais são órgãos criados pelos tribunais grandes (com mais de 25 julgadores) que substituem o plenário do tribunal no exercício de suas atribuições, são formados de 11 a 25 julgadores - Efeitos da Decisão Inter Partes, A decisão só é inconstitucional para quem entrou com ação. Se outra pessoa quiser se beneficiar da inconstitucionalidade, também deve acionar o judiciário.

4 Ex Tunc Pois toda declaração declara algo já existente, então se a lei é inconstitucional é porque essa lei já o era desde sua origem. C. Cabe Dispensa de Cláusula de Reserva de Plenário? - 1ª Corrente NÃO Porque só a Constituição Federal poderia ter previsto a dispensa da Cláusula de Reserva de Plenário, como ela não previu, não pode ser dispensada. - 2ª Corrente SIM De acordo com o parágrafo único do art. 481 do CPC, cabe a dispensa quando o Plenário do Tribunal ou do Supremo Tribunal Federal já se pronunciou a respeito da matéria. Esse entendimento é pautado na Economia Processual, Celeridade e Segurança Jurídica. D. Suspensão da Eficácia da Norma para Todos. Art. 52 X, CF. - A questão no STF Através de Recurso Especial a questão chega no STF, que também vai realizar o controle difuso, de forma incidental. A inconstitucionalidade continua não sendo o pedido, mas a causa de pedir. A lei declarada inconstitucional pela maioria absoluta do plenário do STF será comunicada ao Senado Federal que, mediante resolução, suspenderá a eficácia dessa lei. - Procedimento: 1- O Senado conhecerá da declaração mediante Comunicação do Presidente do STF ou Representação do Procurador Geral da República ou de ofício pela CCJ do Senado. 2- A CCJ do Senado vai elaborar um projeto de resolução, a fim suspender a eficácia da norma declarada inconstitucional. 3- Discussão e votação Plenário Senado. Se aprovada, a resolução não diz inconstitucional a norma, mas sim tira sua eficácia. 4 Da resolução para frente, ninguém mais aplica a norma. - Efeitos da Resolução Erga Omnes, a Resolução não declara nada inconstitucional, apenas suspende a eficácia da norma. Sendo que a inconstitucionalidade vai valer para todo mundo. Ex Nunc, a Declaração de inconstitucionalidade só passa a valer da publicação para frente. Nunca retroage. - Mas a Resolução não está abaixo da lei? Não, pois a Resolução está elencada no art. 50, CF e tem o mesmo nível hierárquico da lei. O Artigo 52, CF diz quais são as competências exclusivas do Senado e quando ele atua nessas áreas produz uma Resolução. Uma dessas competências é suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo STF, art. 52, X, CF. - O Senado é obrigado a suspender a eficácia da lei declarada inconstitucional? Uma corrente diz que sim. Outra diz que não, porque o Judiciário não pode Obrigar o Legislativo a exercer uma resolução típica. - Teoria da Transcendência dos motivos determinantes de decisão do STF que declara a inconstitucionalidade de norma. É uma teoria de Gilmar Mendes que ainda está sendo objeto de discussão e quer conferir Super-Poderes ao STF. Para ela, basta que o STF declare uma norma inconstitucional para que tenha efeito Erga Omnes e perca sua eficácia. O artigo 52, X da CF é contrário a tal teoria. Em resposta, Gilmar Mendes defende que houve uma mutação constitucional do artigo 52, X, e hoje essa norma serve apenas para que se dê publicidade à decisão.

5 CONTROLE CONCENTRADO A. Introdução O Controle Concentrado é realizado somente pelo Supremo, pois são os guardiões da constituição. É conhecido também por via de ação, visto que a declaração de inconstitucionalidade da lei ou ato normativo é o pedido e não a causa de pedir. É um controle abstrato pois não há caso concreto, o que acontece é uma comparação da norma com a Constituição Federal e uma análise de constitucionalidade. A competência é originária do STF, que usa como paradigma a Constituição Federal. Pode ser feito pelo TJ do Estado, mas o paradigma será a Constituição Estadual. B. Meios ADI Ação Direta de Inconstitucionalidade (3 Espécies) ADC Ação Declaratória de Constitucionalidade ADPF Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental C. ADI GENÉRICA - Competência Originária do STF. - Objeto Todas as Leis (art. 59, CF) ou Atos Normativo Federal ou Estadual que se mostrarem incompatíveis com o sistema. Art. 102, I, a. A Lei Municipal não pode ser objeto de ADI, obedecendo ao 102, I, a. A ADI de Lei Municipal só pode ser apresentada no TJ, tendo como paradigma a Constituição Estadual. E também, nada impede que a Lei Municipal seja objeto de discussão no controle difuso de constitucionalidade. Medida Provisória? Todas as normas do Artigo 59, CF podem ser objetos de ADI. Inclusive a Medida Provisória. Emenda Constitucional também pode ser objeto de ADI, porque é fruto do Poder Constituinte Derivado Reformador, que por sua vez é derivado, limitado e condicionado ao poder originário. Decreto Legislativo? Decreto não é lei, é Ato do chefe do Poder Executivo. O Presidente pode editar Decretos Autônomos com o mesmo nível hierárquico de lei. Ele pode editar tais decretos de acordo com o artigo 84, VI. Decreto Autônomo pode ser objeto de controle de constitucionalidade, tanto pela ADI quanto pelo controle difuso. Decreto Regulamentar? É decretado por Ato do Chefe do Executivo. Artigo 84, IV. O Decreto Regulamentar está abaixo da lei, sendo assim, seu fundamento de validade é a própria lei e não a constituição. Porém, pode ser objeto de controle de constitucionalidade pelo controle difuso e Controle Repressivo do Legislativo, quando susta a eficácia de Decreto Regulamentar que extrapola os limites do Poder Regulamentar. Norma da Constituição Estatal? Ela é fruto do poder constituinte originário, portanto pode ser objeto de ADI. - Legitimidade Passiva Legitimidade Passiva é aquela para ser réu, não há réu na ADI. - Legitimidade Ativa Legitimidade ativa é aquela para ser autor da ação. Só podem propor a ADI as 09 pessoas elencadas no rol taxativo do artigo 103, CF. 3 pessoas : Presidente da República, Procurador Geral da República, Governador do Estado. 3 mesas : da Câmara, do Senado, do Órgão Diretivo

6 3 Coisas : Conselho Federal da OAB, Partido Político com Representatividade no Congresso, Entidade de Classe de Âmbito Nacional ou Confederação Sindical. O STF em jurisprudência já pacificada disse que alguns legitimados do artigo 103 devem provar pertinência temática, ou seja, o interesse de agir. São eles o Governador do Estado, Mesa da Assembléia Legislativa e a Entidade de Classe ou Confederação Sindical. - Procurador-Geral da República (Procurador da República) Art. 103, 1 da CF. O Procurador Geral de República é figura obrigatória na ADI. Sua função é emitir um parecer à respeito da inconstitucionalidade, que não tem caráter vinculante. É claro que se ele figurar como autor, não é necessário emitir o parecer, pois já mostrou qual o entendimento do MP sobre o caso. - Advogado-Geral da República (Procurador Federal) Art. 103, 3 da CF. O Advogado Geral da União é o chefe da Advocacia Geral da União. O AGU defende os interesses da união e é figura obrigatória na ADI. Sua função é sempre defender a constitucionalidade da norma, ainda que ele pessoalmente não concorde. Já aconteceu que o STF dispensou a participação desta figura, mas isso se deu em jurisprudência não pacificada. - Efeitos da Decisão de Declaração de Inconstitucionalidade a) Erga Omnes Art. 102, 2 da CF. A declaração é Erga Omnes porque a declaração é de uma lei abstrata, não há um caso concreto sendo julgado. A norma perde eficácia para todo mundo. Não é necessário que o Senado faça uma resolução, pois no controle concentrado a própria decisão do STF já passa a valer para todos. b) Ex Tunc. A declaração de inconstitucionalidade tem efeito ex tunc. Esse efeito acaba gerando outro, que é secundário e automático: O Efeito Repristinatório. Exemplo: O CP fixa a maioridade penal em 18 anos. Uma Lei A reduz a maioridade para 16 anos, revogando a norma anterior. Porém a Lei A é inconstitucional, visto que viola uma norma da CF. Por isso é objeto de ADI, julgada procedente. A Lei A é nula e sai do sistema como se nunca tivesse existido, logo a norma anterior (que na verdade nunca foi revogada) continua existindo e a maioridade continua sendo 18 anos. c) Efeito Vinculante 2. Tal decisão de forma imediata vincula e obriga os demais órgãos do poder judiciário e a administração pública da união, dos estados e dos municípios. Ou seja, nenhum juiz ou tribunal poderá desrespeitar a decisão do STF. O próprio STF fica vinculado à sua decisão? Não, para permitir ao STF mudar seu entendimento. Isso pode acontecer porque a decisão do STF não revoga a lei, somente tira sua eficácia. Esse efeito vinculante faz caber no STF um tipo de ação chamada Reclamação. Se algum tribunal ou juiz decidir de forma contrária é possível que seja feita uma Reclamação no STF a fim de cassar a decisão. O Poder Executivo (Administração Direta e Indireta) se vincula à decisão de inconstitucionalidade. O Poder Legislativo não se vincula. Se ele quiser, poderá fazer uma lei idêntica àquela objeto de ADI. Tal lei vai valer até que seja declarada inconstitucional ou revogada. - Modulação Temporal dos Efeitos da ADI Ex Nunc - Art. 27, Lei 9.868/99. Não está prevista na CF, mas vem prevista na lei da ADI. Modulação Temporal é mudar o efeito Ex Tunc para Ex Nunc. A lei é dada como inconstitucional, mas sem declaração de nulidade. Esse efeito só é possível perante dois requisitos: a) Formal - Voto de 2/3 dos Ministros do STF b) Material O motivo deve ser a Segurança Jurídica ou Excepcional interesse. - Princípio da Parcelaridade O STF pode declarar a inconstitucionalidade de palavras e expressões.

7 D. ADI Interventiva - Conceito É um dos requisitos para uma das várias formas de Intervenção Federal. - Intervenção Federal União (Estados, Distrito Federal) Intervenção é uma medida forçada onde o governador é afastado e nomeado um interventor. - Hipóteses de Cancelamento Art. 34, CF Na federação não há hierarquia entre união, estados e municípios, a diferença é a competência atribuída a cada uma pela constituição. A regra é que um não interfere na área do outro. A exceção é que a União vai interferir no Estado ou no DF se violarem o art Pressuposto p/ Decretação de Intervenção Federal na Hipótese do Art. 34, VII. Das 07 hipóteses, somente no inciso VII é necessário a ADI Interventiva. - Paradigma: Princípios Sensíveis que estão no art. 34, VII da CF Esse inciso elenca os princípios sensíveis da federação, são princípios que devem ser respeitados pela federação como um todo, e se forem desrespeitados autorizam a Intervenção Federal. - Objeto É objeto de ADI Interventiva Lei ou ato normativo ESTADUAL ou DISTRITAL que viola um princípio sensível. Obs: Se uma lei estadual violar qualquer artigo da CF, cabe ADI Genérica. Mas se violar o inciso VII do art. 34 da CF é caso de ADI Interventiva. Atente que se uma lei federal violar esse inciso caberá ADI Genérica. - Conseqüência da Declaração de Inconstitucionalidade Requisição do STF para o Presidente da República declarar a inconstitucionaliade. - Competência Originária do STF. - Legitimidade Ativa Procurador Geral da República Art. 36, III da CF Na ADI Interventiva somente o Procurador Geral de Justiça tem legitimidade ativa. Ou seja, só ele pode propor ADI Interventiva. Art. 36. A decretação da intervenção dependerá: III - de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do Procurador-Geral da República, na hipótese do art. 34, VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. - Legitimidade Passiva Estado ou Distrito Federal. Ao contrário da ADI Genérica que tem como finalidade só a declaração de inconstitucionalidade da norma e não existe réu, na ADI Interventiva essa figura existe, visto que existe um prejuízo para o estado ou DF, assim, poderão se defender da intervenção iminente. - Processamento 1) ADI Interventiva. 2) Decisão Presidente. 3) Requisitos do STF. 4) Decretação da Intervenção pelo Presidente da República. Julgada procedente, o STF requisita do Presidente a decretação de Intervenção. - ADI Interventiva Estadual a) Objeto: Lei Municipal b) Competência: Originária

8 c) Paradigma Na ADI Interventiva Federal o paradigma não é a norma, mas sim os Princípios da Constituição Federal. (art. 35, IV, CF). d) Legitimidade Ativa Procurador Geral de Justiça e) Legitimidade Passiva Tem legitimidade passiva o município prestes a sofrer Intervenção Federal. E. ADI por Omissão - Objeto: Omissão Inconstitucional A omissão inconstitucional ocorre na ausência de lei regulamentadora, cuja elaboração é obrigada pela constituição. - Objetivo: Acabar com a Sindrome da Inefetividade das normas constitucionais, ou seja, extinguir uma omissão inconstitucional. - Competência Originária do STF - Requisitos para a Omissão Constitucional: a) Norma constitucional de eficácia limitada (Programática ou Institutiva) impositiva. b) Ausência de lei Regulamentadora. - Finalidade da ADI Declarar inconstitucional a omissão do poder legislativo. Porém, o STF não pode obrigar o legislativo a legislar. -Legitimidade Ativa: Art. 103, CF a) Os mesmos legitimados da ADI Genérica. Lembrar que 3 deles devem provar pertinência temática. b) Procurador Geral da República Em toda ação de competência originária do STF o PGR deve atuar, inclusive nas ações de inconstitucionalidade. Ele atua emitindo um parecer no sentido da ação ser procedente ou improcedente. c) Advogado Geral da União? O AGU não tem participação na ADI por omissão. Pois sua função é defender a constitucionalidade da lei, neste caso falta a lei e ele não pode defender a omissão inconstitucional. - Efeitos a) Erga Omnes, Ex Tunc e Vinculante. b) Para o Poder Legislativo Art. 103, 2, CF. O STF somente comunica a declaração da omissão inconstitucional, não podendo obrigar o legislativo a atuar. c) Para a Administração Pública Art. 103, 2, CF. O STF comunica a declaração de inconstitucionalidade e fixa prazo de 30 dias que o ato seja realizado a fim de suprir omissão sob pena de responsabilidade. A pena de responsabilidade pode ser: Civil, ação de reparação de danos em face da administração pela omissão. Penal, se a omissão for caracterizada como crime. Administrativa, processo de sindicância e processo administrativo. Política, crime de responsabilidade que pode levar a impeachment. Observe que o STF não pode suprir a omissão inconstitucional para não violar a tripartição de poderes, tomando as vezes do legislativo. Ele se limita a declarar a omissão.

9 - Mandado de Injunção a) Remédio Constitucional. Art. 5, LXXI, CF. Mandado de Injunção é uma garantia constitucional para exercício dos direitos assegurados na constituição. Obs: Mandado de Injunção faz parte do controle difuso e não do concentrado. b) Competência Do STF se for lei federal. c) Caso Concreto Greve dos Servidores Públicos. d) Evolução Jurisprudencial dos efeitos de Decisão em Mandado de Injunção 1) Declaração de Omissão Inconstitucional. 2) Declaração de Omissão Inconstitucional + prazo razoável p/ suprir a omissão. 3) Declaração de Omissão Inconstitucional + Prazo Razoável p/ suprir omissão + caso não seja suprida, o Poder Judiciário determina como o direito será exercido (produzindo efeitos concretos). e) Efeitos Via de regra é Inter Partes. Se mandado de Injunção é controle difuso o efeito da decisão é inter partes. Porém houve uma evolução e o STF concede efeito Erga Omnes no mandado de injunção. Ele fez isso no mandado de injunção do servidor público, a partir do julgamento do mandado de injunção daqueles servidores públicos que entraram com ação, o efeito abrangeu todos os servidores do brasil. F. Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) - Objetivo Na ADC o objetivo é reforçar a constitucionalidade de uma norma, afastando a presunção relativa e instituindo a presunção absoluta de constitucionalidade. Nela, apenas aparentemente não há interesse de agir (Necessidade + Utilidade). - Emenda Constitucional 3/93 A ADC não é fruto do Poder Constituinte Originário, mas sim do Poder Constituinte Derivado Reformador, é fruto de Emenda Constitucional. - Competência Originária do STF - Objeto: Somente leis e atos normativos FEDERAIS. Art. 102, I, a da CF. - Finalidade: Presunção absoluta de constitucionalidade. - Pressuposto Para existir condição de ação da ADC é necessário existir divergência de entendimento entre tribunais com relação à constitucionalidade ou não da norma. Ex: O TJ de SP entende constitucional uma norma, enquanto o TJ de MG entende inconstitucional. - Legitimidade Ativa a) Art. 103, CF. Os mesmos da ADI Genérica, devendo 3 deles provar pertinência temática. b) Procurador Geral da República É figura obrigatória. Ou ele deve ser o autor, ou deve ser chamado na qualidade de fiscal da lei, emitindo um parecer a respeito da procedência ou improcedência da ação. c) Advogado Geral da União

10 O AGU não precisa participar, pois seu papel é defender a constitucionalidade das normas, como a ação já tem por fim a declaração de constitucionalidade da norma, não tem motivo para a atuação do AGU na ação. - Efeitos da Decisão a) Erga Omnes. Se o STF declara a norma constitucional, ela é constitucional para todos. b) Ex Tunc. Se a norma é declarada constitucional, é porque ela já o era desde sua origem. A respeito desse efeito surgem duas questões importantes: 1 - Cabe Modulação Temporal (ou seja, o STF pode definir a partir de quando o entendimento vai valer)? 2 Um dos requisitos da ADC é divergência de entendimento, então, em muitos casos foi julgada a constitucionalidade e em outros a inconstitucionalidade da norma. Para as pessoas que tal norma perdeu eficácia, quando julgada procedente a ADC, a decisão afetará elas? Existem duas posições para solucionar o problema sem ferir a coisa julgada: 2.1 Reconhecer que a pessoa teve seu direito assegurado pela decisão durante todo esse período. Tudo o que se deu até o momento da decisão de inconstitucionalidade será mantido e a partir da decisão de procedência da ADC só valerá a interpretação de constitucionalidade. 2.2 Manter a decisão de inconstitucionalidade só para a pessoa. Exemplo: O maior de 70 anos quis se casar conseguiu a inconstitucionalidade do art , II, escolhendo livremente seu regime. O STF declarou tal artigo inconstitucional. Duas possibilidades sem ferir a coisa julgada surgem: Uma, reconhecer que a pessoa teve direito assegurado pela decisão de inconstitucionalidade durante todo o período até a ADC ser julgada procedente. Tudo o que se passou até essa data será mantido. A partir dela data tudo que o idoso adquirir será pelo regime da separação de bens. c) Efeito Vinculante Esse efeito é o que confere a presunção absoluta, pois a decisão do STF vincula os demais órgãos do Poder Judiciário e vincula a Administração Pública Direta (União, Estados, Municípios e DF) e Indireta (Estatal, autarquias ) e Paraestatal (empresas públicas e sociedades de )). Todos deverão aplicar a norma no sentido de sua constitucionalidade. O STF não fica vinculado à sua decisão e posteriormente ele pode mudar sua decisão. Nada impede que a mesma norma objeto de ADC seja objeto de ADI, mas com outros fundamentos. - Caráter Dúplice de ADI-ADC a) O Pedido na ADI é inconstitucionalidade. Se a ADI for julgada improcedente, significa que a norma é constitucional. Portanto produz o mesmo efeito de uma ADC. b) Na ADC o pedido é de constitucionalidade. Se a ADC for julgada improcedente a norma produz o mesmo efeito de uma ADI.

11

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotações de aula II. Simulado III. Lousas I. ANOTAÇÕES DE AULA

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE INTRODUÇÃO: o controle de constitucionalidade só é possível nos sistemas jurídicos em que vige uma Constituição escrita e rígida, pois é tão somente nesses sistemas jurídicos

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO 1.1 COMENTÁRIOS INICIAIS DO CAPÍTULO ANÁLISE DA DISCIPLINA NAS PRO- VAS DE JUIZ DO TRABALHO A disciplina Direito Constitucional, como não poderia deixar

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Parte 02 (Controle Concentrado, Abstrato e tipos de decisão) CONTROLE CONCENTRADO A ADI genérica pode ser em Âmbito federal (STF) ou em âmbito estadual Competência (TJs);

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira. Professor: José Henrique Cesário Pereira PARTE IV CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS. AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE (ADECON ou ADC) - Lei n. 9.868, de 10.11.99 CONCEITO A Ação Declaratória

Leia mais

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO QUESTÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Questão n. 1 (CESPE/AGU

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Por: Alexandre Solano Bastos Orientador Prof. Anselmo de Souza Rio de Janeiro 2012 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º 1. Introdução OAB - 2012 A nossa Constituição de 1988 é classificada como uma constituição escrita (Constituições escritas são aquelas cujas normas estão reunidas em um só documento, solenemente promulgado

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL

FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL - legislatura: tem duração de quatro anos e corresponde ao período que vai do início do mandato dos membros da Câmara dos Deputados até o seu término (art. 44, par.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL)

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) Disciplina: Direito Constitucional Ravi Peixoto, Procurador Municipal. 10 (Dez) horas/aulas. 1 2 3 4 5 6 7 57:00m 54:00m 50:00m

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica Preâmbulo Sentidos tradicionais de constituição 1) IRRELEVANCIA JURIDICA Natureza Jurídica do Preâmbulo? 2) PLENA EFICÁCIA CONSTITUIÇÃO SOCIOLÓGICA CONSTITUIÇÃO JURÍDICA CONSTITUIÇÃO POLÍTICA 3) TESE DA

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux:

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux: QUESTÃO DE ORDEM Nos termos do art. 131 e seguintes do Regimento do Congresso Nacional, venho propor a presente QUESTÃO DE ORDEM, consoante fatos e fundamentos a seguir expostos: O Congresso Nacional (CN)

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Professora Chrystiane Mariz

Professora Chrystiane Mariz Professora Chrystiane Mariz -> CF, EC -> LC, LO, MP -> Atos da administração (ex: portarias) 1* Tratados internacionais sem ser de direitos humanos -> LC, LO, MP 2* Tratados internacionais de direitos

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE VII. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE a) Controle nas constituições rígidas e escritas b) Sistemas de controle de constitucionalidade c) Tipos de controle d)

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA PA nº 1.36.000.000703/2008-95/GAB.01/PRTO Os Procuradores da República signatários, no cumprimento da determinação contida na CF/88, art. 127,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta:

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta: Antonio Henrique Lindemberg 1 - Assinale a assertiva correta: a. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, pode-se invocar validamente o princípio do direito adquirido em face das leis de ordem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL PETIÇÃO INICIAL 1.1. Breve introdução 1.2. Requisitos da petição inicial 1.3. Emenda da petição inicial 1.4. Indeferimento da petição inicial 1.5. Características

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Marcos Soares da Mota e Silva

Marcos Soares da Mota e Silva Marcos Soares da Mota e Silva Pós-graduado em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET) e em Direito Processual Tributário pela Universidade de Brasília (UnB). Graduado

Leia mais

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp&

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& r. 0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& NOTA TÉCNICA N 15/2013 Assunto: Projeto de Lei n 02, de 2013-CN (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2014). O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MODELOS: AÇÕES CONSTITUCIONAIS

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Curso: DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Data: /0/0 Unid. V Estudo de Casos Rubrica do Professor: Disciplina: PRÁTICA JURÍDICA CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVA Valor: pontos Pontos obtidos: Professora:

Leia mais

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONCEITO DE CONTROLE CONTROLE, EM TEMA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, É A FACULDADE DE VIGILÂNCIA, ORIENTAÇÃO E CORREÇÃO QUE UM PODER, ÓRGÃO OU AUTORIDADE EXERCE SOBRE A CONDUTA FUNCIONAL

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO CONSTITUCIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO CONSTITUCIONAL Questão 1 O Congresso Nacional aprovou e o Presidente da República sancionou projeto de lei complementar modifi cando arti gos do Código Civil, nos termos do art. 22, I da CRFB. Três meses após a entrada

Leia mais

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário Sumário Noções de Teoria do Estado Formas de Controle da Constitucionalidade Organização dos Poderes Defesa do Estado Sistema Constitucional Tributário Roteiro em PDF Download Acrobat Reader Imprimir este

Leia mais

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 27 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DAS FRANQUIAS ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) POSTAIS DO BRASIL :MARCELO

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA PROFESSOR: Antonio Isidoro Piacentin Disciplina: Direito Constitucional II Etapa: ()1ª ( ) 2ª ( ) 3ª ( x ) 4ª Turmas: ( ) F ( ) G (x ) P 1. OBJETIVOS: 1.1. Oferecer aos alunos os conceitos

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DO PROGRAMA: PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C003033 7. Controle de Constitucionalidade. 10. Dos direitos e garantias fundamentais O Presidente da República editou

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004 Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Controle difuso. Capítulo II. Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso)

Controle difuso. Capítulo II. Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso) Capítulo II Controle difuso de constitucionalidade: Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso) O controle difuso de constitucionalidade possibilita, no exercício

Leia mais

LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES:

LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES: LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES: Representação ou Substituição?? ROGERIO FAVRETO XXV Convenção Nacional da ANFIP Maceió/AL, 24 de maio de 2015 ABORDAGEM Previsão constitucional Debate

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

A LEGITIMIDADE ATIVA DO DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE: UMA PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL

A LEGITIMIDADE ATIVA DO DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE: UMA PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL A LEGITIMIDADE ATIVA DO DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE: UMA PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Aluno: Felipe Schvartzman Orientadores: Thiago Ragonha Varela

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

: MIN. ROBERTO BARROSO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM

: MIN. ROBERTO BARROSO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM MANDADO DE INJUNÇÃO 3.750 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM : JANNE

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

50 DICAS DE DIREITO CONSTITUCIONAL PARA O EXAME DE ORDEM - OAB

50 DICAS DE DIREITO CONSTITUCIONAL PARA O EXAME DE ORDEM - OAB 50 DICAS DE DIREITO CONSTITUCIONAL PARA O EXAME DE ORDEM - OAB Prof. Cristiano Lopes E-mail: prof.cristianolopes@gmail.com Fanpage: facebook.com/professorcristianolopes 50 DICAS DE DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale Aspectos gerais do controle de constitucionalidade Professor : Siddharta Legale LEITURA BÁSICA Bibliografia sugerida BARROSO, Luis Roberto. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. ASSSUMPÇÃO,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

REDAÇÃO OFICIAL LEIS

REDAÇÃO OFICIAL LEIS REDAÇÃO OFICIAL LEIS Lei Ordinária Definição A lei ordinária é um ato normativo primário e contém, em regra, normas gerais e abstratas. Embora as leis sejam definidas, normalmente, pela generalidade e

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*)

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) REPUBLICAÇÃO ATOS DO CONGRESSO NACIONAL R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ramez Tebet, Presidente do Senado Federal, nos termos do parágrafo único

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE

AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE Centro Universitário de Brasília - UNICEUB Faculdade de Ciências Jurídicas e de Ciências Sociais FAJS AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE Brasília 2012 AMANDA

Leia mais

EXMA. SRA. PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS

EXMA. SRA. PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS EXMA. SRA. PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS PEDIDO LIMINAR - URGÊNCIA O PREFEITO MUNICIPAL DE PALMAS, Estado do Tocantins, CARLOS ENRIQUE FRANCO AMASTHA, cidadão brasileiro,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO Enunciado PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL - C003061 O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 (MENSAGEM Nº 865, DE 2009) Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade

Leia mais

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos.

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos. EFEITOS DAS DECISÕES JUDICIAIS ASSECURATÓRIAS DE PREVALÊNCIA DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS: REPERCUSSÕES EM RELAÇÃO A DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO TOCANTE A COBRANÇA DE TRIBUTAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais