CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE"

Transcrição

1 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Parte 02 (Controle Concentrado, Abstrato e tipos de decisão) CONTROLE CONCENTRADO A ADI genérica pode ser em Âmbito federal (STF) ou em âmbito estadual Competência (TJs); Pode ser por omissão do legislador ou do administrador; NORMAS SUJEITAS A CONTROLE ABSTRATO E OUTRAS OBSERVAÇÕES: Emenda à Constituição, quando violar as limitações estabelecidas pelo poder constituinte originário; Leis complementar, ordinária, delegada, medida provisória e decreto legislativo com conteúdo geral e abstrato; Leis complementar, ordinária, delegada, medida provisória estaduais com conteúdo geral e abstrato para as normas Distritais é necessário que o DF esteja exercendo competência de Estado; Decreto legislativo, contendo a aprovação do Congresso Nacional aos tratados internacionais e autorizando o Presidente da República a ratificá-los em nome do Brasil; Decreto presidencial promulgando os tratados e convenções internacionais; Decreto legislativo sustando os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa; Ato normativo editado por pessoa jurídica de direito público federal ou estadual, desde que apresente caráter autônomo, geral e abstrato; Regimento interno dos órgãos do Poder Judiciário, Poder Legislativo e Tribunal de Contas com caráter autônomo, geral e abstrato; Atos administrativos em geral, desde que sejam genéricos (pareceres, resoluções e decisões administrativas); 1

2 NÃO PODEM SOFRER CONTROLE ABSTRATO Leis e atos municipais ou do DF na competência de município; Atos administrativos (regulamentares) que não ofendam a Constituição diretamente. Súmulas dos tribunais (ainda não se cogitou sobre a súmula vinculante). Todos os atos anteriores à CF. Atos interna corporis não se sujeitam ao controle de constitucionalidade sob pena de ofensa ao princípio da separação dos poderes. Exemplo: desvios meramente regimentais. Normas de sem abstração, generalidade e normatividade (leis de efeito concreto) não se sujeitam ao controle porque são qualificadas como atos administrativos e com forma de lei (há destinatário certo e determinado). o Normas alienígenas podem ser declaradas inconstitucionais pelo Judiciário brasileiro utilizando por parâmetro a Constituição do Estado alienígena, no entanto há entendimento de que também seja possível o controle no país de origem. Posição de Luis Roberto Barroso. Já Zeno Veloso entende ser impossível o controle por ser ato de natureza política. Já o controle perante a nossa própria Constituição é expressa a regra do Art. 17 da Lei de Introdução ao Código Civil no sentido de que as normas e sentenças de outros países não terão eficácia no Brasil, quando ofenderam a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes (a CF entra como norma de ordem pública). Otto Bachof entende que é possível a declaração de inconstitucionalidade de normas constitucionais fruto do Poder Constituinte Originário, quando uma norma formalmente constitucional fosse incompatível com norma materialmente constitucional. Esta posição não é aceita primeiro pelo princípio da unidade da constituição e por ausência de competência de órgão para julgar a obra do constituinte originário como inconstitucional (ADI 815/DF). Norma sujeita ao controle abstrato já iniciado poderá ser revogada por outra norma editada pelo Legislativo a ADI perde o objeto mesmo que a lei já tenha sido suspensa por medida cautelar e nada impede que o novo ato do Legislativo disponha de forma idêntica ao anterior suspenso, havendo nesta hipótese, necessidade de novo pronunciamento judicial. Perda de norma parâmetro após o início do controle de constitucionalidade: Se for no controle difuso o Poder Judiciário deverá continuar o julgamento para solucionar o caso concreto, porém, no controle abstrato haverá perda do objeto por perda do parâmetro. 2

3 SEMELHANÇAS ADC, ADI e ADPF Competente para julgar: STF com Reserva de Plenário Full Bent (Art. 97); Inadmissibilidade de desistência: Tanto na ADI quanto na ADC a vedação é expressa (Lei 9868/99 Art. 5º), ou seja, não se admite desistência por parte do autor, uma vez proposta o Tribunal não aceitará que a parte desista da ação. Na ADC a desistência não foi prevista expressamente, porém, como o rol de legitimados é o mesmo, fazendo com que seja uma ação de caráter objetivo, há de se entender pela inadmissibilidade da desistência. Legitimados ADI, ADI por omissão, ADC e ADPF (103 I a IX): Presidente da República, Mesa do SF, Mesa da CD, Mesa de Assembléia Legislativa, Governador, Procurador Geral da República, Conselho da OAB, Partido Político com representação no CN e Confederação sindical (mínimo três federações) ou entidade de classe de âmbito nacional (não serve associação civil e não serve de um só Estado). STF entende que os que exercem função pública já detém capacidade postulatória da própria Constituição; Pertinência temática: Demonstração de interesse de agir. Os legitimados são divididos segundo a pertinência em: Legitimação universal: Podem propor em face de qualquer norma, independente da repercussão na esfera jurídica. Presidente da República: Pode impugnar lei que ele próprio tenha sancionado STF já chegou a entender que não, porém, hoje a posição é que o Presidente poderá impugnar a propositura; Rodrigo Lopes Lourenço entende que o processo legislativo é um processo complexo e deveria ter exercido seu controle político no ato da sanção o Presidente não poderia ser legitimado ativo e passivo ao mesmo tempo. Porém, a corrente majoritária entende que o juízo poderá ser outro diferente do que aquele que foi exercido durante o processo legislativo. Mesa do Senado Federal, Mesa da Câmara dos Deputados, Procurador Geral da República e OAB; Partido Político: Se o partido perde seu representante parlamentar após a propositura da ADI (durante o processamento) o STF entende que há perda da legitimação superveniente e por isso há prejudicialidade da ADI. É um erro, porque a legitimidade deveria ser analisada somente na propositura, mesmo porque o processo é objetivo e não há desistência de quem propôs (o interesse é da sociedade e não do partido político). Se já tiver iniciado o julgamento não haverá perda da legitimidade. Há tendência que se continue a legitimidade. Legitimação especial: Tem que demonstrar pertinência temática (não é propriamente o interesse de agir no sentido processual é o interesse objetivamente considerado), ou seja, se a norma impugnada repercute na esfera jurídica do legitimado. Exemplo: Governador de 3

4 Estado e lei que repercute na sua esfera jurídica pode impugnar lei de outros estados desde que haja repercussão em seu Estado. Também para Confederações e entidade de classe. Mesa de Assembléia (ou Câmara Legislativa), Governador de Estado (ou do DF) e Confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional: O Governador do DF só poderá impugnar lei do DF que for de competência Estadual. Necessidade de advogado: Somente os partidos políticos e as confederações sindicais ou entidades de classe de âmbito nacional precisam de advogado para o ajuizamento da ação. Eficácia pro futuro (Lei 9868/99 Art. 27 e Lei 9882 Art. 11):... poderá o Supremo Tribunal Federal, por maioria de dois terços de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser fixado. Efeito: Erga omnes e efeito vinculante. Para fazer valer o efeito vinculante é cabível reclamação ao STF. Parâmetro de Controle: Norma que serve como base para a verificação da constitucionalidade (norma da Constituição a ser indicada) O parâmetro deverá ser indicado na Petição Inicial apesar de o STF não estar vinculado à indicação. Também é necessária a fundamentação acerca da violação. O STF poderá escolher outro parâmetro causa de pedir aberta. Nasce no Brasil a doutrina de Bloco de Constitucionalidade julgar com base em normas, princípios expressos ou implícitos (normas materialmente constitucionais) já em relação a leis infraconstitucionais com força de constituição, ou seja, aspecto material, ainda não seria utilizada no Brasil Há autor (Juliano Taveira Bernardes) que entende que a LC 95 (lei sobre criação de leis) poderia ser usada como parâmetro Os tratados internacionais que forem votados conforme com Art. 5 o 3 o poderão ser usados como parâmetro, esse último não há dúvida que poderá ser utilizado como parâmetro. 4

5 SEMELHANÇAS PARA ADC E ADI Quorum: A decisão deverá ser tomada por no mínimo oito ministros presentes e voto de no mínimo seis. Efeito dúplice na ADI e ADC (Lei 9868/99 Art. 24): Proclamada a constitucionalidade, julgarse-á improcedente a ação direta ou procedente eventual ação declaratória; e, proclamada a inconstitucionalidade, julgar-se-á procedente a ação direta ou improcedente eventual ação declaratória. Irrecorribilidade (Lei 9868/99 Art. 26): A decisão que declara a constitucionalidade ou a inconstitucionalidade da lei ou do ato normativo em ação direta ou em ação declaratória é irrecorrível, ressalvada a interposição de embargos declaratórios, não podendo, igualmente, ser objeto de ação rescisória. Efeitos (Lei 9868/99 Art. 28 Parágrafo único): A declaração de constitucionalidade ou de inconstitucionalidade, inclusive a interpretação conforme a Constituição e a declaração parcial de inconstitucionalidade sem redução de texto, têm eficácia contra todos e efeito vinculante em relação aos órgãos do Poder Judiciário e à Administração Pública federal, estadual e municipal. Em relação à coisa julgada: Uma decisão em controle difuso que declara a constitucionalidade de uma norma. Vem o STF e declara a inconstitucionalidade (se for com eficácia retroativa será analisado, se for com eficácia ex nunc não violaria coisa julgada). Se a declaração é retroativa, quais os efeitos desta declaração sobre a coisa julgada? Exemplo: Tributo julgado constitucional no TJ e transita em julgado e posteriormente o STF declara que a Lei é inconstitucional. Correntes: a) Gustavo Tepedino: Entende que a coisa julgada não protege o Estado contra o indivíduo porque a coisa julgada é um direito individual. É para ser usada pelo indivíduo com o Estado. Para ele a ação seria uma anulatória; b) O CPC não estabelece distinção entre coisa julgada para o indivíduo e ao Estado e por isso deverá aplicar sim a coisa julgada (Barbosa Moreira e Leonardo Greco). Entendem que se já exauriu o prazo para a ação rescisória a segurança jurídica deverá prevalecer. Problema é que se a declaração já foi após o prazo para rescisória. c) Luis Roberto Barroso e Humberto Theodoro Júnior entendem que o prazo começaria a correr a partir da declaração de inconstitucionalidade proferida pelo STF. A eficácia começaria a correr a partir da publicação. Há fundamento no Art. 741 Parágrafo único do CPC já estabelece que a coisa julgada não poderá prevalecer se houver declaração de inconstitucionalidade durante a execução. d) José Delgado entende que não há prazo algum, porque não poderá haver coisa julgada contra a Constituição entendem que cabe ação anulatória. Problema é o 5

6 confronto de princípios, porque o princípio da segurança jurídica também é constitucional. AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE Só existe no Brasil Objeto: Lei ou ato normativo federal. Objetivo: Declarar que o ato normativo é constitucional. Requisito: A existência de controvérsias de interesse coletivo que estejam pondo em risco a presunção de constitucionalidade da lei ou ato normativo. A decisão em ADC paralisa o debate em torno das questões jurídicas corta o iter de debates no controle difuso; Não pode ser utilizada como instrumento de consulta sobre a constitucionalidade de lei ou ato normativo federal. Cautelar (liminar): O Supremo Tribunal Federal, por decisão da maioria absoluta de seus membros, poderá deferir pedido de medida cautelar na ação declaratória de constitucionalidade, consistente na determinação de que os juízes e os Tribunais suspendam o julgamento dos processos que envolvam a aplicação da lei ou do ato normativo objeto da ação até seu julgamento definitivo. (Lei 9868/99 Art. 21). A cautelar concedida obriga o Tribunal a votar a ADC em até 180 dias sob pena da perda da eficácia da liminar. Tem eficácia vinculante porém enquanto houver a mesma situação fática, é possível que mudando a situação fática haja ADI que declare a sua inconstitucionalidade. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE: ADI Interventiva (federal ou estadual): A ADI interventiva tem por objetivo a declaração de inconstitucionalidade e o restabelecimento da ordem constitucional no Estado ou Município. ADI Genérica (Ação ou omissão): Objetivo: Retirar do ordenamento jurídico a norma submetida ao controle direto de constitucionalidade. Objeto: Lei (Art. 59) ou ato normativo (decretos, resoluções e normas regimentais) federal, estadual ou distrital (este último desde que produzido no exercício de competência equivalente à dos Estados-membros), editados posteriormente à promulgação da Constituição Federal, e que ainda estejam em vigor (sempre em tese). i. Só se admite o confronto direto à CF, não se admite a ofensa reflexa; 1. Se, para apreciar a constitucionalidade da norma que se pretenda impugnar, for necessário o seu confronto com outras normas infraconstitucionais, o STF não 6

7 admite a sua impugnação em ADI (exemplo: Decreto regulamentar que exorbite da funções). ii. O autor da ADI não atua na qualidade de alguém que postula interesse próprio, pessoal, mas, sim, na condição de defensor do interesse coletivo, traduzido na preservação da higidez do ordenamento jurídico. iii. Se a lei já foi revogada tem-se ausência de objeto e se a lei foi revogada posteriormente à propositura tem-se perda de objeto. Amicus Curiae: Assistente com poder de produzir memoriais e sustentação oral está previsto na Lei 9868/99 Art. 7º (caput veda a intervenção de terceiros) 2º O relator, considerando a relevância da matéria e a representatividade dos postulantes, poderá, por despacho irrecorrível, admitir, observado o prazo fixado no parágrafo anterior [não há parágrafo anterior porque foi vetado], a manifestação de outros órgãos ou entidades. É um terceiro interessado na defesa da sociedade. Cautelar (Liminar): O objetivo é paralisar a eficácia enquanto pender o julgamento da Ação no STF (é uma exceção ao princípio da presunção de constitucionalidade não há prazo para retomada do julgamento após concedida a liminar); É tomada por decisão da maioria absoluta dos membros do Tribunal (Lei 9868/99 Art. 10). Na verdade não seria uma cautelar, o certo é que seria uma tutela antecipada de provimento final, de forma provisória, é uma antecipação. Efeitos: Lei 9868/99 Art. 11: 1º A medida cautelar, dotada de eficácia contra todos [erga omnes], será concedida com efeito ex nunc, salvo se o Tribunal entender que deva conceder-lhe eficácia retroativa; 2º A concessão da medida cautelar torna aplicável a legislação anterior acaso existente [repristinação], salvo expressa manifestação em sentido contrário. Repristinação (3 leis) x efeito repristinatório (2 leis): Repristinação: Se dá quando uma Lei A é revogada por Lei B e uma Lei C revoga a Lei B e de forma expressa revigora a Lei A. Pode se dar no Brasil sempre de forma expressa. Efeito repristinatório: É uma conseqüência da declaração de inconstitucionalidade (a lei só se refere à liminar porém é inerente à decisão final, ou seja, aplica-se à decisão de mérito). Neste caso temos que a Lei A é revogada pela Lei B e a Lei B é declarada inconstitucional com efeitos ex tunc, como o efeito é retroativo, considera-se que a Lei B nunca existiu e por isso a Lei A é revigorada por causa da declaração de inconstitucionalidade da lei revogadora. Para se explicar o efeito repristinatório é necessário entender que a declaração de inconstitucionalidade retira a eficácia e a existência da lei, porque 7

8 se A Lei B continuar existindo (como entende a doutrina majoritária) a Lei A não poderia ser repristinada. Gilmar fala em validade fática para se referir à existência pela doutrina majoritária, posição aceita pelo STF mesmo após a declaração da inconstitucionalidade pelo STF é possível a revogação da Lei B. O STF poderá restringir o efeito repristinatório (necessário que o STF diga a respeito para poderá restringir a regra que é o efeito repristinatório). ADI POR OMISSÃO ART o : a. Objetivo: Tornar efetiva norma constitucional que esteja a demandar integração somente quando o ato normativo é necessário ao cumprimento de preceito constitucional não cabe visando a produção de ato administrativo em caso concreto; O legislativo que elaborará esta norma. Dar eficácia plena aos preceitos constitucionais; b. Competência: STF; c. Efeitos: Dar ciência ao Poder Legislativo (para este não há prazo), não há conseqüência se o PL não atuar, o próprio Legislativo poderia estabelecer sanções a si; Dar ciência ao Presidente: Também não há prazo porque é órgão supremo e não administrativo; Dar ciência aos órgãos administrativos para que as providências sejam tomadas em 30 dias sob pena de crime de responsabilidade; O órgão poderá ser do PE, PL ou PJ; d. Liminar: Não é admitida; ADPF ARGÜIÇÃO POR DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL: Preceito fundamental: Tìtulo I, II, 34, VIII, 37, Princípio esparsos... ADPF estadual: É possível de ser estendida aos Estados se assim previrem em suas constituições; Natureza jurídica: Controle concreto e concentrado ao mesmo tempo, é considerada como processo objetivo; Objeto (Art. 1º da Lei 9882/99): ADPF autônoma: Evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante de ato (ou omissão), não somente normativo, podem ser atos concretos, do Poder Público, não se aceita é que sejam atos políticos de competência intera corporis. Para evitar lesão será proposta de forma preventiva. 8

9 Interessante destacar que a ADPF é meio idôneo para a aferição, pelo STF, do direito pré-constitucional e do direito municipal (quanto a este cabe destacar que uma decisão em face de uma lei de um município qualquer poderá surtir efeitos em leis semelhantes de outros municípios). ADPF incidental: quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, incluídos os anteriores à Constituição (ADPF incidental); Se origina em processos concretos, um dos legitimados e não uma das partes do processo pode levar o incidente, em processo separado ao STF (cisão funcional de competência vertical). Tanto é assim que o relator poderá ouvir as partes nos processos que ensejaram a argüição (Art. 6º). Admite liminar (Art. 5º 3º da Lei 9882/99): A liminar poderá consistir na determinação de que juízes e tribunais suspendam o andamento de processo ou os efeitos de decisões judiciais, ou de qualquer outra medida que apresente relação com a matéria objeto da argüição de descumprimento de preceito fundamental, salvo se decorrentes da coisa julgada. Pressupostos (Art. 3º da Lei 9882/99): A indicação do preceito fundamental que se considera violado; A indicação do ato questionado; A prova da violação do preceito fundamental; O pedido, com suas especificações; Se for o caso, a comprovação da existência de controvérsia judicial relevante sobre a aplicação do preceito fundamental que se considera violado. Pode ser indeferida liminarmente quando não o Tribunal entender que não estão presentes os pressupostos, do indeferimento cabe agravo em cinco dias. Extensão da legitimação (Art. 2º 1º da Lei 9882/99): O legislador ordinário teria dado a todos o direito de utilizar da ADPF no Art. 2º II da Lei 9882, o Presidente da República vetou tal inciso, porém, restou o 1º que faculta-se ao interessado, mediante representação, solicitar a propositura de argüição de descumprimento de preceito fundamental ao Procurador-Geral da República, que, examinando os fundamentos jurídicos do pedido, decidirá do cabimento do seu ingresso em juízo. No entanto, o PGR não é obrigado a propor quando incitado por qualquer interessado. Amicus Curiae: Não na extensão dada ao processo de ADI, porém, como já ressaltado o relator poderá, se entender necessário, ouvir as partes nos processos que ensejaram a argüição, requisitar informações adicionais, designar perito ou comissão de peritos para que emita parecer sobre a questão, ou ainda, fixar data para declarações, em audiência pública, de pessoas com experiência e autoridade na matéria. Art. 6º 1º. No 2º permite-se a critério do relator, sustentação oral e juntada de memoriais, por requerimento dos interessados no processo. 9

10 Caráter residual ou subsidiário da ADPF (Art. 4º 1º da Lei 9882/99): Não será admitida argüição de descumprimento de preceito fundamental quando houver qualquer outro meio eficaz de sanar a lesividade. Sendo assim não cabe ADPF contra lei ou ato normativo federal ou estadual para pedir sua inconstitucionalidade e nem contra lei ou ato normativo federal para pedir sua constitucionalidade se tais leis ou atos normativos são posteriores à CF de 88, pois, para o primeiro caso cabe ADI e para o segundo cabe ADC. A doutrina indica que a interpretação para este dispositivo deverá ser restritiva, posto que senão a ADPF estaria sem praticamente nenhum efeito, sendo assim a doutrina indica que os outros meios eficazes deveriam ser buscados no controle concentrados (ações objetivas). Porém, o STF na ADPF nº 3 e nº 17 fixou que poderia ser utilizado o critério excludente para ações previstas no controle difuso, posição criticada e que deverá ser modificada. Irrecorribilidade (Lei 9882/99 Art. 12): A decisão que julgar procedente ou improcedente o pedido em argüição de descumprimento de preceito fundamental é irrecorrível, não podendo ser objeto de ação rescisória. Efeito: A decisão terá eficácia contra todos e efeito vinculante relativamente aos demais órgãos do Poder Público (Art. 10). Ressalte-se que não limitou o Poder Público ao Judiciário e à Administração Federal, diferindo da ADI e ADC. A doutrina entende, por esta razão, que seria extensível ao Legislativo, ou seja, o Legislativo ficaria impedido de elaborar norma com idêntico conteúdo do que foi afastado por meio de uma ADPF. ATUAÇÕES DO PGR E AGU NO CONTROLE CONCENTRADO Papel do PGR: Propor e ser ouvido em todos os feitos; Papel do AGU: Defender a presunção de constitucionalidade da norma (não atua na ADC), atua na ADI e ADPF (nesta última por exigência do STF e não por expressa disposição de lei); 10

11 O CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE EM NÍVEL ESTADUAL: Também via de ação ou de exceção; Matérias reguladas nas Constituições Estaduais o parâmetro, no controle abstrato, é a CE; Leis Municipais, em tese, só sofrem controle perante a Constituição Estadual. A norma julgada inconstitucional perante a Constituição Estadual faz com que a norma não possa mais ser julgada perante a Constituição Federal por falta de interesse de agir, já que a primeira declaração de inconstitucionalidade retira da norma sua eficácia. Falta interesse objetivamente considerado. Gilmar Mendes e Moreira Alves já indicam que não é falta de interesse porque para eles a repercussão acontece no plano da existência e por isso a problemática seria a impossibilidade jurídica do pedido, a inexistência do objeto. ADI Estadual (Representação de inconstitucionalidade no plano estadual); 1. Se uma lei estadual for impugnada e tendo como parâmetro a norma da CE que seja de repetição obrigatória do texto da CF: Se o TJ declara que a norma é inconstitucional, ou seja, que fere a CE e não houve nenhum recurso, há o trânsito em julgado, e sendo assim: Já não é possível o controle abstrato perante o STF da mesma norma estadual agora como parâmetro a CF. Há quem entenda que o pedido da ADI seria juridicamente impossível por ausência de objeto se entender que a declaração do TJ ataca a existência da lei impugnada e por isso a retira do mundo jurídico. Outra corrente entende que haverá carência no interesse de agir, objetivamente considerado, porque entende que a declaração em âmbito estadual ataca a eficácia da lei. Se o TJ declara que a norma é constitucional e também não houve nenhum recurso, há o trânsito em julgado, e sendo assim: Neste caso seria possível o controle perante o STF porque: A causa de pedir é diferente e o parâmetro também é diferente (normalmente as partes também serão diferentes) por isso não há se falar em violação da coisa julgada nesta hipótese. Se o STF entender que é inconstitucional deverá vincular o TJ de origem. Se o TJ declara que a norma é constitucional ou inconstitucional perante a norma do CE e que há recurso (RE) para o STF. O efeito do RE será erga omnes, exceção aos efeitos do RE, porém, neste caso continuará sendo um processo objetivo (não cabe desistência do RE). Se em uma ADI o TJ entender que a norma da CE é que é inconstitucional (o parâmetro da CE é inconstitucional perante a CF, agora esta é o parâmetro e a CE passa a ser objeto) O TJ 11

12 poderá suscitar de ofício a inconstitucionalidade da norma da CE (na fundamentação incidentalmente no controle abstrato, declara a inconstitucionalidade do parâmetro), ao afastar o parâmetro irá julgar a inconstitucionalidade da lei estadual como prejudicada a ação por falta de parâmetro de controle. A eficácia é inter partes porque não foi parte do pedido. Por isso seria necessário aplicar o 481 do CPC para outros casos. Se houver recurso ao STF e este declarar que a norma da CE é inconstitucional terá efeito erga omnes e vinculante a solução continua a mesma, se entender que é constitucional devolverá ao TJ e este estará vinculado à decisão do STF. ADC em âmbito estadual: Antes da EC 45 se dizia que não seria possível a criação da ADC no plano estadual no plano federal já era uma exceção (Lênio Streck); Com a Lei 9868 já havia o efeito dúplice entre ADI e ADC, com a EC 45 como foi modificado o rol de legitimados para se igualarem. A doutrina majoritária e o STF tem admitido a possibilidade de criação da ADC em âmbito estadual (Nagibs Laib Desembargador do Rio Janeiro). O fundamento é o princípio da simetria. Legitimados para ADI e ADC: a) Pode se atribuir a pessoas/órgãos distintos e não pode é atribuir a um único órgão (posição majoritária da doutrina Guilherme Pena e Luis Roberto Barroso); b) Entendem que deve se respeitar simetricamente os legitimados previstos para agir perante a CF (STF tende a adotar esta posição). 12

13 TÉCNICAS DE DECISÃO: A princípio seriam técnicas aplicáveis ao controle concentrado, atualmente têm sido aplicadas ao controle difuso também. INTERPRETAÇÃO CONFORME A CONSTITUIÇÃO: Quando uma norma infraconstitucional apresentar dois ou mais sentidos é possível tentar a interpretação conforme a Constituição, entretanto o Poder Judiciário não pode interpretar de forma oposta ao texto da lei (sob pena de legislar e invadir a competência do Legislativo). São dois os modos de interpretação conforme: INTERPRETAÇÃO CONFORME A CONSTITUIÇÃO COM REDUÇÃO DO TEXTO (Lei Art. 7 o, 2 o ; ou desacato do Estatuto da OAB); Declaração de nulidade parcial. Seria uma atuação legislativa negativa e positiva ao mesmo tempo. INTERPRETAÇÃO CONFORME A CONSTITUIÇÃO SEM REDUÇÃO DO TEXTO: Tem fundamentos na própria teoria da Constituição (princípio da unidade com o princípio da supremacia). Nasceu nos EUA no controle difuso e a idéia é conduzir o aplicador a pensar um pouco mais antes de declarar a inconstitucionalidade da lei, a idéia é evitar antinomias e buscar a compatibilização do ordenamento jurídico só declarar a inconstitucionalidade se for impossível interpretar conforme a constituição. Buscar uma interpretação possível, manter a validade da norma. Na Alemanha criou-se uma técnica de interpretação. A ADI é julgada improcedente. Conferir à norma uma interpretação que lhe preserve a constitucionalidade (Lei Art. 1 o, I; obrigatoriedade do advogado nos juizados especiais ). Exemplo: Para CPMF, para Contribuição dos inativos e para o seguro apagão. DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE PARCIAL SEM REDUÇÃO DE TEXTO: Declara a inconstitucionalidade do sentido quando o texto permite várias interpretações. A ADI é julgada procedente. É possível usar no controle difuso, porém, não haverá a atuação do Senado porque este não pode suspender norma e sim texto. Exemplo: Lei que dava direito à transferência para militares em universidades congêneres. O STF diz qual a interpretação não é possível, porém, não diz quais são as permitidas até pode acontecer de virem na mesma sentença. Excluir uma interpretação que seja contrária à Constituição (Lei Art. 7 o, 3 o O advogado somente poderá ser preso em flagrante, por motivo de exercício da profissão, em caso de crime inafiançável... não poderá ser interpretado no sentido de abarcar crime de desacato contra autoridade judicial); 13

14 Declaração de norma ainda constitucional: Está caminhando para a inconstitucionalidade, é um alerta ao legislador. Exemplo: Prazo em dobro para a Defensoria Pública, a princípio seria inconstitucional, porém, a partir do momento que a Defensoria se organizar/estrutura esta norma passará a ser inconstitucional. Apelo ao legislador: Está começando a chegar ao Brasil, se dá nas questões de omissão total ou parcial. Normalmente há a falta de norma. É um apelo para que o legislador legisle. Buscar dar a norma uma constitucionalidade absoluta e não apenas parcial. Declaração de inconstitucionalidade com efeitos prospectivos: Limitação dos efeitos da declaração de inconstitucionalidade, o STF poderá modificar os efeitos, é uma restrição do efeito ex tunc. O STF poderá restringir os efeitos passados, declarar com efeitos ex nunc ou, em nome do princípio da segurança jurídica, em favor de algum princípio constitucional, ainda declarar que a inconstitucionalidade se dará a partir de determinada data no futuro (pro futuro). O prazo pro futuro deverá ser razoável e proporcional ao processo legislativo para feitura de um futura lei que assegure a segurança do ordenamento jurídico para evitar o vácuo que ficará. Mutação constitucional: É modificar a interpretação da norma da Constituição (não se modifica o texto). 14

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira. Professor: José Henrique Cesário Pereira PARTE IV CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS. AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE (ADECON ou ADC) - Lei n. 9.868, de 10.11.99 CONCEITO A Ação Declaratória

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Vícios de Constitucionalidade

Vícios de Constitucionalidade Vícios de Constitucionalidade Vício Formal Nomodinâmico O Vício Formal ocorre durante o processo legislativo, dando a idéia de dinamismo, movimento. Vício quanto ao processo legislativo Vicio Formal é

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotações de aula II. Simulado III. Lousas I. ANOTAÇÕES DE AULA

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Professora Chrystiane Mariz

Professora Chrystiane Mariz Professora Chrystiane Mariz -> CF, EC -> LC, LO, MP -> Atos da administração (ex: portarias) 1* Tratados internacionais sem ser de direitos humanos -> LC, LO, MP 2* Tratados internacionais de direitos

Leia mais

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO QUESTÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Questão n. 1 (CESPE/AGU

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Por: Alexandre Solano Bastos Orientador Prof. Anselmo de Souza Rio de Janeiro 2012 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE INTRODUÇÃO: o controle de constitucionalidade só é possível nos sistemas jurídicos em que vige uma Constituição escrita e rígida, pois é tão somente nesses sistemas jurídicos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL)

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) Disciplina: Direito Constitucional Ravi Peixoto, Procurador Municipal. 10 (Dez) horas/aulas. 1 2 3 4 5 6 7 57:00m 54:00m 50:00m

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO CONSTITUCIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO CONSTITUCIONAL Questão 1 O Congresso Nacional aprovou e o Presidente da República sancionou projeto de lei complementar modifi cando arti gos do Código Civil, nos termos do art. 22, I da CRFB. Três meses após a entrada

Leia mais

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos.

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos. EFEITOS DAS DECISÕES JUDICIAIS ASSECURATÓRIAS DE PREVALÊNCIA DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS: REPERCUSSÕES EM RELAÇÃO A DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO TOCANTE A COBRANÇA DE TRIBUTAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO 1.1 COMENTÁRIOS INICIAIS DO CAPÍTULO ANÁLISE DA DISCIPLINA NAS PRO- VAS DE JUIZ DO TRABALHO A disciplina Direito Constitucional, como não poderia deixar

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA PA nº 1.36.000.000703/2008-95/GAB.01/PRTO Os Procuradores da República signatários, no cumprimento da determinação contida na CF/88, art. 127,

Leia mais

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta:

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta: Antonio Henrique Lindemberg 1 - Assinale a assertiva correta: a. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, pode-se invocar validamente o princípio do direito adquirido em face das leis de ordem

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE

AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE Centro Universitário de Brasília - UNICEUB Faculdade de Ciências Jurídicas e de Ciências Sociais FAJS AMANDA RESENDE DE SOUZA O AMICUS CURIAE NO CONTROLE DIFUSO DE CONSTITUCIONALIDADE Brasília 2012 AMANDA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MODELOS: AÇÕES CONSTITUCIONAIS

Leia mais

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS FCSF NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS FCSF NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS FCSF NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO JULIANA PASINATO Argüição de Descumprimento

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL PETIÇÃO INICIAL 1.1. Breve introdução 1.2. Requisitos da petição inicial 1.3. Emenda da petição inicial 1.4. Indeferimento da petição inicial 1.5. Características

Leia mais

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale Aspectos gerais do controle de constitucionalidade Professor : Siddharta Legale LEITURA BÁSICA Bibliografia sugerida BARROSO, Luis Roberto. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. ASSSUMPÇÃO,

Leia mais

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º 1. Introdução OAB - 2012 A nossa Constituição de 1988 é classificada como uma constituição escrita (Constituições escritas são aquelas cujas normas estão reunidas em um só documento, solenemente promulgado

Leia mais

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO Ação Direta de Inconstitucionalidade Autos n. 2008.005668-5 Requerente: Partido Socialista.Brasileiro -PSB Advogada: Flávia Manarte Hanna Relator: Desdor. Rafael de Araújo Romano EMENTA:

Leia mais

Marcos Soares da Mota e Silva

Marcos Soares da Mota e Silva Marcos Soares da Mota e Silva Pós-graduado em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET) e em Direito Processual Tributário pela Universidade de Brasília (UnB). Graduado

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Presidente da República editou o Decreto nº 5555, estabelecendo a obrigatoriedade, como exigência à obtenção do diploma de graduação em engenharia, de um elevado

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

Espelho Constitucional Peça

Espelho Constitucional Peça Espelho Constitucional Peça Em caso de denegação da ordem, o recurso cabível é o ordinário (CRFB, art. 105, II, b) de competência do Superior Tribunal de Justiça, uma vez que a competência originária do

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR Arguição de descumprimento de preceito fundamental 292/DF Relator: Ministro Luiz Fux Requerente: Procuradoria-Geral da República Interessado: Ministério da Educação Arguição

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 Considerando que a Lei Estadual n 6.417, de 26 de maio de 2008, com vigência retroativa a 1 de maio de 2008, dispõe sobre a revisão geral anual dos servidores

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 237, de 2013, que define crime conexo, para fins do disposto no art. 1º, 1º, da Lei nº 6.683,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

Controle de Constitucionalidade das Leis ou Atos Normativos Municipais no Direito Brasileiro

Controle de Constitucionalidade das Leis ou Atos Normativos Municipais no Direito Brasileiro 10 Controle de Constitucionalidade das Leis ou Atos Normativos Municipais no Direito Brasileiro Adriana Valentim Andrade do Nascimento Juíza de Direito da 1ª Vara de Cachoeiras de Macacu O tema em tela

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Título: A Importância da Hermenêutica no Sistema de Controle de Constitucionalidade

Título: A Importância da Hermenêutica no Sistema de Controle de Constitucionalidade Título: A Importância da Hermenêutica no Sistema de Controle de Constitucionalidade Área Temática: Sistemas Jurídicos (K) Autora: Maricy Franchini Cavalcanti Advogada pela Faculdade de Direito de Franca

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

Ações do controle de constitucionalidade

Ações do controle de constitucionalidade Ações do controle de constitucionalidade * Conteúdo da aula: - Introdução: constitucionalismo e necessidade de um controle de constitucionalidade. - Classificações do controle de constitucionalidade -

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade

Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade Marcelo Rugeri Grazziotin* Texto complementar Base de cálculo do adicional de insalubridade Matéria absolutamente controvertida nos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DO PROGRAMA: PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C003033 7. Controle de Constitucionalidade. 10. Dos direitos e garantias fundamentais O Presidente da República editou

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica AS FEDERAÇÕES SINDICAIS E A IMPORTÂNCIA DEA SUA PARTICIPAÇÃO COMO AMICUS CURIAE NAS AÇÕES DIRETAS DE NCONSTITUCIONALIDADE Orlando Spinetti Advogado INTRODUÇÃO Considerando-se

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

Lucas Giovani Santi A CONSTRUÇÃO DA AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE PELA JURISPRUDÊNCIA DO STF

Lucas Giovani Santi A CONSTRUÇÃO DA AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE PELA JURISPRUDÊNCIA DO STF Lucas Giovani Santi A CONSTRUÇÃO DA AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE PELA JURISPRUDÊNCIA DO STF Monografia apresentada à Escola de Formação da Sociedade Brasileira de Direito Público SBDP, sob

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS APÓS A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 15, DE 1996

CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS APÓS A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 15, DE 1996 ESTUDO ESTUDO CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS APÓS A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 15, DE 1996 JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE LEGISLATIVA DE SANEAMENTO DAS IRREGULARIDADES

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO, DIGNISSÍMO RELATOR

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO, DIGNISSÍMO RELATOR Signature Not Verified Assinado por ALEXANDRE DE MORAES em 31/01/2012 22:49:19.132-0200 Alexandre de Moraes EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO, DIGNISSÍMO RELATOR Autos: ADI 4638/DF A ANAMATRA

Leia mais

DIREITO PENAL II TEORIA DA PENA. 1. São atenuantes genéricas, respectivamente:

DIREITO PENAL II TEORIA DA PENA. 1. São atenuantes genéricas, respectivamente: DIREITO PENAL II TEORIA DA PENA 1. São atenuantes genéricas, respectivamente: a) ter o agente cometido o crime por motivo de relevante valor moral; ter o agente cometido o crime o crime sob coação a que

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

WÉLIDA LUCIANA DOS SANTOS CERQUEIRA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL E PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

WÉLIDA LUCIANA DOS SANTOS CERQUEIRA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL E PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE WÉLIDA LUCIANA DOS SANTOS CERQUEIRA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL E PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE CURSO ORDEM JURÍDICA E MINISTÉRIO PÚBLICO BRASÍLIA 2009 WÉLIDA LUCIANA DOS SANTOS CERQUEIRA

Leia mais

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA Elaborado em 01.2009 Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem I. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA - lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social vide arts. 146 e 148 da CF vide arts.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Agravo de instrumento - efeito ativo Edino Jales * I - Intróito: A par da reforma que se vem empreendendo no processo civil brasileiro, a qual, proficuamente, está sendo desenvolvida

Leia mais

AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AULA 07 E O8 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE VII. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE a) Controle nas constituições rígidas e escritas b) Sistemas de controle de constitucionalidade c) Tipos de controle d)

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Curso: DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Data: /0/0 Unid. V Estudo de Casos Rubrica do Professor: Disciplina: PRÁTICA JURÍDICA CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVA Valor: pontos Pontos obtidos: Professora:

Leia mais

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil Curso: Recurso de Embargos de Declaração e Agravo no Processo Civil Sistemática do CPC Vigente e do Novo CPC ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES;

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

O Controle da Constitucionalidade no Brasil

O Controle da Constitucionalidade no Brasil O Controle da Constitucionalidade no Brasil GILMAR MENDES I. Introdução. II. Controle de Constitucionalidade na Constituição de 1988 II.1. Controle Difuso de Constitucionalidade II.2. Controle Abstrato

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade

Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade Elaborado em 08.2008. Priscila Alencar de Souza Vieira Advogada, Pós-graduanda em Direito do Trabalho pela PUC-SP. O art. 192 da

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS Rénan Kfuri Lopes- Advogado, Professor, Palestrante, Pós- Graduado em Direito Processual Civil e Direito de Empresa, Membro do Instituto Brasileiro

Leia mais