noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais"

Transcrição

1 Universidade regional do noroeste do estado do rio grande do sul unijuí vice-reitoria de graduação vrg coordenadoria de educação a distância CEaD Coleção Educação a Distância Série Livro-Texto Elenise Felzke Schonardie noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil 2013

2 2013, Editora Unijuí Rua do Comércio, Ijuí - RS - Brasil Fone: (0 55) Fax: (0 55) Editor: Gilmar Antonio Bedin Editor-adjunto: Joel Corso Capa: Elias Ricardo Schüssler Designer Educacional: Jociane Dal Molin Berbaum Responsabilidade Editorial, Gráfica e Administrativa: Editora Unijuí da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí; Ijuí, RS, Brasil) Catalogação na Publicação: Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques Unijuí S363n Schonardie, Elenise Felzke. Noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais / Elenise Felzke Schonardie. Ijuí : Ed. Unijuí, p. (Coleção educação a distância. Série livrotexto). ISBN Direito. 2. Direito processual constitucional. 3. Direitos fundamentais. I. Título. II. Série. CDU :

3 Sumário ABREVIATURAS...5 CONHECENDO A PROFESSORA...7 APRESENTAÇÃO...9 UNIDADE 1 A JURISDIÇÃO E JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL...11 Seção 1.1 Breves Apontamentos...11 UNIDADE 2 O CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...15 Seção 2.1 O Sistema Brasileiro de Controle da Constitucionalidade das Leis...15 Seção 2.2 Do Controle Concentrado da Constitucionalidade...22 Seção 2.3 Da Intervenção do Amicus Curiae...32 UNIDADE 3 A PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DO HOMEM...35 Seção 3.1 Dos Direitos e Garantias Fundamentais...35 UNIDADE 4 OS PROCEDIMENTOS CONSTITUCIONAIS EM ESPÉCIES...39 Seção 4.1 Ação Civil Pública...40 Seção 4.2 Ação Popular...41 Seção 4.3 Habeas Corpus...42 Seção 4.4 Habeas Data...44 Seção 4.5 Mandado de Segurança (individual e coletivo) lei n / Seção 4.6 Mandado de Injunção...48 Seção 4.7 Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME)...49 REFERÊNCIAS...51 ANEXO 1 LEI N /

4

5 Abreviaturas EaD noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais ADC ou Adecon... Ação Direta de Constitucionalidade ADI ou ADIn... Ação Direta de Inconstitucionalidade ADInO... Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão ADPF... Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental Aime... Ação de Impugnação de Mandato Eletivo AP... Administração Pública CE... Constituição Estadual CF... Constituição Federal CP... Código Penal CPC... Código de Processo Civil CPP... Código de Processo Penal EC... Emenda Constitucional HC... Habeas Corpus HD... Habeas Data MI... Mandado de Injunção MIC... Mandado de Injunção Coletivo MS... Mandado de Segurança MSC... Mandado de Segurança Coletivo PGR... Procurador Geral da República PGJ... Procurador Geral de Justiça RE... Recurso Extraordinário RESP... Recurso Especial RGS... Rio Grande do Sul RISTF... Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal RO... Recurso Ordinário STF... Supremo Tribunal Federal STJ... Superior Tribunal de Justiça STM... Superior Tribunal Militar TSE... Tribunal Superior Eleitoral TST... Tribunal Superior do Trabalho TRE... Tribunal Regional Eleitoral TRF... Tribunal Regional Federal TRT... Tribunal Regional do Trabalho TJ... Tribunal de Justiça 5

6

7 Conhecendo a Professora EaD noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Elenise Felzke Schonardie Natural de Ijuí, RS, é doutora em Ciências Sociais pela Unisinos (2010). Formou-se em Direito pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Unijuí (1997) e possui Mestrado em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2001). Atualmente exerce a advocacia, é professora do Programa de Mestrado em Direitos Humanos da Unijuí, vinculada à linha de pesquisa Direitos Humanos, Meio Ambiente e Novos Direitos e professora da Graduação do curso de Direito da Unijuí e da Universidade de Passo Fundo UPF. Tem experiência na área de Direito e Ciências Sociais, com ênfase em Direito Ambiental, Constitucional, Econômico e Empresarial, atuando principalmente nos seguintes temas: direito penal ambiental, dano ambiental, instrumentos processuais de proteção ambiental, agentes públicos e responsabilidade ambiental, sustentabilidade, desigualdades sociais, meio ambiente urbano, direito econômico e controle de constitucionalidade. É autora de várias obras jurídicas, dentre elas: Dano ambiental: a omissão dos agentes públicos; Ambiente e Justiça Ambiental; e inúmeros artigos e capítulos de livros. 7

8

9 Apresentação EaD noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais O Direito Processual Constitucional, como disciplina específica, tem por escopo o estudo dos instrumentos necessários para efetivar os preceitos estabelecidos na Constituição Federal e compreende o rol de normas e princípios processuais que tem por finalidade regular a jurisdição constitucional. De um lado, abrange a tutela constitucional dos princípios fundamentais da organização judiciária e do processo; de outro, a jurisdição constitucional. Para doutrinadores processualistas constitucionais O processo constitucional visa a tutelar o princípio da supremacia da Constituição, protegendo os direitos fundamentais. Várias ações e recursos estão compreendidos nessa esfera protecionista e garantista (Baracho, 2008, p. 45). E mais, há que se compreender que o processo constitucional não é apenas um direito instrumental, mas uma metodologia de garantia dos direitos fundamentais, preceituados na Carta Magna. O professor Baracho (2008), utilizando-se das lições de Chivenda, refere que a relação processual é de movimento, pois trata-se de ação (atuação, batalha, combate), enquanto as partes e o juiz se ocuparem da relação substancial que é o objeto do juízo, vivem eles mesmos uma atuação que desenvolve em razão das suas atitudes (do procedere). Inicialmente é necessário observar, no que se refere às partes e ao juiz, se a relação está validamente constituída, pelo que, preliminarmente, examina-se se estão presentes as condições para proceder essa operação. Por intermédio da relação processual que se estabelece, apreende-se a condição de litigante/ demandante de quem solicita a atuação judicial, bem como o interesse que serve de base para a obtenção da intervenção judicial pleiteada. O sujeito que recorre à jurisdição adota uma postura que exige a pretensão. Assim, deve demonstrar a solidez, com fundamentação. O conteúdo da pretensão é o direito material que se faz valer em juízo. Na pretensão, o direito material e o direito subjetivo de ação consolidam-se na demanda, que é o ato processual específico (Baracho, 2008, p. 47). É importante lembrar que o processo judicial é o conjunto de atos dirigidos para cumprir uma finalidade: aplicação da norma, investigação de um fato, solução de um conflito, etc. E que o procedimento é a sequência de atos coordenados, a maneira como o processo se exterioriza e se materializa no mundo jurídico. Ou seja, o procedimento é a expressão visível do processo. Considerando que o Direito Processual é o conjunto de princípios e normas que disciplinam a aplicação, ao caso concreto, das normas de Direito material, pode-se afirmar que o processo tem uma finalidade instrumental, garantista e sociopolítica, na medida em que os institutos de Direito Processual Constitucional podem atingir sua finalidade, que é investigar a verdade e distribuir justiça (Siqueira Júnior, 2011). Dessa forma, o processo constitucional assegura a vontade da Constituição e consagra o bem comum do Estado Democrático e Social de Direito. 9

10

11 di 20 Unidade 1 EaD noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais A JURISDIÇÃO E JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL OBJETIVOS DESTA UNIDADE Compreender o que significa a jurisdição, em especial a jurisdição constitucional, a importância acerca da independência e separação dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário para o Estado Democrático de Direito. A SEÇÃO DESTA UNIDADE Seção 1.1 Breves Apontamentos Seção 1.1 Breves Apontamentos br 1 A função jurisdicional exercida pelo poder Judiciário tem por objetivo aplicar o Direito aos casos concretos a fim de dirimir conflitos de interesses. O poder de aplicar a lei ao caso concreto, com a autoridade da coisa julgada, o que torna as decisões judiciais imutáveis, é tarefa afeta ao poder Judiciário, que o faz por intermédio de seus membros juízes, desembargadores e ministros. de at po 20 1 Disponível em: <http://www.jornalcidadeaberta.com.br/noticias/geral/geral/inaugurado-centro-judiciario-de-solucaode-conflitos-e-cidadania-em-osvaldo-cruz/>. Acesso em: 14 abr br em

12 Elenise Felzke Schonardie Assim, a jurisdição realiza-se por meio de um processo judicial e encontra seu limite tanto na legitimidade quanto na competência. 2 Os juízes realizam o exercício de sua judicatura dentro de seus âmbitos de competência, pois este é o limite da jurisdição. 3 De modo objetivo, podemos afirmar que a jurisdição é a função do Estado destinada a resolver conflitos de interesses que ocorrem com o objetivo de resguardar a ordem jurídica e social. O artigo 1º da Constituição estatui que a República Federativa do Brasil formada pela união indissolúvel dos Estados e municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito. O parágrafo único do referido artigo esclarece que todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos diretamente. O Estado Democrático de Direito é um dos conceitos políticos fundamentais do mundo moderno, pois traz, em seu bojo, um padrão histórico de relacionamento entre o sistema político e a sociedade civil, institucionalizado por meio de ordenamento jurídico-constitucional que se desenvolveu e consolidou-se em torno de um conceito de poder público, o qual diferencia a esfera pública da esfera privada, os interesses coletivos dos individuais, o sistema político-institucional do sistema econômico, o plano políticopartidário e o político administrativo. 4 No aspecto organizacional dos três poderes estatais Executivo, Legislativo e Judiciário o próprio texto constitucional determina, de forma expressa, as atribuições e competências de cada um. A Constituição Federal prescreve, expressamente, limitações ao governo nacional e aos Estados federados, e institucionaliza a separação dos poderes. Há, no entanto, mecanismos de controle, mediante os quais cada um dos poderes controla o outro, cabendo ao Judiciário uma espécie de salvaguarda para eventuais rupturas. Isso porque um ato de governo contrário à Constituição é um ato de poder ilegítimo, ou o exercício de autoridade por parte do governo que vá além dos limites estatuídos no texto constitucional passa a ser um exercício de poder ilegítimo. A Constituição determina a autoridade que o povo atribui a seu governo, e, ao fazê-lo, estabelece limites (Matteuci apud Streck, 2002, p. 97). A Constituição escrita apresenta várias características, dentre as quais a legitimidade e a função. Quanto à legitimidade, podemos referir que assegura que o conteúdo de seu texto emana da vontade do povo e representa o consenso racional dos cidadãos. No que diz respeito à função, 2 Exercendo-se sobre todo o território nacional, por vários motivos deverá a jurisdição ser repartida entre muitos órgãos que a exercem. A extensão territorial, a distribuição da população, a natureza das causas, o seu valor, a sua complexidade, esses e outros fatores aconselham e tornam necessária, mesmo por elementar respeito ao princípio da divisão do trabalho, a distribuição das causas pelos vários órgãos jurisdicionais, conforme suas atribuições, que são previamente estabelecidas. (...) Diz-se que um juiz é competente quando, no âmbito de suas atribuições, tem poderes jurisdicionais sobre determinada causa (Santos, 1995, p. 194). 3 Podemos afirmar que o objetivo do Estado no exercício da função jurisdicional é assegurar a paz jurídica pela atuação da lei disciplinadora da relação jurídica em que se controvertem as partes. 4 Ver sobre a evolução do constitucionalismo em Streck, Lenio Luiz. Jurisdição constitucional e hermenêutica: uma nova crítica do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002, p

13 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais a Constituição escrita garante os direitos dos cidadãos, impedindo que o Estado os viole e também impede a instauração de um governo autoritário e ilimitado; ao contrário, o governo deve observar certos limites, impostos no próprio texto constitucional, para ser considerado legítimo. Segundo Ferrajoli (1995), a Constituição consiste no sistema de regras, substanciais e formais, e que têm como destinatários os cidadãos, titulares do poder. Impondo a todos os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário imperativos negativos e positivos como manancial de sua legitimação e, sobretudo, de deslegitimação. É uma função de limite e de sujeição, na qual os indivíduos (cidadãos) encontram a garantia aos direitos fundamentais, cuja titularidade lhes é inerente, constituindo o verdadeiro sentido da democracia e da soberania do povo. Em outras palavras, tem-se a Constituição como norma diretiva fundamental e garantidora, que dirige os poderes públicos e condiciona os particulares, visando à realização dos valores constitucionais, como os direitos sociais. Ao tratarmos da questão da jurisdição constitucional, no entanto, observamos certa sobressaliência do poder Judiciário não apenas em fiscalizar, mas, inclusive, em controlar e anular atos dos poderes Legislativo e Executivo estes legitimamente eleitos pelo voto popular, representantes da vontade do povo. Neste momento uma questão deve ser levantada: Como é possível que juízes (constitucionais ou não), não eleitos pelo voto popular, possam controlar e anular leis elaboradas por um poder eleito para tal e aplicadas por um poder Executivo também eleito? (Streck, 2002, p. 99). O regime democrático e a realização dos direitos fundamentais são fatores de coexistência necessárias para o constitucionalismo contemporâneo. Dessa forma, faz-se necessário ao Estado Democrático de Direito uma Justiça constitucional, como condição de possibilidade deste Estado. Segundo Moreira (1993), a existência de uma jurisdição constitucional tornou-se requisito obrigatório de legitimação e de credibilidade política dos regimes constitucionais democráticos. Consequentemente, a jurisdição constitucional passou a ser considerada elemento necessário à própria definição de Estado Democrático. Para Streck (2002, p. 101), é preciso analisar e compreender o papel destinado à Justiça Constitucional no confronto com os poderes do Estado, seus limites através da jurisdição constitucional e as condições de possibilidades do exercício da assim denominada liberdade de conformação do legislador. 13

14 Elenise Felzke Schonardie Essa liberdade do legislador é tida como variável, conforme a espécie de direitos em questão. Por exemplo, quando a questão refere-se a direitos de liberdades individuais há certa restrição, limitação, nessa liberdade do legislador. Quando, no entanto, trata-se de questões referentes a prestações sociais e/ou liberdades econômicas, a liberdade do legislador adquire certa ampliação, elasticidade. A Justiça constitucional é encarregada de realizar o controle da constitucionalidade do ordenamento jurídico do país. O juiz constitucional, no caso brasileiro o ministro membro do Supremo Tribunal Federal, aplica o Direito, no entanto o faz com certa carga de valoração política, na medida em que sua indicação ao exercício da função ocorre por indicação política. Há, todavia, que se compreender que de forma indireta, considerando os órgãos encarregados de elaboração e os órgãos de fiscalização do cumprimento dessas leis, o Judiciário é, sobretudo, o órgão que aprecia e julga o descumprimento da lei, bem como, por intermédio de um tribunal que diz ser constitucional, realiza o controle de constitucionalidade das normas editadas pelos demais poderes, visando a evitar o descumprimento ou violações dos dispositivos legais de proteção aos direitos fundamentais. Síntese da Unidade 1 Nesta Unidade estudamos a jurisdição constitucional e os mecanismos de controle e independência dos poderes, por meio dos quais cada poder (Legislativo, Executivo e Judiciário) controla o outro. Ao Judiciário, porém, cabe uma espécie de salvaguarda para eventuais rupturas da independência e equilíbrio entre os mesmos. Isso porque um ato de governo contrário à Constituição é um ato de poder ilegítimo. 14

15 Unidade 2 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais O CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE OBJETIVOS DESTA UNIDADE Compreender o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade das leis, em especial o controle concentrado e a possibilidade de intervenção da figura do amicus curiae, nas ações de controle de constitucionalidade. AS SEÇÕES DESTA UNIDADE Seção 2.1 O Sistema Brasileiro de Controle da Constitucionalidade das Leis Seção 2.2 Do Controle Concentrado da Constitucionalidade Seção 2.3 Da Intervenção do Amicus Curiae Seção 2.1 O Sistema Brasileiro de Controle da Constitucionalidade das Leis As leis emanadas do processo legislativo de sua criação e submetidas à sanção ou veto presidencial (poderes Legislativo e Executivo) podem, de certo modo, ofender a Constituição, seja mediante o procedimento de sua criação ou seja pelo conteúdo violador aos direitos e garantias constitucionalmente previstos no texto da Carta Maior. Há que se considerar que o órgão legislativo, ao derivar da Constituição sua competência, não pode introduzir no sistema jurídico leis contrárias às disposições constitucionais, sob pena de essas serem reputadas nulas, inaplicáveis e inconsistentes com a ordem jurídica estabelecida (Bonavides, 2003). 15

16 Elenise Felzke Schonardie 1 O controle de constitucionalidade pode ser formal ou material. O controle formal, pelo órgão competente, ocupa-se da verificação de conformidade do processo de elaboração da lei, se houve correta observância das formas estatuídas, se a obra do legislador não infringe preceitos constitucionais pertinentes à organização técnica dos poderes, tanto em suas relações horizontais quanto verticais, observando-se a divisão dos poderes estatuída na Constituição. O controle material incide sobre o conteúdo da norma, e é entendido como frágil pelos doutrinadores, em razão do seu elevado teor político, que outorga a quem o exerce competência para decidir sobre o teor e matéria da regra jurídica em questão. Quanto ao órgão que exerce o controle de constitucionalidade, dependendo do Estado em questão, pode ser realizado por um órgão político, como o ocorrido na história das instituições francesas 2 em 1852 e 1946 ou por um órgão jurisdicional, este último objeto de nosso interesse. O controle jurisdicional da constitucionalidade da lei é a entrega do exercício dessa competência a um órgão jurisdicional, no entanto, no caso brasileiro, essa determinação emana do próprio texto constitucional, como trataremos em seguida. Nascido nos Estados Unidos, 3 o controle jurisdicional de constitucionalidade resulta da reflexão acerca da supremacia da Constituição sobre as leis ordinárias, pois o princípio das Constituições rígidas impõe, necessariamente, a supremacia desta sobre as leis ordinárias. Ademais, os poderes do Legislativo e Executivo são definidos e limitados na Constituição escrita, isso porque nenhum ato legislativo ou executivo que contrarie a Constituição pode ter o condão de modificá-la, ao contrário, é a Constituição que controla todo ato legislativo e executivo. Em poucas palavras: todo ato legislativo ou normativo que contrariar o texto constitucional de organização do Estado deve ser declarado inconstitucional. O constitucionalismo norte-americano construiu esse mecanismo de verificação de constitucionalidade das leis infraconstitucionais pelo poder Judiciário, por intermédio de inúmeros precedentes. Foi, no entanto, por meio da decisão do caso Marbury vs. Madison, relatado pelo juiz 1 Disponível em: <http://www.concursospublicos.pro.br/ultima-palavra-da-jurisprudencia/concursos-publicosjurisprudencia-stf-constitucional-controle-constitucionalidade-lei-estadual-atuacao-agu-vacancia-cargo-governadorescolha-ministro-quinto-porte-municao-tipicidade-regime-tributario>. Acesso em: 14 abr O controle por um órgão político, na história das instituições francesas, conheceu outras tentativas igualmente malsucedidas: a do Senado da Constituição de 14 de janeiro de 1852 e a do Comitê Constitucional da Constituição de 27 de outubro de O primeiro se transformou praticamente numa segunda Câmara Legislativa, enquanto o segundo se caracterizou por seu desempenho medíocre e obscuro (Bonavides, 2003, p. 300). 3 [...] A Constituição federal dos Estados Unidos, de 1787, em seu artigo VI, cláusula 2º, dispunha: Esta Constituição e as leis dos Estados Unidos que se fizerem para aplicá-las serão a lei suprema do país; e os juízes em cada Estado a ela se vincularão (...), ou no teor do art. III, Seção 2, 1º, que rezava: O poder Judiciário se estende a todas as causas, de direito ou de eqüidade, que terão sua fonte nesta Constituição, ou mais nas leis dos Estados Unidos e nos tratados celebrados debaixo de sua autoridade (Bonavides, 2003, p. 306). 16

17 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais presidente da Suprema Corte Norte-Americana, John Marshall, em 1803, que a tese da supremacia da lei constitucional sobre a lei ordinária ganhou força, visibilidade e aceitação. Segundo a análise de John Marshall, é dever do poder Judiciário declarar o Direito e, caso uma lei venha a colidir com a Constituição, ou se ambas se aplicam a uma determinada causa, à Corte compete determinar qual das regras antagônicas se aplica ao litígio. Desde então, estabeleceu-se um sistema americano de controle que consagra a via de exceção, de maneira que todo tribunal federal ou estadual, independente do seu grau hierárquico, poderá exercitar esse controle, sentenciando numa demanda a inconstitucionalidade da lei (Bonavides, 2003, p. 311). A Europa não seguiu o modelo americano para assegurar a supremacia das normas constitucionais. A partir do século 20, com base nas ideias de Kelsen, desenvolveu-se o controle de constitucionalidade em abstrato, exercido por um órgão não pertencente ao poder Judiciário, um Tribunal ou Corte Constitucional que examina a lei em questão com efeitos erga omnes (contra todos). O controle jurisdicional de constitucionalidade das leis, entretanto, aplica duas formas básicas, a saber: o controle por via de exceção (controle concreto) e o controle por via de ação (controle abstrato). O controle por via de exceção, 4 é o controle por via incidental, pois aplica-se às inconstitucionalidades legislativas quando, no curso de uma demanda judiciária, uma das partes arguiu, em defesa de sua causa, a objeção de inconstitucionalidade da lei que se lhe quer aplicar. É essencial a existência do caso concreto e da provocação de uma das partes para ocorrer a intervenção do Judiciário, cujo julgamento se estende unicamente às partes litigantes. Isto é, a sentença que liquida a controvérsia constitucional não conduz à anulação da lei, mas tão somente a sua não aplicação ao caso particular, objeto da demanda. O efeito da decisão é, somente, inter partes. O sistema de controle por via de ação é o controle in abstracto da norma, e trata-se de um controle direto, na medida em que, por meio de uma ação de inconstitucionalidade prevista formalmente no texto constitucional, impugna-se perante determinado tribunal 5 uma lei, que 4 Para Alfredo Buzaid (apud Bonavides, 2003, p. 304), os princípios que regem a declaração de inconstitucionalidade pela via da exceção são: a) o tribunal não se pronunciará sobre a constitucionalidade de uma lei, exceto em litígio regularmente submetido ao seu conhecimento; b) nenhum tribunal se manifestará sobre a validade de uma lei senão quando isso for realmente necessário para a decisão do caso concreto; c) a declaração de inconstitucionalidade da lei importa na sua não aplicação ao caso concreto, não tem o condão de revogá-la, fazê-la sumir do ordenamento jurídico; d) o exame sobre a inconstitucionalidade representa questão prejudicial, não a questão principal da lide, ou seja, não configura como objeto do processo e dispositivo da sentença; e) o tribunal só conhecerá da alegação de inconstitucionalidade quando ela emanar de pessoa, cujos direitos tenham sido ofendidos pela lei. 5 O órgão competente para julgar a ação de inconstitucionalidade da lei poderá ser um tribunal ordinário, como uma corte especial, a exemplo dos chamados tribunais constitucionais, dotados, para este fim, de jurisdição específica (Bonavides, 2003). Nessas condições, questionava-se a devida observância à repartição dos poderes do Estado e o distanciamento deste sistema do cidadão. 17

18 Elenise Felzke Schonardie poderá perder sua validade constitucional. Se a lei em questão for declarada inconstitucional, ela será removida da ordem jurídica com a qual se apresenta incompatível, sendo assim anulada erga omnes. Em síntese, pode-se apresentar o seguinte quadro, com relação às formas, órgãos e critérios de controle de constitucionalidade: Formas de controle de constitucionalidade a) Controle preventivo b) Controle repressivo Órgãos de controle a) Político b) Judicial Critérios de controle a) Difuso b) Concentrado Quanto aos meios de controle da constitucionalidade, os efeitos e natureza da decisão, veja o quadro a seguir: Meios de controle a) Por via incidental ou de defesa ou indireto b) Por via principal ou de ação ou direto Efeitos da decisão a) Inter partes b) Erga omnes Natureza da decisão a) Ex tunc b) Ex nunc Seção 2.1 O Sistema Brasileiro de Controle da Constitucionalidade das Leis No Brasil, o sistema constitucional preceitua duas formas de controle de constitucionalidade: o controle por via de exceção (indireto), e o controle por via de ação (direto). Esta previsão constitucional revela certa evolução, tanto doutrinária quanto institucional do sistema brasileiro. Ao longo da história do constitucionalismo brasileiro, nota-se, por exemplo, que desde a Constituição de 1891 há instrumentos, como a via de exceção, para a defesa e proteção dos direitos individuais. De inspiração liberal, muito próximo ao modelo norte-americano de con- 18

19 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais trole da constitucionalidade, desenvolve-se no Brasil, inicialmente, um modelo individualista e liberal, de controle jurisdicional. A via de exceção, enquanto via judiciária de controle da constitucionalidade conferiu à Justiça da União e às Justiças dos Estados a competência para recusar aplicabilidade a atos inconstitucionais do Executivo e do Legislativo, sendo a decisão adotada a cada caso particular, por ação adequada e executável entre as partes. A arguição por via de ação, por sua vez, surge no sistema brasileiro com certa lentidão, mas com traços peculiares, com o mais significativo sendo aquele referente à suspensão da lei, que, todavia, não se anula. A Constituição de 1934 foi um verdadeiro marco progressivo do Brasil, na direção do controle direto de constitucionalidade. Isso porque o texto constitucional de 1934 introduziu quatro modificações que aperfeiçoaram o nosso sistema de controle da constitucionalidade, a saber: adotou o sistema da maioria absoluta de votos da totalidade dos juízes como requisito indispensável à declaração, pelos tribunais, da inconstitucionalidade de lei ou ato do poder público; é deferida ao Senado Federal a competência para suspender a execução total ou parcial de qualquer lei ou ato, deliberação ou regulamento, cuja inconstitucionalidade tenha sido declarada pelo poder Judiciário; a instituição do mandado de segurança para a defesa de direito certo e incontroverso, ameaçado ou violado por ato manifestamente inconstitucional ou ilegal de qualquer autoridade e a mudança mais significativa para o nosso sistema de controle de constitucionalidade foi, sem dúvida, a provocação do Procurador-Geral da República para que a Corte Suprema tomasse conhecimento da lei federal que houvesse decretado a intervenção da União no Estado-membro em caso de inobservância de certos princípios constitucionais, e lhe declarasse a constitucionalidade. A Constituição do Estado-Novo de 1937, porém, significou um verdadeiro retrocesso no sistema de controle da constitucionalidade, na medida em que determinou um reexame pelo Parlamento da decisão dos tribunais, e por dois terços dos votos de cada uma das Câmaras o órgão legislativo poderia invalidar a decisão judiciária, assim tornando eficaz a lei inconstitucional. Não obstante, a Constituição de 1946 retoma os avanços do texto de 1934 e aduz que a intervenção federal, pela violação dos princípios do inciso VII, do artigo 7º, só se decretava após o Supremo haver examinado o ato arguido de inconstitucionalidade. 19

20 Elenise Felzke Schonardie Ao longo do período de vigência da Constituição de 1946, a publicação e entrada em vigor de dois textos legais foram de suma importância para a disciplina da constitucionalidade estabelecida na lei maior. A lei n , de 22 de julho de 1954, criou novo instrumento processual, a ação direta de declaração de inconstitucionalidade, que veio a se somar à já existente via incidental ou de exceção. Ocorre que esse novo caminho de verificação da constitucionalidade, via Judiciário, era por demais estreito, abrangendo somente os atos vinculados a hipóteses de intervenção federal. Escapavam de seu campo de incidência os atos federais em geral e os estaduais que não ofendiam os princípios do artigo 7º, inciso VII, da Constituição Federal, bem como os atos locais que ofendiam a Constituição estadual, além dos municípios (J. L. Anhaia Mello apud Bonavides, 2003, p. 330). A Emenda Constitucional n. 16, de novembro de 1965, ampliou o âmbito material do controle de constitucionalidade por via da ação, na medida em que deu nova redação à aliena k do artigo 101, inciso I, da Constituição de Dentre as competências originárias do Supremo Tribunal Federal, inclui-se a competência originária para processar e julgar a representação contra inconstitucionalidade de lei ou ato de natureza normativa, federal ou estadual, encaminhada pelo Procurador-Geral da República. Artigo 2º As alíneas c, f, i e k do artigo 101, inciso I, passam a ter a seguinte redação: c) os Ministros de Estado, os juízes dos Tribunais Superiores Federais, dos Tribunais Regionais do Trabalho, dos Tribunais de Justiça dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, os Ministros do Tribunal de Contas e os Chefes de missão diplomática de caráter permanente, assim nos crimes comuns como nos de responsabilidade, ressalvado, quanto aos Ministros de Estado, o disposto no final do artigo 92; f) os conflitos de jurisdição entre juízes ou tribunais federais de justiças diversas, entre quaisquer juízes ou tribunais federais e os dos Estados, entre juízes federais subordinados a tribunal diferente, entre juízes ou tribunais de Estados diversos, inclusive os do Distrito Federal e os dos Territórios; i) os mandados de segurança contra ato do Presidente da República, do Senado e da Câmara dos Deputados ou das respectivas Mesas, do próprio Supremo Tribunal Federal, de suas Turmas ou de seu Presidente do Tribunal Federal de Recursos, do Tribunal de Contas e dos Tribunais Federais de última instância (art. 106, art. 109, I, e art. 122, I); k) a representação contra inconstitucionalidade de lei ou ato de natureza normativa, federal ou estadual, encaminhada pelo Procurador-Geral da República (Emenda Constitucional nº 16, de 1965). A Constituição de 1967 e a Emenda Constitucional n. 1 de 1969 conservaram o instituto do controle de constitucionalidade por via de ação, introduzido em nosso sistema pela Emenda Constitucional n. 16 de

21 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Observa-se que a verificação da constitucionalidade da lei ou de ato normativo estava adstrita à atribuição do Procurador-Geral da República, sendo este o único legitimado para o exercício da ação. O que em 1970 acabou por gerar grande controvérsia em razão de uma representação feita pelo Movimento Democrático Brasileiro contra o Procurador-Geral da República, por haver este, por meio de despacho, mandado arquivar uma representação que lhe fora encaminhada por aquela organização partidária que arguia a inconstitucionalidade do Decreto-lei n , de 26 de janeiro de 1970, que estabelecera a censura prévia na divulgação de livros e periódicos. Na época, o STF em decisão de 10 de março de 1971, interpretou de forma restrita, aduzindo competência exclusiva do Procurador-Geral da República à iniciativa da ação direta de inconstitucionalidade. Em outras palavras, segundo o acórdão do STF, naquela época somente o Procurador-Geral da República possuía legitimação ativa para promover a ação direta de inconstitucionalidade em abstrato. Com a Constituição Federal de 1988 muitas inovações foram introduzidas, não apenas no sistema de controle da constitucionalidade, mas na previsão e garantia dos direitos (individuais e coletivos) por meio de normas constitucionais programáticas. Com a nova Constituição, não apenas o Procurador-Geral da República possui legitimidade para interpor a Adin, nos termos do artigo 103, mas também acham-se legitimados o presidente da República, a Mesa do Senado Federal, a Mesa da Câmara dos Deputados, a Mesa da Assembleia Legislativa ou Câmara Legislativa do Distrito Federal, o governador do Estado ou do Distrito Federal, o Conselho da Ordem dos Advogados do Brasil, partido político com representação no Congresso Nacional e confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional. Observe: Art Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) I o Presidente da República; II a Mesa do Senado Federal; III a Mesa da Câmara dos Deputados; IV a Mesa de Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) V o Governador de Estado ou do Distrito Federal (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) VI o Procurador-Geral da República; VII o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; VIII partido político com representação no Congresso Nacional; 21

22 Elenise Felzke Schonardie IX confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional. 1º O Procurador-Geral da República deverá ser previamente ouvido nas ações de inconstitucionalidade e em todos os processos de competência do Supremo Tribunal Federal. 2º Declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma constitucional, será dada ciência ao Poder competente para a adoção das providências necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em trinta dias. 3º Quando o Supremo Tribunal Federal apreciar a inconstitucionalidade, em tese, de norma legal ou ato normativo, citará, previamente, o Advogado-Geral da União, que defenderá o ato ou texto impugnado (Brasil, 2013). Destaca-se, ainda, o fato de o texto constitucional de 1988 ter criado, também, a ação direta de inconstitucionalidade por omissão. A omissão refere-se a não ação do legislador na criação ou demora na criação de medida para tornar efetiva a norma constitucional. Isso porque o silêncio (omissão) do legislador em relação às normas constitucionais programáticas poderia desencadear diversos problemas em relação aos direitos sociais consagrados pelo texto constitucional. No início da seção mencionamos que, atualmente, o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade abarca duas modalidades: o controle por via de exceção (indireto) e o controle por via de ação (direto). Na seção que segue analisa-se, especificamente, o sistema de controle concentrado de constitucionalidade. Seção 2.2 Do Controle Concentrado da Constitucionalidade O controle concentrado de constitucionalidade, também denominado de controle em abstrato ou direto de constitucionalidade, ou via principal ou de ação, é um processo de natureza objetiva, no qual é questionada a constitucionalidade ou não de uma lei. Nesse processo não se admitem discussões de interesses meramente individuais. Tem como principal objetivo ejetar do ordenamento jurídico a lei ou o ato normativo contrários à CF, bem como declarar a omissão inconstitucional. 22

23 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Pela via jurisdicional do controle concentrado de constitucionalidade busca-se obter a declaração de inconstitucionalidade da lei ou do ato normativo em tese, não dependendo da existência de um caso concreto, tendendo obter a invalidação da lei, a fim de garantir-se a segurança das relações jurídicas, que não podem ser sustentadas por normas que violem a Constituição, ou seja, por normas inconstitucionais. Essa modalidade de controle de constitucionalidade, regulamentada no ordenamento jurídico brasileiro por meio da lei n /99, apresenta as seguintes características: a ação deve ser proposta diretamente perante o STF; o objeto da ação é a própria declaração da constitucionalidade ou inconstitucionalidade do ato legislativo ou normativo; a decisão produz efeito erga omnes (valendo para todos, produzindo coisa julgada, também, para as pessoas e órgãos que não participaram da ação); quanto à titularidade a ação somente pode ser proposta pelas pessoas mencionadas no artigo 103 da CF; no caso de declarada a inconstitucionalidade, a lei torna-se imediatamente inaplicável. Apesar da decisão dessa ação ter efeito erga omnes, vinculante e ex tunc, nos termos do artigo 102, 2º da CF, todos os atos processuais e decisões definitivas de mérito, antes da decisão do STF acerca da inconstitucionalidade da lei, não serão desfeitos. Isso porque o STF anulará a lei e não os atos individuais e coisas julgadas. Todo indivíduo que se sentir prejudicado, no entanto, poderá propor ação anulatória ou desconstitutiva ou rescisória, conforme o caso. Os efeitos dessa ação encontram-se modulados no artigo 27 da Lei nº 9.868/99. Um detalhe importante é que a competência originária do STF dá-se quando os parâmetros forem as leis federais e as Constituições Estaduais CE perante a CF, e quando os parâmetros forem as leis locais perante a CE a competência para a ação será do TJ. No Direito Constitucional brasileiro o Controle Concentrado de Constitucionalidade pode ser realizado por uma das cinco modalidades de ações previstas na CF, as quais são: 1) Ação Direta de Inconstitucionalidade; 2) Ação Declaratória de Constitucionalidade; 3) Ação de Inconstitucionalidade por Omissão; 4) Representação Interventiva e 5) Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental. 1) Ação Direta de Inconstitucionalidade ADI ou Adin (genérica): artigo 102, inciso I, alínea a, CF, e normatizada pela Lei nº 9.868/99. Artigo 95, inciso XII, alínea d, da CE do RGS. Súmulas STF: 360 e 642: Esta modalidade de ação visa à declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual ante a CF. A competência para a ação é originária do STF e o procedimento a ser observado encontra-se previsto na lei n /99. A Suprema Corte não torna a norma 23

24 Elenise Felzke Schonardie inconstitucional, apenas declara uma inconstitucionalidade que já existia. Essa decisão, sobre invalidade da lei ou ato normativo, é sempre desconstitutiva. Isso porque a incompatibilidade com a Constituição é o defeito, e o juízo de inconstitucionalidade, a sanção. E nessa modalidade de controle de constitucionalidade decreta-se a nulidade da lei ou do ato normativo. No caso de controle de constitucionalidade de leis municipais, por meio da arguição de inconstitucionalidade, em sede de Adi ou Adin, diante da CE, a competência originária será do Tribunal de Justiça de cada Estado, não cabendo exame de inconstitucionalidade de Lei Municipal, por meio da Adin, diante da Constituição Federal. Em síntese pode-se apontar como características da lei e ato normativo para Adi ou Adin: abstração, generalidade e impessoalidade. Quatro 1 Sinopse da legitimidade para a propositura da Adin artigo 103 do CF. Legitimados (Podem impugnar qualquer matéria, independentemente de comprovação de interesse) Legitimados Especiais (somente podem impugnar matéria em relação a qual comprovem interesse) Presidente da República Procurador Geral da República Mesa do Senado Federal e da Câmara Conselho Federal da OAB Partido político com representação no Congresso Nacional Governador do Estado e do Distrito Federal Mesa da Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do DF Confederação Sindical ou entidade de classe de âmbito nacional Fonte: Elaboração da autora. Observações gerais: a) A EC nº 45, de 31/12/2004 deu nova redação ao artigo 102, 2º da CF, determinando efeito vinculante para as decisões definitivas de mérito, proferidas pelo STF, também em sede de Adin, alterando, assim, a interpretação dada pelo STF ao parágrafo único do artigo 28 da Lei 9.868/99. b) O Procurador-Geral da República, nos termos do artigo 103, 1º, da CF, deverá ser previamente ouvido em todas as ações de inconstitucionalidade e em todos os processos de competência do STF, tendo assim um papel muito relevante na via concentrada, pois, além de poder propor tais ações, deve sua opinião ser ouvida antes da tomada de decisão pelo Supremo. 24

25 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais c) Alguns processualistas constitucionais referem que a ação direta interventiva é uma modalidade especial de ação concentrada e, possui dupla finalidade, na medida em que pretende a declaração de inconstitucionalidade formal ou material da lei ou ato normativo estadual (finalidade jurídica) e a decretação de intervenção federal no Estado-membro ou DF (finalidade política), constituindo-se, pois, um controle direto, para fins concretos [...] nas hipóteses do artigo 34, V e VII da CF. d)se o STF ao julgar a ação, efetivamente, declara a norma parcialmente inconstitucional, asseverando a inconstitucionalidade em determinadas hipóteses de aplicação, consegue-se a manutenção da norma no ordenamento jurídico. e) A Adin é uma ação constitutiva negativa, pois seu intento é extinguir (desconstituir, aplicar a sanção da invalidade) situação jurídica existente de validade (presumida) do ato normativo (Barroso, 2004). 2) Ação Declaratória de Constitucionalidade ADC ou Adecon: artigo 102, inciso I, alínea a, segunda parte, da CF e normatizada pela Lei 9.868/99: A ação declaratória de constitucionalidade foi introduzida pela EC nº 3 de 1993, a qual tem por objetivo a declaração de constitucionalidade de uma lei ou ato normativo federal. A finalidade dessa ação era dar ao governo a oportunidade de obter uma rápida decisão judicial definitiva do STF, que produzisse efeitos erga omnes, no intuito de evitar decisões contrárias em instâncias inferiores e o não cumprimento da medida legislativa adotada. O interessado (legitimado) apenas comparece perante o STF para solicitar que este declare a constitucionalidade da lei. Somente poderá ser objeto de ADC a lei ou ato normativo federal. Não cabe essa modalidade de ação para a declaração de constitucionalidade de lei ou ato normativo estadual em virtude de falta de previsão legal. Os pressupostos para seu ajuizamento são, por ocasião da petição inicial, a demonstração de existência de séria divergência jurisprudencial que coloque em risco a presunção de constitucionalidade do ato normativo sob exame, a fim de permitir ao STF o conhecimento das alegações em favor e contra a constitucionalidade, bem como o modo pelo qual estão sendo decididas as causas que envolvem a matéria. Quanto à legitimidade para a propositura da ADC, observa-se o disposto no artigo 103 da CF. O artigo 13 da lei n /99, contudo, que regulamenta o dispositivo constitucional, restringe o rol do artigo 103, na medida em que determina que podem propor a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal: I o Presidente da República; II a Mesa da Câmara dos Deputados; III a Mesa do Senado Federal e IV o Procurador-Geral da República. 25

26 Elenise Felzke Schonardie Observações gerais: a) Por ocasião da propositura da ação a comprovação da controvérsia exige prova de divergência judicial, e não somente de entendimentos doutrinários diversos (ADC 8-MC, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em , DJ de ). b) Em sede de ADC, o provimento cautelar deferido pelo STF, produz efeitos erga omnes e reveste de efeito vinculante em relação ao poder Executivo, nos termos do 2º, do artigo 102, da CF. c) O procedimento a ser observado por ocasião da propositura e julgamento da ação encontra-se disciplinado nos artigos 13 a 21 da lei n /99. d) Como a própria denominação indica, trata-se de uma ação meramente declaratória, visto que tem por objetivo, simplesmente, a certificação da existência de situação jurídica de legitimidade (presumida) do ato normativo. 3) Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão AdinO: artigo 103, 2º, da CF, regulamentada pela lei n /99, com as alterações introduzidas pela lei n /09 que criou o Capítulo II-A. Nos termos do artigo 103, 2º, da CF, declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma constitucional, será dado ciência ao poder competente para a adoção das providências necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em trinta dias. O objeto da ação é suprir a omissão dos poderes constituídos, que deixaram de elaborar a norma reguladora que possibilita o exercício de um direito previsto na CF. Ou seja, essa ação é supridora de omissão quando a responsabilidade pela edição da norma faltante prevista ou pela adoção das necessárias providências for, respectivamente, do legislador ou do administrador. Seu papel é debelar a omissão por parte dos poderes competentes que atentem contra a CF. A omissão pode ser total, quando há falta da norma regulamentadora que possibilite o exercício do direito, ou parcial, quando não permitir o integral cumprimento do direito previsto na CF. Quando ao objeto da ação, pode-se afirmar que o mesmo é o vício omissivo. Na decisão judicial, no caso de inconstitucionalidade por omissão, o STF dará ciência ao poder competente para que sejam tomadas as medidas necessárias à cessação da omissão. Tratando-se de omissão administrativa, o órgão competente será cientificado para providenciar a norma regulamentadora faltante no prazo de 30 dias. 26

27 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Nos casos de omissão legislativa, o Congresso Nacional será comunicado da mora, sem, contudo, a estipulação de qualquer prazo para a elaboração da norma infraconstitucional, indispensável para o exercício do direito previsto na CF, porém não autoaplicável. Quando se tratar de omissão meramente administrativa, a decisão proferida na ação de inconstitucionalidade por omissão só possui caráter mandamental. Nesta hipótese o órgão responsável deverá providenciar a edição da norma faltante, no prazo máximo de 30 dias, sob pena de incidência na prática do crime de desobediência, previsto no artigo 330 do CP. Tratando-se, entretanto, de inércia total ou de atuação normativa deficiente de qualquer um dos poderes constituídos, Executivo, Legislativo ou Judiciário, o STF não pode se substituir ao órgão estatal lento, providenciando, por si só, a edição do provimento normativo que falta. Nesta hipótese, a decisão da Suprema Corte tem caráter de mera admoestação, isto é, de comunicação do não cumprimento do preceito constitucional. Quanto à legitimidade para a propositura da Adin por Omissão, observa-se, também, o disposto no artigo 103, da CF, regulamentada pelo artigo 12-A da lei n /99. Observações gerais: a) Fixação de parâmetro temporal razoável para cumprimento do disposto no artigo 18, 4º, da CF (ADI 3.682, julgada em , na qual o STF declarou a omissão legislativa no cumprimento do disposto do artigo 18, 4º, da CF e, estabeleceu o prazo de 18 meses para a elaboração da lei faltante, acolhendo o voto do ministro Gilmar Mendes). b Quanto à legitimação para a propositura da ação, ressalte-se que a afirmação segundo a qual os órgãos e entes legitimados para propor a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, nos termos do artigo 103, caput, da CF, estariam igualmente legitimados a propor a ação direta de inconstitucionalidade por omissão, prepara algumas dificuldades. Devese notar que, naquele elenco, dispõem de direito de iniciativa legislativa, no plano federal, tanto o presidente da República como os integrantes da Mesa do Senado Federal e da Mesa da Câmara dos Deputados (CF, artigo 61). Assim, salvo nos casos de iniciativa privativa de órgãos de outros poderes, como é o caso do Supremo Tribunal Federal em relação ao Estatuto da Magistratura (artigo 93, caput, CF/88), esses órgãos constitucionais não poderiam propor ação de inconstitucionalidade, porque, como responsáveis ou corresponsáveis pelo eventual estado de inconstitucionalidade, seriam eles os destinatários primeiros da ordem judicial de fazer, em caso de procedência da ação; todavia, diante da indefinição existente, será inevitável, com base no mesmo princípio de hermenêutica que recomenda a adoção da interpretação que assegure maior eficácia possível à norma constitucional, que os entes ou órgãos legitimados a propor a ação direta contra ato normativo desde que sejam contempladas as peculiaridades e restrições mencionadas possam instaurar o controle abstrato da omissão. Não há como 27

28 Elenise Felzke Schonardie deixar de reconhecer, portanto, a legitimidade ativa da Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso para propor a presente ação direta de inconstitucionalidade por omissão (ADI 3.682, voto do ministro Gilmar Mendes, julgamento em , DJ de ). c) Segundo a jurisprudência do STF, não é possível a conversão da ação direta de inconstitucionalidade, por violação positiva da Constituição, em ação de inconstitucionalidade por omissão (violação negativa da Constituição). A jurisprudência da Suprema Corte, fundada nas múltiplas distinções que se registram entre o controle abstrato por ação e a fiscalização concentrada por omissão, firmou-se no sentido de não considerar admissível a possibilidade de conversão da ação direta de inconstitucionalidade, por violação positiva da Constituição, em ação de inconstitucionalidade por omissão, decorrente da violação negativa do texto constitucional (ADI MC, Rel. ministro Celso de Mello, julgamento em , DJ de ). 4) Ação de Representação Interventiva ADI Interventiva: artigos 129, inciso IV; 34 e 36, inciso III, da CF A ADI Interventiva tem por objetivo o restabelecimento da ordem constitucional no Estado ou no município. Existem duas modalidades de ADI Interventiva: a federal e a estadual. Nos termos dos artigos 34, 36, inciso III, e 129 da CF, a ação interventiva federal busca promover a intervenção da União nos Estados, enquanto que a estadual, a intervenção dos Estados nos municípios. Dessa forma, a intervenção federal é competência originária do STF e a estadual, dos Tribunais de Justiça. Há que se levar em consideração que a finalidade dessa ação é política. E que a intervenção da União nos Estados e destes nos municípios é medida excepcional, como o próprio caput do artigo 34 da CF expressamente refere. REPRESENTAÇÃO No caso de ofensa aos PGR STF INTERVENTIVA princípios sensíveis (ADIn interventiva) No caso de descumprimento PGR STF de lei federal (Ação de executoriedade de lei federal) No âmbito estadual, para o fim PGJ TJ Intervenção em município 28

29 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Observações gerais a) As representações devem ser promovidas pelo PGR, nos casos de intervenção federal e, pelo PGJ, nos casos de intervenção estadual. b) Segundo jurisprudência do STF: O instituto da intervenção federal, consagrado por todas as Constituições republicanas, representa um elemento fundamental na própria formulação da doutrina do federalismo, que dele não pode prescindir inobstante a excepcionalidade de sua aplicação, para efeito de preservação da intangibilidade do vínculo federativo, da unidade do Estado Federal e da integridade territorial das unidades federadas. A invasão territorial de um Estado por outro constitui um dos pressupostos de admissibilidade da intervenção federal. O presidente da República, nesse particular contexto, ao lançar mão da extraordinária prerrogativa que lhe defere a ordem constitucional, age mediante estrita avaliação discricionária da situação que se lhe apresenta, que se submete ao seu exclusivo juízo político, e que se revela, por isso mesmo, insuscetível de subordinação à vontade do poder Judiciário, ou de qualquer outra instituição estatal. Inexistindo, desse modo, direito do Estado impetrante à decretação, pelo chefe do poder Executivo da União, de intervenção federal, não se pode inferir, da abstenção presidencial quanto à concretização dessa medida, qualquer situação de lesão jurídica passível de correção pela via do mandado de segurança (MS , Rel. ministro Celso de Mello, julgamento em , DJ de ). c) RI federal no caso de impossibilidade do Estado-membro assegurar direito fundamental: Representação do Procurador-Geral da República pleiteando intervenção federal no Estado de Mato Grosso, para assegurar a observância dos direitos da pessoa humana, em face de fato criminoso praticado com extrema crueldade a indicar a inexistência de condição mínima, no Estado, para assegurar o respeito ao primordial direito da pessoa humana, que é o direito à vida. (...) Representação que merece conhecida, por seu fundamento: alegação de inobservância pelo Estado-membro do princípio constitucional sensível previsto no art. 34, VII, alínea b, da Constituição de 1988, quanto aos direitos da pessoa humana. (...) Hipótese em que estão em causa direitos da pessoa humana, em sua compreensão mais ampla, revelando-se impotentes as autoridades policiais locais para manter a segurança de três presos que acabaram subtraídos de sua proteção, por populares revoltados pelo crime que lhes era imputado, sendo mortos com requintes de crueldade. Intervenção federal e restrição à autonomia do Estado-membro. Princípio federativo. Excepcionalidade da medida interventiva. Autonomia do Estado-membro na organização dos serviços de Justiça e segurança, de sua competência (Constituição, artigos 25, 1º; 125 e 144, 4º) (IF 114, Rel. ministro Néri da Silveira, julgamento em , DJ de ). 29

30 Elenise Felzke Schonardie 5) Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental ADPF: (Artigo 102, 1º, CF e normatizada pela Lei 9.882/99 Esse instituto jurídico foi introduzido no ordenamento jurídico brasileiro pela CF de Originalmente essa ação constitucional tinha sua previsão no parágrafo único do artigo 102 da CF, mas, em razão da EC 3/93, que eliminou o parágrafo único do referido artigo e introduziu dois novos parágrafos ao mesmo, sua previsão legal passou a constar no 1º, com a seguinte redação: A arguição de descumprimento de preceito fundamental, decorrente desta Constituição, será apreciada pelo Supremo Tribunal Federal, na forma da lei. Essa ação tem caráter subsidiário, na medida em que somente será admitida quando não houver outro meio eficaz de sanar a lesividade, conforme previsão do 1º, do artigo 4º da lei n /99. Em regra, a ADPF será proposta quando não for cabível a ADI, ADC, AP, AR, RO, RI ou qualquer outra medida judicial capaz de sanar, eficazmente, a situação de lesividade, conforme jurisprudência do STF. Essa ação pode ser proposta para fins de a) evitar ou reparar lesão a preceito fundamental decorrente de ato ou omissão do poder público; b) quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional acerca de lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, inclusive aos anteriores à CF de Há uma grande discussão sobre o que sejam os preceitos fundamentais, em que parte respeitável da doutrina entende, em apertada síntese, que se manifestam nos princípios fundamentais da CF (Artigos 1º ao 4º), os princípios constitucionais sensíveis (artigo 34, VII), os que compõem as cláusulas pétreas (artigo 60, 4º), e outros de mesma natureza, cuja violação possa comprometer a ordem e o sistema constitucional. Observações gerais a) A legitimidade ativa para a ação é a do rol do artigo 103 da CF. b) A decisão proferida em sede de ADPF possui eficácia erga omnes e efeito vinculante em relação ao poder público. c) Recentemente foi objeto de ADPF a lei federal que institui o sistema de cotas raciais para as universidades públicas federais ADPF nº 186/DF. d) Outra questão, muitas vezes controversa, é a definição do que compreende os chamados preceitos fundamentais. Nesse sentido é a jurisprudência do STF: Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental ADPF. Medida Cautelar. Ato regulamentar. Autarquia estadual. Instituto de Desenvolvimento Econômico-Social do Pará-Idesp. Remuneração de pessoal. Vinculação do quadro de salários ao salário mínimo. Norma não recepcionada pela Constituição de Afronta ao princípio federativo e ao direito social fundamental ao salário 30

31 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais mínimo digno (artigos 7º, inciso IV, 1º e 18 da Constituição). Medida liminar para impedir o comprometimento da ordem jurídica e das finanças do Estado. Preceito fundamental: parâmetro de controle a indicar os preceitos fundamentais passíveis de lesão que justifiquem o processo e o julgamento da argüição de descumprimento. Direitos e garantias individuais, cláusulas pétreas, princípios sensíveis: sua interpretação, vinculação com outros princípios e garantia de eternidade. Densidade normativa ou significado específico dos princípios fundamentais. Direito pré-constitucional. Cláusulas de recepção da Constituição. Derrogação do direito pré-constitucional em virtude de colisão entre este e a Constituição superveniente. Direito comparado: desenvolvimento da jurisdição constitucional e tratamento diferenciado em cada sistema jurídico. A Lei n , de 1999, e a extensão do controle direto de normas ao direito pré-constitucional. Cláusula da subsidiariedade ou do exaurimento das instâncias. Inexistência de outro meio eficaz para sanar lesão a preceito fundamental de forma ampla, geral e imediata. Caráter objetivo do instituto a revelar como meio eficaz aquele apto a solver a controvérsia constitucional relevante. Compreensão do princípio no contexto da ordem constitucional global. Atenuação do significado literal do princípio da subsidiariedade quando o prosseguimento de ações nas vias ordinárias não se mostra apto para afastar a lesão a preceito fundamental. (ADPF 33-MC, Rel. ministro Gilmar Mendes, julgamento em , DJ de ). e) É difícil indicar, a priori, os preceitos fundamentais da Constituição passíveis de lesão tão grave que justifique o processo e julgamento da arguição de descumprimento. Não resta dúvida, no entanto, de que alguns desses preceitos estão enunciados, de forma explícita, no texto constitucional, como no caso dos direitos e garantias individuais (artigo 5º, dentre outros). Da mesma forma, não se poderá deixar de atribuir essa qualificação aos demais princípios protegidos pela cláusula pétrea do artigo 60, 4º, da CF. f) O STF tem entendido, em sede de jurisprudência: Argüição de descumprimento de preceito fundamental: distinção da ação direta de inconstitucionalidade e da ação declaratória de constitucionalidade. O objeto da argüição de descumprimento de preceito fundamental há de ser ato do Poder Público federal, estadual, distrital ou municipal, normativo ou não, sendo, também, cabível a medida judicial quando for relevante o fundamento da controvérsia sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, incluídos os anteriores à Constituição (ADPF 1-QO, Rel. ministro Néri da Silveira, julgamento em , DJ de ). 31

32 Elenise Felzke Schonardie Seção 2.3 Da Intervenção do Amicus Curiae Amicus Curiae é expressão latina que tem por significado literal amigo da corte. Representa aquele que pode prestar informações à corte quando algum de seus juízes tem dúvidas ou comete equívocos em questões legais. A intervenção do amicus curiae é garantia nas ações de controle concentrado de constitucionalidade, por meio do 2º, do artigo 7º, da Lei n /99: [...] 2º O relator, considerando a relevância da matéria e a representatividade dos postulantes, poderá, por despacho irrecorrível, admitir, observado o prazo fixado no parágrafo anterior, a manifestação de outros órgãos ou entidades. [...] (Brasil, 2013). Essa intervenção tem por objetivo pluralizar o debate constitucional, permitindo que o STF venha dispor de todos os elementos informativos necessários e possíveis à resolução da controvérsia, buscando superar a grave questão pertinente à legitimidade democrática das decisões emanadas da Suprema Corte por ocasião do exercício de seu poder do controle concentrado de constitucionalidade. Segundo o STF, mediante a participação do amicus curiae, o tribunal conta com os benefícios decorrentes dos subsídios técnicos, elementos de repercussão econômica que possam ser apresentados e implicações político-jurídicas, dando caráter pluralista e aberto, fundamental para o reconhecimento de direitos e a realização de garantias constitucionais, extremamente importantes ao Estado Democrático de Direito. Em outras palavras, o amicus curiae promove democrática abertura ao rol de intérpretes da Constituição nos processos de controle de constitucionalidade. A presença dessa figura nas ações de controle de constitucionalidade, encontra-se condicionada à discricionária vontade do relator e sua vontade é irrecorrível, no entanto faz-se necessário haver a relevância da matéria e a representatividade dos postulantes a amicus curiae. Quanto às formas de manifestação do amicus curiae, inicialmente, era admitida apenas de forma escrita, sendo-lhe vedada a sustentação oral. Por ocasião do julgamento da Adin 2.675/PE e da Adin 2.777/SP, no entanto, o STF passou a admitir a manifestação oral do amicus curiae. Essa permissão ensejou a Emenda Regimental nº 15/2004, que modificou o RISTF e a possibilidade de manifestação oral do amicus curiae encontra-se expressa no 3º do artigo 131 do RISTF. 32

33 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Quadro 2 Sinopse das ações concentradas de constitucionalidade AÇÃO ADI 102,I, a ; Lei 9868/99 ADC 102, I, a ; Lei 9868/99 ADI por Omissão 103, 2º ADI INTERVEN- TIVA 34, VII e 36, III ADPF 102, 1º Lei 9882/99 Objeto da ação Pedido Finalidade Defesa da integridade e preservação da CF, no que se refere aos preceitos fundamentais. Exigência de comprovação de controvérsia É a declaração de inconstitucionalidade da lei ou ato normativo federal ou estadual. Expelir do sistema jurídico lei ou ato inconstitucional É a declaração de constitucionalidade da lei ou ato normativo federal. Há que se ter comprovada a controvérsia judicial. Afastar a insegurança jurídica ou estado de incerteza sobre a validade da lei. Transforma presunção relativa da constitucionalidade em presunção absoluta. Objetivo: transferir ao STF a decisão sobre a constitucionalidade de um dispositivo legal que esteja ensejando o controle difuso. É a declaração de inconstitucionalidade omissiva do poder público (legislador ou administrador). Inconstitucionalida-de. Constitucionalidade Inconstitucionalidade Omissiva (vício omissivo). Garantir a plena eficácia da norma constitucional. Reprimir a omissão por parte dos poderes competentes que atentem contra a CF. Declara a omissão, o STF dará ciência ao órgão competente para tomar as medidas necessárias para cessar a omissão. Se for a AP, esta deverá supri-la em 30 dias. É a declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo contrário aos princípios sensíveis e consequente intervenção federal. Inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estadual. Jurídica: declaração de inconstitucionalidade; Política: Intervenção federal. É a declaração do descumprimento de preceito fundamental. Constitucionalidade ou Inconstitucionalidade: Ofensa a preceito fundamental, que nos termos legais se exterioriza por evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante do ato do poder público e quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, incluídos os anteriores à CF/88. NÃO SIM NÃO NÃO SIM para ADPF ajuizada com base no artigo 1º, parágrafo único, I, da Lei 9.882/99 (ADPF incidental) NÃO para ADPF ajuizada com base no caput do artigo 1º da Lei 9.882/99 (arguição autônoma) Fonte: Baseado em Paulo; Alexandrino,

34 Elenise Felzke Schonardie Síntese da Unidade 2 Nesta Unidade estudamos o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade das leis. No sistema de controle concentrado analisamos as modalidades de ações: ADIN; ADC; Adino; ADI Interventiva e ADPF; bem como a possibilidade de intervenção da figura do amicus curiae, introduzido pela CF de 1988 nas ações de controle de constitucionalidade. 34

35 Unidade 3 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais A PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DO HOMEM OBJETIVO DESTA UNIDADE Compreender as características e historicidade dos direitos fundamentais e sua distinção em relação às garantias fundamentais. A SEÇÃO DESTA UNIDADE Seção 3.1 Dos Direitos e Garantias Fundamentais Seção 3.1 Dos Direitos e Garantias Fundamentais Os direitos fundamentais do homem são considerados indispensáveis à pessoa humana, na medida em que são necessários para assegurar a todos os indivíduos (sejam eles homens ou mulheres, crianças ou idosos, portadores de necessidades especiais ou não, etc.) uma existência digna, em que a liberdade e a igualdade entre os indivíduos devem ser respeitadas. Esses direitos, ditos fundamentais, também são reconhecidos como garantias e informam a ideologia política de cada ordenamento jurídico. 1 No patamar do Direito Positivo, os direitos e garantias fundamentais do homem tratam de situações jurídicas sem as quais a pessoa humana não se realiza, nem mesmo sobrevive, e esses direitos não devem ser reconhecidos apenas em âmbito formal, faz-se necessário concretizá-los, incorporá-los, no dia a dia dos cidadãos. 1 Disponível em: <http://lucileyma.blogspot.com.br/2011/04/direitos-fundamentais-assedio-moral-no.html>. Acesso em: 14 abr

36 Elenise Felzke Schonardie Podem ser entendidos como uma limitação imposta pela soberania popular aos poderes constituídos do Estado que dela dependem. A República Federativa do Brasil constitui-se em um Estado Democrático de Direito e possui dentre os seus fundamentos, nos termos do artigo 1º e incisos da CF, a cidadania e a dignidade da pessoa humana. Isso significa que o princípio do Estado Democrático de Direito e os direitos fundamentais encontram-se na CF e estes são elementos básicos para a realização daquele. A Constituição confere uma unidade de sentido, de valor e de concordância prática ao sistema dos direitos fundamentais. E ela repousa na dignidade da pessoa humana, ou seja, na concepção que faz a pessoa fundamento e fim da sociedade e do Estado (Miranda apud Piovesan, 2000, p. 53). A CF de 1988 dedica o seu Título II aos direitos e garantias fundamentais. Este título é dividido em cinco capítulos: I Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos; II Dos Direitos Sociais; III Da Nacionalidade; IV Dos Direitos Políticos e V Dos Partidos Políticos. Dessa forma nossa Constituição, sob a denominação de direitos e garantias fundamentais, abrange os direitos individuais, os coletivos, os sociais, os nacionais e os políticos. Há que se observar ainda que a CF está vinculada à Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, à Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 e ratificada pelo Brasil em 1948 e também à Convenção Americana de Direitos do Homem de 1969 e ratificada pelo Brasil apenas em 1992, por exemplo. Embora a ideia de que os seres humanos tenham direitos e liberdades fundamentais, que lhes são inerentes, e há muito tempo tenha surgido o pensamento humano, a concepção de que os direitos constituem objeto próprio de regulação internacional, por sua vez, é bastante recente. Isto porque, muitos dos direitos que hoje constam do Direito Internacional dos Direitos Humanos, emergiram apenas em 1945 [...] (Piovesan 2000, p. 32). Outro aspecto que merece destaque é o de que a CF de 1988 trouxe inúmeras inovações, dentre as quais destacam-se: a) impôs deveres ao lado de direitos individuais e coletivos; b) foi a primeira Carta Maior a fixar os direitos fundamentais antes da organização do próprio Estado, e c) tutelou novas formas de interesses, denominados coletivos e difusos. Quanto aos direitos fundamentais pode-se afirmar que possuem como principais características: 1) a historicidade; 2) a inalienabilidade; 3) a imprescritibilidade; 4) a irrenunciabilidade; 5) a universalidade e 6) a limitabilidade. Os direitos fundamentais, apesar de sua importância para o Estado Democrático de Direito, não são absolutos. A própria inevitabilidade de assegurar aos outros o exercício desses direitos revela a sua limitação. 36

37 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais A Constituição, ao referir-se no seu Título II Dos Direitos e Garantias Fundamentais, mostra que há distinção entre esses. Por direitos entende-se aquelas normas de cunho material, substancial e consistem nas disposições declaratórias que imprimem existência legal aos direitos reconhecidos. As garantias, por seu turno, consistem naquelas disposições instrumentais, processuais, que servem para defender os direitos. Analisando de forma alinhada, pode-se dizer que os direitos seriam as normas principais em relação às garantias, que seriam as normas acessórias. Nesse sentido, [...] os direitos fundamentais propriamente ditos referem-se diretamente aos indivíduos, integrando sua esfera jurídica, fazendo parte de seu patrimônio jurídico. A razão de ser de um direito reside no indivíduo. O direito é declarado, em atenção à pessoa. As garantias, diferentemente, reportam-se aos direitos; só indiretamente elas concernem à esfera jurídica do indivíduo, exatamente na medida em que atuam como instrumentos assecuratórios de seus direitos (grifos dos autores). Em nosso ordenamento constitucional temos tanto remédios judiciais, que são maioria (habeas corpus, mandado de segurança, habeas data, mandado de injunção, ação popular), quanto remédios administrativos (direito de petição e direito de certidão). Alguns remédios são de índole individual (como o mandado de segurança individual) e outros são de índole coletiva (como o mandado de segurança coletivo e a ação popular) (Paulo; Alexandrino, 2005, p. 4). Ao que se refere à natureza desses direitos, são situações jurídicas, objetivas e subjetivas, definidas no Direito Positivo, a favor da dignidade, da igualdade e da liberdade da pessoa humana. Quanto à eficácia e aplicabilidade das normas constitucionais que contêm os direitos fundamentais, dependem de seu enunciado, pois trata-se de tema que está em função do Direito Positivo. A CF de 1988, no entanto, é expressa quanto àquelas (eficácia e aplicabilidade), quando estatui que as normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata ( 1º, do artigo 5º). Algumas normas constitucionais fundamentais têm aplicação plena, de forma que devem ser executadas de plano. Outras, porém, têm eficácia contida ou limitada, de forma que vão depender da criação da legislação infraconstitucional. Enquanto não surgir essa norma, o dispositivo constitucional não será autoaplicável. Quanto ao rol dos direitos individuais básicos do cidadão, expresso no artigo 5º da CF, este não é taxativo, pois existem outras normas previstas na própria Constituição, contendo direitos e garantias, como é o caso do caput do artigo 225 e artigo 150 da CF (o direito de viver em um meio ecologicamente equilibrado e as garantias de ordem tributária, respectivamente). 37

38 Elenise Felzke Schonardie Expressamente previstos no caput do artigo 5º da CF, são cinco os direitos individuais básicos do cidadão: o direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e a propriedade. Os demais direitos fundamentais reconhecidos ao longo dos incisos do referido artigo 5º são decorrências desses direitos básicos. Síntese da Unidade 3 Nesta Unidade estudamos sucintamente os direitos e garantias fundamentais previstos na CF em vigor e a distinção doutrinária entre direitos e garantias, bem como a forma de organização do Título II da CF que trata dos direitos e garantias fundamentais. 38

39 Unidade 4 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais OS PROCEDIMENTOS CONSTITUCIONAIS EM ESPÉCIES OBJETIVO DESTA UNIDADE Compreender as modalidades e as principais características dos chamados remédios constitucionais ações para a proteção dos direitos e garantias fundamentais do cidadão em âmbito individual e/ou coletivo. AS SEÇÕES DESTA UNIDADE Seção 4.1 Ação Civil Pública Seção 4.2 Ação Popular Seção 4.3 Habeas Corpus Seção 4.4 Habeas Data Seção 4.5 Mandado de Segurança (individual e coletivo) Lei nº /09 Seção 4.6 Mandado de Injunção Seção 4.7 Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (Aime) A Constituição de 1988, definida como uma Constituição Cidadã, trouxe diversas inovações referentes às ações constitucionais de tutela de direitos fundamentais. Assim, o texto constitucional faz menção às modalidades de ações que, em tese, visam à tutela dos direitos e garantias fundamentais. São as chamadas ações constitucionais que buscam dar efetividade aos princípios fundamentais do Estado Democrático de Direito, aos direitos e garantias definidos na CF. Para fins específicos deste material, optou-se por uma resumida análise de cada uma das modalidades de ações introduzidas pela CF em vigor, as quais são: Ação Civil Pública, Ação Popular, Habeas Corpus, Habeas Data, Mandado de Segurança (individual e coletivo), Mandado de Injunção e Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (Aime). 39

40 Elenise Felzke Schonardie Seção 4.1 Ação Civil Pública Esta ação encontra seu embasamento legal na Lei nº 7.347/85 e foi incluída pela CF de 1988, de forma não privativa, entre as atribuições do Ministério Público. Tem por finalidade reger as ações de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor e a bens e direitos de valor artístico, histórico, turístico e paisagístico. Em termos constitucionais, no que se refere à ação civil pública, esta encontra-se amparada na Constituição atual, no artigo 129, inciso III, e prevê, como uma das funções institucionais do Ministério Público, promover a ação civil pública para a proteção do meio ambiente, do patrimônio público e social e de outros interesses difusos ou coletivos (do consumidor), sem, é claro, prejuízo da legitimação de terceiros. Na Ação Civil Pública o Ministério Público tem a legitimação extraordinária como substituto processual do exercício do direito de agir, na medida em que o sujeito que teve o bem lesado, a coletividade, não é autor da demanda. Em outros termos, o Ministério Público tem legitimidade ativa ad causam não exclusiva, mas concorrente aos entes estatais e paraestatais, como a Defensoria Pública ou algumas associações, desde que observadas as exigências legais do artigo 5º da Lei n /85. Se a demanda, porém, for ajuizada por associações ou outros entes legitimados, o Ministério Público age como fiscal da lei. Esta ação tutela dois tipos de direitos materialmente coletivos, os quais são: a) essencialmente coletivos ou difusos; b) coletivos em sentido estrito. A natureza da ação civil pública é de direito atribuído aos órgãos públicos para dar guarida a interesses não individuais, o que exclui por completo a utilização dessa ação para a defesa de interesses próprios/individuais. O objeto imediato da ação civil pública consiste na condenação em dinheiro ou cumprimento de obrigação de fazer ou de não fazer. Hoje é pacífico o entendimento que pode haver acumulação de pedido, ou seja, é possível por meio da ACP acumular pedidos de obrigação de fazer e não fazer com condenação em dinheiro por danos materiais e morais. Já o objeto mediato desta ação é a tutela do direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, do direito do consumidor e dos bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico. Tais direitos são considerados hoje direitos humanos fundamentais. 40

41 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Como preparação a ACP há o inquérito civil. Um procedimento administrativo em que o Ministério Público, por intermédio do promotor de Justiça, recolhe evidências acerca da existência da prática do ato lesivo aos interesses difusos ou coletivos. O inquérito civil, todavia, não é imprescindível à propositura da ACP, pois podem os demais legitimados promoverem a ação, com base em evidências outras que não colhidas por meio desse procedimento administrativo. Seção 4.2 Ação Popular Outro mecanismo que merece destaque, na questão da proteção de direitos ou garantias fundamentais é a ação popular AP. Esta encontra-se expressa no artigo 5º, LXXIII, da Constituição Federal de 1988, que refere: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: [...] LXXIII Qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas e do ônus da sucumbência. [...]. Na Ação Popular, a legitimidade ativa para propositura da ação está prevista no artigo 1º, 3º, da Lei 4.717/65, ou seja, qualquer pessoa do povo que esteja no gozo de seus direitos políticos, e tal dispositivo legal exige que a prova da cidadania seja feita por meio do título eleitoral ou documento que a ele corresponda. Para fins de proteção de direito de natureza difusa, porém, como é o caso da moralidade pública, do meio ambiente e do patrimônio histórico e cultural, tal restrição formal é completamente violadora ao acesso à Justiça, pois estaria restringindo o conceito de cidadão à ideia política, impedindo de modo geral o livre acesso dos brasileiros e dos estrangeiros residentes no país de demandar nas hipóteses cabíveis. Como objeto imediato da AP pode-se destacar que consiste na anulação do ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico e cultural e na condenação dos 41

42 Elenise Felzke Schonardie responsáveis pelo ato, inclusive a inclusão dos destinatários, ao pagamento de perdas e danos ou, alternativa ou cumulativamente, a repor a situação no status quo ante (situação anterior à lesão). E o objeto mediato desta ação constitui-se na proteção do patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, da moralidade administrativa, do meio ambiente, ou do patrimônio histórico e cultural, o que envolve a ideia de conservação, recuperação, preservação do patrimônio público e da moralidade pública, bem como da qualidade ambiental. Quanto aos pressupostos para a AP destacam-se: a) cidadania; b) ilegalidade do ato e c) lesividade do ato. A moralidade administrativa é um dos princípios que orientam a administração pública (artigo 37, caput, CF) e deve ser compreendido como fundamento autônomo para a propositura da AP, independentemente da comprovação de lesão ao erário público ou de ofensa à legalidade estrita, bastando apenas a ofensa aos princípios éticos que devem informar toda ação realizada por pessoa responsável pelo dispêndio de dinheiro público. De acordo com a CF, não existe competência originária em relação à AP. As hipóteses de competência originária previstas na CF para o mandado de segurança MS não se aplicam à AP, em razão da ausência de previsão constitucional. Seção 4.3 Habeas Corpus O habeas corpus é a ação constitucional que tutela a liberdade individual. Pode ser utilizada sempre que alguém estiver sofrendo, ou na iminência de sofrer constrangimento ilegal no seu direito à liberdade. Sua previsão constitucional encontra-se no artigo 5º, inciso LXVIII: Conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder. 1 Esta ação pode ser utilizada tanto em ações criminais como em ações civis, desde que haja constrangimento ilegal quanto ao direito de ir e vir do cidadão. 1 Disponível em: <http://artur-moritz.blogspot.com.br/2010/07/stf-limita-recebimento-de-habeas-corpus.html>. Acesso em: 14 abr

43 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais A CF prevê hipóteses de competência originária dos tribunais superiores, conforme o cargo da autoridade indicada como coatora (pessoa em relação a quem é impetrada a ordem legitimidade passiva) ou paciente (pessoa em favor da qual é impetrada a ordem de habeas corpus). O artigo 102, inciso I, alínea d, da CF, prevê as hipóteses de competência originária do STF no julgamento do habeas corpus: o habeas corpus, sendo paciente qualquer das pessoas referidas nas alíneas anteriores; (...). O artigo 105, inciso I, aliena c, da CF, traz as hipóteses de competência originaria do STJ no julgamento do habeas corpus: [...], quando o coator ou paciente for qualquer das pessoas mencionadas na alínea a, ou quando o coator for tribunal sujeito à sua jurisdição, Ministro de Estado ou Comandante da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica, ressalvada a competência da Justiça Eleitoral [...]. No caso do artigo 108, inciso I, alínea d, da CF, refere-se às hipóteses de competência originária dos TRFs no julgamento do habeas corpus: (...), quando a autoridade coatora for juiz federal. E as Constituições Estaduais também estabelecem casos de competência originária perante os TJs, como é o caso da CE do Rio Grande do Sul, que no seu artigo 95, inciso XII, alínea a expressa: Habeas corpus, quando o coator ou paciente for membro do Poder Legislativo estadual, servidor ou autoridade cujos atos estejam diretamente submetidos à jurisdição do Tribunal de Justiça, quando se tratar de crime sujeito a esta mesma jurisdição em única instância, ou quando houver perigo de se consumar a violência antes que outro Juiz ou Tribunal possa conhecer do pedido (...). Também o CPP, nos artigos 647 a 667, estabelece o procedimento a ser adotado nas ações de habeas corpus. Para a propositura do HC não se exige capacidade postulatória, inclusive o Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil, lei n /94, no artigo 1º, 1º, estabelece que a impetração do habeas corpus não se inclui na atividade privativa de advocacia em qualquer instância ou tribunal. Assim, não há necessidade de instrumento procuratório na ordem impetrada (ver artigo 654, 1º, alínea c, do CPP). O habeas corpus pode ser: a) liberatório ou repressivo, quando concede-se a ordem para fazer cessar o constrangimento à liberdade de locomoção já existente; b) preventivo, quando houver ameaça ao direito de liberdade. Neste caso expede-se um salvo-conduto pela autoridade competente para que o sujeito (paciente) não venha a ter restringido o seu direito de locomoção; 43

44 Elenise Felzke Schonardie e c) de ofício, quando a autoridade competente verificar no curso do processo que alguém está sofrendo ou na iminência de sofrer constrangimento ilegal no seu direito de locomoção, nos termos do artigo 654, 2º, do CPP. Seção 4.4 Habeas Data Segundo o inciso LXXII, do artigo 5º da CF, qualquer cidadão deve ter acesso às informações constantes em seu nome em banco de dados mantido pelo Estado ou por entidades de caráter público. Essa ação constitucional visa a assegurar a tutela do direito à informação e à intimidade, bem como o direito de retificação desses dados. Trata-se de ação de aplicabilidade imediata, gratuita e personalíssima, pois somente o próprio indivíduo pode ingressar com a ação quando houver recusa de informações por parte da autoridade administrativa. A ação de HD foi regulamentada pela lei n /97 que, dispõe sobre o direito de acesso a informações e disciplina o rito processual da ação. Quanto à competência, o artigo 20 da lei n /97 estabelece que esta poderá ser originária do STF, STJ, TRF, TJ, ao juiz federal e ao juiz estadual, dependendo da autoridade que negue ou não se manifeste acerca dos dados e informações do cidadão. Art. 20. O julgamento do habeas data compete: I originariamente: a) ao Supremo Tribunal Federal, contra atos do Presidente da República, das Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, do Tribunal de Contas da União, do Procurador-Geral da República e do próprio Supremo Tribunal Federal; b) ao Superior Tribunal de Justiça, contra atos de Ministro de Estado ou do próprio Tribunal; c) aos Tribunais Regionais Federais contra atos do próprio Tribunal ou de juiz federal; d) a juiz federal, contra ato de autoridade federal, excetuados os casos de competência dos tribunais federais; e) a tribunais estaduais, segundo o disposto na Constituição do Estado; f) a juiz estadual, nos demais casos; II em grau de recurso: 44

45 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais a) ao Supremo Tribunal Federal, quando a decisão denegatória for proferida em única instância pelos Tribunais Superiores; b) ao Superior Tribunal de Justiça, quando a decisão for proferida em única instância pelos Tribunais Regionais Federais; c) aos Tribunais Regionais Federais, quando a decisão for proferida por juiz federal; d) aos Tribunais Estaduais e ao do Distrito Federal e Territórios, conforme dispuserem a respectiva Constituição e a lei que organizar a Justiça do Distrito Federal; III mediante recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal, nos casos previstos na Constituição (grifos nossos). O HD possui uma dupla finalidade: a primeira é o conhecimento acerca de informações pessoais, a segunda é a possibilidade de retificação de informações errôneas que constem nos bancos de dados. Quanto à legitimidade ativa para a ação, cabe a qualquer pessoa, física ou jurídica, brasileira ou estrangeira, promovê-la. Já na legitimidade passiva, podem figurar entidades governamentais da administração pública direta ou indireta, bem como pessoas jurídicas de direito privado que mantenham bancos de dados abertos ao público, por exemplo: Bacen, Cadin, Serasa, Serviço de Proteção ao Crédito. Seção 4.5 Mandado de Segurança (individual e coletivo) lei n /09 O MS é a ação constitucional prevista nos incisos LXIX e LXX, do artigo 5º da CF, que protege direitos líquidos e certos não amparados por HD ou HC quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público. Assim, o alcance desta ação dá-se por exclusão, ou seja, quando o direito que se apresenta manifesto na sua existência e delimitado em sua extensão e apto a ser exercido, violado em razão de constrangimento ilegal, não estiver tutelado por HC ou HD, caberá a ação de MS. A ação de MS pode ser individual ou coletiva diz-se: MS Individual (artigo 5º, inciso LXIX, da CF) ou MS Coletivo (artigo 5º, inciso LXX, da CF). 45

46 Elenise Felzke Schonardie Quanto ao MS Individual este pode ser: a) MS repressivo, que visa a cessar constrangimento ilegal existente; ou b) MS Preventivo, que tem por finalidade pôr fim à iminência de constrangimento ilegal a direito líquido e certo. O MS foi regulamentado pela lei n /51 (hoje substituída pela lei n /09) e a legitimidade ativa para a ação pode ser de qualquer pessoa física ou jurídica que esteja sofrendo ou na iminência de sofrer ilegalidade ou abuso de poder por parte de autoridade pública. O impetrante (sujeito que propõe a ação) é o titular do direito violado ou ameaçado de violação. Quanto ao legitimado passivo, pessoa em relação a quem é proposto o MS, também denominada de autoridade coatora, é a autoridade ou o agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público. Por autoridade pública entende-se qualquer pessoa física investida de poder de decisão dentro da esfera de competência que lhe é atribuída pela norma legal, ou seja, quem exerce alguma função pública com poder de decisão. Não pode, no entanto, ser autoridade coatora a pessoa jurídica de direito público, embora possa figurar em juízo como assistente do coator ou litisconsorte do impetrado. Há que se observar o prazo de 120 dias, contados da ciência do ato impugnado pelo interessado, para a impetração do MS. Esse prazo é decadencial, não se suspende nem se interrompe e sua constitucionalidade já foi reconhecida pelo STF. 2 Expirado o prazo de 120 dias, resta ao titular do direito (líquido e certo) violado somente as vias ordinárias para reclamar seus direitos, não podendo utilizar-se da ação de MS. Na hipótese do inciso LXX, do artigo 5º da CF, o MSC foi uma das novidades introduzidas pela atual CF, que busca tutelar direitos coletivos em seu sentido amplo, abrangendo todas as modalidades de direitos transindividuais, expressos no artigo 81 3 do CDC direitos ou interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos não amparados por HC ou HD, quando o responsável pela ilegalidade for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público. Como características o MSC apresenta a legitimação processual de órgãos coletivos, para a defesa dos interesses de seus membros e o uso dessa ação constitucional para a proteção de interesses coletivos decorrentes da nova dinâmica social. 2 STF, MS DF, Rel. ministro Celso Mello. 3 Artigo 81. A defesa dos interesses e direitos dos consumidores e das vítimas poderá ser exercida em juízo individualmente, ou a título coletivo. Parágrafo único. A defesa coletiva será exercida quando se tratar de: I interesses ou direitos difusos, assim entendidos, para efeitos deste código, os transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato; II interesses ou direitos coletivos, assim entendidos, para efeitos deste código, os transindividuais, de natureza indivisível de que seja titular grupo, categoria ou classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica base; III interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os decorrentes de origem comum. 46

47 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Quanto à legitimidade ativa para a ação, inúmeras controvérsias doutrinárias foram suscitadas, pois a jurisprudência do STF e do STJ tem sido restritiva na aceitação de MS coletivo. Segundo a CF, podem impetrar o MSC: a) partidos políticos com representação no Congresso Nacional, e b) sindicatos, entidades de classe ou associações constituídas há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados. Essa postura do STF tem gerado a não apreciação do MSC de direitos e interesses coletivos violados, pertencentes a parcelas significativas da população, como os aposentados, pois precisam estar representados por uma entidade específica para tal. A decisão denegatória do MSC, sem decidir o mérito, não impedirá que o requerente, por ação própria pleiteie os seus direitos e os respectivos efeitos patrimoniais, conforme o artigo 19 da lei n /09, pois nos MS, a decisão ocorre segundo a produção da prova exclusivamente documental, a) sem julgamento de mérito; b) com julgamento de mérito (Zaneti Jr., 2011). 4 A ação de MSC reveste-se de rito sumário, consolidado pela lei n /09. Há possibilidade de obtenção de liminares em MS coletivos e essas podem ter natureza cautelar ou antecipatória, conforme se verifique a tutela da segurança ou a satisfação antecipada dos efeitos finais. Quadro 1 Sinopse de distinção entre MS e MSC Mandado de Segurança Individual Postulam-se direitos individuais de uma única pessoa. O titular do direito é o impetrante (pessoa física). Há possibilidade de haver em um único MS individual a presença de litisconsórcio ativo (por motivos econômicos e praticidade). Diversas pessoas pleiteando direitos individuais. Mandado de Segurança Coletivo Postulam-se direitos coletivos. O titular do direito coletivo é o ente coletivo, ou seja, o sindicato, a entidade de classe, a associação ou o partido político. Não há litisconsórcio ativo. Há apenas um ente coletivo, pleiteando direitos que detêm a titularidade. Fonte: Elaboração da autora com base nas obras consultadas. 4 Sobre inovações no MS veja os anteprojetos de Código Brasileiro de Processos Coletivos e o PLS 222/

48 Elenise Felzke Schonardie Seção 4.6 Mandado de Injunção O Mandado de Injunção é a ação constitucional que tem por finalidade efetivar um direito assegurado na CF, no artigo 5º, inciso LXXI, no caso de não elaboração da norma regulamentadora, inerente à nacionalidade, à soberania e à cidadania que não possam ser exercidos por sua falta. Como requisitos específicos para o MI, a leitura do dispositivo constitucional demonstra ser necessário cumulativamente: a) que ocorra omissão legislativa que regulamente o exercício de direitos e liberdades asseguradas constitucionalmente, ou para a efetividade de prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania, já afirmadas em legislação; b) que o dispositivo careça de norma regulamentadora (omissão legislativa), impedindo o exercício pelo titular da garantia constitucional acerca das liberdades e direitos, ou das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania (Mazzei, 2011). A ação de MI segue a via procedimental sumária, em observação à lei n /09. No âmbito federal a competência para ação de MI encontra-se fixada nos artigos 102, inciso I, alínea q e, inciso II, alínea a ; artigo 105, inciso I, alínea h ; e art. 121, 4º, todos da CF. Na esfera estadual observar-se-á o disposto nas constituições dos Estados-membros. No Estado do Rio Grande do Sul a competência para o Mandado de Injunção, nos termos artigo 95, inciso XII, da CE, é do Tribunal de Justiça, contra atos ou omissões do governo do Estado, da Assembleia Legislativa e seus órgãos, dos juízes de primeira instância, dos membros do Ministério Público e do Procurador-Geral do Estado. O MI e a Adino possuem como pressupostos a existência de um direito previsto na Constituição e a falta de norma regulamentadora que torne possível o seu exercício, no entanto são institutos jurídicos distintos. A Adino é forma de controle de constitucionalidade em abstrato (concentrado) e tem por objetivo compelir o poder competente a elaborar a norma necessária para assegurar o exercício de direito previsto na CF e que a referida omissão da norma impeça seu exercício. Já o MI, por sua vez, é uma garantia individual ou coletiva que busca assegurar ao cidadão ou ao conjunto de cidadãos a concessão de uma medida que viabilize o exercício previsto na CF, nas hipóteses de inércia legislativa ou administrativa do poder público competente para a elaboração da norma faltante. O MI examina a questão de forma concreta, podendo a ação ser proposta somente pelo titular do direito lesado pela omissão administrativa ou legislativa, possuindo a decisão efeitos inter partes. 48

49 noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Seção 4.7 Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (Aime) A CF estabeleceu a tutela constitucional dos direitos políticos e, por conta disso, estabeleceu, também, a Aime, cujo objetivo consiste em afastar da investidura popular aqueles que se utilizaram ou se beneficiaram de meios ilegítimos para se eleger. Anteriormente à CF em vigor, não havia outra forma de desconstituir o mandato eletivo a não ser por meio de Recurso Contra a Expedição do Diploma previsto no artigo 262 do Código Eleitoral. Considera-se que a lei n /88 havia previsto a Aime ao estabelecer normas para as eleições municipais de A CF, nos 9º, 10º e 11, do artigo 14 disciplina a matéria. Também a Resolução do TSE nº /07 estabeleceu a perda de mandato por infidelidade partidária. Em seus julgados o TSE, referentes à matéria, assentou que, em se tratando de mandatos alcançados por eleições municipais, a ação deve ser proposta perante a Zona Eleitoral respectiva, ao passo que em se tratando de eleições estaduais a ação desconstitutiva deve seguir para o TRE, e em grau de recurso, para o TSE, cuja competência originária há de julgar a Aime somente se disser respeito à eleição presidencial (Barbosa, 2011). O rito processual a ser seguido na Aime é o ordinário, previsto na LC nº 64/90 e não o do CPC. O prazo para a propositura da ação é de 15 dias a contar da data da diplomação e é de natureza decadencial. Quanto à legitimação para a ação, segundo entendimento prevalente no TSE estão aptos para interpor a Aime, além dos que tenham interesse jurídico em sentido estrito aqueles que foram derrotados pelo candidato vitorioso em razão do ardil político, também os que tenham participado do certame, independentemente do resultado final da eleição e do cargo eletivo a que tenham almejado. Isto significa que candidato a vereador pode impugnar mandato de prefeito eleito; ou que candidato a prefeito pode impugnar mandato de vereador; do mesmo modo que, o partido político e/ou coligação derrotada na eleição majoritária pode impugnar governador eleito, ainda que o segundo colocado no certame não lhe tenha representado na disputa (Barbosa, 2011, p. 674). Há que se considerar, segundo Djalma Pinto (apud Barbosa, 2011), que a Aime trata-se de instrumento processual, de índole constitucional, colocado à disposição do candidato, partido político e do Ministério Público para provocar a Justiça Eleitoral, com o objetivo de subtrair o mandato eletivo nos casos em que o candidato vencedor se utilizou de corrupção, fraude ou abuso do poder político ou econômico. 49

50 Elenise Felzke Schonardie Quadro 2 Sinopse da Aime Tipo de Eleição Cargos em disputa Competência originária para conhecer da Aime Municipal Prefeito, Vice-Prefeito e Vereador. Juiz Eleitoral Estadual Nacional Governador, Vice-Governador, Deputado Estadual, Deputado Federal e Senador. Presidente da República e Vice-Presidente. Fonte: Barbosa, TRE TSE Síntese da Unidade 4 Nesta Unidade estudamos as ações constitucionais em espécie que visam à defesa de interesses ou direitos individuais, coletivos e difusos, lesionados ou ameaçados de lesão. 50

51 Referências noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais BARACHO, José Alfredo de Oliveira. Direito processual constitucional: aspectos contemporâneos. Belo Horizonte/MG: Fórum, BARBOSA, Edmilson. Ação de Impugnação de Mandato Eletivo. In: DIDIER JR., Fredie (Org.). Ações constitucionais. Salvador: Editora Jus Podivm, p BARROSO, Luís Roberto. Controle de constitucionalidade no Direito Brasileiro. São Paulo: Saraiva, BRASIL. Constituição Federal. Organização de Odete Medauar. 10 ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, Constituição Federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituicao.htm>. Acesso em: 11 fev Lei n de Dispõe sobre a ação de habeas data. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9507.htm>. Acesso em 14 abr Lei n de Dispõe sobre o Código de Defesa do Consumidor. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078.htm>. Acesso em: 14 abr BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 13. ed. São Paulo: Malheiros, EMENDA CONSTITUCIONAL. n. 16 de Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/ fed/emecon/ /emendaconstitucional novembro publicacaooriginal- 1-pl.htm>. Acesso em: 11 fev FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão. Madrid: Trotta, MOREIRA, Vital. Princípio da constitucionalidade. In: Legitimidade e legitimação da justiça constitucional. Coimbra: Editora Coimbra, PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o Direito Constitucional Internacional. São Paulo: Mas Limonad, PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Remédios constitucionais. Rio de Janeiro: Impetos, RIO GRANDE DO SUL. Constituição do Estado do Rio Grande do Sul (1989). 22 ed. Porto Alegre: Corag Assessoria de Publicações Técnicas, SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de Direito Processual Civil. São Paulo: Saraiva, V.1. 51

52 Elenise Felzke Schonardie SIQUEIRA JÚNIOR, Paulo Hamilton. Direito processual constitucional. São Paulo: Saraiva, STF. ADI nº 2381 MC/RS. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarjurisprudencia.asp?s1=%28normas+de+efic%e1cia+limitada%29&base=baseacordaos&url=htt p://tinyurl.com/bqe64es>. Acesso em: 9 abr STRECK, Lenio Luiz. Jurisdição constitucional e hermenêutica: uma nova crítica do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, SAIBA MAIS CABRAL, NÚRIA. Direito processual constitucional & prática constitucional: roteiro para as aulas. Disponível em: <https://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:omemvg1zgwej:professor. ucg.br/sitedocente/admin/arquivosupload/7771/material/>. Acesso em: 30 mar CORREA, Marcus Orione G. Direito Processual Constitucional. São Paulo: Saraiva, DANTAS, Paulo Roberto de Figueiredo. Direito Processual Constitucional. São Paulo: Atlas, DIDIER JR., Fredie (Org.). Ações constitucionais. Salvador: Editora Jus Podivm, DONIZETTI, Elpídio. Ações constitucionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, FAVOREU, Louis. As cortes constitucionais. Tradução Dunia Marinho Silva. São Paulo: Landy Editora, MAZZEI, Rodrigo. Mandado de Injunção. In: DIDIER JR., Fredie (Org.). Ações constitucionais. Salvador: Editora Jus Podivm, p MEDINA, Paulo Roberto de Gouvêa. Direito Processual Constitucional. Rio de Janeiro: Forense, MENDES, Gilmar Ferreira. Jurisdição constitucional: o controle abstrato de normas no Brasil e na Alemanha. São Paulo: Saraiva, PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional Descomplicado. Rio de Janeiro: Impetus, Controle de constitucionalidade. Rio de Janeiro: Impetus, ZANETI JR., Hermes. Mandado de segurança coletivo. In: DIDIER JR., Fredie (Org.). Ações constitucionais. Salvador: Editora Jus Podivm, p

53 Anexo noções básicas de direito processual constitucional e a proteção dos direitos fundamentais Lei n /99 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.868, DE 10 DE NOVEMBRO DE Dispõe sobre o processo e julgamento da ação direta de inconstitucionalidade e da ação declaratória de constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE E DA AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE Art. 1 o Esta Lei dispõe sobre o processo e julgamento da ação direta de inconstitucionalidade e da ação declaratória de constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. CAPÍTULO II DA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE Seção I Da Admissibilidade e do Procedimento da Ação Direta de Inconstitucionalidade Art. 2 o Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade: (Vide artigo 103 da Constituição Federal) I o Presidente da República; II a Mesa do Senado Federal; 53

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE INTRODUÇÃO: o controle de constitucionalidade só é possível nos sistemas jurídicos em que vige uma Constituição escrita e rígida, pois é tão somente nesses sistemas jurídicos

Leia mais

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotações de aula II. Simulado III. Lousas I. ANOTAÇÕES DE AULA

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

Vícios de Constitucionalidade

Vícios de Constitucionalidade Vícios de Constitucionalidade Vício Formal Nomodinâmico O Vício Formal ocorre durante o processo legislativo, dando a idéia de dinamismo, movimento. Vício quanto ao processo legislativo Vicio Formal é

Leia mais

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO

INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO INTENSIVÃO DE SÁBADO PARCERIA CURSO A. CARVALHO E REDE DE ENSINO LFG DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR MARCELO NOVELINO QUESTÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Questão n. 1 (CESPE/AGU

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE - UNIANDRADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CURSO DE EXTENSÃO Professor: José Henrique Cesário Pereira. Professor: José Henrique Cesário Pereira PARTE IV CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS. AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE (ADECON ou ADC) - Lei n. 9.868, de 10.11.99 CONCEITO A Ação Declaratória

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Por: Alexandre Solano Bastos Orientador Prof. Anselmo de Souza Rio de Janeiro 2012 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale

Aspectos gerais do controle de constitucionalidade. Professor : Siddharta Legale Aspectos gerais do controle de constitucionalidade Professor : Siddharta Legale LEITURA BÁSICA Bibliografia sugerida BARROSO, Luis Roberto. O controle de constitucionalidade no direito brasileiro. ASSSUMPÇÃO,

Leia mais

Professora Chrystiane Mariz

Professora Chrystiane Mariz Professora Chrystiane Mariz -> CF, EC -> LC, LO, MP -> Atos da administração (ex: portarias) 1* Tratados internacionais sem ser de direitos humanos -> LC, LO, MP 2* Tratados internacionais de direitos

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Parte 02 (Controle Concentrado, Abstrato e tipos de decisão) CONTROLE CONCENTRADO A ADI genérica pode ser em Âmbito federal (STF) ou em âmbito estadual Competência (TJs);

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MODELOS: AÇÕES CONSTITUCIONAIS

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta:

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta: Antonio Henrique Lindemberg 1 - Assinale a assertiva correta: a. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, pode-se invocar validamente o princípio do direito adquirido em face das leis de ordem

Leia mais

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO, qualificada nos autos, interpôs embargos declaratórios à sentença de fls. 181/182, que extinguiu

Leia mais

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO Ação Direta de Inconstitucionalidade Autos n. 2008.005668-5 Requerente: Partido Socialista.Brasileiro -PSB Advogada: Flávia Manarte Hanna Relator: Desdor. Rafael de Araújo Romano EMENTA:

Leia mais

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO 1.1 COMENTÁRIOS INICIAIS DO CAPÍTULO ANÁLISE DA DISCIPLINA NAS PRO- VAS DE JUIZ DO TRABALHO A disciplina Direito Constitucional, como não poderia deixar

Leia mais

(Da Sra. Luiza Erundina e outros)

(Da Sra. Luiza Erundina e outros) ** PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2013 (Da Sra. Luiza Erundina e outros) Cria a Corte Constitucional; altera a composição, a competência e a forma de nomeação dos Ministros do Superior Tribunal

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS Rénan Kfuri Lopes- Advogado, Professor, Palestrante, Pós- Graduado em Direito Processual Civil e Direito de Empresa, Membro do Instituto Brasileiro

Leia mais

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário Sumário Noções de Teoria do Estado Formas de Controle da Constitucionalidade Organização dos Poderes Defesa do Estado Sistema Constitucional Tributário Roteiro em PDF Download Acrobat Reader Imprimir este

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet.

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO DIREITO CONSTITUCIONAL Notas de Aula (Esboço) Atualizada em: 18.10.06 Docente: Prof. Dr.

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

: MIN. ROBERTO BARROSO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM

: MIN. ROBERTO BARROSO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM MANDADO DE INJUNÇÃO 3.750 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM : JANNE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 250, de 2005 Complementar, do Senador PAULO PAIM, que estabelece requisitos e critérios diferenciados

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme892 RgA-teP Diário da Justiça de 06/11/2006 26/09/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. GILMAR MENDES : BRUNO DINIZ ANTONINI : RELATOR DO HC Nº 20906 DO SUPERIOR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS. DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL QUE SUSPENDEU, EM CARÁTER LIMINAR, A EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PINTO BANDEIRA (ADIN N O 2.381-1) REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONCEITO DE CONTROLE CONTROLE, EM TEMA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, É A FACULDADE DE VIGILÂNCIA, ORIENTAÇÃO E CORREÇÃO QUE UM PODER, ÓRGÃO OU AUTORIDADE EXERCE SOBRE A CONDUTA FUNCIONAL

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL)

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) Disciplina: Direito Constitucional Ravi Peixoto, Procurador Municipal. 10 (Dez) horas/aulas. 1 2 3 4 5 6 7 57:00m 54:00m 50:00m

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º

Parágrafos do art. 102 Art. 103 (e seus parágrafos) Art. 103-A (e seus parágrafos) Art. 125, 2º 1. Introdução OAB - 2012 A nossa Constituição de 1988 é classificada como uma constituição escrita (Constituições escritas são aquelas cujas normas estão reunidas em um só documento, solenemente promulgado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL CÓDIGO: C003 DO PROGRAMA: PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C003033 7. Controle de Constitucionalidade. 10. Dos direitos e garantias fundamentais O Presidente da República editou

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

2. O diploma legal hierarquicamente superior da ordem jurídica dos Estados Democráticos de Direito da atualidade denomina-se: Escolher uma resposta.

2. O diploma legal hierarquicamente superior da ordem jurídica dos Estados Democráticos de Direito da atualidade denomina-se: Escolher uma resposta. Direitos Humanos de 1 a 4 Aula Tema 1 1. Os direitos humanos fundamentais e o poder político coexistem sob a égide do sistema de três Poderes harmônicos e independentes entre si, formulado por Montesquieu.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

PROCESSO N.º 1629/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12

PROCESSO N.º 1629/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12 CONSELHO PLENO INTERESSADA: UNIÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO - UNDIME/PR MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Consulta

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE *

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * Cassio Scarpinella Bueno SUMÁRIO: 1) O que é amicus curiae?; 2) O amicus curiae é previsto no direito brasileiro?; 3) Qual é a função primordial

Leia mais

DECISÕES INTERESSANTES SOBRE GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO

DECISÕES INTERESSANTES SOBRE GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO DECISÕES INTERESSANTES SOBRE GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO MANDADOS DE INJUNÇÃO MI 702 EMENTA: MANDADO DE INJUNÇÃO. GARANTIA FUNDAMENTAL (CF, ART. 5º, INCISO LXXI). DIREITO DE GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Orientações Iniciais Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Orientações Iniciais Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Orientações Iniciais Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CRONOGRAMA SEGUNDA FASE DE DIREITO CONSTITUCIONAL DATA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 5301 -PGR-RG MANDADO DE SEGURANÇA Nº 30.585 IMPETRANTE : ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS AMB : ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES FEDERAIS DO BRASIL AJUFE : ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Controle difuso. Capítulo II. Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso)

Controle difuso. Capítulo II. Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso) Capítulo II Controle difuso de constitucionalidade: Análise dos artigos 97, 52 (inciso X) e 102 (incisos referentes ao controle difuso) O controle difuso de constitucionalidade possibilita, no exercício

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais