RELATÓRIO E CONTAS ANUAL 31 DE DEZEMBRO DE 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO E CONTAS ANUAL 31 DE DEZEMBRO DE 2007"

Transcrição

1 RELATÓRIO E CONTAS ANUAL 31 DE DEZEMBRO DE 2007 BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial F.C.R. FUNDO DE CAPITAL DE RISCO

2 1. RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 ENQUADRAMENTO ECONÓMICO...3 CARACTERIZAÇÃO...5 OBJECTIVOS E POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...5 CARTEIRA DE INVESTIMENTOS...5 PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE DO FUNDO DE CAPITAL DE RISCO BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA NOTAS PARECER DO AUDITOR EXTERNO Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 2.13

3 1. RELATÓRIO DE GESTÃO ENQUADRAMENTO ECONÓMICO O segundo semestre de 2007 ficou marcado pela incerteza quanto às perspectivas de evolução da economia mundial para A falta de confiança e de liquidez no mercado de crédito continuou a fazer-se sentir, forçando injecções de liquidez por parte dos Bancos Centrais e a permanência de prémios de risco elevados, os preços das commodities continuaram a sua tendência de alta, particularmente o petróleo e as de base alimentar, somando dúvidas quanto ao comportamento das taxas de inflação. A incerteza quanto à magnitude do impacto que a crise no mercado imobiliário poderá ter no crescimento da economia dos Estados Unidos nos próximos trimestres e seus eventuais efeitos de contágio à evolução do crescimento económico no resto do Mundo marcaram o período e provavelmente vão também merecer a atenção dos investidores durante o primeiro semestre de Em termos macroeconómicos as atenções estão centradas nos Estados Unidos sendo que a generalidade dos analistas antevê um abrandamento económico forte nos próximos trimestres, alguns sublinhando mesmo a hipótese de recessão, motivada por um forte abrandamento no crescimento do consumo privado. De facto, a economia americana debate-se com uma grave crise no sector imobiliário residencial resultante de um excesso de oferta e uma tendência forte de quebra de preços, o que, para além das dificuldades óbvias por que está a passar o sector da construção quebra de resultados das empresas e redução da força de trabalho alocada a esse sector tem ainda um impacto significativo em relação ao poder aquisitivo das famílias, que nos últimos anos utilizaram grande parte do aumento do valor das suas casas para, através de refinanciamentos, aumentarem os seus níveis de consumo. Esta situação, com a queda dos preços no imobiliário, em termos agregados, deixou de ser possível. Outro importante factor negativo para o consumo privado relaciona-se com o apertar dos critérios para a concessão de crédito às famílias, fruto de uma maior aversão ao risco por parte das instituições financeiras derivado da deterioração dos níveis de riqueza das famílias provocado pela queda de preços dos seus imóveis. Por outro lado, os efeitos da crise imobiliária continuaram a fazer-se sentir também no sector bancário americano, levando as instituições financeiras mais representativas a ter de assumir perdas elevadas nas suas carteiras de produtos estruturados de crédito. Esse facto, que deteriora os rácio prudenciais das instituições e as torna mais avessas ao risco, para além de apertar os critérios de concessão de novos créditos, provoca também um aumento do prémio de risco exigido, o que se traduz em taxas de juro mais altas para as famílias e empresas, aumentando os receios de um período de mais fraco desempenho empresarial agregado, com os consequentes efeitos negativos sobre a economia real e o crescimento do produto. Como factores positivos é de salientar o momento de fraqueza do dólar em relação à generalidade das divisas e uma procura externa forte, em particular dos mercados emergentes, uma combinação que parece estar a impulsionar o sector exportador, tendo-se vindo a assistir a um aumento quer do emprego quer dos níveis de investimento, o que pode ajudar a mitigar os efeitos negativos em outras componentes do produto, no entanto o papel do comércio externo na economia americana é relativamente modesto. O ano de 2007 mostrou sinais de abrandamento a vários níveis nos EUA, com destaque novamente para as áreas mais ligadas à construção residencial. Contudo, também em termos de investimento ou construção não residencial surgiram progressivamente sinais de enfraquecimento. Adicionalmente, indicadores que reagem com algum desfasamento, como é o caso da taxa de desemprego, parecem agora confirmar o abrandamento em curso na economia dos EUA. Esta deterioração no mercado de trabalho constitui não só uma indicação em como a Reserva Federal deverá prolongar o seu ciclo de descida das suas taxas de juro de referência, como dela dependerá que tipo de abrandamento acabará por ser observado no consumo privado e consequentemente no crescimento da economia. Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 3.13

4 A principal questão que se coloca é a forma como as restantes economias mundiais vão suportar um período de menor desempenho Americano. A Europa continuou no quarto trimestre o seu bom momento económico, impulsionado principalmente pela economia alemã e beneficiando de um crescimento sustentado da procura interna e pela procura dos mercados emergentes, particularmente da Rússia e da China. No entanto, e apesar de uma situação macroeconómica significativamente melhor que a dos Estados Unidos, há alguns factores que poderão ter influência negativa nos próximos trimestres. Em primeiro lugar a crise nos mercados de crédito internacionais levou também no sistema financeiro europeu a prémios de risco mais elevados e a práticas de crédito mais conservadoras por parte dos bancos, o que deverá provocar algum impacto no sector empresarial e no consumo privado. Os mais recentes indicadores de confiança dos consumidores em vários países europeus já denotam essa tendência. Por outro lado e apesar da exposição da economia europeia à economia Americana ter vindo a cair nos últimos anos, ela ainda é muito significativa e um abrandamento económico americano mais prolongado deverá também contribuir para uma mais fraca performance europeia quer directamente, quer por via indirecta ao reduzir também as perspectivas económicas de importantes parceiros comerciais. Outra situação que pode ter impacto negativo é o comportamento recente da taxa de inflação na generalidade das economias europeias. As taxas permanecem elevadas principalmente fruto do elevado preço dos produtos petrolíferos e alimentares. Este factor, caso persista, pode condicionar de alguma maneira a resposta que o Banco Central Europeu (BCE) poderá dar caso se verifique uma situação de abrandamento económico mais forte ou prolongado, inibindo uma política agressiva de corte de taxas de juro de referência, à semelhança da que a Reserva Federal norte-americana já iniciou. Maiores dificuldades para BCE prosseguir uma acção mais agressiva de corte de taxas motivada pelos receios quanto ao comportamento da inflação, pode, por outro lado, continuar a sustentar a força do Euro em relação ao Dólar, com os consequentes efeitos negativos sobre os sectores exportadores europeus. A economia Chinesa continuou em bom momento, sem dar sinais de abrandamento impulsionada principalmente pela procura externa. Sinais inflacionários começam a aparecer especialmente nas componentes de energia e alimentares. A Rússia e o Brasil continuam também com um desempenho económico forte, beneficiando do ciclo de alta de preços das commodities e do seu efeito na dinâmica de procura doméstica. A economia Japonesa, após uma primeira metade do ano animadora, quer ao nível da performance empresarial quer ao nível da procura privada, debate-se agora com perspectivas menos optimistas, de facto, tendo uma economia cíclica, muito dependente do comportamento das exportações e com uma procura interna que há já vários anos não exibe taxas de crescimento significativo, a economia japonesa é bastante dependente do comportamento da procura externa, em particular da dos Estados Unidos, o que pode indiciar que, face ao abrandamento económico esperado neste último, o crescimento económico japonês também seja afectado nos próximos dois ou três trimestres, deteriorando os resultados das empresas e colocando pressão extra na procura doméstica. Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 4.13

5 CARACTERIZAÇÃO O fundo BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial F.C.R., anteriormente denominado BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial F.C.R.I.Q., (adiante designado por Fundo) iniciou a sua actividade em 18 de Novembro de O valor do Fundo em 31 de Dezembro de 2007 correspondia a 52,304 milhões de euros repartidos por 9,868 unidades de participação. O Fundo tem uma duração inicial de 10 anos e não se encontra admitido à cotação. A entidade gestora do Fundo é a BPN Gestão de Activos, Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA, com o capital de um milhão, duzentos e cinquenta mil euros e com sede na Avenida de França , Porto. A gestão é realizada directamente por esta entidade, a qual resultou da fusão por incorporação da BPN Gestão de Activos, Sociedade Gestora de Patrimónios na BPN Fundos, Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, S.A., por escritura de 13 de Dezembro de Existe um tipo único de unidades de participação no Fundo, pelo que todos os participantes actuais ou futuros terão direitos iguais sobre os rendimentos gerados pelo património deste fundo de capital de risco. Em 31 de Dezembro de 2007, as unidades de participação do Fundo eram detidas por quatro participantes. A entidade depositária do Fundo é o Banco Português de Negócios, S.A. com sede na Avenida de França , Porto. A comercialização das unidades de participação do Fundo é realizada nas agências do banco depositário (Banco Português de Negócios, S.A.) e do Banco EFISA, S.A. OBJECTIVOS E POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Feita uma análise às políticas de investimento possíveis, a entidade gestora do Fundo optou por desenvolver a sua actividade seguindo um modelo que passa, sempre que possível, pela aquisição de partes de capital em empresas e pela subsequente celebração de contratos de venda a prazo com promitentes compradores, consagrando corredores de preços mínimos e máximos entre os quais o BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial F.C.R. tem, respectivamente, o direito e a obrigação de alienar essas participações. O Fundo tenta tomar participações e celebrar acordos parassociais que permitam ter influência na gestão das empresas, embora não se envolvendo na sua actividade diária. CARTEIRA DE INVESTIMENTOS No final do exercício de 2007, o fundo BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial F.C.R. detinha participações, prestações acessórias e suprimentos num total de 13 empresas no valor de ,71 Euros. Durante o ano de 2007, o Fundo BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial F.C.R. realizou investimentos no valor total de Euros e desinvestimentos no valor de Euros, o que reflecte um investimento líquido de Euros. Os investimentos efectuados durante o ano tiveram por base o recurso a disponibilidades detidas em carteira. Em Janeiro, o Fundo aumentou as suas participações nas empresas Quimiceram e Valorceram nos montantes de Euros e Euros, passando a deter 99,9% e 70% respectivamente. De assinalar também que as prestações acessórias à Labicer, no montante de Euros, passaram para capital social, fazendo aumentar a participação nesta empresa para 63,91%, em Fevereiro. Desta forma, o sector das cerâmicas atinge um peso de 27% dos activos totais do Fundo. Durante o mês de Abril foi efectuado um aumento de capital à Carlife, no montante de Euros, passando o Fundo a deter uma participação de 37,14% desta empresa. Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 5.13

6 Ainda no primeiro semestre do ano, o Fundo exerceu a opção de venda que detinha sobre a participação da 4M, encaixando o montante de Euros. Esta participação tinha sido adquirida por Euros. Em Julho foi adquirida uma participação na empresa de gestão de conteúdos e negócios electrónicos na área alimentar, Portalimentar (parceria com a ARESP, associação do sector da restauração), pelo montante de Euros e que corresponde a uma participação de 19%. Tendo em vista a aquisição de uma participação no projecto PayUp, que está a desenvolver um projecto para a oferta de um serviço de carregamento de telemóveis pré-pagos ( top up ), em estabelecimentos comerciais (agentes), na Polónia e Roménia, foram efectuados adiantamentos de capital no montante de Euros. De uma forma geral, as participadas do Fundo estão em fase de consolidação da sua actividade e de criação de valor para os accionistas. Assim, apesar de não se esperarem deteriorações nos cenários base subjacentes às previsões da generalidade das participadas, foram efectuados write downs nas valorizações das participadas Carlife e Quimiceram, no valor de Euros e de Euros, na avaliação de final de ano, por uma questão de prudência. PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE DO FUNDO DE CAPITAL DE RISCO No ano de 2007 continuou a adoptar-se uma estratégia mais direccionada para o acompanhamento e desenvolvimento das suas participadas, esperando-se uma manutenção desta política no decorrer do ano de De qualquer forma, continuarão a ser analisadas novas oportunidades de investimento de menor dimensão, mas que apresentem boas perspectivas de rentabilidade. O Fundo iniciou o ano de 2008 com um incremento significativo da sua liquidez, uma vez que, tendo em vista a redução da dimensão da empresa Concretope (participada da Crossco) para uma posterior fusão com a Precore II, a Concretope efectuou, em 7 de Janeiro, uma distribuição extraordinária de dividendos, reduzindo o elevado montante de liquidez que detinha no Balanço. O Fundo recebeu, assim, dividendos no montante de 4,6M Euros. A fusão destas duas participadas do Fundo tem em vista a obtenção de sinergias. No decurso do ano de 2008 será estudado o eventual exercício das opções de venda existentes sobre as participações no capital social das empresas Crossco e Precore II, cujo vencimento será em 31 de Dezembro de Também no início de 2008, a PayUp fez uma proposta vinculativa para aquisição do negócio de top up da First Data Ibérica em Espanha, o que constitui uma expansão geográfica relativamente ao projecto inicial, e, assim, um mais rápido build up desta participada. No âmbito da perspectiva de valorização das participações detidas em carteira deve salientar-se que a participada Controlauto perspectiva expandir agora a sua actividade para o Brasil, fazendo parte de um consórcio que está, neste momento, a fazer uma oferta non-binding por 50% do capital da Controlar (inspecções ambientais no Município de S. Paulo, Brasil). Lisboa, 04 de Abril de 2008 Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 6.13

7 2. BALANÇO Exercícios Exercícios AB AA AL AL ACTIVO CAPITAL PROPRIO E PASSIVO Imobilizado: Capital Próprio: Imobilizações incorpóreas: Capital 49,340,000 49,340,000 Despesas de instalação Acções (quotas) próprias - valor nominal Despesas de I & D Acções (quotas) próprias - descontos e prémios Propriedade industrial e outros direitos Prestações suplementares Trespasses Prémios de emissão de acções (quotas) 655, ,267 Imobilizações em curso Ajustamentos de partes de capital em filiais e assoc. Adiant. por conta de imob. incorpóreas Reservas de reavaliação Reservas: Reservas legais Imobilizações corpóreas: Reservas estatutárias Terrenos e recursos naturais Reservas contratuais Edifícios e outras construções Outras reservas Equipamento básico Resultados transitados 1,920,793 1,052,878 Equipamento de transporte Subtotal 51,916,060 51,048,144 Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Resultado líquido do exercício 388, ,916 Taras e vasilhame Dividendos antecipados Out/ imobilizações corpóreas Total do capital próprio 52,304,176 51,916,060 Imobilizações em curso Adiant. por conta de imob. corpóreas Passivo: Provisões para riscos e encargos: Provisões para pensões Investimentos financeiros: Provisões para impostos Partes de capital em empresas do grupo Outras provisões para riscos e encargos Empréstimos a empresas do grupo Partes de capital em empresas associadas 44,197,472 4,030,450 48,227,922 39,523,086 Dívidas a terceiros - Médio e Longo prazo: Empréstimos a empresas associadas 2,361,563 2,361,563 9,500,000 Empréstimos por obrigações: Títulos e outras aplicações financeiras Convertíveis Outros empréstimos concedidos 0 Não convertíveis Imobilizações em curso 0 Empréstimos por títulos de participação Adiant. por conta de inv. financeiros 1,250,000 1,250,000 Dívidas a instituições de crédito 47,809,035 4,030,450 51,839,485 49,023,086 Adiantamentos por conta de vendas Fornecedores, c/c Circulante: Fornecedores - Facturas em recepção e conf. Existências: Fornecedores - Títulos a pagar Matérias primas, subs. e de consumo Fornecedores de imobilizado - Títulos a pagar Produtos e trabalhos em curso Empresas do grupo Subprodutos, desp., resíduos e refugos Empresas participadas e participantes Produtos acabados e intermédios Outros accionistas (sócios) Mercadorias Adiantamentos de clientes Adiant. por conta de compras Outros empréstimos obtidos Fornecedores de imobilizado, c/c Dívidas de terceiros - Médio e longo prazo: Estado e outros entes públicos Clientes, c/c Outros credores Clientes - títulos a receber 0 Clientes de cobrança duvidosa Empresas do grupo Dívidas a terceiros - Curto prazo: Empresas participadas e participantes Empréstimos por obrigações: Outros accionistas/sócios Convertíveis Adiantamentos a fornecedores Não convertíveis Adiant. a fornecedores de imobilizado Empréstimos por títulos de participação Estado e outros entes públicos Dívidas a instituições de crédito Outros devedores Adiantamentos por conta de vendas Subscritores de capital Fornecedores, c/c 265, ,616 Fornecedores - Facturas em recepção e conf. Fornecedores - Títulos a pagar Dívidas de terceiros - Curto prazo: Fornecedores de imobilizado - Títulos a pagar Clientes, c/c Empresas do grupo Clientes - títulos a receber Empresas participadas e participantes Clientes de cobrança duvidosa Outros accionistas (sócios) Empresas do grupo Adiantamentos de clientes Empresas participadas e participantes Outros empréstimos obtidos Outros accionistas/sócios Fornecedores de imobilizado, c/c Adiantamentos a fornecedores Estado e outros entes públicos Adiant. a fornecedores de imobilizado Outros credores Estado e outros entes públicos 265, ,616 Outros devedores Acréscimos e diferimentos: Subscritores de capital Acréscimos de custos Proveitos diferidos Títulos negociáveis: Acções em empresas do grupo Obrigações e tit. de part. em emp. do grupo Total do passivo 265, ,616 Acções em empresas associadas Obrigações e tit. de part. em emp. associadas Total do capital próprio e do passivo 52,569,881 52,179,676 Outros títulos negociáveis Outras aplicações de tesouraria Depósitos bancários e caixa: Depósitos bancários 720, ,145 3,146,256 Caixa 720, ,145 3,146,256 Acréscimos e diferimentos: Acréscimos de proveitos 10,252 10,252 10,333 Custos diferidos 10,252 10,252 10,333 Total de amortizações 4,030,450 Total de provisões 0 TOTAL DO ACTIVO 48,539,432 4,030,450 52,569,881 52,179,676 Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 7.13

8 3. DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Exercícios Unidade: CUSTOS E PERDAS Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas: Mercadorias Matérias 0 0 Fornecimentos e Serviços Externos 530, ,854 Custos com o Pessoal Remunerações Encargos Sociais Pensões Outros Amortizações imobil. corpóreo e incorpóreo 0 0 Ajustamentos 0 0 Provisões Impostos 29,312 28,760 Outros custos e perdas operacionais 0 29, ,760 (A) 559, ,614 Perdas em empresas do grupo e associadas 699,900 Amortizações e provisões de aplicações e inv. financeiros Juros e custos similares Relativos a empresas do grupo Outros (C) 1,259, ,657 Custos e perdas extraordinários (E) 1,259, ,657 Imposto sobre o rendimento do exercício 0 0 (G) 1,259, ,657 Resultado líquido do exercício 388, ,916 1,647,554 1,421,573 PROVEITOS E GANHOS Vendas Mercadorias Produtos Prestações de serviços Variação da Produção Trabalhos para a própria empresa Proveitos suplementares 4,500 Subsídios à exploração Outros proveitos operacionais Reversões de Amortizações e Ajustamentos (B) 4,500 Ganhos em empresas do grupo e associadas Rendimentos de participações de capital 133, ,502 Rendimentos de tít. negociáveis e outras aplic. financeiras Relativos a empresas do grupo Outros Outros juros e proveitos similares Relativos a empresas do grupo 194,557 10,333 Outros 328, , ,327 (D) 332, ,327 Proveitos e ganhos extraordinários 1,315,034 1,066,246 (F) 1,647,554 1,421,573 Resultados operacionais (B)-(A) (762,342) (555,021) (762,342) (553,614) Resultados financeiros (D-B)-(C-A) 378,087 (371,897) 378, ,283 Resultados correntes (D)-(C) (384,255) (926,918) (384,255) (198,330) Resultados antes de Impostos (F)-(E) 442, , , ,916 Resultados Liquido do Exercício (F)-(G) 442, , , ,916 Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 8.13

9 4. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Unidade 31-Dez Dez-06 Actividades Operacionais Recebimentos de clientes Pagamentos a fornecedores -536, ,644 Pagamentos ao pessoal Pagamentos e recebimentos imposto s/ rendimento Outros recebimentos relativos a actividade operacional 4,500 Outros pagamentos relativos a actividade operacional -20,978-28,760 Recebimentos relacionados com rubricas extraordinárias Pagamentos relacionados com rubricas extraordinárias Fluxos das Actividades Operacionais -552, ,404 Actividades de Investimento Compra de participações -2,201,264-2,458,594 Vendas de participações Prestações de capital Suprimentos Juros recebidos 73, ,492 Recebimentos provenientes de investimentos financeiros Recebimentos provenientes imobilizações corpóreas Recebimentos provenientes de imobilizações incorpóreas Recebimentos provenientes de subsidios investimento Recebimentos provenientes de juros e prov similares Recebimentos provenientes de dividendos 133, ,502 Pagamentos respeitantes a investimentos financeiros Pagamentos respeitantes a imobilizações corpóreas Pagamentos respeitantes a obras Pagamentos respeitantes a variações extraord. dos CP Fluxos das Actividades de Investimento -1,994,162-2,113,600 Actividades de Financiamento Pagamentos respeitantes a juros e custos similares Pagamentos respeitantes a dividendos Pagamentos respeitantes a empréstimos obtidos Pagamentos provenientes de empréstimos concedidos 121,000 Recebimentos provenientes de empréstimos obtidos Recebimentos prov aum capital, prest supl e prémios emissão Pagamentos respeiteitantes a accionistas Fluxo das Actividades de Financiamento Variação de Caixa e Equivalentes 120, ,426,111-2,663,047 Caixa e Equivalentes no Início do Período 3,146,256 5,809,303 Caixa e Equivalentes no Fim do Período 720,145 3,146,256 Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 9.13

10 5. NOTAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 (montantes expressos em Euros) As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida pelo Plano Contabilístico dos Fundos de Capital de Risco e aquelas notas cuja numeração se encontra ausente não são aplicáveis ou a sua apresentação não é relevante para a leitura das demonstrações financeiras anexas COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE CAPITAL DE RISCO I PARTICIPAÇÕES SOCIAIS EM CAPITAL DE RISCO I.1. Discriminação das participações Participações sociais CARLIFE - Centro Manutenção Veículos Automóveis, S.A. Centro Hospitalar de S. Francisco Controlauto - Controlo Técnico Automóvel, S.A. Imagran - Laboratório Imagiologia Marinha Grande Imalis - Meios Diagnóstico Imagiologia Leiria Labicer - Laboratório Industrial Cerâmico, S.A. Nascimento & Sousa Designação 1,300, ,100, % % 6,823, ,824, % % 11,193, ,200, % % 176, , % % 242, , % % 10,800, ,800, % % 40, , % % Portalimentar - Gestão de Conteúdos Electrónicos, S.A. Valor de Aquisição 142, , % % Valoceram - Subprodutos Cerâmicos S.A. Quimiceram-Químicos e Minerais, SA Partcipações socias com acordo de venda a prazo 245, , % % 1,000, , % % CROSSCO (738) LIMTED FCD 9,642, ,665, % % Precore II, Betão Pronto, S.A. FCD 3,117, ,117, % % Prestações suplementares, prestações acessórias e suprimentos Empréstimo Carlife Valor de Aquisição 16, , % Empréstimo Labicer Valor de Aquisição 2,121, ,121, % Empréstimo Quimiceram Valor de Aquisição 224, , % Unidades de participação em FCR Critério valorimétrico Valor de aquisição Valor em carteira % no capital da participada Tempo de titularidade das participações % no activo do FCR ou carteira da SCR Total no Exercício 47,084, ,589, Total Ano Anterior 46,099, ,023, Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 10.13

11 II OBRIGAÇÕES E CRÉDITOS EM CAPITAL DE RISCO Designação Critério valorimétrico Valor de aquisição Valor em Carteira % do activo no FCR ou da carteira da SCR Maturidade residual média dos créditos Obrigações em capital de risco Créditos adquiridos sobre sociedades participadas Créditos adquiridos sobre sociedades a serem participadas Créditos concedidos a sociedades participadas Empréstimo Carlife Valor de Aquisição 16, , % - Empréstimo Labicer Valor de Aquisição 2,121, ,121, % 0.91 Empréstimo Quimiceram Valor de Aquisição 224, , % - Total no Exercício 2,361, ,361, Total no Ano Anterior 9,500, ,500, III OPERAÇÕES A PRAZO SOBRE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS EM CAPITAL DE RISCO Designação Tipo de vinculação da SCR ou FCR Tipo de operação subjacente Data de Vencimento do direito ou obrigação Observações Crossco (738) Limited opção venda opção válida até 31/12/2008 Precore II, Betão Pronto, S.A. opção venda opção válida até 31/12/ CAPITAL DO FCR I CARACTERÍSTICAS DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO Valor base 49,340, Variações face ao valor base 655, Resultados atribuídos - Resultados acumulados 1,920, Resultados líquidos do exercício 388, Nº unidades de participação 9, Valor unitário das unidades de participação 5, Rendibilidade semestral das Up's 0.29% Rendibilidade anual das Up's 0.75% II DESCRIÇÃO DA EVOLUÇÃO DO CAPITAL DO FCR NO EXERCÍCIO Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 11.13

12 O Fundo foi constituído com um capital inicial de ,00, representado por unidades de participação com o valor de 5.000,00 cada, integralmente realizado em numerário no acto da constituição. Em Novembro de 2004, foi aumentado em , passando o capital do Fundo a ser de ,00, representado por unidades de participação com 5.000,00 integralmente realizado em numerário. Em Maio de 2005 procedeu-se ao aumento de capital de , passando o capital do Fundo a ser de , representado por unidades de participação, integralmente realizado. Actualmente o Fundo é detido por quatro participantes: O BPN Diversificação Fundo Especial de investimento, Real Seguros, S.A., Real Vida Seguros, S.A. e Clip Multi Strategy Fund. Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 12.13

13 6. PARECER DO AUDITOR EXTERNO Relatório e Contas Anual 2007 _ BPN Gestão de Activos Valorização Patrimonial 13.13

14

15

16

17

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

1192 Diário da República, 1. a série N. o 34 16 de Fevereiro de 2007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

1192 Diário da República, 1. a série N. o 34 16 de Fevereiro de 2007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO 9 Diário da República a série N o 34 6 de Fevereiro de 007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n o 07/007 de 6 de Fevereiro O Decreto-Lei n o 550/99 de 5 de Dezembro

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO TAXA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA 30.06.2015 1. Política de Investimentos O Património do

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 NEXPONOR 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 A NEXPONOR Sociedade Especial de Investimento Imobiliário de Capital Fixo SICAFI, S.A. foi constituída em Maio de 2013 centrando-se a sua atividade

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA E ENTIDADES NÃO RESIDENTES COM ESTABELECIMENTO

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A.

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Sociedade Aberta Rua Misericórdia, 12 a 20, Piso 3, Esc. 7 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Balanço IMOBILIZADO: ACTIVO BALANÇO ANALITICO E X E R C I C I O S ACTIVO BRUTO AMORT / PROV ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO Imobilizações Incorpóreas: 431 Despesas de Instalação

Leia mais

RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I

RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I 1 1 Elaboração da Reconciliação Bancária (Anexo I) Reconciliação Bancária 3112N Saldo da Empresa 4.102,50 Saldo do Banco 4.102,50 2911N Emp. Bancário C/Prazo

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras.

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras. 1º Semestre de Relatório e Contas 2008 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 12 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA E ENTI- DADES NÃO RESIDENTES COM ESTABELECIMENTO

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados Contabilidade II I. Demonstração dos resultados Demonstração dos resultados A demonstração dos resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade desenvolvida

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F.

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F. RELATÓRIO E CONTAS Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado 31-12-2014 Promofundo F. E. I. I. F. 1. DESCRIÇÃO DO FUNDO O PROMOFUNDO Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES RUBRICA DE 1.º NÍVEL: É preenchido com as constantes A, B, C ou D consoante a informação respeite, respectivamente, à carteira de activos, ao valor

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA

GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA 1) Estime o valor médio do Fundo de Maneio Necessário para uma empresa cuja actividade é

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Quadro 1. Execução do Plano

Quadro 1. Execução do Plano Município de Condeixa-a-Nova - Relatório de Gestão 2008 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1. Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais