THIAGO REGINALDO ASPECTOS FISIOLÓGICOS, PSÍQUICOS, ORGANIZACIONAIS E ERGONÔMICOS DO DESEMPENHO LABORAL DE TRABALHADORES CADEIRANTES FLORIANÓPOLIS SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "THIAGO REGINALDO ASPECTOS FISIOLÓGICOS, PSÍQUICOS, ORGANIZACIONAIS E ERGONÔMICOS DO DESEMPENHO LABORAL DE TRABALHADORES CADEIRANTES FLORIANÓPOLIS SC"

Transcrição

1 THIAGO REGINALDO ASPECTOS FISIOLÓGICOS, PSÍQUICOS, ORGANIZACIONAIS E ERGONÔMICOS DO DESEMPENHO LABORAL DE TRABALHADORES CADEIRANTES FLORIANÓPOLIS SC 2006

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E DESPORTOS - CEFID COORDENADORIA DE TRABALHOS MONOGRÁFICOS - CTM CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇAO FÍSICA THIAGO REGINALDO ASPECTOS FISIOLÓGICOS, PSÍQUICOS, ORGANIZACIONAIS E ERGONÔMICOS DO DESEMPENHO LABORAL DE TRABALHADORES CADEIRANTES Trabalho apresentado à Coordenadoria de Trabalhos Monográficos do Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos da Universidade do Estado de Santa Catarina para obtenção de grau de Licenciado em Educação Física. Orientador: Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira Co-orientador: Prof a Esp. Adriana Seará Tirloni FLORIANÓPOLIS SC 2006

3 THIAGO REGINALDO ASPECTOS FISIOLÓGICOS, PSÍQUICOS, ORGANIZACIONAIS E ERGONÔMICOS DO DESEMPENHO LABORAL DE TRABALHADORES CADEIRANTES Monografia como requisito parcial para a obtenção do grau de licenciado no curso de graduação em Educação Física da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira (CEFID-UDESC) Orientador / Presidente Co-orientador: Prof a. Esp. Adriana Seará Tirloni (CEFID-UDESC) Co-orientadora Membro: Prof. Dr. Rudney Silva (CEFID-UDESC) Membro Florianópolis, (04/10/2006)

4 A todas as pessoas que acreditaram na eficácia do ensino, no professor e que buscam a auto realização, como sentido pra suas vidas. Aos meus pais e as pessoas amadas.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao Amor que todos ofereceram para a realização deste trabalho, inicialmente, ao amor de deus, nosso pai, criador e benfeitor. Aos meus queridos pais, Lourdes e Paulo, por todo o amor e carinho concedido, pelos momentos em que mais precisava estarem sempre do meu lado, pela comida quente sobre a mesa quando chegava cansado da faculdade já tarde da noite. Ao meu irmão, Henrique, pelas madrugadas de conversa, por todo o carinho e compreensão, por me levar de carro quando estava atarefado e não dava conta de todos os compromissos. Aos meus amigos Edemir e Mariana por estarem sempre de ouvidos bem atentos as minhas indecisões e reclamações, pelos momentos de alegria e sufoco. A minha turma, em especial a Sandra, Eliane e Graziela, Ricardo e André, pessoas nas quais tenho muito apreço e sempre estiveram dispostas a ajudar quando precisava, além de colegas de faculdade são grandes amigos. Ao meu orientador, Professor Fernando, uma pessoa que admiro muito, pela sua sinceridade, inteligência e determinação, além da tranqüilidade que sempre me passou quando estava angustiado. A co-orientadora, Professora Adriana, pela disposição em ajudar quando precisava. Vocês souberam desde o início me incentivar na busca de certezas, ampliando meus horizontes, respeitando meu ritmo

6 e minhas convicções. Saibam que tenho um profundo respeito pelas grandes realizações no meio acadêmico, mas principalmente pelo ser humano que vocês se mostraram. Ao professor Rudney que aceitou ao convite para participação da banca desta pesquisa. Aos participantes da monografia que foram muito gentis e contribuíram com muita alegria para a realização desta pesquisa, pela experiência que adquiri junto a vocês, e por contribuírem na minha formação cidadã e profissional. A Marilda por ter contribuído com a realização deste estudo, sempre se mostrando bem preocupada com o desenvolvimento da pesquisa. Ao Laboratório de Pesquisa Morfofuncional LAPEM, responsável pelo desenvolvimento da pesquisa, a todos aqueles que contribuíram de alguma forma. Ao Núcleo de Cardiologia e Medicina Desportiva, por liberar um espaço para que pudesse melhorar a habilidade de aferir a pressão arterial. Obrigado a todos vocês que contribuíram para realização deste trabalho, sem vocês isso seria inviável.

7 A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

8 RESUMO No ambiente de trabalho o deficiente cadeirante convive diariamente com uma série de limitações causadas pelas condições do espaço laboral. O presente estudo teve por objetivo verificar os aspectos fisiológicos, psíquicos, organizacionais e ergonômicos que caracterizam o desempenho laboral de trabalhadores cadeirantes de empresas públicas e privadas do município de Florianópolis. A amostra foi composta por 12 sujeitos (34,0 + 12,2) com diferentes tipos de deficiência: 4 Paraplégicos (PR), 1 Tetraplégico (TR), 4 Seqüelas de Infecção (SI), 2 Paralisados Cerebrais (PC) e 1 Doença Neuromuscular Progressiva (DNP). A pesquisa foi realizada em 8 diferentes empresas (4 públicas e 4 privadas), foram feitos dois dias de coletas da freqüência cardíaca (FC) durante toda a jornada de trabalho (6,0 + 0,9 horas) e aferição da pressão arterial (PA) em conjunto com um questionário de avaliação subjetiva de cansaço no início, meio e fim da jornada. Foi realizada uma entrevista semi-estruturada de um questionário adaptado de Deliberato (2002) e Andrade (2001), com questões relativas à caracterização da empresa, a área de trabalho e auto-controle de estresse. Os resultados sobre o estresse no trabalho revelaram que 83,3 % da amostra se estressa de algum modo, dentre as causas apontadas como causadoras de estresse destacaram-se a desvalorização humana da empresa pelo trabalhador; o excesso de trabalho e responsabilidades; muita pressão no trabalho e a falta de tempo para lazer e esporte. A FC média dos participantes foi de 89,0 + 10,7 bpm. A FC média dos PR durante a atividade laboral foi de ,91 bpm, dos TR ,07 bpm, dos DNP ,24 bpm, dos que tiveram SI ,64 bpm e a dos PC ,24 bpm. Foram verificadas modificações de pressão arterial e aumento da freqüência cardíaca em alguns indivíduos da pesquisa, estes fatores parecem estar relacionados à adaptações ao ambiente de trabalho, relacionamento social e questões ligadas diretamente à mobilidade na cadeira de rodas. Pode-se observar que na metade final da jornada de trabalho houve um comprometimento gradativo da concentração, produtividade, nervosismo, cansaço, fadiga visual, dor na região lombar e costas. Com estes resultados conclui-se que os maiores níveis de estresse estão relacionados a fatores biopsicosociais e dificuldades na mobilidade. PALAVRAS-CHAVE: Trabalho. Estresse. Cadeirante.

9 ABSTRACT In the environment of work the wheelchair deficient coexists daily with a series of limitations caused by the conditions of the laboral space. The present study had since objective to checked physiological, psychological, organizational and ergonomics aspects what characterize the performance of workers who use wheelchair of public and particular enterprises of Florianópolis. The sample was composed by 12 subjects (34,0 + 12,2) with different types of deficiency: 4 Paraplegics (PR), 1 Tetraplegic (TR), 4 Sequels of Infection (SI), 2 Cerebral Palsy (CP) and 1 Hereditary Neuromuscular Disease (HND). The inquiry was carried out in 8 different enterprises (4 public ones and 4 particular), there were passed two days of collections of the heart rate (HR) during the whole working day (6,0 + 0,9 hours) and gauging of the blood pressure (BP) together with a questionnaire of subjective evaluation of tiredness in the beginning, way and end of the journey. There was carried out a semi-structured interview of a well-adjusted questionnaire of Deliberato (2002) and Andrade (2001), with relative questions the characterization of the enterprise, the area of work and self-control of stress. The results on the stress in the work revealed what 83,3 % of the sample stresses in some way, among the causes pointed as which caused stress they detached the human devaluation of the enterprise for the worker; the excess of work and responsibilities; great pressure in the work and the lack of time for leisure and sport. To HR average of the participants went of 89,0 + 10,7 bpm. To HR average of the PR during the activity laboral was of ,91 bpm, of the TR ,07 bpm, of the HND ,24 bpm, of what they had SI ,64 bpm and that of the CP ,24 bpm. There were checked modifications of blood pressure and increase of the cardiac frequency in some individuals of the inquiry, it seems to these factors to be made a list to the adaptations to the environment of work, social relationship and questions been connected straightly of the mobility in the wheelchair. It is possible to notice that in the final half of the working day there was a gradual compromising of the concentration, productivity, nervousness, tiredness, visual fatigue, pain in the lumbar region and back. With these results it is ended that the biggest levels of stress are made a list to factors biological, social, psychological and difficulties in the mobility. KEY WORDS: Work. Stress. Wheelchair user.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 -Classificação da pressão arterial de adultos com idade igual ou superior a 18 anos...37 Quadro 2 -Agentes causais de lesões medulares...48 Quadro 3 -Amiotrofia muscular espinhal...54

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 -Nível de escolaridade...61 Tabela 2 -Motivos para a utilização da cadeira de rodas...62 Tabela 3 -Diagnóstico dos trabalhadores cadeirantes...62 Tabela 4 -Distribuição das modalidades por sujeito...64 Tabela 5 -Histórico pessoal e familiar de doenças...67 Tabela 6 -Desvios de coluna vertebral...67 Tabela 7 -Cuidados com a alimentação e número de refeições diárias...69 Tabela 8 -Distribuição dos trabalhadores quanto ao período de trabalho...70 Tabela 9 -Média, mínino e máximo de tempo na atividade, empresa e duração da jornada de trabalho...70 Tabela 10 -Realização de hora-extra...71 Tabela 11 -Realização de treinamento...71 Tabela 12 -Pausa para o uso do banheiro...72

12 Tabela 13 -Realização de exercícios compensatórios...73 Tabela 14 -Relacionamento com colegas de trabalho, chefia e direção...74 Tabela 15 -Satisfação em relação ao trabalho...75 Tabela 16 -Dificuldades topográficas de acesso ao posto de trabalho...77 Tabela 17 -Dificuldade de manuseio dos objetos e instrumentos de trabalho...78 Tabela 18 -Ocorrência de espaço insuficiente para locomoção com a cadeira de rodas...78 Tabela 19 -Satisfação em relação ao programa de controle médico e saúde ocupacional...79 Tabela 20 -Avaliação do perfil pessoal quanto a diferentes itens...79 Tabela 21 -Administração dos problemas e emoções...80 Tabela 22 -Relação das causas de estresse...80 Tabela 23 -Reações psicossomáticas em função do estresse...81 Tabela 24 -Estratégias adotadas para combater o estresse...82 Tabela 25 -Auto-avaliação do controle de estresse...82 Tabela 26 -Avaliação dos funcionários quanto à ação na empresa do combate ao estresse...82 Tabela 27 -Pressão arterial no primeiro dia da coleta...90 Tabela 28 -Pressão arterial no segundo dia da coleta...90

13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 -Classe Econômica...63 Gráfico 2 -Relacionamento familiar...63 Gráfico 3 -Uso de medicamentos...66 Gráfico 4 -Tipo de cadeira de rodas que é geralmente utilizada pelos cadeirantes para trabalhar...68 Gráfico 5 -Estresse no trabalho...76 Gráfico 6 -Comportamento da freqüência cardíaca geral dos cadeirantes durante um dia de maior tempo de registro...84 Gráfico 7 -Comportamento da freqüência cardíaca dos trabalhadores paraplégicos...85 Gráfico 8 -Comportamento da freqüência cardíaca de trabalhador tetraplégico...86 Gráfico 9 -Comportamento da freqüência cardíaca de trabalhador com Amiotrofia Espinhal...87 Gráfico 10 -Comportamento da freqüência cardíaca de trabalhadores com seqüela de infecção...88 Gráfico 11 -Comportamento da freqüência cardíaca em paralisados cerebrais...88

14 Gráfico 12 -Comportamento da freqüência cardíaca sujeito1...89

15 LISTA DE ABREVIATURAS ABEP -Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa ABNT -Associação Brasileira de Normas Técnicas AME -Amiotrofia Muscular Espinhal AVC -Acidente Vascular Cerebral AVD -Atividades da Vida Diária CEFID -Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos CIPA -Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CLT -Consolidação das Leis do Trabalho FC -Freqüência Cardíaca IBGE -Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística NMS -Neurônio Motor de Sobrevivência NR -Normas Regulamentadoras OMS -Organização Mundial de Saúde

16 PA -Pressão Arterial PAD -Pressão Arterial Diastólica PAS -Pressão Arterial Sistólica PC -Paralisia Cerebral PCMSO -Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA -Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais RVP -Resistência Vascular Periférica SESMT -Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SNA -Sistema Nervoso Autônomo SNC -Sistema Nervoso Central UDESC -Universidade do Estado de Santa Catarina

17 LISTA DE ANEXOS Anexo 1 -Parecer do comitê de ética Anexo 2 -Termo de consentimento livre e esclarecido Anexo 3 -Questionário de dados pessoais Anexo 4 -Questionário de caracterização da empresa e da área de trabalho (DELIBERATO, 2002) adaptado Anexo 5 -Questionário de auto-avaliação da ocorrência e controle do estresse (ANDRADE, 2001) adaptado Anexo 6 -Questionário Bipolar (DELIBERATO, 2002) adaptado...119

18 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO ATIVIDADE FÍSICA E TRABALHO Freqüência Cardíaca e Pressão Arterial ESTRESSE E TRABALHO FATORES BIOPSICOSSOCIAS DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA O PORTADOR DE DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO CADEIRANTES - PORTADORES AMBULATORIAS TOTAIS Lesão medular Poliomielite Paralisia Cerebral Amiotrofia Espinhal MATERIAL E MÉTODOS CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA POPULAÇÃO AMOSTRA INSTRUMENTO DE PESQUISA COLETA DE DADOS TRATAMENTO ESTATÍSTICO APRESENTAÇÃO DOS DADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CARACTERISTICAS GERAIS DA AMOSTRA CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA PELO FUNCIONÁRIO CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE TRABALHO...77

19 AUTO-AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA E CONTROLE DO STRESS FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL DURANTE ATIVIDADE LABORAL SENSAÇÃO SUBJETIVA DE DOR E CANSAÇO DURANTE O TRABALHO.91 5 CONCLUSÃO...94 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...98

20 20 1 INTRODUÇÃO A deficiência física e mental em tempos antigos era tratada como um fator de marginalização na sociedade. Ao longo dos tempos ocorreram mobilizações sociais de modo que as diferenças e os direitos dos indivíduos fossem respeitados e nos tornássemos uma sociedade mais humana e justa. O avanço tecnológico propiciou o surgimento de equipamentos e materiais que vieram trazer uma melhoria na mobilidade e na execução de tarefas antes consideradas difíceis. De acordo com Rosadas (1991) os fundamentos ético-religiosos dos povos pré-cristãos não permitiam uma valorização do indivíduo deficiente, uma vez que os portadores de moléstias, principalmente os deficientes físico-mentais congênitos, eram considerados amaldiçoados pelos deuses, sendo segregados ou mesmo eliminados da sociedade. Através da ciência, depois das grandes guerras mundiais, a necessidade das modernas sociedades em aumentar o rendimento com a diminuição do investimento, e sustentar elementos não produtivos, houve uma preocupação na descoberta de métodos que visassem uma reintegração social do deficiente e, na medida do possível, torná-lo um fator de produção para a sociedade (ROSADAS, 1991). Segundo levantamento realizado pelo IBGE em 2000 cerca de 14,5% da população brasileira era composta por portadores de deficiência permanente, sem

21 21 contar os diversos tipos de deficiência sensorial, deficiência física temporária, os obesos, pessoas com estatura fora da média e anciãos (BITTENCOUT et al., 2004). A Constituição Federal de 1988 garante as pessoas portadoras de deficiência um percentual em cargos e empregos públicos (MARTINS e LISBÔA, 1998). Assim inicia-se um processo em que ocorre a preocupação com as garantias e a seguridade de um bom ambiente de trabalho em que o deficiente possa desenvolver suas tarefas de forma mais eficaz dentro de suas possibilidades. Dentro do contingente de deficiências físicas, diferenças são visíveis enquanto a questão da mobilidade. De acordo Woude, Groot e Janssen (2005), embora a mobilidade seja um elemento essencial na vida diária, a sua importância só é então normalmente reconhecida quando é por alguma razão limitada, como é o caso daqueles que são dependentes da cadeira de rodas. Este é um dispositivo crucial para o funcionamento diário desses com prejuízos de membros inferiores. A inserção do cadeirante no mercado de trabalho exige algumas adaptações de ordem física do ambiente, assim como no sistema organizacional. Caso isto não aconteça ou ocorra de modo insatisfatório pode-se gerar problemas de mobilidade, socialização e desencadear estresse. Convivemos normalmente com o estresse em diversas situações do cotidiano. A situação de estresse é, portanto inerente à própria existência humana. Permite que o ser humano enfrente adequadamente as novas situações, situações inesperadas, situações que exigem grande esforço físico ou emocional, etc. É um mecanismo fisiológico normal que desencadeia reações orgânicas que permitem a superação de barreiras e envolver-se mais intensamente com projetos. Em fim, permite que se viva intensa e produtivamente (RABELLO et al., 1999). Para Ranney (2000) o estresse atualmente é considerado um companheiro

22 22 constante, desde os empregados aos empregadores; o estresse é bom - aumenta a produtividade mas o estresse excessivo leva a enfermidade. Até certo ponto, uma carga de estresse no ambiente profissional é tolerável e até mesmo desejável. Ele funciona como um gatilho natural que provoca uma descarga de adrenalina no organismo, deixando-o pronto para reagir diante de um perigo ou desafio iminente. Todavia quando este mecanismo é acionado em excesso ele começa a ter um efeito negativo, que os especialistas chamam de estresse crônico (FRANÇA, 2006). Corrêa e Menezes (2002) afirmam que o estresse pode ser avaliado pelas modificações da freqüência cardíaca, monitoramento da pressão sanguínea ou da freqüência respiratória, avaliação do gasto energético, medição da produtividade, registro estatístico da fadiga, eletroencefalograma e medição dos níveis sanguíneos de catecolaminas, assim como por meio da quantificação de outros neurotransmissores. A partir desta medida quantitativa de fadiga, é possível saber o grau de responsabilidade, portanto o grau de desgaste humano no trabalho, assim como verificar a reação do organismo humano a diferentes sobrecargas para que facilitem o trabalho. Questionam-se as empresas quanto a exigências excessivamente altas ou se a sobrecarga está nos moldes de uma exigência fisiológica normal (GRANDJEAN, 1998). Na medida em que se incorpora uma relação democrática entre sujeitos a partir da percepção individual dos distúrbios sistêmicos e que estão sempre abertos a novos participantes, tornando-se gradativamente mais amplo, inaugura-se a possibilidade de um amplo debate público capaz de permear toda a sociedade civil. Nessa perspectiva, a participação acontece sempre que sujeitos estabelecem relações com outros sujeitos, de forma clara, pelas quais as informações são livremente veiculadas e todos são respeitados como portadores de saberes e

23 23 competências (DIAS e MELO, 2005). Todas as atividades, inclusive o trabalho, têm pelo menos três aspectos: físico, cognitivo e psíquico. Cada um deles pode determinar uma sobrecarga ou sofrimento e estão inter-relacionados. Se a definição dos aspectos físicos e cognitvo é bastante evidente, não ocorre o mesmo para a dimensão psíquica. Esta pode ser definida em termos de níveis de conflito no seio da representação consciente ou inconsciente das relações entre e pessoa (ego) e a situação (neste caso, a organização do trabalho) (WISNER, 1987; 1994). Desta forma, questiona-se: Quais os aspectos fisiológicos, psíquicos, organizacionais e ergonômicos que caracterizam o desempenho laboral de trabalhadores cadeirantes? 1.2 OBJETIVOS Objetivo geral Verificar os aspectos fisiológicos, psíquicos, organizacionais e ergonômicos que caracterizam o desempenho laboral de trabalhadores cadeirantes de empresas públicas e privadas do município de Florianópolis (SC) Objetivos específicos Caracterizar os trabalhadores cadeirantes participantes da pesquisa; Verificar a freqüência cardíaca e pressão arterial de trabalhadores cadeirantes; Verificar a sensação subjetiva de fadiga e cansaço no momento do desempenho laboral de trabalhadores cadeirantes;

24 24 Caracterizar a empresa de acordo com a avaliação de trabalhadores cadeirantes; Caracterizar a área de trabalho de acordo com a avaliação de trabalhadores cadeirantes; Verificar a avaliação da ocorrência e controle do estresse de trabalhadores cadeirantes. 1.3 JUSTIFICATIVA Os empresários transformam a atividade física do trabalhador em produção de mercadorias e serviços, quanto maior for à produção, maior será o lucro obtido. Com isso a atividade física do trabalhador é o fundamento do empreendimento comercial (HOFFMAN, 2002). De tal modo, a atividade física realizada pelo deficiente físico apresenta aspectos diferenciados ergonomicamente que influenciam diretamente na sua atividade laboral e na sua saúde. Ao eleger um local de trabalho que possibilite a execução de movimentos e funções necessárias da maneira mais ergonômica, o deficiente mantém uma postura mais correta e pode contribuir para sua qualidade de vida, além de proporcionar uma melhor produtividade para a empresa. A ergonomia vale-se da observação de situações do cotidiano do trabalho durante a realização de tarefas e busca identificar traços que nem sempre são manifestos ou registrados formalmente. Analisar a nocividade do trabalho e no trabalho é analisar a situação que a produziu, e como o trabalhador reagiu frente à situação, além do que avalia a situação no qual, mesmo expostos a fatores de risco,

25 25 as condições inseguras ou fortes exigências psicossociais, os indivíduos não apresentaram queixas (ASSUNÇÃO e LIMA, 2005). Assim mostra-se imprescindível uma avaliação do trabalhador no seu dia de trabalho afim de que se busque um equilíbrio entre os interesses dos empresários e de seus respectivos trabalhadores. Ainda existe muito pouco conhecimento da ergonomia das fadigas psíquicas, fadigas que pertencem, no entanto, mas ao domínio cognitivo. É devido a isso que nos nossos dias a ergonomia se preocupa mais em melhorar a competência do operador do que em medir a carga mental e, paralelamente, em modificar as condições de estresse do seu trabalho (MONTMOLLIN, 1990). Apesar de todo o desenvolvimento tecnológico, as pessoas portadoras de deficiência física ainda sofrem grande preconceito e são minoria no mercado de trabalho. Pesquisas feitas nesta área podem contribuir para o incremento da mão de obra e para melhorias quanto a aspectos relacionados à locomoção e permanência no trabalho. Estudos relacionados a aspectos fisiológicos e psicossociais na área da ergonomia vinculado ao ambiente laboral com deficientes físicos ou mentais são pouco encontrados, as pesquisas mais comuns enfocam na área de mobilidade relacionada ao ambiente doméstico como o de Hoenig et al. (2003), da biomecânica ou psicologia (DE GROOT et al., 2002; RODRIGUES, 2003; PEREIRA e ARAÚJO, 2005) e da fisiologia relacionada ao treinamento (JANSSEN et al., 1996; GATES, CAMPBELL e GEORGE, 2002). Num processo em que a sociedade torna-se heterogênea, complexa e fragmentada, o surgimento de novos conceitos que permitam pensar a organização social a partir da interação de sujeitos que ocorre em vários espaços é de fundamental importância para a saúde e segurança dos trabalhadores (DIAS e

26 26 MELO, 2005). Os trabalhadores cadeirantes apresentam a questão da mobilidade muito diferenciada daqueles que podem deambular sem nenhum tipo de prótese ou órtese. O ambiente de trabalho deve estar apto a receber estes empregados, assim como o acesso até a atividade laboral deve propiciar o menor número de barreiras possíveis de modo que promova pelo menos a integração destes trabalhadores no mercado de trabalho.

27 27 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Ao contrário de muitas outras ciências cujas origens se perdem no tempo e no espaço, a ergonomia tem uma data oficial de nascimento: 12 de julho de Nesse dia, reuniram-se pela primeira vez, na Inglaterra, um grupo de cientistas e pesquisadores interessados em discutir e formalizar a existência desse novo ramo de aplicação interdisciplinar da ciência. Na segunda reunião do mesmo grupo, ocorrida em 16 de fevereiro de 1950 foi proposto o neologismo ergonomia, formado dos termos grego ergo, que significa trabalho e nomos, que significa regras, leis naturais (IIDA, 2003). Assim a ergonomia é o estudo do trabalho, deste modo se preocupa em entender o que é o trabalho e como melhorar a eficiência da produção e evitar problemas de saúde, o que pode ser feito com maior ou menor magnitude de sucesso. Integra conhecimentos fisiológicos e psicológicos, quando estuda o homem em situação real de trabalho, a fim de identificar os elementos críticos sobre a saúde e segurança originados nestas situações, e a partir disso desenvolve instrumentos pedagógicos para qualificar trabalhadores (ASSUNÇÃO e LIMA, 2005). Neste capítulo está apresentado, o referencial teórico assim descrito: segurança e saúde do trabalho, atividade física e trabalho, estresse e trabalho, fatores biopsicossociais do portador de deficiência, portador de deficiência e

28 28 mercado de trabalho e cadeirantes. Foram abordados também temas como freqüência cardíaca e pressão arterial. 2.1 SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO A essência das políticas públicas voltadas à saúde do trabalhador está em decisões que protejam a saúde e integridade dos trabalhadores a fim de garantir o lucro das atividades produtivas em um sistema capitalista de produção. Isto está permeado em uma complexa rede de negociações, indecisões, conflitos, rivalidades, confusão conceitual e incompetência que surgem no mundo dos governos, corporações, grupos de interesses, partidos políticos e organizações comunitárias (DIAS e MELO, 2005). Segundo Dias e Melo (2005) a saúde e segurança do trabalho têm sido desenvolvidas nos seguintes espaços institucionais, definidas a partir de políticas setoriais que obedecem a lógicas, objetivos, condições de suporte tecnológico e financeiro: -pelo estado, através do ministério do trabalho da previdência social e pela rede pública de serviços de saúde, incluindo os hospitais universitários; -pelas empresas, através de Serviços Especializados em Engenharia de Segurança em Medicina do Trabalho (SESMT) e outras formas de organização de serviços da saúde; -pelas organizações de trabalhadores; -pela iniciativa privada, através de planos de saúde e seguros suplementares e outras formas de prestação de serviços, custeados integral ou parcialmente pelos trabalhadores.

29 29 As empresas privadas e públicas, os órgãos públicos da administração direta e indireta e dos poderes legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho CLT manterão obrigatoriamente, Serviços Especializados em Engenharia e em Medicina do Trabalho, com a finalidade de promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho (MANUAIS, 2004). De acordo com as normas regulamentadoras (NR) do trabalho uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é responsável pela prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador. Além disso, é obrigatória a elaboração e implementação por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do programa de prevenção dos riscos ambientais PPRA, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes e que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais (MANUAIS, 2004). Muitos fatores de risco ergonômicos estão relacionados ao trabalho, um determinado nível de exposição a estes fatores, que irá variar individualmente, poderá provocar danos físicos ou psicológicos. Para desencadear estes fatores de risco uma série de variáveis está envolvida. As variáveis biológicas estão relacionadas a características físicas pessoais como: força muscular, doenças, lesões, idade; ou então as características intrínsecas da personalidade como: em suas atitudes, auto-estima, ansiedade, a capacidade de auto-orientação etc. Já os

30 30 fatores organizacionais no trabalho incluem horas extras, períodos prolongados de trabalho, falta de intervalos de descanso suficientes, produção global de peças, não rotatividade na tarefa e excessiva demanda ocupacional sem benefício aplicado ao trabalhador. Os fatores sociológicos externos podem estar relacionados à: situação conjugal, necessidades financeiras entre outros (RANNEY, 2000). De acordo com Assunção e Lima (2005) quando se fala em saúde do trabalhador é importante considerar que a atividade física, gestual e postural não é dissociável da atividade perceptiva e mental subjacente; que a programação de uma atividade depende daquelas que a precedem e daquelas que a sucedem; que as funções humanas possuem condições limitadas de funcionamento ótimo, que necessitam ser respeitadas, sob o risco de atingirem conseqüências irreversíveis; que todo o indivíduo é variável ao longo do tempo, durante a jornada de trabalho, de um dia a outro e do curso de sua vida em função de sua idade e da sua história profissional em particular e que os indivíduos são diferentes entre eles, neste sentido, o indivíduo padrão é um mito. Os ergonomistas muito fizeram na busca de identificar as características ocupacionais específicas que fossem prejudiciais para a maioria das pessoas, todavia o que pode ser prejudicial para uma pessoa pode ser muito bem tolerado por outra. Isso acontece devido a grande variabilidade na resposta individual a uma mesma atividade ocupacional e ampla variedade de fatores de risco no ambiente de trabalho (RANNEY, 2000). Na atividade laboral a variabilidade interindividual é muito grande: o custo psicofisilógico, as modalidades de execução deste trabalho são diferentes de um trabalhador para outro, e um indivíduo não as cumpre sempre da mesma maneira. Certos indivíduos acham saídas para evitar o sofrimento e o adoecimento e

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 Luiz Carlos Rodrigues Resumo: Com a criação da Lei que estabelece cotas para a inclusão do profissional portador de deficiências

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES Nov.2014 Negócio CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE Educação Qualidade de Vida Declaração Estratégica Missão Promover a qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática

Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática Caracterização do problema: o laboratório de praticas integradas busca proporcionar aos acadêmicos de medicina da UNIDERP um ambiente que favoreça

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais