International Research Network on Muslims in Lusophone Spaces

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "International Research Network on Muslims in Lusophone Spaces"

Transcrição

1 International Research Network on Muslims in Lusophone Spaces CONTACTOS Web site: (em construção) Hotmail for urgent cases: ORGANIZAÇÃO Nina Clara Tiesler, ICS-UL 1. OS PRIMÓRDIOS A MEL-net (Muçulmanos em Espaços Lusófonos) foi concebida pela Doutora Nina Clara Tiesler, e aceite como projecto pelo ICS-UL em Janeiro de A criação da Rede MEL-net emergiu da necessidade e do desejo de facilitar a comunicação entre investigadores que se debruçam não só sobre o estudo do Islão e questões relacionadas, em países lusófonos, como também sobre estas mesmas questões em relação às comunidades muçulmanas lusófonas que residem noutras zonas do mundo. A sua constituição como rede interdisciplinar de investigação tem sido possível graças à participação e empenho de 35 investigadores de várias partes do mundo que para ela contribuíram de diversos modos. O XIX Congresso da Afemam (Association française pour l étude du Monde arabe et Musulman) em Estrasburgo, França, de 7 a 9 de Julho deste ano revelou-se uma oportunidade ideal não só para o lançamento oficial da MEL-net, mas também para a realização do seu primeiro painel. Foram apresentadas contribuições por sete investigadores, e nomeados os membros para o Comité Executivo da MEL-net para o ano de 2005/2006 (ver abaixo). 2. OS MOTIVOS... emergentes das áreas geográficas em investigação Quase todos os países lusófonos contam com comunidades muçulmanas que são parte activa da sociedade em que se inserem, e que apresentam características distintas relativas, por exemplo, ao país de origem e ao período de estabelecimento no país de residência. Por exemplo, enquanto que a comunidade Muçulmana na Guiné-Bissau e Moçambique já existe há muito, a comunidade em Angola é muito mais recente e oriunda de países não-lusófonos. Apesar da presença Islâmica em Portugal remontar aos tempos do Gharb al-andaluz, a comunidade muçulmana actual não tem qualquer relação sócio-demográfica directa com esta presença ancestral. Em boa verdade, esta comunidade é mais um fenómeno pós-colonial, que propriamente o resultado de centenas de anos de aculturação. Outros países como o Brasil, 1

2 Macau e Timor-Leste também contam com uma comunidade muçulmana cujas características diferem significativamente. Contudo, e apesar destas assimetrias, as comunidades partilham certas características sócio-culturais que se prestam a uma análise comparativa como, aliás, evidenciam as hipóteses exploratórias apresentadas numa secção posterior. Em todos os casos, a comunidade muçulmana é tratada analiticamente como uma minoria religiosa (com a excepção da Guiné Bissau onde a situação se alterou recentemente), e na maioria dos casos, muçulmanos representam também minorias étnicas nestes sociedades. De ressalvar o carácter dinâmico destas comunidades, fruto da migração internacional, das ligações transnacionais e das tecnologias de comunicação, que não só produziram uma crescente diversidade, como também uma construção de afinidades que por vezes é baseada na nacionalidade, ou na etnia, ou até mesmo na partilha de um idioma comum (em muitos casos o português). Apesar do conceito de lusofonia, enquanto construção social nestes contextos coloniais e póscoloniais, ser utilizado ou rejeitado tanto por maiorias como por minorias, na realidade, nunca foi examinado no contexto da comunidade muçulmana em áreas lusófonas.... emergentes do seio da comunidade científica A falta de tradição académica em estudos sobre o Islão e respectivas comunidades nestes paises, assim como o alto grau de dispersão dos investigadores que trabalham na área, tem ocasionado um certo isolamento académico e défice em análise comparativa em relação a outros espaços não-lusófonos. Mais concretamente, a ausência de estruturas institucionais específicas (sejam programas de investigação, bases de dados bibliográficas ou directórios de peritos) que possam servir como suporte académico, assim como a não publicação de estudos em idiomas que não o português, tem sido prejudicial a uma efectiva cooperação académica e à divulgação de estudos sobre espaços lusófonos. Visando colmatar esta lacuna e tornar os projectos produzidos em português acessíveis a um público mais alargado, a rede MEL-net pretende publicá-los noutros idiomas, tais como o inglês e o francês, tornando-se assim num recurso precioso não só para investigadores mas também para outras redes de investigação internacional como, por exemplo, o EURISLAM.... emergentes dos discursos públicos, programas educacionais e media A actual situação internacional caracterizada pela crescente saliência de actos violentos e extremistas perpetuados por grupos e por indivíduos que se auto-denominam muçulmanos, tem gerado uma crescente procura de informação de cariz sócio-cultural e académico acerca da religião Islâmica e dos muçulmanos, particularmente por agentes mediadores nas várias sociedades lusófonas. Estes expressam frequentemente uma certa frustação pela dificuldade na obtenção de fontes úteis de informação. Concomitantemente tem-se verificado também uma verdadeira proliferação de auto-denominados peritos no mundo muçulmano, cuja falta de rigor académico os leva a acatar, sem sentido crítico, as declarações destes grupos e indivíduos extremistas, contribuindo ainda mais para a perpetuação de estereótipos e de falsas assunções acerca desta religião na esfera pública. Neste contexto, tanto políticas públicas como assuntos de segurança nacional podem vir a ser parte do âmbito da MEL-net, beneficiando assim de uma análise científica rigorosa, adequada aos vários contextos. 2

3 Concluindo, a MEL-net poderá tornar-se um instrumento de grande utilidade para aqueles interessados em conhecimento académico de fácil acesso que abranja uma panóplia de assuntos contemporâneos associados às minorias muçulmanas em espaços lusófonos. 3. A ÁREA GEOGRÁFICA DE INVESTIGAÇÃO Portugal Moçambique Guiné-Bissau Angola Cabo Verde Brasil Timor Leste Macau Díu, Damão & Goa Para além dos países supracitados parece relevante incluir outros países não lusófonos, cuja acuidade para as áreas acima podem contribuir para o estudo das comunidades muçulmanas, e ilustrar a importância dos assuntos abordados: Países de origem e acolhimento de muçulmanos que hoje residem em espaços lusófonos (por exemplo: Bangladesh e Arábia Saudita para o caso dos Bangladeshis em Portugal, Líbano para o caso dos Muçulmanos Brasileiros, o Mali como país de origem de Muçulmanos que residem em Angola, etc); Países de destino para muçulmanos originários de espaços lusófonos (por exemplo: Muçulmanos de origem Guineense em Espanha; Muçulmanos Portugueses n o Reino Unido); Contextos de trocas e comunicações transnacionais; Países de residência prévia ou presente de Muçulmanos lusófonos; As várias diásporas de diferentes países, desde que estas comunidades também estejam presentes num país lusófono (por exemplo: Muçulmanos de origem Indiana em Portugal e no Reino Unido; migrantes Marroquinos em Portugal e Espanha, etc.) 4. AS ÁREAS DE INVESTIGAÇÃO Presença Islâmica Contemporânea (PIC); Presença Islâmica Histórica (PIH). 5. OBJECTIVOS GERAIS Promover a cooperação académica interdisciplinar a nível internacional; A abertura dos discursos lusófonos à comunidade científica internacional; Organização de conferências e de um programa de publicações* 1 ; Lançamento do sítio de internet MEL*. 1 Estes programas estão detalhados em secções posteriores. 3

4 6. OBJECTIVOS PRINCIPAIS Disponibilizar súmulas relativas à Presença Muçulmana, tanto Histórica como Contemporânea (PIC & PIH) nas várias áreas geográficas Estas resenhas e perfis de países, especialmente quando relacionadas com a PIC, poderão ser disponibilizadas como parte de um menu de pesquisa de assuntos gerais (ver abaixo), e serão disponibilizadas no sítio de internet da MEL-net. Articulação de questões para investigação de cariz comparativo,* como alicerce para a cooperação académica De referir que este objectivo não implica a homogeneização das comunidades em estudo. Muito pelo contrário, os investigadores estão perfeitamente cientes das especificidades de cada caso e da importância de atender aos interesses de investigação e áreas de especialização dos participantes. Estas questões serão discutidas e sujeitas a constante reformulação, dependendo dos desenvolvimentos das comunidades em estudo e da própria evolução do estado da arte. Uma constante reflexão e análise dos vários acontecimentos constituirão uma das componentes essenciais da MEL-net. Constituição de equipas de investigação multi-site A natureza da investigação académica nesta área obriga a que os investigadores se desloquem com frequência. A dispersão geográfica das comunidades devido à migração, assim como as ligações transnacionais, a que não são alheias as novas tecnologias de informação (por exemplo a participação em salas de conversação Muçulmanas), obrigam a este esforço. Contudo, os investigadores muitas vezes deparam-se com dificuldades na busca e actualização de informação, como corolário da impossibilidade de deslocação ao estrangeiro. A MEL-net pode revelar-se um instrumento de extrema importância na persecução deste objectivo porque pode assistir na localização de colegas no estrangeiro com interesses de investigação semelhantes, ajudando assim à constituição de equipas de investigação internacionais. Estandardização, tradução e transliteração de termos em árabe & terminologia em geral A maioria dos investigadores que publicam os seus trabalhos em português seguem geralmente normas de tradução anglófonas, utilizando na prática termos com conotação muito diversa para designar fenómenos semelhantes. As transliterações de certos termos para português também alteram radicalmente o conteúdo da obra. Veja-se, por exemplo, que as designações portuguesas de várias religiões terminam em -ismos, tais como Cristianismo, Judaísmo, Hinduismo e Budismo, sendo também deveras comum utilizar a palavra Islamismo para designar a religião Islâmica, em vez da alternativa Islão (ou Islã, a variação Brasileira). A palavra Islamismo, traduzida em inglês ou utilizada num contexto não lusófono, será entendida como Islamism, um conceito que em inglês não significa Islão, mas sim os vários movimentos políticos de inspiração Islamista. Directório de Peritos Os investigadores que trabalham nesta área são contactados com frequência por uma série de pessoas e instituições, em que se incluem tanto estudantes como jornalistas. Estes 4

5 contactos visam a obtenção de informação rigorosa, seja através de entrevistas, convites para conferências/aulas, ou até mesmo orientação em projectos de investigação. As actividades a que a MEL-net se propõe seriam constitutivas desta ponte com o mundo não acadêmico, constituindo para o efeito bases bibliográficas de informação, e institucionalizando o trabalho efectuado por peritos. Criação de uma base de dados bibliográfica Os investigadores que contribuirão para a MEL-net propõem-se organizar e categorizar todos os seus dados bibliográficos e disponibilizá-los no sítio de internet. Visando uma troca de informação interactiva, tanto os utilizadores como os autores serão encorajados a participar no enriquecimento do sítio. Para concretizar este objectivo, será necessário um software adequado que permita não só a procura de documentos por palavra-chave como também uma categorização adequada dos dados. A MEL NO SEU MELHOR MEL-net: Programa e rede de investigação MEL-mail: Mailinglist MEL-site: Fórum de internet, sítio de internet MEL-doc: Mestrandos e Doutorandos MEL-pub: Programa de publicações 7. MEL-net Tendo em conta os objectivos e actividades delineados, a MEL-net possui o potencial para se tornar num projecto de investigação, desde que a sua capacidade de angariação de fundos consiga igualar os seus objectivos. Existe um amplo potencial para a investigação e cooperação internacional, seja através da divulgação da investigação em português como pela possibilidade de conduzir estudos em áreas até hoje pouco teorizadas. A assistência da MELnet é frequentemente procurada para orientação na articulação de questões de investigação simples, particularmente por investigadores cuja especialização académica se centra no estudo das religiões e minorias étnicas, mas que necessitam de orientação no estudo das especificidades das comunidades muçulmanas. Um dos objectivos da MEL-net seria também a atribuição de bolsas de investigação para apoiar investigadores nacionais no estrangeiro de modo a concretizar, pelo menos, projectos de curta duração, e para financiar a sua participação em congressos e conferências (viagens e estadia) visando a apresentação e a divulgação do seu trabalho. HIPÓTESES DE INVESTIGAÇÃO INICIAIS PIC (Presença Islâmica Contemporânea) Visando uma perspectiva comparativa, os investigadores afiliados à MEL-net têm vindo a desenvolver grupos de questões relativos a várias temáticas, de entre as quais se destacam as seguintes: 5

6 1. Base de Dados Demográfica População total do país Número estimado de Muçulmanos Países de Origem Cidadania / estatuto legal dos imigrantes de origem Muçulmana Motivos para a imigração, e eventuais ondas migratórias Distribuição geográfica (possível concentração) 2. Sociografia religiosa Número de mesquitas e salas de culto; Escolas Corânicas, outras escolas, jardins de infância, grupos de estudo, Universidades; Cemitérios; Talhos; Associações (por ex. Jovens ou Estudantes Muçulmanos); Organizações de Mulheres; Ajuda Humanitária; Organizações Sociais; Etc. 3. Os Media Publicações produzidas por Muçulmanos (sítios e internet, literatura cinzenta), livrarias; Publicações acerca de Muçulmanos; Participação de Muçulmanos em programas de Rádio e televisão; Livros académicos sobre Muçulmanos nos vários países; 4. Relação entre o Estado e as Comunidades Religiosas Religião dominante & outras minorias religiosas; Leis e debates sobre a Liberdade Religiosa; Formas de organização e Reconhecimento de comunidades religiosas; Partidos Muçulmanos/Islâmicos; Aplicação da Lei da Família Islâmica; Feriados; Funerais; matadouros Halal, etc. Debates sobre o papel do Islão em escolas públicas. HIPÓTESES DE INVESTIGAÇÃO COMPARATIVAS CIP (em estudo) 1º Exemplo: Trajectórias Migratórias dos Muçulmanos em Espaços Lusófonos 2º Exemplo: As várias construções do conceito de Lusófonia 3º Exemplo: A Tabligh Jamaat em Espaços Lusófonos 4º Exemplo: A posição legal do Islão e políticas relacionadas com os muçulmanos em Espaço Lusófonos 8. MEL-mail A MEL-mailing list seria gerida a partir do ICS-UL, e numa fase inicial será lançada em versão beta, o que significa que começará como um list-serve, organizado por um list manager com uma conta de 6

7 Com o crescimento da lista, o sistema seria melhorado e transformado num mailing list provider profissional com um list manager, tal como nos foi recomendado pela Amnistia Internacional. Uma pequena nota introdutória acerca da MEL-net seria distribuída por todos os canais disponíveis (sistema snowball ), assim como uma chamada para contribuições para o sítio. Deste modo, a MEL-net estará acessível a um largo espectro de interessados (jornalistas, professores, etc), que assim poderão consultar e enviar informação para o sítio. 9. MEL-site (em construção, veja também Call for Contribution) Secção Histórica e Contemporânea; Relatórios por país na secção Contemporânea; Base de dados Bibliográfica; Working Papers & Publicações em PDF; Links para teses, publicações e artigos relevantes; Membros, Contactos, CVs; Resumos de actuais projectos de investigação (includindo projectos de Mestrado e Doutoramento); Anúncios de Eventos Académicos & recensões literárias; Links para outras redes/base de dados/sítios de internet relacionados com a comunidade muçulmana a nível mundial. 10. MEL-doc A MEL-net ambiciona oferecer uma plataforma académica para a cooperação e troca de ideias assim como oportunidades para publicação online e possibilidades de orientação para mestrandos e doutorandos. O objectivo principal é facultar um espaço de discussão onde os estudantes possam não só apresentar os seus trabalhos (pelo menos um por ano por candidato), mas também receberem orientação/ajuda básica na sua área por investigadores especializados. Seriam constituídos vários grupos de discussão online a serem coordenados pelo José Mapril (ICS-UL), e apesar de todo este intercâmbio poder ser feito online, seria desejável a obtenção de fundos para a organização ocasional de reuniões em diferentes países/ partes dos países. Artigos meritórios, após a sua discussão e edição, podem ser posteriormente publicados na secção working-papers do MEL-site e/ou serem publicados no MEL-pub (programa de publicações). Mestrandos e doutorandos que estejam interessados em fazer parte da MEL-Doc podem candidatar-se facultando para o efeito uma descrição do seu projecto de investigação, o CV, e uma amostra escrita do seu trabalho (a aceitação da candidatura possivelmente dependerá também da anuência do orientador ou instituição académica do candidato). A candidatura seria posteriormente avaliada por um painel de investigadores seniores e juniores pertencentes à Rede MEL. Apesar de até agora, a MEL-net não ter ainda seriamente envidado esforços para alcançar um público mais abrangente, cerca de 12 candidatos deveras promissores e de 5 países distintos, já expressaram o seu interesse em participar. 7

8 11. MEL-pub Conjuntamente com os recursos disponíveis no sítio de internet, a MEL-net ambiciona inaugurar um programa de publicações. A primeira publicação MEL está de momento a ser preparada e será lançada em Maio de 2007: uma edição especial da revista Lusotopie (publicado na Brill) dedicada ao Islão e aos Muçulmanos em Espaços Lusófonos que de momento inclui artigos sobre a presença histórica e contemporânea dos Muçulmanos em Portugal (5), no Brasil (2), em Moçambique (3) e no Reino Unido (1). LUSOTOPIE, Vol. XIV (1), Islam en lusophonie, édité par Nina Clara Tiesler (avec l aide précieuse de Lorenzo Macagno et Eric Morier-Genoud), mai 2007 CRONOLOGIA Janeiro 2005 Concepção da Rede MEL-net Junho 2005 Participação da MEL-net na Mesa Redonda Islão em Portugal: sociedade multicultural e co-inclusão, org. pelo Centro de Estudos Geográficos, FLAD, Julho 2005 Painel MEL na XIX Conferência da AFEMAM, Estrasburgo, 7-9 Julho, e lançamento da MEL-net Out Out Edição do Volume especial MEL com a Lusotopie Novembro 2005 Apresentação da Rede MEL-net na reunião da Rede Bibliográfica Internacional EURISLAM, em Estrasburgo, França (Nina Clara Tiesler) Abril 2006 Painel MEL & Lançamento da MEL-doc no III Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia (APA), de 6-8 de Abril, Lisboa (ICS-UL & ISCTE) Junho 2006 Preparação do Painel MEL para o Congresso Luso-Afro- Brasileiro das Ciências Sociais, Nov em Luanda Augusto 2006 Lançamento do MEL-mail, Call for Contributions for MEL-site/ desenvolvimento do sítio de internet MEL Novembro 2006 Lançamento do sítio de internet MEL Novembro 2006 MEL-PAINEL, Comunidades muçulmanas nos processos de desenvolvimento e modernização das sociedades lusófonas, IX CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, Luanda, Angola, 28, 29 e 30 de Novembro Decembro 2006 Avaliação de posteriores desenvolvimentos para o MEL-doc A desenvolver MEL-net Comité Executivo 2005/6 Nina Clara Tiesler, ICS-UL, Portugal AbdoolKarim Vakil, King s College Londres, Reino Unido Paulo Daniel Farah, Centro de Estudos Árabes, Univ. de São Paulo, Brasil Maria Abranches, CIES/ISCTE, Portugal 8

9 Até ao momento, a Rede Mel beneficiou da participação, apoio, entusiasmo e contribuições de José Mapril, ICS-UL (coordenador MEL-doc) Lorenzo Macagno, Univ. Federál de Paraná, Brazil Eric Morier-Genoud, Univ. of Lausanne, Switzerland Liazzat Bonate, Eduardo Mondlane Univ., Maputo, Moçambique Álvaro Nobrega, ISCSP-UTL, Lisboa Eduardo Costa Dias, ISCTE, Lisboa Maria Johanna Schouten Rita Gomes Faria, AM (Madrid) Eduardo Medeiros, Univ. de Évora Maria João Baessa Pinto, ISCTE, Lisboa Eva-Maria von Kemnitz, UNL, Lisboa Nicole Khouri, Paris Joana Pereira Leite, INDEG, Lisboa Ana Costa, Cemme/UNL, Lisboa Filomena Batoréu, Cemme/UNL, Lisboa Faranaz Keshjavee, Lisboa Susana Pereira Bastos, Cemme/UNL, Lisboa Adriana José, FLUP, Porto Fátima Viegas, UAN, Luanda, Angola Mark Cooper Emmerson, Univ. da California Santa Barbara, EUA Michel Cahen, Univ. de Bordeaux, France Vera Marques, PUC, Brasil Ivo Carneiro de Sousa, CEPESA, Lisboa Maria Cadeira da Silva, UNL, Lisboa Adel Sidarus, Instituto de Inv. Científica Tropical, Lisboa E muitos outros. 9

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

PROGRAMA DE ACTIVIDADES DO CEA PARA 1995/97

PROGRAMA DE ACTIVIDADES DO CEA PARA 1995/97 ' - PROGRAMA DE ACTIVIDADES DO CEA PARA 1995/97 ACTIVIDADES LECTIVAS O Centro de Estudos Africanos continuará a apoiar a organização do Mestrado em Estudos Africanos. Face à procura constante e mesmo crescente,

Leia mais

APCP Newsletter. Verão de 2011. Editorial. Call for papers: VI Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa, 1 a 3 de Março de 2012

APCP Newsletter. Verão de 2011. Editorial. Call for papers: VI Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa, 1 a 3 de Março de 2012 APCP Newsletter Editorial A APCP lança agora, pela primeira vez, a sua Newsletter. Será distribuída em formato digital e também em papel, uma vez por ano. É mais uma forma de tornar públicas as actividades

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE DOIS/DUAS INVESTIGADORES/AS DOUTORADOS/AS EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANIDADES

CONTRATAÇÃO DE DOIS/DUAS INVESTIGADORES/AS DOUTORADOS/AS EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANIDADES CONTRATAÇÃO DE DOIS/DUAS INVESTIGADORES/AS DOUTORADOS/AS EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANIDADES a. Descrição do Concurso: O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Laboratório Associado

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Plano de Actividades do CEA para 2006

Plano de Actividades do CEA para 2006 Plano de Actividades do CEA para 2006 A Direcção do CEA propõe-se preparar as condições para atingir diferentes objectivos e procurar apoios para a sua realização. 1. Objectivos Prioritários 1.1 Redesenhar

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

FORMULÁRIO VOLUNTÁRIOS

FORMULÁRIO VOLUNTÁRIOS A Fundação Realizar Um Desejo é uma fundação portuguesa integrada na rede da Make-A-Wish International que tem como principal objectivo o desenvolvimento de actividades no âmbito da solidariedade social.

Leia mais

CURRICULUM VITAE 1. RESPONSABILIDADE ACTUAL E/OU DESEMPENHADA RECENTEMENTE

CURRICULUM VITAE 1. RESPONSABILIDADE ACTUAL E/OU DESEMPENHADA RECENTEMENTE CURRICULUM VITAE Nome: João Ribeiro Butiam Có. Nacionalidade: Guineense (Guiné-Bissau). Naturalidade: Bissau Estado Civil: Casado. Data de Nascimento: 15 de Outubro de 1975 Endereço trabalho: INEP (Instituto

Leia mais

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017 Lista B Programa de Candidatura Introdução A presente lista candidata à SPTF é composta por um conjunto de colegas ligados pelas ideias que partilham

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

PROGRAMA LISTA M. Índice Geral

PROGRAMA LISTA M. Índice Geral Índice Geral A. Projecto de Credibilização e Revitalização da Associação Académica da Universidade Lusófona. - Hoje e no Futuro, em defesa dos teus direitos.2 B. Projecto de apoio às actividades académico-culturais.

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

INSTITUTO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

INSTITUTO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 INSTITUTO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 A. Alunos que beneficiaram no estrangeiro da lecionação por

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS a. Descrição do Concurso: O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Laboratório Associado (LA) por contrato assinado

Leia mais

CONVITE PARA EXPRESSÕES DE INTERESSE PARA PROJETOS POLARES EM TODAS AS ÁREAS CIENTÍFICAS 2015-2016

CONVITE PARA EXPRESSÕES DE INTERESSE PARA PROJETOS POLARES EM TODAS AS ÁREAS CIENTÍFICAS 2015-2016 CONVITE PARA EXPRESSÕES DE INTERESSE PARA PROJETOS POLARES EM TODAS AS ÁREAS CIENTÍFICAS 2015-2016 1. Enquadramento A Comissão de Coordenação do Programa Polar Português (PROPOLAR), que gere a Campanha

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR CURRICULUM VITAE DADOS PESSOAIS Nome: Anabela de Jesus Adriano Piedade Morada: R. Manuel Paula Ventura, n.º 28-8700 Olhão Telefone: (289) 721 694/ Telemóvel: 91 743 71 04 Email: anabelapiedade@yahoo.com

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

CURRICULUM VITAE Resumo I Identificação II Habilitações Académicas III Experiência específica em África:

CURRICULUM VITAE Resumo I Identificação II Habilitações Académicas III Experiência específica em África: CURRICULUM VITAE Resumo Ana Bénard da Costa é antropóloga, doutorada em Estudos Africanos Interdisciplinares em Ciências Sociais pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), Lisboa.

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Maria Luísa de Solla Mendes da Fonseca Data de nascimento: 7 de Novembro de 1950 BI nº 6065179 Lisboa Rua Sacadura Cabral, 76, 1ºEsq.- Cruz Quebrada 1495-713 Lisboa Telefone: 965009978

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura.

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. Só serão aceites as candidaturas submetidas através do formulário online, disponibilizado

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 Projecto Carta da Terra. Instrumento de Sustentabilidade. Balanço e Perspectivas Manuel

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy Conferência 1º Fórum União de Exportadores CPLP CPLP: Comunidade de povos abrangente auto-sustentável Lisboa, 26 e 27 de junho de 2015 Sessão de Encerramento 27 de junho de 2015 Intervenção do Secretário

Leia mais

Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades

Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades Objectivos O Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades pretende fornecer aos futuros profissionais da área da Sociologia

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas.

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas. -AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A sua protecção, com os melhores especialistas. Porquê a auditoria ao tratamento de dados pessoais? A regulamentação do tratamento de dados pessoais é uma área complexa

Leia mais

Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012

Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012 Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012 Composição do Grupo Investigadores doutorados: 7 Colaboradores doutorados : 1 Colaboradores não doutorados: 1 Bolseiros de doutoramento: 2 Bolseiros

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA MÓDULO III Bolsas e Estágios Bolsas e Estágios Bolsas Acção Social do Ensino Superior Fundação para a Ciência e a Tecnologia Fundação Calouste Gulbenkian Instituto

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação (Mozambique egovernment and Communication Infrastructure Project) (MEGCIP) 5º Fórum Lusófono das Comunicações Painel 4: Infra-estruturas

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)*

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* Bolsa / / Reservado aos Serviços A preencher pelo candidato Nome completo: Domínio científico principal (indicar apenas

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos A Lei n.º115/99, de 3 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico das associações representativas dos imigrantes e seus descendentes, prevendo o reconhecimento

Leia mais

Capítulo 32 25. Estudos, Formação Outros e Trabalho Apoios. Depois da Licenciatura PÓS-GRADUAÇÕES, MESTRADOS E DOUTORAMENTOS

Capítulo 32 25. Estudos, Formação Outros e Trabalho Apoios. Depois da Licenciatura PÓS-GRADUAÇÕES, MESTRADOS E DOUTORAMENTOS 24 Capítulo 32 25 Estudos, Formação Outros e Trabalho Apoios 4 PÓS-GRADUAÇÕES, MESTRADOS E DOUTORAMENTOS BOLSAS E OUTROS APOIOS FINANCEIROS EMPREGO E ESTÁGIOS PROFISSIONAIS PARA LICENCIADOS 4 Capítulo

Leia mais

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira. 2011-2014 1 Programa de acção Um programa de acção para qualquer unidade orgânica deve atender aos objectivos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Regulamento de Bolsas de Investigação Científica REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência

Leia mais

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL Conclusão OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL António Firmino da Costa João Teixeira Lopes (coordenadores)

Leia mais

ANÚNCIO Nº AfCHPR/07/2011

ANÚNCIO Nº AfCHPR/07/2011 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA AFRICAN COURT ON HUMAN AND PEOPLES RIGHTS COUR AFRICAINE DES DROITS DE L HOMME ET DES PEUPLES P.O Box 6274 Arusha, Tanzania, Tel: +255 732 979506/9; Fax: +255

Leia mais

Elaboração do CV. Março de 2011

Elaboração do CV. Março de 2011 Elaboração do CV Março de 2011 Programa de Apresentação 1 2 3 4 5 Informação a constar no CV Aspectos Gerais a ter em conta na elaboração do CV Aspectos a Evitar O que valorizam as Empresas nos Recém-Licenciados

Leia mais

Plano Geral de Formação

Plano Geral de Formação Plano Geral de Formação 2 0 1 6 A Católica Business Schools Alliance é constituída por: Índice Mensagem de boas vindas Católica Business Schools Alliance 10 razões para nos escolher MBA Atlântico Oficina

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

Programa de candidatura APEI com futuro 2013/2016

Programa de candidatura APEI com futuro 2013/2016 Programa de candidatura APEI com futuro 2013/2016 A presente candidatura pretende dar continuidade e consolidar o trabalho desenvolvido no triénio anterior e também o trabalho desenvolvido por todos quantos,

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE GRADUAÇÃO / POSGRADUAÇÃO / MESTRADO E DOUTORADO / PESSOAL ACADEMICO FELLOW-MUNDUS Edital de Seleção de bolsas Fellow Mundus. 01.2015

Leia mais

REGULAMENTO REGRESSO À CASA I. PREÂMBULO. Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS

REGULAMENTO REGRESSO À CASA I. PREÂMBULO. Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS REGRESSO À CASA Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS REGULAMENTO I. PREÂMBULO O Jornal Arquitectos (adiante designado por JA), é um projecto editorial que integra

Leia mais

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA Coordenação Técnica. Outubro de 2013 BALANÇO DE ETAPA EM METADE DO PROJECTO GEPETO Outubro de 2013 1. RECAPITULAÇÃO DOS OBJECTIVOS 2. ROTEIRO 3. PRINCIPAIS ACTIVIDADES

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

Conferência Internacional

Conferência Internacional Lisboa, 18, 19 e 20 NOV. 2010 combaterpobreza@iscsp.utl.pt ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO CONSELHO CIENTÍFICO COMISSÃO ORGANIZADORA ENQUADRAMENTO LOCAL ANTEVISÃO DO PROGRAMA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

Notas Biobibliográficas

Notas Biobibliográficas Guião de educação. Género e cidadania. Notas Biobibliográficas 333 Guião de Educação. Género e Cidadania 3 ciclo 334 Lisboa, CIG, 2009 NOTAS BIOBIBLIOGRÁFICAS Ângela Rodrigues é doutorada em Ciências da

Leia mais

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011 Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011 Lisboa, 2 de Junho de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Rede Nacional e Lojas da Exportação 3. Rede Externa 4.

Leia mais

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional.

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional. ENQUADRAMENTO Portugal plataforma intercontinental e polo de inovação Portugal tem de conseguir capitalizar nos negócios, na academia e nas instituições a enorme vantagem que é integrar o espaço lusófono.

Leia mais

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO REGRESSO À CASA Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO I. RESPOSTAS Formatos: os formatos previstos são a edição online, o fórum na internet,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. A Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, doravante designado por OTOC, pessoa

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. A Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, doravante designado por OTOC, pessoa PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre A Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, doravante designado por OTOC, pessoa coletiva n.º 503692310 com sede na Av.ª Barbosa du Bocage, 45 em LISBOA, representado pelo seu

Leia mais

Associação Portuguesa de Direito Europeu

Associação Portuguesa de Direito Europeu ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DIREITO EUROPEU PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2013 No seguimento do conjunto de iniciativas de dinamização tomadas pela APDE Associação Portuguesa de Direito Europeu ao longo

Leia mais