Estendendo a experiência docente/discente de Engenharia Agronómica com recurso à Web e às tecnologias associadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estendendo a experiência docente/discente de Engenharia Agronómica com recurso à Web e às tecnologias associadas"

Transcrição

1 Estendendo a experiência docente/discente de Engenharia Agronómica com recurso à Web e às tecnologias associadas Pedro Aguiar Pinto Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, Portugal Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, Portugal Sofia Rodrigues Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, Portugal Resumo A World Wide Web e as tecnologias associadas têm vindo a disponibilizar um vasto potencial de novas funcionalidades e formas de interacção no que se refere à experiência docente/discente na sociedade do conhecimento. A Secção de Agricultura do Instituto Superior de Agronomia tem vindo a apostar neste meio para desenvolver sistemas de informação Web de apoio ao ensino que permita, de alguma forma, estender o processo de ensino/aprendizagem para além do espaço físico da sala de aula, nomeadamente melhorando a sua qualidade, através da criação de um canal de comunicação adicional e do estreitamento da relação docente/discente. Neste trabalho apresentaremos o resultado da experiência da Secção de Agricultura que teve início de uma forma mais estruturada na disciplina de Ecologia e que, posteriormente, levou ao desenvolvimento de uma plataforma Web de apoio ao ensino, actualmente utilizada pelas restantes disciplinas coordenadas por esta unidade. Para além de procedermos à apresentação do sistema de informação criado, iremos retirar algumas conclusões decorrentes da experiência adquirida, bem como do seu potencial de utilização futuro. Palavras chave: e-learning, sistema de informação Web, ensino e novas tecnologias de informação e comunicação 1. Introdução No panorama actual constatamos que também as Universidades têm vindo a investir na criação de infra-estruturas tecnológicas facilitadores do acesso e utilização das novas tecnologias de informação e comunicação, em especial a Internet. Por um lado deparamo-nos com uma iniciativa nacional, denominada e-u ou campus virtual (http://www.e-u.pt), que tem por objectivo a criação de serviços universitários online, produção e partilha de conteúdos académicos e a criação de comunidades universitárias. Por outro lado, verificamos que os estudantes que entram actualmente nas universidades estão mais familiarizados com a Internet e com a World Wide Web que os seus predecessores. Esta base de utilizadores sofisticados associados à infra-estrutura tecnológica disponível constitui uma plataforma sobre a qual os docentes podem desenvolver novas formas de relacionamento com os estudantes. Estas comunidades virtuais potenciais oferecem aos educadores a oportunidade de interagir com os discentes actuais de uma forma mais rica, permitem alcançar potenciais estudantes e ainda manter a comunicação com os antigos alunos (Cardoso e Machado, 2001).

2 Este processo, a utilização das tecnologias de informação e comunicação no ensino, tem sido denominado de e-learning. No entanto, o termo e-learning não é muito preciso podendo ser utilizado com significados distintos [Keegan et al., 2002]. No contexto deste trabalho quando nos referimos a sítios Web de ensino não nos referimos ao e-learning na sua vertente ensino a distância, onde o ensino é realizado on-line e não na sala de aula. Os sítios Web de ensino a que nos referimos destinam-se a auxiliar o ensino face a face, fornecendo materiais e funcionalidades que complementam o ensino na sala de aula, nomeadamente informação sobre o funcionamento da disciplina, acesso em linha a materiais da disciplina, funcionalidades de comunicação, oportunidades para aprofundar tópicos cobertos nas aulas, efectuar provas de avaliação e aceder aos seus resultados, etc. Segundo Horton [2000], a adopção das tecnologias Internet e o lançamento de um sítio Web de uma disciplina pode ter diversas motivações, que vão desde a melhoria da experiência docente à simplificação dos procedimentos administrativos associados. No entanto, não devemos perder de vista os impactos que esta decisão terá na actividade do docente. Assim, podemos agrupar os aspectos a considerar em três grandes grupos: Carga de trabalho qual a quantidade de tempo que irá consumir a criação de uma componente Web na disciplina leccionada? E, uma vez esta componente em funcionamento, como é que ela afectará a sua carga de trabalho docente normal? Esta questão da disponibilidade do docente despender mais tempo, quer na preparação e lançamento do sítio Web da disciplina quer na sua gestão e manutenção, é um ponto a considerar com bastante atenção, pois terá um forte impacto no dia a dia do docente e na sua gestão da actividade docente, uma vez que deixará de existir um horário fixo e rígido para se relacionar com os discentes. Promoção no modelo tradicional do ensino superior o reconhecimento e a progressão na carreira são geralmente mais influenciados pelos resultados das actividades de investigação e publicação do que pela actividade docente. A utilização da Web no ensino tem vários benefícios, nomeadamente novos desafios, melhor ensino e aprendizagem e maior interacção. No entanto, para muitos educadores não é realista esperar recompensas institucionais tangíveis no curto prazo. Este aspecto tem vindo a evoluir face a uma comunidade discente mais exigente e ao retorno que a utilização das novas tecnologias trás em termos de promoção pessoal e institucional no processo de captação de novos alunos. Mudança é impossível adoptar um novo meio de comunicação como a Web sem passar por um processo de mudança. A utilização da Web no ensino, quando utilizada correctamente, não é apenas uma forma de passar uma mensagem antiga através de um novo meio. Se optarmos por utilizar a Web como ferramenta para apoio ao ensino e realmente a utilizarmos o método de ensino terá de mudar. Flexibilidade e prontidão na reacção são realidades inevitáveis num meio tão dinâmico e interactivo como é o caso da Web. 2. A Gestão de Informação na Secção de Agricultura do Instituto Superior de Agronomia A gestão da informação, os sistemas de informação e a utilização de tecnologias de informação e comunicação tem sido uma constante ao longo da actividade da Secção de Agricultura do Instituto Superior de Agronomia. As necessidades de informação inerente à modelação dos processos agrícolas pressionou, desde sempre, o desenvolvimento de soluções que permitissem recolher, armazenar e processar informação de natureza extraordinariamente diversa, como seja dados meteorológicos, edáficos, de factores de produção, de máquinas agrícolas, de mercados, etc. Neste contexto esta unidade tem vindo a apostar no desenvolvimento de bases de dados agrícolas, ferramentas de suporte ao processo de planeamento agrícola, sistemas de avaliação e planeamento de agricultura de regadio, sistemas de informação geográfica e sistemas de informação Web. Este último ponto da utilização do serviço World Wide Web da Internet tem vindo a adquirir uma importância crescente com a vulgarização deste meio como meio de publicação de

3 informação e de comunicação e, como tal, tem vindo a ser alvo de uma atenção especial por parte da Secção de Agricultura. Assim, se por um lado temos vindo a desenvolver diversos sistemas de informação/sistemas de apoio à decisão sobre a Web, por outro lado a sua utilização como suporte à actividade normal de ensino no contexto do ensino nas licenciaturas, mestrados e pós-graduações do Instituto Superior de Agronomia tem sido uma constante. A experiência desta unidade na utilização da Web no ensino teve início de uma forma mais estruturada na disciplina de Ecologia (1º Ano dos Cursos de Engenharia Agronómica e Florestal do Instituto Superior de Agronomia) leccionada desde o ano lectivo de (Pinto, 2001). Embora tendo existido anteriormente algumas experiências, mais dispersas e não integradas num único espaço/sistema de informação e que criaram as bases para o trabalho que lhes seguiu, apenas nesse ano se avançou com o que se pode denominar de plataforma Web de apoio ao ensino. Anteriormente existia um espaço Web para cada disciplina coordenada por esta unidade onde se divulgava apenas o corpo docente, o programa da disciplina, o calendário de provas de avaliação e alguns materiais de apoio. Esta plataforma de apoio ao ensino da disciplina de Ecologia consistia em duas interfaces distintas, uma de acesso público para os alunos e uma de acesso privado para o docente onde este realiza toda a gestão da informação aí disponibilizada. O sistema de informação para o docente, de acesso condicionado, dispõe de todas as funcionalidades de administração da informação disponibilizada no sistema público, nomeadamente: Colocar on-line materiais para apoio ao estudo; Colocar avisos e enviá-los simultaneamente por para os alunos registados; Gerir a base de dados de suporte ao sistema no que se refere aos alunos inscritos; Gerir as questões por colocadas pelos alunos (FAQ s); Manter uma lista de apontadores seleccionados; Gerir a realização de testes on-line bem como o repositório de perguntas e respostas associado; etc. Para os alunos o sistema de informação público disponibiliza, entre outras funcionalidades: Acesso aos materiais disponibilizados pelo docente; Realização de testes on-line; Acesso aos resultados das provas de avaliação (off-line e on-line); Lista de FAQ s; Apontadores seleccionados; Registo na mailing list; etc. Figura 1 Página de acesso público e de acesso privado da plataforma web para o ensino da disciplina de Ecologia da Secção de Agricultura do ISA. Web

4 O sistema foi desenvolvido assegurando que toda a gestão de informação aí residente poderia ser realizada de uma forma ubíqua mediante a utilização de um browser vulgar, sem necessidade de utilização de qualquer aplicação proprietária. Esta plataforma tem vindo a ser utilizada desde então na referida disciplina de Ecologia de forma ininterrupta, tendo a sua utilização, após uma renovação da componente gráfica, sido posteriormente alargada às restantes disciplinas de licenciatura sob responsabilidade da Secção de Agricultura do Instituto Superior de Agronomia, nomeadamente Agricultura Geral e Máquinas I e II, Culturas Arvenses I e II, Pastagens e Forragens e Sistemas Agro-Florestais, e ainda a Pós-Graduação em Gestão e Tecnologias de Informação no Sector Agrícola e Agro- Industrial. 3. Desenho do sistema 3.1 Arquitectura de informação A aplicação foi desenvolvida numa arquitectura em três camadas com a lógica do negócio separada dos dados (armazenados numa base de dados relacional) e da interface com o utilizador (baseada na Web). Como já referimos inicialmente, o utilizador pode aceder à aplicação mediante a utilização de um qualquer browser Web e recorrendo a múltiplas plataformas. A aplicação corre num servidor aplicacional que efectua centralmente toda a gestão da informação, podendo, ou não, fazer parte do próprio sistema de gestão de base de dados (SGBD), o que poderá melhorar o seu desempenho. O utilizador pode aceder ao sistema sob dois perfis distintos, docente ou discente, e em consequência, terá diferentes formas de acesso à informação existente e às funcionalidades oferecidas pelo mesmo. Basicamente o sistema oferece um repositório de dados sob a forma de uma base de dados relacional, um repositório de ficheiros onde estarão alojadas as páginas e os recursos disponibilizados e utilizará, ainda, um componente de para associar funcionalidades de comunicação ao sistema. 3.2 Camada de acesso aos dados Os dados de suporte à plataforma Web desenvolvida são armazenadas numa base de dados relacional, neste momento em Microsoft Access, estando previsto a sua evolução para Microsoft SQL Server a curto prazo. Esta base de dados é constituída por um conjunto de entidades e de relações entre estas que permite recolher e armazenar os dados de uma forma extremamente racional e eficiente, assegurando ainda a integridade dos mesmos. As entidades principais são: Variáveis onde está armazenada informação relativa ao responsável pela disciplina e sua administração, nome da disciplina, ano lectivo, etc.; Alunos listagem de alunos que se inscrevem na disciplina que inclui informação relativa ao número de aluno, nome, curso, , validação, etc.; Avisos repositórios de avisos que ao longo da disciplina são publicados na página de entrada do sítio e enviados para a mailing list, incluindo titulo, descritivo, data e estado; Avaliação Off-line resultados obtidos pelos alunos ao longo do semestre nas diversas provas de avaliação efectuadas off-line, incluindo tipo e número da prova, data e resultado; Avaliação On-line respostas dos alunos aos testes de escolha múltipla realizados on-line ao longo do semestre e respectivos resultados, incluindo número do aluno, número do teste, número da pergunta, número da resposta e data/hora; Perguntas/Respostas repositório de perguntas e respostas classificadas por capítulos que alimentam o gerador de testes on-line, incluindo número da pergunta, pergunta, número da resposta, resposta, classificação da resposta (certa/errada);

5 Recursos informação relativa aos recursos electrónicos disponibilizados aos alunos e respectiva classificação, incluindo nome do recurso, descrição, classificação, data e estado; FAQ s base de conhecimento que dá origem à manutenção de uma lista de perguntas mais frequentes, incluindo pergunta, resposta, classificação (FAQ/não FAQ), estado e data; Apontadores informação relativa a um conjunto de apontadores de interesse para a disciplina, incluindo nome, descrição, URL, tipo, estado e data. 3.3 Camada lógica de negócio Esta camada, onde estão definidos todas as regras e procedimentos que regem o funcionamento da plataforma Web de apoio ao ensino, irá despoletar três tipos distintos de acções, conforme é visível na Figura 2, que poderão ou não acontecer em função das regras incorporadas. Os tipos possíveis de reacções resultantes de uma acção do utilizador são: o envio de uma mensagem de correio electrónico; a inserção/actualização/eliminação de um registo na base de dados; e a construção de uma página Web. No caso em apreço e conforme veremos adiante, se, por exemplo, um aluno sugerir um apontador na página disponível para esse efeito, para além de receber de volta uma página de confirmação da acção realizada, o sistema irá automaticamente adicionar esse registo à tabela apontadores com o estado de pendente e o docente irá receber uma mensagem de correio electrónico a informar da sugestão. O docente poderá então à avaliação do apontador e à eventual alteração de estado de pendente para válido, momento a partir do qual é disponibilizado no módulo Apontadores da interface pública. Para além das acções referidas acima, é também nesta camada que está definido o algoritmo responsável pelo funcionamento do gerador de testes on-line. Conforme veremos adiante, o docente pode programar a realização de testes on-line, aos quais associa não só a data/hora de início e de termo, mas também o número de perguntas por capítulo que o mesmo incluirá. Com base nesta informação e no momento em que cada aluno acede à página de realização do teste, o gerador de teste consulta a informação válida para aquele teste e selecciona aleatoriamente, a partir do repositório existente de perguntas e respostas, a quantidade de perguntas definida pelo docente respeitando a relação perguntas por capítulo estabelecida. Figura 2 Processamento de informação em resposta a uma acção do utilizador 3.4 Camada de apresentação O sistema de informação construído terá duas formas de apresentação distintas, consoante o perfil da pessoa que lhe acede seja docente (administrador) ou discente (utilizador).

6 3.4.1 Acesso ao sistema de informação pelo docente Os docentes acedem ao sistema através de um processo de validação com o estatuto de administradores do sistema (Figura 3). Figura 3 Plataforma privada que dá acesso a funcionalidades de gestão por parte dos docentes Caso seja validado pelo sistema, terá à sua disposição um conjunto de funcionalidades que lhe permite gerir a globalidade do sítio Web da disciplina através de um qualquer browser. Entre as possibilidades oferecidas pelo sistema temos: Mailing List (Alunos) gestão (inserção/alteração/eliminação) da subscrição da mailing list pelos alunos da disciplina que funciona simultaneamente como lista de alunos da disciplina, incluindo informação relativa a nome, número de aluno, , curso, data, estado; Avisos gestão (inserção/alteração/eliminação) dos avisos afixados na página de entrada do sítio com a possibilidade de despoletar o envio por correio electrónico do mesmo para os subscritores válidos da maling list; FAQ s gestão (inserção/alteração/eliminação) das perguntas mais frequentes, o que inclui a resposta às questões submetidas pelos alunos e, caso se julgue suficientemente pertinente, associar-lhes o atributo de publicação no sítio público na rubrica FAQ s; Recursos gestão (inserção/alteração/eliminação) dos recursos electrónicos disponibilizados aos alunos durante o semestre, normalmente classificados por capítulos, outros recursos e material disponibilizado em anos anteriores; Apontadores gestão (inserção/alteração/eliminação) dos apontadores considerados de interesse para os alunos aprofundarem/alargarem os conhecimentos adquiridos na disciplina. Inclui ainda a gestão dos apontadores sugeridos pelos alunos e decisão de publicação dos mesmos no sítio público Testes on-line o sistema oferece a possibilidade ao docente de calendarizar a realização de testes de escolha múltipla aos quais associa a data/hora de início e termo, penalização das respostas erradas, capítulos sobre os quais incide e número de perguntas por capítulo e, ainda, data/hora de publicação dos resultados. A este módulo está associado a gestão (inserção/alteração/eliminação) das perguntas e repostas, classificadas por capítulos, propriamente dita; Avaliação off-line gestão (inserção/alteração/eliminação) dos resultados das provas de avaliação efectuadas pelos alunos off-line Acesso ao sistema de informação pelo discente Os discentes acedem ao sistema de informação através da interface pública com um estatuto de utilizador anónimo. Esta situação altera-se apenas quando pretendem submeter-se a provas

7 de avaliação on-line ou aceder aos resultados das provas de avaliação efectuadas, onde têm de validar o acesso. Figura 4 Plataforma pública de acesso para consulta pelos discentes O acesso à plataforma Web pública da disciplina oferece as seguintes funcionalidades: Programa informação de natureza estática relativa ao conteúdo da disciplina; Docentes informação de natureza estática referente aos docentes da disciplina e respectivos contactos; Recursos disponibilização on-line dos materiais em formato electrónico de apoio à disciplina; Avaliação informação relativa ao processo de avaliação da disciplina que se desenvolve em duas vertentes: Off-line inscrição nas provas de avaliação e possibilidade de acesso on-line aos resultados das provas de avaliação efectuadas off-line mediante a submissão do número de aluno e ; On-line mediante a submissão do número de aluno e autoriza a possibilidade dos alunos efectuarem testes on-line com base em questões de escolha múltipla seleccionadas aleatoriamente de uma base de dados de perguntas/respostas segundo uma programação efectuada previamente pelo docente da disciplina. Permite ainda aceder on-line aos resultados das provas de avaliação on-line efectuadas; Apontadores disponibilização de um lista de apontadores de referência para a disciplina em questão, tendo como objectivo possibilitar o aprofundamento/alargamento dos conhecimentos sobre a matéria leccionada para os que o pretendam fazer. Oferece aos alunos cuja subscrição da mailing list foi validada pelo docente a possibilidade de sugerirem novos apontadores; FAQ s manutenção de uma base de dados de perguntas mais frequentes, organizadas por temas. Oferece aos alunos cuja subscrição da mailing list foi validada pelo docente a possibilidade de colocarem questões ao docente o que, conforme foi referido acima, permitirá aumentar o conjunto das FAQ s disponibilizadas caso o docente a julgue pertinente e do interesse geral. Mailing List possibilidade dos alunos subscreverem a mailing list o que, após a sua validação pelo docente, lhes dá acesso às funcionalidades do sistema disponibilizadas aos alunos mas sujeitas a verificação da sua condição de subscritor validado da mailing list. Entre as possibilidades oferecidas destacamos o acesso à recepção por correio electrónico dos avisos colocados na página de entrada do sítio, a acesso aos resultados das provas de avaliação offline e on-line, a realização de provas de avaliação on-line, a submissão de questões e a sugestão de apontadores.

8 4. Análise de Utilização e Conclusões Os resultados obtidos com a utilização da plataforma desenvolvida têm sido bastante satisfatórios, tendo levado, conforme foi referido inicialmente, à sua progressiva adopção nas restantes disciplinas de graduação e pós-graduação sob responsabilidade da Secção de Agricultura. No entanto, devemos salientar que a obrigatoriedade dos alunos se registarem na mailing list das diferentes disciplina para poderem aceder a um conjunto de funcionalidades enviesa um pouco a análise, uma vez que leva a que uma grande percentagem destes alunos utilize a plataforma de forma coerciva. Estamo-nos a referir, mais concretamente, à possibilidade de receberem os avisos nas suas caixas de correio electrónico numa lógica push (a informação é fornecida sem a necessidade de qual acção do receptor da mesma), a realização de teste de avaliação on-line e o acesso aos resultados da avaliação, por exemplo. Embora se tenha vindo a esbater ao longo do tempo, a qualidade do acesso e a disponibilidade de terminais de acesso livre na instituição tem sido apontado como um factor crítico para uma utilização mais satisfatória do sistema. Um aspecto interessante decorrente do sistema de informação desenvolvido tem sido a possibilidade de, através da base de dados de suporte ao sistema, construir um repositório de conhecimento que se vai enriquecendo ano após ano. De facto, os conteúdos relativos aos recursos, FAQ s, apontadores e perguntas/respostas do gerador de testes transitam de um ano para outro, sendo sucessivamente aumentados e melhorados, possibilitando, assim, que o ponto de partida de cada ano tenha sempre algum valor acrescentado decorrente da experiência do ano anterior. Com base na experiência adquirida e convictos na viabilidade da abordagem aqui apresentada, acreditamos que a utilização na Web como forma de estender as possibilidades de interacção e relacionamento docente/discente são francamente promissoras. No entanto, face a um contexto em que o termo e-learning se tornou uma das buzz words do momento e se adivinham elevados investimentos nessa área, não podemos deixar de referir que a mudança introduzida pela Webização da actividade docente tem múltiplos impactos e implica alterações de relevo na actividade normal dos docentes. Assim, após uma primeira fase que nos centramos nas possibilidades oferecidas pela tecnologia e fomos sendo seduzidos pelo ciberespaço e pelas potencialidades que este meio encerrava, acreditamos que neste momento os factores críticos de sucesso estão ao nível dos agentes da mudança em curso. Isto é, o sucesso ou insucesso de uma qualquer iniciativa de utilização da Web no apoio à docência depende fundamentalmente da vertente humana (docente/discentes). Nesta óptica, está em curso neste momento um inquérito on-line para avaliação da plataforma construída. O pedido de resposta a este inquérito foi enviado por correio electrónico para todos os alunos que já contactaram com a plataforma Web construída, estando neste momento a realizar-se os trabalhos de tratamento das respostas recebidas. Podemos desde já referir que numa análise de conteúdos preliminar, é notória a satisfação dos discentes com o sistema de informação que lhe é disponibilizado e a vontade de que o mesmo seja implementado nas restantes disciplinas do Instituto. Por último, no âmbito de um projecto financiado pelo Programa Operacional Sociedade da Informação em curso ao nível da Universidade Técnica de Lisboa denominado TELES Teaching e-learning of Engineering and Science em que participamos com o Pilar de Ciências Agrárias, estamos a reestruturar a plataforma desenvolvida para que esta seja disponibilizada a todo o Instituto Superior de Agronomia e que a mesma integre não só informação de suporte ao funcionamento das disciplinas, mas também da informação sobre a orgânica da instituição (direcção, administração e ensino), dos seus recursos humanos (administrativos, técnicos, docentes e investigadores) e da actividade técnica e científica realizada (projectos, produção científica, prestação de serviços à comunidade, etc.)

9 5. Referências Cardoso, E. L. e Machado, A. B., Problemática da Adopção de Plataformas de e-learning nas Instituições de Ensino Superior a fase de iniciação, 2001, 2ª Conferência da Associação Portuguesa de Sistemas de Informação, Universidade de Évora, Novembro. Horton S., Web Teaching Guide A practical approach to creating course web sites, Yale University Press, New Haven & London, Keegan, D, Dias, A., Baptista, C, Olsen, G., Fritsch, H., Föllmer, H, Micincová, M., Paulsen, M. F., Dias, P. E Pimenta, P., e-learning, O papel dos sistemas de gestão da aprendizagem na Europa, Colecção Formação a Distância e e-learning, INOFOR, Pinto, P. A., A Internet no Ensino: dois anos de experiência, III Encontro de Docentes de Horticultura do Ensino Superior. Estratégias para o Ensino da Horticultura. Escola Superior Agrária de Ponte de Lima. Refóios do Lima. 14 de Setembro de 2001.

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Gestor de Listas de Distribuição de Emails versão: 0.9.1 Nelson Rodrigues DSI 20-07-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Definição de Mailing List... 3 Grupos de endereços

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo das Soluções de Gestão SENDYS 2 Universo das Soluções de Gestão SENDYS Financeira Recursos Humanos Operações & Logística

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Realizador por: Prof. José Santos

Realizador por: Prof. José Santos Realizador por: Prof. José Santos Objectivo Este guia tem como objectivo fornecer aos Encarregados de Educação uma breve explicação sobre o funcionamento da Plataforma de Aprendizagem Moodle do Colégio

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

PROJECTO e-u NA FMH/UTL Carlos Ferreira e Cristina Espadinha cferreira@fmh.utl.pt, cespadinha@fmh.utl.pt

PROJECTO e-u NA FMH/UTL Carlos Ferreira e Cristina Espadinha cferreira@fmh.utl.pt, cespadinha@fmh.utl.pt Carlos Ferreira e Cristina Espadinha cferreira@fmh.utl.pt, cespadinha@fmh.utl.pt Índice 1. Resumo... 1 2. Introdução... 1 3. Tipologia da rede FMH... 2 4. O sistema Wi fi... 2 5. Portal da FMH... 4 6.

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Formação em informática aplicada à agricultura

Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - M ó d u l o d e C o n t r o l o d e G e s t ã o 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Centro e-learning da TecMinho

Centro e-learning da TecMinho Centro e-learning da TecMinho Dias A 1, Fernandes D 1 1 TecMinho/Gabinete de Formação Continua da Universidade do Minho, Guimarães, Portugal Resumo. A TecMinho/Gabinete de Formação Contínua da Universidade

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto conjunto de medidas de simplificação da vida dos cidadãos e das empresas. Destas, destacam-se a

Leia mais

Até onde quiseres ir GUIA DO UTILIZADOR

Até onde quiseres ir GUIA DO UTILIZADOR GUIA DO UTILIZADOR Guia do utilizador Se é o seu primeiro acesso à Universidade deverá registar-se. Seleccione a opção: Sou um novo utilizador e quero registar-me agora. Se já se registou introduza os

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

e Campus do ISPA Instituto Universitário

e Campus do ISPA Instituto Universitário e Campus do ISPA Instituto Universitário Manual de utilização do Moodle Perfil utilizador: Docente Versão: Agosto 2010 Índice Índice... 2 Índice de Figuras... 3 Introdução... 4 1. Primeiros passos... 5

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt Sistemas Distribuídos Engenharia de Software 2º Semestre, 2006/2007 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: OurDocs Sistema de gestão documental ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

Leia mais

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING Anna Guerman, Humberto Santos, Pedro Dinis Gaspar, António Espírito Santo, Cláudia Santos Universidade da Beira

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

O e-learning como etapa da universidade para o virtual

O e-learning como etapa da universidade para o virtual lmbg@ufp.pt & fergomes@ufp.pt O e-learning como etapa da universidade para o virtual Luis Borges Gouveia Fernando Gomes Universidade Fernando Pessoa e-learning como objectivo ou etapa? o e-learning como

Leia mais

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch Relatório Técnico do projecto ARIADNE Praxis XXI Interface de utilizador do NewsSearch Carlos Correia Norman Noronha Daniel Gomes Junho de 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 MOTIVAÇÃO...3 1.2 PROPOSTO...3

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento)

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento) Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento) Exmo. Sr. Presidente, A Direcção da F.P.T. tem emitido, ao longo dos últimos meses, diversas Circulares, com o objectivo de ir informando,

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas.

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Enterprise 2007 Descritivo completo A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Com vista a satisfazer totalmente cada empresa

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

FICHA TÉCNICA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E. Profissional Agrária

FICHA TÉCNICA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E. Profissional Agrária 3 FICHA TÉCNICA - FORMAFUTURO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGRÁRIA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E Título FUTURO: - ACÇÃO N.º 1 BD-Base de Dados da FPA Formação Profissional Agrária Autoria Coordenação

Leia mais

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Outubro de 2015 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Objectivos,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI Apresentação do MOODLE Educação do século XXI Software social e e-learning Talvez seja o momento de fazer algo nas suas disciplinas! O que pretende do seu sistema de aprendizagem on-line? Fácil criação

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3.1. DESCRIÇÃO DA FERRAMENTA E SUAS APLICAÇÕES Dyn3W é um fórum desenvolvido especialmente para ser utilizado na educação. O seu desenvolvimento iniciou-se em meados

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Curso de Formação Avançada Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Em colaboração com 9 de Maio a 21 de Junho de 2008 Instituto Superior de Agronomia / Universidade Técnica

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Divisão do Centro de Documentação e Biblioteca 214 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA REALIZAÇÃO MARIA JOÃO T.M.BARREIRO COORDENAÇÃO NATÉRCIA GODINHO APOIO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II - UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Projecto: Kit elearning, SAF/ Novabase, S.A. Equipa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

http://www.formare.pt/eb3svn

http://www.formare.pt/eb3svn INSCRIÇÕES NO ENSINO RECORRENTE MEDIATIZADO (PELA INTERNET) MANUAL DE PROCEDIMENTOS Um aluno para se matricular no Ensino Recorrente Mediatizado pode fazê-lo directamente nos Serviços da Administração

Leia mais

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS - Quem explora o site Pixel4Winner.com? - Onde está sedeada a sociedade anónima? - Posso ter confiança no site Pixel4Winner.com? - A participação a uma lotaria

Leia mais

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Manuel Leite Mestrado em Análise de Dados e Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Informação para Gestão Faculdade de Economia, 29 de Novembro de 2002 1

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

A PARO QUIA WEB. Inscrições Online PAROQUIANO

A PARO QUIA WEB. Inscrições Online PAROQUIANO A PARO QUIA WEB Inscrições Online PAROQUIANO Manual do processo de Inscrições Online nomeadamente de: Baptismo, Processo de Casamentos e inscrições na Catequese. Índice Introdução... 2 Registo... 3 Registo

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe.

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto FeaRSe 6 de Maio de 2010 Índice Índice... 1 1 Sumário... 2 2 Requisitos...

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

Relatório - Inquérito info-ciências digital

Relatório - Inquérito info-ciências digital Relatório - Inquérito info-ciências digital Elaborado por: Rebeca Atouguia e Miguel Cardoso Gabinete de Planeamento e Controlo da Gestão Núcleo de Planeamento, Avaliação e Gestão da Qualidade Maio 11 Índice

Leia mais

Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI

Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI Caso de sucesso Microsoft Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI Sumário País: Portugal Sector: Saúde Perfil do Cliente Hospital de Faro EPE é o hospital

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Janeiro Junho de 2013 Relatório de análise dos resultados do inquérito ao nível de satisfação

Janeiro Junho de 2013 Relatório de análise dos resultados do inquérito ao nível de satisfação Carta de Qualidade (I):Recepção das consultas, opiniões, queixas e participações apresentadas pelos cidadãos, no âmbito das FSM enviados: 50 recolhidos: 7 Percentagem de recolha: 14% 1. Por onde sabia

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

PONTNews Solução Comercial de e-marketing

PONTNews Solução Comercial de e-marketing PONTNews Solução Comercial de e-marketing Dossier de Produto DP010.03 02/01/2009 A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais, cuja principal actividade é implementação de Sistemas de Informação

Leia mais

Concurso público para aquisição de plataforma de facturação electrónica. Resposta aos pedidos de esclarecimentos. Julho de 2009

Concurso público para aquisição de plataforma de facturação electrónica. Resposta aos pedidos de esclarecimentos. Julho de 2009 GLOBALGARVE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO, SA Concurso público para aquisição de plataforma de facturação electrónica Resposta aos pedidos de esclarecimentos Julho de 2009 Página 1 de 7 No seguimento do

Leia mais

Manual Blackboard para docentes. Guia Rápido

Manual Blackboard para docentes. Guia Rápido Manual Blackboard para docentes Guia Rápido CAPÍTULO I CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1. PLATAFORMA DE CONTEÚDOS ACADÉMICOS... 3 2. OBJECTIVOS DESTE GUIA... 3 CAPÍTULO II O AMBIENTE DE TRABALHO DA PLATAFORMA...

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática REFORMULAÇÃO DO SITE DE GESTÃO DE UTILIZADORES João Pedro Feio Areias Mestrado em Engenharia Informática 2007 2 UNIVERSIDADE DE

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente Regulamento

Leia mais