A ATUAÇÃO DE ASSISTENTES DE ATENDIMENTO NOS CAIXAS ELETRÔNICOS COMO ESTRATÉGIA DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DE ASSISTENTES DE ATENDIMENTO NOS CAIXAS ELETRÔNICOS COMO ESTRATÉGIA DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE:"

Transcrição

1 393 A ATUAÇÃO DE ASSISTENTES DE ATENDIMENTO NOS CAIXAS ELETRÔNICOS COMO ESTRATÉGIA DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE: o caso do Banco Nossa Caixa Ester Alineri Ferreira (Uni-FACEF) Introdução O presente artigo tem por finalidade apresentar as razões da contratação, por parte dos bancos, especialmente uma agência do Banco Nossa Caixa na cidade de Franca, São Paulo, de estagiários para o auxílio em seus processos de atendimento ao cliente nos caixas eletrônicos. O estudo é referenciado pela experiência de uma estagiária neste banco no período de um ano. É sabido que os bancos operam com um quadro de funcionários de atendimento insuficiente à sua demanda, como meio de redução de custos, fator este que gera inúmeras reclamações entre seus clientes em relação ao tempo de atendimento, formação de filas, entre outros. Além disso, a implantação dos caixas eletrônicos, que realizam de forma rápida uma série de serviços antes oferecidos somente no interior das agências, causou desconforto entre os clientes idosos, ou carentes de informação. Neste sentido, a atuação de assistentes (representados pelos estagiários da agência estudada) no auxílio do atendimento, principalmente a este tipo de cliente, implicou consideravelmente, na redução de filas, melhoria no tempo de atendimento e também da satisfação dos clientes. 1 A reestruturação do Sistema Bancário Brasileiro O quadro político-econômico em que se insere o sistema bancário brasileiro, atualmente, é resultado de um processo de crescimento e concentração por

2 394 fusões e incorporações que se iniciou nos anos 60, com o advento das mudanças promovidas pelo governo (MENEZES, 2003, p.14). Os bancos passaram de empresas de depósitos e empréstimos, condições que vinham exercendo desde o Brasil Império, para bancos de múltiplas funções, absorvendo os serviços das contas de empresas de serviços de utilidade pública e os impostos governamentais (MENEZES, 2003, p.14), como intermediário nas folhas de pagamento, exercendo operações cambiais, entre outros inúmeros serviços. Posteriormente ao período de fusões e incorporações ocorridas nas décadas de 60 e 70, os bancos passaram por um processo gradual de automação com a introdução de computadores para processamento de dados, primeiramente no interior das agências. Dez anos após terem estreado nos países desenvolvidos, finalmente as ATM (automated teller machines) chegavam ao Brasil no início dos anos 80 (FILHO & MAZZON apud MENEZES, 2003, p.15). A terceira fase tem início nos anos 90, quando a popularização do PC (personal computer) e da internet possibilitou o desenvolvimento e expansão do homebanking (caracterizado pelo acesso a produtos e serviços bancários disponíveis nos sites das instituições). Esses desenvolvimentos permitiram que cada vez mais o cliente estivesse incluído no processo de produção de serviços bancários. Com a abertura do mercado em 1990 e a entrada de grandes bancos estrangeiros no país, a competitividade no setor financeiro tornou-se mais intensa demandando tomadas de decisões que permitissem maior fidelização da clientela por meio da oferta de facilitadores do atendimento, serviços de melhor qualidade e de produtos diferenciados com foco na satisfação plena do cliente (MENEZES, 2003, p. 15) De acordo com um estudo realizado no ano de 1996 pela empresa de consultoria Ernst Young: A intensa mecanização e o aumento do volume dos serviços contribuíram para que os bancos obtivessem aumentos expressivos de produtividade. Isso se deu através da substituição, por máquinas, de atividades normalmente executadas por pessoas. Num período de dez anos, o número de postos de trabalho no setor bancário reduziu-se em 285 mil vagas, passando de 815 mil, em 1985, para 530 mil, em (ERNST & YOUNG, 1996, p. 33).

3 395 Nesse processo de reestruturação dos bancos brasileiros, encontramos um paradoxo: redução de postos de trabalho conseqüentes do processo de automação, e um aumento na oferta de produtos e serviços para atrair e fidelizar clientes, como forma de garantir a sobrevivência destas instituições no mercado. A intenção da implantação e expansão do uso das novas tecnologias, como os caixas eletrônicos e o net banking, por exemplo, é justamente aumentar e facilitar o acesso das pessoas aos seus serviços, mas, ao mesmo tempo, sacrifica o atendimento humano e a atenção personalizada, ainda valorizados por muitos clientes. Abaixo, uma ilustração das vantagens e desvantagens da automação e do atendimento personalizado em agências bancárias: Fonte: FILHO & PIRES, 2001, p O serviço de auto-atendimento bancário e as conseqüências do processo de automação para os clientes O serviço de auto-atendimento bancário oferece hoje uma ampla gama de produtos e serviços. É possível consultar a movimentação de contas correntes por meio de saldos e extratos, fazer depósitos, saques, contrair empréstimos, imprimir talões de cheque, pagar contas (ou programar o pagamento), pagar impostos como IPTU e IPVA e até mesmo realizar recargas em celular. Não há duvidas do sucesso da implantação

4 396 dessa tecnologia que chegou ao Brasil nos anos 80. Entretanto, costumes ou tradições da cultura de um povo podem ser obstáculos importantes a superar na adoção de novos produtos e serviços de base tecnológica (FILHO & PIRES, 2001, p.60). Apesar dos investimentos das instituições financeiras com as tecnologias bancárias, existe certa resistência por parte da população de terceira idade em utilizálas, seja por falta de conhecimento, seja por falta de segurança ou por desconfiança (HENRIQUE apud MENEZES, 2003, p. 16). Como convencer um idoso ou carente de informação a utilizar um caixa eletrônico? No caso do Banco Nossa Caixa, objeto do estudo, esse processo é ainda mais problemático para esse tipo de cliente, já que a tela de seus caixas eletrônicos é touch screen, uma tecnologia na qual se coloca o dedo na tela para acionar botões virtuais, ao invés do toque em teclas convencionais. Apesar dos grandes investimentos dos bancos em tecnologia da informação e da cada vez maior substituição de bancários por máquinas, a presença de um funcionário para o auxílio na utilização dos terminais de auto-atendimento passou a ser constantemente cobrada pelos clientes, tanto pelos que tem receio de utilizá-lo, quanto pela geração mais habituada com a evolução tecnológica, pois os produtos e serviços, assim como o modo de utilização dessas máquinas mudam constantemente, o que demanda, em maior ou menor grau, algum suporte. A solução encontrada para atender essa necessidade com um custo reduzido de mão-de-obra foi a contratação de estagiários para esse fim. No Banco do Brasil, por exemplo, eles passaram a ser chamados carinhosamente por seus clientes de amarelinhos. No Banco Nossa Caixa, é quase impossível não vê-los no hall do auto-atendimento, porque usam uma camisa vermelha (cor oficial do banco e que lhes dá destaque) com a logomarca da instituição estampada na frente e, nas costas, Posso ajudar?. 3 Algumas considerações sobre a realização de estágio O termo estágio engloba vários significados, mas o que interessa ao tema é a denotação de aprendizado, exercício, prática; situação transitória, de preparação (FERREIRA, 1986, p.). A lei nº , de 25 de setembro de 2008, define o estágio

5 397 como ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo do estudante 1 e podem realizá-lo estudantes que estiverem freqüentando o ensino regular, em instituições de ensino superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial, e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional de jovens e adultos 2. A realização do estágio pode ser obrigatória, se for definido como prérequisito no projeto pedagógico do curso para obtenção de diploma (como no caso da maioria das instituições de ensino superior) e nessa situação a instituição de ensino deve supervisionar as atividades do estudante. Também pode não ser obrigatório, sendo considerado apenas uma atividade opcional, acrescida à carga horária do curso. A legislação também estabelece quem pode contratar estagiários: pessoas jurídicas de direito privado, órgãos da administração pública direta, autárquica e fundacional de qualquer dos poderes da União, do estados, do Distrito Federal e dos municípios, e também os profissionais liberais de nível superior, devidamente registrados em seus respectivos conselhos 3. O estágio não caracteriza vínculo de emprego de qualquer natureza, desde que observados os requisitos legais, não sendo devidos encargos sociais, trabalhistas e previdenciários 4. A situação de ausência de vínculo empregatício entre o estagiário e a empresa era muito apreciada por estas, porque lançavam mão do estagiário como forma de redução de custos com mão de obra, por não precisarem arcar com encargos trabalhistas. Não havia nenhuma restrição quanto à carga horária que deveria ser reduzida. O estagiário trabalhava em média 8 horas, como um trabalhador comum, o que era incompatível com a realidade de estudos dos estagiários. A lei /2008 veio para por fim à banalização da contratação de estagiários, regulamentando a carga horária (que passou a ser de 4 a 6 horas por dia), e concedendo também o direito a férias ao final de um ano de atividades. Os estágios em bancos são muito concorridos pelos estudantes, tanto pela valorização do currículo, como pelo aspecto financeiro (em média o valor da bolsaauxílio concedida a um estagiário que cursa Administração de Empresas na cidade de Franca varia entre R$ 400,00 a R$ 600,00, já em bancos, o valor médio é de cerca de

6 398 R$ 1000,00). Além disso, os bancos privados chegam a integrar o estagiário ao final do contrato em seu quadro efetivo de colaboradores. As atividades realizadas no estágio em um banco público ou privado estão principalmente ligadas ao atendimento, como auxílio dos clientes no uso dos caixas eletrônicos, atendimento telefônico, telemarketing (para a oferta de produtos e serviços) e também cobrança. Há também outras atribuições de back office (retaguarda) ligadas à organização e manutenção de arquivos, criação e emissão de correspondência, organização de malotes, entre outros. Em alguns bancos oriundos de cooperativas, o estagiário desempenha as mesmas tarefas que um bancário convencional, atuando no caixa ou no atendimento interno ao cliente (realizando abertura de contas, concessão de empréstimos etc). 4 O trabalho do estagiário em uma agência do Banco Nossa Caixa O relato da atividade de estágio deste artigo baseia-se na vivência de um ano de uma assistente no interior de uma agência do Banco Nossa Caixa, localizada em uma avenida de grande circulação na cidade de Franca, São Paulo. No período considerado, a agência contava com um quadro de aproximadamente 15 funcionários efetivos, distribuídos por segmentos (pessoa física e jurídica, caixas, retaguarda e tesouraria, além do pessoal de vigilância e limpeza). O segmento destinado à pessoa física é o que acumula o maior número de clientes da agência e a sua divisão em três tipos segue um padrão do banco, que considera a renda mensal de seus correntistas: Pleno: abaixo de R$ 800,00 Preferencial: de R$ 800,00 a R$ 4.000,00 ou aplicações entre R$ 20,0 mil e R$ 49,9 mil Personalizado: renda acima de R$ 4,0 mil ou aplicações acima de R$ 49,9 mil Dentro dessa divisão, o maior número de correntistas pertence ao Pleno, graças ao grande número de aposentados e pensionistas do INSS. Este grupo de clientes é também o que mais necessita de auxílio para utilizar um terminal de autoatendimento.

7 399 A quantidade de funcionários da agência era insuficiente para atender o grande volume de correntistas. A situação se agravou quando, durante o período analisado, a agência mudou-se para um prédio maior e de mais destaque, o que atraiu novos clientes e correntistas de outras agências do banco na cidade, que esperavam conseguir atendimento de forma mais fácil e rápida. Quanto mais os colaboradores efetivos extrapolavam seu expediente devido à superlotação de clientes necessitados de atendimento, mais acumulavam horas extras, que na maioria das vezes eram convertidas em folgas, diminuindo o quadro total de funcionários constantemente. Não havia solução imediata a ser tomada pelos gestores da agência a não ser criar uma nova maneira de trabalhar dos seus estagiários do auto-atendimento. No período anterior ao aumento da demanda pelos serviços do banco, o estagiário ficava parado em algum ponto dentro do hall do auto-atendimento e somente atendia o cliente quando solicitado. Freqüentemente ficavam ociosos, sendo liberados para auxílio interno com arquivos, cobrança, cadastros, atendimento telefônico, entre outros, ocasionando um alto grau de comodismo entre os assistentes. Posteriormente, devido à implantação das novas políticas que visavam maior agilidade do atendimento, o estagiário passou a participar ativamente do processo de atendimento ao cliente, fazendo o que fosse possível para concluí-lo em seu ambiente, sem necessidade de encaminhar o pessoal para as áreas internas do banco. O principal item cobrado pelos gestores aos assistentes era a abordagem. Ao entrar no banco, o cliente deveria ser questionado de maneira educada e gentil sobre sua necessidade e, quando possível, encaminhado ao caixa eletrônico, sendo orientado pelo assistente em todas as etapas de uso. De acordo com relato de uma estagiária desta agência, a orientação diária que ela recebia dos gerentes era a de incentivar ao máximo o uso dos terminais de auto-atendimento. Outra orientação era realizar triagens de clientes nas filas do caixa, encaminhando-os aos segmentos corretos, ou para o auto-atendimento. Esta mudança de postura dos estagiários os impulsionou a se informarem mais sobre os produtos e serviços do banco e a se tornarem também referência para os clientes como esclarecedores de dúvidas. Entre os clientes idosos e as pessoas

8 400 carentes de informação, a presença e auxílio do assistente de atendimento nos caixa eletrônicos significou segurança e maior comodidade e, conseqüentemente, impactou positivamente em sua satisfação. 5 Considerações finais Este artigo teve como objetivo expor os motivos pelos quais o Banco Nossa Caixa, que após o período de automação e conseqüente redução de funcionários (processo semelhante observado no sistema bancário brasileiro), foi obrigado a rever os seus processos de atendimento. A atuação de assistentes nos terminais de auto-atendimento para auxiliar seu uso foi estratégica para a melhoria da satisfação dos clientes. Para afirmar tais proposições, utilizou-se tanto um referencial teórico quanto os relatos de uma estagiária e sua experiência como atendente em uma agência da cidade de Franca. Concluiu-se que o trabalho de atendimento nos caixas eletrônicos realizado pelos estagiários representou para os correntistas um meio de satisfazer as suas necessidades de forma rápida e eficaz, além de contribuir para a diminuição de filas e do tempo de espera, que provocava exaustão tanto nos funcionários do banco, como nos clientes. Além disso, representou também uma ponte entre o cliente que possui dificuldades em lidar com novas tecnologias, proporcionando uma melhor interação deste com o banco, fator este altamente importante para consolidação e sobrevivência de uma empresa no mercado atual. Em outro aspecto, para o estagiário, a atuação em um banco proporciona uma boa experiência em atendimento ao cliente e também seu melhor posicionamento no mercado de trabalho, que está a cada dia exige melhor preparação de quem busca uma colocação.

9 401 Referências CARTILHA esclarecedora sobre a lei do estágio. Brasília, n.1, ERNST & YOUNG. Pesquisa: Análise da Indústria Bancária no Brasil. São Paulo: Febraban, FERREIRA, A. Novo dicionário da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, FILHO, B; PIRES, P. O atendimento humano como suporte e incentivo ao uso do auto-atendimento em bancos. Curitiba: Revista FAE, v. 4, n.1, MENEZES, W. Atendimento presencial em auto-atendimento bancário!? Um paradoxo à luz da lógica dos clientes, dos atendentes e dos gestores. 2003, 158 f. (Dissertação de mestrado em Psicologia). Universidade de Brasília, Brasília, OLIVEIRA, S. Estrutura e formatação de trabalhos acadêmicos. 2. ed. Franca: Uni- FACEF, CARTILHA esclarecedora sobre a lei do estágio. Brasília, n.1, p. 9, CARTILHA esclarecedora sobre a lei do estágio. Brasília, n.1, p. 10, CARTILHA esclarecedora sobre a lei do estágio. Brasília, n.1, p. 9, CARTILHA esclarecedora sobre a lei do estágio. Brasília, n.1, p. 10, 2008

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

CIDADE UNIVERSITÁRIA Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 Bairro Petrópolis CEP 95070-560 Caxias do Sul RS Brasil Coordenadoria de Relações

CIDADE UNIVERSITÁRIA Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 Bairro Petrópolis CEP 95070-560 Caxias do Sul RS Brasil Coordenadoria de Relações PROGRAMA INTEGRAR A Universidade de Caxias do Sul no intuito de atender às necessidades da comunidade acadêmica e empresarial, coloca à disposição o Programa Integrar. O Programa é alicerçado na Lei n.º

Leia mais

Cartilha. Lei de estágio 11.788/08. Cartilha de estágio 1

Cartilha. Lei de estágio 11.788/08. Cartilha de estágio 1 Cartilha Lei de estágio 11.788/08 Cartilha de estágio 1 Cartilha de estágio 2 Cartilha Nube Lei de Estágio 11.788/08 Olá! Há dez anos no mercado, o Nube, Núcleo Brasileiro de Estágios, é um agente de integração

Leia mais

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e;

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e; RESOLUÇÃO CSA 02/2009 REFERENDA A PORTARIA DG 02/2008 QUE APROVOU A INSERÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NÃO OBRIGATÓRIOS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS OFERTADOS PELAS FACULDADES INTEGRADAS SÉVIGNÉ.

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DE EDUCAÇÃO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DE EDUCAÇÃO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DE EDUCAÇÃO Profa. Dra. Maria Rizoneide Negreiros de Araujo Dra. em Enfermagem pela EE da USP Membro da Câmara Técnica de Educação COREN-MG

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

Ministério do Trabalho publica Cartilha do Estágio

Ministério do Trabalho publica Cartilha do Estágio Ministério do Trabalho publica Cartilha do Estágio O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) torna pública esta Cartilha esclarecedora sobre a nova Lei do Estágio com o objetivo de orientar Estudantes,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

PROGRAD. Pró-Reitoria de Graduação ASCOM UFG

PROGRAD. Pró-Reitoria de Graduação ASCOM UFG PROGRAD Pró-Reitoria de Graduação ASCOM UFG ASCOM UFG Caderno de Dúvidas Frequentes Estágio UFG Equipe de Apoio da Coordenação Geral de Estágio Samuel Cavalcante - Secretário Executivo Utinay Batista -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO WWW.CIEESC.ORG.BR

MANUAL DO ESTAGIÁRIO WWW.CIEESC.ORG.BR MANUAL DO ESTAGIÁRIO WWW.CIEESC.ORG.BR SEJA BEM VINDO! É com muito prazer que o CIEE-SC recebe você como estagiário. O estágio é o seu primeiro passo para uma carreira de sucesso. Grandes executivos começaram

Leia mais

Cartilha do Estagiário das FaFEM

Cartilha do Estagiário das FaFEM Cartilha do Estagiário das FaFEM Apresentação Dúvidas Freqüentes Resumo dos principais pontos da lei 11.788 Legislação reguladora dos estágios: Lei Federal 11.788 de 25/09/2008 Apresentação As FaFEM, no

Leia mais

LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO

LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO A EMPRESA Desde a sua fundação, a LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO atua nas áreas de Recrutamento & Seleção, Gestão de Cargos e Salários, Gestão de Desempenho, Levantamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.485, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi)

PROJETO DE LEI N.º 3.485, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.485, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre a instalação do sistema de segurança de portas giratórias com detector de metais nas casas lotéricas e agências

Leia mais

1. Trabalhadores equiparados. Temporário, avulso, representante comercial. Estagiário. 2. Terceirização de atividades.

1. Trabalhadores equiparados. Temporário, avulso, representante comercial. Estagiário. 2. Terceirização de atividades. 1. Trabalhadores equiparados. Temporário, avulso, representante comercial. Estagiário. 2. Terceirização de atividades. 1. Trabalhadores equiparados aos empregados São trabalhadores equiparados aos empregados,

Leia mais

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL São Paulo, 16 de dezembro de 2010. A Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG BR At.: Sr. Rogério Portugal Bacellar Prezado Senhor,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Canais Alternativos de Atendimento

Canais Alternativos de Atendimento Canais Alternativos de Atendimento PAGAMENTO DE CONTAS RECEBIMENTO DE BENEFÍCIOS TRANSFERÊNCIA DE DINHEIRO Posso fazer essas operações bancárias nos Canais Alternativos de Atendimento? Veja aqui como fazer

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Escola SENAI Anchieta

Escola SENAI Anchieta REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO Versão 02 1. Do estágio O diploma de técnico só será conferido ao aluno que realizar, no país, a complementação curricular obrigatória, na forma de estágio supervisionado prevista

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE CONVÊNIOS. Sistema elaborado pela Seção Técnica Acadêmica e ECCJr do IBILCE

SISTEMA DE CONTROLE DE CONVÊNIOS. Sistema elaborado pela Seção Técnica Acadêmica e ECCJr do IBILCE SISTEMA DE CONTROLE DE CONVÊNIOS Sistema elaborado pela Seção Técnica Acadêmica e ECCJr do IBILCE Lei de Estágios Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008: Dispõe sobre o estágio de estudantes

Leia mais

CARTILHA DE ESTÁGIO 1

CARTILHA DE ESTÁGIO 1 1 CARTILHA DE ESTÁGIO APRESENTAÇÃO Elaborada em forma de perguntas e respostas, esta cartilha foi produzida com o intuito de facilitar o entendimento de professores e alunos da UFRN a respeito de como

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2008-06 a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2008-06 a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Pagamento da Conta de Energia com Cartão de débito Visa Rosimeri Xavier de Oliveira

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O QUE É O ESTÁGIO? Estágio é um ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

Guia de facilidades Bradesco Prime

Guia de facilidades Bradesco Prime Este material foi impresso em papel certificado FSC. Marketing 7778 out/14 Guia de facilidades Bradesco Prime No Bradesco Prime, você é prioridade sempre. Contar com a presença do Bradesco Prime em 100%

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA Coronel Fabriciano 2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVOS 1 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 2 4. ATRIBUIÇÕES 2 5. LOCAIS DE ESTÁGIO E AGENTES DE INTEGRAÇÃO

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE ESTÁGIO

PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE ESTÁGIO INSITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA - IFBA PRÓ-REITORIA REITORIA DE EXTENSÃO PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE ESTÁGIO Salvador 2015 PRESIDENTE DA REPÚBLICA DILMA VANA ROUSSEF MINISTRO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

O objetivo deste procedimento é estabelecer os instrumentos e os critérios para pagamentos realizados pela FTS.

O objetivo deste procedimento é estabelecer os instrumentos e os critérios para pagamentos realizados pela FTS. Página: 1/6 1. OBJETIVO O objetivo deste procedimento é estabelecer os instrumentos e os critérios para pagamentos realizados pela FTS. 2. REFERÉNCIAS 2.1 Lei 8.958 de 20 de dezembro de 1994 Lei das Fundações

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 São Paulo - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 4 3. OBJETIVOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO...

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

Portifólio Empresarial

Portifólio Empresarial Portifólio Empresarial 23/02/11 Rua Jasmim, 609 Santa Catarina - Joinville - SC - Brasil CEP: 89233-040 Fone/Fax: (47) 3025 1010 - contato@execom.inf.br +55 (47) 3025-1010 - Opção 5 comercial@execom.inf.br

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 Tel. 55 11 3862 1421 Pesquisa revela: fatores culturais afetam a eficácia dos cursos de inglês online por Paulo P. Sanchez* A BIRD Gestão Estratégica

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Nova Lei dos estágios: as novas regras do estágio em nível superior Bruno Minoru Takii* Introdução. O presente artigo tem como objetivo elucidar as novas regras trazidas pelo Projeto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT PBM

PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT PBM PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT PBM CONCEITO, DESCRIÇÃO E ASPECTOS CONTRATUAIS CASTRO PEIXOTO ADVOCACIA PBM - Pharmaceutical Benefit Management Conceito, descrição e aspectos contratuais 1. PBM Conceito

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO BANCÁRIA DOS BENEFICIÁRIOS DO PBF

PROJETO DE INCLUSÃO BANCÁRIA DOS BENEFICIÁRIOS DO PBF INCLUSÃO BANCÁRIA 2 PROJETO DE INCLUSÃO BANCÁRIA DOS BENEFICIÁRIOS DO PBF CONCEITO A inclusão bancária é a ação conjunta do MDS e da CAIXA para incentivar a inserção dos beneficiários do Programa Bolsa

Leia mais

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: TENDÊNCIAS PARA O INÍCIO DA PRÓXIMA DÉCADA. 18º Seminário Profuturo.

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: TENDÊNCIAS PARA O INÍCIO DA PRÓXIMA DÉCADA. 18º Seminário Profuturo. A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: TENDÊNCIAS PARA O INÍCIO DA PRÓXIMA DÉCADA Autor: Leandro José Morilhas. FIA FEA USP FCG. Agenda Introdução. Pergunta de pesquisa.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

NORMATIVO SARB 004/2009, revisto e atualizado em 17 de junho de 2015 e publicado em 13 de julho de 2015.

NORMATIVO SARB 004/2009, revisto e atualizado em 17 de junho de 2015 e publicado em 13 de julho de 2015. NORMATIVO SARB 004/2009, revisto e atualizado em 17 de junho de 2015 e publicado em 13 de julho de 2015. O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

Cartilha. Nova Lei de Estágios. Inovações e Adequações

Cartilha. Nova Lei de Estágios. Inovações e Adequações Cartilha Nova Lei de Estágios Inovações e Adequações 2008 IEL/SC Núcleo Regional Proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a permissão expressa do IEL/SC. Sistema Federação das Indústrias do

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL Procuradoria Federal junto ao IF Sudeste MG

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL Procuradoria Federal junto ao IF Sudeste MG 1 PARECER Nº 99/2013 - AGU/PGF/PF IF SUDESTE MG Ref.: Processo Administrativo: nº 23232.500762/2013-14 1 Consulente: Direção Geral - campus Juiz de Fora Data do recebimento do expediente: 20/08/2013 Ementa:

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 980, DE 2003.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 980, DE 2003. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 980, DE 2003. Altera a Lei nº 6.321, de 14 de abril de 1976, que dispõe sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador, a fim

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. Carlos Marcelo da Silva Figueredo

MERCADO DE TRABALHO. Carlos Marcelo da Silva Figueredo MERCADO DE TRABALHO 1 Carlos Marcelo da Silva Figueredo MERCADO DE TRABALHO Vale a pena abrir o próprio consultório? Vale a pena aceitar convênios de planos odontológicos? Vale a pena investir imediatamente

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

DDA Safra Débito Direto Autorizado. Mais segurança, agilidade e comodidade para seu dia a dia.

DDA Safra Débito Direto Autorizado. Mais segurança, agilidade e comodidade para seu dia a dia. Débito Direto Autorizado Mais segurança, agilidade e comodidade para seu dia a dia. Informações Gerais Fluxos Cadastramento do Eletrônico Processo de Apresentação Eletrônica DDA Modelo de Autorização Vantagens

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO

PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO 1 PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO 1. O que é estágio? É um período de aprendizado para o futuro profissional, permitindo a integração da formação à prática. O estágio proporciona a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais