PRODUCAO SOCIAL DO HABITAT: Estratégia dos excluídos para a conquista do direito à cidade e à moradia 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUCAO SOCIAL DO HABITAT: Estratégia dos excluídos para a conquista do direito à cidade e à moradia 1"

Transcrição

1 PRODUCAO SOCIAL DO HABITAT: Estratégia dos excluídos para a conquista do direito à cidade e à moradia 1 Acumulação capitalista e exclusão urbana Prof. Dr. Luis de la Mora Comunidade Interdisciplinar de Ação, Pesquisa e Aprendizado Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano. UFPE Ao considerar a cidade como uma simples mercadoria, a sociedade capitalista produz intrinsecamente a exclusão social, a segregação espacial e a destruição do patrimônio natural e cultural da presente e das futuras gerações. Nesse sentido, o Prof. Chesnais 2 atribui ao processo de acumulação do capital comandado pelo capital financeiro a responsabilidade pelo caos urbano instalado e crescentemente agravado nas cidades do mundo, manifestado visivelmente pela segregação espacial, a favelização e deficit qualitativo e quantitativo de habitações, principalmente nas grandes cidades. Por sua vez, a Profa. Ermínia Maricato 3 nos lembra que a produção informal do habitat constitui uma componente importante do crescimento das cidades latino-americanas. O deficit permanente decorre da subordinação da política urbana e habitacional aos interesses do capital. Já o Prof. Pedro Abramo 4 descreveu as três lógicas que se sobrepõem na produção da cidade difusa ou da cidade compacta: a Lógica do Mercado, seja ele formal, seja informal; a Lógica do Estado, por meio da produção maciça de conjuntos habitacionais verticalizados, privilegiando a rapidez e a quantidade da construção, com algumas ações direcionadas para a urbanização dos assentamentos e o melhoramento das habitações; e, finalmente, a Lógica da Necessidade dos enormes contingentes de excluídos que se vêem constrangidos a ocupar as periferias, consideradas no sentido social e urbanístico, não necessariamente geográfico, com processos acentuados de verticalização, fragmentação dos lotes e ocupação intensiva dos assentamentos. Para encontrarem um lugar na cidade, e não serem condenados a se instalar de Macacos pra lá! 5, os excluídos contam com uma única estratégia, a organização popular para exercer pressão cidadã, por meio dos movimentos sociais, como mencionou o prof. Aecio Gomes de Matos. 6 As quatro formas de produção do habitat A partir das proposições dos conferencistas que me antecederam, é possível identificar quatro formas diferentes, porem interdependentes e complementares de produção do habitat. 1. A produção empresarial do habitat 1 Publicado in: Novos Padrões de Acumulação Urbana na Produção do Habitat. Olhares Cruzados Brasil - Frnça. Editora Universitária, UFPE, Palestra pronunciada pelo Prof. François Chesnais, professor emérito da Universidade Paris-Norte em Villetaneuse, na abertura deste colóquio. 3 Palestra pronunciada neste colóquio pela Profa. Ermínia Maricato, professora titular e presidente da Comissão de Pesquisa da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e membro do Conselho de Pesquisa da USP. 4 Palestra pronunciada neste colóquio pelo Prof. Pedro Abramo, professor adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 5 Expressão do Interventor Agamemnon Magalhães ( ), criador da Liga Social contra o Mocambo, referido-se aos mocambeiros, que se não tinham condições de morar em habitações higiênicas deveriam morar de Macacos pra lá (vilarejo situado nos limites do município do Recife) 6 Palestra pronunciada neste colóquio pelo Prof. Aecio Gomes de Matos, professor adjunto da Universidade Federal de Pernambuco. 1

2 A produção empresarial do habitat é regida pelas leis do mercado, baseada na lógica da rentabilidade para permitir a acumulação ampliada do capital. Para constituir uma demanda solvável no mercado imobiliário, as famílias devem enfrentar com sucesso o Mercado de Trabalho. O sucesso vai depender, por uma parte, da existência de oportunidades de trabalho, decorrente da dinâmica econômica da sociedade, e, por outra, da base educacional e formação profissional dos trabalhadores. Como essas duas dimensões não registram um desempenho qualitativa e quantitativamente suficiente, o número dos excluídos do mercado de trabalho explica a sua exclusão do mercado imobiliário. Assim, terão acesso ao habitat com qualidade suficiente aquelas famílias de alto e médio padrão social, que inseridas adequadamente no mercado de trabalho, dispõem dos meios suficientes para aceder ao mercado imobiliário, quase sempre mediante créditos imobiliários de banco oficial ou privado. Já as famílias com níveis de renda médio baixo ou baixo, terão de recorrer à produção estatal do habitat. 2. A produção estatal do habitat Similar ao mercado imobiliário do processo de produção empresarial do habitat, existe na esfera governamental um mercado político, constituído, por um lado, pelo volume da oferta de unidades habitacionais mediante programas financiados por banco oficial e pelo orçamento geral da União, pelas políticas urbana e habitacional instituídas de forma compensatória para assegurar o direito à cidade e à moradia estipulados na Constituição Federal, e por outro, pela demanda da população que, a depender da sua força política, vai constituir uma demanda solvável no campo das políticas públicas. Assim como o lucro e a rentabilidade do empreendimento era a base da lógica da produção mercantil do habitat, no caso da produção estatal do habitat, a visibilidade e o potencial eleitoral dos programas é que vão determinar a efetivação ou não de determinados programas e projetos. Na nossa experiência, chegamos a ouvir de um gestor municipal a seguinte explicação para a interrupção de um programa de melhorias em 170 unidades habitacionais espalhadas em nove favelas consolidadas como ZEIS: o fato de serem pequenas intervenções dispersas em diversos locais não oferecia a necessária visibilidade ao projeto. Os programas governamentais utilizam a expressão Habitação de Interesse Social, mas diante da lógica subjacente às políticas governamentais, pensamos que poderia ser mais bem conceituada como Habitação de Interesse Eleitoral. O perfil político do governo e o balanço dos seus compromissos com diferentes setores da população: capital imobiliário e populações excluídas - vão determinar a conotação do leque das políticas urbanas e habitacionais: como estimulo à acumulação do capital e consequentemente a dinamização da indústria da construção civil e do mercado imobiliário, e/ou programas com maiores subsídios técnicos, fundiários e financeiros para facilitar o acesso à moradia e ampliar o volume das famílias incluídas. Os produtos dos programas habitacionais de interesse social priorizam a rapidez e a quantidade em detrimento da qualidade. Suas soluções arquitetônicas e urbanísticas são geralmente inadequadas, porque não são orientada pela lógica da necessidade, e sim pela lógica da legitimidade. Ao produzir habitações para os excluídos e não com os excluídos, esses programas são agressivos à cultura e à organização social das famílias e comunidades, e seus resultados financeiros são desastrosos, medidos pelo alto grau de inadimplência ou pela destruição do patrimônio imobiliário concebido e concedido 2

3 pelo Poder Público. 3. A produção espontânea do habitat A lógica da necessidade evocada acima faz com que as famílias excluídas do mercado imobiliário e das políticas compensatórias da Habitação de Interesse Social procurem nos interstícios da urbanização formal locais de escasso valor fundiário, em decorrência da localização: distante, em encostas ou áreas inundáveis. As casas são construídas pela própria família, parentes e amigos, que utilizam como materiais de construção elementos reciclados ou de baixa qualidade. A união e a solidariedade familiar e comunitária estão presentes nesses processos de produção espontânea do habitat, os quais respondem por mais ou menos 60% do parque habitacional das grandes metrópoles brasileiras. O acesso aos serviços urbanos é diversificado. O acesso formal à energia elétrica, mesmo na presença de algumas ligações clandestinas, é bastante generalizado, chegando a quase 100% das unidades com ligação à rede elétrica. O abastecimento de água é geralmente resolvido com ligações regulares à rede pública de distribuição, atendendo a 60, 70% dos domicílios. O restante faz uso de poços e chafarizes mediante a clássica lata d água. Graves mesmo são as condições de esgoto sanitário e coleta de lixo. Não é de estranhar os altos índices de morbidade e mortalidade em decorrência de doenças infecto-contagiosas nos assentamentos ocupados pela população de baixa renda. O espetáculo do esgoto correndo pelas sarjetas, a céu aberto, a lama fétida que se forma nas ruas, são recorrentes nestes assentamentos. A produção espontânea do habitat, por meio da qual a iniciativa e o protagonismo das famílias conseguem apenas garantir o acesso ao solo, a uma habitação de dimensões e qualidades construtivas precaríssimas, desprovida de instalações hidráulicas, sem serviços de esgoto e coleta de lixo, distante dos corredores do transporte público, sugere-nos o desleixo das políticas públicas com a consequente ausência dos serviços urbanos básicos. Essa é a produção do habitat possível, é o habitat construído pelos excluídos. A produção espontânea do habitat é mais conhecida pelo termo habitação popular, é produzida de acordo com os valores culturais dos usuários e também em função das suas capacidades. O seu produto é caracterizado pela precariedade. É preciso articular as políticas urbanas às políticas habitacionais, na base de programas que conciliem a participação ativa dos usuários na cogestão dos programas habitacionais com a articulação interinstitucional das políticas públicas: Políticas Urbanas e Políticas Sociais Básicas. 4. A produção social do habitat A participação protagonística dos usuários e a articulação interinstitucional constituem a essência da quarta modalidade: a produção social do habitat. Essa modalidade se constrói mediante a síntese dialética das modalidades estatal e espontânea. A produção social do habitat não disputa espaço com essas duas modalidades incompletas. Ao sintetizar a energia das famílias e comunidades, com a determinação do Poder Público de agir de forma articulada, ela as completa. A produção social do habitat constitui uma especificidade das políticas públicas. Assim foi deliberado pelo Conselho Nacional das Cidades, e assim é reconhecido pelos administradores e dirigentes políticos democráticos. A produção social do habitat viria ser uma nova modalidade em que as lideranças dos movimentos sociais e os representantes de grupos de famílias se articulam com a Caixa Econômica Federal, empresas 3

4 estaduais de habitação, Prefeituras, empresas distribuidoras de energia elétrica e água e coletoras de resíduos sólidos e líquidos, para produzir socialmente o habitat junto com os excluídos, empreendendo processos de cogestão, em que as decisões em todos os níveis sejam tomadas levando em consideração os aspectos culturais, sociais, organizacionais, ambientais das famílias e dos locais, assim como as restrições urbanísticas, legais, tecnológicas e financeiras do sistema de gestão urbana. nâo acredito em desenvolvimento que não seja conduzido pelo povo D. Helder Camara A afirmação do antigo arcebispo de Olinda e Recife: Não acredito em desenvolvimento que não seja conduzido pelo povo, expressa com contundência os fundamentos da produção social do habitat. As políticas e os programas habitacionais, numa sociedade democrática, devem ser conduzidos pelo povo, num processo de cogestão com as organizações governamentais e não governamentais que se disponham a efetivamente atuar com e não para o povo. O próprio Paulo Freire, na Pedagogia do Oprimido, nos ensinava que trabalhar para o povo era reproduzir a dependência e a subordinação. Trabalhar com o povo é construir a cidadania. 5. Antecedentes da produção social do habitat A cidade do Recife tem sido, ao longo da sua história, talvez em decorrência das suas profundas desigualdades sociais e a precariedade do habitat construído, o cenário de medidas antecipatórias muito importantes para a democratização das políticas públicas e do direito à cidade e à moradia. Em 1924, o médico sanitarista Amaury Medeiros, Diretor do Departamento de Saúde e Assistência do Estado de Pernambuco, sintonizado com as medidas sanitárias que vinham sendo implantadas no Brasil para erradicar das cidades focos de infecção, criou, em 1924, a Fundação da Casa Operária, para erradicar os mocambos que nessa época representavam 46% do total das unidades habitacionais do Recife. Com essa finalidade, construiu as vilas do Arraial, da Torre e de Afogados, colocando o Recife à frente das cidades brasileiras com programas destinados à erradicação dos mocambos. Depois da Revolução de 1930, Agamemnon Magalhães, interventor no Estado, resolve-se acabar com os males que atravancavam o progresso, entre os quais colocava os mocambos recifenses, criando primeiro a cruzada e depois Liga Social contra o Mocambo, a que destrói 13 mil mocambos e constrói 7 mil casas, com a intenção de limpar a cidade das imundices. Trinta anos depois e num contexto radicalmente diferente, o governador Miguel Arraes, entre 1963 e 1964, desenvolveu o projeto de assentamento das famílias que tinham ocupado terrenos nos Montes Guararapes, o que provocou a reação do Exército, que pretendia simplesmente expulsá-los. O governador Arraes desapropriou um terreno pertencente à Ordem do Carmo, encomendou a um dos mais notáveis arquitetos modernos do Recife, o prof. Borsoi, para elaborar o projeto urbanístico e construtivo, e implantou um programa social considerado um paradigma de participação popular e uma aproximação entre o modernismo e o vernacular na arquitetura, no clima político da Frente do Recife e como expressão social do Movimento de Cultura Popular. O movimento militar de 1964 interrompeu o projeto, por considerá-lo subversivo. 4

5 Na mesma linha e formando parte do processo de democratização do país, o movimento Teimosinho, liderado pelos jovens da ocupação de Brasília Teimosa, em 1978, recusa a proposta do governo do Estado e da Prefeitura, pelo qual as famílias seriam indenizadas e deveriam deixar o local para permitir a construção de um ambicioso projeto urbanístico residencial e de turismo e lazer de alto luxo. A resistência popular, com o apoio de entidades de classe, como a OAB, IAB, universidades e principalmente da Igreja Católica dirigida por Dom Helder, através da Comissão de Justiça e Paz, forçou as autoridades a aceitar a cogestão na elaboração do que viria a ser o Projeto Teimosinho, destinado à regularização fundiária e a melhorias habitacionais e urbanísticas, com a participação ativa da comunidade por meio de assembléias, grupos de teatro e sessões de trabalho conjunto, com técnicos, assessores do movimento e as próprias lideranças do bairro. Esse processo manifesta claramente as características do que estamos chamando na atualidade de produção social do habitat. Em 1983, a Prefeitura do Recife elabora e faz aprovar pela Câmara Municipal a Lei de Uso e Ocupação do Solo, que instituiu 29 Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS), que eram favelas consolidadas e seriam objeto de intervenções de regularização fundiária e urbanística. A Comissão de Justiça e Paz organizou discussões com as lideranças dessas 29 áreas para elaborar um anteprojeto que viria a ser acolhido pelo primeiro prefeito eleito da cidade depois do regime militar e aprovado pela Câmara Municipal em 1987, o qual continha parâmetros e procedimentos para a regularização urbanística e fundiária, bem como o mecanismo de gestão democrática e articulada do programa, envolvendo lideranças comunitárias, técnicos da Prefeitura, assessores técnicos de ONGs. Para nós, o PREZEIS constitui uma iniciativa claramente enquadrada na produção social do habitat, porque reúne suas duas condições essenciais: a participação popular e a articulação interinstitucional. No ano 2000, 42% da população recifense (590 mil habitantes) residia em 150 mil domicílios situados em Zonas Especiais de Interesse Social, o que demonstra a extensão do fenômeno da produção social do habitat na nossa cidade. Os militantes pela Reforma Urbana no Recife tiveram conhecimento, pela primeira vez, do conceito de produção social do habitat, no Seminário Internacional realizado em outubro de 2001, na cidade de Montevideu, com um título nitidamente revolucionário de "Produção Social do Habitat e Neoliberalismo: o capital do povo versus a miséria do capital". Nesse seminário, os participantes criticam as posturas assistencialistas dos governos, exigem uma ação mais decisiva para assegurar o direito à moradia, aprofundam o conceito de produção social do habitat, e encomendam à Coalizão Internacional do habitat na Secretaria Regional do México a sistematização das experiências de produção social do habitat na América Latina para tornar mais visível a proposta, que foi discutida nas sucessivas sessões do Fórum Social Mundial. Mais próximas de nós, em novembro de 2006, na cidade de São Paulo, a ONG Habitat para a Humanidade, promoveu juntamente com a Coalizão Internacional do habitat, Habitat Nações Unidas, o Fórum Nacional de Reforma Urbana, O Ministério das Cidades, a Caixa Econômica Federal, vinte universidade, mais de trinta prefeituras, movimentos nacionais de luta pela moradia, o Seminário Internacional Produção Social do Habitat, estratégias organizativas para a eliminação da moradia inadequada no contexto da América Latina. Na Carta de São Paulo, os participantes reconhecem que mesmo que o conceito de produção social do habitat tenha mais de trinta anos como prática e construção conceitual, nessa oportunidade, porém, sua vigência se reforça desde a perspectiva do direito à moradia e à cidade, como parte constitutiva dos Direitos Humanos, e à realização de uma vida digna para todas e todos. Destaca-se a implicação, protagonismo e capacidade propositiva dos habitantes como eixo central das decisões e ações que configuram seu habitat. 5

6 Foi debatido como o constante crescimento da população urbana e particularmente dos assentamentos informais na América Latina nos chama a desenvolver políticas mais integrais numa relação indissolúvel com as políticas urbanas, do solo e demais políticas sociais que envolvam os diferentes atores que constroem as cidades. Tudo isso demanda uma decidida ação do Estado, brindando novos marcos regulatórios, sistemas de financiamento e espaços de concentração e controle social com um adequado acesso à informação, como a geração de instrumentos de promoção que favoreçam o acesso à cidade e à moradia com um ativo protagonismo dos habitantes. Por fim, subscrevem a Carta Mundial pelo Direito à Cidade, a qual tem como princípios básicos o exercício pleno da cidadania, a gestão democrática das cidades e a função social da propriedade e da cidade. Acordaram desestruturar os paradigmas tradicionais de formação de profissionais nas universidades e de atuação nos organismos de planejamento, financiamento e implementação de programas habitacionais. Reafirmaram o compromisso de contribuir para eliminar as barreiras (institucionais, burocráticas, financeiras, tecnológicas e jurídicas) que impedem o acesso à moradia digna a grande parte da população da América Latina. 6. Significado da produção social do habitat a) Produção 7. A produção social do habitat implica: um processo de produção que utilizar insumos: terrenos, materiais, mão de obra, tecnologia, etc. procedimentos peculiares de trabalho coletivo, protagonizado pelos usuários, mas articulado com os parceiros governamentais e não governamentais. Esperar resultados arquitetônicos, urbanísticos, ambientais, sociais, econômicos, políticos, culturais, compatíveis com a construção da cidadania e a superação das situações multidimensionais da exclusão. b) Social A produção social implica ações coletivas baseadas na solidariedade. A organização do espaço físico só pode ser atingida e conservada de forma sustentável com a consolidação da organização social. c) Do habitat Entendido na totalidade, considerando a casa, os seus serviços básicos, a qualidade do entorno. A produção social do habitat deve colocar o ser humano no centro de todo o processo. Se habitação é um direito, esse direito não pode ser concedido. Aquilo que é concedido é dádiva. Os direitos se conquistam. E quem conquista direitos é o sujeito da história. Logo, o protagonismo dos processos de produção social do habitat deve ser do usuário. Por outro lado, não se trata simplesmente de construir casas, mas de fortalecer a família, a 6

7 comunidade, os grupos excluídos. E esse fortalecimento deve focalizar as dimensões econômicas: melhorar a renda da família; ambientais: preservar a qualidade do ambiente natural e construído; respeitar e afirmar os valores culturais do grupo para consolidar sua autoestima e fundamentar o seu empoderamento. 8. Da ocupação ao Conjunto Habitacional Dom Helder Câmara O processo de gestão da construção do Conjunto Habitacional Dom Hélder Câmara constitui o primeiro e único exemplo de autogestão e protagonismo das 200 famílias que ocuparam um terreno subutilizado da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos localizado no bairro da Iputinga (Recife). As famílias eram constituídas majoritariamente por casais jovens, com um ou dois filhos, que, não tendo casa própria para morar, moravam em casas alugadas ou coabitavam nas casas de familiares. Mobilizados e organizados pelo Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas, membros de 200 famílias, após tentativas fracassadas de ocupar outros terrenos na área, conseguiram, com o apoio da Prefeitura do Recife, durante a primeira gestão do prefeito João Paulo ( ), a promessa da transferência da propriedade dos Correios para a implantação de um projeto habitacional. As políticas de inclusão social mediante o acesso à moradia recebem um importante reforço com a criação do Ministério das Cidades e a colocação em cargos de primeiro escalão técnicos e acadêmicos participantes do Fórum Nacional de Reforma Urbana Não é por acaso que o tema da primeira Conferência Nacional das Cidades foi Uma Cidade para Todos. Concluída a conferência, com a criação do Conselho Nacional das Cidades, e a inclusão como conselheiros de representantes das quatro organizações que congregam os movimentos de luta pela moradia no Brasil, a Secretária Nacional de Habitação convoca suas lideranças para informá-las de primeira mão do lançamento do Programa Crédito Solidário, oferecendo a cada central a oportunidade de apresentar projetos de construção de 2 mil unidades habitacionais para cada uma das quatro organizações. Esse programa oferece crédito para a compra de terreno, reforma ou construção de unidades habitacionais, com amortização em vinte anos, sem juros. O Movimento de Luta nos Bairros, filiado à Central dos Movimentos Populares, recebeu a orientação de negociar o crédito junto à Caixa Econômica em Pernambuco. Para isso criou uma organização civil chamada Associação de Habitação Popular do Nordeste, e assim possuir personalidade jurídica que representasse as 200 famílias. Quando receberam a documentação que deveriam devolver preenchida com todo rigor que um contrato de financiamento de 3 milhões de Reais implica, resolveram procurar assessoramento técnico entre profissionais amigos do movimento, e junto com eles se dirigiram à Reitoria da UFPE a fim de demandar apoio 7

8 profissional para a elaboração do Projeto de Trabalho Técnico-Social. Fomos convocados pelo pró-reitor de Extensão para, na qualidade de profissional da área e na época coordenando o programa Conexões de Saberes: diálogos entre a universidade e as comunidades populares, 7 assumíssemos a responsabilidade de assessorar a direção do Movimento na elaboração e execução posterior de tal projeto. Foi realizado o cadastramento das famílias, e um perfil sociodemográfico dos seus componentes. Posteriormente, colaboramos na discussão do regimento do mutirão, 8 e na fase final da construção do regulamento do condomínio. Ao longo do processo foram realizadas duas jornadas de sensibilização para as famílias, com um dia de duração, as quais compareceram com os filhos menores. Grupos de estudantes organizaram atividades para entretenimento e formação das crianças, enquanto os pais discutiam que construir uma comunidade é mais difícil do que construir casas. Os autoconstrutores não eram necessariamente membros das famílias que iriam residir no conjunto. As vezes eram familiares, amigos, ou até mesmo pessoas contratadas pela família que não podia dispor de 16 horas por semana para dedicar-se à construção. Assim, foram organizadas as oficinas no próprio canteiro de obras, na primeira hora de trabalho de alguns expedientes, para realizar oficinas de sensibilização para o trabalho coletivo, segurança e técnicas construtivas, tais como trabalho com ferro, alvenaria, hidráulica. Num determinado momento, foi julgado oportuno contratar mestres de obra e equipes de pedreiros, porque se viu que o mutirão não estava dando os resultados esperados. Mas depois de um mês eles desistiram e voltaram ao regime de mutirão. Houve vários conflitos sérios ao longo do processo: primeiro, os participantes do projeto que não vinham cumprindo com o compromisso assumido de dar 16 horas por semana de trabalho ao mutirão. Cerca de 20 famílias foram excluídas depois de tensas discussões em assembleia. Um conflito mais grave foi o provocado por um grupo de oposição à liderança do MLB na condução do processo, o qual acusou os dirigentes da Associação de favoritismo e de manipulação política. Houve denuncia ao Ministério Público Federal para destituir a diretoria e nomear outra. Esse movimento não teve sucesso e o MLB conseguiu manter a hegemonia até o fim do processo. No final, foi realizado o sorteio das casas que por serem construídas em regime de mutirão, eram todas iguais. O sorteio foi realizado em três datas sequenciais. Na primeira data, participaram do sorteio aqueles que tinham atingido um mínimo de horas trabalhadas, e o mesmo critério foi utilizado para os outros dois sorteios. Por decisão da assembleia, a família de um deficiente visual foi a primeira a ter o direito de escolher sua casa. Logo em seguida, à medida que as pessoas eram sorteadas, elas escolhiam suas casas. Assistimos a um momento muito impressionante: ao longo do mutirão uma comunidade foi nascendo. Antes as pessoas moravam dispersas na zona oeste da cidade. Não havia comunidade. À medida que a 7 O Programa Conexões de Saberes é um projeto de extensão institucional que concede bolsas de estudo a universitários originários de escolas públicas, pertencentes a famílias com renda inferior a 3 S.M, e sendo a primeira geração que ingressa na universidade. Esses estudantes, inicialmente 25, posteriormente 115 dos mais diversos cursos, realizaram atividades de sensibilização, formação e organização das atividades vinculadas ao processo de construção das casas em regime de mutirão, para assegurar a qualidade do habitat socialmente produzido. 8 A produção social do habitat não deve ser confundida com autoconstrução. É basicamente um processo de autogestão. Os moradores do conjunto Dom Helder optaram pela regime de mutirão a fim de poder dispor de maiores recursos para a compra de materail de construção, e assim poder contar com uma casa de maiores dimensões. 8

9 colaboração foi se materializando durante o processo de construção, algumas redes solidarias foram sendo tecidas. Durante um dos sorteios, percebi como algumas pessoas reunidas estavam se pondo de acordo para escolher casas vizinhas na mesma rua, e depois batizar a rua com o nome Rua da Amizade. Percebi que, assim como as casas foram sendo construídas, uma comunidade estava nascendo. 9. Avaliação de um processo e especificidade dos resultados Qualquer avaliação precisa de um ponto zero ou grupo de controle para fundamentar a comparação. Como queríamos avaliar os resultados a partir das peculiaridades do processo, escolhemos a comunidade do Projeto do Conjunto Habitacional Abençoada por Deus para destacar as comparações possíveis com o Projeto do Conjunto Residencial Dom Helder Câmara. a) Nome. Os participantes do conjunto Dom Helder, optaram por nomear o conjunto como Conjunto Residencial e não Conjunto Habitacional a. Eles tiveram liberdade de escolher o nome que quiseram: Residencial e não Habitacional. Os moradores do Conjunto Abençoada por Deus, receberam o nome de Conjunto Habitacional, porque é assim que a Prefeitura denomina os conjuntos. b. Afirmaram sua autoestima ao escolher um tipo de conjunto que os identifica como conjunto privado, de classe média, e não conjunto popular, que recebe o nome de conjunto habitacional c. A escolha do nome de D. Helder vincula o conjunto a um processo de luta emancipatório de sujeitos de direitos. No muro interior está escrito o nome do conjunto com a legenda: Quem Luta, Conquista! b) Concepção e concessão do conjunto a. Os habitantes do conjunto habitacional Abençoada por Deus receberam os apartamentos concebidos e concedidos pela Prefeitura. Eles não discutiram o projeto arquitetônico ou urbanístico do conjunto. Não terão de pagar nada, uma vez que são recursos a fundo perdido do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social. Não há sentimento de identificação e apropriação do lugar. b. Os habitantes do conjunto D. Helder discutiram a tipologia: apartamentos, casas, duplex, e optaram pela solução que lhes pareceu a mais adequada. Deverão pagar um crédito de R$ 15 mil por família em vinte anos, sem juros. Há uma profunda identificação e apropriação do lugar. Não pelo fato de tê-lo autoconstruído, mas de ele ter sido autogerido. c) Zelo e cuidado com o ambiente natural e o construído a. Em Abençoada por Deus, o centro comunitário e o mobiliário em concreto da pequena área de lazer foram destruídos nos primeiros quinze dias de ocupação do conjunto. b. Os moradores do conjunto Dom Helder, assim que receberam suas casas, começaram a realizar os acabamentos: ampliação de cômodos, forro de gesso, cerâmica, grades, jardim individual. 9

10 d) Redes de sociabilidade a. Em Abençoada, o sorteio dos apartamentos foi direto. Os apartamentos eram sorteados e eram atribuídos à pessoa sorteada. Assim, as redes de solidariedade construídas durante os anos de convivência nas palafitas foram destruídas. b. Em Dom Helder, foram constituídas redes de solidariedade ao longo do processo, e elas se mantêm pela escolha da casa. e) Organização social e política 10. Conclusões a. Em Abençoada, depois de quase dois anos de estarem instalados nos apartamentos, não conseguiram instalar o condomínio. As tensões sociais aumentam por falta de uma instancia legitima que dirima os conflitos. A liderança eleita para presidir a associação é uma pessoa com fortíssimas ligações com a administração municipal. Há riscos de cooptação. b. Em Dom Helder, o condomínio foi instalado dois dias antes da inauguração do conjunto. A liderança está identificada com o Movimento de Luta nos Bairros, independentemente do poder municipal. A análise comparativa realizada no item anterior não nos deve induzir a pensar que tudo está resolvido entre os moradores do conjunto Dom Helder. O individualismo foi se desenvolvendo ao longo do processo. Parece que a luta pelo acesso à terra é algo que tem um potencial mais aglutinador de forças sociais que a construção das casas, e mais ainda do que a consolidação e a manutenção da qualidade do ambiente socialmente produzido. Em Dom Helder, a primeira obra realizada foi a construção de um muro de mais de 3 m de altura, isolando o conjunto do resto do bairro. Quando se discutia a creche que a prefeitura irá construir e manter em funcionamento no interior do Conjunto Dom Helder, houve protestos quando foram informados de que a creche deveria estar aberta para receber crianças das comunidades vizinhas... Se recusaram terminantemente, votariam pela não construção da creche, para não permitir a entrada de intrusos na intimidade do condomínio. Felizmente, foi encontrada uma solução salomônica: a creche será construída no limite do terreno, com uma porta para o exterior, para receber as crianças do entorno, e outra porta no interior para receber aquelas do condomínio. Ao receberem as casas, uma das primeiras reformas foi a instalação de grades, dentro de um condomínio fechado, com guarita vigiada, e tendo como vizinhos os colegas de dois anos de trabalho solidário durante a construção do condomínio. A equipe da universidade, agora constituída pela CIAPA, tem o compromisso de continuar apoiando as iniciativas das famílias, organizadas em torno do seu síndico e vice-sindico do Conjunto Dom Helder, para fazer dele um exemplo das qualidades de um habitat socialmente produzido. Bibliografia Documentos 10

11 Carta de São Paulo: DECLARAÇÃO DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PRODUÇÃO SOCIAL DO HABITAT. ESTRATÉGIAS ORGANIZATIVAS PARA A ELIMINAÇÃO DA MORADIA INADEQUADA NO CONTEXTO AMERICA LATINA. Habitat para a Humanidade, São Paulo, Nov Declaração de Montevideu. Seminário Internacional. "Produção Social do Hábitat e Neoliberalismo: o capital do povo versus a miséria do capital". Montevideu, Outubro de Bibliografia FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Ed. Vozes, GASPAR, Lúci Amaury de Medeiros. Pesquisa Escolar On-Line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://www.fundaj.gov.br>. Acesso em: 6 ago LIMA, Jacqueline de Cássia Pinheiro Modernização e Higienismo Social: Projetos de Habitações Populares em Recife e Rio de Janeiro durante o Estado Novo ( ). IUPERJ/UCAM. MIRANDA. Lívia Desenvolvimento Humano e Habitação no Recife. Desenvolvimento Humano do Recife. Atlas Municipal. Em e%20habita%c3%a7%c3%a3o%20no%20recife.pdf MORA, Luis de la Produção Social do Habitat. Habitat para a Humanidade/MDU, Dez MORAES, Demostenes Andrade de Apontamentos sobre Reforma Urbana e Produção Social do Habitat. Habitat para a Humanidade. Recife SOUZA, Diego Beja Inglez de Reconstruindo Cajueiro Seco:Arquitetura, política social e cultura popular em Pernambuco ( ). Palestra MDU, 17/ 02/09 11

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Não é verdade que a esquerda apenas critica e não sabe o que propor. A história da luta por moradia

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

- NOTA PÚBLICA MORADIA É DIREITO, NÃO PRIVILÉGIO!

- NOTA PÚBLICA MORADIA É DIREITO, NÃO PRIVILÉGIO! - NOTA PÚBLICA MORADIA É DIREITO, NÃO PRIVILÉGIO! Recife, 12 de Dezembro de 2014. Prezado cidadão e cidadã de Pernambuco, Nós, diferentes coletivos de militantes de direitos humanos, estudantes, profissionais

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

19 METROPOLIZAÇÃO, POBREZA, QUALIDADE DE VIDA E SUSTENTABILIDADE

19 METROPOLIZAÇÃO, POBREZA, QUALIDADE DE VIDA E SUSTENTABILIDADE 19 METROPOLIZAÇÃO, POBREZA, QUALIDADE DE VIDA E SUSTENTABILIDADE Luis de La Mora A mesa está composta por pesquisadores franceses e brasileiros, de vários estados do Nordeste do Brasil, que vem trabalhando

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR Evaniza Rodrigues Jul/2011 Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as)

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

Amiria Brasil Fernando de Oliveira Gustavo Cauás José Rafael de Lima

Amiria Brasil Fernando de Oliveira Gustavo Cauás José Rafael de Lima Proposta metodológica de avaliação dos mecanismos de articulação e organização dos agentes envolvidos em projetos de produção social do habitat: Estudo de caso: Conjunto Residencial Dom Helder Câmara Recife,

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades II Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Fortaleza 17 de março de 2010 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação

Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação O movimento tem projeto político e objetiva: Contribuir com a organização, articulação e fortalecimento dos movimentos de moradia no estado de São

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Carlos Henrique Cardoso Medeiros Secretário POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Orçamento Participativo da Habitação participaçãopopular

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO AS ENTIDADES E MOVIMENTOS DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PRESENTES NA AUDIÊNCIA PÚBLICA

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 1 PLHIS SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 2 Programação Introdução Parte I Parte II Parte III Política Nacional de Habitação, Sistema Nacional

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA?

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? SEMINÁRIO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA - RS PORTO ALEGRE 08 DE NOVEMBRO DE 2012 Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas Sindicado dos Arquitetos do Rio Grande

Leia mais

Mais cinemas para mais brasileiros.

Mais cinemas para mais brasileiros. Mais cinemas para mais brasileiros. ...NUM CINEMA PERTO DE VOCÊ! O Brasil já teve uma grande e descentralizada rede de salas de cinema. Em 1975, eram quase 3.300 salas, uma para cada 30 mil habitantes,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Introdução: A história das políticas públicas relacionadas à questão urbanística e habitacional implementadas em comunidades de baixa renda tem nos mostrado:

Leia mais

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles COOPERAÇÃO DAS CIDADES BRASILEIRAS PARA REDUÇÃO DA POBREZA URBANA MESA 2: PARCERIAS PARA APOIAR AS ESTRATÉGIAS DOS DIRIGENTES LOCAIS Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3

O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3 O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3 Pode-se dizer que a cidade contemporânea sofre de um mal crônico, senão

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar Policy brief. Inovações participativas nas políticas habitacionais para população de Titulo baixa renda: um estudo de caso sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades Tatagiba, Luciana - Autor/a;

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais